Você está na página 1de 24

c 

Marco Antônio Maia

 
Vivências: Uma aprendizagem efetiva p.33

CLASSIFICAÇÃO: ESPECTATIVAS

OBJETIVO:

ë Despertar o interesse para a participação.


ë Levantar as expectativas e discutir os objetivos do curso.
ë Trabalhar a criatividade.

TAMANHO DO GRUPO: até 30p.

TEMPO: 1h

ARRANJO FÍSICO: Sala ampla

MATERIAIS:

ë Papel ofício
ë Folha de flip-chart
ë Lápis de cera
ë Fita gravada ou cd de música orquestrada suave
ë Aparelho de som compatível

PROCESSO:

ë Utilizando o fundo de música suave, o (F) deverá pedir aos (P ) que


busquem na memória qual foi a motivação inicial de fazer o curso.
ë Pensar em como foi a chegada: o (P) encontra desconhecidos e/ou
conhecidos, etc.
ë Refletir sobre as expectativas em relação ao curso, o que espera levar,
aprender, etc.
ë Informar ao grupo que cada (P) vai receber papel e lápis de cera para
fazer um desenho. Devem procurar um local adequado e transferir para
o papel todos esses pensamentos e expectativas de forma criativa.
ë Dar um tempo de 20 nim. Logo após, os (P) voltam para o grupo e
debatem como foi o processo de cada um.
ë A partir das realizações individuais, verificar quais contribuições poderão
ser dadas para o sucesso do grupo e do curso. Agora, o (F) orienta os
(P) para irem ao painel, informando -lhe que irão fazer um desenho do
grupo, colocando seus sentimentos, expectativas e contribuições.

CICLO DE APRENDIZAGEM VIVENCIAL


RELATO DE SENTIMENTOS

No grupo, os (P) relatam os sentimentos experimentados.

PROCESSAMENTO:

Como foi o processo? Como foi para cada um fazer o trabalho?

GENERALIZAÇÃO:

Que contribuições a vivência trouxe que podem ser aplicadas no seu dia -a-dia.

VARIAÇÕES:

Pode ser usada também para avaliação de curso. Solicitar aos (P) que façam
um desenho que represente os resultados alcançados.

˜  
: Pode ser usada para o primeiro ENCONTRO DE LÍDERES e o
resultado do desenho do grupo pode ser a logomarca de uma camiseta do
curso.
IMPACTO

Beatriz Flecha

 
Vivências: Uma aprendizagem efetiva p.49

CLASSIFICAÇÃO: QUEBRA-RESISTÊNCIAS

OBEJTIVO:

ë Esvaziar os aspectos destrutivos do grupo, quando perceber sinais de


resistência ao treinamento, no ínicio das atividades.
ë Trazer á tona comportamentos contraproducentes para o trabalho em
grupo, ludicamente.

TAMANHO DO GRUPO: Até 20(P)

TEMPO: 30 NIN

ARRANJO FÍSICO: Subgrupos de 5(P)

MATERIAIS:

ë Papel Ofício
ë Canetas ou lápis

PROCESSO:

ë Solicitar aos (P), após as apresentações, que se dividam em subgrupos


de 5 (P).
ë Distribuir o material.
ë Dar a instrução:

³Vocês terão agora a oportunidade de usar, ao máximo, a criatividade do


grupo. Escrevam, num prazo de 5nim, em pelo menos 50 itens, idéias sobre o
que vocês podem fazer para sabotar este treinamento, a partir de agora´. (O
princípio é deixar jorrarem idéia s, não devendo o (F) se apegar à quantidade
delas.)

ë Após todos haverem terminado, solicitar cada subgrupo que eleja,


dentre as suas idéias geradas, as duas mais eficazes e as duas mais
criativas, para apresentar no grupo aberto.
ë Conduzir as apresentações dos subgrupos.

CICLO DE APRNDIZAGEM VIVENCIAL

RELATO DE SENTIMENTOS:

ë (P) em círculos
ë Distribuir papel e hidrocor
ë Solicitar aos (P) que pensem nos momentos nos sentimentos
experimentados durante a Vicência
ë Pedir que, de uma forma estilizada (ex: l l, etc.) desenhem a
expressão facial que melhor reflita seu(s) sentimento(s)
ë Cada (P) apresenta o desenho e relata para o grupo

PROCESSAMENTO

ë Consegui me fazer entender porque....


ë Gostei quando foi dito que....
ë Me senti bem ao perceber que...

GENERALIZAÇÃO:

Enfatizar que, através do negativo, você também constrói o positivo.

APLICAÇÃO:

Proceder ao contrato psicológico.


TESOURO HUMANO

Livro: Jogos Cooperativos: teoria e prática p.51/52

OBEJETIVO:

Onde há muita gente que não se conhece, este jogo serve para pôr tod os de
pé em busca do ³Tesouro Humano´. Como a gente encontra coisas comuns,
que compartilha com os outros, quebra -se o gelo de uma forma muito
agradável. Também descobrimos o valor do jogo para grupos que já se
conhecem, porque vão descobrindo aspectos que não sabiam.

