Você está na página 1de 16

Acessibilidade nos Meios Arquitetônico e Urbano

Apresentação
Trabalhar com a população atendida pela Assistência Social é conviver com uma clientela que
não está tendo acesso a serviços públicos. A dificuldade de locomoção e a falta de
informações são alguns dos empecilhos dessas pessoas participarem ativa e produtivamente,
de forma independente, na vida social. A busca do Desenho Universal nos projetos públicos é
uma das formas preventivas para a obtenção de resultados reais. Este manual é a contribuição
a todos os serviços públicos na busca da integração de pessoas com dificuldade de
locomoção na sociedade. Atender a Lei Orgânica da Assistência Social é a nossa parte. Cabe a
todos o esforço da implantação de um espaço democrático onde poderemos viver juntos
como cidadãos.
Fani Lerner

A acessibilidade é um conceito ligado à qualidade do Projeto baseando-se num conjunto de


especificações, de normas, de legislação e principalmente em conscientização das diversidades. Na
sensibilização dos profissionais da área de Arquitetura e Engenharia, que formularão suporte técnico
regional para soluções comuns nos níveis possíveis, estabelecendo exigências mínimas a serem
observadas na acessibilidade do espaço edificado, quer seja ele de domínio privado ou público.
Este trabalho levará os leitores a um contato com a NBR9050-1994, norma esta referencial técnica de
acessibilidade - sendo instrumento confiável e indicadora de critérios mínimos de qualidade e conforto
ambiental.
Aprender a lidar com as limitações impostas por séculos de barreiras arquitetônicas, que endurecem
a percepção de projetistas e os levam a desperdiçar na Arquitetura sua vocação como veículo de
integração social, e as possibilidades de ocupação democrática dos espaços construídos para todos
indivíduos, independente de suas características físicas, sensoriais e mentais.
A inserção do conceito de acessibilidade junto a esses profissionais servirá de fator multiplicador.

PLANEJAR / PROJETAR / CONSTRUIR PARA TODOS.

Acessos Principal Edificação


(Conforme Capítulos 6, 9 e 10/ABNT - NBR 9050/1994)

1. Rampa: largura mínima 1,20m; inclinação longitudinal conforme percurso (ver


Tabela 2 - NBR 9050/1994); inclinação transversal máxima 2%; guias de
balizamento com altura mínima de 5cm.
2. Escada: largura mínima 1,20m; inclinação transversal máxima 2%; degraus
com espelho entre 16 e 18cm, e piso entre 28 e 32cm.
3. Patamar em frente à porta: medindo no mínimo 1,20m na direção do
movimento; inclinação transversal máxima 2%.
4. Corrimão e guarda-corpo: altura de instalação 0,92m do piso; de material
rígido; firmemente fixado em barras de suporte. O corrimão deve prolongar-se
pelo menos 0,30m antes do início e após o término da rampa, sem interferir
na área de circulação.
5. Piso início/término rampa e escada: faixa com textura diferenciada (mínima
28cm) ocupando toda a largura da rampa e da escada.
6. Piso externo: com superfície regular, firme, estável e antiderrapante, sob
qualquer condição climática.
7. Árvores: sem ramos pendentes, garantindo altura livre mínima de 2,00m a
partir do piso.
8. Porta acesso principal: vão livre mínimo 0,80m; sem desnível na soleira.
9. Indicação visual de acessibilidade: através do Símbolo Internacional de
Acesso.

Comunicação e/ou Sinalização


A Comunicação e/ou Sinalização (conforme capítulos 6 e 10/ABNT - NBR
9050/1994) deverá ser informativa, indicativa e direcional da localização do
acesso adequado às pessoas portadoras de deficiências. Sob as formas de
indicação visual de acessibilidade (Símbolo Internacional de Acesso),
comunicação tátil (Braille e diferenças de texturas de superfícies) e comunicação
auditiva (sinalização sonora padronizada) deverão aparecer:

• nos acessos principais;


• nas circulações (horizontal e vertical);
• no mobiliário urbano;
• nos acessos de veículos a estacionamento e garagem;
• nas vagas para veículo.

