Você está na página 1de 13

SAÚDE MENTAL DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ARTIGO

Saúde Mental dos Profissionais de Saúde

Luiz Antonio Nogueira-Martins1

RESUMO
Neste artigo é abordada a questão da saúde mental dos profissionais de saúde, considerando o exercício
profissional da Medicina como modelo ilustrativo das outras áreas. Embora cada profissão conserve suas
próprias características, vários aspectos da atividade profissional em saúde são compartilhados por médicos,
enfermeiros, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais, psicólogos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos. Lado
a lado com as semelhanças com a profissão médica, caminham as diferenças, as especificidades profissionais,
tais como a predominância de população feminina em algumas delas, acrescentando ao desgaste
estritamente profissional o desgaste originado pela dupla jornada de trabalho e pela desvalorização,
infelizmente ainda existente, do trabalho feminino.
Some-se, a esses fatores, a questão da hegemonia do discurso médico com relação aos demais profissionais
de saúde e, conseqüentemente, as dificuldades nas relações estabelecidas nas equipes interdisciplinares e
teremos um panorama psicodinâmico bastante complexo sobre os profissionais de saúde.
A abordagem da saúde do médico e, mais detalhadamente, sua saúde mental são antecedidas pela descrição
dos aspectos sociológicos das profissões de saúde no Brasil e de um perfil do médico brasileiro e do
exercício atual da medicina.
São tratadas as características psicológicas da tarefa médica e sua adaptação ao estresse, a vulnerabilidade
psicológica do médico e as propostas de medidas preventivas.

Palavras-chave: Saúde Ocupacional; Medicina do Trabalho; Profissões de Saúde; Saúde Mental dos
Médicos; Trabalho Médico.

INTRODUÇÃO rapeutas, fonoaudiólogos; no que diz respeito à saúde


ocupacional, por exemplo, o sofrimento psíquico ine-
Neste capítulo, será abordada a questão da saúde rente ao trabalho no âmbito hospitalar é comum a to-
mental dos profissionais de saúde, considerando o dos esses profissionais¹.
exercício profissional da Medicina como modelo ilus-
Um exemplo desta assertiva pode ser constatado
trativo das outras áreas. Um dos motivos desta abor-
em uma antiga pesquisa sobre o trabalho de enfer-
dagem se deve ao fato de que, entre as profissões de meiras, realizado em um hospital de Londres, a res-
saúde, o trabalho do médico é o que tem sido mais peito dos efeitos do estresse associado à tarefa assis-
estudado tanto do ponto de vista psicológico como tencial². Nesse estudo, observou-se que havia um alto
sociológico. Vale aduzir também que, embora conser- nível de tensão, angústia e ansiedade entre os enfer-
vando características próprias de cada profissão, vári- meiros, com faltas e abandonos da tarefa, mudanças
os aspectos da atividade profissional em saúde são freqüentes de emprego e uma alta freqüência de pe-
compartilhados por médicos, enfermeiros, assistentes quenos problemas de saúde que requeriam alguns dias
sociais, terapeutas ocupacionais, psicólogos, fisiote- de ausência de trabalho.

Fonte: Artmed Editora, Porto Alegre, ‘Prática psiquiátrica no hospital geral’, Neury Botega, capítulo ‘Saúde mental dos profis-
sionais de saúde’.
1. Professor Adjunto do Departamento de Psiquiatria e Coordenador do NAPREME (Núcleo de Assistência e Pesquisa em
Residência Médica) da Universidade Federal de São Paulo / Escola Paulista de Medicina. E-mail: nogmart@dialdata.com.br

Rev. Bras. Med. Trab., Belo Horizonte • Vol. 1 • No 1 • p. 56-68 • Jul-Set • 2003 • #'
LUIZ ANTONIO NOGUEIRA-MARTINS

A autora refere que a situação de trabalho suscita AS PROFISSÕES DE SAÚDE NO BRASIL:


sentimentos muito fortes e contraditórios nos enfer- ASPECTOS SOCIOLÓGICOS
meiros: piedade, compaixão e amor; culpa e ansieda-
de; ódio e ressentimento contra os pacientes que fa- Quanto às características da força de trabalho em
zem emergir esses sentimentos fortes; inveja do cui- saúde, Bordin e Rosa15 apresentam dados comparati-
dado oferecido ao paciente. Menzies observou tam- vos entre as décadas de 1980 e 1990:
bém que os pacientes e seus parentes nutrem senti- • Crescimento acelerado da força de trabalho, com
mentos complexos em relação ao hospital, que são concentração geográfica dos profissionais e servi-
expressos particularmente e mais diretamente aos en- ços de saúde na áreas metropolitanas e região su-
fermeiros e que, freqüentemente, os deixam confusos deste;
e angustiados. Os pacientes e seus parentes demons- • Aumento da participação feminina no emprego em
tram apreço, gratidão, afeição, respeito; uma como- saúde tanto entre os profissionais com formação uni-
vente crença de que o hospital funciona; solidarieda- versitária (de 18% para 35%), entre os médicos (de
de e preocupação para com os enfermeiros em seu 12% para 21%) e entre profissionais sem formação
difícil trabalho. Mas os pacientes freqüentemente se
universitária, sendo majoritária nas categorias de bai-
ressentem de sua dependência; aceitam de má vonta-
xa qualificação na tarefa assistencial (atendentes) ou
de a disciplina imposta pelo tratamento e pela rotina
nos serviços gerais (serventes);
hospitalar; invejam as enfermeiras pela sua saúde e
competência; são exigentes, possessivos e ciumentos. • Rejuvenescimento da força de trabalho em saúde,
sendo mais pronunciada entre os profissionais de
Este breve retrato psicodinâmico da tarefa profissio-
nal de enfermeiros com pacientes hospitalizados pode de nível superior, em que os profissionais com ida-
ser aplicado, em graus variados, ao conjunto dos pro- de entre 20 e 29 anos passaram de 14% para 26%;
fissionais que compõem a equipe de saúde. Diversas • Aumento de absorção de empregos no setor priva-
pesquisas sobre as relações entre o estresse ocupacio- do, cuja participação passou de 23% para 34%, em-
nal, as ambigüidades da profissão, o sofrimento psí- bora de caráter seletivo ao pessoal de nível superior
quico e a saúde mental dos enfermeiros e auxiliares nas atividades médico-hospitalares (entre os médi-
de enfermagem têm sido desenvolvidas recentemen- cos passou de 22% para 37%);
te em nosso meio3-12. A profissão de Fonoaudiologia • Extensão da jornada de trabalho e múltiplas ocupa-
também tem sido contemplada com estudos quanto ções do pessoal de nível superior (33% de todos os
ao estresse profissional de seus primeiros atendimen- profissionais universitários e 46% dos médicos tra-
tos, ainda no curso de graduação13. balhavam mais de 50 horas semanais) como meca-
Lado a lado com as semelhanças com a profissão nismo de compensação para perdas salariais e para
médica, caminham as diferenças, as especificidades substituição da ocupação autônoma.
profissionais. Algumas profissões de saúde, por serem
constituídas por população predominantemente femi-
nina (Enfermagem, Serviço Social, Fonoaudiologia, O perfil do médico brasileiro
Psicologia), têm acrescido ao desgaste estritamente Em um excelente livro intitulado “Os médicos no
profissional, a dupla jornada de trabalho e a tendên- Brasil: um retrato da realidade”, Machado14 publicou
cia, infelizmente ainda existente, apesar dos grandes os resultados da mais extensa e aprofundada pesquisa
avanços dos movimentos de mulheres, de não se va- sociológica sobre a profissão médica e o exercício da
lorizar o trabalho feminino. As mulheres médicas, que medicina nos tempos atuais em nosso meio. Dados
atualmente constituem quase a metade do contingen- extraídos desta pesquisa apontam para as seguintes
te médico14, ainda sofrem preconceitos, obstáculos características psicossociológicas da população médi-
familiares e sociais para exercer a profissão. ca brasileira:
Some-se a esses fatores a questão da hegemonia • Adesão ao projeto profissional
do discurso médico com relação aos demais profissio- — há mais de 200.000 médicos em atividade no
nais de saúde e, conseqüentemente, as difíceis rela- Brasil
ções estabelecidas nas equipes interdisciplinares e te-
• Vocação urbana
remos um panorama psicodinâmico bastante comple-
xo sobre os profissionais de saúde. — mais de 65% vivem e trabalham em grandes
capitais
Antes de passar aos aspectos específicos sobre a
saúde mental do médico, observemos o que a abor- • Linhagem médica na família e afinidade profissional
dagem sociológica das questões de saúde podem nos — 50% dos médicos tem médicos na família e há
oferecer para melhor compreensão da realidade das uma correlação estreita entre escolha matrimo-
profissões de saúde. nial e as profissões de saúde

