Você está na página 1de 30

UNIVERSIDADE DE SOROCABA

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA
PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA
PIBIC/PROBIC/PROVIC

MÉTODOS E PROCESSOS EM IMPRESSÃO 3D PARA EXECUÇÃO


DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E ARQUITETURA DE
GRANDE ESCALA

METHODS AND PROCESSES IN 3D PRINTING FOR CIVIL


CONSTRUCTION AND LARGE-SCALE ARCHITECTURAL
PROJECTS

Período relatado: Jan/2020 a Set/2020


Modalidade: PROBIC
Nº Protocolo PROPEIN: 1354

Relatório científico FINAL apresentado à


presidência dos programas institucionais
de bolsas de Iniciação científica como
parte dos requisitos das atividades do
bolsista.

Sorocaba/SP
2020
RESUMO

INTRODUÇÃO: O custo dos materiais, tempo de construção, sustentabilidade e


desperdício de materiais e custo de mão de obra qualificada foram pontos
pertinentes levantados quanto a construção civil e seu método construtivo
convencional, fazendo-se necessário uma proposta que busque outras alternativas à
construção. A impressão 3D é um método que utiliza a deposição de materiais para
a confecção de formas específicas e que possui viabilidade na aplicação em larga
escala, sendo esse o método adotado como alternativa construtiva. OBJETIVOS:
Essa pesquisa visa à análise e entendimento dos processos de efetuação de uma
construção de moradia popular feita através de uma impressora 3D, à fim de
entender se a mesma possui viabilidade de execução em estruturas maiores e mais
complexas. Além disso, compreender aspectos técnicos e teóricos deste tipo de
processo se apresentam como objetivos específicos, em vista da necessidade de
um melhor aprofundamento sobre o tema. MÉTODO: Para tanto, será realizado um
estudo documental bibliográfico a partir de referências sobre o método para
levantamento de dados sobre projeto, prática e execução tanto para construção
convencionais quanto para aplicados em impressão 3D, para em um segundo
momento de prática experimental, verificar quais propostas de modelos e processos
podem ser utilizados em construções de grande porte.

Palavras-chave: Impressão 3D. Construção Civil. Arquitetura. Estruturas. Formas.

Keywords: 3D printing. Civil Construction. Architecture. Structures. Shapes.


SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO..................................................................................................................3
2 OBJETIVOS.......................................................................................................................3
3 DELINEAMENTO DO ESTUDO.....................................................................................4
4 MÉTODOS.........................................................................................................................5
5 O QUE É IMPRESSÃO 3D?...........................................................................................5
6 SISTEMAS CONSTRUTIVOS EXISTENTES..............................................................7
6.1 SISTEMA CONSTRUTIVO TRADICIONAL.................................................................8
6.2 SISTEMA CONSTRUTIVO CONVENCIONAL..........................................................8
6.3 SISTEMA CONSTRUTIVO INDUSTRIALIZADO.....................................................9
6.4 ANÁLISES DOS PROCESSOS CONSTRUTIVOS................................................10
7 EXEMPLO DE UTILIZAÇÃO DA IMPRESSÃO 3D NA CONSTRUÇÃO CIVIL..10
8 RESULTADOS E DISCUSSÃO...................................................................................12
9 CONSIDERAÇÕES FINAIS..........................................................................................20
10 DETALHAMENTO DAS ATIVIDADES CUMPRIDAS E NÃO CUMPRIDAS.......21
REFERÊNCIAS......................................................................................................................28
3

1 INTRODUÇÃO

Apesar das impressoras 3Ds estarem em grande crescimento no mercado e


cada vez mais próximas à população, os estudos a respeito de técnicas e uso ainda
são escassos em algumas áreas de atuação, como por exemplo na construção civil.
Diferente dos métodos construtivos tradicionais, a impressão 3D consiste
basicamente na deposição de materiais de forma geométrica em uma base para
resultar em uma forma. Dito isso, é necessário que haja um estudo prévio dos
métodos tradicionais, a fim de entendê-los em seu âmago para, então, viabilizar a
construção de uma forma com a impressão 3D seguindo os mesmos conceitos
básicos de resistência e viabilidade. É importante ressaltar que os métodos
tradicionais de construção civil são muito onerosos, apresentam pouca
sustentabilidade devido ao desperdício constante de materiais e demandam de um
período consideravelmente longo entre o início da construção até o seu fim. Além
dos empecilhos gerados pelos métodos tradicionais, o déficit habitacional no Brasil
foi de grande importância para a tomada de decisões nesta pesquisa. Isto posto,
busca-se estudar a viabilidade da construção de moradias em grande escala com
uma impressora 3D, atendendo todas as exigências arquitetônicas de uma
construção, tais como conforto térmico e acústico, estética e uso, que não serão
amplamente abordados. Para tanto serão realizados estudos teóricos e práticos,
sendo os teóricos baseados em técnicas convencionais e de manufatura aditiva, e
os práticos com a impressão de fato de protótipos para análise.

2 OBJETIVOS

Objetivo geral

Definir como os modelos - em um primeiro momento utilizando impressão 3D


tradicional por deposição, em escala de pequeno porte -, podem vir a auxiliar no
aprimoramento das técnicas de fabricação e estruturação de modelos mais
complexos, como uma residência popular.
4

Objetivos específicos

Identificar a(s) melhor(es) forma(s) de impressão de formas estruturais de


uma construção como pilares, vigas e lajes, quando executadas através da
manufatura aditiva.

