Você está na página 1de 3

Seminário Presbiteriano do Norte

Disciplina: Exegese do NT2


Professor: Stefano Alves dos Santos
Data:16/09/21
Aluno: Antonio Anizio de Moura Filho

Primeira Avaliação de Exegese do Novo Testamento 2

1) Escreva, com observações exegéticas, sobre os textos abaixo:


a) Atos 1,1-11
Nestes primeiros capítulos, Lucas, registra o que podemos definir como um
resumo de toda a sua narrativa, que é o testemunho dos apóstolos através do poder do
Espirito Santo, onde, após receberem a promessa do Consolador, estes são capacitados
a testemunhar do Cristo ressurreto em toda “Jerusalém, Judéia, Samaria e até os confins
da terra.”
Ele inicia o capítulo 1, relembrando a sua escrita do Evangelho, ele utiliza o termo
πρωτον λογον pra falar do seu primeiro escrito com os relatos do ministério terreno
de Jesus, sobre o que Ele fez e ensinou, até o dia em que foi levado ao céus.
O que nós observamos é que depois de ressurreto, Cristo passa um tempo
considerável entre os discípulos, ainda ministrando sobre eles, pois, mesmo com a
mente já um pouco esclarecida acerca da mensagem sobre o Messias contida no Antigo
Testamento, ainda era necessário que eles aprendessem outras lições.

Ele conclui o 2º capitulo com a expressão: ανεληφθη, um verbo Aoristo,


passivo, indicativo, na 3º pessoa do singular, que indica que Cristo recebeu a ação de
“ser levado”, embora também indique que a ação realmente aconteceu e não algo que
poderia acontecer.
O verso 3 reafirma o fato de que Ele ressuscitou e por 40 dias esteve no meio
deles falando acerca das coisas referente ao Reino de Deus. Isso foi algo extremamente
relevante para a validação externa das suas obras e natureza divinas, principalmente
para fortalecer o testemunho dos apóstolos, tendo em vista que Sua aparição não se
deu apenas para os discípulos. Embora aja a descrição do termo 40 dias, há um
acréscimo de 10 dias devido ao fato dos discípulos terem passado este tempo em
Jerusalém aguardando a promessa do derramamento do Espírito Santo no dia de
Pentecostes.
O 4 verso inicia com a expressão συναλιζομενος, que literalmente quer
dizer “comendo juntos, reuniram-se, um verbo presente médio-passivo, onde mesmo
sendo passivo, a ação é realizada por Ele no tempo presente, trazendo novamente a
ideia de que aquele era o Jesus ressurreto e não outra pessoa, ou uma mera lembrança
dos discípulos, Cristo estava realmente entre eles fazendo algo que costumeiramente
fazia: tendo comunhão com eles a mesa, aproveitando para orienta-los a não saírem de
Jerusalém até o cumprimento da promessa.
No verso 5, observando que o Pentecostes estava para chegar, Ele relembra a
promessa que havia sido feita e dita inclusive por João, que este batizara com água, mas
estava chegando o momento que de fato eles seriam batizados com o Espirito Santo.

Nos versos 6 e 7, o dialogo gira em torno da expectativa dos discípulos de


verem a Israel física sendo restaurada, como eles achavam que seria, com base nas
promessas do AT. Porém, Jesus os repreende dizendo que não era importante eles
saberem o χρονους e o καιρους, ou seja, o tempo cronológico ou a
épocas/estações que isso iria acontecer, por que isso só pertence a Deus. Os homens
não precisam se preocupar isso, estas informações e acontecimentos, são de
conhecimento e autoridade exclusiva de Deus.
O verso 8 é chamado de verso chave de todo livro, pois descreve como eles
seriam capacitados para atuarem, e pra isso Lucas usa a expressão δυναμιν, que
literalmente quer dizer “Capacidade de agir”, e esta capacitação aconteceria quando
eles recebessem o Espirito Santo, onde Este demonstraria o Controle de Deus sobre a
vida deles, controle tamanho que eles seriam capazes de testemunhar a cerca de Cristo
em todos os lugares por eles passassem.
Após estas palavras, do verso 9 ao 11, é descrito o momento em que Ele foi
levado ao céus, επηρθη, verbo aoristo que quer dizer literalmente “ser levantado”,
indicando que o fato realmente aconteceu, e que Cristo, aos olhos deles, foi levado.
Embora atônitos pela cena, eles são exortados pelos homens de branco, a não
ficarem tristes ou abatidos, pois da mesma forma que Ele subiu, Ele retornará para
buscar a sua igreja, de forma visível, pessoal e gloriosa.