$• Rev. Bras. Med. Trab., Belo Horizonte • Vol. 1 • N


o
1 • p. 56-68 • Jul-Set • 2003
SAÚDE MENTAL DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

• Categoria de jovens passam a ser desejados e buscados pelos pacientes e


— 75% do contingente médico tem idade inferior familiares embora muitas vezes embasados em expec-
a 45 anos tativas irrealistas, como por exemplo quanto a trans-
plantes de órgãos16.
• Feminização da profissão
Por outro lado, a promulgação de novas leis (por
— as mulheres representam hoje 32,8% do total
exemplo, o Código de Defesa do Consumidor), as nor-
de profissionais
mas e regulamentações decorrentes do desenvolvimen-
• Assalariamento da categoria e perda da atividade to da Bioética e o exercício da cidadania têm levado,
liberal e da autonomia profissional muitas vezes, pacientes e familiares a processar com
— 50% dos médicos tem entre três e quatro ativi- maior freqüência os médicos e hospitais, por imperí-
dades cia, imprudência ou negligência.
— 50% dos médicos exerce a função de planto- O relacionamento entre médicos e pacientes assim
nistas como entre médicos e organizações públicas ou priva-
— 80% dos médicos que trabalham em consultó- das está se tornando cada vez mais complexo. De um
rio particular tem convênios de saúde lado, os médicos têm sido vistos com desconfiança tan-
to pelos pacientes como pelos empregadores públicos
• Formação
e privados. Por outro lado, os médicos mostram-se in-
— 71% dos médicos freqüentaram pelo menos um satisfeitos e estressados; 80% dos médicos brasileiros
programa de residência médica ou similar consideram a atividade médica desgastante, sendo os
— 57,6 % tem título de especialista principais fatores de desgaste: excesso de trabalho/mul-
• Especialidades tiemprego, baixa remuneração, más condições de tra-
balho, responsabilidade profissional, área de atuação/
— As mais freqüentes são: Pediatria (14%), GO
especialidade, relação médico-paciente, conflito/co-
(12%), Clínica Médica (8%), Cirurgia Geral (6%)
brança da população, perda da autonomia14.
e Cardiologia (4%)
As associações de classe têm se preocupado com
• Desgaste
as questões referentes às atuais condições de trabalho
— 80% dos médicos consideram a atividade mé- do médico e as repercussões no relacionamento com
dica desgastante os pacientes. Assim, por exemplo, o Sindicato dos
• Perspectivas Médicos de São Paulo, em 1997, lançou uma campa-
— sentimentos de incerteza e pessimismo predo- nha para o resgate da imagem social do médico17.
minam quando os médicos se referem ao futu- “Os constantes problemas que os cidadãos des-
ro da profissão. se país têm enfrentado toda vez que precisam
de algum atendimento na área de saúde, colo-
O exercício atual da medicina cam o profissional médico na berlinda. Se falta
remédio nos hospitais, a culpa é do médico. O
O desenvolvimento de novos recursos diagnósti- médico também acaba sendo culpado pelas
cos e terapêuticos, a influência da indústria farmacêu- péssimas condições de atendimento, pela falta
tica e de equipamentos e a crescente presença das de estrutura. Na linha de frente na batalha pela
empresas compradoras de serviços médicos são fato- saúde da população, o médico é quem mais so-
res que têm produzido profundas transformações na fre com o desmazelo relegado ao setor. (...)
profissão médica, modificando o cenário do exercício Quem tem que arcar com as conseqüências
profissional. As repercussões dessas mudanças ocor- imediatas de toda essa falta de estrutura é o mé-
rem em vários campos, como por exemplo, na perda dico. É em função disso tudo que a nossa cam-
da autonomia, na remuneração, no estilo de vida, na panha salarial, em 1997, vai além das questões
saúde do médico, no comportamento ético do médi- econômicas e das garantias sociais, para traba-
co e nas relações entre médicos e pacientes. lhar também o resgate junto à população da ima-
Acrescenta-se a esse quadro a insistente divulga- gem do profissional.”
ção pela mídia das mazelas da assistência médica no Esta descrição dos aspectos sociológicos do traba-
Brasil que, pelo seu caráter habitualmente sensacio- lho médico pode ser aplicada aos demais profissionais
nalista e pouco reflexivo, tende a criar uma imagem da saúde, caracterizando um estado de insalubridade
social bastante negativa do médico. Paralelamente, os ocupacional que tem repercussões psicológicas signi-
meios de divulgação têm colocado à disposição da ficativas no profissional e em sua relação com os paci-
população informações a respeito dos avanços tecno- entes e que acaba resultando em uma situação insatis-
lógicos em Medicina, o que costuma produzir forte fatória tanto para quem assiste (o profissional) como
impacto emocional; os novos recursos tecnológicos para quem é assistido (o paciente).

Rev. Bras. Med. Trab., Belo Horizonte • Vol. 1 • No 1 • p. 56-68 • Jul-Set • 2003 • $
LUIZ ANTONIO NOGUEIRA-MARTINS

