Você está na página 1de 203

1

Insaciável
Phantom Corps - 01
Lauren Dane
2

Traduzido do inglês
Pesquisa: Mell
Revisão: Sunshine e Babs
Correção final: Varlete
Formatação: Clara

Descrição:

O desejo é a sensação mais perigosa de todas.

Com as tensões entre as ‘Verses’ da Federação e Imperial aumentando, uma mulher pode
ser a chave para a vitória. A perigosa missão de contrabandeá-la para fora do Território Imperial
recai sob Daniel Haws e sua equipe, a ultra-secreta Phantom Corps. Esta tropa de elite da Polícia
Militar da Federação é a única confiável e suficientemente competente para removê-la sob o olhar
atento de seu pai, o Comandante Supremo da ‘Verse Imperial’.
Carina é forçada a vestir uma máscara. Seu pai e os homens dele acham-na como pouco
mais que um prêmio a ser ganho pelo mais cruel homem. Quando é anunciada a intenção de casá-
la com um de seus capangas, um homem conhecido por sua crueldade, Carina sabe que tem que
se mover o mais rapidamente possível, fugir. A obtenção e liberação de informações secretas para
a Federação, feita bem, por anos, agora lhe proporcionará sua única rota de fuga e o apelo é pela
ajuda deles.
Ela esperava resgate de um homem que por princípio tinha sido seu inimigo. Mas não
estava preparada para sua intensa atração por Daniel Haws. Nascidos adversários, em diferentes
posições e na corrida por suas vidas, eles agora precisam um do outro para sobreviver - apegando-
se à única coisa que têm em comum: um desejo crescente, que é perigoso, irresistível e
insaciável...
3

Capítulo 1

Não houve outro som além da pesada respiração e, em seguida, uma inspiração contida
ficou audível. Normalmente, o som teria caído em ouvidos surdos, quando ele simplesmente já
tivesse feito o seu trabalho e ido embora. Então, novamente, normalmente, teria sido mais rápido,
anônimo, o alvo não saberia o que o atingiu, mesmo enquanto sua vida terminava. Hoje Daniel
quebrou as regras e deu um passo mais próximo à sempre espreita escuridão. Ele queria que Saul
Kerrigan visse seu rosto, soubesse que estava morrendo porque ele fez com que fosse assim. Para
que soubesse que estava morrendo pelo que fez. Não apenas para os cidadãos da Federação, mas
para a irmã dele também. Saul Kerrigan era um traidor.
A faca fez seu trabalho como sempre fazia. Mortalmente afiada, deslizou entre as costelas,
movendo-se infalivelmente em direção ao alvo. Foi então que Daniel fez uma pausa para tirar a
máscara de seu rosto. Os olhos de Saul arregalaram-se em reconhecimento e, então, medo. Bom,
mesmo que fosse tarde demais. Daniel colocou os dedos sobre os lábios de Saul.
— Shh. Você não tem muito tempo de sobra. Aqueles olhos cheios de medo se arregalaram
mais ainda — Eu sei que você está surpreso, Saul. Você achou que poderia escapar da ‘House
Lyons’ para sempre? Unir-se ao Império e não ser pego? Achou que poderia torturar e abusar da
minha irmã, sem conseqüências — A voz de Daniel era monótona, sem emoção, mesmo quando a
raiva pintava sua visão, a raiva por esse homem ter prejudicado a pessoa que mais amava em
todas as ‘Verses’.
Ele balançou a cabeça quando Saul caiu de joelhos, sua vida com a pulsação do coração
diminuindo a velocidade. Seu sangue deslizava por entre os dedos, derramando ávido, na terra
seca em seus pés. Zombeteiramente, Daniel suspirou, agachando e descansando nos calcanhares.
— Agora mesmo você está se perguntando como eu o encontrei. Como eu poderia ter
permissão para prejudicá-lo. Você está indignado. Afinal de contas, eu sou a imundície sem
classe.Daniel riu sem alegria. —Assim como você!
Daniel queria lembrar a Kerrigan que ele pressionara Roman demais e fora destituído de
seu posto. Saul estava ainda mais baixo na cadeia do que Daniel, uma vez que Daniel era um oficial
comissionado da corporação militar.
— Até onde você caiu. Já que estamos somente você e eu aqui, Saul deixe-me lhe dizer um
segredo. Isto me tomou mais tempo do que os meus trabalhos habituais fazem, mas ainda não
mais do que um mês normal. Eu sabia que você ia correr. Eu disse a Roman que você nunca estaria
satisfeito com uma vida simples. Achei que você teria esperado mais tempo do que isso, porém.
Tsk1. Mas eu te achei. E agora o meu trabalho está feito. As ‘Verses’ ficarão mais limpas por sua
mancha ter sido removida.
1
Barulho que fazemos com a língua.
4

Daniel secou a lâmina limpa em volta de Saul. Saul se contorcia inutilmente.


— Não se contorça assim. Isto apenas acelera o sangramento. Você está morrendo, Saul, é
melhor realmente viver estes últimos momentos. De volta ao que eu estava dizendo. Eu encontrei
você, porque um de seu povo o traiu. Crédito faz um monte de trabalho nos meus negócios. Ah
sim, meus negócios, Saul. Eu não sou aquela criança impotente que quase foi para a cela porque
defendeu a irmã contra os seus compatriotas quando eles a estupraram. Eu sou algo que você
não pode imaginar, mesmo que você seja um brutal e cruel mentiroso covarde. Este é o meu
trabalho, Saul Kerrigan. Você e sua família me fizeram desse jeito. Minha irmã diria que este é um
caso clássico de ironia. Mas eu acho que é o destino. Aqui estamos, de volta ao ponto de partida2.
Não que isso importe. Você tem menos de um minuto de vida, então aproveite enquanto pode. Eu
sei que apreciarei este momento para o resto dos meus dias. Que são, tenho o prazer de lembrá-
lo, muito mais do que os seus.
Ele se levantou. Atraiu Saul lá para o meio do nada, lá no meio dos desertos de Edge, e lá
era onde ele seria deixado. Uma tempestade de areia estava exatamente para levantar em breve,
limpando o corpo até os ossos. Estava acabado por enquanto. Havia mais pessoas como Saul,
homens e mulheres de família e de posição social, que tinham vendido as informações para os
imperialistas. Essas informações eram usadas para matar seu próprio povo, pessoas inocentes no
trabalho ou no lazer. Saul não foi o primeiro, nem seria o último. Mas Daniel sentiu prazer, uma
sensação de bem-estar e realização quando o matou.
Normalmente, ele estaria assustado. Matar era algo que jamais tinha feito por prazer.
Desta vez, isso significava algo pessoal. Sim, ele tinha feito o seu trabalho e deixou a Federação
mais segura, muito mais do que isso, apagou uma memória ruim para Abbie, erradicou uma
ameaça a um de seus entes queridos. Depois de se curvar para ter certeza de que o trabalho
estava feito, Daniel puxou a máscara de volta ao lugar e dirigiu-se para longe, em direção às
dunas, onde tinha deixado o cavalo3 com a qual chegou. O transporte que trouxera Saul já tinha
ido, eliminado por uma das pessoas de Daniel. Ele estaria fora da ‘Verse’ até o final da hora, e Saul
Kerrigan não estaria mais vendendo segredos. Mas alguém mais estava. O trabalho de Daniel não
estava terminado.
— Ah, sim, entre, Daniel. Você está procurando por Abbie? Ela está descansando lá em
cima. Eu sei que ela vai ficar feliz em vê-lo. — Roman Lyons atendeu à sua própria porta, e isto
ainda surpreendia Daniel. O homem mais poderoso dos Universos Conhecidos tinha dado quase
tudo para se casar com a irmã de Daniel, Abbie, menos de um ano antes. No livro de Daniel, isto
fazia dele quase bom o suficiente para a Abbie. Não havia dúvida de que Roman era um grande
líder, um homem que Daniel seguiria sem questionar. E sem dúvida nenhuma, ele era também um
amigo.
E agora Abbie estava nos primeiros dias de sua primeira gravidez, e Roman, embora já
tivesse dois filhos adultos, adorava-a em sua totalidade. Daniel não podia falar, realmente, ele

2
A expressão correta é Full circle: Quando muitas coisas acontecem e depois voltam a um mesmo ponto de partida,
ou quando as situações se invertem como na expressão: “O mundo dá voltas”.
3
Expressão correta é Pack animal = animal de carga, como mula, burro ou cavalo.
5

gostava muito dela também. Abbie era sua melhor amiga, a pessoa com quem ele sempre fora
capaz de contar. Em ‘Verse’ após ‘Verse’ de estúpidos, traidores e egoístas, isso significava algo.
— Roman, boa tarde. — Ele andou na entrada principal, entregando o seu casaco para
Roman, que não teve a menor dúvida em entregá-lo para algum funcionário ou outro. — Antes de
ir ver a Abbie, eu estive com Wilhelm e ele achou que eu deveria te informar.
O olhar de Roman foi encoberto com a menção de seu superior militar. — Ótimo. Por que
você não vem ao meu escritório sem interrupção. Assim que minha noiva ouvir que está aqui, vou
ter que lutar com ela por cinco minutos a sós com você. — Ele fez uma pausa no caminho pela
estufa, finalmente, rindo com Daniel. — Sim, tudo bem, isso soou pervertido. Mas você sabe o que
quero dizer. Eu estive com sua irmã por muito tempo. Estou começando a ver tudo como sujo ou
engraçado. Uma preferência divertida da nova maneira de ver o mundo.
— Ela é má influência sobre todos nós, Roman. Graças aos deuses — Disse Daniel
secamente quando entraram no escritório na casa de Roman, que acionou a fechadura de
segurança por trás deles. Uma vez que estava atrás de sua escrivaninha, Roman estendeu suas
mãos para fora, procurando por palavras.
— Eu já passei por isso antes. A coisa da gravidez. Não é que eu ache que ela é fraca. Ela
não é. É só que... — Ah, pessoal em primeiro lugar. Daniel movimentou a cabeça. Ele sabia do
passado de Roman e percebeu que era difícil para ele em vários níveis. — Eu sei que o parto
contribuiu para o declínio da saúde da sua primeira esposa. Você não tem que ser o Lyon aqui
comigo, com ela e seus meninos. Eu me preocupo com ela, também. — Ele deu de ombros. — Ela
vai ficar bem. Não há nada que se atrevesse a inflamar sobre ela. Ela é praticamente indestrutível.
Roman perdeu um pouco do medo em seu rosto e suspirou. — Sim. Sim. Eu sei. Ela é tão
pequena e frágil. Mas você está certo, claro. Ela pode ser pequena, mas é forte e, francamente,
não consigo imaginar um bebê mais sortudo do que o que ela está carregando. — E assim tão
rapidamente, ele era todo “negócios” novamente. — Diga-me, então.
— Está feito. Eu o localizei em Asphodel, embora o porquê dele estar lá seja um mistério.
Alguns da nossa gente estão examinando isto. Há algo acontecendo lá fora, no Edge. Não vou
aborrecê-lo com detalhes; Ellis diz que vai falar com você sobre isso quando vocês dois tiverem a
reunião regular.
— As coisas estão em movimento. Eu comecei a acreditar que nossa situação vai ficar mais
negra ainda. Lamento que vá lhe pedir para fazer as coisas, pedir a toda a minha gente para fazer
coisas que vão ser difíceis de se livrar. Lamento, mas continua a ser verdade e continua a ser
necessário. Roman sentou-se e estudou Daniel por um longo tempo sem falar. Daniel ficou em
silêncio, deixando Roman processar o que infernos ele queria condená-lo a fazer. Ele preferia
ação. Lamentar nunca tinha salvado ninguém. Então, novamente, ele não sofria a pressão que o
outro sofria.
— Devido a este novo desafio que temos pela frente, vamos precisar de novas abordagens
e nova liderança. Eu deixei Wilhelm saber que você pode dar minhas específicas instruções no
futuro. Ele riu e riu e disse que eu teria de propor isto a você, uma vez que era — nas palavras
dele, observe — um negócio de merda porque Roman Lyons é uma dor no traseiro.
6

Daniel não tinha nenhum problema em imaginar Wilhelm Ellis dizendo exatamente aquilo.
Ele estava honrado e orgulhoso do que tinha feito, assim como também sentia o início de algo
realmente ameaçador. — Obrigado, Roman, sinto-me honrado. Isto é por causa da minha irmã?
Ele brincou, na esperança de diminuir a tensão um pouco. Roman simplesmente olhou fixamente
para ele, uma sobrancelha levantada.
— Sua irmã fica em cima de mim o tempo todo para mandar você para longe do perigo. É
bom seu trabalho ser segredo, ou ela ia morder meu traseiro por esse lance. — Ele sorriu
rapidamente antes de se acalmar novamente. — Não, eu acho que você é uma pessoa
extremamente qualificada. Você já é a mão direita de Wilhelm e seu grupo é essencial para o que
fazemos. Agora, com coisas tão terríveis, precisamos de você na base e, eu quero ouvi-lo
diretamente sobre o que o Phantom Corps está fazendo. Nosso foco deve mudar para a defesa e o
planejamento de uma ofensiva. As equipes especiais são mais importantes agora do que nunca.
Ele estava inegavelmente contente e lisonjeado com essa ascensão de posição.
— Sim, senhor. Claro que sim. Minha agenda, como você sabe, pode ser instável, mas
espero que possamos resolver isso.
— Nós podemos. Estou muito feliz por ser uma dor no traseiro de Wilhelm enquanto você
está fora da ‘Verse’. Daniel se perguntou o que houve entre os dois poderosos homens que os
tinha ligado tão profundamente. Ele tinha o seu próprio destorcido, complexo e não menos
profundo vínculo com Wilhelm Ellis, não tinha certeza se Ellis tinha alguma coisa além de relações
complexas com as pessoas. — Mais alguma coisa?
— Estou preocupado com a evolução do Edge. Mantenha-me informado das coisas
conforme ocorrerem. Quero saber por que aquele pedaço de lixo estava tão longe.
— Como você, sem dúvida, já está ciente, tem havido acréscimo acentuado de armas para
contratar biz4 no Edge. Mais violações armadas todos os dias. Mais prisões. Estamos vendo e
ouvindo, pedindo favores e tentando fazer dar certo. Concordamos que algo está acontecendo e
temos todos os recursos disponíveis nisto. Presumo que Ellis tenha suas outras equipes nisso
também.
Daniel sabia que havia coisas das quais não era informado. Foi assim que ele entrou nos
negócios deles. Embora tivesse excelente reputação5, não era tão elevada como a de Ellis. Ainda
assim, ele gostaria de saber o que o quadro geral mostrava, e esperava que este novo aumento de
responsabilidades e posição lhe permitisse, finalmente, saber mais sobre o que diabos estava
acontecendo.
— Eu espero que você consiga uma entrevista cara-a-cara com Wilhelm sobre tudo que nós
reunirmos até agora. Sua nova posição vai demandar maiores permissões6. Você vai ser a ligação
com alguns dos outros ramos do Corps, coordenando as equipes especiais. Vou deixar os detalhes
por conta dele, você sabe o quanto ele vai desfrutar de arrastar tudo para o drama.

4
biz = abreviação de ‘business’= ‘negócios’
5
palavra original é clearance, que entre outros significados, é uma ‘Certificação oficial de inocência,
confiabilidade ou adequação. ’ Assumi que se tratava de reputação.
6
‘Clearance’ aí assume o significado de autorizações formais a documentos restritos, informações, etc.
7

Daniel movimentou a cabeça concordando e, em seguida, se sacudiu quando os sinos na


porta do escritório tocaram. Roman suspirou, não sem afeto.
— Acredito que sua irmã percebeu que você está aqui.
— É muito difícil para ela, sendo tão tímida e tudo mais. — Daniel abriu a porta e ela caiu
em seus braços, então ele pegou-a cuidadosamente e beijou o topo de sua cabeça.
— Eu não posso acreditar que você veio vê-lo antes de ver-me. — Seu rosto tinha uma
circularidade que não tinha antes. A gravidez lhe convinha. Felicidade combinava com ela.
— Negócios urgentes. E agora estão fora do caminho, então eu posso estar com você. —
Ele pegou a mão dela.
— Roman disse que não estava se sentindo bem.
—Negócios urgentes, meu grávido traseiro. Você dois estão sendo dissimulados. — Ela
bufou e o levou para o quarto que tinha convertido em um espaço familiar e íntimo. Misericórdia,
a administradora da casa, uma mulher que era como um membro da família apressou-se,
reclamou da visão de Abbie de pé, ordenou que ela se sentasse e dirigiu-se de volta para buscar
refrescos.
— Minha linda. Você acredita que tudo o que não envolva diretamente você é dissimulado.
Nós estávamos trabalhando. E agora não estamos.— Disse Roman, dando um beijo na têmpora de
sua esposa. O jeito com que ela estava com Roman dizia a Daniel que eles eram almas gêmeas. Ela
o provocava, brincava com ele, tratava-o como seu companheiro, seu homem, em vez de uma
pessoa representativa. Ao fazê-lo, ela se arriscava, arriscava expor seu lado mais suave, sabendo
que Roman jamais usaria aquilo para magoá-la. Mercy trouxe um carrinho carregado com comidas
e bebidas. Ela empurrou rudemente os pés de Roman da mesinha ao colocar uma almofada atrás
das costas de Abbie.
— Ela é melhor para você do que para mim — queixou-se Roman. Abbie piscou para ela.
— É minha personalidade cintilante. Ou ela tem um amor por náuseas, mulheres mal-
humoradas que fazem barulho ao vomitar.Mercy riu enquanto deixava o quarto. Daniel fez uma
careta.
— Sinto muito por isso. É tão ruim assim? Posso ajudar?
— É comum. Não sou a única mulher que se sentiu assim. Deve passar conforme for me
adiantando. Mercy ajuda. Mai, também, é claro. Estou me cuidando. Você parece bonito. Olhou-o
cuidadosamente.
—Mas não bonito o suficiente para se safar por ter ficado uma semana inteira sem chegar
a me ver. Ele revirou os olhos e comeu a comida preparada para eles. É claro que Abbie o acusou
de devorá-la, mas ele mastigou, afinal. Um homem tinha de comer para ficar forte.
—Desculpe sobre isto. Como eu ouso fazer o meu trabalho enquanto minha irmã está aqui,
neste palácio, podendo ter precisado de uma massagem nas costas.
—Eu concordo totalmente, Daniel. — Abbie piscou para ele.
—Diga-me o que tem feito nestes dias. Não é uma senhora de lazer, nunca foi. — Daniel
desejava que fosse de outra forma, às vezes, mas Abbie estava encaminhada e comprometida,
cheia de paixão, e ele realmente não podia imaginar seu caminho de outra maneira.
8

—Oh, você sabe, agitando os amigos de Roman e os inimigos também. Fazendo todos os
classificados me ouvirem. Isso me diverte, é claro que é um bônus. Nada melhor do que assistir a
alguns desses bastardos velhos bundões terem que, educadamente, ouvir a plebe. — Ela riu
completamente encantada.
—Estamos trabalhando duro, meu pequeno grupo. Quando não estou fazendo isso, estou
aqui, me espreguiçando por aí, com pessoas me servindo comidas e bebidas, enquanto objetivo
Roman. Bons momentos.O riso surpreendido de Roman fez os olhos de Abbie se alegrarem e, a
conexão de ambos se fortalecer, aquecer. Envergonhou Daniel até a forma como ele invejou
aquilo, quis aquilo para si, queria uma mulher para olhar para ele como se fosse a melhor coisa
que já lhe aconteceu.
— Eu vi os canteiros que você fez para o jardim da cozinha de Mai. Muito bom trabalho. Ele
por pouco corou.
— Ela precisava deles. Eu tinha as matérias-primas e o tempo.
— Você deu a ela uma maneira de jardinar novamente sem que ela se sobrecarregue. Foi
um belo presente, Daniel. — Abbie o observava à medida que comia. — Está tudo bem, você sabe
ser gentil com sua mãe.
— Isso significa que eu posso jogar nosso pai pela janela?
— Ha! Não. — Roman interrompeu. —Se meu pai chega a me intimidar e agir como uma
reclamona dor na bunda, o seu tem que viver. Embora eu esteja mentindo se dissesse que não o
imaginei com o meu punho plantado na boca. Daniel riu desta vez.
—Meu pai ou o seu?
— Ambos. — Roman encolheu os ombros e pegou um sanduíche da bandeja. Quando ele
partiu, o espírito de Abbie estava elevado, e ela estava cercada pelas pessoas que a amavam. Isso
o deixou contente. Sua outra irmã era recém-casada e feliz, a mãe de ambos era saudável e estava
com os negócios prosperando; e seu inconstante irmão mais novo havia se tornado um homem
importante na política. Ele não tinha medo real por si mesmo. Aceitara os caprichos de seu
trabalho há muito tempo. Mas queria que as pessoas que amava estivessem a salvo do perigo.
Saber que eram felizes tornava mais fácil a tarefa de deixá-los para trás.
O céu estava claro, as estrelas ígneas no horizonte. Sua mente vagou rapidamente àqueles
últimos momentos com Saul. Não à morte. Não ao que fora ordenado. Não ao fato de que estava
acabado. Não; ao local, aos porquês da presença de Saul Kerrigan em Asphodel. Ele mudou o curso
dos pensamentos, encaminhando-os ao trabalho.

Capítulo 2
Esta7 correu o longo corredor, esperando não ser notada. Estivera nele tempo suficiente
para dominar a arte, e fora membro da família do marido tempo suficiente para temer o fracasso.

7
Nome próprio.
9

Esteve nas cozinhas, supervisionando os detalhes para a refeição que o marido tinha
encomendado para vinte convidados, quando ouviu algo que a deixou inquieta. Uma das meninas
da copa disse algo sobre ter certeza de ter bastante vinho na mão para os brindes. Quando a
fofoca começou, a palavra noivado tinha chegado algumas vezes como conjectura. O pânico de o
seu marido ter, finalmente, escolhido um dos seus monstros para se casar com Carina sacudiu-a
em ação.
Então, se viu indo em direção à recepção do escritório dele para tentar falar com ele sobre
o assunto. Seria mais provável que não houvesse nada de bom naquele momento. Ela segurou-o
antes, mas com o passar de cada ano, a estupidez crescia nas escolhas e comportamentos do
marido para a Federação, ele estava ouvindo cada vez menos a razão. E precisava da filha como
moeda de troca para manter seus homens em linha cada vez mais. Seu coração batia tão forte que
ela sentiu tontura e precisou desacelerar o ritmo. E tinha que agradecer aos deuses, porque o
marido estava no corredor, quase ao virar a quina, falando com alguns de seus funcionários de
alto posto. Esta queria evitar uma audiência. Ciro poderia ser melhor quando estava sozinho. Ela
moveu-se rapidamente para trás, encaixando-se em um dos cantos, segurando as tapeçarias que
cobriam as paredes. Hartley Alem, um dos ministros de Ciro, falava,
— Acho que temos liberiam suficiente para avançar com os testes agora.
— Nós não tivemos tempo para limpar a área completamente ainda. Dê-me uma semana a
mais. A estação está perto de uma área muito populosa. — ESTA não estava certa de quem era,
mas soava como um dos novos, assim chamados, ministros de ciência que Ciro tinha pendurado
em volta de si nos últimos tempos.
— Mais gado de onde este veio. O Império está cheio de pessoas. Um deles é tão bom
quanto qualquer outro para enxugar e limpar. — Alem. Esta curvou o lábio. Uma garganta
desobstruída.
— Eu estava pensando mais que testemunhas seria uma coisa ruim. Até que reunamos o
resto dos materiais que precisamos, o laboratório deverá ser capaz de agir sem ser
excessivamente monitorado.O que em nome dos deuses acima e abaixo seu marido estava
fazendo agora?
— Quanto mais tempo demorarmos, mais tempo a nossa justiça será negada — Alem
argumentou.
— Hartley, acalme-se. Conseguiremos nossos resultados, e você pode manter seu
programa funcionando enquanto isso. Caine continue a afastar a população, mas, lentamente e
silenciosamente por enquanto. Agora. Você tem sua semana.
— Obrigado, senhor.
— Nós temos uma audiência para conduzir. Vamos acabar com isso. Guarda! Mande buscar
minha filha. Diga-lhe que gostaria de vê-la em minha câmara de audiência em menos de uma hora.
Eles se moveram para longe, os discursos desaparecendo à medida que iam. Esta precisava se
mover e, se mover rapidamente.
10

Espiou o lugar e, em seguida, ao virar a quina da parede. Ninguém estava lá, então correu
pelo corredor e entrou no escritório particular onde seu marido trabalhava. Ou fingia trabalhar
enquanto os outros destruíam suas ‘Verses’ uma a uma, tudo por ganância. Ele costumava ter uma
assistente pessoal, mas ela se fora. Não era surpreendente, considerando que seu trabalho era
apenas servi-lo e ser bonita. Melhor ela do que Esta. Usou o teclado para entrar no espaço dele e
fechou a porta. Medo mantinha sua pele úmida, mas a percepção de que tinha que agir e agir
agora a impedia de se arremessar para fora da sala. Pena Ciro não ter uma assistente pessoal que
pudesse servi-lo E mantê-lo organizado.
Sua escrivaninha era uma bagunça de chips de dados e arquivos, discos e relatórios
deixados de lado. Ela pegou vários deles, incluindo um que trazia as insígnias da Alem. Esta não
tinha certeza do que iria encontrar, mas não podia ter tudo, e não havia tempo para usar o seu
leitor, então pegou os discos com a classificação mais elevada de cor para habilitação de
segurança e um com o carimbo do ministério da ciência. Ninguém a viu sair. Os corredores
estavam vazios até que se aproximou dos alojamentos e as áreas em que o público tinha
autorização para entrar. Não que qualquer um lhe prestasse qualquer atenção, ela era a primeira
dama, deixada de lado depois que seus filhos não conseguiram subir ao poder.
Eles achavam que ela não sabia. Ou pior, que ela sabia e se importava. Ela não se
importava por ele tê-la deixado sozinha. Ela nunca teria qualquer concepção dele amá-la. Ela fazia
o seu dever, um dever pelo qual nasceu e concebeu os filhos dele. Por dever e, depois, quando
começou a criar aquelas crianças, por amor. Foi o amor que manteve seu movimento em direção
aos aposentos pessoais onde poderia esconder as coisas que tinha roubado. E o amor, ainda, para
o seu povo, que a levaria a fazer o que precisava ser feito com as informações que encontrara.
Apesar da convocação que havia recebido de seu pai, Carina desviou o olhar das janelas do
seu quarto, olhando para baixo da linha muito íngreme da muralha e para o pátio abaixo. Os
atrasados sóis da tarde enviavam calor pelo rosto, mesmo através do vidro escurecido. Um calor
que ela não sentia por dentro. Por dentro ela estava fria. Sempre fria, alerta, planejando, ouvindo
e mantendo a máscara firmemente no lugar. A penalidade por deslizar era algo que ela guardava
em seu coração a cada momento de cada dia.
Não havia muitas pessoas que se encontravam do lado de fora naquele momento do dia. O
calor os levava para a sombra dos arcos e dos edifícios. Eles se reuniam nos cafés e cantinas até
que o primeiro sol se pusesse e o calor se desgastasse. As cantinas eram locais barulhentos, cheios
de ruído, risos e cheiro forte das especiarias usadas para o vinho quente. Ela sempre quis passar
algum tempo em uma, mas o mais perto que chegara fora observar do outro lado da praça ou pelo
plasglass8.
Ao longo dos anos, ela observou a vida com muito mais freqüência do que viveu. Observar
era seu prazer culpado. Uma espécie de anseio mudo a atravessou, como sempre fazia enquanto
ela continuava a olhar fixamente para a cena abaixo, perguntando-se como eles se sentiram, se
algum deles se sentia normal ou inteiro. O que ela tanto queria era um espaço em sua vida em

8
plastic + glass = plástico + vidro : Acrílico ou semelhante.
11

que não tivesse que fingir. A exaustão por manter uma falsa identidade a todo o momento tinha
assumido a sua vida de uma maneira que ela odiava, mas não conseguia parar. Ela procurava suas
memórias e percebia que não conseguia se lembrar de uma época em que não temesse
constantemente por sua vida.
Exalou fundo. Não adiantava ser mal-humorada, e ela não podia se dar ao luxo daquilo, de
qualquer maneira. Sentir pena de si mesma nunca fez diferença, nunca fez nada melhor. Na
verdade, sua vida era muito melhor do que a da maioria, precisava se lembrar daquilo. Respirando
fundo, bebeu um copo de suco e continuou a observar a cena abaixo e meditar sobre as
mudanças. Antes estivera fora, voltando do quarto onde ensinava matemática para algumas das
crianças locais. Parou em uma barraca, uma das suas preferidas, onde o casal trouxera recém
colhido abóboras e frutas Purri. Hoje, porém, tinha sido pão. Seu casal de fazendeiros se foi, e
todos eles fingiram não notar a diferença. Ela passar por aquilo cortava seu coração. Cada vez que
algo assim acontecia e ninguém falava a respeito, corroia-se a sociedade ainda mais. Ela era tão
culpada quanto qualquer outro, e isto ficou preso à sua imundície como se não pudesse ser
removido.
Algo dentro dela estava quebrado. As fissuras tinham aumentado, e ela se perguntava
como seria sentir-se inteira, tentou lembrar-se se já tivera isso, e falhou. A suave melodia de sinos
às suas portas exteriores soou quando alguém entrou na suíte. Carina olhou para cima e avistou
sua mãe em pé na porta, pequena e frágil, apertando as mãos. As aparências enganavam. Esta
Fardelle tinha sobrevivido ao casamento com um homem como Ciro desde a tenra idade de 14
anos normais. Conseguira manter-se viva, conseguira permanecer um passo à frente de um bruto
como o pai de Carina, porque ela era boa em representar uma peça, algo que havia ensinado à
Carina a partir de uma idade muito precoce. Por causa de sua mãe, ela estava viva e amada. Isso
era algo importante, e que faria bem em não esquecer.
— Carina, seu pai mandou buscá-la há algum tempo; você não pode demorar muito mais.
— Ela fez uma pausa. — Querida, fique atenta hoje. — Essas três últimas palavras colocaram
Carina em alerta. O que estava seu pai a fazer?
O pressentimento a dirigindo, Carina levantou-se e alisou o vestido que tinha atado apenas
alguns minutos antes. Examinou seu cabelo, pálido como o luar, como o da sua mãe, certificando-
se dos cachos pendurados exatamente assim. Seus olhos, escuros marrons como os do pai,
olharam para trás, mostrando o quão apática se sentia. Isso não serviria. Ela beliscou as próprias
bochechas e respirou fundo enquanto puxava a ‘Carina Fardelle’ que seu pai conhecia em torno de
si, como armadura. Empurrou seus pensamentos para longe e deixou um sorriso petulante marcar
seus lábios. A mulher olhando para trás desta vez era arrogante, confiante, mimada e criada para
ser um lindo enfeite.
Estava sempre atenta, é claro. Mas tinha havido um nível de atividade no interior das
muralhas que a tinha exasperado ultimamente. Pessoas em volta que não estavam normalmente
ao redor. Aquele porco Hartley Alem e seu povo visitava mais freqüentemente. Alguma coisa
estava acontecendo, e ela não sabia o quê. Dado o comportamento insano de seu pai nos últimos
tempos, não poderia ser nada de bom, no entanto.
12

— Vamos lá então. — Ela passou rapidamente por sua mãe e saiu para o corredor. Dois dos
melhores - o que significava mais cruéis e dedicados - soldados de seu pai a escoltavam por toda
parte, ostensivamente, para protegê-la. Carina passou a maior parte de sua vida certificando-se
que eles se sentissem assim, em vez de desconfiar dela. Seu pai nunca confiaria completamente
em ninguém, mas desde que ele não olhasse para ela com suspeita demais, ela permaneceria
segura. Pessoas desapareciam em seu mundo o tempo todo: o casal administrador do pavilhão de
frutas, um vizinho do qual você simplesmente nunca mais ouviu falar, um professor que saiu de
repente, sem aviso e deixou seus pertences no seu apartamento, uma empregada doméstica ou
cozinheira. Sua avó. Um dia eles estavam lá, no próximo, tinham sumido. Pelo tempo que
lembrava o medo de acordar e ter desaparecido vivia dentro dela.
Eles caminharam em silêncio pelo longo corredor em direção às salas onde seu pai
realizava as audiências. Mais como uma sala de trono, mas isso era um trocadilho, de qualquer
maneira. As ‘Verses’ Imperiais o mantinham como um rei, e era assim que ele gostava. Não que
eles ousassem qualquer outra maneira. O senso de dever tinha sido substituído pelo medo de se
destacar, de chamar a atenção e acabar numa cela em algum lugar. Ele governava, porque todo
mundo estava com medo de colocá-lo para fora. Esse tipo de governo nunca durava.
O plasglass detinha o calor dos sóis gêmeos e também protegia contra foguetes e outros
artefatos incendiários que atacantes jogassem perto o suficiente do interior do santuário do
complexo onde os Fardelles viviam e trabalhavam. O isolamento que forneciam mantinha o
interior fresco, mas ainda deixava entrar luz suficiente para reverberar sobre o chão preto,
lançando o reflexo de crista após crista, geração após geração de Fardelles que ocupavam o cargo
de Comandante Supremo dos Universos Imperiais9. Em um momento em sua vida, ela se
orgulhara daquilo. O orgulho de ser parte de algo tão importante como a construção das ‘Verses’
Imperiais e de proteger seu povo. E então começou a aprender mais do que apenas o que seus
professores eram autorizados a ensinar.
Seu irmão mais velho, Vincenz, partiu, fugindo de sua vida aqui, e pelas contas estava em
algum lugar no território da Federação. Seu retrato foi extirpado de todos os lugares públicos, o
seu nome, sua própria existência, apagada. E depois, seu irmão mais novo morrera após ser
atingido por uma doença súbita que o tinha devastado, levando-o à morte em apenas quatro
horas normais. Sua mãe lutou para manterem-se juntos, mas parte dela nunca foi a mesma. Ela
simplesmente se desvanecia mais a cada dia até que a vibrante mulher com a qual Carina cresceu
agora era uma pálida sombra. Nenhum deles tinha sido o mesmo.
Foi quando começou a encontrar pequenos pedaços de informação do lado de fora. Vídeo
Clipes e relatórios de áudio do governo da Federação. A cada poucos dias, às vezes uma vez por
mês, às vezes nada por um longo período, e em outras vezes, quatro coisas no mesmo dia. Ela
tinha mergulhado naquilo tudo e compartilhado com sua mãe, que confessara suas próprias
lealdades divididas.
Ela tornou-se faminta por mais, pela verdade de tudo aquilo, mesmo que cortasse até os
ossos. Procurou fora tanta informação quanto podia da forma mais segura que pudesse. O mundo
além de suas fronteiras inundara-se, e ela foi movida, quebrada, angustiada e depois
9
Símbolo no topo de capacete. Imagens: http://migre.me/5aOAw
13

transformada em outra pessoa. Alguém mais forte. Queria assumir o comando depois que seu pai
morresse ou abandonasse o assento na cabeceira da mesa. Procurando corrigir suas injustiças. Ela
era uma Fardelle que acreditava em dever, honra e lealdade. Mas ele não tinha nenhum plano de
sair em breve, e ela não teria permissão para conduzir, de qualquer maneira.
O fato nu era que ela era uma menina, o que a fazia incapaz de governar. Em virtude de
seu nascimento, era considerada inútil de todas as formas, além de esposa e mãe. Seu irmão
poderia porque ele era homem e ela não era. Não o irmão mais velho, que legalmente deveria
conduzir não o que se fora há muito tempo, Petrus, que ainda era criança quando morreu. Não; o
irmão que tinha acabado de aprender a andar e estava ainda a muitos anos das calças compridas.
O menino que era a criança entre seu pai e a recentemente nomeada segunda esposa, uma
mulher mais jovem que Carina, que tinha sido escolhida após ter proporcionado um herdeiro do
sexo masculino.
Carina o odiou por aquilo. O odiou por dizer que ela não era boa o suficiente por ser
mulher. Por dizer a sua mãe que ela não tinha nenhuma utilidade real para ele, porque os filhos
que ela lhe dera não tinham sido suficientes. Por maltratar sua nova esposa tanto que ela
raramente dizia uma única palavra e evitava qualquer contato visual. O odiava por ser a fonte de
terror e sofrimentos, e por fazê-la ser uma festa para ele simplesmente por ela ser quem era.
A vida inteira de Ciro Fardelle era principalmente um grande teatro. Muito parecido com o
dela próprio, ela supunha. Só que ele jogava um jogo de vida ou morte e não parecia ser movido
por nada disso. Carina tinha pensado muitas vezes que o pai agia como uma criança pequena que
queria bolo, mas, como a história se mostrava, ele tinha tanto poder que ninguém ousava negar a
ele. Esta tendência tornara-se excessiva ao longo dos últimos três anos Imperiais. Mostrando
nenhuma indicação de que entendesse como refrear esta fome de poder, ela se desesperava com
o custo de seu comportamento.
Falta de inteligência, mas não de implacável cobiça e ganância pelo poder, a sua espera na
liderança do Império tinha sido absoluta até esta ridícula agressão que ele continuou a mostrar
aos Universos da Federação. Ele só tinha piorado conforme os velhos assessores deram lugar a
novos homens em seu círculo íntimo. E agora os conselheiros controlavam simplesmente quase
todos os aspectos de governo das leis imperiais em todos os Universos Imperiais.
Os homens em torno dele eram perigosos, desprovidos de compaixão e preenchidos com
uma ganância de poder que a deixava suando frio quando pensava demasiadamente naquilo. Na
presença dele, ela não era a Carina que tinha esses pensamentos. Na verdade, sua vida era uma
atuação também, mesmo tendo inteligência para entender a gravidade de seu comportamento.
Ela era melhor do que o pai, melhor do que seu grupo de homens duros que gostavam de infligir
dor por esporte. Mas, suas nobres intenções não iriam salvá-la se abaixasse a guarda e cometesse
um erro. Quando virou o canto para entrar no escritório, ela levantou a mão, sacudiu o cabelo
para trás do ombro e permaneceu de cabeça erguida. Uma mulher bonita nunca se inclinaria. Ela
manteve os olhos em seu pai naquele trono ridículo, e sorriu com um empertigar de cabeça e um
bater de cílios. Ele entusiasmou-se um momento, sorrindo de volta conforme se levantava,
segurando as mãos. Algo dentro dela queria que aquilo fosse real, mas morreu um pouco mais
quando se lembrou que nunca seria.
14

— Querida Carina. Entre e cumprimente Hartley Alem, eu acabei de assinar os documentos


permitindo que ele a corteje.
A mão de sua mãe sobre a parte baixa de suas costas a fez lembrar-se de não abandonar a
ilusão, mas era uma prova não cuspir no rosto ou começar a gritar pela sala. Em vez disso, ela se
virou para Hartley Alem, um dos conselheiros de seu pai, um homem que projetou o bombardeio
de vários postos da Federação, um homem que tinha a sua própria câmara de tortura pessoal,
construída em sua casa, na mais inadequadamente chamada ‘Fortuna’, uma ‘Verse’ a vários
portais de distância.
Fora a este homem que seu pai lhe havia dado, como uma peça de joalheria. Não era
inesperado; afinal, ele estava tentando se casar com ela durante anos. Mas isto ainda a sacudiu.
Era um lembrete vital do que ela era e o que significava. Ela não era nada além de um chip a ser
negociado. Tudo pelo poder. Hartley a queria, e seu pai queria o poder que Hartley lhe permitia
manter. Então, negociou a ida dela. Sua mãe a tinha protegido das últimas três vezes que ele tinha
tentado, mas ambos sabiam que aquilo, eventualmente, iria acontecer.
Obviamente, era sobre isto o que sua mãe a havia avisado. Engolindo a biles que havia
subido, ela seguiu em frente. —Você se acredita mesmo digno de mim, ministro Alem? — Ela
perguntou a voz espantada não vacilou. Ele realmente deu uma risadinha e náuseas
incomodaram-na. Ela nunca esteve tão perto de se perder antes, nunca se sentira tão despojada e
à deriva. Esta tinha sido a gota d’água, seu limite fora atingido. Aquilo a fez girar conforme
furiosamente decidia sobre como se sentia sobre aquilo. E então, começou a planejar.
Hartley a lembrava dos extremamente musculosos cães da estrebaria, mantidos no
complexo para reduzir as cobras. Ele era grande e brusco e tentava esconder sua verdadeira
natureza com as roupas cheias de tantos babados e jóias, que deveria gemer com o peso. Seus
olhos claros brilharam quando se dispararam sobre o corpo dela, demorando-se nos seios. Um
brilho de suor agarrou-se à testa e, os dedos, pesados por grandes anéis com pedras preciosas, se
contorceram quando conteve o impulso - graças aos deuses- de tocá-la. Como esposa, ela estaria
ao seu lado, dando assistência a ele como pouco mais do que uma assistente pessoal. A idéia de
ter as mãos alimentando-o a repelia quase tanto quanto tocá-lo de uma forma sexual. Não poderia
ser seu destino estar amarrada àquele homem.
— Esta é minha sincera esperança, minha querida. Permita-me acompanhá-la a nossa
refeição. — Estendeu o braço e ela colocou a mão sobre ele, permitindo-lhe ir à frente para a sala
de jantar, onde a refeição da tarde esperava.
Ela e sua mãe mantinham um lugar de honra mais alto do que Aila, a segunda esposa, mas
ela parecia preferir a outra extremidade da mesa, de qualquer maneira e, Carina invejava aquela
distância. Quando o irmão de Carina ficasse mais velho, ele se sentaria à direita de seu pai e, a
mãe dele, onde a mãe de Carina agora se sentava. Ela via seu próprio futuro quando pensava em
como sua mãe se mantinha mais e mais em seus aposentos, seu poder desaparecendo à medida
que Carina estivesse muito longe para ajudar e dependente dos caprichos de um bruto. Se tivesse
sorte, seria capaz de convencer Hartley a deixar que sua mãe vivesse em ‘Fortuna’. O mais
provável é que precisasse ficar grávida antes mesmo de considerar aquilo. Por dentro, estremeceu
com nojo. Carina apenas concentrou-se em servir a comida para seu pai e Hartley. Cantarolava seu
15

acordo em todos os raros minutos e empurrava seus alimentos em volta o suficiente para dar uma
aparência de estar comendo. Hartley parecia apaziguado sendo servido por ela, então ele virou as
atenções novamente para Ciro, e Carina deu um suspiro de alívio.
Sua vida não era de todo ruim. Existiam coisas adoráveis em seu mundo, também. Pessoas
que se preocupavam com ela, cuidavam dela. A mesa fora posta belamente. Amava muito essa
parte da casa, amava o pessoal que cuidava tão bem dela, tinha amado desde que nascera.
Avistou muitas das suas comidas favoritas no cardápio. Vegetais de raiz assados temperados com
azeite, pão fresco, peixe frito, e bolos doces para terminar. As cores e odores atordoaram seus
sentidos e ela sorriu sempre atenta em manter uma aparência agradável ao invés de um sorriso
cheio. Mas agradava-lhe a aparência da mesa, o ritual de repartir o pão com a própria
comunidade. Tudo isso seria maravilhoso se fosse simplesmente com outras pessoas em outro
lugar.
Carina queria desesperadamente falar com a mãe sobre esta situação e o que faria a
respeito. Medo e pânico comiam suas entranhas enquanto mantinha um rosto sereno. Os olhos de
sua mãe permaneciam lançados para baixo na maioria das refeições, assim como seu pai preferia,
mas ela sabia que sua atenção estava focada numa solução para Carina. Esta conexão, o amor e a
confiança que tinham, tinha salvado sua sanidade mental muitas vezes na vida.
Mesmo assim, o pensamento do que seria sua vida, seu futuro, um futuro de olhos baixos,
de ser o doentio e distorcido brinquedo preferido de Hartley, de gerar filhos e vê-los serem
doutrinados na forma como eram todas as crianças, fazia sentir-se entalando com o almoço.
Ela fingiu interesse e conversou um pouco, a passagem do tempo lenta e pegajosa.
Felizmente, uma vez que a comida tinha sido passada sem ser tocada, a mãe de Carina levantou-se
e sorriu para o marido e depois para a filha. — Eu acredito que é hora de Carina ir embora. Ela e
eu temos planos para a noite. — Esta fez uma reverência profunda. — Obrigada, marido querido,
por esta refeição. Obrigada, Aila, por enfeitar nossa mesa. — Ela olhou para baixo, na mesa, à
outra mulher de Ciro e se curvou. — Ministro Alem, será um prazer assisti-lo capturar o coração de
nossa filha.
Alem tomou a mão de sua mãe e beijou os nós dos dedos. Carina desesperadamente quis
ceder a um tremor de corpo inteiro. Em vez disso, ela permitiu que ele beijasse seu rosto antes de
movimentar a cabeça para o pai e os outros na mesa e, então, seguiu a mãe pelo salão, com os
guardas arrastando-se atrás. Sua mãe colocou um dedo sobre os lábios até fechar as portas, não
só as do exterior para salas comuns de Carina, mas também as do quarto. Sua empregada pessoal
varria o espaço por dispositivos de escuta em uma base regular, então ela sabia que era tão
seguro quanto qualquer outro lugar para se falar abertamente. Carina girou, arrancando os
cabelos livres do ornamento que segurava a queda dos cachos em cascata. —Não. — Ela não
gritou não se lançou ao chão e uivou; simplesmente disse com toda sua força. — Existem coisas
que eu estou disposta a suportar, esta não é uma delas. Não sem uma briga.
— Eu tive um pressentimento quando vi todo o álcool que ele tinha ordenado servir no
almoço. Mas não tinha certeza. Deuses me ajudem Carina, ele escondeu isto de mim, caso
contrário eu lhe teria dito. Eu tinha planejado falar com ele sobre isso mais cedo, mas ele estava
16

cercado por seu pessoal, e eu me distraí com outra coisa. A última coisa que ela queria era
adicionar mais uma coisa à lista de ‘coisas a se sentir culpada’ de sua mãe.
— Sei disso. Eu nunca pensaria outra coisa. Mas isso não importa. Você não poderia
intervir para sempre. Isto estava destinado a acontecer em algum momento. Nada disso muda o
que está acontecendo agora.
Sua mãe a puxou em um abraço, beijando seu rosto. — Você está certa. Isto irá se mover
em um ritmo acelerado. Hartley Alem não vai ser influenciado, ele quis você desde que era apenas
uma menina, e seu pai vai precisar dele agora mais do que nunca. — Esta começou a andar.
— Agora que ele está perdido e confuso com toda esta situação com a Federação, quer
dizer? — Carina sussurrou asperamente.
Sua mãe engoliu em seco e assentiu. — Os conflitos na fronteira estão piorando. Ele nos
está atraindo para uma guerra que custará muitas vidas. Você não tem idéia do que ele é capaz. O
que ele está planejando. Este lugar não é mais para você. Eu tenho um plano. Sei onde
poderíamos conseguir ajuda. Devemos ser capazes de comprar a sua fuga.
Através da Federação.
Será que ela poderia fazer isso? Ser livre de um homem ao qual odiava e temia desde antes
de poder andar? Ser livre de um sistema aparentemente obcecado em reprimir seus cidadãos com
tal brutalidade que lhe roubava o fôlego? Sim.
Carina dava pedaços de informações para Claira, sua empregada, pelos últimos anos. Tinha
uma forte sensação que Claira conhecia Vincenz, de alguma maneira. Elas nunca falaram sobre
aquilo ou do que acontecia com nenhuma das informações que ela passava. Isso significaria
tortura e morte para ambas, caso fossem descobertas. Mas desde o momento que Carina havia
descoberto as inclinações de Claira e, que esta deixara escapar a sua capacidade de ajudar aqui e
ali, Carina sentia um pouco de esperança cada vez que enviava um pacote para longe.
—O que é? — Ela perguntou baixinho, aproximando-se da sua mãe.
—Eu não posso dizer o que isso tudo é. Os dados são criptografados para além de algo que
eu possa desvendar sem um programa de decodificação apropriado. O que pude ver de
documentos referentes aos principais dados é que são planos. Ele está construindo algo. Existem
referências de um laboratório. Ele tinha chamado aqueles homens falsamente denominados de
‘Ministério da Ciência’ aqui. É terrível o suficiente para que ele tenha colocado em um programa
mais complicado do que eu já vi antes.
O respeito de Carina por sua mãe só cresceu, pensar em quanto tempo ela estava reagindo
à sua maneira contra a tirania de Ciro Fardelle. Se a mãe dela estava com esse medo, o que quer
que fosse era muito mau mesmo.
—Tudo bem então. — Ela precisava se mover agora, não importando como. Esta
informação deveria ser dada às pessoas certas. —Eu sei a quem eu posso entregar se você não
puder manter contato com sua fonte —.
Sua mãe simplesmente movimentou a cabeça. —Eu verei o que posso fazer. Entre também
em contato com a sua pessoa, e nós iremos com tudo o que pudermos conseguir. Não podemos
falhar agora, temos que avançar o mais rapidamente possível. A informação que tenho é
suficiente, não importa quem consigamos para nos ajudar. Eu tinha planejado entregar isto a eles
17

de qualquer maneira, é imperativo. Isto está destinado a acontecer. Você deve ir, eles precisam
saber, e esta será a chave para levá-la. Os deuses estão cuidando de você, Carina. Você tem um
destino muito, muito maior do que ser um mero enfeite nos braços de um tirano. —
Simplesmente, o que seu pai estava fazendo? Será que ela queria mesmo saber?
—Você tem certeza?
—Sim.
—Tudo bem então, eu concordo.
—A lavanderia no estábulo, ao nascer da lua, eu vou levar até lá. Eu carreguei em um chip
subcutâneo para que você possa carregá-lo sem ser detectado. Ainda melhor, eles não podem
chegar aos dados a menos que você esteja viva, o que lhes dá grande incentivo para mantê-la
dessa maneira. Você vai buscá-lo onde precisar ir e entregar a mensagem de que o preço para tal
prêmio é a sua liberdade.
—Se ele descobrir que... — Carina deixou as palavras pairarem.
—O que mais ele poderia fazer que fosse pior do que vê-lo negociar você a um monstro
como o Alem? Não hesite neste assunto. Você não pode. Se fizer isso, você irá falhar, e todos nós
seremos condenados. Ele não parará. Ele fica pior a cada dia. Perdeu toda a sanidade. Se nós não o
pararmos, ninguém o fará. A guerra está chegando. Você não consegue sentir? Até aqui, não
sente? Você. Precisa. Ir.
Seus músculos doeram da tensão de forçar-se a não tremer, e ela construiu um muro em
torno de seus sentimentos. — Temos que ver como eles respondem. Se concordarem, nós
insistimos que a senhora venha também, torná-la parte do acordo. Se é perigoso para mim, o que
é para a senhora? Está em perigo também.
Sua mãe balançou a cabeça lentamente. —Nós duas sabemos que esta informação é mais
que suficiente. Isto vai pagar a sua fuga e então de alguns outros. Que é o que eu devo exigir.
Quanto a eu ir junto, não pode acontecer. Vou ficar aqui e mantê-los desviados enquanto puder.
— Ela fez uma pausa. —Este é meu lugar, Carina. — Ela apertou os lábios quando o mundo de
Carina começou a desmoronar. — Seu caminho está lá fora. Você vai nos salvar porque é o seu
destino. Meu caminho é outro. Aqui. — Ela respirou fundo e permaneceu de cabeça erguida. — Eu
estou fora. Verei você ao nascer da lua.
Com isto, Carina observou a mãe partir conforme seu coração tropeçava no abdome.
As pernas cederam, e ela simplesmente escorregou ao chão. Será que poderia deixar sua
mãe para trás? Seu irmão bebê inocente? Seu povo? Na verdade, tinha muito amor por seu povo,
não tanto os nobres mais bajuladores de seu pai e que executavam todos os seus caprichos, mas
as pessoas comuns que conhecia aqui, no Complexo Fardelle, e todos ao redor de Caelinus. Tinha
estado na maioria das ‘Verses’ dos territórios imperiais e conhecido pessoas de todas as esferas
sociais. Será que deixá-los significa virar as costas? Será que não tinha um dever para com eles? De
ficar?
Carina tinha poucas opções. Como mulher, seu status era o de pertencer ao pai até que se
casasse. E então seria propriedade do marido. Não tinha nenhum poder além daquilo. Seu pai não
iria mais protegê-la uma vez que assinasse o contrato de casamento. Vincenz tentara ajudar,
tentara fazer a diferença, e olha o que tinha acontecido com ele. Embora ela tivesse esperança,
18

não estava inteiramente certa de que seu irmão mais velho estivesse vivo agora. Embora seu
nome houvesse sido apagado, o que ele fez permaneceu marcado em seu pai a cada ação. As
equipes de assassinos ainda caçavam Vincenz. Ela tinha que manter a crença de que ele estava lá
fora e trabalhando duro, pelo menos, vivendo uma vida boa. Afinal, seu pai ainda tinha assassinos
em seu encalço. Mas, a realidade lhe dizia que tinha uma boa chance de estar morto também.
O cheiro do perfume de sua mãe se perdurava no ar, e Carina sentiu-se como se tudo
estivesse escorregando por entre os dedos, como fumaça.
Ela queria fazer a coisa certa. Empurrando os pés, começou a andar pela pequena sala.
Tinha tomado o caminho mais fácil antes, cada vez que permanecia em silêncio para evitar causar
rebuliço. Não estava orgulhosa por não ter conduzido uma revolução, mas não tinha que desistir.
Se deparara com a oportunidade de agir e cumprir o seu dever.
Ficar e casar-se com Alem não iria ajudá-los. Seu pai parecia fixado nesta loucura de
provocar a Federação, e a guerra não era apenas uma idéia remota, mas, a cada subida dos sóis
aproximava-se mais. Seu povo sofreria se ela não pudesse fazer alguma coisa, e não doía estar
longe dos planos do pai em unir sua vida a de um sádico.
O conteúdo dos dados, mesmo o pouco que sabia, era aterrorizante. O que seu pai fizera?
E o que seria de sua mãe se fosse pega?
Ela a criara para ser forte, mesmo diante de desafios. Esta era a maior importância de sua
vida, e cabia a ela fazer algo daquilo.
Usou o telefone para convocar Claira conforme começava a andar.

Capítulo 3

Carina deixou os guardas do lado de fora, retirando-se em seu quarto de dormir e fechando
as portas. Na luz pálida, cruzou seu guarda-roupa, empurrando-o de lado para que pudesse
colocar-se através do pequeno espaço por detrás dele. Murchando a barriga, pressionou a
depressão no assoalho, expondo um espaço apertado. Puxando o guarda-roupa de volta no lugar,
ela se virou e passou pelo corredor estreito até chegar à passagem escondida à frente.
Era abençoadamente fresco, a espessura da pedra à sua volta desviando o calor. Houve
muitas vezes em que viera aqui apenas para desfrutar de alguns minutos de total privacidade. O
silêncio e o conforto a abraçaram, acalmando-a. Lembrou-se de como essas coisas eram raras em
sua vida.
Quando crianças, ela e Vincenz fizeram uso desses espaços secretos para se mover sobre o
complexo sem comunicação com os seus pais ou com os guardas. YaYa, sua avó, mostrou-lhes a
entrada na sala de Vincenz. Só mais tarde eles encontram uma na parte traseira do quarto de
dormir de Carina.
Era impossível não pensar com carinho naquelas noites em que ela e seu irmão tinham
escapado até os estábulos para dar frutos para os animais e para brincar com os filhos dos
19

funcionários. Oh, Vincenz, ela suspirou, sentindo falta dele, desejando que ele estivesse lá para
ajudá-la a fazer as coisas corretamente. Ela estava realmente com medo de errar. Ele saberia o
que fazer.
Mas ele não estava lá. Não havia mais ninguém para fazer aquilo, exceto ela, e ela
precisava animar-se e fazê-lo. As mulheres Fardelle eram mais fortes do que a maioria sabia. Sua
mãe estava correndo grandes riscos por Carina naquele exato momento. YaYa tinha sido a pessoa
mais corajosa que Carina conheceu. Se elas podiam fazer aquilo, ela podia. Tinha que fazer.
Aquilo dera uma espécie de deprimente sensação de que as mulheres Fardelle estavam
sempre procurando uma maneira de escapar. YaYa, sua avó paterna, dera à luz a dezesseis
crianças e insistiu em criá-los todos sozinha. Não existira nenhuma ama de leite ou babás. Mas seu
avô havia retirado todos os filhos de seus cuidados quando eles estavam com idade suficiente para
começar o treinamento militar. Mais tarde, Esta foi enviada para lá quando criança, tendo sido
contraída para casar com o mais velho dos Fardelle quando alcançasse a maioridade e, YaYa havia
se tornado mãe de Esta também.
As mulheres nem sempre se saem bem em seu mundo. A avó dela havia desaparecido logo
após Vincenz escapar. Um dia ela estava lá, gerenciando as tarefas familiares com sua eficiente
característica, e no próximo, tinha se ido.
Carina tinha andado o complexo, perguntando onde estava YaYa. Ninguém atenderia seus
olhos. Ninguém poderia dizer-lhe nada e, seu pai havia gritado com ela e a feito sair do quarto
quando perguntara a ele. Sua mãe tinha aconselhado em termos muito fortes a parar de
perguntar, dizendo-lhe que YaYa tinha ido e que não voltaria e, não havia nada que Carina
pudesse fazer sobre aquilo, além de ficar viva.
Aquele tinha sido o ano em que percebera que não havia ninguém para salvá-la. Não
importava o quanto sua mãe a amasse, não estava no poder da mãe salvá-la, seu pai deveria
decidir se Carina precisaria desaparecer também. Carina precisava lembrar-se disso. Necessário
lembrar que ninguém estava a salvo.
Não havia maneiras de poder ajudar ninguém se ficasse. Se conseguisse que essa
informação saísse, havia aqueles, homens que fizeram parte do círculo íntimo de seu pai, que
tinham uma boa chance de ganhar numa tentativa de executar o Império. Isto poderia acabar
salvando a vida de seu irmão mais novo.
Assustada ou não, ela tinha que agir.
A passagem continuou descendo até que finalmente chegou ao espaço do telhado dos
depósitos de secagem nos estábulos. Sendo completamente escuro, a área estava deserta,
ninguém a viu entrar e descer para o andar de baixo.
Sua mãe não estava na pequena lavanderia na parte traseira dos estábulos quando ela
chegou. Carina visitou os animais, amava a quietude lá, os sons suaves do relinchar baixinho de
um cavalo, ou o ronronar de um gato de celeiro, o suave murmúrio de Targas depois de ter
trabalhado o dia todo arando os campos ou transportando mercadorias da cidade para o
complexo.
Naqueles momentos se sentia extremamente segura e, até mesmo, feliz. Ela podia ser uma
pessoa com um potencial que poderia definir para si mesma. Mas aquilo era uma fantasia, um
20

sonho feito de fumaça, como fora para a maioria dos cidadãos das quarenta e sete ‘Verses’ do
Império. A liberdade não devia ser roubada por alguns momentos em particular. Não devia ser
uma fantasia.
Pensou, em seguida, sobre o que eles tinham começado, e se sentiu profundamente
perdida.
Caelinus era essencialmente agrícola. Gerações atrás, quando a escolheram para ser o
núcleo do Império, o primeiro líder supremo tinha feito aquilo de propósito. O fruto da Terra era o
centro de qualquer civilização. Portanto, seria colocada no centro de seu novo mundo. Haveria
tecnologia e também cidades refletindo a luz, mas Caelinus, com o seu ambiente hostil, foi
conquistada por seu povo, domesticada o suficiente para alimentar e abrigar-los. Eles não eram
muito suaves, como seus irmãos distantes da Federação.
Esta noção ainda tinha um apelo em Carina. Aquele era o coração de seu povo. Pena seu
pai não parecer lembrar-se disto.
No momento em que sua mãe chegou, agitada e ligeiramente sem fôlego, Carina sentiu-se
muito mais resolvida em partir. Ambas se dirigiram à sombra de uma alcova na parte de trás dos
estábulos.
— Está feito. — Recuperando um frasco do bolso, ela fechou a tampa e sacudiu suave a
pequena ponta. O chip seria aplicado à sua pele, na entrada tomaria o seu sangue para a cavidade
do coração e bloquearia a recuperação dos dados para sua chave única. E ela tinha que estar viva
para o chip ser recuperado.
— Aqui agora. Deixe-me colocar-lhe isto. Você vai ter que sair com um piscar de olhos,
estar pronta todo o tempo. Faça as malas e deixe-as no corredor. — Uma pontada de dor e o
deslizar do chip, pois inseriu-se na sua pele e, em seguida, mais profundo.
— Esta é a coisa mais estranha que eu já senti. — ela sussurrou para sua mãe.
— É seguro. Os homens do seu pai usam esta tecnologia o tempo todo.
— Você sabe muito mais do que eu jamais pensei que soubesse. Sinto muito, menosprezei
sua astúcia.
A mãe beijou seu rosto com um sorriso triste. — Nós esperamos agora. Eu tentarei segurar
esse cortejo enquanto puder. Eles precisam chegar antes do casamento acontecer. Não posso
ajudar uma vez que Alem a leve para Fortuna. Comuniquei a eles que este é um assunto de
extrema urgência. Também não tenho revelado a eles, ou a você, toda a extensão das
informações. Somente o suficiente para deixá-los entender a gravidade da situação e mantê-la
viva a todo custo. Quanto menos você souber, melhor será para você.
Carina tomou as mãos da mãe. — Por favor, venha comigo. Ele irá assassiná-la quando
descobrir.
—Deixe-me fazer isto. Por favor. Carina, eu falhei com você tantas vezes. Não posso ajudá-
la de outra forma. Eu não posso salvar você deste casamento desastroso. Você não tem nenhuma
escolha. Se não partir, vai estar com ele, aquele monstro, cruel, maligno homem, eu terei que
assistir de longe, da distância que meu status cair, e você será destroçada até morrer ou virar uma
sombra do que foi. Não posso protegê-la de outra maneira. Deixe-me fazer isto.
21

—Eu partirei, e deixarei você me ajudar. Mas, pode vir comigo e fazer isto, também. Se
estas informações são tão importantes como você diz, elas vão levar-nos as duas, ou eles não vão
consegui-las. Ele vai te matar!— Ela manteve sua voz baixa, mas era impossível disfarçar o pânico.
—Este é o meu lugar, Carina. Eu sou a esposa dele. Ele saberá que eu ajudei você se eu for.
Ficarei e me mostrarei chocada quando você for. Tenho vivido uma mentira por toda a minha vida,
posso continuar a fazê-lo. Uma vez que eu saiba que você está segura... talvez eu possa ir mais
tarde. Mas ele observa-me com tanto cuidado, às vezes, outras vezes esquece que eu existo. Não
posso saber o que ele fará a cada dia. É muito arriscado. Eu posso mantê-lo distraído quando você
for, manter seus olhos em mim. É impossível de qualquer outra maneira. Quando ele descobrir
que você foi embora, vai enviar Skorpios para encontrá-la. Você terá que correr, querida. Você vai
ter que se esconder e fugir para salvar sua vida. Eu estou muito velha para fazer isto. Não posso
acompanhá-la. Não há outro caminho, e não vou discutir mais o assunto. Sou esperada em seu
gabinete em breve, então devo ir. Mantenha-se alerta. Você saberá quando for a hora. Eu amo
você com todo o meu coração. Você é o melhor que eu já fiz. Seja forte e faça a diferença, você
tem um destino muito além deste lugar. Viva e se torne a mulher que você nasceu para ser. Antes
de Carina poder argumentar mais, sua mãe virou-se e saiu correndo, deixando-a sozinha no
escuro, onde ninguém pudesse ver suas lágrimas.
— Uma lâmina como esta. — Daniel moveu seu pulso ligeiramente, manejando uma lâmina
afiada como uma navalha com a qual ele poderia matar em segundos — Pode ser facilmente
escondida, e o material é invisível para a maioria dos exames. — Outro movimento do punho, e a
lâmina voou, enterrando-se até o punho no pescoço do modelo tático do outro lado da sala. —
Matar e ir embora antes de alguém estar consciente de que há um problema. Você não precisa de
nenhuma munição, não há tempo para carregar ou descarregar a arma. A lâmina pode ser a
ferramenta mais eficaz desde que você mantenha-a limpa e afiada.
Os soldados na sala, a maioria deles mais jovens que seus sobrinhos, observavam. Alguns
deles — aqueles ele tomou nota — moveram seus pulsos experimentalmente, tentando descobrir
o que ele tinha feito. Aqueles eram os que ele desejava ter em sua equipe. Ele não precisava
daqueles homens e mulheres que esperavam ser ensinados. Se quisessem ser Phantoms, tinham
que fazer melhor que aquilo. A Phantom Corps era pequena, assim, era raro ter abertura para
novos agentes. Mas muitas vezes eles trabalharam com as equipes especiais, uma boa opção para
ambos. Então, sabia que tipo de soldado eles procuravam.
Wilhelm tinha insistido há alguns anos que Daniel ministrasse cursos de trabalho uso de
punhal para todos os novos recrutas do corpo militar. Desse grupo, ele passou as recomendações
para aqueles que ele achava que seriam bons para as equipes especiais. Era um tipo totalmente
diferente de desafio mental, e ele apreciara as novas oportunidades que tinham sido dadas ao
longo dos últimos, vários anos, à medida que progredia. Olhou um aluno de pé a poucos braços de
distância, acenando com a aprovação de sua técnica de deslocamento.
— Você sabe que está fazendo certo quando faz sem pensar. Você terá que chegar mais
perto para usar uma lâmina, o que é uma desvantagem; entretanto, a cautela é uma arma
importante. Tempo é o inimigo. A descoberta é o inimigo. Entre. Remova o objetivo. Saia. Não
22

existe nenhuma pergunta, não existe nenhuma vacilação, há apenas a sua missão. A vacilação vai
te matar. Se você está morto, você falhou na sua missão.
Alguns minutos mais tarde, quando estava demonstrando alguns trabalhos de punhal mão-
de-mão, um mensageiro entrou com uma convocação. Uma convocação que ele não podia
recusar. Daniel ficou imóvel durante o escaneamento de retina na porta dos escritórios do
Comandante Ellis. O painel bipou, e a porta se abriu, revelando dois homens fortemente armados,
que acenaram para ele e se afastaram. Havia assistência pública nos escritórios, mas isto era o
coração de onde Wilhelm Ellis realmente trabalhava, onde comandava todo o Corpo Militar da
Federação. A assistente saiu de trás dos soldados e entregou a cada um deles uma cópia de
arquivo rígido.
—Agente Haws, Agente Solace, o Comandante Ellis deseja que analisem estas informações
enquanto esperam por ele. — Deviam ser importantes para serem colocadas no papel, na maioria
das vezes era um arquivo eletrônico. —Continuem. Ele estará com vocês em breve.
Indicou o caminho com um aceno de mão. Eles se instalaram na confortável (mas não
muito) área de espera, abrindo os arquivos para ler as informações. Uma muda, mas muito
encantadora mulher trouxe bebidas frescas e alguns alimentos leves antes de desaparecer outra
vez. Engolindo o suco de fruta, Daniel suspirou interiormente, ele leu, fingindo esperar
pacientemente. A paciência não era uma de suas características mais fortes, mas, fora treinado
bem o suficiente para fingir. Sentado ao lado dele, seu amigo e companheiro de operação, Andrei,
tinha paciência, embora isso não fosse necessariamente o que os outros deveriam entender como
uma virtude. Andrei podia esperar absolutamente imóvel, durante horas, até a oportunidade de
derrubar um alvo que se apresentasse. E ele fazia isso com calma, clareza que, à primeira vista
poderia parecer pouca emoção. Alguns poderiam pensar que Andrei ou gostava muito de matar
ou não se importava em morrer. Daniel sabia, claro Andrei não gostava, mas o fazia bem, e fazia
por uma causa que acreditava. Isso parecia ser o suficiente para ele, e Daniel concordava.
Existiam aqueles que gostavam daquilo. Aqueles que perderam a capacidade de desenhar
as linhas que normalmente não cruzavam. Ao longo dos anos que esteve na Phantom Corps,
Daniel conheceu alguns destes. Alguns tiveram de ser totalmente afastados, enquanto outros
tinham circulado fora por algum período de tempo e voltaram lentamente. A perspectiva era difícil
de ser manter às vezes, quando se era confrontado com uma coisa horrível. Cada experiência com
aquilo trazia o homem mais perto da escuridão que espreitava dentro de cada um. Talvez fosse
porque fora criado por uma pessoa que considerava um fracasso como homem, mas Daniel era
particularmente sensível a tentar fazer a coisa certa, mesmo quando era difícil. Especialmente
quando isso era difícil.
Tinha sido fascinante acabar como um mentor para estes membros mais jovens e
mulheres. Em toda a sua vida, nunca se sentira como se tivesse algum fundamento moral,
certamente não o suficiente para passar para os outros. Ele tinha sido bom em rastrear e matar, e
ficava satisfeito com isso. Só quando assumiu mais responsabilidades, foi que começou a descobrir
que havia mais para si mesmo, mais para a Corps do que ele pensava. Surpreendeu-o descobrir o
quão bom ele estava em conectar-se com o seu pessoal, como estava orgulhoso que o
23

procurassem quando as coisas começavam a chegar a eles. Para compartilhar os seus encargos e
pedir conselhos.
Ele estava contente com isso, especialmente agora que sabia que as tensões políticas entre
os universos Federados e o Império continuavam a acelerar. As coisas tinham estado precárias e à
beira de explodir durante os últimos quase dois anos. Os julgamentos por traição dos que tinham
colaborado com os imperialistas para bombardear os cidadãos da Federação no território da
Federação, bem como levantar o dinheiro e a venda de munição para o inimigo tinham feito
algumas coisas piores, assim como a natureza aberta do processo tinha colocado muitos à vontade
com a regra familiar. A freqüência com que Daniel se via cada vez mais distante do núcleo e cada
vez mais e mais perto do território Imperial o alarmou. Mas não havia nada a ser feito, além de
continuar a tentar conter a crescente onda de guerra; ou pelo menos, garantir a vitória para a
Federação deveria finalmente dar um tempo à guerra.
Até lá e como sempre, ele trabalhava para aprofundar sua ligação com aqueles a quem
amava e para manter suas raízes profundas no mundo onde uma pessoa não precisa saber qual é
o ângulo de uma faca no peito que mata instantaneamente. Só que de manhã ele estava rindo e
tomando café da manhã com sua mãe e seu cunhado Marcus no café ‘Nyna’ de sua irmã. Abbie
estava bem, e eles todos fizeram uma parada para que a mãe pudesse deixar algumas coisas para
o bebê. As coisas pareciam normais, tranqüilas. Ele carregava isto dentro de si, uma âncora para
manter-se ligado a terra, um escudo contra a escuridão que sabia carregar dentro de si.
E agora estava sentado em uma sala acessível apenas por uma única entrada vigiada, que
muito poucos conheciam. A maioria dentro do governo e os militares pensavam que eram
assistentes especiais da House Lyons e do Gabinete do Comandante. Essa ignorância os mantinha
seguros, mantinha suas missões em segurança e fazia a vida de Daniel muito mais simples quando
ele interagia com a família e os amigos não-militares. Para a maioria, ele era um empreiteiro, uma
espécie de consultor para os militares.Todo mundo tinha segredos. Os de Daniel eram apenas
maiores do que os da maioria. Aqueles que suspeitavam, como Abbie, e aqueles que sabiam eram
muito poucos e, felizmente, um grupo muito honrado, onde todos fingiam levar suas vidas e
atividades totalmente inconscientes de Daniel ser um assassino.
Atividades realmente! Ele preferia voltar à suas classes. A última coisa que precisava era
ter que esperar o dia todo para lidar com o Ellis. Não que seus desejos importassem. Ellis
chamava, e eles vinham, porque ele pediu. Qualquer um deles daria sua vida, pelo homem que
tinha salvado aquela mesma vida em algum momento, quando todos eles haviam sido jovens num
beco sem saída. Phantom Corps pertencia ao Ellis. Ela era sua criação e existia debaixo de seu
poder. Muito poucas pessoas sabiam exatamente o que eles faziam, e Daniel gostava das coisas
assim. Cada agente dentro de Phantom Corps tinha sua própria história sobre como vieram a
conhecer Wilhelm Ellis, seus próprios sentimentos complicados sobre ele, bem como os seus
sentimentos acerca da Phantom Corps. Não que qualquer um deles falasse sobre isso com muita
freqüência. Seus passados eram privados para compartilhar ou não, conforme escolhessem. A
maioria não queria pensar sobre o que os levara àquela pequena sala suja e sem janelas, onde
todos foram conduzidos depois de terem sido detidos sob os cuidados dos militares.
24

Daniel tinha sido jovem e assustado. Sua irmã estava no hospital, se recuperando de um
atentado que quase lhe tirou a vida. Ela enfrentou o trabalho de reconstrução, de reabilitação
para estar estável novamente e anos de assistência para superar os danos mentais e emocionais
que sofreu com o corpo quebrado.
Jogado numa cela, acusado de uma série de crimes, todos eles contra os membros da
família. Sem emprego, sem ninguém com quem contar e um futuro sombrio. Mas tinha feito a
coisa certa. Havia salvado Abbie, e isso valeu à pena tudo o que tinha tido que enfrentar. Dentro
daquela cela caminhou um homem tão alto e imponente, que Daniel teve de lutar contra a
vontade de levantar e correr. Em vez disso, ele ouviu o que o homem havia traçado, o que ele
pensou que podia ser uma segunda chance para Daniel. A chance de provar àqueles que o
acusaram que estavam errados. A chance de crescer, aprender e ser um líder protetor.
Daniel escutou, fez algumas perguntas, pesou as escassas opções e assinou os documentos.
Ellis tornou-se mais que um mentor, e fora sua família imediata, a primeira pessoa que realmente
acreditou em Daniel. Isso mudou sua vida. Mudou sua trajetória, e ele se tornou alguém melhor.
Phantom Corps era sua família. Chega disso. Ele fez as escolhas que o colocaram naquela cadeira
e, no final, estava satisfeito com sua vida. As informações colocadas nas páginas em suas mãos o
encheram de pavor. Um silêncio se lavou através dele quando começou a extrapolar, aplicando-se
os fatos, adicionando-os ao que já sabia. Houve atividade no Edge. Pessoas desaparecendo. Os
mercenários tornaram-se mais desenfreados e, em alguns casos, mais violentos. Informação
vazou: alguma coisa estava acontecendo no outro lado, e agora, aparentemente, as novas
informações vieram à luz. Ele havia caído nas informações tão profundamente, o planejamento e
a decifração das muitas abordagens possíveis, que não ouviu a porta de comunicação se abrir, até
que alguém falou.
— Entrem agora, Sr. Haws, Sr. Solace. — O assistente de Ellis parecia ter aproximadamente
300 anos de idade, mas Daniel não tinha dúvidas de que o homem poderia matar com as próprias
mãos.
Ellis acenou-lhes que sentassem enquanto terminava uma conversa. O homem atrás da
gigante escrivaninha, com as comunicações consoles nas costas, era um dos mais importantes e
influentes em todas as ‘Verses’. Ele fazia parecerem menores até os móveis que usava, mas Daniel
sabia por experiência que este homem poderia invadir um edifício, adquirir informações de uma
sala fechada hermeticamente, e escapar sem um único ruído. Ele poderia ter de 1.90m a 2.5m,
mas, Wilhelm Ellis era dissimulado e gracioso de uma maneira que a maioria das pessoas não
imaginava o que só o fazia mais formidável. Daniel respeitava Wilhelm Ellis, olhava para ele tal
como para um pai. Deuses sabiam que seu pai não era digno de admiração ou respeito. Mas, ele
certamente nunca cometeria o erro de subestimá-lo.
— Isto vai demorar um pouco. Segure todas as comunicações, a menos que venha do
próprio Roman Lyons. — O Comandante Wilhelm Ellis não olhou para cima de seu trabalho
quando deu a ordem. Não foi uma falta de respeito para com o assistente, mas o oposto; Ellis
apenas supôs que aquilo seria feito de forma correta. Se não fosse assim, o homem não teria sido
empregado por Ellis. Digitou uma nota rápida antes de voltar para Daniel e Andrei, dando-lhes um
sorriso que a maioria teria achado inquietante.
25

— Meninos, como vocês estão?


— Ocupados ultimamente, senhor. Eu confio que tenha recebido nosso interrogatório da
última viagem para ‘Corazon’?
‘Corazon’ era uma ‘Verse’ no Edge, oscilando perigosamente em direção a influência
imperial. Eles abordaram algumas milícias locais, as pessoas que tinham um relacionamento
aceitável com os mercenários de execução do Edge. Seria muito bom tê-los ao lado da Federação.
Os mercenários freqüentemente tinham informações muito antes de qualquer outra pessoa, era
só uma questão de levá-los a compartilhá-las.
Ellis indicou a tela à sua esquerda. — Eu recebi. Bem feito como de costume. Soube que
você interrogou Roman sobre isto e sua missão anterior. Ele parece estar satisfeito com você
como uma ligação. — Vindo de Ellis, aquilo fora um elogio. Ele fez sinal para os arquivos com a
ponta do queixo.
— Você analisou esses?
— Sim, senhor.
— Nós avaliamos, e eu falei com Roman. — Ellis movimentou a cabeça para Daniel. — Eu
preciso de você para ir a Caelinus e pegar um passageiro.
Daniel teve um sentimento que estava se movendo naquela direção. Infernos, ele
detestava estas viagens em território Imperial. Era perigoso, tedioso e tinha que se arriscar a
expor seu pessoal no outro lado. O arquivo indicado pelo informante estaria com muitas
informações importantes sobre o contrabando de armas de Fardelle, terroristas em território da
Federação e outras inteligências táticas. Mas isso normalmente significava uma viagem para o
Edge, não totalmente em território Imperial. Ele acabou de dizer...?
— Passageiro? Nós estaremos extraindo o informante também? — Isto era um trabalho
muito mais adequado para uma de suas equipes especiais, não era?
— Sim. O último pacote que recebemos é incendiário. Precisamos nos mover de imediato
para tirá-la de lá. Se ela tem sequer a metade do que o nosso contato indica, isto poderá fazer
pender a balança a nosso favor consideravelmente.
— Ela?
— Carina Fardelle. Filha de Ciro Fardelle.
Agora sim. Aquilo estava interessante. Elevava o fator de risco imensamente. Mas, ele
entendeu a opção de enviá-los por ela agora. Um alvo de perfil alto como este estaria melhor em
suas mãos. Ele poderia entrar e sair por conta própria com um mínimo de danos, mas arrastar
uma princesa mimada acrescentaria muita complicação para o processo. Fez uma anotação
mental para trazer alguns dos tranqüilizantes que usara em uma de suas missões mais recentes.
Basta uma administração rápida com uma minúscula agulha, e o alvo seria muito mais maleável
em um instante ou dois. Ele se perguntava por que ela estava dando-lhes essas informações.
Perguntou-se o que esta Carina Fardelle representava. Seria ela uma espiã? Uma agente dupla?
Uma chorona, uma mulher vulnerável confusa que ele teria que arrastar por aí? O que motivou
alguém como ela a fazer algo tão drástico?
26

— O chip10 teve que ser incorporado nela. Só a libertação em segurança aqui com códigos
adequados receberá os dados livres. Ele está reunindo material, senhores. Reunindo material para
qual finalidade, não sabemos, mas envolve um teste de laboratório e possivelmente em um lugar
público. Isso é tudo que tenho, por agora, mas, é mais que suficiente.—
Daniel e Andrei ouviram muito quietos, mas nada disseram. Ellis fez a escolha de enviá-los;
eles iriam. O que quer que esta informação fosse era importante o suficiente para arriscar uma
viagem. Daniel acreditou naquilo implicitamente.
— Ela nos deu informação antes. A mãe também. Nós podemos confiar nelas. Até certo
ponto. Daniel, eu quero que você lidere a missão. Você vai ser o contato dela, tirá-la do complexo
Fardelle e voltar para cá. Nós temos algumas informações privilegiadas muito boas sobre os
esquemas do complexo, especificamente as salas de estar e espaços Fardelle de trabalho através
do nosso amigo no Edge. Foi enviado para o seu comunicador seguro. Escolha uma equipe para
prestar apoio para a retirada dela, se necessário. Isto é de importância nível alto. Não tenho que
mencionar que a informação que ela possui pode evitar uma guerra. Quero-te nisto o mais
rapidamente possível. Phantom aplainou liberação e licença para erradicar todos os impedimentos
ao seu sucesso. Todos os recursos estarão, como sempre, sob seu comando.
Daniel se levantou e deu um pequeno cumprimento, Andrei fez o mesmo. ‘Phantom
aplainou’ significava que ele poderia destruir matar, subornar, seqüestrar, o que quer que tenha
que fazer. Ellis não precisava dizê-lo; Daniel sempre teve essa liberação, embora a declaração
reforçasse a importância e gravidade da missão e da capacidade de planejá-la por qualquer meio
que precisasse. Ele gostava da liberdade, mas odiava as possibilidades. Dobrou os arquivos dentro
da pasta e começou a planejar a ‘extração’ que, ou salvaria a Federação, ou teria a ele e a seus
homens mortos.
Daniel partiu, não precisando dizer mais. Examinaria cuidadosamente todos os detalhes e
consultaria Ellis quando necessário. Eles foram advertidos para serem cuidadosos e dispensados.
Daniel disse a Andrei que completasse a equipe deles e os reunisse de volta em seus escritórios
após a sua última aula do dia. Tomou um trem de volta para seu apartamento após a aula,
pensando nas contingências, enquanto viajava. Seria arriscado, mas da maneira como as coisas
estavam no Edge e na fronteira, esgueirar-se lado a lado não seria tão difícil. O maior desafio seria
tirá-la com os cães de todos os sete infernos em seu rabo. Seria dependente do que esta Carina
fosse. Ela poderia diminuir a velocidade e levá-los a serem capturados, ou ser um pouco útil. Esse
tipo de incerteza não era nada do que gostava, mas era muito freqüentemente parte do que fazia.
De forma mecânica, se dirigiu de volta para fora, uma mochila no ombro. Primeiro ao
trabalho, depois se divertir e mudar a parte de si mesmo que só poderia ter com sua família, em
um jantar onomástico11, mais tarde naquela noite. Ele fazia este trabalho há muito tempo. Havia

10 Palavra original: ‘intel’ , que significa informação em geral, inteligência militar; no nosso caso, o chip com as
informações.
11 Uma comemoração onomástica é uma tradição em muitos países da Europa e da América Latina, que consiste

na comemoração de um dia do ano associado a um determinado nome. O costume surgiu c om o calendário


católico e ortodoxo dos santos, onde os fiéis, em homenagem a um santo em particular, teriam que celebrar o
dia da festa santa. Em muitos países, no entanto, não há mais nenhuma conexão explícita ao cristianismo.
27

se tornado sua vida, e não tinha arrependimentos. Dava-lhe direção. O fez um bom homem,
mesmo quando duvidava de si mesmo, às vezes. Estava ligado ao lado certo. Era bom nisso, fazia a
diferença, e no final do dia, o que mais um homem tinha?
Uma família.
Ao contrário de Roman, Daniel não voltava para um lar, uma casa cheia com o caos das
crianças e uma esposa. Isso é o que estava faltando no final de cada dia, e quanto mais velho
ficava, mais percebia quanta diferença essa conexão fazia na vida.

