Você está na página 1de 5

14/11/2019 Mobilidade urbana, DPVAT e SUS: tudo a ver - LabCidade

 

By labcidade / 14 de novembro de 2019

Mobilidade urbana, DPVAT e SUS: tudo a ver

Nivaldo Lima/Futura Press/Folhapress

Por Paula Freire Santoro, Jessica Helena de Lima e Marina Kohler Harkot*

Quase ao mesmo tempo que o Presidente compra uma moto e sai pilotando pela Esplanada dos Ministérios, no último dia 11, ele mesmo extinguiu, através de
Medida Provisória, o pagamento do DPVAT (Seguro obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre – ou a danos causados
por sua carga, a pessoas transportadas ou não) – o que afeta seriamente as cidades brasileiras.

O seguro DPVAT serve para garantir que as pessoas vítimas de acidentes1 de trânsito sejam ressarcidas de gastos médicos complementares (até R$ 2.700,00),
invalidez permanente (até R$ 13.500,00, dependendo da ‘gravidade’) e morte (R$ 13.500,00). Ele é pago uma única vez ao ano pelos proprietários de carros, que
contribuem com R$ 16,21, e de motos, que pagam a quantia de R$ 84,58 – valores que não são muito elevados. É importante destacar que trata-se de um valor
pago uma única vez ao acidentado, não uma pensão.

Entretanto, menos da metade (40%) do valor total (R$ 4,6 bilhões) arrecadado pelo seguro DPVAT é destinado ao pagamento dos prêmios. Metade é repassado à
União para cobrir despesas com o SUS e cerca de 5% é verba destinada a programas de educação no trânsito. O restante é o valor que a seguradora usa para
administrar o sistema – no caso, a responsável é a Seguradora Líder. O argumento utilizado para justificar a adoção da MP e a consequente extinção do DPVAT
foi o de que existiriam fraudes e falhas no sistema.

O país ocupa um lugar alto no ranking mundial de acidentes de trânsito, com 5 mortes a cada uma hora, ou 37 mil mortes apenas em 2016. Boa parte desses
acidentes são tratados no Sistema Único de Saúde, o SUS, que ficará, a partir do ano que vem, sem os 2,1 bilhões que recebeu em 2018. Num país onde 75%
dos pacientes de trauma dos hospitais são pessoas que sofreram acidentes no trânsito, o SUS depende também do valor do seguro para manter-se operante. A
MP parece reforçar o desejo da privatização do sistema de saúde mobilizado pelos acidentes, afetando principalmente os usuários mais vulneráveis, os mais
pobres, homens e jovens (de 18 a 34 anos) e, em especial, os motociclistas, que são o grupo que mais se acidenta hoje. Em pesquisa de doutorado ainda não
finalizada desenvolvida pela professora Jessica Lima, da Universidade Federal de Alagoas, com motociclistas que solicitaram o DPVAT, constatou-se que existem
diferenças entre grupos com características diferentes, especificamente que a probabilidade de envolvimento em acidentes fatais encontrada é:

mais alta para homens do que para mulheres;


para pessoas com escolaridade abaixo do ensino médio completo do que para pessoas que concluíram o segundo grau;
para motos acima de 50cc do que para ‘cinquentinhas’;
para o usuário sem capacete do que para o que utiliza o equipamento;
para acidentes nos finais de semana do que para acidentes durante a semana;
e para o condutor não habilitado do que para o com habilitação.

www.labcidade.fau.usp.br/mobilidade-urbana-dpvat-e-sus-tudo-a-ver/ 1/5
14/11/2019 Mobilidade urbana, DPVAT e SUS: tudo a ver - LabCidade

 

Caroline Mendes / UFAL

Esses resultados reforçam que os acidentes são distribuídos de maneira desigual entre os grupos sociais e podem ser socialmente construídos.

Além dos motociclistas, outros usuários vulneráveis como pedestres e ciclistas vítimas de acidentes de trânsito, que têm acionado frequentemente este seguro,
também saem perdendo com a medida. E, embora menos comentado, perdem as famílias dos afetados, cuja vida ficará completamente alterada
financeiramente e emocionalmente. Embora não seja muito, no caso das famílias dos que ficam com invalidez permanente, o seguro ajuda a minimizar a perda
financeira advinda da perda da contribuição financeira do trabalho de um adulto em um lar.

E o que isso tem a ver com a compra de motocicletas? Como dito anteriormente, grande parte dos acidentes envolve motocicletas, cujo uso tem crescido muito
nas cidades brasileiras, fruto de uma política pública federal que incentivou a fabricação, a compra e o uso da motocicleta no país, aumentando a frota de 1,5
milhão em 1990 para 17 milhões no final de 2012, atingindo 26,4 milhões de motos em 2018, segundo os dados da Confederação Nacional dos Municípios para
2018. E também de políticas que não incentivaram investimentos no transporte público coletivo. Ou seja: a forma como temos construído nossa política de
mobilidade é determinante para a diminuição dos acidentes ou mesmo a sua mitigação, quando acontecem. E não podemos ficar cegos em relação ao incentivo
crescente a este modelo e à consequente demora na implantação, expansão e melhora de sistemas de transporte público, o que acarreta a diminuição dos
usuários e elevação dos custos – um ciclo vicioso de desincentivo ao uso do transporte coletivo.

