Você está na página 1de 45

DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 1 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA


NEURO

1. RM Crânio – Isquemia Aguda

Sequências Mínimas Contraste da imagem Cobertura anatômica Resolução espacial


Obrigatórias

Sagital T1 Líquor deve ser hipointenso e homogêneo Cobrir parênquima de lado a lado Espessura <= 6 mm
Boa diferenciação substância branca e cinzenta Gap <= 2 mm
Pixel (leitura) <= 1.2 mm

Axial Flair Líquor deve ser hipointenso e homogêneo Cobrir da transição craniovertebral até a alta convexidade e Espessura <= 6 mm
Boa diferenciação substância branca e cinzenta seio sagital superior Gap <= 2 mm
Pixel (leitura) <= 1.2 mm

Axial T2 Líquor deve ser hiperintenso e homogêneo Cobrir da transição craniovertebral até a alta convexidade e Espessura <= 6 mm
Boa diferenciação substância branca e cinzenta seio sagital superior Gap <= 2 mm
Pixel (leitura) <= 1.2 mm

Coronal T2 Líquor deve ser hiperintenso e homogêneo Cobrir do lobo frontal até o fim do lobo occipital Espessura <= 6 mm
Boa diferenciação substância branca e cinzenta Gap <= 2 mm
Pixel (leitura) <= 1.2 mm

1
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 2 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Axial ou Coronal Líquor deve ser hiperintenso e homogêneo Cobrir da transição craniovertebral até a alta convexidade e Espessura <= 6 mm
T2* / GRE Boa susceptibilidade magnética para detectar seio sagital superior. Deve cobrir do lobo frontal até o fim do Gap <= 2 mm
sangue ou calcificação lobo occipital Pixel (leitura) <= 1.2 mm

Sequência Contraste da imagem Cobertura anatômica Resolução espacial


Recomendada

Axial Difusão com Deve-se ter B value > 800 s/mm2. Cobrir da transição craniovertebral até a alta convexidade e Espessura <= 6 mm
Mapa da Difusão seio sagital superior Gap <= 2.5 mm
Pixel(leitura) <= 2.0 mm

2. RM Hipófise / Sela Turca

Sequências Mínimas Contraste da imagem Cobertura anatômica Resolução espacial


Obrigatórias

Axial T2 ou Axial Líquor deve ser hiper ou hipointenso e homogêneo Cobrir toda cavidade selar, seios cavernosos e esfenoidal e Espessura <= 4 mm
Flair de todo o cisterna supra-selar Gap <= 0.4 mm
Crânio Pixel (leitura) <= 0.9 mm

2
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 3 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Coronal T2 Fino Líquor deve ser hiperintenso e homogêneo Cobrir toda cavidade selar, seios cavernosos e esfenoidal e Espessura <= 4 mm
cisterna supra-selar Gap <= 0.4 mm
Pixel (leitura) <= 0.9 mm

Coronal T1 Fino Líquor deve ser hipointenso e homogêneo Cobrir toda cavidade selar, seios cavernosos e esfenoidal e Espessura <= 4 mm
cisterna supra-selar Gap <= 0.4 mm
Pixel (leitura) <= 0.9 mm

Sagital T1 Fino Líquor deve ser hipointenso e homogêneo Cobrir toda a hipófise Espessura <= 4 mm
5 sequências ( 1 pré e pelo menos 4 pós EV ) Gap <= 0.4 mm
Pixel (leitura) <= 0.9 mm
Resolução Temporal <= 35 s

Coronal T1 Fino Líquor deve ser hipointenso e homogêneo Cobrir toda cavidade selar, seios cavernosos e esfenoidal e Espessura <= 4 mm
Dinâmico durante cisterna supra-selar Gap <= 0.4 mm
Injeção EV Pixel (leitura) <= 1.5 mm

Sagital T1 Fino pós Líquor deve ser hipointenso e homogêneo Cobrir toda cavidade selar, seios cavernosos e esfenoidal e Espessura <= 4 mm
EV cisterna supra-selar Gap <= 0.4 mm
Pixel (leitura) <=0.9 mm

3
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 4 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Coronal T1 Fino pós Líquor deve ser hipointenso e homogêneo Cobrir toda cavidade selar, seios cavernosos e esfenoidal e Espessura <= 4 mm
EV cisterna supra-selar Gap <= 0.4 mm
Pixel (leitura) <=0.9 mm

3. RM Órbitas

Sequências Mínimas Contraste da imagem Cobertura anatômica Resolução espacial


Obrigatórias

Axial T2 ou Axial Flair de Líquor deve ser hiper ou hipointenso e Cobrir da transição craniovertebral até a alta convexidade Espessura <= 6 mm
todo o Crânio homogêneo parenquimatosa e seios sagital superior Gap <= 2.0 mm
Boa diferenciação substância branca e cinzenta Pixel (leitura) <= 1.2 mm

Coronal T2 Fino Líquor deve ser hiperintenso e homogêneo Cobrir da pálpebra até a metade da ponte Espessura <= 5 mm
Gap <= 1.2 mm
Pixel (leitura) <= 1.2 mm

Coronal T1 Fino Líquor deve ser hipointenso e homogêneo Cobrir da pálpebra até a metade da ponte Espessura <= 5 mm
Gap <= 1.2 mm
Pixel (leitura) <= 1.2 mm

Axial T2 Fino Líquor deve ser hiperintenso e homogêneo Cobrir do terço superior do seio maxilar até a pálpebra Espessura <= 3 mm
superior Gap <= 1.2 mm
Pixel (leitura) <=1.2 mm

4
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 5 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Axial T1 Fino Líquor deve ser hipointenso e homogêneo Cobrir do terço superior do seio maxilar até a pálpebra Espessura <= 3 mm
superior Gap <= 1.2 mm
Pixel (leitura) <=1.2 mm

Coronal T1 Fino pós EV Líquor deve ser hipointenso e homogêneo Cobrir da pálpebra até a metade da ponte Espessura <= 5 mm
com Supressão de Supressão de gordura deve ser homogênea Gap <= 1.2 mm
Gordura Pixel (leitura) <= 1.2 mm

Axial T1 Fino pós EV com Líquor deve ser hipointenso e homogêneo Cobrir do terço superior do seio maxilar até a pálpebra Espessura <= 3 mm
Supressão de Gordura Supressão de gordura deve ser homogênea superior Gap <= 1.2 mm
Pixel (leitura) <=1.2 mm

Sequência Contraste da imagem Cobertura anatômica Resolução espacial


Recomendada

Coronal T2 com Líquor deve ser hiperintenso e homogêneo Cobrir da pálpebra até a metade da ponte Espessura <= 3 mm
Supressão de Supressão de gordura deve ser homogênea Gap <= 1.2 mm
Gordura ou STIR Pixel (leitura) <=1.2 mm

5
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 6 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

4. RM Orelhas / Ouvidos / Conduto Auditivo Interno

Sequências Mínimas Contraste da imagem Cobertura anatômica Resolução espacial


Obrigatórias

Axial T2 ou Axial Flair Líquor deve ser hiper ou hipointenso e Cobrir da transição craniovertebral até a alta convexidade Espessura <= 6 mm
de todo o Crânio homogêneo. Boa diferenciação substância parenquimatosa e seios sagital superior Gap <= 2.0 mm
branca e cinzenta Pixel (leitura) <= 1.2 mm