Capítulo 4
Precisando manter-se ocupada e não pensar em como aquela tinha sido uma semana
normal e, que ninguém tinha aparecido para buscá-la e as informações, Carina aproveitou para
usar as passagens com mais freqüência. Só para ser capaz de passear sem ser observada. la
poderia ficar nervosa e agitada e quem poderia vê-la? Pensando que ia parar e conversar com os
animais nos estábulos, ela foi por aquele caminho, parando na fenda em que precisava para sair e
percebendo que havia pessoas exatamente do outro lado.
Podia vê-los parcialmente, e moveu-se para puxar-se para trás, dentro da passagem para ir
à outra direção. Mas um som a parou, ao mesmo tempo em que fez o seu coração acelerar no
peito. Um som, um suspiro sem som carregado de desejo tão profundo que até mesmo Carina,
que na verdade nunca sentira esse tipo de coisa, entendeu o que era. Seus dedos escavaram na
rocha quando se apertou na pequena fenda, mantendo-se fora de vista, mas capaz de vê-los
melhor.Um homem e uma mulher, jovens, mal chegados à idade adulta. De pé no canto mais
distante do sótão, as costas do homem viradas para ela quando eles se entreolharam. As mãos da
mulher deslizaram sob a bainha de sua camiseta simples de operária. Seu rosto estava inclinado
para cima, olhando-o com desejo ardente cru em todo o seu rosto. Ele tocou-lhe o rosto,
deslizando os dedos pela garganta, e ela fez o som novamente.
Isto atravessou a barriga de Carina, apertou seus mamilos e trouxe um rubor no rosto.
Qual seria a sensação de querer olhar alguém assim? Abrir sua essência até o âmago para alguém
desse jeito? Era mais do que a maneira como ele roçava o dorso dos dedos sobre a curva dos seios
dela, conforme eles se erguiam acima do decote baixo da sua blusa. Mais do que a sombra escura
dos mamilos e a maneira como um suspiro parecia rasgar dos lábios da mulher, conforme o
amante se movia mais abaixo, chicoteando levemente contra eles com aqueles polegares. As mãos
dele seriam ásperas, endurecidas pelo trabalho. A mulher se arqueou para ele quando sua mão
escorregou para dentro da blusa e libertou um dos seus seios. O coração de Carina ameaçou
romper através de seu peito. Ela tinha visto todo tipo de coisas enquanto ia de um canto ao outro
e manteve os olhos abertos, mas nunca tão perto e tão totalmente íntimo. Esse casal tinha uma
ligação tão crua e tangível, que Carina pôde sentir de seu local escondido. Sentiu a carga entre
28

eles. Aquilo era mais íntimo do que se tivesse se impulsionado nela por detrás, à vista de todos. O
homem ansiava por tocar a sua mulher, e ela claramente não conseguia o suficiente, também.
Carina segurou uma mão em sua garganta enquanto observava, não sendo capaz de se
mover, mesmo para tocar a si mesma. A magia dos dois a manteve imóvel à medida que assistia,
inveja queimando pelo seu ventre. Ele falou no ouvido da mulher, e ela riu baixo e do tipo sensual.
Então, pegou a frente da calça dele e abriu, deslizando a mão para baixo, pela cueca. E ele fez um
som. Uma resposta ao som dela, mas o dele era inconfundivelmente masculino. Baixo, quase um
rosnado, e, Carina teve que soltar a respiração que segurava, mas estava trêmula.
Ela queria aquilo. Não com aquele homem, claro, mas com alguém que fosse só dela e que
olhasse para ela, não com a ganância doentia de Hartley Alem, mas como se ela fosse tão bela e
desejável que ele não conseguisse parar de olhá-la e de querer tocá-la. Ele já havia começado a
deitar a mulher no chão do sótão, quando um barulho soou abaixo, e eles dois sentaram-se,
puxando-se novamente juntos. Gritos soaram lá fora, chamando os nomes, assim Carina supôs
que alguém estava procurando pelo homem. Apressadamente, ele se inclinou para beijá-la
enquanto ela tentava não rir e conseguia arrumar o cabelo. Eles partiram, e Carina continuou lá
por mais algum tempo, sem sentir nada, além da perda. Pensou, e mal reteve um estremecimento
de repulsa. Ela odiou o toque da mão de Hartley em seu antebraço. Ou nas costas, mesmo no
ombro. Constantemente sobre ela, querendo ocupar todo o espaço em cada sala, até que ela não
tinha lugar para se esconder. Isto a drenou, a fez perder a esperança.
O que ela teria como sua esposa não era o que tinha presenciado momentos antes. Este
não era um substituto aceitável para aquilo. Ela não tinha idéia de como as mulheres poderiam
suportar este tipo de coisa, não sabia se o que aqueles dois no sótão tinham era possível.Sua
desculpa esfarrapada para um noivo chegava a cada tarde, e ela havia sido condenada a atendê-lo
sob o pretexto de cortês paquera. Sua mãe tinha a certeza de estar sempre presente, como era o
esperado. Isto era uma velha maneira de lidar com o namoro, mas o pai dela era antiquado. O
suficiente para que sua mãe o tivesse facilmente convencido de que aquilo beneficiava sua
posição, para servir como exemplo para seu povo, sustentar as velhas formas. Graças aos deuses
que ele era facilmente levado por seu ego, às vezes. Ela prolongou consideravelmente o processo,
dando à Carina tempo para encontrar uma saída para não se casar com aquele monstro, se eles
não viessem por ela.
É claro que o monstro estava agitado por essa espera e supervisão constantes. Tentou
continuamente conseguir que Carina estivesse sozinha. Sua mãe era mais esperta, e não era como
se Hartley pudesse reclamar com o pai de Carina, de que toda a supervisão o impedia de livrar a
filha dele da condição de virgem antes do casamento ter sido concluído.
Condição. Ha! Ela teria adorado ter sido capaz, ter tido a chance de ser despojada de sua
virgindade há muito tempo.
Desde que alcançara a maturidade sexual, tinha sido observada de perto. Exceto por
aquelas poucas incursões através das passagens secretas não tinha havido nenhuma oportunidade
de sequer tentar fazer sexo com ninguém além dela mesma. Não podia persuadir alguém lá de
trás, ou iria se arriscar a expor a única maneira particular de se movimentar sem ser detectada.
29

Mesmo se houvesse encontrado uma maneira de encontrar alguém para um secreto


encontro amoroso, nenhum homem com o qual valesse à pena ter sexo teria ousado aquilo. Seu
pai tinha executado pessoas por crimes muito menos graves do que foder sua filha. A coisa mais
excitante que já tinha partilhado com um menino foi um beijo, e que tinha sido deliciosamente
fugaz.
Ainda assim, naquele momento ela estava bastante aliviada por toda essa história. Hartley
queria violar sua feminilidade. Ela estremeceu com a frase que ele proferiu há poucos momentos
em seu ouvido, seu hálito, repugnante quente em sua pele. Ela podia não ser especialista em jogos
de amor, mas teve a sensação de que homens que usariam a frase ‘violar sua feminilidade’ seriam
parceiros sexuais terríveis. Este homem parecia gostar que ela ficasse desconfortável, o que só a
fazia querer vomitar mais.
— Nós teremos uma delegação de algumas das ‘Verses’ exteriores esta noite. Carina, por
favor, se junte a nós para que possamos anunciar seu casamento próximo. — Seu pai estaria
naturalmente satisfeito com esta notícia. Isso daria a ele a oportunidade de ser adorado e
celebrado.
Ela, pelo contrario, não estava contente. Isso significava que ela teria que passar horas
intermináveis com Alem enquanto ele a apalpava e fazia comentários lascivos sobre a sua
feminilidade para as pessoas debaixo de sua respiração.
Hartley deu uma gargalhada cordial quando lhe acariciou a mão e pulso. —Sim, doce flor,
faça-o para que eu possa mostrar a magnanimidade da minha futura noiva para todos.—
Doce flor? Ela conseguiu sorrir, mesmo que quisesse zombar. Nunca conheceu ninguém
que realmente falasse desse jeito. Não havia nenhum atalho em torno disto, assim concordou.
Onde estava seu resgate? Tinha se passado uma semana normal já! Se eles não se apressarem, ela
terá se casado e consumado o ato com esta besta, ou se atirado por uma janela para escapar
disso.
O que tinha visto mais cedo naquele dia só fez a visão de seu futuro pior. Medo anestesiou
as pontas dos seus dedos. Ela tinha vinte e três anos normais. Uma virgem. Solteira. Presa em uma
casa com sua mãe e seu pai louco, que a tinha vendido para um homem louco, violento,
empenhado em violar-lhe tudo. Era um desperdício de tempo sentir pena de si mesma. Não podia
resolver nada assim, mas logo em seguida, desviou, perigosamente perto da auto-piedade.
Precisava começar a encarar o fato de que a ajuda poderia não chegar até depois do casamento.
Ficaria de olho na porta para as equipes de resgate, mas começou a tentar descobrir o que fazer se
não aparecessem.

Mortimer Silas entrou no complexo Fardelle com uma comitiva e um andar bem ensaiado.
Era um homem elegante, e esse lugar... Não era. Caelinus era provinciano para a suposta capital
da ‘Verse’. E quente. Deuses era ridiculamente quente, e ele não conseguia entender por que
Fardelle escolheria estabelecer o ‘Verse’ lar aqui, em um lugar com não apenas um sol implacável,
mas dois. Tinha atrasado a viagem, pois eles não conseguiam encontrar ninguém disposto a fazê-la
a partir do portal para o complexo em um dia inteiro. Eles haviam estado presos em uma sala de
30

recepção até os sóis começarem a se pôr. O calor fez o seu cabelo menos atraente do que o
normal e o fez suar. Ninguém parecia bonito coberto de suor.
Ele não tinha nenhuma vontade de passar um momento mais do que o necessário aqui. Iria
prestar seus respeitos, reunir seus tributos e sair. Voltar para casa e ter terminado com esta
viagem.
Infelizmente, não tinha previsto o jantar a ser realizado em honra da visita de ministros das
outras ‘Verses’ Imperiais. A última coisa que queria fazer depois do processo de a pouco era
sentar-se e comer comida horrível, esfregando os cotovelos com pessoas que preferia matar a
beber. Era de se esperar ser um breve encontro e cumprimento, submeter-se e situação critica da
coisa. Ele esperava ter o traje ideal para o jantar. Fugiria da raia e se manteria em seu quarto ou
encontraria uma maneira de sair mais cedo, mas era claramente obrigatório, e este era Ciro
Fardelle, afinal.
Achou a realidade de Ciro Fardelle muito mais absurda que podia ter imaginado. Um tirano
era uma coisa, um tirano burro aparentemente apegado em arrastá-los para uma guerra com a
Federação, sem motivo aparente e sem nenhuma chance de ganhar, era outro. Ele era um idiota,
e o motivo de todos eles sofrerem isto durante tanto tempo não era algo que ele entendia.
Mortimer era um homem que apreciava os detalhes, então manteve um olhar atento nas
pessoas conforme vinham dos quartos de hóspedes ao salão principal, onde a família vivia e onde
Fardelle tinha seus escritórios e gabinete de visitas. Vislumbrou superfícies pretas que agradavam
aos olhos e davam uma grande sensação de espaço. Se Fardelle não tivesse mais ilusões de poder
do que bom gosto, o lugar seria muito mais agradável. Tudo sobre o complexo gritava ‘tentando
com muita força’.
As janelas com vista para o pátio seguro eram grandes e pintadas para manter o calor fora,
para deixar entrar apenas a luz. Plasglass, ele supôs. Havia fortificação nas paredes externas e
janelas com vista para a cidade, cercando dunas e vistas ao longe na direção do portal. Guardas
armados patrulhavam em grande número, a pé, em veículos e a cavalo. Mortimer assistia, tomava
seu tempo, bastante óbvio, pois todos eles aguardavam Fardelle em torno da sala como alguém
importante.
Uma vez que tinha finalmente conseguido passar da linha de recebimento de nobres
menores e os lacaios ao seu comandante supremo, Mortimer foi capaz de obter uma visão clara
de Carina Fardelle. Sua mãe e esposa principal de Ciro, Esta, sentou-se com ela no trono ao longe.
Esta era pequena em estatura e em presença. Tinha a reputação de ter sido uma grande
beleza, ela mantinha os olhos para baixo na maioria das vezes, as mãos cruzadas sobre o colo
enquanto se acomodava no espaço ao lado do marido. A segunda esposa sentou-se um pouco
mais baixo, e onde Esta demonstrava ser pequena, Aila parecia derrotada. Esta não foi uma
mulher que tinha planejado seu caminho para a cama de Ciro, para o poder e posição de dar-lhe
um herdeiro. Era uma garota mais jovem do que sua filha que tinha sido arrancada de sua casa e
entregue ao comandante supremo para fazer o que ele desejasse. Mortimer achou aquilo... De
mau gosto. Uma vez que um homem se assentasse, ele deveria permanecer assim. As mulheres
não eram bens móveis, eram preciosas e mereciam ser honradas, não humilhadas. Fardelle era tão
pobre homem quanto líder.
31

Eles foram informados que os eventos da noite eram também uma celebração do noivado
de Carina Fardelle e Hartley Alem. Alem era um amontoado de homem com um coração tão
escuro quanto qualquer outro que já tinha conhecido. O que Carina veria em tal homem? Ela era
como sua mãe? Aila? Uma das inúmeras mulheres em todas as ‘Verses’, cujas vidas eram
simplesmente uma questão de seguir a direção do sexo masculino em suas vidas? Ele olhou para
ela novamente, contrastando com sua mãe, e considerou que não.
Carina era diferente de qualquer mulher naquela sala. Calma. Suntuosa. Cabelo tão pálido
como o luar ressaltado em um ridiculamente complicado penteado que sua comitiva criara para
ela. Ela parecia suave, mas seus olhos eram duros. Apesar da inquietação sobre quais eram as suas
motivações e do tipo de pessoa que ela provavelmente era não havia como negar sua beleza. Não
era delicada como sua mãe, em vez disso, era longa e ágil. Ele imaginava que ela andava como a
música tocava em sua cabeça. E ela estava para se casar com Hartley Alem, que não conseguia
manter o olhar longe de sua futura noiva, no entanto, aos olhos de Mortimer, ela não
compartilhava esse entusiasmo. Ou talvez compartilhasse e essa fosse sua forma de demonstrar.
Ele balançou a cabeça e levantou os ombros. Seja qual for o caso, seu estado civil não era
de sua preocupação. Como ela era quem ela era não era do seu interesse. Ele não estava lá para
isso.
Seu homem ajustou sua capa quando Mortimer discretamente verificou para ter certeza de
seus anéis parecessem exatamente assim. As gemas necessárias para capturar a luz e ser o seu
maior atrativo. Ele tinha aumentado o bigode pouco antes de chegar, assim que soube que
pareceria mais elegante também. Se tivesse que estar entediado e deixado com vilões e idiotas,
pelo menos, ele podia ter boa aparência ao fazê-lo.
— Comandante supremo Fardelle, permita-me apresentar Mortimer Silas, o representante
ministerial de Caldara. — O Sargento inclinou os braços, e Mortimer estava à frente, inclinando-se
profundamente sobre si mesmo. Não estava exatamente de joelhos — Fardelle não merecia isto
— Mas aquilo fez Mortimer parecer régio, ou assim ele sempre achava quando olhava para os
espelhos em sua casa.
— É um grande prazer conhecê-lo, Comandante supremo. — Mortimer usou melhor a sua
voz, mais oleosa para acalmar o homem diante dele.
Hartley Alem se interpunha entre eles quando Fardelle balançou a cabeça e seguiu em
frente.
— Claro que é. Todos nós compartilhamos a grande honra. Mortimer, eu fui informado que
a sua delegação foi assaltada mais cedo no caminho até aqui por bandidos. Posso confiar que tudo
está bem?
Sim isto. Deu tudo certo no final. — Apenas uma inconveniência secundária com os piratas.
Piratas em nosso próprio território. Eu tenho certeza, é aquela corja do Edge vindo aqui para nos
aterrorizar. Eles não aterrorizarão ninguém novamente, eu lhe prometo. Meu pessoal é todo
muito bom com armas. — Não existia uma única pessoa deixada viva.
— É bom ouvir. Precisamos ser vigilantes em nossa autodefesa contra a vulgaridade da
Federação. Seu tributo foi recebido, e vamos continuar a empenhar esforços para proteger o seu
povo. — Com aquelas frases prontas e sem emoção nos comentários, Alem virou-se e manteve
32

acenou com a mão em direção ao trono. — Por favor, reúna-se com a minha adorável noiva,
Carina Fardelle.
Um homem medíocre teria perdido o leve brilho nos olhos de nojo, apenas uma breve,
fugaz expressão antes do sorriso se assentar na boca dela, mas não em seus olhos. Aquela não
uma era mulher de cabeça vazia. Ele não esperava isso.
Ela moveu-se para eles com a graça que tinha previsto. Régia. Esta mulher não era tola, era
uma rainha. Impossível não achá-la de tirar o fôlego. Curvou-se sobre a mão que ela tinha
estendido. Suave, fresca, perfumada de flores à noite. — É uma honra estender as minhas
congratulações a você pessoalmente.
Seu sorriso nunca mudou, mas ele sentiu a tensão em seus músculos e, novamente, se
perguntou sobre a mulher dentro desta fachada. — Obrigada, Ministro Silas. Eu espero que você
possa estar presente depois que anunciarmos uma data. Hartley ainda tem algum trabalho a fazer.
Uma Lady aprecia ser cortejada. — Os comentários foram feitos para serem modestos, mas ele
queria saber se era aquilo que ela pretendia. Perguntava-se demais. Maldição, não tinha direito de
estar se perguntando nada sobre ela. Mortimer não se importava. Ela não era importante aqui; ele
tinha que manter seu juízo, não fantasiar sobre uma mulher muito provavelmente delicada e
molenga demais para ser de real interesse para ele.
Alem riu silenciosamente, e Mortimer, surpreendido pela violência a jorrar dentro de si,
engoliu em seco e tomou um gole de sua bebida.
— Doce flor, eu sou seu em todas as coisas. — Alem olhou de volta para Mortimer. — Não
somos todos bonecos a dançar para as nossas Ladies? Você é casado, Silas?
— Não sou, embora espere pela mulher que irá preencher minha vida com felicidade. — O
sorriso de Mortimer pareceu acalmar Hartley Alem, entretanto Carina não pareceu encantada.
Carina enviou-lhe um último olhar frio e afastou-se. — Possivelmente vocês dois vão me
desculpar, eu vejo minha mãe pedindo a minha atenção. É um prazer conhecê-lo, Ministro Silas.
Aproveite a sua estadia aqui em Caelinus.
Ele curvou-se em resposta antes dela ser arrastada rapidamente por sua mãe, deixando
aquele cheiro no ar e o farfalhar suave do vestido em seu rastro; comeu e bebeu, recusou as
atenções de um jovem do sexo masculino que tinha sido enviado ao seu encontro para
entretenimento e a jovem mulher que o seguia. Ele gostava de sexo tanto quanto qualquer outro
homem, mas não gostava de prostitutas ou escravos. Não tinha necessidade de pagar ou manter
alguém em cativeiro para levá-los a abrir as suas coxas. Não esse tipo de servidão, de qualquer
maneira.
Ele observou e aprendeu. Encontrou deficiências e as comprimiu a distância. No momento
em que se retirasse, tinha um plano em prática.
Precisava mover-se rapidamente.
Depois de sua fuga do jantar, Carina escoltou a sua mãe aos seus aposentos, e elas
compartilharam uma xícara de chá. Esta seria chamada para atender Ciro, quando terminasse com
a recepção, de modo que tinha roubado aqueles momentos para tentar descontrair e fingir não
estar preocupada pela Federação não ter aparecido ainda. A caminhada de volta ao seu próprio
33

quarto foi em silêncio. Carina ignorou os guardas o melhor que pôde e foi diretamente para
dentro, trancando a porta atrás de si.
Agora finalmente sozinha, escovou os cabelos e preparou-se para dormir. Dispensou os
assistentes, quando saíra durante a recepção, por isso não havia mais ninguém com quem se
preocupar naquele momento. O que era bom, já que tinha muitas outras coisas pelas quais se
preocupar.
A noite a tinha deixado inquieta, impaciente. O tempo estava acabando! Hartley
conseguira acariciar seus seios num momento, apertando com tanta força que lhe causou dor. Ao
som de sua angústia, ele apenas sorriu e afastou-se, lambendo os lábios e por pouco
arremessando a refeição expelida do estômago dela. Relembrando, ela deveria ter vomitado em
cima dele. Mas conhecendo-o, ele teria gostado.
Sozinha na pálida luz, ela percebeu que não importava o quão astuta e corajosa achava que
poderia ser, a situação estava além dela e, poderia muito bem ser a sua ruína.
Aquilo não faria bem. Ela precisava de um descanso, ou não seria capaz de manter a
máscara com seu pai. Depois de um rápido sonífero, apagou as lâmpadas e subiu em sua cama. O
sono veio rapidamente, mas estava cheio de imagens desagradáveis e pesadelos sobre
desaparecer.
Sacudindo-a de um pesadelo, uma mão tocou-lhe e depois pressionou contra seus lábios.
Ela acordou completamente, açoitando até que uma voz sussurrou para ela.
— Fique quieta. As rosas da Terra aguardam você.
Ao som das palavras de código que sua mãe tinha lhe dito para esperar, Carina obedeceu.

— Fique quieta por um momento até que seus olhos se ajustem.


Apesar da natureza seca da ordem, ela sabia que ele estava certo. Lentamente, seus olhos
se ajustaram à luz fraca e ela viu quem tinha falado.
Afiados olhos verdes pegaram-na e ela quase recuou. Ele? Mortimer-qualquer-coisa?
Aquele almofadinha tolo. Eles não conseguiriam cinco passos no corredor!
Quando ele falou novamente, ela começou a perceber seu engano. — Devemos agir
rapidamente. Você tem uma bolsa de algum tipo?
Este homem não era o mesmo. Sua voz era diferente. Cortada. Dura. Não tinha nada
daquela suavidade testemunhada mais cedo naquela noite. Não, o homem em seu quarto, tinha
os olhos perspicazes. Seus movimentos conforme examinava o quarto, eram predadores. Lá se
foram as roupas tolas bizarras, as jóias ostentosas em seus dedos. No lugar o homem estava
vestindo roupas escuras ajustadas a um corpo que ela tinha certeza que seria tão magnífico, sem
elas como dentro delas.
Este homem não era Mortimer absolutamente, e ela percebeu que ele iria levá-la à
liberdade. A esperança surgiu por suas veias.
Sua boca seca procurou por palavras, tropeçou e encontrou sua voz. — Eu... sim. Minha
mãe me disse. Está aqui.
34

Ele olhou para cima e para baixo e balançou sua cabeça. — Princesa, nós não podemos
correr muito rápido com você numa camisola. Você tem calças e botas? Aqueles chinelos serão
um desastre.
O desprezo era claro, e ela sentiu a raiva crescer por dentro, quente e forte.
Ela não estava orgulhosa de que sua resposta sussurrada era menos do que educada. — Eu
estava dormindo. Não durmo de calça. Não é como se eu soubesse que você ia finalmente chegar
hoje.
Sua boca pode ter se curvado em um leve sorriso, mas ela não tinha certeza se era
esperança ou uma ilusão. — O que quer que você diga. Desculpe se a minha agenda não foi rápida
o suficiente para você. Vamos agir. Consiga o seu traseiro em roupas adequadas. Temos pouco
tempo. Você tem as informações? — Ele virou as costas quando ela se levantou. Pelo menos tinha
algumas boas maneiras.
Ela passou por onde ele estava tomando todo o ar no quarto de uma maneira
desconcertante. — Minhas roupas estão dentro da passagem. As informações estão dentro de
mim, gravadas. Você não pode obtê-las sem mim, por isso não tenha idéias. Como entrou aqui?
— A passagem. Esperta. Sua mãe garantiu-nos que seu pai e o pessoal dele não sabem
disso. Espero para todos os nossos objetivos que ela esteja certa. Vá em frente e se troque. Vou
fazer algumas coisas.
Ela tentou não tremer, mas provavelmente falhou o que só a deixou mais frustrada. Assim,
quando ela chegou ao espaço apertado, ele falou de novo.
— A propósito, princesa, se eu quisesse você morta, você estaria morta. Não sou um
bandido; eu sou a sua única esperança de sobrevivência. Não se esqueça disso. — Ele virou-lhe as
costas e começou o rebuliço com a roupa de cama e colchões.
Ela sufocou seu desejo de bater-lhe na cabeça com alguma coisa e em vez disso, pegou
uma foto, tirada quando ela e sua mãe estavam de férias, alguns anos antes. Uma vez que tinha se
espremido no corredor, vestiu-se rapidamente, deixando para trás sua roupa de dormir. Carina
inclinou-se para colocar uma nota na base da parede, sabendo que sua mãe iria encontrá-la,
eventualmente.
A dor se rasgou através dela, fazendo-a cambalear quando a perda a atingiu. A realidade do
que ela estava fazendo, finalmente registrada. Ela poderia nunca ver sua mãe novamente.
Ele veio pelo apertado espaço e o preencheu à altura máxima. Seu olhar foi para a nota e
depois voltou para o rosto dela. Ele pegou a nota e devolveu a ela. —Não o faça. Eu sei que é
difícil, mas você não pode olhar para trás. Se isto for encontrado, você colocará em risco a pessoa
a quem isto se destina. — As palavras eram duras, mas pronunciou-as quase suavemente e pegou
o seu cotovelo. — Nós temos que correr Princesa. Você pode fazer isto?
Ela movimentou a cabeça, agradecida pela faísca de raiva que ele alimentou e o pequeno
fio de compaixão em seus olhos. — Sim. A atividade física é parte da minha rotina diária. No
futuro, não me chame de princesa, Mortimer. Meu nome é Carina. — Não era muito arrogante,
mas ela tentou.
Ele sorriu, transformando seu rosto, e uma excitação espontânea tomou sua espinha,
acelerando seu ritmo cardíaco. Ele era tão incrivelmente avassalador.
35

— Certo Carina. Meu nome é Daniel, e nós temos que ir. — Ele estendeu a mão, e ela
aceitou, mudando sua vida para sempre.
Daniel. O nome ajustava a este homem muito melhor do que Mortimer.

Capítulo 5

Eles correram. Abaixo no corredor escuro, seguindo mais e mais até que ele finalmente
aliviou-a, carregando sua mochila, do outro lado da parede exterior. O ar de fora ainda estava
quente, mas o céu escurecido proporcionaria abundante cobertura. Andrei esperava ali, como
Daniel sabia que estaria. Os outros que estavam em sua companhia tinham-se dispersado de volta
à sociedade. Ele sabia que se fosse necessário chamá-los novamente no futuro, seriam em menor
quantidade. O domínio de Fardelle tinha cerrado. A segurança tornou-se muito mais difícil de
contornar. Alguns dos agentes que os ajudaram seriam descobertos, era um fato básico do que
eles fizeram. Um fato que ele tentou não pensar, em como ele mesmo apreciava e respeitava sua
escolha de fazer o certo, não importando o custo.
Eles não podiam ter cavalos ou qualquer tipo de veículo, enquanto à vista do complexo.
Permanecer em pé, silenciosamente, mantê-los-ia imperceptíveis, aos observadores, o que seria
menos chamativo para os detetives que seriam convocados quando a falta dela fosse notada. Se a
sua sorte se mantivesse, eles estariam fora da ‘Verse’ no momento em que o desaparecimento
dela fosse descoberto.
Sua carga começou a falar, mas ele balançou a cabeça. A boca dela se firmou e seus olhos
se estreitaram, mas ela obedeceu. Ele não se atreveu a olhar para sua boca por mais tempo, já
tinha estado muito distraído com aquilo. Toda a sua atenção era necessária na missão. Em iludir
seus inimigos e chegar ao portal. Ele tinha sacudido Mortimer e era totalmente Daniel novamente.
Precisava manter o foco.
Seus óculos de campo mostraram as tropas Imperiais ao longo de uma estrada próxima. Ele
pegou o mapa e examinou-o. Não havia nenhum caminho alternativo para o trajeto tomado.
Estavam parados em uma ponte estreita sobre um rego seco, muito íngreme para escalar,
próximos à passagem lateral que se levaria várias horas fora do caminho e fazê-lo tomaria o dia
inteiro até o momento em que alcançariam o portal. Suas opções eram limitadas.
— Fiquem aqui. Vocês dois.
Andrei assentiu com a cabeça uma vez e puxou as costas dela para um local mais seguro.
— Por quê? Existe algum problema em que eu possa ajudar? — Ela manteve a voz baixa.
— Existem tropas entre nós e o portal. Tenho que cuidar disto.
Seus olhos se arregalaram. — Mas...
— Isto não vai ser fácil. Se você quer viver e dar o fora de Caelinus, precisa me deixar fazer
o meu trabalho. Eles farão o deles sem pensar duas vezes. Não vão te deixar passar, você tem que
36

saber disso. Eles vão matar-nos e enviá-la de volta. E depois? Se você quer isso, diga-me agora
antes de arriscar a minha vida ou a vida do meu parceiro.
De cabeça baixa, ela suspirou profundamente. Parte dele se sentia mal pelo que ela estaria
vendo entre esse momento e quando ela sairia do transporte em Ravena, mas era seu trabalho
fazer com que este último acontecesse. E o trabalho dele não era bonito.
— Eles são a minha gente. Eu tenho que protegê-los.
— Não, eles não são. Eles são as pessoas do seu pai. Aqueles homens são Skorpios. Você
compreende a diferença aqui? — Ele pegou o braço mais elevado dela, não para machucar, mas
para enfatizar. — Desistir agora não resolve nada. Fazer escolhas difíceis é a marca de um
verdadeiro líder. Seja um agora. Você não pode ajudá-los aqui.
—Tudo bem.
Confiando em Andrei para mantê-la segura, mudou-se rápida e silenciosamente para a
união de soldados. Havia apenas três, e se ele pudesse ter uma boa diversão, teria, em vez de
matar. Não porque se preocupava com eles em particular. Eles tinham o trabalho deles e ele tinha
o dele. Mas fazia muito menos bagunça. Os corpos eram uma dor no traseiro com a qual lidar.
Estes eram Skorpios, Tropas de choque de Fardelle, eles não estavam propensos a cair, de
qualquer maneira.
Ele planejou de que modo arrebatá-los todos completamente, tão rapidamente quanto
possível e arrastou-se na direção deles. Uma vez que começou a trabalhar, concentrou-se
profundamente. Parte dele independentemente, totalmente focada nos detalhes do trabalho. Era
como se assistisse a um vídeo quando conseguiu apanhar um deles com uma faca, acertando o
outro na testa e pegando a faca para terminar o trabalho e acertar o terceiro.
Com um sinal para Andrei começar a se movimentar, ele voltou ao trabalho. Usando o pó
que queimaria os corpos a pouco mais do que cinzas, ele havia limpado o suficiente para cobrir
suas trilhas no momento em que os outros dois chegaram.
Ela tentou não fazer alarde do fato de olhar ao redor, mas ele poderia dizer que ela o fez,
no entanto. Ela estava apavorada, fora de seu elemento e ele teve que admitir, mais forte do que
pensava que ela seria.
— Vamos nos mover.
Embora ela estivesse pálida, balançou a cabeça e manteve o ritmo.
Tinham três horas normais até que o sol começasse a nascer. Esta não era uma hora de
caminhada. Ele estava agradecido por ela ter dito a verdade sobre ser diariamente ativa
fisicamente, porque ela manteve-se quando eles continuaram seu ritmo rápido. Ele a teria levado
caso fosse necessário, é claro, mas isso o teria esgotado exigido mais dele, e tinha certeza de que
precisava de cada bocado de força e astúcia para conseguir sair do Império vivo.
Andrei assumiu a traseira, observando suas costas, enquanto Daniel continuava a executar
todas as opções em sua cabeça. Era tão automático, sua mente vagava e de volta para a
novamente.
Daniel sabia que ela estava prestes a perder tudo aquilo. Provavelmente nunca esqueceria
a devastação em seu rosto quando disse a ela que não deixasse a nota na passagem. Uma nota
para a mãe, ele supôs. Provavelmente isso estava se tornando real para ela. O custo dessa decisão.
37

Tinha sido obrigada a sofrer a perda de sua mãe. Mesmo que não estivesse morta, não era como
se elas pudessem ver uma ao outra novamente tão cedo.
E os soldados. Que pesava sobre ela, ele sabia. Devia pesar claro, mas ele tinha estado
nisto a muito mais tempo do que ela. A trajetória dela foi muito diferente da sua.
Ele já havia descoberto que Carina Fardelle era muito mais do que inicialmente imaginou,
mas não tinha certeza se deveria estar aliviado ou preocupado. Ambos, ele supunha. Ela não era o
tipo de mulher que ele teria de tranqüilizar e levar de volta porque desmaiou pela simples
sugestão de perigo.
E danem-se tudo, isso o intrigava. Suficiente para fazê-lo desejar que ela tivesse sido
alguma fêmea absurdamente fraca, ou no mínimo, menos atraente e capaz, para que ele pudesse
parar de pensar sobre suas pernas, seu traseiro, o jeito que ela estava tão presa entre o luto e a
concentração.
Ela era tão ridiculamente, extremamente bonita. Um homem como Alem teria tomado este
presente e destruído totalmente.
Estava pensando em como despertar a pequena parte de suas pernas nuas quando ela saiu
de sua cama gigante mais cedo, quando Andrei pôs a mão no braço de Daniel para chamar sua
atenção.
Eles tinham parado, refugiando-se atrás de um afloramento de rochas nas proximidades.
Estariam no portal em breve, ele podia ver o acesso já a pouca distância.
— O que houve? — Carina suavemente perguntou. Ela esperou por suas próximas
instruções, e ele agradeceu aos Deuses por isto. Se ela fosse pelo menos tão maleável, seu
trabalho seria mais fácil. Alguns de seus comportamentos o levaram a acreditar que ela estava
lutando contra o choque. Caso isto aparecesse em algum momento, ele queria que estivessem
seguramente abrigados em seu quarto na primeira embarcação. Seria normal que ela
desmoronasse — a maioria iria — mas isto teria que esperar até o momento em que ele poderia
fechar a porta e mantê-la segura, enquanto ela o fazia.
Andrei cortou-lhe com um olhar, lembrando-o de manter a gentileza com ela, enquanto
entregava um pequeno recipiente de água para Carina, que o pegou, sorvendo cautelosamente. O
olhar, e, verdade seja dita, a sua consciência lhe lembrava que tinha sido um canalha por não
pensar que ela precisava de um pouco de descanso e algo para beber.
— Como você está se sentindo? — Daniel perguntou, puxando algumas frutas secas do
bolso e oferecendo-as. — Isso deve ajudar com a energia.
Ela aceitou, comendo calmamente. — Estou me sentindo muito feliz por não ser
corpulenta vagabunda e preguiçosa como Hartley Alem.
Ela o surpreendia, esta princesa que poderia correr como um atleta tinha senso de humor,
também. Ele riu baixinho. — Eu concordo. Nós nunca teríamos o apertado naquela passagem.
Vamos ficar um pouco mais, e então temos que continuar. Devemos estar no portal dentro de
uma hora. Temos uma cabine em vários navios. Vamos decidir qual ocupar quando chegarmos. —
Ele não queria sondar o estado emocional dela. Aquilo tinha que se manter intocado até que fosse
mais seguro de se lidar. De preferência, não por ele.
— Tudo bem.
38

Examinando cuidadosamente a linha do tempo, ele olhou de volta para ela novamente. —
Quando você se levanta normalmente? — Assim que ele se permitiu um olhar para ela, não
conseguiu desviar-se de sua boca e da maneira delicada de seu mastigar.
— Com o nascer do sol. Claira é a pessoa que entra para me despertar. Ela é confiável.
— Ela não pode esconder isto para sempre, e não foi instruída. A última coisa que
queremos é que ela seja implicada neste processo. Ainda assim, temos tempo, então. — Ele
procurou em sua mochila novamente. — Tome estes comprimidos. — Ele os entregou. — Eles
vão escurecer a sua pele um pouco. Aquele ali. — Ele indicou quando ela engoliu as pílulas — Vai
mudar seu cabelo, só por um ciclo ou dois.
Ela engoliu os dois rapidamente, olhando desconfiada, mas não hesitante.
— Obrigada. Por isto. — Sua voz tremeu, mas, depois se equilibrou.
— Não precisa me agradecer. É o nosso trabalho. Só siga a nossa liderança.
Ele se levantou e notou que a pele dela já estava começando a escurecer. No momento em
que eles alcançassem o local onde teria necessidade de mudar a roupa, ela estaria transformada.
— Pronta? — Ele estendeu a mão e ela aceitou, permitindo-lhe ajudá-la a se levantar.
— Você está fazendo um bom trabalho, princesa.
—Pare de me chamar assim!
Ele sorriu, trancou sua mandíbula e revirou os olhos. Bom. A raiva era melhor do que o
medo, mais fácil de administrar e controlar.
— Você é um idiota. — Ela murmurou causando uma risada surpreendida de Andrei.
— Não dá para discutir isto.
E eles correram novamente.
Ela deve ter batido a cabeça na passagem. Não havia outra explicação para o porquê de
não conseguir parar de pensar sobre a força em sua mão quando ele ajudou-a, o modo como sua
voz suavizou quando disse que ela estava fazendo um bom trabalho.
Ridículo estar excitada por um homem tão rude. Embora, pensou enquanto eles corriam,
ele fosse muito masculino e imponente. Nada como alguém que já tivesse encontrado antes. O
outro homem era bonito, também, misterioso e calmo, mas ela não conseguia parar de olhar para
Daniel. Ele era simplesmente tão... Alguma coisa. Grande. Corajoso. Forte. Destemido. Ela
admirava isto, atraiu-a mesmo quando a deixava perplexa e ofegante.
Seus músculos começaram a queimar e doer. Ela matava o tempo tentando ignorar o medo
e a exaustão que a invadiam pensando em outras coisas. Mas aquelas outras coisas eram sobre a
perda de toda a sua vida, os soldados mortos ou sobre Daniel.
Pelo menos pensar em Daniel a aquecia, fazia seus mamilos endurecem contra o tecido da
blusa. Ela não precisava mudar suas fantasias, ou sequer se sentir culpada por isso.
Tudo o que ele era quem ele era desencadeou algo dentro dela, mandou aquilo correndo
em suas veias. Pelo menos ela poderia culpar qualquer dificuldade respiratória ou rubor na pele
pela corrida. Quer dizer, se ela vivesse o suficiente para parar. Bons deuses, ela não tinha feito
essa atividade física tão intensa em muitos anos.
39

Os primeiros arcos ao redor do portal da cidade significavam que eles precisavam diminuir
a velocidade. Excitação e medo abordaram-na novamente depois que prendeu a respiração. Ela
esperava parecer indiferente enquanto comia os detalhes do que via ao seu redor.
O portal da cidade estava sempre movimentado, sempre trabalhando. Era um de seus
lugares favoritos em Caelinus, e ela aproveitava todas as chances que tinha para sair e
cumprimentar os visitantes ou despedir-se de convidados. Era totalmente diferente do complexo.
Vibrante. Tudo cheirava e soava picante.
Pessoas se juntavam ao redor, mas não em um número tão grande quando faziam quando
os sóis subiam ao meio dia. Como tais, às três pessoas que se dirigiram para as plataformas de
partida não foram dadas mais do que um segundo olhar. Eles eram como quaisquer outras
pessoas, saindo, chegando, fazendo negócios.
Eles passaram por uma barraca de massa frita ao ar livre e seu sorriso desapareceu quando
se perguntou se eles tinham algo parecido no outro lado. Ela teria saudades do cheiro de casa,
saudade das pessoas, saudade de como eles falavam, seus sotaques, do jeito que assistiram nos
dias de festivais. Teria que deixar tudo para trás. A dor dela tornava difícil uma respiração
profunda enquanto lutava para manter-se íntegra.
O portal estava à frente, e Daniel parou, orientando-os em um espaço entre dois edifícios.
Uma porta próxima rangeu quando ele destravou-a, quase mandando Carina fora de sua pele.
Andrei tocou brevemente seu braço, acalmando-a, conduzindo-a para dentro depois de
Daniel. O quarto parecia de pouco uso. A poeira cobria pilhas de caixas de encontro a uma parede
distante. Não havia janelas e nenhuma outra porta, além da que acabaram de utilizar.
Daniel caminhou mais, entregando-lhe um pacote. — Roupas de viagem e alguns
documentos. É muito simples: Você é minha irmã Rina. Nós estamos a caminho de Monteh para
assistir ao festival da colheita e para encontrar seu pretendido. Achei que estava próximo o
suficiente da sua realidade, você recordaria com bastante facilidade.
Ela tinha fervido de raiva por ele parecer considerá-la uma idiota absoluta, mas depois ele
virou as costas e começou a desnudar-se. Embora soubesse que era rude, simplesmente não havia
jeito que ela pudesse deixar de olhar fixamente para a vasta extensão de ombros, se afinando para
uma cintura estreita. Oh, deuses, isso era tão ridículo, mas empurrou todos os seus botões! Ele
saiu de sua calça e o seu traseiro era a melhor coisa que ela já tinha visto. Não que tivesse visto
um monte de traseiros nus em sua vida, e não em homens adultos de qualquer maneira. Mas os
poucos que tinha avistado ao longo de sua vida tinham lhe dado uma idéia bastante justa, e o dele
estava bem no topo.
Seu olhar colou ao corpo dele, suas mãos se atrapalharam, mas conseguiu vestir o simples
vestido que ele providenciou. Encaixou-se muito bem, e o tecido tinha sido amaciado pelo tempo.
Sua pele tinha escurecido, e pelo que ela podia ver, o cabelo era agora o mesmo tom de seus
olhos. Ninguém esperaria vê-la em primeiro lugar, mas agora se sentia muito melhor sobre sua
capacidade de passar despercebida.
Seus músculos se flexionavam e agrupavam enquanto ele se movia. Enquanto deslizava
arma depois de arma em seu corpo. Ele estava tão tenso e perigoso. Maravilhosamente letal e
roubava sua capacidade de pensar. Suas roupas se encaixavam bem ao seu corpo e mesmo o
40

tendo observado bem constituído de todos os equipamentos, ela não o poderia dizer olhando
para ele.
— Eu nunca pensei carregar uma arma lá. — Ela disse, e então ele olhou para cima. Seus
olhares travaram, e ela sentiu aquilo por todo o caminho, até os dedos dos pés. Assim era como
ela queria olhar para um homem. Existia algo lá entre eles. Não era a mesma profundidade de
querer que presenciara no sótão, mas não era a ganância calculada que tinha visto no rosto de
Hartley também.
Tinha sido menos de um dia, nem mesmo metade de um dia desde que ele tinha sido
algum almofadinha curvando-se e adulando ao seu pai. Parecia que semanas se passaram, como
se o mundo tivesse deslizado entre ela e a mulher que tinha sido antes do primeiro nascer da lua.
Em vez de Mortimer, ou até mesmo o homem que se apresentou como Daniel em seu dormitório,
ele era outra coisa novamente. Capaz. Agressivo. Duro. Este Daniel estava posando como um
fabricante de botas, ele disse a ela.
Ha!
Ela teve as botas feitas sob medida durante toda a sua vida, e nenhum dos homens que as
tinha criado parecia com Daniel. Ela poderia ter usado mais botas se eles parecessem.
— Pronta? — Daniel quebrou seu olhar longe do seu rosto quando olhou para cima e para
baixo. Ele fez um som e deu um passo em seu espaço, agitando os cabelos dela. Ela tentou recuar,
mas ele segurou, puxando um pouco mais brusco do que precisava, e ela deu um tapa em suas
mãos.
— Eu não gosto de ser maltratada.
— Que pena. Olha, você está protegida, obviamente, mas as pessoas comuns não têm esse
tipo de cabelo, e nem do modo que você o arrumou. Qual mulher que teve que trabalhar durante
todo o dia teria tempo para fazer algo tão ornamentado? — Ele desmanchou o coque que ela
criara e começou a trançá-lo na parte de trás.
Isto parecia... Íntimo ter suas mãos em seus cabelos desse jeito. Quando ela queria estar
brava com ele por tratá-la como se fosse uma boneca ou uma coisa, ele foi gentil, assim ela ficou
parada. Não era tocada com muita freqüência. Exceto pela mãe dela e YaYa, ninguém a abraçara
apertado ou a tocara com carinho.
Ela fechou a porta naquilo. Se fosse por este caminho, só acabaria mais chateada.
— Ai. — Ele recuou, e ela acariciou o seu trabalho, encontrando-o mais do que satisfatório.
— Você trança o cabelo de sua esposa? — Bem, isso era muito óbvio. Ela lutou contra um
rubor e agradeceu a pouca luz do quarto.
Ele deu alguns passos mais longe a distância se abriu entre eles e, então ela se sentiu como
uma boba, na duvida, sobre se ele tinha interpretado mal o que disse. Ou interpretara
corretamente.
— Não. Minha irmã tem cabelo muito longo, como o seu, só que escuro como obsidiana. —
Ele empurrou para os ombros seu equipamento e acenou para o dela. — Pegue sua mochila. Não
posso levá-la para você. —
— Eu não espero que leve! — Aquela bolsa guardava o pouco que ela pudera seguramente
ter consigo. Iria carregá-la e mantê-la segura, sozinha.
41

Ele revirou seus olhos. — Pare de ficar tão ofendida o tempo todo. Você é uma mulher
trabalhadora; pode ser esperado que carregue sua bagagem pessoal. Se estivesse pesada, eu iria
levá-la para você. Mas você tem que lembrar o seu papel aqui.
Foi exatamente nesse momento que ela prometeu a si mesma que jamais voltaria a viver
uma mentira ou usar máscaras com pessoas, a menos que fosse absolutamente necessário. Tinha
um grande trabalho à frente, e estaria sozinha. Ela devia isso a si mesma para ser uma pessoa real,
a Carina Fardelle que era, quando estava sozinha nas passagens.
— Em primeiro lugar, você tem outra reclamação para fazer? Eu estou aborrecida com esta
agora. — Ela o olhou. — Eu não estou ofendida! Você continua se enganando ao pensar que sou
alguém que não sou. É irritante. É como se você quisesse que eu estivesse ofendida. Se eu
fracassar, então o faça, corrija-me, mas você não tem o direito de julgar-me antecipadamente.
Não me conhece o suficiente para me achar mimada e preguiçosa.
— Lide com isto. — Ele virou-se e mexeu em algo na mochila, de modo que ela ficou
satisfeita ao fazer careta às costas dele.
Ela testou o peso de sua bolsa, mas não era tão ruim. Ofendida! A única coisa pela qual se
sentiu ofendida foi pela suposição de que estava ofendida em primeiro lugar. Ela odiava que ele
pensasse que era uma princesa mimada. Sim, ela tinha crescido com coisas que muitos outros não
tinham, mas não era tão protegida a ponto de não saber como carregar suas próprias bolsas.
— Carina. — Ele se mantinha de costas para ela.
— Sim? — Ela perguntou com uma doçura zombeteira.
Ele pode ter bufado; ela não tinha certeza. — Você está certa. Peço desculpas.
Ugh! Ele era tão irritantemente inesperado. Antes que ela pudesse responder, Andrei
voltou para o quarto e o momento passou.
Desta vez ele a encarou. — Nós estamos indo agora. Siga meus passos e lembre-se, você
não é Carina, você é Rina, minha irmã. Estou esperando que eles não te encontrem ausente por
um tempo ainda. Pelo menos até depois de termos feito o check-in. Mas se o fizerem se
encontrarmos algo perigoso, você tem que confiar em mim e seguir a minha liderança. Tenha seus
documentos dentro de alcance rápido, você vai precisar mostrá-los várias vezes.
Ela cerrou os punhos e as unhas cavaram as palmas, necessitando apenas daquela
extremidade afiada de dor para manter o foco. Carina precisava lembrar que ainda faltava algum
tempo até que sua presença fosse esperada. Não havia razão para ir à busca de problemas. Eles já
tinham o suficiente.
— Tudo bem. Eu não sou estúpida, você sabe. Sou educada e capaz. E... — ela arqueou
uma sobrancelha para ele, lembrando-lhe que ela era mais do que algum imbecil arreliado que
não conseguia encontrar o seu caminho de um saco molhado. — Eu estive em outras ‘Verses’
muitas vezes ao longo da minha vida. Estive em transportes antes, e também sou um piloto
qualificado.
Ele parou tão perto dela, que ela sentiu o calor de sua pele. Tão perto que podia cheirá-lo.
Aquele cheiro masculino que ele parecia exalar — e isso fez seu coração bater mais rápido, sua
respiração capturando todos os tipos de coisas maravilhosas que aconteciam com seus mamilos e
42

clitóris. Ela pôde ter estado constrangida com aquilo mesmo poucos dias antes, mas agora, se
deleitava naquilo.
Ele inclinou a cabeça para baixo, apenas a alguns centímetros de tocá-la. Ela quase podia
sentir os lábios dele contra sua testa. Como poderia sua proximidade deixá-la tão confusa? Era
como se quanto mais perto ela ficasse dele, mais aérea a cabeça ela sentia.
— Não acredito que você seja estúpida. Acredito que eu saiba mais sobre esse tipo de coisa
do que você. Na verdade, vamos deixar isso claro agora. Você vai me dar a sua completa
obediência em todas as coisas. Uma vez que esta situação é excepcional, quando estiver segura do
outro lado, poderá fazer o que quiser. Mas até então, nossas vidas estão numa linha, e toda a
minha concentração será necessária para nos tirar daqui. Se você não puder fazer isso, diga-me
agora.
Tinha algumas coisas para lhe dizer certamente. — Você é como um asno.
Ele sorriu, e isso a enfureceu. Pelos dois, por ele ser tão arrogante e agressivo e por seu
corpo parecer achar essas coisas atraentes. — Já me disseram isso uma vez ou duas, eu posso não
ter as boas maneiras que os homens que você conhece têm, mas, novamente, também não sou
um torturador. Em todo caso, sou a melhor esperança que você tem de fugir, então vamos chegar
ao ponto em que você concorda, e nós podemos ir.
Com um grunhido mal contido, ela apertou os lábios e assentiu. — Tudo bem.
— Então, vamos em frente.
E saíram da pequena sala silenciosa para a cidade de novo, cercada por barulho e pessoas.
Andrei tocou a testa com uma ligeira vênia e, em seguida, virou-se para Daniel.
— Viaje em segurança, amigo.
Antes que ela pudesse dizer alguma palavra, Andrei sumiu no meio da multidão, ela o
perdeu de vista. Engoliu em seco na ondulação inesperada de emoção com a perda de alguém que
havia conhecido apenas por um curto período de tempo.
Daniel apertou a mão dela por um momento, inclinou o queixo em direção ao convés de
partida, e ela deu um passo grande e assustador em direção ao seu futuro.

Capítulo 6

O caos das plataformas de partida fornecia bastante cobertura a Daniel quando se separou
de Andrei para orientar Carina no embarque. Andrei encabeçaria para o outro lado da plataforma
iria encontrar-se com uma agente, para espalhar a sua trilha um pouco mais longe. Quando eles se
moviam em direção à borda externa, onde os transportes eram ancorados, ele observou o nível de
militares e de segurança na área.
Apenas no curto espaço de tempo, os níveis de atividade em torno deles haviam
aumentado de modo que havia três vezes mais pessoas fora de lá do que tinha havido antes.
43

Carina lhe tinha dito que todos estariam ocupados nas duas horas antes dos sóis subirem, quando
o horário do comércio começasse, antes do primeiro nascer do sol, e terminasse, durante o auge
do calor. Normalmente Daniel detestava multidões porque era muito mais difícil ver e reagir a
todas as variáveis de uma operação. Porém, desta vez ele apreciou a tensão extra de atenção
daqueles soldados. Distraídos e ocupados nas barreiras, elevavam suas chances de embarcar e sair
da ‘Verse’ sem nenhum problema.
Suas identificações e documentos de destino pareciam estar se mantendo conforme eles
se moviam, mais perto, de onde o transporte de médio porte, no qual tinham se registrado,
assomava-se à frente. No tempo que tinha levado para passar os últimos seis postos de controle, a
luz estava começando a deslocar a escuridão no horizonte.
— Qual é a sua finalidade e destino? — A balconista irritada na base da escada do convés
de passageiros segurou a documentação deles nas mãos.
— Monteh. O festival de colheita. Sou um fabricante de botas. Muitos dos agricultores
precisam de botas novas. — Ele flertou com ela, e seu aborrecimento suavizou. — Esta é minha
irmã, Rina. Estou acompanhando-a para conhecer seu pretendente e a família dele.
Um soldado aproximou-se e empurrou a balconista de lado. Ele pegou a papelada e
grunhiu enquanto a olhava. Carina ficou rígida, e Daniel quis que ela se acalmasse e mantivesse o
disfarce.
Este mesmo soldado tinha se movido no meio da multidão, ameaçando e incomodando as
pessoas desde que tinha chegado. Melhor manter a cabeça para baixo e não deixar o tipo
provocar você.
— Não parece ser sua irmã, disse o soldado, olhando-a de muito perto para o gosto de
Daniel.
Daniel moveu o corpo, mantendo-se entre o homem e Carina. Ele não respondeu, não era
uma pergunta de qualquer maneira.
— O que você disse que vai fazer em Fortuna?
— Monteh. Nós estamos indo para Monteh a trabalho, e minha irmã vai encontrar seu
pretendido.
Daniel desejou não ter que jogar manso, desejou poder plantar um soco na cara desse tolo
para impedi-lo de apalpar Carina com o olhar.
Ela já estava bastante nervosa sem esse idiota usando seu poder para abusar dela por
nenhum outro motivo além de o de poder.
Entediado por ser incapaz de tirar algo mais de Daniel, o soldado atirou os papéis à
balconista. — Cuide de seus modos, camponês.
A balconista carimbou a papelada e empurrou-a de volta para Daniel com um olhar irritado
por cima do ombro para o soldado em retirada.
— Viaje em segurança e boa sorte com o futuro noivado.
Carina sufocou um agradecimento quando Daniel a guiou nos degraus até a entrada para o
cais de passageiros.
44

Ela agüentou bem, mas a tensão estava começando a se mostrar em suas feições. A parte
engraçada era que a fazia parecer mais como uma cidadã comum do Império do que antes. A
maioria das pessoas que ele encontrara tinha os olhos cansados e um ar vago de tristeza.
— Aqui estamos. — Ele passou o cartão de identificação através da abertura ao lado da
porta, que piscou verde. Não era um quarto grande, mas poderia servir ao seu propósito. Ele
esperava que sim.
— Por que você não descansa? Vai levar algum tempo antes de chegarmos, e você precisa
dormir.
Com grandes olhos assustados, ela olhou para ele de onde tinha se enroscado na pequena
cama. Eles brilhavam com lágrimas não derramadas, e sua boca tinha a oscilação que Abbie tinha
quando tentava não chorar. Carina pareceu mais uma vez querer cair no choro, mas segurou. Ele
tinha que lhe dar crédito, ela agüentou.
— Não sei se posso dormir agora. Sinto-me cansada, mas minha mente está correndo.
Algo puxou profundo no estomago dele. Ele sabia que ela devia estar arrasada, mas não
era sua babá. Não sabia ser, e não tinha certeza se aquilo iria mandá-la rapidamente ao limite, do
qual ela já estava perigosamente perto.
Normalmente, ele entrava, pegava a informação ou tirava o alvo e saía. Raramente
trabalhava com outras pessoas além de contatos ou cooperadores. Desta vez foi diferente. Ela era
Diferente. Ele tinha sentimentos por ela, admirava-a, embora continuasse dizendo a si mesmo
para parar de pensar nela de qualquer modo. Ela o sacudiu e ele não podia se dar ao luxo de sentir
pena dela.
Ela era o inimigo até que se provasse o contrário, mas ele confiava em seus instintos e seus
instintos diziam que não iria enganá-lo, mas, não iria arriscar até que soubesse mais.
Ele se movimentava ao redor, tentando não olhar para ela novamente. Conversava com ela
para passar o tempo e, disse a si mesmo, para manter a calma. Ela fez um pequeno ruído, e ele
virou-se, incapaz de ignorá-la por mais tempo.
Olhou. E encontrou-se enredado.
Ela estava tão pequena lá, perdida. Cada parte dele queria ir até ela, reunir-se a ela e fazer
tudo ficar bem. Já que era totalmente fora de questão, para não mencionar totalmente anti
profissional, ele se viu tentando fazê-la sorrir. — Se você não vai dormir, pelo menos pode comer.
Assim que eu voltar, terei um pouco de comida e algo para beber. Ficará bem até lá? Tenho
algumas frutas secas na mochila, se você precisar de algo.
Ela piscou. Uma combinação de surpresa ao ser despertada de tudo o que estava pensando
e também para limpar as lágrimas que tentara esconder. Ele estava indeciso entre entregar-lhe
um lenço e fingir não ver. Foi transportado de volta aos seus 17 anos, a primeira vez que tinha
visto Mariella, a primeira garota que havia realmente lhe roubado o fôlego.
Mas ele não era mais aquele garoto, e Carina Fardelle não era a inocente filha de algum
comerciante. Apesar de lembrar-se desse ponto, não foi suficiente para fazê-lo olhar para longe
dela.
45

Ela se sentou, enfiando os pés por baixo de si, e isso a fez parecer pequena, algo que não
era. Frágil até. — Eu posso esperar. Obrigada. Por tudo. Eu sei que você esta arriscando sua vida
por mim.
O puxão em seu estomago lhe disse que tinha começado a primeira etapa da viagem,
passando pelo primeiro portal para a próxima ‘Verse’. Graças aos deuses que ele tinha outra coisa
para fazer agora.
— Vem com o território. É meu trabalho. E se você tem o que deveria ter, está arriscando
sua vida, também.
Ela engoliu em seco e assentiu. — Tudo o que você tem é a minha palavra de que eu o
tenho. Mas nós ajudamos vocês antes, de modo que tem que ser o suficiente.
— É justo. Podemos conversar mais sobre isto depois. Você está cansada? — Deuses, o que
ele estava fazendo repetindo-se como um imbecil? Ela era o trabalho dele! Por que estava
acariciando-a e perguntando por ela desse jeito?
Ela suavemente exalou, enquadrando seus ombros. — Eu não sei o que estou.
— Tenho algo para ajudá-la a dormir, se quiser. — Disse a si mesmo que estava
oferecendo, porque se ela dormisse profundamente, seria mais fácil de controlar e acompanhá-la
enquanto se sentasse em frente a ela em sua cama.
Tudo que saiu de sua cabeça quando observou o quanto ela parecia miserável: — Eu sei
que é difícil. Deixar sua mãe para trás. Mas ela fez isso por você. Ela está fazendo um sacrifício,
não só por você, mas por todos em todos os universos conhecidos. Isso não faz ser mais fácil,
tenho certeza, mas nem todos os pais são tão cuidadosos quanto sua mãe. Ela está fazendo a coisa
certa, assim como você. É muito corajosa.
Ela assentiu com a cabeça, piscando rapidamente para conter as lágrimas, e ele se viu
querendo tocá-la, tranqüilizá-la. Em vez disso, empurrou os pés e ocupou-se em instalar alguns
alarmes internos no pequeno quarto. Precisava fazer qualquer trabalho, livrar-se das fantasias
sobre ela.
De costas para ela, ele teve certeza que tinha as chaves do alarme e que todas as suas
armas estavam no lugar antes de virar para encará-la novamente. —Estarei de volta em breve com
algo para comer, e então você precisa descansar. Não deixe o quarto. Não atenda a porta. Se
alguém tenta forçar a entrada, puxe isso aqui. — Ele apontou para uma pequena seqüência perto
da porta. — É um alarme, e eu virei correndo. Entendeu?
Pálida, ela parecia ter controlado a raiva, mas estava toda ao redor dela.
— Entendi.
— Você sabe como usar qualquer arma, absolutamente?
O medo dela transformou-se em aborrecimento, e ele relaxou. Talvez, se a mantivesse
irritada poderia evitar as lágrimas.
— Claro que sim. Você sabe o que eu sou quem eu sou. Tenho treinado extensivamente
desde muito jovem. Facas e armas. Tenho alguma experiência em mão-a-mão. Se eu for atacada
aqui neste espaço, uma arma seria inútil. Tem uma faca extra? — Ela inclinou a cabeça em sua
direção.
46

Rapidamente, ele puxou uma faca de seu tornozelo e entregou-a, ainda na bainha. — Aqui.
Não se corte.
Saiu antes de encontrar-se enxugando as lágrimas do rosto dela ou de cantar-lhe uma
canção de ninar. Ele não parou o sorriso pelo irritante mau humor dela.
Ela comeu a refeição modesta que ele lhe trouxera e tentou não pensar muito além
daquele momento. Tudo parecia estar errado, como se ela estivesse com roupas que não cabiam.
Olhou para baixo e percebeu que era parcialmente verdade.
Daniel sentou-se no beliche em frente ao dela e comeu eficazmente, como se fosse uma
tarefa, também. Ela se perguntou se algum dia ele se soltava. A enérgica personalidade até então
tinha sido uma irritação útil. E enquanto aquilo era reconfortante até certo ponto, ele
simplesmente desligava-se de tudo quando trabalhava? Ele era sempre assim? Ele se irritava? Será
que ria? Como era quando não estava numa missão?
Depois que ele terminou de empurrar toda aquela comida na boca, limpou os lábios e
respirou fundo. — Vou descansar um pouco. Durmo bastante leve, por isso, não se preocupe com
a sua segurança. — Disse-lhe isto enquanto movia sua cama para bloquear a porta. — Eles terão
que passar por mim para chegar até você. Isso não acontecerá.
Enfiou a mão no bolso e entregou-lhe um comprimido. — Para ajudar a dormir. Relaxe e
deixe-me fazer o que importa.
Consternação flutuou por ela. Por que ele tinha que ser tão legal logo quando ela já tinha
trabalhado em irritar-se com ele por ele ser tão indiferente? Pelo menos ele manteve afastadas as
lágrimas, e talvez este fosse o plano dele.
Ela tirou-o da palma da sua mão e engoliu antes que pudesse pensar naquilo. Precisava
confiar nele, e ele estava certo; descansar seria vital se quisesse manter o juízo sobre si. Ele virou e
desnudou-se de sua camisa, botas e calça. Bem, agora ela esperava que a pílula não funcionasse
muito rápido, porque isso seria bom demais para perder. Até que ele parou na camiseta e
ceroulas.
Será que ele realmente iria parar por aí? Egoísta. Provavelmente apenas para contrariá-la.
Ela poderia ter se sentido um pouco melhor se visse a beleza do seu corpo. Não que estivesse
pensando na visão que havia recebido mais cedo naquele dia. Constantemente.
Com um riso abafado, ela terminou a refeição, embora aquilo não tivesse gosto de nada.
Empurrou a energia em seu corpo e cuidadosamente colocou o embrulho na rampa de lixo.
Ele se escondeu debaixo de um cobertor e virou-se de costas para ela, de frente para a
porta. Ela viu quando ele colocou uma arma ao lado da cama e ainda usava uma faca ou duas. Seu
medo diminuiu o suficiente para que ela não tivesse vontade de cerrar os punhos a cada
momento.
— Você deveria dormir, Rina... — Murmurou ele, usando seu nome falso. —Você vai
precisar de energia e temos um longo caminho a percorrer ainda.
Ela sentou-se pesadamente, manejando os pés para fora das botas e deslizou para debaixo
dos cobertores. Manteve as roupas para se aquecer e dar sensação de controle. A pílula começou
trabalhar, afastando sua angústia e trazendo peso aos seus membros. Ela se soltou, confiando nele
para ficar entre ela e qualquer ameaça que viesse.
47

Saber aquilo a aquecia e deixava aceitar o descanso que tanto necessitava.

Capítulo 7

Daniel foi acordado quando a estática na freqüência que ele monitorava foi desligada e
ordens concisas começaram a se filtrar. Vestiu-se rapidamente e moveu a cama mais próxima da
dela. Colocou mais alarmes e saiu ao corredor, escutando atentamente. Detestava deixá-la, mas
ela estava descansando, e era mais seguro ir sozinho.
O zunido do transporte havia diminuído e Daniel sabia que eles tinham entrado na
extremidade externa do portal, preparando-se para chegar ao destino na ‘Verse’. No final do
corredor, deslizou em uma sala de comunicações, o tipo usado por empresários que viajavam para
manter a comunicação com seus lares sem o alto custo de um comunicador pessoal, capaz de
atravessar transmissões nas ‘Verses’.
Apesar de que, Daniel tinha um comunicador pessoal semelhante, que ele precisava para
acessar o sistema de transporte de comunicações e explorar nos canais bloqueados. Ele poderia
fazê-lo neste nó. Um bloqueio rápido no painel da porta e um pouco de magia com um de seus
brinquedos eletrônicos, e estaria dentro. As ordens, do canal menos seguro eram exatamente o
que ele pensava um vestígio menor do que o que canal seguro guardava. A ausência de Carina
tinha sido relatada, e cada embarcação parada em cada portal devia ser abordada.
Acessando as rotas de evacuação observadas no mapa da embarcação, Daniel conseguiu
traçar três maneiras de sair do transporte que deviam ter problemas. E esperou pelo melhor.
Imaginou uma maior presença de tropas em seus planos originais. Aguardaria que Fardelle
enviasse tropas para procurar em transportes e, provavelmente, uma varredura total em todos os
edifícios de Caelinus. O tempo que eles tiveram antes deles descobrirem o seu desaparecimento
deu-lhes uma vantagem, tendo-os mais distantes. A área que Fardelle teria de procurar seria tão
grande que não seria possível, especialmente no início, olhar minuciosamente todos os
transportes. Isto não resolvia todos os seus problemas, mas dava-lhes mais espaço para evitar a
detecção. Precisava explicá-la que seria muito mais perigoso a partir daquele momento.
Ele se organizou por diversas contingências através de uma mensagem codificada para sua
equipe, desfez o seu trabalho e retornou rapidamente à cabine.
Pela segunda vez em poucos dias, Carina encontrou-se acordada por Daniel em pé em cima
dela, seus dedos contra seus lábios. Uma vez que ela relaxou, ele se inclinou para sussurrar em seu
ouvido.
— Nós estamos quase terminando com o processo de chegada. Dentro de pouco tempo,
eles vão fazer o anúncio que chegamos a Philos. Sairemos daqui. As tropas do império estão
esperando no convés para entrar na outra extremidade da embarcação.
O comandante do transporte anunciou sua chegada conforme o medo era liberado em seu
sistema, deixando-a tonta. Ela quis se levantar, e o fez, lutando para colocar-se em suas botas.
48

Ele já segurava a mochila dela, o que ela aceitou sem uma palavra.
— Você ainda tem a arma?
Uma rápida verificação na bolsa confirmou que sim, então ela concordou.
Ele pegou sua mão e apertou-a, a máscara severa que ele usava suavizada. —Concentre-se
nos detalhes. Nas pequenas mecânicas das grandes coisas que fizer. Relaxe e não se dê nenhuma
razão para pensar em nada além do que o que você precisa. É assim que eu me seguro às vezes.
Isto a surpreendeu, mas ela agarrou-se aos conselhos dele, como em um escudo. Soltando
a mão dela, ele virou em direção à porta. — Eu preciso de você absolutamente tranqüila.
Mantenha a arma o tempo todo, mas não a use a menos que eu mande ou que eu não esteja lá
para mandar, ou que seja uma situação de vida ou morte. Eles não têm razão para acreditar que
têm que olhar para você e para mim; não vamos dar-lhes uma.
Tranqüila? Ela não estaria. Nenhuma das pessoas nesta embarcação estaria se as tropas
houvessem embarcado. As coisas não funcionavam assim no Império. As pessoas temiam a
autoridade.
Ela balançou a cabeça e fingiu que seus joelhos não estavam fracos. — Todo mundo lá fora
vai estar nervoso. Se agirmos tranqüilamente vai fazer-nos alvos. As tropas estarem aqui significa
que as pessoas serão retiradas.
Ele fez uma pausa. — Este é um excelente ponto. Você está absolutamente correta. Você
está com medo e isso é normal para Rina. Tenha calma interior quando usar seu medo de forma
adequada, sim?
Aquecida por aquele pequeno elogio, ela abotoou sua capa, mas deixou o capuz para baixo
até que chegassem lá fora.
— Vamos então, Irmã? — Perguntou ele, abrindo a porta da cabine e entrando no
corredor. Ela seguiu, e ele manteve sua atenção quando fizeram o caminho através do grupo de
pessoas que se deslocam em direção à saída. As tropas estavam atrás deles em algum lugar, ela
sentiu quando ele se apressou para sair. Rezou orações silenciosas para que escapassem sem que
ninguém a bordo da embarcação fosse envolvido ou se machucasse.
Até o ar ligeiramente acre de Philos a encheu de alegria quando pisaram na plataforma. Ela
o seguiu, confiando que ele sabia o que fazer. Esperando que ele soubesse.
As ruas enlameadas estavam cheias de policiais e militares. Seu medo não teve que ser
fingido. Ele pegou a ruas e becos que tinha certeza de evitar a detecção. O ruído de soldados
entrando em prédios e de portas sendo esmurradas começou à sua volta.
— Espera aí.
Daniel congelou, fazendo os dois pararem. Um soldado entrou plenamente em seu
caminho, saído de um edifício logo à frente.
— Onde estão os seus documentos? — O soldado examinou os dois cuidadosamente.
Carina esperava que tivessem que dar algum tipo de explicação sobre o porquê de terem saído do
transporte ‘Verses’antes.
— Aqui. — Daniel puxou-os de sua bolsa. Deu alguns passos para o lado, trazendo o
soldado com eles.
— Qual é o seu negócio, aqui? De onde você veio?
49

— Nós embarcamos no transporte a dois dias em Birrden. Nós estamos parando aqui para
conhecer o pretendente de minha irmã e a família dele. Eu tenho negócios com várias lojas aqui.
Faço botas.
Carina digeriu aqueles detalhes, junto com a insígnia de escorpião na lapela do soldado.
Seu estômago apertou.
— Este código é de mais de quatro meses atrás.
— Eu reservei o nosso transporte quando o preço da noiva foi aceito no final do ano
passado. Fazia parte do contrato nupcial. — Daniel parecia ter um bom entendimento sobre os
conceitos básicos de como as coisas funcionavam no Império, graças a Deus.
— Vocês dois precisam me acompanhar ao complexo de segurança do portal.
— Senhor, nós já estamos atrasados. Não podemos lidar com qualquer problema com o
nosso código em outro momento? Há uma estação de segurança a uma curta distância da pousada
onde estamos hospedados. Posso lidar com isso antes do anoitecer, uma vez que consiga
estabelecer minha irmã. — Daniel manteve seus olhos para baixo.
— Você vai fazer o que eu digo, quando eu digo. Até que eu possa verificar a sua história,
vocês dois estão indo esperar no bloqueio.
— Eu sinto muito por ouvir isso. — Daniel se adiantou e, antes de Carina sequer ter
registrado o que estava acontecendo, ele arrastou o soldado no estreito espaço entre os prédios.
Carina correu atrás deles, olhando ao redor, o que ela esperava que fosse de forma sub-reptícia.
Ela ouviu o ruído repugnante de quebrar o pescoço do soldado. O corpo caiu no chão.
— Continue vigiando — Daniel murmurou-lhe enquanto arrastava o corpo para trás de um
reciclador de lixo.
O que infernos ela faria se alguém realmente os descobrisse, não sabia. Mas manteve a sua
bolsa, os dedos tocando a borda da arma, por via das dúvidas.
— Vamos. Não demorará muito para que descubram que ele sumiu. Daniel tomou seu
braço e empurrou-a para longe numa quase tentativa de corrida.
Ela queria entrar em pânico, mas concentrou-se em cada passo que dava. Mantendo o seu
olhar na rua e calçada, prendendo-se aos detalhes. Ela precisava manter-se focada e ajudá-lo a
tirá-los do perigo. Qualquer outra coisa era inaceitável.
Finalmente, ele relaxou um pouco a coluna, acenando para um grupo de homens de pé
perto a uma condução logo em frente a uma pequena praça.
— Bem vindo, Neil. Vejo que você tem Rina com você, bom, bom. Venha, há bandidos
perto. Os soldados estão em caça, e eu não gostaria de ser um deles, uma vez que as tropas os
alcancem. — O grande homem riu, mas não alcançou seus olhos.
Ela pulou para cima e para dentro do táxi, seguida por Daniel, e saiu em disparada.
Daniel entregou a eles um pacote de documentos, e o menor dos homens entregou-lhe
outro.
— Atualizado com melhores códigos.
Daniel não fez nenhum comentário quando olhou através deles por cima do ombro dela.
Ela estava com um novo nome e eles estavam casados, não irmãos, moradores de Philos, water
runners12.

