Você está na página 1de 5

CURSO DE PERICIA PSICOLÓGICA

POLICIAL E CRIMINAL

CASO CLINICO DE AUTOPSIA


PSICOLÓGICA

Caso clínico:

Identificação: P.S.Q., sexo feminino,


solteira, médica psiquiatra, católica não
praticante.

Agente Tóxico: Fenobarbital - 60


comprimidos, Clonazepan – 20
comprimidos.

Motivo manifesto da TS:


“ Estava muito deprimida, havia pedido
um tempo para o meu namorado, queria
mais atenção dele, sei que sempre peço
mais do que a pessoa pode dar, nunca
estou satisfeita.”
História clínica:

Paciente deu entrada na Emergência


com rebaixamento de nível de
consciência, e insuficiência respiratória.
Foi entubada e submetida a processos de
desintoxicação e manobras clínicas.
Logo após foi transferida para a UTI
evoluindo com quadro de bronca-
pneumonia.
Após sete dias foi removida para a
enfermaria em Hospital Geral Privado.
Apenas no último dia de internação a
paciente teve condições de verbalizar,
pois esteve entubada e sedada durante o
restante dos dias.
Antecedentes familiares: Mãe com
transtorno depressivo e várias tentativas
de suicídio. Suicídio do avô paterno
com arma de fogo. Há um ano colega de
turma cometeu suicídio.
Antecedentes pessoais: Filha única de
pais separados. Relação conflituosa com
a mãe. Não tem contato com o pai. Mora
só, próxima a residência dos primos,
com os quais mantêm um vínculo
importante. Nega uso de álcool e drogas.
Em psicoterapia há 4 anos. Há mais de
um ano sem assistência psiquiátrica.
Auto medicando-se com ISRS –
Paroxetina. Aborto provocado há 10
anos. Seqüestro relâmpago a 7 anos.
Namoros de curta duração e parceiros
frágeis. Necessidade exacerbada de
afeto. Vários amigos no trabalho. Nega
tentativas de suicídio anteriores e
alterações psicóticas.

História da moléstia atual: Há 3 semanas


agudização do quadro depressivo com:
hipersonia, anedonia, descuido pessoal,
e ideação depressivo-suicida.
Afastamento dos amigos não respondia
ao telefone. Situação de estresse no
trabalho com faltas consecutivas. No dia
da tentativa de suicídio, comprou os
medicamentos e um teste de gravidez.
Atraso menstrual. “Caso o teste desse
positivo não ingeriria os
medicamentos”.

Preocupada com a mãe que estava


gravemente doente. Telefonou para o
namorado e para a psicoterapeuta após
tomar os medicamentos, e em
conseqüência, ambos chamaram o
resgate. Quebrou vários objetos de
adorno.

Conduta: Orientação à paciente,


familiares, amigos e psicoterapeuta:
Reforço na rede de apoio social e
familiar. Orientação para o seguimento
do tratamento psicoterápico e a
constituição de um psiquiatra para
seguimento medicamentoso.
AUTOPSIA PSICOLÓGICA
Fatores de risco para o suicídio:

 Depressão
 Solteira
 Mora só
 Relacionamentos instáveis
 Jovem
 Médica
 Experiências traumáticas: aborto
/ seqüestro
 Facilidade de acesso a
medicamentos
 Modelos de identificação:
Amigo, avô paterno se suicidaram,
mãe várias vezes tentou o suicídio.
- Mãe gravemente doente
 Dinâmica familiar tumultuada
 Vínculo conturbado com a mãe
 Ausência da figura paterna