Coronal T2 Fino Líquor deve ser hiperintenso e homogêneo Cobrir toda a mastoide até o forame jugular Espessura <= 4 mm
Boa visualização dos 7º e 8º pares cranianos Gap <= 0.4 mm
Pixel (leitura) <= 0.9 mm

Coronal T1 Fino sem Líquor deve ser hipointenso e homogêneo Cobrir toda a mastoide até o forame jugular Espessura <= 4 mm
Supressão de Gordura Boa visualização dos 7º e 8º pares cranianos Gap <= 0.4 mm
sem EV Pixel (leitura) <= 0.9 mm

Coronal T1 Fino com Líquor deve ser hipointenso e homogêneo Cobrir toda a mastoide até o forame jugular Espessura <= 4 mm
Supressão de Gordura e Supressão de gordura deve ser homogênea Gap <= 0.4 mm
com EV Boa visualização dos 7º e 8º pares cranianos Pixel (leitura) <= 0.9 mm

6
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 7 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Axial T1 Fino com Líquor deve ser hipointenso e homogêneo Cobrir toda a mastoide até o forame jugular Espessura <= 3 mm
Supressão de Gordura e Supressão de gordura deve ser homogênea Gap <= 1.2 mm
com EV Boa visualização dos 7º e 8º pares cranianos Pixel (leitura) <= 1.2 mm

Sequência Contraste da imagem Cobertura anatômica Resolução espacial


Recomendada

Coronal ou Axial CISS / Líquor deve ser hiperintenso e homogêneo Cobrir todo CAI e labirinto membranoso Espessura <= 1.2 mm
FIESTA Voxel deve ser isotrópico ou quase isotrópico Gap = 0 mm (zero gap)
para reconstruções multiplanares nítidas Pixel (leitura) <= 0.8 mm
Boa visualização dos 7º e 8º pares cranianos

7
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 8 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

5. RM Pescoço

Sequências Mínimas Contraste da imagem Cobertura anatômica Resolução espacial


Obrigatórias

Sagital T1 Líquor deve ser hipointenso e homogêneo Cobrir pescoço de lado a lado Espessura <= 7 mm
Sequencia para programar demais cortes Gap <= 2 mm
Pixel(leitura) <= 1.2 mm

Coronal T2 Líquor deve ser hiperintenso e homogêneo Cobrir do lábio à margem posterior da coluna vertebral Espessura <= 4 mm
Gap <= 2 mm
Pixel (leitura) <= 1.5 mm

Coronal T1 Líquor deve ser hipointenso e homogêneo Cobrir do lábio à margem posterior da coluna vertebral Espessura <= 4 mm
Gap <= 1.2 mm
Pixel (leitura) <= 1.5 mm

Axial T2 Líquor deve ser hiperintenso e homogêneo Cobrir do assoalho do seio esfenoidal ao ápice pulmonar Espessura <= 5 mm
Gap <= 2 mm
Pixel (leitura) <= 1.5 mm

Axial T1 Líquor deve ser hipointenso e homogêneo Cobrir do assoalho do seio esfenoidal ao ápice pulmonar Espessura <= 5 mm
Gap <= 2 mm
Pixel (leitura) <= 1.5 mm

8
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 9 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Coronal T1 com ou sem Líquor deve ser hipointenso e homogêneo Cobrir do lábio à margem posterior da coluna vertebral Espessura <= 4 mm
Supressão de Gordura e Supressão de gordura deve ser homogênea Gap <= 2 mm
com EV Pixel (leitura) <= 1.5 mm

Axial T1 com ou sem Líquor deve ser hipointenso e homogêneo Cobrir do assoalho do seio esfenoidal ao ápice pulmonar Espessura <= 5 mm
Supressão de Gordura e Supressão de gordura deve ser homogênea Gap <= 2 mm
com EV Pixel (leitura) <= 1.5 mm

PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA


MEDICINA INTERNA

1. Pelve Feminina (Doença Uterina ou Anexial)

Sequências necessárias Sequência de pulso e contraste da Cobertura anatômica e planos de corte Resolução espacial Observações
imagem

Plano axial de fluido brilhante Deve ter boa definição dos órgãos Deve incluir desde as cristas ilíacas até o Espessura de corte
(T2) sem ou com supressão introito vaginal. Deve incluir as paredes da ≤ 7.0 mm
de gordura pelve Gap ≤ 1,5 mm
Pixel (fase) ≤ 1.2 mm

9
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 10 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Plano sagital de alta As zonas anatômicas do corpo e colo Deve incluir todo o útero, colo do útero, Espessura de corte
resolução com fluido do útero devem estar claramente anexos e paredes da pelve ≤ 5,0 mm
brilhante (T2) sem ou com definidas Gap ≤ 1,5 mm
supressão de gordura Pixel (fase) ≤ 1.2 mm

Plano coronal de alta As zonas anatômicas do corpo e colo Deve incluir desde as cristas ilíacas até o CASO 3D Caso sequência FSE ou
resolução com fluido do útero devem estar claramente introito vaginal. Espessura de corte 1 a TSE:
brilhante (T2) sem ou com definidas Deve incluir as paredes da pelve 1.2 mm Espessura de corte
supressão de gordura, Gap 0.0 mm ≤ 5,0 mm
prefencialmente em Pixel (fase) ≤ 1,2 mm Gap ≤ 1,5 mm
sequência 3D Pixel (fase) ≤ 1,2 mm

Plano axial em fase / fora de A gordura deve ter hiperssinal Deve cobrir toda a estrutura óssea da pelve no Espessura de corte
fase (T1) O conteúdo líquido deve ser escuro eixo latero-lateral e antero-posterior ≤ 7,0 mm
Gap ≤ 1,5 mm
Pixel (fase) ≤ 1.2 mm

10
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 11 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Plano sagital ou axial com O tecido adiposo precisa ter hipossinal. O sagital deve incluir todo o útero, colo do Se sagital: Se axial:
supressão de gordura e fluido A saturação de gordura deve ser útero, anexos e paredes da pelve Espessura de corte ≤ Espessura de corte
escuro (T1) homogênea. O axial deve incluir todo o útero, colo do 5,0 mm ≤ 5,0 mm
Pré-contraste Todos os parâmetros da sequência útero, anexos e estrutura óssea da pelve no Gap ≤ 1.5 mm Gap ≤ 1,5 mm
devem ser idênticos ao pós-contraste. eixo latero-lateral e antero-posterior Pixel (fase) ≤ 1,2 mm Pixel (fase) ≤ 1,2 mm

Plano sagital ou axial com O tecido adiposo precisa ter hipossinal. Sagital deve cobrir o útero, colo do útero, Se sagital: Se axial:
fluido escuro (T1) e supressão A saturação de gordura deve ser anexos e sidewalls pélvicas Espessura de corte Espessura de corte
de gordura homogênea. Axial deve cobrir toda a pelve boney ≤ 5,0 mm ≤ 5,0 mm
Pós-contraste Todos os parâmetros da sequência lateralmente e antero-posterior Gap ≤ 1.5 mm Gap ≤ 1,5 mm
devem ser idênticos ao pré-contraste. Pixel (fase) ≤ 1,2 mm Pixel (fase) ≤ 1,2 mm
Deve demonstrar realce uterino
satisfatório.

