Você está na página 1de 17

ÍAA S ^ A P i^^ I

— lO-
ra; 2 — A Delegacia da ADESG, em São Paulo, procura-
dor Ruy Rebello Pinho; 3 — Desenvolvimento do «VII
Ciclo», Coronel Castro Pinto; 4 — Apresentação dos ades-
guianos e colaboradores membros da Comissão de Coorde-
nação do V I I Ciclo; 5 — Apresentação dos estagiários.
Do dia 18 de outubro a 4 de novembro — Período Doutrinário
de acôrdo com o seguinte programa:
Dia 18 — 3.a feira — Segurança Nacional — Conceitos funda-
mentais — Brigadeiro Roberto Lemos.
Dia 19 — 4.a feira — O Poder Nacional — Coronel Mota Paes.
Dia 20 — 5.a feira — O Poder Político — Procurador Alfredo
Paiva.
Dia 24 — 2.a feira — Teoria e prática da Democracia — Pro-
fessor José Camarinha.
Dia 25 — 3.a feira — Estruturas Políticas Contemporâneas —
Procurador Saturnino Braga.
Dia 26 — 4.a feira — Estruturas sociais contemporâneas —
Procurador José Rêgo Costa.
Dia 27 — 5.a feira — O Poder Psico-Social — Desembargador
Antônio Arruda.
Dia 28 — 6.a feira — O Poder MiUtar — Coronel Antônio Le-
piane .

5.8 Novembro
Dia 3 — 5.a feira — Sexto almôço mensal da ADESG em ho-
menagem aos estagiários do «VII Ciclo». Oradores: ades-
guiano José Kanam Matta, o colaborador Silvio de Almei-
da Pires e o estagiário Professor Ulhôa Cintra.
Dia 3 — 5.a feira — O Poder Económico — Professor Omar G.
Motta
Dia 4 — 6.a feira — Estruturas Económicas — Professor Omar
G. Motta.
Dia 5 — Sábado — Visita à COMEPA.
Do dia 7 ao dia 21 — Período Conjuntural com o seguinte
Programa:
Dia 7 — 2.a feira — Interêsses, Aspirações e Objetivos Nacio-
nais Permanentes — Procurador Ruy Rebello Pinho.
—11 —
Dia 8 — 3.a feira — Estratégia Nacional — Coronel Nilton
Freixinho.
Dia 9 — 4.a feira — pela manhã, visita à METAL LEVE S.A.
Dia 9 — 4.a feira— Guerra Revolucionária — Coronel Oswaldo
Souza.
Dia 10 — 5.a feira — Defesa Civil — Coronel Antonio Lepiane.
Dia 11 — 6.a feira — Educação — Professor José Leme Lopes.
Dia 14 — 2.a feira — Comunicações Humanas — Professor
José Camarinha.
Dia 16 — 4.a feira — Agricultura — Secretário de Estado
Glauco Pinto Viegas.
Dia 17 — 5.a feira — Saúde Pública — Professor Antonio Ber-
nardes de Oliveira.
Dia 18 — 6.a feira — Missões Complementares das Fôrças Ar-
madas — Coronel Mário Antonio Machado de Castro Pinto.
Dia 19 — sábado — Visita a Urubupungá — CELUSA.
Dia 21 — 2.a feira — O Serviço Nacional de Informações —
Coronel João Figueiredo.
Dia 23 — 3.a feira — Apresentação de um Trabalho de Turma:
Municipalismo - Campinas sob o ponto de vista da Segu-
rança e do Desenvolvimento — Turma de Campinas.