12 Tradução na integra seria corredores de água, mas nesta frase water runners faz referencia aos moradores de Philos,
por isso o significado da frase poderia ser alterado, optamos por deixar como no texto original.
50

Cada vez que tiveram que parar em um posto de fiscalização e dar seus documentos, ela
pensou certamente que os parariam e jogariam toda a sorte deles na cela. Para seu alívio,
ninguém questionou seus documentos excessivamente. Logo eles estavam longe do portal e nas
profundidades dos cânions, onde os moradores trabalharam para fazer materiais de construção,
de lama rica em minerais.
Ela começou a falar uma vez, mas ele enviou-lhe um olhar que subjugou sua vontade. Se
ele não queria que ela dissesse nada, ele tinha suas razões. Ninguém falou muito após o último
posto de fiscalização. Até que o sol estava completamente alto e eles chegaram a um extenso
cânion.
Assim que o transporte partiu, não havia nenhum som além da sua respiração e o suave
declive correndo em alta velocidade da areia e deslocamento da poeira.
Ele leu uma folha de papel e depois a amassou até se dissolver e não havia mais nada. —
Venha por aqui. — Daniel indicou uma fenda no penhasco à frente.
Eles caminharam por um tempo tão longo que até mesmo Daniel sentiu suas coxas. Mas
finalmente, quando o sol pálido ficou em linha reta acima deles, ele a levou a um pequeno espaço,
apenas grande o suficiente para que rastejassem. Ele pedia aos deuses que ela não fosse
claustrofóbica quando se dirigiram através de pequenas passagens sufocantes quase sem ar,
algumas vezes sob suas barrigas ou mãos e joelhos. Por longos minutos, com terra endurecida
com o suor em suas peles, eles rastejaram em direção ao seu destino.
— Você está bem? — Ele perguntou baixinho.
— Claro. Eu faço este tipo de coisa todos os dias. — Ela bufou indelicadamente. — Isso é
horrível, e eu quero puni-lo severamente por me colocar nessa situação. — Ela ofegou do seu
lugar, logo atrás dele. Felizmente ele ouviu o humor em sua voz, gostava dela um pouco mais por
isso. — Eu sou o único que sabe o caminho. Não me mate ainda. — Disse ele de volta para ela
enquanto se moviam.
Finalmente, foram capazes de deslizar pelo que parecia ser uma fenda natural na parede,
mas o que se revelou logo depois foi inesperado.
Alojamentos. Não muito grandes, mas iluminados por globos incandescentes. Tinha uma
cozinha, uma mesa tosca e uma área de dormir.
— Eu... esta é a casa de alguém? — Ela girou assim que ele colocou a mochila no chão e
deslizou um painel à frente, e a fenda na parede desaparecera substituída por rocha sólida.
— Espero que não seja claustrofóbica.
Ela estremeceu. — Isso é muito mais tolerável do que arrastar-se pelos pequenos espaços
que nós acabamos de passar. Acho que tenho sujeira em todas as partes do meu corpo. Que lugar
é esse?
— É um covil de contrabandistas. — Ele deu de ombros. — Eles se escondem aqui quando
as coisas ficam quentes. Sinta-se a vontade, temos que ficar aqui por um tempo. Nós não
podemos sair da ‘Verse’ até que os soldados vão embora. — Ele olhou para um comunicador de
bolso. — Meu contato diz que a ‘Verse’ esta formigando de Skorpios. Não que precisássemos
dessa informação, o que eu matei era um deles. Isso vai causar algum problema, eu imagino.
Tentei fazer com que parecesse um roubo.
51

Skorpios era a milícia privada de seu pai. Eles eram sua polícia secreta. Sua mão direita de
morte. Quando algo muito ruim acontecia, Skorpios estavam lá. Ela tremeu um pouco. Era um
caminho sem volta, e não iriam parar até que fosse capturada ou morta.
Ele deve ter visto o seu medo, porque tocou a bochecha dela e depois tirou sua mão
rapidamente. — Eu sei. Mas eu sou melhor do que eles, Carina. Você acredita nisto?
Ela não sabia por que deveria, mas balançou a cabeça, porque acreditava. —Eles sabem
que eu estou com você. Ou com a Federação. Não vão parar até que eu esteja morta.
— Ou eu os matarei primeiro. Este é o meu resultado preferido. Nós vamos sair daqui,
Carina. Não hoje. Mas voltaremos para Ravena. Eu prometo a você, te levarei para longe segura ou
irei morrer tentando. Sinto muito, pelo que você teve que ver lá atrás; eu sinto. Mas você não
pode voltar agora.
— Não existe nada para você se desculpar. Nós teríamos sido capturados e descobertos.
Você teria sido torturado e morto, e eu mandada de volta para casa. Eu acredito em você. Confio
em você. — Ainda assim, Carina se preocupou com sua mãe. Perguntou-se se eles sabiam que
tinha sido ela, quem a tinha ajudado a fugir. — Minha mãe? Qualquer palavra sobre quem me
tirou de lá?
— Não tenho muitos detalhes sobre nada dentro do complexo. Conseguimos vários
períodos de distância, antes de descobrirem que você foi embora. E então eles enviaram tropas de
choque. Para tê-los a esse ponto tão rápido significa que devem ter queimado um bom número de
portais privados para chegar até aqui. Se eles estão queimados, não podem usá-los novamente, o
que os atrasa.
— Queimado? — Seu estômago afundou mais. — O que você quer dizer?
Ele se movimentava pela sala, iniciando o elemento de aquecimento na lareira e
balançando a chaleira para começar a ferver. Eficientemente, ele colocou suas pequenas
armadilhas, examinando em cada armário e por detrás de cada gaveta. Finalmente, parou,
despejou a água em uma chaleira e deixou-a entre eles sobre a mesa.
Ela não sabia bem o que fazer, sentindo-se como uma criança estúpida, mas o orgulho não
devia privá-la de aprender.
Daniel olhou para cima e apontou para uma cadeira que tinha empurrado para ela. —
Sente-se, por favor. Você não sabe nada sobre o que se passa, não é?
Sua voz não estava zombeteira ou severa, mas cheia de espanto e tristeza. Ela sentiu isto
em si mesma. O mundo era muito maior do que ela imaginava, e aquilo quebrou algo nela ao
perceber que sua educação tinha sido muito prejudicada pelo que seu pai tinha feito.
Ela balançou a cabeça. — Eu achei que sabia. Estou perplexa.
— Está tudo bem. Ensinarei a você. Outros irão ensiná-la. — Ele tocou as costas da mão
dela tão brevemente que ela se perguntou se imaginara aquilo. —Portais tomam energia da
‘Verse’ e do atrito de onde cada ‘Verse’ se encontra. O portal é uma abertura controlada no
espaço-tempo, queimadas quando as embarcações viajam por ela, por essa energia. Entradas e
saídas através de portais são reguladas de forma muito rigorosa, por esse motivo. Há portais
menores, privados, como do seu pai, como os que os mercenários usam. Há aqueles centrados nos
pontos mais fracos, aqueles que são estáveis, mas, só podem lidar com uma fração do tráfego,
52

com viagens muito mais curtas. Se esses portais são usados em demasia, ou se amplificadores são
utilizados para aumentar a velocidade dos transportes, eles queimam o portal em seu rastro. Eles
se reabsorvem na ‘Verse’, mas causam problemas graves com a terra ao redor de onde o portal foi
iniciado.
— E meu pai já fez isto antes?
— Sim. Beba seu chá. A despensa está abastecida aqui o suficiente para alguns dias, se
precisarmos.
— É um dos nossos lugares para ficar esperando, se tivermos que vir para cá. Não se
preocupe com o suprimento de ar. Há saídas para o exterior, com purificadores para se livrar da
poluição. Os contrabandistas têm lugares confortáveis. Nós apreciamos isto. Ninguém vai nos
encontrar aqui. Você pode relaxar um pouco, durante um tempo pelo menos. Vou fazer-nos uma
refeição daqui a pouco.
— Eu posso fazê-lo. Sou uma cozinheira digna de uma princesa mimada. Ela se levantou e
colocou a mão no ombro dele para fazê-lo ficar. Seus olhares travaram, e um fluxo quente de
desejo se reuniu nela, afrouxando os seus músculos. Ela engoliu em seco. — Não, realmente, eu
posso fazer isto, e eu quero. Quero permanecer ocupada.
Ele hesitou e então relaxou. — Tudo bem. Obrigado. Certificarei-me que as camas têm
lençóis. Disseram-me que há aqui uma cisterna. Você não pode tomar um banho sentada, mas a
água deve ser quente o suficiente para limpar algumas camadas de poeira se quiser.
Ela o agradeceu, olhando as suas costas quando ele começou a atividade enérgica de novo,
colocando cobertores na cama. Uma cama.
Como se tivesse percebido seus pensamentos, ele falou sem se virar. —Eu dormirei no
chão, próximo à entrada.
— Isto é bobagem. Eu tenho certeza que estará frio aqui à noite. Obviamente, não
podemos ter fogo. Somos adultos. Você vai estar perto o suficiente para me proteger caso
precisemos disto também. — Ela parecia muito concisa, mas, não estava totalmente. Ela o queria
na cama com ela. Não queria ficar sozinha. Desejou a sensação de um homem ao seu lado
enquanto dormia.
Ela caminhou até onde ele estava e colocou de volta as roupas de cama sobre a cama. —
Você pode tomar banho primeiro, enquanto eu faço a refeição. Não vou olhar. — Ela sorriu.
Ele levantou a cabeça e finalmente sorriu de volta. —Antes de fazer isso, preciso sair para
ver se posso receber uma transmissão com algumas informações adicionais. O sinal perto do
portal está bloqueado, mas aqui fora, todos os traficantes e mercenários, precisam ter
impulsionadores suficientes para atravessar.
Ele precisava estar longe dela, mesmo por um curto tempo. Era seu cheiro, ele decidiu, a
forma como sua pele e cabelo seguravam o cheiro dela, mesmo por baixo do suor e da poeira.
Aquilo havia entranhado em sua consciência e estava começando a deixá-lo louco.
Quanto mais tempo ficava com ela, mais a admirava, encontrando pequenas coisas
fascinantes nela; queria saber mais, e este não era um bom caminho.
Certo, então ela tentava não parecer assustada; ele via isso claramente. Ela tinha sido tão
forte o dia inteiro. Não tinha feito um ruído sobre o fato de ele ter matado um homem, não tinha
53

perdido a compostura uma vez, apesar do número de vezes que esteve em perigo desde que a
conheceu. Ela trabalhou seu pânico e se manteve firme, até mesmo lembrando-o anteriormente
sobre como todos no Império teriam ficado com medo ao ver as tropas.
Ele tocou sua bochecha, sendo recompensado pelo cetim liso de sua pele. Suas pupilas
aumentaram e sua respiração ofegou. E ele precisava parar de tocá-la, mas não tinha planos de
começar tão cedo. — Eu não vou estar longe. Você está segura aqui. Só eu ou alguém com as
instruções e códigos certos pode chegar até aqui. Estarei de volta antes que você termine com a
comida. — A voz era rouca, inclusive aos próprios ouvidos, e ela cheirava tão bem que ele teve
que lutar contra o impulso de inclinar-se e inspirar.
Então ela disse: — Eu confio em você com a minha vida, Daniel. — E ele perdeu a
compostura completamente, inclinando-se para beijar-lhe a testa antes de sequer ter pensado
naquilo. Quanto mais tempo ficava perto dela, mais se via fazendo coisas que realmente não tinha
pensado, coisas que eram estúpidas e perigosas.
Mas ela o abraçou, segurando-o firmemente, e ele abandonou todos os “deveria ser” e
“deveria ter” e abraçou-a de volta. — Nós vamos ficar bem, Carina.
Ela apertou-o mais uma vez e afastou-se dele, corando furiosamente mesmo quando o
olhar dela estava travado nele. — Vá em frente e se apresse de volta, assim as coisas não vão ficar
frias. Vi um pouco de carne e legumes secos. Tenho certeza que posso fazer algo para nós. — Sua
alegria forçada só o fez querê-la mais. Em vez disso, ele virou e dirigiu-se a uma porta pela qual
eles não passaram, outra entrada na parte lateral, através de um armário. Precisando
fodidamente sair da presença dela, ele rapidamente tomou a passagem escura, as lâmpadas
incandescentes de aquecimento lançando luz fraca, mas consistente quando passou. Esperava que
a ruptura da presença dela fosse ajudá-lo a organizar seus pensamentos e controlar seus impulsos
novamente.
Ele precisava controlar o que quer que fosse que aquilo trazia nele antes que fizesse algo
estúpido. Como beijar aqueles doces lábios.
Deuses acima e abaixo, ele a queria. Sua pele se arrepiou com isto, com o desejo de tocar e
acariciar. Ansiava por conhecer o gosto dela. Estava fora de equilíbrio e em território
desconhecido. Não que não tivesse sentido desejo por mulheres antes, sentira em muitas
ocasiões. Mas nunca em uma missão, nunca por uma mulher como ela e nunca com esse tipo de
necessidade insondável, que não poderia sequer começar a nomear.
Daniel nunca sentiu nada por mulheres virginais, preferindo as parceiras que eram tão
experientes quando ele. Carina Fardelle poderia ter sido mais corajosa do que a maioria das
pessoas que ele conhecia, inventiva e inteligente, mas com certeza não era experiente
sexualmente. Ela não poderia ser tratando-se de quem era, e suas reações a ele apenas
confirmavam esse fato. Ela estava fora da sua confederação e de qualquer lista possível para uma
parceira sexual, e ele tinha que deixar isso de lado antes que fizesse algo desastroso. Ele só podia
machucá-la, e a própria idéia de trazer dor a ela parecia impossível.
Por que diabos ele tinha essa reação a ela?
Empurrou isso tudo para fora tão profundamente quanto podia e se concentrou nas
tarefas a sua frente.
54

Uma vez que encontrou a matriz de comunicação, instalou-se e começou o download de


informações. Informou que estavam vivos e em marcha. Havia várias direções que poderia tomar,
dependendo do que aconteceria nas próximas horas, então sairia de lá, arranjaria contatos em
cada portal que pudesse. Deixar aquilo flexível significava que podiam mudar de planos se
necessário. Ele leu as atualizações postadas pelo seu pessoal e acionou o envio das mensagens em
pequenas explosões de dados para que não fossem identificadas.
Finalmente terminou, recostou-se na cadeira e cedeu ao que queria fazer desde o primeiro
olhar sobre a bela Carina Fardelle. Abrindo suas calças, puxou seu pênis para fora, lentamente,
apertando a base para prolongar o prazer.
Conforme estocava, a mão sobre o punho, uma e outra vez, pensava na cavidade doce do
pescoço dela, logo abaixo da orelha. Imaginou a pele macia, perfumada de flores da noite,
inebriante e úmida. A respiração dela ia falhar quando ele lambesse aquele lugar, sabendo que
ninguém nunca o fizera antes, sabendo que ele seria o homem para apresentá-la aos prazeres
sensuais de uma maneira que ela nunca esqueceria.
Ele pensou em como ela poderia soar, aquela voz régia, com apenas um toque do fogo que
guardava por dentro. Uma mão deslizaria para baixo na perfeita espinha dela, a curva fazendo
amor com a mão dele até que ele parasse, envolvendo as curvas do traseiro dela. A pele dela seria
pálida, flexível, ultra-sensível a cada carícia. Ele a puxaria para perto, revirando os quadris apenas
o suficiente para criar atritos deliciosos contra seu clitóris. Só um sopro de intensas sensações,
antes que ele se afastasse, deixando-a adaptar-se lentamente.
Ela se arquearia contra ele enquanto ele se movia para desabotoar o corpete de seu
vestido, os seios derramando em suas mãos. Perfeitos. Ele os tinha visto naquele dia enquanto ela
corria, conheceu a beleza da curva em seu decote. Enterraria seu rosto lá, polegares deslizando
lentamente de um lado para outro em seus mamilos, levando-a ao clímax, apenas o primeiro de
uma noite longa que valeria a pena.
Ele considerou diminuir a velocidade, enquanto continuava a foder os seus punhos, mas
não podia. Precisava dela, precisava provar seu desejo. Queria beijar sua barriga para baixo
enquanto ela tremia. Não com medo, mas com antecipação. Precisava beijar sua boceta até ela
choramingar. Quis saborear àquela doce boceta para que estivesse extremamente macia e
molhada quando ele estivesse pronto para fodê-la.
Para facilitar o seu caminho e o dela. Ele queria que durasse.
Isso não aconteceria justamente à altura, no frio penetrante da pedra que o cercava,
seguido por tropas de elite. Tudo isso de lado, ele ainda precisava gozar, e gemeu com força
quando chegou ao clímax, o calor dele contra sua pele. Pensando nela embaixo dele.
Carina mordeu o lábio inferior com tanta força que temeu que sangrasse. Ela o seguira
depois que acabara de preparar a refeição. Disse a si mesma que estava preocupada com ele, mas
se fosse totalmente verdadeira, ela queria vê-lo, ficar sozinha com ele para ver o que ele faria com
ela se o pegasse em um ponto fraco. Ela queimava para que ele a tocasse, para que a notasse.
Mas quando chegou a virar o canto, o que viu foi Daniel, cabeça para trás, o êxtase em seu
rosto conforme se satisfazia.
Masturbava-se.
55

Fodendo os punhos.
Ela espionara homens quando se masturbavam antes, a visão sempre intensamente
excitante para ela. Mas não existiu nada em sua vida que poderia tê-la preparado para vê-lo
daquele jeito. Ela pressionou os dedos nos olhos, a visão de tal sexualidade intensa e
masculinidade queimando em seu cérebro como uma febre. Ela fez o caminho de volta o mais
silenciosamente possível e esperava que ele não o notasse. Ele tinha sido magnífico lá, tomando o
que precisava. Seu pênis era bonito de uma maneira que ela não esperava. Duro, masculino,
selvagem. Ela quase desmaiou quando ele ofegou. Quando ele ofegou o nome dela. Ele disse isso,
o que foi um raio para a sua vagina, para seu coração, conforme a eletricidade do momento a
atingia.
Ele gozou com um gemido que pareceu ecoar entre as coxas dela e então ficou totalmente
relaxado. As máquinas começaram a zumbir, e foi quando ela virou de volta para a cozinha.
Durante todo esse tempo metade dela esteve convencida de que ele tinha pena dela e a
outra metade do tempo, achava que ele a odiava. Obviamente, ele não a odiava o suficiente para
parar seu orgasmo enquanto pensava nela.
Suas mãos tremiam um pouco pela excitação em seu sistema. Ela não era estúpida. Daniel
não estava convencido de que ela era verdadeira. Ele era cauteloso, contido porque era um
profissional. Ou algo parecido.
Não, ele era o tipo de homem que negaria a si mesmo prazeres pessoais, porque fazer a
coisa certa significava tudo. Aquele tipo de pessoa que fora tão raro na sua existência, o que o
fazia poderosamente mais sedutor e atraente para ela. Ele poderia então dizer a si mesmo que ela
era jovem e inexperiente. Aquele fiapo de pele que criava o detalhe técnico de sua virgindade era
algo que valia a pena, mesmo que não pudesse tirá-lo. Daniel era um homem de substância,
mesmo que carregasse mais armas do que alguém logicamente poderia esperar e as usasse com
eficiência viciosa.
Ela deveria respeitar isto. Bastava deixá-lo levá-la para Ravena em segurança. Apertar sua
mão quando ele a deixasse, e esquecer tudo sobre ele.
Mas ela não iria. Sabia disso, assim como sabia o seu próprio nome. Ele tinha feito alguma
coisa em seu cérebro para dominá-la. Ansiava-o, e pela primeira vez em sua vida queria dar asas a
esse egoísmo, explorá-lo.
Queria saber se ele a queria tanto quanto ela o queria.
Ela ocupou-se, esperando que ele voltasse, e quando o fez, caminhando no quarto,
aparentando estar um pouco mais relaxado do que quando saiu, ela tentou fingir que não estava
absolutamente, pensando nele se masturbando quando colocou sua refeição na mesa.
Talvez ela devesse ter tomado o tempo só para ter um orgasmo, também. Isto certamente
parecia ter desatado sua espinha.
Enviou-lhe um sorriso, fingindo não ter acabado de espioná-lo. — Está pronto.
Ele movimentou a cabeça uma vez, mantendo distância. — Vou lavar-me rapidamente.
Estou empoeirado. — Ele quase saiu correndo do aposento, deixando-a confusa.
Ela ficou olhando fixamente para ele, imaginando o que tinha acontecido entre eles
naquele momento. Era como se ele não pudesse ficar longe dela rápido o suficiente. Ele sabia que
56

ela o tinha visto? Oh deuses! Será que ele a pegou espionando-o e pensou que era sobre os dados,
em vez de intuir o seu fascínio por ele?
Sentindo-se um pouco envergonhado, mas admitidamente menos distraído, Daniel tirou o
suéter e a camiseta do corpo. A água na bacia estava quente, muito provavelmente mantida em
bacias perto da superfície onde o sol iria mantê-la dessa maneira. O sabão não era o mais luxuoso
que já tinha usado, nem fez queimar sua pele, como alguns tinham feito. Tanto quanto um refugio
podia ser, este lugar era bom. Protegido.
Conseguir fazê-la chegar a Ravena segura, e logo, era a única maneira desta situação
terminar bem. Quanto mais tempo estivessem juntos mais ele a quereria, mais desejaria tocá-la,
mais iria querer fazer com ela tudo o que ele já tinha imaginado e muito mais.
Ele tinha que manter distância, ou iria quebrar todas as regras e ambos seriam condenados
por isso. Ela era a realeza. Agora, tão fora de sua posição, o que não era em nada engraçado. Ela
era inocente e suave, e não havia nenhuma maneira de um homem como ele ter permissão para
tê-la. Ou deveria ter.
Apenas mais um pouco, e ele iria entregá-la. Eles dois ficariam muito melhores se ele
mantivesse suas mãos para si mesmo.
Carina olhou para cima quando ele chegou ao canto, limpo e parecendo menos agitado,
embora a distância iluminasse seus olhos. Hmpf. O que acontecia com os homens, afinal?
— Sente-se. Eu preparei algum chá também. Está ficando frio aqui. — Ela sorriu e apontou
para uma cadeira.
— Isto parece estar bom. Obrigado. — Ele apontou para os pratos de comida, e ela
encontrou-se menos aborrecida com ele, o que só a incomodou novamente.
— De nada. Alguma novidade? Conseguiu o que precisava? — Ela observou-o, tentando
não sorrir com o duplo significado de suas palavras a atingindo.
— Não totalmente o que eu precisava, mas vai servir por agora. Nós vamos ter o apoio
para qualquer lado que formos. Eles sabem que estamos nos movendo. Podemos ficar aqui mais
um pouco, descansar a cabeça e sair novamente. Precisamos sair desta ‘Verse’ e ir para o Edge
logo que seja seguro. — Ele hesitou e então começou a comer novamente.
Sensação de pânico. — O quê? Há mais, eu posso sentir. É minha mãe? Meu irmão?
Ele olhou para cima, a distância desaparecera agora. — Não. Houve mais violência. Tropas
imperialistas dispararam contra as tropas federais em uma estação lotada no portal Parron. Sete
civis foram mortos. A Federação expulsou as tropas imperiais e seu embaixador. A guerra é apenas
uma questão de tempo. O que torna ainda mais difícil te levar. — Ele fez uma pausa, tocando sua
testa. — O que você tem Carina? O que está pensando?
— Eu não sei de tudo. Honestamente, não sei. As coisas que vi ao longo dos anos foram
secundárias em comparação ao que é isso. Minha mãe estava apavorada por causa disso. Ele está
construindo algo, usando seus laboratórios para ajudarem a pesquisá-lo. Ela disse que ouviu meu
pai falando sobre a evacuação de civis em todo o local, o que ele quis dizer com o local. Ela está
arriscando a vida por isso, então é melhor você me tirar daqui.
— Você tem alguma idéia do por que ele mudou de rumo conosco? Nossos dois lados não
eram amigos, mas nos últimos anos tem sido diferente. Ele saiu do caminho para ser agressivo em
57

relação aos universos da Federação. Ele não pode achar que pode, possivelmente, ganhar. Nós
somos maiores e temos mais armas. Temos mais tropas. Eu não estou tentando colocá-la numa
posição difícil, sei que ele é seu pai, mas se nós pudéssemos compreender melhor as motivações
ou mentalidade dele, talvez pudéssemos encontrar uma solução antes que isto exploda nas nossas
caras.
Ele não podia ter idéia de como a busca dele por sua opinião a fez se sentir. A maioria das
pessoas tendia a ignorá-la, a pensar que ela era bonita e boa, por saber como colocar os talheres
do jantar. Esta fora a primeira vez que alguém como ele pedira sua opinião.
— É difícil dizer. Meu acesso às informações era severamente limitado. Tenho certeza de
que não sei a totalidade do que ele está fazendo e tem feito. Isto começou a correr mal na época
em que meu irmão mais velho desapareceu. Meu pai tornou-se mais reservado, mais sensível a
qualquer um questioná-lo. Alguns de seus assessores mais próximos o deixaram naquela ocasião e
outros mais, o deixaram quando o meu irmão mais novo morreu. Precisamente os tipos errados
de homens preencheram os lugares dos outros. Ele não conversa comigo do jeito que faria se eu
fosse do sexo masculino. Mas muitas vezes mostra uma espécie de raiva e ciúme, uma sensação
geral de injustiça, sempre que o assunto das ‘Verses’ da Federação vêem à tona.
— Se você quiser saber alguma coisa, pergunte. Se puder dizer, eu direi. Naturalmente,
algumas coisas vão estar fora dos limites, mas eu entendo que você está de certa forma, em um
vácuo de informações. Como este tipo de coisa me incomodaria muitíssimo, posso entender como
isso pode afetá-la.
Bugigangas brilhantes e o mais suave dos materiais não teriam mais importância para ela
do que isso.
— Vamos nos refugiar inteiramente aqui, descansar um pouco. Recarregar e esperar.
Temos um curso difícil pela frente, mas eu fiz isso uma ou duas vezes antes. — Ele sorriu, e ela se
suavizou por dentro. — Se não conseguirmos, ele ganha. E falhar me deixa com raiva.
Ele deu de ombros e continuou a alimentar a colher em sua boca a um ritmo alarmante. Ela
o observou no dia anterior. A maneira como ele comia estável, mas em grandes quantidades.
Tinha visto o suficiente de seu corpo para saber que ele não levava nem um pingo de gordura
extra. Ela perguntou-se se ele tinha sido feito com os avanços da bioengenharia.
Ela sabia que os Skorpios de seu pai o tinham, e seus sistemas nervosos centrais tinham
sido danificados, a ponto de terem que usar produtos químicos para manterem-se equilibrados ou
teriam uma morte dolorosa. Aquilo os fizera rápidos como a velocidade da luz e muito ansiosos
para aceitar as ordens, mas não tinham mostrado sinais de dependência ou de seus movimentos
às vezes nervosos.
Daniel olhou para cima, como se tivesse esquecido que ela estava lá. —Você ainda está
chateada. O que é? Se eu tivesse informações sobre sua mãe, diria a você. Tenho uma mãe,
também. Como a sua, a minha arriscaria a vida por seus filhos também.
Oh, maldito! Justo quando ela trabalhou em ficar indignada por ele não estar obcecado por
ela como ela estava por ele, ele vai e diz algo reconfortante.
— Seu metabolismo é muito rápido. — Ela não sabia se podia falar da mãe naquele
momento. Não sem chorar.
58

— Eu queimo muitas calorias quando estou em missão. Mas não é isso que você quer dizer.
Sua tendência para ver através dela era inquietante. — Você tem reforços biológicos,
então? os homens de meu pai têm que ter mais calorias, também. Eles carregam barras de
proteína especial.
Ele bufou. —Barras de proteína especial? É disso o que as chamam? Vamos ser honestos,
ok? Eles carregam por toda parte barras de drogas sintéticas carregadas com estimulantes porque
os laboratórios do seu pai os tornaram super soldados. Ele criou um exército de viciados, e esta é a
fonte deles. Isto não é lealdade. É uma linha perigosa em que ele caminha. Eu não sou viciado em
nada, exceto uma boa comida. Trabalho com meu corpo. Preciso de calorias. Não estou no serviço
militar, porque é a única maneira de conseguir minha droga.
Tinha sido o mais longo discurso que tinha dado desde que ela o conheceu, e apesar de sua
ofensa e um pouco de vergonha, ela se encontrou fascinada pela cadência do seu discurso. A
maneira como ele falou, como cada palavra pesou certa quantidade e elas todas tiveram que se
ajustarem, precisas e, no entanto, havia selvageria, também, logo abaixo da superfície.
— Eu peço desculpas. Não quis insultá-lo.
— Não estou insultado pela sua pergunta. Você não quis dizer isso para ser ofensivo.
Entendo isto. Eu disse que lhe daria respostas quando pudesse, e fui sincero. Estou insultado pela
forma como os seres humanos são projetados para servir melhor, mas ao fazê-lo, eles são
danificados e transformados em autômatos. Autômatos quimicamente dependentes de seu pai.
Para viver. Isso me ofende. Eu sirvo de boa vontade. Outros devem ter a mesma escolha. Deverá
haver sempre uma escolha.
A vergonha fez a pele dela, arder. — Eu concordo que não é perfeito. Mas, para assumir
que você não foi empurrado para um lugar que você escolheu, mas sim para algo pior, é de
alguma forma livre escolha, é subestimar como funciona a dependência, não é?
Ele mastigou, pensando. Ela sentou-se, tomando seu chá e olhando para ele, fascinada com
a maneira como ele processava as informações.
— Eu não sou um viciado, e não sirvo tiranos porque não sou um escravo do vício. No
entanto, você está certa em dizer que na época em que entrei para o exército, era uma escolha
entre isso e algo pior. Mas eu escolhi estar aqui agora. Eu escolhi fazer o meu trabalho. Não faço
isso por mais drogas, eu não faço isso por reputação. Faço isso porque é o que eu quero. Faço isso
porque é no que eu sou bom, e eu faço a diferença. Eu não fiz uma escolha puramente livre
quando entrei, mas ficar? Esta é a minha escolha, e é isso que me faz diferente do Skorpios. É o
que faz você diferente também, Carina.
Ela desejou ter a coragem de pedir-lhe para lhe contar aquela história. —Eu... eu não sou
como você. Você é um soldado. Você faz isso todos os dias, enquanto eu tinha uma empregada
apenas para o meu cabelo. Deixei todos para trás. Claro, eu estou te dando informação, mas estou
me salvando de um casamento horrível. Não sou nobre ou valente, apenas desesperada.
Aqueles olhos verdes se focaram nela. Seu olhar vagando sobre suas feições, e ela sentiu
uma carícia fantasma. Lutou para não se perder nele. Ele era assim, muito mais do que qualquer
um que ela já conheceu. Ela apostava que seria fácil perder-se em um homem como Daniel.
Percebeu que já tinha começado.
59

— Você não pode acreditar em tal coisa, não é? Você está autorizada a querer sair do que
seu pai planejou com o casamento com Alem. Você ajudou antes, e se isso nos proporcionar uma
maneira de parar alguma arma que ele esteja desenvolvendo antes que possa fazer qualquer
dano, pode fazer pender a balança a nosso favor. Quanto ao meu trabalho, com certeza, eu arrisco
minha vida o tempo todo. E você não, não desta forma. É por isso que o que você está fazendo
significa mais.
Ele bufou uma risada e empurrou outra fatia de pão sírio na boca. — Você é especial. Está
arriscando tudo para ajudar as pessoas. Sim, eu sei que você fica fora de casar longe daquele
porco. Só por isso seu pai devia pagar. — Ele olhou para uma coisa distante antes de voltar sua
atenção para ela. — Você está fazendo a coisa certa. O ato de coragem. Milhões de vidas em
ambos os lados podem ser salvas por causa desta informação que você tem. Não se deixe
subestimar a importância do que está fazendo.
Ele se levantou e começou a tirar os pratos da mesa, deslocando-os para a bacia nas
proximidades, ela cambaleou ainda sentada.
— Vou retirar a louça. É justo. Vá e lave-se. Tem sabão próximo à bacia. A água está
relativamente quente. Achei algumas roupas que você pode querer usar também.
Foi dispensada quando ele começou a trabalhar, voltando sua atenção para outro lugar.
Ficou parcialmente aliviada. Estar no foco dele era confuso. Ele era duro de se entender.
Ela desfez a trança que ele fizera nela antes. A cor estava começando a desvanecer-se de
volta ao seu tom normalmente pálido. O chão de pedra debaixo de seus pés descalços era quente
quando ela conseguiu ficar molhada o suficiente para ensaboar-se. A água do enxágüe a fez
perceber a quão suja estava, tinha limpado a pele e a distância a fez mais sensível para o ar em
torno de seu corpo nu. Não havia portas aqui. Apenas uma alcova em torno de um canto do
cômodo principal.
Podia ouvi-lo se mover, enquanto tomava banho. Quando ela estava totalmente nua, os
mamilos duros, sua vagina doendo como nunca esteve antes, ele estava perto o suficiente para ela
ouvir seus resmungos quando ele relembrou as coisas em sua mente.
Ou ela imaginou que era aquilo, não podia distinguir as palavras, apenas o sentimento por
trás delas. Ele a tinha entendido de um jeito que ela não tinha certeza se podia confiar. Ela queria
muito fazer a coisa certa. Sabia que seu pai havia feito muitos estragos em nome das ‘Verses’
Imperiais e, como uma Fardelle, ela queria remediar aquilo, queria fazer melhor. Como poderia
fazê-lo e não ser uma traidora, ou pelo menos, aceitar que ela era uma traidora, mas pelas razões
certas, ela não tinha certeza. Não tinha certeza se já se sentia como se estivesse traindo a todos
que deveria proteger.
O ar tinha esfriado, de modo que ela se secou, vestindo-se rapidamente. Decidiu contra o
aliviar da dor sexual em si, não com ele a poucos passos de distância, ao virar do canto. Ela podia
ter necessidade de ser tocada e gozar, mas não era tão ousada assim.
O que ela estava estava sozinha, e precisando desesperadamente de um pouco de
compreensão e companhia. Com um suspiro, voltou para o cômodo principal.
— Conte-me sobre você, Daniel. — Disse ela, fixando-se na cama, reunindo os cobertores
em torno de si.
60

Surpresa deslizou em seu rosto. — Como o quê? — Em vez de vir para a cama com ela, ele
pegou uma cadeira e moveu-se nas proximidades.
— Você tem algum irmão ou irmã? — Sua proximidade a alterou e desalterou ao mesmo
tempo.
Ele sorriu, e ela sabia que havia um homem debaixo daquela fachada que amava as
pessoas.
— Eu tenho. Sou o mais velho. Tenho duas irmãs e um irmão. Dois sobrinhos por
casamento; ambos são adultos. Bons meninos. Minha irmã está carregando um bebê agora... —
Fez uma pausa, como se tivesse sido pego fazendo algo per’Verse. — ...E você?
— Eu imagino que você saiba a maior parte dos detalhes. — Ela encolheu os ombros, muito
mais satisfeita em ouvi-lo falar. A voz dele a fazia se sentir segura.
— Eu li uma série de relatórios, sim. Mas isso não é o mesmo que você me contar sobre
eles. —
Ela engoliu em seco ao redor da verdade disso. — Eu tenho um novo irmãozinho. Ele é
lindo e muito alegre. Nós brincamos entre nós que ele conseguiu o seu temperamento de sua
mãe. Ela é mais jovem que eu, minha segunda mãe. Eu tinha um irmão que foi, durante vários
anos, mais novo do que eu. Ele morreu de uma doença de rápida disseminação. Nós ainda não
sabemos o que era.
O calor nos olhos dele se foi em apenas um suspiro. Seu rosto se fechara inteiramente.
Alarme correu através dela.
Ele sabia algo sobre Petrus.
— O quê? Diga-me. Diga-me, você disse que iria me falar. O que é?
Ele não se preocupou em fingir não saber do que ela estava falando. — Eu sinto muito,
Carina. Nossos relatórios apontam que seu irmão foi infectado por um bioagente que ele
encontrou por acaso nas câmaras de seu pai. Eles... bem, esse é o nosso relato do que aconteceu.
Seus olhos ardiam. — Você está dizendo que meu irmão foi envenenado por algo que meu
pai deixou solto por perto? Ele não é um bom homem, mas não é descuidado. Algo assim seria
valioso, ele não iria simplesmente jogá-lo de lado para alguém encontrar.
— Correto.
Ela olhou para ele e percebeu que ele tinha sugerido o que ela dissera. Instintivamente, ela
recuou. —Não. Não, não, não. Ele não faria isso. Ele não faria isso. Meu irmão era o único
herdeiro. Mesmo que meu pai não tenha se importado com ele, em alguma posição ele precisava
de um herdeiro.
— Eu... Eu nem deveria estar lhe dando tantos detalhes. Mas se fosse comigo, eu iria
querer saber. — Ele balançou a cabeça como se terminando um argumento interno. — Seu irmão
mais novo ingressou em um laboratório perto do escritório do seu pai. Segundo o relatório oficial,
ele estava seguindo seu pai de perto. A seringa foi colocada em um recipiente, próxima de onde
foi usada antes para testar em cobaias animais. Havia apenas uma quantidade muito pequena.
Mas seu irmão era jovem, e tinha estado recentemente doente, então o contaminou.
Gelo se polvilhou através dela, mas ela não conseguia parar de perguntar. —O resto?
61

Ele suspirou. — Uma vez que ele foi infectado, eles decidiram estudá-lo. Ele mais valia à
pena para eles morto do que vivo. Não teria havido tempo para salvá-lo de qualquer maneira, eu
acho que não. Eles assistiram a devastação da doença dele e a estudaram. Os dados que chegaram
permitiram inocular soldados imperiais. Ele construiu uma unidade de guerra biológica, e esta foi
uma enorme descoberta para eles.
— Isto não pode ser verdade. Simplesmente não é. Não é nem racional.
Ele começou a falar e depois balançou a cabeça antes de dizer qualquer outra coisa. —
Tudo bem. Você sabe melhor do que eu.
— Você está sendo condescendente comigo? — Ela ficou de joelhos, rastejando em frente
onde ele estava sentado, ao lado da cama. — Eu não sou estúpida. Mas nem todos no Império são
per’Verses’ tampouco. Não somos todos desalmados, monstros matadores de filhos. — Ela
sufocou um soluço que não esperava. Ele não estava mentindo, ele não estava mesmo mal
informado. Ela sabia que era verdade. Oh, ela não tinha percebido antes, apenas momentos atrás,
mas sempre sentiu que a situação em torno da morte de Petrus tinha sido estranha. A forma como
o pai dela tinha respondido parecia improvável. Mas ele era estranho mesmo, e ela não poderia
ter imaginado isso. Quem poderia imaginar uma coisa dessas?
Mas o pai dela tinha novos laboratórios. Havia rumores de pessoas estarem doentes com
coisas que nenhum médico podia curar. E se essa coisa que ele estava construindo era parte
disso?
— Não estou sendo condescendente com você. — Ele esfregou sua bochecha
delicadamente, surpreendendo aos dois, se o olhar no seu rosto era um indicador. — Desculpe-me
se eu te chateei. Essa não foi minha intenção. —
— O que você é? — Isto saiu de sua boca mesmo que seu cérebro gritasse para que
parasse.
Ele sorriu somente um pouco. Mas quando o fez, ela pegou um vislumbre do homem que
ele era quando não estava em missão. Um vislumbre de Daniel debaixo do uniforme e
armamento.
Sem pensar, ela esticou a mão até a traçar os lábios dele, e ele permitiu aquilo durante
mais tempo do que ela pensava que ele fosse, finalmente, puxando-se para trás.
Carina engoliu em seco, sentindo-se exposta, aflita, confusa e sozinha. — Eu peço
desculpas. Isso foi rude. Tudo isso. Eu não deveria estar surpresa, meu pai teria usado a morte do
meu irmão para lucrar. Lembro-me da vacina. Aquilo foi lançado com muito alarde. Mas ele nunca
disse. — Ela soltou um longo suspiro. — É muito difícil ter consciência de que toda a sua vida é
uma mentira.
Não havia nenhuma piedade em seu rosto, só tristeza e compreensão. — Eu sinto muito.
— Eu tenho outro irmão. — Ela disse, precisando preencher o espaço silencioso. — Ele
escapou. Acredito que ele ainda está vivo no Edge. Espero que ele esteja feliz e fazendo alguma
coisa para parar o meu pai. Minha mãe é uma boa pessoa que nunca teve uma chance. E você está
familiarizado com o meu pai. Eu poderia inventar um conto e dizer a você que ele fora uma vez um
bom homem que mudou lentamente. Mas eu estaria mentindo. Ele sempre foi pequeno,
mesquinho e egocêntrico. Vingativo. Enganoso. Brutal quando chateado, agudamente cruel. Não
62

houve nenhuma história de quando ele teve tempo na agenda para vir me ouvir quando eu
cantava ou dançava nas companhias de jovens artistas. — O gelo tinha estabelecido em seu peito,
dolorosamente frio e afiado. Ela apertou o ponto central da mão lá. — Ele deixou Petrus morrer.
Quem poderia fazer isso?
Daniel desejou com todo seu coração que não tivesse dito a ela a verdade sobre seu irmão.
Ela mostrava tanta dor em suas feições que ele sentiu como se fosse a sua própria. — Eu não sei.
Se serve de consolo, meu pai não está na lista de melhores pais da ‘Verse, tampouco.
As sobrancelhas dela franziram em consternação, e ele lutou para não sorrir. Melhor ficar
irritada com ele do que magoada.
— Realmente? À parte de ele, obviamente, não ser um grande vilão como o homem que
investiu bilhões para mergulhar numa guerra só porque pode e porque quer no que seu pai é tão
ruim assim? Ele jogou sua mãe de lado para que pudesse entrar no cio sobre uma mulher que mal
chegara à idade adulta para substituir os filhos que ele, tão casualmente, deixou de lado?
A verdade não estava muito longe disso. — Ele teve vários casos amorosos. A maioria deles
a minha mãe sabia. Ela tem o quarto dela na casa deles, e ele tem o dele próprio. Eles raramente
se falam. Meu pai estava disposto a atirar minha irmã para os lobos para ter mais atenção da
mídia. Ele não é um bom homem, não. Não é seu pai, mas eu desejaria pelos sete infernos que
não fosse meu também.
Daniel se levantou e andou um pouco. Não tinha a intenção de revelar nada disso. Ela foi
chegando nele, e ele não estava sequer ciente daquilo que até que estivesse revelando. Esta não
era a maneira de um agente de alto escalão agir.
— Por que você foge? — Ela estava mais perto do que deveria ter estado.
— Não sei o que você quer dizer. Desde o complexo? Nós tivemos que sair de lá.
— Como você pode ter notado, eu não sou a mais experiente quando se trata de homens.
Mas não sou estúpida. Várias vezes, depois de você e eu termos compartilhado algo, uma emoção
profunda, você se afasta para colocar espaço entre nós. Por quê?
Ele não se virou. Se tivesse, teria perdido sua determinação e a segurado junto a ele da
maneira que quis o dia todo. Seu controle estava escorregando, e ele não estava prestes a abraçar
a fraqueza.
— Tenho um trabalho a fazer, Carina. Você teve momentos difíceis, eu sei. Sugiro que
durmamos um pouco. Talvez tenhamos que ir embora assim que a noite caia.
Ela resmungou, surpreendendo-o o suficiente para que ele se virasse por um momento,
capturando a vista dela virando o canto. —Você tem sorte de ser bonito, porque não é muito
esperto. — Ela murmurou, caminhando a passos largos.
Ele não era esperto? Ele pode não ter sido criado com muita cultura, mas não era estúpido!
Ele tinha decidido lhe dizer isso quando percebeu que ela o fisgara, e sorriu de novo. Ela era
surpreendente, Carina Fardelle. Isso só poderia manter seu bonito traseiro vivo.
63

Capítulo 8

Ele acordou no momento em que acionara seu relógio biológico, um talento que ele tinha
descoberto e aprimorado ao longo do tempo no Exército. Ela estava encolhida contra as costas
dele, e enquanto ele soube que precisava apenas levantar e se vestir para que pudessem ir
embora, ele ficou lá durante algum tempo, aproveitando a sensação suave dela lá, aconchegada
contra ele. Isto era novo e, ele relutantemente admitiu, agradável.
Ela cheirava bem, mesmo que tenha se recusado a dizer outra palavra para ele assim que
voltou para o cômodo, após o comentário sobre ele não ser esperto. Ele havia retirado a roupa,
ficando com a roupa de baixo e se estabelecera atrás dele.
— Você é casado? — Ela perguntou com a voz sonolenta.
— Por quê? —
Ela beliscou-lhe, e ele rolou para longe, rindo.
— Porque se eu estou em sua cama e você mal está vestido, eu deveria saber se você tem
uma esposa. É justo.
Ele se levantou, dirigindo-se ao canto para se lavar. — Poderíamos pensar que era minha
esposa quem tinha o direito de saber sobre isso. — Ele sorriu, sabendo que ela estaria perturbada.
—Então eu acho que é uma coisa boa eu não ser casado.
Ele puxou uma camisa e a colocou em suas calças antes de retornar para o cômodo
principal, onde ela ainda estava debaixo do ninho de cobertores na cama.
— Já volto. Quero fazer check-in com o meu pessoal para ver o que está acontecendo. —
Antes que ela pudesse discutir ou pior, tentar ir junto com ele, ele abaixou-se trás na
entrada para a comunicação da força militar.
As notícias não eram animadoras. Eles deviam permanecer no local por um dia ou dois. O
soldado morto fora descoberto e uma tropa fora deixada para trás. Ele não estava preocupado
que fossem encontrar aquele lugar, mas não poderia se arriscar a ficar a céu aberto com ela
também.
Ela tinha um cobertor envolto em torno de si, inclinando-se para colocar a chaleira sobre o
fogo, quando ele retornou.
— Nós precisamos ficar mais um dia. Que bom haver comida suficiente aqui. Vai nos dar
mais algum tempo para recarregar, também.
— O que está acontecendo? — Ela colocou as folhas na panela de forma que estaria pronto
quando a água aquecesse.
— Eles acharam o soldado que eu matei. Deixaram uma tropa aqui e estão realizando uma
busca completa. Não podemos arriscar uma viagem para o portal agora.
Ela suspirou. — Tudo bem. Alguma notícia de minha casa?
Ele ocupou-se na pequena área de cozinha, fatiando pão e deixando no rack12 para tostar.

12
Rack ou toastrack - é uma peça que tem divisórias verticais (geralmente de cinco a oito em número) ligadas a uma
base plana, utilizado para tostar fatias de pão.
64

— Apenas me diga, Daniel. O que eu estou imaginando deve ser pior. É minha mãe?
— É sua empregada, Claira. Ela foi executada. Eu sinto muito. Eu sei, pelo menos a partir
dos relatórios, ela foi executada por deixar isso acontecer, não por ser a causa disso.
Olhos de Carina se arregalaram — Ela morreu porque ele achou que ela era incompetente?
Daniel pegou-a pelo braço. — Por favor, acredite em mim quando digo que foi melhor
assim. Se ele achasse que ela ajudou você a escapar, eles teriam que torturara-la. Você tem que
saber disso. O fim dela teria sido pior.
— Foi tudo em vão! Ela era uma boa mulher. Amável. Se eu não tivesse feito isso, ela
estaria viva agora.
— Carina, pare com isto. — Ele colocou seu rosto diretamente no dela. —Isto não é seu para
possuir. Ela nos ajudou por motivos próprios. Não morreu em vão. Morreu por tudo. Tudo. Você
vê a diferença? —
— Que razões? O que você sabe? —
— Parece que ela teve um romance secreto com um dos jovens da cidade. Ela quase não
tinha idade para qualquer romance, mas ele me diz que ela foi o grande amor da vida dele. Eles
tiveram que manter o relacionamento escondido, porque ele era de uma família de comerciantes
e ela uma empregada. Ele desapareceu, juntamente com toda a família. Ele acabou do nosso lado,
mas não antes de quatro anos resistindo diariamente à tortura e abuso. A mãe morreu no
transporte para Silésia, onde o seu pai tem seus prisioneiros tratados. O acampamento que ele
estava não existe mais. Ele dirige uma loja de bens secos em Sanctu.
Os olhos dela estavam arregalados, e ela parou de tentar se afastar. — Ela nunca me disse.
Todos os anos, ela transportava informações para vocês, e ela nunca me disse nem uma vez sobre
esse garoto.
— Ela poderia ter partido. Nós oferecemos a ela a chance em várias ocasiões. Ele queria
que ela se juntasse a ele. Mas ela lhe disse que tinha que ficar para fazer a diferença. Para fazer o
regime de seu pai cair, para que ele parasse de rasgar as famílias em pedaços. Ela sabia dos riscos.
Era uma mulher corajosa, Carina. Não diminua o que ela fez com se culpando. Ela escolheu o
caminho dela e o trilhou com dignidade.
Sem pretender, ele a beijou na testa novamente antes de recuar. O gosto dela estava em
seus lábios, droga! Ele sabia dela nessas circunstâncias, e não podia lavar a tristeza e sal de sua
boca.
— Estou fazendo pão torrado, e a água está fervendo para o chá. Vamos quebrar o jejum e
brindar a extremamente boa e corajosa Claira.
Ela movimentou a cabeça, ainda olhando-o pálida e perdida. — Sim, sim, isto é uma boa
idéia.
Ele quis fazer melhor. Ela não era dura como ele, não se podia esperar para encontrar uma
maneira de lidar com um coração partido como este.
Rigidamente, ela parou. — Deixe-me ajudar. Vi algumas conservas. Ficarão bem com o pão.
65

Ele fez o chá e conseguiu apanhar juntamente, alguns grãos e carnes salgadas para
acompanhar a refeição.
A cabeça de Carina doía. Ela queria chorar, entretanto sabia que ia perder totalmente o
controle, se o fizesse. Mas queria que ele soubesse pelo menos parte daquilo. As coisas com a qual
crescera tinham tensionado seu pensamento de maneira que ela provavelmente nunca iria
compreender.
— As pessoas desaparecem. Muitas.
Assustado, ele olhou para cima, de onde tinha ido para fritar a carne. — Em sua vida? O
que quer dizer?
— Aqui. No Império e na minha família. Isto está sempre acima de mim. A expectativa de
que um dia eu vou ouvir que alguém que conheço ou amo simplesmente desapareceu. Foi o que
me aconteceu tantas vezes que é só algo que eu aceito.
Ela engoliu vários goles do chá adocicado, deixando-o aquecê-la.
Dividindo o pão entre os pratos, ela tirou os utensílios e ele trouxe mais carne. Além de
algumas frutas embaladas, a comida simples era o que ela precisava.
— Eu me preparei para este momento. Quando ouvisse que Claira estava morta ou
desaparecida. Sempre acho que preparar-me fará doer menos, mas nunca faz. E ela é muito mais
do que eu acreditei que fosse. Sinto-me pequena nisto. Nunca imaginei que ela tivesse esse
menino que amou e perdeu. Eu... — Ela levantou seus ombros. — Eu não sei o que sentir. Não é
nada bom, de qualquer maneira.
— Imagino que levará tempo para se adaptar. Você viveu de um modo sua vida inteira,
Carina. Não pode simplesmente, de repente, não ser quem você foi criada para ser. Não há
vergonha nisso. Como poderia haver?
— Tenho medo que as próximas notícias venham e o que eu ouça seja sobre minha mãe. —
Ela deixou escapar aquilo, a necessidade de dizer em voz alta.
Ele cobriu a mão dela com a sua própria. — Eu sei. Sinto muito. Espero sinceramente que
não. — Ele não prometeu nada. Não poderia afirmar. A coisa toda estava completamente fora de
seu controle. Mas ele a ouvia, e isso a deixava embriagada com emoção. Foi revigorante ter essa
interação com ele. Chegar conhecê-lo. A facilidade com que ela se acostumou a ele e queria sua
presença. Sentia-se segura com ele.
Ao mesmo tempo, eles estavam em perigo, e ela tinha acabado de ouvir uma notícia
terrível. Rolou ao redor dentro dela. Ele segurou a sua mão.
— Suas mãos estão frias. Aqui. — Correu acima até que estava ao lado dela. Tomando-lhe
as mãos nas suas, ele inclinou a cabeça e as mãos em concha com as suas próprias, soprando ar
quente sobre a pele.
Ela estava completamente consolada e descontroladamente encantada. Confusa, mas
gostando, mesmo quando todo o resto ficava mais difícil.
— Você sabe como jogar cartas? — Ele perguntou, como se sentisse que ela precisava de
diversão.
— Por que tenho a sensação de que você é um especialista em jogos de azar? — Ela
levantou a caneca. — Para Claira.
66

Ambos bebiam.
— Eu prometo que não aposto com você nenhum dinheiro. — Ele sorriu para ela, e ela
percebeu que ele tinha se aberto para ela, que tinha alcançado um novo nível de conforto.
— Isso é bom, já que eu não tenho nenhum.
— Bem lembrado.
Daniel retornou do comunicador da força militar e avistou-a enquanto ela escovava os
cabelos. Mecha após mecha, que brilhava sob a fraca luz do cômodo. Quando se levantou e partiu
para o portal, ela tinha um aspecto diferente, mas naquele momento, ele simplesmente a olhava
fixamente.
Ela olhou para cima, e seus olhares se travaram. O poder dessa conexão com ela bateu
direto para os dedos dos pés, como fazia cada vez que um olhava para o outro. Humilhante pensar
que poderia ser tão afetado quando se considerava inabalável em um posto de observação militar.
Ele quebrou o contato visual e se moveu para a área de banho para se trocar.
— Parece que temos que ir. Sairemos em quatro horas. Terá um transporte esperando
onde nós fomos deixados. Será o nascer da lua cheia, por isso devemos ter muita luz natural
viajem adentro.
Ele falou com ela do canto e entrou no quarto depois de trocar suas roupas. — Vou propor
que durmamos pelas próximas três horas. Vai ser uma viagem longa, e devemos estar tão
descansado quando possível.
Ela trocou de roupa também, e tinha se refugiado debaixo das roupas de cama. O cômodo
tinha se tornado cada vez mais frio, então ele não perdeu tempo em fazer uma última checagem
de segurança e deitou-se na cama.
— Daniel?
— Vá dormir, Carina. — A última coisa que queria era voltar para algumas discussões
íntimas com ela, assim, tentadoramente próxima e quente. Ele dobrou os cobertores para caber
entre eles, mas ela ainda estava muito próxima, próxima o suficiente para sentir o cheiro dela.
Em seu resfolegar irritado, ele se deixou cair no sono.
— Daniel. — Ela o cutucou. — Acorde.
— Por quê? — Ele murmurou.
— Três horas já se passaram.
— Não. Eu tive outro sono curto. Tenho tempo sobrando. — Ele rolou a sentar-se, e o ar
frio chegou debaixo dos cobertores.
— Eu não acho. Talvez o tempo se mova diferentemente em sua ‘Verse. Mas aqui nós
usamos o chronos (tempo). O meu diz que as nossas três horas se passaram.
Ele saiu da cama, agarrando suas calças e puxando-as postas.
— E mesmo que tivesse um tempo de sobra, não precisava ficar tão zangado.
— Tenho um chronos interno muito bom. — Ele foi lavar o rosto e notou a pele ficar muito
pálida e o cabelo muito escuro. Assim as pílulas entraram, seus olhos foram de verde a marrom.
Ele acrescentou uma cicatriz em seu pescoço, indo até a orelha.
67

Ela invadiu a área do canto para continuar a importuná-lo. — Você é uma dor no...— Seus
olhos se arregalaram. —Você é muito bom em disfarces, esta parte do trabalho. Eu devia cortar
meu cabelo, não acha?
Seu intestino estreitou com o pensamento. — É muito bonito. — Disse ele antes que
pudesse articular algo sensato e profissional. — Quero dizer, você ainda seria bonita com cabelo
curto e... — Ela colocou dois dedos nos lábios dele e permaneceu antes de afastar a mão. Então,
ela pressionou sua boca na dele. Ele não esperava isto, mas não podia se afastar também.
Seus lábios eram doces, doces como o beijo era. Uma exploração suave de sua boca com a
dela. Em primeiro lugar. Não foi tão inocente como se era inesperado. Aquilo o enlaçara, bem
como o gosto dela tinha feito. Ela era quente contra ele, relaxada, obviamente, confiando nele
mais do que qualquer mulher racional deveria ter confiado. Seu sangue subiu com a necessidade
dela, com o querer, a demanda por mais.
Ele manobrou as mãos para cuidar de puxá-la contra si, de afagar a curva elegante de sua
espinha dorsal até o seu traseiro. Um gemido borbulhou de dentro de suas entranhas com a
memória da fantasia que ele teve no dia anterior. Ela suspirou, levando-o em si mesma.
Foi quando ela se aproximou mais, os dedos dela cavando na frente de sua camisa,
moldando-se ao seu corpo e sua língua deslizando na boca dele, que ele finalmente encontrou a
sanidade, cerca de um metro de onde todo o sangue em seu corpo tinha se juntado.
— Infernos! — Exclamou quando a manteve afastada dele, segurando seus braços com
firmeza.
— Isso não pode acontecer novamente. — A boca dela o chamava, aqueles lábios
deliciosos levemente inchados.
— Por quê? — Ela lambeu os lábios, e ele gemeu.
— Pare com isto. Carina, isso é uma má idéia.
Um sorriso brincou nos lábios quando ela percebeu a extensão do seu poder. Deuses, ele
estava em apuros agora.
— Por quê? Sério? Você me beijou de volta. Está atraído por mim. Posso ver isto. Posso
sentir.
Ela pressionou os dedos em seus lábios, e ele lutou para respirar.
— Você é minha carga. Você tem algo que poderia salvar as vidas de milhões. Você é...
Aposto que nunca foi tocada, não é? — Ele forjou adiante sem uma resposta. — Eu não sou. Não
sou um bom homem. Eu mato pessoas. O tempo todo. Você precisa de um bom homem. Um
homem gentil que possa te dar a vida para a qual você foi criada.
Ela balançou uma mão à medida que girou. Ele aproveitou-se de sua distração e voltou em
direção ao cômodo principal.
— Onde você está indo? Preciso de sua ajuda com meu cabelo — ela gritou.
— Diga-me quando voltar. — Ele esfregou as mãos pelos próprios cabelos, permanecendo
na extremidade.
— Agora. Deuses, sua mãe o deixou cair de cabeça muitas vezes quando era criança? —
68

— Você é bastante faladeira. — Ele murmurou enquanto saía do canto e a encontrava,


escassamente vestida ainda de roupa íntimas. — Ei! — Ele virou as costas. — Você está nua. Eu
disse para avisar quando estivesse pronta.
— Você jogará cabelo nas minhas roupas e coçará. Corte-o curto. — Ela entregou-lhe
tesouras quando ele voltou-se e tentou em vão não olhar para a sombra escura de mamilos rosa
pálido contra o material.
— Você tem certeza disso? — Ele peneirava seus dedos por ele, tão longo e suave. Bonito
e feminino. — Se o trançar pode mantê-lo numa boina, e ninguém vai notar a diferença. Mulheres
de todas as classes têm cabelo longo. Você não tem que cortá-lo.
Ela virou-se, tão próxima que se roçou contra ele. — Mulheres de todas as classes têm
cabelo curto, também. Você gosta dele? — Balançando a cabeça, o cabelo de açúcar pálido
queimado caiu em seus ombros.
O cheiro dela sufocou-o no melhor tipo de conduta. Esta química entre eles era muito
deliciosa, mesmo que ele soubesse que qualquer outra coisa entre eles era totalmente impossível.
— É lindo. Depende de você. — Ele tentou dar um passo atrás, mas estava encurralado, e
ela sabia disso.
— Eu sou virgem, você sabe. Mas isso não significa que eu não tenho desejos. — Ela
inclinou-se, roçando sua bochecha contra o tórax dele. Seu pênis doía, a pulsação conforme ficava
mais duro e mais duro era raivoso — Eu tenho. Quer dizer, tenho desejos. Nunca tive a
oportunidade de expressá-los e certamente não com alguém como você. Não há ninguém como
você, Daniel.
— É bom que se lembre disso, Carina. — Ele apontou para as coisas que havia deixado em
uma borda perto da bacia. — Você é minha irmã novamente. Nós a chamaremos de Carrie e eu
sou Neil. Nós somos trabalhadores itinerantes, procurando conseguir embarcar as remessas de
grãos. Você sabe alguma coisa sobre o trigo? É uma cultura produzida da terra, e eu sei que é
cultivada por aqui. Nós somos de Suerte.
Ele conseguiu andar nitidamente para longe uma vez que ela se virou para olhar. — Eu
sempre quis olhos azuis. — Ela começou a trançar os cabelos em duas longas tranças, enquanto
falava. —Vou mantê-lo longo por enquanto. E estou bem ciente de que não há ninguém como
você. Isto não está acabado.
Ela quis rir quando ele correu do cômodo. Uma espécie completamente nova de energia
surgiu em suas veias. Seu fascínio como mulher não era novo, não realmente. Mas esse tipo de
perseguição romântica, a dança sensual que eles fizeram, quando ele fingia resistir a ela, era algo
que ela nunca tinha imaginado, e era emocionante.
Se ela tinha que arriscar a vida, deixar sua família para trás e correr rapidamente em
território novo com um homem como ele, pretendia aproveitar cada momento disto.

Capítulo 9
69

Quatro dias depois eles finalmente deixaram Philos em segurança, não estavam mais perto
do território da Federação. Ele tinha que colocá-los lentamente fora do caminho da base de
transportes, entrecruzando de frente e para trás para não atrair muita atenção. Era tedioso o
progresso; ele se coçava para levá-la de volta, para ter certeza de que ela estaria segura. Tinha que
correr como os infernos, antes que fizesse algo monumentalmente estúpido como transar com
ela.
Carina Fardelle e seus grandes olhos sensuais, suas perguntas constantes e jeito de ser
forte e tão frágil ao mesmo tempo. Ela encostava-se incansavelmente em seu espaço, sempre que
podia. Ele percebeu que ela tinha começado a compreender o efeito que tinha sobre ele, mas
havia momentos em que ela o encantava. Algumas pequenas coisas que ela fazia ou dizia que o
deixavam desarmado e feliz ao mesmo tempo.
Ela era linda. Até quando supostamente estava um trapo, em busca de trabalho, ela estava
linda ao fazê-lo. Maldição. Ela tinha cortado o cabelo naquele momento. Mas o que ela tinha feito
os tinha deixado cacheado, em vez de lisos. Levou toda a sua força não tocá-los.
Em vez disso, ele trabalhou em manter seu olhar afiado para seus contatos e fingiu que ela
não o fazia querer parar e cheirá-la como um bobo apaixonado. Aquele nível de concentração
manteve sua mente ativamente engajada em mantê-los longe de problemas e não na forma como
ela roçara nele mais cedo naquela manhã, tentando andar nas pontas dos pés para cima e beijá-lo.
E especialmente não pensar o quão próximo ele chegou a deixá-la.
Ele reprimiu um gemido e redobrou seus esforços para estar à procura de problemas.
Eles chegaram em ‘Fronteira’ e o tinham feito, facilmente, através do ponto de verificação.
Tinham ouvido um rumor de que as tropas haviam sido desviadas para outro transporte que foi
definido para chegar logo depois deles. Esperava que a sorte continuasse a estar com eles.
Com numerosos bandidos, o elemento criminal da cidade no portal Fronteira era a razão
pelas quais muitos transportes se recusavam a parar, por medo de perder a carga. Desde que a
sua carga era feminina, fugindo de um monstro, e bonita, ele teria de matar qualquer um que
pensasse em roubá-la.
— Você precisa ficar mais perto de mim. — Disse ele, mas percebeu que tinha sorte de
resmungá-lo. Irritantemente, ela se virou e sorriu a seu modo, aquele esperto sorriso feminino, e
ele se perguntou onde ela o tinha conseguido. Será que as virgens têm este olhar? Cometeu um
erro com ela, percebeu, ao fazer uma suposição incorreta de que ter sua virgindade no lugar
significava que ela era ingênua a respeito do sexo. Ela não era. Ele precisava se lembrar daquilo.
Melhor ainda, ele não precisava se lembrar de nada. Não precisava pensar naquilo de
forma alguma.
Ela começou a perder um pouco do medo, ficando mais ousada em muitos aspectos.
Firmou-se em si mesma, de alguma forma, virando Carina, com uma espécie de entusiasmo
sincero. Apesar de irritante às vezes, ela era prazerosa de se estar ao redor, mesmo quando ele
não precisava estar pensando em nada disso absolutamente.
— Eu estou ao seu alcance, Neil. Você sabe que eu sempre fico feliz em tê-lo me tocando.
— Ela invadiu seus pensamentos. — Onde está nosso transporte? — Ela colocou a mão no seu
70

braço. Em vez de dizer a todos que ela era sua irmã como foi instruída, ela disse às pessoas que
eles eram casados e, tinha aproveitado todas as oportunidades para tocá-lo e agir como esposa.
Em resumo, ele estava quase louco de desejo, e ela não tinha nenhuma intenção de deixá-
lo esquecer. Sua mãe tinha uma palavra para o que Carina estava fazendo com ele — Atrevimento.
— Não comece comigo, mulher. — Ele tentou ser claro com ela, mas algo não estava certo.
Ele não gostava da sensação das ruas aqui. Sentia-se extremamente exposto e queria afastá-la em
segurança. — Talvez nós devamos voltar para a hospedaria. Posso sair mais tarde para ver se eles
já chegaram. — Ele levou-a longe de um grupo de indesejáveis que acabara de se materializar e,
provavelmente eram a fonte de sua agitação. Enviou-lhes um olhar sobre seu ombro enquanto a
acompanhava de volta à extremidade do mercado e em direção a hospedaria em que estavam
hospedados.
— Está ficando bastante quente aqui fora de qualquer maneira. — Ela continuou a segurar
o braço dele enquanto caminhavam, e ele continuou a gostar daquilo, embora soubesse o quão
estúpido era, quando não poderia tê-la.
Ficou tenso, mantendo vigilância sobre três homens que tinham andado de um beco à
frente. O grupo tinha evitado algumas ruas acima. Quatro mais apareceram, seguidos por um
último homem, e todos eles se dirigiam diretamente para eles. O som diminuiu conforme a rua
esvaziava. Pelo menos ele poderia se livrar de um pouco de sua energia reprimida com uma luta.
Daniel sentiu um momento de compaixão por esses idiotas, provavelmente analfabetos, que
escolheram o limite errado.
— Eles estão vindo para nós. — Ela murmurou.
— Fique atrás de mim. Use aquela arma se você tiver que usar; não ouse hesitar. — Ele deu
um passo à frente, colocando-a atrás dele.
—Parece que vocês dois estão um pouco pesados com o equipamento. — Uma boca
preenchida com poucos dentes criou um feio risco de satisfação no rosto do bandido.
Daniel conheceu o olhar nos olhos do homem, soube que eles queriam roubá-lo e
machucar Carina. Nenhum dos dois seria permitido.
Ele virou a cabeça nos ombros, equilibrando o que estava por vir. — Você deveria ouvir
minha advertência e continuar andando. Não vai estar contente com o resultado, se provocar uma
luta do meu jeito. — Daniel não falou muito alto, mas o responsável ouviu bem. Se aceitou ou não
a advertência era algo totalmente diferente.
O pequeno ruído seco e o brilho de uma lâmina acionou o sentido de calma em Daniel. Seu
corpo relaxou enquanto ele se concentrava. O ruído claro correu pelos ouvidos conforme o cabo
da lâmina se ajustou à palma da mão. —Olhe, garotos, ele acha que pode enfrentar-nos a todos.
Daniel suspirou e começou a se mover. Nada do que fazia quando lutava tinha pensamento
consciente, seu corpo, seus reflexos simplesmente assumiam e faziam o trabalho. Um passo a
frente, uma investida com um braço e um passo atrás.
Um dos homens bateu no chão, derramando sangue de um não-letal, mas debilitante
corte. O cheiro de cobre atingiu o ar, apimentou o mau cheiro do esgoto e lixo a céu aberto.
71

— Bem, agora, parece que eu estava certo em achar que poderia enfrentar todos vocês. —
Ele tombou o seu queixo no homem gemendo, semiconsciente e sangrando aos pés. — Há um a
menos agora. As chances estão cada vez melhores.
Isto estava errado, ela sabia, muito, muito errado da parte dela estar animada e excitada
pela forma como Daniel se portava naquele momento. Ainda pior ter seu coração acelerado,
quando com dois movimentos tão rápidos e suaves que ela mal notou, havia sangue, dor e lesões
debilitantes.
Ela não se importou. Ele era um mestre, e isto a moveu. Ele a protegeu, porque era seu
trabalho, sim. Mas, ao mesmo tempo, ela soube que era mais para ele. O que quer que aquilo
significasse, ela não tinha certeza. Mas, ser protegida por um assim assustador, feroz homem era
tão sensual que ela não poderia encontrar dentro de si algo para se sentir culpada por aquilo.
— Você acha que é esperto? manejando isto? — O outro homem — aquele que poderia ter
usado uma barra de sabão e um pouco de água, o cheiro azedo de seu corpo flutuava para ela,
incomodando seu estomago forçando-a a respirar pela boca — sacudiu a cabeça, e os outros
correram em direção a ela e Daniel.
A intensidade do evento trouxe imagens, sons, aromas, mas nenhuma impressão real e
concreta de nada específico.
O cabelo de Daniel brilhava enquanto ele se movia com tanta graça que ela poderia fazer
pouco mais do que encarar. Pequenos movimentos enviaram homens caindo para os lados,
sangue escurecendo a roupa e sujeira debaixo de seus pés.
Sua própria lâmina descansava em sua mão, à disposição, se alguém tivesse passado por
Daniel, o que parecia impossível visto que corpos após corpos em seguida caíam. Ela observou não
realmente alarmada, quando dois homens flanquearam Daniel e um passou correndo por ele para
ela.
Todos os anos de treinamento se voltaram para ela, e ela descansou o peso sobre os
calcanhares, o cortando quando bloqueou o golpe. Ou achou que tinha bloqueado, até que Daniel,
mal-encarado e satisfeito, se virou com um sorriso selvagem.
— Você fez um bom trabalho. Agora vamos para a rua antes que as autoridades cheguem.
— Estendeu a mão para ela e parou, agarrando sua túnica, empurrando-a de lado para revelar seu
torso e uma fenda sangrando na pele dela. — Por que você não me contou? — Ele empalideceu
apanhando-a inteiramente sobre protestos, caminhando de volta para casa em segurança, sem
outra palavra.
— Estou bem. Sério. Eu nem percebi que ele me acertou com a faca até que você mostrou
a ferida. — Ela se agarrou a ele, amando o cheiro do suor masculino e adrenalina por toda parte
de sua pele. Enterrou o rosto em seu pescoço, feliz por ele não se afastar ou tentar dizer a ela o
quão ruim era para ela.
Os sons em torno deles caíram enquanto ele a carregava, aparentemente sem esforço,
acima de três lances de escadas para o quarto.
—Da próxima vez que você se machucar, diga-me imediatamente. — Ele a colocou sobre a
cama, que ele tinha recusado a partilhar com ela desde que chegaram, e moveu-se para apressá-la
a se lavar.
72

—Como que não foi imediatamente? Eles ainda estão sangrando na rua, não é como se eu
tivesse esperado horas. Em todo caso, não acho que isso seja um problema, Daniel. Qual é seu
sobrenome mesmo? —
Ela puxou a túnica e camiseta fora, franzindo o nariz quando percebeu todo o sangue.
— Fique quieta!— Ele voltou para ela e começou a remover sua roupa. Como ela poderia
protestar? Ele deslizou as mãos sobre seus pés e pernas, à procura de mais algum ferimento. Ela
tentou não ofegar ou arquear, mas nunca tinha sentido nada parecido com isso, as grandes mãos
em todo o seu corpo. Sua respiração acelerou quando uma espécie peculiar de letargia começou.
Como era possível sentir as duas coisas ao mesmo tempo? E ainda assim ela o fez.
— Você se machucou em qualquer outro lugar? — Ele perguntou quando levantou seu
corpo nu e o colocou suavemente na tina quente. Começou a limpá-la, enxaguando-a, cuidando
do ferimento da lateral dela, que era como ela tinha tentado dizer-lhe, consideravelmente
pequeno. Não que ela estivesse pensando de forma muito clara enquanto as mãos dele se
aventuravam sobre seu corpo nu, molhado.
— Eu estou bem. Eu juro para você. Daniel, você parou sete deles. Sete. Isto é notável. —
— Não oito. — Ele moveu o olhar da lateral dela até seus olhos. — Não oito.
Ela suspirou, segurando seu rosto entre as mãos. — Você é incrível. Bloqueou dois ao
mesmo tempo, ainda bateu neles lateralmente. Se não tivesse feito isso, eu teria me machucado
muito mais. Você me salvou. Você tem me salvado sempre.
Os olhos dele se aprofundaram em cores, para um verde escuro tempestuoso, o marrom
do dia anterior tinha desaparecido. No momento, apesar de sua atração química tola por dele,
cortou dentro dela o prazer da dor de perto. — Você é tão linda. Eu não posso nem imaginar...—
Ele cessou bruscamente, balançando a cabeça.
Ela parou em pé diante dele, olhando para aquele heróico espécime masculino ajoelhado
aos seus pés. A água acariciando sua pele conforme ela levantou, enquanto observava o olhar dele
deslizar para cima de seu corpo como outra carícia, a que ela estava esperando desde que tomou
sua mão daquela primeira vez em que fugiram.
— Isto não deveria acontecer. — Tanta emoção naquela frase sussurrada. Ela deveria se
sentir mal por estar derrubando todas as defesas dele contra ela, mas ela não sentiu. Ela se
glorificou naquilo.
Saiu da tina, pegando uma toalha, mas ele estava lá antes que ela pudesse começar,
secando-a em vez disso, seu tratamento gentil como um contraste flagrante com o homem
exterior, o homem que carregava a morte como outra lâmina ocultada no corpo. Ele pôs um
curativo em sua pele, envolvendo faixas de linho ao redor de seu tronco para mantê-lo lá.
Este era o contraste que a deixava queimando. A maneira como ele poderia tirar uma vida
com tal profundidade de concentração e habilidade, mas também secá-la e curar de suas feridas,
sem uma pitada de remorso, a fazia sentir-se especial por evocar esses cuidados de um homem
como ele.
Ele tentou se virar, mas ela entrou em seu caminho, deixando cair à toalha. O quarto
estava frio, e sua pele rosada arrepiada, os mamilos formando gotículas, e não apenas por causa
73

da temperatura. Daniel olhou para ela, olhou para os seus mamilos e um gemido escapou de sua
boca.
Ela tinha a sensação de caminhar por uma linha muito estreita. Se ela fizesse o movimento
errado, ele iria encontrar o controle novamente, e ela não queria isto. Queria que ele se soltasse,
queria que ele a tomasse. A porta estava trancada, as medidas de sua segurança estavam todas no
lugar. A cama, a cama em que estivera sozinha na noite anterior - porque ele insistira em dormir
em uma cadeira perto da porta - estava logo atrás dela, então ela estendeu a mão. Não para
oferecer, mas para tomar. Ela agarrou o tecido de sua túnica e puxou, surpreendendo-o,
derrubando-o sobre ela na cama. Foi um pouco doloroso, porque apesar de seu corte ser
pequeno, ele ainda era um corte e ele era, oh meu, tão deliciosamente sólido que a dor parecia
recuar enquanto ela estava lá.
— Maldição, Car-Carrie. Eu vou te machucar. — Ele tentou rolar para fora, tentando ver se
a tinha prejudicado, mas ela não permitiria isso. Ela sabia que se o deixasse deslizar para o modo
de guarda, nunca iria tê-lo.
E ela o queria tanto que cada célula de seu corpo doía com aquilo.
Ao contrário, ela rolou para cima dele, de joelhos, puxando sua túnica e camiseta fora. —
Você nem sequer me arranhou. — Disse ela, acompanhando cada centímetro do tórax exposto.
Ela moveu as pontas dos dedos ao longo das cicatrizes no peito dele. — O que aconteceu aqui?
— Um dispositivo incendiário explodiu quando eu estava lidando com seu criador. Eu
tenho cicatrizes; ele está morto. Carrie, você tem que parar. Você está ferida e está nua. Esta
combinação não é algo com a qual eu possa lidar.
Isto ele disse quando tirou as mãos dos ossos do quadril dela, deslizando-as para cima
pelas laterais, colando-a a ele. As mãos dele sobre ela deixaram seu cérebro confuso, mas não tão
confuso a ponto de não desejar mais.
— Você está blefando. Você quer isso também. Eu sei que você quer. — Aproveitando, ela
se inclinou, deslizando os seios ao longo do tórax dele. Aquilo saiu pela culatra, é claro, quando se
sentiu tão absurdamente bem que ela quase desabou. — Isto é, oh, deuses, isto é lindo. É sempre
assim?
As mãos que tinham se restringindo agora a puxavam mais perto. — Não. Não é. — Ela
ouviu a angústia em sua voz e quis chorar de alegria quando ele se permitiu um breve beijo no
tórax dela.
— Mais. — Ela o puxou, e ambos caíram de volta sobre a cama. Ela olhou em seus olhos. —
Fique comigo, Daniel.
— Eu vou te machucar.
— Eu te disse, é apenas um corte pequeno. — Ela tentou abrir o cós da calça dele, mas ele
colocou a mão sobre a dela para suspender a ação.
— Não apenas nisso. Em tudo. Você não está destinada a um homem como eu.
— Por favor! Um homem como você de que maneira?
— Você é uma princesa. É suave e feminina e merece ser mimada. Caso não tenha notado,
eu mato pessoas.
74

Ela acenou com a mão. — Pelas princesas. E agradeço os deuses que você mata, ou eu
estaria morta. Eu arriscaria dizer que muito mais pessoas estariam mortas se você não fosse um
assassino. Quanto ao resto? Porque você não pode mimar-me? E quem disse que eu quero ser
mimada, afinal? Você não pode simplesmente me deixar desse jeito. Eu me sinto presa, preciso
que você resolva isso. Sou capaz de dar prazer, a mim mesma. Tenho feito isso, todas as vezes que
você deixa o quarto, e não é suficiente.
— Por que você me diz estas coisas? — Ele murmurou, tirando suas botas.
— Então você vai tirar as calças?
Ele estremeceu para parar e balançou a cabeça para ela. — Não é tão inocente quanto
aparece.
— Eu estou te implorando para me ajudar com isto! Daniel, e se eu morrer amanhã, e eu
nunca tiver estado com você? Nunca tiver você dentro de mim? — Ela enviou-lhe sua melhor
expressão, a mais lastimável, que quase sempre funcionava com os outros quando ela estava
crescendo.
— Você é uma ameaça. — Ele puxou as calças para baixo, e ela exalou agudamente com a
visão de seu corpo tão corajosamente exposto a visão.
— Você é deslumbrante.— Subindo na cama, ela apertou-se ao seu corpo por um longo
momento, apenas regando-o em pele com pele. Ele gemeu de novo, beijando sua testa, seus
dedos cavando em seu traseiro para arrastá-la mais próximo. Ela tentou não sorrir em triunfo, mas
não conseguiu. Sua diversão se misturou à maravilha de seu corpo contra o dela.
Tantas sensações! Tanto sentimento. A cabeça dela inclinada para trás, e ele se deleitava
em seu pescoço. Há quanto tempo ela sonhava em como aquilo seria? E quão melhor e mais
impressionante era a realidade, do que aquilo que ela imaginou?
As mãos dele eram grandes, a certeza, vindo da maneira com a qual ele cobriu com elas o
seu traseiro. Ele era muito maior do que ela. Normalmente, antes em casa, um homem como
Daniel a teria assustado, mas este era tão delicioso que ela não conseguia ter o suficiente.
Ele se balançou apenas um pouco, mais como uma vibração enquanto beijava um ombro e
entre o espaço da garganta dela. Ele a queria tanto que teve de controlar-se internamente ou
estava arriscado assustar ou machucá-la.
Não deveria estar fazendo isso, ele sabia. Não devia estar cedendo à sua vontade quase
irresistível de beijar e tocar cada parte dela. Mas era tarde demais para isso. Uma vez que ele
tinha visto essa parte, uma vez que tinha saído da névoa de preocupação dela ter sido machucada,
ela estava nua. E molhada. E como uma sirene, ela acenava para ele e ele não poderia resistir a ela
por mais tempo.
Seu gosto era igual a ela: picante, doce, complexo. Ele rodopiava a língua na cavidade de
sua garganta, lambia acima da extremidade delicada de sua clavícula. Ela arqueou, fez sons suaves
de necessidade enquanto ele lutava para não soltar-se e dar-lhe prazer.
Seu conquistador interno queria invadir as portas, para estocar dentro dela, sulcando sobre
ela, até que eles fossem um amontoado suado. Ela não estava preparada para isso ainda, ele
sabia, mesmo quando a necessidade rastejava por meio dele, como vidro quebrado.
75

Abaixando-a para trás, ele segurou-lhe os pulsos acima da cabeça, segurando com força
suficiente para mantê-la quieta, mas não o suficiente para machucá-la. Que imagem ela fez lá,
arqueando, sua pele pálida e lavada com prazer, seu corpo mais sedutor do que ele poderia ter
imaginado. Desejo turvava os seus olhos, trazia uma febre de brilho a eles, mas o dano
permanecia. Isto lhe surpreendeu sobre ela a princípio, do jeito que ela provocava quando ele
menos esperava.
— Eu quero tocar você — ela disse ofegante enquanto beijava de leve abaixo de sua
orelha.
— Eu gosto de tê-la em meu controle. Mantém-te longe de problemas. —
Ela arqueou, revirando os quadris para esfregar-se contra o pênis já dolorido, e ambos
gemeram. O grito dela era de surpreso prazer.
— Você é problema, Daniel. — Ela sorriu acima para ele, com os olhos cheios com os
próprios problemas.
— Então, é o que minha mãe e minhas irmãs dizem. — Ele deslizou seu corpo para debaixo
dela, amando a maneira que sentia, amando como aqueles olhos brilhantes dela nublaram
novamente, enevoando-se com prazer.
— Não posso foder com você se não sei seu sobrenome.— Ela disse ofegante quando ele
soltou-lhe os pulsos para deslizar as mãos pelos braços, até os seios. Os seios mais bonitos que ele
já vira. Pesados e grandes, entretanto, o resto dela era ágil e esbelta. Oh, as fantasias que ele tinha
sobre eles, deslizar seu pênis entre eles, saboreá-los, tocá-los.
Ele deveria ter mentido. Dizer o nome que usava em missões, mas ela o chamava de
Daniel. Ela estava nua, entregando-se a ele tão honestamente que não podia fingir com ela.
— Haws. — Para assegurar que ela não desse seguimento, ele lambeu um mamilo
enrugado, e se ela tinha outra pergunta, engoliu-a num suspiro satisfeito.
— Por favor. Por favor, esteja em mim. — Ela se contorcia, tirando a razão do cérebro dele.
— Não é tão simples assim.— Disse ele em torno de um mamilo. — Eu não posso
simplesmente enfiar meu pau na sua boceta. Você precisa estar molhada, preparada, para eu não
te machucar.
Ele riu dela fazer beicinho, resfolegando irritada. — Confie em mim quando digo que esta
parte é divertida. Fazer com que você esteja pronta implica num orgasmo antes do sexo.
Ela corou e o calor da sua pele contra a dele foi mais do que um pouquinho de distração.
Depois que ele prestou homenagem aos mamilos, lambendo, chupando, mordendo, ele
continuou a beijar-lhe o caminho para baixo na barriga lisa, macia como a seda, antes de se
estabelecer entre as coxas. Ela tentou fechar as pernas, mas os ombros dele tornaram aquilo
impossível.
— Você ainda está comigo, querida? — Ele olhou acima para a magnificência de seu corpo
e no rosto.
— Você está indo para lam-lamber-me?
Ele enviou-lhe um sorriso mercenário. — Mais de uma vez. Eu vou enterrar meu rosto em
sua boceta, lamber, chupar, atormentar seu clitóris até que você goze toda em cima de mim. —
76

