Você está na página 1de 4

DIREITO CIVIL I

EXERCÍCIOS DE REVISÃO/2º SEM/2021


PROFESSORA: ISABELA CAPONE KRAUSE

NOME DO ALUNO: DAIANE GOMES DE OLIVEIRA


RA: 25795945 TURMA: D3 TURNO: manhã.

QUESTÃO 01 (UDF_2019) – Considerando as disposições contidas na Lei de Introdução às normas


do Direito Brasileiro (Decreto-Lei n. 4.657/42), julgue as alternativas a seguir utilizando V
(VERDADEIRO) ou F (FALSO):
( ) Se, antes de entrar a lei em vigor, ocorrer nova publicação de seu texto, destinada a correção,
considerar-se-á lei nova.
( ) A lei do país em que domiciliada a pessoa determina as regras sobre o começo e o fim da
personalidade, o nome, a capacidade e os direitos de família.
( ) Quando a lei for omissa, o juiz decidirá o caso de acordo com os princípios gerais de direito, os
costumes e a analogia, nessa ordem.
( ) A Lei em vigor terá efeito imediato e geral, respeitados o ato jurídico perfeito, o direito adquirido
e a coisa julgada. Reputa-se ato jurídico perfeito a decisão judicial de que já não caiba recurso e coisa
julgada o ato já consumado segundo a lei vigente ao tempo em que se efetuou.

QUESTÃO 02 (INSTITUTO AOCP_2021) - Sobre a vigência e a aplicação da lei no tempo e no


espaço, assinale a alternativa correta.
a) A Lei em vigor terá efeito mediato e geral, respeitados o ato jurídico perfeito, o direito adquirido e a
coisa julgada.
b) Nos Estados, estrangeiros, a obrigatoriedade da lei brasileira, quando admitida, inicia-se sessenta
dias depois de oficialmente publicada.
c) A lei nova, que estabeleça disposições gerais ou especiais a par das já existentes, não revoga nem
modifica a lei anterior.
d) Salvo disposição em contrário, a lei revogada se restaura por ter a lei revogadora perdido a
vigência.
e) As correções a texto de lei já em vigor não se consideram lei nova.

QUESTÃO 03 (CONTEMAX_2021) - De acordo com a Lei de Introdução ao Direito Civil:


I - Para qualificar os bens e regular as relações a eles concernentes, aplicar-se-á a lei do país em que
estiverem situados.
II - Aplicar-se-á a lei do país em que for domiciliado o proprietário, quanto aos bens moveis que ele
trouxer ou se destinarem a transporte para outros lugares.
III - O penhor regula-se pela lei do domicílio que tiver a pessoa, em cuja posse se encontre a coisa
apenhada.
Está correto o que se afirma em:
a) I e II, apenas.
b) I e III, apenas.
c) II e III, apenas.
d) Todos os itens.
e) Nenhuns dos itens

QUESTÃO 04 (PGE-MS_2016) - Assinale a alternativa incorreta:


a) A lei, a analogia, o costume e os princípios gerais do direito são considerados fontes do direito.
b) Inexiste hierarquia para utilização dos mecanismos de integração das normas jurídicas.
c) A analogia não se confunde com interpretação extensiva.
d) No direito brasileiro a irretroatividade da lei é regra.
e) A generalidade e a permanência são características da lei.

QUESTÃO 05 (UDF_2018) - A personalidade civil, conforme ensina Carnacchioni (2013, p. 71),


“confunde-se com a ideia de pessoa (sujeito de direito). Se um ser humano é considerado pessoa,
necessariamente goza de personalidade e vice-versa”. Acerca da personalidade civil, da capacidade
civil e dos direitos da personalidade, julgue os itens a seguir:
DIREITO CIVIL I
EXERCÍCIOS DE REVISÃO/2º SEM/2021
PROFESSORA: ISABELA CAPONE KRAUSE