Do dia 24 de novembro ao dia l . ' de dezembro, houve a


«Apresentação dos Trabalhos de Grupo», na seguinte ordem:
Dia 24 — 5.a feira — Apresentação do Trabalho do Grupo 1:
«Estudar o papel da imprensa, do rádio e da televisão,
como instrumento de formação e propaganda, tendo em
vista a formação da opinião pública e suas impheações
com a Segurança Nacional».
Administrador Antonio Deleo; Bacharel Alfredo Mon-
teiro de Barros; Jornalista Araguaya Feitosa Mar-
tins - Dirigente; Industrial Damiro de Oliveira
Volpe; Cap. F.P. Gastão Von Hulsen Tosta; Major Ex.
Irajá Bernardino Ribeiro; Ten. Cel. Ex. José Guimarães
Barreto; Publicitário José Paulo Rodrigues Tunas; Oficial
Judicial Luiz Antonio Monteiro Arcuri; Maj. F.P. Nelson
Tranchesi; Universitário Newton Benedicto Martins Giosa
e Jornalista Romão Gomes Portão.
— 12 —
2) Apresentação do Trabalho do Grupo 13:
«Apreciar os resultados práticos da integração na comu-
nidade brasileira dos principais grupos étnicos e suas im-
pheações com a Segurança Nacional».
Engenheiro Alberto Renaud de Macedo Van Langendonck
- Dirigente; Contador Baijat labrude Filho; Jornalista Be-
nedicto Ferri de Barros; Prof. Eduardo Glaser (Irmão
Marista Miguel Eduardo); Prof Fritz Pinkuss (Rabino
mor); Engenheiro Horácio Leifert; Major Ex. João Sihler;
Sra. Mary Margaret Anderson Beeby (União Cívica Fe-
minina); Engenheiro Paulo André Jorge Germanos; Sr.
Tomohiça Ogassavara (Diretor Bolsas Cereais de S.P.); e
Sr. Urbano do Carmo Curado.
Dia 25 — 6.a feira — 1) Apresentação do Trabalho do Grupo 7:
«A Politica Económica Internacional e sua repercussão sô-
bre a Segurança Nacional. O problema do café».
Diretor de Empresa Antonio Carlos Rangel de Mello; Pre-
posto de Corretor de Valores Eduardo Tavolaro; Engenhei-
ro Eulálio Vidigal Pontes; Engenheiro Fernando Arcuri
Júnior; Corretor de Valores Fernando Francisco Bonança;
Economista Gunther Klaus Greeb; Ten. Cel. da F.P. Ju-
ventino Borges; Corretor de Valores Paschoal José Napo-
leão Isoldi - Dirigente e Bancário Roberto Dias Pereira.
2) Apresentação do Trabalho do Grupo 12:
«Apreciar os padrões físico, social, económico e cultural do
Homem Brasileiro e sugerir linhas gerais de uma política
de saúde pública que lhe assegure, a curto e a longo prazo,
e no interesse da Segurança Nacional, uma assistência mí-
nima compatível com a dignidade humana».
Engenheiro Alberico Prado Pestana Filho ; Engenheiro An-
tonio Castanheira Netto; Engenheiro Hugo Kohman;
Major da F.P. João Vianna Júnior; Médico José Francisco
Monteiro; Médico José Sylvío de Camargo - Dirigente; Ba-
charel Luiz Alevato Pinto Grijó; Assistente Social Noémia
Vieira de Moraes Lourenço; Sra. Sylvia Lima Soares de
Mello (União Assistencial) e Delegado Waldy Simonetti.
Dia 28 — 2.a feira — 1) Apresentação do Trabalho do Grupo 2
«Apreciar, em face da Segurança Nacional, os desajusta-
mentos da fam lía brasileira e os seus reflexos sôbre os
problemas sociais dos menores, indicando medidas para a
sua adequada solução».
J/V» £56 4 / p ^ 3

