Você está na página 1de 7

Psicopatologia II

SÍNDROMES PSICÓTICAS

O que são? Orientação fenomenológica


• Caracterizam-se por experiências como • Formulam que na psicose ocorrem
alucinações e delírios, desorganização alterações básicas na estrutura de
marcante do pensamento ou do experiências fundamentais, como as do
comportamento, e catatonia. espaço e do tempo.
• Experiência intensa de estar sendo • Na psicose, o mundo é que é percebido
perseguido ou ameaçado (por pessoas ou como se dirigindo ao sujeito. O mundo
forças estranhas). invade, por assim dizer, a consciência
• Alterações evidentes na vida pessoal, (inversão do arco intencional da
familiar e social. consciência).
• De modo geral, há uma acentuada
gravidade. Psiquiatria clínica
• Pacientes psicóticos geralmente têm • Dá ênfase à noção de psicose como
insight muito prejudicado (precária presença de sintomas psicóticos.
consciência da doença). • Tais elementos clínicos são os parâmetros
• Perturbador para o indivíduo e pessoas de identificação e diagnóstico de psicoses
próxima. sugeridos pela CID-11 e pelo DSM-5.

Esquizofrenia
• A principal forma de psicose, devido sua
frequência e importância clínica.
• Internacionalmente, tem incidência anual
(casos novos por ano).
• O risco de ter esquizofrenia alguma vez na
vida é, em média, de 0,7% – 7 pessoas em
cada 1.000 habitantes.
• No Brasil há uma incidência intermediária
(nem baixa, e nem alta), em relação a
outros países.

Orientação psicodinâmica O conceito de Esquizofrenia


• Tendem a dar ênfase à perda de contato • O seu conceito perpassa por fatores
com a realidade e/ou a distorções muito históricos, em uma categoria que
marcantes na percepção e na relação com apresenta formas distintas de ‘loucura’.
a realidade. • Emil Kraepelin (psiquiatra alemão), em
• O “teste de realidade”, que é a função do 1896, a nomeou dementia praecox
ego em avaliar e julgar de modo objetivo (“dementia” pela noção de que a maior
o mundo externo, estaria gravemente parte dos pacientes teria evolução muito
prejudicada na psicose.
ruim e “praecox” pelo seu início frequente
em jovens e adultos jovens).
Principais grupos de sintomas
• Eugen Bleuler propôs, em 1911, o termo
esquizofrenia, dando ênfase à desarmonia Sintomas negativos
interna do funcionamento mental e à
Perda de certas funções psíquicas (na esfera da
quebra radical do contato com a
vontade, do pensamento, da linguagem) e pelo
realidade.
empobrecimento global da vida afetiva, cognitiva
Tipos de Esquizofrenia e social do indivíduo.

