Você está na página 1de 24

ESCRITOS ESOTÉRICOS

T. SUBBA ROW

Esoteric writings

Tradução: Elaine Bernardes da Fonseca


comentários: astróloga Elaine Estrela
elaineestrela@yahoo.com.br

PREFÁCIO A PRIMEIRA EDIÇÃO


Ao apresentarmos este pequeno volume para o público,
não podemos deixar de pagar tributo à memória daquele que
fez tanto pela causa das ciências ocultas. A perda de Sr. T.
Subba Row, mestre pela Universidade de Madras, e um dos
maiores ocultistas do Sudeste da Índia, foi lastimável.
Tentamos ao máximo coletar fatos relativos à sua vida, com
os amigos e os parentes próximos, para juntarmos às
informações deste livro. Mas, lamentamos informar, que
nossos esforços nesse sentido, foram mal-sucedidos. Não
tivemos, então, nenhuma alternativa, além de copilar as
informações registradas pelo Coronel H.S. Olcott, na revista O
Teosofista .

O Sr. Subba Row foi um membro da Sociedade Teosófica,


e era altamente respeitado, não somente por todos seus
membros, como também pela Madame Blavastksy, pela sua
grande erudição e proficiência em quase todos os ramos das
ciências ocultas. Madame Blavatsky costumava consultá-lo
sempre que houvesse algum problema complexo a ser
resolvido. E nós sabemos, que ela mandava-lhe os
manuscritos da Doutrina Secreta , para que ele os corrigisse e
os alterasse; mas ele declinava o trabalho, porque pensava
que o mundo ainda não estava preparado para aceitar as
revelações de tais segredos ocultos.

Sr. T. Subba Row não escreveu nenhum livro sobre


ciências ocultas, mas deixou uma seleção de palestras e
artigos que eram publicados na revista O Teosofista , e que
mostravam a real profundidade de seu conhecimento. Em
1887, Subba Row, na Convenção da Sociedade Teosófica, em
Adyar, Madras, deu uma série de palestras para auxiliar os
teosofistas e outros nos estudos da filosofia do BHAGAVAD-
GITA. Nós sabemos quão difícil é entender a filosofia do Gita,
apesar dos comentários escritos em sânscritos e nas línguas
ocidentais.

Todos conhecem muito bem a história de Arjuna e Sri


Krishna, e a conversa entre eles no Gita, diante do campo de
batalha.( Essa conversa é na verdade um aforismo, uma
conversa entre a alma e o corpo -nota minha )

Sr. Subba Row fez um comentário sobre essa filosofia, de


forma a que fosse elucidativo e o mais claro possível. Essas
palestras estão disponíveis em um livro separado.

Essas leituras trouxeram à luz uma diferença de opinião


entre H.Blavatsky e T.Subba Row acerca dos kosas ou
princípios pelos quais o ser humano é formado. Isso resultou
em uma controvérsia escrita entre eles, que o leitor
encontrará reimpresso neste livro.

Embora a maioria dos artigos aqui reproduzidos são de


caráter controverso, o leitor vai achá-los de grande valor e
mérito.

Além desses artigos, estamos em posse de várias notas


de variados assuntos, escritos por Subba Row a um grupo
seleto de escolhidos. Mas lamentamos dizer que eles estão
incompletos. Também chegou-se a cogitar a possibilidade de
não se publicar as notas. Sr. Subba Row fez, também ,
contribuições para os jornais locais e revistas, mas pensamos
ser desnecessário republicá-los, já que versam apenas sobre
questões políticas e sociais.

Não podemos deixar de agradecer nosso irmão


respeitado, o honorável Sr. Subramania Iyer por sua ajuda
valiosa, no sentido pecuniário, ao ajudar a publicar este livro e
outros trabalhos.

Bombay, 1º Abril, 1895.


T. T.

Algumas Palavras da Astróloga Elaine Estrela:

Traduzir este artigo foi extremamente fácil. Adotamos a


metodologia de deixar as palavras em sânscrito no original e
de resumir algumas passagens longas e obscuras.

Introduzi, nas notas, algumas explicações de astrologia,


de modo a deixar claro o que Subba Row quer dizer de
determinado signo.

Estamos em 2011, e cento e trinta anos se passaram


desde que este artigo foi publicado, em 1881, sendo inédito
para o leitor de língua portuguesa.

É um artigo sucinto que visa a explicar o funcionamento


do Universo, já que os signos ou constelações foram criados
bem antes de nosso Sistema Solar. Encerra mistérios de
ordem espiritual, em verdade o próprio pensamento do
demiurgo.