Ela arregalou os olhos, os lábios entreabriram quando a respiração acelerou e ela balançou
a cabeça. — Oh. Eu nunca fiz isso. —
Bom.
Ele a estendeu aberta, amando o jeito que ela estava, desejo escurecido, brilhante e
inchada. Toda para ele.
Os músculos dela estavam tensos, e ele acariciou sua coxa abaixo por um momento. —
Você é linda aqui como em qualquer outro lugar. — Ela era... Deuses, ela era, e retirou-lhe camada
após camada, suas defesas. Ela deixou-o exposto de uma forma que ele não estava confortável e
ainda apenas começou a desejar.
Uma lambida longa, suave, calou todos os protestos adicionais dela, e ele riu por dentro.
Ela não conseguia desviar o olhar da visão da cabeça dele inclinada sobre sua vagina à
medida que ele lhe dava prazer. Cada vez que sua língua a varria continuamente, ela derretia um
pouco mais. Quente, ondas de prazer lânguidas sobre ela quebraram novamente e novamente. O
que ele fez a devastou em todas as melhores e mais assustadoras formas.
Isto, estas lambidas e carícias com a boca eram intensamente íntimas. Tanta confiança lá
para expor-se a ele daquela forma, e para que ele aceitasse aquilo, foi o que mais conseguiu dela.
Ela oferecia-se e ele não teve pressa, não a violentou, ele testou, provou, apreciou cada
momento. Daniel Haws a saboreou.
Isto estava muito além de sua habilidade de compreender, o que ele a fez sentir. O clímax
se aproximava sinuoso e incandescente e a atingiu quando ele chupou seu clitóris lentamente,
algo que ela nunca tinha imaginado antes, mas agora certamente não se poderia esperar viver
sem. Ela ouvia as mulheres referirem-se a gritar quando gozavam e nunca tinha entendido a frase.
Claro que foi bom o orgasmo, mas tão bom que você gritou?
Ela compreendeu aquilo conforme o prazer embarrilou por ela, afogando-a até que a
sensação chegou a um limite tal, que perdeu suas amarras e um som profundo de suas entranhas
se rasgou de sua boca tão alto que ela estava certa que as pessoas do pátio haviam ouvido.
Ela esperava que eles tivessem ouvido, quando estava deitada amontoada esgotada e
totalmente satisfeita. Queria que eles soubessem exatamente o que tinha acontecido com ela.
Daniel beijou-lhe o quadril e, em seguida, moveu-se para tomar sua boca. Ela hesitou, sabendo
onde ele tinha acabado de estar, mas quem era ela para resistir-lhe?
O resultado deixou um arrepio, um emaranhado de tabus, de desejo, de saciedade, ela
saboreou a si mesma, mas aquilo estava nele, por isso era mais.
— Eu estou pronta agora? Para a parte de transar? — perguntou com os olhos ainda
fechados, desenhando círculos preguiçosos no antebraço dele.
— Já? Eu julguei mal sua reação quando comia sua boceta? —
— Oh, isto é um termo no qual eu não estou certa de como me sinto. Por um lado, é
espetacularmente pervertido e, com você, ‘pervertido’ me faz sentir toda formigando e quente.
Ele riu, beijando-lhe o queixo.
— Por outro lado, parece vulgar. É provavelmente o motivo disto soar tão pervertido, e é
por isso que eu gosto, por isso não importa. Estou bem com isso. Realmente bem com isso.
Poderia ser a minha coisa favorita eternamente.
77

O sorriso era algo que ela não tinha visto nele ainda, algo que ela nunca tinha visto dirigida
a ela, nunca. O sorriso maroto do sexo masculino, aquele que diz que ele sabe o que fez, e gosta
que tenha lhe deixado boba.
— Devemos esperar.
Ela suspirou pelas tentativas indiferentes dele de proteger sua virtude. Aquilo pedia ação
da parte dela. Descendo, ela pegou seu pau. ‘Pau’. Ela gostava da palavra, fazia sentido, pensou
ela, enquanto o agarrava, duro, feroz, orgulhoso. A pulsação dele batia contra a palma da mão
dela, de forma que ele desistiu totalmente de discutir com ela quando ela deslizou mão para baixo
sobre ele.
— Eu já vi isto. Não o seu pênis, hum. — Ela entrou em pânico quando se lembrou que
tinha visto o pênis dele quando o observou masturbar-se dias antes.
Ele abriu os olhos, sabendo que ela estava escondendo algo. Seus músculos serpentearam,
e isso deu uma espécie de tontura nela. Assim era totalmente como as mulheres se tornavam
confusas com os homens. Ela entendera aquilo agora, mas a armadilha estava suspensa! Mesmo
sabendo disso, mesmo sabendo coisas completamente tolas como musculatura dele, a fazia tonta
e risonha, ela não podia suportar a idéia de não tê-lo fazendo-a se sentir assim.
— Você viu o quê? — A voz era indolente, mas ela ouviu o aço por baixo.
— Você é muito mandão.
Uma sobrancelha subiu imperiosamente. — Eu sou mandão? Você está me ordenando
foder você. Quem é mandão?
Ela não conseguia esconder um sorriso. — Eu nunca neguei que era mandona, e você vai-
me foder, Daniel Haws. Eu exijo isto, e você é apenas um... uma provocação se não fizer.
— Indignação combina com você. — Ele murmurou, acariciando as suas costas com os seus
dedos por seu corpo, em cada mamilo, até esquecer-se do que ela estava falando. Até que ele a
lembrou. — Você viu o quê? Um pênis na sua mão? Meu pênis?
Ela bufou. — Eu já vi. Eu sei que não deveria ter. Eu assisti um casal no pátio. Eles não me
viram. Ela... — Carina bombeou sua mão para cima e para baixo em seu pênis, assustando quando
ele gemeu tão alto. — ...Ela fez isto.
— Você quer saber o nome disso? — Ele ajeitou seu aperto um pouco, mostrou-lhe o ritmo
e isto a aqueceu, ele a fez desejar ainda mais. Mas acima de tudo, ela queria dar-lhe prazer.
— Sim.
— É chamado de punheta. Os homens podem dar-lhes às mulheres, também. Minha irmã é
do tipo de mulher que — só um pouquinho mais lento, sim, isto é muito bom — minha irmã gosta
de saber das coisas, sempre lendo, sempre estudando. Ela me disse uma vez que o termo veio da
Terra. Engraçado as coisas que sobrevivem.
Ela gostou que ele compartilhasse um pouco de sua vida com ela. Isto significava que ele
confiava nela.
— Já observou muitas? — A voz dele tinha se aprofundado de alguma forma. A tensão era
evidente.
— Algumas vezes. Eu... Eu queria saber, e isso era tão bonito, mesmo em um pátio sob a
lua.
78

— Mas pervertido. — Ele paralisou a mão dela. —Espere, eu quero estar em você quando
gozar.
— Sim, pervertido, e eu devo te dizer que, sinceramente, aprovo neste sentido. Estou
usando bloqueadores de fertilidade. Tive que me preparar para o casamento. — Ela fez uma
careta, e seu lábio frisou.
— Nada daquela conversa agora. Isso não vai acontecer. Se sente sobre mim até se
escarranchar. Você pode controlar a velocidade e profundidade que eu for dessa maneira.
— É assim que é feito normalmente? — Deuses, isso parecia como uma censura. —Quero
dizer, eu sei da inserção da parte do menino na parte da menina. Mas, vi duas vezes. Uma deles
era o homem sobre a mulher, a outra foi por detrás, como com os cavalos.
Daniel esfregou as mãos sobre o rosto dela. — Você vai me matar. Doce, eu não sou
nenhum virgem. Você deveria ter um homem gentil, com um pouco mais de paciência.
Isto não estava indo na direção certa absolutamente. Ela se arrastou por cima dele e
percebeu o que ele queria dizer e gostou da idéia. — Eu me masturbei antes. Sei qual é a mecânica
do sexo. Tenho sentido desejo, e até o sinto agora, apesar de sua atitude. Só tenho que aprender
mais do que você. Não acho que seja justo voltar atrás. Você disse que iria me ensinar, afinal de
contas.
— Eu quis dizer que o mundo é assim, nem todas as posições sexuais. Além disso, você é
bastante voyeur.
— Bem, você disse isto, e quis dizer o mundo e não posições sexuais, então você seria um
trapaceiro se você tentasse voltar atrás agora. Tenho certeza que a honra lhe impediria de ser
assim, grosseiro. Ensine-me, Daniel. Eu só confio em você para fazê-lo.
— Você é perigosa. — Ele rosnou quando disse isto, mas não fez nenhum movimento para
fugir. Então ela tomou aquilo como um elogio. —Levante-se de joelhos — disse ele, acariciando a
ponta dos dedos por suas coxas. —Mas não ache que me engana com seu jogo.
Ela riu, se levantando e colocando a mão em cima dele quando ele agarrou seu pênis. — Eu
não acho que você se deixe enganar, mas isto me pareceu bom. Se você fosse apenas um pouco
mais bobo, eu teria te enganado. Acho que eu o quero aqui. — Ela abaixou-se, apenas deixando
entrar a cabeça. — Esta parte... — Ela circulou só um pouquinho, e as faíscas de prazer arquearam
por dela de uma forma inteiramente inesperada. De uma maneira muito boa, — ...vem aqui. —
Quando ele respondeu, ela teve que trabalhar para compreendê-lo, porque seus dentes
estavam cerrados. — Sim, vá com calma para que seu corpo possa se ajustar. Eu queria te abrir um
pouco com os dedos, mas, queridos deuses, é tarde demais para isso.
Isto era natural, certo, e ela deixou o instinto assumir o comando. Não precisou de uma
aula, ela só precisava ouvir seu corpo e o dele. Balançando os quadris, ela o levou mais profundo,
e ele amaldiçoou.
— Você está bem? — Perguntou ele.
— Isto machuca só um pouco, mas a próxima vez que eu puxar e voltar um pouco para
baixo, não vai doer mais. Vai ser muito, muito bom. — Desta vez, quando ela se empurrou em
cima dele, a cabeça do pênis bateu na fina pele que, tecnicamente, fazia dela uma virgem. Doeu
em seguida, a pressão do pênis em sua vagina. Ela sentiu-o enorme.
79

Suas mãos nos quadris dela apertaram. —Aqui, doce, deixe-me facilitar para você. — Ele
deslizou uma mão entre eles, encontrando seu clitóris, lentamente circulando-o. Em algumas
respirações, ela ficou escorregadia, se afrouxou em volta dele e a queimação se foi quando ele
enfiou só um pouquinho mais, mas o suficiente para deslizar passando essa barreira.
Ela lidou com o resto, fascinada com a intensidade de seu prazer quando ele aprofundou
em seu corpo. E a maneira que ele endureceu enquanto eles permaneceram trancados juntos
daquela maneira.
A barriga dele bem esticada, os dedos cravando na cintura dela iriam deixar marcas, mas
não que ela fosse se arrepender, de qualquer maneira. As feições congelaram rígidas em
concentração.
O que quer que ele tenha feito com seu clitóris cresceu lenta e profundamente, e a única
maneira em que ela parecia poder ter mais, conseguir o que precisava para sentir o comichão mais
profundo do que tinha sentido antes, era deixá-lo entrar até o final.
Daniel olhou acima para ela. A luz do dia, minguando a sua pele cor de rosa suave. Ele
nunca tinha tocado uma coisa tão bonita e fina. Dentro dela estava mais quente que a superfície
do sol mais próximo, uma luva escaldante ao redor de seu pênis para fazê-lo envergonhar a si
mesmo por querer gozar três respirações depois de começar dentro dela.
A admiração no rosto dela quando tinha experimentado cada coisa nova, seu destemor
absoluto, a maneira com que se moveu, o som que ela fez tudo se cavou profundamente, fazendo-
se confortável, quando ele sabia que a última coisa o que ele deveria se acostumar era com a
pulsação e o aperto da musculatura interna dela em torno de seu pênis. Mas, o que mais ele
poderia fazer, além de desfrutar dela, já que não poderia resistir à sua magia?
— Você gosta disso? — Ela apoiou as mãos na barriga dele e se aprofundou contra ele em
um movimento circular que quase soprou a parte superior do couro cabeludo longe.
Ele simplesmente se impulsionou um pouco ao levantar uma sobrancelha. De fato. Ela
esperava que ele escrevesse a poesia nela ou cantasse às suas odes? Na verdade, por mais deste
sentimento ele poderia encontrar-se fazendo exatamente isso, ou qualquer outra coisa no que
dissesse respeito àquele assunto, desde que ela se mantivesse envolvida nele.
— Eu gosto bastante daqui de cima, Daniel. Estou no comando, e você está debaixo de
mim parecendo uma divindade devassa. E eu sou aquela que debochou de você. — Ela riu, e
sacudiu seu membro, o que só o fez gemer.
— Uma vez que você estiver acostumada a mim, eu estarei de volta no comando. — Ele
rosnou e ela se calou, seu sorriso morrendo em uma respiração estrangulada. Ele fez uma pausa,
preocupado em tê-la assustado, até que os olhos se arregalaram e ela balançou a cabeça.
— Sim, tudo bem então. Isso soa agradável. Eu acredito que gostaria muitíssimo disto.
Ele sorriu então. Deuses, ela era tão completamente irreverente e tola às vezes. Pegando a
velocidade de seus dedos, ele imaginou empurrá-la ao orgasmo, pelo menos, mais uma vez antes
de ele gozar. Profundo dentro dela, seus músculos vibraram, e ele sentiu até os ossos, quando as
bolas dele rastejaram até seu corpo.
80

Com uma mão, ele manuseou o mamilo a tempo com círculos ao redor e contra o clitóris,
quando começou a encontrar os impulsos dela com os seus próprios, cuidando para não empurrar
com muita força.
— Oh — Ela ofegou, seus olhos deslizando por todo o caminho fechado, com a cabeça
caindo para trás quando gozou em volta dele. Depois que começou, ele não poderia agüentar por
mais tempo. Ele pressionou fundo e gozou exatamente quando o corpo dela começou a relaxar
depois de terminado o seu clímax.
Ela era quente e flexível em torno dele, um sorriso secreto nos lábios quando se endireitou
e olhou para o rosto dele.
Gentilmente, ele ajudou-a a rolar para o lado, contente por não ter havido uma grande
quantidade de dor ou de sangue para ela. Ainda assim, ela estaria dolorida, então ele voltou-se e
começou a preparar outro banho para ela.
— Deixe-me ajudar você a se limpar. — Ele murmurou, pegando-a e segurando-a como se
ela fosse preciosa. Lágrimas brotaram, mas ela as manteve trancadas à distância, sabendo que ele
não estaria à vontade com elas, sabendo que não podia dizer-lhe adequadamente apenas o
porquê de serem lágrimas boas.
Ele a colocou no chão tão suavemente como a carregou, testando para verificar se a água
não estava quente demais. Ele ficou de joelhos ao lado da tina, ajudando-lhe sem palavras. O pano
de lavar deslizou sobre a pele, não muito forte, apenas o suficiente para ser agradável.
Quando ela saiu, ele envolveu-a em uma toalha e tentou conduzir sua volta para o quarto.
— Espere. Deixe-me banhá-lo. Você lutou contra aqueles homens. Você me levou de volta
e trabalhou muito duro agora. Por favor, deixe-me.
Ele respirou fundo e entrou na tina. A água estava quase canalizada, de modo que corria
mais. —Sente-se na saliência ali. — Ela o aguardou, este homem que gastou todo seu tempo
protegendo e cuidando dela, contudo tão inteiramente não acostumado com este tipo de cuidado
para consigo mesmo. Que estranho que era!
— Você não deve exagerar. Estará dolorida depois. Foi sua primeira vez. — Ele baixou a
cabeça enquanto ela lavava seu cabelo, amando o modo como sentia seu couro cabeludo contra
as suas mãos. Suas palavras eram rudes, mas ela conhecia o Daniel por traz dessa atitude. Oh,
aquele era ríspido, também, mas para ela, tinha melhorado suavizado, e fazia esforço para ser
dessa maneira.
— Não creio que estou forçando minha vagina por banhar um homem grande, lindo e
mantê-lo nu um pouco mais.
Ele bufou. — Vagina. Essa é outra palavra que eu apostaria que veio da Terra.
— Você esperaria que minha mãe tivesse me ensinado ‘boceta’?
— Eu prefiro não pensar nisso.
— Nem eu, porque aí eu me preocuparia com ela. Levante-se para que eu possa lavar-lo
melhor. Você tem que ser tão alto?
Ele olhou para ela, seu rosto normalmente arrogante se suavizou com emoção. — Eu
continuo dizendo a você, não ter notícias é uma coisa positiva. Se ela tivesse sido executada, as
chances são de que isso teria sido anunciado.
81

— Eu sei. — Ela ensaboou acima o seu eixo e bolas, fascinada por ele começar a endurecer
novamente. — Isto é muito prático.
Ele gemeu e se afastou, enxaguando a si mesmo.
— Nós precisamos nos mover. Vou dar-lhe uma pomada para o corte e para a sua doce
boceta. — Seu sorriso a fez estremecer.
— Você faz isto de propósito.
— Claro que sim. Você acha que é a única que pode trabalhar o charme sexual? Agora, nós
temos que sair daqui quando anoitecer. Vamos alugar uma embarcação particular. Eu conheço
algumas pessoas que irão reservar as nossas passagens.
— Por que você não disse isso antes? — Ela entrou no quarto onde ele avultava
ameaçadoramente sobre ela. Infelizmente, agora ele tinha posto a cueca.
— Eles não são os contatos que eu queria usar, a menos que fosse necessário. Este é o
momento agora.
— Ow! — Ela estremeceu quando ele espalhou o creme sobre o seu corte na lateral.
— Não seja um bebê. Você fez ainda pior quando me seduziu. Eu lhe disse o que iria
acontecer. — Ele então envolveu as tiras de linho ao redor de seu corpo, mantendo a ferida
fechada e seca em torno do medicamento. — Escolha uma roupa bastante simples que você possa
trocar. Mudaremos de transporte na próxima ‘Verse’. Eu não posso arriscar ter você lá fora assim.
— Eu não sou um bebê. — Ela começou a se agarrar nele novamente, quando ele espalhou
o creme em sua boceta, conseguindo todo o seu funcionamento novamente apesar de que um
pouco de dor tinha resultado, como ele havia dito que seria. — Oh, meu. Eu acho que talvez seja
necessária uma aplicação a mais.
— Bons deuses, o que eu desencadeei? — Ele continuou a murmurar enquanto vestia o
ridículo, mas, obviamente, útil arsenal.
— Você tem muitas armas. Eu só tenho uma. Preciso de mais.
— Você sempre foi assim? — ele perguntou, enchendo com os últimos poucos itens que
precisavam uma mochila.
— Engenhosa? Inteligente? Encantadora? Oh, eu sei, sexy!
— Irritante. Sim, essa é a palavra que eu estava procurando. — Ele entregou-lhe uma
mochila, e ela ergueu-a por sua lateral boa. — Fique quieta enquanto eu envolvo o seu cabelo.
Habilmente, ele envolveu o cabelo dela em um pano, torcendo-o até que ela se pareceu
com qualquer uma das mulheres cujo cabelo ela tinha admirado na rua. — Muito prático. Um
assassino que pode embelezar cabelos. Não sei se planejo te deixar ir. — Ela sorriu, e ele se virou,
alcançando até dobrar algo por trás de uma tábua da parede solta.
— Uma nota para um amigo? —
— Nós precisamos manter o meu pessoal a par dos nossos movimentos. Você está pronta?
Vamos comer assim que estivermos seguros.
Era a sua vez de bufar. Ele comeu em todas as refeições, como se não tivesse visto comida
durante dias. E ainda era forte e em forma, e isso a incomodava porque se comesse assim, ficaria
longe de forte e em forma. Ela também percebeu que sua mochila era muito leve.
— Ei, não há nada aqui dentro.
82

— Você não precisa levar tudo aquilo. Agora vamos. Aqui. — Ele entregou-lhe duas armas
mais, uma blaster pessoal pequena e outra faca. Inclinou-se sobre a bainha no tornozelo dela.
— Que bom que você está vestindo calças. — Ele indicou à grande distância, calças de
pernas largas que ela pegou no dia anterior. Elas permitiram-lhe uma melhor variação de
movimento e eram mais quentes do que uma saia.
— Quem diria que eu precisaria ter melhor acesso às minhas facas, hum? Por que você está
com o rosto de senhor irritado de novo? Além disso, posso levar alguns vestidos. Você não precisa
fazer tudo.
Ele tomou seu braço e a arrastou para perto. — Eu preciso mantê-la viva. Farei tudo o que
for preciso para que seja assim. Agora mexa esse traseiro lindo e vamos embora.
Presa entre aborrecida e envaidecida, ela optou por uma espécie de sedutora sacudidela
de impaciência quando eles deixaram a sala. O homem estava irritantemente doce, e não sabia
disto. Mas se ele achava que ela ficaria longe dele agora, depois de lhe feito amor da maneira que
tinha, ele estava enganando a si mesmo. Ela queria ter Daniel Haws, e o teria.
Ele examinou-a cautelosamente, claramente suspeitando de sua expressão. —Este olhar
me deixa nervosa.
Ela caminhou próxima a ele, o ritmo rápido, mas não apressado. — Deve.
Enquanto eles caminhavam para o espaço comum, próximo à entrada para a hospedaria,
viram um grupo de pessoas reunidas. Havia discussões e algumas lágrimas.
Daniel suspirou. — Espere aqui. Deixe-me ver o que está acontecendo.
Ela caminhou junto com ele. — Eu não sou um animal de estimação para você dar ordens.
— Isso é verdade. Animais de estimação são obedientes. — Ele sussurrou enquanto se
aproximavam da multidão, perto da porta da frente.
— O que está acontecendo aqui? — Daniel perguntou. Sua classe Imperial foi bastante boa.
— Houve uma explosão em Krater. Grande número de mortos. Ninguém está dando
quaisquer detalhes. Como foi que isso aconteceu? Quem fez isso? O que fez isso?
A mulher ao lado do homem que tinha falado parecia assustada e puxou seu braço. — Ele
só está chateado. Temos família em Krater. Mineiros. Apenas preocupado, afinal de contas. Sem
ofensa dizer. Somos bons cidadãos.
— Foi-se o tempo em que um homem podia fazer perguntas de seu governo e ainda ser
considerado um bom cidadão.
Dois oficiais de segurança entraram teleguiados diretamente ao homem que havia falado.
O funcionário fez contato visual com Daniel e se movimentou a distância. Eles precisavam sair de
lá antes de qualquer coisa acontecesse, e começassem a levar as pessoas para a prisão.
Ele praticamente agarrou Carina e a levou do local, não deixando seus pés tocarem o chão
quando o fez. Muitos outros fizeram o mesmo, não querendo se envolver. Daniel odiou aquilo,
mas não havia nenhuma maneira de contornar isso e nada poderia ser feito para ajudar.
Seu trabalho era a impaciente linda mulher que ele acabara de tratar com rudeza saindo do
edifício.
83

Capítulo 10

Quando chegaram duas rotações mais tarde na próxima ‘Verse’, Andrei havia encontrado
todos no portal da cidade, vestido como um motorista de transporte público. Dirigiu-os para longe
do portal e no Distrito dos Lagos, que também tinha estado acima da linha de neve.
Ele compartilhou algumas informações. Os Skorpios ainda estavam à solta. Pessoas tinham
sido capturadas em detenções em massa e as interrogavam. Daniel sabia que Carina sentiria culpa
sobre isso, mas não havia nada a ser feito. Eles não poderiam ajudar de qualquer outra forma
além de ter a ela e aos dados em segurança longe.
A explosão em Krater tinha sido abafada, e ninguém do Império estava comentando. Todo
o tráfego de e para, Krater tinha sido suspenso, o do portal desativado. A Federação tinha razões
para acreditar que o evento estava ligado a qualquer dado que Carina carregava.
Impaciência, a saber, a soma total dos dados acrescentou ao seu mal-estar por tê-la
colocado em perigo ainda maior. Em um tempo muito curto, ela tinha se tornado importante. Não
apenas como mercadoria, mas como mulher. Era a última coisa que ele precisava desenvolver
sentimentos por ela, no meio de uma maldita missão de vida ou morte. Mas, quando refletiu
sobre isso, parecia que todos perto dele apaixonaram-se por alguém que conheceram durante
circunstâncias incomuns. Era de se esperar que ele, de todas as pessoas, deveria ter uma vida
regulamentada de acordo com as suas regras e ter uma mulher como Carina possuindo-o, virando-
o de cabeça para baixo e deixando-o querendo mais. Sua segurança era muito mais do que apenas
aqueles dados.
Ele se movera para sua última opção. Eles tinham que chegar a um portal particular
administrado por mercenários e traficantes, e havia um próximo, embora fortemente vigiado.
Daniel esperava como os infernos que as autoridades não estivessem cientes do portal. Se eles
soubessem, poderia ser uma armadilha. Ele não gostava de ser limitado em um canto, mas não
havia outra escolha. Havia onze dias desde que a tinha retirado de sua Caelinus, e, cada dia que
eles não a levavam ao território da Federação era um dia que ela não estava segura, e quanto mais
tempo eles estavam fora, maior a probabilidade de serem reconhecidos.
Andrei os deixou na casa segura, onde o fogo já estava queimando na fogueira maciça,
dominando a sala principal. O lugar estava bem conservado, bem abastecido e possivelmente, o
mais seguro que ele poderia ter querido se fosse retido por trás das linhas inimigas e precisasse
manter a cabeça abaixada. Se as coisas tivessem sido menos urgentes, ele teria se escondido por
uma semana ou assim até que aliviassem a situação. Mas eles não tinham o luxo do tempo.
— Estou voltando para fazer algum reconhecimento. Retornarei em breve. — Daniel sabia
que Andrei varreria a área, certificando-se de que não estavam sendo vigiados ou seguidos e
ouvindo aqui e ali para ver se os três tinham levantado qualquer atenção da população local. —
Obrigado, Andrei. — Daniel inclinou-se ligeiramente, saudando o amigo. Andrei merecia a
confiança que Daniel concedia-lhe, e Daniel sabia quão poucas pessoas eram tão dignas, quanto o
homem perto da porta.
84

— Não se passou muito tempo. — Disse Carina, com preocupação no seu rosto. — Você
parece cansado.
Andrei sorriu à sua maneira, um flash rápido do homem que estava seduzido por uma bela
mulher preocupada com seu bem-estar. Ele acenou quando saiu, prometendo retornar logo que
pudesse.
Ela estava pálida, as manchas escuras sob os olhos diziam que estava exausta e,
provavelmente, ainda um pouco dolorida. — Por que você não descansa um pouco? Aproveite
esse tempo de pausa, enquanto o temos. — Ele não pôde resistir a tirar uma mecha de cabelo do
rosto dela.
— Eu estou bem.
— Não, não está. Apenas por um cochilo, você não vai perder nada. — Ele sorriu já a
conhecendo bem.
— Eu descansaria melhor se você estivesse comigo. — Ela o deixou levá-la em direção a um
dos quartos.
— Isso não seria repousante. Êxtase toma muito do trabalho. Você descansa
completamente, eu vou trabalhar um pouco e então nós podemos conseguir as coisas bem mais
tarde. — Ele beijou sua testa e ela franziu as sobrancelhas, mas não se moveu para se levantar
quando ele derrubou-a na cama e tirou-lhe as botas.
Após cobri-la com cobertores, ele voltou para o cômodo principal para colocar um pouco
de comida para cozinhar. O tempo passou lentamente, normalmente mesmo. Era um presente,
ele sabia por fazer este trabalho pelo tempo que já o fazia, cuidar de tarefas básicas como
cozinhar ou lavar a louça. Quando sua vida estava correndo sem parar e ele lutando, o luxo de ter
tempo para ter uma vida, ser normal, manteve-lhe humano, mental e emocionalmente estável.
Ele precisava ler o arquivo que Andrei tinha enviado à unidade de comando lá no
esconderijo, mas precisava fazer outra coisa primeiro.
Ele empurrou a porta de seu quarto aberto em silêncio e apenas encostou-se ao batente da
porta prestando atenção. Olhou para sua forma dormindo, o som da sua respiração calma, de um
modo que nenhuma substância química, nunca poderia proporcionar. Ela estava segura, pelo
menos no momento. Isso contava.
Ela tinha passado por muita coisa. Ele conseguiu reservar passagens através do contato
desonesto novamente na última ‘Verse’, mas tinha sido duas ‘Verses’ mais próximo de Caelinus.
Ele queria sair, mas eles não estariam procurando por eles indo em direção ao Centro do Império.
Ou pelo menos assim ele esperava. Eles deixaram os mais empobrecidos e caóticos subúrbios
daquele Edge ‘Verses’ imperiais nos últimos deslizes, por isso ele esperava que ela tivesse chance
de descansar. Sua lateral estava quase curada, mas ela tinha conseguido na sedução, e ele foi
muito pressionado para resistir, mesmo que quisesse o que não fizera muito. Ele conseguiu evitá-
la e recusa-se completamente, quando tinha que fazer. No momento, ela pareceu recuar um
pouco. Mas ele a conhecia muito bem neste ponto para entender que ela apenas voltaria e muito
mais irresistível.
Ela era algo que ele não conseguia definir, mas tinha se tornado bastante essencial para
sua vida. Eles iriam cair na cama novamente, ele sabia que seria inevitável, só precisava segurar
85

seu pênis sob controle até que chegassem a algum lugar seguro o suficiente para baixar sua
guarda. Esperava que fosse logo, existia uma quantidade máxima de masturbação à qual um
homem poderia sobreviver sem lesões no punho. Ele tentou, realmente, resistir a ela, mas viu-se
se abrindo para ela, compartilhando pedaços de sua vida que nunca tinha pretendido. E ela não o
julgou. Não teve piedade. Ela o escutava, via algo nele que ele não acreditava que tinha.
E o desvendou, e ele encontrou-se totalmente encantado pela primeira vez em seus quase
quarenta anos. O desvendou, e nisso ainda o fortaleceu, pensou ele, enquanto voltava saindo da
sala principal para pegar os arquivos e beber um pouco de kava, enquanto a refeição cozinhava e
ele poderia planejar.

Andrei chegou de volta, horas mais tarde. — Cheira bem. — Ele pendurou o casaco e
chutou a neve das botas, removendo-as antes que entrasse na área principal, onde Daniel estava
trabalhando. Daniel serviu-se de uma tigela da vigorosa sopa que tinha feito e deslizou aquilo
sobre a mesa.
—Coma. Kava13? Andrei movimentou a cabeça quando começou a comer. — Ela está bem?
Ele agitou a cabeça em direção ao quarto, onde Carina ainda dormia.
— Teve uma luta de faca dois dias atrás. Emboscada por bandidos da rua. Ela não correu ou
gritou, não chorou. Usou sua arma e permaneceu em posição. Controlando-se bem. Conseguiu um
ferimento superficial. Assustou-me como os infernos. Mas ela é forte, Andrei, de uma força, que
eu não havia pensado que ela tinha dentro de si. O sorriso de Andrei foi tão rápido que, se Daniel
não tivesse conhecido o seu amigo durante o tempo quanto tinha, teria perdido isso. Andrei
bebericou o kava.
— Eu soube, na noite que tivemos de correr com ela por horas, que ela era feita de
material forte. Parecia que um vento forte iria derrubá-la, mas ela é resistente em espírito. Não
desiste. Eu gosto dela. Ela é forte. — Fez uma pausa e olhou para Daniel reto. — Bonita, Também.
Estaria mentindo se dissesse que não havia notado a forma como vocês dois se entreolham. Basta
manter um olho na estrada e ela também, sim?
Ele zombou. — Eu nunca deixei de fazer meu trabalho, Andrei.
— Você nunca teve uma carga como Carina Fardelle antes também. Os deuses sabiam que
era verdade.

13 Planta da qual as raízes são usadas para produzir uma bebida com propriedades sedativas e anestésicas.
A Kava é consumida em todo o Oceano Pacífico, culturas da Polinésia (incluindo Havaí), Vanuatu, na Melanésia e
em algumas partes da Micronésia. A Kava é sedativa e, sobretudo, consumida para relaxar sem prejudicar a
clareza mental.
86

— Isto não é casamento. Ela significa algo para mim, mas você está tornando-o mais do
que é. Ela chegará a Ravena e encontrará um mundo inteiro de oportunidades disponíveis, como
nunca imaginou. Eu sou uma fantasia passageira.
— Vocês dois estão falando de mim? — Carina entrou no cômodo. Ela mudara a leve roupa
que estava usando, por um suéter e calça comprida. Seu cabelo estava desgrenhado de sono, e
ternura o inundou, espontânea e inesperadamente. Ele espantou aquilo conforme continuou a
examiná-la. Meias grossas, nos pés e um par de luvas de dedos completavam o look. Mulher
esperta. Daniel empurrou longe a emoção com humor seco.
— É claro que estamos. É tudo o que fazemos. Já em relação daquilo que nós planejamos
vestir amanhã, então, naturalmente, tivemos de discutir o calçado que você esteve usando mais
cedo. Ela golpeou-lhe com a mão quando passava reto, e ele mal escondia o modo como respirava
para capturar o cheiro dela. Andrei não perdeu isto, entretanto, não disse mais nada.
— Sente-se e coma. — Empurrou-lhe uma tigela de sopa do seu jeito e deu um tapa
afastando a mão dela quando ela moveu-se para roubar seu kava. —Pense de novo, princesa. Esse
é meu. Há um pote novo fresco bem em frente de você, se você quiser o seu próprio.
— O seu seria melhor. — Ela murmurou e escavou na sopa. — Muito bom. Você fez isso?
— Eu sou um bom cozinheiro. Bom o suficiente para impedir-me de passar fome pelos
últimos quase quarenta anos. Não sou totalmente inútil. Ela o olhou acima e abaixo e equivocou
um sorriso do seu modo.
— Nem um pouco. Daniel conseguiu deter o comentário na frente de Andrei. — Então o
que está acontecendo lá fora? — Ele perguntou, mudando para o modo de trabalho. Carina achou
a maneira que ele fez isso imponente ao mesmo tempo em que a incomodava. Ele sempre parecia
estar pensando nas coisas em três diferentes níveis. Todas elas com aquela boa aparência que
tinha.
— Inquietas. Skorpios passaram por aqui há quatro dias. Prenderam muitos. Alguns
desapareceram. A população está muito assustada, mas também com raiva. Parece que os
homens de Fardelle têm estado muito aqui, nos últimos tempos. Os mercenários me disseram que
o seu portal não foi localizado ainda, mas Fardelle tem dois dos seus próprios em execução da
largura do Império.
— Mercenários? O que é um mercenário? Andrei olhou para Carina. Como Daniel lhe fazia
perguntas em sua presença, ele havia dado permissão para Andrei falar livremente
principalmente. Carina percebeu isso e imaginou que tinha sido de propósito, já que Daniel
raramente fazia coisas sem querer. Ela tinha certeza, que havia coisas que Andrei não lhe diria,
mas Daniel ter confiado nela, quando ela tinha certeza que ele pensara que ela era uma espiã,
significou muito.
— Mercenário. Eles são soldados de aluguel. Fora daqui, principalmente, fazem
contrabando de mercadorias, mas são contratados para fazer muitos trabalhos.
— Eles ajudam você por créditos, então? Nesse caso, como você pode confiar que eles não
vão nos entregar? O olhar de Daniel de aprovação foi rápido. Ela teria perdido se não tivesse
vagueando sobre ele.
87

— Nem todos eles fariam qualquer coisa por créditos, se eles não acreditam na causa ou,
pelo menos, não sem ofendem por ela. Conheço mercenários a maior parte da minha vida. Eles
são mais complicados do que você imagina. — O rosto de Andrei se iluminou, de uma maneira que
ela não tinha visto nele antes e sabia que ele falava de alguém com o qual se importava.
— Estes mercenários têm nos ajudado várias vezes. Eles estão ligados a algum dos nossos
amigos do outro lado da linha. — Daniel hesitou, mas não disse mais nada.
— Sua mãe foi vista há dois dias no pátio do complexo. — Andrei disse a ela, afastando a
atenção dela, da vontade de perguntar o que Daniel estava escondendo. —Ela apareceu ilesa, mas
tinha uma comitiva de guardas. Uma onda de alívio atingiu-a, atordoando. Ela colocou a cabeça na
mesa e foi surpreendida quando Daniel passou a mão suave acima e para baixo nas suas costas.
— Obrigado, Andrei. Eu precisava saber disso. — Carina piscou para conter as lágrimas
enquanto se endireitava. Ele se levantou e fez uma reverência.
—Foi um prazer, então, minha senhora, trazer-lhe um pouco de alegria. Eu sei que os
tempos são difíceis para você agora. Mas você está fazendo a coisa certa, e ela sabe disso. — Ele
olhou para trás, para Daniel. —Eu preciso entrar em movimento. Vou colocar o restante no lugar.
Vejo você amanhã no portal. As coordenadas são os dados que eu acabei de carregar.
— Você está partindo? Nós não tivemos muito tempo para uma conversa. — Carina
sentou-se. —Não vá. Está escuro e frio. Fique, coma. Tenho certeza que você pode cuidar de seu
material secreto amanhã. Há uma cama extra, e você parece esgotado. Você não pode esperar
fazer seu trabalho bem se está exausto.
— Tenho algumas pessoas para encontrar em breve, e vou encontrar meu descanso depois
disso. Obrigada, querida senhora, pela sua preocupação. — Andrei inclinou sobre a mão dela e
beijou-a. Carina corou muito graciosamente.
— Você estará viajando conosco a partir de agora, então?
— Isso ainda precisa ser decidido. Se eu for necessário com você, sim. Mas nem sempre
precisamos viajar juntos para ser práticos. Foi bom vê-la, Carina. Volto novamente amanhã. Por
favor, descanse bem e certifique-se que Daniel o faça também. — Andrei virou a gola do casaco
para acima e puxou um chapéu posto para abaixo, quando partiu.
— Será que nós o afugentamos? Fazendo-o se sentir indesejado? — Carina observava a
retirada de Andrei antes de voltar para sua comida. Daniel balançou a cabeça.
—Meu palpite é que ele tem uma mulher esperando por ele em algum lugar. Muitas de
vocês parecem gostar do tipo dele.
— O tipo ridiculamente deslumbrante, alto, cabelos longos e escuros e penetrantes olhos
azuis pálidos? — Embora ela brincasse, não estava sendo falsa. Andrei tinha essa escura, magnífica
e chocante tipo de personalidade. As mulheres queriam corrigir homens sim, iludiam-se que
seriam a única a quebrar a fachada misteriosa e capturar seu coração. É claro, que ela estava
jungando enquanto olhava fixamente, para outra versão daquele homem e, esperando de todo o
coração que ela fosse a única que o interessaria de uma forma que ninguém mais o faria.
Ela tentou não sorrir, mas não podia evitar isto quando viu o aborrecimento levantar as
sobrancelhas dele. Cutucar um homem como Daniel era bobagem, mas isso a divertia muito, e
simplesmente o fazia mais atraente quando estava irritado.
88

— De qualquer maneira, ele vai fazer algum trabalho e depois irá até ela. Ela vai lhe fazer
companhia e mantê-lo aquecido também. Andrei não é alguém para se querer como companhia,
se e quando ele desejar. Ela arregalou os olhos quando se inclinou em direção a ele.
—Oh! Conte-me mais. Eu quero saber todos os detalhes. Ele bufou.
— Tenho certeza que quer. Como minha mãe costumava dizer para mim, querer as coisas é
o que nos torna humanos, é bom querer coisas. A vida privada de Andrei é dele, Carina. Ela
acenou com a mão.
— Você é entediante quando tenta ser severo comigo. Como você tão frequentemente
observa, eu sou uma princesa. Se a severidade do meu pai não me fez parar, quem é você para
pensar que pode? Ele revirou os olhos e bebeu um gole de kava.
— Quanto a Andrei, nós podemos passar o tempo, e eu posso conhecê-lo através de você.
Eu não preciso saber o quão grande são os seus órgãos genitais ou qual sua posição favorita.
Assim, você sabe, ele é um homem mulherengo? Um tipo tímido? O quê?
Ele deu um suspiro. Não iria satisfazer a curiosidade dela; ela só iria piorar. Mas
simplesmente achou aquilo além de sua capacidade. — Eu não poderia te dizer o quão grande é o
pênis dele, eu nunca olhei, nem falamos sobre posições favoritas. Ele tem companhia do sexo
feminino muito frequentemente. Tenho a impressão de que ele é bonito o suficiente, certamente
atrai as mulheres quando estamos fora, aqui e ali. A sua reação antes foi suficientemente clara. —
Ele havia tentado ser seco, mas acabou soando petulante. Apertou a boca.
—Você nunca olhou? Sério? Gostaria de olhar. Qual é a sua posição favorita? — Seu
discernimento sobre o que deveria ser dito ou não eram tão ausentes como a sua capacidade de
controlá-la quando ela não queria ser controlada.
— Você não se cansa de fazer perguntas invasivas? Ela piscou e terminou sua kava.
— Sobre sua vida sexual? Não. Então? Ele se inclinou muito próximo, tão próximo que a
sua respiração encontrou os lábios dela, saboreando a respiração dela em retorno enquanto ele
inspirava — Eu gosto de pegar a mulher por trás, quando ela está sobre suas mãos e joelhos ou
inclinada acima de algo como uma mesa. A respiração dela ficou presa.
— Sério? Por quê?
— Eu gosto de estar no controle. Gosto de decidir o quão profundo posso entrar em sua
boceta. Gosto de dominá-la com o meu corpo dessa maneira.
— Oh — Ela respirou fora. — Eu quero isto, também.
O sangue dele diminuiu a velocidade, em vez da batida insistente, ele latejava. Calor
atravessou-lhe, calor ele percebeu era o desejo de uma profundidade que nunca tinha
experimentado antes. Ela o intoxicou da maneira mais aleatória. Ele foi bombardeado com visões
de suas curvas excepcionais enquanto a fodia por trás. Da maneira como os seios estariam livres
para balançar, de como sua coluna se pareceria quando ela as arqueasse. Ele estaria profundo e
apertado, capaz de chegar e brincar com seu clitóris para que ela gozasse mais e mais.
Boca seca, ele tentou engolir. — Eu não sei se você está pronta para isso. — Deuses sabiam
que ele não estava preparado para isso. Uma coisa era fodê-la como tinha na primeira vez. Ele
podia controlar-se melhor, conter a sua necessidade — a insaciável necessidade por ela que o
comia a cada momento do dia.
89

Mas por trás, admirou-se do quão emocionante seria tomá-la de uma maneira que
raramente o fez com as mulheres que queria ver no dia seguinte. Era uma intensidade muito mais
fácil de compartilhar com um estranho do que com alguém por quem se interessasse. Ela se
levantou e puxou o suéter sobre sua cabeça, expondo sua roupa de baixo, os mamilos visíveis
através do tecido fino, quase transparente. Ele poderosamente aprovou a moda Imperial dessas
camisetas de seda, translúcidas, ajustáveis ao invés de simples sutiãs.
— Eu estou pronta, Daniel. Sei que você quer acreditar que eu sou alguma tonta
inexperiente. Isso torna mais fácil tocar-me, instruir-me, em vez de fazer amor comigo. Você se
detém. Mesmo quando você está se liberando em meu corpo, você segura tanto que os músculos
vibram com isto. Posso não ter uma grande dose de experiências concretas, mas sou inteligente o
suficiente para saber que eu quero que você se solte comigo. Com um sussurro, a camiseta foi
seguida pela calça. A cabeça dele girava à verdade no que ela disse e que ela entendia muito bem.
— Possua-me — ela murmurou, significando aquilo. Ela não desejava ser usada por Daniel,
ela queria que ele a possuísse, para levá-la e marcá-la como sua.
Ele se levantou a espreitou, e sem qualquer preâmbulo, agarrou-a e arrastou-a para seu
corpo, cobrindo sua boca com a dele, tomando o que ele queria, deixando o mel do desejo em seu
despertar. Não havia nada para ser feito, além de agarrar-se. Envolver seus braços ao redor dele,
pressionando-se mais apertado quando ele saqueou sua boca. Seu gosto queimava dentro dela,
indelével. Ele ficaria ali para sempre. Até que ela desse seu último suspiro, não importa o que
acontecesse entre agora e depois, ela conheceria seu gosto, que seria parte dela pela vida toda.
A língua dele vagueava pela sua boca, saboreando, provocando, seduzindo a dela para
emaranhar, acompanhar. Ela gemeu baixinho, e ele engoliu o som. Quando ele se afastou,
mordiscou a parte inferior do seu lábio, puxando-o, o seu olhar fixo sobre o dela antes de
finalmente deixá-la ir. A expressão dele era um desafio, e ela sabia que o que fizesse a seguir seria
melhor que qualquer coisa. Ele foi abrindo-se a ela, expondo parte de sua vida interior, e ela
queria que ele entendesse que o queria. Queria que a levasse, porque ela confiava nele, porque a
idéia de ser possuída por ele emocionava-lhe até os dedos dos pés, e ela não sentiria vergonha por
esse desejo.
— Você ainda está vestido. — Ela lambeu seus lábios para saborear-lhe de novo. Ele viu,
assistiu o seu deslizar da língua em toda a curva de seu lábio inferior, onde ele a tinha mordido
momentos antes. Fez uma pausa, mas apenas para uma respiração enquanto segurava a mão dela.
Ela a pegou, e ele a levou para o quarto em que cochilara mais cedo.
— Eu vou me certificar que tudo está seguro, porque pretendo dar-lhe toda a minha
atenção assim que começar a sério. — Pressionando um beijo no seu pulso, recuou e passou pela
porta.
Ela aproveitou o tempo para refrescar-se, escovar os cabelos e tentar pensar em alguma
posição, muito engenhosa para quando se deitasse na cama. Seu cérebro percorreu aquele beijo
mais e mais. A forma como ele havia tocado-a com as mãos, desfez algo dentro dela. Aquilo correu
para fora, buscando mais. Quando ele voltou para o quarto, ela estava lá, nua sobre a cama. Ele
havia acendido um fogo, e a luz quente lambia sobre sua pele. Ela moveu-se direto para ele, para
seus braços e suspirou feliz.
90

— Você está muito quente.


— Conveniente para as mulheres nas noites frias, eu suponho. Ela sentiu a curva dos lábios
dele no seu pescoço, sabia que ele a provocava.
— Estou bastante certo. Mas você está aqui e eu estou aqui e você parece tão delicioso eu
estou tão excitada com isso. — Ela bateu suas mãos para lá e para cá até que ele as pegou nas
suas.
— Você está com medo? Ela balançou a cabeça.
— Não. Não de você ou do que você faz para mim. Eu... você me excita. Faz-me sentir bela
e desejada de uma maneira que nunca imaginei possível. Isso me encanta, deleita-me até diminuir
a minha respiração e meu coração ameaça explodir no meu corpo. Um canto da boca dele se
levantou.
—Obrigado.
— Pelo quê?
— Por isso, o que você acabou de dizer. Eu estou honrado que você confie em mim. Você é
bonita, e eu te desejo. Ele a empurrou para trás, pairando sobre ela com o peso sobre o cotovelo
Suas feições eram intensas, enquanto ela esperava por ele para fazer o primeiro movimento. Ela
queria isso tanto que detestava a idéia de estragar tudo.
— Eles são lindos. — Ele traçou sua língua ao redor do primeiro mamilo e depois o outro.
— Eu penso neles o tempo todo. Ela sorriu, satisfeita de ouvi-lo. Quando ele mordeu o próximo
mamilo, houve uma sombra de dor. Ela sacudiu, mas quando ele passou a língua sobre ele, o
mamilo não floresceu em dor, mas em prazer.
Enquanto ela se contorcia contra ele, ele cobriu seus mamilos com atenção. Tanta atenção
que ela questionou-se se isto poderia dar-lhe o seu clímax. Segurou a cabeça dele, o cabelo fresco
contra seus dedos. Ela moveu os quadris, precisando apenas de um pouquinho mais para se
inclinar ao limite, mas aquilo não era o suficiente.
— Shhh. Deixe-me cuidar disto. — Disse ele contra a sua pele, quando ele beijou o lado
inferior de seu seio e depois sobre cada costela. Lábios em sua barriga, uma língua passando
rapidamente contra sua pele logo abaixo de seu umbigo. Ele estava indo amá-la com a boca
novamente. Ela abriu as coxas, os dedos agarrando a colcha quando ele colocou sua língua
profundamente dentro dela. Daniel não conseguia o suficiente do gosto dela. Da maneira como a
sentia - suave, quente, cremosa - contra a sua boca. Seu clitóris levantou-se para ele conforme ele
lambia sua boceta, acima de sua entrada. Ela arqueou, avidamente mostrando-lhe o que queria.
Não era tímida a cerca de seus desejos, o que só o fez querê-la mais.
Ele queria manter este momento durante mais algum tempo, passar mais tempo deixando-
a pronta, mas no momento em que chupou seu clitóris entre os lábios, ela explodiu, gozando
rígida e em voz alta quando ele continuou lambendo até ela se acalmar.
— Eu sinto muito. — Disse ele, beijando a junção entre a sua perna e o seu corpo.
— Por quê? — Perguntou-lhe com a voz preguiçosa. Quando ela tinha um orgasmo, ficava
toda relaxada e pegajosa. Ele queria rir daquilo, com a idéia de mantê-la fora de controle e
obedecendo aos seus comandos, quando estivessem no campo, alimentando sua dieta constante
de orgasmos. Muito mais divertido do que ter de assustá-la ou drogá-la.
91

— Eu tinha planejado tomar mais tempo com isto.


Ela fez um desdenhoso som. — Você nunca tem que pedir desculpas por fazer-me ter um
orgasmo. De agora em diante, você pode supor que eu quero um, sim.
Ela exuberante confortável o suficiente para brincar com ele com muito mais freqüência.
No início, tinha sido tão ingênua e séria, mas depois ele começou a perceber que ela tinha um
intenso e alegre senso de humor sob o frio exterior que tinha visto pela primeira vez. Ela
provocava seu próprio humor à superfície. O fazia feliz. Espreguiçou-se e ele observou, gostando
do jogo em seus músculos, o modo como os seus seios se ergueram quando ela arqueou as costas.
— Agora, eu acho que é a minha vez.
— Gulosa. Você já teve a sua vez. Ela ficou de joelhos e empurrou-o de volta para a cama.
Escarranchando nele novamente, ela beijou abaixo seu pescoço e lambeu sobre cada mamilo. Ele
gemeu, arqueando em sua boca.
— Eu queria dizer, a minha vez de te amar com a minha boca. Obviamente não é comendo
você, ou talvez seja. Como que é que se chama? Ele riu.
— Não importa como é chamado, só como é feito. Você pode chupar meu pênis, fazer um
trabalho oral, ir até o final em mim, me dar prazer oral ou me amar com sua boca. Não tenho
nenhuma preferência sobre como você chama isto.
— Bem, você vai ter que me ajudar aqui.
— Você não espiou a ajudante de copeira chupar um guarda ou algo assim? — Ele brincou,
mas verdade seja dita, ele achava muito sensual sua tendência voyeurística.
Ela corou. — Eu ainda preciso de alguma orientação.
— Eu sabia. Que garota malvada você é, Carina. Você se fazia gozar quando assistia? — Sua
voz abaixou quando sua pele arrepiou só de pensar.
— Às vezes. — Ela sussurrou. — Mas nunca senti o que você faz para mim. Sua boca sobre
mim, suas mãos não são iguais às minhas. Sinto-me muito melhor quando você me toca.
— Como ela conseguiu manter-se viva naquela família com tanta franqueza, ele não tinha
certeza. Ela passou abaixo pelo seu corpo, inclinando-se sobre seu pênis. Sua respiração deslizou
através da cabeça.
— O que você gosta? — Ela segurou-o, inclinando para levá-lo em sua boca.
— Lambidas? — Ela lambeu ao redor da coroa e sobre a fenda. — É muito bom o gosto. Eu
queria saber qual gosto você tinha.
— Tudo bem. — Realmente bem. Por o que parecia ser uma vida inteira, ele manteve-se
sob controle, deixando ela o explorar, aprender o que ele gostava e não, o fazer. Seu entusiasmo
era muito mais erótico do que qualquer perícia teria sido percebida. Eficaz também. Ele colocou as
mãos nos ombros dela, empurrando-a delicadamente para que parasse, mas ela não parecia
querer.
— Um pouco mais e eu vou gozar na sua boca. Normalmente eu não estaria levando isso
como uma razão para parar, mas agora eu preciso te foder. Ela se afastou, seus olhos arregalaram
por um breve momento.
— Por trás. Ela assentiu com ansiedade.
92

— Eu quero você sobre suas mãos e joelhos. — Ele instalou-se atrás dela. Deuses, que
visão. Nada do que ele poderia ter feito na vida deveria ter merecido esta mulher aqui e agora, na
cama com ele. Estar ali, com ele atrás dela, era tão erótico, que ela se sentia lânguida. Sua boceta
doía, seus lábios formigavam por lamber e chupá-lo por tanto tempo quanto deixara. Ela sabia que
estava totalmente exposta para ele desta maneira e imaginava o que devia parecer a partir de sua
perspectiva.
— Ponha as mãos lá na cabeceira da cama.
Ela obedeceu alongando ao tentar fazer contato com ele. Uma mão segurou seu quadril,
acalmando o seu movimento, enquanto o outro chegou entre as suas coxas, os dedos deslizando
através de sua boceta e até seu clitóris. Ela choramingou, querendo mais. Ele deu a ela mais. Mais
do que ele queria primeiro, para matá-la novamente no clímax, e enquanto o corpo dela ainda
tremia, ele começou a pressionar nela com a grossa, cega cabeça de seu pênis. Seus dedos
apertaram na cabeceira da cama, enquanto ele continuava a empurrar para dentro dela. Arrepios
correram para cima e para baixo em seu corpo quando ela separou as pernas, deslizou em torno
dele enquanto cada parte que ele tocava enviava ondas de choque de sensações através dela.
E então ele começou o implacável impulso e recuo, construindo ritmo à medida ela o
recebia em seu corpo. Suas mãos estavam por toda a pele dela, acariciando, amassando,
provocando os mamilos em pontos doloridos, uma borboleta de um toque sobre seu clitóris. Ele
controlava tudo: a velocidade, a profundidade que conseguia ir, a força com que empurrava. Ele
tocou seu corpo, excitando seus sentidos até que não houvesse nada além dele, nada além dele
em cima dela, construindo-a até que sentisse que ia explodir a partir disto.
Não estava se segurando, não daquela vez. Ele a fodia rápido e com força, mantendo-a
úmida e aberta para ele enquanto dançava na beira do orgasmo, seus dedos dando a quantidade
certa de pressão para seduzir e não sensibilizar. Quando ela se rompeu, o suspiro dele contra seu
ombro, a última estocada dura em sua boceta dizia que ele se juntara a ela.
— Uau. Ele retirou-se cuidadosamente e deixou a cama, voltando logo com um pano
molhado para ela se limpar inteiramente.
— Eu machuquei você? — sua pergunta estava em silêncio lá na escuridão. Ela ouviu a
preocupação lá, a preocupação de tê-la assustado com a maneira crua com a qual a tomara.
Carina aconchegou-se a ele, puxando os cobertores em cima de onde eles estavam.
— Isso foi surpreendente. Eu nunca senti nada parecido. Você não me machucou mesmo,
Daniel. Você me deu prazer. — E a fez se sentir segura, querida, valorizada. Ele não falou
novamente quando deslizaram para o sono, e pela primeira vez, ela não sonhou que desaparecia.

Capítulo 11

Daniel diminuiu sua passagem pelas ruas de uma cidade a alguma distância do local onde
Carina dormia profundamente e de forma segura. Andrei tinha aparecido entre as profundezas da
93

noite e o começo da manhã. Eles trocaram um aceno de cabeça, Andrei deu-lhe um endereço e
Daniel se enfiou dentro da escuridão.
Lá estava ele. A noite ainda vivia quando subiu três lances de escadas ao apartamento no
final do corredor. O lugar era uma bagunça, mas não tão ruim que não conseguisse encontrar o
que precisava. Uma mancha na pele do tamanho de sua unha faria o truque. Aqueles que
conheciam o homem, que o odiavam em segredo ou publicamente, balançariam suas cabeças e
murmurariam sobre a pena que era ser abatido tão jovem por uma doença cardíaca aleatória,
ninguém sabia que ele tinha. E então eles voltariam para as suas vidas, e ninguém iria lembrar a
morte em uma semana.
Daniel iria lembrar a morte. A agente dele, uma mulher chamada Leal, que fez seu trabalho
com honra e competência, estivera aqui para limpar o caminho para ele e Carina. Ela confiara
naquele pedaço de lixo que tinha sido a sua fonte em ocasiões anteriores, e então ele se voltara
contra ela, vendendo-a e conseguindo sua tortura e morte pelos soldados imperiais. Ele não podia
voltar no tempo e trazê-la de volta. Mas podia se certificar de que a fonte nunca matasse outra
alma. Daniel havia sido responsável por Leal. Ela tinha feito seu trabalho e morrido por causa
daquilo. Que a pessoa que fizera aquilo com ela ainda estava viva não era algo que Daniel estava
preparado para aceitar.
No caminho de volta para Carina, Daniel trabalhou para desfazer-se da escuridão, para
colocá-la no lugar bem no fundo dentro de si. Ela era algo extremamente preciosa para manchar
com aquilo. Ele não poderia sempre protegê-la do que ele fazia, mas iria fazer sempre que
pudesse. O sol começou a subir, e quando ele abriu a porta, o calor bateu nele primeiro,
saudando-o de volta, e então ele cheirou kava e algo tão delicioso que sua boca salivou. Carina
olhou para cima, da mesa onde conversava animadamente, com Andrei, quando ele entrou na sala
principal.
— Nós estávamos pensando quando você retornaria. — Ela sorriu, estreitando seus olhos
momentaneamente, mas absteve-se de perguntar mais. Embora, se ele a conhecia bem, ela já
havia tentado obter as respostas através de Andrei e falhou.
— Agora soa bem. — Ele pendurou o seu casaco e chapéu num cabide, deixando as botas
na entrada.
— Hmpf. Venha sentar-se depois. Eu tenho alguns biscoitos assados e fiz algumas salsichas.
Andrei trouxe ovos, também. — Ela sorriu na direção de Andrei, e ele fez um movimento com a
mão.
— Você foi a pessoa o que os preparou. A minha parte foi fácil.
— Estarei de volta em breve. Só preciso me limpar. — Ele passou por eles, assentindo uma
vez para Andrei. Ele queria ir até ela, juntar-se a ela e beijá-la, mantê-la contra seu corpo até que
se lembrasse de tudo sobre si mesmo novamente. Em vez disso, continuou se movendo. Ele
precisava lavar-se em primeiro lugar, precisava limpar a morte de sua pele antes de tocá-la.
Debruçado sobre a bacia, jogando água no rosto, ele não ficou surpreso ao ouvir a porta
abrir e fechar. O cheiro dela lhe teria advertido, mesmo que ele não tivesse sentido sua presença,
antes de sentir-lhe aquele aroma floral noturno que ela mantinha.
94

— Você não estava na cama quando eu acordei. — Disse ela calmamente, entregando-lhe
um pano para secar seu rosto e pescoço, quando ele se endireitou. — Eu achei que você tinha me
deixado. Sem querer, ele a puxou para ele, abraçando-a.
— Eu tinha alguns negócios a tratar. Não iria deixá-la. Andrei estava aqui o tempo todo que
eu estive fora.
— Não foi isso que eu quis dizer. — Disse ela em seu tórax. Ele segurou-a longe para que
pudesse ver seu rosto.
— Você pensa tão pouco de mim? Ela balançou a cabeça.
— Sou eu, eu acho. Ele a sacudiu uma vez porque ela estava sendo ridícula, mas deixou sua
extremidade rígida por beijá-la profundamente.
— Você? Qual seria o seu problema então? Muito bonita? Muito sexy? Por favor, me
informe para que eu possa correr de medo. Sua boca ferrou em um sorriso.
— Você é um cafajeste.
— Sou. Mas eu não sou o homem que iria foder você e abandoná-la. Ela assentiu com a
cabeça.
— Certo. Então... bonita, huh? Ele gemeu.
— Vá buscar o meu café da manhã, mulher! Preciso mudar minha roupa.
— Assim, quando nos assentarmos em Ravena, você retornará para casa muitas vezes
assim? Ele não podia controlar o seu estremecer de surpresa, não que ela parecesse abalada por
isso.
— Eu não sei o que vai acontecer quando eu conseguir deixá-la em segurança.
— Daniel, se você acha que pode me fazer te amar e depois se afastar para continuar
tendo suas roupas cheias de sangue e dormir sozinho, ou pior, com mulheres que não se
preocupam com você, está muito enganado.
— Carina, você não me ama. Você não me conhece.
— Não me insulte. Eu te conheço. Eu vi você pressionado ao limite. Eu vi você no seu pior e
melhor. Posso não ter te conhecido desde que éramos crianças, mas não tente negar que eu o
conheço. — Ela colocou a mão sobre o seu coração. — Eu te conheço mais do que você conhece a
si mesmo.
— Esta situação é extraordinária. A maioria das pessoas, a maioria dos casais não tem este
tipo de encontro. Você esta presa apenas na excitação e no drama da mesma. Ela se endireitou e
deu-lhe um reflexo imperioso. Existia a Carina Fardelle que ele não conheceu, em primeiro lugar.
Tão forte, majestosa, sexy e irritada também.
— Agora você está me insultando novamente. Mais uma vez e vou chutar seu saco em sua
garganta. Como se atreve a dizer-me que eu sinto, como uma adolescente14? Você não tem o
direito. Eu sei o que eu sinto. Posso ter sido virgem, mas eu não sou estúpida. Você acha que eu
não conheço as minhas próprias emoções? Acha pode ficar aí e dizer isto na minha cara? Depois

14A expressão correta é “youngling not out of tights”: jovem de meias-finas/meias longas = refere-se às
adolescentes
95

do que nós compartilhamos? Pense novamente, Daniel. Eu estou aqui para ficar. Acostume-se a
isto. — Ela o beijou no queixo e saiu do quarto com um safanão.
Ele suspirou, encostando-se na bacia, esfregando as mãos sobre o rosto. Amor? Deuses,
que surpresa que ela era. Se alguém lhe tivesse dito que ele ia acabar dizendo seu sobrenome à
carga, compartilhar detalhes pessoais e uma cama com ela, ele teria dito que mentiam. Mas o
cheiro dela agarrou à sua pele, a sensação de sua carne contra a dele ainda estava em suas
memórias. Não conseguia se lembrar da última vez que havia dormido a noite inteira com uma
mulher com a qual tinha tido relações sexuais. Ele comichava por ela, se preocupava com ela,
queria-a, mas havia um longo caminho entre isto e algo permanente, quando retornassem para a
Central.
À Central e à realidade de suas posições sociais diferentes. Embora ela não fosse uma
cidadã da Federação, não havia dúvida na mente de Daniel que eles ofereceriam a ela, e ela seria
tratada como elite. Mas muitas casas tinham começado a repensar suas políticas e normas sobre o
casamento entre pessoas sem classificação, manteve-se a percepção, a expectativa mantinha-se
que elite casava com elite. Ela teria que lidar com isso no auge de perder sua família, e ele não
tinha direito de esperar tal coisa dela.
Ele tinha certeza que não merecia tal sacrifício, quando se virou para ver que ela havia-lhe
deixado um suéter limpo perto da porta. Enquanto Daniel terminava de se limpar, Carina torceu o
nariz enquanto esfregava a mancha numa de suas camisas.
— Andrei?
— Se isto é sobre a cor favorita de Daniel, eu não sei.
— É pré-requisito que os espiões tenham este tipo de humor? Ele suspirou, e o cheiro do
cigarro subiu no ar, acentuado e picante.
— Quem somos nós sem risadas? — Sua voz era calma, repleta de uma emoção que não
poderia nomear, e ela sabia que ele não iria contar-lhe.
— Ele tem alguém? em Ravena? — Ela explodiu frustrada.
— Eu tenho você, Carina. O que é mais do que suficiente para qualquer homem dar conta,
mesmo sem a metade do Império no nosso traseiro. — Daniel entrou no espaço, roçando nela,
parando quando viu o que ela estava fazendo. —Suas mãos vão ficar rachadas. O sabão é áspero.
— Ele pegou a camisa e enxaguou suas mãos, secando-as e deixando-a confusa novamente. Uma
hora ele estava fingindo que ela era apenas outra mulher, e na próxima ele fazia esse tipo de
coisa. Eram todos os homens desta maneira? Seria um acessório padrão, juntamente com um
pênis?
Será que aquilo queria dizer que ela era sua mulher? Por agora? Durante o próximo espaço
de tempo? Para sempre? Será que ele queria dizer que não tinha uma mulher, mas que estava
dormindo com ela? O que aquilo significava? Ele riu.
— Eu não tenho idéia de como você conseguiu evitar ser morta. Posso ver tudo o que você
sente em seu rosto. Mas ela não se uniu a ele.
— Se eu quisesse usar uma máscara com você, você nunca saberia de nada além do que eu
quisesse. Não cometa o erro de pensar que eu queria viver daquele jeito. Eu tinha de viver
daquele jeito ou acabar tendo sumido um dia, sem avisos. Sou especialista em mentir, especialista
96

em ser o que precisar ser para manter-me viva. Andrei se levantou, pegou sua xícara de café e saiu
da sala.
— Fiz uma promessa a mim mesmo quando fizemos a primeira viagem para o portal. Eu me
concedo a honra de sentir e de ter emoções, e quando as pessoas ao meu redor merecerem, vou
compartilhar isso com elas.
— Peço desculpas. — Disse ele, inclinando-se sobre suas mãos. Ela exalou encantada com
ele novamente.
— Eu aceito seu arrependimento. Você me encanta, Daniel Haws. Você me pega de
surpresa, e ocorre-me que você sabe tanto sobre relações amorosas quanto eu. Embora, mais
sobre sexo, o que eu aprecio. Um sorriso tomou momentaneamente seus lábios.
— É isso que nós temos? Um relacionamento romântico? Eu sou sua mulher? Por que você
hesita, pelo amor dos deuses! Você age como se estar comigo fosse terrível, mas não age desse
jeito quando está fazendo sexo comigo, ou secando minhas mãos.
— Carina, mais devagar. Você está certa, eu não tenho muita experiência com
relacionamentos românticos. Não os tenho absolutamente. E estar com você não é terrível,
mesmo que você fale muito mais do que eu preferiria, às vezes.
— Você é ridículo. Ele esfregou o polegar sobre o joelho dela.
— Eu sou. Mas eu disse quando entrei no quarto, tenho você. O que isso vai significar
amanhã, eu não sei. Nós temos muitas coisas para lidar agora, e você não me conhece. — Ele
colocou um dedo contra seus lábios. — Quero dizer que você não me conhece como pessoa, as
pequenas coisas que criam amizade e um relacionamento. Quanto mais você aprende, mais os
seus sentimentos podem mudar.
— Ainda não explica por que você se encolheu como se eu tivesse te batido ou algo assim.
Não que você não precise de uma boa palmada, seu espertinho.
— Deuses, você é violenta. Eu recuei porque as pessoas não falam assim. As mulheres
simplesmente não falam sem pensar ou exigem saber o que significam para um homem. Isto não
se faz. Ela jogou suas mãos no ar com um grunhido.
— Quem disse? Isso é simplesmente estúpido. Por que não se deve fazer, eu pergunto a
você? A mulher deve ficar em volta aparentando beleza e esperando o macho lhe dizer o que
sente? Ela não pode dizer isto primeiro? Quem fez essas regras? Eu arriscaria uma significativa
pilha de créditos, dos quais eu não tenho nenhum, para dizer que um homem as fez, e elas lhe
convém perfeitamente. Ouça aqui, Daniel Haws, eu te amo. Eu sei que você acha que eu não sei o
que é amor, ou que eu realmente não te amo, que é simplesmente o sexo falando. Mas eu sei o
que eu sinto, e eu não tenho medo de dizer.
Ele abriu a boca apenas para fechá-la novamente. Ela simplesmente esfregou o sangue de
suas roupas, sabia que era um produto de seu trabalho e, ainda, com ela, ele era diferente. Ele era
gentil e carinhoso, era como um segredo que ela carregava. Ela gostava daquilo até quando o
achava totalmente fraco por simplesmente não admitir o inevitável. Ela bufou.
— Não. Você não tem que falar. Você só vai arruinar tudo como algum homem ríspido
falando de eu ser jovem ou algo assim. Desta forma, fico com a última palavra, e você sabe que
estou certa. — Ela elevou-se nas pontas dos pés e beijou-lhe o queixo.
97

— Também acho que você deveria deixar a barba crescer um pouco. Eu gosto de pêlos
faciais nos homens. Vá sentar-se. A comida vai ficar fria, e devemos ficar fortes. Andrei diz que
provavelmente vamos sair hoje. Ela virou-se para fazer-lhe um prato, sorrindo, por ele parecer tão
confuso enquanto ela estava só ela, era melhor escondê-lo. Ha!
— Você pode voltar aqui agora, Andrei. — Daniel chamou. Algum tempo depois, Andrei
caminhou e pegou outra caneca de kava antes de ter outro prato de comida. Ela pôde ter
detectado diversão em seus olhos, mas não poderia dizer com certeza.
— Eu chequei as rotas fora da cidade. Devemos ser capazes que percorrer essas estradas
de volta e chegar a três horas normais. Elas podem nos levar combinando dois portais. Isso nos
coloca de volta em Philos. — Andrei fumou calmamente, até que o coração de Carina martelou.
Houve momentos que ela quase se esqueceu que eles estavam em tais condições terríveis, e
então a realidade veio quebrando novamente.
— Tudo bem. — Carina observava Daniel planejar, trabalhando através de possibilidades.
— Nós podemos chegar, pelo menos, em Silésia de lá. Silésia era a última ‘Verse’ antes do Edge e
do início do território da Federação. Estes eram os rostos deles para o público, estavam limpos e
bem conduzidos, em boa oferta de alimentos, uma elevada qualidade de vida. Pelo menos perto
do portal da cidade. Alguns passos para fora e era uma história totalmente diferente. Lá fora, as
coisas eram mais pitorescas. A bagunça mal policiada de uma ‘Verse’ onde o caos reinava com
muito mais frequência do que a tranquilidade.
— Muitas vezes ‘Timus Barley’, um dos ministros de meu pai, dizia a ele para enviar os
Skorpios a Silésia. Nós não podemos manter ajuda lá, você sabe. Eles não têm nenhuma polícia
para chamar. Há água em demanda, mas ele não pode ser incomodado por nenhum motivo. —
Parecia um desperdício para que ela só civilizar uma parte de uma ‘Verse’ tão grande.
— A água é rica em minerais utilizados na convalescença. Os mercenários fazem um grande
negócio em volta do nosso lado. Ela impede que as crianças em algumas ‘Verses’ tenham doenças
intestinais que matam tantos. Mas não podemos obtê-la através do comércio. Ele não irá lidar
com todos nós. — Daniel esbanjou outra fatia grossa de pão com a conserva que ela encontrou em
uma caixa.
Náusea pesou em seu ventre. A mortalidade infantil não era um problema em uma grande
porcentagem das ‘Verses’ Imperiais. Mas havia aquelas, como as que estavam mais perto do Edge,
onde a pobreza corria desenfreada. As ‘Verses’ não tinham qualquer infra-estrutura, sem água
potável, serviços de saúde eram escassos, a fome era endêmica. Estas crianças que morriam aos
milhares de doenças intestinais poderiam ser salvas com um pouco de água em suas próprias
‘Verses’, mas seu pai era muito preguiçoso ou descuidado para dar proteção àqueles que
trabalhavam para consegui-la; aquilo trouxe vergonha para seu ventre, aglomerando-se em
náusea.
— Você não é ele, Carina. Não assuma uma culpa que não é sua. — Andrei levantou-se. —
Eu tenho armas. Vou carregar o transporte. Novos documentos para vocês. — Ele jogou um
pacote sobre a mesa.
Daniel balançou a cabeça, examinando a documentação. —Sutil.
98

Ela arrumou um pouco de comida em uma mochila. Ele estaria com fome de novo antes de
chegarem ao portal, de modo que ela seria capaz de lhe oferecer um lanche e agradá-lo.
Esperançosamente. Ela nunca podia dizer quando ele ficaria feliz, se ela estava ajudando ou
irritando. O homem era realmente um quebra-cabeça às vezes.
— O que é sutil?
Ele olhou para acima, surpreso com sua pergunta. — Nada. Estamos casados, os mesmos
nomes, Carrie e Neil. Estes mercenários são confiáveis o suficiente para nos conseguir descer
algumas ‘Verses’ abaixo da linha, mas é isso aí. Não se meta em conversa com eles. Não lhes diga
nada. Você não pode confiar neles. Basta seguir o meu conselho e não fazer aquilo que você faz.
Não no dia de hoje.
As sobrancelhas dela voaram para cima. — Aquilo que eu faço? Como insistir que eu não
sou lenta?
— Não fique chateada. — Ele atirou uma mochila em direção da porta e começou a
amarrar suas botas. —Eu não acho que você seja fraca. Você gosta de conversar. Normalmente,
isso é uma coisa, você gostaria de compartilhar e conhecer pessoas, e estas não são pessoas para
se conhecer. Eles são criminosos, alguns dos quais iriam vender-lhe ao maior lance.
— Chateada? Escute aqui, você poderia usar algumas lições para fazer amigos. —
Murmurou para si mesma sobre a incapacidade dele de lidar com o ser humano enquanto
colocava a mochila com a comida perto de outros sacos na porta.
Ele pegou-se, tocando o braço dela. — Meu trabalho não é fazer amigos. Trata-se de
mantê-la viva, e é isso que eu vou fazer. Não peço desculpas por isso.
— Grr. Bem, isso é uma coisa boa. Não é o seu ponto forte. Você está tão eriçado. Onde
está o homem que me acordou ontem à noite para me amar? Humm? Eu gosto mais daquele
homem do que deste aqui. Ele moveu-se rapidamente, puxando-a para o seu corpo, esmagando
sua boca contra a dela até que ela esteve fraca. Quando ele rompeu o beijo, ele pressionou a testa
contra a dela.
— Ótimo. Aquele homem ama fodê-la no meio da noite. Mas o homem que você precisa
agora é o eriçado. Este é o que mantém seu traseiro bonito inteiro. Amaldiçoando ele e sua
habilidade para fazê-la toda trêmula.
— Oh.— Ainda assim, ela não era estúpida, apenas apaixonada. — Você fez isso para me
calar?
Seus lábios se curvaram. —Sim. Mas este foi apenas um dos muitos aspectos positivos de
beijar você. — E com isso, ele começou a arrastar as coisas para o transporte.
Ela adentrou a casa, fazendo uma última passagem para ter certeza de que não tinha
deixado nada para trás. O afastamento de toda a energia deixou-a se sentindo melhor, entretanto
admitidamente que foi àquele beijo que ela atribuiu a maior parte de sua melhora de humor.
Não que fosse dizer a Daniel aquilo. — Você está pronta? — Ele esperou próximo da porta
enquanto ela vinha. Ele pegou um casaco, ela ajudou a colocá-lo. — Está frio lá fora. Até
montanha abaixo está nevando. — Com um beijo na testa, ele colocou um chapéu sobre os seus
cabelos e pegou o saco que tinha trazido para baixo.
— Não pense que você está longe de problemas. — Ela alertou.
99

Ele segurou um sorriso de volta, mas viu o tremor de seus lábios. —Eu nunca sonharia com
isto. Isso só vai nos tornar um casal mais convincentemente casado.
— Sorria enquanto pode. — Um dia desses eles seriam um casal, ele era muito macho para
saber isto. Ela passou muito longe, deixando Andrei ajudá-la para cima e para o transporte.
Foi quando ela percebeu Daniel usando uma blaster em um coldre no ombro. Hoje ele não
estava tentando esconder a ferocidade, como ele tinha estado até então.
— Vamos, Andrei. — Daniel sentou-se no outro lado, de modo que ela ficou entre ele e
Andrei. Toda aquela virilidade de homens competentes na cabine a relaxou, mas ela ainda estava
contente por ter suas armas postas.
A movimentação era longa e nem sempre na melhor das estradas, mas a paisagem era
deslumbrante. Eles pararam a meio caminho para verificar os rastreadores e para esticar as pernas
depois da viagem atribulada. Daniel ficou olhando para fora sobre a encosta coberta de neve que
descia até um vale. Seu hálito embaçado quando ele terminou um sanduíche. Ela se contentou em
simplesmente observá-lo, amar a aparência que ele tinha.
— Quando eu era menino, vivíamos no meio do deserto. Ele ficava tão quente durante
determinadas épocas do ano, que você não poderia ficar fora por mais do que alguns minutos até
se apavorar com a insolação ou com queimaduras das quais nem a mais forte das loções podia
proteger. A neve é uma coisa engraçada. Um milagre. Oh, ele a fazia eufórica por dentro quando
era assim.
— Eu sempre pensei que Ravena estava coberto por metrópoles rasgadas por grandes
áreas de paisagem natural. Lagos e tal.
— Ravena é uma maravilha. Eu estive em muitas ‘Verses’, e ela continua sendo minha
favorita. O interior, onde eu cresci, ocupa cerca de um quarto da massa terrestre. Os
respiradouros15, que dão poder às cidades são hiperativos lá, tornando-as muito quentes o tempo
todo. Apenas alguns tipos de vegetação podem crescer dessa forma.
— Que tipo de postos de trabalho tem os homens por lá? Quê os mantém lá? O que você
fez enquanto vivia lá? — Ela sabia que seu bombardeio de perguntas o divertia, mas fiel à sua
promessa de ensiná-la sobre o mundo, ele respondeu.
— A região tem mineração e algumas energias a partir das aberturas mais ativas e é
controlada pelo poder para as áreas periféricas. Meu pai era professor em uma das escolas de lá
na maior parte da minha infância. —
— Sério? — Ela baixou a cabeça. —Eu sou também. Professora, eu quero dizer. De uma
classe. Ele levantou a cabeça.
— Você é? Isso explica muita coisa. O que você ensina?
— Explica muita coisa? Pfft. As crianças que vivem no complexo e em comunidades da
região só podem frequentar a escola se seus pais pagam uma taxa trimestral. Os agricultores e os
comerciantes podem facilmente pagar por isso, e as escolas são muito boas. Mas os operários têm
cada vez mais dificuldade. Eles não podem pagar as taxas, e seus filhos permanecem analfabetos.

