Você está na página 1de 19

A RELAÇÃO ENTRE MAUS-TRATOS

AOS ANIMAIS E A VIOLÊNCIA


CONTRA PESSOAS

Camilla Larissa de Souza Maia


Letícia Bandeira da Silva
Orientadora Profa. Amanda Maria Sena Reis
Como se deu o A domesticação de animais foi um
dos processos mais importantes
inicio da para o desenvolvimento da
humanidade. Surgiu, inicialmente,
relação entre os como uma forma de garantir
alimento e mais tardiamente,
seres humanos associou-se também com a
e os animais? garantia de força de trabalho e
proteção, uma vez que os animais
domesticados tiveram o
comportamento modificado e
gradativamente, tornaram-se mais
dóceis, o que facilitava esse
processo.

Antes que qualquer outro


animal pudesse ser domesticado
pelo ser humano, os ancestrais
selvagens do cão doméstico
realizaram a escolha de se
aproximar das fogueiras onde
residiam os humanos primitivos,
fator fundamental que
corroborou com a possibilidade
de que um vínculo entre ambas
as espécies pudesse ser iniciado.
Com o passar do tempo, a
utilização de animais no
convívio humano deixou de
ser restrita à essas três
abordagens, passando a
abranger também um espaço
afetivo, que se manifesta nas
sociedades modernas através
da inserção dos animais
domésticos, principalmente o
cão e o gato, no ambiente
familiar, sendo considerados
por muitos como membros da
família.

Todavia, o estreitamento do
vínculo entre o ser humano e os
animais apresenta também um
lado negativo, em que situações de
crueldade, abuso e negligência aos
animais podem se fazer presentes
e além de serem considerados
crimes, também podem atuar
como um importante indicativo
acerca dos diferentes tipos de
violência que podem acometer o
ambiente familiar.
Neste contexto desenvolveu-se a Teoria do Elo, também
chamada de “The link”, descrevendo que situações de
violência contra os animais ocorrem simultaneamente
e/ou precedem atos de violência contra as pessoas.

Como se O primeiro trabalho que deu


início a inserção de animais em
iniciou a estudos vinculados à violência
foi o de John Macdonald, em
Teoria do Elo? 1963, que descreveu a tríade
sociopata. Essa tríade
relacionava comportamentos
repetidos de enurese, atos
incendiários e crueldade aos
animais presentes em crianças
como sendo precursor ao
desenvolvimento de adultos
homicidas.
Todavia, constatou-se que crianças portadoras da tríade
não se restringiam apenas ao comportamento homicida,
sendo capazes de apresentar qualquer tipo de
comportamento violento. Devido a essa constatação, em
1987, observou-se a inclusão da crueldade animal como um
critério de avaliação de transtornos de conduta no Manual
Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais da
Associação Americana de Psiquiatria.

Esquema ilustrativo da Tríade


sociopata: comportamentos
repetitivos de enurese, atos
incendiários e crueldade
contra animais.

A partir disso, iniciou-se, na década de 90, pesquisas


sobre a ligação entre a violência contra animais com a
violência doméstica, tendo como tema primordial a
crueldade contra animais praticada por crianças.
O que é Embora a maioria dos casos que
ganham repercussão nacional
considerado envolvam agressões e condições
inadequadas aos animais, o
maus-tratos aos termo maus-tratos é bem mais
animais? abrangente, se trata de um crime
(lei nº 9.605) e envolve:

Não garantir água ou alimento para o animal;

Manter os animais em lugares com ausência de


higiene ou em locais que impeçam a sua
respiração, movimento ou descanso;

Deixar o animal exposto ao sol por longos


períodos de tempo, ou o oposto, em ausência total
de luz;
Golpear, mutilar ou ferir voluntariamente
qualquer órgão do animal;
Obrigar o animal a trabalhos excessivos, incluindo
em competições que possam causar estresse,
medo ou esforço intenso;

Se negar a providenciar assistência veterinária


em casos de acidente ou doenças;

Abandono do animal.
E com relação aos animais de
produção? A lei de maus-tratos
também se aplica?
Sim, a lei de maus-tratos se
aplica aos animais de
produção. Todavia, a pena é
menor do que aquela
aplicada quando se trata de
cães e gatos. Além disso, a
crueldade contra esses
animais é diferente, devido a
intensa relação de posse que
os envolve.