ANTES DE JOGAR:

O facilitador deve elaborar, com antecipação, uma série de instruções que os


participantes tentarão seguir, levando em conta algumas características do
grupo.

Deve haver cópias para todos os participantes. (No caso de faltarem cópias na
última hora, pode-se entregar uma folha para duas pessoas para que
trabalhem em parceria.)

Por exemplo, a seguinte folha foi usada com um grupo de professores:

Bem-vindos!
Procure alguém que você não conhece muito bem. Apresente -se.
Procure alguém que festeja aniversário no mesmo mês que você.
Procure alguém que toca algum instrumento musical.
Procure uma pessoa que considere criativa.
Procure que compartilharia um segredo com você.
Procure alguém que quer fazer uma brincadeira com você.
Procure alguém que goste de escrever
Procure alguém que pode recitar parte de algum poema.

JOGANDO:

O facilitador distribui as folhas e explica que o objetivo do jogo e tratar de


preencher a folha com os nomes das pessoas procuradas. Para fazer isso os
participantes terão que conversar entre si, com a folha e lápis na mão.

OUTRA PISTA PARA ENCONTRAR O TESOURO:

O facilitador deve animar todos a colocarem -se de pé e começarem a


conversar. A idéia é tentar responder a todas as perguntas, mas se não dá, não
importa. Por exemplo, pode acontecer que alguém não encontre outra pessoa
que festeja seu aniversário no mesmo mês. (Os participantes devem preencher
os espaços em branco com o nome da pessoa que completa a questão.) Não
importa a ordem em que se preencha a folha.

Antes dissemos que este jogo serve para um grupo que não se conhece,
entretanto descobrimos o valor d este jogo também para pessoas que se
conhecem. Por exemplo, utilizamos o mesmo com grupos que trabalham
juntos: professores, estudantes e outras equipes de trabalho. Escutamos
muitos comentários:

³Luiza e eu trabalhamos juntos durante anos, e eu não sabia que ela festeja
seu aniversário no mesmo mês que eu´.

Conforme o grupo pode ser modificado as instruções, buscando brincadeiras


mais ousadas (ou de maior confiança).

OUTROS EXEMPLOS

ë Procure alguém que se pareça com você em alguma coisa. Diga-lhe por
quê.
ë Procure alguém que gostaria de uma mensagem. Faça -lhe uma.
ë Procure alguém que calça o mesmo número de sapatos que você.
Troquem de sapatos.
ë Procure duas pessoas que junto com você apresentam um teatro para o
grupo.
ë Procure duas pessoas que está enamorada.
ë Procure dias pessoas que repartem os afazeres do lar com seu
companheiro.
QUEM SOU EU

 
Jogos de Cintura p.39

FINALIDADE
Integração do grupo/ grupo que não se conhece/ apresentação socializada.

CARACTERÍTICAS
Autoconhecimento/ descobertas/ memória

MATERIAL
Cartolinas/ caneta hidrocor/fita adesiva

DESCRIÇÃO
Individualmente, cada um escreve num círculo de cartolina: seu nome, signo do
zodíaco e duas características marcantes que acha que os outros lhe atribuem.
Em seguida, escolhe-se entre o grupo um parceiro para conversar. A dupla
então troca informações pessoais aprofundando o conhecimento mútuo. Ao
comando do monitor, forma -se um círculo onde um apresenta o outro. As
cartolinas com as informações pessoais são mostradas ao grupo.

OBSERVAÇÕES
ë As cartolinas podem ficar expostas durante o encontro criando um
ambiente de intimidade.
ë Uma conversa posterior sobre o grupo, seus limites, barreiras
pessoais....
ESTIMULO OU ESTRESE?

 
Dinâmicas de grupo para Desenvolvimento do Potencial Humano p.31

OBEJETIVOS
ë Refletir a respeito da diferença que existe entre estimular os colegas da
equipe de trabalho e promover o estresse no grupo.
ë Exercitar a colaboração entre as pessoas de um mesmo grupo.
ë Refletir a respeito da responsabilidade individual de cada elemento da
equipe para um bom resultado final.
ë Exercitar a competitividade saudável e produtiva num grupo.

MATERIAL

ë Dois chapéus.
ë Uma caixa de papelão com aproximadamente 40cm de largura x 80cm
de comprimento x 20cm de altura.
ë Música-tema da minissérie ³Swat´ ou ³Chips´, ou outra bem agitada.

