Você está na página 1de 6

O CÃO E A CORDA

Um cão encontra-se atado a uma corda com 15 metros de comprimento. Consegues dizer como se poderá deslocar dentro
de um raio de 50 metros?
O cão está atado à corda, mas esta não está presa à parede

O PROBLEMA DA BEBIDA
Seis pessoas bebem água. Ao todo, bebem 21 copos. Se cada uma delas bebeu um número diferente, quantos copos de
água bebeu cada uma?
A primeira pessoa bebe 1 copo; a segunda, 2; a terceira, 3; a quarta, 4; a quinta, 5; e sexta, 6. Ao todo, são 21

O PROBLEMA DA FILHA DA MARCELINA


A Marcelina é uma excelente professora de Matemática. Mas a Sara, a filha de nove anos, pôs à prova o seu talento com
um problema de enunciado simples, embora com uma solução, em princípio muito complexa. "É um exercício impossível de
resolver, querida", afirmou contundentemente a Marcelina.
Qual não foi a sua surpresa ao ver que a Sara dava com a solução sem dificuldade. O problema proposto era o seguinte:
A que palavra de seis letras se subtraem três e obtêm dez?
E tu, sabes a solução?
A palavra é "dezena", uma vez que, subtraindo-lhe as letras "e", "n" e "a", ficamos com a palavra dez

SURPRESA NOS SALDOS


No Sábado havia saldos nuns grandes armazéns. No andar da moda juvenil, um cartaz indicava uns preços peculiares:
• calções: 7 euros
• camisa: 6 euros
• saia: 4 euros
Consegues adivinhar quanto custaria um lenço?
O lenço custará 5 euros. O preço de cada peça é igual ao número de letras que compõem o seu nome

AS TRÊS AMIGAS
Três amigas saem do café onde tinham ficado de se encontrar. Duas delas beberam um refresco, dois cafés e duas águas.
Mas a que não bebeu café, também não bebeu água.
E a que não consumiu refresco, também não pediu café.
Que bebeu cada uma delas?
Duas das três amigas beberam refresco, café e água. A terceira não bebeu nada de nada

O PESCADOR E A SARDINHA
Se um pescador e meio pesca uma sardinha e meia em hora e meia, quantas sardinhas pescará em 6 horas?
Se um pescador e meio pesca uma sardinha e meia numa hora e meia, 3 pescadores pescarão 3 sardinhas e 6 pescadores 6 sardinhas
numa hora e meia. Por conseguinte, se 6 pescadores pescam 6 sardinhas numa hora e meia, pescarão 4 vezes mais em 6 horas, ou seja,
24 sardinhas

O CONFLITO DO ADVOGADO
Um advogado deve encontrar com rapidez uma resposta a uma questão especialmente delicada: pode um homem casar-se
legalmente com a irmã da sua viúva?
Não, porque o marido de uma viúva está morto!

AS FATIAS
Quantas fatias consegues cortar de um pão inteiro?
Apenas uma, porque depois o pão já não está inteiro

OS LAÇOS FAMILIARES
O meu avô tem apenas mais dez anos do que o meu pai. Isso é possível?
Claro! É o pai da minha mãe

A SURPRESA DOS SEIS COPOS


Movendo um dos seis copos, consegues fazer com que os três vazios fiquem à
esquerda e os três cheios à direita?
Esvaziar o conteúdo do copo 2 no copo 5

PEÚGAS E GAVETAS
Dentro de uma gaveta, o Chico guarda 6 peúgas vermelhas e 6 verdes. Quantas peúgas deverá ele retirar da gaveta para
poder ter, pelo menos, um par da mesma cor?
3 peúgas
1) Surpresa no restaurante
Três amigos foram comer num restaurante e no final a conta deu R$30,00. Fizeram o seguinte: cada um deu dez reais. O
garçom levou o dinheiro até o caixa e o dono do restaurante disse o seguinte:
- "Esses três são clientes antigos do restaurante, então vou devolver R$ 5,00 para eles"...
E entregou ao garçom cinco notas de R$ 1,00. O garçom, muito esperto, fez o seguinte: pegou R$ 2,00 para ele e deu R$1,00
para cada um dos amigos. No final cada um de nós pagou o seguinte:
R$ 10,00 - R$ 1,00 que foi devolvido = R$ 9,00.
Logo, se cada um de nós gastou R$ 9,00, o que nós três gastamos juntos, foi R$ 27,00. E se o garçom pegou R$ 2,00 para
ele, temos:
Nós: R$ 27,00
Garçom: R$ 2,00
TOTAL: R$ 29,00
Pergunta-se: onde foi parar o outro R$ 1,00 ???