Porcos, aves e vacas são os animais que mais sofrem


tortura e maus-tratos no mundo. Segundo a FAO –
Organização das Nações Unidas para Agricultura e
Alimentação, 67 bilhões de porcos, aves e vacas são
expostos, anualmente, a condições de crueldade.
Maltratados exclusivamente para a produção de
alimentos.
Investigando a fundo a relação
entre violência contra animais e a
violência contra pessoas
De acordo com a Teoria do Elo, a violência contra animais
pode se manifestar de maneira simultânea ou como
precursora da violência doméstica, que inclui a violência
contra a criança, o adolescente, a mulher e o idoso.

Esquema ilustrativo demonstrando a relação entre a violência


animal e a violência contra pessoas.
Ela pode ser realizada por uma figura autoritária com a
intenção de manipular e amedrontar, ou por um
indivíduo que sofre profundamente, como expressão de
dor.

A relação entre a violência infantil


e a violência contra animais
É irrefutável que a relação entre
agressões contra os animais e a
vivência de cenas de violência
familiar na infância é intrínseca.
Deste modo, a crueldade contra
animais é um alerta de desordem
no convívio familiar.

Danos físicos ou psicológicos


gerados em crianças durante a
infância podem ser responsáveis
por comportamento preditivo em
potencial para o desenvolvimento
de comportamentos agressivos e
criminais no futuro.

Sendo assim, a violência no seio familiar deve ser


compreendida como um ciclo intergeracional e não de
maneira isolada.
Ao investigar quais as principais motivações que levam
uma criança a realizar um ato de crueldade animal tem-
se:

a rejeição e o conflito de ideias


entre os pais, que levam a
criança extravasar para o meio
com o intuito de punir uma
sociedade que foi hostil com ela .

um desejo de identificação
da criança para com o
agressor .

a vontade de controlar, moldar ou


eliminar características supostamente
indesejáveis de um animal;

o desejo de infligir dor,

a satisfação em realizar o preconceito


sobre determinada espécie ou raça;

o desejo de chocar por diversão.


Outros estudos constataram
uma associação entre a
crueldade contra animais e a
presença de traços de
personalidade psicopáticos,
insensíveis ou não emocionais.
Neste contexto, a violência
contra animais pode ser
interpretada como uma
manifestação precoce de tais
problemas de conduta e traços
de personalidade.

Todavia, a presença de
assassinato de animais durante
a infância pode não ser somente
um indício de futuras ações
violentas por parte da criança
contra outros indivíduos, mas
também da criança contra si
própria, visto que esse ato pode
tratar-se de um sinal de intenso
sofrimento por parte da
criança.
Também há evidencias sobre a presença de abuso
infantil em lares onde houve a presença de violência
animal.

Uma pesquisa revelou que


animais violentados foram
encontrados em 88% das casas de
57 famílias com animais de
estimação nas quais negligência e
abuso infantil também foram
comprovados.

No Brasil, com o objetivo de descobrir se


pessoas envolvidas em ocorrências de
maus-tratos aos animais possuíam outros
registros criminais, foi realizada uma
pesquisa com base em ocorrências
recebidas pela polícia militar de São Paulo
entre os anos de 2010 a 2012:

Das 554 ocorrências de maus-tratos aos


animais registradas, com 643 pessoas
autuadas;

32%, ou seja, 205 pessoas praticaram outros


crimes envolvendo lesões corporais, furto,
homicídio, ameaça e roubo.
A presença da violência contra
animais na adolescência
Estudiosos observaram que o
testemunho de abuso contra
animais era associado em
níveis mais significativos aos
adolescentes, principalmente
quando cometido por um
membro da família, amigo ou
até mesmo um estranho e
quando testemunhado com
maior frequência.

