Você está na página 1de 59

História do Pensamento Cristão

Pietismo – Origem, desenvolvimento e características

Professor: Rev. Fúlvio Leite


Pietismo

● https://www.youtube.com/watch?
v=W724sSVzxKc

Pietismo

● Contexto histórico
● Reforma Luterana (1517).
● Dieta de Worms (1521).
● Dieta de SPIRES/SPIERS Diät
● (1526).
Pietismo

● A doutrina Lutera foi oficialmente


reconhecida com a Paz de Augsburg,
em 1555.
● No centro da doutrina luterana são:
● O primado da Escritura e do Magistério
da Igreja sobre a tradição,
Pietismo

● A confissão de fé de Augsburgo, 1530


(Felipe Melanchthon).
● É um documento central na reforma de
Lutero.
● Fórmula da concórdia foi publicado em
1580.
Surgimento do Pietismo

● No A Fórmula de Concórdia é um
documento confessional luterano que
surgiu na chamada Reforma Tardia, por
iniciativa de alguns teólogos de renome,
dentro do círculo de Wittenberg, que
buscavam produzir um material que, de
forma resumida, tivesse o poder de reunir
todas as marcas da teologia saudável
iniciada por Lutero.
Surgimento do Pietismo

● Por mais que este escrito tenha surgido


quase quarenta anos depois da morte
do reformador, ele precisou novamente
versar sobre uma série de problemas
que o próprio Lutero havia combatido.
Surgimento do Pietismo

● A teologia que foi definida como


saudável em meados do século XVI
estava mais uma vez sentido os ataques
dos inimigos e corria o risco de cair em
antigos erros, agora com uma nova
roupagem.
Surgimento do Pietismo

● Um dos assuntos teológicos mais


impactados pela teologia de Martinho
Lutero, é, sem dúvida, a chamada
vivência da fé, ou, como ele intitulava,
“justiça ativa”.
Surgimento do Pietismo

● A justiça ativa pode ser explicada como


a resposta evangélica à justificação, ou
quais são os efeitos práticos da atuação
de Deus que podem ser observados na
vida cristã.
Surgimento do Pietismo

● No século XVII.
● Combater a frieza ortodoxa do
movimento luterano (crítica feita pelo
Pietismo).
Surgimento do Pietismo

❖Ênfase teológica luterana levou-os a


uma ortodoxia fria, pois na medida em
que zelavam por sua doutrina,
ignoravam os aspectos subjetivos do
cristianismo.
Surgimento do Pietismo

● O Pietismo surge com a proposta, de:


● Enfatizar o estudo das Escrituras,
aliando-o à oração e à prática da
verdade cristã na vida diária.
Origem do Pietismo

● O Muitos historiadores coincidem em


assinalar a Johann Arndt (como o
precursor do pietismo).
● Nasceu em 1555 e morreu 1621. [morre
aos 65 anos].
Origem do Pietismo

● Em 1610 publicou um livro que seria


considerado ‘a Bíblia’ do movimento,
chamado «O cristianismo verdadeiro».
Origem do Pietismo

● Nele enfatizava a necessidade de que


todo cristão passe pela experiência do
novo nascimento.
● A vida cristã devia ser vivida, de
acordo com ele, em uma união viva e
vital com Cristo.
Origem do Pietismo

● Argumentava, além disso, que a pureza


doutrinária seria mantida melhor por
uma vida santa que pelas disputas
teológicas.
Origem do Pietismo

● Arndt não fez, no sentido estrito, parte


do movimento pietista, mas contribuiu
profundamente para modelar o seu
espírito e vocação característicos.
Origem do Pietismo

● O seu livro circulou amplamente por


toda a Alemanha e alcançou uma fama
superada apenas pela própria Bíblia.
Origem do Pietismo

● 14 anos depois de Arndt, surgi Philipp


Jakob Spener, 1635-1705. [morre aos 70
anos]
● É de fato considerado o pai do
Pietismo.
Origem do Pietismo

● Este foi um ministro luterano.


● Estudou teologia em Strasbourg, onde
os professores da época (especialmente
Sebastian Schmidt) tinham inclinação
para o "Cristianismo prático" ao invés
da disputa teológica.
Origem do Pietismo

● Spener estava profundamente


preocupado com a condição espiritual
em que se achava a igreja de seus dias.
● Em 1670, sendo pastor em Frankfurt,
começou um programa de reforma que
teriam vastas consequências.
NOTA do Pietismo

● Educado por uma madrinha devota


que se utilizava de livros de devoção
como Wahres Christentum de Johann
Arndt.
O Desenvolvimento do
Pietismo

● A pedido de alguns irmãos, Spener


estabeleceu em sua casa, aos domingos
e quartas-feiras um grupo de crentes
que compartilhavam as suas ideais,
com o objetivo de orar, discutir os
serm õ es do domingo, e ajudar-se
mutuamente a aprofundar a sua vida
espiritual.
O Desenvolvimento do
Pietismo