— 13 —
Delegado Antonio Carlos de Castro Machado; Professora
Edith Nunes Pereira da Silva ; Administrador Fernando Ál-
varo de Souza Camargo; Padre Hélio Abranches Viotti,
S.J.; Ministro Hélio Helene; Engenheiro Hildo Morat Gui-
marães; Professor João Paes de Almeida (PUC) - Dirigen-
te; Promotor Público José Roberto Franco da Fonseca;
Bacharel José Rodrigues de Carvalho Netto; Major da
F.P. Mário Máximo de Carvalho; e Gen. R / l Oswaldo de
Faria.
2) Apresentação do Trabalho do Grupo 11
«Apreciar o problema da intervenção do Estado no domínio
económico, a luz dos interêsses da Segurança Nacional. Su-
gerir medidas para que, na preservação dêsses interêsses,
o poder intervencionista do Estado na economia nacional
se aplique adequadamente».
Economista Archimedes Geraldo Guttilla; Diretor de Em-
presa Gilberto de Andrade Lacê Brandão; Economista
Mareei Domingos Solimeo; Funcionário Municipal Mário
de Oliveira Cesar; Diretor de Empresa Mário Fontana;
Ten. Cel. da F.P. Nelson Brotto; Diretor Soe. Ec. Mista
Pedro Mariano Wendel - Dirigente; Corretor de Valores
Raimundo Magliano; Professor Victorio D'Áchille Palmie-
ri e Engenheiro Wlastemir Grigoletto.
Dia 29 — 3.a feira — 1) Apresentação do Trabalho do Grupo 8
«Apreciar o problema do abastecimento de géneros alimen-
tícios no Brasil e sugerir medidas que visam à adequação
dêsse abastecimento aos interesses nacionais».
Contador Ascânio Guariníello; Industrial Carmello Paolet-
t i ; Bacharel Fortunato Naporano; Major Ex. José de Oli-
veira Lavor; Industrial José Hessel; Engenheiro José Ma-
noel Gonçalves de OUveira; Bacharel Newton Benassi Ne-
ves; Ten. Cel da F.P. Paulo Marques Pereira - Dirigente;
Industrial Rubens Amat Ferreira; Engenheiro Victor Fon-
tana e Funcionário Público Walter di Felippo.
2) Apresentação do Trabalho do Grupo 10
«Apreciar os aspectos políticos, económicos e sociais da
ação de grupos estrangeiros, associados ou não a grupos
nacionais, visando à satisfação de seus interêsses econó-
micos e dificultando o desenvolvimento nacional. Sugerir
medidas no campo económico para anular ou reduzir os
efeitos da referida ação, tendo em vista os interêsses da
Segurança Nacional».
— 14 —
Bacharel Arthur Carlini Júnior (Presidente Câmara Jú-
nior) ; Bacharel Fabio Romeu Canton; Delegado Hélio Ne-
greiros Penteado; Bacharel Jair de Carvalho Monteiro -
Dirigente; Delegado José Telles Corrêa; Bacharel Mário
Jorge Germanos; Bacharel Newton Rodrigues; Bancário
Orlando de Lúcia Filho; Administrador Pedro Egberto da
Fonseca e Economista Zoroastro Bueno de Aguiar.
Dia 30 — 4.a feira — 1) Apresentação do Trabalho do Grupo 6
«O problema da mão-de-obra e suas repercussões sôbre a
Segurança Nacional. Estudo da conveniência da supressão
do direito do trabalhador à estabilidade e das vantagens
ou desvantagens de sua substituição por outras medidas
assistenciais. Quais os substitutivos que poderiam ser ado-
tados e quais as suas possibilidades de êxito no aumento
da produtividade».
Industrial Alan Russel Beeby; Industrial Antonio La Selva;
Major da F . P. Antonio Salomão Nassif; Industrial Eduar-
do Villaça Mortari; Funcionário Flávio River Serra; Arqui-
teto Gesel Adolpho Rimmelstein; Ten. Cel. Ex. Loredano
Cássio Silva; Secretário de Estado Mário Romeu de Lucca
- Dirigente; Bacharel Miguel Thomaz Di Pierro; Engenhei-
ro Ruben de Mello; Bacharel Walter Conrado Adolpho
Hormann.
2) Apresentação do Trabalho do Grupo 9
«Apreciar os principais aspectos da infiltração comunista
na vida brasileira e sugerir medidas, nos diferentes cam-
pos, para, no interêsse da Segurança Nacional, anular ou
reduzir aquela infiltração».
Arquiteto Alberto Rubens Botti; Delegado Alcides Cintra
Bueno Filho; Professor (PUC) Aldo Hênio Francisco Si-
nisgalli - Dirigente; Bacharel Isidoro Angélico; Delegado
João Milanez da Cunha Lima; Major Ex. João da Costa
Moura; Sra. Maria Paula Caetano da Silva (União Cívi-
ca); Engenheiro Nícolíno Viola; Bacharel Paulo Villaça;
Universitário Roberto Nogueira de Lima; Cap. da F.P.
Rodolfo Antoni Casteín Castilho.
3) Apresentação do Trabalho do Grupo 3
«Tendo em vista os interêsse da Segurança Nacional, es-
tudar a infiltração comunista nos meios universitários,
propondo medidas para a solução do problema».
Major Ex. Antonio José de Almeida Castilho; Professor
Univ. Mackenzie Einíh Leiderman; Diretor da Fac. P.U.C.S.
— 13 —
Delegado Antonio Carlos de Castro Machado; Professora
Edith Nunes Pereira da Silva; Administrador Fernando Al-
varo de Souza Camargo; Padre Hélio Abranches Viotti,
S.J.; Ministro Hélio Helene; Engenheiro Hildo Morat Gui-
marães; Professor João Paes de Almeida (PUC) - Dirigen-
te; Promotor Público José Roberto Franco da Fonseca;
Bacharel José Rodrigues de Carvalho Netto; Major da
F.P. Mário Máximo de Carvalho; e Gen. R / l Oswaldo de
Faria.
2) Apresentação do Trabalho do Grupo 11
«Apreciar o problema da intervenção do Estado no domínio
económico, a luz dos interêsses da Segurança Nacional. Su-
gerir medidas para que, na preservação dêsses interêsses,
o poder intervencionista do Estado na economia nacional
se aplique adequadamente».
Economista Archimedes Geraldo Guttilla; Diretor de Em-
presa Gilberto de Andrade Lacê Brandão; Economista
Mareei Domingos Solimeo; Funcionário Municipal Mário
de Oliveira Cesar; Diretor de Empresa Mário Fontana;
Ten. Cel. da F.P. Nelson Brotto; Diretor Soe. Ec. Mista
Pedro Mariano Wendel - Dirigente; Corretor de Valores
Raimundo Magliano: Professor Victório D'Achille Palmie-
ri e Engenheiro Wlastemir Grigoletto.
Dia 29 — 3.a feira — 1) Apresentação do Trabalho do Grupo 8
«Apreciar o problema do abastecimento de géneros ahmen-
tícios no Brasil e sugerir medidas que visam à adequação
dêsse abastecimento aos interêsses nacionais».
Contador Ascânio Guariníello; Industrial Carmello Paolet-
t i ; Bacharel Fortunato Naporano; Major Ex. José de Oli-
veira Lavor; Industrial José Hessel; Engenheiro José Ma-
noel Gonçalves de OUveira; Bacharel Newton Benassi Ne-
ves; Ten. Cel da F.P. Paulo Marques Pereira - Dirigente;
Industrial Rubens Amat Ferreira; Engenheiro Victor Fon-
tana e Funcionário Público Walter di Felippo.
2) Apresentação do Trabalho do Grupo 10
«Apreciar os aspectos políticos, económicos e sociais da
ação de grupos estrangeiros, associados ou não a grupos
nacionais, visando à satisfação de seus interêsses econó-
micos e dificultando o desenvolvimento nacional. Sugerir
medidas no campo económico para anular ou reduzir os
efeitos da referida ação, tendo em vista os interêsses da
Segurança Nacional».
— 15 —
P. Pe. Enzo Campos Gusso; Arquiteto Eurico Prado Lopes;
Professor U.S.P. Geraldo Ulhôa Cintra; Universitário Luiz
Felipe Soares Batista; Engenheiro Maury de Freitas Ju-
lião; Bacharel Orlando Brando Filinto - Dirigente; Dele-
gado Renato D'Andréa; Major F.P. Sidney Gimenez Pala-
cios; e Bacharel Vadim da Costa Arsky.