Além dusso, jovens que


cometem abuso contra animais
são mais propensos a terem
testemunhado crueldade contra
animais por parte de seus pais
ou companheiros, embora haja
uma maior exposição geral à
violência por parte dos pais do
que pelos companheiros não
abusadores.
Quando a violência animal se
manifesta associada a violência
contra a mulher
Relatos de mulheres agredidas
fisicamente em seus lares
revelam que cães e gatos
pertencentes à elas sofreram
agressões e tentativas de
homicídio de diferentes formas,
envolvendo esfaqueamento,
enforcamento e baleamento por
seus companheiros. Em alguns
casos, as vítimas revelaram,
inclusive, que os animais somem
ou falecem misteriosamente.

Uma pesquisa realizada em um


abrigo de proteção à vítimas de
violência doméstica revelou que
as mulheres não só falavam
sobre o abuso animal como
também relatavam que algumas
mulheres não deixavam seus
relacionamentos abusivos como
uma forma de garantir a
proteção de seus animais de
companhia.
Foram entrevistadas 38 mulheres moradoras no abrigo de
proteção, em que:

71% das entrevistadas apontaram que o


companheiro teria ameaçado ou ferido
seus animais;

57% apontaram que possuíam filhos e


dentre elas, 32% relataram que os próprios
filhos haviam agredido ou matado seus
animais.

18% das entrevistadas revelaram que


tardaram sua busca ao abrigo por medo de
uma possível agressão do companheiro
aos seus animais.

Além disso, durante uma entrevista com


450 mulheres brasileiras que haviam
registrado boletim de ocorrência contra
violência doméstica, cerca de 50% das
vítimas apontaram que os companheiros
agressores já haviam sido agressivos com
animais, fosse dentro ou fora de seus lares.

A partir disso, confirmou-se que a presença de crueldade


contra animais associada a violência doméstica em um
ambiente pode ser interpretada como um sinal de relação de
alto risco, que deve ser direcionada para avaliação e
tratamento das vítimas e dos agressores.
Você já ouviu Saúde Única traduz a união
inseparável entre a saúde
falar sobre o animal, humana e ambiental.
Neste sentido, olhar o todo
conceito de torna-se fundamental para
Saúde Única? garantir níveis excelentes de
saúde.

Esquema ilustrativo
do conceito de Saúde
Única: saúde animal,
humana e ambiental.

Estratégias integradas à saúde única são de extrema


importância para a identificação precoce de maus tratos
aos animais ou de pessoas que sofrem agressão.
O papel do Médico Veterinário
na Teoria do Elo
No Brasil, os médicos veterinários foram incluídos no
Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF). Dessa forma, as
visitas domiciliares realizadas pelas equipes de saúde da
família permitem ao profissional reconhecer o território e
atuar de forma integral e abrangente, principalmente, na
promoção e na prevenção de quaisquer agravos à saúde
humana e animal.

Durante a visita domiciliar, o


médico veterinário pode observar
o comportamento dos animais
inseridos na família e as formas
como eles interagem com cada
membro da família

Reconhecer e relatar suspeitas de abuso de animais são


os primeiros passos para resolver situações nocivas e
tornar as comunidades mais seguras para todos. Ao
realizarem isso, os veterinários podem trabalhar dentro
da abordagem de Saúde Única, zelando pelos vulneráveis,
vitimizados e em risco, ajudando tanto vidas animais
quanto humanas.
Como pedir ajuda?
Todo caso de violência doméstica e intrafamiliar é crime!

