Você está na página 1de 32

Revista de

Direito Notarial
e Registraldo Espírito Santo
Ano VI – nº 59 – março e abril de 2020

Provimento 89
regulamenta
o registro de
imóveis eletrônico
em todo o Brasil
Espírito Santo dá os primeiros
passos na implantação do
registro imobiliário digital
Págs 12 a 21

Sinoreg-ES orienta notários e registradores


no combate ao novo coronavírus
Págs 4 a 11 Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo 1
ÍNDICE

3 EDITORIAL 22 SINOREG-ES A Revista de Direito Notarial e Registral do


Espírito Santo é uma publicação mensal das
Provimento nº 89 do Conselho Fundo de Apoio ao Registro Civil entidades notariais e registrais do Estado do
Espírito Santo, voltada para os profissionais dos
Nacional de Justiça e os das Pessoas Naturais do Estado serviços notariais e registrais do País, juízes,
benefícios para a sociedade do Espírito Santo – Farpen advogados e demais operadores do Direito. O
Sinoreg-ES não se responsabiliza pelos artigos
publicados na revista, cuja opinião expressa
somente as ideias de seus respectivos autores.
É proibida a reprodução total ou parcial dos
textos sem autorização do Sinoreg-ES.
Endereço: Av. Carlos Moreira Lima, 81 –
Bento Ferreira – Vitória (ES) – Cep: 29050-653
Fone: (27) 3314-5111
URL: www.sinoreg-es.org.br
Presidente
Márcio Valory Silveira
1º vice-presidente
Jeferson Miranda
2º vice-presidente
Milson Fernandes Paulin
1º Secretário
Fernando Brandão Coelho Vieira
2º Secretário
Marcelo Pessoa Cavalcante
1º Tesoureiro
Roberto Willian de Oliveira Ruy
2º Tesoureiro
Rodrigo Sarlo Antônio
Diretor de Relações-Institucionais
Hélvecio Duia Castello
Diretor de Registro de Imóveis
Luiz Claudio da Rocha
Diretor de Protesto de Títulos
Rogério Lugon Valladão
Diretor de Registro de Títulos e Documentos
Civis das Pessoas Jurídicas
Vago
Diretor de Tabelionato de Notas
4 SINOREG-ES 24 CNB-ES Rodrigo Reis Cyrino
Sinoreg-ES orienta notários Cadastro X Registro: multiplicidade Diretor de Registro Civil das Pessoas Naturais
Paulo Barreto Soares
e registradores no combate cadastral demonstra necessidade CONSELHO FISCAL
ao novo coronavírus de maior sintonia entre instituições conselhofiscal@sinoreg-es.org.br
Efetivos
Domingos Matias Andreon
Jullius Cesar Wyatt
Moises Barbosa de Sousa Filho
Suplentes
Cintia Vieira Petronetto
Rubens Pimentel Filho
Maria Virginia Novaes Leal Barbosa
CONSELHO DE ÉTICA
conselhoetica@sinoreg-es.org.br
Efetivos
Eleutério Conrado Paste
Nelisa Galante de Melo Santos
Henrique Deps
Suplentes
Bruno Santolin Cipriano
Natália Bastos Bechepeche Antar
Maria Conceição Leal de Sousa
Jornalista Responsável:
Alexandre Lacerda Nascimento
Edição: Belisa Frangione
Reportagens: Frederico Guimarães
Colaboração: Caio Ivanov e Elaine Viana
Sugestões de Artigos e Matérias:
elaine@sinoreg-es.org.br
alexlacerda@hotmail.com / (27) 3314-5111
Impressão e CTP
JS Gráfica e Editora
Telefax: (11) 4044-4495
E-mail: js@jsgrafica.com.br
12 ANOREG-ES 30 IEPTB-ES URL: www.jsgrafica.com.br
Provimento 89 regulamenta ENORES inicia 2020 com curso Projeto Gráfico e Diagramação
o registro de imóveis sobre Direito Tributário e Imposto Mister White

eletrônico em todo o Brasil sobre a Renda da Pessoa Física

2 Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo


EDITORIAL

Provimento nº 89 do Conselho
Nacional de Justiça e os
benefícios para a sociedade

R
ecentemente, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) editou o Provimento
nº 89/2019, que entrou em vigor em 1º de janeiro deste ano. O objetivo do ato
normativo é regulamentar o Registro Eletrônico de Imóveis, conhecido como “SREI”,
no intuito de aumentar o nível de automação dos processos e promover a melhoria da
eficiência na gestão do registro de imóveis no país.

Sabe-se que para a implementação deste modelo de registro eletrônico, será adotado
o Código Nacional de Matrícula Imobiliária, constituído por 15 dígitos, organizados em
quatro campos obrigatórios. Agora, caberá aos oficiais de registro de imóveis implantar
numeração única para as matrículas que forem abertas e renumerar as matrículas exis-
tentes quando do primeiro ato a ser lançado na matrícula ou na hipótese de extração
de certidão.

Vejo que o Provimento permitirá uma melhor prestação dos serviços extrajudiciais ao
cidadão, além de possibilitar o intercâmbio de informações entre os ofícios de registro
de imóveis, o Poder Judiciário, a administração pública e o público em geral, para a
maior eficácia e celeridade da prestação jurisdicional e do serviço público.

Indo além, com a criação do Operador Nacional do Sistema de Registro de Imóveis


Eletrônico - “ONR”, será disponibilizado aos oficiais registradores, bem como aos usuá-
rios, sistemas de geração dos dígitos verificadores do Código Nacional de Matrículas
(CNM) e de autenticação, notadamente para verificação de validade e autenticidade,
com posterior assinatura por meio digital.

Em suma, o SREI trará uma prestação de serviços célere e com mais qualidade ao
cidadão, além de possibilitar melhor intercâmbio de informações entre os ofícios de
registro de imóveis e demais órgãos públicos.
Márcio Valory Silveira
Presidente do Sinoreg-ES

“O Provimento
permitirá uma melhor
prestação dos serviços
extrajudiciais ao
cidadão, além de
possibilitar o intercâmbio
de informações”
Márcio Valory Silveira,
presidente do Sinoreg-ES

Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo 3


Sinoreg-ES orienta notários
e registradores no combate
ao novo coronavírus
Corregedoria Nacional de Justiça publicou o
Provimento nº 95, que dispõe sobre o funcionamento
dos Cartórios do Brasil durante crise de COVID-19

C
om a crise do novo coronavírus que as- serviços notariais e de registros durante o pe- também criando jornadas específicas de tra-
sola diversos países no mundo, inclusi- ríodo de Emergência em Saúde Pública de Im- balho, como forma de amenizar eventuais
ve o Brasil, a Corregedoria Nacional de portância Nacional (ESPIN), em decorrência prejuízos.
Justiça publicou o Provimento nº 95, que de- da infecção humana pelo novo Coronavírus “A situação exige muita cautela e compreen-
fine o funcionamento dos serviços notariais e (Sars-Cov-2). são. Através de nossas mídias sociais, site e
de registro durante o período de emergência Antes mesmo das orientações das correge- contato telefônico, buscamos uma forma de
em Saúde Pública de Importância Nacional dorias, o Sindicato dos Notários e Registrado- orientar as serventias extrajudiciais repassan-
por conta do novo coronavírus. Os cartórios res do Estado do Espírito Santo (Sinoreg-ES) do as medidas até então cabíveis para a boa
são um serviço público essencial que possui divulgou um informe para orientar notários e segura atuação dos notários e registradores,
regramento próprio no artigo 236 da Consti- e registradores no combate ao novo corona- diminuindo o risco de contágio para todos os
tuição Federal e na Lei 8.935/94. vírus. envolvidos”, afirma o presidente do Sindicato.
A partir de agora, nas localidades em que Segundo o comunicado, os profissionais e As orientações do Sinoreg-ES se asseme-
tenham sido decretadas medidas de quaren- a população só devem ir ao cartório se esti- lham as recomendações publicadas por outros
tena por autoridades sanitárias, com restrição verem saudáveis. Além disso, alguns serviços sindicatos e associações de notários e registra-
de atividades ou limitação de circulação de podem ser realizados por meio eletrônico, dores no país.
pessoas, o atendimento aos usuários do servi- como é o caso das Centrais de Registros e de É o caso das recomendações frisadas pela
ço de notas e registro, em todas as especialida- Tabelionatos. Associação dos Notários e Registradores do
des previstas na Lei no 8.935/94, serão presta- Ainda de acordo com o informe, o momen- Brasil (Anoreg-BR). De acordo com a insti-
dos em todos os dias úteis, preferencialmente to exige a compreensão de todos para que os tuição, diante de uma crise de saúde pública
por regime de plantão a distância. serviços continuem sendo prestados de forma sem precedentes, faz-se necessário pensar na
Na mesma linha de raciocínio, a Correge- eficaz. comunidade, principalmente nos mais idosos,
doria Geral da Justiça do Espírito Santo (CGJ/ Para o presidente do Sinoreg-ES, Márcio portanto, é fundamental que todos estejam
ES) regulamentou, no âmbito estadual, os Valory Silveira, no Estado do Espírito Santo, preparados para atender os clientes com cau-
procedimentos editados no Provimento nº 95 os cartórios estão funcionando precedidos tela e atenção redobrada.
da Corregedoria Nacional de Justiça, de 31 de de medidas preventivas, controlando o fluxo A Anoreg-BR recomenda que, além das
março de 2020, quanto ao funcionamento dos de pessoas no interior do estabelecimento, precauções básicas de higiene (lavar bem as

4 Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo


mãos, passar álcool gel, cuidados ao tossir,
uso de máscaras etc), tanto funcionários como
“Através de nossas mídias
usuários do cartório não devem se expor des-
necessariamente. sociais, site e contato
Já a Corregedoria Nacional de Justiça fez telefônico, buscamos
recomendações sobre medidas preventivas ao uma forma de orientar as
novo coronavírus no âmbito das serventias serventias extrajudiciais
extrajudiciais.
Segundo a Corregedoria, poderão ser edi- repassando as medidas até
tadas normas administrativas de caráter tem- então cabíveis para a boa e
porário, considerando sempre a evolução da segura atuação dos notários
pandemia na área de fiscalização das Corre- e registradores”
gedorias locais.
Dentre as medidas mais relevantes, está a Márcio Valory Silveira,
recomendação da suspenção e redução do ho- presidente do Sinoreg-ES
rário do expediente externo e do atendimento
ao público, em consonância com as orienta-
ções das autoridades locais e nacionais de Saú- Dos casos confirmados, 13 pacientes já es-
de Pública. tão curados, 97 estão em isolamento residen-
cial e 29 estão internados, sendo 20 em Uni-
CASOS DE CORONAVÍRUS dades de Terapia Intensiva (UTI) e dois óbitos
Até o dia 3 de abril, o número de casos con- foram registrados no Estado.
firmados do novo coronavírus (COVID-19) As secretarias estaduais de Saúde divulga- De acordo com o presidente do Sinoreg-ES,
no Espírito Santo era de 139, de acordo com ram, nesta mesma data, 8.229 casos confir- Márcio Valory, no Estado do Espírito Santo,
o boletim divulgado pela Secretaria Estadual mados do novo coronavírus (Sars-Cov-2) no os cartórios estão funcionando precedidos de
de Saúde (Sesa). Brasil, com 343 mortes pela COVID-19. medidas preventivas

Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo 5


CNJ publica provimento sobre o
funcionamento dos serviços extrajudiciais
durante pandemia do COVID-19
O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) pu- CONSIDERANDO o princípio da continuida- Distrito Federal regulamentar o seu funcio-
blicou no dia 1º de abril, o Provimento nº de dos serviços públicos e o fato de que os namento, ou adequando os atos que já te-
95/2020, que estabelece como irão fun- serviços notariais e de registro devem ser nham sido editados se necessário, cumprin-
cionar os serviços notariais e de registro prestados, de modo eficiente e adequado do que sejam padronizados os serviços nos
durante o período de Emergência em em dias e horários estabelecidos pelo juízo locais onde houver mais de uma unidade.
Saúde Pública de Importância Nacional competente, desde que atendidas as pecu-
(ESPIN), em decorrência da pandemia do liaridades locais (art. 4º da Lei nº 8.935, de § 1º. Os serviços públicos de notas e regis-
coronavírus (COVID-19). 18 de novembro de 1994); tros devem manter a continuidade e o seu
funcionamento é obrigatório. Nos locais
O CORREGEDOR NACIONAL DE JUSTIÇA, CONSIDERANDO o disposto na Recomen- onde não for possível a imediata implan-
em exercício, usando de suas atribuições dação nº 45, de 17 de março de 2020, no tação do atendimento à distância, e até
constitucionais, legais e regimentais e Provimento nº 91, de 22 de março de 2020 que isso se efetive, excepcionalmente, de-
e no Provimento 94, de 28 de março de verá ser adotado atendimento presencial,
CONSIDERANDO o poder de fiscalização 2020, naquilo em que este se aplica, todos cumprindo que sejam observados, nesse
e de normatização do Poder Judiciário dos da Corregedoria Nacional de Justiça; caso, todos os cuidados determinados pe-
atos praticados por seus órgãos (art. 103-B, las autoridades sanitárias para os serviços
§ 4º, I, II e III, da Constituição Federal); CONSIDERANDO que o art. 21 da Lei nº essenciais, bem como as administrativas
8.935, de 18 de novembro de 1994, pre- que sejam determinadas pela Corregedoria
CONSIDERANDO a competência exclusiva coniza que o gerenciamento administrati- Geral dos Estado ou do Distrito Federal res-
do Poder Judiciário de fiscalizar os serviços vo e financeiro dos serviços notariais e de pectiva, ou pelo Juízo competente,
notariais e de registro (arts. 103-B, § 4º, I registro é da responsabilidade exclusiva do
e III, e 236, § 1º, da Constituição Federal); respectivo titular; § 2º. O atendimento a distância, será com-
pulsório nas unidades em que o responsá-
CONSIDERANDO a competência do Corre- CONSIDERANDO que o art. 4º do Decreto nº vel, substituto, preposto ou colaborador,
gedor Nacional de Justiça de expedir provi- 10.282, de 20 de março de 2020 estabele- estiver infectado pelo vírus COVID-19 (soro-
mentos e outros atos normativos destina- ceu que os Poderes Judiciário e Legislativo, positivo), enquanto em exercício.
dos ao aperfeiçoamento das atividades dos os Tribunais de Contas, o Ministério Público
serviços notariais e de registro (art. 8º, X, e a Defensoria Pública definirão suas limita- § 3º. O plantão a distância nas unidades
do Regimento Interno do Conselho Nacional ções de funcionamento, dos serviços de notas e registro do país
de Justiça); terá duração de pelo menos quatro horas
CONSIDERANDO, finalmente, a importância e, quando excepcionalmente for necessária
CONSIDERANDO a Declaração de Pande- de assegurar a continuidade da prestação a adoção do plantão presencial, este terá
mia de COVID-19 pela Organização Mundial do serviço público de notas e registro, que é duração não inferior a duas horas.
da Saúde em 11 de março de 2020, em exercido por delegação, bem como a neces-
decorrência da infecção humana pelo novo sidade de preservar a saúde dos oficiais, § 4º. Fica autorizado, quando necessário, o
Coronavírus (Sars-Cov-2); de seus prepostos e dos usuários em geral, uso dos serviços dos correios, mensageiros,
ou qualquer outro meio seguro para o recebi-
CONSIDERANDO a Portaria nº 188/GM/ RESOLVE: mento e a devolução de documentos físicos
MS, de 4 de fevereiro de 2020, que decla- destinados à prática de atos durante o aten-
rou Emergência em Saúde Pública de Im- Art. 1º. Nas localidades em que tenham dimento em regime de plantão, com emissão
portância Nacional (ESPIN), em decorrência sido decretadas medidas de quarentena de comprovante do recebimento de docu-
da Infecção Humana pelo novo Coronavírus por autoridades sanitárias, consistente em mentos e manutenção de controle dos docu-
(Sars-Cov-2); restrição de atividades, com suspensão de mentos devolvidos aos usuários do serviço.
atendimento presencial ao público em es-
CONSIDERANDO que os serviços notariais tabelecimentos prestadores de serviços, ou § 5º. Os oficiais de registro e tabeliães, a
e de registro são essenciais para o exercí- limitação da circulação de pessoas, o aten- seu prudente critério, e sob sua responsa-
cio da cidadania, para a circulação da pro- dimento aos usuários do serviço delegado bilidade, poderão recepcionar diretamente
priedade, para a obtenção de crédito com de notas e registro, em todas as especiali- títulos e documentos em forma eletrônica,
garantia real, para a prova do inadimple- dades previstas na Lei 8.985/1994, serão por outros meios que comprovem a autoria
mento de títulos e outros documentos de prestados em todos os dias úteis, preferen- e integridade do arquivo (consoante o dis-
dívida com a chancela da fé pública, entre cialmente por regime de plantão a distância, posto no Art. 10, § 2º, da Medida Provisória
outros direitos. cabendo às Corregedorias dos Estados e do 2.200-2/2001).