A SAÚDE DO MÉDICO ca” que se caracteriza pela convicção de que os


problemas pessoais e familiares, as complicações
A inclusão de um capítulo sobre a saúde do médi- e as doenças que afetam outras pessoas não po-
co no Tratado de Medicina de Cecil-Loeb18, reflete a dem afetar o médico ou não irão fazê-lo.”
crescente importância que tem sido dada a esse tema.
No início do capítulo, intitulado “A Saúde do Médi-
co”, a autora — Linda Harwes Clever — assim se ex- A SAÚDE MENTAL DO MÉDICO
pressa a respeito deste tema que, penso, deveria ser
Características psicológicas da tarefa médica
ensinado a todos os alunos de medicina com o mes-
mo empenho com que se discute os demais capítulos Há inúmeras gratificações psicológicas inerentes à
desse notável tratado: profissão médica. Aliviar a dor e o sofrimento, curar
“Os médicos são um grupo curioso. Por um lado, doenças, salvar vidas, diagnosticar corretamente, sen-
reduzem sensivelmente os riscos à saúde por não tir-se competente, ensinar, aconselhar, educar, preve-
fumarem. Por outro lado, geralmente evitam ser nir doenças, receber reconhecimento e gratidão são
imunizados contra rubéola e hepatite B, doen- algumas das características psicológicas da tarefa mé-
ças que podem ser devastadoras tanto para si dica que fazem da medicina uma profissão ainda mui-
próprios como para seus pacientes. O objetivo to atraente e gratificante.
deste capítulo é rever os dados disponíveis quan- A Medicina permanece, a despeito da crise que
to a vida, morte e práticas pessoais de saúde atravessa em nosso meio, uma profissão que oferece
dos médicos, além de fazer recomendações várias possibilidades de realização material, intelectu-
quanto a atividades de manutenção da saúde al e emocional. É uma área fascinante, de capital im-
para médicos.” portância para a sociedade e, como tal,uma carreira
Ao longo do capítulo, Clever18 aborda diversos as- desejada e idealizada pelos jovens. O grau de ideali-
pectos do exercício profissional e apresenta alguns in- zação pode gerar altas expectativas que, não corres-
teressantes dados sobre o trabalho dos médicos: pondidas, tendem a produzir decepções e frustrações
significativas, com repercussões importantes na saúde
• os médicos trabalham mais que a maioria das pes-
dos estudantes, residentes e médicos.
soas (15 horas por semana a mais que outros profis-
sionais); Um importante ponto merece ser destacado ao es-
• tiram menos tempo de férias (4 semanas/ano X 8 tudarmos a tarefa médica: o caráter altamente ansio-
semanas/ano de outros profissionais); gênico do exercício profissional. Há, como regra ge-
ral, com pequenas variações, intrínseca ao trabalho
• trabalham maior número de anos do que a popula- clínico, a exposição a poderosas radiações psicológi-
ção geral. cas emanadas do contato íntimo com o adoecer. Cum-
São discutidas de uma forma sintética, porém den- pre enfatizar este aspecto já que, em especial no âm-
sa, as exigências da prática profissional, as tensões e bito assistencial dos serviços de emergência, ocorrem
prazeres relacionados ao estilo de vida e à família (os situações tão dramáticas como talvez em nenhum ou-
médicos têm uma das poucas razões socialmente acei- tro campo da atividade humana em tempos de paz.
táveis para abandonar a família) e são apresentados Este caráter estressante inerente à tarefa médica tem
dados sobre a morbimortalidade entre os médicos, se amplificado significativamente devido ao volume
sendo destacados os itens referentes a doenças relaci- de pacientes e às precárias condições de trabalho vi-
onadas ao tabaco, suicídio e dependência de drogas; gentes na maioria dos serviços de emergência da rede
ao final do texto, são feitas recomendações que visam pública, o que tem gerado situações de franca hostili-
melhorar as práticas de saúde dos médicos. dade por parte dos pacientes e familiares.
Em um dos subtítulos do capítulo intitulado “Mor- Algumas das características inerentes à tarefa mé-
bidade”, Linda Clever18 aponta algumas característi- dica definem, isoladamente ou em seu conjunto, um
cas do comportamento de muitos médicos, que são ambiente profissional cujo colorido básico é formado
de crucial importância para se compreender vários pelos intensos estímulos emocionais que acompanham
aspectos relacionados aos mecanismos adaptativos o adoecer19:
utilizados por esses profissionais em relação às vicissi-
• o contato íntimo e freqüente com a dor e o sofri-
tudes e estresses da tarefa médica:
mento;
“...muitos médicos não têm seu próprio médico.
...O autotratamento, consultas de corredor e de- • lidar com a intimidade corporal e emocional;
moras devido ao constrangimento relativo à cor- • o atendimento de pacientes terminais;
tesia profissional podem impedir o diagnóstico e • lidar com pacientes difíceis: queixosos, rebeldes e
o tratamento. ...Uma extensão patológica da ne- não aderentes ao tratamento, hostis, reivindicado-
gação é a “síndrome da invulnerabilidade médi- res, auto-destrutivos, cronicamente deprimidos;

$ • Rev. Bras. Med. Trab., Belo Horizonte • Vol. 1 • N


o
1 • p. 56-68 • Jul-Set • 2003
SAÚDE MENTAL DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

• lidar com as incertezas e limitações do conhecimen- • os dilemas éticos;


to médico e do sistema assistencial que se contra- • o medo de contrair infecções durante a realização
põem às demandas e expectativas dos pacientes e de atos médicos.
familiares que desejam certezas e garantias.
Nesse estudo, as principais fontes de estresse iden-
Na literatura, encontramos descrições de síndro- tificadas pelos residentes foram:
mes associadas às atividades profissionais dos médi-
• medo de cometer erros;
cos. A síndrome do “burn-out” ou síndrome do es-
tresse profissional tem sido reconhecida como uma • fadiga, cansaço;
condição experimentada por profissionais que desem- • falta de orientação;
penham atividades em que está envolvido um alto grau • estar constantemente sob pressão;
de contato com outras pessoas. Esta síndrome tem sido
• plantão noturno;
definida como uma resposta ao estresse emocional
crônico intermitente. A síndrome do “burn-out” em • excessivo controle por parte dos supervisores;
profissionais da área de saúde é composta por sinto- • lidar com as exigências internas (“ser um médico/a
mas somáticos, psicológicos e comportamentais. que não falha”);
Os sintomas somáticos compreendem: exaustão, • falta de tempo para lazer, família, amigos, necessi-
fadiga, cefaléias, distúrbios gastrointestinais, insônia e dades pessoais.
dispnéia. Humor depressivo, irritabilidade, ansiedade,
rigidez, negativismo, ceticismo e desinteresse são os A adaptação ao estresse da tarefa médica
sintomas psicológicos. A sintomatologia principal se
expressa no comportamento; fazer consultas rápidas, O complexo processo adaptativo frente aos fatores
colocar rótulos depreciativos, evitar os pacientes e o estressantes inerentes à prática médica pode tomar
contato visual, são alguns exemplos ilustrativos. diferentes caminhos. O resultado final da exposição à
Um profissional que está “burning-out”, tende a radiação psicológica estressante depende do indivíduo
criticar tudo e todos que o cercam, tem pouca energia e dos mecanismos e recursos defensivos por ele utili-
para as diferentes solicitações de seu trabalho, desen- zados, sejam conscientes e/ou inconscientes. Assim,
volve frieza e indiferença para com as necessidades e conforme os mecanismos utilizados, dar-se-á uma ade-
quada adaptação dentro dos limites possíveis ou, ao
o sofrimento dos outros, tem sentimentos de decep-
contrário, uma inadequada adaptação cujos efeitos
ção e frustração e comprometimento da auto-estima²º.
serão perceptíveis de várias maneiras.
Na Residência Médica, o estresse atinge o seu ápi-
Os médicos emocionalmente desajustados revelam
ce. O período de transição aluno-médico, a responsa-
adaptações claudicantes que se expressam através de
bilidade profissional, o isolamento social, a fadiga, a
algumas características comportamentais, das quais se
privação do sono, a sobrecarga de trabalho, o pavor
destacam as seguintes19:
de cometer erros e outros fatores inerentes ao treina-
mento estão associados a diversas expressões psicoló- • A construção de uma couraça impermeável às emo-
gicas, psicopatológicas e comportamentais que inclu- ções e sentimentos, que se expressa por um embo-
em: estados depressivos com ideação suicida, consu- tamento emocional traduzido por uma aparente “fri-
eza” no contato com os pacientes e com as pessoas
mo excessivo de álcool, adição a drogas, raiva crônica
de um modo geral. Este embotamento se manisfes-
e o desenvolvimento de um amargo ceticismo e um
ta também através de um progressivo afastamento
irônico humor negro.
emocional da vida familiar, que equivale a um ver-
Em um estudo prospectivo, Nogueira-Martins²¹, dadeiro divórcio afetivo. O convívio familiar é in-
realizado na Escola Paulista de Medicina com residen- terrompido ou postergado em função dos chama-
tes de 12 programas de Residência Médica, os resulta- dos e da agenda profissional; plantões freqüentes e
dos mostraram que as principais dificuldades encon- visitas hospitalares em finais de semana e feriados
tradas pelos residentes na tarefa assistencial foram: afastam o profissional deste convívio.
• a quantidade de pacientes; • O isolamento social é uma outra característica de
• a comunicação com pacientes de baixo nível so- uma inadequada adaptação profissional. Esse isola-
cioeconômico-cultural; mento, que permeia a graduação e se cristaliza na
• pacientes hostis e/ou reivindicadores; Residência, faz com que o profissional se afaste do
mundo não médico. À forte expectativa social de
• pacientes que vêm a falecer;
que o médico coloque as necessidades e a vida dos
• pacientes com alteração de comportamento; pacientes em primeiro lugar, acrescenta-se o dese-
• as comunicações dolorosas (comunicar ao paciente jo e a necessidade do médico de sentir-se necessá-
e/ou à família situações graves ou de morte); rio e insubstituível. Esta simbiose entre o médico e