Segundo pesquisa da Confederação Nacional dos Municípios de 2018, o número de motos é maior que o de carros em 45% das cidades brasileiras,
principalmente em municípios de pequeno e médio porte do Norte e Nordeste. Muitas vezes, essas cidades não têm sistema de transporte público e a única
alternativa de deslocamento disponível, para distâncias que não comportam o caminhar ou a bicicleta, é a moto própria ou o serviço de mototáxi. Nessas regiões
a moto serve como uma forma de aumentar as possibilidades de deslocamento e de emprego para uma população que carece de muitas coisas. Porém, é
também nessas regiões onde vem crescendo significativamente o número de pessoas traumatizadas devido a acidentes de transporte.

Aumento percentual de motociclistas traumatizados em acidente de transporte, por região, Brasil, 1996-2017.

Nas grandes cidades e metrópoles, a moto é utilizada como um veículo de enfrentamento do congestionamento, permitindo uma locomoção em tempo menor e
com custo reduzido em relação ao consumo de combustível de um carro. E também por isso é utilizada nas diferentes formas de precarização ou uberização do
trabalho que temos visto se instalar nas cidades.

www.labcidade.fau.usp.br/mobilidade-urbana-dpvat-e-sus-tudo-a-ver/ 2/5
14/11/2019 Mobilidade urbana, DPVAT e SUS: tudo a ver - LabCidade

O aumento da violência no trânsito, evidenciada pelas altas taxas de acidentes fatais ou que deixam sequelas, transformaram  a mobilidade urbana em um
 problema de saúde pública. É a violência no trânsito que move os recursos do DPVAT. Os acidentes de trânsito geraram mais de 4,5 milhões de indenizações 
entre 2008 e 2017. Segundo dados da Seguradora Líder, foram 504 mil indenizações pagas por morte, 3.137 milhões por invalidez permanente e 881,6 mil por
despesas médicas – e estes números aumentam anualmente. As motos foram responsáveis por 75% das indenizações pagas, ao passo que são apenas 27% da
frota nacional de veículos.

Indenizações pagas por tipo de veículo

Fonte: Seguradora Líder, 2018.

Mas o que fazer frente a este cenário? Em primeiro lugar, o Congresso deve barrar, imediatamente, a Medida Provisória, uma vez que esta terá impacto direto não
apenas sobre a vida das vítimas e suas famílias, como também sobre o já minguado orçamento do SUS. Além disso, os valores pagos anualmente e de forma
individual pelos donos de veículos ao DPVAT são muito pequenos em relação ao seu impacto no cenário geral: um motorista paga por ano pelo seguro o
equivalente ao que gasta em 4 litros de gasolina para o seu carro – e com esse valor ele tem a segurança de que, caso se envolva em um acidente, ele terá uma
forma de minimizar a sua perda. Os motociclistas pagam um pouco mais, mas o seu risco de envolvimento e vitimização também é muito maior. Sem o DPVAT
estamos todos igualmente desamparados.

Além disso, certamente o foco de atuação do Governo Federal não deveria ser a de, via MP, desamparar os afetados mas, sim, investir em outros modelos de
mobilidade urbana que promovam uma maior segurança e equidade no trânsito, especialmente através do investimento federal em incentivos a implantação e
expansão das redes de transporte público coletivo de qualidade nas cidades como uma real alternativa para a população. Alguns trabalhos da ANTP mostram
que, se antes as cidades que implementavam seus sistemas de transporte público tinham a partir de cerca de 30 mil habitantes, agora, parece que elas
precisam estar mais populosas, com cerca de 60 mil habitantes ou mais, para começarem a investir nisso.

Frente aos impactos que a violência de trânsito tem no Brasil e, especialmente sobre o sistema público de saúde, é de se espantar que a única medida tomada
nesse campo pelo Governo Federal em 2019 tenha sido, justamente, a de extinguir com uma fonte de recursos que não apenas não é onerosa aos cofres
públicos, como também ajuda a financiar o SUS em um momento em que o discurso predominante do Executivo é o de austeridade e corte de gastos e
investimentos públicos devido à “recessão econômica”. Os brasileiros precisam de políticas públicas que tragam mais segurança e justiça social para sistema
de trânsito do país – e não de medidas que deixarão desamparadas as vítimas dessa carnificina que se tornou o trânsito brasileiro.