11
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 12 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

2. Pelve masculina geral (excluindo-se estadiamento de câncer de próstata e avaliação multiparamétrica)

Sequências necessárias Sequência de pulso e contraste da Cobertura anatômica e planos de corte Resolução espacial Observações
imagem

Plano axial de fluido Deve ter boa definição dos órgãos Deve incluir desde as cristas ilíacas à borda Espessura de corte
brilhante (T2) sem supressão anal. ≤ 7mm
de gordura Deve incluir as paredes da pelve Gap ≤ 1,5 mm
Pixel (fase) ≤ 1.2 mm

Plano sagital de alta Deve incluir desde as cristas ilíacas até Deve cobrir toda a próstata e vesículas Espessura de corte
resolução com fluido a borda anal. seminais ≤ 5 mm.
brilhante (T2), sem ou com Deve incluir as paredes da pelve Gap ≤ 1,5 mm
supressão de gordura Pixel (fase) ≤ 1,2 mm

Plano coronal de alta Deve incluir desde as cristas ilíacas até Deve incluir desde as cristas ilíacas à borda CASO 3D Caso sequência FSE ou
resolução com fluido a borda anal. anal. Espessura de corte TSE:
brilhante (T2) sem ou com Deve incluir as paredes da pelve Deve incluir as paredes da pelve 1 a 1.2 mm Espessura de corte
supressão de gordura, Gap 0.0 mm ≤ 5,0 mm
prefencialmente em Pixel (fase) ≤ 1,2 mm Gap ≤ 1,5 mm
sequência 3D Pixel (fase) ≤ 1,2 mm

12
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 13 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Plano axial de alta resolução O tecido adiposo precisa ter Deve incluir desde as cristas ilíacas à borda Espessura de cort
com fluido escuro (T1) e hipossinal. anal. ≤ 5,0 mm
supressão de gordura A saturação de gordura deve ser Deve incluir as paredes da pelve. Gap ≤ 1.5 mm
pré-contraste homogênea. Pixel (fase) ≤ 1,2 mm
Todos os parâmetros da sequência
devem ser idênticos ao pós-contraste

Plano axial de alta resolução O tecido adiposo precisa ter Deve incluir desde as cristas ilíacas à borda Espessura de corte
com fluido escuro (T1) e hipossinal. anal. ≤ 5,0 mm
supressão de gordura A saturação de gordura deve ser Deve incluir as paredes da pelve. Gap ≤ 1,5 mm
pós-contraste homogênea. Pixel (fase) ≤ 1,2 mm
Deve apresentar realce prostático
satisfatório
Todos os parâmetros da sequência
devem ser idênticos ao pré-contraste

13
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 14 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

3. Abdome superior rotina

Sequências necessárias Sequência de pulso e contraste da Cobertura anatômica e planos de corte Resolução espacial Observações
imagem

Plano axial em fase / fora de Deve demonstrar adequado contraste Deve cobrir o fígado inteiro Espessura de corte
fase, líquido escuro (T1) hepatoesplênico. ≤ 7mm
Deve demonstrar perda de sinal Gap ≤ 1,5 mm
adequada na sequência fora de fase. Pixel (fase) ≤ 2.0 mm
Deve demonstrar boa definição dos
órgãos.

Plano axial com TE longo de Deve ter boa discriminação do fígado Deve incluir o fígado inteiro Espessura de corte
fluido brilhante (T2), sem em relação à árvore biliar. ≤ 7mm
supressão de gordura Deve ter boa definição dos órgãos. Gap ≤ 1,5 mm
Pixel (fase) ≤ 2.0 mm

Plano coronal com TE longo Deve ter boa discriminação do fígado Deve incluir o fígado inteiro Espessura de corte
de fluido brilhante (T2), sem em relação à árvore biliar. ≤ 7 mm
supressão de gordura Deve ter boa definição dos órgãos. Gap ≤ 1,5 mm
Pixel (fase) ≤ 2.0 mm

14
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 15 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Plano axial 3D de fluido Deve ter boa definição dos órgãos. Deve cobrir o fígado inteiro Espessura de corte
escuro (T1), com supressão de A saturação de gordura deve ser ≤ 6 mm
gordura homogênea. Gap 0.0
Deve ter pelo menos quatro fases: Pixel (fase) ≤ 2,0 mm
1. Pré-contraste
2. Parenquimatosa arterial
3. Venosa portal
4. Equilíbrio ou tardia

4. Abdome superior com ênfase em pâncreas e vias biliares

Sequências necessárias Sequência de pulso e contraste da Cobertura anatômica e planos de corte Resolução espacial Observações
imagem

Plano axial em fase / fora de Deve demonstrar adequado contraste Deve cobrir o fígado inteiro Espessura de corte
fase, líquido escuro (T1) hepatoesplênico. ≤ 7 mm
Gap ≤ 1,5 mm
Deve demonstrar perda de sinal Pixel (fase) ≤ 2.0 mm
adequada na sequência fora de fase.

15
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 16 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Deve demonstrar boa definição dos


órgãos.

Plano axial com TE longo de Deve ter boa discriminação do fígado Deve incluir o fígado inteiro Espessura de corte
fluido brilhante (T2) sem em relação à árvore biliar. ≤ 7 mm
supressão de gordura Deve ter boa definição dos órgãos. Gap ≤ 1,5 mm
Pixel (fase) ≤ 2.0 mm

Plano coronal com TE longo Deve ter boa discriminação do fígado Deve incluir o fígado inteiro Espessura de corte
de fluido brilhante (T2), sem em relação à árvore biliar. ≤ 7 mm
supressão de gordura Deve ter boa definição dos órgãos. Gap ≤ 1,5 mm
Pixel (fase) ≤ 2.0 mm

Plano axial fino do pâncreas Deve ter boa discriminação do Deve incluir o pâncreas inteiro Espessura de corte
com TE longo de fluido pâncreas em relação ao sistema ductal. ≤ 5 mm
brilhante (T2) Deve ter boa definição dos órgãos. Gap ≤ 1,5 mm
Pixel (fase) ≤ 2.0 mm

16
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 17 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Colangio RM 3D ou 2D Pode realizar uma sequência 3D ou 2D Deve cobrir a árvore biliar central, incluindo os 3D 2D GROSSA
para a Colangio RM ramos de segunda ordem e todo o pâncreas Espessura de corte Espessura de cort
Deve ter bom contraste do fluido ≤ 2 mm > 40 mm, < 60 mm
Pixel (fase) ≤ 2.0 mm
Gap 0.0
Pixel (fase) ≤ 2.0 mm

Plano axial 3D de fluido Deve ter boa definição dos órgãos. Deve cobrir o fígado inteiro Espessura de corte
escuro com supressão de A saturação de gordura deve ser ≤ 6 mm
gordura (T1) homogênea. Gap 0.0
Deve ter pelo menos quatro fases: Pixel (fase) ≤ 2.0 mm
1. Pré-contraste
2. Parenquimatosa arterial
3. Venosa portal
4. Equilíbrio ou tardia

17
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 18 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

5. Renal

Sequências necessárias Sequência de pulso e contraste da Cobertura anatômica e planos de corte Resolução espacial Observações
imagem

Plano axial com líquido Deve ter boa discriminação entre o rim e o Axial deve incluir as glândulas adrenais e rins Espessura de corte
brilhante (T2) sistema de coletor. por completo. ≤ 7,0 mm
Gap ≤ 1,5 mm
In plane pixel (fase)
≤ 2.0 mm