Subba Row sabia que não poderia desvelar todos os


mistérios para o público não-iniciado, sob pena de não ser
entendido.

Confesso que a metodologia que ele utiliza para


transformar o nome dos signos em número não me é clara.
Ele deixa a entender que utiliza de uma numerologia
sânscrita, que o permite desvelar os segredos dos signos.
Limito-me a comentar sobre as passagens que eu sei de
astrologia, e que sei que para o leitor leigo, devem ser um
mistério. Deixo de lado, as considerações teosóficas dos
nomes em sânscrito, pois sei que há pessoas melhores
versadas do que eu. Ainda assim, para alguns , o texto pode
ser um mistério.

Em resumo, Subba Row estabelece no 10º signo,


Capricórnio, o desenho geométrico do Universo Visível, que
constitui segredo sacro. Há cerca de 5 anos astrás, li nos
jornais , que os físicos , agora chegaram a conclusão que o
Universo visível é composto de 12 faces , e que há vários
universos dentro do próprio Universo. Ou seja, a ciência
chega, agora , ao que os antigos já sabiam há milênios.

Sinto que a ciência vai evoluir ainda mais e vai começar


a confirmar muitas coisas, que nós, da Teosofia já sabemos, e
que entendemos como " mistérios espirituais ".

Observem o signo de touro, que nada mais é, que a


representação de Deus, o " AUM " ou o verbo que deu início
ao Universo visível. Touro representa a matéria, é o primeiro
elemento, terra. Representa o máximo de materialização do
mundo visível.

Trabalho com Astrologia Indiana desde 2005 e com


Astrologia Ocidental desde 1989. Estou há muitos anos
estudando astrologia e posso assegurar-lhes que para o
desenvolvimento espiritual é necessário estudar da astrologia,
como também da cabala, da numerologia.

Vocês gostarão de ler este capítulo I, do livro Esoteric


Writings, de T.Subba Row. Os outros capítulos não versam
sobre astrologia e, por isso, não os traduzi. O trabalho de
traduzir o primeiro capítulo, me fez admirar o trabalho dos
tradutores profissionais.
Elaine Estrela

06 de Abril de 2011, Rio de Janeiro.

seção I

ARTIGOS ORIGINAIS

I- OS DOZE SIGNOS DO ZODÍACO

A divisão do Zodíaco em diferentes signos data de


tempos remotos. Adquiriu, essa divisão, celebridade mundial
e é encontrado nos sistemas astrológicos de vários países, até
hoje. A invenção do zodíaco e de seus signos, de fato, foi
atribuída a diferentes nações por diferentes arqueólogos.
Dizia-se, que inicialmente, havia apenas 10 constelações. Um
desse signos foi dividido em dois signos, e um novo signo foi
adicionado para perfazer o nº perfeito de doze signos. É
bastante provável que a real concepção filosófica dessa
divisão tenha pertencido originariamente a uma nação, e os
nomes dados aos signos, traduzidos para a língua de outras
nações. O principal objetivo deste artigo, não é dizer qual país
teria a honra de ter dado, primeiro, o nome para determinado
signo ou não, mas sim, indicar a extensão do significado
filosófico real por trás do nome de cada signo , e a forma de
se descobrir o seu significado oculto.

Pelo que foi dito, é preciso inferir, que como muitos


mitos e alegorias, a invenção do ZODÍACO e seus signos tem
suas origens na Índia Antiga.

Qual é a real origem desses signos, qual a concepção


filosófica atrás do zodíaco ? O que eles realmente
representam ? Será que estes variados signos meramente
representam a forma ou a configuração das diferentes
constelações incluindo suas divisões , ou , são elas,
simplesmente máscaras desenhadas para cobrir algum
significado oculto ?

Os hindus conheciam a precessão dos equinócios, como


pode ser facilmente verificado por seus almanaques
publicados por hindus astrônomos. Consequentemente, eles
eram conscientes do fato que as constelações nas várias
divisões zodiacais não eram fixas. Eles não puderam,
portanto, ter designado formas particulares a esses grupos
em constante movimento, com relação ao zodíaco. Mas os
nomes indicados pelos signos zodiacais permanecem
inalterados. É preciso inferir, então, que os nomes dados
pelos vários signos não possuem conexão com as
configurações das constelações incluídas nele.
Os nomes indicados para estes signos , em sânscrito
antigo, com seu significado literal ou esotérico é o que se
segue:

Nome do signo Significa esotérico

1- Mesam -------------------------------- Ram ou Áries

2- Rsabham ------------------------------ Touro ou Taurus.