**
Fizemos uma edição expressa do “Pela Cidade”, o podcast do LabCidade, com Marina Harkot e Jéssica de Lima aprofundando mais questões ligadas à extinção
do DPVAT. Escute:

Escute esse podcast


na íntegra no Spotify.Pela Cidade #7: DPVAT,
mobilidade e SUS
ESCUTE JÁ
Pela Cidade

Seguindo

00:30

Notas:
www.labcidade.fau.usp.br/mobilidade-urbana-dpvat-e-sus-tudo-a-ver/ 3/5
14/11/2019 Mobilidade urbana, DPVAT e SUS: tudo a ver - LabCidade

1 Ao longo de todo esse texto usaremos a palavra “acidente” para nos referirmos à colisões, capotamentos, atropelamentos e outras ocorrências resultantes da
 violência de trânsito. No entanto, já existe há algum tempo um debate contra o uso dessa palavra, pautado especialmente por organizações da sociedade civil a 
partir do Código de Trânsito Brasileiro e dos artigos que definem a prioridade dos usuários da via a partir de seu tamanho e fragilidade, colocando pedestres,
ciclistas e motociclistas, nessa ordem, no topo da pirâmide de usuários mais frágeis. O Dicionário Houaiss define “acidente” como sendo um “acontecimento
casual, inesperado, fortuito”. Assim, usar a palavra “acidente” banaliza os crimes de trânsito resultantes da irresponsabilidade dos motoristas e pode despertar
dúvidas sobre a causa e responsabilidade da ocorrência, ignorando que as fatalidades no trânsito são fenômenos que podem ser prevenidos.

Referências:

Lima, J., Santos, A., Maia, M. L. Modelo logit com Fatores sociais para gravidade de acidentes com motocicletas. Anais do Congresso Nacional de Ensino e
Pesquisa em Transporte, Balneário Camboriú. 2019.

Lima, Jessica Helena de. “Mobilidade e equidade: um olhar da justiça distributiva sobre o uso da motocicleta em Alagoas”. Tese de doutorado. Recife:
Universidade Federal de Pernambuco. 2020 (no prelo).

* Paula Freire Santoro é urbanista, professora da FAUUSP e coordenadora do LabCidade, onde desenvolve dentre outras, pesquisas sobre
mobilidade, gênero e interseccionalidades.
Jessica Helena de Lima é professora da Universidade Federal de Alagoas. É formada em engenheira civil e de produção, e doutoranda em
transportes pela Universidade Federal de Pernambuco. Trabalha os dados do DPVAT em sua tese “Mobilidade e equidade: um olhar da
justiça distributiva sobre o uso da motocicleta em Alagoas”. Publica reflexões sobre transportes e mobilidade urbana em sua conta de
divulgação científica no Instagram @atransportista.
Marina Kohler Harkot é cientista social pela FFLCH, mestra e doutoranda em Planejamento Urbano e Regional na FAU – USP e pesquisadora
do LabCidade.
 

categories: #opinião, #podcast, #posts


tags:#acidentes, #alagoas, #bolsonaro, #dpvat, #mobilidade, #mobilidade urbana, #podcast, #sus, #trânsito

RELATED ARTICLES

Participe da construção do mapa de Mais dúvidas que certezas na


remoções ou ameaças de remoções proposta de concessão dos parques OEA no Brasil: violação de direitos
em São Paulo e no ABC de São Paulo pode impactar agenda econômica

São Miguel do Gostoso, RN: para Proposta de novas ZEIS para a Parque, PPP habitacional e…
além de um cenário paradisíaco, Operação Urbana Consorciada Água milhares de pessoas na rua na Zona
conflitos pela terra Branca Norte de São Paulo

Be the first to write a comment.

Deixe uma resposta


www.labcidade.fau.usp.br/mobilidade-urbana-dpvat-e-sus-tudo-a-ver/ 4/5
14/11/2019 Mobilidade urbana, DPVAT e SUS: tudo a ver - LabCidade

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.


 

LINKS RÁPIDOS

Blog da Raquel Rolnik

Direito à moradia

SOBRE O LABCIDADE DENÚNCIA DE REMOÇÕES

O LabCidade – Laboratório Espaço Público e Direito à Cidade – é um O OBSERVATÓRIO DE REMOÇÕES AGORA TEM WHATSAPP!
laboratório da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São
Paulo, coordenado pelas professoras Paula Santoro e Raquel Rolnik, e tem Para reportar alguma informação basta apenas enviar uma mensagem para o
desenvolvido projetos de pesquisa ligados a planejamento urbano e estudos número: (11) 9.9565-0939
da paisagem.
Se você souber de alguma comunidade ameaçada de remoção, DENUNCIE PRA
o conteúdo deste blog pode ser reproduzido sob os termos a Licença Creative GENTE!
Commons - Atribuição 4.0 Internacional.

Saiba mais

ACESSO RÁPIDO

agenda agenda biblioteca destaque livros mapas

mobgênero multimídia observasp observasp

observatório de remoções observatório de remoções opinião podcast

posts posts raquel rolnik uncategorized vídeos

SOBRE / OBSERVASP / OBSERVATÓRIO DE REMOÇÕES / BIBLIOTECA / CONTATO / NEWSLETTER / [ES]


O conteúdo pode ser usado de acordo com a atribuição Creative Commons 4.0

www.labcidade.fau.usp.br/mobilidade-urbana-dpvat-e-sus-tudo-a-ver/ 5/5