Você está na página 1de 16

Manual de Atividade de

Estágio de Gestão da
Educação em Ambientes
Não Escolares
Pedagogia
Sumário
1. INTRODUÇÃO............................................................................................................................. 3

2. ORIENTAÇÕES ESPECÍFICAS SOBRE A ELABORAÇÃO DO PROJETO.......................... 8

3. FORMATAÇÃO............................................................................................................................ 13

4. DOCUMENTOS E PROCEDIMENTOS.................................................................................... 13

5. MATERIAL DE ESTUDO SUGERIDO...................................................................................... 14

6. MODELO DE CAPA DO PROJETO.......................................................................................... 16


Serviço Social

1. INTRODUÇÃO

Esta atividade refere-se ao planejamento de um projeto, sendo assim, não precisa ser
implementado, ou seja, não precisa ser aplicado de fato. O intuito é que você aprenda
a planejar um projeto de intervenção em ambientes não escolares, prevendo todos os
aspectos que o contemplam, bem como as contribuições que o pedagogo pode oferecer a
esta esfera não escolar.
Por se tratar de uma atividade de estágio que não é realizada in loco, não é necessário
providenciar Termo de Compromisso e Plano de Atividade nem preencher Relatórios
Semestrais. Somente deverá ser elaborado o projeto e preenchida a Ficha CEE específica,
que consta na última página do Manual de Estágio.
Conforme você estudou no livro-texto, o campo de atuação do pedagogo, sobretudo
na virada do século, deixou de se restringir ao ambiente da sala de aula, da gestão escolar
e da gestão de sistemas educacionais. Isso não quer dizer que a educação formal tenha
perdido a importância. Ao contrário, nas sociedades democráticas, a educação escolar é
considerada um direito humano e se constitui em serviço de atenção básica, como é o caso
do Brasil.
Compartilhar o conhecimento acumulado pela humanidade ao longo dos tempos com
as novas gerações é papel fundamental da escola, sobretudo em uma sociedade marcada
por índices de desigualdades sociais alarmantes como a nossa.
A produção das desigualdades sociais, aliada às transformações pelas quais vem passando
o mundo do trabalho, nos ajuda a compreender porque a vida escolar vem deixando de ser
o único foco do exercício profissional dos pedagogos, embora continue sendo algo muito
importante.
Os conhecimentos específicos do campo pedagógico, sobretudo aqueles que envolvem a
aprendizagem de conteúdos de naturezas diversas, são cada vez mais valorizados para que

3
Manual de Estágio

os sujeitos consigam enfrentar os desafios engendrados na globalização e no avanço das


tecnologias, que produzem inovações que exigem mudanças, adaptações e transformações
cada vez mais rápidas nas maneiras de as pessoas pensarem e agirem. Esses fatores explicam,
por exemplo, a importância de um pedagogo nos contextos organizacionais, como é o caso
de empresas e instituições do terceiro setor.
No que diz respeito ao combate à desigualdade social, a educação também vem sendo
compreendida como um dos mecanismos essenciais para reverter os quadros de pobreza e
miséria ou para minimizar os efeitos da exclusão social. Como afirma Gohn (2001, p. 09):

Os efeitos da crise econômica globalizada e a rapidez das


mudanças na era da informação levaram a questão social para o primeiro
plano, e com ela o processo da exclusão social, que já não se limita
à categoria das camadas populares.

Em função disso, a educação transpõe os muros da escola e passa a ser demandada por
fundações que atuam em órgãos de garantia de direitos, espaços comunitários, movimentos
sociais, entidades filantrópicas, religiosas; sindicatos, clubes, espaços de cultura, lazer e
esportes, museus, entidades do poder público que implementam políticas públicas de saúde,
assistência social, trânsito, habitação etc.
Sendo assim, os saberes profissionais do pedagogo precisam ser cada vez mais sólidos,
consistentes e diversos, para que ele seja capaz de contribuir em todos os espaços amplos
e diversificados nos quais vem sendo requisitado. Como afirma Libâneo (2002, p. 28):

Verifica-se, hoje, uma ação pedagógica múltipla na sociedade.


O pedagógico perpassa toda a sociedade, extrapolando o âmbito
escolar formal, abrangendo esferas mais amplas da educação informal
e não formal.