b) Atos 2,1-18
O capitulo 2 inicia com a expressão: “ao cumprir-se o Pentecostes”, ou seja, o
quinquagésimo dia depois do sábado de pascoa, estavam “todos reunidos”,
provavelmente os apóstolos, um grande número de discípulos, algumas mulheres,
Maria mãe de Jesus e seus irmãos de sangue, esperando em oração para o cumprimento
da promessa. Observamos que embora eles estivessem em oração, este acontecimento
era algo exclusivo da vontade e da ação do próprio Deus, não tem nada que eles
pudessem fazer para que a promessa se cumprisse, apenas aguardar em oração.
Os 2 a 4 descrevem o como aconteceu, o momento que aconteceu, a forma que
aconteceu e o resultado do que aconteceu. O vento que era um símbolo familiar do
espirito, como descrito em Ezequiel 37, mas não foi exatamente um vento, mas um som
“como” de um vento. E a sequência é a descrição de uma série de acontecimentos
sobrenaturais, resultantes da descida do Espírito Santo, Stott chega a mencionar como:
um som, uma visão e uma voz estranha, já que o som “era como” de um vento
impetuoso que encheu todo lugar, em seguida língua “como de fogo” pousando sobre
eles, e em terceiro eles passaram a falar em outras línguas conforme o Espírito Santo os
concedia. O verbo utilizado no verso 4 é επλησθησαν, Aoristo passivo, que indica
que todos eles receberam a ação, não houve algo da parte deles para que aquilo
acontecesse, ou seja, eles foram literalmente “preenchidos”.
Nos versos 5 a 11, temos inicialmente a expressão: “judeus…de todas as nações
abaixo do céu.” Remete ao fato de que as línguas maternas eram referentes as nações
que eles nasceram, porém, eles também haviam sido instruídos por seus pais no idioma
da Judeia, por isso eles puderam entender os idiomas falados pelos apóstolos e atestar
a veracidade do milagre. E então o verso 6 diz que eles ouviam falar na sua própria
língua. Embora alguns digam que o milagre esteve apenas nos ouvidos dos que ouviram
e não nos apóstolos que falavam, isso não pode ser sustentado principalmente pelo fato
de que em seguida eles são acusados de estarem bêbados. Nos versos seguintes até o
11 é nos descrito todos os representantes das localidades que estavam ali, e todos estão
atemorizados por ouvirem no seu idioma materno, com um total de 15 nações.
Os versos 12 e 13 concluem com uma pergunta que todas estas nações estavam
se fazendo: o que é isto que está acontecendo? O que isto significa? Demonstrando que
todos estavam maravilhados com o que estava acontecendo, inclusive aqueles que
zombavam.
Nos versos 14 ao 18 nós o discurso de Pedro, repreendendo e chamando a
atenção de todos que estavam naquele local, primeiro para o fato de todos eles não
estavam bêbados, como havia sido mencionado por alguns, principalmente por ainda
era muito cedo. Em seguida ele faz menção a promessa feita pelo profeta Joel no
capitulo 2.
Observação:
Material de apoio: Novo Testamento Grego; dicionário grego e uma Bíblia em
português que não tenha notas (comentários).