Se o dono do restaurante deu R$ 5,00 de desconto, a conta final foi de R$ 25,00.


R$ 25,00 dividido por 3 = R$ 8,3333 para cada amigo. Como cada um deles recebeu R$ 1,00 de volta:
R$ 8, 3333 + R$ 1,00 = R$ 9, 3333.
R$ 9,3333 x 3 = R$ 28,00
R$ 28,00 + R$ 2,00 ( do garçom) = R$ 30,00.

2) Descubra onde está a região que falta na figura.

Na verdade temos uma ilusão de ótica.


Se somarmos as áreas das regiões que compõe a figura, supondo cada quadrado de lado igual a 1, teremos:
S(vermelha) = 8.3/2 = 12
S(verde claro) = 8
S(verde escuro) = 5.2/2 = 5
S(amarelo) = 7
A soma destas áreas vale 32 u.a.
Se calcularmos a área do suposto triângulo inteiro, temos S = 13.5/2 = 32,2. Logo, as duas figuras não são idênticas, portanto
não podem ser comparadas.
O que parece ser um triângulo maior, na verdade não é!

3) Charada matemática mais antiga.


A não ser por pequenas diferenças de formulação, a charada abaixo é idêntica à encontrada no papiro de Rhind, um rolo de
pergaminho egípcio contendo tabelas matemáticas e problemas, copiados pelo escriba Ahmes em torno de 1.650 a.C.
"Quando estava indo para St. Ives, encontrei um homem com sete esposas. Cada esposa possuía sete sacos e em cada saco
havia sete gatos. Cada gato tinha sete filhotes. Se contarmos os filhotes, os gatos, os sacos e as esposas quantos estavam
indo para St. Ives ? "
E você saberia responder esta charada ???

Trata-se de uma soma de termos de uma progressão geométrica:


S = [a1x(q^n - 1)]/(q - 1) = [7x(7^4 - 1)]/(7 - 1) = 2800
Se quisermos somar todos que estavam indo para St. Ives teremos ainda o homem e quem o encontrou, o que resulta em
2802 pessoas.

4) Números perfeitos.
Diz-se que um número é perfeito quando ele é igual à soma de todos os seus divisores, exceto ele próprio como, por exemplo,
1+2+4+7+14 = 28. Qual o menor número perfeito?
O menor número perfeito é o 6, pois é igual a 1+2+3.

5) Os Paradoxos de Zenão.
Existem muitas informacões sobre os paradoxos de Zenão de Eléia (c. 460 a.C.).
Lidamos em matemática com dois tipos diferentes de atividades: a primeira envolvendo contagem de elementos discretos,
separados e indivisíveis (como bolinhas de gude), e a segunda envolvendo medidas de quantidades que são contínuas e, na
imaginação, "infinitamente" divisíveis, isto é, divisíveis sem fim. Naturalmente, essas duas operações estão relacionadas, pois
utilizamos a contagem de números para a medição. Dois tipos de quantidades com as quais a matemática costuma trabalhar e
que têm produzido grande parte da maioria dos nossos modelos são o espaço e o tempo: Zenão utilizou-se de ambas.
Logicamente, o seu argumento desenvolve-se assim: ou o tempo e o espaço são infinitamente divisíveis, isto é, divisíveis sem
fim, ou existe um menor elemento indivisível de tempo (um instante) e de espaço (um ponto).
Em dois dos paradoxos, a dicotomia e Aquiles (conhecido como o mais rápido corredor da antiguidade), Zenão argumentou
que se o tempo e o espaço são divisíveis, o movimento seria impossível. Em resumo, para alcançarmos B saindo de A, é
necessário alcançar C (ponto médio entre A e B); para alcançar C é necessário alcançar D (ponto médio entre A e C); para
alcançar D, é necessário alcançar E (ponto médio entre A e D); o argumento continua assim ad infinitum, concluindo-se então
que o movimento não pode começar !
A_________E_________D___________________C_______________________________________B
No paradoxo de Aquiles e da tartaruga, o argumento é semelhante:
A______________________________B____________________C__________D_____E___
Se a tartaruga está em B e Aquiles em A, Aquiles nunca pega a tartaruga, pois no momento em que Aquiles chega no
ponto B a tartaruga estará em algum ponto C adiante, e assim por diante ad infinitum: a tartaruga estará sempre a frente.
Nos outros dois paradoxos a flecha e o estádio, Zenão adota a hipótese alternativa que o tempo e o espaço não são
infinitamente indivisíveis, isto é, existe uma menor unidade indivisível de tempo (um instante) e de espaço (um ponto). Zenão
considerava uma flecha e razoavelmente assegura que a flecha deve estar em um certo ponto num dado instante: como ela
não pode estar em dois lugares no mesmo instante, não pode se mover naquele instante; se, por outro lado, está em repouso
naquele instante, então, como o mesmo argumento se aplica para outros instantes, ela não pode se mover de jeito nenhum !
O estádio é bem mais complicado, mas o argumento usado é semelhante.