Plano coronal fino com Deve ter boa discriminação entre o rim e o Axial deve incluir as glândulas adrenais e rins Espessura de corte
líquido brilhante (T2) sistema de coletor. por completo. ≤ 5,0 mm
Gap ≤ 1,0 mm
Pixel (fase) ≤ 2.0 mm

Plano axial em fase / fora de Deve ter boa discriminação córtico- Deve incluir as glândulas adrenais e rins por Espessura de corte
fase fluido escuro (T1) medular. completo. ≤ 7 mm
Gap ≤ 1,5 mm
Deve ter boa definição de tecidos In plane pixel (fase)
circundantes. ≤ 2.0 mm

18
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 19 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Plano axial 3D de fluido Deve ter boa definição dos órgãos. Deve cobrir o fígado inteiro Espessura de corte
escuro (T1) com supressão Deve ter pelo menos quatro fases: ≤ 6,0 mm
de gordura 1.Pré-contraste Gap 0.0
2. Parenquimatosa arterial Pixel (fase) ≤ 2.0 mm
3. Venosa portal
4. Equilíbrio ou tardia

Nos aparelhos que possuem o recurso, particularmente em pacientes oncológicos, faz-se necessária a realização de sequências de difusão com seus respectivos mapas
de ADC, seguindo essas especificações:

6. Abdome Superior

Sequências necessárias Sequência de pulso e contraste da imagem Cobertura anatômica e planos de corte Resolução espacial Observações

Plano axial DWI e MAPA DE Deve-se obter ao menos 1 Deve incluir o fígado inteiro. Espessura de corte
ADC B value alto, no plano axial, sendo o ≤ 7 mm
recomendado B>600 s/mm2
Gap ≤ 1 mm
Pixel (fase) ≤ 2.0 mm

19
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 20 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

7. Pelve

Sequências necessárias Sequência de pulso e contraste da imagem Cobertura anatômica e planos de corte Resolução espacial Observações

Plano axial Deve-se obter ao menos 1 Deve cobrir toda a pelve, no eixo laterolateral Espessura de corte
DWI E MAPA DE ADC B value alto, no plano axial, sendo o e antero-posterior ≤ 5,0 mm
recomendado B>600 s/mm2
Gap ≤ 1.0 mm
Pixel (fase) ≤ 1.2 mm

OBS: Caso os pedidos sejam de abdome total, em bobinas onde há perda de sinal na periferia da sequência, devem-se incluir nos protocolos outras duas sequências
para estudo da região intermediária, na transição abdômino-pélvica: plano axial com T2 longo e sem supressão de gordura e axial com fluido escuro e saturação de gordura
no pós-contraste.

20
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 21 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA


MUSCULOESQUELÉTICO

1. RM Coluna Cervical

Sequências mínimas Contraste Tecidual Cobertura Anatômica Resolução Espacial


obrigatórias
Sagital T1 Líquor deve ser hipointenso em relação à medula Deve cobrir da transição craniovertebral até D1 no Espessura <= 4,0 mm
espinhal. mínimo. Gap <= 1,0 mm
Deve haver contraste tecidual entre o líquor e a Lateralmente, deve incluir os forames intervertebrais Pixel (leitura) <= 1,0
medula espinhal. mm
Sagital T2 Sinal da medula espinhal deve ser homogêneo. Deve cobrir da transição craniovertebral até D1 no Espessura <= 4,0 mm
Líquor deve ser hiperintenso em relação à medula mínimo. Gap <= 1,0 mm
espinhal. Deve haver contraste tecidual entre o Lateralmente, deve incluir os forames intervertebrais Pixel (leitura) <= 1,0
líquor e a medula espinhal. mm
Axial T2 e / ou T2* Sinal da medula espinhal deve ser homogêneo. Podem ser contíguos ou angulados. Espessura <= 4,0 mm
Líquor deve ser hiperintenso em relação à medula Cobertura mínima de C2-C3 a C7-D1 Gap <= 1,0 mm
espinhal. Pixel (leitura) <= 0,9
Deve haver contraste tecidual entre o líquor e a mm
medula espinhal / raízes neurais.

21
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 22 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Sequência recomendada Contraste Tecidual Cobertura Anatômica Resolução Espacial


Coronal ou Sagital T2 com Supressão de gordura deve ser homogênea Deve cobrir de D12 a S2, no mínimo. Espessura <= 5,0 mm
supressão de gordura / Líquor deve ser hiperintenso em relação às raízes Lateralmente, deve incluir os forames intervertebrais Gap <= 1,0 mm
STIR neurais. Pixel (leitura) <= 1,1
Deve haver contraste tecidual entre o líquor, a mm
gordura epidural e as raízes neurais.

2. RM Coluna Torácica

Sequências mínimas Contraste Tecidual Cobertura Anatômica Resolução Espacial


obrigatórias
Sagital T1 Líquor deve ser hipointenso em relação à medula Deve cobrir da transição cervicotorácica até L1, no Espessura <= 4,0 mm
espinhal. mínimo. Gap <= 1,0 mm
Deve haver contraste tecidual entre o líquor e a Lateralmente, deve incluir os forames intervertebrais Pixel (leitura) <= 1,1
medula espinhal. mm

22
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 23 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Sagital T2 Sinal da medula espinhal deve ser homogêneo. Deve cobrir da transição cervicotorácica até L1, no Espessura <= 4,0 mm
Líquor deve ser hiperintenso em relação à medula mínimo. Gap <= 1,0 mm
espinhal. Lateralmente, deve incluir os forames intervertebrais Pixel (leitura) <= 1,1
Deve haver contraste tecidual entre o líquor e a mm
medula espinhal.
Axial T2 e / ou T2* Sinal da medula espinhal deve ser homogêneo. Podem ser contíguos ou angulados Espessura <= 5,0 mm
Líquor deve ser hiperintenso em relação à medula Cobertura mínima de C7-D1 a D12-L1 Gap <= 1,0 mm
espinhal. Pixel (leitura) <= 1,0
Deve haver contraste tecidual entre o líquor e a mm
medula espinhal.

Sequência recomendada Contraste Tecidual Cobertura Anatômica Resolução Espacial

Coronal ou Sagital T2 com Supressão de gordura deve ser homogênea. Deve cobrir da transição cervicotorácica até L1, no mínimo Espessura <= 4,0 mm
supressão de gordura / Sinal da medula espinhal deve ser homogêneo. Lateralmente, deve incluir os forames intervertebrais Gap <= 1,0 mm
STIR Líquor deve ser hiperintenso em relação à medula Pixel (leitura) <= 1,1
espinhal. Deve haver contraste tecidual entre o mm
líquor e a medula espinhal. Pixel (fase) <= 1,1 mm

23
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 24 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

3. RM Coluna Lombar

Sequências mínimas Contraste Tecidual Cobertura Anatômica Resolução Espacial


obrigatórias
Sagital T1 Líquor deve ser hipointenso em relação ao cone Deve cobrir de D12 a S2, no mínimo Espessura <= 4,0 mm
medular e raízes neurais. Deve haver contraste Lateralmente, deve incluir os forames intervertebrais Gap <= 1,0 mm
tecidual entre o líquor e o cone medular / raízes Pixel (leitura) <= 1,1
neurais. mm
Sagital T2 Líquor deve ser hiperintenso em relação ao cone Deve cobrir de D12 a S2, no mínimo Espessura <= 4,0 mm
medular e raízes neurais. Deve haver contraste Lateralmente, deve incluir os forames intervertebrais Gap <= 1,0 mm
tecidual entre o líquor e o cone medular / raízes Pixel (leitura) <= 1,1
neurais. mm
Axial T2 e / ou T2* Líquor deve ser hiperintenso em relação às raízes Podem ser contíguos ou angulados Espessura <= 4,0 mm
neurais. Cobertura mínima de L1-L2 a L5-S1 Gap <= 1,0 mm
Deve haver contraste tecidual entre o líquor, a Pixel (leitura) <= 0,9
gordura epidural e as raízes neurais. mm