Verificar a quantidade de material utilizada para tal construção, visando


sempre a economia e evitando possíveis desperdícios, seguindo uma arquitetura
sustentável.

Garantir que o tempo de execução de uma construção em impressora 3D seja


consideravelmente inferior comparado ao tempo de execução a partir de métodos
tradicionais.

Equiparar os sistemas tradicionais de construção com o sistema de


manufatura aditiva realizado pela impressora 3D, considerando questões técnicas,
sustentáveis e onerosas.

3 DELINEAMENTO DO ESTUDO

A pesquisa consiste no estudo teórico e experimental nos campos da construção


civil e impressão 3D. Primeiramente, buscou-se fazer um levantamento teórico sobre
ambas as áreas a fim de entender seus processos e impactos construtivos, além de
estruturação da forma interessante para impressão 3D. Foram considerados pontos
como a sustentabilidade dos métodos, o tempo de execução, formas construtivas e
viabilidade em estruturas de grande porte. Este estudo bibliográfico baseou-se em
leitura de obras de autores já conhecidos nos ramos citados (conforme visto em
bibliografia), além de amplas revisões em pesquisas, artigos, teses e dissertações
publicadas em plataformas como CAPES, FAPESP e universidades do país. Como
estudo de caso, foi escolhido um projeto de moradia popular cedido pela CAIXA
HABITAÇÃO para definir sua viabilidade de execução através da impressão 3D.

Em um segundo momento, foram feitas algumas impressões de protótipos em


pequena escala para definição do método mais eficaz para a forma escolhida,
analisando qual seria a maneira mais funcional, prática e econômica para a
execução em grande escala e em modelos mais complexos, além de verificar a
5

qualidade e resistência dos modelos gerados para que não hajam prejuízos na
substituição dos métodos tradicionais pela manufatura aditiva realizada pela
impressora 3D.

4 MÉTODOS

Buscando sanar todas as questões previamente apresentadas, a pesquisa foi


dividida em duas etapas, de embasamento teórico e prático.

A primeira etapa foi constituída de um levantamento bibliográfico apurado de


sistemas construtivos no que tange a construção civil e impressão 3D. Foram
utilizados artigos, teses, livros e dissertações sobre ambos os temas para definir os
pontos de interesse da pesquisa. Esta etapa foi de extrema importância para
responder questões técnicas relacionadas aos métodos como resistência dos
materiais, formas de execução, impactos ambientais e tempo de construção, onde
foi possível realizar comparações entre a construção civil e a manufatura aditiva da
impressão 3D. Essas comparações são necessárias para definir quais os déficits
presentes na construção civil que podem ser sanados através do método utilizado
na impressão 3D e qual a viabilidade de execução de uma forma aparentemente
bem resolvida através da construção tradicional e como aprimorá-la com a
manufatura aditiva.

Em uma segunda etapa, a impressão de protótipos de estudo foi executada,


seguindo o método de manufatura aditiva com fins de estudo da forma seguindo os
itens já citados de sustentação, estruturação, economia, viabilidade, sustentabilidade
e período de execução.

5 O QUE É IMPRESSÃO 3D?

A impressão 3D consiste no processo pelo qual um material é depositado em


camadas para a obtenção da forma previamente estabelecida em um modelo 3D. Os
materiais mais utilizados são o plástico (PLA ou ABS) e a resina; em tempo: num
segundo momento futuro de continuidade à pesquisa serão estudados novos
materiais para atender modelos de grande porte.
6

Existem diversos processos de impressão 3D, sendo o mais popular a


impressão por deposição de material, também conhecido como adição de material
ou AM. O processo consiste na deposição do material – plástico ABS ou PLA - em
camadas contínuas, seguindo as informações de vetores produzidas pelo software
tridimensionalmente para a construção do modelo final. O processo tornou-se
popular pela facilidade e simplicidade de execução, bem como o baixo investimento
necessário visto que o plástico necessita de menos material e demanda um tempo
de impressão menor comparado com a resina.
Segundo Carvalo e Volpato (2017) o processo de impressão 3D é descrito da
seguinte forma:

O processo tem início com o modelo 3D da peça sendo “fatiado”


eletronicamente, obtendo-se as “curvas de nível” 2D que definirão,
em cada camada, onde será ou não adicionado material. A peça
física é, então, gerada por meio do empilhamento (e da adesão)
sequencial das camadas, iniciando na base até atingir o seu topo.

E assim detalham o processo:

(1) a modelagem tridimensional, gerando-se um modelo geométrico 3D


da peça (por exemplo, em um sistema CAD);
(2) a obtenção do modelo geométrico 3D num formato específico para
AM, geralmente representado por uma malha de triângulos, em um
padrão adequado (por exemplo, STL – StereoLithography, AMF –
additive manufacturing format, ou outro). [...]
(3) o planejamento do processo para a fabricação por camada
(fatiamento e definição de estruturas de suporte e estratégias de
deposição de material) [...]
(4) a fabricação da peça no equipamento de AM; e
(5) o pós-processamento, que varia bastante de acordo com a
tecnologia (pode envolver limpeza, etapas adicionais de
processamento e acabamento com processos tradicionais de
usinagem por remoção). [...]

