Você está na página 1de 10

1316 Diário da República, 1.ª série — N.

º 47 — 8 de Março de 2011

MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO Em segundo lugar, no que respeita às condições para o


E DO DESENVOLVIMENTO acesso ao exercício da actividade de miniprodução, o pre-
sente decreto-lei prevê que pode exercer a actividade quem
detenha um contrato de fornecimento de electricidade com
Decreto-Lei n.º 34/2011 consumos relevantes na sua instalação de consumo e instale
de 8 de Março a unidade de miniprodução no mesmo local servido por
esta. Isto é, exige-se que, para que se possa beneficiar do
O Programa do XVIII Governo Constitucional estabe- regime da miniprodução, a instalação em causa detenha já
lece que um dos objectivos para Portugal deve ser «liderar um contrato com um comercializador e consumo relevante
a revolução energética» através de diversas metas, entre de electricidade.
as quais «afirmar Portugal na liderança global na fileira Estabelece-se, ainda, que a miniprodução não pode
industrial das energias renováveis, de forte capacidade exceder 50 % da potência contratada para consumo com
exportadora», e apostando na produção descentralizada de o comercializador. Não pode, pois, a unidade de mini-
energia, simplificando os processos e procedimentos, faci- produção produzir e injectar na RESP mais de metade da
litando a adesão dos cidadãos, empresas e outras entidades. potência contratada para a instalação de consumo.
Assim, no desenvolvimento da Estratégia Nacional para Note-se, no entanto, que o regime agora adoptado prevê
a Energia (ENE 2020), que foi aprovada pela Resolução que entidades terceiras (como, por exemplo, empresas de
do Conselho de Ministros n.º 29/2010, de 15 de Abril, a serviços energéticos), quando autorizadas pelo titular da
Resolução do Conselho de Ministros n.º 54/2010, de 4 de instalação de consumo, possam instalar uma unidade de
Agosto, veio determinar a elaboração do regime jurídico miniprodução naquele local, mediante contrato celebrado
do acesso à actividade de miniprodução e estabeleceu as entre o titular da instalação de consumo e o terceiro in-
linhas gerais de orientação para o novo regime.
teressado.
Em concretização da resolução acima referida, o pre-
Em terceiro lugar, e ainda no que toca ao acesso ao
sente decreto-lei estabelece o regime jurídico aplicável à
exercício da actividade de miniprodução de electricidade,
produção de electricidade por intermédio de instalações
o presente decreto-lei estabelece que o acesso a esta acti-
de pequena potência, designadas por unidades de mini-
produção. vidade depende de registo e que a entrada em exploração
Entende-se por «miniprodução» a actividade de pequena da unidade registada e a sua ligação à rede carecem de
escala de produção descentralizada de electricidade, recor- certificado de exploração.
rendo, para tal, a recursos renováveis e entregando, contra Assim sendo, qualquer empresa que esteja interessada na
remuneração, electricidade à rede pública, na condição miniprodução, deve efectuar o registo na plataforma elec-
que exista consumo efectivo de electricidade no local da trónica «Sistema de Registo da Miniprodução» (SRMini),
instalação. gerida pela Direcção-Geral de Energia e Geologia (DGEG).
Apenas a actividade de muito pequena produção — a À efectivação do registo segue-se a instalação dos equi-
microprodução — prevista no Decreto-Lei n.º 363/2007, pamentos necessários à miniprodução e a sua inspecção
de 2 de Novembro (alterado e republicado pelo Decreto-Lei por parte da DGEG, para verificação do cumprimento de
n.º 118-A/2010, de 25 de Outubro), e o regime da pequena requisitos de segurança, entre outros.
produção para autoconsumo, previsto no Decreto-Lei Em quarto lugar, define-se o regime remuneratório da
n.º 68/2002, de 25 de Março, possuem regimes próprios. electricidade produzida em instalações de miniprodução,
Porém, o regime da produção com autoconsumo não tendo o produtor acesso a dois regimes remuneratórios,
teve a aceitação esperada, sendo muito poucas as unida- à sua escolha: i) o regime geral, aplicável a todos os que
des por ele actualmente regidas, pelo que cumpre, agora, tenham acedido à actividade de miniprodução e não se
revogar o Decreto-Lei n.º 68/2002, de 25 de Março, que enquadrem no regime bonificado, e ii) o regime bonificado.
regula essa matéria, salvaguardando-se, no entanto, a con- No regime geral, a electricidade produzida é remunerada
tinuação da sua aplicação às instalações presentemente segundo as condições de mercado, nos termos vigentes para
por ele regidas. a produção em regime ordinário. A tarifa de remuneração
Em sua substituição, torna-se necessário definir um pela injecção de electricidade na RESP é, pois, determinada
regime para a produção descentralizada de electricida- segundo as condições de mercado, não existindo, por isso,
de — a miniprodução — que complemente o regime da qualquer tarifa de referência administrativamente fixada.
microprodução, acolhendo a experiência bem sucedida O acesso ao regime bonificado depende do preenchi-
que este representa. mento de determinados requisitos. Quando estejam em
O regime da miniprodução, para além de permitir ao causa potências superiores a 20 kW, a selecção dos registos
produtor consumir a electricidade produzida pela sua ins- e fixação da tarifa bonificada aplicável depende de meca-
talação, permite-lhe vender a totalidade dessa electricidade nismos concorrenciais. Isto é, tendo por base uma tarifa de
à rede eléctrica de serviço público (RESP) com tarifa boni- referência de € 250 MW/h, são seleccionadas as entidades
ficada, num dos regimes previstos no presente decreto-lei. que oferecerem o melhor desconto à tarifa, sendo que os
De entre os aspectos mais salientes do novo regime diversos pedidos de registo recebidos são ordenados em
jurídico para a miniprodução, realça-se, em primeiro lugar, função desse desconto. Nos casos em que a potência de
a definição de unidade de miniprodução de electricidade, ligação seja inferior a 20kW, os pedidos são ordenados
entendida como a instalação baseada numa só tecnologia de por ordem de chegada.
produção (por exemplo, painéis fotovoltaicos), e cuja po- Note-se que a quota de potência a alocar anualmente
tência máxima atribuível para ligação à rede é de 250 kW. no âmbito do regime bonificado é de 50 MW, devendo a
Trata-se, assim, de uma instalação que produz electri- sua atribuição ser escalonada ao longo do ano, de acordo
cidade a partir de recursos renováveis, com base numa com a programação a estabelecer pela DGEG.
só tecnologia, e que tem a garantia de entregar, de forma O ingresso no regime bonificado depende ainda de pré-
remunerada, a electricidade produzida à RESP. via comprovação, pelo produtor, da realização de auditoria
Diário da República, 1.ª série — N.º 47 — 8 de Março de 2011 1317