Rev. Bras. Med. Trab., Belo Horizonte • Vol. 1 • No 1 • p. 56-68 • Jul-Set • 2003 • $!
LUIZ ANTONIO NOGUEIRA-MARTINS

os clientes ou o hospital — onde não se discrimina tual predisposição ou vulnerabilidade de alguns pro-
quem precisa mais de quem — impede o profissio- fissionais ao estresse da tarefa médica.
nal de desfrutar outros aspectos da vida não médica.
• A negação ou minimização dos problemas ineren- A vulnerabilidade psicológica do médico
tes à profissão, ou seja, das dificuldades, incertezas,
limitações e complexidades da tarefa médica é ou- Uma alta prevalência de suicídio, depressão, uso de
tro mecanismo que se destaca. A evitação de se drogas, distúrbios conjugais e disfunções profissionais
aproximar e refletir sobre as limitações do exercício em médicos assim como altos índices de estresse e de-
profissional, leva o médico a alimentar expectativas pressão em residentes tem sido apontados na literatura.
irrealísticas que complementam os anseios dos pa- Muitas das características psicodinâmicas que con-
cientes e da sociedade, numa verdadeira conspira- duzem as pessoas para a carreira médica também as
ção contra os fatos da vida. O comportamento de predispõem para desordens emocionais, alcoolismo,
negação das limitações torna-se cada vez mais rígi- abuso de drogas e doença mental. Estas características
do e estereotipado, com o desenvolvimento de ati- incluem compulsividade, rigidez, controle sobre as
tudes arrogantes e aparentemente insensíveis. emoções, retardo de gratificações e formação de fan-
• A ironia e o humor negro que os médicos desenvol- tasias irrealistas sobre o futuro.
vem, em especial durante os anos de treinamento, Johnson23, em uma revisão sobre a predisposição
é outra expressão de uma inadequada adaptação dos estudantes e médicos para os distúrbios emocio-
aos rigores da profissão. O desenvolvimento cres- nais e psiquiátricos, destaca o importante papel das
cente de um humor negro através de uma lingua- experiências de vida na determinação da vulnerabili-
gem irônica, amarga e do uso de um jargão onde dade ao estresse ocupacional. Um aspecto relevante
predominam rótulos depreciativos revela, em reali- neste tema é a questão da escolha profissional. Estu-
dade, uma incapacidade de lidar com as frustra-
dos a respeito das motivações dos estudantes para a
ções, tristezas e vicissitudes da tarefa profissional.
carreira médica sugerem que, para uma parcela dos
Traduz, basicamente, a ausência de um repertório
estudantes, um dos componentes de sua opção pro-
de recursos mais amadurecido para lidar com os
fissional é uma tentativa de reparação de experiências
sentimentos de vulnerabilidade e impotência dian-
emocionais infantis vinculadas a situações de impo-
te da vida.
tência e/ou de abandono emocional. Segundo John-
• Uma outra característica que revela desadaptação son, os dois mecanismos básicos envolvidos nas moti-
pode ser observada na atitude do profissional frente vações de alguns estudantes para a escolha da carreira
aos cuidados com a própria saúde²². Esta deforma- médica seriam:
ção adaptativa profissional se expressa pela tendên-
cia do médico a se autodiagnosticar e se auto-medi- • dar aos outros aquilo que gostariam de ter dado
car. A busca de ajuda profissional de outro colega, (reparação da impotência);
na condição de paciente, representa um caminho • dar aos outros aquilo que gostariam de ter recebido
muito difícil; o médico reluta em percorrê-lo. (reparação do abandono emocional).
• Uma variante do mesmo tema pode ser encontra- A escolha da Medicina nesses casos seria uma res-
da no profissional que, além de médico de si mes- posta adaptativa a uma vivência de fragilidade e de
mo, se transforma em médico da própria família, baixa auto-estima, que pode levar ao desenvolvimen-
dos amigos e conhecidos. Atrás e ao lado deste per- to de algumas disfunções profissionais, tais como:
sonagem bondoso e solícito, encontra-se também • relação simbiótica com os pacientes;
uma outra face: a de um médico arrogante e com- • aparente frieza ou afastamento emocional dos pa-
petitivo, que parece viver uma espécie de estado cientes;
messiânico. É por todos conhecido aquele médico
ou médica que, além de se medicar, trata dos fi- • negação das vulnerabilidades pessoais.
lhos, da mãe, dos sobrinhos, da tia, do vizinho, do Uma das bases da escolha profissional é a vivência
primo do vizinho e assim por diante. Nossa experi- da angústia e impotência frente à morte; assim, uma
ência mostra que profissionais que desenvolvem tais série de comportamentos dos médicos seriam a expres-
comportamentos, ao contrário do que possa pare- são de mecanismos de defesa ligados a angústias muito
cer, estão profundamente desconfortáveis e neces- primitivas, inerentes ao ser humano, como “o medo da
sitando de ajuda para se desvencilhar de uma ver- própria destrutibilidade, fragilidade e desamparo”24.
dadeira teia na qual se aprisionaram. O tema das motivações para a escolha profissional
A questão que se impõe, ao analisarmos estes pa- suscita diversas questões. Como era, do ponto de vista
drões de comportamento dos médicos desajustados e psicológico, o estudante antes de ingressar na faculda-
emocionalmente incapacitados, diz respeito à even- de de Medicina? É possível predizer quais estudantes

$"• Rev. Bras. Med. Trab., Belo Horizonte • Vol. 1 • N


o
1 • p. 56-68 • Jul-Set • 2003
SAÚDE MENTAL DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