6) Descubra o erro !! (sofisma algébrico)


Vou provar que 2 é igual a três !! Partiremos da igualdade: 2-2 = 3-3
A diferença (2-2) pode ser escrita sob a forma de produto, 2(1-1). Da mesma forma (3-3) = 3(1-1).Ora, então poderemos
escrever: 2(1-1) = 3(1-1)
Cancelando-se em ambos os membros dessa igualdade o fator comum (1-1), resulta que 2 = 3
Onde está o erro ????

Ao cancelarmos (1 - 1), estamos dividindo os dois termos da igualdade por (1 - 1). Mas (1 - 1) = 0 e divisão por zero não
existe... Logo, somos induzidos ao erro.

Charadas

01) Escreva seu nome no quadrado ao lado __________________

02) Você encontrou uma caixa de fósforo com apenas um palito. Num quarto há uma vela, um lampião e uma lenha. Qual você
acenderia primeiro?

03) Você está participando de uma corrida de F1, você ultrapassa o segundo colocado. Qual posição você fica?

04) Você está dirigindo um ônibus para Salvador, em uma parada descem 25 passageiros e seguem 20. Qual o nome do
motorista?

05) Quantos animais de cada espécie Moisés colocou na arca?

06) Numa região existem 03 ilhas, 03 palmeiras em cada ilha e 03 cocos em cada palmeira. Quantos cocos têm nesta ilhas?

07) O pai de Maria tem 05 filhas. A Lalá, a Lelé, a Lili, a Loló e a.................

08) No dia 07 de setembro nós comemoramos o dia da Independência. Em Portugal existe 07 de setembro?

09) Uns meses têm 31 dias, outros têm 30 dias. Quantos meses têm 28 dias?

1) Não é quadrado, é traço, então não é preciso escrever nada.


2) É o fósforo, porque como você acenderá a vela e outros.
3) Segundo, porque não ultrapassasse o 1º.
4) O nome é o seu, porque você que está dirigindo.
5) Nenhum, Porque foi Noé que levou os animais na arca e não Moisés.
6) Nenhuma, porque palmeira não dá coco. É coqueiro.
7) Resposta é Maria (o pai de Maria)
8) Existe, pois não é a comemoração, mas o dia.
9) 12 meses, pois todos os meses têm 28 dias.
Um pelotão em Apuros
Um pelotão do exército em marcha através da selva se deparou com um rio largo, profundo e infestado de crocodilos. Na
margem distante viam-se dois índios com uma canoa. A canoa não suporta mais do que um homem com a espingarda e a
mochila respectivas, ou então só os dois índios.
Como o pelotão poderá atravessar o rio?

Solução
A solução baseia-se no fato da canoa poder suportar o peso dos dois índios, mas só ser necessário um deles para manobrá-la.
Assim, um dos índios conduz a canoa até à margem esquerda, onde se encontram os soldados. Um soldado entra na canoa
com o seu equipamento e rema até à margem direita, onde fica. Então, o segundo índio vai, na canoa, apanhar o outro índio na
margem, esquerda e regressam ambos à margem direita. Este processo se repete até que todos os soldados tenham
atravessado o rio.

Telepatia
Com pesos de 1, 2, 4, 8 e 16 quilos é possível pesar qualquer objeto cujo peso seja um número inteiro entre 1 e 31 quilos.
Faça uma tabela mostrando os pesos necessários à pesagem para cada caso de 1 a 31, usando o menor número possível de
pesos em cada pesagem. Em seguida, construa em papelão cinco quadrados de 10 cm X 10 cm e num deles anote todas as
pesagens em que foi necessário usar o peso de 1 kg. Proceda de modo análogo nos outros cartões em relação aos pesos de
2, 4, 8 e 16 quilos, respectivamente. No final você deverá ter cinco cartões, cada um com dezesseis números.
O jogo consiste em pedir a um amigo que pense em um número entre 1 e 31 e depois mostrar-lhe, um a um, os vários cartões.
Se o número em que ele pensou figurar no cartão que lhe é mostrado, deverá dizer "sim", caso contrário, dirá não. Depois de
lhe ter mostrado todos os cartões, você deverá ser capaz de lhe dizer o número em que ele tinha pensado!
Como isso é possível?
Sugestão: A solução deste problema está intimamente relacionada ao sistema de numeração de base dois.