energética e implementação das medidas de eficiência Artigo 3.º


energética identificadas nessa auditoria. Acesso à actividade de miniprodução
Finalmente, prevê-se que é objecto de acções de fiscali-
zação anual, pelo menos, 1 % do parque de instalações de 1 — Pode exercer a actividade de produção de elec-
miniprodução registadas, para verificar a sua conformidade tricidade por intermédio de unidade de miniprodução a
com o presente decreto-lei. entidade que, à data do pedido de registo, preencha os
Foi promovida a audição do Conselho Nacional do Con- seguintes requisitos cumulativos:
sumo e da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos. a) Disponha de uma instalação de utilização de energia
Assim: eléctrica e seja titular de contrato de compra e venda de
Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Cons- electricidade, em execução, celebrado com um comercia-
tituição, o Governo decreta o seguinte: lizador, sem prejuízo do disposto no n.º 3;
b) A unidade de miniprodução seja instalada no local
servido pela instalação eléctrica de utilização;
CAPÍTULO I c) A potência de ligação da unidade de miniprodução
não seja superior a 50 % da potência contratada no contrato
Disposições gerais referido na alínea a);
d) A energia consumida na instalação de utilização seja
Artigo 1.º igual ou superior a 50 % da energia produzida pela unidade
de miniprodução, sendo tomada por referência a relação
Objecto
entre a energia produzida e consumida no ano anterior, no
caso de instalações em funcionamento há mais de um ano,
1 — O presente decreto-lei estabelece o regime jurídico e a relação entre a previsão anual de produção e de con-
aplicável à produção de electricidade, a partir de recursos sumo de energia, para as instalações que tenham entrado
renováveis, por intermédio de unidades de miniprodução. em funcionamento há menos de um ano.
2 — Entende-se por «unidade de miniprodução» a ins-
talação de produção de electricidade, a partir de energias 2 — Entende-se por «produtor» a entidade titular de um
renováveis, baseada em uma só tecnologia de produção registo para a produção de electricidade por intermédio
cuja potência de ligação à rede seja igual ou inferior a de uma unidade de miniprodução, nos termos do presente
250 kW. decreto-lei.
3 — Não se incluem no objecto do presente decreto-lei: 3 — Pode ainda ser produtor de electricidade por inter-
médio de uma unidade de miniprodução, nas condições
a) A produção de electricidade através de unidades de
previstas nas alíneas b) e c) do n.º 1, entidade terceira que,
microprodução; ao abrigo de contrato escrito, esteja autorizada pelo titular
b) A produção em co-geração; do contrato referido na alínea a) do n.º 1.
c) A produção de electricidade no âmbito da realização 4 — O acesso à actividade de miniprodução de elec-
de projectos de inovação e demonstração de conceito. tricidade está sujeito a registo e subsequente obtenção de
certificado de exploração da instalação, nos termos do
Artigo 2.º presente decreto-lei, sem prejuízo do disposto no n.º 6 do
artigo 18.º
Definições 5 — A cada unidade de miniprodução corresponde um
Para efeitos do presente decreto-lei, são adoptadas as registo.
seguintes definições: 6 — Não são cumuláveis registos relativos a unidades
de microprodução e de miniprodução associados a uma
a) «Escalão I, II e III» — o escalão de potência de liga- mesma instalação de utilização de energia eléctrica.
ção à rede em que se insere uma dada unidade miniprodu- 7 — O promotor deve proceder a uma averiguação das
ção, considerando-se que integram o escalão I as unidades condições técnicas de ligação no local onde pretende ins-
cuja potência não seja superior a 20 kW, o escalão II aquelas talar a miniprodução com vista a verificar a existência de
cuja potência de ligação seja superior a 20 kW ou igual ou condições na rede eléctrica de serviço público (RESP)
inferior a 100 kW, e o escalão III as unidades de minipro- adequadas à recepção da electricidade a injectar no local
dução cuja potência de ligação seja superior a 100 kW ou pretendido, procedendo, nomeadamente, a medições de
igual ou inferior a 250 kW; tensão nesse local, salvaguardando os limites estabelecidos
b) «Potência contratada» — o limite da potência esta- no Regulamento da Qualidade de Serviço.
belecida no dispositivo controlador da potência de con- 8 — Entende-se por «promotor», para efeitos de aplica-
sumo de electricidade contratada com um comercializador, ção do presente decreto-lei, a entidade interessada em obter
quando se trate de instalações ligadas em baixa tensão um registo para a produção de electricidade por intermédio
normal, ou a potência que o operador da rede de distri- de uma unidade de miniprodução.
buição coloca à disposição no ponto de entrega, quando
se trate de instalações ligadas em baixa tensão especial e Artigo 4.º
em média tensão; Suspensão ou restrições ao registo
c) «Potência instalada» — a potência, em quilowatt, dos
equipamentos de produção de electricidade; 1 — O membro do Governo responsável pela área da
d) «Potência de ligação» — a potência máxima, ou, no energia pode determinar, mediante despacho a publicar
caso de instalações com inversor, a potência nominal de no SRMini:
saída deste equipamento, em quilowatt, que o produtor a) Os termos da suspensão do registo ou a sujeição
pode injectar na rede eléctrica de serviço público. deste a limitações, com vista a propiciar o cumprimento
1318 Diário da República, 1.ª série — N.º 47 — 8 de Março de 2011