• Desde o século XIX e início do século XX


distinguiram entre 4 subtipos: I. Primários: decorrentes de forma
I. Paranoide (alucinações e ideias intrínseca da própria
delirantes). esquizofrenia.
II. Catatônica (alterações motoras e II. Secundários: decorrentes de
alterações da vontade). efeitos colaterais dos
III. Hebefrênica (desorganização e medicamentos antipsicóticos, de
infantilização). depressão ou de privação e
IV. Simples (lento e progressivo isolamento social.
empobrecimento psíquico e
comportamental, negligência de • Sintomas negativos podem surgir devido à
cuidados e distanciamento social). ação inibitória de sintomas positivos.
Exemplo: o indivíduo fica pouco
ativo, sem iniciativa, isolado dos
O CID-11 e o DSM-5 abandonaram esse tipo
outros, pois experimenta delírio ou
de divisão, pois não são úteis.
alucinação que o ameaça e impõe
revidar caso saia de seu
** Não há necessidade de subtipos na isolamento.
esquizofrenia. • Observa-se, uma considerável negligência
quanto a si mesmo.
Não são estáveis ao longo do tempo. • O distanciamento e o embotamento
Não predizem padrão de evolução da afetivo, correspondem, em certa medida,
doença. ao que Eugen Bleuler denominou de
Não predizem resposta a tratamentos “autismo na esquizofrenia”.
farmacológicos ou psicossociais. Exemplo: Dificuldade ou
São muito heterogêneos em relação às incapacidade de estabelecer
bases genéticas e neurais da contato afetivo com outras
esquizofrenia. pessoas e retração do convívio
A delimitação dos subtipos tem sido cada social, a inacessibilidade ao mundo
vez menos utilizada em pesquisas. interno do paciente, além de
atitudes e comportamentos rígidos
Em contraposição a subtipos
com pensamento bizarro.
• É proposto conjunto de sintomas e sinais.
** Não se conhece o que causa a
• O foco seria em “estadiar” a doença,
neurofisiopatologia dos sintomas negativos.
observando seu progresso e regresso.
Sintomas positivos
São manifestações novas, salientes, do processo
esquizofrênico, positivos no sentido de “adicionar,
somar”.
• Os principais sintomas são alucinações, Sintomas de desorganização
ideias delirantes e distorções da realidade.
Essa síndrome tem certa correspondência ou
• Kurt Schneider propôs que alguns
semelhança com o subtipo classicamente
sintomas, que poderiam ser incluídos
denominado esquizofrenia hebefrênica.
junto a este grupo, teriam um peso maior
para o diagnóstico, denominados de • Pensamento progressivamente
“sintomas de primeira ordem”. São eles: desorganizado, de leve afrouxamento das
associações. Geralmente é observada a
I. Percepção delirante: Uma percepção fragmentação da progressão lógica do
normal recebe instantaneamente uma discurso.
significação delirante. Exemplo: quando as ideias saem
II. Alucinações auditivas características: São dos “trilhos”, há choque com novas
as “vozes” que acompanham as ações do ideias ou ideias desviadas por
paciente com observações, que fazem outras.
comentários. • A presença de neologismos
III. Eco do pensamento ou sonorização do eventualmente é incluída aqui, mas pode
pensamento: O indivíduo escuta seus também ser classificada junto aos
pensamentos ao pensá-los. sintomas positivos.
IV. Difusão, divulgação ou publicação do • Comportamentos sociais e sexuais
pensamento: Tem a sensação de que seus bizarros e inadequados, observados em
pensamentos são ouvidos ou percebidos vestimenta, adornos, aparência e
claramente pelos outros. expressão geral.
V. Roubo do pensamento: O indivíduo tem a
Sintomas psicomotores e catatonia
sensação de que seu pensamento é
inexplicavelmente extraído de sua mente. É comum pacientes com esquizofrenia
VI. Distúrbios da vivência do eu (divide-se apresentarem lentificação e empobrecimento
em dois): psicomotor com restrição do repertório da esfera
• Vivências de influência sobre o corpo: São gestual e motora.
experiências nas quais o paciente sente
• A catatonia é a manifestação psicomotora
que uma força ou um ser externo age
mais marcante na esquizofrenia.
sobre seu organismo, sobre seus órgãos.
• Podem revelar sintomas de estupor
• Vivência de influência sobre a vida mental:
(forma psicótica de inacessibilidade e de
Referem-se à experiência de que algo
imobilidade presente em certos casos).
influencia de forma maciça seus
sentimentos, impulsos, vontades ou
• Atos, gestos, atitudes mais complexas que
pensamentos.
os tiques, repetição de forma mecânica
Exemplo: “Um chip de computador
sem finalidades, são chamados de
foi instalado em minha cabeça e
estereotipias do movimento.
comanda meus pensamentos”.
• Gestos complexos, repetidos, que
parecem ter um objetivo e significado
para o indivíduo, são chamados de
maneirismos.

