Você está na página 1de 6

Unicep – Centro universitario paulista

História da Computação

Trabalho sobre Sistemas Operaçionais

Thiago da silva barros RA: 2700332


LINUX
O nome  Linux  surgiu da mistura de Linus + Unix. Linus é o nome do criador do 
Linux,  Linus Torvalds. E Unix, é o nome de um sistema operacional de grande porte.  A 
origem do Unix tem ligação com o sistema operacional Multics, projetado na década de 1960. 
Esse projeto era realizado pelo Massachusets Institute of Technology (MIT), pela General 
Eletric   (GE)   e   pelos   laboratórios   Bell   (Bell   Labs)   e   American   Telephone   na   Telegraph 
(AT&T). A intenção era de que o Multics tivesse características de tempo compartilhado 
(vários   usuários   compartilhando   os   recursos   de   um   único  computador),   sendo   assim,   o 
sistema mais arrojado da época. Em 1969, já exisita uma versão do Multics rodando num 
computador   GE645.
Ken Thompsom era um pesquisador do Multics e trabalhava na Bell Labs. No entanto, 
a empresa se retirou do projeto tempos depois, mas ele continuou seus estudos no sistema. 
Desde então, sua idéia não era continuar no Multics original e sim criar algo menor, mas que 
conservasse as idéias básicas do sistema. A partir daí, começa a saga do sistema Unix. Brian 
Kernighan,   também   pesquisador   da   Bell   Labs,   foi   quem   deu   esse   nome.   Em   1973,   outro 
pesquisador da Bell Labs, Dennis Ritchie, rescreveu todo o sistema Unix numa linguagem de 
alto nível, chamada C, desenvolvida por ele mesmo. Por causa disso, o sistema passou a ter 
grande   aceitação   por   usuários   externos   à   Bell   Labs.
Entre 1977 e 1981, a AT&T, alterou o Unix, fazendo algumas mudanças particulares e 
lançou o System III. Em 1983, após mais uma série de modificações, foi lançado o conhecido 
Unix   System   IV,   que   passou   a   ser   vendido.   Até   hoje   esse   sistema   é   usado   no   mercado, 
tornando­se o padrão  internacional  do Unix. Esse sistema  é comercializado por empresas 
como   IBM,   HP,   Sun,   etc.   O   Unix,   é   um   sistema   operacional   muito   caro   e   é   usado   em 
computadores poderosos (como mainframes) por diversas multinacionais.

Mais qual a relação entre o Unix e o Linux, ou melhor, entre o Unix e Linus Torvalds? 

Para   responder   essa   pergunta,   é   necessário   falar   de   outro   sistema   operacional,   o 