Estes processos podem ser desenvolvidos em um modelo simples de


impressora 3D. A figura abaixo demonstra um modelo de impressora capaz de
realizar esses processos de forma simples e eficaz.
7

Figura 1: Impressora 3D

Fonte: 3D Crias . Disponível em: <https://3dcriar.com.br/produto/impressora-3d-sigma/> acesso em


03 de out. de 2020.

Esta facilidade e simplificação de desenvolvimento de um modelo despertou


forte interesse de estudo em diversas áreas de conhecimento, entre elas a
construção civil. Nesta área busca-se aprimorar os processos existentes e/ou criar
novos processos de execução com o intuito de promover melhores resultados no
que tange questões estruturais, velocidade de processamento e mitigação de
perdas. Para fins teóricos e comparativos, foram detalhados brevemente os
processos executivos da construção civil como segue abaixo.

6 SISTEMAS CONSTRUTIVOS EXISTENTES

De acordo com Ching (2017) um sistema consiste em uma linha de


montagem, podendo possuir partes relacionadas ou não, que formam um todo
8

servindo a um interesse em comum, no caso uma construção. Esta entende-se,


segundo o mesmo, como a materialização de sistemas e subsistemas relacionados,
coordenados e integrados entre si, dando resultado à forma tridimensional da
edificação.
Ching (2017) ainda nos apresenta três elementos que constituem uma
construção:
 Subestrutura, que consiste no alicerce e fundação da construção para que
mesma não adentre o solo;
 Superestrutura caracterizada pelas estruturas utilizadas em uma construção
para que ela resista às forças naturais como a força do vento;
 Uma cobertura para que haja a proteção da edificação contra fatores
climáticos.

De acordo com estes elementos podemos dividir os processos construtivos


em três, sendo eles o tradicional, convencional e industrial.

6.1 SISTEMA CONSTRUTIVO TRADICIONAL

Este método está ligado em sua essência ao trabalho artesanal e manual,


comumente passado de gerações e com forte contexto histórico, os materiais
utilizados neste sistema são obtidos, em sua maioria, na própria natureza.
O autor Johan Van Lengen (2014) apresenta algumas das técnicas utilizadas
neste sistema em seu livro “Manual do Arquiteto Descalço” como a fundação feita
com lodo e bambu. Para as paredes são utilizadas pedras, adobe – tijolo fabricado a
partir da terra, água e palha –, estruturas de madeira, bambu, e outros materiais
(LENGEN,2014).
Há também o que chamamos de hiperadobe, que consiste na deposição de
sacas de um material – comumente areia – que são revestidos por uma mistura de
terra, água e cimento. Este processo, assemelha-se à manufatura aditiva.
A cobertura no sistema tradicional é feita por madeira, bambu ou até mesmo
palha – como nas ocas. A vedação destas estruturas pode ser feita através de
folhas, palhas ou telhas de barro (LEGEN, 2014).

6.2 SISTEMA CONSTRUTIVO CONVENCIONAL

Este sistema, diferentemente do anterior, conta com o auxílio de


equipamentos industriais para a sua execução, não excluindo a mão de obra
9

manual. Os materiais também apresentam mudanças já que aqui contam com


resíduos industriais ou previamente fabricados, além dos moldados inloco.
A fundação pode ser realizada de diversas maneiras em que Ching (2017) as
divide em rasas e profundas, sendo necessário um estudo do solo e de carga da
construção para definir a forma com que será executada.
No que diz respeito à superestrutura, temos aqui as paredes de alvenaria
definidas por Ching (2017) como um conjunto de “blocos modulares ligados com
uma argamassa” (CHING, Francis D.K 2017, p.139). Existe ainda a subdivisão das
alvenarias, podendo elas serem de vedação ou estrutural.
A alvenaria de vedação é um componente independente da estrutura
construtiva, ou seja, não possuí ligação com os elementos responsáveis para
garantir a sustentação de uma construção. Elas podem contar com tijolos de
cerâmica maciços ou vazados.
Em contrapartida, a alvenaria estrutural está intrinsecamente ligada ao
sistema de sustentação devido ao seu caráter autoportante, não dependendo de
vigas e pilares. As alvenarias estruturais podem ser executadas utilizando tijolos de
cerâmica ou de concreto.
Aqui, atentemo-nos para os dados colhidos do artigo Mapeamento do
Processo Produtivo e Construtivo de Alvenaria de Tijolo de Solo-cimento para
Habitação de Interesse Social (2019) onde consta que podemos estabelecer um
período de 45,5 semanas apenas para a produção de tijolos para a construção de
uma residencial unifamiliar padrão com aproximadamente 45m², sem adicionar o
tempo de execução da obra em si.
Para a cobertura deste sistema, podem ser utilizadas estruturas de madeira
ou metálicas para o apoio de telhas, além do uso da laje maciça impermeabilizada
que não necessita de telhas.

6.3 SISTEMA CONSTRUTIVO INDUSTRIALIZADO

É constituído por mão de obra especializada em cada técnica, visto que conta
com a setorização do trabalho. É mais utilizado para construções em larga escala e
com grandes proporções. Os modelos construtivos mais utilizados neste sistema são
o steel frame, wood frame e o concreto pré-moldado.
10

O steel frame, como o próprio nome já diz, consiste em estruturas metálicas


previamente fabricadas que dão forma à um determinado modelo de construção.
Estas estruturas podem ser portantes, onde sustentam vigas-treliças ou vigas levas,
ou não portantes, como em paredes internas.
O wood frame é formado pelo mesmo processo variando no material, que
aqui usa-se a madeira, e nos sistemas de vedação.
Já no concreto pré-moldado, as estruturas são fabricadas em uma indústria e
são independentes entre si. Lajes, vigas e pilares chegam no canteiro de obra já
prontos para a sua montagem, facilitando assim sua execução.