• Alguns pacientes fazem caretas (sem


motivos aparentes) vestem roupas e usam
acessórios bizarros.
• Flexibilidade cerácea ou catalepsia: o sociais de acordo com o
paciente fica na posição que o colocam. ambiente).
• Ecolalia: repetir mecanicamente palavras • Pode estar prejudicada em relação
do interlocutor. ao viés de atribuição (o modo
• Ecopraxia: repetir mecanicamente atos como se inferem as causas dos
dos outros. acontecimentos referentes às
outras pessoas, a si mesmo ou a
** Um grupo menor de pacientes em catatonia fatores ambientais).
apresenta momentos de muita agitação • Observa-se, uma tendência a
psicomotora (alternadamente com a lentificação apresentar vieses de atribuição no
e o estupor). sentido negativo aos outros em
• Na CID-11, a catatonia é também vez de ao ambiente.
considerada uma síndrome • Ou atribuições mais hostis às
psicopatológica autônoma, situada na ações e aos comportamentos dos
“vizinhança” da esquizofrenia. outros do que de fato está
ocorrendo.
Sintomas cognitivos
Há alterações cognitivas difusas na doença, que,
na maior parte das vezes, precedem mesmo o
surgimento dos sintomas psicóticos e são muito
relevantes, pois afetam marcadamente a
evolução funcional dos pacientes.

• Incluem os seguintes domínios da


cognição: atenção, memória episódica,
memória de trabalho, velocidade de
processamento e funções executivas
frontais (inclusive fluência verbal).

• Alterações da cognição social


• São particularmente importantes, Sintomas de humor
pelas suas repercussões para a Há redução da experiência e da expressão
vida social e socioafetiva do emocional em muitos pacientes (vista também
indivíduo. como uma dimensão dos sintomas negativos).
• Aqui se verifica déficit em teoria
da mente (sistema de inferências • Em contraste com tal redução
ligado à compreensão de • Os indivíduos apresentam com
intenções, disposições e crenças frequência aumento da reação
dos outros e de si mesmo). emocional (sobretudo quando
• Observam-se dificuldades na também apresentam sintomas
percepção e no gerenciamento de positivos, ao serem expostos a
emoções (perceber e muitos estímulos).
compreender as emoções a partir • Essa combinação de redução da expressão
de pistas faciais, tom de voz, emocional + reação emocional tem sido
gestos). denominada de “paradoxo emocional da
• E déficit na percepção social esquizofrenia”.
(compreender o contexto social, • Pessoas com esquizofrenia apresentam
decodificar e identificar dicas taxas mais altas do que a população em
geral de sintomas ansiosos e depressivos, • O insight e sua falta não são, de modo
bem como depressão clínica. geral, um fenômeno do tipo “tudo ou
• Os sintomas ansiosos são dos diversos nada”; há graus de insight e áreas dele
tipos: ansiedade generalizada, ataques de mais prejudicadas ou não.
pânico, ansiedade/fobia social e Exemplo: Uma pessoa com
sintomas obsessivo-compulsivos. esquizofrenia pode não ter insight
algum sobre o caráter patológico
• Os sintomas de humor podem também de sua condição, mas reconhece
surgir atrelados a sintomas da que necessita de ajuda para
esquizofrenia ou a efeitos colaterais dos dificuldades nas relações familiares
antipsicóticos (disforia dos e por isso aceita o uso de
neurolépticos). medicação antipsicótica e
• Tais sintomas podem ocorrer antes do intervenções psicossociais para a
aparecimento dos sintomas positivos, nos doença.
quadros com atividade psicótica, entre os • Nos surtos psicóticos, quando há
surtos, ou nos períodos após os surtos necessidade de internação, os pacientes
(depressão pós-psicótica). com bastante frequência a recusam.
• Sintomas neurológicos inespecíficos:
• Sintomas de humor contribuem prejuízo na função olfativa (déficits na
significativamente para o sofrimento e as identificação e na discriminação de
dificuldades pessoais e sociais que a odores), hipoalgesia (sensibilidade
esquizofrenia implica. diminuída à dor) e alterações da
motilidade dos olhos (anormalidades
oculomotoras, dos movimentos sacádicos
dos olhos).