3- Mithunam ----------------------------- Gêmeos ( masculino e


feminino )

4- Karkatakam --------------------------- Câncer ou caranguejo

5- Simham -------------------------------- Leão

6- Kanyã ---------------------------------- Virgem ou Virgoi

7- Tulã ------------------------------------- Balança ou Libra

8- Vrscikam -------------------------------Escorpião ou Scorpio

9- Dhanus -------------------------------- Arqueiro ou sagitário

10- Makaram --------------------------- Crocodilo ou capricórnio

11- Kumbham -------------------------- Aguadeiro ou Aquário

12- Mînam ------------------------------ Peixes

Os desenhos das constelações , que foram primeiro


incluídas, não se pareciam com animais, répteis e ou
objetos. A verdade dessa assertiva pode ser dada
observando-se, hoje, a configuração de várias constelações.
Exceto pela imaginação do leitor, a constelação de
capricórnioii e a de câncer , dificilmente representam esses
animais.iii

Os signos do zodíaco tem mais de uma interpretação. De


um ponto de vista, eles representam os diferentes estágios de
criação até o momento presente do Universo material, e os 5
elementos que passaram a existir desde então. Como a
autora de Ísis sem véu afirmou " a chave precisa ser girada 7
vezes " a fim de se entender a filosofia toda por trás desses
signos.

É muito afortunado que os nomes designados em


sânscrito para as várias divisões da filosofia ariana,
contenham dentro deles mesmos a chave para a solução do
problema. Aqueles entre meus leitores que estudaram até
uma certa extensão os mantras antigos e os Tantra Sastras da
Índiaiv , verão que frequentemente , palavras em sânscritas
são feitas de modo a conter certo significado oculto, por meio
de bem conhecido métodos pré-arranjados e uma convenção
tácita, enquanto seu significado literal é algo completamente
diferente do significado implícito.

Seguem-se algumas regras pelas quais o pesquisador


pode usar para descobrir o significado mais profundo da
nomenclatura do sânscrito antigo, que é usado em antigos
mitos arianos e alegorias:

1- Ache um sinônimo da palavra usada e seus outros


significados.

2- Ache o valor numérico das letras compondo a palavra


de acordo com os métodos dados em trabalhos tântricos
antigos.

3- Examine os antigos mitos e alegorias, se há algum,


que tenha alguma conexão especial com a palavra em
questão.

4- Permute as diferentes sílabas que compõem a palavra


e examine a nova combinação e o seu significado, etc.

Eu aplicarei alguma dessas regras para o nome dos 12


signos do zodíaco:

ÁRIES OU MESAM

Um dos sinônimos para a palavra Mesam é Aja.v Agora,


Aja literalmente significa " aquele que não tem nascimento ",
e se refere ao eterno Brahmam, em certas porções do
Upanisad. Então, o primeiro signo tem como intenção
representar Parabrahmam, o auto-existente, eterno e causa
autosuficiente.vi

TOURO OU RSABAM

Rsabam é usado em vários lugares do Upanisads e dos


Vedas para significar Pranava ( AUM ). Sankaracharya
interpretou dessa forma em várias porções de seu
comentário.vii viii ( nota g)

nota g- nota de elaine estrela: Rsabam vem da palavra Rsis ou


Rishis, que são os ensinadores ou mestres das estrelas. Em
touro temos as plêiades e aldebaran , também chamado de
olho de touro. As plêiades com suas 7 estrelas visíveis fomam
os 7 rishis que são muito aludidos no trabalho da Blavatsky.
Se áries é alfa, touro é Beta. Áries com Touro formam o
alfabeto, isto é, todas as outras letras. Lembre-se ! " No início
era o verbo . E do verbo fez-se a luz ! "

MITHUNAM ou Gêmeos
Este signo tem o objetivo de mostrar o primeiro
andrógino, o Ardhanãrisvaraix, a sefira bissexual, o Adam
Kadmon.x

CÂNCER OU KARKATAKAM

Quando as sílabas são convertidas nos correspondentes


números e transformados de acordo com as regras do Mantra
Sãstra, a palavra em questão será representada por ////. Esse
signo é evidentemente uma representação do Tetragrama; o
Parabrahmatãrakam; o Pranavaxi resumidos em 4 entidades
separadas , que correspondem, por sua vez, aos 4 Mátrãs; os
4 avasthas (estados ) indicados por Jãgrat Avastha
(acordado ), e Turiya avastha ( Nirvana ) ; os quatro estados
de Brahmam chamado de Vaisvãnara, Taijasa ( ou
Hiranyagarbha ), Prajna e Isvara e representado por Brahmã,
Vishnu, Mahhésvara e Sadãsiva; os 4 aspectos de
Parabrahmam como Sthulam, Suksmam, Bijam e Sãksi; os 4
estágios ou condições do nome sagrado nomeado Parã,
Pasyanti, Madhyama e Vaikhari; Nãdam, Bindu, Sakti e Kalã.
Este signo completa o primeiro quartenário. xii

LEÃO OU SIMHAM

Essa palavra contém um mundo de significado oculto


dentro de si mesmo; e não pode ser prudente de minha parte
revelar todo o seu significado neste artigo.