Sequência recomendada Contraste Tecidual Cobertura Anatômica Resolução Espacial

24
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 25 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Coronal ou Sagital T2 com Supressão de gordura deve ser homogênea. Deve cobrir de D12 a S2, no mínimo Espessura <= 5,0 mm
supressão de gordura / Líquor deve ser hiperintenso em relação às raízes Lateralmente, deve incluir os forames intervertebrais Gap <= 1,0 mm
STIR neurais. Deve haver contraste tecidual entre o Pixel (leitura) <= 1,1
líquor, a gordura epidural e as raízes neurais. mm

4. RM Coluna Sacrococcígea

Sequências mínimas Contraste Tecidual Cobertura Anatômica Resolução Espacial


obrigatórias
Sagital T1 Deve haver uma boa diferenciação corticomedular. Deve cobrir da transição lombossacra até o cóccix distal Espessura <= 4,0 mm
Os planos capsulares sacrococcígeos distais têm que Gap <= 1,0 mm
ser bem definidos. Pixel (leitura) <= 1,0
Deve haver uma boa diferenciação das estruturas mm
ósseas com os planos adjacentes.
Deve haver bom contraste tecidual dos planos
gordurosos com os planos não gordurosos.
Sagital T2 Fat / STIR Supressão de gordura deve ser homogênea. Deve cobrir da transição lombossacra até o cóccix distal Espessura <= 4,0 mm
Edema ósseo deve ser facilmente identificado. Gap <= 1,0 mm
Pixel (leitura) <= 1,1
mm

25
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 26 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Axial T2 FAT /STIR Supressão de gordura deve ser homogênea Se exame direcionado ao sacro, deve cobrir todo o plano Espessura <= 5,0 mm
Edema ósseo deve ser facilmente identificado. sacral. Se exame direcionado ao cóccix, deve incluir o Gap <= 1,0 mm
mesmo.
Pixel (leitura) <= 1,1
mm

26
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 27 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

5. RM Articulações Sacroilíacas

Sequências mínimas Contraste Tecidual Cobertura Anatômica Resolução Espacial


obrigatórias
Coronal T1 Deve haver uma boa diferenciação corticomedular. Deve englobar totalmente ambas as articulações Espessura <= 5,0 mm
Erosões ósseas devem ser facilmente identificadas. sacroilíacas Gap <= 1,0 mm
Bom contraste tecidual dos planos gordurosos com Pixel (leitura) <= 1,0
os planos não gordurosos. mm
Coronal T2 Fat / STIR Supressão de gordura deve ser homogênea. Deve englobar totalmente ambas as articulações Espessura <= 5,0 mm
Edema ósseo deve ser facilmente identificado. sacroilíacas Gap <= 1,0 mm
Pixel (leitura) <= 1,0
mm
Axial T1 Deve haver uma boa diferenciação corticomedular. Deve englobar totalmente ambas as articulações Espessura <= 5,0 mm
Erosões ósseas devem ser facilmente identificadas. sacroilíacas Gap <= 1,0 mm
Bom contraste tecidual dos planos gordurosos com Pixel (leitura) <= 1,0
os planos não gordurosos. mm
Axial T2 FAT / STIR Supressão de gordura deve ser homogênea. Deve englobar totalmente ambas as articulações Espessura <= 5,0 mm
Edema ósseo deve ser facilmente identificado. sacroilíacas Gap <= 1,0 mm
Pixel (leitura) <= 1,0
mm

27
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 28 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

6. RM Coluna Cervical e/ou Torácica para doença medular, incluindo tumores e doenças inflamatórias / desmielinizantes

Sequências mínimas Contraste Tecidual Cobertura Anatômica Resolução Espacial


obrigatórias
Sagital T1 Líquor deve ser hipointenso em relação à medula A mesma dos protocolos de RM coluna cervical / coluna A mesma dos
espinhal. torácica protocolos de RM
Deve haver contraste tecidual entre o líquor e a coluna cervical / coluna
medula espinhal. torácica
Sagital T2 Sinal da medula espinhal deve ser homogêneo. A mesma dos protocolos de RM coluna cervical / coluna A mesma dos
Líquor deve ser hiperintenso em relação à medula torácica protocolos de RM
espinhal. coluna cervical / coluna
Deve haver contraste tecidual entre o líquor e a torácica
medula espinhal.
Axial T2 e / ou T2* Sinal da medula espinhal deve ser homogêneo. A mesma dos protocolos de RM coluna cervical / coluna A mesma dos
Líquor deve ser hiperintenso em relação à medula torácica protocolos de RM
espinhal. coluna cervical / coluna
Deve haver contraste tecidual entre o líquor e a torácica
medula espinhal.
Sagital T1 com Contraste Sinal da medula espinhal deve ser homogêneo. A mesma dos protocolos de RM coluna cervical / coluna A mesma dos
IV – Recomenda-se fazer Líquor deve ser hipointenso em relação à medula torácica protocolos de RM
com supressão de espinhal. coluna cervical / coluna
gordura, mas não é Deve haver contraste tecidual entre o líquor e a torácica
obrigatório medula espinhal.

28
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 29 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Axial T1 com Contraste IV Sinal da medula espinhal deve ser homogêneo. A mesma dos protocolos de RM coluna cervical / coluna A mesma dos
(com ou sem supressão de Líquor deve ser hipointenso em relação à medula torácica protocolos de RM
gordura) espinhal. coluna cervical / coluna
Deve haver contraste tecidual entre o líquor e a torácica
medula espinhal.

Sequência Recomendada Contraste Tecidual Cobertura Anatômica Resolução Espacial


Sagital T2 com supressão Supressão de gordura deve ser homogênea. A mesma dos protocolos de RM coluna cervical / coluna A mesma dos
de gordura / STIR Sinal da medula espinhal deve ser homogêneo. torácica protocolos de RM
Líquor deve ser hiperintenso em relação à medula coluna cervical / coluna
espinhal. torácica
Deve haver contraste tecidual entre o líquor e a
medula espinhal.

