Você está na página 1de 8

ANATOMIA HUMANA

Conceito:
Anatomia - palavra grega que significa cortar em partes, cortar separado
sem destruir os elementos componentes. O equivalente em português é
dissecação. Anatomia é a parte da biologia que estuda a morfologia ou
estrutura dos seres vivos.
Nomenclatura:
Pode ser tradicional ou clássica, a qual diverge em cada país, e
internacional onde o significado dos termos anatômicos são os mesmos,
mas sua escrita e leitura são traduzidos para cada nação conforme a sua
língua de origem. No final do último século, foi criado uma comissão de
eminentes autoridades de vários países da Europa e Estados Unidos
denominada BNA (Basle Nomina Anatomica) que foi substituída pela
PNA (Paris Nomina Anatomica). Esta comissão é responsável pela
nomenclatura anatômica que será utilizada em todo o mundo.
Posição Anatômica:

Deve-se considerar a posição de sentido de um


atleta (posição ereta), isto é, de pé, com as mãos
espalmadas, dedos unidos, palmas voltadas para
frente. Dedos dos pés para diante e pés unidos.

Planos seccionais:
É como se uma serra cortasse o corpo em determinadas direções.

Plano sagital

Corta o corpo no sentido antero-posterior;


quando passa bem no meio do corpo, sobre a
linha sagital mediana, é chamado de sagital
mediano e quando o corte é feito lateralmente a
essa linha, chamamos paramediano. Determina
uma porção direita e outra esquerda.
Plano frontal ou coronal

Corta o corpo lateralmente, de orelha a orelha,


determinando uma porção anterior e outra
posterior.

Plano transversal ou horizontal

Corta o corpo transversalmente, determinado


uma porção superior (cranial) e outra
inferior(caudal).

Planos tangenciais:

* Plano Cranial (Superior): Se


dividirmos o corpo ao meio no plano
transversal, a parte cranial ou superior
estaria acima do corte.

* Plano Caudal (Inferior): Se


dividirmos o corpo ao meio no plano
transversal, a parte caudal ou inferior
estaria abaixo do corte.
* Plano Ventral (Anterior): Se
dividirmos o corpo em duas partes pelo
plano coronal, a parte da "frente" do
corpo seria a ventral ou anterior.

* Plano Dorsal (Posterior): Se


dividirmos o corpo em duas partes pelo
plano coronal, a parte de "trás" do
corpo seria a dorsal ou posterior.

* Plano lateral direito e esquerdo: É


quando o corpo é dividido, através de
um corte sagital, em duas partes: uma
direita e uma esquerda.

Em relação às mãos, a região anterior é denominada palmar e a posterior dorsal. .Quanto aos
pés, a região inferior é chamada de plantar e a superior dorsal.
Termos de comparação:

* Proximal :próximo a raiz de


implantação do membro.

distal: mais afastado da raiz de


implantação do membro.
* Superficial:m

e Profundo: mais próximo ou afastando


da superfície.

* Homolateral : do mesmo lado

e Contralateral: do lado oposto.

* Medial e lateral: mais próximo ou


mais afastado da linha sagital mediana
(plano mediano).