Solução
Suponha que o seu amigo tenha pensado no número 21; este aparece em três cartões: no de 1, no de 4 e no de 16 quilos.
Tudo o que você tem a fazer é adicionar 1, 4 e 16, isto é, os números correspondentes aos cartões a que o seu amigo
respondeu "sim", e obterá 21. Para facilitar as coisas, você pode escrever 1, 2, 4, 8 ou 16 no verso dos respectivos cartões de
forma a poder vê-los sem que o seu amigo note. Pode então embaralhar os cartões, que ficarão em uma ordem qualquer, e
não precisará nem mesmo olhar para a face dos cartões à medida em que os for mostrando ao seu amigo, o que o intrigará
muito mais. Antes de experimentar com os seus amigos pratique com pessoas da sua família, até adquirir bastante prática.
Você pode tornar este jogo mais interessante possibilitando a adivinhação de números até 63. Para isso basta considerar um
peso adicional de 32 quilos. Neste caso será necessário seis cartões com 32 números cada um.
Para entender como o truque funciona, você deve perceber que cada cartão representa uma classe no sistema de numeração
binário: o de um quilo representa a classe das unidades, o de 2, a classe das dezenas, o de 4, das centenas, o de 8, a dos
milhares e o de 16 quilos a classe das dezenas de milhares. Quando o seu amigo disser os cartões nos quais está o número
que ele escolheu, está na verdade, fornecendo a decomposição do número no sistema binário. Por exemplo, neste sistema 21
se escreve como 10101 ou seja 1 dezena de milhar + 1 centena + 1 unidade. Retornando à base decimal temos 21 = 16 (1
dezena de milhar) + 4 (1 centena) + 1. Lembre-se, ainda, que no sistema de base dois só usamos dois algarismos: 0 ou 1.

O Caso da Morte do Professor


O Detetive S.Pistas tinha acabado de chegar na cena do crime. O Professor E. Careca tinha permanecido no laboratório até
mais tarde, trabalhando na sua pesquisa para a cura da calvície. Aparentemente, o Professor tinha se eletrocutado e, ao
mesmo tempo, queimado todos os fusíveis do prédio. Em depoimento prestado ao detetive, o Professor Q. Mentira, que
também precisou ir ao laboratório, naquela mesma noite, para terminar um experimento no qual estava trabalhando, declarou:
"Cheguei mais tarde para trabalhar e me dirigi ao laboratório pelo elevador privativo que vem diretamente para cá. Ao entrar no
laboratório, encontrei o Professor O. Careca morto com a cabeça dentro de algo que se parecia com um forno de micro-ondas.
Eu desejaria ajudar mais, mas isto é tudo que sei."
Então, repentinamente, o Detetive S. Pistas declarou:
"Professor Q. Mentira o Sr. está mentindo. Considere-se preso sob acusação de assassinato"
Como o Detetive S. Pistas pode concluir que o Professor Q. Mentira estava mentindo?

Solução
Pergunta-se: Se o experimento do Prof. E Careca queimou todos os fusíveis do prédio, como o Prof. Q. Mentira poderia ter
subido pelo elevador? Sendo assim concluímos que o Prof. Q. Mentira mentiu ao prestar depoimento e é o provável assassino.

O Problema das Moedas Falsas


Temos dez pilhas de moedas, sendo que uma delas é formada por moedas falsas.
Sabemos que as moedas verdadeiras pesam 2 gramas e que as moedas falsas pesam um grama a menos que as genuínas,
mas não conhecemos qual é a pilha dessas moedas.
Determine o menor número de pesagens necessárias para conhecermos qual é a pilha de moedas falsas, usando uma balança
de um só prato.

Solução
Preparação: ordenamos as pilhas por números de 1 até 10; tomamos i moedas da i-ésima pilha, para i de 1 até 10. Pesamos
todas as 1 + 2 + 3 + ... + 10 moedas, num total de 55 moedas, juntas.
Solução: se todas as moedas tivessem o mesmo peso (massa de 2g), as 55 moedas pesariam 110g. Ora, se a k-ésima pilha é
aquela que contém as moedas de 1g, haverá k destas moedas na pilha pesada, segundo a preparação, donde o peso medido
será 110 - k.
Resposta: uma pesagem.