15 Tipo de chaminé industrial


100

Eu instalei uma escola para as crianças cujos pais não têm as dotações. Não é nada demais. Para
leituras e somas. Fui capaz de conseguir para alguns deles trabalhos ocasionais ao redor da área
para que eles possam fazer a diferença e entrar em uma escola adequada.
— Isto é o que meu pai costumava fazer. Ele ensinava as crianças a gostarem disso
também. Apenas escolaridade até a idade de dezessete anos é pago pela House Lyons. Ele é
certamente um bastardo na maioria dos aspectos, mas mudou a vida de muitas crianças.
— Não é a sua? Ele deu de ombros.
— Não de uma maneira que eu diria ser positiva.
— Isso é uma pena.
— Nada tão trágico assim. — Daniel roçou suas calças. — Precisamos voltar para dentro.
Está muito frio aqui fora.
Ela permitiu-lhe conduzi-la de volta, mas uma vez que eles estavam todos lá dentro e
começou a dirigir de novo, ela inclinou-se contra ele. Ele ajeitou-a, dizendo-lhe que tinha de
manter o acesso à sua arma, mas a manteve consigo. Ela se perguntava sobre seu pai, perguntou
se ele era como o próprio. Havia outros tipos de homens, diferentes de seu pai, ela sabia. Havia
famílias na corte de seu pai. Ela os utilizou para estudo, tentando compreender os porquês disso.
Havia homens que eram gentis com suas esposas e carinhosos com os filhos. Ela viu isso nas
crianças que ensinava.Claro, ela os deixou. Quem iria ensiná-los agora? E se a informação que ela
mantinha permitiria à Federação derrotá-los e os invadir? Se ela tivesse cometido simplesmente
um erro que poderia prejudicar milhões de pessoas? Daniel notou-a tensa quando se
aproximavam da cidade administrada por mercenários.
— Mantenha-se atrás de mim e não mais do que o comprimento do seu braço de distância.
Não os deixe tomar suas armas. Seus olhos se arregalaram por um momento, e depois seus traços
suavizaram.
— Tudo bem. O que devo fazer se eles insistirem?
— Matá-los, enquanto grita para mim.
— Isso deveria ser reconfortante? Ele gostava que ela parecesse irritada ao invés de
assustada. Ela tinha coragem.
— Claro que sim. Chegarei lá antes que alguém a mate. Ela xingou, mas acenou em
concordância. Ele e Andrei trocaram um olhar. Daniel levantou três dedos, tinha havido três
guardas nas torres quando eles entraram na parte principal da cidade. Como os mercenários, este
grupo não era tão ruim. Havia alguns que fizeram exército pela remuneração, mas principalmente
eles contrabandeavam mercadorias e, mais provavelmente, armas. Aqui fora ele sempre era Neil,
e não tinha revelado o seu estado civil, de modo que deveria dar certo.
— Eu me pergunto se eles têm jardins nos telhados. Eu vejo as pessoas lá em cima. — Ela
disse isso em uma voz divertida, uma fachada muito altiva, muito arrogante que ela usara quando
a conheceu. E mostrou os guardas nos telhados. Elegante e sexy, sua Carina.
— Eu não sei se as pessoas aqui são interessadas em agricultura. Mas poderia ser. — Daniel
apontou para uma trilha, e Andrei balançou a cabeça, estacionando o transporte.
Seu contato havia dito a eles para encabeçarem a trilha, e eles seriam encontrados pelos
mercenários e escoltados para o portal. Daniel não gostava muito. Este grupo especial era apenas
101

marginalmente ligado a outro em que ele confiava muito mais. Mas ele não tinha muita escolha
nesse momento. Quanto mais tempo ficassem para trás das linhas inimigas, mais perigoso se
tornava. O portal oficial de transportes estava sendo vigiado. Todos os portais particulares
conhecidos também estavam sendo vigiados. Era apenas uma questão de tempo antes deles
serem presos, e ele queria evitar este resultado a todo custo.
— Fique perto de mim, — ele disse a ela. — Nunca sabemos que tipo de animais selvagens
está aqui fora. — Ela tentou fazer beicinho quando ele tomou sua bolsa, mas ele não se importou.
Ela já tinha sido ferida em uma briga de faca, e ele queria ter certeza de que não haveria uma
repetição desse evento. Ela ia deixá-lo ajudá-la, ia ouvi-lo, e ponto final.
Daniel tomou a ponta, enquanto Andrei seguia atrás, mantendo Carina diretamente entre
eles. A floresta em torno deles era estranhamente calma, o único som da trituração de neve sob
seus pés. Havia homens por aí, olhando e esperando. Ele sentiu isso na pele. Cauteloso, mas não
hostil o que lhe convinha perfeitamente.
— Olá! — Adiante na trilha um homem gritou-lhes com um levantamento de mão. Seu
caminhar era aparentemente casual, mas Daniel conhecia um guerreiro ao ver um. Os olhos do
homem eram os de um predador, e ele carregava armas em seu corpo.
Daniel assentiu com a cabeça. — Olá. Nós estamos procurando pelas cataratas. Ouvimos
dizer de um local, Duan, que é algo lindo de se ver. Só assim, a fachada jovial caiu, e o trajeto
repleto de homens.
— Tudo bem então. Precisaremos dessas armas.
— Tenho certeza que você acha que precisa. Mas nós dois sabemos que isso não vai
acontecer. Você tem minha palavra de que não vamos sacar as armas, a menos que nós sejamos
provocados. — Daniel estava imponente, as pernas afastadas, se preparando para a violência, mas
dando ao outro homem um caminho para sair com algum grau de honra.
— Nós não conhecemos você.
— Você não vai conhecer depois que atravessarmos, tampouco. Mas você conhece quem
eu conheço, e isso tem que ser o suficiente. Não vou te dar as minhas armas. Dois homens
ladeavam a direita na frente de Daniel e ele sabia que por trás dele, Andrei estava de costas. Ele só
esperava que Carina assumisse o que ele disse no coração e ficasse em silêncio.
E lá estava a fodida voz dela! Ele queria girar para olhá-la, mas somente anos fazendo este
trabalho permitiu-lhe manter a compostura e ficar cara a cara com os outros homens.
Carina sabia qual era a expressão no rosto de Daniel, mesmo que não pudesse vê-lo. Mas
isso era estúpido. Ela viu o homem mais velho em pé ao lado, conhecia as marcas em seu rosto. —
Eu visitei uma vez Ulta. É muito bonita. Eu nunca tinha visto águas termais como essas antes.
As feições do homem perderam parte de sua desconfiança, ao som de sua voz, no jeito que
ela empregou o sotaque regional, perfeitamente. Ela deveria ter, sua mãe era de Ulta; Carina a
ouviu sua vida inteira.
— Eu sinto falta. De voltar lá de vez em quando; a maior parte da minha família se
dispersou, — ele sorriu. Isso estava se movendo na direção certa. O homem perdeu um pouco da
rigidez na coluna.
102

— Eu entendo. Eu não vejo minha família, tanto quanto eu gostaria também. Claro que é
assim. O homem se interessou, movendo-se mais próximo. Carina sentiu Andrei mover-se atrás
dela, mas ele não disse nada.
— O que traz você aqui? — Ele perguntou.
— Meu marido e eu, — ela fez uma pausa para indicar Daniel, — estamos tentando chegar
à sua família. Eles estão do outro lado, você vê. Eu nunca os conheci. — Ela sorriu tristemente. —
Os transportes estão cheios de Skorpios, e mesmo que não tenhamos nada pelo qual fugir, eles
me assustam muito e Neil, aquele meu homem ali, e seu primo Ander, — indicou Andrei, —
disseram que nós poderíamos viajar desta forma. — Ela sorriu para efeitos. — Agora, os meninos
serão meninos, por isso eu apostaria que haverá alguns negócios nesta viagem, mas suponho que
seja mais seguro assim, também. —
— Oi, você aí, vamos manter o movimento, — o velho gritou para o outro na cabeça do
grupo, desta vez no padrão ao invés de sua língua nativa. — Eles têm lugares para ir, nós temos
um transporte para levá-los lá. Nós temos gente suficiente para lidar com qualquer problema se
aquele lá quebrar a palavra e sacar a arma.
Depois de alguns resmungos, eles começaram a andar a passo lento até a trilha
novamente. Andrei chegou até ela, apertou sua mão e voltou a caminhar.O fato era que ela não
estava preparada para o que ela viu ao lado. O Portal particular do seu pai estava a céu aberto e
mantido, protegido por suas tropas. Quando eles alcançaram o cume do morro, ela viu uma copa
de árvore, mas quanto mais próximo eles chegavam, mais evidente tornou-se de que a copa
estava protegendo a visão do portal do ar. Duas embarcações de transporte de médio porte
ancoradas, esperando para ser embarcadas. A energia do portal varria a região. Não admirava que
os mercenários tivessem tomado a cidade e se estabeleceram em torno deste espaço. Não havia
maneira de algo como isto passar despercebido por um transeunte.
— Aqui vamos nós. Pronto para embarcar. Nós temos um complemento completo, então
quando você estiver decidida, vamos embora. — O homem que tinha estado a conversar com um
gesto para a rampa para dentro da embarcação.
— Boa viagem, senhora. Ela sorriu para ele antes de tomar a mão estendida de Daniel.
— Obrigado. Ele não disse nada enquanto desciam do convés em direção ao seu camarote.
Andrei estava bem ao lado deles. Ela pensou que ele estaria com eles, de modo que veio como
uma surpresa. Não que ela se queixava do tempo a sós com Daniel. Infelizmente, Daniel no
trabalho estava ainda mais taciturno do que era normalmente.
Ele abriu a porta e fez sinal para ela entrar. Ele acenou para Andrei. — Vemo-nos depois
que partimos. Há uma cantina aqui, nós podemos fazer uma refeição mais tarde.
Andrei concordou, Carina enviou um breve sorriso e se dirigiu ao seu quarto antes de
Daniel fechá-los.
Sem preâmbulos, sem palavras, sentou-a na cama e começou a sua habitual varredura do
cômodo. Ele quebrou dois dispositivos de escuta que devem ter sido mal posicionados, ou de
baixa qualidade, porque ele fez esse tipo de cara quando ele os encontrou, como se sua existência
inferior ao tradicional o ofendesse. Ele colocou sinal de bloqueadores de saída, definiu a
segurança extra na porta e, finalmente, se virou para ela.
103

— Você fez um bom trabalho.


Ela estremeceu surpresa. — Obrigada. Eu achei que você ia ficar com raiva.
— Você viu alguma coisa em que você poderia ajudar, e fez isso. Usou suas habilidades
para conseguir-nos este transporte com nossas armas e sem mais nenhuma imposição. Isto nos
economizou um tempo valioso.
— Tenho a sensação de que às vezes você gosta de me pegar desprevenido. — Ela sorriu
para ele. Ele ficou de joelhos e moveu-se para ela lentamente, roubando sua respiração. — Você
gosta? — Ele sussurrou.
Ela engoliu em seco, tentou não sentir-se acuada, e falhou. Mas isto era uma espécie de
delicioso não-medo. Antecipação. O que ele faria com ela a seguir?
— Você usando uma faca na panturrilha me deixa quente. — Ele deslizou a mão até sua
perna, por baixo da calça.
O puxar em seu ventre foi apenas parcialmente devido ao transporte balançando para
frente e fazendo o primeiro deslizamento através do portal.
Ele deve ter sentido os músculos tensos ao nível do ruído. Era muito maior do que das
outras vezes em que ela tinha viajado. Os acidentes de Portal não eram desconhecidos, e quando
acontecia, na maioria das vezes significava a morte de todos a bordo.
— Shh, está tudo bem. Um transporte particular, como este, através destes desonestos
portais é muito menos confortável que os portais licenciados de viagens. Mas é seguro. Estes
mercenários provavelmente fazem mais manutenção nesta embarcação do que as embarcações
oficiais recebem. Eles não poderiam traficar mercadorias bem debaixo dos narizes das autoridades
de outra forma.
Ela olhou para baixo nele, deslizando os dedos por seu cabelo. — É bom saber que não
estamos a caminho de ser esmagados e mortos.
Ele subiu em cima e sobre ela, levando-a para a cama com o seu corpo no dela. Ele lambeu
a concha de sua orelha e disse baixinho, sua respiração contra a pele sensibilizada. — Onde você
aprendeu a falar Ulta tão bem?
Ela poderia ter soado mais autoritária se ele não tivesse, em seguida, deslizado uma mão
na sua barriga sob sua camisa, infalivelmente ao seu mamilo. Ela arqueou, e ele se aproveitou
disto, lambendo seu pescoço.
— Uh. — Ele beliscou o mamilo, e os olhos queriam fechar, mas seu rosto estava bem
acima dela então, e a visão de seus olhos tão iluminados pela emoção deteve isto. Ela conseguiu
formar palavras tranqüilas para respondê-lo, mas seu corpo gritava por mais dele. — Eu aprendi
quando criança. Minha mãe é de Ulta. Meu sotaque teria sido diferente do dela, mas a empregada
da minha mãe também é Ultanesa; ela fala simplesmente como o homem lá fora.
Ulta era uma ‘Verse’ na extremidade distante do Império. Conhecida por suas águas
termais, vastos oceanos e cidades flutuantes, não era freqüentemente visitada por ninguém,
muito menos pessoas de fora da Federação. Foi então que ela se lembrou do que tinha pensado
antes que eles chegassem.
— Sinto muito. Eu não queria te chatear trazendo o assunto da sua família. — Ele se puxou
de volta, e ela suspirou. — O que é?
104

— Nada. Não é nada. — Ela o agarrou, mas ele se afastou para olhá-la melhor.
— Nada? Sério?
— Não é nada!— Ela insistiu.
— Tudo bem. — Ele sentou-se, enfurecendo-a no processo. Ele ficar fechado e mal-
humorado era normal. Mas, ela não estava autorizada a ficar também?
— Você sabe, recusar sexo é supostamente o que as mulheres fazem.
Ele estreitou os olhos para ela por um breve momento. — É mesmo? Você é especialista no
que as mulheres fazem sobre sexo agora?
— Depois de passar um tempo com canalhas irritantes, eu deveria ser especialista nisso.
Ele saiu da cama, e ela franziu o cenho às suas costas. — Desculpe a minha intromissão em
sua vida. Vou procurar não fazer isso novamente.
Vasculhando sua sacola, pegou um livro e começou a lê-lo. Insuportável! O homem estava
realmente fazendo beicinho porque ela não iria dizer-lhe todos os detalhes de por que ela estava
chateada?
— Eu nunca disse isso, — ela tentou explicar. Ele finalmente olhou para ela, e a culpa
infiltrou-se em suas entranhas no aspecto do seu rosto. Como um estranho. Ele tinha preenchido
lugares que ela nunca tinha imaginado, feito isso com as mãos, a boca e o pênis. Ele a conhecia de
forma que ninguém nunca tinha conhecido nem nunca o faria. A fez se sentir importante, amada.
Vendo a expressão vazia cortada ao cerne. — Não olhe para mim desse jeito! Você não está sendo
justo. Eu deixei você ter seu espaço para contar-me ou não suas coisas.
Horror espiralou na fuga de um pequeno soluço.
— Peço desculpas, — ele murmurou, deixando o livro de lado, movendo-se para ela. — Eu
simplesmente odeio ver você triste. Achei que talvez pudesse ajudar de alguma maneira. Não
estou tentando te pressionar. — Ele tomou uma profunda respiração. — Então, sim, acho que
estou. Mas só quero saber para que eu possa resolver.
— Você não pode resolver isto. — Ela encolheu os ombros e, apesar de todas as suas
melhores intenções, as lágrimas vieram. — Eu estou tão humilhada, — disse ela, com voz
embargada de emoção.
Ele moveu-se para ela novamente, puxando-a nos braços e até o seu colo. —Querida, por
favor, me diga o que é. Mesmo que eu não possa consertá-lo totalmente, compartilhe comigo
para que eu possa assumir um pouco do peso.
Ela engoliu em seco a emoção brotando intimamente. — Eu estou com medo de estar
fazendo a escolha errada. As pessoas vão se machucar, e eu sou a causa.
Ela apressou a dizer, não tendo certeza de que se dissesse isto lentamente, teria liberação
de sua consciência.
Ele ouviu, e ela esperou cada vez mais nervosa a cada momento transcorrido de silêncio.
Finalmente, ele disse: — Independente do que você fizesse, as pessoas teriam morrido. É
um fato incontestável, não é?
— Talvez. Eu não sei.
— Sério? Você não sabe? Você é muito mais inteligente e politicamente esclarecida do que
isso, doce. — Ele esperou, e ela suspirou.
105

— Eu pensei que você quisesse resolver isto.


Espantado, ele riu e beijou-a. — Você não poderia ter as duas coisas. Se tivesse ficado
quieta, o que poderia ter feito? Você teria sido mantida prisioneira virtualmente. Você e eu
sabemos que ele não teria permitido que você ensinasse às crianças. E o que mais você poderia ter
feito, realmente acredita que seu pai teria usado isto para o bem? — Ele manteve sua voz baixa,
mas ele ouviu muito bem.
— Não importa o que você fez, as pessoas teriam sofrido. Eles irão sofrer. Eu não posso
apagar isso. Eu não posso fazer não ser verdade, não importa o quanto eu gostaria. É todo o
equilíbrio. Mesmo trabalhando para o bem, até mesmo a escolha certa irá prejudicar as pessoas.
Ela acariciou sua bochecha. Tão parva, que tinha sido tão tola para não perceber que se
alguém poderia compreender os sentimentos dela, seria este homem, que fazia estas escolhas a
cada dia. Como isto deve desgastar-lhe às vezes: a responsabilidade, a consciência de que não
importa o que fizesse, as pessoas iriam se machucar, e assim ele tinha que fazer as escolhas que
ferissem menos pessoas.
— Você faz isto todos os dias.
— Não realmente. Não faça mais disto do que é. — Ele tentou mover a cabeça longe, para
esconder seu rosto, mas ela segurou.
— Pfft. Oficialmente, esta é a minha resposta. Só registrando - e não deixe que isto
alimente seu ego ridículo - mas você resolveu. — Ela colocou os dedos sobre os seus lábios para
impedi-lo de responder. — Oh, fique em silêncio!— Você está determinado a estragar este
momento supremo da feminilidade, e eu não vou deixar. Você resolveu, porque me fez lembrar
que nada é simples e é por isso que o que faz é importante. As pessoas comuns não poderiam
suportar o peso de tal coisa, e você suporta. Ajudou-me com um pequeno pedaço do que é ser um
exemplo. Desta maneira aí. — Ela moveu os dedos rápidos o suficiente para beijá-lo antes que ele
pudesse argumentar.

Capítulo 12

Depois do caos de conseguir se instalar, a parte principal da viagem foi bastante tranqüila.
Eles largaram suas coisas em seus camarotes e desembarcaram de forma rápida. Desde que estava
um pouco cansada e irritada com ele por sua contrariedade, ela estava mais silenciosa do que de
costume, e é claro que não concordaria em ficar no quarto enquanto ele conseguia alimento para
eles. Nem mesmo se Andrei ficasse com ela. Maldita mulher.
Assim eles conseguiram encontrar uma cantina pequena para recorrer, localizar uma mesa
e um pouco de comida decente.
Ele escondeu o sorriso quando ela tentou explicar a Andrei por que ele deveria comer mais
do que apenas enormes pedaços de carne. As pessoas ao seu redor na pequena cantina cuidavam
106

de seus assuntos, mas Daniel era inteligente o suficiente para saber que alguns os observavam,
assistiam e se perguntavam quem eram. Mais uma marca registrada de trapaceiros do que algo
sério. Ainda. Os criminosos sempre procuraram maneiras de ganhar créditos, então ele foi sempre
cuidadoso para ser imemorável. Que era difícil naquele momento, porque não importava qual
fosse a cor do cabelo, não importa o que ela usava ou quem fingia ser, ela era escandalosamente
bela e vibrante.
Também era inteligente, astuta. Ela trabalhava sua passagem através do transporte,
sorrindo e acenando, tomando pedaços pequenos e retransmitindo tudo para ele em seu
caminho. Que nem sempre era direto e, às vezes ele levava alguns golpes para entender seu ponto
de vista. Mas conseguia, e o olhar dela era excelente.
Não que ele admitisse isso em voz alta, mas a sua peculiaridade, o jeito que ela poderia ser
tão difícil e inteligente um momento e boba no próximo lhe agradavam. A única coisa nela que era
constante era o seu coração. Ela se preocupava com as pessoas e, dessa forma, ele foi lembrado
de suas irmãs, de seu irmão. Eles gostariam dela, ele percebeu, sabendo que ele teria de
apresentá-los a ela, pois Abbie não aceitaria isto de outra maneira e porque ele queria
compartilhar Carina com eles, mostrar-lhes que era capaz de algo mais do que o seu trabalho.
O que isso significava ele realmente não sabia. Mas sabia que queria ela amanhã e no dia
depois de amanhã. Sabia que queria ver o que eles poderiam ter, uma vez que chegassem à
Ravena, se eles tinham alguma coisa.
Andrei apareceu inesperadamente com um baralho de cartas, e ela realmente bateu
palmas. — Eu não tenho jogado há muito tempo. Como diversão.
— Fique de olho em Anderson, ele é trapaceiro. — Daniel sentou-se e bebeu um gole de
cerveja, vendo os dois interagir.
Andrei acendeu um cigarro, puxando a profunda fumaça fragrante. Apesar das
circunstâncias serem tão tensas, era um bom momento lá na mesa, uma refeição decente,
bebendo cerveja, vendo seus amigos jogarem cartas. Adorável ver Carina sorrindo, lindo vê-la se
acostumar à vida com um pouco de liberdade nisto.
— Quando eu era criança, minha mãe esteve muito acamada, então ela jogava cartas
conosco quando tinha dias bons. — Andrei descartou cartas, Carina engasgou e, em seguida,
grunhiu quando ela teve que levar a pilha. Daniel sabiamente escondeu o sorriso.
— Hmpf. — Carina pensou enquanto olhava para as cartas que ela segurava, deixando cair
duas. — Você é próximo dela ainda?
— Ela foi assassinada quando eu estava na prisão. Meu irmão mais novo foi levado pelas
autoridades, e eu nunca mais o vi. Minha irmã mais velha fez o seu melhor para nos erguer, mas
ela era apenas pouco mais velha do que eu. Ela casou-se jovem, tem várias crianças dela própria
agora.
— Eu sinto muito. — Ela disse isto sem piedade, o que significou muito para Andrei ouvir,
levou-o ao coração e acenou com a cabeça.
— Isto é a vida para muitas crianças. — Ele encolheu os ombros.
— Não torna certo. Seu pai?
— Perdedor.
107

Ela riu sem humor. — Nós temos isto em comum.


Andrei resmungou e voltou para as suas cartas.
Ela era tão maliciosa quando Andrei em jogos de azar. Daniel não estava tão surpreso. Uma
mulher como ela tinha que ser séria e cruel, se necessário. Era sexy.
Seu olhar deslizou das cartas para o rosto de Daniel, e ele sorriu. Ela corou lindamente,
assim que ele descobriu que ela entendeu a mensagem. Necessidade pulsava como o seu pulso.
Ele a queria queria as suas mãos, boca e pênis nela, dentro dela.
— Estou cansada. Eu acho que poderia ir dormir cedo. — Ela estava em pé.
— Boa idéia. — Daniel estava também, e Andrei enviou-lhe uma sobrancelha levantada.
Os três caminharam de volta através do agora silencioso transporte em direção aos
camarotes. Pessoas observavam a maioria deles, porque era natural olhar quando os outros
passavam, alguns porque gostava da forma como um dos três olhava e tinha certa desconfiança e
cálculo em seus olhos.
Na porta de Andrei, ele olhou para Daniel. — Eu vi, também. Vou manter vigilância sobre
isso. — Estavam falando sobre os olhares calculados que encontraram no caminho de volta.
Daniel movimentou a cabeça uma vez e agradeceu a Andrei, e então eles entraram em
seus próprios quartos, fechando-os por dentro.
— No que ele está prestando atenção? — Ela murmurou em seu ouvido assim que deslizou
em seus braços.
— Pessoas.
— O que você vai me ensinar hoje? — Ela olhou para ele através de seus cílios, e ele
respirou profundamente. Ela não tinha uma idéia real do que fazia com ele. Ah, claro, ela
compreendia seu apelo feminino, era impossível não fazer isso. Mas isso era mais. Ela estava
debaixo da sua pele de um modo que ele nunca se imaginou alguém o fazendo. Ela tinha se
tornado parte integrante dele, e a imensidão daquilo o assustou.
— Dormir, porque quando você empurra um homem que tem a energia reprimida, você
pode conseguir algo mais vigoroso do que o esperado, — ele murmurou o que significava aquilo.
Ele a queria. Seriamente. E não tinha certeza de que ele poderia reter toda a intensidade do que
sentia naquele momento.
— Eu quero isto. Mostre-me. Faça-me sentir que você sente. — Ela deu um passo para trás
e puxou a blusa que usava por cima da cabeça. — Eu estou aqui me dando a você. Toma-me.
Ele gemeu, perdeu a razão, apenas querendo mais dela mostrando a pele, querendo tocar.
— Mostre-me. — Ele se encostou à parede, tentando ter paciência. —Mostre-me o que
você gosta.
— Como? — Ela não estava nervosa, apenas interessada. Ele adorava isto nela.
— Retire sua roupa e toque-se sozinha. Eu quero ver você, quero saber o que você gosta.
— Você faz o que eu gosto.
Ele sorriu. — Eu gosto de pensar que sim. Mas a vida é um processo de aprendizagem.
Ajude-me a aprender mais sobre como dar-lhe prazer.
108

— Se você está tentando me assustar, não vai funcionar. — Ela jogou o resto de suas
roupas para o lado, colocando suas armas perto da cama onde ela pudesse alcançá-las, se
necessário. Ele gostava disso também.
Ele diminuiu as luzes no ambiente e colocou uma cadeira ao alcance de onde ela se
estabeleceu na cama. Totalmente nua, a sua pele corada com a excitação e um pouco de
constrangimento, ele apostou.
Ela deslizou as mãos de a sua barriga aos seios, estalando os polegares para trás e para
frente pelos mamilos até seus quadris começaram a se agitar. O ar parecia ainda tão aquecido
que, seu perfume exalou quando ela se tornou mais e mais excitada. Sua pulsação martelou em
sua cabeça.
Uma mão deixou os seios e voltou para sua boceta. Sua boca molhada quando ela separou
seus lábios e mergulhou os dedos dentro daquele espaço reluzente. O som que ela fez empurrou
sua atenção agudamente até que estreitou seu foco mais e mais. Seu corpo, suas mãos, a maneira
como ele lutava para respirar era tudo o que sabia.
Finalmente ela suspirou e se virou para ele. — Nada que eu faço é melhor do que o que
você faz para mim.
Mas ele estava em cima antes dela terminar a frase, necessidade crua em seu rosto, e ela
ficou ali, olhando para cima quando ele tirou as armas e as movia para uma esmerada pilha
próxima da cama. Totalmente nu e ereto, ele virou-se rapidamente para ter certeza de que seus
alarmes estavam em posição e então se moveu para ela com um propósito.
— Tortura. Bela tortura observar você tocá-los, — disse ele em torno de um mamilo.
Ha! Tortura? Ele era tão lindo e imponente, e o sexo meio que escorria dele e ele era
torturado?
— Estou contente por eu não estar só então. Você me tortura apenas por existir. Você é
tanta coisa, é difícil de tomar às vezes.
Ele começou a descer, beijando a sua barriga, mas ela puxou o cabelo quando ele não
parava em seu pedido. — Eh, não. Eu quero você em mim. Agora.
— Eu quero que você esteja pronta.
— Pronta? Você está fazendo uma piada? Eu estou tão molhada que posso sentir em
minhas coxas. Eu estou pronta para você agora, então o coloque em mim!
— Eu claramente criei um monstro. — Ele sorriu para ela quando provocou o pênis em
torno de sua entrada.
— Eu vou ter que te matar e esconder seu corpo se você não se apressar. — Ela tentou se
contorcer para levá-lo mais profundamente.
—Eu não vou ser capaz de satisfazer seu pedido se você me matar. Eu vou começar a rir.
— Você precisa rir mais. Depois de me foder.
Ele sorriu então, e a respiração soprava forte e rápido fora dela quando empurrou nela em
um movimento. Seu riso morreu enquanto seus olhos deslizavam meio fechados e ele parou.
— Você é mandona, — ele resmungou.
— Você é controlador.
Ele conseguiu bem um encolher de ombros. —Sou.
109

Ela caiu na gargalhada. —Você me faz feliz. Apesar de toda essa insanidade, você me faz
feliz.
— Eu quero tudo, doce. Dê-me isto. — Ele olhou fixamente em seus olhos e começou a se
mover. Ele tinha-a tomado de modo selvagem e docemente, que foi intenso em níveis diferentes.
Ele exigiu tudo dela, durante os minutos que passaram na cama.
O olhar em seu rosto não admitia suspiros sufocados: ele queria ouvir tudo, ele queria
arquear e gemer, ele queria a experiência de cada último suspiro do prazer que ele lhe deu. E ele
queria vê-lo.
Então, ela deu isto para ele, saltou fora do limite do seu autocontrole e soltou. Deixou o
turbilhão deste desejo entre eles sugar seu abrigo, confiando nele para impedi-la de perder-se
inteiramente.
Suas unhas cravaram nos quadris dele quando ela o puxou mais próximo. Ajeitou-lhe as
coxas e panturrilhas, abrindo-a. Ela girou os quadris, exigindo mais. Seus músculos flexionados e
relaxados, a brilho do esforço aparente para fazê-lo brilhar. O cheiro dele masculino sexualmente
excitado em trabalho, a deixou vertiginosa, embriagada com a sua masculinidade.
Quando ele se inclinou para beijá-la, o cabelo grosso do seu tórax abrasou seus mamilos,
trazendo um suspiro, que ele engoliu avidamente. Pele a pele, esfregando um contra o outro,
pernas e braços entrelaçados, ela sentiu tudo isso, devolvendo tudo para ele quando ele nunca
arrancou seu olhar do rosto dela.
E então ele puxou para fora, trazendo-a direito para cima contra ele enquanto ela tentava
segurá-lo no lugar. —O quê?
Ele a empurrou de volta e desceu em sua boceta com sua boca, trazendo-lhe um prazer tão
intenso que ela gritou, pressionando-se a ele sem vergonha conforme ele comeu, lambeu, chupou,
se esfregou contra cada pedacinho dela até que ela quase soluçou ao gozar.
Foi quando ele chupou seu clitóris, dentro e fora, dentro e fora, e ela tropeçou em um
orgasmo tão duro e profundo que tinha certeza que nunca tinha sentido nada tão
insuportavelmente agradável. Ela quase não registrou quando ele a revirou de costas e colocou
um travesseiro sob seus quadris. E em seguida o pênis estava de volta, pressionando profundo,
disparando outra onda de prazer, prolongando seu clímax.
— Deuses, tão fodidamente apertada e molhada. Você é a coisa mais perfeita da criação,
— disse ele em seu pescoço, quando começou a empurrar mais duro e mais rápido. O calor dele
cobriu suas costas.
Ela teve seu traseiro mais elevado, até os joelhos, unhas cavaram os cobertores até que
com um gemido gutural do nome dela, ele gozou.
Quando se puxou para fora, beijou seu quadril e, em seguida, abaixo de suas costas.
— Eu gosto desse jeito, — disse ela, querendo dizer, por trás. — Agora posso dormir. —
Sorriu e virou para olhá-lo melhor.
Ele balançou a cabeça enquanto saía da cama para se limpar. — Me disseram que sou
melhor do que leite morno.
110

— Estou completamente certa de que não quero saber quem disse isso. Em todo caso, eu
certamente tenho mais diversão com você do que já tive com uma caneca de leite quente, — ela
disse quando ele chegou de volta na cama.
Aconchegou-se contra ele antes de se levantar para limpar e vestir-se. Estar nua com
Daniel era uma de suas coisas favoritas, mas estava frio demais para que simplesmente ficasse
assim.
— O que sua mãe faz?
— Ela tem uma padaria. É uma mulher bonita, uma boa mulher que ama seus filhos e tem
um péssimo gosto para homens.
Ela voltou para ele, puxando os cobertores para cima e colando-se ao seu corpo. — Quatro
crianças, é um grande grupo.
— Estamos todos muito bem. Eu sabia... Bem, nós estávamos todos juntos e tentei manter
as coisas calmas.
Ela apertou a cabeça nele até que ele finalmente virou para que ela pudesse ver seu rosto
quando ele falou. — Eu tive um cachorro, uma vez que fez isso. Intrometeu-se comigo com a sua
cabeça enorme, até que eu prestasse atenção a ele. — Ele levantou uma sobrancelha para ela.
— Você está dizendo que eu tenho uma cabeça enorme?
Ele deu um suspiro, e ela não conseguiu segurar o riso. — Eu sinto muito, você é assim de
modo muito divertido de se ajustar. Agora, voltando ao nosso tema. Você começou a dizer outra
coisa. Você sabia. Sabia o quê?
Ele arrastou um fôlego em seus pulmões. — Minha mãe foi frágil por uma parte importante
da minha infância. Muito doente. Ela tem um distúrbio imunológico que pode tratar, mas o calor e
a secura do sertão minaram quase tudo dela. Ficou simplesmente desgastada.
Sua voz estava tranqüila, cheia de emoção, e ela o abraçou mais apertado.
— Eu sabia que ela tinha o suficiente por lidar com o meu pai, que era, é um gigante,
egoísta e enganador. Eu nunca quis ser o motivo por ela parecer triste, eu acho. Então eu e Abbie,
que é uma das minhas irmãs, nós meio que mantivemos tudo funcionando. Não tivemos,
realmente, muita chance de entrar em apuros.
Que homem ele era.
— Ela ainda está mal? Você disse que ela é proprietária de uma padaria.
— Ela ficou muito ruim, tão ruim que eu pensei que ela fosse morrer. Meu pai, ele não se
importa. Havia parado de voltar para casa, e quando o fazia, muitas vezes trazia suas pequenas
protegidas com ele. Ela chorava e chorava. Quando eu era pequeno, eles estavam tão perto,
sempre rindo juntos, se beijando e se tocando. Ele mal olhava para ela, não se importava que ela
estivesse desvanecendo. Então, confrontei-o e exigi que fossemos embora. Eu teria ido de
qualquer maneira, ela precisava ser afastada. Ele cedeu, e nós nos mudamos para a capital. O
bairro não era um sonho. Estávamos congelando uma metade do ano, escaldantes na outra
metade. Mas ela ficou melhor. Começou a melhorar e organizou sua vida.
— Fico contente por ouvir isso. Soa muito como a situação da minha mãe. Exceto o meu
pai possuir uma segunda esposa. Minha mãe provavelmente não iria deixá-lo, mesmo sabendo o
que ele é. Meus deuses, meu irmãozinho. Eu tinha esquecido até agora.
111

Não que ele tivesse morrido, ela nunca se esquecera disso. Mas, de como. Seu pai era um
monstro. Um canalha assassino que seria o fim de tudo se não fosse controlado. Simplesmente
porque ele podia.
— Ele tem que ser parado, — ela murmurou contra o tórax dele.
— Eu sei. — Ele não se desculpou, não disse mais, e era disso que ela precisava.
— Conte-me sobre suas irmãs.
— Você deveria ir dormir.
—Eu irei.
—Eu sou o mais velho dos quatro, como eu disse. Uma das minhas irmãs gerencia um café,
está no negócio com minha mãe. A outra é uma dor no traseiro. — Ele sorriu, e ela riu.
— Não diga. —
— Ela é advogada e diplomata16. Tem que saber de tudo. Meus deuses, as perguntas que
ela faz. Ela também é forte, inteligente e engraçada. — Ele angulou a cabeça para olhar para ela.
— Um pouco parecida com você dessa maneira. —
Ela suspirou feliz. — Ela é casada? Tem filhos? Vocês moram próximos uns dos outros? Sua
família quero dizer.
— Falando de perguntas intermináveis. Ela é casada, sim, e está grávida do primeiro filho.
Ela mora na cidade, todos nós. Vejo-os todos, incluindo meu irmão caçula, que também é um
canalha diplomata profissional, regularmente quando estou em casa. Você gostará do meu irmão.
À primeira vista ele parece superficial e bonito, mas depois de conhecê-lo, você percebe que ele
tem um imenso talento com as pessoas, porque é perspicaz e brilhante. Foi chamado de estúpido
por tanto tempo por nosso pai que só muito recentemente está aceitando o quão incrível é.
Isto a aqueceu por ouvir tanto amor na sua voz. — Estou muito animada em conhecê-los.
Não o seu pai, mas o resto. — Fez uma pausa. — Eu vou, não vou?
— O que você está perguntando, exatamente?
Ela se inclinou mais próxima, pressionando os lábios no ouvido dele. —Quando chegarmos,
você vai ficar comigo? Quer dizer, não apenas fisicamente, mas romanticamente, em termos de
relacionamento?
— Eu sou tão errado para você, — ele sussurrou. Eles estavam mantendo suas vozes
baixas, mesmo com o inibidor, ela sabia que ele não queria arriscar nada.
— Eu serei a juíza disto, — disse ela veementemente. Os homens eram tão idiotas às vezes.
Ele bufou. — Na verdade você irá. Eu não tenho nenhuma dúvida de que você vai fazer o
que quiser. É parte de seu charme.
— Não pense que eu não entendo sarcasmo, Neil.
— Boa noite, doce.

16
original: “rabble rouser”: Uma pessoa que fala em nome do povo, faz mediações nas negociações.
Traduzi como diplomata.
112

Ela inclinou-se e beijou-o, ou seja, querendo ser rápida, mas ele a pegou, segurando-a no
lugar quando a beijou, assumindo o controle, devorando e devastando. Ela se rendeu àquilo,
dando-se até que ele estava satisfeito, puxando-se para trás com um som selvagem, segurando-a
junto. Agora, aquilo sim poderia colocar uma garota em sonhos felizes por um longo tempo.
Daniel estava ali na escuridão quando a tela do espaço-tempo abraçou o transporte,
rangendo e cantarolando, criando uma espécie de canção de ninar que ouvira mais de uma vez em
sua vida. Esses transportes particulares não eram tão luxuosos e silenciosos como os que
transportavam passageiros de ‘Verse para ‘Verse através dos portais oficiais, mas ele sempre
sentiu que as pessoas se alienaram em saber como os portais funcionavam.
Ele não conseguia acreditar que dissera a ela tudo sobre a sua família. Mas ela perguntou,
e ele gostava de partilhar com ela. Talvez fosse o fato de viver num estado de anonimato, como
membro do Phantom Corps, mas, ser conhecido por alguém que não era da família ou colegas de
trabalho significava algo para ele. Significava algo para ele, que ela o importunasse por querer
mais do que apenas um homem para mantê-la segura e ensinar-lhe algumas coisas sobre sexo. Ela
compreendia-o de uma maneira que a maioria das pessoas nunca o tinha feito.
Fora aquilo, o pensou que o tocara mais. Ela estava interessada em todas as partes dele.
Não havia nenhum subterfúgio com ela, que era engraçado, dado o estado da sua situação, mas,
ela queria o Daniel verdadeiro. Ele não era apenas o —sexy — soldado de operações especiais,
embora ela parecesse gostar disto, também. Ela olhou para ele e viu mais. Muito poucas pessoas o
tinham feito, o que ele realmente não tinha conhecido o incomodava, até que ele a conheceu.
O resto, o que faria quando voltassem e a realidade dos seus estatutos sociais diferentes se
fizesse clara, ele não sabia, nem tinha plano de perder tempo se preocupando com aquilo. Seria o
que quer que fosse, e não seria útil se perturbar com aquilo. Até então, ela era dele, e ele tinha
que mantê-la segura, ensiná-la sexo e desfrutar da mulher maravilhosa que ela era. Se fosse um
homem melhor, teria ficado longe dela, teria criado um abismo de ódio entre eles de modo que
ela iria manter as suaves coxas macias fechadas. Mas ele não era um bom homem, era um homem
que fazia aquilo que o levasse a terminar o trabalho. Chega disso. Ele precisava manter o foco na
missão. Não gostara da aparência de alguns dos rostos daqueles mercenários de volta à clareira.
Não gostou de, algumas vezes, ter visto a especulação nos olhos das pessoas que tinha visto no
transporte também.
Ele conhecia os covardes muito bem. Qualquer um que entregasse outro por créditos era
um covarde. Mas os covardes faziam coisas desesperadas, o que os tornavam perigosos. Ninguém
poderia fazer um movimento, enquanto eles estavam viajando, era demasiado perigoso para o
transporte e para os outros a bordo. Ele e Andrei precisavam ter certeza de sua partida fora feita
corretamente.
Era em ocasiões como esta que ele desejava que tivesse optado pelos implantes que alguns
dos outros operacionais das Forças Especiais tinham. Comunicação mental entre os membros da
equipe seria realmente útil naquele momento, mas, seu pessoal já tinha bastante desconfiança do
sistema, e tantos deles se recusaram ou expressaram medo, que ele teve que abandonar a idéia.
Agora, quando voltasse, ele teria Ash Walker ou Sera Pela vindo falar com eles sobre isto.
Eles usaram implantes em sua equipe de três pessoas com muito sucesso. Ele imaginou o seu
113

pessoal compreendendo melhor o que aquilo fazia e não fazia para pessoas como eles, pessoas
que se sentiam mais próximas do que os cientistas que tinham criado o implante.
— Você está pensando no trabalho, — ela murmurou contra suas costas. O sono pesava
em sua voz, e ele sorriu na escuridão.
— Como você sabe disto?
— Você estava relaxado, e então começou a ficar cada vez mais tenso. Notei que você tem
que percorrer uma lista mental das coisas que tem que fazer, à noite. É parte da sua rotina.
Ela o conhecia melhor do que podia compreender. — Isso me ajuda a começar cada dia,
quando estou preparado. Penso nas coisas que preciso fazer.
Os braços dela se envolveram em torno dele e o trouxeram de volta para ela, de volta a seu
corpo contra o dele na calada da noite, o cheiro de sexo no ar. Em um curto espaço de tempo, ele
tinha conseguido muito usando o seu corpo contra o dele a cada noite. Parecia bem estar com ela.
Isto o acalmava.
— Tudo bem. — Ela beijou-o entre as omoplatas. — Eu confio que você vai compartilhar se
precisar de ajuda.

Capítulo 13

Carina despertou em uma cama vazia, mas não num quarto vazio. Daniel já estava de pé e
se vestindo. Ela observou o conjunto para simplesmente absorver o quão bonito ele era, mesmo
quando ela se perguntava sobre cada cicatriz que ele carregava.
— Qual é a sua recordação favorita? — Ele perguntou, virando-se.
Ela sorriu ao ver seu rosto. — Você é bom. Como você soube que eu estava acordada?
— Sua respiração mudou. Você faz um encantador — muito feminino natural — fungar
quando está dormindo.
— Você está dizendo que eu ronco?
— Claro que não. — Ele sorriu e caminhou até ela, dando um beijo em sua boca. — Eu
disse que você funga.—
Hmpf. Ela sentou-se, puxando os cobertores sobre si mesmo quando ele voltou à limpeza
de sua barba. Aquela que ela lhe pediu para deixar crescer.
— Minha recordação favorita é a primeira vez que você, nós, você sabe bem.
Ele riu. — Essa é uma das minhas preferidas, também. E uma que não me envolva?
Ele não tinha idéia de quão profundamente ela se sentia por ele, homem tolo. Todas as
suas recordações favoritas eram dele.
— Vamos ver. Minha avó costumava esgueirar-me para a cozinha e me deixava abrir a
massa de pãozinho com ela. Era muito mais sobre ela me deixar entrar em seu mundo do que a
parte dos doces, embora, naturalmente, quem não gosta de guloseimas? Ela era uma boa pessoa,
muito divertida. Ela e meu irmão, meu irmão mais velho, eram muito próximos. Eu não acho que
114

ela confiava em meu pai, mas, nos adorava e sempre ficou do nosso lado, mesmo quando não
podia vencer.
Mesmo quando aquilo a fez desaparecer.
— Em outra ocasião, numa de estação quente, nós saímos de casa e fomos para Duim.
Existe um mar incrível lá, você já visitou?
Ele balançou a cabeça. — Não. Mas ouvi dizer que é bonito.
— É. Overfished17, infelizmente, agora existem proibições contra qualquer pesca à rede
para todos. A economia foi destruída por si só. Eles esperam recuperação. Enfim, as praias são
lindas. Nós brincamos e jogamos, nadamos, havia piqueniques todo dia. Foi a última vez que
estivemos todos juntos como uma família antes do meu irmão mais velho... falecer. Eu ainda
posso sentir o cheiro do ar, de modo nítido e limpo.
—Parece uma boa lembrança. Estou feliz por isso. E você não sabe se ele está morto, ele
simplesmente desapareceu. Ele pode ter sobrevivido se as pessoas o ajudaram. Não perca a
esperança.
Ela sentou-se, bem ciente das restrições do quanto ela poderia dizer. —Suponho você
esteja certo. Eu sempre me senti como se ele não estivesse realmente morto, eu sei. Mas então
disse a mim mesma que era bobagem.
— Às vezes, você precisa escutar aquela voz interior.
Ele simplesmente tinha dito que seu Vincenz estava vivo, não tinha? O excitamento
cresceu. Ela realmente não tinha aceitado que ele tinha morrido, mas acreditar que ele estava vivo
era uma coisa, acreditar verdadeiramente nisto, trazer uma esperança tola que ela abrigara bem
no fundo, era algo totalmente diferente.
Aquilo significava que ela tinha família do outro lado, que pertencia a algo maior do que
ela, e isso fez diferença.
Secou o rosto e virou para ela. — Você está com fome? Gostaria de se vestir e comer
alguma coisa? Tenho planos para você mais tarde hoje. — Ela sorriu, ficando de joelhos, e ele riu.
— Não esse tipo de planos, embora eu certamente esteja sempre aberto a todos os tipos de
atividades com você.
— Oh. Bem, tudo bem então. — Ela saiu da cama e limpou-se rapidamente com água
quase morna.
— Despertou você, não foi? — Ele piscou, e ela bufou. Ele estava muito alegre naquele
momento, e ela não tinha certeza do por quê.
Andrei bateu na porta, apenas instantes depois, e eles caminharam para conseguir uma
refeição. A cantina estava lotada, então conseguiram encontrar um lugar para sentar e comer nos
arredores, onde uma pequena área comum existia.
A atenção dela imediatamente presa a um grupo de crianças. Crianças que deveriam estar
na escola ou, pelo menos, supervisionadas por um adulto ou dois.

17
Overfished: quando a pesca predatória acaba ou reduz drasticamente o estoque de peixes num lago, rio ou região
marítima. Não achei sinônimo em português definido em uma única palavra.
115

Carina estendeu um pedaço de fruta para uma menina próxima. — Está com fome? Eu
tenho uma Fruta Purri extra, e eu estou cheia.
Seus olhos se arregalaram e ela agarrou-a. — Obrigada, senhorita.
— Não por isso. Obrigada por me ajudar a não desperdiçar comida. Eu sou Carrie. — Ela
assentiu com a cabeça para a menina, que perfeitamente partiu metade da fruta com uma faca
dobrável e deu a outra parte a uma criança próxima.
— Eu sou Kell. Esta é a minha irmã Darla.
Daniel mudou de posição, mas não disse nada para interromper a cena. Ela sabia que ele
mantinha um olhar em sua segurança e confiava que ele não fosse interferir com ela a menos que
fosse necessário. Porém, já que ele era maníaco por controle e mandão, não estava inteiramente
certa do que ele classificaria como necessário.
Ela se sentou no chão, onde as meninas tinham um jogo de levantar obstáculos com
espirais de metal e uma bola de borracha. — Oh! Eu acho que conheço este jogo!
Kell sorriu para ela e as outras duas crianças que estava há poucos metros de distância, se
aproximaram para ver. Na suas costas, Daniel apertou um pequeno pão doce e outro pedaço de
fruta na mão dela.
Ela distribuiu-os cuidadosamente e casualmente conforme seu interior se derretia pela
doçura dele.
— É chamado de molas, e funciona assim. — Kell bateu a bola e agarrou as pequenas molas
metálicas. — Primeiro uma, depois duas, e assim por diante. Você tem que agarrar as molas
quando a bola está no ar ou você perde.
— Eu vou assistir você jogar até eu entender isto melhor, — disse ela, olhando e sorrindo.
Havia poucas pessoas que ele conhecia que pareciam ser tão doces e caridosas como ela.
Provavelmente ninguém mais do que ela.
Agora que eles tinham feito isso por meio dessa viagem e estavam esperando para a
próxima, ele viu quando ela se sentou em um banco no sol. No último transporte, e fez uma
anotação mental para ver se Abbie podia ajudar Carina a encontrar uma maneira de trabalhar com
as crianças quando eles a chegassem e se estabelecessem em Ravena. Ela tinha um jeito, um dom,
e ele queria que ela fosse capaz de usá-lo. Deuses sabiam que ela poderia fazer diferença nas vidas
de muitas crianças, se tivesse a chance. E ele lhe daria um propósito, raízes em sua nova vida.
Eles estavam a um passo de conseguir fugir do fodido Império, e ele não podia esperar.
Ainda não estava totalmente seguro, teria que assistir de perto até chegar pelo menos a Nondal,
mas não seria tão ruim como era naquele momento. Ele empurrou o resto do sanduíche que tinha
estado comendo dentro da boca e amassou inteiramente o embrulho.
— Nós temos amigos, — Andrei murmurou.
— Eu percebi. — Dois homens tinham seguido eles do transporte até o portal principal.
Eles estavam observando Daniel, Andrei e Carina por algum tempo, e ele não gostou. Ao mesmo
tempo, eles já eram pessoas desonestas, assim era possível que estivessem apenas observando
para roubá-los, em vez do que os Skorpios fariam. Assalto receberia um tipo de resposta, traição e
tentativa de homicídio seria uma reação totalmente diferente.
116

— Ainda com fome? — ela perguntou, olhando para ele com um sorriso. Ela estendeu
outro sanduíche.
— Você tem um extra? — Ele entusiasmou-se quando o pegou e fez um rápido trabalho de
desembrulhar e comer.
— Eu tenho dois extras. Dei-lhe três para começar. — Seu sorriso era travesso. —
Conhecendo o seu apetite gigantesco, uma menina tem de se manter na ponta dos pés.
Andrei bufou, mas não disse nada. Daniel cutucou suas costelas com o seu cotovelo.
— Eu gostaria de fazer estoque quando pudesse. Desde que minhas calças continuem
fechando, eu não posso ver por que alguém deveria estar tão fascinado com os meus hábitos
alimentares.
Ela colocou a cabeça em seu ombro. — Não faça beicinho. Estou fascinada com a maioria
das coisas que você faz.
Sem pensar, ele colocou os dedos dela nos lábios e percebeu que era certo. Ela derrubou
suas defesas em um tempo tão curto, mas ele gostava que o provocasse a maneira com que ela
fez aquilo. Isto significava que ela não tinha medo. Ele não tinha certeza do que faria se algum dia
visse medo dele nos olhos dela.
— Nós precisaremos embarcar logo, — ele murmurou depois de terminar o seu alimento.
— Por que você não vai em frente e leva as mochilas? Estaremos aqui quando você voltar.
— Andrei sabia que Daniel iria querer lidar com o reconhecimento ele mesmo, sabia que ele
queria alguém com Carina em todos os momentos.
Daniel levantou-se, agarrando as mochilas de todo mundo, sabendo, é claro, que Andrei
tinha tudo o que fosse importante consigo. Eles poderiam ir embora e ficar bem, se necessário.
Os olhos de Carina se arregalaram por um breve momento, mas ela não discutiu. Se eles
iam fazer ‘grande-caso’ de qualquer coisa que pudessem, ela teria de aceitar os riscos inerentes de
seu trabalho, mesmo quando ela estava descontente com isto.
— Estarei de volta em breve, doce. — Ele não se incomodou em resistir a curvar-se para
beijá-la. A felicidade dela percorreu-lhe quando ela jogou os braços ao redor de seu pescoço. —
Fique com ele, tudo bem? — Ele indicou Andrei, e ela balançou a cabeça solenemente.
Ele deliberadamente tomou seu tempo, andando relaxadamente para frente em direção à
linha de transporte no cais de carga, preparando-se para sair. A presença de segurança era
elevada, fora o anel interno das plataformas de embarque. Bloqueios móveis foram instalados em
cada cidade do portal em todo o Império, as suas fontes disseram.
Seus documentos haviam se mantido a cada parada, até agora, e Daniel agradeceu aos
deuses por essas boas conexões. Mas a sorte não poderia manter-se por muito mais tempo, ele
sabia disto. Já tivera que matar várias pessoas, tinha quase sido preso duas vezes e Carina tinha
sido esfaqueada. Só porque eles estavam quase fora do Império não queria dizer que era hora de
afrouxar a vigilância.
A população estava mais ressentida do que ele conseguia se lembrar das outras vezes que
esteve lá. Submissa, também. Polis e de segurança particular contratada haviam sido presos
depois de eles próprios aterrorizarem os habitantes locais, em algumas ‘Verses’. Havia um
sentimento de injustiça no ar, assim como as ruas estavam cheias de soldados.
117

A instabilidade estava desgastando lentamente o Império, e ele queria sair antes de tudo
desabar em torno deles.
Havia pagado subornos, e eles foram capazes de atravessar o posto de fiscalização sem
impedimento, mas simplesmente após aqueles muros altos, Daniel podia ouvir os alto-falantes e
os gritos dos soldados. Houve rumores de mais explosões e dezenas de histórias sobre os parentes
que tinham sido transportados fora, pelas autoridades, para nunca mais se ouvir falar deles.
Foco. Isso é o que ele precisava naquele momento. Então ele empurrou para fora todas as
outras coisas de sua cabeça enquanto se aproximava das plataformas para o transporte. O deles
era um cruzador de tamanho razoável. Não um caixote com oito pessoas para cada cabine, ou
pior, armazenadas em quartos com beliches gigantes até o teto. Nem tanto luxuosos. Qualquer
extremo estaria fora do caráter para o disfarce deles. Mas eles se encaixam bem no meio.
Ele mostrou seu bilhete para a mulher nas cordas, e ela passou através dele, dando a ele a
chave de sua cabine e enviando-lhe um sorriso que dizia que ela ficaria feliz em mostrar a ele
outras coisas, também.
Em vez disso, ele sorriu de volta, mas continuou, fez um reconhecimento da área, onde as
coisas estavam quem era para estar onde estava e qual, eventualmente, armamento a tripulação
da nave tinha. Sua cabine e de Carina era pequena, mas não tão ruim como tinha sido no
transporte particular. Uma cama, um cadeira, um mesa presa à parede.
Ele executou uma varredura por dispositivos de escuta. Encontrou dois e deixou-os no
lugar por enquanto. Ele iria esperar até que começassem a entrar no portal, e ele bloquearia o
sinal para torná-lo parecido com uma falha do sistema.
Ele sabia que este tipo de transporte particular era de propriedade de uma empresa
amigável aos interesses da Federação. Sabia que eles tinham influência de contrabandistas,
também. Ainda melhor, ele sabia a localização de vários, incluindo aquele bem acima de sua
cabeça para a direita naquele momento.
Esta serviria perfeitamente. Ele trancou a porta da cabine atrás de si e voltou para fora, ao
avistar um dos homens que tinha visto anteriormente. Parecia que eles usavam rabo-de-cavalo, o
que não lhe agradava, embora não o surpreendesse.
Quando ele dobrou um canto, descendo a rampa até onde Carina e Andrei esperava, ele
parou, atacou e lançou o homem que tinha estado a segui-los contra a parede, o antebraço de
Daniel pressionando a garganta do outro homem.
— Apenas o que você acha que eu sou? — Daniel começou a rosnar para a ele.
— Largue-me! O que você está fazendo? — o homem chiou enquanto lutava inutilmente.
— Se você continuar vai morrer. Agora, a minha pergunta. — O foco de Daniel estava sobre
o homem, em sua pulsação, no suor em sua testa e em sua dança, lançando os olhos. O rugido de
calma deslizou sobre a ele, e pressionado com mais força, cortando o ar do homem para sublinhar
sua primeira ameaça.
Ele permaneceu enquanto pessoas passavam sem sequer olhar um segundo. Daniel
pressionou, levando-o perto o suficiente de desmaiar, antes de finalmente soltá-lo quando os
primeiros tentáculos da morte ondulavam. — Vamos fazer isso de novo? — Daniel manteve o seu
olhar ardente no cabelo dele.
118

— Assim, você parece suave. — O pânico do homem fedia.


— Você pretendia roubar a mim e à minha família?
— Só olhando. Você não pode culpar uma cara por olhar. Agora eu sei certo? Agora eu me
afasto e procuro outro lugar.
Não havia nada, além deste percurso, Daniel pensou quando continuou a segurar o homem
no lugar. Ele tinha que mostrar ao homem que não iria tolerar ser alvo de nada e tinha dirigido o
ponto na única voz que um homem como aquele ouviria.
— Você olha na minha direção, e vou estar muito aborrecido com você. Se sequer pensar
na minha mulher, vou arrancar seu intestino enquanto você observa. — Ele se forçou para trás,
pressionando o tempo todo, a garganta do homem uma ultima vez antes de virar e se afastar.
Carina o viu chegando, sentiu sua onda de fúria, viu aquilo em seu rosto. Andrei apertou a
mão dela uma vez e parou, levando-a a ele.
— Está tudo bem? — ela perguntou, sentindo-se um pouco sem fôlego diante de qualquer
demonstração de força masculina dele. Ele era tão grande e ameaçador e, ela encontrou os
joelhos um pouco vacilantes. Ela gostou.
— Tudo bem. — Ele colocou um braço ao redor dela e ela apertou o rosto em seu peito. Sentia-se
estranha em sua própria pele logo em seguida, nunca havia estado totalmente perdida
em outra pessoa como estava naquele momento.
Tinha certeza de que ele e Andrei compartilharam alguns penetrantes olhares e
comunicação sorrateira sobre o que tinha trazido todo esse instinto de proteção à superfície, mas
ela não se importou. Ele a protegia, e isso era tudo o que importava. Ela confiava nele para levá-la
para Ravena viva.
Ele começou a caminhar em direção ao transporte, parando aqui e ali nas barracas,
pegando alimentos, é claro, e — ela se acalmou —um cachecol para ela.
— Eu sei que você tem estado com frio. — Ele entregou-o para ela em seu esplendor de
azul vibrante. —Está bom este? Posso pegar outro, se você não gostar.
Ela enviou-lhe um sorriso lacrimejante quando o envolveu pelo pescoço. Ninguém jamais
fora tão bom para ela. Este homem não estava relacionado a ela, não estava tentando conseguir
algo de seu pai. Era um homem com um trabalho a fazer, mas do jeito que a tratava estava acima
e além desse trabalho. Ele comprou-lhe um cachecol. Porque notou que ela tinha frio.
— É perfeito. Obrigada.
Ele sorriu. — Agrada-me ver você feliz, — disse ele contra seus lábios quando a beijou.
— Vocês dois vão fazer meus dentes doerem, — disse Andrei resmungando, mas Carina
capturou a extremidade do seu sorriso. Ele não era tão duro quanto queria que as pessoas
acreditassem. Por baixo daquela fachada harmoniosa, uma espécie de treva vivia. Vivia em Daniel,
também, que ela sabia. Mas ambos os homens eram muito melhores do que acreditavam ser.
— Você poderia ter tido Nyna, sabe. Mas esperou muito tempo. — Daniel beijou o topo da
cabeça dela quando provocou Andrei.
— Aquele rato do Marcus roubou-a debaixo do meu nariz. — Não houve calor nas palavras,
somente um pouco de arrependimento.
119

— Nyna é uma das minhas irmãs. — Ele simplesmente começou a responder as perguntas
dela antes dela perguntar, conhecendo-a tão bem. Isso a fez chorosa, também.
— Eu acredito que Marcus é o namorado dela — Ela olhou Andrei de cima abaixo e
perguntou que homem poderia ofuscar aquilo.
— Marido. Eles realmente são bons juntos.— Andrei encolheu os ombros. — Ela é muito
boa para mim.
— Eu duvido disso. Não que eu não tenha certeza que Nyna é encantadora, mas você é um
homem bom, então eu duvido que alguém seja bom demais para você.
Ele abaixou a cabeça, deixando o cabelo que ele tinha deixado solto, cair para frente para
cobrir o rosto. À medida que subia a rampa para entrar no transporte, ela observou que a postura
de Daniel tinha mudado. Ele ficou mais alto, coluna vertebral rígida, e seu olhar moveu-se em
torno da área, observando tudo e todos. Ele era seu protetor agora em um nível completamente
diferente.
Um homem foi apanhado observando-os, o mesmo homem que tinha estado no transporte
de mercenários, e empalideceu. Daniel enviou-lhe uma sobrancelha levantada, e o homem correu
para longe apressado. Ela tinha a sensação que esta era a causa da raiva anterior de Daniel.
— Se você o vir novamente em qualquer lugar próximo de você, me diga. Entendeu? —
Daniel exigiu depois que embarcaram e se dirigiram ao quarto. Andrei estava bem atrás deles. Ela
estava cercada por um muro de virilidade disposto a protegê-la e respirava com mais facilidade
por aquilo. Andrei disse que queria tirar um cochilo, e Daniel queria entrar em sua cabine para se
recolher, então ela o seguiu obedientemente, não se importando com o fato de que eles ficariam
sozinhos afinal.
Ele fez uma pausa e virou em torno, de volta à sua frente. Abaixando-se, ele falou em seu
ouvido. — Olha lá, do outro lado da baía. Você vê aquele casal perto dos tanques de água?
Ela obedeceu e os viu. Um arrepio floresceu, ficando quente e solto. Abraçaram-se, o
homem pressionando a mulher contra a parede no canto. Eles não teriam sido visíveis para a
maioria das pessoas, mas onde ela e Daniel estavam fornecia um ângulo perfeito.
Uma das mãos do homem deslizou por dentro da camisa de uniforme da mulher, e ela se
arqueou contra ele. Carina podia ver a boca da mulher aberta, em um suspiro quando ela levantou
a perna, sua coxa no quadril do homem.
O homem pressionou em frente; Carina imaginou que ele estava esfregando-se contra ela,
pênis na boceta. Sabia que ela tinha razão quando os dedos da mulher cavaram em seus ombros
enquanto ele continuava a esfregar.
Sua respiração engoliu, à medida que ela os observava, seus mamilos duros, o clitóris
sensibilizado. Daniel falou com os lábios em seu ouvido. —Isso te deixa quente? Deixa sua boceta
molhada? Ele vai terminar em dor dessa maneira, um homem não pode gozar assim. Bem, a
maioria de nós não pode. Ela pode, no entanto. Olhe para ela. A mão dele na sua camisa, os dedos
no seu mamilo, puxando e beliscando. Movendo mais intimo, até que ela goze. Mas ela não pode
fazer qualquer ruído, ou eles poderão ser ouvidos —.
Do outro lado de onde eles estavam, contra a sua própria porta, a mulher arqueou mais
completamente, os seus movimentos frenéticos, e então sua cabeça caiu sobre o ombro dele. Ele
120

a beijou apaixonadamente, e eles se separaram, deram as mãos, até que tiveram que ir por
caminhos separados.
— A boceta dela está úmida agora. Tudo por ele. O tempo todo enquanto ela trabalhar, vai
se lembrar desses momentos roubados, e quando eles estiverem juntos novamente, ela estará
pronta, aberta, molhada.
Suas mãos e punhos relaxaram enquanto ela tentava controlar a respiração. Observar
sempre tinha sido o seu prazer secreto. Não tinha sido sempre o sexo, ela adorava observar as
pessoas, sem que eles soubessem disso. Mas isto, isto com ele falando em seu ouvido, dizendo
todas aquelas coisas deliciosamente sujas quando o pênis rígido pressionava o seu traseiro? Isso
foi incrivelmente sexual.
Ele se afastou e chaveou a porta aberta. — Vamos para dentro. As luzes de partida
acabaram de ficar amarelas.
Com as pernas trêmulas, ela precedeu-o no quarto, felizmente se movendo nos seus
braços.
— Mais um salto e estaremos em Silésia, — ele murmurou no ouvido dela. Ela segurou com
força, querendo o desengate inteiro terminado, mas também tinha medo do que aconteceria
quando eles não estivem forçados a ficar juntos desta forma. Sua pele arrepiou com um novo tipo
de consciência.
— Eu quero que isso termine, mas não quero ficar longe de você. Gosto de ter você para
mim, mesmo que estejamos sendo perseguidos por bandidos e soldados.
Ele riu baixinho, beijando-a na testa.
— Toma-me. — Ela puxou as roupas, ficando totalmente nua e incrivelmente bela.
Ele reverificou a tranca da porta e apontou para a cama com a ponta do queixo. Tal como
ela se moveu para obedecer, ele fez todas as suas coisas habituais, configurando alarmes pessoais
e expondo o inibidor que ele usaria quando começassem o deslizamento ainda no portal.
Algo sobre a forma como ele olhava, como ele havia estado o dia inteiro aumentou sua
necessidade. Depois daquela cena que eles haviam assistido, ela queria se esfregar em cima dele,
queria lamber-lhe, beijar cada parte de sua pele.
Ela pulou fora da cama. — Eu mudei de idéia. Quero ter você em vez disso.
— Eu sou todo seu. Faça comigo o que quiser. — Ele segurou os próprios braços e sorriu
para ela.
Suas mãos tremiam um pouco, mas conseguiu o trabalho feito quando ele se inclinou para
deixá-la tirar seu suéter. Ela fez uma pausa para respirar o cheiro da sua pele, quente e
exclusivamente dele.
Acariciando cada parte dele que ela pudesse alcançar, ela conseguiu tirar fora suas calças,
cuecas e botas. Uma vez que ele estava totalmente nu e sem vergonha do seu corpo, ela o
circulou. Sinos internos soaram no transporte sinalizando o deslizar iminente.
Ele suspirou suavemente quando ela apertou-se nas suas costas, rodeando sua cintura com
os braços. O momento foi perfeito, claro certo, e ela soube que nunca esqueceria a pulsação do
amor dentro de seu ventre, espalhando-se pelo seu corpo como uma droga. Apenas Daniel e
Carina, nus entre si.
121

Ela girou para olhar para ele e o puxou de volta para a cama. Sua passagem estreita puxou
a entrada no portal, e ele estendeu a mão, atingiu os inibidores e as mãos dele estavam sobre ela
antes que ela pudesse protestar contra a ausência de seu corpo. Ele a pegou, devorando sua boca.
Ela colocou as pernas em torno da cintura dele, segurando-se contra ele.
A Cabeça de Daniel girou em como era bom sentir-se com ela ali, contorcendo-se contra
ele, ela nua, a carne quente acariciando contra a sua. O poder dela era inebriante, ela possuía-o,
era dona de seus desejos e tomava o que queria. O que o atraía extremamente.
A maneira em que ela tinha sido, quando viram o casal, tinha arrancado tudo o que resta
da sua distância. Ele estava dentro dela, sobre ela, ela estava sob a sua pele de uma maneira que
só ela poderia estar. Como uma mulher pudesse ver um casal conseguindo um ao outro
inteiramente e ainda parecer de modo refrescante... Bom, ele não tinha certeza. Mas ela estava
era tudo de bom, a sua luz, e segurou tão apertado.
Ele deu três passos, levando-os à parede mais próxima, e definindo as pernas apenas para
a direita para manter seu peso.
— Doce, devo foder você agora? — Ele brincou em torno da entrada dela com a cabeça de
seu pênis. Ela estava quente e molhada, pronta para ele.
— Por que você está perguntando? Faça!— Suas unhas escavaram em seus ombros à
medida que ela arqueou.
Ele riu, empurrando acima e deslocando seu peso para baixo para preenchê-la por
completo. — Eu perguntei por que você disse que queria me ter, não o contrário.
— Isto é... oh meus deuses.
Ele apertou-a contra a parede um pouco mais solidamente, saboreando o modo com suas
pupilas expandiam e sua respiração soprava naquela boca sedutora dela.
— Sim?
— Eu estou tomando você. Mais ou menos. Seja como for, quem está tomando, isso é
simplesmente perfeito para mim. Eu tenho essa necessidade, — Ela estendeu a palavra para fora
em um gemido de prazer. — Por você. Queima a minha pele, eu preciso muito de você. No
momento em que você me toca, me olha, me coloca em sua atenção, facilita as coisas. Eu deveria
sentir vergonha por aquilo que você me faz desejar, como você me faz sentir, mas tudo que eu
sinto é vontade de ser saciada e, desejo em troca. Você responde a minha necessidade.
Ele caiu, despencou no abismo que era o que sentia por aquela mulher. Profundo,
inesgotável, aberto, tanto quanto ele podia ver, e ele não podia se sentir mal.
— Não há nenhuma vergonha entre nós. Você é a minha necessidade, — ele murmurou,
continuando a foder nela fundo e com força.
Ela cravou os dentes em seu ombro para abafar o choro, moendo-se contra ele quando ele
impulsionava.
— É isto aí, toma isto. Esfregue seu clitóris em mim, — sussurrou ele, amando quando sua
boceta apertava em torno dele, superaquecida e cremosa. Ela gemeu no que parecia
consentimento, então ele continuou.
Sua boceta queimando, apertando-o até que ele teve que respirar num suspiro de como
era além de delirantemente boa a sensação. Ela usava as mãos nos ombros dele para se alavancar
122

para cima, para mudar o ângulo de modo que ela pudesse conseguir a fricção que precisava contra
seu clitóris.
O calor de sua respiração gaguejou contra o pescoço dele o levou além, a doçura do seu
corpo contra o dele, o pressionar de seus mamilos contra seu peito, a forma como os músculos da
coxa interna ondulou quando ela moveu-se contra ele, todos trabalharam em conjunto para deixá-
lo bobo.
Quando ela gozou, bateu a cabeça contra a parede às suas costas, um grito rouco puxou de
seus lábios enquanto ela comprimia ao redor de seu pênis. Ele tentou conter, tentou segurar, mas
o jeito que ela apertou ao redor dele, vibrando, úmida e quente, ele não conseguiu resistir e
encontrou-se de joelhos, enterrado profundo, quando onda após onda, de clímax roubaram seu
fôlego.
O conhecimento de que no curto tempo em que a tinha conhecido, ele a amava, deixou-o
de joelhos, em busca de respiração.
Ela beijou sua bochecha. — Cada vez que estou com você não consigo superar como é
diferente da última vez, mas ainda intenso e surpreendente.
Ele abriu os olhos para ver seu rosto, brilhante e feliz, enquanto ela se contorcia para sair
do seu colo.
— Desculpe, eu devo estar esmagando você. — Ela ofereceu uma mão, e ele tomou-a,
beijando sua palma.
Ele se levantou, sorrindo para ela, e ela se perguntou o que ele estava pensando.
Provavelmente conseguir mais sexo, que era, reconhecidamente, perfeito para ela.
— Tenho medo de que mesmo que tenhamos mais espaço aqui, o lavatório seja ainda
menos do que o necessário.
Foi ele que deu a ela um pano, que ele tirou da bacia com água morna só para ela, o
fragmento afastava qualquer possibilidade remanescente de manter-se entre si e essa coisa
enorme brotando dentro dela, quando ela pensava sobre Daniel Haws.
Foi deixada lá, nua às emoções, nua ao olhar, e ela não era nada mais, nada menos do que
a mulher dele. Se ele queria ou não, isso não mudaria o que ela sentia o que ela era.
Ele baixou os olhos para seu rosto. Bem, olhar não era a palavra certa, era como se ele
estivesse comprimindo cada bit dela na memória. Ela fechou os olhos por um instante, tentando
remar através das ondas da emoção.
— Eu suponho que você esteja com fome? — Ela conseguiu dizer finalmente. — Deixe-me
fazer-lhe algo para manter você até o jantar.
Deu-lhe algo para fazer com as mãos, pelo menos, algo para tomar-lhe a atenção para que
pudesse recompor-se.
Ele estabeleceu-se, examinando algo em seu bolso de comunicação, então ela o deixou
sozinho, colocando o alimento próximo. Surpreendeu-a quando ele pegou a mão dela e puxou-a
para baixo com ele, organizou-a ao lado dele, tudo sem uma palavra.
Ela aconchegou-se, deixando-se sentir segura e adorada. Ele acariciava as pontas dos dedos
para cima e para baixo no braço, preguiçosamente, como se não estivesse pensando totalmente
nisso, mas não desejasse deixar de tocá-la. Ela gostou daquilo. Sentia isso a maior parte do tempo.
123

Ela queria falar com ele. Abertamente. Falar de seu passado e seu futuro de uma forma
que ela não sentia que tinha de monitorar constantemente. Ela esperou ansiosamente isto, ter
uma relação normal com ele, ou o mais próximo do que eles já conseguiram dado ao trabalho
dele.
Foi com esse pensamento que o sono veio tão profundo, sem sonhos repousando o corpo
o necessário para realmente descansar e se regenerar. Segura em seus braços, seu cheiro no
corpo dela, ela dormiu.