Minix. O Minix é uma versão do Unix, porém, gratuita e com o código fonte disponível. Isso 
significa   que   qualquer   programador   experiente   pode   fazer   alterações   nele.   Ele   foi   criado 
originalmente   para   uso   educacional,   para   quem   quisesse   estudar   o   Unix   "em   casa".   No 
entanto, vale citar que ele foi escrito do “zero” e apesar de ser uma versão do Unix, não 
contém nenhum código da AT&T e por isso pode ser distribuído gratuitamente. A partir daí, 
“entra   em   cena”   Linus   Torvalds.   Ele   era   um   estudante   de   Ciências   da   Computação   da 
Universidade de Helsinki, na Filândia e em 1991, por hobby, Linus decidiu desenvolver um 
sistema mais poderoso que o Minix. Para divulgar sua idéia, ele enviou uma mensagem a um 
grupo pela Usenet (uma espécie de antecessor da Internet). No mesmo ano, ele disponibilizou 
a versão do kernel (núcleo dos sistemas operacionais) 0.02 e continuou trabalhando até que 
em 1994 disponibilizou a versão 1.0. Atualmente o quernel que roda em diversas distribuições 
como o “Debian e Ubunto” é a versão 2.6.
O Linux é um sistema operacional livre e é uma re­implementação das especificações 
POSIX (padronização da IEEE, Instituto de Engenharia Elétrica e Eletrônica) para sistemas 
com extensões System V e BSD. Isso signfica que o Linux é bem parecido com Unix, mas 
não vem do mesmo lugar e foi escrito de outra forma.
ALGUMAS CARACTERÍSTICAS
É livre e desenvolvido voluntariamente por programadores experientes, hackers e
contribuidores espalhados ao redor do mundo que tem como objetivo a contribuição para a
melhoria e crescimento deste sistema operacional. Muitos deles estavam cansados do excesso
de propaganda (Marketing) e baixa qualidade de sistemas comerciais existentes.
Convivem sem nenhum tipo de conflito com outros sistemas operacionais (com o
DOS, Windows, OS/2) no mesmo computador.
Multitarefa real.
Multiusuário.
Suporte a nomes extensos de arquivos e diretórios (255 caracteres).
Conectividade com outros tipos de plataformas como Apple, Sun, Macintosh, Sparc,
Alpha, PowerPc, ARM, Unix, Windows, DOS, etc.
Proteção entre processos executados na memória RAM.
Suporte a mais de 63 terminais virtuais (consoles).
Modularização - O GNU/Linux somente carrega para a memória o que é usado
durante o processamento, liberando totalmente a memória assim que o programa/dispositivo é
finalizado.
Devido a modularização, os drivers dos periféricos e recursos do sistema podem ser
carregados e removidos completamente da memória RAM a qualquer momento. Os drivers
(módulos) ocupam pouco espaço quando carregados na memória RAM (cerca de 6Kb para a
Placa de rede NE 2000, por exemplo)
Não há a necessidade de se reiniciar o sistema após a modificar a configuração de
qualquer periférico ou parâmetros de rede. Somente é necessário reiniciar o sistema no caso
de uma instalação interna de um novo periférico, falha em algum hardware (queima do
processador, placa mãe, etc.).
Não é requerida uma licença para seu uso. O GNU/Linux é licenciado de acordo com
os termos da GPL.
Acessa corretamente discos formatados pelo DOS, Windows, Novell, OS/2, NTFS,
SunOS, Amiga, Atari, Mac, etc.
-Utiliza permissões de acesso a arquivos, diretórios e programas em execução na memória
RAM.
O linux não é vunerável a virus! Devido a separação de privilégios entre processos e
respeitadas as recomendações padrão de política de segurança e uso de contas privilegiadas
(como a de root), programas como vírus tornam-se inúteis pois tem sua ação limitada pelas
restrições de acesso do sistema de arquivos e execução.
MAC OS X
Mac OS X (pronuncia-se Mac OS Ten) é um sistema operacional proprietário baseado
no kernel Unix titulado Open Darwin, desenvolvido, fabricado e vendido pela empresa
americana Apple, destinado exclusivamente aos computadores da linha Macintosh e que
combina a experiência adquirida com a tradicional GUI desenvolvida para as versões
anteriores do Mac OS com um estável e comprovado núcleo. A última versão do Mac OS X
possui certificação UNIX.
Assim, o Mac OS X, lançado inicialmente pela Apple Computer em 2001, é uma
combinação do Darwin (um núcleo derivado do micronúcleo Mach) com uma renovada GUI
chamada Aqua. As primeiras versões do Mach (não-micronúcleo) foram derivadas do BSD.
O Mac OS X apresenta uma grande mudança em relação aos sistemas operacionais
anteriores do Macintosh e o código que é a base do sistema é completamente diferente do de
versões anteriores. Apesar de a maioria das alterações estarem nos "bastidores" do sistema
operacional, a interface gráfica de usuário Aqua é o novo recurso mais visível. O uso de
bordas arredondadas, cores translúcidas e outros adereços trouxe mais cores e texturas às
janelas e controles do Desktop do que a interface Platinum do OS 9. Inicialmente isso gerou
bastante controvérsia entre os usuários, com uns alegando que a interface tinha ficado "como
um brinquedo" e com falta de profissionalismo; outros alegando que era "outra grande
inovação da Apple". O visual é instantaneamente reconhecível e antes mesmo do lançamento
da primeira versão do Mac OS X, outros desenvolvedores começaram a produzir skins para
aplicativos personalizáveis como o Winamp para ficarem mais parecidos com o visual Aqua.
A Apple ameaçou processar pessoas que fazem ou distribuem programas que oferecem uma
interface que eles dizem ser derivada de seu design patenteado.
O núcleo do Mac OS X é um sistema operacional certificado Unix, construído em
torno de um núcleo XNU com recursos básicos Unix acessáveis por meio de uma interface de
linha de comando. Pouco antes do lançamento do Mac OS X a Apple lançou esse núcleo
como Darwin. Baseando-se nesse núcleo, a Apple projetou e desenvolveu um número de
componentes de código fechado (closed source) de licença proprietária, incluindo a interface
Aqua e o Finder (o sistema de gerenciamento de arquivos). A combinação da interface
amigável e o poder do núcleo open source Darwin/BSD tornaram o Mac OS X o ambiente
Unix mais bem vendido até hoje em número de computadores vendidos.

VERSÕES
Mac OS X v10.0 "Cheetah"
Mac OS X v10.1 "Puma"
Mac OS X v10.2 "Jaguar"
Mac OS X v10.3 "Panther"
Mac OS X v10.4 "Tiger"
Mac OS X v10.5 "Leopard"
Mac OS X v10.6 "Snow Leopard"
Mac OS X v10.7 "Lion"