6.4 ANÁLISES DOS PROCESSOS CONSTRUTIVOS

O sistema construtivo tradicional não é comumente utilizado em larga escala


nas regiões mais urbanizadas do país pela maior dificuldade no acesso de matéria
prima, sendo o método predominante, no que diz respeito à residência, o
convencional. Esse método, apesar de eficaz, apresenta pontos importantes a
serem observados como o tempo de execução e desperdício de materiais. O
segundo é definido por Resíduos de Construção e Demolição (RCD) e de acordo
com Pinto e Gonzales (2005) a taxa média de geração desses resíduos é de
aproximadamente 150kg/m³ em novas construções. Já o método industrial é mais
utilizado em larga escala e, como o próprio nome já diz, para indústrias; apesar de
seu tempo de execução menor comparado com o convencional, seu custo ainda é
muito oneroso para construções de pequeno porte.

7 EXEMPLO DE UTILIZAÇÃO DA IMPRESSÃO 3D NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Como a pesquisa buscou seguir a linha de habitação social como objeto de


desenvolvimento, foi levantada uma pesquisa através da internet onde residências já
teriam sido executadas através da impressão 3D. Além da existência no Brasil de
residências construídas utilizando o mesmo processo.

 Primeira comunidade de casas impressas em 3D para desabrigados está


sendo construída no México:
11

O primeiro conjunto de casas impressas em 3D para desabrigados já


está em construção em uma remota área rural no México. O sistema
de impressão 3D em grande escala está sendo utilizado no México
como uma ferramenta para solucionar a falta de moradia além de
fornecer abrigo seguro e moradia digna para a população em
situação de rua no país. (ArchDaily, disponível em
<https://www.archdaily.com.br/br/930694/primeira-comunidade-de-
casas-impressas-em-3d-para-desabrigados-esta-sendo-construida-
no-mexico >, acesso em 10 de jan. de 2020).

Figura 2: Casa construída por impressora 3D

Fonte: ArchDaily, disponível em <https://www.archdaily.com.br/br/930694/primeira-comunidade-de-


casas-impressas-em-3d-para-desabrigados-esta-sendo-construida-no-mexico >, acesso em 10 de
jan. de 2020.

 Estudante idealizadora da primeira casa impressa em 3D do Brasil vai


representar o país na Rússia
De acordo com o site Casa Vogue (2020), a estudante e fundadora do
InovaHouse3D, Juliana Martinelli foi responsável pela execução da primeira casa no
Brasil utilizando uma impressora 3D e foi selecionada para representar o país no
"Incubadora de Negócios Internacional da Juventude" dos BRICs, evento que
aconteceu na Rússia no mês de setembro deste ano. A construção de 66m² foi
impressa em 48 horas, utilizando a tecnologia desenvolvida na InovaHouse3D, start-
up responsável pela construção da primeira impressora 3D de concreto na América
Latina.
Martinelli ainda elenca alguns pontos benéficos da utilização deste sistema,
ao invés do convencional:
12

 Otimização de mão de obra, visto que não são necessárias tantas pessoas
presentes no canteiro para a execução;
 Logística, já que não é necessário levar cada bloco até o local da obra,
basta a impressora;
 Custo reduzido, onde em uma construção convencional se obtinha o valor
de R$36,00 pelo m², utilizando a impressão 3D, Martinelli alcançou um valor
de R$30,00/m².

Figura 3: Casa sendo construída por impressora 3D

Fonte: CasaVogue, disponível em <


https://casavogue.globo.com/Design/Tecnologia/noticia/2020/09/estudante-idealizadora-da-primeira-
casa-impressa-em-3d-do-brasil-vai-representar-o-pais-na-russia.html >, acesso em 04 de out. de
2020.

8 RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os resultados a seguir são decorrentes da primeira e segunda etapa da


pesquisa. Todos os processos tomados buscam atender responder à pergunta
norteadora de pesquisa, bem como atentar aos objetivos específicos e geral.
A primeira parte da metodologia consistia em um levantamento bibliográfico
dos métodos construtivos tradicionais e da impressão 3D por deposição. Esse
processo dentro da metodologia é importante no que tange uma melhor
compreensão e aprofundamento de como a impressão 3D pode se enquadrar dentro
do âmbito da construção civil e como ela é entendida e aplicada atualmente.
Percebe-se que, a partir de revisão bibliográfica e documental, os métodos e
processos de construção civil tradicionais se diferenciam dos métodos e processos
13