Capítulo 14

— Acorde, — Daniel murmurou, sacudindo-a gentilmente. Ela tinha desmaiado logo depois
que eles partiram e dormira até o dia seguinte. Estava dormindo irregularmente de tempo em
tempo, e ele sabia que ela precisava descansar então, não a tinha incomodado, apenas verificando
para ter certeza de que ela estava bem e deixando-a.
Andrei havia chegado quando eles se aproximavam do portal. Eles sairiam na Silésia, a
última ‘Verse de controle Imperial antes do Edge. O Edge, embora fosse, tecnicamente, um
amortecedor entre o Império e os territórios da Federação, estava solidamente sob o domínio da
Federação, embora nem sempre com total fidelidade e segurança para seus cidadãos. Eles
estariam em posição mais segura, ou pelo menos, teriam mais acesso ao seu próprio povo e
inteligência muito mais facilmente, uma vez que deixassem o Império para trás.
Ela sorriu e se espreguiçou.
— Nós vamos chegar em breve. Vá se refrescar. Nós guardamos para você alguma comida
ontem á noite. — Ele apontou para o pacote embrulhado.
—Ontem à noite? Eu dormi todo esse tempo? — Ela empurrou o cabelo do rosto e saiu da
cama.
— Você devia estar precisando disto. — Ele tentou parecer prosaico, mas aos seus ouvidos,
ele parecia muito mais como um amante do que um guardião.
Andrei virou as costas, enquanto ela lavou-se rapidamente e mudou, mas Daniel sabia que
ele tinha ouvido o tom.
— Cubra o cabelo hoje. — Ele disse isto por instinto. Como ele fez, ela apressou-se a
obedecer, envolvendo sua cabeça em um lenço indefinível, amarrando-o sem esforço. Ele se
aqueceu conforme ela envolvia o lenço azul que lhe dera no dia anterior em volta do pescoço.
Andrei rapidamente trançou o seu e enfiou-o na parte de trás de sua camiseta, para
parecer ter o cabelo curto. Daniel havia deixado o seu voltar à cor normal, e ele estava contente
por isso.
Alguma coisa estava acontecendo. Ele casualmente foi do lado de fora de seu quarto e
olhou em volta quando deslizaram no cais do portal e receberam uma baía de chegada. As pessoas
pareciam muito nervosas. O teor de energia nas plataformas internas do transporte mudou.
124

Ninguém olhava ninguém nos olhos. Esquivando-se de volta para o quarto, ele mandou um olhar
para Andrei. Não havia tempo para brincar de esconder sua conversa.
A sensação aguçada, amadurecida em urgência e ele ouviu — agiu.
Ele virou-se para Carina. — Eu preciso que você me escute e obedeça. Andrei vai ajudá-la a
se esconder. Não faça um som sequer. Tire sua arma, e não hesite se tiver que usá-la. — Ele a
beijou com força. Podia ver nos olhos dela que ela queria fazer perguntas, mas ela não as fez. Em
vez disso, ela balançou a cabeça e pegou a mão de Andrei, deixando ele a impulsionar acima no
compartimento de carga.
Ele precisava se concentrar. Frustrado, partiu para apagar sua presença. Desarmou seus
alarmes, foi até os aparelhos de escuta. Limpou as superfícies com lenços de DNA. O suficiente
para cruzar os dados e confundir qualquer pessoa.
No fundo ele ouviu Andrei voltar para o quarto. Eles encenariam uma conversa ainda em
seus disfarces. Agora que tinha tirado os sistemas bloqueadores, as chances eram de serem
ouvidos, então era crucial soarem como as pessoas que, supostamente, eram.
— Nós devíamos ir e esperar para descer. Sei que ela está ansiosa, — disse Andrei na
medida em que jogou suas mochilas para pegar.
Ele riu, sentindo-se apenas entorpecido quando fez tudo que precisava. O barulho veio do
fundo do corredor, uns poucos camarotes à distância. Vozes exaltadas, alguns gritos. Choro de
uma criança.
Impiedosamente bloqueou seu sofrimento ao ouvir uma criança com medo. Ele não podia
ajudar. Tinha um trabalho e alguém que poderia salvar. Levantou-se para acomodá-los
praticamente quando a porta bateu aberta e soldados invadiram o quarto.
Ela tremia atrás dele, mas não fez nenhum som. Ele apertou o tornozelo dela para
tranqüilizá-la. Aquele não era o primeiro incidente daquele tipo em que tinham estado então ele
descobriu aquele lugar quieto em sua cabeça e foi até lá. Normalmente, isso teria sido fácil, mas
normalmente ele não estaria em tão apertado espaço, com a mulher pela qual estava
estupidamente apaixonado. E ela estava com medo. E os homens queriam matar todos eles.
Tudo o que ele poderia fazer era manter a mão em seu tornozelo, mas funcionou, ela
parou de tremer, e eles continuaram a esperar. Os soldados saquearam a cabina e em nada
encontrando útil, saíram correndo.
Ele não tinha certeza quanto tempo eles esperaram, mas, finalmente, ele movimentou a
cabeça libertando-a do domínio e fez sinal para Andrei e Carina para permanecerem. Ela balançou
a cabeça de modo selvagem, mas ele continuou, substituindo a vedação, deixando-os
seguramente escondidos.
Ele permaneceu na porta, ouvido colado. Não havia mais gritos. O barulho parecia ter
morrido. Naquela hora eles teriam descarregado o navio, e haveria uma espera de resposta
obrigatória antes do transporte poder ser utilizado novamente. Eles teriam que descer do
transporte antes da nova tripulação chegar, mas não tão perto do descarregamento que os
soldados ainda pudessem estar observando.
125

Enquanto ele estava ali, um soldado abriu a porta. Antes dele poder saltar com surpresa,
Daniel estendeu a mão, agarrou-o, puxou-o para dentro, torceu seu pescoço e fechou a porta
silenciosamente.
Ele detestava corpos mortos. Eles eram pesados e desajeitados para se mover, e sempre
havia a questão da eliminação desagradável.
Andrei espreitou alguns momentos depois, dobrando a mão para ajudar Daniel a arrastar o
corpo e escondê-lo no compartimento. O rosto de Carina tinha sido de valor inestimável, apesar
de ter se sentido mal, por ela ter que ver aquilo. Ela contornou o local, passando pelo corpo,
Daniel se surpreendeu quando ela ajudou a empurrá-lo de volta em um canto com uma praga
abafada.
— É evidente que nós temos que nos separar! — Ela sussurrou em seu ouvido quando ele
rastejou de volta. Ele já havia imaginado isso, mas não queria admitir para si mesmo. Os soldados
estavam à procura de um homem e uma mulher, ou mesmo dois homens.
— Eu não vou deixar você fazer isso, — ele rosnou em seu ouvido.
— Você é um idiota. Pare de pensar com o coração e pense com a cabeça.
Andrei deu de ombros, deixando isto para Daniel.
— Dane-se. Eu não vou fazer. E se eles levam você? É muito grande o risco. Eu não posso te
deixar.
Ela colocou a mão sobre a boca dele, sacudindo a cabeça violentamente. —Deixar? Escute
aqui, estes são Skorpios. Eles sabem que estamos tentando sair. Temos que nos separar até
sairmos deste transporte, e você sabe disto. Por que não admite?
— Porque eu não sei se vou sobreviver a você ser machucada ou levada.
Tudo ficou silencioso. Ele não quis dizer aquilo daquela maneira. Não estava certo se algum
dia quis dizer aquilo em voz alta, para começar. Porém saiu, e seus lábios tremeram quando ela se
lançou contra ele no pequeno espaço.
— Eu amo você, também, seu grande idiota, desmiolado. Agora, Encontre uma maneira de
fazer isso dar certo. Estou contando com você.
Amor? Ele não tinha dito isso, mas deixou que ela supusesse. — Excelente.
Ela sorriu como uma idiota supramencionada.
E então ele se encontrava de volta no quarto, entregando-lhe um uniforme que tinha
roubado do dormitório dos funcionários. Ela se passaria por uma funcionária para sair de lá. Ele ia
ficar como um civil, mas ela e Andrei vestiriam uniformes. Isto deveria funcionar. Ele esperava que
funcionasse, ou ele queimaria totalmente Caelinus, se alguma coisa acontecesse a ela.
— Você vai primeiro, — disse Andrei, indicando Daniel. — Você segue, — ele disse para
Carina, — eu vou atrás. Dessa forma, podemos confundi-los. — Andrei olhou para Daniel. — Vai
ficar tudo bem, você é o melhor nisto. Ninguém pode fazer melhor.
Daniel revirou os olhos e finalmente concordou.
Aqueles minutos foram os piores de sua vida. Ela sair do transporte com as sem cobertura,
exposta da maneira que ele nunca quis, partia seu coração. Ele segurou impiedosamente a
emoção, empurrou-a longe quando chegou às ruas pavimentadas.
126

Continuou andando, indo para a pensão onde eles iam reunir-se em uma hora padrão. Esta
parte da Silésia era moderna, elegante e rica, em comparação aos demais territórios do Edge e às
‘Verses’ que tinham acabado de percorrer. Havia partes do Império como estas principalmente,
aquelas que eram vistas nas telas de vídeo, e onde qualquer tipo de negociações ou conversas era
realizado.
Apesar da prosperidade aqui, e, quanto maior o nível de liberdade em relação ao ‘Verse’
mais próximo do centro da capital havia um ar de tristeza também. Algo que ele sempre associara
com as ‘Verses’ Imperiais. Mesmo quando bebiam e chutavam os calcanhares, mostrava-se
tristeza nos olhos de cada cidadão. Nem era sequer desespero, eles não tinham tanto para
começar, as coisas eram o que eram e eram aceitas pela maior parte.
E o brilho se dissipava quanto mais distante se encontrava do portal, até que tudo o que
restava era o caos e a anarquia. A Silésia real, e na medida em que Daniel estava preocupado, o
real Império. Cidadãos perdidos, maltratados e deixados à própria sorte, muitas vezes abusando
uns dos outros, ou pior, do fraco que não conseguia se defender e não tinha qualquer esperança
de que seu governo o faria.
Não havia governos individuais nas ‘Verses’ Imperiais. Era tudo sob Fardelle, o tempo todo,
e ele segurava com mão pesada através de seus ministros. O que fazia Daniel irritado, a maneira
como o homem simplesmente apertava as pessoas, não se importando em ser um verdadeiro
líder.
Aquilo os deixava bem onde estavam à beira de uma guerra iniciada por um homem muito
limitado ou entediado para construir suas ‘Verses’, escolhendo rasgar aqueles na Federação, ao
invés disso.
Era suficiente. Ele precisava se focar e parecer normalmente desesperado como o resto
deles.
Suas mãos tremiam no momento em que ele sentou de costas contra a parede, de frente
para porta que eles passaram. — Fumo e uma cerveja, — disse à serva, quando ela assobiou.
Ela colocou uma lata de cigarros enrolados à mão na mesa e partiu para conseguir a sua
cerveja. Normalmente, ele aproveitaria para fazer uma refeição, mas seu estômago estava como
chumbo, seu apetite desapareceu.
Até aquele momento, nunca sentira medo por não concluir uma tarefa. Ele simplesmente
fazia o seu trabalho. Se as pessoas eram pegas nisto, ele faria o possível para protegê-las e sair,
mas se houvesse impacto civil, ele aceitava-os como uma das inevitáveis tragédias do que ele
fazia.
Acendeu o fumo e respirou profundamente. A doçura do queimar de ervas encheu seus
pulmões, fragmentou em torno de seu rosto. A cerveja chegou, e ele tomou um gole e pensou,
bebeu e fumou, bebeu e esperou.
Ele a amava. Não imaginava estar naquele lugar, logo após encontrar uma mulher. Ao
mesmo tempo, tinha estado com mulheres, com muitas delas ao longo do tempo, tinha bastante
experiência para saber a diferença entre uma mulher que apreciava e o que sentia por Carina. Sim,
era repentino, foi breve e inesperado e além de complicado. Mas aquilo estava lá e era forte e ele
queria, queria como nunca se permitira querer nada em toda a vida.
127

Sim, ela não tinha a mesma experiência que ele, e ele supôs que deveria incentivá-la a ver
alguns outros homens, de modo que ela nunca se sentisse enganada, mas, assim que começou a
remoer aquilo na cabeça, pensou, foda-se aquilo. Ninguém poderia protegê-la e amá-la como ele
podia, e ela não precisava foder quinze homens mais para saber daquilo.
— Muitos soldados aqui hoje, — ele disse despreocupadamente para a serva quando esta
trouxera outra cerveja.
— Afetando negócios, quer dizer. Eles vieram por aqui três vezes já hoje. Todo o transporte
dentro e fora abordado. A prisão está cheia de pessoas. Este é o meu lugar, eu e meu homem o
mantemos. Nós não podemos permitir esta tolice. Perdeu um bem, eles me dizem. O
abastecimento da cidade aqui chegou à zero. Não é possível conduzir uma cantina sem água. E o
que aconteceu? Eu perguntei. Ninguém vai dizer. Somos fiscalizados em todos os turnos. As
pessoas têm medo de viajar hoje. O portal está fechado em Krater. Ainda. Nós não podemos trazer
nossos suprimentos de costume, então os outros estão cobrando caro. Não sei o que estão
pensando, mas como eu disse, está afetando os negócios, e eu não gosto disso.
Ele balançou a cabeça. — Estive viajando por alguns turnos. Tem sido desta maneira em
todas as ‘Verses’.
Uma mulher que ele conhecia muito bem entrou. Ela o viu e se dirigiu diretamente. —
Você me deve uma bebida, Neil. — Marame Fisk, uma das suas agentes que esteve fora do Edge
durante algum tempo, trabalhando com os mercenários locais, para localizar todos os malfeitores
dos portais usados para contrabandear armas e informações, de volta para Fardelle.
Ela se sentou com um sorriso de gato. — Minha irmã está aqui em algum lugar. Você deve
ter uma mais antes que ela chegue. Talvez duas, se ela continuar tão louca com você como estava
esta manhã.
— Um vinho quente para a minha amiga, por favor. — Seu coração acelerou com a menção
desta outra mulher que ele esperava que fosse Carina.
O servo escorregou fora, e ele voltou para a mulher em sua mesa. — Estou surpresa em ver
você.
Ele olhou para ela de novo. Ela tinha cabelo preto curto, que muitas vezes se levantaram
em pontas porque ela corria os dedos por ele a todo o momento, um tique de personalidade, ele
supunha. Ela era inesquecível de sua própria maneira: impressionante, ousada, com características
faciais que eram originais e não muito convencionais. Mais importante o que mais importava para
ele, Marame era um dos seus melhores estrategistas. Uma planejadora inteligente, boa com as
pessoas. Uma líder. E neste momento, aquela habilidade fazia Carina ainda mais segura.
— Meu homem me enviou. Ele está aqui em algum lugar. Ele vai ficar por pouco tempo. —
Marame falou alegremente, mas os olhos de pálidos azuis revistaram o ambiente tão nitidamente
quanto, certamente, os seus próprios fizeram.
Seu homem? Ele perguntou com quem ela estava, qual de seus agentes a tinha
acompanhado na viagem. Em qualquer caso, era bom ter mãos habilidosas em que se podia
confiar totalmente. O mais provável era Julian Marsters. Ele e Marame trabalhavam juntos muitas
vezes, Julian era um piloto talentoso, e um dos seus melhores lutadores de mão-a-mão. Ele fez
128

uma equipe sólida — Daniel, Andrei, Marame e Julian. Eles geralmente trabalhavam em equipes
de cinco, mas quatro faria muito bem. O apoio definitivamente ajudaria.
— E sua irmã? — Perguntou ele. — Você a viu? Nós nos separamos, certamente ela não
pode me responsabilizar por isso. — Ele enviou-lhe um sorriso preguiçoso, mas se coçava para
saber, ouvir que Carina estava segura.
— Ela vai ficar bem em breve. Nós a encontramos no caminho. Karl pretendia levá-la para
casa para levar as malas. Ela brigou, naturalmente, contra isto e sangrou o nariz dele. — A boca de
Marame tentou resistir a um sorriso, mas perdeu.
— Espero que meu primo a tenha ajudado igualmente? — Falando sobre Andrei.
— Ele apareceu logo em seguida. Houve uma pequena... negociação, e todos eles passaram
juntos.
Andrei teria matado qualquer um que representasse uma ameaça para Carina, mas viu-se
aliviado e admirado ao ouvir que ela tinha lutado contra um homem tão grande e imponente
como Julian ou qualquer dos seus agentes. Sorriu quando inalou a fumaça, Carina não era alvo
fácil.
Só então seu coração disparou quando ela entrou. Ele se levantou, não dando a mínima ao
que alguém pensasse, movendo-se para ela como se ninguém mais existisse nas conhecidas
‘Verses’.
Carina tinha estado assustada além da sanidade, quando o grande homem andou em sua
direção e disse-lhe que estava lá para ajudá-la com suas coisas e levá-la para Neil. Ela não o
reconheceu, e tinha memorizado todos os rostos com que se deparou, no transporte. Ela nunca
tinha visto este homem na vida, e não havia maneira de ir a qualquer lugar com ele.
Ele tentou adulá-la, tentou estender a mão, e quando o fez, ela recuou e deu um soco no
nariz quadrado dele, deixando-o cambaleante, tropeçando. Uma mulher se aproximou então,
tentando não rir do homem que Carina tinha esmurrado.
Ela também disse que eles eram velhos amigos de Neil e, novamente, Carina havia dito a
ambos para irem à merda imediatamente. Ela tinha que estar em algum lugar, em algum lugar que
Daniel esperava por ela. Carina sabia que ele ficaria preocupado, sentindo-se em pânico, por tê-la
deixado sozinha, nesta parte. Ela precisava chegar até ele, e nenhum homem gigante ou sua
companheira manteriam Carina afastada.
Andrei estava, de repente, lá. Ela não tinha sequer o ouvido aproximar-se, mas, ele se
colocou entre ela e os recém-chegados. Ele não segurava nenhuma arma, mas sua postura
mostrava às pessoas que ele enfrentava que não precisava de armas para machucá-los.
Foi então que Andrei deve ter reconhecido os dois, porque relaxou e voltou para Carina,
dizendo-lhe que estava tudo bem, que eles eram parte da família.
Eles caminharam ao longo de umas poucas ruas para uma casa pequena cercada por
árvores frutíferas, e ela deixou cair a mochila. O homem tinha se apresentado como Karl, a
senhora era May. Fora esta May, que tinha ido a Daniel enquanto Carina e Andrei tinham
informado este Karl, que, claramente, não era um Karl, pelo que tinham visto.
Desorientação e dúvida começaram a afiar um caminho no sistema dela. Será que ele
enviara outros para mantê-la longe dele? Não, ele disse a ela que se preocupava com ela, e ela
129

acreditou. Tinha visto isso, sentira isto repetidas vezes. De qualquer maneira, mesmo se ele
tivesse feito isso, ela não tinha planos de deixá-lo se safar dela. Finalmente se levantou e pediu
para ver Neil, e eles a acompanharam até a casa pública onde Daniel esperava.
Todas as dúvidas passaram quando ele a viu, e seu rosto mudou, suavizou-se. Ele se
levantou e começou a andar em direção a ela, e arrepios de prazer passaram por sua pele pela
maneira dele não ver ninguém, além dela.
— Ouvi dizer que você se perdeu. — Ele inclinou seu queixo para cima e beijou-a
rapidamente. — Estou contente por minha família ter te encontrado.
Ele a abraçou, e ela sentiu seu próprio medo se fundir com o dele. Todo mundo estava
bem, e depois do medo que ela tinha desde que abriu os olhos naquela manhã, aquele
conhecimento a deixou de pernas bambas.
— Eu estou morrendo de fome, — ela sussurrou.
— A adrenalina faz isso. Vamos, então, de repente recuperei meu apetite e vai chegar o
almoço. Vamos ver o que Karl e May têm a dizer sobre o que é bom aqui.
— Senti sua falta, — disse ela, pressionando-se mais próxima dele.
— Está tudo bem, e é isso que importa.
O que importava era que ele a amava, e seus braços ao redor dela, a maneira como ele
olhava para ela, diziam-lhe que ele amava.
— Nós imaginamos que vocês poderiam estar com fome. — May se juntou a eles. — Temos
planos de refeição, e outro membro da família que não pode esperar para vê-los. Vamos lá então.
— Ela os conduziu à saída, e eles a seguiram.
A caminhada não foi longa. O passeio foi bastante adorável, apesar da presença de
soldados em todo o lugar. Novamente, Carina pensou enquanto fizeram o caminho para a
pequena casa, esta ‘Verse’ tinha muito potencial e seu pai o desperdiçava. Não controlava esta da
maneira como fazia em outros lugares, ele tomou e nunca devolveu. Esta prosperidade era
possível para tão poucos numa ‘Verse’ em que a maioria sofreu. Sua visão de governo imperial não
estava funcionando, e por causa disso, as pessoas sofriam. Era uma perda estúpida.
Os frutos das árvores na frente da casa sombreavam a sorte e igualmente emprestavam
privacidade. Privacidade era um prêmio, muito procurado. Ela imaginou que aquela casa custava
alguns faturamentos e quis saber como aqueles soldados haviam terminado ali.
— Entre, — disse Karl, levando-os pela porta da frente e dentro da casa. Carina
permaneceu em silêncio quando Daniel não disse nada. Ele a deixaria saber quando fosse seguro
falar, mesmo que estivesse morrendo de vontade saber o que estava acontecendo.
Ela imaginou que aquelas pessoas, devia ser gente de Daniel — seus soldados ou sua
equipe. Não havia maneira de que ele não estivesse no comando, isso era claro. Primeiro não
tinha se enganado, quando assumiu que eles tinham enviado simplesmente o melhor, para buscá-
la. Caelinus teria sido perigoso de se chegar, e como ela havia experimentado, do Império era
perigoso sair. Mais revelador, porém, foi a maneira a que todos se submetiam a ele. Todos eles. A
ligeira diminuição do olhar, o jeito que esperavam por ele para estabelecer um ritmo e tom. Daniel
era o chefe aqui, não que isto a surpreendesse. Ele era um homem muito autoritário, afinal. O que
tornava uma coisa muito boa ela ser uma mulher muito mandona. Daniel Haws teria atropelado
130

uma mulher mais fraca, não por crueldade, mas por sua energia e vontade. Ele precisava de uma
mulher que o fizesse recuar quando fosse longe demais. Uma mulher que poderia igualar aquele
domínio, aquela vontade, aquela determinação em fazer o trabalho. Carina Fardelle, princesa ou
não, era aquela mulher.
Eles seguiram Karl até a casa e para baixo em um porão. Carina não se surpreendeu ao ver
Karl empurrar para trás um conjunto de prateleiras, menos surpreendida ao descobrir uma porta
que estava por trás. Mais blocos de números e scanners de retina existiam por trás da porta de
madeira lisa em outra sala.
— Pode falar livremente, agora — Karl avisou quando entraram em um longo túnel,
selando onde quer que eles tenham acabado de entrar.
Todo mundo soltou um longo suspiro de alívio.
— Sinto muito sobre o seu nariz, — Carina gritou para Karl, que se virou e sorriu.
— Perigos do trabalho. Nenhum dano permanente feito. Eu sou Julian, e esta é Marame. —
Virou-se para Daniel e se curvou. —Estamos contentes em ver os três em segurança.
Daniel balançou a cabeça, tocou brevemente Julian nos ombros. —Excelente trabalho,
Julian. Suponho que este seja um dos nossos lugares.
— Nós liberamos este de um contrabandista. Ele alegremente deu-nos o acesso, em troca
de sair da prisão. — Julian encolheu os ombros.
Eles começaram a andar por um longo túnel, as luzes brilhando lançavam luz amarela sobre
eles, que se extinguia em seu rastro.
— Julian e Marame são agentes, também. Alguns dos melhores, — disse Daniel, enquanto
continuavam a caminhar.
Marame virou e olhou por cima do ombro de Daniel. — Obrigada. Vindo de você, Daniel,
isto é um grande elogio. — Marame sorriu, deslocando seu olhar para Carina. — Estou
impressionada com aquele soco, Carina. Fico feliz de ver que você recebeu treinamento de mão-a-
mão.
— Meu pai insistiu. Eu não tinha permissão tanto quanto meu irmão, mas sou hábil o
suficiente. — Daniel riu. — Julian é um dos melhores lutadores de mão-a-mão, que eu conheço.
Até eu estaria duramente me esforçando para sangrar o nariz dele.
Julian bufou sem se virar. Ele chamou de volta, — Por favor. Eu vi você bater em Ellis uma
ou duas vezes, e o homem é mais astuto do que uma raposa e mais grosso do que um tronco de
árvore. Ainda assim, é melhor não testarmos isso. Além disso, sua linda princesa me pegou de
surpresa, mas não hesitou em fazer. Foi muito bem feito.
Carina estava ridiculamente feliz com esse elogio. Haviam dito que ela era bonita,
inteligente, culta, corajosa e todas aquelas coisas pela vida inteira. Mas ninguém além de seu
treinador havia dito que ela era boa em combate, aquilo não poderia ser dito, dada a sua posição.
— Muito obrigado, Julian. Eu ficaria muito feliz se você me desse, dicas técnicas algum dia.
Daniel, que tinha tomado a mão dela, apertou-a uma vez, um fantasma de sorriso em seu
rosto. Isto a fez ainda mais orgulhosa.
— Depois que as coisas se aquietarem, espero que tenhamos você por perto. Podemos
trabalhar em algo, então. — Julian virou, andando para trás, para falar a última dica, e ela
131

agradeceu-lhe. Eles iriam, naturalmente, tê-la por perto depois que retornassem para Ravena,
porque ela estaria com Daniel. Agradou-a em um nível ser perversa a provocá-lo em sua cabeça.
Ele estava, provavelmente, irritado sem razão que ele próprio pudesse entender naquele
momento.
Ela inalou uma risada, e ele olhou para ela, inclinando a cabeça antes de voltar para o
caminho.
— Temos um caminho a percorrer. Outros cinco cliques mais ou menos. Principalmente
plano o terreno, mas há uma subida íngreme no final. Faremos uma refeição quando chegarmos e
conversaremos sobre como tirar você do Império e te deixar em território seguro no outro lado, —
continuou Marame.
Carina se perguntou como seria trabalhar com Daniel assim todos os dias. Parte dela ficaria
aliviada de saber com seus próprios olhos que ele estava vivo. Mas vê-lo em perigo todo o tempo
poderia começar o desgaste, e ela sabia bem o suficiente para entender que pedir-lhe para parar
seria equivalente a pedir-lhe que simplesmente desistisse do que acreditava. Sem pensar muito,
ela cavou sua mochila e entregou-lhe um pedaço de fruta, jogando para trás outro para Andrei.
— Obrigado, — disse Daniel, beijando-a rapidamente.
Agora que o perigo havia passado, ela se lembrou de perguntar a Daniel sobre seu irmão.
— Daniel, Vincenz está vivo? Você fez isso soar — no transporte, soou como se soubesse que ele
está. — Ela parou no corredor, esperando que estivesse certa.
Daniel balançou a cabeça, e ela lançou-se para ele. Ele a pegou em um abraço e sem
qualquer esforço, eles começaram a andar de novo quando ela se agarrou a ele. — Desculpe-me,
eu não podia dizer isso antes, agora, é um, bem, ele nos ajudou muito, por isso, tentamos limitar
qualquer exposição.
Ela assentiu com a cabeça. — Eu entendo. Oh meu deus, ele está vivo e fazendo a
diferença. Estou tão aliviada. Eu também sou forte. — Ela se contorceu, e ele segurou-a no lugar.
— Cuidado, — ele disse calmamente. Ela não sabia o que ele quis dizer até sentir o pênis
dele esfregar contra seu traseiro. Ah. Ele a colocou no chão, e ela voltou ao seu lugar de encontro,
ao lado, o braço dele nos ombros dela.
— Alguma notícia sobre a minha mãe? Na procura de quem possa ter me ajudado a
escapar? — Carina perguntou enquanto começaram, sim, uma subida íngreme.
Marame respondeu: —Sua mãe parece estar bem. Alguém foi executado por ajudar você.
Sinto muito. Mas não foi sua mãe.
Alívio guerreava com a culpa. — Nós sabemos sobre a minha empregada. Foi isso que você
quer dizer?
— Não, e eu sinto muito por isso. Claira era uma mulher corajosa. Não, um assistente de
casa encontrou o seu ex-pretendente morto. Ele cometeu suicídio, deixou um bilhete dizendo que
te ajudara. Seu pai então executou o chefe da guarda Skorpios por deixar passar despercebida a
traição de Alem por tanto tempo. — Julian disse imparcialmente enquanto digitava um código e
usava outro scanner de retina.
— Alem? Por favor, o homem é incapaz de ajudar qualquer pessoa além de si mesmo!
Daniel resmungou ao lado dela. —E agora ele está morto.
132

Sim. Ela fez uma pausa, percebendo que não sentia nada além de alívio. —Todo mundo
está melhor por causa disso.
— Depende de quem tomar o lugar dele, mas sim, eu concordo.
Era isso. Ela olhou de volta para onde eles vieram e para onde Julian ficou de pé,
destrancando as portas. — Eu não posso acreditar que tudo isso existe. — Ela indicou o túnel que
tinham acabado de atravessar.
— Os contrabandistas e mercenários. — Marame encolheu os ombros. — O túnel inteiro
está blindado por isso não pode ser detectados da superfície. Programas de espionagem não são
passíveis de encontrá-lo. Nunca subestime o desejo dos homens em faturar e atravessar
mercadorias. A casa que estamos entrando agora também tem proteção contra escutas, só para
você saber.
A casa era espaçosa e parecia ser construída em um penhasco. Escurecidas janelas de
plasglass apresentavam uma visão do cânion e vale abaixo, das cidades à distância.
—Isto é magnífico. — Carina girou em um círculo.
Foi então que ela o viu encostado a uma mesa próxima, sorrindo. Sua boca caiu aberta
quando ela ouviu vagamente Daniel falar com Marame logo atrás dela.

Capítulo 15

— É você. — Ela correu em direção a Vincenz, e ele a pegou em um abraço. Ele era um
homem, não simplesmente o pouco do homem que ele tinha sido quando ela o viu pela última
vez.
— Carina, deuses, é tão bom ver você —. Vincenz beijou seu rosto e segurou suas costas
para que ele pudesse olhar para ela. —Você cresceu e virou mulher. Uma linda mulher que passou
por um monte de perigo. — Ele a sacudiu uma vez. Ela viu o medo em seus olhos, compreendeu
porque tinha sentido isso por ele.
— Está na minha lista de coisas a evitar no futuro, — ela o assegurou, abraçando-o
novamente.
— Oh, Vincenz, tenho tantas saudades tuas. Tanta coisa. Eles disseram que você estava
morto, mas eu nunca acreditei nisto. Havia dias que eu fiz, só porque doía muito pensar o
contrário, mas sempre no meu coração eu tive esperança de que você tivesse escapado. YaYa
ajudou, não foi? —
Ele balançou a cabeça. — Ela ajudou a me tirar. Usou toda sua influência, todos os seus
créditos guardados, tudo. Entre YaYa e Mai, eu fui capaz de sair da linha, e quando eu fiz isso,
Wilhelm Ellis estava à espera com Daniel.
Daniel bufou uma risada atrás dela. — Vincenz, é bom vê-lo.
Seu irmão se virou para o seu... Amante? Seu homem, sim, ela decidiu, o seu homem. Seu
irmão se virou para o seu homem, e ambos olharam um ao outro cautelosamente por um
momento até apertarem os antebraços.
133

— Daniel, bom trabalho. Você tem a minha gratidão por ajudar a minha irmã.
Daniel se livrou do elogio. — É o meu trabalho, e sua irmã fez grande parte do seu
salvamento. Engenhosos, vocês Fardelles.
—Alguns de nós, de qualquer maneira. — Vincenz voltou para ela. —Temos tanta coisa
para pôr em dia.
—Por que vocês dois não vão em frente? tomem algum tempo. Vincenz conhece o lugar,
esta idéia, foi dele. Então vá em frente e conheça tudo enquanto nós fazemos alguns planos. —
Marame sorriu para eles, e Carina viu o olhar nos olhos da outra mulher quando ela olhou para
Vincenz. Arrebatada, talvez, mas ele não retribuía isso. Não parecia notar. Ele não havia mudado
muito então.
Carina voltou-se para Daniel, pegou a mão dele. —Tudo bem? Estarei de volta em breve.
Ele sorriu, com calor nos olhos. — Claro que sim. Ponham tudo em dia.
— Você estará aqui quando eu voltar? — Ela sabia que era uma pergunta boba de se fazer,
mas tinha medo de despertar ou voltar e ele ter desaparecido.
— Será que todos vocês nos dão licença um instante? — Daniel disse, mas não era
realmente uma pergunta. Ele a puxou de lado. — Por que você pergunta uma coisa dessas? Eu não
vou te deixar. Não percebeu isso até agora?
— Eu não sei. Sim, eu sei. Eu percebi. Mas estou com medo, e você me faz sentir segura,
você me faz feliz e eu não quero que vá embora.
Ele suspirou, ainda segurando a mão dela. — Carina, eu não tenho quaisquer planos para
fazer isto.—
— Você quer? —
— O quê? Abandonar você ao seu destino? — O olhar de incredulidade no rosto disse-lhe
muito, mas ele esquivou-se da verdadeira questão, e que a incomodava. Homens.
— Você sabe o que eu quero dizer, Daniel. Eu amo você.
Ele sorriu. —Este não é o lugar ou a hora certa de ter essa discussão. Seu irmão está bem
ali esperando. Vá e esteja com ele, desfrute dele.
Ela estreitou os olhos, e ele riu. Ele apertou sua mão antes que a levasse aos lábios. Para
ele, na frente de todas aquelas pessoas, isto era tanto uma declaração quanto se caísse de joelhos
e gritasse para os céus que a amava.
— Eu não vou a lugar nenhum. Seriam necessários três exércitos para arrancar você de
mim. Vá. Eu estarei aqui quando você voltar, assim como ontem e amanhã.
Ela subiu nas pontas dos pés acima e beijou-o antes que ele pudesse dar a ela qualquer
distância. — Ótimo. Porque eu decidi mantê-lo. — Ela rodopiou, ainda sorrindo, e jogou a cabeça
para trás, jamais de modo tão despreocupado, sobre o ombro, — eu te amo, Daniel.
Vincenz nada disse até que eles chegaram a um pequeno jardim logo abaixo de onde eles
entraram na casa.
— YaYa se foi, não é? — Vincenz perguntou quando se sentaram juntos. Tinha sido ele a
começar a chamar a avó assim, em primeiro lugar. Esta tinha sido sua primeira palavra.
134

— Lamento que você não saiba. Desapareceu. Apenas alguns turnos depois que você se foi.
Nós não fomos autorizados a falar dela novamente. Mai tentou descobrir o que podia, mas não
havia nada. — Havia um nó em sua voz. Ela tentou pará-lo, mas ele estava lá.
Ele colocou o braço em volta dos seus ombros. —Eu nunca poderia ter saído sem ela. Ela
arriscou tudo.
— Ela fez aquilo de bom grado. Você sabe disso. YaYa tinha suas opiniões próprias. Ela não
teria feito isso se não quisesse. Onde você esteve? A Mai sabe que você está vivo? Ela nunca mais
foi a mesma depois que você partiu. E então, Petrus. — Ela se virou para ele. — Você sabe o que
ele fez ao nosso Petrus? Vincenz, você soube?
A dor em seus olhos disse-lhe que ele sabia.
— Não até muito tempo depois. Notícias levam algum tempo para chegar até o Edge, e
então nós não sabemos com certeza sobre a verdadeira natureza da mesma até mais tarde. Ele
tem que ser parado. Nosso pai tem que ser parado, Carina.
Ela assentiu com a cabeça. — Eu sei. — Colocando a cabeça em seu ombro um momento,
ela deixou-se relaxar, saber que ele estava vivo e seguro, que ele era sua família. Ela não estava
sozinha neste mundo novo em que jogou a si mesma. Bem, além de Daniel. Ela sorriu um pouco só
de pensar em como o rosto dele deve ter parecido quando ela disse que o amava no andar de
cima. — Daniel Haws é um homem perigoso, Carina.
Ela não gostou da advertência em sua voz. — Graças aos deuses por isso. Você não tem
idéia de quantas vezes salvou minha vida desde que me afastou de Caelinus. O que você está
fazendo, Vincenz? Onde você vive? Daniel diz que você os está ajudando.
— No início eu vivia na capital de Ravena. Você gostará de lá. Bonita, cidade grande tanto
quanto, o olho pode ver. Agitada com a vida o tempo todo. As pessoas são diferentes do que são
em casa. Eles são abertos. Nem todas as ‘Verses’ da Federação são assim, alguns são como
Nondal, que é muito, muito mais como a nossa casa do que a maioria das outras ‘Verses’ em que
eu estive.
Ela esperou, mas ele ficou em silêncio.
— Você está considerando mentir pra mim. Muito provavelmente porque da última vez
que você me viu eu era muito jovem e, provavelmente, muito mais frívola, embora não diga a
Daniel, que eu admiti isso. — Ela riu, mas ele suspirou e empurrou o corpo esbelto do lugar
próximo a ela, andando relaxadamente para a parede de janelas.
— O que Daniel é para você, Carina?
— Onde você vive agora e o que você faz? — ela respondeu.
— Eu vivo no Edge, às vezes em Asphodel, às vezes em Caldara. Oficialmente, dirijo uma
espécie de corretora. Trabalho com os mercenários e contrabandistas. Por sua vez, dão-me
informações que eu preciso.
— E você passa isto para a Federação.
— Sim. Quando eu cheguei, eles me interrogaram. Vão fazer isso com você também, mas
você já sabe, este é um momento de grande tensão. Isso me preocupa, embora eu confie em Ellis
e Lyons. Eles são bons homens. — Ele empurrou a mão pelo seu cabelo, ela observou que
precisava de um corte.
135

— Eu estou fazendo a coisa certa, — Carina disse calmamente.


— Você está. Eu não sei quais os dados que você tem nesse chip, mas o jeito que ele está
enviando seus cães à sua busca, o derramamento maciço de recursos para tê-la de volta ou matá-
la me diz que você é a chave para dar à Federação vantagem nesta guerra.
— Não é possível se evitar a guerra?
— É muito tarde para isso. Eu gostaria de pensar que se possa. Você conhece o nosso pai.
Eu apostaria dizer que você o conhece melhor do que ninguém. Será que ele vai simplesmente
desistir? Ainda mais com tudo o que você tem?
Ela soltou a respiração. — Provavelmente não. Ele está construindo algo ruim. Você já
ouviu falar sobre todas as explosões e encobrimentos? O portal ser fechado? Eu não posso evitar
achar que está tudo conectado. Ele está pior, sabe. Depois que você partiu e, em seguida, Petrus,
— ela sufocou um soluço e continuou, — uma vez que Petrus estava morto, e não tinha herdeiros
do sexo masculino, ele nomeou mais assessores. Ele não é o único no controle de seu gabinete,
Vincenz.
Os ombros de seu irmão congelaram rígidos, quando ele virou. — Você é muito
observadora. Precisa se certificar de dizer isso ao Ellis.
— Eu vou. Daniel diz que este Ellis é um homem brilhante. Percebi que eles estão muito
mais como pai e filho do que patrão e empregado.
— Todos do Phantom Corps são assim com ele. Eles estão fora da sua esfera, Carina. Estes
homens e mulheres fazem ações escuras.
Phantom Corps? O nome parecia se enquadrar às pessoas que ela conheceu até agora. — O
que você quer dizer? — Alarme deslizou até sua coluna vertebral, rompeu sobre sua pele.
— Estes Phantom Corps que o seu Daniel gerencia e é o proprietário, são sombras. Eles são
aqueles secos, mortais ventos que afloram e todos os animais correrem e se escondem. Esta
fidelidade que eles têm com Ellis, a maneira como ele é, sim, como pai deles, o que é que ele faz
que os torna tão eficientes?
— Como é essa escuridão? Mais escura do que qualquer outra pessoa que executa as
ordens que a maioria das pessoas não teria coragem de fazer? Você está insinuando que Ellis os
prejudica? Os força? — O pai deles muitas vezes utilizava as pessoas e coisas que seus soldados se
preocupavam para mantê-los na linha.
— Não tenho absolutamente nenhuma razão para pensar isso. Ellis é um homem temível.
Alto, largo, você pode ver a inteligência em seus olhos, sempre pensando, analisando, planejando.
Mas ele tem, tanto quanto eu vi, honra em sua própria essência. Seu povo o respeita porque ele
merece.
— Então por que o comentário? Se você sabe alguma coisa ruim, precisa me dizer agora.
— O que Daniel é para você?
Ela não se preocupou em jogar, sabia o que ele perguntava. —Eu o amo.
Ele grunhiu baixo em sua garganta e começou a andar. Ela o observou, pensando o quanto
eles eram parecidos embora não tivessem tido contato há muito tempo. Ele pensava sobre aquilo,
ela via as extremidades de suas emoções em conflito em toda a sua linguagem corporal. Ele
desaprovou, ela viu com bastante clareza na rigidez da sua coluna vertebral. Mas não totalmente.
136

Ela viu a suavidade da sua boca, ouviu a admiração na voz dele quando falou de Daniel. Seus olhos
se estreitaram quando ele ficou confuso com a forma de dizê-lo.
Ele parou de andar, fazendo uma pausa diante das janelas novamente, dando as costas a
ela. — Então, você disse lá em cima, mas eu esperava que fosse apenas uma provocação. Você
está apaixonada por um homem que mata para viver.
Ela cruzou as mãos no colo. —Estou. Você está chocado por eu saber disso? Eu o vi matar
homens para me salvar. Mais de uma vez. Ele também é um homem que salva vidas para viver. O
que você faz, Vincenz? Você salva pequenos animais peludos agora?
— Não é a mesma coisa! Você não consegue ver isto?
— Você está certo, não é, mas não da maneira que você está insinuando. Ele faz um
trabalho que muitos outros, a maioria dos outros não vai fazer. Mas ele precisa fazer, no entanto,
e você sabe disso. Você pode achar que é desagradável, mas nenhum de nós estaria aqui agora se
não fosse por Daniel Haws! — Ela se levantou. — Ele é um homem bom, um homem forte, que se
preocupa muito com seu pessoal e seu mundo. Ele tem a coragem de dar um passo na escuridão,
para que você e eu não precisemos. Eu amo-o por seu coração por sua força e, sim, porque ele
anda em lugares que eu não posso imaginar, todos os que eu não preciso imaginar.
— Eu não quero ver você se machucar.
Ela o abraçou. — A vida é cheia de mágoas. O que eu sinto por Daniel é lindo, e eu não
posso me arrepender, não importa como isso vai acabar.
Ele suspirou. — Como, ainda, você pode saber se o que sente é real?
— É uma questão filosófica? Porque tenho certeza de que você nunca teria a ousadia de
sugerir que eu não conheço minha própria mente.
Ele riu. — Você cresceu bem. Eu estou orgulhoso.
— O que é que traz inveja em sua voz quando você fala sobre eles? É algo entre você e o
Daniel?
Ele balançou a cabeça. — Não. Ele tem sido um amigo para mim. É um profissional. Eu
tinha pensado um dia ser agente com eles, também. Queria isso quando cheguei. Ellis disse que
não, e guiou-me para o Edge. Ainda estou lá, e ele estava certo em muitas maneiras. Eu vim
sozinho, construí minhas próprias habilidades, e sou bom no que faço. Acho que eu quero alguém
normal para você. Um homem que esteja em casa toda noite para colocar as crianças na cama.
Ele estava diferente agora do que tinha sido em sua juventude. Ela supôs que também
estava. O que eles viveram os havia mudado. Ela percebeu que levaria tempo para que
conhecessem um ao outro novamente.
— Eu não sei se alguma vez fui destinada para o normal. — Ela sorriu fracamente. — Mas o
que eu tenho, bem, é bom e correto. E eu sou grata por isso. Espero que você possa ver isso.
Espero que você possa confiar em mim e Daniel, também.
— Estou trabalhando nisto. — Ele ergueu a mão. — Vamos lá, imagino que eles estejam
trabalhando duro num plano para nos tirar, infernos, daqui.

Capítulo 16
137

Daniel suspirou, balançando a cabeça quando ela gritou-lhe seu ‘eu amo você’. Ele segurou
a mão para cima, cortando todas as perguntas quando entrou na área da cozinha, serviu-se de
uma caneca de kava e tomou um gole antes de falar.
— Obrigado por trazê-lo para cá. Tenho certeza que ela vai se sentir melhor, e ele tem bons
contatos também. — Ele sabia que Vincenz gostaria de falar com sua irmã sobre tudo, inclusive
sua despedida disparada para Daniel quando ela saiu da sala. Daniel considerava Vincenz um
amigo, mas não um que viu muitas vezes. Ele confiava no outro homem, o respeitava. Em seu
lugar, Daniel tinha sido hipercrítico do relacionamento da irmã com Roman Lyons.
Ele sabia que Carina amava o irmão, e ele não podia evitar uma pequena faísca de medo na
barriga de que ela o deixasse convencê-la que Daniel era errado para ela. Mesmo que ele fosse.
Mas, errado para ela ou não, ele a amava.
— Ela ama você? — Marame perguntou.
— Ela acha que sim. — Daniel tomou um gole de kava, buscando a calma, achando pouca.
— Ela ama, — disse Andrei interrompendo. — Ele sente o mesmo. Agora, como fazemos
para conseguirmos, infernos, sair daqui?
Grato pelas palavras do amigo, Daniel se afastou do balcão e se dirigiu para a área comum,
sentando à mesa grande. Tirou o comunicador do bolso. — Vamos começar.
— Recebemos a notícia de que você tinha sido incapaz de atravessar. Parecia o padrão do
Skorpios e outros militares à espreita. Eles estão fora dessa maneira porque vocês foram avistados
por alguns mercenários que lhes traíram. Um apareceu morto; imagine isto. — Julian encolheu os
ombros.
— Eu espero que todos eles apareçam mortos antes do final deste ano padrão. Cada. Um.
Deles.
Andrei acenou para Daniel. Essa traição não poderia ficar sem resposta, ou eles todos
fariam o mesmo pelo maior lance. Se não tinham honra, o medo iria servir bem. Em seus
dezessete anos fazendo aquilo, ele sempre encontrou ameaças de morte, enfatizadas quando
tinham que ser, eram uma ferramenta eficaz contra covardes.
— Nós temos um transporte particular no portal. Da melhor qualidade. Se conseguirmos
chegar até ele, ele vai ser aprovado para sair imediatamente. - Marame tinha o seu próprio
comunicador, projetando diversas rotas de seus furos para o portal.
— Então vamos nos certificar de chegar a ele.
— O que enfrentamos são duas colunas cheias de Skorpios. — Julian olhou para seu
comunicador. —Dados acabaram de aparecer. Eles sabem que estamos aqui.
Isso não era o suficiente para Daniel duvidar que pudesse conseguir Carina fora de lá, mas
temia que ela pudesse ter que vê-lo fazer aquilo acontecer.
Lá teria muitas mortes, porções de corpos empilhados, e seu objetivo era ter certeza de ser
o causador daquilo, não uma das vítimas.
— Nós precisamos de armas pesadas. Compartimentos cheios. Esta não será uma viagem
sigilosa, por isso precisamos ser capazes de passar.
138

Marame fez bem o seu trabalho, destacando as duas melhores rotas e configurando várias
eventualidades no caso do não cumprimento desses trabalhos. Seu maior ponto de exposição
seria assim que atingissem o centro interno da cidade do portal. Nenhum veículo era permitido,
por isso eles teriam que estar nas ruas, muito menos protegidos, muito mais lentos do que
estariam em um meio de transporte.
Daniel fez o seu trabalho para manter o foco fora do que eles estavam discutindo no andar
de baixo. A vida dela era fundamental tirá-la de lá, para um lugar onde os dados pudessem ser
excluídos. Se tivesse que mover montanhas para fazer aquilo, ele moveria. Por ela.
Ela apareceu algum tempo depois, e o olhar que Vincenz deu a ele, disse-lhe que o irmão
tinha sentimentos mistos, sobre o que ela tinha dito.
Ela se moveu para ele, tocando em seus ombros e apertando-se sobre o banco onde Daniel
sentou, assim ela poderia estar próxima a ele.
Foi então que ela viu os dados sobre as pessoas que tinham sido apanhadas no
ajuntamento para capturá-los. As pessoas que seu pai tinha executado. Ela olhou para aquilo, viu
os rostos, os arquivos, os nomes.
— Há um lugar para me limpar e descansar? — Daniel ouviu a tensão em sua voz, a
emoção. Seu olhar deslizou para Vincenz um momento, e os dois homens compartilharam suas
preocupações.
— Devemos permanecer no nível baixo durante o próximo dia mais ou menos. Há quartos
aqui. — Marame se levantou e apontou para uma porta no final do corredor. — Câmaras de sono
com uma suíte de banho situada entre os dois. Há comida. Nosso anfitrião pode ser um traficante,
mas ele tem muitas coisas boas para comer em sua despensa. Suficiente para perdoar muitas
transgressões. — Marame piscou.
Daniel pegou as respectivas mochilas. — Vamos te acomodar. Existem facilidades para nós
aqui para lavar roupa, fui informado. Tenho certeza que aqueles ao meu redor ficam felizes com
isso.
Seu sorriso estava lá, mas tenso em torno das extremidades.
— Você gostaria que eu dormisse em outro quarto? — Perguntou ele uma vez que estavam
no dormitório com a porta fechada.
Ela olhou para cima, assustada. — Não! Por que você faria isso? — Ela agarrou as mãos
dele, e ele deslizou os polegares sobre sua pele.
— Eu só quero que você esteja à vontade. Com o seu irmão aqui, eu — eu não quero que
você se sinta desconfortável.
Ela suspirou, balançando a cabeça. — Confio em você para me fazer sentir melhor, mesmo
quando você não sabe disso e age como se tivesse plumas no lugar do cérebro. Eu me sentiria
desconfortável com você em outro lugar. Estaria me perguntando se você estaria tentando se
distanciar ou se estaria com raiva. Gosto de você perto de mim, você não percebeu isso ainda?
— Não tenho idéia do que você está falando, mas estou bem aqui com você. — Ele olhou
as gavetas até que encontrou algumas roupas macias e quentes, que serviriam até que as deles
fossem limpas. Entregou para ela. — Por que você não me dá a sua roupa, e eu vou pô-las para
lavar com a minha?
139

Quando ela fez, entregando-o toda e se retirando para o quarto de banho, ele sabia que ela
estava profundamente incomodada com aqueles dados. Ele saiu do quarto, colocou as roupas
para lavar e retornou.
Ela havia fugido para a suíte de banho para trabalhar em suas emoções. Mas uma vez que
ligou a água da banheira, Daniel entrou no espaço como se tivesse sido convidado. Ela abriu a
boca para mandá-lo sair, mas ele começou a despir suas roupas, e quem era ela para negar-se à
glória do seu corpo?
O sorriso brincando em seus lábios lhe disse que ele tinha feito isso de propósito.
— Você está me distraindo com sua nudez e seu pênis. — Ela deslizou na água, molhando-
se e emergindo para encontrá-lo na água com ela.
— Não é para você.
Ela pensou em fazer uma brincadeira, mas depois decidiu não. — Você tem um chip na
minha cabeça? Sabe como eu me sinto? — Ela estalou.
— Eu venho fazendo isso a tempo suficiente para ter inocentes apanhados na missão. Mas
Hartley Alem não era inocente, Carina. Ele machucou dezenas de milhares de pessoas. Teria usado
você, quebrado você e não se importado. Isso não pode ficar assim. Só de saber que existe alguém
que queria prejudicar você, me enlouquece. Agora que eu sei que ele não é uma ameaça, me sinto
melhor, e assim você deve sentir-se também. Eu preferiria ter ele e os cães Skorpios de seu pai
mortos do que você ou sua mãe.
— Não é ele. Eu não me importo com ele. São os outros. Todas aquelas pessoas que foram
pegas em algo no qual não tiveram nenhuma participação. Eu trouxe isso para suas vidas.
— Seu pai causou tudo isto, não você. Não é preciso matar aos números que ele faz, mas
ambos sabemos que ele faz isso para o próprio prazer, para manter as pessoas com tanto medo
que ele possa derrubá-las. Por nenhuma outra razão além de mostrar às pessoas tudo o que ele
pode. Ele não tem nenhum plano. Mesmo a versão do seu avô de liderança tinha um ponto. Essas
mortes não são suas, encontram-se com ele. Todas elas.
Ela suspirou. Ele estava certo, mas doía mesmo assim. Ver quantas pessoas haviam
morrido, porque ela tinha fugido. Não era sua intenção, não o que ela queria. — Eu odeio quando
você é esperto, Daniel. — Ela se instalou contra ele quando ele começou a ensaboar os seus
cabelos.
— Desculpe doce. Eu vou emburrecer para você.
Os olhos ainda fechados, quanto ele enxaguou, ela sorriu e encostou mais plenamente
nele. — E enquanto nós estamos discutindo seus atributos, eu preciso adicionar algumas coisas.
Você tem honra, verdadeira honra, e você não tem nenhuma idéia de quão rara qualidade esta é.
Você também é muito bonito e forte, e me manteve viva todo esse tempo, quando o peso do
Império está tentando me caçar e matar.
— Nós estamos discutindo meus atributos?
— Você bagunçando o momento, — disse ela, tentando beliscar sua coxa, não encontrando
nada além de músculos.
— Obrigado, — ele murmurou baixinho em seu ouvido antes de alisar. —Quanto ao
salvamento?
140

— É o meu trabalho. E, na verdade, eu gosto que você esteja viva. Dessa forma eu posso
fazer sexo com você e te fazer rir. A diferença entre aquela fria, voz regia e sua encantadora risada
muito sensual é suficiente para fazer um homem duro como o ferro.
— Você é um lisonjeador. — Ela se lembrou de algo que ela queria perguntar desde o
primeiro momento em que ele a tocou. —Existiram outras?
— Eu não era virgem.
Ela resmungou e mergulhou no âmbito novamente, voltando para cima e empurrando seu
ombro para que ele virasse e ela pudesse retribuir o favor e lavar seu cabelo. — Você sabe o que
estou perguntando. Não sei por que você está sendo tão idiota e me fazendo trabalhar duro por
isso.
— Ai! Eu acho que o meu couro cabeludo está perfeitamente bem sem os puxões de
cabelos, doce. Pergunte-me o que você quer me perguntar. Eu não quero jogar com você. — Ele
congelou por um momento, se obrigando a inclinar a cabeça para trás para que ela pudesse
enxaguar seu cabelo.
— Você faz isso em suas missões? Sempre? Sabe... ter uma mulher.
Ele suspirou e se levantou. Ela observou muito feliz quanto ele ensaboou-se e enxaguou.
Ele pegou o pano de secar que ela lhe entregou quando saiu.
— Já tive mulheres em missões. Da mesma forma que fiz sexo com mulheres quando
estava em trabalho. Nunca tive sexo com uma mulher que era o meu trabalho. Mas, para
responder a pergunta que você está com medo de perguntar, não, eu não uso, nas missões,
mulheres para fazer sexo e depois despejá-las sem uma palavra enquanto as levo para casa.
Ela estreitou os olhos para ele quando ele se vestiu e, em seguida, moveu-se para ela. Ele
abotoou a parte de trás do vestido de inverno simples, mas muito quente, que ele havia lhe dado
anteriormente, tudo sem esperar ser convidado. Ela gostava disto. Muito.
Ela sentia que ele queria dizer mais, então ela permaneceu em silêncio enquanto escovava
os cabelos. — Normalmente não tenho ninguém comigo em missões, que não sejam da minha
equipe, de qualquer maneira, muito menos ligações amorosas ou sexuais. Tenho um trabalho a
fazer, e não existe, normalmente, nada para ser feito depois, além de ter certeza de que eu não
possa ser conectado com o corpo.
— Se estiver esperando que eu estremeça porque seu trabalho é diferente dos empregos
dos outros homens, vai esperar muito tempo. Você não me assusta.
— Eu sei. — Ele deu de ombros e encostou-se ao balcão. — É uma das muitas razões pelas
quais você me entende da forma que ninguém mais faz. Você, Carina. Ninguém jamais chegou
perto de significar para mim o que você significa.
— Você me ama. — Não era uma pergunta, e ele não respondeu. Homem teimoso. — Você
me ama, mas tem essa idéia imbecil de que não deveria dizer aqui, onde esta fêmea tola não pode
ter certeza de conhecer a própria mente.
Ele esfregou um pano sobre seu cabelo para secá-lo, olhos sobre ela, com a boca fechada.
— Eu também te amo. Você está com medo?
141

Ele se inclinou para trás, vestindo apenas calças frouxas penduradas perigosamente baixas
em seus quadris. Seus pés estavam descalços, uma visão que ela não conseguia decifrar com o
apelo devido, mas que sentia toda a força.
— Você me assusta em diversos níveis. — Ele sorriu, e ela o golpeou na barriga, que era
rocha dura e impermeável ao seu pequeno golpe. Pegando sua mão, ele trouxe-a aos lábios para
um beijo, e ela estava desfeita novamente.
— Não deveria estar dizendo ou fazendo isso, mas não consigo parar de quebrar as regras
quando você está em questão. Amar você não me assusta. Tenho quase quarenta anos, esperei
tempo suficiente para saber o que eu sinto e aceitá-lo. Mas você não tem a minha idade, e não
tem a minha experiência. As pessoas vão tentar dizer que você está errada e que precisa ver
outros homens. Isso me preocupa, até certo ponto, porque eu não posso estar com você em todos
os momentos quando retornamos. Tenho este trabalho, e não pretendo desistir dele. Vou sair, e
não vou poder dizer a você aonde vou. Algumas vezes, irei embora por um tempo, outras, em que
retornarei em um dia ou algo assim. Tenho medo que esteja sendo egoísta por não encorajá-la a
ver, primeiro, outras pessoas.
Ela o estudou por um tempo. Os homens eram criaturas estranhas, ela percebeu. Mas o
seu medo, o que ele tinha expressado, significou muito para ela. Quase tanto como a admissão,
por fim, de que a amava.
— Eu sabia que você me amava. — Ela beijou o seu peito e, em seguida, aconchegou-se
nele, envolvendo os braços ao ser redor. — Sei que as pessoas vão dizer que sou muito jovem, ou
que é só o perigo desta missão que me fez misturar desejo, com amor. Certamente me vai ser dito
para ver outros, porque eu poderia não conhecer a minha própria mente.
Ela se inclinou para trás o suficiente para olhar para o seu rosto. Queria que ele visse os
olhos dela quando ela lhe contasse o resto. — Venho de um mundo onde eu era negociada a um
homem com o qual eu nem consenti em casar, nem queria me casar. Minha vida inteira foi sobre
as pessoas me dizendo o que fazer o que pensar e em que acreditar. Tenho tido pouco espaço
para expressar meus próprios desejos. Preciso dizer que eu escolho você. Escolho, Daniel. É
importante para mim que as pessoas entendam isso. Eu não tive muita oportunidade de escolher
as coisas na minha vida. Estou aqui diante de você, nua de corpo e alma, e eu te digo, eu te amo.
Não preciso do pênis de outro homem no meu corpo para saber disso. Não preciso ir à jantares e
ser cortejada por homens que eu sei agora, que não estarão à altura do que eu quero: você.
Ele balançou a cabeça uma vez. — Tudo bem então.
— Preciso confessar que eu estou em dúvida sobre a rapidez com que você concordou. —
Ela olhou para ele cautelosamente, e ele riu.
Seu sorriso era sorrateiro nas extremidades, mas tão sexy e bonito, ele a desarmou.
— A verdade crua é que eu quero você. Eu quero você, e se você me quiser, também, eu
não vou defender que você faça nada além de estar comigo. — Ele deu de ombros, beijou sua
testa e saiu do quarto, deixando-a divertida e de joelhos, fraca.
Seu irmão estava vivo e ajudando a Federação. Ela não estaria sozinha. E tinha Daniel,
realmente, verdadeiramente. Depois de desejar alguém para amar, ele empurrou sua maneira em
seu mundo e permaneceu. Apesar de todo o mal, o bem vivia em sua vida, também.
142

Daniel, sorrindo, vestiu uma camisa antes de sair caminhando para o espaço comum, onde
Vincenz tinha juntado todos eles à mesa. Ele encontrou os olhos de Vincenz em linha reta. — É
bom ver você. Você fez a sua irmã muito feliz, no momento em que ela precisou saber que tinha
alguém do outro lado. E suponho que suas habilidades e conexões serão uma mão-na-roda,
também.—
Vincenz pensou por um momento e finalmente balançou a cabeça, elevou um copo de seu
jeito. — É bom ver você, também. Minha irmã está apaixonada por você.
Daniel notou que ele disse com firmeza. Não ‘a minha irmã pensa que está apaixonada’,
mas que ela ‘está’.
Isso foi um bom passo.
— Eu sei.
— Eu vou verificar a carne no forno. — Julian ficou de pé, arrastando Marame junto com
ele.
Andrei não se incomodou com desculpas, ele simplesmente se levantou e saiu da sala,
deixando Daniel e Vincenz sozinhos.
— Se você tem um problema, vamos ouvi-lo. — Daniel se inclinou para frente, tomou um
dos cigarros de Andrei e acendeu-o. Ele raramente ou nunca fumava em casa quando não estava
trabalhando, mas num dia desses Andrei iria apresentar a ele a conta por todos os cigarros que
Daniel tinha beliscado dele ao longo dos anos.
— Minha irmã conhece sua própria mente.
Isso surpreendeu Daniel. Não o fato de que Carina conhecesse a sua própria mente, ele
sabia isso muito bem, mas que Vincenz iria admitir isso tão facilmente.
— Entre os muitos atributos bons, sim, sua irmã, de fato, conhece a si mesma. — Daniel
resmungou, pensando nela.
Vincenz olhou para suas mãos e depois de volta para Daniel. — Você a ama? Eu nunca
acreditei que você possa tirar proveito de uma mulher, qualquer mulher, mas especialmente uma
tão vulnerável como Carina.
As palavras vieram depois de uma luta interna. Ele não era um homem propenso a falar
sobre suas emoções, muito menos com o irmão de sua mulher, mas ele devia isto a este homem,
que acabava de encontrar novamente sua irmã.
— Eu poderia dizer-lhe que não é da sua conta, mas é. Eu estive onde você está por isso,
vou ser claro. Eu nunca conheci alguém como a sua irmã. — Ambos os homens pausaram para
bufar. — Ela me fascina, me impressiona, ela é linda, inteligente e corajosa. De todas as mulheres
nos universos conhecidos, ela é a única pra mim. Sim, eu amo a sua irmã.
— Qualquer tolo pode ver. — Carina entrou na sala e colocou o pão na mesa. — Ele
devaneia de forma positiva sobre mim, Vincenz.
Surpreendido, Daniel riu. — Ela tende a ouvir conversas para as quais não foi convidada.
Vincenz revirou os olhos. — Ela era assim quando criança, também. Sempre interessada em
todos.
Ele abaixou-se quando Carina sacudiu a toalha que havia estado sobre o pão na cabeça
dele.
143

Os dois homens deram um ao outro uma última olhada considerando, e passaram


compreensão entre eles. Ela era deles para proteger, e eles esperavam que o outro sempre
mantivesse isso em mente.
Uma vez que o ‘tudo certo’ havia sido totalmente declarado por Carina e o pão entregue,
todo mundo saiu, levando comida e cerveja com eles.
Carina riu com eles, passou para fora pratos, contou histórias engraçadas sobre coisas que
Vincenz fez quando criança, tudo, ao mesmo tempo em que se abrigou no colo de Daniel, como se
nada mesmo estivesse errado com isso.
Marame só olhava fixamente, boquiaberta, por longos momentos, antes de sorrir e
balançar a cabeça. Daniel se sentiu um pouco desconfortável com isso, esse cruzamento de linhas
de pessoais e profissionais. Ele nunca tinha tido essa experiência antes. Isto o embriagava e
confundia. Principalmente sobre como apaixonar-se por Carina.
Ele tinha um trabalho e depois tinha sua vida pessoal. Mas isso era diferente. Nunca
realmente imaginara o tipo de glória desta ligação que tinha com ela, a sensação de que poderia
fazer tudo por ela. Até encontrá-la, não tinha sido algo que pudesse entender, ou talvez algo que
sequer quisesse, com medo de perder-se tão completamente.
E lá estava ele, sua vida em um pacote quente, sexy empoleirado em seu colo, seus dedos
entrelaçados com os dele. Não havia perda de si mesmo, contudo. Apenas uma sensação de união.
— Agora que nós conseguimos toda aquela coisa de garotos bobos entre o meu irmão e
Daniel fora do caminho, como vamos sair desta ‘Verse’?
— Vai dar algum trabalho. — Julian apontou para os mapas de novo. — Um monte de
munição, também.
— Ainda bem que todo mundo tem armamento suficiente para executar suas próprias
forças de segurança, então, hein?
Carina sentou-se. — Basta ter certeza que tenho algumas Blasters18 e muitas recargas.
Aponte-me, e eu irei.
— Aqui está o que vamos fazer. — E começaram a planejar como fariam o caminho para o
portal.

Capítulo 17
Uma mão a empurrou para o chão. Gritos soaram, envolvidos no pop, pop, pop de armas
de fogo. Ela permaneceu, agarrou os braços ao redor de seu tornozelo. Ele mudou de posição para
que ela repousasse entre suas pernas, mudou sua posição para protegê-la melhor. E ele fez tudo
automaticamente.

18
A blaster é uma arma à distância que dispara rajadas de energia de um feixe de partículas chamado
de parafusos blaster, de um bloco de energia recarregável. A arma mais comumente usada nas ‘galáxias’, os feixes
intensos de partículas compactadas das Blasters eram compostos de alta energia e luz intensa e podia
matar ou paralisar a se alvo, dependendo da sua configuração. Acho que não existe de verdade, Anakin
Skywalker usava uma variação desta arma no “Guerra nas Estrelas”.
144

Ela não olhou para os homens nas árvores, não olhou para os homens agachados no
seguinte tiroteio volta após volta, tudo pronto para matá-la. Eles não iriam prejudicá-la, ela sabia
isso instintivamente. Sabia que Daniel Haws mataria mil homens para salvá-la, sabia que ele daria
a vida por ela. Esta última parte a assustou mais do que os homens tentando matá-la. Esta última
parte era uma ameaça maior do que qualquer outra, porque ele era o seu tudo, e ela não iria
sobreviver se o perdesse.
Então, ela olhou para Daniel, o rosto dele, e manteve a certeza de que ninguém era melhor
do que ele. Passaram escudos regados ao redor da cabeça, brilhando na luz do sol com uma
espécie doente de beleza. Os que tocaram sua pele nua queimaram quando voltaram atingindo o
chão, ainda fumegantes. Seus sibilos metálicos soavam mais e ao redor dos outros sons, o caos. O
cheiro do pó no interior dos escudos pendurados no ar, ardência no nariz, fazendo seus olhos
lacrimejarem.
Seu rosto era austero, uma máscara furiosa, raiva justificada, um anjo vingador. Cada tiro
trouxe a energia repercutindo através da parte superior do seu corpo, e ela o observava fascinada,
pois saltou contra ele várias vezes, mas ele nunca perdeu o foco.
Todos em volta dela ouviam os gritos de raiva e dor, o barulho de percussão quando corpos
batiam no chão. O espesso perfume de cobre de sangue misturado com o cheiro dos escudos
gastos, a lavagem picante da camada de medo de tudo aquilo.
Eles foram emboscados quando se aproximavam do portal e se retiraram de volta a um
pequeno jardim fora da rua principal. Julian, Vincenz e Marame tinham se separados quando
Carina pegou sua Blaster. Andrei tinha se misturado, desaparecendo como fumaça, só para
aparecer em um momento num respingo de vermelho e desaparecer novamente.
Daniel, não admitia nenhum argumento, tinha-a empurrado para baixo e começou a atirar
contra os homens tentando encurralá-los. Ela enrolou em uma bola, não querendo escolher
aquele momento para pressioná-lo. Ele era o especialista. Ela não era tão estúpida para não
entender que quando um perito dava-lhe instruções, você as seguia.
Ela queria ajudar, mas queria que ele vivesse, queria viver. Então, permaneceu aos pés
dele, olhando para ele conforme a luz brilhava de seu cabelo escuro, como kava torrada tão
bonito, até mesmo como um anjo vingador, ele brilhava.
O pavimento de pedra, ela repousava em seu cotovelo estilhaçado, levando fragmentos de
pedra em sua pele. Ela mal segurou em seu grito de dor, mas cantou para o seu sistema, no
entanto.
Momentos depois ele disse seu nome, transportando-a até o seu lado enquanto ela lutava
para ficar de pé. Ele não a arrastou, simplesmente segurou-a com um braço, atirando com o outro,
quando eles dobraram um canto e Julian saiu, puxando-os para o edifício e batendo a porta atrás.
Se ela não estivesse tão aterrorizada, a bravura e enorme habilidade que ele mostrou a teriam
impressionado.
O silêncio se estabeleceu, após o ensurdecedor caos fora.
Daniel a colocou no chão em um canto distante, batendo levemente nela, segurando a mão
sangrenta dela como se ela tivesse feito aquilo de propósito. —Você está bem? Recebeu um tiro?
Diga-me agora!
145

— Eu — acho que não.


— Sangue! Carina, você está sangrando. — Ele tentou rasgar suas roupas atrás para olhar,
mas ela bateu nas mãos dele. Seu rosto estava firme, ele estava numa missão.
— Uma pedra estilhaçou. Bateu no meu braço. Estou cortada, não baleada. Pare! Pare com
isso! — Ela puxou o cabelo dele, com força e, finalmente, ele pareceu ouvir.
Ele congelou, piscando várias vezes até empurrar a mão dela de uma única vez. — Fique
aqui. Não se mova.
Como se ela fosse com ele em tamanha situação escorregadia! — Mandão — ela conseguiu
dizer, e os seus ombros aliviaram um pouco na medida pretendida.
Marame olhou e sorriu. Andrei estava de repente, de joelhos, olhando-a, uma pergunta
nos olhos. Vincenz ficou perto das janelas, fora de visão, mas olhando a rua. De vez em quando,
ele olhava para Carina, e ela sorria, tranqüilizando-o.
— Mova-se, — disse Daniel para Andrei. Ele instalou-se a seus pés e começou a limpar-lhe
o braço, quando Andrei moveu-se para o lado.
Andrei pinçava os pequenos estilhaços de pedra para fora dos ferimentos.
Julian retornou — Nós temos que nos mover. Eles não estão muito longe, indo de casa em
casa. Ela pode continuar? — Ele indicou Carina com a ponta do queixo.
— Eu estou bem. Apenas alguns cortes. — Ela estava de pé, e Daniel enfiou o kit de
primeiros socorros em sua mochila colocando-a nos ombros, não se deslocando além de um braço
de distância dela.
— De onde diabos foi que eles vieram? — Daniel resmungou, olhando com mais raiva do
que ela já tinha visto nele.
— Uma bala atingiu...
Ele se virou para ela, a fúria se fora, deixando doçura em seu rastro. Deslizou um dedo
sobre o lábio inferior dela. —Não, doce, nada disso.
— Eu não sei de onde os soldados vieram, mas sei que precisamos sair caralhos daqui, e
agora. — Vincenz deslizou sua pistola de volta para o coldre. —Sabíamos que haveria Skorpios
aqui, e a população está debaixo dos dedos deles o suficiente para quererem conseguir um crédito
rápido e fazer o favor de acabar com essas invasões. Não posso culpá-los, acho.
Marame olhou para cima, de onde estava trabalhando em seu comunicador pessoal. — O
portal não está longe. Algumas de nossas pessoas estão trabalhando em um desvio. Quarenta e
dois. Documentos limpos estão prontos para ir a qualquer momento.
— Vamos lá. Armamento quente. — Andrei colocou a cabeça para fora da porta. —
Estamos prontos.
Daniel empurrou-a para fora, mantendo o seu corpo na frente dela. Eles podiam ouvir os
soldados apenas uma rua mais ou menos ao longe, quebrando portas, gritando ordens.
Um bloqueio acima, e eles podiam ver o portal, apenas à distância. Perto, o suficiente para
chegarem lá correndo se tivessem o caminho limpo.
— Você vai ficar comigo. — Daniel colocou a mão em seu rosto. —Eu não vou deixar nada
acontecer com você.
— Eu sei.
146

Ele pareceu satisfeito com essa resposta quando pararam em um canto.


— Os soldados estão enchendo as ruas. — Marame correu até eles.
— Corra. Atire em qualquer coisa que entrar no caminho. — Com isso, Daniel inclinou,
jogou a para cima e por cima do ombro e começou a correr.
Engraçado como o mundo parecia visto das costas de um homem, quando uma garota
estava de cabeça para baixo. Muito bem, o bumbum dele estava em seu campo de vista, e era um
ótimo bumbum, ela percebeu não pela primeira vez. Outros traseiros eram atraentes, ela sabia,
mas este aqui ela tinha nas mãos, incitando-lhe mais fundo quando ele transava com ela. Este era
dela.
— Eles estão vindo, — ela gritou, se contendo e tentando não impedir nenhum de seus
movimentos.
Soldados fluíram atrás deles, correndo, gritando em comunicadores de pulso para eles
pararem. As ruas perto do portal foram fechadas ao tráfego de veículos, salvo para os bondes que
corriam do portal para a parte da cidade, onde os visitantes podiam encontrar alojamento, e viajar
na ‘Verse’.
Ela viu os uniformes e sabia que era o seu povo, Skorpios, misturados com soldados de
elite de todo o Império. Ela sabia até mesmo quando levantou o braço e disparou contra eles.
Soube mesmo quando um deles caiu, um florescer de sangue em seu peito. Soube que eles nunca
tinham sido o seu povo, sabia que eles eram instrumentos de seu pai com o qual se mutilava e
torturava outras pessoas para manter o povo na linha.
Passos íngreme, para o elegante transporte particular que precisavam para sair do Império,
e para o Edge, um passo mais perto, um passo, mais seguros.
Na parte superior, Andrei tinha as portas abertas, e Carina nem sequer teve tempo de se
opor, quando Daniel a lançou para ele. Jogou-a! Andrei a pegou com uma risada e rapidamente
inclinou-a aos pés, derrubando-a através da porta para que ela pudesse pousar em pé.
— Eu sei a forma de conseguir a partida do navio, — ela citou, movendo-se para o convés
de vôo. Graças aos deuses pela paranóia de seu pai. Ele nunca tinha confiado nos capitães de
transporte, de modo que ela tinha sido treinada para operar o transporte para ele. No fim, ele
estava convencido de que era impróprio ter sua filha fazendo o trabalho manual, e ele a proibiu,
mas todo o tempo que passara no assento do operador de transportes voltou quando ela deslizou
para dentro da cadeira e começou a aquecer o navio para o deslize no portal.
— Deixe-me saber quando todo mundo estiver dentro. Tenho permissão para partir, — ela
gritou sobre os sons da batalha atrás de si.
— Vá! Agora!
— Coloque o cinto. — Subitamente, Daniel estava ao lado dela, assegurando-a em seu
lugar, enquanto se estabelecia próximo.
Ela ouviu a porta bater e o painel iluminou tudo em verde, indicando que eles tinham
travado todas as portas e que era seguro ir. Ela apertou o botão para liberar as braçadeiras
mantendo-os ao cais, murmurou uma rápida oração para a segurança e apertou o acelerador.
— Nós estamos bem. — Vincenz jogou-se num banco próximo. — Vocês dois estão ilesos?
147

Daniel aquiesceu. — Tenho um tiro de Blaster queimando na minha panturrilha. Preciso


limpá-la e colocar um pouco de gel sobre ela.
Carina virou-se e viu a poça de sangue em sua perna. — Você idiota! Por que não disse
logo? Quanto tempo você tem isso?
Ele enviou um sorriso presunçoso à sua maneira. — Ei, eu não sou idiota. — O beijo que ele
pressionou em seus lábios enviou alívio através dela. — Não é a primeira vez que fui ferido em
trabalho, doce. Isso acontece. Também significa que eu sou um gênio em indumentária de campo
de batalha. Já que estamos seguramente longe, posso tomar meu tempo e até mesmo colocar a
perna para o alto até que o gel faça efeito. Se estivéssemos lá ainda, eu teria que andar por um
tempo antes que eu pudesse remediar isso.
— Isso deveria fazer-me sentir melhor? — ela perguntou depois de configurar os
marcadores de navegação.
— Sim. — Ele beijou-a novamente e desapareceu atrás na embarcação.
— Vai ser difícil. — Marame falou do seu lugar para Carina à esquerda.
— O que?
— Cada vez que ele for para o trabalho, você vai se preocupar. As pessoas querem
prejudicá-lo. É assustador imaginar perder alguém que se tornou tão essencial para sua vida
quanto respirar.
— Você está... você está com um de seus companheiros de esquadrão, colegas de equipe,
o que vocês chamam um ao outro? — Carina gostava de Marame e esperava que ela não
respondesse que Daniel fora dela uma vez.
— Eu estive.— Ela olhou Andrei brevemente. — Por um tempo.
— Será que isso era mais fácil quando você estava com ele numa missão?
— Às vezes. Ou eu me convenci de que sim. Mas a verdade da questão é que, não é. Eu
posso estar lá, mas tenho um trabalho a fazer também. Assim como você. Não posso imaginar que
você vá se sentar ao redor como uma princesa, quando retornar. Embora haja muitos que insistem
em fazer exatamente isso.
O transporte em segurança prosseguindo, ela virou o rosto para Marame. —Por que as
pessoas presumem que eu sou inútil?
Marame sorriu. — Quem se atreveria? — Ela riu, e Carina relaxou um pouco. — Oh,
querida, eu não quero dizer que espero que você faça isso. Espero que você destrua isso tudo e
decida ficar com o Daniel. Só estou dizendo a você o que esperar. Se você nunca quis ser forte,
precisará ser agora.
— Como assim?
— O Império tem quase a mesma postura sobre classes que a Federação tem. Isso não será
uma surpresa para vocês, tenho certeza. Você será, na medida em que muitos estarão
preocupados, uma das pessoas mais bem classificadas na Federação. Eles vão querer marcar você
com isso. E de certa forma você estará protegida por isso. Mas essa Classificação levará você para
longe de Daniel. Ele não pode ter uma princesa. Ele pode ter uma mulher sem classe. Como eu.
148

Carina girou, rangendo os dentes por um momento para a própria idéia. —Que porra é
essa? Ele não pode ter você! Ele é meu, e eu vou arrancar o seu coração para fora do peito, se
você fizer um movimento na direção dele.
Marame riu, acenando com a mão para Carina. —Já chega de soldados para mim, muito
obrigada. Daniel é um homem bonito, forte, fiel, corajoso. Ele é um dos homens mais sexies que
eu já conheci. Mas ele está estupidamente apaixonado por você. Eu nunca o vi olhar para ninguém
do jeito que ele te olha. O que eu quis dizer foi que nosso mundo é governado por Classe. Você é
ele não é.
— Eu não me importo com o que os outros pensam. Se Roman Lyon quer a informação que
eu levo, ele vai ter que aceitá-la sabendo que eu não tenho planos de jogar com o mesmo tipo de
sistema que me levou para o seu lado, para começar.
— Roman não esperará isso, a propósito. Roman quase desistiu de seu assento na cabeça
do Conselho do Governo e da Casa de Lyons por Abbie. Abbie é agora, o que me diverte muito, a
mulher de mais elevada Classificação da Federação.
— Abbie? Irmã de Daniel, Abbie? Ela é casada com Roman Lyons? — Ela caiu de volta em
seu assento. Como ela poderia não ter pegado isto!
— Tenho certeza que ele não teve muita oportunidade de compartilhar com você, sem
medo de ser ouvido. Mas, sim. Ela vai te amar, por sinal. Basta confiar nela, ela vai proteger você
daqueles que querem empurrar você numa linda caixinha de classe.
Não muito longe, Daniel tinha envolvido sua panturrilha, aderindo o gel curativo especial
na queimadura da blaster. Os nanites19 iriam limpar implacavelmente a carne queimada e
substituí-la com pele fresca e tecido cicatrizado. Foi algo semelhante ao que todos Phantom Corps
realizavam com eles, que os médicos usaram para curar as feridas de sua irmã, tantos anos antes.
— Você está bem? — Andrei partiu para a área comum, fora das salas comunitárias de
banho.
— Sim. Não é muito ruim, considerando. Essas não são as probabilidades que eu gosto. Se
tivéssemos sido apenas nós, teríamos sido ferrados dez vezes mais. Marame, Julian e Vincenz
pesaram favoravelmente a balança. — Daniel passou a colocar a perna sobre uma cadeira
próxima. Ele queria ver Carina, mas suas emoções estavam muito cruas naquele momento. Ela
tinha visto a parte mais escura dele praticamente diariamente desde que se conheceram. Tinha o
visto matar e a etapa sobre os corpos que ficaram no caminho. Ele não sabia como começar essa
aproximação.

19 Nanite, também conhecida como nanomáquina, nanorrobôs, ou outras variações semelhantes do prefixo, é
uma máquina projetada em uma escala muito pequena. Uma vez que nanomáquinas são tão pequenas, eles
tiram seu nome do termo nanômetro, que é um bilionésimo de um metro. Nanites têm um número de usos
diferentes, mas são mais comumente associados com os campos da biomedicina. Atualmente, a nanotecnologia
ainda está em fase de investigação e desenvolvimento, e o nanite não serve à aplicações práticas existentes.
Não há prazos traçados de quando as nanomáquinas poderão ser construídas, que são consideradas seguras o
suficiente para concluir astarefas previstas. Embora a investigação e o desenvolvimento tenham ainda um longo
caminho a percorrer, os cientistas estão muito animados com o potencial de um nanite. Como uma unidade
muito pequena, pode realizar uma série de tarefas diferentes. Aplicações específicas poderão ser para o
tratamento ou a detecção da doença, a vigilância da saúde, auxiliando em cirurgias e muitos outros.
149

— Isso e sua fúria fizeram com que ninguém se atrevesse a prejudicar Carina. Você foi
como cinco homens lá fora, Daniel. Estou bastante convencido, de que você poderia ter feito todo
o dano por si mesmo, se tivesse que fazer.
— Não tive. Felizmente. — Ele olhou para Andrei.
Andrei deu de ombros, reconhecendo a gratidão, e o assunto foi encerrado.
— Ela fez um ótimo trabalho hoje.
Daniel não poderia deixar de sorrir ao falar de como ela havia sido naquele dia. — A nossa
princesinha é totalmente gata selvagem quando acuada, não é? Ela esteve usando a blaster
enquanto eu corria, disparando mesmo de cabeça para baixo. — Ele balançou a cabeça na
memória daquilo. Estava tão orgulhoso dela, de quão corajosa e inteligente ela fora. Ela não
desistiu, escutou ordens e salvou a todos por ter o transporte pronto para ir uma vez que tinham
conseguido chegar do lado de dentro. — Vocês são bons juntos. — Andrei acendeu um cigarro.
— Ela preenche algo dentro de mim. — Mantinha a escuridão longe, o fazia lembrar que
era humano primeiro. — Eu sei que não sou certo para ela. Sinto-me culpado. Ela tem tantas
opções agora, e se eu não me colocar de lado, ela vai perder essa chance. Como posso fazer isso
com ela e dizer que a amo? O que eu tenho para oferecer-lhe de qualquer maneira, Andrei?
— Nunca soube que você era tão garotinha. — Andrei levantou uma sobrancelha. — Uma
versão adolescente. Torce as mãos e tudo. Você a ama, Daniel, você é um cabeça dura estúpido,
ou não iria sequer pensar essas coisas. Você a escuta, a respeita, daria sua vida por ela e não
porque ela é sua obrigação. E quanto ao que tem para oferecer a ela? Um homem que a adora. Eu
ouvi que as mulheres gostam disso.
Daniel soltou um grunhido. — Ela é Carina. Quem não gostaria de adorá-la? Ela é linda,
inteligente, engraçada, pode disparar e impulsionar o transporte de fuga. Realmente, como pode
um homem resistir a isso?
Andrei bufou. — Nenhum homem vai, seu estúpido fodido. Daniel, você é constantemente
o mais alto membro representante da corporação militar. Você freqüentemente supera, dispara,
ultrapassa tudo o que for. Porque está sendo tão idiota nisso?
— Sim, eu gostaria de saber, também. — Carina entrou no quarto, imediatamente
cutucando suas bandagens. — O que é isto?
Ele não poderia deixar de rir. — É nanite gel para a queimadura.
— Sério? — Seus olhos se arregalaram. — Isso é amplamente disponível? Isso pode salvar
muitas vidas.
— Tem sido utilizado no tratamento de trauma extremo já há algum tempo. Minha irmã
teve isso quando ela era mais nova. Eles conseguiram colocá-lo no tamanho de kit de
medicamentos, por isso é o modelo padrão para todas as equipes de operações especiais e
militares. Eu acho que eles vão trabalhar em obtê-la em kits caseiros depois disso. É caro, mas sim,
salva muitas vidas.
Apesar de sua desconfiança inata das autoridades, o que era irônico, dado o seu trabalho,
ele entendeu o quanto bem as famílias que corriam pela Federação fizeram. Abbie só os fez
melhor.
— Eu adoraria conversar com alguém sobre isso quando nós chegarmos a Ravena.
150

Ele balançou a cabeça. — Claro.


Andrei saiu, Daniel observou enquanto olhava ao redor do quarto.
— Agora, de volta à pergunta original.—
— Que era qual? — Ele lambeu os lábios.
Ela cruzou os braços sobre o peito e olhou para ele. — Está com fome? Pergunta estúpida,
claro que está. — Ela fez um movimento de cabeça para a cozinha, mas ele agarrou-lhe a mão,
puxando-a de volta para sentá-la em seu colo. Quando os seus braços a cercaram, ela suspirou
baixinho e se derreteu contra ele. O mundo parecia bem novamente.
Ela enviou-lhe um olhar exasperado. — Ninguém vai me convencer a ficar com ninguém
além de você, então você deve ter isso na sua cabeça dura. Sim, eu escutei. Eu ouvi muito do que
você disse. Se você me ama, você vai me ouvir agora. Talvez eu tenha sido virgem quando nos
conhecemos, mas eu não era uma virgem burra. Pretendo reivindicar o meu direito de Classe, e
depois pretendo fazer com que você se case comigo. Você que me roubou, depois de tudo.
Ele respirou fundo, começou a discutir, mas o olhar que ela mandou, lhe disse que nunca
iria permitir isto.
— Vai ser difícil para você. Eles começam a formar filas elegíveis dos homens classificados
no momento em que for anunciado que você está em Ravena.
— Daniel, meu doce, eu tive isso minha vida inteira. Se pude segurar meu pai por tanto
tempo como eu fiz, acho que posso lidar com Roman Lyons. Que é ouvi, recentemente, o seu
cunhado. Se Abbie é boa o suficiente para ele, certamente como o paraíso, você é bom o bastante
para mim.
Ele sabia que Abbie iria insistir em ajudar. Era o seu jeito. Ele sabia, também, que uma vez
que Abbie se nomeasse a guardiã de Carina, não importaria quantos homens iriam querer ter uma
conversa com ela.
— Você vai gostar dele. Roman. Sabe o que significa liderar em todas as melhores
maneiras. Quase bom o suficiente para Abbie. Ela é... bem, eu começo a me perguntar sobre a
segurança do tecido do espaço-tempo com vocês duas na mesma ‘Verse’. Há um limite de fêmeas
mandonas e teimosas que o mundo pode suportar. — Ele piscou, e ela beliscou-lhe.
— Ai. Perversa. — Esfregou o local do seu lado e depois agarrou seu pulso delicadamente.
— Como assim?
— Tudo bem, tudo bem. Já vou limpar. Vincenz diz que a viagem é rápida, apenas uma
questão de horas.
— Esta parte é, sim. Existe primeiro um ponto de partida. Você já esteve fora do Império?
Ela balançou a cabeça.
— Bem vinda à Federação, então. — Levantou-se e cuidadosamente evitando colocar
muito peso na perna dele. O gel já estava trabalhando, a dor menos intensa, mas ele não queria
piorar as coisas. — O ponto de passagem é muito desolado em uma ‘Verse’. Mas nenhum
alojamento para os trabalhadores que o pessoal da estação do portal. Nós vamos arquivar
documentos lá, mas continue indo em direção ao núcleo.
— Neste? Nós vamos ficar neste transporte? — Ela aconchegou-se a ele, seu medo claro
em sua voz.
151

— Sim, neste. É rápido e leve. Se o forçarmos, podemos estar em Ravena, em mais dois
dias.
— Então, estamos finalmente a salvo?
Ele deu de ombros. — O mais seguro que podemos estar dadas as circunstâncias. Ao
chegar, eles vão processar nossos documentos. Essa é a última grande coisa. A administração a
caminho desta estação é supostamente independente, mas é de onde um monte de informações
conseguiu passar no escândalo que está balançando a Federação agora mesmo. Julgamentos por
traição de familiares. Centenas de pessoas morreram. Nós pagamos nossos subornos como todos
os outros. Esperemos que isso vá ser suficiente. Se não, bem, nós vamos trabalhar então.
— Eu confio em você.
Ele esperava que sim.