5.9 — Dezembro
Dia 1." — 5.a feira — Apresentação do Trabalho do Grupo 4
«Estudar as condições atuais da educação e do ensino pri-
mário e médio, indicando medidas para a sua melhor ade-
quação aos interêsses do Pais, tendo em vista inclusive a
democratização das oportunidades ao seu acesso».
Bacharel Dario de Lorenzo; Major Ex. Ivan David da
Cunha - Dirigente; Delegado José Pires da Silva; Bibliote-
cária Laura Garcia Moreno Russo; Professor Luiz Gon-
zaga Bertelli; Professora Magdalena Scandell Rocco; Pro-
fessora Maria Eunice Machado Rebello Pinho; Engenheiro
Milton Spencer Veras Júnior; Engenheiro Otávio Camillo
Pereira de Almeida; Professôra Risette Motta de Castro
Pinto; Professor U.M. Walter Saraiva Knelse; e Bacha-
rel Walter Barioni.
2) Apresentação do Trabalho do Grupo 5
«A Política de Desenvolvimento Regional e seus reflexos
sôbre a Segurança Nacional. Sugerir providências para
correção dos desequilíbrios regionais e integração nacional
das regiões menos desenvolvidas».
Engenheiro Augusto Wagner Tafner; Engenheiro Catulo
Pestana Magalhães; Ten. Cel. Ex. Eldes de Souza Guedes;
Bacharel João Alberto Roxo Loureiro; Arquiteto Júlio Jo-
sé Franco Neves; Diretor Soe. Ec. Mista Orlando Carlos
Gandolfo - Dirigente; Industrial Pedro Franco Piva; Se-
cretário de Estado Renato João Baptista Della Togna; Ar-
quiteto Roger Zmekhol; Engenheiro Salvador Eugénio
Giammusso e Economista Ubirajara Dib Zogaib.
Dia 2 — 6.a feira — Sessão solene de encerramento do «VII Ci-
clo de Estudos sôbre Doutrina de Segurança Nacional».
«Turma José Bonifácio» sob a presidência do Sr. Gover-
nador do Estado de São Paulo, Sr. Laudo Natel. Local:
Teatro Municipal. Oradores: General João Carlos Gross;
Presidente Nacional da ADESG; Coronel Castro Pinto,
Coordenador do Ciclo; Ministro Hélio Helene, orador da
JM 5^6 K(p I S /

— 16 —
Turma; Procurador Ruy Pinho, Delegado Regional; Gene-
ral de Exército Aurélio de Lyra Tavares, comandante da
Escola Superior de Guerra; Governador Laudo Natel. Pre-
sentes General Bizarria Mamede, comandante do I I Exérci-
to, General Bina Machado, Prefeito Faria Lima, M. Juiz de
Menores de São Paulo, Coronel João Figueiredo, Coman-
dante da Fôrça Pública, Procuradores Saturnino Braga,
Rego Costa, Alfredo Paiva, Professor Camarinha do Nas-
cimento, Coronel Antonio Lepiane, os cinco últimos do Cor-
po Permanente da ESG e outras autoridades civis e mi-
litares .
Dia 3 — Sábado — 11,30 horas — Cerimónia Ecuménica cele-
brada pelos estagiários Pe. Hélio Viotti S. J. e Rabino
Fritz Pinkuss, na capela do Colégio Sion.
13 horas — Último almôço mensal da ADESG, comemora-
tivo da conclusão do V I I Ciclo. Oradores: Secretário de
Estado Mário Romeu de Lucca e, em nome da ADESG na-
cional e do Corpo Permanente da ESG, o Procurador José
Rego Costa.
Dia 5 — 2.a feira — Entrega dos certificados na sede da
ADESG.
Dia 10 — Sábado — Visita de adesguianos e colaboradores
(Grupo I) as instalações da «Frigobras», do Grupo SADIA.
Dia 17 — Sábado — Visita do Delegado, de adesguianos e co-
laboradores às instalações da Frigobras (Grupo I I ) .
Dia 19 — 2.a feira — Reunião da Delegacia com integrantes da
«Turma José Bonifácio».
Dia 22 — 5.a feira — Reunião, na sede, com os representantes
dirigentes dos Grupos de Trabalho da Turma José Boni-
fácio para exame da integração da referida Turma na
Delegacia.
Dia 30 — 6.a feira — Reunião parcial da Junta Consultiva
para elaboração de relatório e balanço.
Dia 3 — 3.a feira — Reunião parcial da Junta Consultiva.
Dia 10 — 3.a feira — Última Reunião Plenária da Junta Con-
sultiva da Delegacia Regional da ADESG, em São Paulo.
Dia 11 — 4.a feira — Posse, no Rio, da nova direção nacional
da ADESG.
Foi eleita a seguinte direção nacional da ADESG:
éM SSé hp fcZ