Dois de seus termos sinônimos são Pañcãsyam e Hari, e


seu número na ordem da divisão zodiacal ( sendo o 5º signo )
aponta claramente para o primeiro significado. Este sinônimo,
Pañcãsyam mostra que o signo tende a representar os 5
Brahmas, nomeadamente, Isanam, Aghõram, Tatpurusam,
Vãmadevam, e Sadyojãtam- os 5 Buddhas. O segundo
sinônimo, Hari, significa Nãrãyana, o Jivãtma ou Pratyagãtma.
( O Sukharahasya Upanisad mostra que os antigos filósofos
arianos percebiam Nãrãyana como o Jivãtmaxiii . Os
vaishnavitas podem não admiti-lo. Mas, como um Advaiti, eu
percebo o Jivãtma como idêntico ao Paramãtma em sua
essência real quando deixado de lado seus atributos fictícios
criados por Ajñãnam ou avidyã ( ignorância ). O jivãtma é
corretamente colocado no 5º signo contado a partir de áries,
já que o 5º signo é o putrasthãnam, ou a casa do filho, de
acordo com as regras da astrologia hindu. O signo em questão
representa Jivãtma- o filho de Paramãtma. ( eu devo dizer que
jivatma representa o Cristo real, o espírito puro, embora os
missionários vão negar essa interpretação.)xiv

Eu só vou acrescentar que se este signo não for


compreendido, será impossível compreender os próximos três
signos em seu significado completo. Os elementos ou
entidades que possuem um mero potencial de existência
neste signo tornam-se distintas entidades nos próximos três
signos. A sua união em uma única entidade leva à destruição
deste Universo material, e o reconhecimento do puro espírito
e sua separação tem o efeito contrário. Leva a uma existência
ligada ao terreno e traz à tona a avidyã ( ignorância ) ou mãyã
( ilusão ). Se a verdadeira ortografia do nome pelo qual o
signo em questão é indicado for propriamente entendido,
percebe-se-á que os 3 próximos signos não são o que
deveriam ser. Kanyã ou Virgem e Vrscikam ou Escorpião
deveriam formar um único signo, e Tulã ou Libra deveria
segui-los, mas em verdade, separou-se virgem de escorpião,
colocando-se libra entre os dois signos.
VIRGEM OU KANYA

Kanyã significa a virgem e representa a Shakti ou


mahamãyã. O signo em questão é o sexto signo ou divisão e
indica que são 6 forças primárias na natureza. Essas forças
têm diferentes nomes na filosofia sânscrita. De acordo com o
sistema de nomenclatura usado , são chamadas de :

( 1 ) Parãsakti; ( 2 ) Jñanasakti ; ( 3 ) Icchãsakti ( vontade-


poder ); ( 4 ) Kriyãsakti ; ( 5 ) Kundalinisakti; e ( 6 )
Mãtrkãsakti.

Parãsakti significa literalmente a grande força suprema


ou poder. Inclui o poder do calor e da luz.

Jñanasakti é o poder do intelecto ou o poder da


sabedoria verdadeira ou do conhecimento. Tem os seguintes
aspectos, ( a ) quando sob o controle das condições materiais,
manifesta-se da seguinte forma: o poder da mente em
interpretar as sensações; poder de lembrar idéias passadas
( memória ) e ver coisas futuras; a condição psicológica de
estabelecer conexões entre vários grupos de sensações e
possibilidades de sensações, de modo a gerar a noção de um
objeto externo; o poder de conectar nossas idéias , é a
ligação misteriosa de nossa memória, de forma a gerar a
noção de eu ou individualidade. ( b ) manifestações livre das
ligações da matéria, que se manifestam em clarividência e
psicometria.

Icchãsakti é o poder da vontade. A sua forma mais


comum é a geração de certas correntes nervosas que
colocam em movimento os músculos necessários para o
cumprimento de tal desejo.

Kriyãsakti que é o poder misterioso do pensamento que


permite produzir resultados fenomenais externos por sua
própria energia inerente. Os antigos tinham a noção de que
uma idéia se manifestará externamente se nossa atenção
está profundamente concentrada nela. Similarmente, um
intenso desejo vai ser seguido pela realização deste. Um Yogi
geralmente faz suas mágicas por meio do Icchãsakti e do
Kriyãsakti.