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS
O MacOS é totalmente gráfico e reconhecido por sua relativa simplicidade de
operação. Visualmente é bastante semelhante às versões do Windows começando por 95, mas
desde sua criação, no início da década de 80, o MacOS já trazia vários recursos hoje comuns,
como arrastar-e-soltar, seleção pelo mouse, janelas e lixeira.
A versão 8.6 é a última atualização lançada para o MacOS. Nesta versão, algumas
implementações já conhecidas no ambiente Windows 95/98 foram feitas, como um melhor
multiprocessamento e desktop em compatível com a Internet (pode-se receber dados da
Internet diretamente para o desktop). De início, um eficiente mecanismo de busca universal,
batizado de "Sherlock", faz buscas tanto no disco rígido como na Internet, pesquisando mais
de 20 sites de busca e também lendo arquivos .PDF (formato de arquivo do Adobe Acrobat).
Traz o AppleScript, um sistema de scripting que permite a automação de vários
processos repetitivos no Mac, tanto referentes à Internet (como uploads, downloads) como
configuração de rede, impressão, funções do ColorSync e buscas no Sherlock. Estes scripts
podem ser ligados à pastas, de forma que qualquer ação na pasta, como uma abertura, ativa o
script.
O MacOS 8.6 foi otimizado para os chips PowerPC. Isso resulta em ganho de
velocidade. Segundo a Apple, as operações em rede do MacOS são mais velozes que no
Windows NT. O sistema de ajuda ou help foi redesenhado para usar HTML, a linguagem da
Internet, a exemplo do Windows 98. Isso permite maior facilidade de criação de arquivos de
ajuda e maior interatividade. O Sherlock também atua aqui para fazer buscas por frases ou
palavras.
Menu de aplicativos pode ser transformado em barra de tarefas flutuante, permitindo o
chaveamento entre programas com um clique do mouse. Como o Windows 95 e 98, as URL’s
da Internet podem ser salvas como ícones no desktop. Os arquivos mais usados, bem como
pastas e servidores são armazenados numa área de favoritos, podendo ser acessados mais
rapidamente.
O MacOS ainda pode sincronizar o relógio interno automaticamente usando servidores
de tempo na Internet baseados em relógios atômicos. Ele traz o Microsoft Internet Explorer e
Outlook Express como browser e cliente de e-mail default.
O sistema de instalação foi melhorado, permitindo instalar softwares novos em menor
tempo, salvar configurações de instalação específicas, e checa o sistema para problemas,
reparando-os sem necessidade de acesso ao CD-ROM. Suporta ainda instalação remota,
quando usado por um assistente de rede.
Usando a porta IrDA (Infrared Data Association), que funciona à base de luz
infravermelha, portanto sem fios, o MacOS pode se conectar a telefones celulares Nokia e
Ericsson – dotados dessa porta – a fim de checar e-mail. Essa função é própria para
PowerBook’s, mas não tem suporte no Brasil. Ainda para o PowerBook, o MacOS 8.6
aumenta o tempo de uso da bateria em até 25%.

WINDOWS
Antes do lançamento do Windows, o sistema operacional mais utilizado no mundo, os
softwares eram bem diferentes do que vemos hoje em dia. Não havia janelas, papéis de
parede, efeitos e nem mouse, tudo era feito a partir de linhas de comando muito feias
esteticamente e relativamente complicadas.
Tudo começou a mudar quando em 1981, a Microsoft iniciou o desenvolvimento de
um Gerenciador de Interface (Windows), possibilitando o uso do mouse em uma interface
cheia de janelas. Este foi um novo passo para o mundo da informática, pois o
desenvolvimento do Windows deu o início a uma nova geração de sistemas que possuíam
interface gráfica, nos quais os usuários viam o que desejavam e simplesmente clicavam.
A família Windows, como é denominada pela Microsoft, começa com o Windows 1.0,
2.0, 3.1, 3.1, 3.11, Windows 95, Windows NT, Windows 98, Windows ME, Windows 2000,
Windows XP, Windows Vista e o mais recente Windows Seven. As primeiras versões do
Windows, em 1983, eram vendidas em uma caixa com quatro disquetes, demorava uma
grande quantidade de tempo para instalar e o espaço total do sistema ocupava apenas 1 Mb.
A Microsoft elaborou várias versões de cada sistema, destinadas a diversas aplicações,
como no uso doméstico ou empresarial, por exemplo. As versões “Home” (destinadas ao uso
doméstico) são desenvolvidas com uma programação de nível um pouco mais baixo, às vezes
algumas remodelações de sistemas anteriores, tornando-os eficientes, porém pouco estáveis e
seguros. Já as versões “Professional” (uso empresarial) são feitas a partir do “zero” e possuem
uma alta estabilidade, funcionalidade e segurança. Aproximadamente 95% dos computadores
de todo o mundo executam o sistema operacional Windows.

ALGUMAS CARACTERISTICAS
A principal linguagem de programação usada para escrever o código-fonte das várias
versões do Windows é a C e algumas partes com C++ e Assembly.
Até a versão 3.11, o sistema rodava em 16 bits (apesar de poder instalar um update
chamado Win32s para adicionar suporte a programas 32 bits), daí em diante, em 32 bits. As
versões a partir do XP e 2003 Server estão preparadas para a tecnologia 64 bits.