4
Serviço Social

Ao atuar em contextos que extrapolam a educação formal, o pedagogo também


precisará estar preparado para atuar em contextos interdisciplinares, já que se relacionará
com profissionais de outros campos de saberes. Além disso, é muito importante que esteja
atento às características de cada espaço e de cada território de atuação.
No que diz respeito a esse aspecto, um conceito que pode se articular à gestão em
ambientes não escolares é o de cidade educadora.
Cidade educadora é a cidade que, para além de suas funções tradicionais, desenvolve
ações de reconhecimento, promoção e exercício do papel educativo na vida dos cidadãos,
de forma integral.
A ideia de cidades educadoras começou como um movimento, em Barcelona, na
Espanha, no início dos anos 1990, quando um grupo de cidades resolveu desenvolver,
conjuntamente, projetos e atividades que pretendiam melhorar as condições de vida das
populações. Foi assim que, no I Congresso Internacional de Cidades Educadoras, foi lançada
a Carta de Princípios das Cidades Educadoras, cujas ideias essenciais são:

a) Respeito ao meio ambiente de seu próprio território, de territórios vizinhos e de


outras cidades do mundo.
b) Integração de conhecimentos de cada indivíduo, favorecendo que as pessoas
aprendam, partilhem, troquem e, consequentemente, enriqueçam suas vidas.
c) Formação, promoção e desenvolvimento de cada indivíduo da comunidade, garantindo
que todos possam aprender em todos os momentos e ao longo da vida.
d) Investimento na formação de cada pessoa para que ela atinja o máximo de seu
potencial, sua singularidade, criatividade e responsabilidade com o coletivo.
e) Condições para plena igualdade, de forma que todos se sintam respeitados e respeitem
o próximo, em constante diálogo.

5
Manual de Estágio

f) Acesso fácil e irrestrito às tecnologias da informação e comunicação para que todos


tenham liberdade de se expressar e compartilhar seus conhecimentos.
g) Congregação entre instituições educativas formais, não formais e informais para
colaboração no ensino e na aprendizagem de todos os cidadãos.
h) Cooperação com instituições e projetos de estudo e pesquisa que visem a aprimorar
meios de fortalecer a participação cidadã e a qualidade de vida nas cidades.
i) Proteção de crianças e jovens, garantindo seu direito à cidadania, diálogo e coexistência
com outras gerações.
j) Compreensão do território como uma grande plataforma de experimentação para que
as pessoas possam exercer sua plena cidadania.
k) Condições para o exercício da democracia, em que a coexistência pacífica, a ética e o
respeito à pluralidade são determinantes.
l) Planejamento urbano que permite a integração das aspirações pessoais e sociais dos
indivíduos, combatendo toda forma de segregação social, cultural ou de gerações.
m) Desenvolvimento de todas as potencialidades educativas que a cidade contém,
garantindo-as no projeto político da cidade.
n) Definição de prioridades de formação em função de um processo de avaliação de
carências, objetivos e recursos.
o) Reconhecimento dos recursos e potencial formativo da própria cidade como
ferramentas de desenvolvimento do sistema educativo, laboral e social.
p) Valorização da cultura como um processo de produção que motiva a criatividade,
estimula a curiosidade, resgata a memória local e integra diferentes populações.
q) Concepção da educação, como um bem social dinâmico, construído coletivamente e
que acolhe sem restrições quem quer aprender e ensinar.
r) Reconhecimento da escola como instituição educativa, ao mesmo tempo em que

6
Serviço Social

valida outros núcleos, espaços e tempos de formação no território.


s) Valorização de uma concepção aberta e diversificadora de saberes, tomando cada
indivíduo como um potencial educador.

Para conhecer o conteúdo da Carta das Cidades Educadoras, em que os princípios


anteriores constam na íntegra, acesse o site: http://w10.bcn.es/APPS/eduportal/pubFitxerAc.
do?iddoc=84472. Acesso em 02 dez. 2017.