podem vir a ter maiores dificuldades durante o curso crônica e doença física. Os autores, contudo, referem
de Medicina? E após tornar-se médico? Quais os me- que, ao elaborarem uma história anterior à dependên-
canismos adaptativos que os médicos utilizam para li- cia, encontraram nos relatos dos médicos sentimentos
dar com os conflitos e dificuldades na vida adulta? de muita revolta em relação aos pais. Mais de 50%
Em um estudo prospectivo que se tornou clássico dos pais eram referidos como alcoólatras ou consumi-
na literatura, Vaillant e colaboradores25 investigaram dores excessivos de álcool e as mães eram descritas
essas questões. A infância de 47 médicos (homens) foi como extremamente nervosas, dominadoras, depres-
comparada à infância de 79 profissionais não-médi- sivas, hipocondríacas e cruéis. Simultaneamente, ha-
cos (homens), socioeconomicamente pareados. Para- via a presença de intensos sentimentos de dependên-
lelamente, ao longo de 30 anos da vida adulta, o uso cia com relação às mães.
de drogas, a estabilidade no casamento, a busca de Outros dados dessa pesquisa indicavam que os mé-
psicoterapia e os mecanismos utilizados pelos médi- dicos haviam tido diversas doenças na infância, como
cos para lidar com crises e conflitos foram compara- cólicas intestinais, enurese, asma, obesidade, infecções
dos com o grupo controle (não-médicos). Os resulta- respiratórias recorrentes e febre reumática. A vida con-
dos revelaram que os médicos, especialmente aque- jugal destes médicos era uniformemente caracteriza-
les que tinham prática clínica, apresentavam casamen- da por discórdia e infelicidade, e 75% tinham sérias
tos mais instáveis, usavam drogas e álcool de forma dificuldades sexuais com as esposas.
abusiva e buscavam psicoterapia em proporção maior Em resumo, há na literatura evidências sugestivas
do que os controles. de que uma parcela da população médica — 8% a
Ao discutir esses resultados, os autores assinalam 10% — seja um grupo de risco em relação a distúrbios
que embora estas dificuldades sejam, com freqüên- emocionais. Este grupo apresenta, portanto, uma mai-
cia, atribuídas às vicissitudes do exercício da Medici- or vulnerabilidade psicológica. Esta vulnerabilidade psi-
na, a sua presença ou ausência estava fortemente as- cológica intervém na escolha profissional e precisa ser
sociada à adaptação na vida anterior à escola médica. considerada no âmbito do planejamento das ativida-
Somente os médicos com adaptações instáveis na in- des médicas na graduação, na pós-graduação e na vida
fância e adolescência revelaram vulnerabilidade às profissional. Esse planejamento deve considerar que a
solicitações da profissão. tarefa médica apresenta um caráter altamente ansio-
Quanto aos mecanismos utilizados para lidar com gênico; essa ansiedade precisa ser metabolizada, caso
as crises e conflitos da vida adulta, o estudo detectou contrário, pode gerar adaptações patológicas.
que os médicos utilizavam, em uma proporção duas A insalubridade psicológica inerente à tarefa mé-
vezes superior à dos controles, os mecanismos de rea- dica pode ser um importante fator desencadeante de
ções hipocondríacas, auto-agressão e formação reati- distúrbios emocionais em estudantes, residentes e
va; alguns médicos pareciam ter uma espécie de fobia
médicos predispostos ou mais vulneráveis27.
a procurar ajuda; o altruismo como um tipo de forma-
ção reativa também apareceu em uma proporção duas
vezes superior à dos controles. Na discussão de seus Medidas preventivas
achados, os autores destacam os seguintes pontos:
Diversos recursos têm sido propostos para prevenir
• os médicos apresentaram características de perso- as conseqüências da insalubridade psicológica do tra-
nalidade que são habitualmente relacionadas com balho médico. Devo enfatizar que a implantação de
aquelas encontradas em dependentes de drogas: medidas profiláticas deve, compulsoriamente, começar
dependência, pessimismo, passividade, inseguran- por uma medida básica: a inclusão da dimensão psico-
ça e sentimentos de inferioridade; lógica na formação do estudante de Medicina.
• a superproteção materna e/ou paterna é um dado O trabalho de sensibilização do jovem aluno em
estatisticamente significante entre os médicos; relação aos seus aspectos psicológicos — motivações
• as características de passividade e auto-agressão po- para a profissão, idealização do papel de médico, etc.
dem até ser benéficas para a clientela, porém, con- — e as suas reações vivenciais durante o curso de Me-
duzem a uma pobre qualidade de vida do médico; dicina é uma medida de atenção primária, que pode
• a insatisfação conjugal não era devida à carga de ser concretizada mediante modificações curriculares
trabalho do médico mas, ao contrário, alguns mé- que incluam, nas escolas médicas, o ensino de Psico-
dicos trabalhavam muito como uma resposta a ca- logia Médica, centrado nas vicissitudes do curso mé-
samentos infelizes. dico e do exercício da Medicina.
Em um antigo estudo com médicos dependentes A tarefa central, prática, de uma disciplina de Psi-
de narcóticos26, as razões dadas pelos mesmos para o cologia Médica, é propiciar ao estudante um espaço
uso de drogas eram: sobrecarga de trabalho, fadiga para entrar em contato com seus sentimentos e emo-

Rev. Bras. Med. Trab., Belo Horizonte • Vol. 1 • No 1 • p. 56-68 • Jul-Set • 2003 • $#
LUIZ ANTONIO NOGUEIRA-MARTINS

ções, diante dos seres humanos que está começando os residentes possam expor suas dificuldades, angústi-
a atender. Um espaço que priorize a reflexão e a troca as e temores ligados ao exercício profissional, tem se
de experiências. Sob diferentes estratégias, trata-se de revelado um eficiente instrumento psicopedagógico de
utilizar a vivência como instrumento de aprendizado natureza preventiva.
e de semiologia28. As medidas preventivas no âmbito da Residência
O ensino médico que não reflete sobre o ser hu- podem ser divididas em duas áreas:
mano que há no médico participa de modo altamente • redução do estresse do treinamento:
prejudicial das deformações adaptativas do futuro pro-
— extinção do regime de 36 horas contínuas de
fissional. Nas escolas médicas, o discurso enfatiza os
trabalho
deveres e responsabilidades e mantém um eloqüente
silêncio sobre os direitos, prerrogativas e limitações do — instituição da folga pós-plantão
médico. Certos valores heróicos, veiculados pelo cor- — supervisão diuturna principalmente para os R1
po docente e que estimulam fantasias irrealísticas nos — adequação do número de residentes à carga
estudantes de Medicina, merecem ser reavaliados. assistencial
Ainda ao nível da formação, é fundamental a cria- — suporte de corpo auxiliar (enfermagem, labo-
ção de serviços de orientação psicopedagógica para ratório, etc.)
os estudantes, assim como deve ser estimulada a orga-
— conscientização dos docentes e residentes so-
nização de serviços de assistência psicológica e psi-
bre o estresse do treinamento
quiátrica aos alunos e profissionais da saúde. A preo-
cupação com a saúde mental dos estudantes universi- • promoção do crescimento profissional e pessoal:
tários em geral e com os estudantes de medicina em — grupos de discussão e reflexão
particular data do início do século29. No Brasil já dis- — atendimento individual para dificuldades pro-
pomos de razoável massa crítica nessa área24; a expe- fissionais e pessoais
riência dos nossos serviços tem sido discutida em di-
— identificação das dificuldades emocionais e dos
versos encontros reunindo profissionais da área de saú-
grupos de risco
de mental que prestam assistência aos estudantes. Em
outubro de 1997, foi realizado o I Encontro Paulista — treinamento e assessoria para os coordenado-
dos Serviços de Assistência Psicológica ao Estudante res, preceptores e supervisores.
Universitário30, com a participação de 12 Serviços, Pesquisas sobre as condições de trabalho dos mé-
representando oito instituições de ensino superior. dicos, nas diferentes especialidades médicas, devem
Desde então encontros anuais foram realizados em ser desenvolvidas visando à detecção precoce dos gru-
Campinas (1998), promovido pela Universidade Esta- pos de risco. Na medida em que a Medicina, gradati-
dual de Campinas (UNICAMP), em Bragança Paulista vamente, deixa de ser uma profissão masculina, pes-
(1999), promovido pela Universidade São Francisco e quisas sobre as mulheres médicas se tornam cada vez
em Marília (2000), promovido pela Faculdade de Me- mais necessárias. Essas pesquisas devem contribuir para
dicina de Marília (FAMEMA). a implantação de programas de qualidade nas institui-
Um exemplo de serviço organizado para o atendi- ções de saúde.
mento de médicos e enfermeiras residentes de um hos- A criação de serviços de consultoria psiquiátrica e
pital é o Núcleo de Assistência e Pesquisa em Resi- psicológica (Interconsulta) nos hospitais gerais é medi-
dência Médica (NAPREME) da Universidade Federal da prioritária32. Um conjunto de situações clínicas —
de São Paulo. O NAPREME tem como objetivos: con- estados confusionais agudos associados a diversas pato-
tribuir para a redução do estresse do treinamento, pro- logias orgânicas e ao uso de medicamentos, estados
mover o crescimento profissional e pessoal dos resi- depressivos, pacientes com alto potencial autodestru-
dentes, prevenir disfunções profissionais e distúrbios tivo, atos suicidas, dilemas éticos — representa impor-
emocionais, oferecer atendimento psicológico, asses- tantes fontes de estresse para os médicos encarrega-
sorar os preceptores dos Programas de Residência dos da assistência em hospitais gerais. Um serviço de
Médica e desenvolver projetos de pesquisa que iden- Interconsulta pode auxiliar o médico consultante no
tifiquem as dificuldades emocionais que ocorrem du- diagnóstico e no tratamento de pacientes com proble-
rante o treinamento. O objetivo final é aperfeiçoar o mas psicológicos, psiquiátricos e psicossociais bem
sistema de capacitação profissional na Residência como no diagnóstico e tratamento de disfunções e
Médica, aprimorando a assistência prestada aos paci- distúrbios interpessoais e institucionais, envolvendo o
entes e a qualidade de vida dos profissionais encarre- paciente, a família e a equipe de saúde.
gados dessa assistência31. A criação de equipes interdisciplinares e multipro-
A implantação de grupos de discussão e reflexão fissionais nos serviços de saúde, possibilitando a troca
sobre a tarefa assistencial na Residência Médica , onde de experiências e permitindo compartilhar as difíceis