Kundalinisakti: literalmente o poder da força que move


em forma serpentina ou em curva. É o princípio universal que
em todo lugar se manifesta na natureza. Essa força inclui as
duas grandes forças da atração e repulsão. Eletricidade e
magnetismo não são nada mais do que manifestações disso.
Esse é o poder ou força que traz o " contínuo ajustamento das
relações internas com as relações externas, que é a essência
da vida conforme Herbert Spencer, e que " os contínuos
ajustamentos de relações externas às internas " formam a
base da idéia da transmigração das almas ou punarjanman
( renascimento ) de acordo com a doutrina dos Antigos
filósofos hindus.

Um Yogi deve se esforçar arduamente a subjugar essa


força antes de atingir Moksha. Essa força é , de fato, a grande
serpente, da bíblia.

Mãtrkãsakti é a força do poder das letras ou da fala ou


da música. O conjunto do antigo Mantra Sãstra tem essa força
ou poder em todas as manifestações da matéria. O poder da
palavra que Jesus Cristo fala , é uma manifestação dessa
shakti. A influência da música é uma das suas manifestações
mais comuns. O poder do nome inefável é a coroa dessa
shakti.

A ciência moderna tem parcialmente investigado a


primeira, segunda e quinta das forças acima mencionadas,
mas ainda está na escuridão em relação aos outros poderes.

As seis forças estão em sua unidade representadas pela


Luz Astral.

Até o nome de Kanyã ( virgem ) mostra como todos os


antigos sistemas esotéricos concordam em todas suas
doutrinas fundamentais. Os cabalistas e os filósofos
herméticos chamam de Luz Astral a " Virgem Celestial ou
paradisíaca ". A luz astral na sua unidade é a 7ª. Dessa
forma, os 7 princípios difundidos em cada unidade ou ou 6 e o
1- dois triângulos ( 3 + 3 ) mais a coroa ( 1 ) . - Ed., O
Teosofista.

LIBRA OU TULÃ

Quando representado por números de acordo com o


método acima mostrado, essa palavra é convertida em 36.
Esse signo, logo, representa os 36 Tatwasxv. ( O número de
Tatwas é diferente de acordo com a visão dos diferentes
filósofos; mas por Sãkteyas e por vários antigos Rishis, como
Agastya, Durvãsa e Parasurãma, etc., o número de Tatwas foi
estabelecido em 36 ). Jivãtma difere de Paramãtma, ou para
dizer a mesma coisa em outras palavras, " Baddha" difere de
Muktaxvi . Esse signo prepara o caminho para o Adão terreno,
para Nara. O emblema de Nara é apropriadamente
relacionado com o 7º signo.

Escorpião ou Vrichikam
É estabelecido pelos antigos filósofos de que o sol
quando localizado nesse Rãsi ( signo ) ou divisão é chamado
de Vishnu ( ver o 12º Skanda do Bhãgavata ). O signo tem o
objetivo de mostrar Vishnu. Vishnu literalmente significa "
aquele que é expandido "- expandido como Visvam ou
Universo. Propriadamente falando, Visvam ele mesmo é
Vishnu ( ver comentário de Sankaracãrya no
Vishnusahasranãmam ). Eu já inferi que Vishnu representa o
Svapnãvastha ou o Estado de Sonhos. O signo em questão
significa propriamente o universo pensado ou o Universo na
concepção divina.

É apropriadamente posicionado como signo oposto a


touro ou vrishaban ou Pranava ( AUM ). A análise do Pranava
de cima para baixo leva ao Universo como pensamento, e a
análise de baixo para cima, do próprio Pranava. Nós
chegamos agora ao estado ideal do Universo antes de ele
chegar à existência material. A expansão do Bijam ou do
germe primitivo que forma o Universo é somente possível
quando os 36 Tatvas xvii são interpostos entre Mayã e
Jivãtmaxviii. O estado de sonho é inferido pela
instrumentalidade desses tatwas. é a existência desses
Tatwas que faz Hamsa existir. A eliminação desses Tatwas
marca o começo da síntese em direção a Pranava e Brahmam
, e converte Hamsa em Sohamxix. Como é a intenção
representar os diferentes estágios de criação de Brahma em
direção ao Universo material, os três signos Kanyã, tulã, e
Vrishikam ( virgem, libra e escorpião ) estão posicionados em
tal ordem, que agora são três signos separados.

