Você está na página 1de 4

1. O que são fontes históricas? Exemplifique.

Resposta: Exemplo; o direito moderno ocidental se baseia no


direito romano. (resposta na íntegra na p. 19 do livro de Paulo
D. de Gusmão)

2. Como são classificadas as fontes formais? Justifique e


exemplifique

Resposta: As fontes formais são classificadas, segundo Paulo


Dourado de Gusmão, em três categorias: fontes estatais de direito,
e.g lei, regulamento, decreto-lei e medida provisória; fontes infra-
estatais, e.g costume, contrato coletivo de trabalho, jurisprudência,
doutrina; fontes supra-estatais, e.g tratados internacionais,
costumes internacionais, princípios gerais dos povos civilizados. A
razão da classificação acima se dá pelo fato de que as fontes
formais nada mais são que meios ou formas de expressão do
direito, ou seja, a lei expressa, o direito posto, fonte direta pela
qual se cria e exterioriza a norma.

3. Podemos afirmar que a lei complementar inova matéria


constitucional? Justifique.

R: Não, elas não inovam matéria constitucional. Elas têm função


de esclarecer, interpretar etc. matéria constitucional. Elas não
podem inovar matéria constitucional. Elas também exigem um
código especial, que é 50% + 1 do colegiado para a sua
aprovação, ou seja, quorum especial para aprovação da lei
complementar.

4. O que são institutos unos? Justifique e exemplifique.

R: Reúnem características de leis substantivas ou formais.


[explicar o que são essas leis, tanto as substantivas quanto as
adjetivas]. Ex.: lei de falência.
5. A lei nova retroagirá? Justifique e exemplifique.

R: A lei é para o futuro e só retroagirá em benefício do réu –


excepcionalmente na lei penal. [desenvolver melhor]

6. O que preconiza a teoria dos círculos secantes de Du Pasquier?

R: Ela diz que há elementos em comum entre o direito e a moral


sem, entretanto, um se sobrepor ao outro.

7. Explique as características da coercibilidade e da bilateralidade


das normas jurídicas.

R: A coercibilidade é a característica do direito que consiste em


usar o emprego da força para fazê-lo ser observado, de acordo
com Paulo D. de Gusmão. Já a bilateralidade é atribuir uma
prerrogativa a uma parte e uma obrigação à outra parte quando o
direito prescreve uma relação entre duas ou mais pessoas.

8. Qual a finalidade do termo fonte do direito?

R: São os processos ou meios em virtudes dos quais as regras


jurídicas se legitimam [está nos slides da professora]

9. O decreto regulamentar pode contrariar a lei? Justifique.

R: Não podem porque são hierarquicamente inferiores à lei. Sua


função é a de aclarar o conteúdo da lei, porem não interferem no
objetivo da lei.

10. Qual a diferença específica entre costumes e usos?

R: Segundo Paulo D. de Gusmão, o que diferencia usos de


costumes é a convicção de sua obrigatoriedade e de sua
necessidade jurídica, ou seja, a convicção de que determinada
regra costumeira é jurídica, obrigatória e necessária.

11. O elemento material quais são os pressupostos necessários


para que os costumes tenham valor jurídico?

R: Pluralidade de atos, repetição de atos durante um longo


período de tempo e a sua uniformidade.

12. Diferencie analogia legal de analogia jurídica.

R: Quando há uma lacuna, o juiz não pode deixar de sentenciar.


Quando não existe um dispositivo legal, o magistrado procura um
caso semelhante. Jurídica: quando for insuficiente a analogia
legal, entra a jurídica [LER O LIVRO PARA UMA EXPLICAÇÃO
DETALHADA, mas não se preocupa que o assunto é fácil].

13. Há necessidade de se provar os costumes? Justifique e


exemplifique.

R: Sim, eles são provados por testemunhas, vistorias, documentos


certidões etc. No direito penal, os costumes são admitidos? Não.
Porque o princípio da reserva legal apregoa que não há crime que
não tenha lei anterior que o defina.

14. Existe obrigatoriedade explicita nas regras de trato social?


Justifique.

R: Não, pois ela está implícita. Porém, quando o individuo


transgride as regras de trato social, ele é excluído do meio social
(sanção difusa).

15. Qual o quórum exigido para a aprovação de uma lei-ordinária?


Justifique.

R: Ela pode ser aprovada por maioria simples, pois elas não
possuem conteúdo constitucional [questão incompleta]

16. Quais são os órgãos competentes para a criação de uma lei?


R: Congresso, presidente, população e mais alguns que me
faltam agora. Depois: pertinência; avaliação do projeto. Depois:
revisão do projeto [o nosso sistema é bicameral]. Falta mais,
bem mais para esta questão ficar completa.

OS PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO

São regras oriundas da abstração lógica e constitui-se no


substrato comum do direito. Eles servem de fundamento e
formam o direito positivo. Na verdade, eles são a base do direito
positivo.
andreasolange@hotmail.com