29
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 30 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

7. RM Coluna Cervical, Torácica ou Lombar para Doenças Ósseas Tumorais e Metastáticas

Sequências mínimas Contraste Tecidual Cobertura Anatômica Resolução Espacial


obrigatórias
Sagital T1 Líquor deve ser hipointenso em relação à medula A mesma dos protocolos genéricos de RM coluna cervical / A mesma dos
espinhal. Deve haver contraste tecidual entre o torácica / lombar protocolos genéricos
líquor e a medula espinhal / raízes neurais. de RM coluna
cervical / torácica /
lombar
Sagital T2 Sinal da medula espinhal deve ser homogêneo A mesma dos protocolos genéricos de RM coluna cervical / A mesma dos
Líquor deve ser hiperintenso em relação à medula torácica / lombar protocolos genéricos
espinhal. Deve haver contraste tecidual entre o de RM coluna
líquor e a medula espinhal / raízes neurais. cervical / torácica /
lombar
Axial T2 e / ou T2* Sinal da medula espinhal deve ser homogêneo A mesma dos protocolos genéricos de RM coluna cervical / A mesma dos
Líquor deve ser hiperintenso em relação à medula torácica / lombar protocolos genéricos
espinhal. de RM coluna
Deve haver contraste tecidual entre o líquor e a cervical / torácica /
medula espinhal / raízes neurais. lombar
Sagital T1 com Contraste Supressão de gordura deve ser homogênea A mesma dos protocolos genéricos de RM coluna cervical / A mesma dos
IV – Recomenda-se fazer Líquor deve ser hipointenso em relação à medula torácica / lombar protocolos genéricos
com supressão de espinhal. de RM coluna

30
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 31 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

gordura, mas não é Deve haver contraste tecidual entre o líquor e a cervical / torácica /
obrigatório medula espinhal. lombar

Sequência Recomendada Contraste Tecidual Cobertura Anatômica Resolução Espacial


Sagital T2 com supressão Supressão de gordura deve ser homogênea. A mesma dos protocolos de RM coluna cervical / coluna A mesma dos
de gordura / STIR Sinal da medula espinhal deve ser homogêneo. torácica protocolos de RM
Líquor deve ser hiperintenso em relação à medula coluna cervical /
espinhal. coluna torácica
Deve haver contraste tecidual entre o líquor e a
medula espinhal.

8. RM Ombro

Sequências mínimas Contraste Tecidual Cobertura Anatômica Resolução Espacial


obrigatórias
Coronal Sensível a líquido Supressão tem que ser homogênea. Tem que ser paralelo ao eixo escapular. Espessura <= 4,0 mm
(T2 / DP fat sat ou STIR) Tem que ter boa definição dos tendões supra e Precisa cobrir todo o plano capsular glenoumeral do Gap <= 1,0 mm
infraespinhais. Tem que diferenciar líquido de ombro Pixel (leitura) <= 0,7 mm
cartilagem.

31
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 32 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Sagital Sensível a líquido Supressão tem que ser homogênea. Paralelo à glenoide Espessura <= 4,0 mm
com supressão (T2 / DP Tem que ter boa definição dos tendões do manguito Tem que ir do colo da glenoide até o fim da Gap <= 1,0 mm
fat sat ou STIR) rotador. tuberosidade maior umeral Pixel (leitura) <= 0,7 mm

Axial sensível a líquido Boa definição do labrum. Tem que cobrir da articulação acromioclavicular até o Espessura <= 5,0 mm
Tem que ter boa definição corticomedular / do fim da articulação glenoumeral Gap <= 1,0 mm
trabeculado ósseo. Pixel (leitura) <= 0,7 mm
Boa definição do subescapular.
Boa definição do bíceps no interior do sulco bicipital
Coronal / Sagital T1 Boa definição do trabeculado ósseo / diferenciação Conforme acima. Espessura <= 4,0 mm
corticomedular. Gap <= 1,0 mm
Bom contraste tecidual dos planos gordurosos com Pixel (leitura) <= 0,7 mm
os planos não gordurosos.
Boa diferenciação entre os ventres musculares e os
tendões do manguito rotador

32
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 33 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

9. RM Cotovelo

Sequências mínimas Contraste Tecidual Cobertura Anatômica Resolução Espacial


obrigatórias
Coronal sensível a líquido Supressão tem que ser homogênea. Tem que ser paralelo ao eixo epicondilar. Espessura <= 4,0 mm
com supressão de gordura Tem que ter boa definição dos tendões flexores / Precisa cobrir todo o plano articular do cotovelo Gap <= 1,0 mm
(T2 / DP fat sat ou STIR) ext e dos ligamentos colaterais mediais / laterais. Pixel (leitura) <= 0,7 mm
Diferenciar líquido de cartilagem.
Sagital sensível a líquido Supressão tem que ser homogênea. Tem que ser perpendicular ao eixo epicondilar. Espessura <= 4,0 mm
com supressão de gordura Diferenciar líquido de cartilagem. Precisa cobrir todo o plano articular do cotovelo Gap <= 1,0 mm
(T2 / DP fat sat ou STIR)
Tem que ter boa definição dos tendões. Pixel (leitura) <= 0,7 mm
Axial sensível a líquido Supressão tem que ser homogênea. Tem que cobrir logo acima dos planos dos epicôndilos Espessura <= 5,0 mm
com supressão de gordura Tem que ter boa definição dos tendões e até a tuberosidade isquiática Gap <= 1,0 mm
(T2 / DP fat sat ou STIR) grupamentos musculares. Pixel (leitura) <= 0,7 mm
Nervos do cotovelo devem ser bem caracterizados.
Coronal T1 Boa definição do trabeculado ósseo / diferenciação Tem que ser paralelo ao eixo epicondilar. Espessura <= 4,0 mm
corticomedular. Bom contraste tecidual dos planos
Precisa cobrir todo o plano articular do cotovelo Gap <= 1,0 mm
gordurosos com os planos não gordurosos.
Pixel (leitura) <= 0,7 mm
Boa diferenciação entre os ventres musculares e os
tendões.

33
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 34 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

10. RM Punho

Sequências mínimas Contraste Tecidual Cobertura Anatômica Resolução Espacial


obrigatórias
Coronal sensível a líquido Supressão tem que ser homogênea. Tem que ser paralelo ao eixo radioulnar. Espessura <= 3,5 mm
com supressão de gordura Gap <= 0,6 mm
Tem que ter boa diferenciação entre líquido e Precisa cobrir todo o plano articular do punho
(T2 / DP fat sat ou STIR) cartilagem. Tem que ter boa definição dos Pixel (leitura) <= 0,6
ligamentos intrínsecos e da fibrocartilagem mm
triangular.
Sagital sensível a líquido Supressão tem que ser homogênea. Tem que ser perpendicular ao eixo radioulnar Espessura <= 4 mm
com supressão de gordura Gap <= 0,6 mm
Tem que ter boa diferenciação entre líquido e Precisa cobrir todo o plano articular do punho
(T2 / DP fat sat ou STIR) cartilagem. Tem que ter boa definição dos Pixel (leitura) <= 0,6
grupamentos extensores e flexores. mm
Axial sensível a líquido Supressão tem que ser homogênea. Tem que incluir pelo menos da articulação radioulnar Espessura <= 4,0 mm
com supressão de gordura distal até o plano do gancho do hamato. Gap <= 0,6 mm
Tem que ter boa definição dos grupamentos
(T2 / DP fat sat ou STIR) extensores e flexores. Nervo mediano e estruturas Pixel (leitura) <= 0,6
do canal de Guyon devem ser bem caracterizados. mm
Coronal T1 Boa definição do trabeculado ósseo / diferenciação Tem que ser paralelo ao eixo radioulnar Espessura <= 3,5 mm
corticomedular. Bom contraste tecidual dos planos Gap <= 0,6 mm
Precisa cobrir todo o plano articular do punho
gordurosos com os planos não gordurosos. Pixel (leitura) <= 0,6
Boa diferenciação entre os ventres musculares e os mm
tendões.
34
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 35 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