Sagitário ou Dhanusxx
Quando decodificado em números, o nome Dhanus
equivale a 9, e o signo em questão é o 9º, contando a partir
de áries. O signo, logo, claramente indica os 9 Brahmas- os 9
prajãpatis que ajudaram o Demiurgo na construção do
universo material.

Capricórnio ou Makaram

Há alguma dificuldade em interpretar essa palavra;


embora contenha dentro si a chave para sua correta
interpretação. A letra ma equivale ao nº 5 e Kara significa
mão. Agora, em Sânscrito , tribhujam significa um triângulo,
bhujam ou karam ( ambos são sinônimos ) podem ser
entendidos como lado. Então Makaram ou Pañcakaram
significa um pentágono. xxi

Agora, Makaram é o 10º signo e o termo Dasadisa é


geralmente usado por escritores sânscritos para denotar as
faces do Universo. O signo em questão pretende representar
as faces do universo e indica que o desenho do Universo é
feito de pentágonos. Se pegarmos os pentágonos como
pentágonos regulares ( na suposição de que o Universo é
simetricamente construído ) a figura do universo material vai,
de fato, ser um dodecaedro, o modelo geométrico utilizado
pelo demiurgo para construir o universo material. Se Tula
fosse subsequentemente inventado e se, em vez dos três
signos virgem , libra e escorpião, houvesse apenas 1 signo
que os representasse, capricórnio seria, então, o 8º signo, no
sistema antigo, e é um fato significativo que os escritores
sânscritos geralmente falam de astadisa ou as 8 faces
limitando o espaço. É completamente possível que o nº de
disa possa ter sido alterados de 8 para 10 quando o antes
virgem-escorpião foi dividido em três signos separados.

De novo, Kara deve ser usado para representar os


triângulos que se projetam da estrela de cinco pontas. Essa
figura deve ser como uma espécie de pentágono regular
( veja o trabalho de Todhunter, Trigonometria Esférica, pg.
143 ). Se essa interpretação for aceita, o Rãsi ou signo em
questão representa o microcosmo. Mas o microcosmo ou o
mundo do pensamento é realmente representado por
Vrishikam. De um ponto de vista objetivo, o microcosmo nada
mais é do que o corpo humano. Mãkaram pode ser usado para
representar tanto o microcosmo quanto o macrocosmo, como
objetos externos de percepção.

Em conexão com este signo, tenho dizer algumas coisas,


principalmente para aqueles interessados nas antigas ciências
ocultas da Índia. É geralmente dito pelos antigos filósofos que
o macrocosmo é similar ao microcosmo , ao ter um Sthula
Sariram e um Suksma Sariram. O Universo visível é a Sthula
Sariram do Visvam; os antigos filósofos que como substrato
desse universo visível há outro universo --- talvez nós o
chamemos do Universo da Luz Astral--- o Universo real de
Noumena, a alma que foi desse Universo visível. É
obscurecidamente falado em certas passagens do Veda e dos
Upanishades que o Universo oculto da luz astral é
representado pelo Icosaedro. A conexão entre o Icosaedro e
um dodecaedro é algo muito peculiar e interessante , embora
as figuras pareçam ser tão diferentes uma das outras. A
conexão deve ser entendida pelo construção geométrica já
falada. Desenhe uma esfera em torno de um Icosaedro; deixe
que perpendiculares sejam desenhados do centro da esfera
sobre suas faces e produzidos, de tal forma a encontrar a
superfície da esfera. Agora, se os pontos de interseção forem
ligados, um dodecaedro é formando dentro da esfera. Por um
processo similar um icosaedro pode ser construído de um
dodecaedro ( veja Trigonometria esférica, de Todhunter
p.141, art.193 ). A figura acima descrito vai representar o
Universo da matéria e o Universo da luz astral como
presentemente existem. Eu não sei, contudo, como proceder
para mostra como o Universo da Luz astral pode ser
considerado sob a luz de um Icosaedro. Eu somente direi aqui
que essas concepções dos filósofos arianos não é para ser
percebido aqui como " bobagem teológica " ou como produto
de uma loucura divina. O significado real da questão
concebida pode, eu acredito, ser explicada em referência à
psicologia e à ciência física dos antigos. Mas eu devo parar
por aqui.

AQUÁRIO OU KUMBHAM

Quando representado por números, a palavra em


questão representa 14. Pode ser facilmente percebido, então,
que a divisão em questão tem por intenção mostrar o
Caturdasa bhuvanam ou os 14 lokams ( lokas ) explicados nos
livros sânscritos.

