Você está na página 1de 6

REFLEXOS DA PANDEMIA DE COVID-19 NO

DESENVOLVIMENTO DO TURISMO RELIGIOSO:


Uma pesquisa exploratória

Nome do autor1
Nome do autor2

Resumo
O turismo religioso foi grandemente afetado pela pandemia do Covid-19. Sítios
religiosos, ao redor do mundo, foram impactados, devido ao isolamento social
imposto. O presente trabalho teve como objetivo verificar artigos publicados no Brasil
e no exterior, que abordassem essa temática. Por meio de uma pesquisa bibliográfica
de caráter exploratório, no repositório de artigos Publicações de Turismo da USP e na
base Web of Science, foram encontrados quatro artigos. Destes, três debatem o
turismo religioso, e um analisa os reflexos da pandemia do COVID-19, em cinco
localidades que desenvolvem o turismo religioso, a saber: Santiago de Compostela,
Lourdes, Czestochowa, Cracóvia e Wadowice. Os resultados mostram a importância
de mais pesquisas no que se refere ao turismo religioso, sobretudo, com relação aos
impactos diretos e indiretos da pandemia nesse segmento.

Palavras-chave: Turismo Religioso, Cultura, Covid-19

Introdução
A prática do turismo religioso vincula-se ao turismo cultural, sobretudo devido
à sua relação com as festividades populares e a história, sendo uma forma de
expressão cultural para determinados grupos sociais que expressam também a sua
realidade histórica, contribuindo para a perpetuação do patrimônio cultural. (DIAS,
2003, p. 17).

1
2

1
Sendo o turismo impulsionado por diferentes razões, delimitaremos nesse
trabalho o praticado por motivação religiosa. De acordo com os marcos conceituais
do Ministério do Turismo, o turismo religioso é categorizado como subdivisão do
turismo cultural, configurando-se como “atividades turísticas decorrentes da busca
espiritual e da prática religiosa em espaços e eventos relacionados às religiões
institucionalizadas” (BRASIL, 2006 p.16), compostas por doutrina, estrutura, rituais,
templos específicos, hierarquia e sacerdócio, podendo portanto ser cristã, afro-
brasileira, espírita, de origem oriental, entre outras. Dessa forma, caracteriza-se
também como aquele empreendido por participação de eventos de caráter religioso
como peregrinações, romarias. (DIAS, SILVEIRA, 2003).
O turismo religioso apresenta-se como objeto pertinente para observação nos
estudos do turismo. Segundo MacCannell (1976), as antigas peregrinações religiosas
e o turismo moderno estão relacionados, sendo que os atrativos turísticos trazem em
seus valores muito dos simbolismos que podem ser vistos analogamente aos
simbolismos religiosos dos povos primitivos. Os santuários religiosos, portanto,
colaboram diretamente com o desenvolvimento local no entorno dos santuários, onde
o peregrino assume um comportamento de consumo turístico. (SCHNEIDER,
SANTOS, 2013).
Diante do já exposto, considera-se a delimitação ao Santuário Nacional de
Aparecida (SP), sendo este o principal destino turístico religioso do país (CÉSAR,
VIANNA, 2013), cujo funcionamento foi gravemente afetado pela COVID 19. Deste
modo, os autores propõem uma pesquisa bibliográfica a respeito do tema, visando a
relacionar os impactos da atual pandemia no que se refere à prática do turismo
religioso.

Referencial teórico
César e Vianna (2015) descrevem o Santuário como atrativo turístico em
Aparecida (SP), cuja história está permeada pela mística resultante dos milagres
atribuídos à imagem encontrada na região, resultando no desenvolvimento urbano
local como espaço turístico, influenciando diretamente na sua caracterização

2
sociocultural. Tal processo é observado, também, em outros destinos do turismo
religioso no Brasil, como Iguape (SP) e Nova Trento (SC), cidades que também
desenvolveram seu arcabouço turístico a partir do seu fluxo de peregrinos. (PEREIRA,
CHRISTOFFOLI, 2013)
Este estudo pretende apresentar informações a respeito da suspensão da
atividade turística religiosa por consequência da pandemia de Covid-19, no ano de
2020. Centros de peregrinações foram repentinamente fechados em todo o mundo,
evidenciando a gravidade da pandemia nesses locais (MRÓZ, 2021).