da impressão 3D em dois pontos distintos: a forma de execução e o


desenvolvimento técnico. Métodos construtivos tradicionais tem um histórico que
agrega experiência técnica e operacional para execução. É curioso, no entanto, que
parte significativa destes processos – em especial a construção em alvenaria
tradicional -, seja tão onerosa e com tantas perdas. O desenvolvimento técnico da
área, nesse sentido, é intimamente ligado com processos de gerenciamento de
obras, algo que não apenas demanda um grande arcabouço de conhecimento
operacional, como também conhecimento técnico: o que justificaria grandes perdas
e falhas de execução em obras com menos investimento possível. A impressão 3D,
no que tange a problemática de perdas e processos, parece ser interessante como
aplicação por ser mais simples e menos onerosa – em primeira análise realizada.
Além disso, o tempo de execução de uma construção seguindo os métodos
tradicionais pode variar de acordo com seu tamanho e impacto, para uma Habitação
de Interesse Social (HIS) tempos 45,5 semanas utilizadas apenas para a produção
de blocos de tijolo. Outro fator importante na pesquisa foi a sustentabilidade e foi
constado que a quantidade de resíduos – propriamente ditos como descartáveis por
não haver um local apropriado de descarte e nem incentivo para sua reutilização –
produzidos por construções é bastante alta. Já na impressão 3D é possível ter um
maior controle prévio sobre esses resíduos, visto que os resultados são
apresentados em um software antes de serem executados, além da estipulação de
suportes de apoio que pode ser reduzida ou extinta através do primeiro estudo no
software em questão.
A segunda parte da metodologia se deu pelo desenvolvimento de formas
potenciais mais adequadas para impressão 3D de grande porte a partir de modelos
de pequeno porte. Buscou-se, nessa etapa, verificar se os métodos construtivos em
impressão 3D de pequeno porte podem ser utilizados, a nível de forma, diretamente
e sem adaptação à sistemas de grande porte. Segundo pesquisa da Associação
Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) em parceria com a Fundação
Getúlio Vargas (FGV) o déficit habitacional no Brasil aumentou em mais de 220mil
imóveis entre 2015 e 2017. Pretende-se apresentar o método de construção através
da impressora 3D como recurso para decrescer o déficit de moradia no país, tendo
em vista que o custo e tempo de construção são consideravelmente mais baixos
comparados aos sistemas convencionais vigentes, que não estão suprindo a
demanda atual. Tendo isso em vista, a construção escolhida para análise foi o
14

projeto arquitetônico de uma residência popular cedida pelo site da CAIXA


HABITAÇÃO, de 48m², contendo 3 dormitórios, um banheiro, uma cozinha, sala de
estar e jantar integradas e lavanderia externa. Através dos arquivos baixados no
site, foi possível executar a forma em modelagem 3D utilizando o software Sketchup
Pro estabelecendo três tipos diferentes de cobertura: em telha cerâmica, telha
metálica e laje maciça. Isso se deu, pois, a cobertura nesse tipo de construção é
variável, mantendo-se a parte estrutural base da moradia. Explicando um pouco
mais sobre as coberturas temos a telha cerâmica, que depende de uma malha de
ripas de madeira para sua sustentação, obedecendo uma inclinação mínima de
acordo com seu fabricante; a telha metálica segue o mesmo princípio variando no
material, sendo suas estruturas de apoio também metálicas e na inclinação mínima,
que é menor comparada à telha cerâmica; a laje maciça é formada por uma
estrutura de concreto, podendo este ser armado ou protendido. Foram escolhidos
estes três tipos por serem os mais comuns nas residências do país.

Figura 4: Obra de referência para análise

Fonte: CAIXA HABITAÇÃO. Planta baixa de casas para download. Disponível em


<https://caixahabitacao.com/planta-baixa-de-casas-para-download-projeto-de-casa-popular-48m
%c2%b2/>, acesso em 01 de set. 2020.
15

Com os modelos 3Ds prontos, foi realizado um estudo de impressão


utilizando o software Simplify3D, para análise de sistemas de suporte e tempo de
impressão. No modelo desenvolvido para comportar cobertura em telha cerâmica -,
foram consideradas todas as estruturas de apoio para a colocação posterior das
telhas (modelo 01). O modelo 2 que utiliza telha metálica foi construído
comportando as estruturas e telhas no modelo sanduíche. O modelo 3 foi executado
com lajes e platibandas. Todos os modelos contam com batentes e caixilharia para
portas e janelas. Observou-se que a quantidade de suportes, que seriam
posteriormente removidos para o modelo 01 era consideravelmente numerosa e o
tempo de impressão seria de 26 horas e 8 minutos (figura 5). No modelo 02 o
número de suportes praticamente duplicou sendo necessário o uso do dobro de
material para a execução do mesmo, assim, o tempo de impressão subiu para 40
horas e 37 minutos (figura 6). Em situação similar, o modelo 03 apresentou grande
quantidade de suportes para a sua realização, diminuindo apenas em alguns
minutos o tempo de impressão que mostra agora 40 horas e 4 minutos (figura 7). Os
modelos foram analisados conforme posição real em implantação. Estes resultados
mostraram a necessidade de repensar a forma para um processo de maior porte à
fim de diminuir a quantidade de suportes necessários, pois estes são descartados
posteriormente havendo gasto de material e ônus desnecessário. Entende-se que a
impressora de grande porte deveria imprimir unicamente a estrutura, sem a
necessidade de processos de suporte. Para tanto, novos modelos foram pensados e
estudados. No modelo 04 buscou-se imprimir somente as paredes estruturais da
forma, sem cobertura, sendo essa possível de execução posterior seguindo
processos tradicionais. Como solução de cobertura, o modelo 05 buscou imprimir
somente as estruturas necessárias para a colocação da telha cerâmica ao fim do
processo. Os resultados mostraram que no modelo 04 não há necessidade de
nenhum suporte para o levantamento das paredes (figura 8), levando um tempo de
impressão de aproximadamente 19 horas; e o modelo 05 que apresentou poucos
suportes, se comparado aos estudos anteriores, com tempo de impressão médio de
6 horas (figura 9).
16

Figura 5: Suportes de sustentação em software de preparação – modelo 01

Fonte: Elaborado pela autora.