I. Cessa a personalidade jurídica da pessoa natural com a morte. A declaração de morte presumida
exige, em qualquer caso, a decretação de ausência.
II. Os direitos da personalidade são direitos subjetivos, inatos, vitalícios e fundamentais para
resguardar a dignidade da pessoa humana.
III. A proteção que o Código Civil defere ao nascituro, de acordo com enunciado do Conselho de
Justiça Federal, alcança o natimorto no que concerne aos direitos da personalidade, tais como: nome,
imagem e sepultura.
IV. Personalidade, de acordo com a concepção clássica, se confunde com a capacidade de direito; é a
aptidão genérica para adquirir direitos e contrair obrigações. Sob a perspectiva civil-constitucional, a
personalidade é um valor intrínseco e inseparável da pessoa e a capacidade de direito um de seus
atributos.
Apenas estão CORRETOS os itens:
a) I e III. c) I e IV.
b) II e IV. d) II, III e IV.

QUESTÃO 06 (UDF_2019) – Acerca da teoria da incapacidade da pessoa natural julgue as


alternativas a seguir utilizando V (VERDADEIRO) ou F (FALSO):
( ) São causas da incapacidade: a idade, pois presume-se a imaturidade, e a enfermidade que prive ou
reduza o discernimento da pessoa natural.
( ) Os ébrios habituais e os viciados em tóxico são absolutamente incapazes de exercer pessoalmente
os atos da vida civil.
( ) A pessoa com deficiência, em regra, é considerada capaz. Quando necessário, será submetida à
curatela, conforme a lei, sem processo de interdição. A curatela afetará tão somente os atos
relacionados aos direitos de natureza patrimonial e negocial.
( )  São incapazes, relativamente a certos atos ou à maneira de os exercer, os menores de 16
(dezesseis) anos.
( )   A pessoa relativamente incapaz necessita de uma proteção menor e, por isso, participa do ato ou
negócio. Todavia, para a validade do ato ou do negócio deverá ser assistida por um representante legal
ou por um curador.

QUESTÃO 07 (FCC - 2018 - SEFAZ-SC) - Considere as seguintes situações:


I. Paulo é menor de dezesseis anos. II. Roberto tem deficiência mental que lhe retira o discernimento
para a prática dos atos da vida civil. III. Tiago não pode exprimir sua vontade por causa permanente.
IV. Maurício não pode exprimir sua vontade por causa transitória.
De acordo com a legislação vigente a respeito das incapacidades, considerando somente as
informações apresentadas,
a) apenas Paulo é absolutamente incapaz.
b) todos são absolutamente incapazes.
c) todos são relativamente incapazes.
d) apenas Paulo e Tiago são absolutamente incapazes.
e) apenas Paulo, Roberto e Tiago são absolutamente incapazes.

QUESTÃO 08 (UDF_2019) – “A emancipação é o ato pelo qual se emancipa a capacidade civil dos
menores de 18 anos de idade. Por meio da emancipação, a pessoa, incapaz em razão da idade, passa a
ter aptidão plena para os atos da vida civil” (CARNACCHIONI, 2013, p. 143). Com base na relação
entre esse texto e o Código Civil de 2002 avalie as afirmações a seguir:
I. A enfermidade que retira da pessoa natural o discernimento é incompatível com o instituto da
emancipação.
II. São hipóteses de emancipação legal: o casamento, o exercício de emprego público efetivo e a
colação de grau em curso de ensino superior.
DIREITO CIVIL I
EXERCÍCIOS DE REVISÃO/2º SEM/2021
PROFESSORA: ISABELA CAPONE KRAUSE

III. Na emancipação judicial, o tutelado, com 16 anos completos, é emancipado por meio de sentença
judicial, se o juiz, após ouvir o tutor, se convencer de que a emancipação será benéfica ao menor.
IV. A emancipação voluntária ocorre pela concessão dos pais que estiverem no pleno exercício do
poder familiar. Independe de homologação judicial, mas deve ser feita mediante instrumento público.
Apenas estão CORRETOS os itens:
a) I e III. c) I e IV.
b) II e IV. d) I, II, III e IV.