● Estes círculos de crentes se estenderam


por muitas congregações luteranas e
foram conhecidos como «collegia
pietatis» (grupos piedosos), de onde
proveio o nome «pietismo».
O Desenvolvimento do
Pietismo

● Spener e os pietistas estavam


decididamente convencidos de que a
doutrina luterana do sacerdócio de
todos os crentes devia ser levada em
prática de maneira efetiva.
As ideais pietistas de Spener

● As ideais pietistas de Spener foram


expostas em seu livro «Pia
Desideria» (desejos piedosos).
● O tratado fundamental do movimento.
Nele, Spener expõe os males da igreja
alemã e os passos necessários para a
sua restauração.
As ideais pietistas de Spener

● Entre esses males encontra:


● A intromissão do governo nos assuntos da
igreja (pois Lutero a tinha colocado sob o
controle dos príncipes),
● A conduta pouco cristã de muitos clérigos,
as inúteis disputa teológicas,
● E a embriaguez, ambição e imoralidade
reinou entre os laicos.
As ideais pietistas de Spener

● Reforma na igreja: desejo de reformar a


igreja, combatendo a sua letargia espiritual,
bem como as suas práticas consideradas
mundanas.
● Experiência religiosa: a experiência religiosa
assume um caráter preponderante na vida
do crente.
As ideais pietistas de Spener

● O pietismo, com a sua ênfase na


experiência, atribuindo um caráter
mais subjetivo à religião, estava de
certa forma melhor harmonizado com o
espírito moderno, que priorizava a
independência intelectual e espiritual,
desejando o rompimento com qualquer
tipo de tradição.
As ideais pietistas de Spener

● Com o passar do tempo, os collegia


pietatis ganharam para os seus
participantes o status de igrejas dentro
da Igreja (ecclesiolae in ecclesia),
tornando-se exclusivistas e cismáticos
e fugindo ao propósito de sua criação.
Pontos Enfatizados 

Pietismo

● Analisando a Pia Desideria de Spener — obra


que marca “o nascimento do pietismo”20 —
podemos destacar quatro caracter í sticas
principais do movimento, a saber:


Pontos Enfatizados 

Pietismo

● 1. Experi ê ncia religiosa: a experi ê ncia


religiosa assume um caráter preponderante
na vida do crente.

● 2. Biblicismo: seus padrões doutrinários


emanam da Bíblia, ainda que o Catecismo
(Catecismo Menor de Lutero, 1529) deva ser
ensinado às crianças e aos adultos.
Pontos Enfatizados 

Pietismo

● 3. Perfeccionismo: preocupa ç ã o com o


desenvolvimento espiritual, bem como com a
proclamação do Evangelho e com a prática
social de socorro aos necessitados.
● 4. Reforma na igreja: desejo de reformar a
igreja, combatendo a sua letargia espiritual,
bem como as suas práticas consideradas
mundanas.
Pontos Enfatizados 

Pietismo

● S p e n e r re v e l a e m s u a s o b r a s e s t a r
preocupado com a piedade prática dos
crist ã os, resgatando o sentido de uma
experiência viva com Deus. Desse princípio
fundamental, parecem decorrer outros
pontos:
Pietismo

● Pontos Enfatizados
● a) Sacerdócio universal dos crentes: todos os
crentes devem participar dos servi ç os
religiosos, ensinando e ajudando uns aos
outros, sendo assíduos nos estudos bíblicos,
etc.
Pietismo

● b) Cultivo da vida espiritual: leitura


sistemática da Bíblia; oração e abstinência;
combate ao jogo, bebedeira, bailes e teatro,
enfatizando a moderação nas vestes, na
bebida e nos alimentos, bem como um
comportamento cristão nos negócios, tendo o
amor como parâmetro visível da piedade
cristã.
Pietismo

● c) Rigor na disciplina da igreja: santidade de


vida: “Um comportamento santo contribui
em muito para a conversão das pessoas,
conforme o ensinamento de 1 Pe 3.12”.
Pietismo

● d) Teologia com ênfase na vida prática, em


detrimento da especulação.
Pietismo

● f) A experiência é o fundamento de toda


certeza; por isso, apenas um crist ã o
regenerado pode ser um verdadeiro teólogo e
possuir um conhecimento real da verdade
revelada. Entretanto, Deus comunica a sua
Palavra mesmo através dos ímpios.
Características do Movimento Pietista

● Uma de suas caracter í sticas mais


evidentes a reação contra um cristianismo
que sob muitos aspectos se tornara vazio,
tendo uma prática dissociada da genuína
doutrina bíblica.
Pietismo