Metodologia
A pesquisa bibliográfica exploratória foi o método utilizado neste estudo. De
acordo com Dencker (1998), as pesquisas bibliográficas permitem grande grau de
amplitude em estudos sobre o turismo, economia de tempo e ainda o levantamento
de importantes dados históricos.
Assim, a busca dos dados foi feita no repositório de Publicações de Turismo da
USP3 e no Periódicos da Capes na base Web of Science4. A escolha dessa
metodologia se mostra oportuna pois possibilitou o levantamento de informações e
também expôs o estado da arte da temática do turismo religioso e consequentemente
o impacto que a pandemia teve no desenvolvimento de trabalhos sobre esse
segmento turístico.
A primeira busca por dados que relacionassem “turismo religioso em
Aparecida” e “o impacto da pandemia” foi realizada no repositório Publicações de
Turismo da USP. Não foi encontrado nenhum artigo que relacionasse as duas
temáticas. Realizou-se então uma nova busca, utilizando as palavras “turismo
religioso” e “Aparecida do Norte”, resultando em cinco artigos, sendo que dois foram
descartados por não estarem enquadrado no escopo da pesquisa. Os artigos

3 Esse banco de dados indexa 40 periódicos em turismo e atualmente possui 11840 artigos

disponíveis. Esses artigos são oriundos de periódicos científicos ibero-americanos de turismo que
utilizam sistema OJS. As informações são coletadas dos metadados disponibilizados pelas revistas.
4 Banco de dados que disponibiliza ferramentas para análise de citações, referências, índice

h, permitindo análises bibliométricas. Cobre aproximadamente 12.000 periódicos, com acesso a 5


coleções.

3
localizados e analisados foram: Aparecida (SP): a formação socioespacial do atrativo
religioso; A evolução dos santuários católicos brasileiros: os casos de Aparecida - SP,
Iguape-SP e Nova Trento-SC e a caracterização dos seus visitantes; e ‘Um Pedacinho
da Itália’ ou ‘Terra de Santa Paulina’? Planejamento Turístico em Nova Trento-SC.,
1990-2010.
Para que o estudo atingisse o objetivo de localizar artigos que relacionassem
os temas “turismo religioso” e a “pandemia”, foi realizada uma busca na Web of
Science, com palavras-chaves "Covid-19 pandemic" and "religious tourism" or " North
Aparecida” essa busca retornou dois artigos, e somente 1 artigo foi selecionado,
intitulado: The Impact of Covid-19 on Pilgrimages and Religious Tourism in Europe
During the First Six Months of the Pandemic.

Resultados e discussão
O primeiro artigo, publicado na revista Caderno Virtual de Turismo no ano de
2015, discorre sobre como se dá a formação de uma localidade que tenha como
principal atrativo o turismo religioso, buscando entender a formação do turismo
religioso em Aparecida – SP, por meio de entrevistas, observações indiretas e
pesquisa teórica. Os resultados evidenciam que os responsáveis pelo
desenvolvimento do turismo religioso são: agentes, gestores, poder público e a igreja
(ALCÂNTARA; CESAR, 2015).
O segundo artigo, publicado em 2015 na revista de Cultura e Turismo, buscou
compreender os valores culturais e religiosos presentes nos santuários de Aparecida,
Iguape e Nova Trento, por meio de entrevistas com os visitantes. Os resultados
apontam o caráter religioso durante as visitações, no entanto, a falta de pesquisas
impede que os profissionais do turismo assegurem que a principal motivação dos
turistas seja somente a religiosidade (PEREIRA; CHRISTOFFOLI, 2013).
O terceiro artigo analisa o munícipio de Nova Trento (SC) como destinação
turística, sua importância regional e fator de preservação do patrimônio cultural.
Valendo-se de pesquisa qualitativa com fontes bibliográficas e análise de conteúdo,

4
objetivando a criação de uma matriz SWOT do destino, detectou-se a falta de estudos
sobre a temática e a falta de planejamento da localidade turística (SARTORI, 2019).
O artigo The Impact of COVID-19 on Pilgrimages and Religious Tourism in
Europe During the First Six Months of the Pandemic, publicado no Journal of religion
and health no ano de 2021, verifica o impacto da pandemia na visitação de cinco
santuários na Europa, ao relatar o desenvolvimento do turismo religioso nesses locais
nos primeiros seis meses da pandemia. O estudo apontou que, durante a pandemia,
o número de visitações caiu pelo menos 90%. Após entrevistas com o staff dos
santuários e com os peregrinos, e os resultados da pesquisa mostram que os
santuários incentivaram os peregrinos a participarem de eventos religiosos online,
bem como apresentam um modelo de desenvolvimento de peregrinações e turismo
religioso durante a pandemia COVID-19 (MRÓZ, 2021).