PEIXES OU MINAM

Essa palavra é representado pelo número 5 e


obviamente intenciona mostrar a idéia de
Pañcamahãbhutams ou os 5 elementos. O signo, também
sugere a água ( não a água comum, mas o solvente universal
dos antigos alquimistas ). É o mais importante entre os
elementos.

Eu agora terminei a tarefa que me propus no início deste


artigo. Meu propósito não é explicar a antiga teoria da criação
ela mesma, mas para mostrar a conexão entre aquela teoria e
a divisão do zodíaco. Eu trouxe aqui uma pequena porção da
filosofia relacionada a esses signos. O véu que foi tão
magistralmente colocado sobre esse signos pelos antigos
filósofos nunca será levantado.

Agora para resumir os fatos apresentados neste artigo,


os conteúdos do primeiro capítulo da história do Universo ,
são os seguintes:

1- Aries-- O auto-existente, eterno Brahmam.

2- Touro-- Pranava ( AUM ).

3- Gêmeos- O Brahmam andrógino, ou a sefira


bissexual-- Adam Kadmon.

4- Câncer- O Tetragrama sagrado-- as 4 mãtrãs do


Pranava- as 4 avasthãs- os 4 estados de brahmam-- o sagrado
Tãrakam.

5- Leão-- Os 5 Brahmas-- os 5 Buddhas -- representando


em sua totalidade o Jivãtma.

6- Virgem- A luz astral-- A Virgem sagrada-- as 6 forças


da natureza.

7- Libra- os 36 Tatwas nascidos de Avidyã.

8- Escorpião- O Universo em pensamento-- O Svapna


Avasthã-- o Microcosmo percebido de um ponto de vista
subjetivo.
9- Sagitário-- Os 9 prajãpatis-- os assistentes do
demiurgoxxii ( nota q ).

10- Capricórnio-- O desenho do Universo material na


mente do demiurgo-- O dodecaedro.

11-Aquário- Os 14 lokams.

12- Peixes- os 5 elementos.

A história da criação deste mundo do seu começo ao


presente é composto de 7 capítulos. O sétimo capítulo ainda
não está completo.

Triplicane, Madras,

14 de Setembro de 1881.
i Virgem era unido a escorpião. só os iniciados sabiam que havia 12 signos. Virgem unido com
escorpião suprimia libra, e era imediatamente seguido pelo signo de sagitário, porque a ordem é
virgem-libra-escorpião-sagitário. Os profanos achavam que virgem e escorpião estavam unidos,
enquanto os iniciados conheciam o signo oculto, libra, que perfazia os 12 signos.

ii Essa constelação nunca foi chamada de Crocodilo pelos antigos astrônomos ocidentais, mas sim
pela cabra montanhesa, e por isso, chamada de capricornus, por causa dos chifres da cabra.

iii Astróloga elaine estrela: é provável que quando os nomes dos signos foram dadas às
constelações, isso se deu em época remotíssima, em que , realmente a constelação de touro, se
parecia com a de um touro. Hoje, sabemos pela astronomia que as constelações vão mudando de
lugar, estrelas vão nascendo e morrendo, e que as formas e tamanhos das constelações vão
variando. É interessante notar que se um astrônomo pudesse retrocer o céu atual para o céu
antigo, na época em que as constelações tinham realmente a aparência de um touro, de um
carneiro, de um leão, poder-se-ia provar essa teoria. Isso desvelaria mais segredos sobre a
datação da presença humana na Terra.

iv trabalhos de encantação e de magia.

v Astróloga Elaine Estrela: Aja Ekapãd é o misterioso Deus não-nascido , uma cabra de uma perna.
Relaciona-se com o Sol ( surya ). Interessante que o sol possui exaltação ( maior força ) no signo
de Áries. Ver: The Indic God Aja Ekapãd, the one legged-goat. Por P.E.Dumond, The Johns
Hopkins University.

vi comentário de astróloga elaine estrela- Áries é o primeiro signo de zodíaco, logo, tem de estar
ligado a Brahmam, o criador das jivas ( entidades vivas ) . É o Deus primordial. Na bíblia, áries
representa o alfa e peixes , o ômega. Houve um tempo antiquíssimo em que áries e touro
estiveram unidos em uma única constelação, e depois se separaram. Além disso, o termo Aryan,
vem de Ária, que dá origem , no português, a Áries. A raça ária é extremamente guerreira, e é
representando por áries, que é regido por marte, planeta da guerra.