Termos de movimento:
* Flexão: diminuição do ângulo de uma articulação ou aproximação de duas
estrutura ósseas.
* Extensão: aumento do ângulo de uma articulação ou afastar duas
estruturas ósseas.
* Adução: aproximar o membro do eixo sagital mediano.
* Abdução: afastar o membro do eixo sagital mediano.
* Rotação medial / Interna: gira a face anterior do membro para dentro.
* Rotação lateral / Externa: gira a face anterior do membro para fora.
Pé:
Adução + Supinação (rotação medial) = inversão.
Abdução + Pronação (rotação lateral) = eversão.
Antebraço:
Rotação medial = supinação.
Rotação lateral = pronação.
Divisão do corpo humano:
Classicamente o corpo humano é dividido em cabeça, tronco e membros.
* A cabeça se divide em face e crânio.
* O tronco em pescoço, tórax e abdome.
* Os membros em superiores e inferiores.
* Os membros superiores são divididos em ombro, braço, antebraço e mão.
* Os membros inferiores são divididos em quadril, coxa, perna e pé.
Divisão da anatomia humana:
* Osteologia: parte da anatomia que estuda os ossos.
* Miologia: parte da anatomia que estuda os músculos.
* Sindesmologia/Artrologia: parte da antomia que estuda as articulações.
* Angiologia: parte da anatomia que estuda o coração e os grande vasos.
* Neuroanatomia: parte da anatomia que estuda o sistema nervoso central e o
periférico.
* Estesiologia: parte da anatomia que estuda os órgãos que se destinam à captação
das sensões.
* Esplancnologia: parte da antomia que estuda as vísceras que se agrupam para o
desempenho de uma determinada função como: fonação, digestão, respiração,
reprodução e urinária.
* Endocrinologia: parte da anatomia que estuda as glândulas sem ducto, que
segregam hormônios, os quais são drenados diretamante na corrente sanguínea.
* Tegumento comum: parte da anatomia que estuda a pele e os seus anexos.
EMBRIOLOGIA DO SISTEMA
SISTEMA NERVOSO
O sistema nervoso tem origem ectodérmica, e sua maior parte deriva do tubo neural e
cristas neurais. À medida que o tudo neural se forma três zonas distintas aparecem: a
zona ependimária, do manto e marginal. As células da zona do manto originam os
neurônios e as células da glia, com exceção da micróglia.

Esquema ilustrando a histogênese das células do sistema nervoso central.

A porção cefálica do tubo neural apresenta-se dilatada, sendo possível reconhecer três
formações: as vesículas cerebreais primitivas, que são o prosencéfalo, mesencéfalo e
rombencéfalo. O prosencéfalo origina o telencéfalo e o diencéfalo, o mesencéfalo pouco
se desenvolve e o rombencéfalo subdivide-se em metencéfalo, que formará o cerebelo e
a ponte, e miencéfalo que originará a medula oblonga. O crescimento desigual da zona
do manto causa o espessamento das paredes laterais da medula enquanto o teto e o
assoalho continuam delgados, formando as lâminas do teto e do assoalho. A porções
ventrais e dorsais das paredes laterais originam as placas basais e alares que formarão
os cornos motores ventrais e os cornos sensitivos dorsais respectivamente.

Diagrama ilustrando o desenvolvimento da medula espinhal. Em A secção tranversal do tubo neural de um embrião
com 23 dias. B e C com seis e nove semanas rspectivamente. Em D secção do tubo neural mostrado em A. E secção da
parede da medula espinhal em desenvolvimento mostrando suas três zonas

Da mesma maneira que na medula, a parede das vesículas encefálicas exibem


também a formação das lâminas do teto e do assoalho, bem como das placas alares e
basais, formando o encéfalo e mielencéfalo. No último o espessamento das paredes
laterais e o assoalho originam a medula oblonga. No metencéfalo a lâmina do teto de
adelgaça e as porções dorsais das placas alares se espessam e formam a placa
cerebelar, que originará o vermis e os hemisférios cerebelares.

O mesencéfalo é a vesícula que menos se desenvolve, ficando recoberta pelo cerebelo


e hemisférios cerebrais. As placas alares formarão os tubérculos quadrigêmeos. A luz do
mesencéfalo se estreita originando o aqueduto cerebral.
O estreitamento da luz do diencéfalo dá origem ao terceiro ventrículo. A lâmina do teto
forma uma pequena evaginação que posteriormente transforma-se em um corpo sólido - a
epífise. O desenvolvimento do diencéfalo origina o epitálamo, tálamo e hipotálamo.

O telencéfalo é a vesícula mais cranial do tubo neural primitivo e seu desenvolvimento


origina a lamina terminalis. As fibras nervosas que saem da medula espinhal começam
a aparecer no final da quarta semana. Estas fibras se originam de células das placas
basais da medula espinhal em desenvolvimento e emergem como um série de radículas
ao longo da superfície ventrolateral. Os prolongamentos das células acabam por se unir e
formam assim os nervos espinhais. Os doze pares de nervos cranianos formam-se
durante a quinta e sexta semana do desenvolvimento.

Desenho esquemático mostrando a localização dos doze pares de nervos em um embrião de cinco semanas (A) e em um
adulto (B)

A meninges derivam de células provenientes das cristas neurais e os plexos coróides,


expansões constituídas por um eixo conjuntivo vascular revestido pelo epitélio
ependimário, formados pela projeção das meninges para o interior das vesículas
encefálicas.