Considerações finais
O estudo apresentado possibilita uma observação mais clara a respeito do
impacto da pandemia para o turismo religioso. Assim como nos santuários europeus
citados, as visitas ao Santuário Nacional de Aparecida foram fortemente afetadas.
Considerando os dados mencionados, percebe-se semelhanças no caso do
Santuário de Aparecida, cujo site oficial aponta para uma diminuição de 75% no
número de seus visitantes no ano de 20205, em comparação ao ano anterior. O
número de visitantes entre janeiro e março de 2020 foi de 1.546.322, ao passo que,
no de abril a dezembro do mesmo ano, foi de 1.824.805 pessoas.
No contexto europeu, a diminuição dos visitantes aos Santuários de
peregrinação religiosa, no período de março a agosto de 2021 (os seis primeiros
meses de pandemia), foi superior a 90% (MRÓZ, 2021), em locais semelhantes, como
Santiago de Compostela, Lourdes, Czestochowa, Cracóvia e Wadowice. De acordo
com Mróz (2021), havia uma escala crescente no número anual de visitantes a alguns
desses locais, que foi interrompida em 2020. Como solução para atenuar o problema,

5Disponível em https://www.a12.com/santuario/noticias/os-impactos-da-pandemia-no-movimento-
anual-do-santuario-de-aparecida. Acesso em 05 de junho de 2021.

5
visando a atender seu público com segurança, alguns desses centros religiosos
passaram a transmitir suas atividades online.
Até o presente momento, as atividades, nesses espaços, não foram retomadas
em sua normalidade. Será preciso que a retomada, no setor, seja feita de forma
progressiva e planejada, assegurando que seus visitantes a façam sem riscos.
REFERÊNCIAS
BRASIL. Ministério do Turismo. Segmentação do turismo: Marcos conceituais.
Orientações básicas. Brasília: Ministério do Turismo, 2006.

CESAR, Pedro de Alcântara Bittencourt de; VIANNA, Andrea de Albuquerque.


Aparecida (SP): a formação socioespacial do atrativo religioso. Caderno Virtual de
Turismo. Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p. 149–166, ago 2015.

DENCKER, Ada de Freitas Maneti. Métodos e técnicas de pesquisa em turismo.


4ª Ed. São Paulo: Futura, 1998.

DIAS, Reinaldo. O turismo religioso como segmento do mercado turístico. In: DIAS,
Reinaldo; SILVEIRA, Emerson José Sena da. (Orgs). Turismo Religioso: ensaios e
reflexões. Capinas: Alínea, 2003. p. 7-37

MACCANNELL, Dean. The Tourist: A new theory of the leisure class. New York:
Schocken Books, 1976.

MRÓZ, F. The Impact of COVID-19 on Pilgrimages and Religious Tourism in Europe


During the First Six Months of the Pandemic. Journal of Religion and Health, v. 60,
n. 2, p. 625–645, fev 2021.

PEREIRA, Raquel Maria Fontes do Amaral; CHRISTOFFOLI, Angelo Ricardo.


Evolução Dos Santuários Católicos Brasileiros: Os Casos De Aparecida-Sp, Iguape-
Sp E Nova Trento-Sc e a Caracterização Dos Seus Visitantes. Revista de Cultura e
Turismo, v. 7, n. 2, p. 87–110, jun 2013.

SARTORI, Anderson. ‘Um pedacinho da Itália’ ou ‘Terra de santa Paulina’?


Planejamento Turístico de Nova Trento-SC, 1990-2010. Revista Rosa dos Ventos:
Turismo e Hospitalidade, v. 11, n. 3, p. 679–694, 2019.

SCHNEIDER, Mônica; SANTOS, Marcia Maria Cappellano dos. Buscando construir


um quadro teórico de referência para análise de hospitalidade em romarias. Revista
Rosa dos Ventos, Caxias do Sul, v. 5, n. 4, p. 577-591, out./dez. 2013.

Você também pode gostar