Capítulo 18

Carina esperou por ele, aconchegada em sua cama confortável no quarto minúsculo. Eles
tiveram dificuldades algumas horas antes, quando chegaram à estação de Waypoint, mas
escutaram os instintos de Andrei e se esconderam. Foi uma boa escolha, pois tinham sido
abordados e revistados por horas, até que eles não tiveram escolha senão deixá-los ir.
Eles haviam saído do portal e ido em direção ao núcleo, logo que tinham sido autorizados a
sair. A essa altura, seus músculos das pernas tinham começado uma cãibra próxima ao quadril, e o
pobre Daniel, uma cabeça mais alto, estava torcido para cima, como pontaria, o tempo que tinha
caído para fora do compartimento.
Uma refeição tinha levantado o espírito de todos, e, em seguida, Daniel, tinha insistido com
ela para descansar, enquanto enviava uma transmissão codificada ao seu comandante. Ela caiu no
ninho quente de cobertores, negociando sua camisa por uma das suas.
Ele a tinha abalado naquele dia. Não pelas razões que ele acreditava. Ah, ela sabia que ele
se achava violento demais para ela. Como se ela fosse uma flor preciosa! Mas ele tinha sido tão
masculino, tão feroz e não deixou que nada o impedisse de colocá-la nesse transporte. Nunca
havia sentido esse tipo de atenção e foco. Todas essas coisas o faziam ser quem era o tipo de
homem, em quem ela não conseguia parar de pensar, um homem em quem ela confiava com o
coração e a vida. Mas a partir de coisas que ele dissera, tinha a nítida sensação de que ele pode ter
sentido que ela o julgava pelo assassinato dos homens.
E ela o julgou, julgava que ele moveria montanhas por ela. Além disso, era porque ele faria
qualquer coisa em seu benefício.
Como ela não poderia estar apaixonada por aquele homem?
Ela sabia que enfrentava alguns problemas com as diferenças no status social, mas não se
importou. Nenhum deles tinha qualquer poder sobre ela. Os dados codificados naquele chip
152

estavam em sua proteção. Se eles não quisessem deixá-la ficar com Daniel, ela insistiria ou não
lhes daria os dados.
Pode ter detestado o pai, por muitas razões, mas aprendeu a controlar as pessoas, como
controlá-los com o medo e o amor, e se tivesse que jogar um jogo sujo para conseguir o que
queria estar com o homem que era para estar, o faria sem culpa.
Ele devolveu Vincenz de volta à sua vida. Parte dela viu a diferença nele, ele era um cínico
agora, onde o menino e adolescente tinha sido muito mais idealista. Mas ainda fez um trabalho,
ele sabia que era importante, e por todo o seu discurso sobre o Corps Phantom ser diferente, ela
se perguntou se parte dele não estava invejoso por não estar nas fileiras. Parecia haver uma
história lá, e ela esperava que eles conseguissem a oportunidade de visitarem-se muito mais
quando eles chegassem à Ravena.
Preocupou-se de que família de Daniel não gostasse dela. Preocupada com todos os tipos
de coisas que ela sabia que não podia controlar. Essa coisa que ela tinha com Daniel e que sentia
ser preciosa, a ameaça de perder-lo, que a espreitava no fundo de sua mente o tempo todo.
Ela deslizou a lâmina da faca em toda a pedra de afiar mais e mais, da forma como Daniel
havia lhe mostrado anteriormente. As chances eram que ela não teria que usá-la, agora que o eles
estavam em território da Federação, mas uma moça deve ter sempre uma faca afiada.
Ela riu alto com o quanto sua vida mudou em tão pouco tempo e por sua vez, o quanto ela
sentia como isso combinava com ela. Será que ela pretende fazer isso o tempo todo? Infernos,
não! Não conseguia imaginar, como Daniel administrou todo o medo e preocupação com tanta
calma. Mas ela gostou da idéia de que ela pudesse se proteger. Ela sabia-o agora. Antes, ela tinha
formação, mas não teste real. E tinha um homem, um homem e amor. Ela deu um salto e foi
aterrorizada, ainda estava muitas vezes a cada dia. Mas sobreviveu e continuou. Isso era algo para
se orgulhar.
Algum tempo depois, a porta se abriu e ele entrou o cabelo ainda molhado do banho, a
pele perfumada com o sabão que usou. Uma toalha pendurada baixo, na cintura, deixando-a sem
fôlego, porque ela sabia o que estava por baixo.
— Você andou pelo transporte assim? — Ela perguntou, sorrindo quando ele jogou a
toalha de lado e subiu na cama com ela.
— Apenas do chuveiro até aqui. Ninguém me viu. Andrei viu tudo isso antes, e Marame
está muito ocupada discutindo com Vincenz o melhor tipo de munição para Blasters para perceber
a minha toalha.
Ela rolou em cima dele. — Ninguém está ocupado demais para notar a sua toalha, Daniel. É
uma muito impressionante... toalha.
— Eu aprecio a sua proteção à minha honra.
Ele tinha um sorriso sexy. Enviou arrepios pelo corpo dela enquanto ela balançava contra o
seu pênis. Eles se encaixavam tão bem, perfeitamente. Ela sempre teve curiosidade sobre sexo,
tinha espreitado ao redor para ver o que podia, mas nunca imaginou quão totalmente ardente,
que poderia ser, e não apenas o ato físico real, quando isso ocorreu. Isso a espantava a tinha
encantado, tinha-se tornado essencial para ela, e ela adorou.
153

— Tire a sua calcinha. — Ele quase ronronou aquilo quando tocou as pontas dos dedos
delicados sobre as bandagens no braço dela.
— Você é tão irresistível. — Ela sorriu baixinho à sua maneira, inclinando-se para beijá-lo.
Quando ela se inclinou para fazer isso, ele agarrou a cintura da camisa dela, da sua camisa, e
deslizou-a sobre sua cabeça.
— E sorrateiro.
—Minha mãe me diz isso o tempo todo. Geralmente depois de eu liberar uma torta ou
duas. Ela as assa quando está preocupada, feliz ou triste. É tudo para o bem. Sua calcinha ainda
está posta, Carina.
— Minha. Topo de classe para você. — Ela ondulou, provocando-o até que ele
simplesmente arrancou-a para o lado, expondo a boceta para o seu pênis. Ambos deixaram
escapar um gemido áspero quando ele fez contato com sua carne nua.
— Você está tão molhada. Eu poderia escorregar em você agora mesmo. — Ele brincou em
torno de sua entrada, empurrando apenas um pedaço pequeno e puxando para fora.
— E você não está fazendo isto por quê?
— Porque te provocar é muito divertido.
— É? — Ela passou para baixo, estabelecendo-se entre as pernas dele. Seu pênis estava
duro, e ela simplesmente tomou o tempo que queria para olhá-lo, para esfregar sua bochecha do
saco até a cabeça. Foi quando ela decidiu lamber toda a pérola lisa na fenda, que eles dois
estremeceram com um gemido de prazer.
Ele tinha um gosto tão bom.
Usando as mãos e a boca, ela marcou o ritmo, lambendo em torno da coroa, em seguida,
chupando-lhe, até onde ela podia antes de puxar de volta novamente. Ela sabia que algumas
mulheres desprezavam este ato, mas ela não conseguia obter o suficiente dele, do seu gosto. Ele
era masculino e salgado, picante.
Ele tentou conter-se, ela sentia a tremor de seus músculos. —Não se segure comigo,
Daniel.
Ele gemeu sua cabeça batendo de um lado, para o outro momentaneamente.
— Você gosta disso? — Perguntou ela, lambendo em cima da cabeça enquanto seus olhos
estavam fixos no dele.
— Merda, sim. O que te dá uma pista disso? Os gemidos? Eu implorando?
— Eu poderia fazê-lo implorar? Sério?
O seu rosto perdeu sua tensão como ele sorriu e depois riu. — Carina, não há ninguém
como você. Não em qualquer lugar, Jamais. Por favor, por favor, chupe o meu pênis.
— Certamente. Eu não posso dizer não para um pedido desta natureza encantadora.
Desta vez, quando ele se aproximou e tentou puxar ela de volta, ela se recusou a mover.
— Eu vou gozar. Deixe-me estar dentro de você quando eu fizer.—
— Você vai estar. Primeiro na minha boca, depois na minha... boceta. Eu quero isso, Daniel,
por favor.
154

Seu gemido era desesperado, e ele parou de tentar segurá-la. Em vez disso, ele rolou os
quadris, encontrando-a quando ela moveu a sua boca até ele. Não muito, mas apenas o suficiente
para que sua necessidade a cavalgasse também.
Quando ele gozou, ela saboreou a essência dele, que estava nela. Surpresa por poder
evocar tal resposta de um homem.
— Dê-me alguns minutos. Depois que eu me recuperar, vou retribuir o favor e então vamos
transar.
Ela moveu-se para cima, encaixando nesse ponto contra o seu corpo, sua cabeça encostada
em seu ombro. — Então, eu fui bem?
Ele riu. — Doce, você foi muito mais que bem. Você foi perfeita.
— Ótimo. — Boba, do quão se sentia segura contra ele naquele momento. Mas sentia-se
assim. — Então você conseguiu levar a mensagem para o seu chefe?
— Sim. Eu também enviei uma breve nota à minha irmã dizendo-lhe para esperar um
visitante em sua casa por um tempo quando você chegar.
— Eu estarei com você! Você vai fazer isso para sempre? Você está sendo injusto. Diz que
quer ficar comigo, e então me empurra sobre outra pessoa.
Ele teve a audácia de revirar os olhos para ela. — Pare de tirar conclusões precipitadas,
pelo amor de Deus.
— O que mais eu posso fazer quando você joga essas barreiras entre nós a cada chance
que tem?
Seu suspiro foi quase um rosnado. — Quando chegarmos lá, você será levada de mim
instantaneamente. Eles não se importam que você queira que eu esteja lá. Eles vão estar à volta
sobre os negócios de salvar os cidadãos da Federação de mais guerras e derramamento de sangue.
Quando eu fiz o registro de entrada, descobri que tinha havido dois ataques, desta vez com
agentes biológicos. Faelene foi colocada em quarentena, seus cidadãos extremamente afetados
por uma doença que eles erradicaram, ou que pensaram que fizeram, sobre gerações da Terra
atrás, chamada disenteria. Fez a água não potável. Os idosos e as crianças são as mais atingidas. É
uma doença simples e devastadora que torna inúteis a população nas questões do intestino e
desidratação. Eles têm equipes lá agora, tratando os doentes, a limpeza da água, eliminando os
mortos.
Ela sentou-se, com as mãos sobre a boca. — Meu pai fez isso?
— Temos toda razão para acreditar que sim. Então, quando chegamos, eu vou ter que ir e
ser interrogado, o que pode demorar um pouco. Eles vão usar exames para ver o que eu vi, além
para escolher cada imagem. — Ele deve ter visto o pânico em seu rosto. — Não, isso vai ser
filtrado. Ninguém além do operador do scan verá. É o trabalho deles; esses dados são
imediatamente apagados. — Ele a segurou pelo pescoço, e ela relaxou um pouco.
— Você também vai ser interrogada e será levada para um lugar onde eles podem acessar
os dados sem prejudicar você. Eu posso ser enviado em outra missão, dependendo do que eles
encontrarem. Só quero que você esteja segura e com as pessoas que eu confio enquanto eu
estiver fora. Parte do meu trabalho envolve estar longe, eu lhe disse isso. Nada disso muda o
quanto eu quero estar com você. Nada disso muda a fato de que quando você chegar lá, quando
155

as coisas se acalmaram e certa rotina se instalar, você pode mudar de idéia. Eu não posso recusar
lidar com a realidade, porque você não quer.
— Veja, você me teve até as frases finais. Por que todo mundo continua fazendo isto?
Como se eu fosse tão superficial que me afastaria de você quando visse coisas brilhantes e
homens com posição!
— Alguém realmente deveria ter me dito sobre mulheres serem uma enorme dor no
traseiro antes de eu me apaixonar por você. — Ele suspirou, e ela pensou em chutá-lo por alguns
momentos.
— Eu certamente não sou sua primeira mulher, Daniel. Tenho certeza de que antes de mim
tinha os atributos do sexo feminino. — Ainda assim, ela não perdeu o comentário sobre
apaixonar-se por ela, se irritou antes que percebesse e estalou fora de si, firmando sua
determinação.
Ele resmungou então. — Tire esse olhar do rosto, Carina. Imagine se você congelasse dessa
maneira toda a sua vida e de agora em diante, as pessoas pensassem que você acabou de comer
algo azedo ou estava prestes a dar palestras sobre religião.
Oh e que humor! Ela tentou não se mover, não sorrir, mas não conseguiu. — Você fica
quieto. Está fazendo parecer que eu sou uma aberração ou algo assim.
— Sabia que o termo aberração veio da Terra? Costumava haver esses espetáculos
itinerantes, que empregavam pessoas com diversas deficiências físicas para entreter a multidão.
Eles eram chamados de aberrações.
Ela congelou, olhando-o, achando-se mais uma vez desarmada e encantada. Ele era uma
ameaça.
— Por que você faz isto? Estou pronta para estar zangada com você, você faz isso e eu não
posso ficar porque você é charmoso e engraçado e, dane-se tudo.
— Você se esqueceu ‘certo’. Você sabe que eu estou certo. Não estou tentando te mandar
embora, você é uma irritante bela dor no meu traseiro. Estou tentando lhe dizer o que esperar.
Estou tentando ter certeza que está segura e num lugar onde você pode suportar tudo isso. Sua
presunção é incorreta.
Bem, talvez fosse um pouco presunção sua. Mas se ele achava que ela iria tomar mais
deste absurdo sobre como ele não era certo para ela, ele estava errado. Mas era
consideravelmente doce, ele cuidar dela, no entanto.
— Pedi à Abbie para representar você, ou pelo menos ser sua defensora durante o
processo. Wilhelm é um bom homem, mas ele tem um emprego, um trabalho que vem antes de
tudo. Roman vai manter você segura, mas é Abbie quem irá defender você. Estão todos com medo
dela, o que lhe servirá bem. De qualquer forma, eles vivem em um complexo. Eu acho que você vai
estar em casa com a imensidão da casa e os terrenos.
Ela fez um beicinho, já imaginava isso, mas não queria ficar com ninguém, queria estar com
ele. Ponto final.
— Se eu tiver que sair em outra missão, aliviará a minha preocupação saber que os mais
poderosos da Federação estão do seu lado e te protegem. Quando eu estiver com o trabalho
156

concluído e assim que te libertem do interrogatório, nós podemos falar sobre onde viver. Tenho
um apartamento, mas não é lugar para um casal.
Ela franziu a sobrancelha, e ele riu. O temor de que ele estivesse tentado empurrá-la em
alguém mais passou, e ela esfregou-se contra ele descaradamente.
— Vejo que você está se sentindo melhor agora. — Ele virou-a e então estava em cima. —
Devo comer sua boceta então? Fazer você gozar com tanta força que gritará meu nome?
Ela assentiu com entusiasmo à medida que ambos riram.
Sua boca na barriga dela estava quente e úmida. Mas não era aquilo que ela queria. —
Espere. Eu tenho outra coisa que eu preciso, ao invés disso.
— E o que é querida? — Ele acariciou sua barriga, enviando prazer deslizando através ela o
suficiente que quase fazê-la esquecer o que estava prestes a dizer.
— Mais! sobre suas costas.
Ele sorriu e virou-se. Ela pairava sobre ele, vendo quão incrivelmente lindo ele estava. Toda
aquela força e coragem, e ele era dela.
— Você é a minha recompensa. Eu decidi. — Ela se instalou escarranchadamente em seu
colo.
Ele engoliu em seco, o seu pênis endurecendo contra sua boceta quando ela esfregou-se
sobre ele.
— Como é isto?
— Bem, quero dizer, eu deixei muito para trás. Hartley Alem realmente agarrou meu seio
quando ele pensou que seria aquele a livrar-me da minha virgindade.
Daniel ficou tenso, travando os seus dentes.
— Eu não me arrependo que ele esteja morto. Entretanto não acredito que por um
momento, ele fizesse parte de uma conspiração para me tirar do Império.
Daniel deu de ombros, mas não disse nada. Ele sabia alguma coisa, ela poderia afirmar.
— Você gostaria conversar sobre o assunto? — Ela arqueou uma sobrancelha para ele.
— Eu preferiria foder você. —
— Grr. — Ela levantou-se um pouco, agarrando ele em torno da base e guiando-o em linha
reta em seu corpo quando se abaixou.
— Os níveis doces do paraíso, isto é tão bom.
O poder de fazê-lo sentir-se bem rolou por ela. Que um homem como ele fosse atraído,
não, que ele a achasse irresistível, que a quisesse tanto quanto claramente queria a fez sentir-se
como uma rainha.
— Monte-me então, Carina.
Ela se preparou, descansando seu peso sobre seu bíceps quando começou a subir e descer
em seu pênis. Cada vez pegava-a no caminho, girava os quadris, surpreendendo os dois com quão
boa era a sensação.
Corpo a corpo, coração e mente interligados. Isto era tudo que o sexo poderia ser e muito
mais.
— Eu sou mimada. — Ela sentou acima, arqueando suas costas para consegui-lo mais
profundamente.
157

— Como assim? — Ele resmungou.


— Você é claro! Olhe para você. Minha primeira experiência foi a melhor, que eu poderia
ter pedido. Você arruinou-me para todos os outros.
Ele riu. — É bom saber.
Ela podia ver o esforço nos músculos dele, o esforço para deixá-la ficar responsável pelo
ritmo. Ela valorizou muito aquilo e secretamente encantou-a testar o seu controle.
— Diga-me alguma coisa. Ensine-me.
— Você vai me matar, — ele murmurou suor brilhando, em seu tórax.
— Tolice. Você é um homem resistente, duro. Firme e em boa forma. Ensine-me alguma
coisa sobre sexo.
— Eu pensei que era isso que estava fazendo. Apesar, para ser honesto, de você estar indo
mais do que bem a esse respeito.
Ela sorriu para ele, fazendo-o rir.
— Eu notei que você gosta disto. — Ela pressionou totalmente para baixo, circulando seus
quadris com ele profundamente dentro dela.
— Sim, — ele ofegou. — Isso funciona. Se você quiser continuar a matar-me, tente apertar
os seus músculos internos.
— Oh! Isso não me ocorreu absolutamente. — Ela fez aquilo, e ele gemeu, segurando-a no
lugar antes de deslizar as mãos acima nas suas costelas e escavando os seus seios. O sorriso que
ele tinha lhe disse que eles haviam se envolvido em um jogo para ver quem conseguia fazer o
outro o mais sensível.
— Vamos ver aqui, — disse ele preguiçosamente, por um lado traçando a mão até sua
barriga, os dedos desfraldando sua boceta aberta. — Tão solitária aqui, toda brilhante e molhada.
Quando ele deslizou a ponta de seu dedo sobre seu clitóris, rodando e rodando,
aumentando sua pressão, ela sabia que ele estava ganhando.
Risos a sacudiram e ele tentou um olhar severo. — O quê? Já que estamos aprendendo
coisas e tudo, rir de um homem quando ele está tentando fazer você gozar é considerada uma
coisa ruim.
— Eu estava rindo, — a respiração era mais curta agora enquanto ele a puxava para o
clímax, — sobre o quanto você está ganhando, e então me lembrei que de qualquer forma, eu
ganho.
— Ok então. — Ele sorriu e fez alguns movimentos especiais de agente secreto sobre seu
clitóris, e ela disparou para o orgasmo com tanta força que, provavelmente, arrancou sangue dele
quando as unhas cavaram em seus braços, onde que ela estava agarrada. Com ele dentro dela,
sentia-se diferente, o orgasmo era maior, mais intenso. Era como se nunca fosse parar quando ela
arqueou as costas para conseguir mais.
Ele deu um gemido áspero e descarregou profundamente dentro dela. Ela sentiu cada
espasmo do pênis quando ele gozou.
— Eu sempre soube que adorava a escola, — ela murmurou e caiu para o lado. Ele riu,
segurando-a quando se renderam ao sono.
158

Capítulo 19

— Nós estamos quase em Ravena. — Daniel caminhou, preocupado com o futuro.


— Abbie e Roman vão nos encontrar no transporte. Ela vai cuidar de Carina, você sabe
disso. — Marame bateu levemente em seu braço.
— Eu vou estar aqui por algum tempo, para ajudar na transição dela, também. — Vincenz
falou do seu lugar na mesa, onde se debruçaram sobre alguns recentes relatórios de violência na
fronteira.
— Eu não preciso de cuidados! Sou adulta. O que preciso é que Daniel não seja mandado
em alguma outra missão assim que chegamos.
Daniel olhou para Carina. —Eles podem decidir que você está mentindo para eles e colocar
você na prisão, ou pior, enviá-la de volta. Não tome isso levianamente, Carina.
— Por que eles fariam isso? Daniel, eu os estou ajudando. — Carina sentou-se à mesa, o
seu olhar só deixando-o ocasionalmente. — Eles não fizeram isso a Vincenz.
— Eles não confiaram em mim por algum tempo. Não por inteiro. Foi Ellis e seu apoio que
me ajudaram muito. Não dê ao Daniel um momento difícil, Carina, este é o mundo dele. Meu
mundo agora. Infernos, o seu mundo, mas, isso é política. Você sabe disso. Não deixe o amor
turvar seu cérebro. Você é inteligente; vai precisar dessas habilidades — Vincenz olhou para sua
irmã, e Daniel percebeu naquele momento o quanto ele queria que Vincenz o aprovasse, não
como um soldado, ele apreciava isso, mas como correto para a sua irmã.
— A política induz a escolhas ruins às vezes. — Daniel estava saindo de seus pensamentos
imaginando todos os resultados possíveis. Embora tivesse confiança em Wilhelm e Roman, e ele
sabia que suas posições seriam de protegê-la, era impossível não se preocupar.
Wilhelm tinha deduzido que havia alguma coisa acontecendo, e precisava acertar o terreno
rapidamente. Se possível, designaria uma de suas equipes e permaneceria em Ravena com Carina.
— Se você pensasse isso, não estaria me levando diretamente para eles.
— Ele quer que você seja racional, querida. Ele é um homem grande, protetor que tem que
abrir mão do controle sobre a coisa que mais significa para ele no mundo. Isso torna os homens
loucos. Eles ficam muito mais em pânico e absurdos sobre essas coisas do que as mulheres. Este
também é o trabalho dele. Ele protege a todos nós: eu, o resto de nossas equipes, a Federação. O
mais protetor, mandão e controlador homem que eu já encontrei. — Marame, claramente se
divertindo, piscou para Carina, que riu.
— Oh. Eu não tinha pensado nisto, mas você está tão certa. — Carina piscou para ele.
Daniel suspirou, tentando não se divertir com essa brincadeira do sexo feminino e quase
fracassou. — Vocês duas acabaram de zombar de mim e das minhas preocupações?
Ela franziu a testa um pouco e depois se moveu para ele, abrindo caminho para o seu colo,
que ele tinha certeza que fez sua reputação de liderança dura, ridícula. Mas quando ela fez isto,
ele não conseguia se lembrar do por que ele se importaria.
159

Um querer dela, de tudo o que ele podia ser com ela, brotou de dentro dele, segurando
com elementos tão poderosos que ele ficou momentaneamente abalado. Ele nunca tinha se
permitido desejar como isto, a ferocidade do que era totalmente novo.
Ele percebeu quando enterrou o rosto em seu cabelo que a queria antes, mas não esperava
que ela ficasse, teria retido parte de si mesmo para se preparar para o inevitável, quando ela se
afastasse. E agora, com a presença dela contra ele desse jeito, não havia volta. Ela inclinou a
cabeça para trás e então depressa surgiu para beijar seu nariz. Deuses.
— Eu amo você, — ela disse enquanto ele respirava dentro dela. Esta mulher o deixava
ardendo em chamas, e ele nunca seria capaz de recusar-lhe nada. Ela o pegou de uma forma que
ninguém mais poderia.
— Vou fazer tudo que puder para escoltá-la para os escritórios de Wilhelm, onde poderá
ser entrevistada. Não tenha medo.
Ela Inclinou a cabeça. — Daniel, eu amo o quão protetor você é. É impressionante e
lisonjeiro, e me faz sentir tão feminina. Se você confia em Wilhelm Ellis e Vincenz confia nele, ele é
confiável.
Sentando-se, ela se moveu para o espaço ao lado dele. Estendeu a mão para alisar o
polegar sobre a linha de expressão entre os olhos dele. — Você não pode fazer tudo por mim. Eu
vivi na corte de Ciro Fardelle a minha vida inteira. Tive que manter meu rosto vazio quando
pessoas eram executadas tão perto de onde eu estava sentada, respingos de sangue, em toda a
minha bainha. Sou uma pessoa adulta que pode lidar muito bem quando precisa.
—Aqui vamos nós —, Julian gritou da plataforma, onde guiava o transporte através do
extenso processo de ancoragem do portal para Ravena.
—Eu vou estar tão feliz em dormir na minha própria cama, — disse Marame. —Está tudo
ótimo e tudo mais, mas é como o penúltimo dia de uma viagem de volta para casa para ver sua
família nas férias. Sabe?
A risada do grupo aliviou o humor um pouco, mas o puxão em sua barriga quando eles
foram autorizados, fez lembrar-lhe que ele já tinha alguma coisa importante. E algo importante a
perder.
Ela não queria que ele soubesse isto, ele estava preocupado o suficiente, mas Carina estava
com medo. Com medo que eles fariam exatamente o que ele estava preocupado. Ela estaria
universos longe de uma casa fechada para ela de qualquer maneira. À deriva, sem ninguém para
ir.
De pé, sua mão na parte de baixo das suas costas, ela esperou simplesmente no interior
das portas dos transportes, por Roman Lyons entrar.
Em vez de um homem, o que se lançou propriamente dentro foi uma mulher, uma
pequena com o cabelo escuro, tal como seu irmão. — Daniel! Você foi ao território inimigo! Sem
me dizer nada?
Daniel franziu a testa por um longo tempo e depois relaxou com um sorriso. Ele se inclinou,
abraçando e beijando sua irmã em cada face. Quando recuou, colocou sua mão sobre a barriga,
simplesmente um breve instante. O coração de Carina derreteu um pouquinho mais, sabendo que
160

ele provavelmente não tinha notado que tinha cumprimentado o bebê na barriga da irmã,
também.
Daniel olhou para o homem que estava logo ao lado de Abbie, o homem que olhava para a
irmã dele com tanto amor, Carina quase sentiu como se tivesse tropeçado no quarto deles em um
momento íntimo. — Eu disse que seria prudente manter essa informação em uma pasta onde
algumas pessoas não pudessem vê-la.
— Eu receio que seja minha culpa.
Carina olhou para cima, e depois um pouco mais até que encontrou o rosto bonito e
imponente do homem que havia falado.
Ele curvou-se, surpreendendo-a com a sua graça inata. — Sra. Fardelle, por favor, aceite
minhas boas-vindas ao Território da Federação e Ravena. Eu sou o comandante Wilhelm Ellis, e é
um grande prazer conhecê-la.
Ela corou quando ele a beijou nos dedos.
— Tudo bem então, não deveríamos ir? Eu não gosto de estar aí fora, tão exposto. —
Daniel intensificou.
O olhar de Abbie aguçou sobre o seu irmão por um momento e voltou-se para Carina, a
especulação no olhar. — Sou Abigail Haws Lyons. Oficialmente, estou aqui como sua
representante. Isso significa que eu vou mantê-los no lado direito da lei e das suas necessidades,
tanto quando puder. Você aceita minha representação?
Daniel estendeu a mão rapidamente e deslizou a mão sobre os ombros dela.
—Sim, obrigada. — Carina não sabia o que deveria fazer, mas esperava que fosse o
suficiente.
Abbie perdeu a maneira formal e, em seguida, deu um sorriso genuíno. —Agora que isso
está fora do caminho, sou Abbie, irmã de Daniel. Você vai ficar conosco por tanto tempo quanto
quiser ou precisar.
Carina pestanejou grata e contente, a irmã dele parecia gostar dela, mas também ainda
infeliz, por aquilo significar que Daniel não estaria com ela.
— Eu gostaria de estar onde Daniel estiver. Agradeço sua oferta, aprecio, mas quero estar
onde ele estiver. — Direto com aquilo. Ela queria deixá-los todos saberem qual era a situação
entre ela e Daniel, assim não haveria nenhum disparate sem sentido de classes sociais.
A área ficou subitamente bem silenciosa por um momento.
Daniel começou a falar novamente até que o outro homem estava à frente. —Eu receio
que Daniel tenha alguns trabalhos fora da ‘Verse para fazer em breve. Sou Lyons Roman. Estamos-
lhe gratos por este serviço e oferecemos-lhe refúgio.
— Obrigada. — Ela apreciou, e teria sido rude, não responder, mas agora ela tinha outras
coisas para dizer. —Por que alguém não pode fazer esse trabalho? Ele não pode ser o único com
competência para fazê-lo. Preciso dele aqui. Ele arriscou a vida e salvou a minha em várias
ocasiões. Parece bobagem mandá-lo quando ele é o homem que fez a minha existência aqui
possível.
— Senhor, esta área está exposta. Nós realmente deveríamos estar nos movendo para
fora. — Daniel falou baixinho para Ellis, que assentiu com a cabeça agitadamente.
161

— Vamos mudar essa conversa para um local mais seguro, — Ellis gritou antes de virar para
Roman. — Senhor, nós concordamos que esta seria uma reviravolta muito pequena, se você
lembrar, depois que eu expressei a minha sincera e estridente oposição à sua presença e de sua
esposa. Existem vários alvos principais neste transporte.
Roman olhou Carina cuidadosamente e Daniel gemeu.
— Eu pergunto-lhe esta questão o tempo todo, sabe. — Abbie apertou a mão de Carina
conspiratoriamente.
— Saindo agora, — disse Daniel firmemente.
— Minha proteção está externa também, — Ellis chamou.
Daniel conversou com os outros, e tomaram seus lugares ao redor de Abbie, Roman e
Carina. O humor tornou-se mais solene quando eles abriram as portas e começaram a descer uma
série de etapas para outra plataforma.
Ela queria ver o lado de fora! Durante todo esse tempo que ela teve essa idéia de Ravena,
principalmente através das memórias de outras pessoas e pontos de vista, e queria ver se poderia
corresponder aos contos.
Daniel queria estar ao lado de Carina, mas ele sabia que Marame era muito mais do que
capaz. Ele manteve uma vigilância, tentando localizar alguma coisa fora do lugar na multidão
abaixo quando milhares de pessoas se juntaram ao redor, chegando e partindo. Carga movida ao
longo de uma rampa logo abaixo dos passageiros. Os vendedores venderam os seus produtos, as
crianças brincavam no lugar designado para saída para que seus pais fossem capazes de gerenciar
qualquer carga a ser carregada.
A energia do portal tocou ao longo da pele de Daniel enquanto eles continuaram a se
mover. Ele questionou o que Carina pensaria deste lugar. Isto era o melhor que o Universo
Federado tinha para oferecer. Não apenas a cidade deste portal, mas Ravena em si. Será que ela
também amaria o cheiro dos espetinhos picantes flutuando sobre os carros? Eles eram tão
diferentes, ele pensou, não pela primeira vez.
O Alarme picou a parte de trás do seu pescoço, e ele se virou, olhando através dos olhos de
sua arma e viu que na rampa de carga um macho rebentando de uma caixa, apontando um lança
foguetes na direção deles.
— Para baixo, — ele gritou. O seu comunicador pessoal registrou a ordem, e os guardas de
Ellis começaram a ventilar para fora na plataforma abaixo.
A explosão atingiu quando ele se jogou sobre Roman, ainda gritando ordens aos guardas
para prender o atirador e sua localização. No seu outro lado, Ellis debruçou-se sobre Abbie. Armas
de fogo soavam quando ele se moveu até conseguir visão. Relatos soaram em cima do seu
comunicador: o atirador estava morto, a área protegida.
Uma equipe médica chegou, e Daniel se contorceu, o nome dela em seus lábios enquanto
verificava ferimentos em Roman. Roman não estava interessado, empurrando Ellis de lado para
chegar a Abbie.
— Carina, — ele gritou. Atrás de onde eles estavam estava carnificina total. Vincenz
levantou-se com a ajuda de um médico. O braço parecia estar quebrado, sua roupa parcialmente
queimada.
162

Julian retirou um soldado longe de uma pilha de corpos. Daniel pulou sobre escombros
para chegar até eles. Carina estava lá.
Ele começou a rezar em sua cabeça. Poderia ter sido em voz alta, ele não sabia. Ela não
podia ter desaparecido, não depois de tudo que eles tinham experimentado para consegui-la aqui.
Suas mãos começaram a tremer enquanto continuava a dar ordens aos seus homens.
— Marame, merda, merda! — Disse Julian, com choque em sua voz. Daniel atravessou os
escombros. Viu o que aconteceu com Marame. O pesar o atingiu o seu núcleo.
Foi quando Daniel avistou por um momento aquele cabelo claro. Algo que a prendera no
lugar, e ele saltou para frente para ajudar. Alívio percorreu-lhe enquanto ela se sentava
lentamente, aparecendo ilesa. — Marame? — Carina inclinou para frente quando Daniel a puxou
para ele.
— Ela se foi — ele murmurou.
— Ela me empurrou para fora do caminho. — Lágrimas escorriam pelo rosto de Carina
quando ele a pegou.
—Você gritou, e ela se virou e me empurrou para trás, em direção à entrada. Ela salvou-
me.
— Nós temos que tirá-la daqui, para a segurança, Daniel, — disse Vincenz, seu braço em
uma tipóia temporária. — Não sabemos se eles têm outra emboscada montada.
Daniel conhecia Marame por muito tempo. Sua equipe, sua vida não seria a mesma sem
ela.
— Julian, fique aqui com ela. Você pode fazer isto? — Ele sabia que Julian e Marame eram
tão próximo como irmãos. Julian poderia manter seu corpo em segurança, lidaria com a remoção e
o contato com sua família. Poderia ajudá-lo a processar a dor.
Julian olhou para cima, o alívio em seu rosto, e balançou a cabeça. — Sim, senhor, é claro.
Vou relatar-lhe logo quando nós... — a voz escolheu sumir por alguns momentos. —Assim quando
nós tomamos conta dela.
Sentindo-se rasgado de mil maneiras, Daniel desceu para a plataforma e fora da estação,
onde os veículos militares esperavam.

Capítulo 20

— Houve três ataques separados hoje, ao mesmo tempo, — Ellis falou enquanto se servia
de uma bebida e empurrava um copo em direção a Daniel. —Aqui em Ravena. Em outro local,
quarenta e oito mineiros foram mortos num bombardeio em Nondal. Ele está se movendo.
— Na merda da minha ‘Verse’. Na merda do meu controle, e na merda da minha vigilância.
Estes animais poderiam ter matado minha esposa e meu filho. Eles poderiam ter matado meus
homens. Isso deve ser tratado de tal forma que eles entendam para nunca fazerem isso
novamente. — Roman virou a olhar para Ellis e esvaziou o copo em um último gole.
163

— Isto é sobre o chip, Roman. Temos que conseguir esses dados do chip. O que sabemos é
ruim o suficiente. O restante dos dados é fundamental. — Ellis começou a andar.
— Carina está descansando agora. O médico disse que seria melhor para a saúde dela se
você esperasse até amanhã, e eu estou dizendo agora que você terá que passar por mim para feri-
la mais hoje. — Daniel disse isso com os dentes cerrados.
Ellis levantou a cabeça, estudando-o antes que ele falasse novamente. — É um mau
negócio, agente Haws, apegar-se à carga. —
— Com o devido respeito, Comandante, foda-se.
Isso chamou a atenção integral de Roman quando ele colocou o copo sobre uma mesa
baixa, observando, mas sem dizer nada.
— Ela não é uma carga. Ela arriscou a vida para vir aqui e nos ajudar. Minha agente perdeu
a sua vida para proteger a de Carina. Não vou ter a saúde dela comprometida mais do que está
agora. E isso é muito mais do que eu preferiria. Suas informações preciosas podem esperar até
que Carina tenha descansado.
— Temo que eu tenha que concordar. — Abbie entrou na sala.
Roman saltou, jogou as mãos para o ar com frustração. — Deuses, maldição! Abbie ponha
seu traseiro de volta na cama.
— Você vai ficar grisalho com todo esse stress, Roman. Sente-se. Eu estou bem. — Ela
empurrou o marido na cadeira e, em seguida, subiu em seu colo. Não que ela estivesse cedendo.
— Eu sou a advogada dela, e vou-te dizer que vou discordar vivamente de quaisquer planos para
lidar com aquele chip hoje. Tenho a documentação oficial dos próprios médicos dela
aconselhando isto, e vou levar a sua vida, pelo menos, a alguns níveis do inferno se você perturbá-
la antes de amanhã.
Ela bocejou um pouco, imaginando quão assustada ela poderia ter estado em outro caso,
mas todos naquela sala sabiam que ela ia fazer de tudo para prejudicar quaisquer planos, além dos
que ela aprovasse para aquela ocasião.
Daniel manteve o rosto tão em branco quanto podia, mas piscou à sua maneira, quando
ninguém estava olhando.
— Você não está bem. Alguém poderia facilmente ter te matado hoje. Ou ao bebê. —
Roman colocou a mão sobre a barriga, e a irmã de Daniel inflexível se inclinou para seu marido,
seus olhos deixando cair fechados um momento quando uma sombra de tristeza atravessou seu
rosto.
Daniel teve aquele momento ‘poderia-ter-sido’ durante todo o dia, os revivia o tempo
todo. Sua irmã poderia ter morrido, o seu amor poderia ter morrido. Roman poderia ter morrido.
Sua amiga morreu.
— Marame, — disse ele, em pé. — Tenho que fazer uma chamada, certifique-se de que a
família dela foi informada e o enterro seja cuidado.
— Está feito. Meu assessor fez o telefonema algum tempo atrás. Sua família estará aqui em
breve para reivindicar os restos mortais. Eles vão cuidar de seu apartamento. Sua mãe insistia que
era algo que tinha de fazer, então eu ordenei que fosse lacrado até que eles cheguem. — Ellis
serviu mais um drinque. — Levo para o lado pessoal quando o meu pessoal é morto.
164

— Eu também. Julian vai precisar de algum tempo afastado. Meu pessoal vai precisar de
um memorial de algum tipo. Presumo que ela vai receber uma condecoração póstuma por seu
serviço e valor.
— Vai ser feito. Entretanto, você precisará do relato da missão. Vou fazer isso sozinho, e
então você pode ir até ela. Não vai prestar atenção ao meu conselho sobre isso e, já se apaixonou
por ela. — Ellis olhou Abbie, afeto claro em seu rosto. — Vocês, Haws, e sua total falta de respeito
pelas regras de classes.
— São regras idiotas, Wil, e você sabe disso. — Abbie se moveu para levantar, e Roman fez,
também, trazendo-a para cima com ele.
Wil?
— Vou colocar você de volta na cama. — Roman moveu-se para a porta, seu braço
segurando Abbie no corpo. Daniel gostava de ver como ele era protetor, mesmo que desaprovasse
trazê-la para o portal, em primeiro lugar.
Então novamente, dizer algo à Abbie e esperar que ela obedecesse se sentisse que não
tinha que obedecer, era um jogo perdido. Um que Daniel tinha jogado a vida inteira.
Foi tudo culpa dele de qualquer maneira por pedir-lhe para ser defensora de Carina. É claro
que ela sentia que tinha que ir para o portal.
— Não pense que eu não sei que vocês vão falar sobre mim quando me colocar lá em cima.
— Você é sempre o assunto de nossa conversa, — Daniel gritou. — Se você não fizer como
Roman diz, eu trago Nyna e Mai. À sua escolha.
— Vocês todos se uniram contra mim assim. — Ela fez beicinho quando Roman a guiou
fora do comodo, fechando a entrada codificada à medida em o que fazia.
— Eu vou gravar isto. — Wilhelm bateu algumas teclas no comunicador. —Comece pelo
Início. Vamos começar a digitalização quando você trouxer Carina amanhã para o centro de
medicina, para a extração desse chip.
Ele relaxou como Wilhelm tinha pretendido, e as perguntas começaram a sério. Ele abriu-
se e começou a falar.
Carina estava acordada quando Daniel entrou na enorme suíte que lhe dissera que seria
dela enquanto ela desejasse. Ela estava sentada em uma cadeira, fingindo ler um livro, e levantou-
se, indo para ele.
Só quando ele a abraçou, só quando ela tinha certeza de que era sólido real e vivo, ela
soltou um longo suspiro.
— Como você está se sentindo? — Perguntou ele, delicadamente, mas com firmeza,
colocando-a de volta na cadeira. — Deveria estar dormindo.
— Eu dormi. Chorei. Tomei um esboço de dor, passeei, olhei para fora das janelas ao longo
deste encantador pátio interno e, estive preocupada. Estou pronta para dormir agora.
Ele colocou as botas no armário e deslizou para fora as varias armas, colocando-as em uma
prateleira acima dos sapatos. — Acho que eu vou ter que separar meu eu que existe agora do meu
eu depois do nascimento do bebê. Não pode ter armas espalhadas para dedos pequenos
conseguirem pegar.
165

Carina o observava enquanto ele falava, pelo medo de emitir sons. Havia muita coisa lá,
espreitando abaixo da superfície, então ela o esperou revelar.
— Está com fome? Quente o suficiente? — Ele perguntou quando lhe permitiu conduzi-la
para a cama, mas o agarrou, puxando-o para baixo com ela.
— Estou feliz por você estar vivo, — sussurrou ela, olhando para o teto azul claro.
Ele pegou a mão dela, a mão sem ferimentos, a outra tinha sido quebrada, e tinha
queimaduras graves em seu pulso e antebraço.
— Eu estou... — A respiração dele engasgou e, alarmada, ela rolou para enfrentá-lo,
pressionando seu corpo ao dele, quase chorando quando ele embalava seu braço com cuidado,
tudo isso enquanto ele soluçava. Ela não sabia o que fazer. Esta manifestação era visceralmente
profunda, e mais provavelmente acumulada por décadas. Um homem como ele não chorava de
maneira regular, mesmo diante de coisas horríveis, e ela não tinha dúvidas, depois de hoje, que
ele tinha visto mais do que sua cota de coisas horríveis.
A desolação naquele som, a angústia e o medo, a raiva, soavam como se ele soltasse tudo
em grandes, estremecidos goles. Ela segurou as próprias lágrimas reprimidas, sabendo que ele
queria que ela fosse forte naquele momento, para deixá-lo ser a pessoa quebrada, ainda que
apenas por uma vez.
Algum tempo depois, ele limpou a garganta, arrastando as costas da mão sobre os olhos.
Ela segurou-o tempo o todo, tentando tão duramente com o corpo dizer-lhe que não estava só,
que ela estava lá e viva. O que eles tinham juntos estava lá e vivo.
— Eu sinto muito.
— Pelo quê? — Ela manteve o rosto enterrado nele, respirando-o.
— Por tudo. Foda-se, estes são dois lados fodidos.
— Você tem ombros muito fortes, — ela meditou.
Ele fez uma pausa. — O quê?
— Por todas as culpas que você assumiu. Tem os ombros largos, então eu suponho que
deva ajudar.
— Não é engraçado, Carina. As pessoas estão mortas. O meu pessoal está morto, civis, 22
crianças que estavam esperando para entrar em um transporte com as famílias que estavam
emigrando para Sanctu.
— E então, você sente muito.
Ele gemeu.
Ela inclinou-se, ficando cara a cara com ele. — Por salvar a minha vida hoje? Por me amar?
Por salvar Abbie e Roman? Por ir buscar-me pelo território Imperial com alianças de Skorpios nas
nossas costas? Huh? Sente pela queimadura da blaster na panturrilha? Por Marame? Por tirar uma
jovem sem perspectivas de vida, de um estabelecimento infestado de parasitas no Edge, e dar a
ela uma chance de ser um dos melhores soldados em suas forças armadas? Ela me contou sua
história, Daniel. Então você me diz de novo, pelo que, infernos, você sente muito?
— É meu trabalho! — Ele explodiu, sentando-se e saindo da cama. — E eu falhei.
Ela sentou-se, usando os travesseiros atrás das costas como apoio enquanto o observava.
— O que você faz é inerentemente perigoso! Você não pode, certamente, se culpar por isso.
166

— Claro que eu posso! Você não vê Carina? É meu trabalho certificar-me de que essas
coisas não aconteçam. Ela foi a segunda agente a ser morta nesta missão. Minhas ordens, os
trouxeram para fora, colocando-os em perigo, eu não fiz o meu trabalho em protegê-los e agora
eles estão mortos.
— Eu sinto muito, Daniel. Sinto muito por Marame e seu outro amigo. Sinto muito por
aquelas crianças e pelos outros que foram mortos hoje. Se alguém tem culpa, porque não eu? Se
eu não tivesse fugido, ninguém estaria atrás de mim.
— Isto é ridículo.
— Não mais do que o que você está dizendo.
Ele parou, com a testa franzida, por um momento tão feroz enquanto lutava com a lógica e
a emoção. Ela odiou que ele pensasse que não tinha feito seu trabalho. Ela observava-o com
reverência e respeito, desde o momento em que ele tomou sua mão e lhe disse para correr. Tinha
sido há quase quinze dias-padrão, que sua vida fora virada de cabeça para baixo. Sua única
constante, sua ancorava, era ele.
— Você é bom no seu trabalho. Meu pai é um homem mau, você está tentando detê-lo por
uma razão. Ele não se importa que aquelas crianças sejam apanhadas no meio da guerra dele.
Você não é assim. Você nunca poderia ser daquele jeito. Você me tem aqui, e espero que esta
informação que eu tenho vá ajudar. Tudo isso irá valer alguma coisa.
Seus olhos se arregalaram, e ele caiu de joelhos ao lado da cama onde ela se ajoelhou. —
Você pensa isso disso?
— Isso disso o que?
Ele tomou a parte superior dos seus braços e puxou-a mais próxima, desta vez o nariz nela.
— Você poderia ter morrido hoje. Se Marame não tivesse pensado tão rápido como pensou, você
estaria morta. Eu não posso. — Ele balançou a cabeça.
Aquilo jorrou sobre ela então, praticamente batendo suas costas. Não era o trabalho, —
mesmo que fosse parte daquilo, — era ela. Era perdê-la o que o assustava tanto que o fez dobrar-
se e chorar. Ela jogou os braços ao redor dele, enviando-os ao tapete.
— Você me ama.
Ele resmungou, sentando-se e fazendo o trabalho rápido de consegui-la na cama
novamente. — Fique aqui! Você poderia ter se ferido há pouco.
— Novamente.
Ele resmungou novamente e girou afastado, compassando.
— Eu não vou morrer. Só para você saber, tenho coisas demais para fazer antes de morrer.
De qualquer maneira, você me ama.
— Eu tenho que sair de manhã.
Seu sorriso desapareceu. — Por quê?
— As coisas estão muito ruins. Eu preciso voltar para o Edge, apenas uma viagem rápida.
— Alguém que precisa matar, ou há outra mulher que você precisa contrabandear? Se for a
última opção, eu vou junto. — Ela cruzou os braços sobre o peito.
167

— Você não tem nada com o que se preocupar nesse departamento. Uma mulher é mais
do que suficiente para me preocupar. E para ser franco, é raro o meu trabalho implicar carga
humana, de qualquer maneira.
Ela assentiu com a cabeça uma vez, se queimando para perguntar mais, mas vendo em seu
rosto que ele não iria dizer a ela de qualquer maneira.
— Não irei até que tenha certeza que você está bem. Eles vão remover o chip de dados
quando eu entrar para fazer meu scan. Serei o mais rápido que puder para voltar para você.
Vincenz está aqui também, descansando. Ele vai ficar até que eu retorne. Talvez mais, embora ele
seja necessário, também. Ele deixou bem claro que queria um tempo com você, e eu acho que é
bom que vocês dois possam ter.
— Pelo menos fique nu na cama comigo. Abrace-me para que eu tenha isto até você
retornar.
Seu rosto perdeu a tensão enquanto ele se movia rápido, para livrar-se de suas roupas. Ela
despiu-se do roupão, e ele a ajudou a entrar em baixo dos cobertores, deslizando com ela. Seu
calor aqueceu a pele dela, a fez sentir-se em casa novamente. Ela suspirou, respirando-o
profundamente, arriscando uma lambida rápida no oco de seu pescoço.
Ele começou a listagem de todos os recursos de segurança, todos os procedimentos para
mantê-la ilesa, e ela não interrompeu. Ela achava que era sua maneira de controlar o que não
podia, enquanto ele estava fora. Ela iria ter certeza que faria amor com ela antes de partir. Seu
pênis já estava começando a mostrar sinais de vida contra a sua coxa.
— Eu vou sentir sua falta. Eu não quero que você vá. — Ela tentou não parecer chorosa,
mas não controlou aquilo. Ela não conseguia tirar da cabeça: voando para trás, Daniel gritando,
olhando com horror quando uma bola de fogo atingiu, jogando Marame em uma viga de apoio nas
proximidades. A viga caiu, incandescente, sobre seu braço e mão. Ela tentou rastejar para
Marame, para ver se Vincenz estava vivo.
— Foi a sua voz. Hoje, foi sua voz que me manteve sã.
Ele a abraçou mais apertado por um momento.
— Eu não sabia se Vincenz estava vivo, não sabia se Marame estava. Havia todo esse
barulho, o cheiro. — Ela estremeceu violentamente, lembrando o cheiro da morte, da carne
queimada, do sangue e da poeira, — sufocou-me. E lá estava a sua voz calma, mesmo quando
você gritava ordens. Eu sabia que você ia me pegar com vida. Eu sabia que você estava vivo, e isso
era tudo o que importava para mim. Sinto uma espécie de culpa por isso.
— É um pensamento que você teve depois de quase morrer. Com o cheiro da morte no ar.
Você tem permissão de ter um pensamento egoísta de vez em quando.
— E você também, Daniel.
Ele estremeceu, e ela soube que ela o tinha atingido profundamente com seu comentário.
Daniel exalou. — Tudo o que eu conseguia pensar era em você. Mesmo quando eu tinha
que fazer meu trabalho, até quando eu dava ordens e retirava pessoas dos escombros, eu estava
no caminho até você. Eu não deveria ter estado. Deveria ter confiado nos meus homens para tirar
você de lá com segurança. Mas eu tinha que ver você, para saber, para te abraçar e tirar você de
lá.
168

Não era o trabalho dele fazer isso. Ele devia se sentir culpado por isso, mas no momento,
não sentia. Mesmo assim, à luz pálida desvanecendo-se, ele sentiu o triunfo de que ela vivia até
quando a devastação o atingia, por ter perdido uma amiga como Marame.
Se ele tivesse perdido ela... Embora soubesse que não era algo pelo qual devesse ficar
obcecado, não conseguia soltar o medo, o medo fundo em si mesmo dela estar morta. Enfrentara
momentos de sua própria morte mais do que poderia contar; aceitava, em algum nível, que sua
vida era mais dispensável que a dos outros. Mas ela era diferente. A vida dela não era dispensável.
Vê-la lá, rastejando com o caos, presa por uma viga de apoio que teve de ser puxada, tudo
enquanto abria caminho até ela, tentar refrear a necessidade de se apressar, correr sobre os
mortos para tocá-la e saber que ela era real, tinha desvendado algo dentro dele, uma linha que ele
sempre manteve firme em marcha: primeiro o dever.
Ela mudou tantas coisas, e ele não tinha certeza de como processar aquilo. Ele sempre
manteve uma direção, ainda mantinha, mas o amor mudou as coisas, as prioridades mudaram.
— Eu não quero que você vá.
Sua voz era tão baixa, solitária. Ele odiava, mas tinha que ir. Este alvo era de alto nível, e
ele não poderia simplesmente entregá-lo para outro operador. Era o melhor homem para o
trabalho, conhecia todo o terreno, o destino, e tinha a melhor chance de sucesso. Sabendo que
era pouco prático quando embalava o coração com o corpo.
— Eu não quero ir tampouco. Se pudesse ser evitado, eu enviaria outra pessoa. Não quero
deixar você tão cedo, depois de quase te perder.
— Suponho que tenha que me acostumar com isso algum dia. Este é o seu trabalho, e você
sairá muito.
Ele riu. — Você não parece muito sincera.
Ela segurou firme. — Estou trabalhando nisso. Antes que você vá, — ela acariciou o
pescoço, — eu preciso de você.
— Pare com isso, Carina. Você está ferida. Eu não vou ficar fora por tanto tempo.
— Agora qual de nós não soa sincero? — Ela provocou, descendo para agarrar o seu pênis.
— Você está ferida! Poderia ter morrido. Droga. — Ele largou a mão dela com um gemido
de rendição.
— Poderia ter morrido. Mas estou aqui, e preciso de você. Preciso-me reconectar com
você. Preciso sentir-me viva. Você me faz sentir viva quando me toca.
— A menos que eu realmente não esteja compreendendo a forma como funciona essa
coisa de sexo, você não coloca seu pênis no meu braço.
Ele não iria afastá-la. Ela queria essas memórias antes dele partir, ele queria tê-la em sua
pele quanto partisse para fazer o que precisava.
— Por favor, — disse ela, beijando-lhe a garganta.
— Você é uma ameaça.
Ela tentou não sorrir vitoriosamente, quando a mão dele deslizou para baixo em seu lado,
tomando seu seio na palma da mão.
— Eu sou. Aparentemente, eu preciso ser contida.
169

Ele gemeu de novo, empurrando-a suavemente sobre suas costas. — Deite-se e me deixe
te amar. — Ele disse isso suavemente contra a depressão entre os seus seios. — Feche os olhos. —
Ela obedeceu em um suspiro quando ele lambeu e mordeu um mamilo.
Por trás de olhos fechados, os seus sentidos assumiram o comando. Cada toque das suas
mãos, cada beijo, cada lambida e mordiscada irradiavam através dela com força poderosa. Ele ser
incrivelmente gentil, quando a tocava trazia um aguilhão de emoção. Um homem que pode matar
facilmente com as mãos, mas que nunca tinha feito nada além de mimá-la era um que valia a pena
segurar, e nunca largar. Ela pretendia estar com este aqui até parar de respirar.
Quando ele separou suas pernas, deslizou dentro dela em um impulso, ela engoliu em seco
o ar, e seus olhos abriram-se para capturar o olhar persistente em seu rosto com tal intensidade,
que ela sentiu como se o tivesse pegado num momento intensamente particular.
— Eu te amo, — disse ela, porque não havia mais nada que pudesse dizer com ele tão
fundo dentro dela, enrolado em volta dela, enchendo-a física e emocionalmente.
Ele tocou a testa na dela brevemente. — Também te amo.
O som daquilo, tão calmo, mas cheio de emoção a preencheu e a levou mais e mais alto até
que se sentisse explodir com aquilo. Voou para além, e ele a reconstruiu, a cada golpe, cada
pressionar e puxar que fazia, seu corpo sobre a dela, em torno dela, dentro dela, ele era tudo, e
ela nunca queria achar um momento em que não fosse desta forma.

Capítulo 21
Daniel havia levantado cedo, antes que a luz começasse a banhar ao longo do horizonte.
Apresentou seu plano de viagem, teve o cuidado de pegar alguns subornos e tributos, e começou
a se vestir. Precisava estar fora de lá cedo. Quanto mais cedo fosse, mais rápido regressaria.
Precisava de espaço para colocar aquela carcaça novamente sem ela, precisava manter aquele
Daniel longe da sua presença. Não havia lugar para ela, para suavidade e amor, quando ele tinha
que lidar com a morte.
Antes de Carina descer, ele procurou Abbie. Ela estava onde ele adivinhou que estaria,
sentada na cozinha de Mercy, olhando um livro de desenhos e modelos de berçário.
— Eu gosto deste. — Ele apontou.
Ela recostou-se nele um momento. — É um que está no topo. Roman gosta mais deste.
Ela folheou outro projeto, e ele concordou.
— Esse é legal também. Abigail, você vai cuidar dela?
— Claro que sim. Eu vejo como você olha pra dela. Por que não me disse que estava
apaixonado por dela?
— Não era uma conversa apropriada para um telefonema, Abbie. — Ele enfiou a mão pelo
cabelo, frustrado por não ter todas as palavras que precisava.
— Quando eu me apaixonei por Roman foi quando pensei que não poderia tê-lo. Era a
sensação mais agridoce que existia. Imagino que você se preocupe com a besteira da posição
170

social, que você sabe, não vai significar nada para ela. — Ela riu. — Ou eu e, eu sou - como Deimos
disse ontem - a puta chefe da Casa Lyons agora.
Ele sorriu pela expressão do filho mais velho de Roman. — Você certamente é. Assim, você
sabe, ela tem que fazer suas próprias escolhas, mas foi forçada o suficiente. Não quero que seja
pressionada a nada, e tenho certeza que as famílias vão começar cheirar ao redor, assim que
todos saibam que ela está aqui.
— É totalmente uma pena que você não saiba como vale à pena te amar.
— Não me analise; eu não tenho paciência para isso agora.
Ela acenou com ele. — Não ligo para o que você pensa que tem tempo. — Ela beijou sua
bochecha. — Volte a salvo e logo.
— Vou fazer o meu melhor. Tenho muita coisa para me fazer querer voltar.
Abbie insistiu em acompanhá-los ao comando militar, onde ele fez o exame e, em seguida,
eles esperaram que Carina terminasse a extração do chip.
Um último abraço antes dele partir. Ele precisava daquilo para conseguir ir. — Abbie irá
proteger você, Roman também. Minha mãe e minha irmã provavelmente venham antes de eu
voltar. Você vai gostar delas. Esteja segura, e não vá a lugar algum sem Ellis ou Roman saberem.
Andrei e Vincenz serão os seus guardas enquanto eu estiver fora.
— Eu preferia que fosse você. — Ela olhou para ele, e ele a beijou na testa.
— Vou estar de volta até o final desta semana. Divirta-se, desfrute de conhecer Ravena.
Você e Vincenz têm muita coisa para pôr em dia. Nem vai reparar que eu fui.
Ela bufou. — Eu quero ir com você. Para te ver sair.
Ele tomou suas mãos, beijou as pontas dos dedos. —Nada de viagens para o portal por um
tempo, Carina. Só posso agüentar um tanto antes que meu coração simplesmente desista.
— Seu coração? Pfft. Daniel, eu odeio isto, — Carina sibilou para ele enquanto eles
começaram a descer as escadas e sair para a praça. O complexo dava para a cidade. Era um dos
seus mais favoritos locais.
Carina não tinha notado muito o caminho ali naquela manhã, mas agora tomara um
momento para olhar a cidade espalhada ao redor deles. Foi então que percebeu o quanto se
sentia pequena.
— Lindo, não é? — Daniel murmurou enquanto seguia o seu olhar.
— Eu nunca vi nada parecido. É impressionante.
E assim era. Edifícios em espirais acima, estonteantemente elevados no ar, tudo em tons
multicores de vidro. O céu era brilhantemente azul, tão azul como a mais profunda água.
Estendido para o horizonte, e ela ansiava ver mais, conhecer Ravena, para assim, conhecer mais
sobre Daniel.
— Mal posso esperar para te mostrar mais dela. — Ele disse aquilo docemente, mas estava
totalmente no modo de trabalho, seus olhos se estreitaram quando assumiu tudo ao redor. Era
impressionante a maneira como ele se movia com confiança absoluta, como se dissesse a
qualquer pessoa, que até mesmo estivesse pensando em fazer algo ruim, pense novamente ou vou
moê-lo em algo gorduroso.
171

Ele a ajudou a entrar no transporte, onde Abbie já se sentava com Vincenz. Quando Daniel
recuou, ela agarrou seu pulso. — Agora? Já?
Ele suavizou o tom, inclinando-se tanto que somente ela poderia ouvir. —doce, você sabe
que este é o meu trabalho. Não posso desligá-lo, especialmente agora. Estarei de volta, você sabe
disso.
Ela se voltou para fora do transporte. — Daniel, eu te amo. Não morra.
Ele riu e beijou-a rapidamente. — Eu vou fazer o meu melhor. Você também.
Com um último toque sobre o dorso da mão dela, ele foi deixando-a aborrecida.
Ela deslizou de volta, desta vez entre o Roman, com Abbie ao lado dela e Vincenz na frente,
em uma espécie de modo de proteção.
— Ele é o melhor em seu trabalho, Carina. — Abbie falou quando eles finalmente
começaram a se mover.
Ela assentiu ao que dizia a outra mulher. — Eu entendo isso. Mas será que é pedir muito
que ele fique comigo? Ele arriscou a vida mais e mais para me conseguir aqui.
Roman olhou para ela por algum tempo antes de falar. — Ele é um dos agentes mais bem
classificados entre os militares, mais do que aqueles com família de Posição. É temido por uma
razão, e essa razão é que ele é implacável na perseguição dos objetivos desta Federação. Você
pode amá-lo, ele pode amar você, mas ele continuará sendo Daniel Haws, agente, da mesma
forma. Nós todos temos nossas obrigações.
— Roman fique quieto. — Abbie acenou com a mão para seu marido quando ela se
inclinou para ver melhor Carina. — Eu sei que ele deve fazer você se sentir segura. Eu sei que
quando estou com medo ou preocupada, quero Roman. — Ela riu. — Ou Daniel. Eu sei que isso é
difícil para você, deixar para trás tudo o que conhecia da maneira que era. Eu admiro muito isto.
Como você pode ter notado, Daniel protege as pessoas. É quem ele é. Sempre foi. Mesmo quando
criança, ele cuidava de nós, dos meus irmãos e da minha mãe. É por isso que ele é bom no que faz,
e é por isso que você tem que encontrar uma maneira de lidar com a necessidade de compartilhá-
lo com seu trabalho.
Abbie olhou Roman por um momento, e Carina percebeu a mão na barriga dela. Uma dor,
aguda e doce, fatiada por ela. Queria. Ela queria isto com Daniel. Uma vida. Uma família. Carina
sabia que estava sendo infantil. Era o trabalho dele, e ele tinha que fazê-lo, mesmo que isso
significasse ter que estar separado dela por um tempo. Ele não seria Daniel sem aquela lealdade à
sua Federação, ao seu pessoal.
— Peço desculpas. Não tenho acessos de raiva. Nunca. Não sei o que está acontecendo
comigo.
Abbie segurou a mão dela. — Você acabou de ter que virar as costas para o seu povo, sua
família, mesmo que eles não sejam perfeitos. Você esteve em fuga e se apaixonou por um homem
como Daniel. Isso é muito para um período tão curto de tempo. Você tem permissão para um
pouco de acesso de raiva. Nós vamos ter que mantê-la ocupada enquanto ele estiver fora.
Ela precisava se apossar de si mesma, voltar a ser Carina Fardelle novamente. Sentou-se
mais ereta, segurou a coluna reta e a cabeça erguida. — Obrigada.
172

Observou parte da cidade, passar pelas janelas, observou os olhares nos rostos das pessoas
nas ruas. Vincenz tinha razão, Existia tanto aqui, tanta energia. Suas feições seguravam uma
variedade tão vertiginosa de emoções!
— Daniel disse que eu seria interrogada hoje? — Carina girou para olhar de volta em Abbie.
— Eu tenho negociado para que possa acontecer em nossa casa. Besteira arrastar você
todo o caminho até aqui, quando Wilhelm pode facilmente ir até lá, e nós podemos estar
confortáveis. — Abbie disse aquilo alegremente, mas Carina tinha a sensação que ela era uma
dura negociadora. E estava grata por aquilo. Minha posição como sua advogada é realmente
simbólica, você sabe. Wilhelm, apesar de ser tão grande quando um tronco de árvore é bastante
doce. Roman, também, mesmo que às vezes possa ser extremamente exigente na House Lyons. —
Grrr. — Abbie contraiu a boca.
Roman suspirou profundamente, mas não olhou para cima de seu comunicador.
— Tudo bem, obrigada. — Ela assentiu com a cabeça.
O resto do passeio foi sem complicações enquanto olhava embasbacada a cidade. Mas a
casa, a mansão, complexos, independentemente do que fosse chamado, onde Abbie e Roman
viviam era a coisa mais impressionante que já tinha visto. Não tinha percebido no dia anterior,
tinha havido tanto caos com o ataque no portal. Mas agora teve a oportunidade de assumir aquilo
tudo por dentro e ficar, em significante quantidade, impressionada com a glória da Federação
quando fora incorporado por este lugar.
Era uma casa, um encaixar de espaços físicos para um governante. Alta, imponente,
cercada por belos jardins que, ela percebeu quando passavam e em seguida saíram do transporte,
estariam em floração em todas as estações.
Escadas de pedra conduziam a portas facilmente a trinta metros de altura, e o hall de
entrada roubou o seu fôlego. Onde a idéia de poder do seu pai tinha sido preto e vermelho, o
poder e glória verdadeiros viviam nesta casa. Tetos altos, sustentados por colunas de madeira de
cor vinho, tão grandes como o transporte em que haviam estado. Os pisos brilhavam primeiro em
pedra polida de um verde profundo e, em seguida, tacos em tons quentes com mosaicos definidos
dentro.
A arte nas paredes era uma mistura eclética de antigas e novas, de estilos de diferentes
culturas. Janelas altas deixam entrar a luz, mas surgiam para bloquear o calor e o frio. Uma grande
escadaria marcava ao sul e norte as paredes.
Roman olhou para a esposa, beijou-a rapidamente. — Diga-me se estiver se sentindo mal
hoje. — Não era uma pergunta. Carina gostava de Roman Lyons. Apesar de ser pequeno, rude, até
mesmo de caráter formal, ele era um homem que se preocupava com sua família e seu povo. Era
algo que desejava que seu pai tivesse aprendido.
Abbie lhe enviou um sorriso suave. —Eu prometo. Vá trabalhar, eu sei que você está
ansioso para fazê-lo.
— Eu te amo, Abigail Haws, você é linda, grávida encrenqueira, — ele murmurou, enquanto
passava de volta para outro abraço.
— Eu também te amo. — Abbie sorriu, e ambas o observavam ir embora.
— Vincenz, suponho que eu possa falar com você por um momento? — Roman chamou.
173

— Você tem meu comunicador, chama-me se precisar de mim. Você e eu temos um


almoço; vamos comer no jardim, perto das estufas. — Vincenz juntou as mãos e seguiu o trajeto
de Roman para fora da sala.
Carina voltou para Abbie. — Eu não tive muita oportunidade de olhar bem ontem e, esta
manhã eu estava distraída. Esta é uma casa magnífica e, ao mesmo tempo, tem coração.
Abbie sorriu. — Obrigada, Carina. Ainda há dias em que me que vejo surpreendida por
realmente morar aqui. Gostaria de um chá? Tenho um arrepio e é sempre um bom motivo para
ter Mercy me oferecendo algum bolo especial que ela tenha feito.
Carina seguiu a irmã de Daniel pela casa até a cozinha. Ela virou-se e soube que era o
coração da casa de imediato. Sentiu-se abraçada pelo espaço quando se sentou diante de Abbie,
em uma pequena mesa, banhada na luz das altas janelas.
— Ando pelas estufas e lembro que um ano atrás eu morava em um apartamento que não
era quente o suficiente. Roman trouxe uma série de mudanças inesperadas na minha vida. Boas e
ruins. Mas no geral, Roman é sempre bom.
Carina gostava dela, gostava de Abbie e do amor que brilhava tão abertamente em seus
olhos para o marido e a família.
Uma mulher avistou uma delas e fez um som com a garganta. — Abbie, você já comeu?
— Claro que sim Mercy. Você me fez café da manhã, lembra?
A mulher beijou o topo da cabeça de Abbie. —Bem, eu fiz um daqueles bolos de
especiarias que você gosta. Não diga a sua mãe; ela e eu temos uma diferença de opinião sobre a
receita. — Ela virou-se e olhou Carina lentamente. — Ah, eu posso ver o que ele vê em você. — Ela
assentiu com a cabeça uma vez, apressou-se para um gabinete próximo e começou a sussurrar
com ele.
— Mercy, esta é Carina. — Abbie piscou para Carina.
— É claro que é — Mercy falou quando trouxe uma bandeja com chá e bolo para elas.
Carina não sabia se a indiferença de Mercy era boa ou ruim, por isso ela apenas resolveu
agir como a Abbie, que não parecia alarmada.
Abbie tomou um gole de chá e arregalou os olhos para a fatia enorme de bolo de Mercy
colocou na frente dela. — Mercy, você realmente não precisa me dar uma fatia tão grande quanto
sua cabeça. Eu estou em perigo de explodir a qualquer momento.
Mercy acenou com a mão enquanto se afastava.
— Mercy está com Roman desde que ele era criança. Ela ajudou a criar os filhos de Roman
após a mãe deles morrer. Se você precisar de alguma coisa e não puder encontrar a mim ou
Roman, vá para Mercy. Ela sabe tudo.
Mercy resmungou, mas manteve o que quer que estivesse fazendo. — Só venha a mim
imediatamente, Roman vai ficar carrancudo até a morte, e Abbie vai falar até você morrer.
— Ela é uma mulher tão encantadora, como minha avó costumava dizer, a manteiga não
derreteria. Sabia que é um ditado que trouxeram da Terra?
Carina riu, relaxando pela primeira vez em muito tempo. — Seu irmão costumava dizer-me
este tipo de coisa. Ele me disse que você tinha que saber tudo, disse que eu era assim. Vejo que
era um elogio.
174

Abbie ergueu a cabeça. — Ele fez uma boa escolha.


Daniel sentia a ausência dela intensamente. Caminhava pelas ruas lotadas, empoeiradas de
Parron. A ‘Verse’ no Edge era basicamente uma série grande de cidades mineradoras. Cânions,
bem como aqueles em Mirage e Asphodel, cortavam a paisagem, aqui e ali, oferecendo algum
alívio na mesmice das calçadas empoeiradas e homens com roupas de mineração.
Nome do lugar
Ele tinha feito seu planejamento no caminho. Vigilância, algumas investigações, e se tivesse
sorte, sairia com um mínimo de barulho. Também percebeu que Wilhelm tinha mais
provavelmente o enviado para tirá-lo do caminho, enquanto interrogavam Carina.
O agitava ser manipulado desta forma, mesmo que entendesse o raciocínio por trás
daquilo. Ela estava lá, ele estava a um mundo de distância, e não podia fazer nada além de colocar
sua fé em Abbie e Vincenz.
Ainda bem que tinha bom julgamento quando se tratava de pessoas. Abbie nunca
permitiria que alguém se aproveitasse de Carina, mesmo se ela tivesse sido tola o suficiente para
cair em algum truque. Entre Abbie e Carina, se Wilhelm tinha pensado em tentar manobrar Carina
em qualquer caminho que ela não quisesse, ele nunca iria tentar aquilo novamente.
Um sorriso selvagem marcou Daniel, retorceu sua boca com a certeza de que ele tinha feito
bem. As mulheres em sua vida particular, aquelas que ele amava sem reservas, eram fortes,
inteligentes e cruéis, se necessário.
Vincenz era uma história diferente. Daniel sabia de detalhes que a maioria dos outros não
sabia, incluindo o desejo de Vincenz de fazer parte do Phantom Corps, mas existira a desconfiança
inicial quando ele chegara para eles. E então, uma vez que souberam que ele era confiável e um
bom agente, ele teve orgulho demais para pedir novamente.
Wilhelm não perdia detalhes, mesmo os menores, e assim se ele não tinha perguntado,
tinha havido uma razão, e, como em muitos segmentos, Daniel confiava em seu chefe sobre
qualquer plano mestre que ele tivesse na cabeça. Não significava que Daniel não rasgaria uma tira
dele quando retornasse, se algum mal tivesse sido feito a Carina, até mesmo se ela tivesse apenas
ficado chateada.
Ele avistou por um momento sua presa: um sujeito alto, um homem com olhos redondos,
com características magras e curvado para trás. A maioria das pessoas não teria se mantido ligado,
não entendendo que o embrulho era apenas um disfarce, uma máscara que usava em um coração
enegrecido e uma alma covarde.
Este homem era Henry Sessions, terceiro na linha de liderança da House Sessions. Um
membro da família tinha mais uma vez traído a Federação. A fria ira cresceu dentro dele enquanto
perseguia sua presa, o seguia para dentro do único estabelecimento de Parron em que qualquer
pessoa de classe se rebaixaria por permanecer. Parron não era conhecida por lugares chiques,
assim as tentativas de imitar o que os de classe poderiam esperar na maioria das outras ‘Verses’,
eram um toque profano distorcido da realidade.
Neste caso, um tipo de hotel.
Isso também significava que o lugar era ausente dos tipos de medidas de segurança que
impedissem os movimentos de Daniel quando ele arrastou Sessions de volta para o quarto.
175

Ele fechou a porta atrás de si, travando os dentes.


— O que você quer? Saia! — Sessions, embora com medo, se manteve firme.
— Henry Sessions, estou aqui para passar a sua sentença.
Dois passos enquanto ele erguia as mãos, mais rápido que Sessions pudesse acompanhar.
— Traidor, — Daniel sibilou, pronto naquele momento antes de flexionar para torcer o pescoço do
outro homem.
Ele soltou o corpo no tapete, pisando sobre ele, como a porcaria que era. A moeda que ele
deixou empenhava a cabeça de um leão. Roman Lyons já estava cansado de tentar conseguir que
estas pessoas fizessem a coisa certa.
Ele havia dito a Daniel quando deu a ele a tarefa, — Deixe o corpo. Deixe a moeda. Eu
quero que eles saibam que irei encontrar todos eles e matá-los. — Mas no momento eles não
tinham suspeitado que fosse outra família. Essa notícia era particularmente grave.
O portal assomava à frente quando Daniel atravessou a última parte da cidade. Estava na
hora de ir para casa. Antes de entrar no transporte, bateu um código em seu comunicador
pessoal. Um sorriso tocou seus lábios por um breve momento ao som de uma explosão. O
armazém que Sessions vinha usando para a sua operação de contrabando de armas ficava fora da
cidade em um complexo de propriedade da House Sessions. Dois, três, quatro, cinco explosões
mais enquanto o complexo inteiro queimava.
No momento que saísse do transporte em Ravena, House Sessions não existiria mais.
Depois que Roman descobrisse a identidade do traficante, ele o atingiria tão duro quando as
explosões e a morte de Henry Sessions.