Transtorno Delirante
• Uma forma de psicose próxima à
esquizofrenia, mas distinta.
• Se caracteriza pelo surgimento e pelo
desenvolvimento de um delírio ou
sistema delirante.
• Não deve haver pensamento e/ou
Outras características comportamento francamente
desorganizado ou sintomas negativos
• A falta de insight é um elemento marcantes.
importante da maioria dos pacientes, os • No passado denominado “paranoia” por
quais, em geral, não acham que têm Kraepelin. Atualmente pode ser sinônimo
qualquer problema ou doença. de ideias de perseguição no linguajar
• Atribuem a presença dos sintomas à popular.
fatores como nervosismo, influências • Esse transtorno se caracteriza por delírios
espirituais, religiosas, ação do demônio, bem organizados e sistematizados, às
dificuldades na vida que todos têm, etc. vezes com temática complexa.
• É também comum os pacientes negarem • Alucinações não devem ser o elemento
que tenham necessidade de tratamento, proeminente do quadro, mas, se
acompanhamento médico, psicológico ou ocorrerem, geralmente têm relação com o
tratamento medicamentoso. tema do delírio.
• O transtorno delirante ocorre geralmente Melhor prognóstico para tais episódios
em sujeitos com mais de 40 ou 50 anos de psicóticos
idade e costuma ter curso crônico e
Sintomas rapidamente mutáveis, tanto
estável.
em sua natureza como em sua
• A duração do delírio deve ser de no
intensidade, às vezes, de um dia para
mínimo um mês (DSM-5) ou três meses
outro, ou no mesmo dia.
(CID-11), mas em geral é mais longa,
Surgimento de sintomas exuberantes
podendo perdurar anos.
e floridos, sobretudo em casos de
• A parafrenia é um termo de tradição início bem agudo e com estressores
psicopatológica que considera os sintomas importantes que desencadeiam o
surgindo após os 50, 60 anos,
quadro.
anteriormente denominada como
esquizofrenia tardia. Diagnóstico Diferencial
Transtornos psicóticos agudos O transtorno psicótico agudo pode confundir-se
com transtorno de estresse pós-traumático ou
• Semelhante os sintomas da esquizofrenia, com quadros graves e prolongados de transtorno
porém seu surgimento é agudo, abrupto, dissociativo (frequentemente denominado na
em duas semanas, assim como a remissão tradição psicopatológica de histeria).
é relativamente rápida.
• Não implicam deterioração da vida social Transtornos ou traços de personalidade do grupo
ou empobrecimento psíquico em forma B (sobretudo transtornos da personalidade
de sintomas negativos ou perdas borderline e histriônica) e transtorno da
cognitivas. personalidade esquizotípica e traços de
• A duração do episódio não deve personalidade do tipo “psicoticismo”, podem
ultrapassar três meses (CID-11) ou um predispor as pessoas a apresentar transtorno
mês (DSM-5), mas, de modo geral, dura psicótico agudo/breve.
de poucos dias a um mês.
• Uma parte desses casos surge após
estressores evidentes, como assalto,
acidente grave de trânsito ou de trabalho,
morte de parentes ou amigos queridos,
perder-se em uma cidade ou em uma
floresta, entre ouras situações.
• No transtorno psicótico agudo,
predominam sintomas floridos, como
ideias delirantes ou paranoides,
alucinações visuais e/ou auditivas, certa
confusão mental e turbulência emocional,
também pode haver ansiedade acentuada
e medos difusos.
• Sintomas catatônicos também podem
estar presentes.
• Os sintomas tipicamente mudam muito, Transtorno Esquizoafetivo
tanto em sua natureza como em sua
intensidade, às vezes, de um dia para • De acordo com o DSM-V o transtorno
outro, ou no mesmo dia. esquizoafetivo caracteriza-se pela
presença de sintomas da esquizofrenia
associado com sintomas de episódio de
depressão maior ou maníaco, porém exige
2 semanas de delírios ou alucinações na
ausência de episódio depressivo maior ou
mania.

Conclusão
1. Os sintomas psicóticos são
marcadamente conhecidos na
esquizofrenia, inclusive essa é a mais
conhecida das síndromes psicóticas.
2. Nos transtornos psicóticos observamos:
esquizofrenia, transtorno delirante
agudo e transtorno esquizoafetivo.
3. Esses transtornos, principalmente a
esquizofrenia são conhecidas por suas
consideráveis nas alterações nas funções
mentais.

Você também pode gostar