— ii —
Presidente: Mar. A r . João Mendes da Silva (1953) —
1. ° Vice Emb. Carlos Sette Gomes Pereira (1954); — 2.°
Vice Al te. Antônio Junqueira Giovannini (1961); — 1.°
Secr. Gen. Wallenstein Teixeira de Mendonça (1958); —
2. " Secr. Dr. Hermes Dreux de Toledo (1959); — 1." te-
soureiro Dr. João Garcia (1962); — 2.° tesoureiro Eng"?.
Manoel Rego Barros (1966); — Diretor sem pasta. Gen.
Ex. João Carlos Gross( 1959); Conselho Fiscal Gen.
Aguinaldo José de Senna Campos (1952); — Alte. Luiz
Clóvis de Oliveira (1957); — Desemb. Carlos de Oliveira
Ramos (1963) ; Suplentes Mar. José de Souza Prata
(1955); — Dr. Benedito Pio da Silva (1961); — Dr. Pa-
ciano Aguiló (1962).

6 — Manutenção da Delegacia
6.1 — De abril a dezembro
Neste período, a Delegacia se manteve graças à contribui-
ção dos seguintes adesguianos e colaboradores das seis pri-
meiras turmas:
Abram Abramovicz — V, Adalberto Bueno Neto — V,
Afonso Vidal — V, Alcy de Albuquerque Vidal — V, Carlos
Alberto Bueno Neto — V, Eduardo Henrique Bastos — I , Fer-
nando Marrey — V, Frederico Azevedo Antunes — V, Gilberto
Alves Ferreira — V, Izer E . Bobadilha — I I , João Gomes Mar-
tins Sobrinho — I I I , Lauro da Costa Lima — V, Lauro Rios
Rodrigues — V, Mário Ernesto Humberg — V, Stanislaw S.
Zbrowisky — V I 60.000; Adolfo Ricardo Teuber — V I , Alber-
to Jayme do Amaral Jr. — V, Alexandre Helena — V I , Luiz
Carlos Moraes — V, Naoshige Ikko — V, Nelson Miranda
Júnior — V I , Noubar Akrabian — I I , Robert Schoueri — V,
24.000: Alfredo Bittar Cury — V I , Aloyzy Roger, Antonio
de Paula Assis — I , Antonio de Souza Barros Jr. — I I , Caio
Sergio Paes de Barros — I , Celso Dias de Moura — VI, Eduar-
do Florsheim — V, Eros Afonso da Cunha — I I , Francisco
Antunes — I I I , Gerard Loeb — I , Jerónimo G. Bandeira de
Mello — V I , José Augustinho de Carvalho — I I , José Carlos
Fasano — I I I , Loris Mieli — V, Lourival Mello — VI, Moacir
Marcondes Guimarães — V I , Renato Frota Pinheiro — V I ,
Roberto Camargo Vianna — I , Rosalvo Lopes da Silva
— IV, Tácito Barcellos Corrêa — V 6 .000: Almir Ri-
beiro Gomes — I I 39.000: Alvaro E. de Almeida Ma-
galhães — V I , Alvaro Roberto Mendes Gonçalves —
I I , Augusto Tura — V, Carlos Edmur de Barros Souza — V I ,
— 18 —
Carlos Ferreira Bernardo — V, Carmelo Carleto — V I , Cezar
Barros de Abreu — V, Edgard Teotónio Santana — V I , Esté-
fano Janikian — I I , Fernando de Mesquita Sampaio — V I ,
Fernando V , Young — VI, Habib Carlos KyriUos — I I I , Ilde-
lio Martins — I I , Jaime Collier Coeli — V, Joaquim Álvaro
Pe-eira Leite Filho — I , Jorge Bittar — V, José Celestino
Bourroul — V, José Olavo de Freitas — I , José de Vasconcellos
e Silva — I I , José Victor Pedroso Chagas — I , Luiz Lins de
Vasconcellos Neto — I I I , Luiz Octávio Teixeira Mendes — IV,
Manoel Calvo Gutierrez Duran — V, Máximo Martins da Cruz
— V, Otaviano Alves Nogueira — V, Paulo Marcello Bezzera
de Menezes — I I , Paulo Massud Chebl — V, Roger Kouri — V,
Saul Ferraz — I I , Vera A . de Barros Costa — V I , Vicente
Zamitti Mamana — I I I 12.000: Antonio Bernardes de Olivei-
ra — ESG, Maria Stella Bernardes de Oliveira — I I 42.000:
Antonio de Paiva Neto — VI, Carlota Gusmão de Paiva Neto
— VI, 7.000: Autharis Ferraz Nogueira — I , Mauro Garcia —
III, Michel Loeb — I , Murilo Civatti Novaes — I I ,
Sylvio José de Almeida Pires — I I 15.000: Cora Am-
brogi — V 51.000: Ernesto Fischman — I I , José
Nogueira de Amorim — V 20.000: Francisco Antonio
de Augustinis — V I , João Alfredo Caetano da Silva — I , Yel-
va W. Caetano da Silva — 1 18.000: Graciano lervolino — I I ,
Mário Di Pier-o — ESG 50.000: Isidoro Ferreira da Silva —
V 5.000: João Daniel Lopes Filho — V I , João Lelis Vieira Fi-
lho — V I , Martinho de Moraes Filho — V I 9.000: José Kanam
Matta — ESG 40.000: José Roberto Rocco — V 90.000: Liyo-
ty Matsunaga — V, Mário Antonio M . Castro Pinto — ESG
30.000: Luiz Albino Barbosa de Oliveira — I 72.000: Milton
Brusius — V I 16.000: Ricardo Nogueira de Lima — V 22.000:
Ruy Rebello Pinho — ESG 123.COO: Sigfried Hoyler — V,
Maurv de Freitas Julião — V I I 36.000: Teodors Ozolins —
VI 220.000: Thomaz Mello Cruz — V 48.000:

6.2 — Mês de dezembro


No mês de dezembro inscreveram-se na Delegacia e deram
a contribuição pessoal de Cr$ 3.000 (três mil) os seguintes
membros da Turma V I I :
Eduardo Tavolaro, Eulálio Vidigal Pontes, Fernando
Arcuri Júnior, Fernando Francisco Bonança, Gunther
Klaus Greeb, Juventino Borges, Paschoal José Napoleão
Isoldi, Roberto Dias Pereira, Ascânio Guariníello, Carmello
Paoletti, Fortunato Naporano, José de Oliveira Lavor,
José Manoel Gonçalves de Oliveira, Newton Banasse Ne-
— 19 —
ves, Rubens Amat Ferreira, Victor Fontana, Walter Di Fi-
lippo, Aldo Henio F . Sinisgalli, João Milanez da Cunha Lima,
João da Costa Moura, Maria Paula Caetano da Silva, Nicolino
Viola, Roberto Nogueira de Lima, Antonio José de Almeida
Castilho, Einih Leiderman, Enzo Campos Gusso, Geraldo de
Ulhôa Cintra, Luiz Felipe Soares Baptista, Orlando Brando
Filinto, Renato D'Andrea, Sidney G. Palacios, Dario de Lo-
renzo, Ivan David da Cunha, José Pires da Silva, Luiz Gonzaga
Bertelli, Milton Spencer Veras Jr., Walter S. Knesse, Paulo
N . Pereira de Souza, Augusto Wagner Tafnera, Catulo Pasta-
na de Magalhães, João Alberto Iloxo Loureiro, Julio J. Franco
Neves, Orlando Carlos Gandolfo, Pedro Franco Piva, Renato
J. B . Della Togna, Salvador E. Giamusso, Ubirajara Dib Zo-
gaib, Gilberto de Andrade Lacê Brandão, Mário Fonta-
na, Nelson Broto, Pedro Mariano Wendel, Raimundo
Magliano, Wlastemir Grigoletto, Alberto Prado Pastana
Filho, Antonio Castanheira Neto, João Viana Júnior,
José Sylvio de Camargo, Noémia Vieira de Moraes Lourenço,
Silvia Lima Soares de Mello, Alberto Renaud de Macedo Lan-
gendonck, Baijat labrude Filho, Eenedicto Ferri de Barros,
Eduardo Glaser, Horácio Leifert, João Sihler, Paulo Andr3
Jorge Germanos, Toirohiça Ogassavara, Luiz Pinto Grijó, Jo-
sé Monteiro, Hugo Kohman, Magdalena S. Rocco, José Hessel,
Fernando Camargo, Alan Russel Beeby, Mary Margareth An-
derson Beeby, Maria Eunice Machado Rebello Pinho, Damiro
de Oliveira Volpe, Isidoro Angélico, Antonio Carlos Rangel de
Mello, Risette de Castro Pinto, Arthur Carlini Júnior, Archi-
medes Geraldo Guttilla, Eduardo Villaça Mortari, Fabio Ro-
meu Canton, Flávio River Serra, José Paulo Rodrigues Tunas,
Mário de Oliveira Cesar, Newton Rodrigues, André Santos
Novaes — V, Conrado Seraphim Blasi — I I e Hélio Santana de
Almeida — VI, Sergio Leal Costa — V I .