Capítulo 22

Tinham sido oito dias inteiros desde que Carina o tinha visto pela última vez. Oito. Dias. Ela
sentia falta de Daniel desesperadamente, tornando-a ainda mais certa de sua decisão em ficar
com ele. Wilhelm tinha dito a ela, muito gentilmente, que Daniel não teria contato com ela
enquanto estivesse fora, que eles nunca mantinham contato em uma missão, fora circunstâncias
extraordinárias.
Na sua ausência, tinha havido um grande desastre. Uma bomba tinha explodido em um
transporte de passageiros de grande porte no caminho entre Borran e Ravena. Nada poderia
sobreviver a uma explosão como esta, e quando isso acontecia no espaço portal, não haveria
nenhuma limpeza, nenhum resgate.
Seu pai estava por trás disso, ela sabia com certeza.
Apesar da ausência de Daniel, Carina tinha começado a construir uma vida ali na cidade da
capital de Ravena. Abbie a mantinha longe dos olhos do público, apenas um grupo muito seleto
sabia que ela estava em Ravena e Roman parecia querer que fosse assim, pelo menos até que
176

Daniel retornasse. Ela percebeu, durante estas conversas que teve com Roman e Wilhelm, que
Daniel era muito mais poderoso e influente do que ele já divulgara para ela.
Carina estava orgulhosa disso. Orgulhosa de ter escolhido para amar um homem com tanta
coisa para se orgulhar.
Não que aquilo parasse os comentários, até mesmo das pessoas pré-selecionadas no
círculo que sabia sobre ela. Quantas vezes ela teve que dizer às pessoas que ela não estava
interessada em casar com um Khym ou com qualquer outra pessoa? Ela queria um homem, e
aquele homem se casaria com ela, mesmo que ele não tivesse percebido isso ainda.
Sorriu para si mesma no espelho em seu quarto. Ela havia perdido os círculos escuros sob
os olhos e não aparentava estar tão cansada nestes dias. Perguntava-se, quando Daniel retornaria,
e queria ter certeza de parecer encantadora todos os dias por via das dúvidas.
Tinha uma excursão planejada com Abbie e Vincenz, em apenas um curto período Abbie
conectou-lhe, com a equipe em um centro comunitário no segundo círculo da cidade. Eles
estavam procurando por um professor, e certamente ela queria trabalhar como uma. Encontrou-
se, embora sob vigilância, com os responsáveis, e depois de fazer os exames de ingresso, eles lhe
ofereceram o cargo. Ela aceitou, construindo os alicerces de seu futuro ali.
Quando desceu as escadas, chamou o nome de Abbie, em vez de usar o sistema de
localização. Parecia tão idiota ter uma máquina, para o que ela mesma poderia facilmente fazer.
Foi quando viu Alexander Lyons no salão comum tomando chá com Deimos, o filho mais
velho de Roman e o próximo na linha para conduzir House Lyons.
— Não, Alexandre — ela disse quando entrou na sala. O homem era um paquerador
ridículo e tinha-lhe feito propostas sexuais cada vez que ela o tinha visto. Ela tinha a sensação de
que era porque as pessoas esperavam isso dele. Ele era muito mais inteligente e gentil do que
pensavam quando o conheciam. Mas isso não significava que ela iria tolerar qualquer um de seus
disparates.
— Assim, você me feri. — Ele sorriu, com as mãos sobre o coração na simulação de ruína.
— Ela pode ter ferido. Mas posso te assegurar que Daniel vai, se você não parar com isso.
— Deimos balançou a cabeça para o tio.
—Daniel não está aqui, — brincou Alexandre.
— Fique quieto, você e eu sabemos que Daniel é um dos seus amigos. Pare com isso. —
Deimos parecia constantemente orientar seu tio a se comportar. Isto era doce, e Carina não tinha
dúvidas de que havia dezenas de mulheres que fechavam os olhos a cada noite pensando em
Deimos Lyons. Alexandre também era um homem incrivelmente lindo. Maroto e sensual, se não
fosse isso, seria trabalho demais para valer à pena. Pena que ela já tinha o coração preso a um
homem incrivelmente lindo, que dizia muito menos do que Alexander, mas quando o fazia,
significava tudo.
— Veja, ela está pensando em Daniel agora. — Deimos levantou sua xícara de chá em
direção ao tio.
— Eu estou. Vocês dois se comportem. Viram Abbie ou Vincenz?
Abbie se apressava óculos pousados no nariz, um maço de documentos nas mãos.
— Desculpe-me, eu fui pega neste discurso.
177

Carina sorriu quando empurrou os óculos de Abbie em seu nariz com o dedo. — Agora,
então. — Ela abraçou Abbie e recuou para olhá-la novamente. — Não se desculpe. Eu sei que você
tem trabalho a fazer. Vincenz estará aqui daqui a pouco. Se precisar terminar seu trabalho, você
pode vir outro dia.
— Estou pronta agora. Não posso esperar para ver isso. É tão emocionante. Talvez mais
tarde possamos parar e você verá a padaria da minha mãe e a cafeteria de Nyna?
— Eu adoraria.
— Excelente! Ah, e Nyna me disse que há um imóvel vago no seu edifício. Um apartamento
grande numa esquina. Talvez o tamanho perfeito para você e Daniel.
— Daniel vai matar você por fazer tudo isso enquanto ele está fora. Como uma emboscada.
Ele vai voltar e encontrar-se casado, algumas criancinhas na escola e você por trás disto.
Alexander levantou-se e beijou a bochecha de Abbie.
Ela golpeou o cunhado, mas com um sorriso ao fazer isto.
— Eles têm que viver em algum lugar, e o apartamento de Daniel não serve para dois. Nyna
mudou-se para o apartamento de Marcus é assim que é mais seguro e mais agradável, mais até do
que o seu antigo. Daniel vai apreciar que esses pequenos detalhes sejam cuidados em sua
ausência. Ele é um homem ocupado. A boca de Abbie se firmou.
— Eu vou culpar você quando ele ficar bravo, — brincou Carina. — Você o assusta.
O rosto de Abbie se iluminou com diversão. — Eu sei! Eu acho que ouvi Vincenz no
corredor, perto do escritório fortaleza secreta de Roman. — Ela resmungou. — Vou correr e ficar
apresentável. Encontrarei você de volta daqui a pouco.
Vincenz só concordara em deixá-la fazê-lo se estivesse junto, como guarda, e se ele fosse
autorizado a verificar a segurança na área. Ela argumentou, mas ele disse-lhe que Daniel insistiria
de qualquer forma, então, simplesmente que ela concordasse naquele momento e acabasse logo
com aquilo. Em qualquer caso, seria ele ou Andrei com ela em todos os momentos, quando ela
saísse da casa, então podia muito bem passar algum tempo com seu irmão e deixar que ele a
protegesse, também.
Engraçado como alguém podia ser separado de um irmão por longos períodos de tempo e
ainda brigar como se nunca tivessem estado separados por um dia.
— Não corra, — ela falou para Abbie. — Roman vai empurrar-me para fora no espaço do
portal se você se machucar.
Inquieta, Carina se moveu para as janelas com vista para um dos inúmeros jardins nos
arredores. Ela tinha sido interrogada no mesmo dia que Daniel tinha ido embora, tinha
concordado em servir como uma espécie de consultora do Império. Seu objetivo era educá-los
sobre o funcionamento interno do Império, como o poder mudava esse tipo de coisa. Ela não se
sentia traidora, e acreditava que, com mais algumas informações sobre, o que o Império era e não
era a idéia de convivência pacífica fosse possível.
Eles ainda a observavam, ela sabia disso. Vincenz lhe disse que o tinham observado por
dois anos antes de começarem a confiar. Ela esperava que com o tempo, veriam que ela não tinha
más intenções para com ninguém, tinha certeza que eles sabiam agora, mas Roman Lyons não era
tolo, então eles estariam em sua guarda durante algum tempo.
178

Com um suspiro suave, ela se virou ao som da risada de Vincenz. Ele saiu para a grande
entrada onde ela esperava, ainda conversando com Roman. Ambos os homens se viraram para ela
com sorrisos. Roman era ridiculamente lindo quando queria ser, e Vincenz era mais do que ciente
do seu próprio apelo sexual.
— Vincenz me disse que vocês três vão olhar a sala de aula do centro comunitário?
Maravilhoso. Eu queria dizer a vocês antes de sair. Em nome do Conselho de Administração
universos da Federação, nós oferecemos a você refúgio e cidadania de família de posição. Você
será considerada, para todos os efeitos, um membro associado da House of Lyons.
Ela relaxou um pouquinho. — Obrigada, Roman. Devo dizer-lhe que não pretendo aceitar a
oferta se não tiver permissão para me casar com Daniel Haws.
Vincenz exalou duro, e uma das sobrancelhas de Roman ergueu-se. Abbie irrompeu
repentinamente na sala por trás de Carina.
— Ele te pediu e nenhum de vocês se preocupou em me dizer? — os punhos de Abbie
repousavam em seus quadris. Ela sorriu para Abbie um momento. — Ele não me pediu. Ele não
está aqui. Enfim, vai me pedir, porque me ama e essa é a natureza dele.
Abbie sacudiu a cabeça, ainda sorrindo. — Oh, é claro que ele irá. Ele provavelmente
revolveu-se em torno do ‘eu não sou bom o suficiente para ela’ por um tempo. Mas qual é a
alternativa? Deixar alguém como Alexandre agarrar você? Pah! Meu irmão é uma das pessoas
mais competitivas que eu já conheci. Ele te ganhou, não vai desistir disso. Especialmente se está
além de apaixonado.
— Carina, como você pode ver, — Roman virava o queixo na direção de Abbie — Nossa
família não se detém às normas de casamento.
— Eu sou como base conforme elas vêm. — O rosto de Abbie era solene.
Roman estalou a língua e rapidamente moveu-se para ajudar a esposa com um casaco. —
Mantenha-se quente e segura. Eu pedi um meio de transporte para você. Vincenz, você pode lidar
com estas duas?
Seu irmão suspirou. — Sim. Mas eu quero um aumento no meu salário depois de hoje.
Ela e Abbie uniram os braços e saíram.
Vincenz conseguiu acomodá-las na parte traseira e se juntou ao motorista na frente.
— Seu irmão está evitando-nos aqui atrás.
— Ele pode acreditar que nós estamos discutindo nosso sangramento mensal ou o que
acontece quando você entrar em trabalho de parto. — Carina encolheu os ombros. — O que é isso
com os irmãos, afinal? O irmão de Roman é uma dor no meu traseiro com seu constante flerte
zombeteiro. Seu irmão foi há oito dias, e eu sinto falta dele. Quero que ele veja esta sala de aula.
— Daniel estará de volta logo que possível. Às vezes, ele só vai. Eu sei que não é o que você
queria ouvir. Mas ele sempre vai voltar. Daniel é muito bom para ser morto. Roman me disse que
Wil fala que Daniel é seu melhor discípulo em todo o seu tempo no Corps. Quanto ao Alex, ele é
um idiota, mas um bastante inofensivo. Ele adora atenção, mesmo a negativa.
— Família. — Carina encolheu os ombros.
— Espere até você conhecer o pai de Roman e Alexander. Agora ele, bem, eu estou
tentando evitá-lo, enquanto estou grávida, porque ele é melhor digerido após um ou dois copos
179

de vinho, também tem um bom coração, mas é um pé mal-humorado no traseiro. Ah, e não
comece a se sentir aliviada. Você só conheceu meus irmãos. Mas meu pai? Ele e Daniel Não se dão
bem. Principalmente porque Daniel é um homem. O que um homem deve ser, e sua existência só
mostra ao meu pai o que ele não é.
— Meu pai é um tirano, um déspota que assassinou meu irmão mais jovem para pesquisas.
Eu venci.
Abbie gemeu.
— Ele é uma pessoa que supera as expectativas, meu pai.
do original ‘overachiever’

Eles fizeram a resto da viagem num silêncio sociável, quebrado ocasionalmente por Abbie
apontando os pontos turísticos. Sua sala de aula era simples, mas colorida e, Carina achou que era
cheia de potencial. Ela iniciara o treinamento com os novos professores que passaram e começaria
a ensinar logo depois disso. O administrador da escola era muito útil e amigável, e Carina
percebeu que estava esperando a vida inteira para significar algo para alguém de uma forma
totalmente não relacionada às suas origens.
— Ainda aceita almoçar na cafeteria da Nyna? — Abbie perguntou enquanto viajavam de
volta. — Podemos comemorar e depois escapar sorrateiramente para olhar o apartamento.
— Se você tem certeza que estará tudo bem.
— Não fique nervosa. Sério, as duas amam você. Mesmo se elas já não te amassem,
amariam simplesmente porque Daniel ama.
Carina relaxou. — Tudo bem então. Daniel deve ter sua própria cadeira no café. Ele
provavelmente é o maior cliente de sua irmã com toda a comida que ele come.
Abbie, em seguida, sorriu e moderou. — Quando éramos jovens, havia momentos em que
não tínhamos muita coisa que comer. Foi... difícil, ser aquele faminto o tempo todo. Daniel muitas
vezes abriu mão de sua parte para a minha mãe ou para o resto de nós.
Carina fechou os olhos por um instante. — Eu não tinha imaginado. Brinquei com ele sobre
isso, e agora me sinto horrível.
Abbie pegou a mão dela. — Não. Não faça isso. Ele odiaria isto se soubesse que alguém
percebeu por que ele come como um porco. Ele nunca quis piedade, jamais, especialmente de
você. Nós todos temos nossas cicatrizes, nossos botões e assuntos. Eu não sei se ele mesmo
percebe isto. É apenas algo que eu desvendei há alguns anos atrás. Todo mundo brinca com ele
sobre isso. Você conhece o Daniel, ele prefere de tal maneira à piedade.
— Suponho que sim. — Mas seu coração se machucou de qualquer maneira. Saber que ele
tinha vivido com uma nitidez de fome na barriga como aquela.
— Isto é o que Daniel diz sobre o resto de nós. Ele diz que Nyna e minha mãe encontraram
uma maneira de curar através da comida, eu faço com o meu trabalho e Georges faz me imitando.
Ele está certo, claro. — Ela sorriu. — Mas ele perde a si mesmo na equação.
— Ele disse que era um assassino.
Abbie olhou para ela com atenção. — E você concorda?
180

— Eu gostaria, mas não como ele quer dizer. Ele acha que eu não entendo. Que eu não sei
que ele afasta a escuridão o tempo todo quando a sente. Mas eu sei que isso tem um preço sobre
ele, e ele ainda continua a fazê-lo porque acredita nisso. Porque é o que foi requisitado para fazer
por Wilhelm Ellis, e ele, simplesmente, está mais perto de cortar um braço do que de
desobedecer.
— A escuridão que carrega é o pedágio dele, eu suponho. O preço que ele paga por salvar
todos nós daquela escuridão. Acho que me impressiona muito mais do que a idéia tola dele de ser
um assassino, com o coração negro e não sendo bom o suficiente.
— Você vai fazer bem para ele, — Abbie disse quando saiu do transporte.

Daniel correu através do processo de desembarque e começou a enviar todas as


informações que tinham estado congestionadas ao longo dos últimos dois dias. O transporte
sofreu repetidos problemas, e todas as transmissões que ele tentou enviar de volta para Wilhelm
ou Roman tinham sido codificadas e devolvidas. Ele tinha tentado enviar, no mínimo, uma
mensagem de status através de outros pontos de acesso, mas nada funcionou.
Como resultado, Roman não sabia nada sobre Henry Sessions ou a destruição do complexo
de armazém. A menos que House Sessions houvesse relatado isto eles mesmos, mas de alguma
forma Daniel duvidava disso. Especialmente se eles encontraram o corpo de Henry e a moeda.
— Daniel, nós estamos ansiosos. — O rosto de Wilhelm apareceu na tela do seu
comunicador pessoal.
— Eu preciso falar com você imediatamente. Meu sinal esteve preso toda a viagem. Uma
verificação rápida com o acoplamento dos monitores me diz que não foram isolados. Transportes
deste tipo, partindo no espaço de tempo em que eu enviei, estavam todos congestionados.
— Venha para o QG do Corps imediatamente. — Ele ouviu a voz de Roman por cima da do
Wilhelm.
Mostrou as suas credenciais a um soldado que tinha estado agindo como um condutor de
alguém. — Estou me apropriando deste transporte. Você pode informar o seu superior.
O jovem soldado olhou da volta para as credenciais de Daniel, reverência em seu rosto.
Bem poucas pessoas tinham este nível de liberdade. Ele movimentou a cabeça e se afastou. —
Está com chave interna, senhor.
— Eu estou a caminho, — disse ele, batendo a porta e acelerando longe do portal.
— Daniel, diretamente para mim, por favor. Sua adorável senhora tem que esperar, —
disse Wilhelm.
Ele resmungou. — Claro que sim. O que você acha que eu sou?
181

— Um tolo apaixonado, o que é divertido de se ver na maioria das vezes. Não é um insulto,
Daniel. — Wilhelm emitiu essas palavras sem rodeios, por isso Daniel acreditava. Ainda assim, ser
considerado suave não era boa coisa era em seu trabalho.
Ele concordou e proceguiu.
Ele havia sentido tanta falta dela, sentia-se mal em sua pele por ficar longe dela. A
princípio, o tempo do transporte o fizera pensar demais. Dúvidas. Por que uma mulher como
Carina Fardelle queria um homem como ele? Ela era educada, refinada, poderosa, ligada a um
nível que Daniel mal conseguia imaginar. O que ela via nele?
Uma vez que tinha partido, ela estaria em torno de outros homens, homens como
Alexander Lyons, irmão de Roman; Deimos e Corrin, filhos de Roman. Os homens que eram como
ela. Nada de homens como Daniel, com suas arestas. Ele não era refinado ou elegante. Era uma
tremonha de sujeira que terminou no Corps por causa da escuridão que tinha por dentro. Daniel
era bom no seu trabalho, mas, certamente como o inferno, não era um príncipe de fala mansa
como Deimos.
Estava deixando a si próprio louco. Imaginando-a se encantando por outro e percebendo a
diferença dele. Encontrando aquela parte que faltava. Imaginando-se voltando, vendo o rosto dela
e sabendo que ela seguiu em frente.
Mas conforme eles viajavam e ele teve muito tempo sozinho para pensar, continuou
fazendo aquilo até que percebeu que nada daquilo importava.
Daniel Haws sabia que estava apaixonado por Carina Fardelle e queria agarrar aquela
felicidade. Se ela tivesse perdido o interesse quando ele foi embora, ele não tinha nenhuma outra
opção além da esperança de que não tivesse acontecido e, se ela ainda estivesse apaixonada por
ele, iria arrebatá-la e fazê-la ficar com ele.
Então ele faria seu trabalho, interrogaria, e em seguida iria até ela. Estenderia a mão e, se
ela a pegasse, ele jamais lhe daria um motivo para se arrepender.

— Daniel, por favor, entre antes que Abbie o veja.— Roman chamou de trás de
sua escrivaninha.
— Ou antes de você e Carina irem para trás de uma porta fechada com
uma superfície horizontal.
Daniel entrou após acenar para Marcus. — Eu tenho autocontrole, Roman. — Daniel
enviou ao seu cunhado, um olhar quando ele caiu em uma cadeira confortável. — De qualquer
forma, nem mesmo minha irmã pode me ouvir do outro lado da cidade. Seus poderes são
poderosos, mas não tão poderosos.
— Elas estão aqui. Abbie parou pouco antes de você aparecer. Elas estiveram na escola
onde Carina vai ensinar.
182

Ele sorriu. — Muito bem feito. Ela fez um rápido trabalho em assegurar uma posição.
— Sim, sim. É tudo lindo. Agora, o seu relatório? — Wilhelm indicou que ele devia falar. —
Aliás, esta situação de interferência do sinal está sendo investigada. Meu pessoal está rasgando o
transporte em partes.
Daniel assentiu com a cabeça. — Eu encontrei o contrabandista. Estou surpreso que eles
não tenham relatado a perda de todos os armazéns em Parron.
Com isso, os olhos de Roman se arregalaram e, em seguida estreitou perigosamente. —
Você está me dizendo que isto foi feito por outra família?
— Sessions. Eu monitorei o intermediário que me levou de volta para um hotel onde estava
hospedado Henry Sessions. Tenho uma gravação do negócio. — Ele jogou um disco sobre
escrivaninha. — Está anexado ao meu relatório também. Deve estar em seus arquivos pessoais de
comunicação agora. Eu enviei-lhes, quando estava ainda nos estaleiros do portal.
— Dê-me os detalhes. — Wilhelm inclinou-se mais perto.

— Milhões de créditos em explosivos táticos de pequena escala. Os armazéns guardavam


material militar roubado. Também em CDs. Empilhados até o teto. Eu atribuí Andrei para trabalhar
com um dos comandantes de outras equipes especiais para descobrir em quais depósitos estão
faltando munições. — Daniel entrou em contato com Andrei logo depois de ele ter falado com
Wilhelm e não tinha dúvidas que Andrei provavelmente já havia se mobilizado e estava no
caminho até lá.
— Quem quer que eles sejam, onde quer que estejam, eles estão perdendo material
suficiente para restringir severamente sua capacidade de repelir um ataque. Roman, na parte da
conversa que ouvi, Sessions enfatizou o fato de você dar direitos à quem não merece. Os de baixa
classe. Imagino que Sessions não está sozinho no sentimento.
Roman ergueu um dedo para protelar o restante da história. Ele ligou para seu assistente.
— Marcus, convoque uma reunião de emergência do Conselho de governo. O comparecimento é
obrigatório. Estou no meu caminho para as câmaras agora.
A voz do Marcus tremeu um pouco, mas se firmou quando esclareceu e começou a
trabalhar.
— Como você quer proceder com isto, Roman? — Wilhelm perguntou.
— Eles vão ser retirados da posição. Não há como o irmão de Henry não ter conhecimento
de suas ações. Eu quero que eles sejam presos e trazidos para cá. Toda a primeira linha de
Sessions deve ser detida e levada sob custódia. Segurança máxima.
Ele vestiu um paletó, alisando abaixo sua roupa. — Eu quero que eles, até o último deles,
sejam expulsos das participações Sessions. Elas agora são minhas participações. Eles vão entregar
todas as fábricas, todas as lojas, cada pedaço de terra e casas. Tudo isso é para estar nas mãos de
House Lyons até o final do dia. Eu não me importo se você terá que enviar cada maldito derradeiro
soldado disponível para Lumina, isso vai acontecer isso será feito.
Wilhelm assentiu com a cabeça e se levantou. — Preciso começar a trabalhar já.
— O que precisa que eu faça senhor? — Daniel perguntou a Wilhelm. Isto era coisa séria,
ele precisava manter o foco.
183

— Você está de plantão. Conhece o procedimento aqui. Você esteve fora, e agora está de
castigo para um descanso obrigatório contínuo de 12 horas. Passou por duas missões de alto nível
consecutivas. Sente o seu traseiro e durma ou faça sexo com sua encantadora senhora.
Independentemente. Se eu precisar de você e se ninguém mais puder fazer, eu entrarei em
contato.
Roman chamou o nome de Abbie quando todos eles saíram do escritório.
— O quê? Infernos, Roman Lyons, não grite comigo. — Abbie desceu as escadas, Carina
logo atrás. — Aí está você, Daniel! Eu tenho uma reclamação com você. Nós só agora soubemos de
seu retorno. Soubemos por Marcus. Nós amamos o Marcus, é claro, mas esperamos mais de você.
E oh meu, o que aconteceu? — Ela chegou a um fim abrupto, sua frustração carinhosa com Daniel
substituída pela atenção ao rosto do marido.
Carina correu em torno de Abbie e para os braços de Daniel. — Você. Você está aqui, e
parece tão bonito e um pouco cansado, mas ainda assim bonito.
Mesmo na gravidade do momento ele teve que tomar o rosto dela nas mãos e beijá-la
suavemente. — Estou de volta e senti sua falta.
Seus olhos se arregalaram, e ela piscou várias vezes. Seu lábio inferior tremeu ainda um
momento, mas ela o segurou junto e enviou-lhe um sorriso.
— Nós precisamos ir para o Conselho do Governo agora. House Sessions tem negociado
armas com os imperialistas, — Roman disse à esposa.
O choque de Abbie deslizou longe, substituído pelo ultraje. — O que vamos fazer? Quer
dizer, eu tenho minhas próprias idéias sobre isso, e você sabe que eu ficaria feliz em expô-las. Mas
sei que isto é tênue, e você tem o meu apoio em qualquer direção que tomar.
Roman fez uma pausa, inclinando a cabeça dela. — Diga-me. O que você acha Abbie?
— Eu acho que você deve queimar Sessions ao chão e, como diz o velho ditado, salgue a
terra depois. Eles precisam saber.
— Sei. — Era evidente que Roman entendeu o que ela queria dizer.
— Nós estamos à beira da guerra. Este tipo de socorro ao inimigo não pode ser tolerado.
Você já tentou ser educado, você aplica multas e coloca as pessoas em julgamento. E ainda assim
eles continuam a colocar em risco esta Federação. Esta é a nossa gente, não podemos deixar esse
tipo abominável de crime contra nós ficar sem o tipo de resposta que coloque um fim em qualquer
outro que pensar que pode sair sem punição.
O sorriso de Roman era sanguinário e Daniel entendeu. Ele entendeu que aquilo era
exatamente o que Roman tinha planejado desde o início. Se ela tivesse ido muito longe, em outra
direção, ele teria talvez atenuado ou trabalhado aquilo com ela.
— Eu concordo.
— Assim como eu, — Wilhelm grunhiu, antes de voltar para seu comunicador pessoal,
onde ele esteve emitindo ordens assim que saíra do escritório de Roman.
Carina deu um passo adiante. — Você precisa. Eu sei que você acabou de decidir isso, mas
se você vacilar deixe-me dizer que meu pai não vai responder à misericórdia. Dar à bondade ou
compaixão uma segunda oportunidade. Meu pai conhece o açoite, é a língua que fala, e é o que
ele vai ouvir.
184

Roman concordou. — Obrigado, Carina.


— Ajudaria você se eu dissesse isso? No Conselho de Governo?
Daniel se virou para olhar para ela. Inferno! Ela simplesmente se voluntariou para se dirigir
ao coração do que seria, certamente, uma tempestade de controvérsias. Ele balançou a cabeça,
mas ela apenas bateu levemente em seu braço.
— Nós podemos estar unidos. Isso vai reforçar a sua posição também.
— Você pode não dizer mais nada? — Daniel resmungou.
— Ela está certa, sabe. — Abbie encolheu os ombros. — Venha, nós podemos ir todos
juntos.
— Eu não vou ficar fora as 12 horas, — disse a Wilhelm, que olhou para ele por muito
tempo sem falar.
— Tudo bem. Se você está trabalhando, você pode colocar um uniforme no caminho. —
Wilhelm virou-se, caminhando para as portas. Antes que Daniel pudesse seguir, Marcus veio
correndo e lhe entregou um uniforme, recém-passado.
— Eu ouviu e apostei que você poderia precisar de um. Eu me apressei ao seu escritório.
— Marcus, eu posso ver porque a minha irmã te ama tanto. Obrigado.
— Eu estarei em qualquer transporte que Daniel esteja mudando as roupas, — Carina
gritou.
Daniel gemeu internamente. Estar com essa mulher, provavelmente, o ensinaria algumas
coisas sobre como manter a compostura em público. Ou algo assim. Ela estava linda de se olhar. E
saber que ela era dele.
— Nós não temos tempo para isso, mocinha. Estaremos em nosso local em minutos.
Wilhelm franziu o cenho para ela, e ela revirou os olhos.
Mesmo assim, Wilhelm entrou em seu transporte e quase riu alto de ambos.
— Você deixou? A marca? — Wilhelm perguntou, o que significava a moeda.
— Sim. Eles sabem. E eles sabem que nós sabemos.
— Só os homens poderiam sempre usar essas palavras em uma frase, — Carina murmurou,
olhando pela janela. Ela estendeu a mão e pegou a dele.

Capítulo 23

Carina sorriu enquanto olhava Daniel encolher os ombros para fora da roupa e no
uniforme. Ele e Wilhelm estavam discutindo o que Daniel tinha encontrado, e a atenção dele
estava solidamente com o chefe. Deixando-a livre para fantasiar sobre ele e pensar no futuro.
Ela teve uma tarde adorável com Nyna e Clementine Haws. Mulheres de Daniel, ela viria a
considerá-las todas assim. Clementine era muito parecida com sua própria mãe, e tinha sido
185

amargo sentar-se e desfrutar de uma refeição da maneira que ela provavelmente nunca poderia
desfrutar novamente com a mãe.
Tinha sido um impulso, mas ela falou com o proprietário do edifício sobre o apartamento, e
Abbie tinha insistido em pagar um depósito de boa fé. No final, ela decidiu alugá-lo para ela e
Daniel. Carina esperava que ele voltasse ainda apaixonado por ela, porque ela o arrastaria para
casa toda noite pelo cabelo se ele achasse que iria deixá-la para trás.
Eles pararam próximos a uma entrada lateral. Wilhelm segurou um braço para fora. —
Vocês dois têm alguns minutos a sós. Não tão sozinhos, prestem atenção. Mas eu quero verificar a
segurança por mim mesmo e você está de folga até que eu diga o contrário. — E com isso, saiu,
deixando-os abençoadamente sozinhos.
Uma onda de amor quase a atingiu quando ele se virou, e ela pulou despudoradamente em
seu colo para um abraço forte antes que se afastasse o suficiente para olhar no rosto dele. — Você
está de volta.
— Estou. — Ele a abraçou novamente, trazendo-a de volta contra o seu corpo. — É bom te
sentir.
— Nem perto do quão bom, é sentir você. Você está aqui. — Felicidade se agrupou na
barriga dela, se propagou, até que seus lábios curvaram em um sorriso enorme.
— Desculpe-me por não ter entrado em contato com você no momento que voltei. Isto era
muito importante e meu sinal estava preso. Eu tinha que dar aquela informação para Roman.
— Eu entendo. — Ela suspirou feliz. — Você está aqui. Eu senti muito a sua falta.
— Eu senti a sua falta, também.
— Você ainda me ama? — Perguntou ela.
— Você me acha tão superficial que eu iria me desapaixonar por você em apenas oito dias?
— Ele não tentou sorrir.
— Eu não deveria te dizer isto, que só irá diretamente para a sua cabeça, mas você parece
tão perigoso e bonito agora. Eu senti falta disso. Senti falta de poder chegar e te tocar. Para saber
que você é real e é meu.
Ele beijou a testa dela. —Eu sou real e seu.
— Eu não posso esperar para você demonstrar. — Ela tremulou os cílios, e ele riu.
— Segure sua calcinha, Carina. Tenho trabalho a fazer em primeiro lugar. Depois você terá
demonstrações. Muitas e Muitas destas. Você não é a única que sentiu falta de tocar.
— Ah, que bom! Nós vamos para seu apartamento, então? Depois que terminar esta loucura, esta
tarde?
— Eu não sei o que vai acontecer depois que Roman fazer o seu discurso. Assim que ele estiver
seguro, nós vamos estar juntos. Quanto ao meu apartamento? Eu examinei cuidadosamente isto.
Meu apartamento é pequeno demais para nós Carina. Um dos quartos de Abbie é o que você
precisa. Espaçoso, seguro e luxuoso. Você precisa disso.
Ela suspirou, afagando o tórax dele com um pouquinho mais de força. — Se fosse isso que
eu precisasse, eu teria aceitado os repetidos convites sociais de Alexander Lyons. Eu preciso de
você. Eu preciso de um lugar que seja nosso. Tenho um salário agora!— Ela sorriu para ele. — Nós
podemos conseguir um bom lugar no respiradouro, com espaço de sobra. Olhei um apartamento
186

no prédio da Nyna. Vai nos servir muito bem. O proprietário diz que podemos nos mudar a
qualquer momento que quisermos. Abbie colocou um depósito de garantia. Ela me disse que tinha
dinheiro na poupança. Achei que estaria tudo bem com isso. Eu também vou ter salário em breve,
já que eu comecei a trabalhar.
Uma linha se formou entre as sobrancelhas quando ele franziu a testa por um momento.
Ela alisou-a com o dedo polegar. — Um rosto tão belo para ser marcado com as linhas de
uma expressão desagradável.
— Primeiro, deixe-me dar os parabéns pelo trabalho. Eu ouvi a notícia de Roman.
Ela corou de prazer. — No segundo círculo. Vincenz foi conosco. Ele diz que é muito seguro.
Começarei o treinamento na semana que vem. Então eu vou começar a ensinar assim que isso for
concluído.
— Me orgulho você.
Ela piscou para conter as lágrimas, jurou para si mesma que não as derramaria. — Isso
significa muito, — ela sussurrou.
— Você merece. Aquelas crianças têm sorte de ter você.
O carinho em seu rosto endureceu em aborrecimento novamente, e ela tentou muito não
rir.
— Agora, de volta para a outra coisa. Você e minhas irmãs foram caçar apartamento
juntas?
Ela riu e abraçou-o novamente, só então percebendo que só pensava que sentiu muita
falta dele. Logo em seguida, com seu cheiro no nariz, com os braços dele ao redor dela, ela
percebeu que tinha sentido muito mais falta do que tinha percebido. Sentiu falta de sua influência
constante, calmante sobre ela, do jeito mal-humorado, mas totalmente doce que ele lidava com
ela. Ele enchia os pontos vazios sem empurrar tudo para fora.
— Eu realmente amo as suas irmãs e sua mãe. Georges é um homem tão adorável,
também! Você é muito abençoado por tê-los. Eles te amam muito. Já ouvi tantas histórias
maravilhosas ao longo dos últimos dias.
Ele resmungou baixo em sua garganta, mas ela sabia que ele não quis dizer isso. — Pare de
tentar conduzir a conversa para outro lugar.
— Ela fez uma exclamação de impaciência. — É um belo apartamento. Só queria que
tivéssemos um lugar só nosso. Eu nunca tive isso.
Ele gemeu, e ela impiedosamente segurou o sorriso. Ele era verdadeiramente assim,
coração mole. Era uma pena que muito poucos sabiam o doce, adorável homem que era. Embora
ela supusesse que fosse mais seguro para ele que sua reputação fosse a de guerreiro duro e
insensível.
Só não com ela.
— Nyna e Abbie disseram que você ia gostar disso. Abbie até tentou organizar com
Wilhelm para moverem suas coisas. Mas, Wilhelm ficou muito ríspido com ela, disse que você iria
querer lidar com isso sozinho. Foi logo antes de você chegar. Estávamos no escritório de Roman
para incomodar Wilhelm, e Abbie queria pegar algo do escritório dela. É muito fofo que eles
tenham escritórios contínuos.
187

— Inferno, Carina! Tenho armas no meu apartamento. Não quero você bisbilhotando tudo
e se machucando.
— Shhh, você! Eu não fui. Wilhelm recusou, e Roman concordou. Mesmo Vincenz me deu
um olhar feio. As suas preciosas cuecas sujas e dezenas de facas estão intocadas por mim. Mas eu
não sou burra. Posso realmente ver uma coisa perigosa e não meter-me no olho dela.
— Hmpf. — Mas ele relaxou um pouco. — Vou ver isso com você depois.
Ela tentou resistir, mas cedeu, saltitando um pouco, fazendo-o rir. Ela fingia não perceber a
forma como ele mantinha um olhar sobre o mundo externo do transporte. Sabia que estava
arraigado dentro dele, e não podia reclamar em estar segura. — Você está de volta, e todas as
coisas parecem melhores. Eu só quero estar com você, e você está permitindo isso. Obrigada,
— Deuses acima e abaixo, você me desfaz. — Ele disse não como uma reclamação, mas
com admiração, e ela se jogou em seus braços novamente.
Ela escavou contra ele com tanta força que era como se tentasse entrar em sua pele. Se ele
tivesse as palavras certas, poderia dizer que ela já morava dentro dele. Segurando-a assim, assim
pequena e totalmente flexível, ele se deixou respirar, realmente liberar a ansiedade.
Era isso o que ele tinha sentido falta: A sensação de retorno. Não apenas voltar para
Ravena, mas voltar para alguém, algo maior do que simplesmente ele mesmo. Ela era o seu lugar
para voltar, o motivo para retornar.
— Eu amo você.
Ela fungou. — Você disse primeiro. Você disse isso.
— Sim. Bem, eu fui embora. Você cheira bem.
Tombando a cabeça para trás, sorriu. — Eu?
Ele se inclinou para respirar dentro dela — Hum, sim você. — Ele enrijeceu quando
repentinamente registrou o que ela tinha dito anteriormente sobre Alexander. — Espere. O quê?
— Ele empurrou a raiva, tremendo por um instante. — Alexander Lyons fez o quê?
— Ora, Daniel. Você acha que eu não poderia colocá-lo em seu lugar?
— O lugar dele é com o meu punho no nariz, — Daniel fez tudo menos rosnar. Ela pareceu
muito satisfeita consigo, e a diversão pelo que ela teria feito a Alexander fez moderar a raiva dele.
Mas Alex, supostamente, era um amigo. Daniel pensou que o irmão Roman estava finalmente
crescendo, mas esse tipo de coisa era algo que o velho Alexander teria feito. E dane-se tudo, ele
tinha um interrogatório a fazer e seu pênis estava duro, ele precisava estar com ela, e essa coisa
toda sobre Alexander o tinha irritado.
— Você é muito atraente quando está com ciúmes, mas não há necessidade. Como se
algum menino bonito pudesse ser mais atraente e maravilhoso do que você. Enfim, eu não acho
que ele realmente quis dizer aquilo.
Ele gemeu, empurrando a mão, entretanto, pelo próprio cabelo. — Wilhelm estará de volta
em um momento. Por favor, siga as minhas instruções e deixe-me manter você segura. Eu estarei
bem atrás de sua cadeira. Estou orgulhoso de você. — Beijou-a, querendo que fosse rápido, mas
nunca havia rapidez quando os lábios dela tocavam os dele.
188

Ela ajustou-se a ele, jogando os braços em volta de seu pescoço. Sua boca abriu em um
suspiro suave que avidamente tomou para si mesmo. A língua dela encontrou sua ousadia,
deslizando em uma dança sensual, convidando-o, e ele seguiu.
Doce. Seu gosto cumprimentou-o, tomando conta, enraizando, fazendo-o almejar mais.
Necessidade rugia nos ouvidos enquanto lutava por controle. Ele tinha que ficar com a cabeça
firme em mantê-los todos a salvo, não deveria sequer tê-la beijado, mas precisava daquilo.
Com um gemido e uma alfinetada do seu lábio inferior, ele interrompeu o beijo e, como
uma medida adicional, deu um passo para trás. — Nós vamos terminar isso mais tarde.
Ela tocou os lábios com a ponta dos dedos. —Eu amo você, Daniel. Eu amo você ter voltado
para mim. Ah, ai vem o Wilhelm.
— Vamos lá. Tudo está no lugar. — Wilhelm abriu as portas, e Daniel deu um passo para
fora, o soldado em primeiro lugar, naquele momento. As coisas iam mudar. Ele sentiu no ar.

Capítulo 24

Carina tentou não se embasbacar enquanto caminhava pelos corredores do edifício do


Grande Conselho. O que era bastante difícil com o trabalho de mármore em mosaico e as colunas
que se rebelavam, subindo para os elevados tetos.
E então ela deu uma olhada em Daniel em seu uniforme. Em pé, em um meio de
transporte, acelerando pelas ruas para a reunião, não conseguiu o pleno efeito pelo espaço
apertado. Mas agora ele permanecia firme, costas retas, nada de olhos inescrutáveis, mas que
nada perdiam. Ele estava pressionado e vivo e muito autoritário. Ela nunca tinha tido uma visão
mais deslumbrante.
— Quando finalmente tivermos nosso próprio apartamento, você e eu vamos brincar de
soldado e prisioneiro interrogado, — ela murmurou, inclinando-se em seu corpo.
Daniel pestanejou e, em seguida mordeu o lábio para não rir. Ele estreitou os olhos em sua
direção, mas divertimento e interesse os iluminaram, não raiva.
Ela engoliu em seco, esgueirando furtivamente com ele, enquanto caminhavam. Vincenz os
alcançou, quando chegaram às duplas portas maciças para as câmaras Internas do Conselho. Seu
irmão parecia belo e solene, ele tomou um lugar atrás de Daniel, protegendo Carina ainda mais.
Nada poderia tê-la preparado para o som da sala. Roman não tinha optado por anunciar a
chegada deles, assim que entraram por uma porta lateral, e no momento em que fizeram, o ruído
a atingira como uma bofetada. Discutindo todos ao redor, gritando através da tela de vídeo,
batidas de um martelo quando o sargento de armas gritou por ordem.
189

Roman deslizou para dentro de sua função bem ao lado dela. Ele era o ‘Lyon’20, ele era o
líder, o líder deles, e assumiu o mais elevado tablado, Abbie à sua direita. Deimos entrou por uma
porta lateral com um grupo de homens mais jovens, que se sentaram em um nível inferior.
— O Conselho de Associados: eles são os próximos na linha de liderança da Casa. Deimos é
o president. — Daniel murmurou enquanto segurava uma cadeira para ela e ficava atrás dela, as
mãos cruzadas nas costas.
Embora não tivesse dito uma única palavra, no entanto, toda a sala percebeu a chegada de
Roman. Todos os olhos estavam sobre ele, incluindo o seu próprio. Quando ele falava, ela era
incapaz de rasgar a atenção para longe dele. Ele ocupava o ambiente por pura força de
personalidade, quando ele lhes disse para ficar em silêncio e em ordem.
— Eu chamo essa sessão extraordinária do Pleno Conselho de Governo à ordem. Os
procedimentos não serão gravados. Qualquer Casa sem representação nesta reunião vai perder o
voto sobre qualquer questão que venha à tona.
E então virou todos eles de cabeça para baixo.
— Eu venho por meio deste, proclamar que a House Sessions foi desprovida de sua
posição. Sua propriedade será despojada deles, seus cofres reivindicados. Todos os membros
Sessions perderão os postos de comando. Eles deixarão suas residências em todas as três ‘Verses’
que possuem. ‘Lumina’, ‘Kyff’ e ‘Alia’ voltarão para o controle da House Lyon até o momento em
que o Conselho de Governo decida em que House estas ‘Verses’ se filiarão.
Um atordoado silêncio caiu sobre a ambiente enquanto Roman os deixava digerir o que
disse antes de continuar.
— Henry Sessions foi morto depois de ser descoberto, líder de um esquema de
contrabando de armas, que conduzia de Parron. Tenho um disco arquivado e disponível para os
líderes das Houses no Comitê de Lei e Justiça. Nesse disco, vocês vão encontrar provas fotográficas
e de vídeo de Sessions organizando uma troca de pequenos explosivos táticos por créditos. Esta
troca ocorreu com um conhecido membro do Império. Nova avaliação de documentos financeiros
de Sessions descobriu um rastro de pagamentos vinculados a mais do que um ano padrão de tais
negociações. Essas armas têm sido envolvidas em vários ataques a cidadãos da Federação.
— House Turgev será interrogada após este órgão encerrar, por isso, fique nesta câmara
até que seja informado que pode ir. — Olhou para um homem sentado a apenas algumas fileiras
de distância. — Parron é sua ‘Verse, e eu vou saber exatamente como isso aconteceu sob seu
controle.
A câmara estourou novamente com gritos de perguntas e reclamações oficiais sobre as
táticas de Roman.
Roman ignorou aquilo, através do corte dos amplificadores de som, ajustou um botão para
um penetrante gemido vir do sistema, e todos acalmaram-se novamente.

20
‘Lion’ significa leão e, a autora brinca com o duplo sentido da pronúncia, já que dizem que o leão
é o rei da floresta.
190

— Vou tornar algumas coisas claras para cada um de vocês. Há quase dois anos padrão,
descobrimos que famílias haviam se envolvido em ações de traição contra os Universos Federados.
Como resultado, milhares de vidas foram perdidas e mais, arriscadas pela instabilidade que se
criou. Estamos à beira da guerra. Esta não é uma frase que eu uso para conseguir mais poder.
Tenho conduzido com mão justa meu mandato inteiro. Este não é um negócio usual, estamos
todos em perigo, e vou usar todos os poderes que me foram concedidos para proteger o meu
povo.
Ele destacou algumas das recentes escaramuças sobre o Edge, incluindo os bioagentes
usados.
— Por que nos preocupamos com o Edge? — alguém gritou. — Se deixarmos os
imperialistas terem aquelas ‘Verses’, eles vão nos deixar em paz. Por que estamos matando nosso
povo e dissolvendo casas por um punhado de pilhas de sujeira?
Carina estava com prazer de ouvir uma série de murmúrios revoltados em reação a essas
observações.
— Porque, House Moander, nós somos a Federação. Nós assinamos tratados e demos o
nosso juramento de proteger essas ‘Verses’ que são nossas. Essas ‘Verses’ no Edge são da
Federação, ‘Verses’ como ‘Kwen Lun’, ‘Ravena’, ‘Nondal’, ‘Borran’, assim como cada uma das
nossas ‘Verses’ é. Eu não serei mentiroso e covarde.
— E porque Ciro Fardelle não vai parar naquelas ‘Verses’ — Carina disse em voz alta e clara.
Todos os olhos se voltaram para ela.
— Esta é Carina Fardelle. Ela escapou do Império e tem procurado refúgio. Seu irmão,
Vincenz, conhecido como Vicente Cuomo, tem estado a serviço dos Universos Federados por sete
anos-padrão. — Roman indicou a direção dela para o grupo.
Ela resolveu permanecer. Colocou a máscara de volta e se dirigiu a todos em fria voz.
— Vocês não ganharão nada, liberando as ‘Verses’ do Edge. Vocês pensam que ele se
preocupa com o território? Acreditam que é por isso que ele não mostrou hesitação em explodir
os seus cidadãos? Usa agentes virais sobre eles para torná-los doentes e matá-los? — Ela suspirou,
como se eles fossem todos crianças tolas. —Ciro Fardelle não se preocupa com as ‘Verses’. Ele não
está jogando o Império no caos por uma série de ‘Verses’ do Edge. Não se trata de território. Ele se
preocupa com o poder. Se você virar as costas e abandonar o seu povo, ele vai ver isso como
fraqueza, e continuará em frente, em direção ao Centro. Porque abandonar as ‘Verses’ irá
significar que você tem medo, e ele irá puni-lo por isso. Ele responde a uma coisa e apenas uma
coisa: mais força do que a sua própria. Não a ameaça de força, não o perigo da força, mas a força
bruta imposta por mãos rápidas.
Ela sentou-se e olhou ao longo da sala.
—Como você pode ser confiável? Você é uma Fardelle imunda! Você não está apta a estar
nesta câmara.
— House Stande, — Daniel murmurou, sabendo que ela poderia lidar com a réplica por si
só.
— House Stander, não é? Se você confia em mim ou não, estou aqui em cima. Eu trouxe a
informação, arriscando minha própria vida e a vida do que resta da minha família e a dos meus
191

amigos em casa. Tenho provado minha lealdade e estou dizendo a você como meu pai vai
responder. Pode confiar em mim ou não, mas o fato é que ele é um homem que põe em prática a
convicção de que os seres humanos precisam do chicote com freqüência suficiente para impedi-
los de ter alguma idéia de como sair vivos. Ciro Fardelle não se importa com você ou qualquer
outro aqui. Ele não se importa em minimizar a perda de vidas ou a paz negociada. Ele se preocupa
em destruir e mutilar. Você é a presa, ou você é o predador.
Roman levantou. — Nós somos predadores. Basta. Que se saiba que a partir deste dia em
diante, qualquer traição será revidada com força. Vai ser erradicada sob a minha bota, se aqueles
que não têm nenhuma honra, não podem aprender de uma maneira... — Roman olhou para
Abbie.
— Se vocês não podem aprender de uma maneira, vamos destruí-los. Essa traição vai
acabar de uma forma ou de outra. Como termina é escolha de vocês. — Abbie falou baixinho, mas
claramente. Ela encontrou os olhos de vários líderes de Houses.
— House Walker está com Lyons. Nossa experiência recente, com os nossos membros que
participam nessa bagunça sublinhou a importância de estarmos unificados agora.
Seguiu-se mais e mais. Cada líder de House em pé e apoiando Roman. Duas Houses
discordaram, mas concordaram em não interferir com Roman.
— Olhe para a sua House, as pessoas. Esta é a nossa terra, estes são os nossos cidadãos
para proteger. Fizemos um juramento. Não vamos quebrar essas promessas.
O pessoal de Wilhelm entrou e escoltou House Turgev em uma sala lateral para ser
entrevistado.
— Você fez o que era necessário, — Deimos disse ao pai.
— Toda a minha vida eu aprendi os ideais de igualdade e justiça. Essas pessoas, ajudando
esses bastardos, isto se trata de dar mais direitos aos sem classe. Mas ao fazer isso, eles vão
acelerar esse processo, apenas transformá-lo em seu ouvido, criar um povo zangado, que se sente
tão traído e ameaçado que se volta contra nós. Este é um mau negócio. Eu os odeio por me
fazerem isso. De que outra maneira posso lidar com isso?
— Como você está lidando com isso, Dai. Como um líder. Um verdadeiro líder não conduz
apenas quando as coisas são fáceis e quando não são decisões que mudam a vida. — Deimos
encolheu os ombros.
— Então vamos fazer algo sobre isso, — Abbie interrompeu. — Nós tomamos todas as
herdades de House Sessions: terras, casas, fazendas em Lumina. Vamos dar aos sem-classe. Não,
não tudo. Eu entendo que qualquer House que assumir o comando vai precisar pagar os serviços e
os salários dos funcionários. Se você dividir isso, uma ‘Verse para cada três Houses mais abastadas
e progressivas com o acordo de que aos cidadãos seja oferecida uma determinada quantidade da
terra de Sessions mantida para cultivar. Na Terra21 havia uma história assim. Os governos
encorajavam as pessoas a circularem e se estabelecerem nos lugares. Para trabalhar a terra,
construir a civilização novamente. Deram-lhes um certificado de propriedade de um terreno e

21
Planeta Terra
192

uma besta de carga. Podemos dar-lhes isso e talvez um pequeno montante para construir
habitações.
— Roman, fazer uma coisa assim poderia ameaçar as Houses. — Vincenz falou detrás de
Ellis.
— Sim. E eles deveriam ser ameaçados. Eu tenho milhões de sem-classe chateados agora.
Traídos pelas pessoas que, supostamente, deveriam protegê-los. Eles não têm nenhuma voz, e
seus protetores não têm falado por eles. Estou colocando abaixo tumultos próximos a cada
trimestre agora. Todos através da Federação. Eles estão irritados, e têm razão para estar. — Fez
uma pausa. —Abbie, se você fala sério sobre isso, coloque seu escritório analisando. Apresente-
me três versões de um plano para fazer isso. Faça-o oficialmente como colaboração para os sem-
classe. Seu escritório pode se beneficiar, e deve. Não economize. Quero todas as finanças
elaboradas. Faça minuciosamente.
— Nós Temos Turgev sendo interrogado agora. Vou informá-lo quando terminarmos. Não
acredito que eles estivessem envolvidos com Sessions. Negligentes em seu território, sim. Traição?
Não. — Wilhelm suspirou.
— Eu concordo. Vamos para casa. Deixei muita gente assustada no momento. — Roman
indicou a porta, e eles seguiram.

Capítulo 25

Carina tinha feito um ótimo trabalho. Daniel diria isso a ela, em privado, assim que
conseguissem a chance de escapar por um tempo. Infelizmente, ele não tinha acabado seu
trabalho, e as 12 horas de descanso pareciam muito distantes, de fato. Não conseguiria se
concentrar até que soubesse que ela estava seguramente longe.
—Tenho que trabalhar. — Ele tocou em sua bochecha. — Sinto muito. Eu preciso...
Ela assentiu com a cabeça. — Eu entendo. — Ela riu de sua expressão. —Sim, eu
verdadeiramente entendo. Isso é importante. Você é importante. Você tem um emprego. Virá
para mim? Quando isso acabar?
— Eu sempre vou voltar para você quando o meu trabalho acabar. — Ele precisava que ela
entendesse isso. — A pergunta é, Carina, você vai sempre estar lá? — Ele colocou os dedos
sobre os lábios dela por um momento. — Não responda ainda. Pense nisso com cuidado. Quando
eu chegar para você hoje à noite, se você concordar, eu vou tomar você e eu nunca vou te deixar.
Não vai ser fácil me amar, estar com uma pessoa cujo trabalho consiste em segredos. Eu quero
você. Eu quero você tanto, que estou ignorando deliberadamente todas as outras razões para não
estar com você. Mas a minha parte é fácil. Você é fácil de se amar. Então, pense e se você me
aceitar, vai ter-me para sempre.
Ela mordiscava os dedos. — Você é lento. Eu já lhe disse a minha resposta uma centena de
vezes. É tudo que eu sei Sr. Haws, você já é meu. Tenha cuidado. — Virou e moveu-se para o
193

transporte. — Estou apaixonada por você. Quero ter sua calada, mal-humorada, séria cara de
menino e, você tem que se casar comigo. Vou lhe dar algum tempo para considerar,
cuidadosamente, isto.
Ele colocou a mão sobre o coração. Inclinando-se para baixo, e falou no ouvido dela. —
Você realmente é a mulher mais irritantemente e mandona que alguma vez respirou. — Ela
endureceu, e ele riu. — É uma de suas melhores qualidades. Virei para você quando puder.
Ele se endireitou, e ela subiu rapidamente nas pontas dos pés para beijá-lo. —Eu estarei
esperando.
Após o transporte se afastar, ele se virou para Wilhelm. — Estou indo a pé para os
escritórios. Não quero estar preso em um meio de transporte; estive num durante dias.
— Vemo-nos lá. Encontre-me no meu escritório. Temos alguns dados daquele chip.
Ele correu, precisando de exercício. O ar frio bombeava pelo corpo enquanto corria,
acordando-o, ajudando-o a empurrar as dúvidas e mais alguma coisa para não ficar com o
problema na mão.
Até o momento que ele se lavou no seu escritório e colocou seu uniforme de gala, estava
menos nervoso e mais focado. Estar de volta em casa foi a primeira coisa importante. Ele a tinha
visto sabia que ela estava bem e agora tinha trabalho a fazer.
O assistente de Wilhelm acenou para Daniel quando ele chegou.
Roman e Wilhelm já estavam lá dentro, sentados a uma mesa grande, olhando para uma
tela.
— Eles não desbloquearam os dados ainda? — puxando uma cadeira, Daniel olhou para o
fluxo de informações na tela, ainda codificada.
Ele podia ver os blocos de informações que tinha começado a desvendar o código
quebrado, revelando dados inteiros esclarecedores debaixo.
— Meu pessoal, os melhores, têm estado sobre ele, e isso tem sido lento. Camadas de
criptografia tão densas e complicadas estão tomando duas equipes trabalhando metade de um dia
cada uma, para chegarem até aqui. Hoje foi a primeira vez que vi todos os dados reais, por trás da
codificação. Nós temos alguns lugares, mas não muito mais ainda.
— Esta disse a Carina que não tinha os programas para desvendar a segurança dele. Ela
deve ter pego diretamente dos arquivos pessoais de Ciro. Isso requer coragem, — disse Roman.
— Você pode dizer que ela é realmente extraordinária. Olhe para a filha dela. — Wilhelm
continuou a olhar para os dados. — Asphodel, Parron Mirage.
Daniel desejava que tivesse ao seu alcance, tirar Esta Fardelle de lá, mas temia que fosse
impossível. Os seus da inteligência, indicaram uma intensificação da segurança em Caelinus. Tão
severamente, que não poderia conseguir qualquer notícia de dentro de todo o complexo Fardelle.
— O Edge é claramente a chave aqui. Nós sabemos a partir de nosso próprio chip e do
pouco que Esta foi capaz de nos dizer antes de conseguirmos este chip. Além de serem as
intermediárias entre nós e o Império, quais são as outras similaridades entre essas ‘Verses’? —
Daniel puxou um mapa. — Nem mesmo as três mais próximas ‘Verses’ para o waypoint.
— Tudo o que temos aqui, é grande. As equipes estão preparadas, não estão? — Roman
perguntou.
194

— Mandei duas equipes para fora. Sera, Brandt e Ash vão encontrar com Andrei e Julian.
Tenho outra equipe especial no terreno em Mirage. — Wilhelm desviou a atenção para Roman. —
Sessions tem dado ao meu pessoal alguma dificuldade. Não vai ser tão limpo como eu gosto
consegui-los aqui.
Roman estalou os dentes fechados. — Consiga-os aqui. Mortos ou vivos. Deixe isso bem
claro para eles. Não vou aturar essa idiotice. Nem por um momento mais. Estamos à beira de uma
guerra total, e Sessions jogou sujo conosco. Eles esperam misericórdia agora?
— Senhor, estava bastante claro na investigação que eu fiz antes de bloquear tudo
diretamente em Henry, que, no mínimo, a camada superior da House sabia o que estava
acontecendo. A trilha do pagamento é a prova de que isto tinha trazido muito mais capital para
estrutura de sua House do que nunca. Até mesmo os trabalhadores do armazém sabiam.
— Isto é o que a misericórdia te trás. — Roman se levantou e começou a andar. Daniel não
o invejava naquele momento. O peso daquilo iria descansar sobre os ombros de Roman acima de
tudo. Ele tinha que equilibrar tantas coisas, as pessoas estariam feridas e não havia nenhuma
maneira de contornar. Esse tipo de poder não era algo que Daniel ansiava.
— A misericórdia é subestimada, mas não neste caso. Nós vamos consegui-los aqui, —
disse Wilhelm. —Sente-se, Roman. Há um curso aqui, nós estamos nele e temos de permanecer
fiel a ele como aprendemos. Eu tenho o meu pessoal trabalhando com os decodificadores, e os
rastreadores estão no fluxo de dados entre as três ‘Verses’ em questão, e em direção ao Império.
Nós vamos descobrir.
— Vincenz tem sido inestimável com isso. Não apenas na decodificação de dados, mas no
conhecimento que tem do Império e nos contatos que construiu durante o tempo em que esteve
conosco. Ele acelerou isso imensuravelmente.
— Talvez você possa deixá-lo subir a bordo, então. — Daniel raramente interferia com a
visão de Wilhelm no Phantom Corps. Enquanto Daniel corria a maior parte do programa, Wilhelm
tinha tratado o recrutamento da sua maneira única desde o início. Ele tinha trabalhado, trazendo
como agentes, exatamente o tipo de homens e mulheres que o programa precisava. Wilhelm criou
Phantom Corps, e tinha uma visão específica. Daniel não tinha nenhuma dificuldade com isso.
Mas neste caso, um lembrete poderia servir.
— Vincenz Fardelle como agente da Phantom Corps? Eu não sabia que ele estava
interessado. Está indo muito bem em sua ocupação atual.
Daniel esfregou a mão sobre o rosto. — Ele quis ser um de nós desde o início. Provou
lealdade e capacidade para se destacar no Corps. — Daniel encolheu os ombros.
— Provou?
E foi aí que Daniel percebeu que Wilhelm sabia tudo o que Daniel lhe dissera. Ele já sabia e
estava o levando para algum lugar com aquilo.
— Wilhelm, ele nos pediu quando chegou. Você disse que ele não era certo para este
trabalho, e foi assim que ele acabou onde está agora.
— Eu me lembro disso. Ele era muito jovem na época. Não apenas jovem da forma que
todos estavam quando eu encontrei, mas jovem no coração. Ele não era, — Wilhelm pausou, —
rígido. Mesmo com tudo que tinha visto. Você era rígido. Andrei era rígido. Marame era a garota
195

mais duramente jovem que eu já vi. Isso é o que todos vocês usam para impedir que se sintam
bem, matando.
Daniel não sabia bem como processar tudo isso. Ele estava orgulhoso de Wilhelm tê-lo
escolhido, orgulhoso do trabalho que fazia. Mas ser tão rígido que matar pessoas, se torne um
meio de vida não parecia algo a se aspirar.
— Ele recebeu excelente treinamento. Eu o vi no campo. Suas habilidades de investigação
são muito boas. Acho que ele seria um trunfo para Phantom Corps. Viver no Edge, assistir o pai
dizimar sua casa e tentar fazer o mesmo aqui? Isso endurece um homem. — Daniel conhecia
Vincenz bem o suficiente para saber o que o motivou.
Ah, era isso o tempo todo. Ellis estava esperando que Daniel saísse da sua sombra,
liderasse mais dentro da Phantom Corps.
— Eu confio no seu julgamento sobre o assunto. Por que você não fala com ele sobre isto?
— Wilhelm perguntou. Ele apreciou o jeito que Ellis tinha deixado a porta aberta, mas, neste caso,
Daniel sentiu que seria melhor vindo de Wilhelm. —Se tiver certeza de que deveria ser eu.
As sobrancelhas de Wilhelm subiram rapidamente, e Roman caiu em uma cadeira para
assistir seu jogo. — Você não acha?
— Desde o início, você fez as escolhas. Você trouxe-os de sua própria maneira. Eu sei que
ele não é o seu recrutamento de costume. Mas ele quer que seja você. Ele pediu. Você disse que
não. E, no entanto, ele não recuou. Ele poderia ter status de classe e ter se sentado sem fazer
nada desde que chegou. Mas foi rejeitado e fez-se melhor, fez-se de valor inestimável, e provou
repetidas vezes lealdade. Merece a mesma honra que o resto de nós.
Wilhelm concordou com a cabeça. —Entendido.
Carina tomou um gole do vinho quente com especiarias e fingiu escutar Corrin enquanto
ele tocava piano. Abbie sentou ao lado dela no sofá aconchegante, com a cabeça inclinada sobre
os travesseiros.
— Você está bem? — Ela quietamente perguntou. — Nenhuma náusea?
Abbie piscou e sentou-se ereta. —Sim, sim, eu estou bem. Não tive muitos problemas com
náusea nesta semana. Mercy diz que eu posso agüentar agora. Graças aos deuses.
— Bom.
— Você está bem? Você fez um bom trabalho hoje, Carina.
— Eu quero Daniel, — disse ela com um sorriso. — Eu sei que ele está trabalhando. Sei que
ele está vindo para mim. Egoisticamente, eu gostaria que fosse agora. — Ela deu de ombros.
— Eu te contei como Roman e eu nos apaixonamos. Eu esperava por ele, nós roubávamos
o tempo sempre que podíamos ver um ao outro, mesmo sabendo que estávamos condenados. O
amor funciona dessa forma. E o amor encontra um jeito. Meu irmão é, — ela suspirou, pensando
no que estava dizendo — ele é intenso. Seu foco é intenso. É por isso que ele é tão bom em seu
trabalho. Você está no seu enfoque. Ele estará de volta para você. Sempre. Além de Roman, eu
não conheço ninguém mais leal e certo de seu curso na vida. Às vezes, isso vai fazer você... Eu não
sei.
196

Abbie abanou a cabeça. — É grande. Ser amada por um homem assim. Às vezes, eu entro
em uma sala e ele olha para mim e não existe mais ninguém lá. Eu nunca imaginei o amor que
sinto.
— Às vezes você sente, como se fosse se afogar nele. Todo esse foco. Não é ruim, como se
sentisse que estou morrendo. Mas apenas levantada por uma onda disto, consumida por ela. É
poderoso. Conheço pessoas que se amam e, além de você e Roman, eu nunca vi esse tipo de
intensidade antes. Comecei a me perguntar se era só comigo.
Abbie sorriu. — É raro. Eu acredito que este tipo de conexão que encontramos com nossos
homens é raro.
— Você pode ter o amor que seja menos intenso, mas não menos duradouro.
— Mas eu prefiro ter este. — Carina riu, significando aquilo com todo o seu ser.
— Deuses acima e abaixo, eu também. Certamente não posso me imaginar fazendo este
bebê com mais ninguém.
— É bom ouvir isso, querida. — Roman deslizou para o quarto, não parecendo o homem
que tinha o peso de milhões de vidas nos ombros. — Vamos para a cama. Você parece cansada e o
médico disse que você precisa de mais descanso.
Carina não queria interromper este momento adorável entre eles, mas onde estava Daniel?
— Eu estive deitada no sofá, ouvindo Corrin tocar piano só para mim, e tagarelando com Carina.
Não é como se estivesse trabalhando muito. — Mas os olhos dela estavam sobre o seu marido,
quando se moveu para ele e para seus braços.
Carina assistiu-os, amando que a irmã de Daniel tivesse uma ligação com alguém, que
claramente a adorava.
— Você ainda está acordada? — Daniel entrou e fez tudo melhor.
— Eu esperava por você.
Ele ofereceu uma mão, e ela levantou-se sem hesitação, movendo para ele e tomando-a.
— Por você e só você. Eu sempre vou esperar.
— Eu te amo, Carina.
— Eu amo você, Daniel. — Ela sorriu para ele.
— No meu bolso da frente há uma requisição de casamento.
Antes que ele pudesse dizer qualquer outra coisa, ela chegou e o agarrou. —Você fez isso!
— Você me ordenou. — Um sorriso se insinuou na boca dele.
— Pffft. Daniel, Eu ordeno que você faça todo tipo de coisas.
— Venha para cima comigo. Vou explicar para você como vou te obedecer às vezes.
O eco do riso de Abbie os seguiu quando eles escaparam para cima.

Capítulo 26
197

Ela puxava a roupa enquanto ele ria. — Vamos, Daniel! Você não está nu. Eu tive que
esperar o dia todo para você ficar nu. Você deve obedecer-me agora.
— É bom que eu aprecie mulheres mandonas.
— Mulher. Não mais que uma. — Ela tentou beliscar sua lateral, mas ele era todo plano,
músculos tensos. Não que ela estivesse reclamando.
— Além das mulheres que vieram com Abbie, Nyna e Mai, você é a única. Estou bastante
certo que você me mataria se não fosse esse o caso.
— Você tem que dormir algum dia. Só lembre-se disto.
Ele caiu de costas no tapete macio, seus braços em torno dela, colocando o seu peso para
suavizar a queda.
— Eu não vou esquecer suas ameaças cruéis. — Ele não parecia muito ameaçado quando
lambeu o pescoço dela, seus dedos ágeis desabotoando a calça e empurrando-a para baixo de
suas pernas.
Ele se ergueu, descansando sobre o seu quadril, olhando para ela. — Você tem as pernas
mais bonitas.—
— Você vai se casar comigo? Quando?
— Impaciente, também. — Alisando as palmas das mãos para cima das pernas dela do
tornozelo para as coxas, ele inclinou-se para beijar sua barriga, avançando até o suéter dela
conforme beijava.
— Não pense que pode apenas me mostrar papéis, e eu desistir nesse ponto. Você tem se
despojado de mim, afinal de contas, — disse ela, que terminou em um grito enquanto ele
deliberadamente deslizou os dedos sobre sua calcinha, pressionando apenas o suficiente para
lembrá-la do que ela queria tanto.
Ele riu, soltando o suficiente para tirar o casaco e a camisa de seu corpo, jogando-os na sala
atrás deles, sem olhar.
Ela respirou profundo, olhando para ele. — Uau.
— Agora você. — Ele puxou o suéter sobre sua cabeça, e ela sacudiu os cabelos do rosto.
— Mais Beleza. Cada centímetro seu é tão lindo. — Ele beijou um mamilo e depois o outro.
— Você não é despojada. Você é amada.
— Oh, você é tão bom nisso. — Ela sorriu. — Eu digo que nós precisamos de mais ou
menos três semanas ou mais para planejar. Vamos precisar nos mover durante todo esse tempo, e
então podemos ter a cerimônia aqui. Abbie disse que você passava muito tempo nos jardins de
vidro colorido. Eu adoro aquilo lá, a forma como a luz dança sobre as flores por todos os painéis
coloridos.
Ele gemeu, mas não parou quando se livrou da calça e das botas, finalmente lançando sua
cueca longe.
— Vamos para a cama. Você não deve ser tomada aqui no chão.
Ela rolou sobre suas mãos e joelhos. — Mas você gosta disto.
Tinha sido o movimento certo. Os olhos dele ficaram vidrados. Sobre seu ombro, ela
observou o aperto no estômago, quando ele lambeu os lábios.
198

— Eu não vou quebrar se você me foder assim, Daniel. Pensei que nós tivéssemos decidido
cuidadosamente isto antes. — Sentindo-se ousada, ela colocou as mãos entre as próprias pernas e
abriu-se. Um gemido áspero rasgou dele, fazendo-a sentir-se linda e desejável.
Ele apertou um beijo abaixo das costas dela. Calor e arrepio subiram pelo contato,
espalhando-se para fora até que consumiu toda ela.
— Eu preciso disso tanto quanto você, — ela sussurrou. — Me tome como você quer. Eu
sou sua. É amor, não importa como você me toca. Para que serve essa coisa entre nós, se você não
pode tomar o que precisa de mim? Quando eu estou oferecendo isto livremente? Isto é sobre
você confiar em mim o suficiente para saber que eu te amo. Eu aceito tudo. Eu gosto de como
você está comigo. Bruto, suave, o que quer que seja.
Ele não sabia como podia. Ela era tão linda e suave. Ele não era. Ele não a merecia.
Respirou profundamente, lambendo sua cintura. Não que tivesse planejado ser um homem
melhor e se afastar.
Ela pegou a mão dele, aceitou o seu pedido de casamento. Ela lhe ordenara fazer aquilo
acontecer, afinal de contas, ele esperava que ela fosse satisfeita. Mas ela era uma mulher, então
ele meio que esperava que ela o fizesse implorar. O que ele teria feito.
Ele não abriria mão dela. Bufou e beliscou uma das bochechas da perfeita bunda dela. Ela
gritou e começou a rir.
— Daniel!
— O quê? Doce, você viu sua bunda? Ela pede para ser mordiscada. Eu sou um escravo do
meu impulso, você sabe. Apenas um simples homem extasiado pelo seu amor.
Ela agitou, ainda rindo.
— Você está totalmente cheio de si.
— Estou.— Ele deslizou os seus dedos através das dobras de sua vagina, tão molhada e
pronta para ele. Ela arqueou para trás, e ele foi para o clitóris.
— Graças aos deuses. — Ela gemeu, o riso morrendo. — Eu tenho esperado por isso pelo
que parece ser uma eternidade. Senti falta das suas mãos sobre mim. Estou muito acostumada a
ser atendida por você regularmente. É horrível me acostumar com isso e depois você ir embora e
me negar este prazer.
Era a vez dele de rir, apertando o clitóris entre o polegar e o indicador. — Eu me desculpo
por ser tão terrivelmente egoísta. Deixe-me dar-lhe este pequeno presente para começar a
reparar. — Quando ele disse isso, a esfregou com intensidade implacável. Ele precisava dela,
precisava dar-lhe prazer, precisava tocá-la e roubar cada suspiro, gemido, grito, cada pedacinho de
seu desejo.
Sua cabeça caiu para frente quando ele puxou e beliscou o mamilo esquerdo ao mesmo
tempo com os movimentos em sua boceta.
E então ela exalou agudamente, culminando em uma corrida quente contra os seus dedos,
deixando-a pronta e aberta, ele começou a penetrá-la, empurrando seu pênis na entrada dela,
estabelecendo-se por todo o caminho adentro.
— Eu aceito suas desculpas, — ela murmurou. — Por favor, não hesite em errar no futuro.
Sua maneira de se reconciliar é mais do que aceitável para mim.
199

— Estou apenas começando, doce. — Ele retirou-se e empurrou de volta repetidas vezes.
Seu ritmo era rápido e forte, a necessidade ameaçava rastejar de sua pele. O corpo dela
respondeu à necessidade dele, deu-lhe o que ele desejava.
Ao redor dele ela estava quente e molhada, segurando-o, acariciando seu pênis enquanto
ela empurrava de volta para satisfazer seus impulsos. Ele cedeu à vontade de controlá-la naquele
momento, para extasiar-se em satisfazê-la.
Então ele diminuiu a velocidade das coisas e apreciou-a por horas.
Carina nunca tinha estado mais feliz em toda sua vida. O pênis dele fundo dentro dela, com
as mãos por todo o seu corpo, segurando-a com ele como se ele não pudesse suportar não tocá-la.
Seus músculos estavam soltos e quentes pelo clímax delicioso que tinha dado a ela, e seu ritmo
correspondido.
Quando ele era assim, predominantemente masculino, dominante até, era como se cada
célula do seu corpo fosse supersensível. O tapete nos seus joelhos não era confortável, mas não
machucava, e de alguma forma, só acrescentava à experiência inteira. Aquele mesmo tapete se
atou em torno de seus dedos enquanto ela procurava satisfação. O cheiro deles aumentou em
torno dela, seu corpo acolhendo o seu suor limpo, seu próprio cheiro sem igual, todos estes
juntos, aumentando a sua necessidade.
Cada vez que ele não podia resistir mais um momento e fazia sons daquilo a deixava, louca.
Uma espécie de frenesi crescia em seus ossos, seus músculos, porque ela precisava de tudo dele.
Ele beijava o ombro dela enquanto bombeava dentro. Sua respiração irregular, os
músculos em seus braços como um fio de tensão. Ele estava todo em volta dela, sobre ela, por trás
dela, dentro.
Tão profundamente dentro e duro e, em seguida, todo o seu corpo endureceu enquanto
gemia o nome dela, gozando afinal e caindo ao chão, segurando-a nos braços.
— Bem vindo de volta.
Ele arquejou para respirar, e ela beijou os seus lábios, não querendo mover-se por um
tempo.
— Isso significa que você vai casar comigo, então?
— Eu só estive incomodando você para se casar comigo desde o dia em que nos
encontramos Daniel. O que te fez pensar que eu estaria interessada em outra coisa, além disso?
Ele se levantou, puxando-a contra ele. — Venha comigo. Eu fiquei aqui, então eu sei que a
banheira é espaçosa o suficiente para duas pessoas.
Ela observou-o enquanto ele abria a água e pegava as toalhas. Ela sentou na extremidade e
se viu completa, porque ele era dela. Isso a agradou diretamente até os dedos dos pés.
— Eu nunca esperei isso. Ele virou-se e ofereceu uma mão para ajudá-la na água.
Seguindo-a, acomodando-se às suas costas.
— Não esperou? Ela riu, porque ele fez tudo muito melhor.
— Eu não esperava você, tampouco. Pensei que você fosse inútil e superficial naquela
primeira vez em que te vi. Eu quis você, mesmo assim, mesmo quando olhei e te julguei linda, fria
e distante. Você tem provado que eu estava errado desde então. Ela estava tão relaxada lá em
seus braços, o calor da água ao redor, considerou o seu corpo saciado, por enquanto.
200

— Você não acha que sou bonita agora? — brincou ela, com os olhos fechados.
— Você não é fria e distante. Não é inútil ou superficial. Sua beleza é como a de horas após
uma forte nevasca. Brilhante, cobrindo tudo o que toca com a beleza. Você é pálida como o luar e
tão luminosa. Como uma pérola. Você é forte e inteligente, e o que fez hoje foi de grande força.
Estou orgulhoso de você.
— Oh Daniel, você é tão, — ela lambeu os lábios —eu não sei como você faz isto, mas você
diz exatamente o que eu preciso ouvir.
— Não quando eu te digo ‘não.’ Ela riu novamente, a alegria sempre muito perto da
superfície quando estava com ele.
— Você é muito ríspido em me dizer não. Mas eu suponho que sou difícil de se lidar e
todas essas coisas que os homens dizem sobre as mulheres com suas idéias próprias. Você deve
gostar de todas nós suficientemente bem. Eu vi como Roman olha Abbie. Parece-me que os
homens mandões, como você, precisam de mulheres que odeiem ouvir não.
— Confio em você para fazer disso uma virtude. — Ele beijou sua testa e ela sentiu a curva
de seus lábios quando ele sorriu.
— As coisas vão ficar muito ruins, não vão?
Ele fez uma pausa antes de voltar a deslizar as mãos de sabão em toda ela, conseguindo
deixá-la pronta mais uma vez.
— Eu acho que sim. Estamos recebendo os dados traduzidos. Vincenz está ajudando. Seu
pai está tramando algo inimaginavelmente horrível a julgar por quão longe ele foi para proteger
esses dados.
— Vou ajudar como puder.
— Wilhelm disse-me que você tem já sido de muita ajuda. Obrigado por isso. Estou
tentando avisar sua mãe. Eu atribuí a Vincenz, um plano para tirá-la de lá. Isso não pode acontecer
por enquanto. Sinto muito. Mas assim que pudermos, vamos levá-la embora. Carina olhou para
fora da janela acima da banheira. O céu estava iluminado com milhares de estrelas. As estrelas
totalmente diferentes daquelas que ela cresceu vendo de noite. Isso ainda chamava atenção dela
às vezes, percebendo que estava tão longe de tudo o que conhecia.
— Eu nem tenho certeza se ela sairia. Agradeço-lhe por trabalhar nisso, mas confio em
você para esperar até que isso possa ser feito com segurança, ou pelo menos da forma mais
segura possível.
— Amanhã, podemos começar a mudar para o apartamento novo. Eu vi o que você tem.
Pelo amor de Deus, Daniel, porque você vive em um apartamento tão pequeno? Você pode se dar
ao luxo de ter uma casa muito maior.
Ele suspirou. — Como você sabe isso?
— Abbie disse. Ela teve que dizer ao dono do prédio qual era o seu salário para que ele
pudesse alugar para nós. Vamos precisar de móveis. Uma cama. Abbie disse-me que você dorme
em uma estreita cama de solteiro. Por que se tortura assim?
Ela havia subido para olhar para ele, e ele a enxaguou, deixando-a fora da banheira,
juntando-se a ela e lançando sua toalha.
201

— Eu não tive um motivo para uma cama maior até agora. Tudo o que eu fazia na minha
cama era dormir. Não me mexo muito quando durmo. Por que desperdiçar tempo e dinheiro em
uma cama grande? A propósito, no bolso interno do paletó, do outro lado de onde os documentos
estavam, há algo para você. Ela gritou e correu porta afora, não se importando em estar nua.
Vasculhando o casaco, ela encontrou uma bolsa macia com um cordão ajustável no bolso. Não
quis abri-lo sem ele presente, então saiu em disparada e encontrou-o estabelecido na cama. Ele
tinha começado o fogo, de modo que o quarto estava quentinho. Ela saltou ao lado dele,
aconchegando-se contra seu corpo. — Eu amo presentes.
— Eu suspeito muito. — Ele tocou o seu queixo. — Abra-o.
Ela obedeceu e encontrou um anel com pedras azuis brilhantes lá dentro. Este se ajustou a
ela, mas era o jeito que ele o deslizou no dedo que a tocou ao máximo. Era sua maneira de marcá-
la como dele, uma declaração pública.
— É lindo. Eu nunca vi essas impressionantemente profundas pedras azuis. — Ela olhou
para o lado, amando o brilho das pedras à luz do fogo.
— Eu estava preso lá. Longe de você e tinha que gastar muito tempo vagando por alí,
fingindo casualidade enquanto olhava algumas coisas. Todos os dias, várias vezes ao dia, passei
por esta loja. Pouco mais do que um brechó, por isso não pensava em você quando passava. E
numa das tardes, fiz uma pausa, voltando para não ser visto, estive na frente dessa loja. Na parte
de trás havia echarpes e coisas para o cabelo. Pensei em você, então, entrei. Ao fundo, do outro
lado da barraca das echarpes havia um joalheiro. Atrás de uma grade trancada, é claro. Eu não
esperava encontrar nada, mas quando olhei mais de perto, vi esse anel. Sabia que precisava ser
seu.
— Você diz que eu te derreto. Mas você está errado, Daniel. É você que me derrete.
Ele sorriu, e ela respirou profundamente, beijando sua testa antes de sentar-se.
— Você quis casar comigo desde então. — Isto a agradou extremamente. Até que ele
balançou a cabeça.
— Não. Eu quis casar com você desde aquela noite no refugio. Dentro daquela montanha,
onde éramos apenas eu e você.
— Mais uma vez me derretendo. Daniel, você é o homem mais doce de todos os tempos.
Ele jogou a cabeça para trás e riu.
— Isso é a coisa mais ridícula que já ouvi. Ele mergulhou e terminou por cima dela, olhando
para seu rosto.
— Eu não sou doce. Não sou bom. Mas eu te amo tanto que rasgaria a estrutura das
‘Verses’ se você pedisse. Você é a minha companheira, meu coração e alma, e você me faz lembrar
que sou um homem. Ela piscou os olhos em lágrimas.
— Eu esperei a minha vida inteira por você. — Ele beijou a lateral do pescoço dela, e ela o
segurou firme, nunca querendo perder o calor dele contra ela.

Vincenz olhou para os dados e os seus olhos, olhos que foram perdendo o foco apenas há
pouco tempo, se focaram nitidamente. Ligou direto nos comunicadores pessoais de Daniel e
Wilhelm.
202

— Eu encontrei. Vocês dois precisam ver isso. Apenas minutos mais tarde, Wilhelm entrou
— Daniel e Roman devem estar aqui em breve. Ele sentiu-se mal em chamar Daniel.
Vincenz sabia que ele havia pedido Carina em casamento naquela noite. Daniel tinha falado com
ele sobre isso antes de ir para Roman. Ele tinha sido cético no começo, mas Vincenz tinha que
admitir que achava que eles eram um bom casal. Carina iria manter Daniel na ponta dos pés, e
Daniel iria adorar Carina da forma que ela estava destinada a ser adorada. Ele a manteria segura.
No final das contas, ele tinha dado sua bênção e acreditava mesmo naquilo.
— Antes deles chegarem, eu quero falar com você sobre algo. — Wilhelm tomou assento
ao lado de Vincenz.
— Daniel e eu estávamos falando sobre você hoje, sobre como você é inestimável para nós.
Eu gostaria de iniciá-lo como agente.
— Um agente da Phantom Corps? — Vincenz quis aquilo por tanto tempo quanto podia se
lembrar. Ele odiava querer, odiava a inveja que tinha de Daniel e dos outros agentes com quem
havia trabalhado. Perguntava-se porque havia sido preterido quando sabia que era tão bom,
especialmente após os anos de treinamento que suportara.
— Sim. Daniel e eu achamos que você seria um trunfo para a nossa equipe. Daniel é um
sub-chefe. Ele gerencia a Phantom Corps. Você seria atribuído a ele aqui em Ravena. Vou deixá-lo
te dar os detalhes sobre tudo isso. Quer dizer, se você estiver interessado. Vincenz estava
orgulhoso da maneira como tinha ficado calmo e indiferente. Primeiro, o convite para se juntar a
Phantom Corps e agora a notícia de que Daniel o conduziria. Ah, ele sabia que Daniel tinha alto
escalão, sabia que era influente, mas Vincenz não tinha idéia do quão poderoso. Podia trabalhar
nos termos de Daniel. Ele respeitava o homem, confiava em suas habilidades.
— Eu estou interessado, sim. Agora que Carina está aqui, estar na mesma ‘Verse’ seria bom
para nós dois.
— Eu vou pegar os papéis necessários. Você vai se reportar-se ao Daniel de agora em
diante. Ele ouviu o barulho de fora e, em seguida, Daniel entrou com Roman e se instalaram ao
redor da mesa com ele.
— Deixem-me dizê-lo. Pelo que posso entender, e os analistas concordam, parece que
esses dados são uma discussão entre meu pai e sua divisão de pesquisa militar. Os pequenos
pedaços que traduzimos parecem ser sobre as tentativas de construir uma máquina para fechar
um portal. A sala ficou em silêncio, de repente conforme eles se assentaram.
— Merda. — Daniel inclinou-se para olhar os dados mais de perto.
— Eles podem ter feito isso com sucesso. Essa explosão do portal, quando vocês dois
estavam voltando para cá fechou a ‘Verse’ totalmente. Ainda não podemos receber qualquer
informação sobre isso além do básico. — Wilhelm suspirou. — O melhor que podemos esperar é
que tenha sido um teste que falhou. Mas não podemos ir por esse pressuposto.
— O que tem lá dentro? Já acabou? Será que eles conseguiram? Como podemos detê-los?
Por que a menção das outras ‘Verses’? — Roman sentou-se em frente.
— Nós não sabemos ainda. Não sabemos nada além do que eu disse. Cada ofício que
traduzimos é dolorosamente lento. Existem armadilhas construídas no código, então, se você não
levá-lo exatamente, recodifica todo o documento.
203

— Eu duvido que ele tenha esse nível de segurança, se não, pelo menos, tem uma boa
chance de desenvolvê-lo. — Wilhelm balançou a cabeça.
— Qual seria o resultado? O que o colapso de um portal faria? — Daniel perguntou. — A
longo prazo?
— Nós não sabemos. — Vincenz recostou-se.
— Vamos colocar gente nisto. Quero todos os engenheiros de nível alto sobre o assunto.
Coloque seu pessoal espalhado em equipes, Wilhelm. Teremos algumas tropas naquelas três
‘Verses’. Ponha as equipes especiais nisso imediatamente.
A guerra estava chegando com pés pesados...

FIM

Você também pode gostar