Com base nesses princípios, diversas iniciativas de educação não formal têm sido
empreendidas no mundo inteiro. Alguns exemplos são:
ƒƒ Construção e manutenção de jardins coletivos, como ocorre em Rennes, na França.
ƒƒ Execução de hortas comunitárias, baseadas na ideia de permacultura (sistemas
sustentáveis de interação com o meio ambiente), como ocorre no Projeto
Permacultoras Urbanas, no Jardim Ângela, na periferia da Zona Sul de São Paulo.
ƒƒ 
Construção de bibliotecas comunitárias e desenvolvimento de atividades de
mediação de leitura, como ocorre no Projeto Caminhos da Leitura, uma biblioteca
circular que funciona em um cemitério de Parelheiros, no extremo sul de São Paulo.
ƒƒ 
Projetos de interação entre escolas com suas comunidades, como ocorreu no
Programa Escola Integrada, desenvolvido em Belo Horizonte, Minas Gerais.
ƒƒ Projetos de valorização de pessoas idosas, como ocorre em Torres Vedras, Portugal,
onde grupos de idosos acompanhavam crianças da Educação Infantil até suas casas,
depois da saída da escola.
ƒƒ Projetos de mediação cultural em museus, exposições e atividades esportivas ao ar
livre, como caminhadas, com grupos de idosos, como acontece na Unidade Básica de
Saúde – UBS – do Jardim Dona Sinhá, na zona leste de São Paulo.

7
Manual de Estágio

ƒƒ Projetos de capacitação profissional para pessoas com deficiência, como ocorre em


Buenos Aires, Argentina.
ƒƒ 
Projetos de recreação, esporte e lazer para acolhimento de crianças e jovens
em bairros vulneráveis ou em conjuntos habitacionais novos, como os que são
desenvolvidos pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano – CDHU,
de São Paulo.
ƒƒ Projetos que promovem autonomia, afetividade, cooperação, senso crítico, cidada-
nia e valorização do próximo, como ocorre no Projeto Curumim, do SESC – Serviço
Social do Comércio. Escolas comunitárias, como ocorre com as escolas do MST –
Movimento dos Sem Terra.
ƒƒ Projetos de acolhimento de pessoas drogadictas, como já ocorreu na região da
Cracolândia, no centro de São Paulo.
ƒƒ Acompanhamento e desenvolvimento de oficinas de empregabilidade, em Centros
de Referência da Assistência Social (CRAS) e Centros de Referência Especializados
da Assistência Social (CREAS), que atendem famílias e pessoas em situação de risco
social ou que tiveram seus direitos violados.
ƒƒ Outra possibilidade é a atuação do pedagogo em empresas, especialmente no setor
de Recursos Humanos (RH), cuidando da formação dos colaboradores em serviço,
seja para o aprendizado de procedimentos novos, como para a constituição de novas
atitudes e melhoria de processos e relações humanas.

2. ORIENTAÇÕES ESPECÍFICAS SOBRE A ELABORAÇÃO DO PROJETO

Com base nos pressupostos apresentados, você deverá escolher um território e contexto
em sua cidade/região e elaborar um Projeto de Intervenção Educativa que envolva a
atuação do pedagogo em um ambiente não escolar.

8
Serviço Social

A ideia é que você elabore um projeto relacionado à educação não formal, ou seja,
além de ser planejado para ser desenvolvido fora do ambiente escolar, o público-alvo e as
atividades propostas não devem ter relação direta com escolas de educação básica.
Mas uma pergunta que é frequente entre os alunos é: como identificar uma
situação-problema para o projeto? Vejamos alguns exemplos.
EXEMPLO 1: Ao detectar que em uma determinada região a população idosa está ociosa,
apática ou sem atividades, pode-se desenvolver um projeto para empoderá-la, elaborando
um projeto no qual sua experiência de vida possa contribuir para com a formação de
crianças e jovens por meio da contação de histórias e/ou de leituras, e ao mesmo tempo
oferecer oportunidades de conferir sentido ao seu papel social.
EXEMPLO 2: Ao detectar que na sua cidade/região as crianças são sedentárias, por
exemplo, passando a maior parte do tempo em frente da TV ou computador, o que no futuro
poderá gerar problemas, inclusive de saúde, pode-se elaborar um projeto de brincadeiras
infantis ou de esportes, ou de arte (dança, teatro, entre outros).
EXEMPLO 3: Ao detectar problemas em sua cidade ou região relativas ao Meio Ambiente,
pode-se elaborar um projeto onde sejam realizadas ações para a preservação, conservação
e restauração do meio ambiente.
Independentemente do motivo que justifique a realização do projeto, é importante
que seja desenvolvido em instituições como Organizações Não Governamentais (ONGs);
Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIPs), Associações de Bairro;
Centro de Referência da Assistência Social (CRAS), Centro de Referência Especializado
da Assistência Social (CREAS) ou empresas (quando o foco for a educação continuada,
treinamento e desenvolvimento de pessoas em Recurso Humanos).
O ideal é que o projeto contenha, no máximo, 10 páginas; além disso, é obrigatório que
seja elaborado conforme o roteiro apresentado a seguir, portanto, leia as orientações com
atenção.