6.3 — Contribuições diversas


Recebeu a Delegacia também contribuições das seguintes
pessoas e entidades:
Raymundo Magliano, 50.000; Fernando Francisco Bonan-
ça, 100.000; Paschoal José Napoleão Isoldi, 50.000; Pedro
Franco Piva (MANAP), 100.000; Gilberto Lacâ Brar.dão,
100.000; Rubem de Mello, 30.000; Coronel João Figueiredo,
30.000; Coronel Oswaldo de Araujo Souza, 30.000; Coronel
Nilton Freixinho, 30.000; Camara Júnior de São Paulo,
500.000; Coronel Mota Paes, 30.000; COSIPA - Companhia Si-
derúrgica Paulista, 500.000; Centro e Federação das Indús-
iAÍ S&é 'i\jp 1^5

— 20 —
trias, 1.000.000; Associação Comercial de S. Paulo 500.000;
Associação Brasileira dos Distribuidores de Gás Liquefeito de
Petróleo - Presidente General Agostinho Cortes, 500.000; Bol-
sa Oficial de Valores, 500.000; Eulálio Vidigal Pontes, 100.000;
e Carmelo Paoletti, 100.000;
Para a realização do Ciclo, a Delegacia obteve: da Trans-
portes Aéreos SADIA S.A., o transporte dos conferencistas do
Rio a S. Paulo; da Cia. ULTRAGAZ S.A., a hospedagem dos
mesmos em S. Paulo; da Fórça Pública do Estado de S. Paulo,
o trabalho de impressão (menos o papel) das conferências.
Estas contribuições possibilitaram em grande parte a realização
do Ciclo. A UNIVERSIDADE DE S. PAULO ofereceu um exem-
plar de sua publicação «Oração aos Moços» a cada um dos con-
ferencistas que receberam também brindes ofertados pela
BOZZANO e pela AÇOS ANHANGUERA. Valiosa colaboração
foi a cessão pela Prefeitura do Teatro Municipal para a soleni-
dade de encerramento.

6.4 — Prestação de Contas


As contas da Delegacia foram submetidas a exame na reu-
nião da Junta Consultiva do dia 10 de janeiro, após parecer
de Comissão Composta dos srs. Corretores Oficiais de Fundos
Públicos Fernando Francisco Bonança e Paschoal Napoleão
Isoldi e do Promotor Público José Roberto Franco da Fonseca.
A Delegacia apresenta saldo, tendo sido pagas tôdas as
contas da atual gestão e débitos pendentes de 1965 e 1964. As
despesas de manutenção da sede gravitam em tôrno de Cr$
400.000 (quatrocentos mil cruzeiros mensais) .

7 — Atividades Diversas
7.1 — Relações oom a Direção Nacional e com outras
Delegacias.
A ADESG possui representações em:
Pará — Desembargador Maurício Cordovil Pinto, Tribu-
nal de Justiça do Pará; Paraiba — General Arthur Duarte
Candal da Fonseca, Rua Barão de Ipanema, 68 - 204 - 57-3994;
Pernambuco — Dr. Djair Falcão Brindeiro, Rua Benfica, 700;
Ceará, — General Murilo Borges Moreira, Prefeitura Municipal
de Fortaleza; Bahia — Dr. José Carlos Tourinho Junqueira
Ayres, Rua Leone Ramos, 3 - 5-2014; Minas Gerais — Dr. Ge-
raldo Parreiras, Av. Afonso Pena, 981, 3.°; Estado do Rio —
Almirante Benjamin Sodré, Rua Antonio Parreiras, 105 -
— 21 —
2-2474; Santa Catarina — Dr. Lothar Karl Joachim Paul, Rua
Dr. Neuman, 40 - Rio do Sul; Goiás — Marechal Emilio Rodri-
gues Ribas Júnior; Rio Grande do Sul — Dr. Armindo Beux,
Rua dos Andradas, 933 - 6.9; Mato Grosso — General Silvio
Couto Coelho da Frota, Rua Raja Gabaglia, 104-102 - 58-2117;
Distrito Federal — Des. José Colombo de Souza, Super-quadra
208 - Bloco 1, apto. 102; Paraná — Des. João Alves da Rocha
Lures, Av. Iguassú, 1.848.
E a sede nacional funciona no Ministério da Fazenda no
Rio.
Sem ónus para a Delegacia de São Paulo, o Delegado pes-

•=
soalmente ou por seus adjuntos, manteve contactos com a sede
e com outras delegacias.
Sem ónus para a Delegacia de São Paulo, o Delegado pes-
soalmente ou por seus adjuntos, manteve contactos com a sede

7.2 Almoços mensais


O quadro abaixo mostra o comparecimento de adesguianos
e colaboradores aos diversos almoços promovidos pela Dele-
gacia .

Almoços Mensais

Turmas de Ciclos de Estudos


. o
Data Local II III IV VI VII

3 Maio E.C. Pinheiros


2 =
ÍJ 42
2 Junho E.C. Pinheiros 14 16 60
4 Agôsto Ass. Comercia] 13 50
1." Setembro Ass. Comercial | 15 39
6 Outubro Ass. Comercial S 14 41
3 Novembro Ass. Comercial 2I - 30 - I 39
30 | 27 1 36 8 64 39 30 | 32 | 271

Em 3 de dezembro, na sede do Rotary Clube de S. Paulo,


a Turma V I I promoveu um almoço comemorativo da conclu-
são do ciclo ao qual compareceram cêrca de trezentas pessoas.
^ J p> / 5 >
(

— 22 —

7.3 Biblioteca
A Biblioteca da ADESG foi grandemente ampliada gra-
ças à iniciativa do colaborador Francisco Bonança, que soli-
citou a cada estagiário da turma V I I a doação de um livro.
Importantes também foram as doações de Governos estaduais
e de paises amigos. No início do exercício, a Biblioteca contava
com 105 livros e 24 publicações. Atualmente, o acêrvo dispõe
de 239 livros e 132 publicações.