PROCESSAMENTO

a) O facilitador dividirá os participantes em duas equipes com igual número


de componentes. Caso o grupo esteja constituído por número ímpar,
uma pessoa será convidada a exercer o papel de ³fiscal´ na atividade
(ficará observando o desempenho dos participantes). O facilitador
alertará também que todos deverão estar calçados.
b) Cada equipe deverá se posicionar a aproximadamente um metro de
distância da outra, formando duas fileiras (uma pessoa ao l ado da outra
em cada fileira).
c) Entre duas fileiras e no centro delas, será colada a caixa de papelão.
d) O facilitador oferecerá um chapéu para o primeiro participante de cada
uma das equipes.
e) Os participantes serão orientados para que, assim que a música
começar a tocar, o primeiro deverá colocar o chapéu na cabeça, sentar
no chão, tirar o sapato do pé direito, levantar -se, colocar o sapato na
caixa de papelão ( pode atirá -lo de longe ou ir até a caiza para colocá -lo
dentro dela), voltar para seu lugar e colo car o chapéu na cabeça do seu
colega da direita.
f) A tarefa prosseguirá com essa regra até a última pessoa de cada fileira.
g) Está última pessoa, após ter executado o procedimento como as outras,
deverá, com o chapéu na cabeça, correr até o início da sua fileira e
colocar o chapéu na cabeça do primeiro colega.
h) Este, então, terá que, sem deixar o chapéu cair, correr até a caixa,
procurar seu sapato, voltar para seu lugar, sentar-se no chão, calçar seu
sapato, ficar de pé e colocar o chapéu na cabeça do colega da direita.
i) ³A tarefa prosseguirá dessa forma até que uma das equipes a conclua
primeiro e conseqüentemente µvença´ a brincadeira.

Obs: se o facilitador julgar pertinente, poderá premiar a equipe vencedora


com uma caixa de bombons ou outro prê mio que considere válido para esse
fim.

PONTOS A SEREM LEVANTADOS NA DISCUSSÃO

ë As equipes seguiram todas as regras do jogo?


ë Alguém tentou burlar propositadamente alguma regra?
ë As pessoas de uma mesma equipe incentivaram o colega que estava
realizando sua etapa ou gritar am desordenadamente provocando um
clima de anarquia?
ë Todos se sentem incentivados com esse tipo de estímulo, ou
algumas pessoas produzem melhor num ambiente mais tranqüilo?
ë As pessoas se concentraram na tarefa as sua equipe ou ficaram
vigiando o desempenho da outra equipe, assinalando falhas, por
exemplo?
ë Cada um deu o melhor de si para a sua equipe, entendendo que
dependia de cada um o resultado final?
ë Se houver alguém com dificuldade em alguma das etapas (por
exemplo, para se sentar e levantar do chão), e ssa pessoa foi
auxiliada pelos colegas, ou a única forma de auxílio que a equipe
ofereceu foi verbal?
ë Como é o auxílio que prestamos ou recebemos na nossa rotina de
trabalho?
ë Conseguimos perceber que a contribuição individual é necessária
para o bom resultado final da tarefa? Sabemos pedir e aceitar auxílio
dos colegas de equipe?
BAILE DE MÁSCARAS

 
 Dinâmicas de grupo para Desenvolvimento do Potencial Humano
p.33/34

OBJETIVOS
ë Estimular o grupo a refletir sobre as possibilidades de cada pessoa
como membro de uma mesma equipe.
ë Promover o lúdico e estimular a criatividade.
ë Oferecer espaço para que as pessoas manifestem suas idéias e seus
pensamentos sobre o trabalho em equipe.
ë Refletir e redescobri a potencialidade de cada pessoa em uma equipe de
trabalho.

MATERIAL

ë Músicas:

³Noite dos Mascarados´ (Chico Buarque - interpretada por Simone).

³Redescobrir´ (Gonzaguinha- interpretada por Elis Regina).

ë Uma cópia da letra da música ³Redescobrir´ para cada participante


(opcional).
ë Lousa ou flip chart.
ë Uma máscara (simples, do tipo máscara de carnaval) previamente
confeccionada em cartolina branca para cada integrante do grupo (já
com elástico ou fio de silicone para, posteriormente, ser colocada no
rosto).
ë Giz de cera, hidrocores, pedaços de lã, pedaços de papel crepom,
lantejoulas (todos esses materiais deverão ser de cores variadas e
vibrantes).
ë Alguns tubos de cola branca, rolos de fita adesiva e tesouras.
ë Alguns rolos de serpentina (que ficarão com o facilitador).

PROCEDIMENTO

a) O facilitador distribuirá uma máscara de cartolina branca para cada


participante e colocará o restante do material (menos as serpentinas) no
centro da sala.
b) Solicitará que cada participante sirva -se á vontade do material disponível
e ornamente, da melhor maneira possível, sua másca ra de cartolina
branca.
c) Delimitará um espaço no centro da sala, onde cada participante deverá
depositar sua máscara, após tê-la ornamentado.
d) Orientará que, de pé e em círculo, todos examinem as máscaras e,
mentalmente, cada um escolha uma para si (que não seja a sua)- aquela
com o qual mais se identificou. Sugerirá, ainda, que façam também uma
segunda opção, para caso de haver coincidências de escolha com
algum outro colega.
e) A um sinal do facilitador, todos ao mesmo tempo deverão pegar a
máscara escolhida e colocá-la no rosto.
f) Será então iniciado um ³baile de máscaras´ ao som da música sugerida;
os participantes deverão dançar, promovendo, assim, a descontração do
grupo. Enquanto ³brincar´, o facilitador lançará as serpentinas, criando
um ambiente de carnaval.
g) Ao término da musica (e do baile), cada participante deverá procurar
quem pegou a máscara que ele confeccionou e com essa pessoa formar
um par.