Como é que pode?


Um homem foi à cidade com R$ 5,00 no bolso, mas retornou à noite com R$ 15,00, tendo descontado um cheque no banco.
Ele comprou um chapéu e algumas bananas no mercado. Foi, também, ao oftalmologista.
Sabendo que ele era pago por cheque todas as quintas feiras e que os bancos só abrem às terças, quartas e sábados e que o
oftalmologista fecha aos sábados e o mercado está fechado nas quartas feiras e quintas feiras, qual o dia em que ele foi à
cidade?

Solução
Ele foi à cidade na terça-feira, porque neste dia ele pôde descontar o cheque da semana anterior, ir ao oftalmologista que só
fecha aos sábados e, ainda, ir ao mercado que só fecha às quartas e quintas.

Que abacaxi!!
Dois camponeses, A e B, encarregaram um feirante de vender duas partidas de abacaxis. O camponês A entregou 30
abacaxis, que deviam ser vendidos à razão de 3 por R$ 1,00; B entregou, também, 30 abacaxis para os quais estipulou preço
um pouco mais caro, isto é, à razão de 2 por R$ 1,00. Era claro que, efetuada a venda, o camponês A devia receber R$ 10,00
e o camponês B, R$ 15,00. O total da venda seria, portanto, de R$ 25,00.
Ao chegar, porém, à feira, o encarregado sentiu-se em dúvida pois se começasse a venda pelos abacaxis mais caros perderia
a freguesia; se iniciasse o negócio pelos mais baratos, encontraria, depois, dificuldade para vender os outros. Decidiu, então,
que o melhor a fazer, neste caso, era vender as duas partidas ao mesmo tempo.
Tendo chegado a essa conclusão, o esperto feirante reuniu os 60 abacaxis e começou a vendê-los aos grupos de 5 por R$
2,00. O negócio era justificado por um raciocínio muito simples:
"Vender 3 por R$ 1,00 e depois 2 também, por 1,00, será equivalente a vender, logo, 5 por R$ 2,00."
Vendidos os 60 abacaxis, o feirante apurou R$ 24,00. Como pagar os dois camponeses se o primeiro devia receber R$ 10,00 e
o segundo R$ 15,00?
Havia uma diferença de R$ 1,00 que o homenzinho não sabia como explicar, pois tinha feito o negócio com o máximo cuidado.
Intrigadíssimo com o caso, repetia dezenas de vezes o raciocínio feito, sem descobrir a razão da diferença:
"Vender 3 por R$ 1,00 e, depois, vender 2 por R$ 1,00 é a mesma coisa que vender logo 5 por R$ 2,00 ! Então, como explicar
o raio da diferença de R$ 1,00 na quantia total apurada! "
E o feirante ameaçava a Matemática com pragas terríveis.
Você é capaz de ajudar o feirante a resolver este problema?

Solução
A solução do caso é simples e aparece, perfeitamente indicada, na figura abaixo. No retângulo superior estão indicados os
abacaxis de A e no retângulo inferior, de B. O feirante só dispunha ( como a figura mostra) de l0 grupos que podiam ser
vendidos, sem prejuízo, à razão de 5 por R$ 2,00. Vendidos esses 10 grupos restavam 10 abacaxis que pertenciam
exclusivamente ao camponês B e que portanto não podiam ser vendidos senão a R$ 0,50 cada um. Resultou daí a diferença
que o camponês verificou ao terminar o negócio, e que nunca pôde explicar!

Tudo certo como dois e dois são cinco?

A seguir "provamos", justificando cada passo, que 2 + 2 = 5.


1) 16 - 36 = 25 - 45

2) 16 - 36 + = 25 - 45 +

(Somamos aos dois membros da equação para obter dois quadrados perfeitos. )

3) ( 4 - )2 = ( 5 - )2

(Fatoramos os dois trinômios quadrados perfeitos.)

4)

(Extraímos a raiz quadrada dos dois membros da equação.)

5) 4 - =5-

(Efetuamos a operação indicada no passo 4.)


Cancelando a parcela - nos dois membros da equação anterior, obtemos

6) 4 = 5
Conclusão: como 4 = 2 + 2 temos que 2 + 2 = 5!
Você é capaz de descobrir onde está o erro desta "demonstração"?

