Você está na página 1de 2

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO - UFMA

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS – CCH


DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA - DEHIS
DISCIPLINA: HISTÓRIA MEDIEVAL
DOCENTE: Prof. Dr. Marcus Vinicius de Abreu Baccega
DISCENTE: Giuliano de Oliveira Mangueira

ANÁLISE DOCUMENTAL
Porque Raul Glaber é considerado o “inventor” do ano mil?
Nascido entre os anos 900, na Borgonha, região ao norte da Itália, Raul Glaber viveu uma
vida de eremita, relatando suas viagens pela Europa Feudal. E esses relatos são primordiais
para compreender o desenrolar da passagem da Alta Idade Média para a Baixa Idade Média.
Esses relatos perpassam por cultura, economia e mentalidade.
Fator importante para compreender os critérios de olhar do seu texto é a sua religiosidade.
Nesse olhar e nas descrições advindas desse texto está evidente o que pode se chamar de
mentalidade medieval, e assim se faz pela predominância cultural sobre a sociedade feudal
exercida pelo Cristianismo. Logo no início do texto Glaber introduz que "No ano milésimo
depois da Paixão do Senhor... as chuvas das nuvens acalmaram-se obedecendo à bondade e à
misericórdia divina."
Raul Glaber nos descreve o poder e a abrangência da mentalidade medieval perto de se
chegar no ano mil. A sociedade, muito apegada aos valores da cristandade, tinha atingidas as
noções de espaço e tempo. Durante a época mencionada existia um desespero coletivo que
tocava toda cristandade, deixando-a aterrorizada, presa nos mosteiros e igrejas,
arrependendo-se de seus pecados. Havia uma preocupação da sociedade medieval com a
chegada do ano 1000 e o pretenso fim dos tempos.
As relações econômicas medievais são evidenciadas nos relatos de Glaber em relação a sua
transformação, por aqueles anos, a partir do progresso da produção agrícola. Raul nos
descreve que um período calamitoso de fome foi sucedido por tempos de alguma “fartura”.
Como motor disso se atribui um aumento de produtividade agrícola em decorrência de
melhores técnicas de cultivo. Os feudos passam a adquirir um maior número de recursos e as
relações comerciais ganham significativa movimentação.
Nos registros de Glaber se identifica o processo de aglomeração de riqueza que a primordial
instituição medieval, a Igreja, conseguiu efetuar. Pois a riqueza dos feudos era a riqueza das
igrejas. E isso possibilitou a estruturação de uma arquitetura cada vez aparatosa e
deslumbrante. Símbolo mais evidente da relação entre poder, fé, riqueza e cultura.