● A fé passou a estar amparada não na


Palavra, mas sim em uma experiência
mística individual.
Pietismo

● Dessa forma, ingressamos num


subjetivismo religioso — que por vezes se
degenerava numa preocupação exagerada
com a situação da alma individual.
Pietismo

● Dentro dessa nova visão epistemológica, o


critério último de avaliação da fé deixou de
ser a Palavra de Deus, passando a
experiência individual a ter a prioridade,
decorrendo daí um emocionalismo
exacerbado.
Pietismo

● O Pietismo influenciou o surgimento de


movimentos religiosos independentes de
inspira ç ã o protestante tais como o
metodismo:
● O Movimento de Santidade,
pentecostalismo, o neopentecostalíssimo e
grupos carismáticos.
Conclusão

● O objetivo do Piestismo:
● Completar a Reforma ou suprir os elementos na obra
de lutero.
● A reforma foi doutrinária e precisa ser completada por
uma reforma igualmente necesséria na vida cristã
pessoal.
● Ao contrário da ênfase nas DOUTRINAS (ortodoxia)
o s p i e t i t a s v a l o r i z a v a m o s S E N T I M E N TO S
CORRETOS (ortopatia) e o VIVER correto (ortopraxia).
Conclusão

● O pietismo, surgido nos séculos 17 e 18, foi o


movimento de renovação que intentou
completar a Reforma protestante iniciada por
Martinho Lutero e tinha entre seus principais
pensadores e líderes, clérigos luteranos.
Entendiam que a reforma doutrinária
iniciada por Lutero precisava ser seguida de
uma nova reforma de vida.
Conclusão

● Não se transformaram em uma nova denominação


protestante.
● Não introduziram doutrinas novas, nem alteraram
as crenças do luteranismo alemão.
● O exemplo que nos vem deles se refere ao
entendimento que, muito mais do que focalizar a
natureza objetiva da salvação, ou seja, o que Deus
faz pelas pessoas, concentraram-se no aspecto
subjetivo, ou seja, o que Deus realiza dentro delas.
Conclusão

● Focaram o cristianismo interior e experimental. Para


eles, a verdadeira piedade cristã, a devocionalidade,
o discipulado e a santificação, começam com uma
experiência distinta de conversão.
Conclusão

● O puritanismo começou como um


movimento de oposição ao anglicanismo, a
Igreja da Inglaterra, no século 16. Entendiam
que a Reforma Protestante na igreja inglesa
não havia ido longe o suficiente, porque
continuaram conservando muitos aspectos e
práticas da Igreja Católica Romana.
Conclusão

● O movimento puritano batalhou pela


simplicidade no culto ao Senhor e pela
verdade bíblica e teológica. Para eles, o culto
a Deus deveria ser simples, claro, iluminado,
sem rituais e distrações humanas e
construído ao redor da pregação da Palavra
de Deus.
Conclusão

● Alto valor atribuíam à Bíblia como regra única de


fé e prática e ao estudo da mesma. Tinham grande
apreço pela verdade bíblica, colocando-a acima das
questões de tradição e autoridade, bem como
insistiam na liberdade de cada um servir a Deus da
maneira como julgasse correto, muito embora
alguns puritanos em seu zelo excessivo
maculassem esse princípio, a maioria entretanto,
enfatizou o respeito às consciências.
Referências Bibliográficas

1. McGrath, Alister E. Teologia Histórica. 2007.


2. G o n z á l e z , J u s t o . U m a H i s t ó r i a d o
Pensamento Cristão - 3 volumes.
3. González, Justo. Breve Dicionário de
Teologia. 2009.
4. Matos, Alderi Souza de. Fundamentos da
teologia histórica. 2008.
Características do Movimento Pietista

● Uma de suas caracter í sticas mais


evidentes a reação contra um cristianismo
que sob muitos aspectos se tornara vazio,
tendo uma prática dissociada da genuína
doutrina bíblica.
Pietismo

● A fé passou a estar amparada não na


Palavra, mas sim em uma experiência
mística individual.
Pietismo

● Dessa forma, ingressamos num


subjetivismo religioso — que por vezes se
degenerava numa preocupação exagerada
com a situação da alma individual.
Pietismo

● Dentro dessa nova visão epistemológica, o


critério último de avaliação da fé deixou de
ser a Palavra de Deus, passando a
experiência individual a ter a prioridade,
decorrendo daí um emocionalismo
exacerbado.
Pietismo

● O Pietismo influenciou o surgimento de


movimentos religiosos independentes de
inspira ç ã o protestante tais como o
metodismo:
● O Movimento de Santidade,
pentecostalismo, o neopentecostalíssimo e
grupos carismáticos.
Conclusão

● Focaram o cristianismo interior e experimental. Para


eles, a verdadeira piedade cristã, a devocionalidade,
o discipulado e a santificação, começam com uma
experiência distinta de conversão.