9
Manual de Estágio

Item 1 – Apresentação do Projeto


O primeiro passo é informar o tema do projeto, ou seja, o assunto que será abordado.
Em seguida, descreva os objetivos, as características do local (comunidade, instituição,
empresa, CRAS, CREAS, biblioteca, horta etc.), o público-alvo, a justificativa da ação
(descrever sua relevância, sua importância para a instituição e para o público envolvido).

Item 2 – Etapas do Projeto


Inicialmente, informe o tempo total de duração do projeto. Depois, descreva cada
atividade que será proposta e o tempo necessário para a realização de cada uma delas.
Não se esqueça de mencionar como você pretende avaliar o seu projeto.

10
Serviço Social

Item 3 – Detalhamento das funções do pedagogo


Descreva em tópicos as funções do pedagogo na mediação das atividades propostas.
Exemplos:
ƒƒ Levantamento dos conhecimentos prévios da população envolvida.
ƒƒ Mobilização das pessoas e distribuição das tarefas.
ƒƒ Desenvolvimento de oficinas.
ƒƒ Auxílio na elaboração de instrumento de avaliação de desempenho profissional.
ƒƒ Elaboração de fluxo de atividades.
ƒƒ Criação de combinados de cuidado e manutenção dos espaços coletivos.

Item 4 – Texto reflexivo


Elabore um breve registro de no máximo uma página, expondo a importância deste tipo
de projeto em ambientes não escolares para sua formação como pedagogo.

Item 5 – Referências bibliográficas utilizadas


Enumere, em ordem alfabética e seguindo as normas da ABNT para citações bibliográficas,
o referencial utilizado na elaboração do projeto.

11
Manual de Estágio

ATENÇÃO!
ƒƒ A atividade proposta tem o objetivo de compor a carga horária de estágio super-
visionado referente à Gestão da Educação em Ambiente Não Escolar, sendo assim,
é obrigatória a elaboração do projeto individualmente, não será aceito trabalho
realizado em grupo. Caso sejam enviados trabalhos iguais, a carga horária do estágio
não será concedida aos respectivos estudantes.
ƒƒ O trabalho deverá conter seus dados (nome/RA) e deverá ser postado junto com os
documentos de estágio (instruções no Manual de Estágio).
ƒƒ 
Atenção! A pesquisa é extremamente importante para sua formação
profissional e acadêmica. No entanto, ao utilizar um conteúdo pesquisado, é
importante transcrevê-lo com suas próprias palavras e citá-lo nas referências.
Trabalhos considerados plágio obterão nota zero!
ƒƒ Não serão aceitos trabalhos pré-existentes, mesmo que o trabalho seja de autoria
do estudante, ou seja, o trabalho precisa ser inédito. Trabalhos encontrados em sites
que disponibilizam trabalhos prontos na internet não serão aceitos para compor a
carga horária do estágio.
ƒƒ Caso seja constatado pelo professor, durante a correção, que a atividade não está de
acordo com o que foi solicitado, não será considerada a respectiva carga horária de
estágio supervisionado.
ƒƒ Para registrar a carga horária referente à elaboração do projeto e realizar a validação
para o Estágio Supervisionado, além de postar o projeto, será necessário também
postar uma Ficha de Coordenadoria de Estágios em Educação (CEE) com o registro
da carga horária.
ƒƒ 
Lembre-se de que antes de iniciar a elaboração do projeto, é necessário ler
atentamente o material pedagógico da disciplina Orientação e Prática de Gestão
da Educação em Ambientes Escolares e Não Escolares, o Manual de Estágio e as

12
Serviço Social

instruções deste manual; assim você terá contato com conceitos importantes, o que
permitirá a elaboração da atividade corretamente.

3. FORMATAÇÃO

O texto deve ser redigido conforme as regras da norma padrão da Língua Portuguesa,
além disso, deve apresentar coerência, coesão e progressão textual. Também é necessário
seguir as seguintes normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT):
ƒƒ Letra: fonte Arial ou Times New Roman, tamanho 12.
ƒƒ Espaçamento entrelinhas: 1,5 cm.
ƒƒ Alinhamento do texto: justificado.