Figura 6: Suportes de sustentação em software de preparação – modelo 02


17

Fonte: Elaborado pela autora.

Figura 7: Suportes de sustentação em software de preparação – modelo 03

Fonte: Elaborado pela autora.


18

Figura 8: Suportes de sustentação em software de preparação – modelo 04

Fonte: Elaborado pela autora.

Figura 9: Suportes de sustentação em software de preparação – modelo 05

Fonte: Elaborado pela autora.

Portanto, foram escolhidos os modelos 02, 04 e 05 para a impressão de fato


utilizando o Sthemda Lab, laboratório de protótipos avançados da Universidade de
19

Sorocaba para fins comparativos, visto que são os modelos que mais diferem entre
si, porém apresentam menor quantidade de suportes gerados.

Figura 10: Modelo 02 e 05 impressos utilizando a impressora 3D

Fonte: Elaborado pela autora.

Figura 11: Modelo 04 impresso utilizando a impressora 3D


20

Fonte: Elaborado pela autora.

Entende-se, portanto, que a confecção de partes separadas para posterior


montagem se faz interessante devido a quantidade reduzida de suportes de
sustentação que este formato possibilita, evitando o desperdício de material e
contribuindo para um tempo reduzido de trabalho.
É importante pontuar que, nesta pesquisa, o material de execução não foi
considerado, fazendo-se assim necessária sua continuidade a fim de sanar através
do material, como por exemplo a adição de estruturas metálicas (armadura), o
número excessivo de suportes gerados através da impressão. Além de estudos
futuros sobre a movimentação de peças analogamente aos sistemas construtivos
pré-moldados.

9 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Dois pontos podem ser percebidos de imediato no desenvolvimento desta


pesquisa: o ônus dos métodos de construção tradicionais e a necessidade do
repensar a forma de impressão 3D para grande porte.
21

Através dos estudos teóricos desenvolvidos, nota-se que há no Brasil um


grande déficit habitacional a ser sanado pelas instituições governamentais que não
conseguem suprir a demanda de moradia utilizando dos métodos tradicionais pois
estes demandam muito tempo de execução até serem concluídos de fato.
Métodos tradicionais de construção são caracterizados por uma série de
processos que precisam ser realizados para aumentar as chances de que uma
execução de obra atenda à critérios necessários de qualidade. Isso implica uma
necessidade grande de metodologia de gestão, bem como de conhecimento
aprofundado das técnicas de execução a fim de obter a forma final mais alinhada
com projeto técnico. Isso implica em potencial perda de material e falhas de
processo, dada sua complexidade – em especial quando não utilizada mão de obra
qualificada ou gestor com bom conhecimento de projetos ou processos. Assim,
percebe-se que o investimento em tecnologias alternativas de construção civil
menos onerosas, com menos desperdício e com execução mais rápida, como
impressão 3D, se faz necessário.
É interessante notar que a impressão 3D como método para construção civil,
apesar de basear-se fundamentalmente em processos de deposição de material,
ainda não possui técnicas bem desenvolvidas para estruturas mais complexas ou
ainda fora do circuito comercial residencial/restauração. Assim, o estudo da melhoria
de métodos e formas de impressão 3D pode amplificar sua aplicação e melhorar os
processos inerentes a mesma.
Em um primeiro momento, o estudo da forma se faz necessário – objetivo da
presente pesquisa. Intenciona-se que a impressão 3D dê cabo da execução da
forma das estruturas conforme estas residirão em seus espaços. Notou-se pelos
experimentos realizados em um total de 5 modelos que a situação onde há menos
desperdício de material com suportes e tempo reduzido de execução, seria a
construção parcelada de uma residência, onde a primeira etapa se caracterizaria
pelo levantamento de paredes, a etapa posterior pela construção da cobertura onde
na terceira e última etapa seria depositada e instalada sobre as paredes. Além disso,
pesquisas futuras devem prever estudos sobre materiais e estruturas 3D que
atentem às formas analisadas nesta e em outras pesquisas.
Com os modelos impressos, foi possível verificar que a execução da
residência por completo é mais viável quando feita separadamente, sendo primeiro
feitas as paredes estruturais e de vedação e posteriormente sua cobertura. Ainda
22

aqui, cabe analisar a necessidade desta cobertura ser construída utilizando o


mesmo processo construtivo da residência em si, sendo possível uma análise mais
apurada em uma continuidade da pesquisa onde a impressão será estudada através
de seus materiais, pesos e resistência.

10 DETALHAMENTO DAS ATIVIDADES CUMPRIDAS E NÃO CUMPRIDAS

Realizadas
Observações
Mês Semana Atividades/Orientações Adicionais -
Sim Não Justificativa

Desenvolvimento de
propostas de modelos 3D
para substituição das formas
tradicionais de construção
Mês: civil por forma e função.
1ª. Semana x    
Fevereiro Impressão dos modelos 3D
propostos, através da
escolha dos processos
elencados como possíveis
substituições satisfatórias.