6 Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo


Art. 2º - Os notários, registradores e respon- funcionamento no país ou na respectiva III. Os documentos desmaterializados por
sáveis interinos pelo expediente, que houve- unidade da Federação, para a remessa de qualquer notário ou registrador, gerado
rem de implantar excepcionalmente o fun- títulos, documentos e pedido de certidões. em PDF/A e assinado por ele, seus subs-
cionamento presencial, além das medidas titutos ou prepostos com Certificado Di-
determinadas pelas autoridades sanitárias Art. 4º. Durante o regime de plantão de- gital ICP-Brasil.
e administrativas locais, deverão pelo me- verá ser mantido, por período não inferior
nos adotar medidas rígidas de precaução, a quatro horas, o atendimento por meios IV. As cartas de sentença das decisões ju-
visando a reduzir o risco de contágio pelo de comunicação que forem adotados para diciais, dentre as quais, os formais de
novo Coronavírus (Sars-Cov-2) como esta- atendimento a distância, nesses incluídos partilha, as cartas de adjudicação e de
belecido no parágrafo único deste artigo. os números dos telefones fixo e celular, arrematação, os mandados de registro,
os endereços de WhatsApp, Skype, e os de averbação e de retificação, por meio
Parágrafo único – Cumpre a adoção das se- demais que estiverem disponíveis para de acesso direto do oficial do registro ao
guintes providências: atendimento ao público, que serão divul- processo judicial eletrônico, mediante
gados em cartaz a ser afixado na porta da requerimento do interessado.
I. Intercalar as cadeiras de espera com unidade, facilmente visível, e nas páginas
espaço mínimo de 2,0 metros entre um de Internet. § 2º. Consideram-se títulos digitalizados
usuário e outro, de modo que fiquem em com padrões técnicos, aqueles que forem
uma distância segura uns dos outros; Art. 5º. A execução das atividades de forma digitalizados de conformidade com os crité-
remota, por meio de prepostos, fora das de- rios estabelecidos no art. 5º do Decreto nº
II. Limitar a entrada de pessoas nas áreas pendências da serventia extrajudicial, pela 10.278, de 18 de março de 2020
de atendimento, evitando aglomera- modalidade de teletrabalho, observará o
Art. 7º. Os oficiais de registro e notários ve-
ções. Nesse sentido, fica recomendado que determina o art. 4º, da Lei nº 8.935/94,
rificarão, obrigatoriamente, na abertura e
que se faça uma triagem do lado fora do ficando o tabelião ou oficial de registro res-
no encerramento do expediente de plantão,
cartório e, quando for possível, orientar ponsável por providenciar e manter a estru-
bem como, pelo menos, a cada intervalo
o usuário a deixar a documentação para tura física e tecnológica necessária e ade-
máximo de uma hora, se existe remessa
posterior retirada; quada à realização do teletrabalho.
de documentos para a prática de atos a ser
cargo e de pedidos de certidões.
III. Marcar uma faixa de segurança a uma Art. 6º. Durante a Emergência em Saúde
distância de 1,5 metro nas áreas de Pública de Importância Nacional (ESPIN), Art. 8º. Os oficiais de registro ou notários,
atendimento entre o usuário e o aten- contemplada no caput, todos os oficiais de quando suspeitarem da falsidade do título
dente; registro e tabeliães deverão recepcionar os ou documento que lhes forem apresenta-
títulos nato-digitais e digitalizados com pa- dos, poderá exigir a apresentação do origi-
IV. Orientar os usuários sobre a possibilida- drões técnicos, que forem encaminhados nal e, em caso de dúvida, poderá requerer
de de realizar atos em diligência; eletronicamente para a unidade do serviço ao Juiz, na forma da lei, as providências que
de notas e registro a seu cargo e processá- forem cabíveis para esclarecimento do fato.
V. Disponibilizar álcool em gel, luvas e más- -los para os fins legais.
caras para os atendentes que tenham Art. 9º. Este Provimento entra em vigor na
contato com documentos em papel e § 1º. Considera-se um título nativamente di- data de sua publicação e terá validade até
com o público, disponibilizando-se, in- gital, para todas as atividades, sem prejuí- 30 de abril de 2020, prorrogável por ato do
clusive, álcool em gel em local de fácil zo daqueles já referidos no Provimento CNJ Corregedor Nacional de Justiça, enquanto
acesso para os usuários; 94/2020, de 28 de março de 2020, e na subsistir a situação excepcional que levou
legislação em vigor, os seguintes: à sua edição, vigorando para todas as es-
VI. Higienizar rotineiramente as máquinas pecialidades do serviço de notas e registro,
e objetos, canetas e outros materiais de I. O documento público ou particular gera- preservadas a validade, por suas especifici-
constante contato com os usuários; do eletronicamente em PDF/A e assina- dades para o registro de imóveis, do Provi-
do com Certificado Digital ICP-Brasil por mento 94, de 28 de março de 2020, bem
Art. 3º. O atendimento de plantão a dis- todos os signatários e testemunhas: como da Recomendação CNJ 45, de 17 de
tância será promovido mediante direciona- março de 2020, do Provimento CNJ 91, de
mento do interessado por todos os meios II. A certidão ou traslado notarial gerado 22 de março de 2020 e do Provimento CNJ
de eletrônicos já disponíveis e em funcio- eletronicamente em PDF/A ou XML e as- 93, 23 de 26 de março de 2020.
namento em cada especialidade, inclusive sinado por tabelião de notas, seu substi-
centrais eletrônicas regulamentadas, em tuto ou preposto; Ministro DIAS TOFFOLI

Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo 7


Provimento nº 09/2020 regulamenta o
funcionamento dos serviços notariais e de
registros no âmbito do Estado do Espírito Santo

Regulamenta, no âmbito do Estado do Es- da cidadania, para a circulação da proprie- verá ser adotado atendimento presencial,
pírito Santo, os procedimentos editados no dade, para a obtenção de crédito com ga- cumprindo que sejam observados, nesse
Provimento nº 95 da Corregedoria Nacional rantia real, para a prova do inadimplemen- caso, todos os cuidados determinados pe-
de Justiça, de 31 de março de 2020, quan- to de títulos e outros documentos de dívida las autoridades sanitárias para os serviços
to ao funcionamento dos serviços notariais com a chancela da fé pública, entre outros essenciais.
e de registros durante o período de Emer- direitos;
gência em Saúde Pública de Importância § 3º. Ficam excluídos do atendimento pre-
Nacional (ESPIN), em decorrência da infec- CONSIDERANDO o princípio da continuida- sencial as pessoas que compõem o grupo
ção humana pelo novo Coronavírus (Sars- de dos serviços públicos e o fato de que os de risco, de acordo com as orientações edi-
-Cov-2) e dá outras providências. serviços notariais e de registro devem ser tadas pelo Ministério da Saúde.
prestados, de modo eficiente e adequado;
O Desembargador Ney Batista Coutinho, § 4º. Fica autorizado, quando necessário,
Corregedor Geral da Justiça do Estado do CONSIDERANDO o disposto na Recomen- o uso dos serviços dos correios, mensagei-
Espírito Santo, no uso de suas atribuições dação nº 45, de 17 de março de 2020, no ros, ou qualquer outro meio seguro para o
legais e, Provimento nº 91, de 22 de março de 2020, recebimento e a devolução de documentos
nº Provimento 94, de 28 de março de 2020 físicos destinados à prática de atos durante
CONSIDERANDO que compete à Correge- e nº Provimento nº 95, de 31 de março de o atendimento em regime de plantão, com
doria Geral da Justiça orientar, normatizar 2020, naquilo em que este se aplica, todos emissão de comprovante do recebimento
e fiscalizar as atividades das serventias ex- da Corregedoria Nacional de Justiça; de documentos e manutenção de controle
trajudiciais; dos documentos devolvidos aos usuários
CONSIDERANDO que o art. 21 da Lei nº do serviço.
CONSIDERANDO que a classificação da si- 8.935, de 18 de novembro de 1994, pre- https://sistemas.tjes.jus.br/ediario/index.
tuação mundial da COVID-19 como pande- coniza que o gerenciamento administrati- php/component/ediario/950670?view=-
mia significa o risco potencial de a doença vo e financeiro dos serviços notariais e de content 03/04/2020 5:22 AM Página 1 de 5
infecciosa atingir a população mundial de registro é da responsabilidade exclusiva do
forma simultânea, não se limitando aos lo- respectivo titular, § 5º. O atendimento a distância será com-
cais que já tenham sido identificados como pulsório nas unidades em que o responsá-
de transmissão interna; RESOLVE: vel, substituto, preposto ou colaborador,
estiver infectado pelo vírus COVID19 (soro-
CONSIDERANDO o alto risco de dissemina- CAPÍTULO I positivo), enquanto em exercício.
ção do novo coronavírus nos locais de circu-
lação e de concentração de pessoas; Normas Gerais § 6º. O plantão a distância nas unidades
dos serviços de notas e registro ocorrerá
CONSIDERANDO a necessidade de conter Art. 1º. O atendimento aos usuários do no expediente normal de funcionamento e,
a propagação da doença, a transmissão lo- serviço delegado de notas e registro, em quando excepcionalmente for necessária a
cal, a preservação da saúde dos delegatá- todas as especialidades previstas na Lei nº adoção do plantão presencial, este ocorre-
rios e prepostos dos serviços notariais e de 8.935/1994, serão prestados em todos os rá entre 13:00 e 15:00 horas.
registros, bem como dos usuários em geral; dias úteis, preferencialmente por regime de
plantão a distância. § 7º. Os oficiais de registro e tabeliães, a
CONSIDERANDO a Portaria nº 188/GM/ seu prudente critério, e sob sua responsa-
MS, de 4 de fevereiro de 2020, que decla- § 1º. Caberá aos responsáveis pelos servi- bilidade, poderão recepcionar diretamente
rou Emergência em Saúde Pública de Im- ços extrajudiciais informarem aos usuários títulos e documentos em forma eletrônica,
portância Nacional (ESPIN), em decorrência a utilização das plataformas digitais de re- por outros meios que comprovem a autoria
da Infecção Humana pelo novo Coronavírus gistradores de imóveis, registro civil e de e integridade do arquivo (consoante o dis-
(Sars-Cov-2), bem como o Decreto Estadual notas através dos sites www.registradores. posto no art. 10, § 2º, da Medida Provisória
nº 4593-R/2020; org.br, www.cenprotnacional.org.br e www. nº 2.200-2/2001).
pesquisaprotesto.com.br.
CONSIDERANDO, entretanto, que os servi- § 8º. As serventias deverão manter atendi-
ços notariais, de registro civil e de registro § 2º. Em eventual impossibilidade do aten- mento telefônico, com esclarecimento de dú-
imobiliário são essenciais para o exercício dimento à distância, excepcionalmente, de- vidas, inclusive no que se refere à utilização

8 Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo


das plataformas colocadas à sua disposição. de comunicação que forem adotados para IV - As cartas de sentença das decisões
atendimento a distância, nesses incluídos judiciais, dentre as quais, os formais de
Art. 2º. Os notários, registradores e res- os números dos telefones fixo e celular, os partilha, as cartas de adjudicação e de ar-
ponsáveis interinos pelo expediente, que endereços de WhatsApp, Skype, e os de- rematação, os mandados de registro, de
implantarem, excepcionalmente, o funcio- mais que estiverem disponíveis para aten- averbação e de retificação, por meio de
namento presencial, além das medidas dimento ao público, que serão divulgados acesso direto do oficial do registro ao pro-
determinadas pelas autoridades sanitárias em cartaz a ser afixado na porta da uni- cesso judicial eletrônico, mediante requeri-
e administrativas locais, deverão pelo me- dade, facilmente visível, e nas páginas de mento do interessado.
nos adotar medidas rígidas de precaução, rede mundial de computadores.
visando a reduzir o risco de contágio pelo § 2º. Consideram-se títulos digitalizados
novo Coronavírus (Sars-Cov-2), com obser- Art. 5º. A execução das atividades de for- com padrões técnicos, aqueles que forem
vância das seguintes providências: ma remota, por meio de prepostos, fora digitalizados de conformidade com os crité-
das dependências da serventia extrajudi- rios estabelecidos no art. 5º do Decreto nº
I. Intercalar as cadeiras de espera com cial, pela modalidade de teletrabalho, ob- 10.278, de 18 de março de 2020.
espaço mínimo de 2,0 metros entre um servará o que determina o art. 4º, da Lei
usuário e outro, de modo que fiquem em nº 8.935/94, ficando o tabelião ou oficial Art. 7º. Os oficiais de registro e notários ve-
uma distância segura uns dos outros; de registro responsável por providenciar e rificarão, obrigatoriamente, na abertura e
manter a estrutura física e tecnológica ne- no encerramento do expediente de plantão,
II. Limitar a entrada de pessoas nas áreas cessária e adequada para a sua realização. bem como, pelo menos, a cada intervalo
de atendimento, evitando aglomera- máximo de uma hora, se existe remessa de
ções. Nesse sentido, fica recomendado Art. 6º. Durante a Emergência em Saúde documentos para a prática de atos a seu
que se faça uma triagem do lado fora do Pública de Importância Nacional (ESPIN), cargo e de pedidos de certidões.
cartório e, quando for possível, orientar todos os oficiais de registro e tabeliães de-
o usuário a deixar a documentação para verão recepcionar os títulos nato-digitais Art. 8º. Os oficiais de registro ou notários,
posterior retirada; e digitalizados com padrões técnicos, que quando suspeitarem da falsidade do título
forem encaminhados eletronicamente para ou documento que lhes forem apresenta-
III. Marcar uma faixa de segurança a uma a unidade do serviço de notas e registro a dos, poderá exigir a apresentação do origi-
distância de 1,5 metro nas áreas de seu cargo e processá-los para os fins legais. nal e, em caso de dúvida, poderá requerer
atendimento entre o usuário e o aten- ao Juiz, na forma da lei, as providências que
dente; § 1º. Considera-se um título nativamente di- forem cabíveis para esclarecimento do fato.
gital, para todas as atividades, sem prejuízo
IV. Disponibilizar álcool em gel, luvas e más- daqueles já referidos no Provimento CNJ nº Art. 9º. Nos tabelionatos de protesto consi-
caras para os atendentes que tenham 94/2020, de 28 de março de 2020, e na dera-se não útil o dia em que não houver ex-
contato com documentos em papel e legislação em vigor, os seguintes: pediente bancário para o público ou aquele
com o público, disponibilizando-se, in- em que este não obedecer ao horário nor-
clusive, álcool em gel em local de fácil I. O documento público ou particular gera- mal, para o fim de contagem do prazo para
acesso para os usuários; do eletronicamente em PDF/A e assina- a lavratura e registro do protesto, a teor do
do com Certificado Digital ICP-Brasil por que estabelece o § 2º, do art. 12, da Lei nº
V. Higienizar rotineiramente as máquinas todos os signatários e testemunhas; 9.492, de 10 de setembro de 1997 (art. 2º,
e objetos, canetas e outros materiais de § 2º, Provimento nº 91/2020 - CNJ).
constante contato com os usuários. II. A certidão ou traslado notarial gerado
eletronicamente em PDF/A ou XML e as- Art. 10. Os prazos de validade das certi-
Art. 3º. O atendimento de plantão a dis- sinado por tabelião de notas, seu substi- dões emitidas pelas serventias notariais e
tância será promovido mediante direcio- tuto ou preposto; de registro ficam automaticamente prorro-
namento do interessado a utilização das gados durante o prazo da vigência deste
plataformas existentes para a remessa de III. Os documentos desmaterializados por Provimento.
títulos, documentos e pedido de certidões. qualquer notário ou registrador, gerado
em PDF/A e assinado por ele, seus subs- https://sistemas.tjes.jus.br/ediario/index.
Art. 4º. Durante o regime de plantão deve- titutos ou prepostos com Certificado Di- php/component/ediario/950670?view=-
rá ser mantido o atendimento por meios gital ICP-Brasil; content 03/04/2020 5:22 AM Página 2 de 5

Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo 9


CAPÍTULO II CAPÍTULO III I. O contato prévio em meio remoto será
feito por ferramenta que permita o con-
Atos do Oficial de Registro de Imóveis Atos do Oficial de Registros tato simultâneo com os dois nubentes;
Civis das Pessoas Naturais
II. Os nubentes comparecerão à serventia
Art. 11. A fim de viabilizar a completa trami-
Art. 13. As certidões do registro civil podem acompanhados das testemunhas para
tação dos títulos de forma eletrônica, deve-
ser solicitadas por telefone ou qualquer assinar o requerimento de habilitação,
rá ser observado o Provimento nº 7/2020
meio digital (e-mail, Skype, WhatsApp) ou condicionando-se o atendimento à ob-
desta Corregedoria Geral da Justiça, bem
por outro meio escolhido pela parte e viável servância das cautelas e determinações
como o Provimento nº 94, de 28 de março
para cumprimento pelo registrador. das autoridades de saúde pública (muni-
de 2020, do CNJ, adotando-se complemen-
cipal, estadual e nacional);
tarmente as seguintes medidas:
Art. 14. Os delegatários atenderão às so-
licitações de registros de nascimento e de III. Os interessados poderão fazer uso de
I. A autenticidade das escrituras públicas certificado digital, emitido em conformi-
óbito mediante prévio agendamento, sem
poderá ser confirmada pela consulta do dade com o padrão ICP-Br.
prejuízo do atendimento em regime de
selo de fiscalização digital;
plantão e observando-se, no que couber, as Art. 16. Certificada a habilitação e após to-
disposições do Provimento nº 93, de 26 de dos os trâmites legais, será agendada data
II. As cópias digitalizadas dos instrumentos março de 2020, e da Portaria Conjunta nº
particulares e dos demais títulos pre- e hora para a celebração do casamento,
1, de 30 de março de 2020, ambos do CNJ, que poderá ser realizado por videoconfe-
vistos em lei poderão ser protocoladas bem como Provimento nº 8/2020 desta
eletronicamente por qualquer interessa- rência para permitir a participação simultâ-
Corregedoria Geral da Justiça. nea de nubentes, juiz de paz, registrador e
do ou terceiro pela Central do Registro
Eletrônico www.registrodeimoveis.org.br, preposto, além de duas testemunhas, ser-
§ 1º. As declarações colhidas por meio de
sendo vedada a cobrança de qualquer vindo-se para tanto de programa que asse-
plataforma de mensagens instantâneas e
valor adicional não previsto no regimen- gure a livre manifestação.
chamadas de voz ou outro meio eletrôni-
to de emolumentos; co disponível serão complementadas por CAPÍTULO IV
informações preenchidas em formulário,
III. As procurações poderão ser aceitas por que serão encaminhadas e recepcionadas Atos do Oficial de Registros Civis de Pes-
cópia digitalizada, desde que sua auten- em meio eletrônico, acompanhado dos do- soas Jurídicas e de Títulos e Documentos
ticidade e validade possam ser verifica- cumentos digitalizados ou fotografados ne-
das eletronicamente; cessários à prática do ato. Art. 17. Os pedidos de registros e certidões
devem ser feitos por meio da Central de
IV. Os registros eventualmente realizados § 2º. Antes de concluir o ato de registro, o Serviços Eletrônicos de Registro de Títulos
de forma eletrônica, mediante o uso de oficial encaminhará a minuta aos declaran- e Documentos e Civil de Pessoas Jurídicas
assinatura digital e selo digital, serão tes para leitura, conferência e aprovação. no endereço www.rtdbrasil.org.br.
materializados na matrícula, transcrição Parágrafo único. O atendimento presencial,
§ 3º. Para a assinatura do ato de registro
ou Livro de Registro Auxiliar tão logo for quando considerado necessário pelo Registra-
ou de requerimento de habilitação ao casa-
declarada encerrada a Emergência em dor, ou as diligências para o cumprimento de
mento e demais declarações pertinentes, o
Saúde Pública de Importância Nacional notificações, serão efetuados com a adoção
delegatário solicitará a presença do interes-
(ESPIN) em decorrência da infecção hu- das medidas de proteção sanitárias cabíveis,
sado na sede da serventia, o qual deverá
mana pelo novo coronavírus (Covid-19); podendo haver limitação do número de atendi-
estar de posse dos documentos originais
para conferência e arquivamento. mentos simultâneos, facultando-se o seu agen-
VI. Fica também autorizada a postergação damento por telefone, e-mail ou WhatsApp.
da impressão do Livro 1 (Protocolo), des- § 4º. O atendimento presencial para assi-
de que mantida a escrituração diária de natura do ato será previamente agendado, CAPÍTULO V
forma eletrônica no período. condicionando-se o atendimento à obser- Atos do Tabelião de Protesto
vância das cautelas e determinações das
Art. 12. Ficam autorizadas a expedição de autoridades de saúde pública (municipal, Seção I Apontamento de títulos
certidões e a prática de atos registrais nos estadual e nacional). por indicação eletrônica
dias sem expediente ou fora das horas re-
gulamentares, de forma excepcional duran- Art. 15. Nas habilitações para casamento, Art. 18. Os tabeliães de protesto realizarão
te a vigência deste Provimento. serão observadas as seguintes diretrizes: preferencialmente por meio eletrônico:

10 Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo


I. A distribuição e o apontamento dos tí- tabelião poderá utilizar as informações for- Art. 23. A autenticidade dos documentos
tulos eletronicamente encaminhados a necidas pelos próprios devedores ou coo- nato digitais será realizada pela verificação
protesto pelos interessados; brigados e constantes em bancos de dados da validade da assinatura com certificado
públicos, em bancos de dados de acesso no padrão ICP-Br.
II. O processamento dos arquivos eletrôni- restrito a notários e a registradores e por
cos transmitidos por meio da CENPROT e eles mantidos, e ainda informações cons- Parágrafo Único. O tabelião poderá realizar
CRA, com o envio das confirmações e re- tantes no acervo da própria serventia. outras diligências que julgar necessárias
tornos necessários, devidamente acom- para averiguar a legitimidade do pedido de
panhados dos Instrumentos de Protesto § 4º. A intimação eletrônica será enviada cancelamento.
Eletrônicos - IPe, quando for o caso; em dois dias em sequência ao devedor, e
não havendo resposta acusado o recebi- Art. 24. Será dispensada a apresentação
III. O repasse dos valores recebidos pela li- mento, serão considerados esgotados os de documentos comprobatórios de repre-
quidação de títulos; meios para sua localização pessoal e per- sentação quando a carta de anuência es-
mitida sua intimação editalícia. tiver assinada pelo próprio empresário indi-
IV. A recepção e efetivação dos pedidos de vidual ou por qualquer pessoa que ocupe
retirada e cancelamento; § 5º. O tabelião deverá disponibilizar, junto o cargo de administrador, diretor ou exerça
com a intimação, meio que permita paga- função equivalente à de representante le-
V. A emissão de certidões eletrônicas soli- mento remoto. gal da sociedade, indicada em certidão sim-
citadas por qualquer meio. plificada recente ou no Quadro de Sócios e
§ 6º. Para a realização da intimação ele- Administradores - QSA, disponível para con-
Art. 19. Será permitida a adoção de siste- trônica, e não sendo fornecido endereço sulta pública no comprovante de inscrição
ma de malote por serviço de courier, moto- eletrônico pelo credor ou apresentante, o no CNPJ.
boy ou assemelhado, cujo custo será reem- tabelião poderá utilizar as informações for-
bolsado pelo interessado. necidas pelos próprios devedores ou coo- CAPÍTULO VI
brigados e constantes em bancos de dados
Art. 20. Respeitadas as condições de segu- públicos, em bancos de dados de acesso Disposições Finais
rança e higiene para manuseio dos docu- restrito a notários e a registradores e por
mentos e demais papéis, o prazo estimado eles mantidos, e ainda informações cons- Art. 25. Fica revogado o Provimento nº
para a realização do serviço será informado tantes no acervo da própria serventia. 4/2020 desta Corregedoria Geral da Jus-
ao interessado, e não havendo outro estipu- tiça.
lado em norma específica, será limitado a 5 Seção II
(cinco) dias úteis, desde que não haja ne- Cancelamento do protesto Art. 26. Eventuais omissões e dúvidas se-
cessidade de complementação documental com documentos digitalizados rão resolvidas por esta Corregedoria Geral
ou de realização de outras pesquisas ou di- da Justiça.
ligências para a realização do ato de acordo Art. 21. O devedor ou interessado poderá
com as normas a ele aplicáveis. requerer o cancelamento do protesto me- Art. 27. Este provimento entra em vigor na
diante o encaminhamento, ao endereço data de sua publicação e terá validade até
§ 1º. Em se tratando de letra de câmbio, eletrônico da serventia do respectivo instru- o dia 30 de abril de 2020, prorrogável por
cheque e nota promissória, a indicação mento físico ou carta de anuência emitida ato da Corregedoria Nacional de Justiça,
será instruída com a digitalização frente e pelo credor, com firma reconhecida por au- enquanto subsistir a situação excepcional
verso do título. tenticidade ou semelhança e por ele digita- que levou à sua edição, vigorando para to-
lizados. das as especialidades dos serviços de no-
§ 2º. Nos demais casos, o tabelião poderá tas e registro, preservadas a validade, em
solicitar a apresentação em meio exclusi- Art. 22. A autenticidade dos documentos razão das especificidades, do Provimento
vamente eletrônico da imagem integral do digitalizados será confirmada por consulta nº 7/2020 e do Provimento nº 8/2020, am-
título ou documento de dívida, a fim de es- ao: bos desta Corregedoria Geral da Justiça.
clarecer dúvida a respeito dos dados cons-
tantes na indicação. I. Sinal público do tabelião responsável Vitória/ES, 02 de abril de 2020.
pelo reconhecimento da firma; e
§ 3º. Para a realização da intimação ele- DESEMBARGADOR NEY
trônica, e não sendo fornecido endereço II. Código validador do selo de fiscalização BATISTA COUTINHO
eletrônico pelo credor ou apresentante, o aplicado. CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA

Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo 11


Provimento 89 regulamenta
o registro de imóveis
eletrônico em todo o Brasil
Espírito Santo dá os primeiros passos na
implantação do registro imobiliário digital

Q
uase quatro meses após a publicação e tradores Imobiliários de São Paulo (ARISP), Para o Diretor de Tecnologia da Associação
edição do Provimento nº 89/2019, da Flaviano Galhardo. dos Registradores de Imóveis do Estado do
Corregedoria Nacional de Justiça do Vale lembrar que o Sistema de Registro Imo- Rio de Janeiro (ARIRJ) e Oficial do 12º Regis-
Conselho Nacional de Justiça (CNJ), biliário Eletrônico (SREI) nada mais é que o uso tro de Imóveis da capital fluminense, Sérgio
que regulamenta o registro de imóveis eletrô- de novas tecnologias para o registro de imóveis Ávila Doria Martins, o ONR é uma conquista
nico no Brasil, registradores discutem os pri- de forma eletrônica. Ou seja, o uso de informa- para o Registro de Imóveis e para a sociedade
meiros passos do registro imobiliário digital ção estruturada para aglutinar dados pessoais, brasileira.
em todo o País. profissionais, financeiros, territoriais advindos “Possibilita a união dos oficiais de registro
Dividido em seis capítulos, o Provimento dos notários, do sistema financeiro (bancos, de imóveis no seio de uma instituição criada
regulamenta o Código Nacional de Matrícu- financeiras e cooperativas) e dos poderes judi- por lei federal para implementar e operar o
las (CNM), o Sistema de Registro Eletrônico ciários e executivo, para criar contratos estru- registro eletrônico”, argumenta o registrador.
de Imóveis (SREI) e o Serviço de Atendimen- turados baseados em negócios imobiliários, as- De acordo com o presidente da Associação
to Eletrônico Compartilhado (SAEC). Além sinados digitalmente e previamente conferidos das Empresas do Mercado Imobiliário do Es-
disso, também estabelece o acesso da Admi- que serão usados no registro imobiliário. tado do Espírito Santo (Ademi-ES), Sandro
nistração Pública Federal às informações do Galhardo cita que o artigo 10 do Provimento Carlesso, a medida proporciona a possibi-
SREI e as diretrizes para a criação do estatuto determina a migração do papel para a matrí- lidade de reduzir a burocracia, agilizando a
do Operador Nacional do Sistema de Registro cula eletrônica, por meio da “primeira qualifi- lavratura das escrituras e principalmente dos
Eletrônico (ONR). cação eletrônica”. Essa nova matrícula já será registros.
“O Provimento 89 é mais uma etapa da efe- estruturada e deverá fornecer, a cada momen- “Cria um ambiente mais seguro para a po-
tiva implantação do Sistema de Registro Ele- to, a situação jurídica atualizada do imóvel. pulação. Há também a possibilidade de re-
trônico de Imóveis (SREI) no Brasil, iniciada “Por se tratar de documento nato digital de dução de custo, tanto para os cartórios como
pela Lei 11.977/2009. É de grande importân- conteúdo estruturado, terá dados que poderão para a população”, aponta o presidente da
cia, já que determina os próximos passos para ser extraídos de forma automatizada, possibi- Ademi-ES.
a criação do ONR - Operador Nacional do Re- litando que as transações imobiliárias, e seu Já o diretor da indústria imobiliária do
gistro, tal como previsto pela Lei 13.465/2017”, registro, sejam ainda mais ágeis”, ressalta o Sindicato da Indústria da Construção Civil
explica o presidente da Associação dos Regis- presidente da ARISP. no Estado do Espírito Santo (Sinduscon-ES),

12 Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo


Registro
Eletrônico
Para viabilizar a implantação do registro
imobiliário eletrônico, os ofícios de regis-
tro de imóveis deverão adotar os seguin-
tes parâmetros e rotinas operacionais:

l Numeração única de identificação do


pedido, para o atendimento presen-
cial e remoto, que identifica a serven-
tia, o tipo de pedido e o número do pe-
dido na própria unidade, sem prejuízo
às regras de prioridade e precedência
existentes na legislação;

l Processamento do pedido apresen-


tado presencialmente também deve
ser realizado em meio eletrônico, de-
vendo os documentos apresentados
serem digitalizados e assinados no
início do processo;

l Estabelecimento da “primeira quali-


ficação eletrônica” com o objetivo de
permitir a migração de um registro de
imóvel existente efetuado no livro em
papel, seja transcrição ou matrícula,
para o formato de registro eletrônico
denominado matrícula eletrônica;

l Anotação, na matrícula eletrônica, da


situação jurídica atualizada do imóvel
Leandro Lorenzon, diz que o Provimento 89 (descrição do imóvel, direitos reais
sobre o bem e restrições existentes)
parte de um princípio de digitalização e unifi-
após cada registro e averbação;
cação que é muito importante.
“Hoje, na construção civil, se fala muito da
Utilização de objetos que represen-
necessidade de se dar celeridade a um pro- l
tam a pessoa física ou jurídica e o
cesso de compra. Um processo que seria mais imóvel envolvido na transação imobi-
digitalizado, desde o contrato particular de liária como alternativa aos indicado-
compra de venda, fazer uma escritura, gerar res pessoal e real;
um ITBI, até o registro da escritura no registro
de imóveis. Por isso é importante que o cartó- Segundo o presidente da ARISP, Flaviano
Galhardo, o artigo 10 do Provimento determina l Registrar os eventos relevantes da
rio de registro de imóveis tenha seus sistemas operação interna do cartório, con-
a migração do papel para a matrícula eletrônica:
digitalizados e unificados”, opina o diretor do “primeira qualificação eletrônica” siderando como evento cada inte-
Sinduscon-ES. ração realizada em decorrência de
um pedido, tais como, a entrada do
PIONEIRISMO pedido, entrada do título de suporte,
No Espírito Santo, os esforços para implemen- recebimento e devolução de valores,
“O Provimento 89 é mais comunicação de exigências, entrega
tar o registro imobiliário digital ainda são tí-
midos, mas já contam com a participação de
uma etapa da efetiva implan- da certidão, dentre outros;

pelo menos dois cartórios da capital capixaba. tação do Sistema de Registro


Por enquanto, o 2º Ofício de Notas do Juí- Eletrônico de Imóveis (SREI) l A matrícula eletrônica deve conter
dados estruturados que podem ser
zo de Vitória faz a escritura e depois envia o no Brasil, iniciada pela extraídos de forma automatizada con-
documento assinado digitalmente para o Re-
Lei 11.977/2009” tendo seções relativas aos controles,
gistro Geral de Imóveis da 2ª Zona de Vitó- atos e situação jurídica do imóvel, se
ria. O registrador imprime a escritura, faz o Flaviano Galhardo, constituindo em um documento nato
registro e devolve a escritura impressa com as presidente da Associação dos Registradores digital de conteúdo estruturado.
etiquetas. Imobiliários de São Paulo (ARISP)

Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo 13


No entanto, o Oficial Substituto do 1º Ofí- “Munidos de informações precisas, elabo- utilizam as informações já coletadas dentro
cio da 2ª Zona de Serra-ES, Bruno do Valle ramos grupos de estudos e realizamos cursos dos sistemas dos bancos para que o registro
Couto Teixeira, explica que o Estado precisa de capacitação para atender ao Provimento”, do imóvel seja realizado de maneira mais cé-
estar um passo à frente para poder realizar o revela o presidente do Sinoreg-ES. lere. O projeto desenvolvido surgiu com o in-
desenvolvimento de contratos imobiliários es- “O 12º Registro de Imóveis do Rio de Janei- tuito de atender as necessidades do Programa
truturados. ro registrou o primeiro contrato estruturado “Minha Casa, Minha Vida”, que, na Faixa 1, já
“O Espírito Santo ainda não pratica a escri- da história do registro de imóveis brasileiro. O chegou a ter 500 mil contratos pendentes de
turação e registro dos contratos estruturados. que significa isso? Não há papel, também não registro em todo o País.
Notários, registradores e o sistema financeiro há imagem do contrato. Há aproveitamento “Formou-se uma rede entre a Caixa Eco-
(bancos) não se deram conta dos benefícios dos dados em toda a cadeia imobiliária e ga- nômica Federal e o cartório. Os dados foram
do SREI que são: tempo reduzido do processo nho brutal de eficiência. As instituições finan- transmitidos diretamente do sistema do banco,
(confecção das escrituras/contratos e regis- ceiras geram os contratos a partir de sistemas assinados digitalmente na forma da ICP Brasil,
tro), segurança, redução do custo operacional em que as informações já são inseridas em com aproveitamento pelo sistema do cartório.
e aumento da receita. Além disso, precisam campos próprios, mas quando são impressos Essa rede pode ser tradicional ou blockchain.
ser desenvolvidos os modelos de escrituras e a estruturação se perde”, revela o diretor da Com esse projeto, temos a oportunidade de
contratos estruturados para uso dos sistemas ARIRJ, Sérgio Ávila Doria Martins. reduzir custos inúteis. A padronização tam-
dos registros de imóveis”, comenta o oficial. Ávila foi um dos vencedores da categoria bém é um ponto forte. A partir do momento
Segundo o presidente do Sindicato dos No- Destaque do 15º Prêmio de Qualidade Total em que o registro de imóveis recebe apenas os
tários e Registradores do Estado do Espírito da Associação Nacional dos Notários e Regis- dados estruturados que necessita em uma for-
Santo (Sinoreg-ES), Márcio Valory Silveira, o tradores do Brasil (Anoreg-BR), que aconte- matação uniforme, o espaço para interpreta-
Sindicato atua como um propagador de infor- ceu no final do ano passado em Aracaju, capi- ções destoantes diminui”, alerta o registrador.
mações, mantendo contato direto com as enti- tal do Sergipe. “Importante destaque deve ser dado aos
dades em nível nacional. Segundo Ávila, os contratos estruturados documentos eletrônicos estruturados, que

Diretor da ARIRJ, Sérgio Avila conta que o 12º De acordo com o presidente da Ademi-ES, Para o diretor do Sinduscon-ES, Leandro Loren-
Registro de Imóveis do Rio de Janeiro registrou Sandro Carlesso, o Provimento 89 proporciona a zon, o Provimento 89 parte de um princípio de
o primeiro contrato estruturado da história do possibilidade de reduzir a burocracia, agilizando digitalização e unificação que é muito importan-
registro de imóveis brasileiro a lavratura das escrituras e principalmente dos te: “celeridade a um processo de compra”
registros

“Possibilita a união dos “Cria um ambiente mais “É importante que o cartório


oficiais de registro de imóveis seguro. Há também a de registro de imóveis tenha
no seio de uma instituição possibilidade de redução de seus sistemas digitalizados e
criada por lei federal para custo, tanto para os cartórios unificados”
implementar e operar o como para a população”
Leandro Lorenzon, diretor da indústria
registro eletrônico” imobiliária do Sindicato da Indústria da
Sandro Carlesso, presidente
da Associação das Empresas do Mercado Construção Civil no Estado do Espírito Santo
Sérgio Ávila Doria Martins,
Diretor de Tecnologia da ARIRJ e Oficial do Imobiliário do Estado do Espírito Santo
12º Registro de Imóveis da capital fluminense

14 Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo


permitirão eficiência aos registradores e aten- operação do Serviço de Atendimento Eletrô- no, explica que o ONR também prevê o moni-
dimento em novas tecnologias dos antigos nico Compartilhado (SAEC); a coordenação toramento das operações centrais de serviços
contratos padrão, cujos campos necessitam de e monitoramento das operações centrais de eletrônicos compartilhados e a viabilização de
padrões de normalização para serem intero- serviços eletrônicos compartilhados e a viabi- consulta unificada das informações relativas
peráveis. O ONR será o responsável por essa lização de consulta unificada das informações ao crédito imobiliário.
normalização de campos e requisitos em âm- relativas ao crédito imobiliário, ao acesso às “O ONR tem dupla relevância, uma por ga-
bito Nacional”, complementa o Coordenador informações referentes às garantias constituí- rantir a efetiva modernização da atividade e ou-
de Projetos do Registro de Imóveis do Brasil e das sobre imóveis. tra por disponibilizar um serviço eficiente e di-
da Associação dos Registradores Imobiliários “Neste âmbito específico das centrais, cabe gital em âmbito nacional, em consonância com
de São Paulo (ARISP), Augusto Sottano. ao ONR, por meio do SAEC, coordená-las e a relevância que o sistema do registro de pro-
monitorar suas operações, a fim de que se te- priedades brasileiro merece”, ressalta Sottano.
ONR nha acesso universal ao registro (ou seja, sem Já o Oficial Substituto do 1º Ofício da 2ª
O Provimento nº 89/2019 estabelece as dire- necessidade de que o usuário deva se dirigir ao Zona de Serra-ES, Bruno do Valle Couto
trizes para a implantação e o desenvolvimento website de cada central, se tiver necessidade de Teixeira, diz que a importância do ONR é de
do estatuto do Operador Nacional do Sistema serviços em mais de um Estado), bem como centralizar e coordenar todo o sistema imobi-
de Registro Eletrônico de Imóveis (ONR). de que os mesmos serviços sejam prestados liário eletrônico do país.
Segundo o ato normativo, os oficiais de regis- pelas centrais em todo o território nacional. “Mesmo que tardio, este movimento irá tra-
tro de imóveis de todo o território nacional Exatamente por isso, a normalização do SREI zer ganhos substanciais a notários, registrado-
serão convocados para uma assembleia geral pelo ONR é imprescindível, permitindo uma res, Poder Judiciário, usuários e a sociedade
de aprovação do estatuto do ONR. Entre as interoperabilidade efetiva”, argumenta o presi- em geral, pois promoverá ganho em seguran-
atribuições do órgão deverá constar a implan- dente da ARISP, Flaviano Galhardo. ça e eficácia jurídica aos negócios imobiliários
tação e coordenação do SREI, visando o seu O Coordenador de Projetos do Registro de bem como redução do tempo e diminuição do
funcionamento uniforme; a implantação e Imóveis do Brasil e da ARISP, Augusto Sotta- custo”, conclui o oficial.

O Oficial Substituto do 1º Ofício da 2ª Zona de Segundo o presidente do Sinoreg-ES, Márcio Para o Coordenador de Projetos da ARISP,
Serra-ES, Bruno do Valle Couto Teixeira, diz que o Valory, o Sindicato atua como um propagador de Augusto Sottano, o ONR também prevê o
estado do Espírito Santo precisa estar um passo informações, mantendo contato direto com as monitoramento das operações centrais de
à frente para poder realizar o desenvolvimento entidades em nível nacional serviços eletrônicos compartilhados
de contratos imobiliários estruturados

“O Espírito Santo ainda não “Munidos de informações “O ONR tem dupla


pratica a escrituração e regis- precisas, elaboramos grupos relevância, uma por garantir
tro dos contratos estrutura- de estudos e realizamos a efetiva modernização
dos. Notários, registradores cursos de capacitação para da atividade e outra por
e o sistema financeiro (ban- atender ao Provimento” disponibilizar um serviço
cos) não se deram conta dos eficiente e digital”
Márcio Valory Silveira,
benefícios do SREI” presidente do Sinoreg-ES Augusto Sottano,
Bruno do Valle Couto Teixeira, Coordenador de Projetos do Registro
Oficial Substituto do 1º Ofício de Imóveis do Brasil e da ARISP
da 2ª Zona de Serra-ES

Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo 15


“O registro eletrônico é a chave para
o futuro do registro de imóveis brasileiro”
Para o Diretor de Tecnologia da ARIRJ, Sérgio Ávila Doria, o Provimento 89
é uma conquista para o Registro de Imóveis e para a sociedade brasileira

O
12º Registro de Imóveis do Rio de
Janeiro foi um dos vencedores da ca-
tegoria Destaque do 15º Prêmio de
Qualidade Total Anoreg/BR, que ocorreu no
ano passado em Aracaju, capital do Sergipe.
Criado com o intuito de exaltar as ações
mais completas relacionadas a um determina-
do requisito do certame, o Prêmio Destaque
foi entregue para as ações de Inovação, com
três eixos de gestão: Eficiência, Ineditismo e
Efeito Multiplicador.
Administrado pelo oficial Sérgio Ávila Do-
ria, o 12º Registro de Imóveis do Rio de Janei-
ro foi o grande vencedor do Eixo Eficiência,
com um projeto voltado para o desenvolvi-
mento de contratos imobiliários estruturados.
“Fomos a primeira serventia a registrar um
contrato estruturado na história do registro
de imóveis brasileiro”, comentou o registra-
dor na ocasião.
Bacharel e mestre em Direito da Integração
Econômica pela Universidade do Estado do
Rio de Janeiro, Sérgio Ávila já foi advogado do
Banco Nacional de Desenvolvimento Econô-
mico e Social (BNDES) e analista da Comis-
são de Valores Mobiliários (CVM).
No segmento extrajudicial, já passou por
Segundo o diretor da ARIRJ, Sérgio Ávila, os desafios para implantação do registro de imóveis
outras serventias antes de chegar até o Rio de eletrônico em todo o território nacional são “tremendos”
Janeiro, sendo Tabelião em cartórios de Ser-
tãozinho, no interior de São Paulo e Santa Fé
do Sul. Hoje, ocupa o cargo de Diretor de Tec- Revista de Direito Notarial e Registral do ES – Econômica Federal e o cartório. Os dados fo-
nologia da Associação dos Registradores de No final do ano passado, na 15ª edição do ram transmitidos diretamente do sistema do
Imóveis do Estado do Rio de Janeiro (ARIRJ). Prêmio de Qualidade Total Anoreg-BR, o banco, assinados digitalmente na forma da
Em entrevista à Revista de Direito Nota- seu cartório foi o grande vencedor do Eixo ICP Brasil, com aproveitamento pelo sistema
rial e Registral do Estado do Espírito Santo, Eficiência, com um projeto voltado para o do cartório. Essa rede pode ser tradicional ou
ele fala sobre o desenvolvimento de contratos desenvolvimento de contratos imobiliários blockchain. Com esse projeto, temos a opor-
imobiliários estruturados, o Provimento 89 e estruturados. Como funciona esse projeto e tunidade de reduzir custos inúteis. A padro-
projeta um futuro para o registro de imóveis: qual a importância de receber esse prêmio? nização também é um ponto forte. A partir
“o registro eletrônico é a chave para o futuro Sérgio Ávila - O 12º Registro de Imóveis do do momento em que o registro de imóveis
do registro de imóveis brasileiro”. Rio de Janeiro registrou o primeiro contrato recebe apenas os dados estruturados que ne-
estruturado da história do registro de imó- cessita em uma formatação uniforme, o es-
veis brasileiro. O que significa isso? Não há paço para interpretações destoantes diminui.
papel, também não há imagem do contrato. Já o prazo é a chave de ouro, já que todos os
Há aproveitamento dos dados em toda a ca- agentes (credor, vendedor e comprador) tem
deia imobiliária e ganho brutal de eficiência. a resposta de forma rápida e ficam mais sa-
As instituições financeiras geram os contra- tisfeitos.
tos a partir de sistemas em que as informa- A importância do prêmio concedido a este
ções já são inseridas em campos próprios, projeto é que ele marca a capacidade do regis-
mas quando são impressos a estruturação tro de imóveis de alcançar níveis de excelência
se perde. Formou-se uma rede entre a Caixa e de dianteira na economia digital.

16 Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo


Revista de Direito Notarial e Registral do ES – Revista de Direito Notarial e Registral do ES –
Ainda em 2019, a Corregedoria Nacional de Dentre os tópicos abordados no Provimen-
“A mobilização para
Justiça editou o Provimento nº 89/2019, re- to, está o Sistema de Registro de Imóveis
gulamentando o registro de imóveis eletrô- Eletrônico (SREI), Afinal, como funciona o implantação do registro
nico no Brasil. Qual sua avalição sobre esse SREI? Qual a sua finalidade e como aplicá-lo eletrônico é antiga, como
Provimento? nos Estados brasileiros? mostram as diversas
Sérgio Ávila - O Provimento nº 89/2019 da Sérgio Ávila - O Sistema de Registro Eletrôni- experiências exitosas
Corregedoria Nacional de Justiça assenta as co de Imóveis - SREI tem como objetivo a uni-
bases do Operador Nacional do Sistema de Re- versalização das atividades de registro público nos Estados, que foram
gistro de Imóveis Eletrônico - ONR. O ONR é imobiliário, a adoção de governança corpora- essenciais para que
uma conquista para o Registro de Imóveis e tiva das serventias de registros de imóveis e a chegássemos a esse
para a sociedade brasileira pois possibilita a instituição do sistema de registro eletrônico momento de inflexão e
união dos oficiais de registro de imóveis no seio de imóveis. Sua implantação em todo o ter-
seguirão desempenhando um
de uma instituição criada por lei federal para ritório nacional deve contar com a expressiva
implementar e operar o registro eletrônico. participação dos Estados. papel fundamental”

Revista de Direito Notarial e Registral do ES – Revista de Direito Notarial e Registral do ES –


Como esse Provimento pode ajudar a fo- Como se constitui o Serviço de Atendi-
mentar a prática dos contratos imobiliários mento Eletrônico Compartilhado (SAEC)?
estruturados? Também de responsabilidade do ONR, ele
Sérgio Ávila - Com o ONR, ganham corpo as facilita a interoperabilidade com outros sis-
boas iniciativas, que tendem a ser aproveita- temas? Revista de Direito Notarial e Registral do ES –
das pelo Operador Nacional do SREI. A disse- Sérgio Ávila - O SAEC é a porta de entrada Tem-se falado da implementação do Provi-
minação desse projeto é estratégica. É o futuro do cidadão no Registro de Imóveis Eletrônico. mento 89 de forma estadual, com atuações
do registro de imóveis. Desde o primeiro re- Constitui-se em uma plataforma eletrônica em cada central de cada unidade da Fede-
gistro, feito em setembro, já foram registrados centralizada que recepciona as solicitações de ração. Como o Sindicato dos Notários e
mais de 3.000 contratos e até uma escritura serviços apresentadas pelos usuários remotos Registradores do Estado do Espírito Santo
pública, no Paraná. Em breve, todos os títulos e as distribui às serventias competentes. Por (Sinoreg-ES) poderia contribuir para a de-
notariais e do SFH ingressarão no registro de força do Provimento, deverá promover a in- vida implantação do Provimento 89 nas ser-
imóveis de forma estruturada. teroperabilidade de seus sistemas com as Cen- ventias extrajudiciais do Estado?
trais de Serviços Eletrônicos Compartilhados Sérgio Ávila - Como dizia o poeta: o futuro
Revista de Direito Notarial e Registral do ES – dos Estados e do Distrito Federal, bem como o é grande, vamos de mãos dadas. Os desafios
A edição do Provimento nº 89/2019 já traz desenvolvimento de sistemas de apoio e inte- para implantação do registro de imóveis ele-
uma mudança significativa e essencial para roperabilidade com outros sistemas utilizados trônico em todo o território nacional são
o segmento, com a criação de um Código pelas serventias. tremendos e o ONR não pode prescindir,
Nacional de Matrículas (CNM)? Como vê realmente, de capacidade de trabalho e arti-
essa questão? Revista de Direito Notarial e Registral do ES – culação local de cada uma das entidades re-
Sérgio Ávila - A numeração única das ma- O Operador Nacional do Sistema de Regis- presentativas dos oficiais de registro de imó-
trículas imobiliárias em todo território na- tro Eletrônico de Imóveis (ONR) também veis em cada um dos Estados. Além disso, de
cional foi determinada pela Lei nº 13.465, prevê o monitoramento das operações cen- forma legítima e representativa, o Conselho
que incluiu o art. 235-A na Lei de Registros trais de serviços eletrônicos compartilhados do ONR deverá adotar a forma federativa,
Públicos. Com a regulamentação do Código e a viabilização de consulta unificada das in- de forma que os Estados comporão o próprio
Nacional de Matrículas (CNM) pelo Conselho formações relativas ao crédito imobiliário? ONR, o que será importante para essa união e
Nacional de Justiça, o Registro de Imóveis do Afinal, qual a importância do ONR? comunhão de esforços.
Brasil passa a contar com uma chave primária, Sérgio Ávila - A partir da observação do pla-
a nível nacional, para busca em seus registros nejamento estratégico dos principais regis- Revista de Direito Notarial e Registral do ES –
o que é extremamente conveniente e necessá- tros imobiliários do mundo, percebe-se que Como vê essa mobilização, mesmo que tar-
rio no mundo digital. o Registro de Imóveis do futuro será o mais dia, para a implantação do registro eletrô-
transparente possível. Precisamos adotar uma nico no Brasil? O registro eletrônico pode
abordagem de dados abertos. Conforme o abrir o futuro do registro de imóveis?
artigo 1º da Lei n. 8.935/94, a publicidade é Sérgio Ávila - A mobilização para implan-
a nossa primeira missão. A consulta unifica- tação do registro eletrônico é antiga, como
“As instituições financeiras da das informações relativas à propriedade mostram as diversas experiências exitosas
geram os contratos a partir imobiliária, às transações realizadas e às in- nos Estados, que foram essenciais para que
de sistemas em que as formações do crédito são extremamente rele- chegássemos a esse momento de inflexão e se-
informações já são inseridas vantes para o sucesso do SREI. O conceito de guirão desempenhando um papel fundamen-
publicidade nos dias de hoje envolve, necessa- tal. Certamente, inovar é uma necessidade de
em campos próprios, mas riamente, a disponibilidade da informação na todas as organizações e o registro eletrônico é
quando são impressos a internet de forma fácil, imediata, estruturada a chave para o futuro do registro de imóveis
estruturação se perde” e a baixo custo. brasileiro.

Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo 17


Provimento nº 89/2019 da
Corregedoria Nacional de Justiça
Regulamenta o Código Nacional de Matrículas – CNM,
o Sistema de Registro Eletrônico de Imóveis -SREI, o Serviço de Atendimento
Eletrônico Compartilhado – SAEC, o acesso da Administração Pública Federal
às informações do SREI e estabelece diretrizes para o estatuto do Operador
Nacional do Sistema de Registro Eletrônico de Imóveis – ONR.

O
CORREGEDOR NACIONAL DA JUSTIÇA, mento das atividades dos serviços de registro; partilhados de registros de imóveis mediante ato
usando de suas atribuições constitucio- normativo da Corregedoria Geral de Justiça local;
nais, legais e regimentais; CONSIDERANDO que a adoção do Código Nacio-
nal de Matrícula Imobiliária (CNM) é uma forma CONSIDERANDO que compete às Corregedorias
CONSIDERANDO o poder de fiscalização e de de simplificar o acesso ao registro, corroborando Gerais da Justiça dos Estados e do Distrito Fede-
normatização do Poder Judiciário dos atos prati- com a concentração de atos, na forma prevista ral e dos Territórios, no âmbito de suas atribui-
cados por seus órgãos (art. 103-B, § 4º, I, II e III, no art. 60 da Lei nº 13.097, de 19.01.2015; ções, estabelecer normas técnicas específicas
da Constituição Federal de 1988); para a concreta prestação dos serviços registrais
CONSIDERANDO a competência dada à Correge- em meios eletrônicos;
CONSIDERANDO a competência do Poder Judi- doria Nacional de Justiça pelo art. 235-A da Lei CONSIDERANDO que o acesso da Administração
ciário de fiscalizar os serviços extrajudiciais (arts. nº 6.015/1973, com a redação dada pela Lei nº Pública Federal às informações do Sistema de
103-B, § 4º, I e III, e 236, § 1º, da Constituição 13.465/2017, para regulamentar as característi- Registro Eletrônico de Imóveis – SREI, como pre-
Federal); cas e a forma de implementação do Código Na- visto pelo art. 76, § 7º da Lei nº 13.465/2017,
cional de Matrícula (CNM); se operacionaliza através do Sistema Nacional
CONSIDERANDO a competência da Corregedoria de Gestão de Informações Territoriais – SINTER;
Nacional de Justiça de expedir provimentos e ou- CONSIDERANDO as normas previstas no art. 76
tros atos normativos destinados ao aperfeiçoa- da Lei nº 13.465 de 11 de julho de 2017 que insti- CONSIDERANDO que o art. 76, § 4º da Lei nº
mento das atividades dos serviços extrajudiciais tuiu o Sistema de Registro Eletrônico de Imóveis; 13.465/2017 estabeleceu que a Corregedoria
(art. 8º, X, do Regimento Interno do Conselho Na- Nacional de Justiça exercerá a função de agente
cional de Justiça); CONSIDERANDO que os estudos desenvolvidos regulador do Operador Nacional do Sistema de
pelo Conselho Nacional de Justiça para especi- Registro Eletrônico de Imóveis – ONR e que zela-
CONSIDERANDO a necessidade constante de ficação da arquitetura geral do Sistema de Re- rá pelo cumprimento de seu estatuto,
aperfeiçoamento dos serviços extrajudiciais nos gistro de Imóveis Eletrônico – SREI foram divul-
Estados e no Distrito Federal para proporcionar a gados pela Recomendação CNJ nº 14 de 02 de RESOLVE:
melhor prestação de serviço ao cidadão; julho de 2014;
CAPÍTULO I
CONSIDERANDO os princípios da supremacia do CONSIDERANDO que nos estudos divulgados
DISPOSIÇÕES GERAIS
interesse público, da eficiência, da continuidade pela Recomendação CNJ nº 14/2014 já havia
do serviço público e da segurança jurídica; previsão de identificação de cada imóvel por
Art. 1º - O Código Nacional de Matrículas – CNM,
um código nacional de matrícula, que funciona-
previsto no art. 235-A da Lei nº 6.015/1973, o
CONSIDERANDO a necessidade de facilitar o rá como chave primária, sendo referência única
Sistema de Registro Eletrônico de Imóveis (SREI),
intercâmbio de informações entre os ofícios de para acesso às matrículas que permanecem se-
previsto no art. 76 da Lei nº 13.465/2017, o Ser-
registro de imóveis, o Poder Judiciário, a adminis- diadas, mantidas e custodiadas em cada uma
viço de Atendimento Eletrônico Compartilhado –
tração pública e o público em geral, para maior das unidades de registro de imóveis do país
SAEC, o acesso da Administração Pública Federal
eficácia e celeridade da prestação jurisdicional e (arts. 22 a 26 da Lei nº 6.015/1973 c/c art.46
às informações do Sistema de Registro Eletrônico
do serviço público; da Lei nº 8.935/1994);
de Imóveis – SREI e o estatuto do Operador Na-
cional do Sistema de Registro Eletrônico de Imó-
CONSIDERANDO que compete ao Poder Judi- CONSIDERANDO que cabe à Corregedoria Na-
veis – ONR deverão observar as normas previstas
ciário regulamentar o registro público eletrônico cional de Justiça exercer a função de agente
neste provimento que deve ser complementado,
previsto nos arts. 37 a 41 da Lei n. 11.977, de 7 regulador do Operador Nacional do Sistema de
no que couber, pelas corregedorias gerais de
de julho de 2009; Registro Eletrônico de Imóveis – ONR e zelar pelo
justiça, observadas as peculiaridades locais.
cumprimento de seu estatuto (art.76, § 4º da Lei
CONSIDERANDO que compete à Corregedoria nº 13.465/2017);
CAPÍTULO II
Nacional de Justiça estabelecer diretrizes para a
implantação do registro eletrônico de imóveis em CONSIDERANDO as normas do Provimento nº DO CÓDIGO NACIONAL DE MATRÍCULAS
todo o território nacional, expedindo atos norma- 47, de 19 de junho de 2015 que determinou a
tivos e recomendações destinados ao aperfeiçoa- criação de centrais de serviços eletrônicos com- Art. 2º - Fica instituído o Código Nacional de Ma-

18 Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo


trícula (CNM) que corresponderá à numeração Art. 6º - Aplicam-se aos registros do Livro nº 3 – Federal, mediante ato normativo da Corregedoria
única de matrículas imobiliárias em âmbito na- Registro Auxiliar, no que couber, as disposições Geral de Justiça local.
cional e será constituído por 15 (quinze) dígitos, relativas à numeração da matrícula.
organizados em 4 (quatro) campos obrigatórios, Art. 10. Para viabilizar a implantação do registro
observada a estrutura CCCCC.L.NNNNNNN-DD, Art. 7º - Os casos omissos relativos à implanta- imobiliário eletrônico, os ofícios de registro de
assim distribuídos: ção do CNM serão submetidos à corregedoria ge- imóveis deverão adotar os seguintes parâmetros
1 – o primeiro campo (CCCCC) será constituído ral de justiça competente, que deverá comunicar e rotinas operacionais:
de 5 (cinco) dígitos, e identificará o Código Nacio- a decisão à Corregedoria Nacional de Justiça no 1 – numeração única de identificação do pedi-
nal da Serventia (CNS), atribuído pelo Conselho prazo de 30 (trinta) dias. do, para o atendimento presencial e remoto, que
Nacional de Justiça (CNJ), e determinará a uni- identifica a serventia, o tipo de pedido e o núme-
dade de registro de imóveis onde o imóvel está CAPÍTULO III ro do pedido na própria serventia, sem prejuízo
registrado; às regras de prioridade e precedência existentes
2 – o segundo campo (L), separado do primeiro DO SISTEMA DE REGISTRO na legislação;
por um ponto, será constituído de 1 (um) dígito e ELETRÔNICO DE IMÓVEIS – SREI 2 – o processamento do pedido apresentado
indicará com o algarismo 2, tratar-se de registro presencialmente também deve ser realizado em
no Livro nº 2 – Registro Geral; Art. 8º - O Sistema de Registro Eletrônico de Imó- meio eletrônico, devendo os documentos apre-
3 – o terceiro campo (NNNNNNN), separado do veis – SREI tem como objetivo a universalização sentados serem digitalizados e assinados no iní-
segundo por um ponto, será constituído por 7 das atividades de registro público imobiliário, a cio do processo;
(sete) dígitos e determinará o número de ordem adoção de governança corporativa das serven- 3 – estabelecimento da “primeira qualificação
da matrícula no Livro nº 2, a que se refere o art. tias de registros de imóveis e a instituição do sis- eletrônica” com o objetivo de permitir a migração
176, inciso II, da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro tema de registro eletrônico de imóveis previsto de um registro de imóvel existente efetuado no li-
de 1973; e no art. 37 da Lei nº 11.977/2009. vro em papel, seja transcrição ou matrícula, para
4 – o quarto campo (DD), separado do terceiro § 1º O SREI deve garantir a segurança da infor- o formato de registro eletrônico denominado ma-
por um hífen, será constituído por 2 (dois) dígitos mação e a continuidade da prestação do serviço trícula eletrônica;
e conterá os dígitos verificadores, gerados pela público de registro de imóveis, observando os pa- 4 – anotação, na matrícula eletrônica, da situa-
aplicação do algoritmo Módulo 97 Base 10, con- drões técnicos, critérios legais e regulamentares, ção jurídica atualizada do imóvel (descrição do
forme Norma ISO 7064:2003. promovendo a interconexão das serventias. imóvel, direitos reais sobre o imóvel e restrições
§ 1º Caso o código a que se refere o inciso III do § 2º Na interconexão de todas as unidades do existentes) após cada registro e averbação;
caput seja constituído de menos de sete dígitos, serviço de registro de imóveis, o SREI deve prever 5 – utilização de objetos que representam a
deverão ser atribuídos zeros à esquerda, até que a interoperabilidade das bases de dados, perma- pessoa física ou jurídica e o imóvel envolvido na
se complete o número de dígitos do terceiro cam- necendo tais dados nas serventias de registro de transação imobiliária como alternativa aos indi-
po do CNM. imóveis sob a guarda e conservação dos respec- cadores pessoal e real;
§ 2º O CNM referente a matrícula encerrada ou tivos oficiais. 6 – registrar os eventos relevantes da operação
cancelada não poderá ser reutilizado. § 3º São elementos do Sistema de Registro Ele- interna do cartório, considerando como evento
trônico de Imóveis cada interação realizada em decorrência de um
Art. 3º - A partir da data de implantação do SREI, SREI: pedido, tais como, a entrada do pedido, entrada
os oficiais de registro de imóveis devem implan- 1 – o registro imobiliário eletrônico; do título de suporte, recebimento e devolução de
tar numeração única para as matrículas que 2 – os repositórios registrais eletrônicos forma- valores, comunicação de exigências, entrega da
forem abertas e renumerar as matrículas exis- dos nos ofícios de registro de imóveis para o aco- certidão, dentre outros;
tentes quando do primeiro ato a ser lançado na lhimento de dados e para o armazenamento de 7 – a matrícula eletrônica deve conter dados
matrícula ou na hipótese de extração de certidão. documentos eletrônicos; estruturados que podem ser extraídos de forma
3 – os serviços destinados à recepção e envio automatizadas contendo seções relativas aos
Parágrafo Único. Serão gratuitos o ato de averba- de documentos e títulos em formato eletrônico controles, atos e situação jurídica do imóvel, se
ção de renumeração das matrículas existentes, para o usuário que fez a opção pelo atendimento constituindo em um documento natodigital de
bem como a comunicação da abertura de nova remoto, prestados pelo SAEC e pelas centrais de conteúdo estruturado.
matrícula à serventia originária, sendo o caso. serviços eletrônicos compartilhados nos estados Parágrafo Único. O Operador Nacional do Sis-
e no Distrito Federal; tema de Registro de Imóveis Eletrônico – ONR
Art. 4º - O Operador Nacional do Sistema de Re- 4 – os serviços de expedição de certidões e de disponibilizará aos oficiais de registro de imóveis
gistro de Imóveis Eletrônico – ONR disponibilizará informações, em formato eletrônico, prestados mecanismos de geração da numeração única de
aos oficiais de registro de imóveis e aos usuários aos usuários presenciais e remotos; identificação do pedido.
mecanismos de geração dos dígitos verificadores 5 – o intercâmbio de documentos eletrônicos e
Art. 11. Os oficiais de registro de imóveis con-
do CNM e de autenticação para verificar sua vali- de informações entre os ofícios de registro de
tinuam com a obrigação de manter, em segu-
dade e autenticidade. imóveis, o Poder Judiciário e a administração
rança e sob seu exclusivo controle, indefinida
pública.
e permanentemente, os livros, classificadores,
Art. 5º - A abertura de matrícula decorrente de
documentos e dados eletrônicos, respondendo
desmembramento da cirscunscrição imobiliária Art. 9º - O Sistema de Registro Eletrônico de Imó-
por sua guarda e conservação, inclusive após a
deverá ser comunicada à serventia de origem veis – SREI será implementado e operado pelo
implementação do registro imobiliário eletrônico.
para a averbação, de ofício, da baixa na matrí- Operador Nacional do sistema de Registro Eletrô-
cula originária. nico de Imóveis – ONR. Art. 12. Os documentos eletrônicos apresen-
Parágrafo Único. Para prevenir duplicidade de Parágrafo Único. São integrantes do Sistema de tados aos ofícios de registro de imóveis, ou por
matrículas decorrente da ausência de baixa da Registro Eletrônico de Imóveis – SREI, sob coor- eles expedidos, serão assinados com uso de
matrícula originária relativamente aos desmem- denação do ONR: certificado digital, segundo a Infraestrutura de
bramentos de circunscrição imobiliária, ocorri- 1 – os oficiais de registro de imóveis de cada es- Chaves Públicas Brasileira – ICP, e observarão a
dos anteriormente à edição deste regulamento, tado e do Distrito Federal; arquitetura dos Padrões de Interoperabilidade de
deverá a serventia nova comunicar, de ofício, à 2 – o Serviço de Atendimento Eletrônico Compar- Governo Eletrônico (e-Ping).
serventia de origem a abertura da nova matrícula tilhado – SAEC, de âmbito nacional;
para fins de baixa da originária, quando do pri- 3 – as centrais de serviços eletrônicos compar- Art. 13. Para a criação, atualização, manutenção
meiro ato a ser lançado na matrícula ou na hipó- tilhados criadas pelos respectivos oficiais de re- e guarda permanente dos repositórios registrais
tese de extração de certidão. gistro de imóveis em cada Estado e no Distrito eletrônicos deverão ser observados:

Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo 19


1 – a especificação técnica do modelo de sistema 2 – Solicitação de Pedido que será protocolado de imóveis, objetivando a consolidação de dados
digital para implantação de sistemas de registro e processado pela serventia competente, que de tais serventias;
de imóveis eletrônico, segundo a Recomendação compreende: 2 – Base de Indisponibilidade de Bens contendo,
n. 14, de 2 de julho de 2014, da Corregedoria Informação de Registro. de forma atualizada, os pedidos de indisponibili-
Nacional de Justiça; Emissão de Certidão. dade de bens encaminhados às serventias possi-
2 – as Recomendações para Digitalização de Do- Exame e Cálculo. velmente relacionadas ao pedido, possibilitando
cumentos Arquivísticos Permanentes de 2010, Registro. a consulta quando do exame de um registro;
baixadas pelo Conselho Nacional de Arquivos – 1 – Acompanhamento do Estado do Pedido já 3 – Base de CPF/CNPJ contendo o número do
Conarq, ou outras que a sucederem; e solicitado; cadastro na Receita Federal do titular do direito
3 – os atos normativos editados pela Corregedo- 2 – Cancelamento do Pedido já solicitado, desde real imobiliário objetivando a otimização da iden-
ria Nacional de Justiça e pelas corregedorias ge- que não tenha sido efetivado; tificação de propriedade.
rais de justiça dos estados e do Distrito Federal. 3 – Regularização do Pedido quando há necessi-
dade de alteração ou complementação de títulos Art. 21. Todos os ofícios de registro de imóveis
Art. 14. O SREI deve viabilizar a utilização de ou pagamentos referentes a pedido solicitado devem possuir um sistema eletrônico que possi-
novas tecnologias de informação e de comunica- quando permitido pela legislação; bilite realizar interações com o SAEC e com as
ção, possibilitando a maior eficiência na presta- 4 – Obtenção dos Resultados do Pedido, que centrais de serviços eletrônicos compartilhados
ção dos serviços com base em tecnologia aplica- compreende dentre outros: para suportar o atendimento aos serviços eletrô-
da e redução de prazos e custos, aumentando a Certidão. nicos, bem como o encaminhamento de estatís-
segurança e celeridade do serviço público pres- Nota de Exigência. ticas de operação.
tado ao cidadão usuário. Nota de Exame e Cálculo.
Parágrafo Único. Todas as solicitações feitas pe- Art. 22. Em todas as operações do SAEC serão
Seção I los usuários remotos por meio do SAEC serão obrigatoriamente respeitados os direitos à pri-
enviadas ao Oficial de Registro de Imóveis com- vacidade, à proteção dos dados pessoais e ao
Do Serviço de Atendimento petente, que será o único responsável pelo pro- sigilo das comunicações privadas e, se houver,
Eletrônico Compartilhado – SAEC cessamento e atendimento. eletrônico: dos registros.