Solução
O erro está no passo (4). Ao extrair a raiz quadrada, está sendo considerada apenas a raiz positiva de ambos os membros. Na

verdade, a igualdade verdadeira é | 4 - |=|5- |.

Além disso, como 4 - é negativo, temos que | 4 - |= - 4. O que conduz à igualdade verdadeira 1/2 = 1/2.

Lotação Esgotada
Um elevador pode levar 20 adultos ou 24 crianças.
Se 15 adultos já estão no elevador, quantas crianças podem entrar ?

Solução
Se no elevador cabem 20 adultos, 15 deles correspondem a 3/4 da lotação. Sobra portanto, 1/4 da lotação do elevador para as
crianças. Como 1/4 de 24 crianças são 6 crianças, a lotação do elevador ficará completa se entrarem mais 6 crianças no
elevador.

O Problema da Escada
Uma pessoa encontra-se no degrau do meio de uma escada. Sobe 5 degraus, desce 7, volta a subir 4 e depois mais 9 para
chegar ao último.
Quantos degraus tem a escada?

Solução
Se a pessoa está no meio da escada, e o total de degraus é x, então o degrau que fica no meio da escada é (x + 1)/ 2, pois,
para existir um degrau do meio, o total de degraus é, necessariamente, um número ímpar. Assim, temos que:
(x + 1)/2 + 5 - 7 + 4 + 9 = x
Resolvendo esta equação, obtemos que x = 23. Então, o número total de degraus da escada é 23. No início do problema a
pessoa está no degrau de número 12, exatamente na metade da escada, tendo 11 degraus para cima e 11 degraus para baixo.

O Troco Sumiu?
Três homens pararam uma noite em um hotel e pediram três quartos separados. O preço era de R$ 10,00 por cada quarto e,
assim sendo, os homens pagaram ao todo R$ 30,00. No dia seguinte, o gerente verificou que os quartos podiam ser alugados
por R$ 25,00. Mandou então que o "boy" fizesse a devolução de R$ 5,00. Como o "boy" não era honesto, deu R$ 1,00 para
cada um dos homens ficando com R$ 2,00. Após terem recebidos R$ 1,00 de volta, cada um dos homens tinha pago R$ 9,00
por quarto, perfazendo um total de R$ 27,00. Somando-se os R$ 2,00 do "boy" teremos R$ 29,00.
O que aconteceu ao R$ 1,00 que está faltando?

Solução
O gerente recebeu R$ 30,00. Ao verificar que os quartos poderiam ser alugados por R$ 25,00, deu o troco de R$ 5,00 ao
mensageiro para que este o devolvesse aos homens. Logo, o gerente ficou com R$ 25,00. O mensageiro devolveu R$ 3,00
aos homens, ficando com R$ 2,00. Logo, o mensageiro deu a entender que os hóspedes pagaram R$ 27,00, ao invés dos R$
25,00, porque ficou com R$ 2,00 que eram deles. Assim, R$ 25,00 que o gerente recebeu mais os R$ 3,00 que o mensageiro
devolveu, mais os R$ 2,00 que embolsou resultam nos R$ 30,00 iniciais. A aparente falta de R$ 1,00 foi causada pelo
desconhecimento pelos hóspedes do roubo do troco pelo mensageiro, o que os induziu a pensar que teriam pago pela
hospedagem R$ 27,00 ao invés de R$ 25,00, preço realmente pago.

Uma questão de equlíbrio


Uma caixa contém 27 novas bolas vermelhas de sinuca, aparentemente iguais. Contudo, sabe-se que uma delas é defeituosa,
pesando mais do que as outras.
Supondo que dispomos de uma balança de dois pratos, descreva como é possível identificar a bola defeituosa com apenas
três pesagens.

Solução
Tira-se uma bola ao acaso. Separe-se as 26 bolas restantes em dois grupos de 13 e coloca-se estes dois grupos, um em cada
prato da balança. Existem duas possibilidades: os pratos ficam em equilíbrio e, nesse caso, a primeira bola retirada é a
defeituosa ou os pratos ficam desequilibrados e, nesse caso, para descobrir a bola defeituosa retira-se uma bola de cada prato
da balança, repetindo-se este procedimento até que a balança fique em equilíbrio. Ao ocorrer o equilíbrio a bola defeituosa é
uma das duas retiradas naquele passo. Coloca-se então na balança estas duas bolas uma em cada prato descobrindo-se,
assim, a bola defeituosa. Dessa maneira, descobre-se a bola defeituosa com apenas duas pesagens!