VIOLÊNCIA CONTRA OS
VIOLÊNCIA INFANTIL
ANIMAIS

DISQUE 100 (DISQUE


DISQUE 190 (POLÍCIA
DIREITOS HUMANOS).
MILITAR) OU 181 (PARA
DENÚNCIAS)
FUNCIONAMENTO
IBAMA (NO CASO DE
DIÁRIO, INCLUINDO AOS
ANIMAIS SILVESTRES)
SÁBADOS, DOMINGOS E
LINHA VERDE: 0800 61
FERIADOS.
8080

VIOLÊNCIA CONTRA A VIOLÊNCIA CONTRA OS


MULHER IDOSOS

:DISQUE 180 (CENTRAL DE :DISQUE 100 (DISQUE


ATENDIMENTO À MULHER) DIREITOS HUMANOS)
OU 190 (POLÍCIA MILITAR)
Referências
ARKOW, Phil. The “Dark Side” of the Human-Animal Bond. In: KOGAN, Lori;
BLAZINA, Christopher (ed.). Clinician‘s Guide to Treating Companion
Animal Issues: Addressing Human-Animal Interaction. [S. l.]: Academic
Press, 2019. cap. 17, p. 319 - 346. ISBN 978-0-12-812962-3. Disponível em:
https://www.sciencedirect.com/book/9780128129623/clinicians-guide-
to-treating-companion-animal-issues?via=ihub=.
BOAT, Barbara W. The Relationship between Violence to Children and
Violence to Animals: An Ignored Link?. Journal of Interpersonal violence,
[S. l.], v. 10, n. 2, p. 229-235, 1 jun. 1995. Disponível em:
https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0886260595010002008.
DEGUE, Sarah; DILILLO, David. Is Animal Cruelty a “Red Flag” for Family
Violence?: Investigating co-occurring violence toward children, partners,
and pets. Journal of Interpersonal Violence, [S. l.], v. 24, n. 6, p. 1036-1056,
jun. 2009. DOI 10.1177/0886260508319362. Disponível em:
https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0886260508319362.
HELLMAN, DANIEL S.; BLACKMAN, NATHAN. ENURESIS, FIRESETTING
AND CRUELTY TO ANIMALS: A TRIAD PREDICTIVE OF ADULT CRIME.
American Journal of Psychiatry, [S. l.], v. 122, n. 12, p. 1431-1435, jun. 1966.
Disponível em:
https://ajp.psychiatryonline.org/doi/abs/10.1176/ajp.122.12.1431.
PINTO, Mariana Olímpia Köhler Marra; GOMES, Laiza Bonela; BEGALLI,
José Honorato; MESQUITA, Flávia Borges; HURTADO, Elena Maria;
LANZETTA, Virgínia Aguiar Sorice; OLIVEIRA, Lucas Belchior Souza;
AMARAL, Amanda Ariane; SOARES, Danielle de Magalhães Ferreira.
TEORIA DO ELO: A CONEXÃO ENTRE A CRUELDADE ANIMAL E A
VIOLÊNCIA INFLIGIDA A SERES HUMANOS. V SEMINÁRIO DE DEFESA
ANIMAL: DESAFIOS DA SOCIEDADE CIVIL E DO PODER PÚBLICO, Belo
Horizonte, p. 84-86, maio 2018. Disponível em:
http://crmvmg.gov.br/arquivos/defesaAnimal.pdf#page=85.
SANT’ANA, Luciana Vargas; REIS, Sérvio Tulio Jacinto. A Crueldade animal
como possível indicador de violência doméstica. De que forma a medicina
veterinária pode contribuir?. Medvep - Revista Científica de Medicina
Veterinária - Pequenos Animais e Animais de Estimação, [S. l.], n. 46, p.
79-86, 2017. Disponível em: https://medvep.com.br/wp-
content/uploads/2020/06/A-Crueldade-animal-como-poss%C3%ADvel-
indicador-de-viol%C3%AAncia-dom%C3%A9stica.pdf.