Mobiliário Urbano
• Rampas em Passeio
• Passeio

Mobiliário Urbano
Rampas em Passeio

(Conforme capítulos 6, 9 e 10/ABNT - NBR 9050/1994)

1. Rampa construída junto à faixa de travessia de pedestre: largura mínima


1,20m; declividade máxima 12,5%; piso com textura diferenciada da do
passeio.
2. Travessia pedestre: demarcada.
3. Faixa para circulação: livre e contínua com largura mínima de 1,20m;
inclinação transversal máxima 2%; pavimento com superfície regular, firme,
estável e antiderrapante sob qualquer condição climática.
4. Semáforo em travessia de pedestre: deverá ter dispositivo para
atendimento aos portadores de deficiência visual, acionado por estes.
5. Mobiliário urbano e/ou infra-estrutura urbana (telefone público, caixa
correio, semáforo, poste luz, placas, cesto lixo, floreira, bancos,
quiosque, e outros): deverá ser instalado fora da faixa para circulação.
Todos os objetos, elementos e pequenas construções integrantes da
paisagem urbana devem atender aos requisitos de acessibilidade.
6. Grelha: embutidas no piso, colocadas transversalmente à direção do
movimento de pedestres. Os vãos da grelha não devem exceder à 1,5cm.
7. Vegetação: evitar em áreas de circulação árvores com ramos pendentes
(garantindo altura livre mínima de 2,00m a partir do piso); evitar plantas cujas
raízes possam danificar o pavimento e que seus resíduos tornem o piso
escorregadio.

Mobiliário Urbano
Passeio
(Conforme capítulos 4, 6, 9 e 10/ABNT - NBR 9050/1994)

1. Faixa de circulação: livre e contínua; largura mínima igual a 1,20m.


2. Faixa locação infra-estrutura urbana e/ou mobiliário urbano.
3. Área de manobra sem deslocamento, rotação 360º: círculo diâmetro
mínimo 1,50m.
4. Piso passeio: superfície regular, firme, estável e antiderrapante, sob
qualquer condição climática; inclinação transversal máxima 2%.
5. Elementos (toldos, marquises, placas de sinalização, e outros) com
projeção sobre circulação: deverão situar-se a altura mínima de 2,00m do
piso.

Circulação
• Circulação Horizontal
• Circulação Vertical/Rampa
• Circulação Vertical/Escada Fixa
• Circulação Vertical/Elevador
• Janelas
• Portas

Circulação
Circulação Horizontal

(Conforme Capítulos 6 e 10/ABNT - NBR 9050/1994)

1. Piso: revestimento antiderrapante em qualquer situação, seca ou molhada.


2. Capacho: embutido no piso e nivelado (sob-relevação não excederá 1,5cm).
3. Forração: bordas firmemente fixadas no piso sem enrugamento de sua
superfície.
4. Placa de sinalização: fixada à altura mínima de 2,00m do piso.
5. Elementos fixados abaixo de 2,00m do piso: não poderão sobressair mais
de 0,20m da parede.

Circulação
Circulação Vertical/Rampa
(Conforme Capítulos 6 e 10/ABNT - NBR 9050/1994)

1. Rampa: largura mínima 1,20m; inclinação longitudinal conforme percurso (ver


Tabela 2 NBR 9050/1994); inclinação transversal máxima 2%.
2. Patamar no início e ao final de cada segmento de rampa: medindo no
mínimo 1,20m na direção do movimento.
3. Corrimão: instalados nos dois lados da rampa; de material rígido; firmemente
fixado às paredes. O corrimão deverá permitir boa empunhadura e será
instalado em duas alturas (0,70m e 0,92m do piso), prolongando-se pelo
menos 0,30m antes do início e após o término da rampa, sem interferir nas
áreas de circulação.
4. Piso início/término segmento rampa: faixa com textura diferenciada
(mínima 28cm) ocupando toda largura da rampa.

Obs.: Piso - revestimento antiderrapante sob qualquer situação, seca ou molhada.


Quando revestido com forração, esta deverá ser fixada perfeitamente à superfície.