Art. 15. O Serviço de Atendimento Eletrônico Art.19. São classes de pedidos eletrônicos no Art. 23. O SAEC deve observar os padrões e re-
Compartilhado – SAEC será implementado e ge- âmbito do SAEC: quisitos de documentos, de conexão e de funcio-
rido pelo Operador Nacional do Sistema de Regis- namento, da Infraestrutura de Chaves Públicas
tro Eletrônico de Imóveis – ONR. I – Classe Tradicional, compreendendo os se- Brasileira – ICP e da arquitetura dos Padrões de
guintes tipos de pedido Interoperabilidade de Governo Eletrônico (e-Ping).
Art. 16. O Serviço de Atendimento Eletrônico 1. Informação de Registro que será utilizada para
Compartilhado – SAEC é destinado ao atendi- o serviço de informação sobre situação da matrí- Seção II
mento remoto dos usuários de todas as serven- cula, pacto antenupcial ou outra;
tias de registro de imóveis do país por meio da 2. Emissão de Certidão que será utilizada para o Das Centrais de Serviços Eletrônicos
internet, à consolidação de dados estatísticos serviço de emissão de certidão; Compartilhados dos Estados
sobre dados e operação das serventias de regis- 3. Exame e Cálculo que será utilizada para o ser- e do Distrito Federal
tro de imóveis, bem como ao desenvolvimento viço de exame e cálculo;
de sistemas de apoio e interoperabilidade com 4. Registro que será utilizada para o serviço de Art. 24. As centrais de serviços eletrônicos com-
outros sistemas. registro. partilhados são criadas pelos respectivos oficiais
de registro de imóveis, mediante ato normativo
Parágrafo Único. O SAEC constitui-se em uma II – Classe Ofício, com o tipo de pedido Ofício da Corregedoria Geral de Justiça local.
plataforma eletrônica centralizada que recepcio- Eletrônico que será utilizada para o serviço de
na as solicitações de serviços apresentadas pe- tratamento de ofício eletrônico; § 1º Haverá uma única central de serviços eletrô-
los usuários remotos e as distribui às serventias nicos compartilhados em cada um dos Estados e
competentes. III – Classe Penhora, compreendendo os seguin- no Distrito Federal;
tes tipos de pedido eletrônico, todos para serem
Art. 17. Compete, ainda, ao SAEC: utilizados no serviço de penhora de imóvel: § 2º Onde não seja possível ou conveniente a
1. Consulta de Penhora. criação e manutenção de serviços próprios, o
1 – desenvolver indicadores de eficiência e im- 2. Inclusão de Penhora. tráfego eletrônico far-se-á mediante central de
plementar sistemas em apoio às atividades das 3. Exclusão de Penhora. serviço eletrônico compartilhado que funcione
Corregedorias Gerais de Justiça e da Corregedo- em outro Estado ou no Distrito Federal ou exclu-
ria Nacional de Justiça, que permitam inspeções IV – Classe Indisponibilidade, compreendendo os sivamente pelo SAEC.
remotas das serventias; seguintes tipos de pedido eletrônico, todos para
2 – estruturar a interconexão do SREI com o SIN- serem utilizados no serviço de indisponibilidade § 3º O SAEC exerce a coordenação e o monitora-
TER – Sistema Nacional de Gestão de Informa- de bens imóveis: mento das centrais de serviços eletrônicos com-
ções Territoriais e com outros sistemas públicos 1. Consulta de Indisponibilidade. partilhados com a finalidade de universalização
nacionais e estrangeiros; 2. Inclusão de Indisponibilidade. do acesso ao tráfego eletrônico e para que se
3 – promover a interoperabilidade de seus sis- 3. Exclusão de Indisponibilidade. prestem os mesmos serviços em todo o País, ve-
temas com as Centrais de Serviços Eletrônicos V. – Consulta de Inexistência de Propriedade, lando pela interoperabilidade do sistema.
Compartilhados dos Estados e do Distrito Fede- com o tipo de pedido Consulta de Inexistência
ral. de Propriedade, para ser utilizado no serviço de Art. 25. Compete às centrais de serviços eletrô-
consulta de inexistência de propriedade a partir nicos compartilhados, em conjunto com o SAEC,
Art. 18. O SAEC deverá oferecer ao usuário remo- do CPF, notadamente pelos agentes financeiros e na forma do regulamento do SREI:
to os seguintes serviços eletrônicos imobiliários a imobiliários. 1 – o intercâmbio de documentos eletrônicos e
partir de um ponto único de contato na internet: de informações entre os ofícios de registro de
1 – Consulta de Informações Públicas como a Art. 20. O SAEC deverá manter as seguintes ba- imóveis, o Poder Judiciário, a administração pú-
relação de cartórios, circunscrição, tabela de ses de dados: blica e o público em geral;
custas e outras informações que podem ser dis- 1 – Base Estatística contendo os dados estatísti- 2 – a recepção e o envio de títulos em formato
ponibilizadas com acesso público e irrestrito; cos sobre a operação das serventias de registro eletrônico;

20 Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo


3 – a expedição de certidões e a prestação de Parágrafo Único. A assembleia geral que trata dade, motivação e interesse público, realizando
informações em formato eletrônico; este artigo será previamente convocada pelas e apoiando o Conselho Nacional de Justiça nas
Parágrafo Único. Todas as solicitações feitas por entidades representativas dos oficiais de regis- ações necessárias ao desenvolvimento jurídico e
meio das centrais de serviços eletrônicos com- tros de imóveis, de caráter nacional, alcançando tecnológico da atividade registral.
partilhados serão enviadas ao ofício de registro os filiados e não filiados, devendo ser realizada 2. das normas que regem o segredo de justiça,
de imóveis competente que é o único responsá- no prazo de 30 dias da convocação, sob supervi- os sigilos profissional, bancário e fiscal, bem
vel pelo processamento e atendimento. são da Corregedoria Nacional de Justiça. como a proteção de dados pessoais e do conteú-
do de comunicações privadas, além das disposi-
Art. 26. As centrais de serviços eletrônicos com- Art. 31. O Estatuto do ONR deverá observar as ções legais e regulamentares.
partilhados conterão indicadores somente para seguintes diretrizes: 3. do cumprimento das leis, regulamentos, nor-
os ofícios de registro de imóveis que as integrem. mas externas e internas, convênios e contratos,
1 – A pessoa jurídica, constituída exclusivamente notadamente as normas editadas pela Corre-
Art. 27. Em todas as operações das centrais de pelos oficiais de registros de imóveis, na forma gedoria Nacional de Justiça, seu agente regu-
serviços eletrônicos compartilhados serão res- prevista no art. 44 do Código Civil na modalidade lador, como previsto no art. 76, § 4º da Lei nº
peitados os direitos à privacidade, à proteção dos de entidade civil sem fins lucrativos, deverá ser 13.465/2017.
dados pessoais e ao sigilo das comunicações pri- mantida e administrada conforme deliberação 4. da proibição de obtenção de quaisquer bene-
vadas e, se houver, dos registros. da assembleia geral dos oficiais de registro de fícios ou vantagens individuais por seus gestores
imóveis, somente podendo fazer parte de seu em decorrência da participação em processos
Parágrafo Único. Deverão ser observados, no quadro diretivo os delegatários que estejam em decisórios.
âmbito das operações desenvolvidas pelas cen- pleno exercício da atividade;
trais de serviços eletrônicos compartilhados, os Art. 32. O Estatuto aprovado pela Assembleia Ge-
padrões e requisitos de documentos, de conexão 2 – Deverá constar dentre as atribuições do ONR: ral e suas posteriores modificações deverão ser
e de funcionamento, da Infraestrutura de Chaves submetidas à Corregedoria Nacional de Justiça
Públicas Brasileira – ICP e da arquitetura dos Pa- 1. implantação e coordenação do SREI, visando para homologação no exercício de sua função de
drões de Interoperabilidade de Governo Eletrôni- o seu funcionamento uniforme, apoiando os ofi- agente regulador.
co (e-Ping). ciais de registro de imóveis e atuando em coope-
ração com a Corregedoria Nacional de Justiça e CAPÍTULO VI
CAPÍTULO IV as corregedorias gerais de justiça.
2. implantação e operação do Serviço de Aten- DISPOSIÇÕES FINAIS
DO ACESSO ÀS INFORMAÇÕES DO SREI dimento Eletrônico Compartilhado – SAEC, como
PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL previsto em Recomendação da Corregedoria Art. 33. Aos ofícios de registro de imóveis é ve-
Nacional de Justiça, com a finalidade de prestar dado:
Art. 28. O acesso da Administração Pública Fede- serviços e criar opção de acesso remoto aos ser-
ral às informações do Sistema de Registro Eletrô- viços prestados pelas unidades registrais de todo 1 – recepcionar ou expedir documentos eletrôni-
nico de Imóveis – SREI se operacionaliza através país em um único ponto na Internet. cos por e-mail ou serviços postais ou de entrega;
do Sistema Nacional de Gestão de Informações 3. coordenação e monitoramento das operações 2 – postar ou baixar (download) documentos ele-
Territoriais – SINTER. das centrais de serviços eletrônicos compartilha- trônicos e informações em sites que não sejam
dos, através do SAEC, para garantir a interope- os das respectivas centrais de serviços eletrôni-
Parágrafo único. O Operador Nacional do Siste- rabilidade dos sistemas e a universalização do cos compartilhados ou do SAEC;
ma de Registro Eletrônico de Imóveis – ONR de- acesso às informações e aos serviços eletrônicos. 3 – prestar os serviços eletrônicos referidos neste
verá estruturar, através do SAEC, a interconexão 4. apresentação de sugestões à Corregedoria provimento, diretamente ou por terceiros, fora do
do SREI com o Sistema Nacional de Gestão de Nacional de Justiça para edição de instruções Sistema de Registro Eletrônico de Imóveis SREI.
Informações Territoriais (SINTER). técnicas de normalização aplicáveis ao SREI
para propiciar a operação segura do sistema, Art. 34. As corregedorias gerais de Justiça dos
Art. 29. O Manual Operacional do Sistema Nacio- a interoperabilidade de dados e documentos estados e do Distrito Federal fiscalizarão a efeti-
nal de Gestão de Informações Territoriais – SIN- e a longevidade de arquivos eletrônicos, como va vinculação dos oficiais de registro de imóveis
TER, submetido ao Conselho Nacional de Justiça também a adaptação eletrônica dos requisitos ao SREI e a observância das normas previstas
para a sua eficácia em face dos registradores de jurídico-formais implicados nos serviços, visando neste Provimento, expedindo as normas comple-
imóveis e notários, deve objetivar a harmonia e garantir a autenticidade e segurança das opera- mentares que se fizerem necessárias, bem como
operacionalidade do SINTER com o Sistema de ções realizadas com documentos informáticos. deverão promover a revogação das normas lo-
Registro Eletrônico de Imóveis – SREI. 5. fornecimento de elementos, aos órgãos pú- cais que contrariarem as regras e diretrizes cons-
blicos competentes, para auxiliar a instrução de tantes do presente provimento.
Parágrafo Único. Deverá ser prevista, no Manual processos que visam o combate ao crime organi-
Operacional, a forma de disponibilização, aos re- zado, à lavagem de dinheiro, à identificação e à Art. 35. O procedimento administrativo e os atos
gistradores de imóveis e aos notários, do acesso indisponibilidade de ativos de origem ilícita. de registro decorrentes da Reurb serão feitos
à ferramenta gráfica de visualização dos polígo- 6. viabilização de consulta unificada das informa- pelos oficiais de registro de imóveis preferencial-
nos limítrofes de imóveis sobrepostos às imagens ções relativas ao crédito imobiliário, ao acesso às mente por meio eletrônico, na forma de regula-
georreferenciadas, para permitir-lhes obter infor- informações referentes às garantias constituídas mento próprio. de 2020.
mações cadastrais e geoespaciais de interesse sobre imóveis.
para os atos praticados em suas serventias. 7. formulação de indicadores de eficiência e im- Art. 36. O SREI deverá ser implantado pelo ONR
plementação de sistemas em apoio às atividades até 02 de março
CAPÍTULO V das corregedorias gerais de justiça e da Correge-
doria Nacional de Justiça, que permitam inspe- Art. 37. Fica revogado o Provimento 47 de 18 de
DO ESTATUTO DO ONR ções remotas das serventias; junho de 2015.

Art. 30. O Estatuto do Operador Nacional do Sis- 3 – Deverá constar previsão de observância: Art. 38. Este provimento entra em vigor em 1º de
tema de Registro Eletrônico de Imóveis – ONR janeiro de 2020.
deverá ser aprovado pelos oficiais de registros de 1. dos princípios da legalidade, integridade, im-
imóveis de todo o território nacional, reunidos em pessoalidade, moralidade, publicidade, repre- MINISTRO HUMBERTO MARTINS
assembleia geral. sentatividade, eficiência, razoabilidade, finali- Corregedor Nacional de Justiça

Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo 21


Fundo de Apoio ao Registro Civil das Pessoas
Naturais do Estado do Espírito Santo – Farpen
Demonstrativo
Mês de janeiro de 2020 A – RECEBIMENTOS (Art 7º - Lei 6.670/01) 652.438,98
Saldo em caixa mês anterior 1.841,63
Em cumprimento ao artigo 2º da Lei Estadual RESGATE APLICAÇÃO/POUPANÇA BANESTES 0,00
6.670/01, o SINOREG-ES no gerenciamento finan-
VALOR TOTAL EM C/C FARPEN 654.280,61
ceiro do FARPEN, analisou os relatórios e demais
documentos remetidos por Notários e Registrado-
B – PAGAMENTOS
res deste Estado, correspondentes ao mês de DE-
ZEMBRO/2019, aprovando o ressarcimento dos 1 – Repasse aos Cartórios de Registro Civil 495.089,69
Atos Gratuitos Praticados pelos registradores civis 1.1 – Retenção IRPF na fonte (Inicio relatório julho/19). 87.983,96
como segue: Ref. Dezembro/19 ressarcido em Janeiro/2020.
Cumprindo normas constantes do parágrafo 5º do 2 – Repasse de Contribuição Sindical 30.867,75
artigo 5° da Lei Estadual 6.670/01, não houve de- 3 – Devolução FARPEN 13.441,11
posito em aplicação CDB na agência 076 do Banes- 4 – Transferências bancárias e tarifas sobre serviços 783,90
tes, por insuficiência de saldo. 5 – Repasse ao Sinoreg-ES 13.038,73
Conforme decisão da Assembleia Geral Extraordiná- 5.1 – 2% referente depósito entre 17/12 a 31/12/19 121,89
ria, realizada no dia 17 de agosto de 2018, convo- 6 – Repasse à AMAGES 13.048,78
cada exclusivamente para fins de decisão relativa
às novas regras do repasse, tendo em vista a arre-
6.1 – 2% referente depósito entre 17/12 a 31/12/19 121,89
cadação deficitária do FARPEN, informamos que a 7 – Pagamento despesas Registro Civil – Portaria 001/2020 3.257,07
redução percentual do repasse no Mês de JANEI-
RO/2020 foi de: SALDO LÍQUIDO (657.754,77) (3.474,16)
C- FUNDO DE RESERVA (CDB) (65.243,90)
Redução global do repasse: 16 % (dezesseis por
cento), aplicando-se este percentual para todas as Apenas para fins informativo, não foi aplicado.
rubricas que atualmente são pagas pelo FARPEN. C.a – 10% referente depósito entre 17/12 a 31/12/19 (609,45)
Vitória, 03 de fevereiro de 2020. SALDO (3.474,16)
Recebimentos entre 16/01 a 31/01/2020 17.486,38
MARCIO VALORY SILVEIRA
Presidente SALDO LÍQUIDO C/C – 9.012.881 14.012,22