11. RM Quadril

Sequências mínimas Contraste Tecidual Cobertura Anatômica Resolução Espacial


obrigatórias
Coronal sensível a líquido Supressão tem que ser homogênea. Tem que ser paralelo ao eixo do colo femoral. Espessura <= 4,5 mm
com supressão de gordura Gap <= 1,0 mm
Tem que ter boa diferenciação entre líquido e Precisa cobrir todo o plano articular do quadril
(T2 / DP fat sat ou STIR) cartilagem. Tem que ter boa definição do labrum, Pixel (leitura) <= 1 mm
do ligamento redondo, dos planos capsulares.
Tem que ter boa definição dos grupamentos
tendíneos junto ao trocanter maior.
Sagital ou axial oblíquo Supressão tem que ser homogênea. Precisa cobrir todo o plano articular. Espessura <= 4,5 mm
sensível a líquido com Gap <= 1,0 mm
Tem que ter boa diferenciação entre líquido e Angulação depende se o plano for sagital (reto ou no
supressão de gordura cartilagem. Tem que ter boa definição do labrum eixo das paredes acetabulares) ou axial oblíquo Pixel (leitura) <= 1 mm
(T2 / DP fat sat ou STIR) acetabular. (angulado pelo colo do fêmur)
Axial sensível a líquido Supressão tem que ser homogênea. Reto Espessura <= 5,0 mm
com supressão de gordura Gap <= 1,0 mm
Tem que ter boa definição dos grupamentos Precisa cobrir do teto acetabular até o trocanter menor.
(T2 / DP fat sat ou STIR) musculares e tendíneos. Pixel (leitura) <= 1 mm

Coronal T1 Boa definição do trabeculado ósseo / diferenciação Tem que ser paralelo ao eixo do colo femoral. Espessura <= 4,5 mm
corticomedular. Bom contraste tecidual dos planos Gap <= 1,0 mm
Precisa cobrir todo o plano articular do quadril
gordurosos com os planos não gordurosos. Pixel (leitura) <= 1 mm

35
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 36 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Boa diferenciação entre os ventres musculares e os


tendões.

12. RM Bacia

Sequências mínimas Contraste Tecidual Cobertura Anatômica Resolução Espacial


obrigatórias
Coronal sensível a líquido Supressão tem que ser homogênea. Tem que ser paralelo ao eixo entre as cabeças femorais. Espessura <= 5 mm
com supressão de gordura Gap <= 1 mm
Tem que ter boa definição das estruturas Precisa cobrir os planos articulares dos quadris
(T2 / DP fat sat ou STIR) articulares. Pixel (leitura) <= 1,2 mm
Tem que ter boa definição dos grupamentos
tendíneos e musculares.
Coronal T1 Boa definição do trabeculado ósseo / Tem que ser paralelo ao eixo entre as cabeças femorais. Espessura <= 5,0 mm
corticomedular. Bom contraste tecidual dos planos Gap <= 1,0 mm
Precisa cobrir os planos articulares dos quadris
gordurosos com os planos não gordurosos. Pixel (leitura) <= 1,2 mm
Bom contraste tecidual entre músculos e tendões
Axial sensível a líquido Supressão tem que ser homogênea. Reto, orientado pelo plano entre as cabeças femorais. Espessura <= 5,0 mm
com supressão de gordura Gap <= 1,0 mm
Tem que ter boa definição dos grupamentos Precisa cobrir das articulações sacroilíacas até os
(T2 / DP fat sat ou STIR) musculares e tendíneos. trocanteres maiores Pixel (leitura) <= 1,2 mm

36
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 37 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Axial T1 Boa definição do trabeculado ósseo / diferenciação Reto, orientado pelo plano entre as cabeças femorais. Espessura <= 5 mm
corticomedular. Bom contraste tecidual dos planos Gap <= 1 mm
Precisa cobrir das articulações sacroilíacas até os
gordurosos com os planos não gordurosos. trocanteres maiores Pixel (leitura) <= 1,2 mm
Bom contraste tecidual entre músculos e tendões.

13. RM Joelho

Sequências mínimas Contraste Tecidual Cobertura Anatômica Resolução Espacial


obrigatórias
Coronal sensível a líquido Supressão tem que ser homogênea. Tem que ser paralelo ao eixo posterior dos côndilos Espessura <= 4,0 mm
com supressão de gordura femorais. Gap <= 1,0 mm
Tem que ter boa diferenciação entre líquido e
(T2 / DP fat sat ou STIR) cartilagem. Tem que ter boa definição dos meniscos Precisa cobrir todo o plano articular do joelho Pixel (leitura) <= 0,7 mm
e dos ligamentos. Tem que ter boa definição dos
grupamentos tendíneos e musculares.
Sagital oblíquo sensível a Supressão tem que ser homogênea. Precisa cobrir todo o plano articular. Espessura <= 4,0 mm
líquido com supressão de Gap <= 1,0 mm
Tem que ter boa diferenciação entre líquido e Tem que ser perpendicular ao eixo posterior dos
gordura (T2 / DP fat sat cartilagem. Tem que ter boa definição dos meniscos côndilos femorais. Pixel (leitura) <= 0,7 mm
ou STIR) e dos ligamentos. Tem que ter boa definição dos
grupamentos tendíneos e musculares.

37
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 38 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Axial sensível a líquido Supressão tem que ser homogênea. Reto Espessura <= 4,0 mm
com supressão de gordura Gap <= 1 mm
Tem que ter boa diferenciação entre líquido e Precisa cobrir do tendão quadricipital distal até a
(T2 / DP fat sat ou STIR) cartilagem. Tem que ter boa definição dos tuberosidade anterior da tíbia Pixel (leitura) <= 0,7 mm
ligamentos. Tem que ter boa definição dos
grupamentos tendíneos e musculares.
Coronal ou Sagital T1 Boa definição do trabeculado ósseo / diferenciação Conforme acima Espessura <= 4,0 mm
corticomedular. Bom contraste tecidual dos planos Gap <= 1 mm
gordurosos com os planos não gordurosos. Pixel (leitura) <= 0,7 mm
Boa diferenciação entre os ventres musculares e os
tendões.

14. RM Tornozelo

Sequências mínimas Contraste Tecidual Cobertura Anatômica Resolução Espacial


obrigatórias
Coronal sensível a líquido Supressão tem que ser homogênea. Tem que ser paralelo ao eixo tibiofibular distal. Espessura <= 4,0 mm
com supressão de gordura Gap <= 1,0 mm
Tem que ter boa diferenciação entre líquido e Precisa cobrir da origem da fáscia lata até pelo menos o
(T2 / DP fat sat ou STIR) cartilagem. Tem que ter boa definição dos planos navicular Pixel (leitura) <= 0,7 mm
ligamentares. Tem que ter boa definição dos
grupamentos tendíneos e da fáscia plantar.

