Você está na página 1de 4

Engenharia Civil/Produção Civil

Direito Empresarial
Profa. Juliana Lamego Balbino

CONTRATO DE EMPREITADA

Conceito: Através do contrato de empreitada, uma das partes – o empreiteiro -


se compromete a executar determinada obra, pessoalmente ou por meio de
terceiros, em troca de certa remuneração fixa a ser paga pelo outro contratante
– dono da obra – de acordo com instruções deste e sem relação de
subordinação.

Objeto: a execução da obra em si. A remuneração do empreiteiro continua a


mesma, mesmo que a execução da obra ocupe mais ou menos tempo e, só
será devida, se o empreendimento prometido for alcançado.

Riscos da Obra: Na empreitada, o empreiteiro assume os riscos da produção


e, na qualidade de empresário, não está subordinado ao dono da obra, nem a
ninguém.

Obrigações: o empreiteiro deve entregar a coisa para receber o preço e o


dono da obra entrega o preço para receber a coisa, já que o contrato é um
negócio jurídico bilateral.
- Pelo contrato de empreitada, procura o dono da obra obter a limitação de seu
gasto. Em vez do mesmo correr os riscos de execução da obra, donde lhe
pode decorrer despesas maior ou menor, recorre a este contrato, em que
ajusta a pagar cifra certa e determinada.

Variação do preço dos salários e do material: o arquiteto ou construtor que,


por empreitada, se incumbir de executar uma obra segundo plano aceito por
quem a encomenda, não terá direito de exigir acréscimo no preço, ainda que o
dos salários, ou o do material encareça, salvo estipulação em contrário. Assim,
os riscos da alta ou baixa são assumidos pelo empreiteiro, ficando o dono da
obra, por força do contrato, ao abrigo de quaisquer perigos.

Aumento da obra após o contrato: ainda que não tenha havido autorização
escrita, o dono da obra é obrigado a pagar ao empreiteiro os aumentos e
acréscimos (variação do projeto), segundo o que for arbitrado, se, sempre
presente à obra, por continuadas visitas, não podia ignorar o que se passava, e
nunca protestou. Se as instruções forem escritas, haverá sempre o direito do
empreiteiro a receber a diferença de preço ocorrida.

Espécies de Empreitada: A empreitada pode ser:


- empreitada de lavor: a empreitada é apenas de mão-de-obra,
- empreitada mista: o empreiteiro contribui para a obra com seu trabalho e com
os materiais. A obrigação de fornecer os materiais não se presume; resulta
da lei ou da vontade das partes.

Efeitos da distinção: A distinção entre os dois tipos de empreitada é relevante


porque diferentes são os efeitos no que diz respeito aos riscos, conforme se
trate de uma ou de outra espécie de negócio.
- unicamente de lavor: se a coisa, SEM CULPA DO EMPREITEIRO, perece
antes da entrega da obra, quem sofre o prejuízo pelo seu perecimento é o dono
da obra, pois os riscos correm por conta deste último: arts. 612 e 613 do
Código Civil.
- de lavor e materiais: se o empreiteiro, ao contrário, fornece também os
materiais, correr por sua conta os riscos, até o momento da entrega: art. 611 do
Código Civil, salvo se o dono estiver em mora de receber a obra.

Embora na empreitada de lavor imponha os riscos pela perda da coisa ao


proprietário, o empreiteiro perderá a retribuição, a menos que prove ter a perda
resultado de defeito dos materiais e que ele, empreiteiro, em tempo, reclamou
contra sua qualidade e quantidade. Portanto, o empreiteiro perde a retribuição,
ainda que haja trabalhado, a menos que se desincumba do pesado ônus de
provar que, em tempo, reclamou contra a escassez ou contra a qualidade dos
materiais.
- Resumindo:
a) se a empreitada for unicamente de lavor, o dono da obra sofre o prejuízo
pelo perecimento e o empreiteiro perde a retribuição,
b) se a empreitada for de lavor e materiais, os prejuízos são sofridos pelo
empreiteiro, que perderá a retribuição, exceto em caso de mora do dono da
obra em recebê-la, caso em que este responde pelo prejuízo: art. 611, do CC.

Obrigações do empreiteiro: A obrigação básica do empreiteiro é a de


entregar a coisa no tempo e na forma ajustados, adimplindo, desse modo, os
termos do contrato. Se não o fizer, fica obrigado a reparar o prejuízo. Caso o
empreiteiro haja afastado das instruções recebidas ou das regras técnicas em
trabalhos de tal natureza, pode o dono da obra enjeitá-la, simplesmente, sem
qualquer outra justificativa, ou pode, se preferir, recebê-la com abatimento do
preço: arts. 615 e 616, CC. Outra obrigação do empreiteiro é da pagar os
materiais que recebeu, se por imperícia ou negligência os inutilizar: art. 617,
CC.

Artigo 618 do Código Civil: Nos contratos de empreitada de edifícios ou


outras construções consideráveis, o empreiteiro de materiais e execução
responderá, durante o prazo irredutível de cinco anos, pela solidez e segurança
do trabalho, assim em razão dos materiais, como do solo. Neste caso, o
construtor irá responder pela solidez e segurança do trabalho pelo prazo de
cinco anos. Esta diferença de tratamento decorre de que os vícios de tal
espécie, capazes de conduzir ao desabamento da obra, não são perceptíveis
desde logo. Para os demais vícios redibitórios, o prazo será de 01 ano.

Obrigações do dono da obra: a obrigação fundamental do dono da obra é a


do pagamento do preço. A doutrina e jurisprudência entendem que o
empreiteiro tem o direito de retenção para se garantir pelo pagamento da
prestação que lhe é devida. Outra obrigação do dono da obra é a de receber a
coisa, se de acordo com as suas instruções e com as regras técnicas foi
realizada. A recusa injustificada do mesmo em recebê-la caracteriza a sua
mora, ficando ele responsável por todos os efeitos dela decorrentes, inclusive a
responsabilidade pelo perecimento fortuito. E o empreiteiro pode, com sucesso,
requerer o depósito judicial da obra, eximindo-se, então, de qualquer
responsabilidade.

Suspensão da obra: Suspensa a execução da empreitada sem justa causa,


responde o empreiteiro por perdas e danos. Poderá o empreiteiro suspender a
obra: a) por culpa do dono, ou por motivo de força maior; b) quando, no
decorrer da obra, aparecerem dificuldades imprevisíveis de execução,
resultantes de causas geológicas ou hídricas, ou outras semelhantes, de modo
que torne a empreitada excessivamente onerosa e o dono da obra se opuser
ao reajuste do preço inerente ao projeto por ele elaborado; c) se as
modificações exigidas pelo dono da obra, por seu vulto e natureza, forem
desproporcionais ao projeto aprovado, ainda que o dono se disponha a arcar
com o acréscimo de preço.

Extinção do contrato: Ocorre pela entrega da obra e pagamento do preço.


Não se extingue o contrato de empreitada pela morte de qualquer das partes,
salvo se ajustado em consideração às qualidades pessoais do empreiteiro.

Você também pode gostar