Você está na página 1de 3

Camilla G. C.

Fonseca – Turma XXIV – Patologia Geral |1

Distúrbios Circulatórios
Quando se fala de alterações no sistema circulatório, torna-se necessário fazer um repasse de conceitos básicos dele.
Ele funciona visando promover a irrigação e nutrição correta dos órgãos e tecidos. Muitos os consideram como um
sistema hidráulico, ou seja, fechado.
O órgão central, que é o coração, funciona como uma bomba. Tem uma relação intima com o pulmão
Sangue venoso, pobre em oxigênio, retorna ao coração pela veia cava, caindo no átrio direito. No átrio direito ele vai
para o ventrículo direito e vai para o pulmão por meio da artéria pulmonar. Do pulmão, onde ocorreram as trocas
gasosas, o sangue oxigenado vai para o átrio esquerdo por meio das veias pulmonares. Do átrio ele vai para o
ventrículo esquerdo e cai na aorta, indo por fim para os órgãos.
Tem-se as artérias, as arteríolas e os capilares. Os capilares vão se unindo e formando vênulas, que se unem e formam
veias

 Do lado arterial, a tendencia é à saída de liquido. O plasma flui para o tecido conjuntivo. Esse liquido que saiu do
lado arterial, do mesmo jeito que saiu, possui uma tendencia de retorno do lado venoso. Entretanto, sobra um
pouco no meio intersticial, que é denominado linfa. Quem drena a linfa são os vasos linfáticos, que é “filtrado”
pelos linfonodos. Os vasos linfáticos desembocam no ducto torácico, que desemboca na veia cava. Portanto,
toda a circulação é “fechada”, sai e volta para o mesmo local.
 Na microcirculação, o sangue chega pelo lado arterial, algum liquido extravasa para o meio intersticial. Do lado
venoso, um pouco desse liquido volta. O que sobra é a linfa, que vai para os vasos linfáticos, que desemboca no
ducto torácico e vai para a veia cava.

Hiperemia
A hiperemia é definida como o aumento do volume, fluxo, de sangue dentro dos vasos de um determinado local., tecido
ou órgão. Ela pode ser classificada como

 Hiperemia ativa: está associada à vasodilatação. Se a arteríola, por algum motivo, sofrer uma dilatação (ex.:
decorrente de processo inflamatório), é natural que o volume/fluxo de sangue na região aumente. Aumentando
o fluxo, tem-se um quadro denominado de hiperemia ativa. Pode acontecer em veia também, mas é muito mas
comumente arterial devido à presença de receptores químicos para, por exemplo, histamina. Se associa às
reações dos processos inflamatórios.
 Hiperemia passiva (congestão): está associada aos distúrbios no retorno venoso. Se houver uma obstrução do
lado venoso, decorrente de um trombo por exemplo (muito comum no membro inferior), o sangue chega ok,
a perfusão está ok, mas o sangue não consegue sair do órgão devido à obstrução, fazendo com que o
volume de sangue na região aumente. Não foi uma obstrução ativa, fazendo por ex os vasos dilatarem, o
aumento foi decorrente de uma obstrução.

Imagem: hiperemia ativa decorrente de processo inflamatório agudo. Setas pretas: vasos cheios de sangue
Camilla G. C. Fonseca – Turma XXIV – Patologia Geral |2

Edema

Edema é por definição o acumulo de liquido (plasma) na matriz extracelular, resultante de algo errado que está
acontecendo no local. Esse acumulo pode ser tanto que se torna possível o enxergar clinicamente, como forma de
inchaço, no exame físico. Dependendo do local, pode haver complicação
Algumas pressões que acompanham e, muitas vezes, justificam o edema:

 Pressão hidrostática: é a pressão exercida pelo sangue contra as paredes vasculares. É a tendencia do liquido
sair do vaso.
 Pressão osmótica/oncótica: se refere às diferenças de concentração de algum soluto, principalmente de
proteína, considerando-se os meios intra e extracelular. A água se movimenta de um meio para o outro, se
houver permeabilidade, de acordo com as concentrações de proteína, tanto dentro quanto fora. Se houver um
aumento da quantidade de proteína dentro do vaso, por exemplo, a água entra, indo de acordo com o
gradiente de concentração, vai para o local que tiver mais proteína. Possuímos algumas proteínas plasmáticas e
outras que estão na matriz celular. (isso justifica, por ex, o motivo de o liquido sair pelas artérias, cuja pressão
osmótica é maior, e voltar pelas veias, cuja concentração proteica intravenosa é maior, a pressão osmótica é
menor)
Mecanismos gerais de formação do edema, sendo 4 básicos:

 Aumento da pressão hidrostática, pH, intravascular: se a pressão aumentar demais, sairá muito liquido. A
drenagem linfática, no primeiro momento, não consegue resolver o problema e absorver tudo, resultando em
um edema. Toda vez que houver hiperemia, haverá aumento da pH e consequente edema
 Diminuição da pressão osmótica, pO, intravascular: se a pressão osmótica dentro do vaso for menor que de
fora, o liquido possuirá uma tendencia a sair, fazendo com que ele se acumule de fora, causando o edema
 Obstrução da drenagem linfática: se não tem-se uma drenagem adequada na região, não conseguirá drenar a
linfa circulante, causando edema. Ex.: paciente precisou remover um tumor na mama e, devido a diversos
fatores, precisou remover a cadeia linfática da região para evitar metástase. Uma das consequências disso é a
falta de drenagem linfática no local, resultando em um edema
 Aumento da permeabilidade vascular: quando se tem um processo inflamatório, por ação dos mediadores
químicos, eles se tornam mais permeáveis, sendo possível sair mais liquido do meio intravascular, causando um
edema.
Independente da situação, sempre é preciso enxergar pelo menos um dos mecanismos.
Quando há manifestação do edema do abdome pra baixo, já pode considerar um quadro de edema generalizado.
Edema generalizado:

 É uma situaçao em que boa parte do corpo está acometido por edema, afetando vários tecidos e órgãos ao
mesmo tempo
 Insuficiência cardíaca:
Camilla G. C. Fonseca – Turma XXIV – Patologia Geral |3

• É uma incapacidade funcional do coração, uma insuficiência de bombeamento. Ela pode ser mais do lado
direito ou do lado esquerdo, havendo diferenças em relação às suas consequâncias. Quando do lado
direito, ela compromete o retorno venoso com consequente aumento da pressão hidrostática (sai
muito liquido pois a parede não consegue segurar a pressão exercida pelo sangue, que está em maior
quantidade) e edema generalizado
• Isso ocorre do lado direito pois ele recebe todo o retorno venoso e bombeia para o pulmão. Se ele não
está conseguindo cumprir sua função, haverá problemas no retorno venoso e acumulo de sangue nos
tecidos, o que aumenta a pressão hidrostática, causando o edema
 Desnutrição proteica:
• Ocorre diminuição da pressão oncótica intravascular, uma vez que não se tem muitas proteínas
plasmáticas, circulantes no sangue, devido à desnutrição, fazendo com que o liquido possua tendência
de ir para o meio extravascular, para a matriz, causando um edema.
 Cirrose hepática:
• A grande maioria das proteínas plasmáticas, como albumina, etc, são produzidas no fígado. Se ele não
está trabalhando corretamente, o nível de proteína cai, levando à diminuição da pressão oncótica
intravascular, que causa edema.
Edema localizado:

 Membros inferiores (pensando-se no pé) possuem 2 possíveis causas:


• Obstruções venosas: se tem-se uma obstrução venosa, causa por exemplo por um trombo, haverá
aumento da pressão hidrostática. Haverá hiperemia passiva, levando à um aumento da pH e
consequente formação de edema.
• Distúrbios na drenagem linfática
• Veia com varize: a veia não consegue fazer um retorno venoso, por causa de suas alterações
morfológicas, levando à um aumento da pressão hidrostática, sendo a consequência um edema.
 Pulmonar:
• Tem um sério problema que é ser no pulmão, pois no órgão o liquido irá para o alvéolo, que é a matriz
pulmonar. Se houver liquido no alvéolo, não será possível haver troca gasosa, impedindo a respiração
• Possíveis causas: ou ele é de natureza inflamatória ou decorrente de um problema no coração
denominado de insuficiência cardíaca esquerda. A função do lado esquerdo do coração é receber o
sangue arterial e enviar para o resto do corpo. Se ele não estiver funcionando corretamente,
incialmente o sangue começa a acumular no pulmão, havendo hiperemia passiva, o que aumenta a
pressão hidrostática no pulmão, fazendo com que o liquido seja empurrado para o alvéolo.
Coração:

 Lado direito: consequência inicial é para o corpo todo


 Lado esquerdo: consequência inicial é para o pulmão

Você também pode gostar