38
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 39 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Sagital oblíquo sensível a Supressão tem que ser homogênea. Precisa cobrir todo o plano articular. Espessura <= 4,0 mm
líquido com supressão de Gap <= 1,0 mm
Tem que ter boa diferenciação entre líquido e
gordura (T2 / DP fat sat cartilagem. Tem que ter boa definição dos Pixel (leitura) <= 0,7 mm
ou STIR) grupamentos tendíneos / musculares e da fáscia
plantar.
Axial sensível a líquido Supressão tem que ser homogênea. Reto ou levemente angulado, de acordo com o Espessura <= 4,0 mm
com supressão de gordura posicionamento e o tipo de bobina. Gap <= 1,0 mm
Tem que ter boa definição dos ligamentos.
(T2 / DP fat sat ou STIR) Imagens devem incluir o pilão tibial e a sindesmose Pixel (leitura) <= 0,7 mm
Tem que ter boa definição dos grupamentos
tendíneos e musculares. Boa definição das
estruturas neurovasculares do túnel do tarso.
Sagital T1 Boa definição do trabeculado ósseo / diferenciação Precisa cobrir todo o plano articular. Espessura <= 4,0 mm
corticomedular. Bom contraste tecidual dos planos Gap <= 1,0 mm
gordurosos com os planos não gordurosos. Pixel (leitura) <= 0,7 mm
Boa diferenciação entre os ventres musculares e os
tendões.

39
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 40 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

15. RM Antepé

Sequências mínimas Contraste Tecidual Cobertura Anatômica Resolução Espacial


obrigatórias
Eixo curto sensível a Supressão tem que ser homogênea. Tem que ser perpendicular ao eixo do médio / antepé. Espessura <= 4,0 mm
líquido com supressão de Gap <= 1 mm
Tem que ter boa definição dos grupamentos Cobertura depende da solicitação clínica e do local da
gordura tendíneos e musculares. Pequenos derrames dor Pixel (leitura) <= 0,7 mm
(T2 / DP fat sat ou STIR) articulares e distensões líquidas das bursas
intermetatársicas devem ser facilmente
caracterizáveis.
Sagital sensível a líquido Supressão tem que ser homogênea. Pode ser direcionado o local da dor. Espessura <= 4,0 mm
com supressão de gordura Gap <= 1 mm
Tem que ter boa definição das placas plantares. Tem que ser paralelo ao plano dos metatarsos
(T2 / DP fat sat ou STIR) Pixel (leitura) <= 0,7 mm
Tem que ter boa definição dos grupamentos
tendíneos e musculares.
Eixo longo sensível a Supressão tem que ser homogênea. Deve ser angulado pelo plano dos metatarsos, que Espessura <= 4,0 mm
líquido com supressão de devem ser englobados nas imagens, incluindo as Gap <= 1 mm
Tem que ter boa definição dos grupamentos
gordura tendíneos e musculares. articulações metatarsofalângicas Pixel (leitura) <= 0,7 mm
(T2 / DP fat sat ou STIR)
Eixo curto T1 Boa definição do trabeculado ósseo / diferenciação Tem que ser perpendicular ao eixo do médio / antepé Espessura <= 4,0 mm
corticomedular. Bom contraste tecidual dos planos Gap <= 1 mm
Cobertura depende da solicitação clínica e do local da
gordurosos com os planos não gordurosos. Pixel (leitura) <= 0,7 mm
dor

40
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 41 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Boa diferenciação entre os ventres musculares e os


tendões. Neuromas interdigitais devem ser bem
visualizados.

41
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 42 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA


MAMA

Sequência de pulso e contraste da


Sequências necessárias Cobertura anatômica e planos de corte Resolução espacial e temporal
imagem

Sequência ponderada em T2, Deve ter boa definição das Deve incluir toda a mama Campo Magnético ≥ 1,5T
com supressão de gordura estruturas anatômicas mamárias e Bobina dedicada para mama obrigatória
espectral ou IR no plano axial ou das lesões Se sagital: linha esternal média até a Espessura de corte: até 3,5 mm
sagital linha axilar média Espaçamento: até 0,3 mm
Pixel (fase) ≤ 1.0 mm
Se axial: região infraclavicular até a
prega inframamária

Sequência ponderada em T1, Deve ter boa definição das Deve incluir toda a mama Campo Magnético ≥ 1,5T
sem e com contraste estruturas anatômicas mamárias e Bobina dedicada para mama obrigatória
endovenoso de forma dinâmica das lesões Se sagital: linha esternal média até a Espessura de corte: 1 a 3 mm
no plano sagital ou axial linha axilar média Sem espaçamento
com ou sem supressão de Resolução temporal de 60 a 90 segundos por aquisição.
gordura Se axial: região infraclavicular até a Duração mínima da fase dinâmica 5 minutos
prega inframamária Pixel (fase) ≤ 1.0 mm

42
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 43 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Pós-processamento com NA NA NA
subtração de imagens pós e pré-
contraste

Observações:

 Em relação ao laudo – Deve seguir as normas do BI-RADS®: história clínica resumida; técnica utilizada no exame; descrição dos achados, comparação com exames
anteriores, classificação e conduta; nome e assinatura do médico interpretador;

 O caso submetido deverá conter pelo menos uma lesão, podendo ser um nódulo ou realce não nodular, com classificação final BI-RADS® 4, 5 ou 6.

 Cada uma das lesões deverá ser individualmente documentada em pelo menos 2 planos ortogonais. A curva cinética deve estar incluída na documentação.

43
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 44 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA


ANGIORESSONÂNCIA DA AORTA TORÁCICA / ABDOMINAL

Sequências necessárias Sequência de pulso e contraste da imagem Cobertura anatômica e planos de corte Resolução espacial

Plano coronal T2, sem Deve ter resolução suficiente para demonstrar a Deve incluir a aorta todos os órgãos Espessura de corte
supressão de gordura aorta abdominal e órgãos abdominais superiores abdominais superiores ≤ 7mm
para permitir bom planejamento da sequência Gap ≤ 1,5 mm
angiográfica Pixel (fase) ≤ 2.0 mm

Plano axial T2 com ou sem Deve ter boa definição dos órgãos. Deve incluir toda a aorta torácica e/ou Espessura de corte
supressão de gordura abdominal ≤ 7mm
Gap ≤ 1,5 mm
Pixel (fase) ≤ 2.0 mm

Plano axial com sangue Deve ter supressão do sinal do sangue no vaso e Deve cobrir toda a aorta torácica e/ou Espessura de corte
escuro (black blood) boa definição da parede. abdominal. ≤ 7 mm
Gap ≤ 1,5 mm

44
DIR-SELO-RM-001

Diretrizes elaboradas pela Versão Página:


Comissão de Ressonância 3 45 de 45
Magnética do Colégio Brasileiro
de Radiologia e Diagnóstico por
Imagem (CBR)
Data: 13/07/2018

Sequência opcional. Recomendada na aorta


torácica

Plano 3D angiográfico Deve ter boa definição da aorta. Deve incluir toda a aorta Espessura de corte ≤ 3 mm
Deve ser feito nas fases pré-contraste (máscara) e torácica/abdominal, artérias ilíacas comuns Gap 0.0
pós-contraste angiográfico (2x) e se possível as ilíacas externas.
Ao realizar estudo toracoabdominal,
preferencialmente deve-se realizar duas
aquisições separadas (torácica em sagital
oblíquo e abdominal em coronal).
Aquisições únicas (toracoabdominal) são
aceitáveis desde que seja possível incluir
todos os vasos estudados.

Plano axial 3D T1 com Deve ter boa definição dos órgãos. Deve cobrir toda a aorta torácica e/ou Espessura de corte
supressão de gordura A saturação de gordura deve ser homogênea. abdominal. Pode ser dividido em duas ou ≤ 6 mm
Deve ser feito nas fases pré e pós contraste mais aquisições Gap 0.0
Pixel (fase) ≤ 2,0 mm

45

Você também pode gostar