Desenvolvimento de
propostas de modelos 3D
para substituição das formas
tradicionais de construção
civil por forma e função.
Ano: 2020 2ª. Semana x    
Impressão dos modelos 3D
propostos, através da
escolha dos processos
elencados como possíveis
substituições satisfatórias.
  Desenvolvimento de
propostas de modelos 3D
para substituição das formas
tradicionais de construção
civil por forma e função.
3ª. Semana x    
Impressão dos modelos 3D
propostos, através da
escolha dos processos
elencados como possíveis
substituições satisfatórias.
23

  Desenvolvimento de
propostas de modelos 3D
para substituição das formas
tradicionais de construção
civil por forma e função.
4ª. Semana x    
Impressão dos modelos 3D
propostos, através da
escolha dos processos
elencados como possíveis
substituições satisfatórias.

Desenvolvimento de
propostas de modelos 3D
para substituição das formas
tradicionais de construção
civil por forma e função.
Mês: Março 1ª. Semana x    
Impressão dos modelos 3D
propostos, através da
escolha dos processos
elencados como possíveis
substituições satisfatórias.

Desenvolvimento de
propostas de modelos 3D
para substituição das formas
tradicionais de construção
civil por forma e função.
Ano: 2020 2ª. Semana x    
Impressão dos modelos 3D
propostos, através da
escolha dos processos
elencados como possíveis
substituições satisfatórias.
  Impressão dos modelos 3D
propostos, através da
escolha dos processos
elencados como possíveis
substituições satisfatórias.
3ª. Semana x    
Início das análises de forma
e aplicação. Verificação e
análise do potencial da
impressão em pequena
escala para larga escala.
  Impressão dos modelos 3D
propostos, através da
escolha dos processos
elencados como possíveis
substituições satisfatórias.
4ª. Semana x    
Início das análises de forma
e aplicação. Verificação e
análise do potencial da
impressão em pequena
escala para larga escala.
24

Impressão dos modelos 3D


propostos, através da
escolha dos processos
elencados como possíveis
substituições satisfatórias.
Mês:Abril 1ª. Semana      
Início das análises de forma
e aplicação. Verificação e
análise do potencial da
impressão em pequena
escala para larga escala.

Impressão dos modelos 3D


propostos, através da
escolha dos processos
elencados como possíveis
substituições satisfatórias.
Ano: 2020 2ª. Semana x    
Início das análises de forma
e aplicação. Verificação e
análise do potencial da
impressão em pequena
escala para larga escala.
  Impressão dos modelos 3D
propostos, através da
escolha dos processos
elencados como possíveis
substituições satisfatórias.
3ª. Semana x    
Início das análises de forma
e aplicação. Verificação e
análise do potencial da
impressão em pequena
escala para larga escala.
  Impressão dos modelos 3D
propostos, através da
escolha dos processos
elencados como possíveis
substituições satisfatórias.
4ª. Semana x    
Início das análises de forma
e aplicação. Verificação e
análise do potencial da
impressão em pequena
escala para larga escala.

Realização de testes físicos


e funcionais básicos para
validação ou não de
estabilidade estrutural e uso.
Verificação e análise do
potencial da impressão em
Mês: Maio 1ª. Semana pequena escala para larga x    
escala. Tabulação dos
resultados iniciais. Início da
confecção do relatório final.
Início de confecção de artigo
científico com os resultados
obtidos.
25

Realização de testes físicos


e funcionais básicos para
validação ou não de
estabilidade estrutural e uso.
Verificação e análise do
potencial da impressão em
Ano: 2020 2ª. Semana pequena escala para larga x    
escala. Tabulação dos
resultados iniciais. Início da
confecção do relatório final.
Início de confecção de artigo
científico com os resultados
obtidos.

 
Realização de testes físicos
e funcionais básicos para
validação ou não de
estabilidade estrutural e uso.
Verificação e análise do
potencial da impressão em
3ª. Semana pequena escala para larga x    
escala. Tabulação dos
resultados iniciais. Início da
confecção do relatório final.
Início de confecção de artigo
científico com os resultados
obtidos.

 
Realização de testes físicos
e funcionais básicos para
validação ou não de
estabilidade estrutural e uso.
Verificação e análise do
potencial da impressão em
4ª. Semana pequena escala para larga x    
escala. Tabulação dos
resultados iniciais. Início da
confecção do relatório final.
Início de confecção de artigo
científico com os resultados
obtidos.

Finalização dos testes e


tabulação final dos
resultados. Análise dos
resultados e produção das
conclusões. Análise teórica
Mês: Junho 1ª. Semana das possibilidades da x    
impressão 3D em larga
escala. Confecção do
relatório final. Confecção de
artigo científico com os
resultados obtidos.
26

Finalização dos testes e


tabulação final dos
resultados. Análise dos
resultados e produção das
conclusões. Análise teórica
Ano: 2020 2ª. Semana das possibilidades da x    
impressão 3D em larga
escala. Confecção do
relatório final. Confecção de
artigo científico com os
resultados obtidos.

 
Finalização dos testes e
tabulação final dos
resultados. Análise dos
resultados e produção das
conclusões. Análise teórica
3ª. Semana das possibilidades da x    
impressão 3D em larga
escala. Confecção do
relatório final. Confecção de
artigo científico com os
resultados obtidos.

