Você está na página 1de 10

Faculdade Cathedral

Curso de Fisioterapia

Paralisia Facial
e
Parestesia: Condutas Terapêuticas

Autores: Acadêmicos:
Luciana Granado Lage Ádria Aguiar
Rivail Antônio Sérgio Fidel Jr. Andréia Olivio
Roberto Elias Camilla Martins
Fernando Fadel Kamila Bueno
Jayme Guitmann Luciane Gaudêncio
Pedro Jefferson
Thalita Barros
Introdução

- O nervo facial (VII) par de nervo crãniano, é responsável pelos movimentos da face, e
quando lesado cessa os movimentos musculares da hemiface afetada desde o supercílio até
a boca, dentre as causas da paralisia facial temos:

• Idiopática;
• Traumática;
• Infecciosa;
• Neoplasia.;
• Congênita;
• Vascular; e
• Tóxica.
Paralisia Facial

• Ocorre quando há compressão do nervo facial;

• O Nervo Facial (VII) é o nervo motor periférico com maior


incidência de paralisia;

• O Nervo Facial inerva toda a musculatura da mímica;

• Responsável pela sensibilidade tátil, térmica e dolorosa da parte do


pavilhão auditivo;
Etiologia

- A Etiiologia da Paralisia Facial pode ser dividida em:


• Idiopática ou Paralisia de Bell

○ Ocorre quando o paciente fecha os olhos;


○ Pacentes relatam também dificuldades para mastigar, assoprar ou
assobiar.

• Traumatica

○ Pode acometer os indivíduos sob várias formas, como por objetos cortantes,
perfurantes, projéteis de armas de fogo na face;

• Infecciosa

○ Meningite: com o comprometimento da bainha do nervo crâniano;


○ Otite: ocorre com a compressão, inflamação ou mesmo destruição do
nervo facial;
○ Herpes Zoster: ocorre por um processo inflamatório agudo em gânglios
sensitivos.
• Neoplasias

○ Se dá por compressão do nervo, bem como destruição do mesmo;


○ As Neoplasias mais comuns são: dá glândula parótida, do tronco cerebral
e quarto ventrículo;

• Congênita

○ Segundo Chevalier (1990) existem dois tipos de Paralisias Faciais


Congênitas:
-Não desenvolvimento dos núcleos Pontinos, que dariam origem as
fibras do nervo facial;
-Paralisia facial do tipo Heller, que consiste na não formação do pavilhão
da orelha e outras estruturas circunvizinhas.

• Vascular

○ Um bloqueio na circulação arterial que nutre o nervo, pode causar a paralisia


facial.

• Tóxica

○ Em relação à Paralisia Facial Tóxica, somente a toxicose pode causar lesão isolada
do nervo facial pois as demais lesões por agentes tóxicos variam com que o nervo facial
fosse mais um nervo afetado, já que há um quadro de polineuropatia.
Sinais e Sintomas

• De acordo com Bento e Barbosa (1994) o paciente afetado pela


paralisia facial apresenta assimetria da face, tendo a hemiface
paralisada.

• A sintomatologia apresentada é de perda de sensibilidade no lado


afetado e perda dos movimentos musculares.

Diaginóstico Diferencial

• Segundo Machado (1993) podemos considerar a paralisia facial central,


que como sinais, apresenta a parte superior da face poupada (Músculo
Orbicular dos olhos), sendo afetada somente o terço inferior da face
diferente da paralisia facial, onde toda a hemiface é afetada.

• As paralisias faciais periféricas podem haver contração involuntária da


músculatura mímica como mastigação emocional, o paciente pode contrair
a musculatura do lado afetado quando ri ou chora, mas não os contrai
voluntariamente.
Tratamento
• Antes de inciarmos o tratamento devemos analisar primeiramente a etiologia da
paralisia facial, se estivernmos diante de uma infecção, provavelmente ministraremos
antibióticos ou antivirais, para tratamento inicial.

• Temos algumas outras condutas terapêuticas:

○ Crioterapia.

○ Eletroterapia.

○ Termoterapia.

○ Cinesioterapia.

○ Massoterapia.
Parestesia
- A Parestesia consiste em sensações desagradáveis, mais ou menos permanentes que
traduzem irritação de nervos periféricos sensitivos ou de raízies posteriores. As
parestesias frequentemente se associam à dor e costuman se traduzir principalmente por
formigamento.
Segundo Machado (1993), diz que as parestesias sãos sensações estranhas, onde não há
total perda de sensibilidade sendo reconhecidas por qualquer pessoa que já recebeu um
injeção de anestésico local em tratamentos odontológicos. Quando não persistem as
parestesias podem n]ão indicar um alesão neurológica, mais já quando persistentes,
indicam anormalidade das vias sensoriais. Segundo Madi (2000) as acausas da parestesia
podem ser as seguintes:

1. Uma agreção traumática;


2. Agreção que parte dos tecidos circundantes (Inflamação, tumor que comprime o nervo,
ou que, como a inflamação lhe ultapassa os envoltórios e o invade.);
3. Lesões vasculares (Neuropatias vasculares);
4. Inflamação do nervo.

Na literatura não há nenhum tipo de tratamento específico para as parestesias, e sim


apenas aguardar para que com o tempo o nervo afetado volte a sua normaidade.
Conclusões

• Na Paralisia Facial, temos a injúria (Nervo Facial), por isso há paralisia, a na


parestesia relacionada à odontologia, a injúria é em nervo sensitivo (Nervo
Trigêmio), por isso as alterações de sensação.

• As lesões em que há seccionamento no nerno requerem neurorrafia, e as sem


seccionamento evoluem com boa recuperação.
Tenha uma Boa Tarde! Obrigada!