Circulação
Circulação Vertical/Escada Fixa
(Conforme Capítulos 6, 9 e 10/ABNT - NBR 9050/1994)

1. Escada: largura mínima 1,20m; inclinação transversal máxima 2%; degraus


com espelho entre 16 e 18cm, e, piso entre 28 e 32cm.
2. Patamar: a cada 3,20m de desnível, medindo no mínimo 1,20m na direção do
movimento.
3. Corrimão: instalados nos dois lados da escada; de material rígido;
firmemente fixado às paredes. O corrimão deverá permitir boa empunhadura
e será instalado em duas alturas (0,70m e 0,92m do piso), prolongando-se
pelo menos 0,30m do início e após o término da escada, sem interferir nas
áreas de circulação.
4. Piso início/término lance de escada: faixa com textura diferenciada (mínima
28cm) ocupando toda a largura da escada.
5. Piso: revestimento antiderrapante sob qualquer situação, seca ou molhada.
Quando revestido com forração, esta deverá ser fixada perfeitamente à
superfície.
6. Vestíbulo: dimensão mínima de 1,50m de largura por 1,20m de comprimento,
além da área de abertura da porta.

Circulação
Circulação Vertical/Elevador
(Conforme Capítulos 4, 6 e 10/ABNT - NBR 9050/1994)

1. Cabina do elevador: dimensão mínima 1,10m x 1,40m; com espelho na face


oposta à porta, para permitir visualização de indicações dos pavimentos.
2. Porta: vão livre mínimo 0,80m. A área em frente a porta do elevador terá sua
menor dimensão de 1,50m, além da abertura da porta.
3. Botoeiras e comandos, externos e internos: com comunicação tátil (Braille)
e auditiva (quando houver números de paradas superior a dois).
4. Piso: revestimento antiderrapante sob qualquer situação, seca ou molhada.
Quando revestido com forração, esta deverá ser fixada perfeitamente à
superfície.
5. Indicação visual de acessibilidade: junto à porta do elevador fixar o
Símbolo Internacional de Acesso.

Circulação
Janelas
(Conforme capítulos 4 e 6/ABNT - NBR 9050/1994)

1. Altura da janela: de acordo com limite de alcance visual de pessoas em


cadeira de rodas.
2. Altura comando e trincos: conforme os limites de ação e alcance manual.

Circulação
Portas
(Conforme capítulos 4 e 6/ABNT - NBR 9050/1994)

1. Porta: vão livre mínimo 0,80m; altura livre mínima 2,10m; maçanetas do tipo
alavanca (altura 1,00m); revestida na parte inferior para proteção (altura
mínima 0,40m).
2. Alturas recomendadas para acionamento de dispositivos.
3. Área de aproximação e abertura em espaços confinados: espaço mínimo
de 0,60m contíguo ao vão de abertura.

Equipamento Urbano
• Auditório e Arquibancada
• Estacionamentos/Interno e Vias Públicas

Equipamento Urbano
Auditório e Arquibancada

(Conforme capítulos 6, 8 e 10/ABNT - NBR 9050/1994)

1. Assento: para pessoa portadora de deficiência ambulatória parcial.


2. Espaço: para cadeira de rodas
2.1. Na primeira e última fileiras: piso plano; anteparo para a roda dimensão
0,90m (largura) x 1,20m (comprimento); da cadeira associado a guarda-corpo.
2.2. Fileira intermediária: dimensão 0,90m (largura) x 1,50m (comprimento)
para permitir a manobra sem anteparos; piso plano; anteparo para a roda da
cadeira associado a guarda-corpo.
3. Anteparo associado a guarda-corpo.
4. Peitoril e guarda-corpo quando em frente a um desnível: deverá ser
garantida a visibilidade.

OBS.:
• Circulações: de acordo com o capítulo 6 - NBR 9050/1994
• Sinalização: de acordo com capítulo 10 - NBR 9050/1994.

Equipamento Urbano
Estacionamentos/Interno e Vias Públicas
(Conforme capítulos 6, 8 e 10/ABNT - NBR 9050/1994)

1. Vaga: dimensão mínima fixada pela Legislação Nacional de Trânsito


acrescida de espaço para circulação; demarcada com linha contínua na cor
branca; pintado no piso o Símbolo Internacional de Acesso.
2. Rampa: declividade máxima 12,5%; largura mínima 1,20m.
3. Espaço circulação: largura mínima 1,20m; sinalizada com faixas na cor
amarela (largura 10cm com espaçamento de 30cm).
4. Sinalização vertical: placa (espaço interno) e placa de
Regulamentação/Legislação Nacional de Trânsito (via pública).

