Você está na página 1de 2

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Gabriella Nunes Claudio- História/ 3°período

Atividade do texto “O cinismo da reciclagem: o significado ideológico da


reciclagem da lata de alumínio e suas implicações para a educação ambiental”
(LAYARGUES, Philippe)

1- De acordo com Carvalho (1991 apud LAYARGUES, Philippe 2002), há no Brasil


duas matrizes discursivas acerca da questão ambiental: o discurso ecológico oficial,
identificado na narrativa ambientalista empresarial, e o discurso ecológico alternativo,
subversivo à ideologia hegemônica oficial. Dessa forma, a política dos 3R's é
interpretada de maneiras divergentes por essas duas correntes ideológicas. Enquanto a
narrativa oficial enfatiza a reciclagem, como forma de manutenção do sistema
consumista, o discurso ecológico alternativo segue na contramão, propondo uma
mudança cultural de redução do consumo. Por que, segundo o autor, Philippe
Layargues, a corrente hegemônica oficial cria uma visão ilusória a respeito da
problemática do lixo e do meio ambiente?

Resposta: De acordo com Layargues, a problemática do lixo, como defende a corrente


alternativa, é cultural e não técnica, pois se baseia no consumismo, que se dá de forma
exacerbada na sociedade capitalista. Dessa forma, a única maneira de solucionar o
problema de maneira efetiva seria uma mudança no pensamento cultural consumista e
posteriormente a adoção de medidas de reutilização, que gerariam, a longo prazo, uma
diminuição na quantidade de lixo. Com isso, ao reforçar a ideia da reciclagem como
resolução à problemática ambiental, a corrente oficial cria uma visão ilusória ou
limitada do problema real, pois o consumismo gera um risco ambiental maior para a
sociedade moderna com o esgotamento dos recursos ambientais e saturação dos
depósitos de lixos. É o que autor chama de compensação do risco, ao invés de
solucionar de fato o problema, cria-se a oportunidade para manter-se o padrão
convencional de consumo. Nas palavras de Layargues, "recicla-se para não se reduzir o
consumo" (2002), dessa forma, há a permanência do sistema e da problemática
ambiental sob um cenário ilusório de transformação.

2-Diferencie a educação ambiental progressista da educação ambiental liberal,


enunciado os prós e contras de ambas as correntes ideológicas.

Resposta: A educação ambiental progressista visa uma ruptura significativa com a


narrativa ambiental vigente, dessa forma, busca-se uma verdadeira transformação social.
Com isso, propõe a construção do pensamento crítico e de reflexões acerca do sistema
capitalista e suas diversas formas de opressões. Já a educação liberal, embora promova
diversos projetos de reciclagem em escolas, se limita a esse processo pedagógico
mercantil e utilitarista. As escolas se associam as indústrias e promovem atividades que
apenas reforçam a reciclagem como única solução para a questão ambiental, sem
discutir sobre a temática do consumismo, restringindo os alunos a essa visão limitada da
problemática do meio ambiente.

3-Baseado nas questões propostas pelo autor no texto, discorra sobre a importância da
educação ambiental enquanto matéria escolar e na formação do sujeito social.

Resposta: A educação ambiental se caracteriza como uma das disciplinas mais


importantes na atualidade, devido as questões ambientais que urgem, mais do que
nunca, em nosso século. Por isso, é necessário que as gerações futuras tenham uma
verdadeira noção a respeito das problemáticas acerca do consumismo e do sistema
capitalista, e, consequentemente, do esgotamento dos recursos naturais. Por isso,
somente uma educação libertadora e desvinculada das grandes indústrias será capaz de
promover essa consciência nos alunos, formando sujeitos sociais críticos e preocupados
com o meio ambiente.

Você também pode gostar