h) OBS: Nesse momento o facilitador explicará que o participante que


pegou a máscara confeccionada por uma determinada pessoa poderá
formar par com um outro colega pra conversar. Essa pessoa deverá,
então, aguardar que encerrem a conversa e depois dialogar com ela.
i) O tema de conversa entre os pares será:
j) Quais seriam as características que você gostaria de ver inseridas na
sua equipe de trabalho e por que você sente que elas seriam
importantes?
k) Quais seriam as características que você gostaria de ver abolidas da
sua equipe de trabalho e por que você sente que elas incomodam?
l) Após todos encerrarem o diálogo com seus pares, o grupo será
convidado a sentar-se em círculo e cada pessoa deverá dizer:
m) Quem pegou a máscara que foi confeccionada por você, e o que essa
pessoa gostaria de inserir e abolir da própria equipe de trabalho.
n) Na lousa ou flip chart, o facilitador anot ará em duas colunas distintas as
propostas das pessoas do grupo.
o) Será aberta a discussão em plenária.

p) PONTOS A SEREM LEVANTADOS NA DISCUSSÃO

ë Os membros do grupo concordam com as características relacionadas


nas colunas?Sugerem mais algumas?
ë Tentam inserir alguma dessas características na prática diária ou aboli -
las dessa prática?
ë Responsabilizam-se, como membros das equipes, pela exixtência ou
ausência desses fatores?
ë Quais as dificuldades encontradas na rotina diária para propor e
acompanhar propostas de mudanças?
COMPLEMENTO DESTA DINÂMICA

ë Após a discussão em plenária, o facilitador solicitará que cada


participante coloque novamente a máscara que confeccionou (deverá pegá -la
com quem estiver com ela nesse momento), que todos formem uma roda e
dancem juntos ao som da música ³Redescobrir´.
ë Essa etapa é importante principalmente para descontração e
fechamento da dinâmica por ser um exercício que provoca certa tensão
emocional entre os participantes, dada a profundidade das discussões.
ë Será distribuída uma cópia da letra da música para cada participante
(opcional).

REDESCOBRIR (Gonzaguinha)
Como se fora brincadeira de roda, memória
Jogo do trabalho na dança das mãos, macias
O suor dos corpos na canção da vida, história
O suor da vida no calor de irmão, magia
Como um animal que sabe da floresta, perigosa
Redescobrir o sal que está na própria pele, macia
Redescobrir o doce no lamber das línguas, macias
Redescobrir o gosto e o sabor da festa, magia
Vai o bicho homem fruto da semente, memória
Renascer da própria força, própria luz e fé, memória
Entender que tudo é nosso, sempre esteve em nós, história
Somos a semente, ato, mente e voz, magia
Não tenha medo, meu menino lobo, memória
Tudo propicia na própria pessoa, beleza
Vai como a criança que não teme o tempo, mistério
Amor se fazer é tão prazer que é como se fosse dor, magia
Como se fora brincadeira de roda, memória
Jogo do trabalho na dança das mãos, macias
O suor dos corpos na canção da vida, história...
FESTA DE COMEMORAÇÃO

 
Dinâmicas de grupo para Desenvolvimento do Potencial Humano p.41

OBEJTIVOS
ë Refletir sobre o papel do líder, lembrando que ele depende o
direcionamento dos trabalhos de uma equipe.
ë Refletir acerca da competitividade exagerada entre as várias equipes e
qual a importância que essa característica tem para o líder.
ë Perceber a diferença que ocorre entre equipes que são conduzidas por
líderes e outras, nas quais todos querem determinar a condução das
tarefas.
ë Perceber o líder observador e perceptivo - qual sua importância no grupo
de trabalho e quais são os ganho s que a equipe pode obter com esse
tipo de liderança.
ë Discutir e refletir sobre a aprendizagem das habilidades necessárias á
formação de líderes

MATERIAL
OBS: Para esta dinâmica, serão preparados pelo facilitador, com
antecedência 5 kits (caixas) de material, sendo que cada Kit deverá ser
entregue a cada um dos cinco subgrupos que serão formados.

Kit nÛ1

ë Um papel impresso com seguinte texto: ³Este grupo tem como missão
escolher a data que será comemorada (aniversário, casamento, uma
data histórica, ou outra) e elaborar cartazes, desenhos ou outros itens de
decoração que irão ornamentar o ambiente na hora da festa. É
importante que vocês construam os objetivos sempre os relacionando
com o tema da data escolhida. Usem apenas materiais que acharem
necessários. Não é obrigatório o emprego de todos os itens contidos no
Kit´.
ë Uma folha de papel color-set azul, uma vermelha e uma verde.
ë Uma folha de E.V.A. amarela.
ë Uma folha de cartolina branca.
ë Giz de cera, canetas hidrocor e lantejoulas, em cores diversas.
ë Cola, tesoura, régua, barbante.
ë Um pacote de balões de aniversário (cores diversas).

