Você está na página 1de 2

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRANSITO DETRAN-BA

ILMO. SENHOR SUPERIRNTENDENTE DE TRÂNSITO DO ESTADO DA BAHIA

Auto de Infração n. ºC002156918/BA

MATEUS DOS SANTOs BARBOSA, brasileiro, proprietário do veículo autuado, MOTO HONDA CG 160
START, placa RCV6B71 residente e domiciliado na Rua Santo Antonio, nº 100, Bairro Paroquial,
Itaberaba/BA, CEP: 46.880-000. Vem tempestivamente perante Vossa Senhoria apresentar:

DEFESA PRÉVIA

Aos termos do Auto de Infração em epígrafe, lavrado pela Policia Militar da Bahia, pelos motivos que
passa a aduzir:

I – PRELIMINAR

1. Neste ato o recorrente faz a competente apresentação do condutor, indicando como condutor do
veículo o Sr. MATEUS DOS SANTOS BARBOSA.

2. Assim, requer-se seja retirada a presente atuação, afastando qualquer penalidade que possa ser
aplicada.

II – DOS FATOS

1. Foi lavrado auto de infração, supostamente cometido pelo condutor, em linhas gerais, por transitar com
o veiculo com as suas características adulteradas MOTO HONDA /CG 160 START placa RCV6B71

2. Conforme constante da Notificação apresentada ao proprietário do veículo, o fato teria ocorrido em


data de 16/12/2020, às 20.26 (vinte horas e vinte e seis minutos), à Avenida Luiz Viana Filho ao lado do
Radar. Contudo a autuação não pode prosperar conforme restará demonstrado.

III- A ATIPICIDADE DA CONDUTA.


(e a inexistência de infração)

1. Pela leitura do auto de infração nº C002156918/BA, expedido em, 16/12/2020 verifica-se que o
Requerente foi autuado por ter infringido o art. 230, VII, do Código de Trânsito Brasileiro.
2. Ocorre que o fato não ocorreu como descrito. Na data assinalada no auto de infração, é impossível
aferir a veracidade do suposto ato infracional, não havendo provas substanciais.

3. Inclusive se realmente ocorrido à infração o agente deveria imediatamente ter feito uso de seus
recursos para fotografar, e paralisar o veículo, impedido que o condutor continuasse sua trajetória já que
supostamente estava infringindo uma regra de natureza grave do código de trânsito.

4. Ocorre que para que fosse válido esse auto de infração, ele deveria ter sido autuado em flagrante, sob
pena de ofensa aos Princípios do Devido Processo Legal e da Ampla Defesa. 
 Ademais conforme prevê CTB no artigo 244, a medida administrativa neste caso deveria ter
recolhimento da habilitação do condutor, o que não ocorreu, ficando assim claramente comprovado não
ter o recorrente cometido tal infração, pois se realmente tivesse ocorrido o veículo Ed a habilitação
deveria ser recolhido e não simplesmente multado de forma aleatória sem prova contundente.

6. Desta forma, não havendo autuação pessoal, na forma descrita no artigo 280, VI do CTB, o auto de
infração é insubsistente por não conter elemento essencial de sua fundamentação. De outro lado, a
conduta descrita não coaduna com a realidade, nunca trafegou por ela, a conclusão é que o auto de
infração é insubsistente de pleno direito, devendo ser arquivado, conforme os ditames do artigo 281,
parágrafo único, I do CTB.

IV – REQUERIMENTO

1. Diante de tais argumentos, requer-se seja recebida a presente defesa e por consequência, seja julgado
insubsistente e arquivado o auto de infração lavrado, POR SER TOTALMENTE INCONSISTENTE E
IRREGULAR, conforme artigo 281, parágrafo único, I do CTB.

2. Segue em anexo, fotocópias da CNH do condutor, comprovante de residência e o auto infração.

Nestes Termos
Pede Deferimento.

Itaberaba, 04 de janeiro 2021.

____________________________________

MATEUS DOS SANTOS BARBOSA