7.4 Boletins
A Delegacia publicou boletins informativos sôbre suas
atividades, sendo editor dos mesmos o colaborador Renato
Frota Pinheiro.
7.5 Atividades sociais
Durante o período os casais José Kanam Matta, Ilzer Bo-
badilha, Ney Prado e José Roberto Rocco ofereceram em suas
residências recepção a visitantes da ADESG.
7.6 Administração
A parte administrativa da Delegacia funcionou normal-
mente, sob a responsabilidade de d. Sinclair de Mello Pegado,
auxiliada na fase do Ciclo pelo sargento Gonçalves, do C. P. O.
R., pelo estudante José Egydio Jr. e por d. Wilma Aparecida
de Roses.
Foi feito um levantamento de todo o material existente.
Da sede foram recebidos boletins para distribuição.
Do estagiário Damiro de Oliveira Volpi, Diretor da Grá-
fica L . Nicolini, a Delegacia recebeu impressos para seus
serviços.
8. Agradecimentos
A presente súmula de atividades mostra que a Delegacia
da ADESG realizou o seu trabalho graças à colaboração de
numerosos Órgãos, Entidades e pessoas cujos nomes sempre
lembrados foram surgindo naturalmente no relato que ora
termina.
9. Conclusão
Em nosso discurso de posse, pronunciado em 20 de abril
de 1966, apresentamos o seguinte:
4 ^ Sió.i^p . K i

— 23 —
«PROGRAMA DE TRABALHO»
Quais as diretrizes fundamentais da tarefa que iremos
realizar, delegado, adjuntos, adesguianos e colaboradores?
Posso resumi-la em poucas palavras: a consolidação da
ADESG em São Paulo.
E esta consolidação deverá ser feita, em primeiro lugar
com o fortalecimento, dentro do espírito adesguiano, do tra-
balho em comum de militares e civis. Como a Escola o demons-
tra, esta união em nosso país é hístòrícamente indispensável.
A Associação não terá dificuldades em realizá-la. Certa vez,
numa viagem ao nordeste brasileiro, o Brigadeiro Roberto
Julião de Lemos me disse que a Escola Superior de Guerra
congrega civis de tôdas as Armas e militares de tôdas as pro-
fissões . . . Um Brasil forte e feliz só poderá ser construído
dentro dêste espírito de fraternidade.
Outra preocupação será a de manter em trabalho efetivo
e construtivo todos os associados da ADESG em São Paulo.
O número de adesguianos é pequeno. Quase todos, porém,
de excepcional valor e todos, sem exceção, de patriotismo sin-
cero. A qualidade dos colaboradores, cêrca de setecentos, é a
melhor possível.
A partir de têrça-feíra próxima, com uma conferência a
ser proferida pelo ilustre Professor Antonio Bernardes de Oli-
veira, estaremos, semanalmente, reunidos para debater proble-
mas da atualidade e oferecer sugestões à ADESG sôbre os mes-
mos, dentro da doutrina que nos une.
Já há viagens e visitas de estudos programadas. Para es-
tas, contamos com a colaboração dos adesguianos paulistas e
de outros Estados, ansiosos para mostrar o que vêm fazendo,
no campo de suas especiahdades, nos mais diversos pontos do
país, para dar vida às lições da ESG.
Ciclos de palestras terão lugar na capital e, muito prova-
velmente, em mais de uma cidade do interior. É o crescimento
da doutrina da Escola, que da Fortaleza de São João se am-
pliou para a ADESG, no Rio; do Rio para as capitais de outros
Estados; e destas para as cidades do interior.
Dentro de quinze dias, reahzaremos, também, a exemplo
do que se faz na Guanabara, o nosso almôço, durante o qual
será feita, por um adesguiano, «exposição relâmpago» de suas
atividades à frente de importante emprêsa nacional.
— 24 —
Êste crescimento da ADESG oferece, sem dúvida, dificulda-
des e perigos. Mas me parece inexorável. Uma doutrina boa
não pode ficar, para que se torne útil, conhecida e praticada
apenas por alguns.
E a doutrina da ESG nasce de constante estudo de longos
anos. Nêste momento de reconstrução nacional em novas ba-
ses políticas e morais, ela dará ao Brasil o PROGRESSO que
todos nós desejamos, mas dentro da ORDEM, sem a qual é
impossível sobreviver».
Êste o nosso programa de trabalho que acreditamos ter
cumprido, com a ajuda de muitos.
São Paulo, janeiro de 1967

Ruy Rebello Pinho


Delegado Regional
4

FÔRÇA PÚBLICA
- D O -
ESTADO DE SAO PAULO
COMPOSTO E IMPRESSO
NA TIPOGRAFIA DO S. I.
1967

Você também pode gostar