Kit nÛ2

ë Um papel impresso com seguinte texto: ´Este grupo tem como missão
elaborar um poema para ilustrar o tema da data escolhida. Esse poema
deverá ser transcrito em um cartaz que, depois, fará parte da decoração
do ambiente da festa. Vocês deverão também desenhar, no cartaz,
alguma coisa que lembre o tema da data escolhida. Usem apenas os
materiais que acharem necessários. Não é obrigatório o emprego de
todos os itens do Kit´.
ë Uma folha de papel color-set azul, uma vermelha e uma verde.
ë Uma folha de E.V.A. amarela.
ë Uma folha de cartolina branca.
ë Giz de cera e canetas hidrocor, em cores diversas.
ë Uma caneta hidrocor ponta grossa, na cor preta.
ë Cola, tesoura, régua.

Kit nÛ3

ë Um papel impresso com o seguinte texto: ³Este grupo tem como missão
elaborar o protótipo de um brinde para distribuir aos convidados na hora
da festa. Preocupem-se apenas em elaborar o protótipo, ou seja, não PE
necessário confeccionar um brinde para cada convidado. Esse brinde
deverá estar relacionado ao tema de comemoração da data escolhida e
conter apenas as cores que o homenageiam. Usem apenas os materiais
que acharem necessários. Não é obrigatório o emprego de todos os
itens contidos no Kit´.
ë Uma caixa de sapatos, caixinhas de fósforos e de remédios.
ë Palitinhos de sorvete.
ë Uma folha de E.V.A. amarela, uma azul, uma vermelha e uma verde.
ë Tesoura, lantejoulas, em cores diversas, cola e fita adesiva.

Kit nÛ4

ë Um papel impresso com o seguinte texto: ³Esse grupo tem como missão
confeccionar um emblema que homenageie a data escolhida. O
emblema deverá necessariamente ser desenhado em cartolina branca,
na qual serão aplicadas colagens dos outros materiais, empregando as
cores que se relacionam ao tema escolhido. Usem apenas os materiais
que acharem necessários. Não é obrigatório o emprego de todos os
itens contidos no Kit´.
ë Uma folha de cartolina branca.
ë Uma folha de color-set azul.
ë Uma folha de E.V.A. vermelha.
ë Lantejoulas verdes e amarelas.
ë Uma folha de papel crepom rosa.
ë Tesoura, cola, fita adesiva, lápis, borracha, régua.

Kit nÛ5
ë Um papel impresso com o seguinte texto: ³este grupo tem como missão
confeccionar a maquete de um bolo que será servido na festa. O bolo
deverá ser decorado com as cores que representam a data escolhida e
ter, necessariamente, pelo menos dois andares. É necessário também
que, em cima do bolo, sejam colocados alguns dizeres lembrando a data
comemorada. Usem apenas os materiais que acharem necessários. Não
é obrigatório o emprego de todos os itens contidos no Kit´.
ë Uma caixa de camisa, uma de sapato e duas de eletrodomésticos em
tamanhos diferentes.
ë Uma folha de papel crepom branca, uma rosa, uma azul, uma vermalha,
uma amarela e uma verde.
ë Uma folha de cartolina branca.
ë Florzinhas artificiais, em cores diversas.
ë Cola, fita adesiva, tesoura e caneta hidrocor.
ë Um pedaço de isopor e um estilete.
ë Texto pra leitura e fechamento da dinâmica, ³ nenhum mestre cai do
céu´, extraído do livro O mercador e o papagaio, de Nossrat
Perseschkian.

PROCEDIMENTO

a) O facilitador apresentará a dinâmica ao grupo dizendo:´ Esta é uma


dinâmica que se refere à festa de comemoração de uma data. Para
realizá-la de forma organizada, dividirei o grupo em cinco subgrupos
e percorrei cada grupo distribuindo o material e explicando a missão.
Serão oferecidos 45 minutos para a conclusão das tarefas´.
b) Em seguida o facilitador dividirá o grupo em cinco subgrupos,
distribuirá um Kit de material para Ada um deles e, se for possível,
acomodará os grupos em salas ou cômodos distintos. Se não houver
essa possibilidade, distanciará ao máximo um subgrupo do outro, a
fim de que o desenvolvimento da tarefa de um não interfira no da dos
outros subgrupos.
c) Explicará a cada um dos subgrupos (em separado) que, com o
material contido no Kit, os participantes deverão elaborar parte da
organização da comemoração de alguma data ou evento, conform e
está descrito na missão que receberam.
Sendo assim:
ë Ficará a cargo do primeiro grupo a decoração do ambiente
para comemorar a data escolhida.
ë Ficará a cargo do segundo grupo a elaboração de um poema
para ilustrar a data escolhida.
ë Ficara a cargo do terceiro grupo a escolha de um brinde para
distribuir aos convidados que participarão da comemoração da
data escolhida.
ë Ficará a cargo do quarto grupo a confecção de um emblema
que homenageie a data escolhida.
ë Ficará a cargo do quinto grupo a elaboração da maqu ete do
bolo que será servido na festa de comemoração da data
escolhida.
ë Quando todos os grupos tiverem concluído suas tarefas,
voltarão a se reunir na mesma sala e cada um deverá
apresentar para todos os outros o seu trabalho.
ë Será aberta a plenária para d iscussão da atividade.
ë Após a discussão, o facilitador encerrará a dinâmica com a
leitura do texto proposto, cuja mensagem e aplicabilidade na
rotina diária poderão ser analisadas, caso o grupo assim
deseje.