22 Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo


Demonstrativo
Mês de fevereiro de 2020 A – RECEBIMENTOS (Art 7º - Lei 6.670/01) 647.309,34
Saldo em caixa mês anterior 14.012,22
Em cumprimento ao artigo 2º da Lei Estadual RESGATE APLICAÇÃO/POUPANÇA BANESTES 0,00
6.670/01, o SINOREG-ES no gerenciamento finan-
VALOR TOTAL EM C/C FARPEN 661.321,56
ceiro do FARPEN, analisou os relatórios e demais
documentos remetidos por Notários e Registrado-
B – PAGAMENTOS
res deste Estado, correspondentes ao mês de JA-
NEIRO/2020, aprovando o ressarcimento dos Atos 1 – Repasse aos Cartórios de Registro Civil 497.561,85
Gratuitos Praticados pelos registradores civis como 1.2 – Retenção IRPF na fonte (Inicio relatório julho/19). 92.036,24
segue: Ref. janeiro/2020 ressarcido em fevereiro/2020.
Cumprindo normas constantes do parágrafo 5º do 2 – Repasse de Contribuição Sindical 33.272,82
artigo 5° da Lei Estadual 6.670/01, não houve de- 3 – Devolução FARPEN 13.045,14
posito em aplicação CDB na agência 076 do Banes- 4 – Transferências bancárias e tarifas sobre serviços 864,31
tes, por insuficiência de saldo. 5 – Repasse ao Sinoreg-ES 12.946,19
Conforme decisão da Assembleia Geral Extraordiná- 5.1 – 2% referente depósito entre 16/01 a 31/01/2020 349,73
ria, realizada no dia 17 de agosto de 2018, convo- 6 – Repasse à AMAGES 12.936,14
cada exclusivamente para fins de decisão relativa
às novas regras do repasse, tendo em vista a arre-
6.1 – 2% referente depósito entre 16/01 a 31/01/2020 349,73
cadação deficitária do FARPEN, informamos que a 7 – Pagamento despesas Registro Civil – Portaria 002/2020 3.257,07
redução percentual do repasse no Mês de FEVEREI-
RO/2020 foi de: SALDO LÍQUIDO (666.619,22) (5.297,66)
C- FUNDO DE RESERVA (CDB) (64.730,93)
Redução global do repasse: 30% (trinta por cento),
aplicando-se este percentual para todas as rubricas Apenas para fins informativo, não foi aplicado.
que atualmente são pagas pelo FARPEN. C.a – 10% referente depósito entre 16/01 a 31/01/2020 (1.748,64)
Vitória, 02 de março de 2020. SALDO (5.297,66)
Recebimentos entre 18/02 a 28/02/2020 8.663,01
MARCIO VALORY SILVEIRA
Presidente SALDO LÍQUIDO C/C – 9.012.881 3.365,35

Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo 23


Cadastro X Registro: multiplicidade
cadastral demonstra necessidade
de maior sintonia entre instituições
Multifinalidade dos cadastros brasileiros poderia ser
melhor aproveitada se País tivesse uma base única cadastral

A
ocupação de um território pode ser tros quer seja no plano horizontal ou vertical. tégicas. Uma parte do cadastro dos imóveis
analisada sob aspectos econômicos, A multiplicidade de cadastro em nosso País urbanos é realizada pelo município, outra pelo
políticos, legais, geográficos e sociais. deve-se à falta de uma lei nacional, regula- Estado e outra pela União. Há ainda cadas-
Independente da sua peculiaridade, o Brasil mentando-o. Desde o seu descobrimento esta tros específicos dos imóveis rurais e urbanos
tem visto crescer nos últimos anos tendências babel existe e por falta de vontade política ain- com finalidades diversas”, pondera o oficial.
que apontam para um sistema cadastral das da perdurará por muitos anos”, afirma o pre- Para o Registrador Imobiliário de Juquiá/SP
propriedades imobiliárias, sem discutir as di- sidente da Associação dos Notários e Regis- e pesquisador de Novas Tecnologias do Insti-
ferenças entre cadastro imobiliário e registro tradores do Mato Grosso (Anoreg/MT), José tuto de Registro Imobiliário do Brasil (IRIB),
de imóveis. de Arimatéia Barbosa, que também é Oficial Caleb Matheus de Miranda, os cadastros têm
Enquanto o registro trata da garantia jurídi- do 1º Ofício de Registro de Imóveis, Títulos e por função a identificação dos imóveis en-
ca dos direitos reais sobre um determinando Documentos da Comarca de Campo Novo do quanto corpo físico para fins administrativos
bem imóvel, alçando o interessado à condição Parecis, no Mato Grosso. ou tributários, enquanto que os registros de
de proprietário, por atos privativos do Ofi- De acordo com o Oficial Substituto do 1º imóveis possuem uma função institucional
cial de Registro de Imóveis, concentrados na Ofício da 2ª Zona de Serra-ES, Bruno do Valle precisa: identificação dos direitos reais inci-
matrícula, como preceitua a Lei 6.015/73, o Couto Teixeira, a babel cadastralista que existe dentes sobre certo bem.
cadastro limita-se a identificar a situação ter- no Brasil causa certo temor em quem trabalha “Nos cadastros, não se busca identificar ju-
ritorial do imóvel tão somente para fins fiscais em áreas correlatas ao cadastro e ao registro. ridicamente o titular de direitos sobre o imó-
e tributário. “Vemos com muita restrição e com certo te- vel, mas sim regulamentar o uso que se faz de
“O ideal é que registro e cadastro mantives- mor os vários cadastros existentes no país que certo imóvel, seja para fins de cobrança de im-
sem maior sintonia, administração impossível não conversam entre si e, portanto, não ajudam postos, para se regulamentar o uso ambiental
em nosso País porque inúmeros são os cadas- o gestor público na tomada de decisões estra- ou outras finalidades. Embora em certas si-

24 Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo


tuações possa haver identidade entre o titular mite, via de regra, o surgimento de efeitos
registral e o ocupante constante do cadastro, jurídicos negativos somente com fundamen-
“Sua importância [cadastro
não há plena coincidência entre as finalidades to na declaração realizada por terceiro. No
e objetivos dos institutos”, revela o registrador. exterior, o cadastro é visto como descrição rural] decorre do fato de que,
Ainda de acordo com ele, é essencial dis- precisa do imóvel. Isso existe no Brasil para quando for concluído, terá as
tinguir os efeitos decorrentes da inclusão de os imóveis rurais georreferenciados, mas a informações comuns em uma
certo ato no registro e no cadastro. maioria dos municípios urbanos não pos- única base cadastral”
Segundo o pesquisador do IRIB, o regis- suem cadastro com esse nível técnico”, argu-
tro de direitos, como o próprio nome sugere, menta Caleb Miranda. Coordenação-Geral de
outorga efeitos jurídicos perante toda a socie- Cadastro Rural do INCRA
dade aos atos inscritos. E esses efeitos só são CADASTRO RURAL E URBANO
previstos porque há um processo de depu- A obrigatoriedade da implementação do cadas-
ração da informação para verificação de sua tro rural foi determinada no Estatuto da Terra
conformidade com o ordenamento jurídico (Lei 4.504/64) para apoiar as políticas fundiá-
feito pelo profissional do Direito que é o Re- rias e os projetos de reforma agrária. Em 1970,
gistrador de Imóveis. No cadastro, contudo, foi criada a instituição responsável por essas
são aceitas informações que gerarão efeitos ações, o IBRA (Instituto Brasileiro de Reforma
em regra somente ao declarante e à adminis- Agrária), atual INCRA (Instituto Nacional de
tração pública. Colonização e Reforma Agrária) e, em 1972, o
“Não há necessidade de um processo de atual SNCR (Sistema Nacional de Cadastro de
depuração tão preciso, porque não se per- Imóveis Rurais) foi estabelecido pela Lei 5.868.

Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo 25


Até 1990, esse cadastro era utilizado também (RFB), com base de dados produzida e com- cípios que iniciaram o desenvolvimento dos
como base para a cobrança do ITR (Imposto partilhada pelas diversas instituições públicas seus cadastros há mais tempo, e deram conti-
Territorial Rural). A partir de 1990, a respon- federais e estaduais produtoras e usuárias de nuidade a essa implementação, tenham obtido
sabilidade pela arrecadação do ITR passou informações sobre o meio rural brasileiro. Sua algum êxito na integração e troca de informa-
para a Receita Federal, que estruturou o CA- importância decorre do fato de que, quando ções com setores internos e também com ou-
FIR (Cadastro de Imóveis Rurais) para esse for concluído, terá as informações comuns em tras instituições, como cartórios e concessio-
fim. Assim, embora esses cadastros tenham uma única base cadastral”, afirma a Coordena- nárias, em um caráter de multifinalidade.
cobertura nacional, não estão unificados. ção-Geral de Cadastro Rural do INCRA. “O Brasil vem buscando melhorar o siste-
“Podemos citar outros cadastros que têm Engenheira cartógrafa e professora do De- ma cadastral com a implementação de novas
como objeto imóveis rurais específicos, como partamento de Engenharia Cartográfica da tecnologias. Aliás, busca-se uma integração
as unidades de conservação, terras públicas e Universidade Federal de Pernambuco, Andrea dos sistemas já existentes para que sirvam
terras indígenas. A criação do Cadastro Na- Carneiro diz que os cadastros urbanos foram como base para políticas públicas voltadas à
cional de Imóveis Rurais (CNIR), em 2001, estabelecidos para fins fiscais, a partir da déca- regularização fundiária. No Estado do Mato
visava a integração desses sistemas, o que da de 50, com uma legislação que estabelecia a Grosso, temos na CEI – Central Eletrônica de
infelizmente não aconteceu até o presente autonomia dos municípios. Integração e Informações dos Serviços Nota-
momento”, relata Andrea Flávia Tenório Car- A ausência de um órgão nacional de cadas- riais e Registrais do Estado de Mato Grosso,
neiro, autora do livro “Cadastro Imobiliário e tro, que oriente a implementação desses ca- um exemplo de modernidade e celeridade,
Registro de Imóveis – A Lei 10.267/2001, De- dastros urbanos, faz com que cada município uma vez que o sistema congrega todas as in-
creto 4.449/2002 e Atos Normativos do Incra”. estruture o cadastro dentro de suas possibili- formações relativas aos atos praticados nos
“Tal cadastro visa uma base comum de in- dades e do conhecimento que dispõe sobre o cartórios do Estado em uma plataforma onli-
formações que são gerenciadas conjuntamente assunto. O objetivo desses cadastros ainda é ne”, destaca o presidente da Anoreg/MT, José
entre o Incra e a Secretaria da Receita Federal eminentemente fiscal, embora alguns muni- de Arimatéia Barbosa.

Segundo o presidente da Anoreg/MT, José de Para o Oficial Substituto do 1º Ofício da 2ª De acordo com o pesquisador de novas tecnolo-
Arimatéia, o ideal é que registro e cadastro Zona de Serra-ES, Bruno do Valle, a babel gias do IRIB, Caleb Miranda, os registros de imó-
mantivessem maior sintonia: “administração cadastralista que existe no Brasil causa certo veis possuem uma função institucional precisa:
impossível em nosso País” temor: “finalidades diversas” “identificação dos direitos reais incidentes sobre
certo bem”

“A multiplicidade de “Vemos com muita “Embora em certas


cadastro em nosso restrição e com certo situações possa haver
País deve-se à falta temor os vários cadastros identidade entre o titular
de uma lei nacional, existentes no país que registral e o ocupante
regulamentando-o” não conversam entre si” constante do cadastro, não
há plena coincidência entre
José de Arimatéia Barbosa, Bruno do Valle Couto Teixeira,
presidente da Anoreg/MT Oficial Substituto do 1º Ofício as finalidades e objetivos
da 2ª Zona de Serra-ES dos institutos”
Caleb Matheus de Miranda,
pesquisador de Novas
Tecnologias do IRIB

26 Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo


Para o Registrador de Imóveis em Pirapozi- CADASTROS MULTIFINALITÁRIOS to, baseado no levantamento dos seus limites”.
nho (SP) e Diretor de Assuntos Agrários do Ins- Embora o entendimento e o desenvolvimento Para Andrea Flávia Tenório Carneiro, o ca-
tituto de Registro Imobiliário do Brasil (IRIB), dos cadastros tenham evoluído ao longo do dastro tem uma potencialidade muito maior do
Izaias Gomes Ferro Junior, o cadastro imobi- tempo, este resulta, em cada País, de sua evo- que simplesmente a cobrança de tributos. Du-
liário rural poderia ter um objetivo maior. lução histórica, de suas leis e de seus costumes. rante anos, a engenheira pesquisou a possibili-
“O cadastro é baseado em sistema de in- Desde a década de 90, a evolução dos dade do intercâmbio entre cadastro e registro.
formações físicas, territoriais e econômicas, cadastros fiscais para cadastros multifina- “Se bem modelados e baseados em norma-
atualizado permanentemente pelo poder litários é uma tendência dos cadastros in- tivas que estabeleçam claramente as respon-
público, normalmente o ente tributante. ternacionais. No Brasil, a Lei 10.267/01 es- sabilidades de cada instituição, os cadastros
Deve, em tese, incluir sempre a informação tabeleceu a constituição do CNIR (Cadastro multifinalitários são excelentes ferramentas
geodésica de conceitos parcelares (parcela Nacional de Imóveis Rurais), que representa de desenvolvimento para o País. Infelizmente,
que é diferente de propriedade imobiliária). um modelo de cadastro multifinalitário ru- pouco se avançou na concretização do siste-
Junto aos registros da propriedade imobiliá- ral. É o que explica a engenheira cartógrafa ma. Apesar dessa dificuldade, surge o SINTER
ria, completam suas informações a bem do Andrea Flávia Tenório Carneiro. (Sistema Nacional de Gestão de Informações
interesse do ente público, seja para efetiva Em seu livro, ela ressalta que se torna difícil Territoriais), em 2016, com uma proposta ain-
política urbana ou rural, controle físico, eco- estabelecer uma definição que englobe todas as da mais ambiciosa, de integrar bases cadastrais
nômico ou tributário. Teria que ter um obje- diferenças encontradas na análise dos sistemas urbanas e rurais, além dos registros imobiliá-
tivo maior, o desenvolvimento sustentável e a cadastrais. A própria definição da Federação rios. Uma condição difícil de ser resolvida a
proteção ambiental, entretanto, não é o que Internacional de Geômetras (FIG) afirma que o curto prazo, porque faltam padrões, estrutura
se percebe ao longo de décadas, haja vista a cadastro “é um inventário público de dados me- tecnológica e possivelmente um conhecimen-
inefetividade do Cadastro Ambiental Rural todicamente organizados concernentes a parce- to mais aprofundado do complexo arcabouço
(CAR)”, argumenta o diretor do IRIB. las territoriais, dentro de um certo país ou distri- legal a ser considerado na concretização de tal
sistema”, argumenta a pesquisadora.
De acordo com ela, é difícil conceber uma
gestão pública que não esteja baseada em in-
formações atualizadas e confiáveis sobre a es-
trutura territorial dos municípios.
Para suprir essa lacuna no caso dos cadas-
tros urbanos, o Ministério das Cidades publi-
cou em 2009 a Portaria 511, que trata exata-
mente de orientações para a implementação
de tais cadastros. Embora de caráter orienta-
tivo e não obrigatório, esse documento e os
programas de capacitação de técnicos munici-
pais e de outras instituições interessadas con-
tribuíram fortemente para a disseminação dos
conceitos e auxiliaram municípios que inicia-
ram o processo de aperfeiçoamento dos seus
cadastros, visando a multifinalidade.
“Atualmente, alguns municípios de porte
Engenheira cartógrafa e professora da UFPE, O Diretor de Assuntos Agrários do IRIB, Izaias médio ou grande já dispõem de iniciativas
Andrea Carneiro diz que os cadastros urbanos Gomes Ferro Junior, acredita que o cadastro imo- nesse sentido, pelo menos com a integração e
foram estabelecidos para fins fiscais, a partir da biliário rural poderia ter um objetivo maior: “de- disponibilização de bancos de dados para os
década de 50: “autonomia dos municípios” senvolvimento sustentável e proteção ambiental” diversos setores da administração municipal e
para os cidadãos, sempre respeitando a legis-
lação quanto às restrições de publicização dos
dados pessoais e fiscais”, pondera a professora.
“Se bem modelados, “Teria que ter um objetivo “Os cadastros multifinitários podem ser
os cadastros maior [cadastro rural...] muito úteis, conquanto haja algumas questões
multifinalitários são entretanto, não é o que relevantes quanto à possibilidade de mescla
completa de dados sem a indicação de uma
excelentes ferramentas se percebe ao longo de finalidade precisa pela Lei Geral de Proteção
de desenvolvimento décadas, haja vista a de Dados (LGPD). O problema que temos é
para o País” inefetividade do Cadastro querer fazer um cadastro que abranja tantas
Ambiental Rural (CAR)” finalidades que implique efeitos registrais. E
Andrea Flávia Tenório Carneiro, isso porque os efeitos decorrentes do cadastro
engenheira cartógrafa e professora Izaias Gomes Ferro Junior, e os decorrentes do registro são tão distintos
do Departamento de Engenharia Diretor de Assuntos que exigem critérios diferentes de recepção e
Cartográfica da UFPE Agrários do IRIB avaliação das informações”, salienta o registra-
dor Caleb Miranda.

Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo 27


“O Brasil vem buscando melhorar
o sistema cadastral, com a
implementação de novas tecnologias”
O presidente da Anoreg/MT, José de Arimatéia, fala sobre cadastro e registro,
suas diferenças e como essas instituições funcionam hoje no País

A
tual presidente da Associação dos No-
tários e Registradores do Estado do
Mato Grosso (Anoreg/MT), José de
Arimatéia Barbosa acredita que a multiplici-
dade de cadastro em nosso País deve-se à falta
de uma lei nacional.
Doutor em Ciências Jurídicas e Sociais pela
Universidad del Museo Social Argentino –
Buenos Aires e Oficial de Registro de Imóveis
e Títulos e Documentos da Comarca de Cam-
po Novo do Parecis, no Mato Grosso, ele afir-
ma que as diferenças entre registro e cadastro
existem em suas próprias constituições, pois
tratam-se de institutos distintos.
Para o registrador, embora ainda haja mui-
to o que fazer para aproximar as duas insti-
tuições, “o Brasil vem buscando melhorar o
sistema cadastral, com a implementação de
novas tecnologias”.

“Diferenças entre registro e


cadastro existem em suas
próprias constituições, pois
tratam-se de institutos
distintos, administrados por
diferentes entes”
Segundo o presidente da Anoreg/MT, José de Arimatéia, a babel cadastralista existe e, por falta de
vontade política, ainda perdurará por muitos anos

Revista de Direito Notarial e Registral do ES mita-se a identificar a situação territorial do


– Como podemos avaliar as principais dife- imóvel, tão somente para fins fiscais e tribu-
renças entre cadastro imobiliário e registro tários, o fazendo por agente do Poder público,
de imóveis? Quais são elas? especificamente do executivo. O ideal é que
José de Arimatéia - Enquanto o registro tra- registro e cadastro mantivessem maior sinto-
ta da garantia jurídica dos direitos reais sobre nia, administração impossível em nosso País,
um determinado bem imóvel, alçando o inte- porque inúmeros são os cadastros, quer seja
ressado à condição de proprietário por atos no plano horizontal e/ou vertical. Provado
privativos do Oficial de Registro de Imóveis, está através de pesquisas desenvolvidas por
concentrados na matrícula como preceitua a diversas Universidades, com destaque para a
Lei n. 6.015/73, o cadastro, por seu turno, li- UNICAMP, em projeto o qual participei, que

28 Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo


em muitos casos se sobrepõem não só os ór- menta o Sistema de Registro Eletrônico de
gãos, como também os próprios cadastros Imóveis (SREI) e o estatuto do Operador
“Diferenças entre registro e
e, pasmem, nenhum deles confia no outro. Nacional do Sistema de Registro Eletrônico
Diferenças entre registro e cadastro existem cadastro existem em suas de Imóveis (ONR) pode ajudar nisso?
em suas próprias constituições, pois tratam- próprias constituições, pois José de Arimatéia - Todas as tentativas gover-
-se de institutos distintos, administrados por tratam-se de institutos namentais são bem-vindas, porém a implan-
diferentes entes, enquanto o registro jurídico distintos, administrados por tação de qualquer mudança exige um plano de
tem como seu guardião o Serviço de Regis- ação mais eficiente com dotação orçamentária
tro de Imóveis, instituição de direito privado, diferentes entes” compatível com o que se propõe a fazer e da
exercido por delegação do Poder Judiciário, maneira que são editados os provimentos pelo
o cadastro, tem no Poder público seu gestor. CNJ, sem consultar as bases, dificilmente o re-
territórios, que são menores, mas porque se sultado será positivo.
Revista de Direito Notarial e Registral do ES começássemos a construir uma base cadastral
– Como enxerga a tentativa de promover di- confiável a partir dos municípios, gradativa- Revista de Direito Notarial e Registral do ES
ferentes cadastros no país? Acredita que há mente teríamos Estados e ou regiões com seus – Como enxerga o atual momento do país
uma babel cadastralista que invade a seara bancos de dados perfeitos e acabados. para implementar novas políticas relaciona-
do direito? das ao cadastro e ao registro? Quais são as
José de Arimatéia - A multiplicidade de ca- Revista de Direito Notarial e Registral do ES ações, leis e projetos que tem buscado versar
dastro em nosso País deve-se à falta de uma lei – O Brasil ainda tem uma concepção de um sobre essas duas questões?
nacional, regulamentando-o. Desde o seu des- sistema cadastral muito atrasado em relação José de Arimatéia - Com esta política cen-
cobrimento esta babel existe e por falta de von- a outros países? Como funciona lá fora? tralizadora mantida pelo atual governo, que
tade política ainda perdurará por muitos anos. José de Arimatéia - Como outrora afirmado, prometeu menos Brasília e mais Estados e
o Brasil vem buscando melhorar o sistema nada fez até hoje, nenhuma “acabativa” será
Revista de Direito Notarial e Registral do cadastral, com a implementação de novas tec- possível. Somente através de uma agência mo-
ES – Qual sua opinião sobre a questão dos nologias. Aliás, busca-se uma integração dos derna, conforme aliás acenara o ex-ministro
cadastros multifinalitários? Eles podem ser sistemas já existentes, para que sirvam como Mangabeira Unger e descentralização para os
úteis e funcionar de forma complementar, base para políticas públicas voltadas à regula- municípios, para que estes coordenem os ca-
embora com diferenças, com o registro de rização fundiária. Nesse sentido, vale destacar dastros e registros. Ninguém vive na união ou
imóveis? Existe algum município do Brasil mais uma vez o SINTER, sistema que está no Estado. As pessoas vivem nos municípios,
que utiliza esse tipo de cadastro? integrando os cadastros em várias camadas, por isso caberia dotar aos munícipes, se a eles
José de Arimatéia - O cadastro multifinali- como por exemplo, as informações relativas delegada esta missão, infraestrutura técnica e
tário, idealizado pelo SINTER - Sistema Na- aos imóveis georreferenciados, os dados ob- financeira. As leis existentes e projetos em tra-
cional de Gestão de Informações Territoriais tidos nos órgãos ambientais de cada Estado, mitação no Congresso Nacional, elaborados
tem este propósito, porém decorridos mais bem como a integração com os sistemas car- por tecnocratas que não conhecem a realidade
de 7 anos, desde a sua implantação, pífio é o torários. No âmbito dos cartórios, vale des- de cada região do país, tornam ineficazes as
resultado, na sua consumação, pois os órgãos tacar que no Estado do Mato Grosso, temos normas desde a sua criação.
gestores das terras no país e nas Unidades Fe- na CEI – Central Eletrônica de Integração e
derativas, em que pese o trabalho de abnega- Informações dos Serviços Notariais e Regis- Revista de Direito Notarial e Registral do
dos servidores públicos, não são dotados de trais do Estado de Mato Grosso um exemplo ES – A Lei 13.838/2019 dispensa a carta de
infraestrutura suficiente para acompanhar os de modernidade e celeridade, uma vez que o anuência no processo de georreferencia-
avanços tecnológicos que a todo instante re- sistema congrega todas as informações relati- mento de imóveis rurais. Como vê essa lei?
quer uma maior capacitação de seu reduzido vas aos atos praticados nos cartórios do Esta- Ela também pode ser relacionada com o ca-
número de servidores. do em uma plataforma online. Aliás, quanto dastro imobiliário e o registro de imóveis?
ao sistema registral, vale trazer ao debate que Em que sentido?
Revista de Direito Notarial e Registral do ES o sistema brasileiro oferece uma segurança José de Arimatéia - Se vivêssemos em um país
– Por que somente o cadastro rural está uni- jurídica maior do que, por exemplo, os Esta- onde cadastro e registro tivessem uma perfeita
ficado e centralizado no Governo Federal? dos Unidos, uma vez que no Brasil temos nas coordenação, a dispensa de assinatura do con-
O cadastro imobiliário dos imóveis urbanos matrículas a concentração de todas as infor- frontante seria desnecessária, mas por razões
deixa muito a desejar? mações relativas ao imóvel, evitando fraudes óbvias, acredita-se que muitas certificações de
José de Arimatéia - Cada município tem o ou conflitos com antigos proprietários. Des- georreferenciamento serão canceladas, geran-
seu cadastro e pelas razões já expostas, no- taca-se ainda que o custo das transações que do como consequência um aumento significa-
tadamente pela ausência de uma lei nacional tenham como objeto um imóvel é maior nos tivo das demandas judiciais. Prova disso são as
de cadastros, padronizando-os, este estado de Estados Unidos, ante a necessidade da contra- reiteradas tentativas de fazer uma lei natimor-
coisas perdurará por muitos anos. A exemplo tação de um seguro para garantir o negócio. ta. A MP 910/19 em tramitação no Congresso
do que fez Napoleão Bonaparte, nos demais é prova disso. Recomendação do CNJ nº 41/19
países Europeus e mesmo nas Américas e Revista de Direito Notarial e Registral do é outra prova desta insistência em tentar re-
Caribe por onde tenho compartilhado nosso ES – Por que não criar uma base cadastral verter o irreversível, pois desde os primórdios
trabalho, constata-se que diante deles esta- única, que tenha utilidade para estruturar da nossa civilização, o confrontante é chama-
mos muito atrasados. E não há como afirmar todos os demais sistemas de informações do para dizer se está ou não sendo prejudica-
que isso se dá em razão do tamanho dos seus territoriais? O Provimento 89, que regula- do por seu vizinho.

Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo 29


ENORES inicia 2020 com curso
sobre Direito Tributário e Imposto
sobre a Renda da Pessoa Física
Escola Notarial e Registral do Espírito Santo recebeu, no começo
de fevereiro, notários, registradores, colaboradores e advogados.
Encontro aconteceu na sede do Sinoreg-ES

A
Escola Notarial e Registral do Espírito tradores e de seus prepostos. O Sinoreg-ES,
Santo (ENORES) iniciou o mês de fe- com apoio das demais entidades de classe dos
vereiro de 2020 realizando a palestra profissionais do direito de que trata o art. 236
“Direito Tributário aplicado às atividades ex- da Constituição da República, dispositivo re-
trajudiciais com ênfase no Imposto sobre a gulamentado pela Lei nº 8.935/1994, adotou a
Renda da Pessoa Física”, ministrado por Anto- forma mais adequada de elevação do nível pro-
nio Herance Filho, advogado especialista em fissional de seus associados e dos colaborado-
Direito Tributário. res. A capacitação da equipe e de si próprio é o
Além da vasta experiência na área tributá- modo mais inteligente de gestão. O Estado ca-
ria, Herance tem formação em Direito Cons- pixaba está exemplarmente unido em torno do
titucional e de Contratos pelo Centro de Ex- Sinoreg-ES e da ENORES e a consequência des-
tensão Universitária de São Paulo e em Direito sa união salta aos olhos”, elogiou o palestrante.
Registral Imobiliário pela Pontifícia Universi- Durante o curso, Herance falou para diver-
dade Católica de Minas Gerais. sos participantes sobre temas ligadas ao Direi-
Com atuação no segmento notarial e regis- to Tributário e ao Imposto de Renda Pessoa
tral brasileiro há 30 anos, Herance comentou a Física (IRPF). Segundo o advogado especialista em Direito
importância dos eventos realizados pela ENO- “A escrituração de receitas e de despesas Tributário, Antonio Herance Filho, o Estado
RES e pelo Sindicato dos Notários e Registrado- para os fins de apuração do IRPF é tema, sem- capixaba está exemplarmente unido em torno do
res do Estado do Espírito Santo (Sinoreg-ES). pre, muito atual porque a apuração é mensal e Sinoreg-ES e da ENORES: “união salta aos olhos”
“Não é de hoje que a ENORES é referência a sua disciplina não é nada fácil de ser aplicada
nacional no treinamento de notários, regis- na prática, de modo que não há treinamento

“A escrituração de receitas
e de despesas para os fins
de apuração do IRPF é tema,
sempre, muito atual”
Antonio Herance Filho,
advogado especialista
em Direito Tributário

sobre o assunto que não conte com expressiva


plateia. Méritos, diga-se por justiça, para a Es-
cola por ter planejado a sua realização antes de
iniciado o prazo para entrega da Declaração
de Ajuste Anual (DAA)”, analisou o advogado.
Ainda de acordo com o palestrante, o direi-
to tributário é uma matéria que está presente
no dia a dia das serventias, mas muitos não
enxergam a importância dessa atividade.
“As portas são abertas pela manhã e cons-
tata-se que o Direito Tributário pernoitou
Notários, registradores, colaboradores e advogados compareceram ao curso sobre Direito Tributário por lá e já se mostra, desde a primeira hora,
promovido pela ENORES no começo de fevereiro pronto para ser respeitado ou para acarretar

30 Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo


ao desatento penalidades de vários tipos.
Grosso modo, os notários e os registradores
são, ao mesmo tempo, contribuintes (IRPF,
ISS, Contribuições Previdenciárias), substi-
tutos tributários (IRRF, Contribuições Pre-
videnciárias, Emolumentos), responsáveis
de terceiros (ITBI, ITCD), e, ainda, sujeito
passivo de obrigações tributárias acessórias
(Livro Caixa, DOI, DIRF, Certidões Tributá-
rias), de modo que, sem que percebam, con-
tribuem, ora do próprio bolso, ora exigindo
o cumprimento de obrigações por parte de

Principais dúvidas dos participantes que estiveram presentes no curso foram relacionadas à natureza e
legitimidade das despesas lançadas

seus prepostos dos usuários de seus serviços, reza e comprovação”, enfatizou a participante.
ora informando a administração a ocorrên- Ainda de acordo com ela, as principais dú-
cia de fatos e de eventos do interesse da ar- vidas dos participantes foram relacionadas à
recadação, exercendo, assim, relevante papel natureza e legitimidade das despesas lançadas.
social”, comentou o palestrante. “Para mim foi muito esclarecedor a diferença
Segundo a escrevente Flávia Sathler, do cartório Quem participou da palestra também pode entre o livro diário e o livro caixa, que coexistem,
da Barra do Jucu, em Vila-Velha-ES. Está escrito
apenas Vila
esclarecer suas dúvidas referentes ao Imposto mas não se confundem, devido sua natureza e
sobre a Renda da Pessoa Física. sua dedutibilidade”, complementou a oficial.
Foi o caso da escrevente Flávia Campos Sa- O advogado tributarista Antonio Herance
thler Rosa de Morais, do cartório de Registro Filho ainda teve tempo de elogiar a atuação do
“O direito tributário é uma civil e Tabelionato de Notas da Barra do Jucu, Sinoreg-ES diante de notários e registradores
em Vila Velha-ES. do Estado capixaba.
matéria presente na vida “A palestra foi muito esclarecedora, com “O Sinoreg-ES seja, hoje, entidade modelo
do notário e do registrador, um palestrante capacitado e com domínio do de representação de notários e de registrado-
devido sua necessidade assunto, sendo o tema de grande importância res e, em que pese seja entidade sindical patro-
mensal de lançamento de para a escrituração de despesas e receitas para nal, está muito preocupado com a capacitação
fins de imposto de renda (carnê leão). O direi- dos colaboradores dos cartórios capixabas. As
receitas e despesas”
to tributário é uma matéria presente na vida notícias a respeito do êxito alcançado pelo Si-
Flávia Campos Sathler Rosa de Morais, do notário e do registrador, devido sua ne- noreg-ES e pela ENORES chegam a todos os
escrevente do cartório da Barra do Jucu, cessidade mensal de lançamento de receitas e cantos do País. É de se aplaudir”, concluiu o
em Vila Velha-ES despesas, bem como a verificação de sua natu- palestrante.

Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo 31


32 Revista de Direito Notarial e Registral do Espírito Santo

Você também pode gostar