Você está na página 1de 2

Titulo: PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO

POP 2 - CONTROLE INTEGRADO DE VETORES E PRAGAS URBANAS


Aprovador por: Data Responsável: Página
17/04/21 1/2

1- OBJETIVO:
Descrever as medidas preventivas e corretivas destinadas a impedir a atração, o abrigo, o acesso
e/ou a proliferação de vetores e pragas urbanas.

2- DESCRIÇÃO:
2.1- Ações Preventivas
Como ações contínuas de organização e higiene com o objetivo de impedir a atração, o
acesso, o abrigo e/ou proliferação de vetores e pragas urbanas, todos os colaboradores
devem:
✓ Manter as áreas internas e externas livres de: sujidades, resíduos alimentares, papel,
papelão, embalagens originais (caixas) e materiais em desuso;
✓ Evitar a entrada de monoblocos de hortifruti e caixas de bebidas nas áreas de manipulação
de alimentos;
✓ Descartar o lixo com freqüência e de maneira correta;
✓ Manter as lixeiras em boas condições e cobertas;
✓ Lavar, enxaguar e sanitizar as lixeiras diariamente;
✓ Guardar adequadamente os alimentos para não atrair insetos;
✓ Limpar e sanitizar as instalações, pois a higienização cuidadosa diminui os suprimentos de
alimento e mata os ovos dos insetos.
A empresa possui:
✓ Aberturas para áreas externas fechadas ou teladas;
✓ Portas e janelas ajustadas ao batente;
✓ Ralos sifonados;

2.2- Tratamento Químico


A empresa mantém contrato anual com a MARANHÃO CONTROLE DE PRAGAS,
responsável pela monitorização e tratamento das áreas internas e próximas à empresa,
utilizando o manejo integrado de pragas.
A empresa especializada emite certificado de garantia do serviço, o qual é renovado e
encontra-se em arquivo, comprovando a execução do serviço e contendo as informações
“estabelecidas em legislação sanitária específica”.
As medidas de controle incluem tratamento químico, realizado mensalmente de acordo com
cronograma de visitas pré-determinado. As aplicações são feitas por profissional regular da
empresa contratada a cada quinze dias.
2.2.1- Produtos químicos utilizados
Todos os produtos químicos utilizados possuem registro no Ministério da Saúde, tendo:
NOME COMERCIAL P.A. CONCENTRAÇÃO PRAGA ALVO
Alfanol 50 Alfacipermetrina 1% Moscas
Fulmiprag 2 PS Deltametrina P.P.U Baratas/Formigas
Shoot Piretroide 1% Ratos/Baratas
Cyperex 400 PM Cipermetrina 5GR/L água Ratos/Baratas
Gol gel/Formifim sulfluramida P.P.U Ratos/Baratas
Ratol Granulado GS Brodifacoum P.P.U Ratos
Bifentol Bifentrina 0,3% Baratas/Formigas
Titulo: PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO
POP 2 - CONTROLE INTEGRADO DE VETORES E PRAGAS URBANAS
Aprovador por: Data Responsável: Página
17/04/21 1/2
2.2.2- Cuidados durante e após aplicação de pesticidas
Os colaboradores que atuam na limpeza, supervisionados pelo responsável capacitado,
devem tomar os cuidados a seguir durante e após a aplicação dos produtos químicos
pesticidas, para evitar a contaminação de produtos, utensílios, louças e equipamentos:
✓ Durante a aplicação do produto químico, o piso deve ser mantido seco para otimizar a
eficiência do tratamento;
✓ Todos os alimentos e utensílios devem ser armazenados em refrigeradores ou armários
antes da aplicação dos produtos pesticidas;
✓ Antes de iniciar o turno no dia seguinte após a aplicação, todas as superfícies que
entrarão em contato com alimentos devem ser devidamente higienizadas, conforme
procedimento descrito no item “Higiene Ambiental”.

3- MONITORIZAÇÃO:
A eficácia do controle integrado de vetores e pragas é monitorada a partir da observação de pragas
e/ou indicações de sua presença, como fezes, produtos danificados, entre outros e
acompanhamento das aplicações com registro em formulário específico.

4- AÇÕES CORRETIVAS:
• A Responsável Técnica comunica a todas as vezes que houver relatos contínuos de ocorrências
de pragas, solicitando ações corretivas como mudança nos produtos aplicados ou aumento na
freqüência de aplicação dos produtos.
• Para corrigir quaisquer irregularidades nos documentos de garantia do serviço, é solicitado novo
certificado que comprove a correta aplicação do controle químico.

5- VERIFICAÇÃO:
A verificação deste controle integrado de pragas é realizada pelo responsável capacitado, através
da checagem do certificado atualizado e dos registros efetuados no formulário “Controle de
Pragas”.

6- REFERÊNCIAS:
• BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria RDC nº 216, de 15 de
setembro de 2004.
• ABRASEL – Associação Brasileira de Bares e Restaurantes. Guia de Boas Práticas para
Serviços de Alimentação - Programa Qualidade na Mesa, 2006, Salvador.
• SILVA JR, ENEO ALVES. Manual de Controle Higiênico Sanitário em Alimentos. Varela, 6ª
edição, 2005, São Paulo.

Você também pode gostar