PONTOS A SEREM LEVANTADOS

ë Os subgrupos perceberam que a festa em questão deveria ser a mesma


para todos, ou cada subgrupo escolheu um tema diferente?
ë Tentaram captar que por trás da explicação inicial do facilitador existia
alguma mensagem implícita, ou nem pensaram a respeito dessa
possibilidade e partiram imediatamente para a execução da tarefa?
ë Alguém se apresentou como líder, percebendo o ³espírito´ da dinâmica e
alertando as equipes, ou as pessoas se preocuparam apenas nas
missões dos grupos de forma individualizada?
ë Nos subgrupos existiram líderes (conduzindo os trabalhos, observando o
tempo de execução) ou todos fizeram a atividade em conjunto sem
prestar atenção a esses fatores?
ë Houve competição entre as diferentes equipes(subgrupos), no sentido
de cada qual quer fazer melhor que a outra sem se preocupar com o
todo, ou esse aspecto foi observado?
ë Se houver algum líder no conjunto, ele tentou passar os outros
subgrupos sua idéia ou apenas se ateve a orientar o seu subgrupo?
ë Nessa dinâmica especificamente, qual seria o direcionamento ideal d e
um líder com relação a toda uma equipe?

OSERVAÇÃO IMPORTANTE: Está é uma dinâmica de aplicação complexa,


devendo o facilitador estar muito bem preparado ao utilizá -la como
instrumento.
TEXTO: NENHUM MESTRE CAI DO CÉU (História oriental)

Um certo mágico estava apresentando sua arte ao sultão e já tinha


conquistado o entusiasmo da assistência. O próprio sultão estava
profundamente admirado e exclamou: ´Deus meu, acudi -me! Que milagre,
que espanto!´.

Mas sei vizir fê-lo parar para pensar ao dizer ³Vossa Alteza, nenhum mestre
cai do céu. A arte do mágico é resultado de seu esforço e prática´.

O Sultão franziu a testa. O comentário do vizir tinha estragado o prazer que


estava sentindo ao contemplar os atos do mágico. ³Ó, homem ingrato!
Como podes pretender que tal habilidade seja fruto da prática? Pelo
contrário, como eu afirmei ou tens talento, ou não tens´. Então, olhou para o
vizir com desprezo e gritou: ³Tu não tens nenhum talento mesmo. Fora
daqui! Para o calabouço´ Lá podereis ponderar minhas pala vras. ³E, para
que não te sintas solitário, para que tenhas uma companhia da tua laia,
compartilharás a cela com um bezerro´.

Desde o primeiro dia de aprisionamento, o vizir começou a seguinte prática:


carregar nos braços o bezerro e subir a longa escada do calabouço. Os
meses se passaram. O bezerro tornou-se avantajado novilho e, como a
prática diária, a força do vizir cresceu também grandemente.

Um dia, o sultão recordou do prisioneiro na masmorra. Mandou que o


trouxessem a ele. Quando deitou os olhos sob re o vizir, foi dominado pelo
espanto. ³Deus meu, acudi-me! Que milagre, que espanto!´.

O vizir carregando o novilho nos braços esticados, respondeu com as


mesmas palavras da outra vez: ³Vossa Alteza, nenhum mestre caiu do céu.
Em vossa misericórdia, concedestes-me esse animal. Minha força é
resultado de meu esforço e de minha prática.
j  ˜
 
Dinâmicas de grupo para Desenvolvimento do Potencial Humano p.47

OBJETIVOS:
ë Discutir sobre a escolha de líderes e habilidades pessoais necessárias
para exercer essa posição.
ë Refletir sobre a postura dos líderes diante de suas equipes.
ë Exercitar o papel do líder no que diz respeito ás orientações a serem
passadas para uma equipe.
ë Treinar a comunicação dos líderes com suas equipes.
ë Observar as facilidades e dificuldades dos líderes com relação à
comunicação com seus liderados.

MATERIAL

ë Uma folha de papel sulfite para cada participante, na qual deverá estar
previamente desenhado um círculo de 15cm de diâmetro.
ë Giz de cera (ou lápis de cor) para cada participante.
ë Um lenço ou venda de olhos para cada participante.

PROCEDIMENTOS

a) Os participantes serão divididos em cinco subgrupos (equipes), e cada


um deles deverá escolher um líder que irá coordenar a tarefa.
b) Cada integrante das equipes (menos o líder) terá os olhos vendados, e a
eles será fornecida uma folha de papel sulfite com o desenho do círculo
e um giz de cera ou lápis de cor.
c) A missão do líder consistira em conduzir verbalmente seus liderados a
fim de que cada um pinte o interior do seu cí rculo da melhor maneira
possível, tendo os olhos vendados.
d) Antes do início da tarefa o facilitador avisará que todos terão apenas 15
minutos para a conclusão dos trabalhados.