$$• Rev. Bras. Med. Trab., Belo Horizonte • Vol. 1 • N


o
1 • p. 56-68 • Jul-Set • 2003
SAÚDE MENTAL DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

situações que se apresentam nas instituições médicas pacientes funcionais inscritos em suas listas, Balint pas-
é uma outra tarefa prioritária. sou a coordenar seminários semanais de discussão a
As associações de classe e de especialidades, bem respeito dos problemas psicológicos da prática médi-
como os órgãos reguladores do exercício profissional, ca33. Habitualmente participavam dos seminários 14
têm um importante papel a desempenhar, informan- médicos generalistas e uma taquigrafista que registra-
do e estimulando o debate sobre os fatores de risco va o conteúdo das apresentações dos casos clínicos
para a saúde mental do profissional e propondo o de- que eram atendidos pelos médicos. Segundo Balint
senvolvimento de modelos de intervenção nos níveis “a maneira de falar do médico a respeito de seu
institucional, grupal e individual. Neste sentido, me- paciente, com todas as falhas e inexatidões de
rece ser saudada e destacada recente resolução do seu relato, as omissões, os pensamentos secun-
Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo dários, as adições tardias e as correções, inclu-
– Resolução nº 090/2000 – que normatiza preceitos indo a seqüência na qual isso foi revelado, con-
que contribuam para a melhoria das condições de saú- tam uma história – semelhante ao conteúdo de
de ocupacional dos médicos. Assim, por exemplo, a um sonho - familiar e facilmente inteligível para
questão referente à sobrecarga horária de trabalho é nós, analistas. Esta história é aquela, evidente-
contemplada pela Resolução nº 090/2000, em seu mente, da implicação afetiva do médico, de sua
artigo 8º, ao estabelecer que: “ Ficam proibidos plan- contratransferência” 34.
tões superiores a vinte e quatro (24) horas ininterrup- As principais contribuições de Balint à Psicologia
tas, exceto em caso de plantões à distância”. Em seu Médica encontram-se em “O Médico, seu paciente e
anexo único, a Resolução nº 090/2000 descreve os a doença”, publicado originalmente em 1957 e em
riscos biológicos, físicos, químicos, psicossociais, ergo- “Técnicas psicoterapêuticas em medicina”, publicação
nômicos a que estão sujeitos os médicos e as medidas de 1961. A técnica dos grupos Balint desenvolveu-se
de proteção que devem ser adotadas pelas institui- em diversos países, tendo sido criadas em todo o mun-
ções e serviços de saúde.
do várias associações de profissionais interessados no
Uma valiosa medida profilática é, sem dúvida, o estudo e divulgação desta técnica. Balint é também
debate aberto e franco sobre as nossas vulnerabilida- muito conhecido pela criação de uma máxima a res-
des, limitações e patologias, com o mesmo empenho peito da prática médica, abaixo reproduzida :
e dedicação com que o fazemos em relação às susce-
tibilidades e patologias dos nossos pacientes. “O remédio mais usado em Medicina é o pró-
prio médico, o qual, como os demais medica-
Convém, finalmente, salientar que toda e qualquer mentos, precisa ser conhecido em sua posolo-
medida profilática envolve um processo de conscien-
gia, reações colaterais e toxicidade” 34.
tização com tentativa de modificação de atitudes. Este
processo costuma ser demorado e doloroso. As resis- Balint35, em sua obra, deu ênfase à “aliança terapêu-
tências não são pequenas e com freqüência crescem tica” que deve existir no vínculo profissional-paciente,
ao longo desse processo. como propulsora de um bom atendimento. Conforme
esse autor, a técnica, por mais aprimorada que seja, ten-
derá a ser ou inócua ou alienante, se não for veiculada
Grupo de reflexão sobre a tarefa assistencial – por uma boa relação profissional-paciente. Para que haja
grupos balint essa boa relação, é necessário que se dê atenção aos
Dentre as medidas preventivas que podem ser apli- elementos que a compõem que são, ao mesmo tempo,
cadas tanto no âmbito da formação como do exercí- racionais e irracionais, realísticos e irrealísticos, maduros
cio profissional, o Grupo de Reflexão sobre a Tarefa e infantis, conscientes e inconscientes.
Assistencial merece destaque. Esse tipo de atividade é O objetivo dos Grupos Balint é que os médicos,
inspirado nos Grupos Balint. com o auxílio de um coordenador da área de Saúde
Michael Balint, psicanalista de origem húngara, de- Mental, possam ter uma compreensão nova a respeito
senvolveu os seus trabalhos sobre a capacitação psico- de seus pacientes e ampliar suas possibilidades tera-
lógica dos médicos na Clínica Tavistock em Londres a pêuticas. O trabalho se realiza em grupo, a partir de
partir de 1945. Balint iniciou seus trabalhos a partir de casos clínicos relatados pelos médicos36. O coordena-
pesquisas com grupos de assistentes sociais que aten- dor oferece aos médicos uma possibilidade de sub-
diam famílias. Esta atividade foi posteriormente esten- meterem seus casos problemáticos a seus pares, anali-
dida para médicos clínicos visando compreender e sando as situações, propiciando discussões e mostran-
administrar dificuldades que os profissionais encon- do interesse e sensibilidade pela realidade profissional
travam em seu trabalho clínico. do médico e por seu desenvolvimento profissional.
Na época em que muitos médicos generalistas bri- Cassorla37 concebe os Grupos Balint como um re-
tânicos tinham que atender solicitações reiteradas de curso pelo qual o médico e o estudante de Medicina

Rev. Bras. Med. Trab., Belo Horizonte • Vol. 1 • No 1 • p. 56-68 • Jul-Set • 2003 • $%
LUIZ ANTONIO NOGUEIRA-MARTINS