QUESTÃO 09 (UDF_PROVA REGIMENTAL_2019) – Considere o seguinte escólio doutrinário:

“A capacidade de fato deve ser analisada sob uma perspectiva civil constitucional.
O que significa dizer que, para uma correta compreensão dessa nova concepção da
capacidade de fato, é necessário extrair do texto legal a justificativa para o Estado
considerar determinadas pessoas incapazes.
Qual a justificativa de rotular alguém de incapaz (obviamente, no que se refere ao
exercício de direito)? Proteção”. (Daniel Eduardo Carnacchioni. Curso de Direito
Civil: parte geral. São Paulo: RT, 2018).

Acerca da teoria geral da incapacidade da pessoa humana, à luz do Código Civil de 2002, da Lei n.
13.146/2015 (Estatuto da Pessoa com Deficiência) e da doutrina, julgue os itens a seguir:
I. A incapacidade absoluta acarreta a proibição total do exercício, por si só, dos atos da vida civil. São
considerados absolutamente incapazes os menores de 16 anos e os ausentes, assim considerados pela
simples condição de ausente.
II. São incapazes, relativamente a certos atos ou à maneira de os exercer: os maiores de dezesseis e
menores de 18 anos; os ébrios, os viciados em tóxico e os excepcionais, sem desenvolvimento mental
completo; os pródigos e aqueles que, por causa transitória, não puderem exprimir sua vontade.
III. A emancipação é o ato pelo qual se antecipa a capacidade civil dos menores de 18 anos. Importa
dizer, os emancipados permanecem na condição de menores - não lhes sendo retirada, portanto, a
proteção conferida pela Constituição Federal e pela legislação infraconstitucional -, embora sejam
considerados capazes.
IV. A emancipação voluntária ocorre pela concessão dos pais que estiverem no pleno exercício do
poder familiar (autoridade parental), ou de um deles na falta do outro. Independe de homologação
judicial, mas a lei exige uma formalidade, qual seja, a de que seja feita mediante instrumento público.
V. A deficiência, física ou mental, em regra, não afeta a plena capacidade civil da pessoa natural.
Quando necessário, a pessoa com deficiência será submetida à curatela - medida protetiva
extraordinária, que afeta tão somente os atos relacionados aos direitos de natureza patrimonial e
negocial - sem processo de interdição.
Apenas estão CORRETOS os itens:
a) I e III. c) II e V.
b) II e IV. d) III, IV e V. e) I, II, III, IV e V.

QUESTÃO 10 (UDF_2019) – ANDRÉ, certo dia, disse à família que iria na padaria comprar cigarro
e nunca mais retornou. Desapareceu de seu domicílio sem dar notícias de seu paradeiro e sem deixar
um procurador para administrar-lhe os bens. MARIA, sua esposa/cônjuge, requereu ao Juiz que fosse
decretada a ausência de ANDRÉ. Decorridos 5 anos da abertura da sucessão definitiva, ANDRÉ
regressou. De acordo com o Código Civil é CORRETO afirmar:
a) ANDRÉ haverá os bens existentes no estado em que se acharem. Se os bens tiverem sido alienados,
ANDRÉ haverá o preço que MARIA tiver por eles recebido.
b) ANDRÉ não haverá os bens existentes, eis que já decorridos mais de 3 anos da abertura da
sucessão, além de ter sido ANDRÉ considerado presumidamente morto.
c) ANDRÉ haverá os bens existentes no estado em que se acharem, mas não terá direito aos bens que
foram comprados com a venda dos bens que lhe pertenciam.
DIREITO CIVIL I
EXERCÍCIOS DE REVISÃO/2º SEM/2021
PROFESSORA: ISABELA CAPONE KRAUSE

d) ANDRÉ haverá os bens existentes na integralidade, pois a abertura da sucessão definitiva não
implica na transmissão da posse de seus bens à MARIA.

QUESTÃO 11 (UDF_2019) - O que é comoriência e qual a sua relevância se os comorientes forem


casados em regime de comunhão total de bens?
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________

QUESTÃO 12 (UDF_2019) – O ordenamento jurídico brasileiro reconhece o que, vulgarmente, se


chama de morte civil? Fundamente.
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________

BONS ESTUDOS!

Você também pode gostar