PONTOS A SEREM LEVANTADOS NA DISCUSSÃO

ë As equipes elegeram com facilidade seus re spectivos líderes?


ë Os líderes se sentiram à vontade nesse papel ou prefeririam participar
como membros de equipe?
ë Os líderes conseguiram se comunicar satisfatoriamente com os
participantes de suas equipes ou com apenas alguns deles? Porque
acham que isto aconteceu?
ë Os participantes das equipes auxiliaram, dificultaram ou se mantiveram
neutros com relação à comunicação do líder?
ë Os líderes observaram o fator ³tempo e execução da tarefa´
organizando-se previamente para respeitá-lo?
ë Os líderes sentiram-se satisfeitos com os resultados finais de suas
equipes?
ë Os líderes conseguiram avaliar suas falhas e aceitar as sugestões de
outros líderes na etapa da discussão da dinâmica?
ë As pessoas que se sentiram confortáveis nos papéis de líderes
obtiveram melhor resultados que as outras? A que isso pode ser
atribuído?
ë Os membros das equipes conseguiram perceber, por meio da atividade,
que, para uma boa condução da liderança todos necessitam colaborar?
 c j˜˜

 
Dinâmicas de grupo para Desenvolvimento do Potencial Humano p.49

OBJETIVOS
ë Discutir a respeito do prejulgamento.
ë Refletir acerca da tomada de decisões.
ë Exercitar a habilidade da argumentação (tanto do líder quanto dos
membros de uma equipe).
ë Exercitar a maleabilidade do líder co m relação à aceitação de idéias dos
membros da equipe, revertendo -as para um resultado final satisfatório.

MATERIAL

ë Uma cópia do texto de Armando Veríssimo para cada participante.

AS ESCOLHAS
(Fernando Veríssimo)

Leia com bastante atenção e responda às duas questões propostas:


1. Se você conhecesse uma mulher grávida que já tivesse oito filhos, dos quais
três surdos, dois cegos e um retardado mental, e que tivesse com sífilis...você
recomendaria que ela fizesse um aborto?
2. É tempo de escolher um líder mundial e o seu voto é importante. O
comportamento dos candidatos é:
ë Candidato A: é associado a políticos corruptos e costuma consultar
astrólogos. Teve duas amantes, fuma um cigarro atrás do outro e
bebe de oito a dez Martinis por dia.
ë Candidato B: foi demitid o do trabalho duas vezes, dorme até o meio -
dia usava drogas na universidade e bebia meia garrafa de uísque
toda noite.
ë Candidato C: é um herói condecorado de guerra, é vegetariano, não
fuma, bebe às vezes um pouco de cerveja e nunca teve ralações
extraconjugais.

Qual desses três candidatos você escolheria?

PROCEDIMENTO

a) O facilitador distribuirá uma cópia do texto para cada participante e solicitará


que individualmente, todos reflitam sobre os dois casos apresentado e
respondam ao que foi pedido.
b) Posteriormente, procederá a divisão do grupo em cinco ou seis subgrupos
(dependendo do número de participantes) e orientará que deverão discutir
suas respostas individualizadas.
c) A seguir, cada subgrupo deverá escolher uma única resposta para cada uma
das duas questões. Não será aceita a falta de consenso, sendo, portanto
necessário alguém do grupo para conduzir e sincronizar o pensamento de
todos em busca de uma solução única.
d) Caso o grupo não chegue a um consenso, as respostas às questões deverão
ser escolhidas pelos líderes dos subgrupos.
e) Cada Líder de subgrupo apresentará em plenária a opção para cada uma das
suas questões.
f) Será iniciada a discussão e posteriormente o facilitador apresentará ao grupo
as respostas das questões.

PONTOS A SEREM LENVANTADOS

ë Houve o surgimento de um líder espontâneo em cada grupo no momento das


discussões.
ë As pessoas respeitaram a condução do líder ou quiseram impor suas idéias?
ë Baseado em que fatores o líder conduziu seus respectivos subgrupos para que
fosse feita uma determinada escolha?
ë Existiu adequação nas argumentações apresentadas pelos líderes?
ë Os líderes exploraram as idéias dos membros das equipes, revertendo -as para
uma escolha produtiva?
ë Quais são os fatores de maior relevância para a escolha de um líder?
ë Que tipo de líder cada subgrupo teve?
ë Quais as características mais importantes de um líder num momento de tensão
em um debate?
ë Baseados em que fatores os líderes de equipes escolheram suas respostas?
OBSERVAÇÃO: Após a discussão em plenária, o facilitador apresent ará ao
grupo quem eram os personagens dos dois casos propostos para discussão.
ë Questão 1: se vocês recomendaram que aquela mãe fizesse um aborto,
acabaram de matar Beethoven.
ë Com relação à questão 2:
O Candidato A é Franklin Roosevelt.
O Canditado B é Winston Churchill.
O Candidato C é Adolph Hitler.
Depois de as respostas terem sido esclarecidas ao grupo, pode -se abrir novos
debates, enfocando a questão do prejulgamento, caso o grupo assim o deseje,
ou encerrar a dinâmica com o pensamento de Armando Veríss imo. ³Nem tudo
o que brilha é ouro, e nem tudo o que é outro deve brilhar. O importante são as
decisões que você toma no caminho e como elas o ajudam a chegar ao final´.
˜c˜c˜
 