passem a se interessar pelo mundo emocional do seu • a escolha do caso e/ou situação a ser discutida era
paciente e pelas repercussões que seu modo de vivê-lo prerrogativa dos alunos. Estimulava-se que eles dis-
acarretam para o processo saúde-doença; como con- cutissem previamente esta escolha com os colegas,
seqüência, o médico passaria a interessar-se também com os residentes e com o preceptor. Enfatizava-se
por sua própria vida emocional e pela relação humana que poderia ser trazida à reunião qualquer situação
(em particular, pela relação médico-paciente). que os estivesse mobilizando e não-necessariamente
O Grupo de Reflexão38, é uma técnica muito utili- casos de interesse psiquiátrico;
zada no ensino de Psicologia Médica, que pressupõe • a apresentação seria feita através de dados da paci-
que as possibilidades de mudanças nas atitudes estão ente (idade, procedência, profissão, religião) e um
diretamente ligadas à intensidade das experiências breve resumo clínico (motivo da internação, hipó-
emocionais vividas no decorrer do processo de ensino teses diagnósticas, conduta , prognóstico);
ou de trabalho. As experiências emocionais ligadas ao • solicitava-se que os alunos pudessem “trazer a paci-
exercício profissional compartilhadas em um ambien- ente” por meio da sua biografia, das características
te afetivo e acolhedor permitem um reasseguramento de vida nas quais havia se desenvolvido a doença
da identidade profissional através da detecção e en-
atual, das fantasias e concepções que tinha sobre a
frentamento dos conflitos. Com este modelo, se pro-
doença e da forma como estava se relacionando com
põe a criação de uma instância reflexiva sobre o coti-
a equipe médica e com as outras pacientes;
diano da prática assistencial, com possibilidade de
detecção de entraves e pautas estereotipadas de con- • por fim, que o aluno e/ou grupo explicitasse os mo-
duta no exercício profissional. O manejo técnico utili- tivos que haviam justificado a escolha do caso e/ou
zado neste tipo de grupo consiste em que seu coorde- situação.
nador centralize a discussão no tema que, como um
denominador comum, emerge da livre discussão que Um exemplo de grupo de reflexão sobre a tarefa
se estabelece a partir dos relatos das vivências clínicas. assistencial:
O coordenador, através de breves estímulos, coloca-
ções e indagações, mercê de uma capacidade de dis- A transfusão sangüínea. O sagrado do médico x o
criminação e síntese, ajuda o grupo a sentir, indagar e sagrado da paciente.
incorporar um conjunto de valores que convergem para
as atitudes médicas. O termo “re-flexão” indica que a Em uma das primeiras reuniões, foi apresentada
finalidade precípua do grupo é a de levar o indivíduo uma extensa e bem elaborada observação clínica. A
a flectir-se sobre si próprio através do pensar e do sen- aluna havia feito uma anamnese detalhada e a obser-
tir, e assim levá-lo a aprender a aprender. vação mostrava que o caso estava bem estudado e a
Tanto os Grupos Balint como os Grupos de Refle- propedêutica caminhava no sentido de um esclareci-
xão se caracterizam pela apresentação e discussão de mento diagnóstico. Tratava-se de uma paciente que
casos clínicos de pacientes que estão sendo atendidos fora internada em função de um acentuado emagreci-
por um ou mais profissionais em diferentes âmbitos mento, tendo sido detectada importante anemia. Os
assistenciais (consultório privado, ambulatórios, enfer- exames estavam em andamento e a hipótese diagnós-
marias, etc.). tica principal era a de um linfoma. A apresentação
A seguir, é descrito resumidamente um exemplo transcorria tranqüila quando o coordenador, não ati-
ilustrativo de uma experiência de Grupos de Reflexão nando com as razões que teriam levado à escolha do
realizados durante o ano de 1981 (vale lembrar que a caso, indagou a respeito. Foi informado então que a
situação discutida no Grupo se passa antes da promul- paciente, dada a sua anemia, necessitava de uma trans-
gação de vários códigos de proteção e defesa dos di- fusão sangüínea e que, por motivos de ordem religio-
reitos dos usuários de serviços de saúde, atualmente sa, esta se recusava a receber sangue. Esta situação
em vigor) com os membros de uma equipe de saúde estava deixando a aluna intranqüila, vendo-se diante
de uma enfermaria (pacientes do sexo feminino) de de um impasse: por um lado achava que deveria fazer
Clínica Médica de um hospital-escola. A equipe (cer- a transfusão, em especial porque talvez se tornasse
ca de 13 pessoas) era constituída por alunos do sexto necessária uma exploração cirúrgica e ela temia pela
ano médico, residentes de segundo ano de Clínica vida da paciente no ato cirúrgico; por outro lado gos-
Médica, preceptores dos alunos e a enfermeira da taria de respeitar as crenças religiosas da paciente, de
unidade. As reuniões eram semanais com duração de tal sorte que se sentia intensamente conflituada. Já
90 minutos e coordenadas por um psiquiatra com ex- havia discutido o assunto com a paciente e esta mos-
periência em Interconsulta Psiquiátrica39. trava-se irredutível. Em conversa com os colegas e pro-
No início de cada nova turma (rodízio de seis se- fessores, havia contado “seu drama”, sem qualquer
manas), os alunos recebiam orientação quanto às ca- solução. Enfatizava que não gostaria de tomar qual-
racterísticas básicas da tarefa: quer medida agressiva mas que a situação a estava

$&• Rev. Bras. Med. Trab., Belo Horizonte • Vol. 1 • N


o
1 • p. 56-68 • Jul-Set • 2003
SAÚDE MENTAL DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

deixando intolerante no seu relacionamento com a va em jogo, com uma crescente e perigosa radicaliza-
paciente. ção, eram princípios, dogmas, e que a situação concre-
Vários alunos manifestaram-se. Algumas sugestões ta e particular daquela paciente não exigia uma corrida
foram veiculadas: contra o tempo. Sugeriu que a aluna retomasse a dis-
cussão com a paciente, visto que ela (paciente) devia
— “Sedamos a paciente e administramos o sangue.
estar, também, muito conflituada com a situação.
Quando ela acordar, nada saberá”
Na reunião seguinte, o clima estava menos tenso.
— “Pegamos um frasco de sangue, cobrimos com es-
A aluna fez um relato da evolução dos acontecimen-
paradrapo e dizemos que é soro”
tos. Segundo a aluna, a paciente, certo dia, chamou-a
Outras manifestações foram mais agressivas: e disse-lhe que gostaria que ela (aluna) conversasse
— “O que ela quer? Por que eles (religiosos) não cons- com seu (da paciente) marido. A paciente contou que
tróem um hospital para os seus crentes?” recebia visitas de muitos amigos da sua igreja e de que,
— “Isto é um absurdo! Estamos na Idade Média!“ comentando com eles a respeito da transfusão, havia
sido convencida por uma amiga de que a decisão final
— “A que ponto chegamos! Nos Estados Unidos, es-
deveria ser do marido, pois se a religião proibia o re-
tão gastando milhões de dólares na pesquisa de
cebimento de sangue, também dizia que a esposa é
um sangue artificial! Tudo por causa deles!”
uma serva do marido e a ele deve obediência.
Após estas manifestações, alguns alunos fizeram
A aluna assim procedeu e, como o marido não per-
referência a folhetos que a paciente tinha em seu po-
tencia à mesma religião da paciente, sem hesitar, aqui-
der e que oferecia aos médicos para lerem. Os folhetos
esceu com a transfusão. Esta decisão trouxe grande
tinham como título indagações da seguinte natureza:
alívio à aluna e, sem dúvida, também à paciente, que
— “O paciente que se recusa a receber sangue é um conseguiu uma plástica acomodação de suas necessi-
suicida?” dades.
— “O médico que não faz uma transfusão, mesmo É interessante registrar que a transfusão acabou não
com risco de vida, está cometendo um crime?” sendo realizada, visto que em sucessivas reavaliações
Poucos alunos haviam lido os impressos e aqueles verificou-se que o grau de anemia não era suficiente-
que o fizeram relataram, com algum constrangimen- mente grave a ponto de tornar a transfusão uma me-
to, que havia uma certa coerência nos textos e que a dida imperiosa, assim como não se confirmou a ne-
argumentação chegava a ser convincente. cessidade de exploração cirúrgica.
O coordenador, após certificar-se com a equipe de O presente relato pretende ilustrar o processo de
que não havia uma situação de urgência quanto à trans- construção de uma aliança terapêutica mesmo em si-
fusão, propôs que se continuasse a discussão na reu- tuações tão difíceis e complexas como a retratada aci-
nião seguinte, alertando para o fato de que o que esta- ma (dilema ético).

SUMMARY
Mental Health of Health Care Workers
This article analyses the question of the mental health of the health professionals, considering the practice of
Medicine as an illustrative model of the other health areas. Although each profession sustains its own char-
acteristics, several aspects of the professional activities in health are shared by doctors, nurses, social assis-
tants, occupational assistants, psychologists, physiotherapists, among others. The differences, and the pro-
fessional specialties such as the predominance of feminine population in some areas, which adds to the
professional stress the stress originated by the overtime work and the depreciation of the feminine work that
sadly still exists in our society, walk side by side with the similarities with the medical profession.
In addition to these factors, the question of the hegemony of the medical speech in relation to the other
health professionals, and, consequently, the difficulties established in the inter-disciplinary teams make a
sufficiently complex psychodynamic panorama of the health professionals’ situation.
The analyses of the health of the doctors, and at greater length, their mental health, is preceded by the
description of the sociological aspects of the health professions in Brazil, as well as a profile of the Brazilian
doctors and the current practice of the Medicine.
The psychological characteristics of the medical tasks are dealt with, along with the adaptation of the doctors
to stress, their psychological vulnerability, and the preventive proposals for this situation.
Key words: Occupational Health; Occupational Medicine; Health Professions; Mental Health of Physicians;
Medical Work.