4. DOCUMENTOS E PROCEDIMENTOS

Registro da carga horária de estágio: para registrar a carga horária referente a esta
atividade de estágio, você deve deverá preencher a Ficha CEE que consta na última página
do Manual de Estágio disponibilizado no AVA.

Postagem da documentação: poste o material referente aos dois estágios de Gestão


(ambiente escolar e não escolar) da seguinte forma:

a) No link da disciplina de Orientação e Práticas de Gestão da Educação em Ambientes


Escolares e Não Escolares, postar em um único arquivo:
- Termo de Compromisso + Plano de Atividade + Relatórios semestrais da
Instituição Concedente e do Aluno Estagiário, referentes ao estágio de Gestão da
Educação em Ambiente Escolar + Projeto de Intervenção, referente à Gestão da Educação
em Ambiente Não Escolar.

13
Manual de Estágio

b) No link da disciplina de Estágio Supervisionado, no 6º período letivo (semestre), postar


em um único arquivo:
- As Fichas CEE (frente e verso) de todos os estágios realizados, inclusive a Ficha CEE da
atividade referente ao estágio em Gestão da Educação em Ambiente Não Escolar, ou seja,
Fichas CEE referentes a toda carga horária de estágio.

5. MATERIAL DE ESTUDO SUGERIDO

Destacamos um conjunto de referências que podem ajudar na elaboração deste projeto:


19 elementos que você pode encontrar em uma cidade educadora. Disponível em:
http://portal.aprendiz.uol.com.br/2013/11/14/19-elementos-que-voce-pode-encontrar-
em-uma-cidade-educadora/. Acesso em 19 dez. 2017.
CLARO, J. A. C. S.; TORRES, M. O. F. Pedagogia empresarial: a atuação dos profissionais
da educação na gestão de pessoas. Disponível em: https://siaiap32.univali.br/seer/index.
php/ rc/article/view/2214/2245> Acesso em: 19 dez. 2017.
GOHN, M. G. Educação não formal e cultura política: impactos sobre o associativismo
do terceiro setor. 2. ed. São Paulo, Cortez, 2001.
GRACIANI, M. S. S. Pedagogia social de rua. São Paulo: Cortez, 1997.
LIBÂNEO, J. C. Diretrizes curriculares da Pedagogia: imprecisões teóricas e concepção
estreita da formação profissional de educadores. Revista Educação e Sociedade. Campinas,
v. 27 n. 96, p. 843-876, out. 2006.
________. Organização e gestão da escola: teoria e prática.
________. Pedagogia e pedagogos para quê? São Paulo: Cortez, 2002.
MACHADO, E. M. Pedagogia e a pedagogia social: educação não formal. In: Pedagogia
em debate. 2002, Curitiba. Anais. v. 1. Universidade Tuiuti do Paraná. Disponível em: http://

14
Serviço Social

www.boaaula.com.br/iolanda/producao/me/pubonline/evelcy17art.html. Acesso em 19 dez.


2017.
MIRANDA, N. A. Gestão de ambientes escolares e não escolares (livro-texto). São
Paulo: Editora Sol, 2012.
MULATI, L. E.; SILVA, E. H. A atuação do pedagogo no Centro de Referência da
Assistência Social. Disponível em: http://www.dfe.uem.br/TCC-2016/LARA.pdf. Acesso
em: 19 dez. 2017.
PETRUS, A. (org.). Pedagogia social. Espanha: Ariel, 1997.
PRÍNCEPE, L. M. Necessidades formativas de educadores que atuam na educação
não formal (Dissertação de Mestrado em Educação: Psicologia da Educação). Pontifícia
Universidade Católica de São Paulo, 2010. 142 fls.
REDE BRASILEIRA DE CIDADES EDUCADORAS (site). Disponível em: http://www.aberta.
senad.gov.br/medias/original/201701/20170131-152929-001.pdf. Acesso em:19 dez. 2017.
COLETIVOS PERMACULTORES. Disponível em: https://permacoletivo.wordpress.com/
permacultura/. Acesso em 05 dez. 2017.

15
Manual de Estágio

6. MODELO DE CAPA DO PROJETO

CURSO DE PEDAGOGIA

Gestão da Educação em Ambientes Não Escolares

Atividade de Estágio

TÍTULO DO PROJETO

Nome e RA

Polo de matrícula

Ano de postagem

16