Dinâmicas de grupo para Desenvolvimento do Potencial Humano p.53

OBJETIVOS
ë Exercitar a comunicação do líder com os liderados.
ë Exercitar a empatia ao assumir o comando de alguma situação.
ë Observar e perceber as pessoas e suas características individuais, ainda que
elas façam parte de um grande grupo.
ë Perceber os limites individuais, ainda que esteja exercendo uma posição de
liderança.
ë Perceber os inúmeros recursos internos que cada pessoa possui quando
deseja de fato alcançar uma meta.

MATERIAL
ë Uma folha de papel sulfite e uma caneta para cada participante.
ë Dois voluntários do grupo.
ë Texto para fechamento da dinâmica> ³Persistência´ (autor desconhecido).

Vocês têm como missão orientar as pessoas do grupo e desenha um NAVIO.


As regras para execução dessa atividade são:
ë Vocês não poderão em hipótese alguma pronunciar as p alavras: navio mar, rio,
peixe (ou similar), água, meio de transporte, viagem, embarcação, barco (ou
similar).
ë Vocês também não poderão utilizar mímicas.
ë Poderão responder às perguntas do grupo apenas sim ou não.
ë Terão 15 minutos para passar o desenho ao g rupo. Terminado esse prazo
conferirmos quantas pessoas do grupo entenderam a mensagem.

PROCEDIMENTO

a) O facilitador solicitará que duas pessoas do grupo se ofereçam como


voluntárias para a realização desta dinâmica.
b) A cada um dos participantes serão oferecidas uma folha de papel sulfite e uma
caneta.
c) Os participantes estarão dispostos em semicírculo e os dois voluntários ficarão
na frente do grupo.
d) Os voluntários receberão os cartazes com as regras do jogo e poderão discutir
entre si o que desejarem (preferencialmente distantes do grupo), antes de dar
início ao trabalho.
e) Após 15 minutos, o facilitador dará por encerrada a tarefa.
f) Serão observados os trabalhos das pessoas do grupo e será aberta a
discussão da dinâmica.
g) Fechamento da dinâmica com a leitu ra do texto: ³Persistência´
PONTOS A SEREM LEVANTADOS NA DISCUSSÃO

ë As pessoas do grupo entenderam e executaram a mensagem?


ë Quais foram os fatores complicadores para os líderes ao tentarem passar a
mensagem?
ë Os líderes entraram num consenso antes de dar início ao trabalho ou
simplesmente cada um foi passando a idéia para o grupo à sua maneira,
desvinculado do outro líder?
ë Como é, na rotina prática, quando as equipes têm mais de um líder?
ë A equipe se empenhou em captar as idéias dos líderes?
ë Qual foi a atitude dos líderes em face do tumulto (se este existiu) provocando
pela equipe, na tentativa de entender a mensagem?
ë Os líderes persistiram na explanação da questão, mesmo com aqueles que
aparentemente não estavam entendendo a mensagem, ou os deixaram de
lado?
ë Desejaram fortemente ser compreendidos e por isso, algumas vezes, mudaram
suas estratégias ou se mantiveram sempre na mesma linha de explanação?
ë Os líderes atingiram satisfatoriamente seus objetivos? Se si, a quais fatores
atribuem o alcance da meta? Se não, o que pode riam ter modificado para
alcançá-la?

PERSISTÊNCIA

(Autor desconhecido)

Um homem investe tudo o que tem numa pequena oficina. Trabalha dia e noite,
inclusive dormindo na própria oficina. Para poder continuar nos negócios,
empenha as jóias da esposa. Quando apresenta o resultado final de seu
trabalho a uma grande empresa, dizem-lhe que seu produto não atende ao
padrão de qualidade exigido. O homem fica desiste? Não! Volta à escola por
mais dois anos sendo vítima da maior gozação dos seus coleg as e de alguns
professores que o chamavam ³visionário´. O homem fica chateado? Não! Após
dois anos, a empresa que o reusou finalmente fecha contrato com ele.

Durante a guerra, sua fábrica é bombardeada duas vezes, sendo que grande
parte dela destruída. O homem se desespera e desiste? Não! Reconstrói sua
fábrica, mas um terremoto novamente a arrasa. Essa é a gota d`água e o
homem desiste? Não!

Decide então montar uma fábrica para essa novíssima invenção. Como não
tem capital, resolve pedir ajuda pra mais de 15 mil lojas espalhadas pelo país.
Como a idéia é boa consegue apoio de mais ou menos cinco mil lojas, que lhe
adiantam o capital necessário para a indú stria.
Encurtando a história: hoje a Honda Corporation é um dos maiores impérios da
indústria automobilística japonesa, conhecida e respeitada no mundo inteiro.
Tudo porque o Sr. Soichiro Honda, seu fundador, não se deixou abater pelos
terríveis obstáculos que encontrou pela frente.