OBS.: Pavimento - com superfície regular, firme, estável e antiderrapante sob


qualquer situação, seca ou molhada.

Sanitários e Vestiários
• Banheiros
• Sanitários Públicos e Vestiários
Sanitários e Vestiários
Banheiros

(Conforme capítulos 4, 6 e 7/ABNT - NBR 9050/1994)

BST Bacia Sanitária: altura do assento 0,46m do piso; válvula de descarga


de alavanca (altura máxima 1,00m do piso); barras de apoio na lateral e
no fundo. No caso de transferência somente frontal utilizar barras de
apoio nas duas laterais da bacia sanitária, com distância de 0,80m
entre as faces externas das barras.
LV Lavatório sem coluna ou gabinete: altura 0,80m do piso (com altura
livre de 0,70m); sifão e tubulação com proteção; torneiras de alavanca,
célula fotoelétrica ou formas equivalentes.
BCH Boxe Chuveiro: dimensões 0,90m x 1,10m para transferências
externas; desnível máximo 1,5cm; registros altura máxima 1,00m do
piso (localizados na parede lateral do banco); barras de apoio vertical
(na parede de encosto do banco) e horizontal/vertical (em "L") (na
parede lateral do banco).
BH Banheira: altura 0,46m do piso; registros acionados por alavanca
(posicionados lateralmente à banheira a uma altura máxima de 0,30m
da sua face externa superior).
P Porta: vão livre mínimo 0,80m; área de abertura sem interferir nas
áreas de transferências e/ou aproximação.
Área de transferência frontal ou lateral para bacia sanitária:
dimensões mínimas 0,80m x 1,10 m.
Área de aproximação frontal para lavatório: dimensões mínimas
0,80m x 1,10m .
Área de transferência lateral para chuveiro: dimensões mínimas
0,80m x 1,10m .
Área de transferência lateral para banheira: dimensões mínimas
0,80m x 1,10m .
Área de manobra sem deslocamento, rotação 360º: círculo diâmetro
mínimo 1,50m.
Banco boxe chuveiro (basculante): profundidade mínima 0,45m;
comprimento mínimo 0,70m; altura mínima do piso 0,46m.
Banco banheira: profundidade mínima 0,45m; comprimento igual à
extensão total da cabeceira da banheira e nivelado com a mesma.
Aconselhável a existência de parede ao fundo do banco.

Sanitários e Vestiários
Sanitários Públicos e Vestiários

(Conforme Capítulos 4, 6, 7 e 10/ABNT - NBR /1994)

ISF Instalação Sanitária Feminina


ISM Instalação Sanitária Masculina
ISA Instalação Sanitária Adaptada
BST Bacia Sanitária: altura do assento 0,46m do piso; válvula de descarga
de alavanca (altura máxima 1,00m do piso); barras de apoio na lateral e
no fundo.
LV Lavatório sem coluna: altura 0,80m do piso (com altura livre de
0,70m); sifão e tubulação com proteção; torneiras de alavanca, célula
fotoelétrica ou formas equivalentes.
BCH Boxe Chuveiro - área transferência interna: dimensões livres mínimas
de 0,80m x 1,10m; desnível máximo 1,5cm; registros altura máxima 1,00m do
piso (localizados na parede lateral do banco); barras de apoio vertical (na
parede do encosto do banco) e horizontal/vertical (em "L") (na parede lateral
do banco).
P Porta: vão livre mínimo 0,80m; área de abertura sem interferir nas áreas de
transferência e/ou aproximação; maçanetas do tipo alavanca (altura 1,00m);
barra horizontal para auxiliar no fechamento (altura 0,90m); revestida na parte
inferior para proteção (altura mínima 0,40m); sinalizada com Símbolo
Internacional de Acesso afixado à 1,70m do piso.
Área de transferência lateral: dimensões mínimas 0,80m x 1,10m.
Banco basculante: profundidade mínima 0,45m; comprimento mínimo
0,70m; altura mínima do piso 0,46m.
OBS.: Piso - revestimento antiderrapante sob qualquer situação, seca ou molhada.

Você também pode gostar