 
Finalização dos testes e
tabulação final dos
resultados. Análise dos
resultados e produção das
conclusões. Análise teórica
4ª. Semana das possibilidades da x    
impressão 3D em larga
escala. Confecção do
relatório final. Confecção de
artigo científico com os
resultados obtidos.
Análise dos resultados e
produção das conclusões.
Análise teórica das
possibilidades da impressão
3D em larga escala.
Mês: Julho 1ª. Semana x    
Finalização da confecção do
relatório final. Finalização de
confecção de artigo
científico com os resultados
obtidos.
Análise dos resultados e
produção das conclusões.
Análise teórica das
possibilidades da impressão
3D em larga escala.
Ano: 2020 2ª. Semana x    
Finalização da confecção do
relatório final. Finalização de
confecção de artigo
científico com os resultados
obtidos.
27

  Análise dos resultados e


produção das conclusões.
Análise teórica das
possibilidades da impressão
3D em larga escala.
3ª. Semana x    
Finalização da confecção do
relatório final. Finalização de
confecção de artigo
científico com os resultados
obtidos.
  Análise dos resultados e
produção das conclusões.
Análise teórica das
possibilidades da impressão
3D em larga escala.
4ª. Semana x    
Finalização da confecção do
relatório final. Finalização de
confecção de artigo
científico com os resultados
obtidos.
Análise dos resultados e
produção das conclusões.
Análise teórica das
possibilidades da impressão
Mês: 3D em larga escala.
1ª. Semana x    
Agosto Finalização da confecção do
relatório final. Finalização de
confecção de artigo
científico com os resultados
obtidos.
Análise dos resultados e
produção das conclusões.
Análise teórica das
possibilidades da impressão
3D em larga escala.
Ano: 2020 2ª. Semana x    
Finalização da confecção do
relatório final. Finalização de
confecção de artigo
científico com os resultados
obtidos.
  Análise dos resultados e
produção das conclusões.
Análise teórica das
possibilidades da impressão
3D em larga escala.
3ª. Semana x    
Finalização da confecção do
relatório final. Finalização de
confecção de artigo
científico com os resultados
obtidos.
  Análise dos resultados e
produção das conclusões.
Análise teórica das
possibilidades da impressão
3D em larga escala.
4ª. Semana x    
Finalização da confecção do
relatório final. Finalização de
confecção de artigo
científico com os resultados
obtidos.
28

Análise dos resultados e


produção das conclusões.
Análise teórica das
possibilidades da impressão
Mês: 3D em larga escala.
1ª. Semana x    
Setembro Finalização da confecção do
relatório final. Finalização de
confecção de artigo
científico com os resultados
obtidos.
Análise dos resultados e
produção das conclusões.
Análise teórica das
possibilidades da impressão
3D em larga escala.
Ano: 2020 2ª. Semana x    
Finalização da confecção do
relatório final. Finalização de
confecção de artigo
científico com os resultados
obtidos.
  Análise dos resultados e
produção das conclusões.
Análise teórica das
possibilidades da impressão
3D em larga escala.
3ª. Semana x    
Finalização da confecção do
relatório final. Finalização de
confecção de artigo
científico com os resultados
obtidos.
  Análise dos resultados e
produção das conclusões. Revisões foram
Análise teórica das acrescentadas ao
possibilidades da impressão final do projeto
3D em larga escala. por conta da
4ª. Semana x  
Finalização da confecção do extensão do
relatório final. Finalização de tempo devido à
confecção de artigo pandemia de
científico com os resultados COVID-19.
obtidos.

REFERÊNCIAS

ABRAINC. Déficit habitacional é recorde no País. Disponível em:


<https://www.abrainc.org.br/noticias/2019/01/07/deficit-habitacional-e-recorde-no-
pais/>, acesso em 30 de jun. 2020.

ArchDaily. Primeira comunidade de casas impressas em 3D para desabrigados


está sendo construída no México. Disponível em
<https://www.archdaily.com.br/br/930694/primeira-comunidade-de-casas-impressas-
em-3d-para-desabrigados-esta-sendo-construida-no-mexico >, acesso em 10 de jan.
de 2020.
29

CAIXA HABITAÇÃO. Planta baixa de casas para download. Disponível em


<https://caixahabitacao.com/planta-baixa-de-casas-para-download-projeto-de-casa-
popular-48m%c2%b2/>, acesso em 01 de set. 2020.

Casa Vogue. Estudante idealizadora da primeira casa impressa em 3D do Brasil


vai representar o país na Rússia. Disponível em <
https://casavogue.globo.com/Design/Tecnologia/noticia/2020/09/estudante-
idealizadora-da-primeira-casa-impressa-em-3d-do-brasil-vai-representar-o-pais-na-
russia.html>, acesso em 04 out. de 2020.

CHING, Francis D.K; [tradução: SALVATERRA, Alexandre]. Técnicas de


construção ilustradas. Quinta edição. São Paulo: Bookman, 2017.

EUPHROSINO, Camila A.; PIMENTEL, Lia L.; CAMARINI, Gladis; ORTIGARA, Yuri
V. B.; RUIZ, Phelipe V.; FONTANINI, Patrícia S. P. (2019) Mapeamento do
processo produtivo e construtivo de alvenaria de tijolo de solo-cimento para
habitação de interesse social. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?
script=sci_arttext&pid=S1517-70762019000400341&lang=pt>, acesso em 30 de jun.
de 2020.

LENGEN, Johan van. Manual do Arquiteto Descalço. Primeira edição. São Paulo:
B4 Editores, 2014.

PINTO, Tarcísio de P; GONZÁLES, Juan L. R. (coord.). Manejo e gestão dos


resíduos da construção civil. Brasília: CAIXA, 2005.

VOLPATO, Neri. Manufatura Aditiva. São Paulo: Blucher, 2017.

Você também pode gostar