Você está na página 1de 2

Universidade Federal de Alagoas

Unidade Acadêmica Centro de Tecnologia


Curso de Engenharia Química

DETECÇÃO E DIAGNÓSTICO DE FALHAS: ESTUDOS DE APLICAÇÃO NA


EQ/UFRJ

Bolsista: Filipe Alves Coelho

DISCIPLINA: SEMINÁRIOS SOBRE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS 2


PALESTRANTE: MAURÍCIO BEZERRA DE SOUZA JR.

MACEIÓ/AL – 06 de abril de 2011


O presente relatório refere-se ao seminário realizado no dia 29 de março no auditório do
LCCV pelo prof. Dr. Maurício Bezerra de Souza Jr. intitulado: “Detecção e diagnóstico
de falhas: estudos de aplicação na EQ/UFRJ”. A palestra se iniciou com uma pequena
introdução sobre a Escola de Química da UFRJ, seguindo para alguns conceitos da área
de detecção de falhas e apresentando alguns trabalhos desenvolvidos nessa área.
O palestrante mostrou que a Escola de Química da UFRJ engloba os cursos de
engenharia química, química industrial, engenharia de bioprocessos e engenharia de
alimentos, com pós-graduação nessas áreas
Com o progresso, em sistemas de controle distribuído e de controle preditivo baseado
em modelo, os benefícios para as indústrias têm sido enormes. No entanto, só foi possível até
hoje automatizar operações em condições de operação “normais”, pois quando surge um
evento “anormal”, o controle é passado para o modo manual e o operador fica diante de uma
situação onde é necessário tomar uma ou mais decisões em um ambiente estressante, podendo
levar à riscos ainda maiores caso as decisões sejam mal tomadas. Para ilustrar o problema que
os acidentes causam, o palestrante falou que por ano as indústrias petroquímicas perdem
US$20 milhões em acidentes, sendo a metade devido à produção e a outra metade de reparo.
O professor mostrou diversos conceitos relacionados à área de detecção de falhas e
explicou que infelizmente a terminologia ainda não está fundamentada no Brasil, apesar de
órgãos internacionais responsáveis já terem estabelecido a nomenclatura internacional. O
principal conceito é que uma falha é um desvio de no mínimo uma propriedade ou variável do
sistema do processo do seu intervalo aceitável de operação.
Por fim, o palestrante apresentou alguns trabalhos da área desenvolvidos na Escola de
Química. Um dos trabalhos que o palestrante mostrou era de modelagem do processo de
hidrotratamento de diesel utilizando redes neurais, desenvolvido por uma funcionária da
Petrobras. Uma série de variáveis foi monitorada pelo período de um ano e as redes neurais
foram capazes de se utilizar desses dados para prever possíveis falhas no processo. Outra
ferramenta mostrada pelo palestrante foi o PCA, que é uma técnica estatística capaz de
construir novas variáveis a partir das variáveis originais. Ele mostrou que essa ferramenta
pode ser utilizada para detecção de falhas e tomada de decisões, uma vez que facilita a
visualização de variáveis que em sua natureza não revelam a origem da falha. Isso facilita o
trabalho do operador, pois ele é capaz de visualizar através dessa variável transformada a
possível origem do problema e tomar assim, uma decisão de controle mais segura.