Rev. Bras. Med. Trab., Belo Horizonte • Vol. 1 • No 1 • p. 56-68 • Jul-Set • 2003 • $'
LUIZ ANTONIO NOGUEIRA-MARTINS

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 18. Clever LH. A saúde do médico. In: Beeson PG; McDer-
mott W, editores. Cecil-Loeb: tratado de medicina.
1. Pitta A. Hospital, dor e morte como ofício. São Paulo: Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1990.
HUCITEC; 1991. 19. Nogueira-Martins LA. Atividade médica: fatores de risco
2. Menzies I. O funcionamento das organizações como sis- para a saúde mental do médico. Rev Bras Clín Terap
temas sociais de defesa contra as ansiedades. Lon- 1991; 20:355-64.
dres: Instituto Tavistock de Relações Humanas; 1970. 20. Rodrigues AL. O “stress” no exercício profissional da
3. Angelo M. Vivendo uma prova de fogo: as experiências medicina - uma abordagem psicossocial. [Tese] Pon-
iniciais da aluna de enfermagem. [Tese] São Paulo: tifícia Universidade Católica; 1998.
Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo; 21. Nogueira-Martins LA. Residência Médica: um estudo
1989. prospectivo sobre dificuldades na tarefa assistencial
4. Bianchi ERF. Estresse em enfermagem: análise da atua- e fontes de estresse. [Tese] São Paulo: Escola Paulista
ção do enfermeiro de centro cirúrgico. Rev Esc Enf de Medicina; 1994.
USP 1992; 26(1):121-2. 22. Meleiro AMAS. O médico como paciente. São Paulo:
5. Silva A, Bianchi ERF. Estresse ocupacional da enfermeira Lemos Editorial; 1999.
de centro de material. Rev Esc Enf USP 1992; 26(1): 23. Johnson WDK. Predisposition to emotional distress and
65-74. psychiatric illness amongst doctors: the role of un-
6. Aquino EM. Saúde e trabalho das mulheres profissio- conscious and experimental factors. Br J Med Psychol
nais de enfermagem em hospitais públicos de Salva- 1991; 64:317-29.
dor. Rev Bras Enf 1993; 45:14. 24. Millan LR, De Marco OLN, Rossi E, Millan MPB, Arruda
7. Chaves EG. Stress e trabalho do enfermeiro: a influência PV. Alguns aspectos psicológicos ligados à formação
de características individuais no ajustamento e tole- médica. In: Millan LR, De Marco OLN, Rossi E, Mi-
rância ao turno noturno. [Tese]. São Paulo: Instituto llan MPB, Arruda PV. O universo psicológico do futu-
de Psicologia, Universidade de São Paulo; 1994. ro médico. São Paulo: Casa do Psicólogo; 1999.
25. Vaillant GE, Sobowale NC, McArthur C. Some psycho-
8. Silva VEF. O desgaste do trabalhador de Enfermagem:
logic vulnerabilities of physicians. N Eng J Med 1972;
relação trabalho de enfermagem e saúde do traba-
287(8):372-5.
lhador. [Tese] São Paulo: Escola de Enfermagem, Uni-
versidade de São Paulo; 1996. 26. Modlin HC, Montes A. Narcotic addiction in physicians.
Am J Psychiatr 1964; 121:358-65.
9. Labate RC. O profissional de saúde frente à paciente
mastectomizada: aspectos psicológicos. [Tese] Ribei- 27. Nogueira-Martins LA. Morbidade psicológica e psiquiá-
rão Preto: Universidade de São Paulo/ Escola de En- trica na população médica. Bol Psiquiatr 1989/1990;
fermagem de Ribeirão Preto; 1997. 22/23:09-15.
10. Campiglia MCD. A ambigüidade de uma profissão: o 28. Botega NJ, Nogueira-Martins LA. Hipócrates doente: os
sofrimento psíquico na Enfermagem. [Dissertação] São dramas da psicologia médica. Monit Psiquiatr 1997;
Paulo: Universidade Federal de São Paulo; 1998. 3(4): 30-1.
11. Bianchini MC. Saúde mental e o trabalho do enfermei- 29. Hahn MS, Ferraz MPT, Giglio JS. A saúde mental do es-
tudante universitário: sua história ao longo do século
ro. [Dissertação] Ribeirão Preto: Escola de Enferma-
XX. Rev Bras Educ Med 1999; 23(2/3): 81-9.
gem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo;
1999. 30. Millan LR, Souza EN, De Marco OLN, Rossi E, Arruda
PV. O I Encontro Paulista dos Serviços de Assistência
12. Pedrosa LA, Vietta EP. Saúde mental das enfermeiras:
Psicológica ao Estudante Universitário. São Paulo: Rev
suas crenças e vivências. In: Labate RC, Organizador.
Hosp Clín Fac Med 1998; 53(3):156-61.
Caminhando para a assistência integral. Ribeirão Pre-
to: Scala; 1999. 31. Nogueira-Martins LA, Stella ARCR, Nogueira HE. A pio-
neering experience in Brazil: the creation of a center
13. Nogueira-Martins MCF. A transição estudante-fonoau- for assistance and research for medical residents (NA-
diólogo: estudo qualitativo sobre a vivência dos pri- PREME) at the Escola Paulista de Medicina, Federal
meiros atendimentos. [Tese] São Paulo: Universida- University of São Paulo. São Paulo Med J/RPM 1997;
de Federal de São Paulo, Escola Paulista de Medici- 115(6):1569-72.
na; 1998.
32. Nogueira-Martins LA, Botega NJ, Celeri EHRV. Intercon-
14. Machado MH. Os médicos no Brasil: um retrato da rea- sulta Psiquiátrica. In: Botega NJ, Organizador. Servi-
lidade. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 1997. ços de saúde mental no hospital geral. Campinas:
15. Bordin R, Rosa RS. Médicos: quem somos. In: Agosto Papirus; 1995.
FM, Peixoto R, Bordin R, Organizadores. Riscos da 33. Boteca NJ. Psicologia médica, Balint... lembra-se? Mo-
prática médica. Porto Alegre: Dacasa Editora; 1998. nit Psiquiatr 1996; 2:1-2.
16. Nogueira-Martins LA, De Marco MA, Manente MLF, Noto 34. Balint M. Psicanálise e prática médica In: Missenard A,
JRS, Bianco SM. Dilemas éticos no hospital geral. Bol Organizador. A experiência Balint: história e atuali-
Psiquiatr 1991; 24(1/2):28-34. dade. São Paulo: Casa do Psicólogo; 1994.
17. Sindicato dos Médicos de São Paulo/SIMESP. Jornal do 35. Balint M. O médico, seu paciente e a doença. Rio de
Médico 1997; 70:8-9. Janeiro: Atheneu; 1988.

%• Rev. Bras. Med. Trab., Belo Horizonte • Vol. 1 • N


o
1 • p. 56-68 • Jul-Set • 2003
SAÚDE MENTAL DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

36. Missenard A, Organizador. A experiência Balint: história 38. Zimerman DE. A formação psicológica do médico. In:
e atualidade. São Paulo: Casa do Psicólogo; 1994. Mello Filho J. Psicossomática hoje. Porto Alegre: Ar-
37. Cassorla RMS. Dificuldades no lidar com aspectos emo- tes Médicas; 1992.
cionais da prática médica: estudo com médicos no 39. Nogueira-Martins LA. Consultoria psiquiátrica e psicoló-
início de grupos Balint. Revista ABP-APAL 1994; 16 gica no hospital geral: a experiência do Hospital São
(1):18-24. Paulo. Revista ABP-APAL 1989; 11:160-4.

Rev. Bras. Med. Trab., Belo Horizonte • Vol. 1 • No 1 • p. 56-68 • Jul-Set • 2003 • %