vii exemplo: "Rsabhasya- candasãm rsabhasya pradhãnasya pranavasya. "

viiiAstróloga Elaine Estrela: Rsabam vem da palavra Rsis ou Rishis, que são os ensinadores ou
mestres das estrelas. Em touro temos as plêiades e aldebaran , também chamado de olho de
touro. As plêiades com suas 7 estrelas visíveis fomam os 7 rishis que são muito aludidos no
trabalho da Blavatsky. Se áries é alfa, touro é Beta. Áries com Touro formam o alfabeto, isto é,
todas as outras letras. Lembre-se ! " No início era o verbo (AUM) . E do verbo fez-se a luz ! "

ix É a representação do Deus Shiva unido a sua deusa consorte, Parvati. A estátua é representada,
metade masculina e metade feminina.

x comentário de elaine estrela: Gêmeos é o primeiro signo humano que aparece no zodíaco,
indicando, que primeiro Deus criou o céu e a terra ( áries- o céu; touro- a terra ) , e o homem, em
terceiro lugar, que no início era puro e bissexual. Gêmeos é o signo das almas gêmeas, por
representar a união do masculino e do feminino. Na verdade, seria a presença de Adão e Eva. A
frase predileta de gêmeos é : EU PENSO, indicando a criação do intelecto, por Deus.

xi Pranava é o som primordial AUM.

xii Comentário da astróloga elaine estrela: o primeiro quartenário é representado por áries, touro,
gêmeos e câncer. Os avasthas são estados planetários, de acordo com os graus em que o planeta
determinado cai em um determinado signo. Assim, pode-se estar no avastha ou estado, em que o
planeta está dormindo, isto é, com pouca força . Há o estado " acordado " quando o planeta está
forte no grau. Há o estado " jovem " e o estado de "criança ". Todos são metáforas para a força do
planeta. Obviamente, Subba row quis aludir aos dois aspectos ou avasthas, correspondentes ao
nirvana ou estado final ( dormindo ) e o estado acordado ( ou material ).

xiii em seu estado material mais denso ou inferior, como o princípio da vida que anima os corpos
materiais dos mundos animais e vegetais.

xiv Embora seja uma interpretação verdadeira. O Jivãtma no microcosmo ( homem ) é da mesma
essência espiritual que anima o macrocosmo ( universo ), a diferenciação, ou diferença específica
entre dois jivãtmas que se apresentam em dois estados ou condições é nada mais do que a
mesma e única força. Logo, " esse filho de Paramãtma" tem uma correlação eterna com o pai-
causal. Purusa manifesta-se como Brahman ou o ovo dourado, e transforma-se em Virãdjã- o
Universo. Nós todos somos " nascidos de Aditi que emerge da água " ( Hinos dos Maruts, X, 632 )
e " o ser nasceu do não-ser " ( Rig Veda, Mandala 1, Sukta 166 ) .- Ed., O Teosofista .

xv Comentário de Elaine Estrela: Os Tatwas são as correntes ou sub-planos da Luz Astral. Os 36


tatwas aludem à força sexual, que deve ser sublimada com o uso do Tantra. Interessante que
Subba Row relaciona os Tatwas ao signo de Libra, que sabemos ser o signo do casamento, das
parcerias, ao ser regido por Vênus, o planeta do amor.

xvi Como o infinito difere do finito , e o não-condicionado do condicionado.

xvii 36 é 12 x 3, ou 9 tetrakis, ou 12 tríades, o nº mais sagrado na cabala e na tabela pitagórica. -


Ed., O Teosofista .

xviii Comentário de Elaine Estrela: Ou seja, quando o signo de libra é interposto entre Virgem e
Escorpião.

xix Comentário de Astróloga Elaine Estrela: Isto é, converte o som primordial ( hamsa ) em “ Eu
sou “ ( Soham ).

xx Comentário de Elaine Estrela: sagitário faz parte da tríade do fogo que se inicia em áries
( Brahma), sendo o 9º signo contado a partir de áries. Os 9 prajapatis são os semideuses
protetores do Universo. Lembrar que sagitário é um dos signos mais dadivosos e espirituais do
zodíaco.

xxi Veja o artigo de Agosto ( 1881 ) , " A estrela de 5 pontas ", onde dizemos que a estrela de 5
pontas representam os 5 corpos do homem. - ed. O Teosofista.

BIBLIOGRAFIA
http://www.philaletheians.co.uk/Study%20notes/Secret%20Doctrine's%20Proposition%201/Subba
%20Row's%20Twelve%20Signs%20of%20the%20Zodiac.pdf

xxii As 9 sefiras cabalísticas emanadas Da Sefira fundamental. A 10ª sefira e a cabeça ( kether )
são a mesma. Três trindades ou tríades com seu princípio emanativo da decaedro místico de
Pitágoras, a soma de todos que representam o Cosmos enteiro. -- Ed., O Teosofista .