de prioridades da política energética ou a sua adequada bros do Governo responsáveis pelas áreas das finanças e
relação com outras políticas sectoriais, nomeadamente da economia;
as destinadas ao equilíbrio regional, ou a assegurar a boa h) Assegurar que os equipamentos de miniprodução
gestão do acesso à actividade de miniprodução e a opti- instalados se encontram certificados nos termos previstos
mização da gestão das capacidades de injecção e recepção no presente decreto-lei.
de electricidade na RESP;
b) A utilização de procedimentos especiais para acesso 2 — A entrega da electricidade produzida à RESP efec-
ao registo e ao regime bonificado, quando tal se justifique tua-se no nível de tensão constante do contrato de aquisição
relativamente a registos no âmbito da tarifa bonificada. de electricidade para a instalação de utilização, excepto nos
casos de aquisição de electricidade em média tensão com
2 — Quando o somatório das potências de injecção contagem em baixa tensão (BT), caso em que a contagem
ligadas a um posto de transformação ou subestação ultra- de electricidade pode ser efectuada neste nível de tensão,
passe o limite de 20 % da potência do respectivo posto de com desconto das perdas verificadas no transformador.
transformação ou subestação, o operador da rede de distri-
buição pode restringir o acesso a novos registos, mediante Artigo 7.º
pré-aviso de cinco dias a divulgar no SRMini. Competências da DGEG

Artigo 5.º 1 — Compete à DGEG a coordenação do processo de


gestão da miniprodução, nomeadamente:
Direitos do produtor
a) Criar, manter e gerir o SRMini destinado ao registo
No âmbito do exercício da actividade de miniprodução
das unidades de miniprodução;
de electricidade, o produtor tem os seguintes direitos:
b) Proceder ao registo da instalação de miniprodução e
a) Estabelecer uma unidade de miniprodução por cada emitir o respectivo certificado de exploração, nos termos
instalação eléctrica de utilização; do presente decreto-lei;
b) Ligar a unidade de miniprodução à RESP, após a c) Realizar as inspecções necessárias à emissão do certi-
emissão do certificado de exploração e a celebração do ficado de exploração, directamente ou através de entidades
respectivo contrato de compra e venda de electricidade, habilitadas pela DGEG para o efeito;
nos termos previstos no presente decreto-lei; d) Criar e manter uma base de dados de elementos tipo
c) Vender a totalidade da energia activa produzida, lí- que integrem os equipamentos para as diversas soluções
quida do consumo dos serviços auxiliares, nos termos e de unidades de miniprodução;
com os limites estabelecidos no presente decreto-lei. e) Manter a lista das entidades instaladoras devidamente
actualizada;
Artigo 6.º f) Constituir uma bolsa de equipamentos certificados,
mantendo uma lista actualizada no SRMini;
Deveres do produtor
g) Controlar a emissão dos certificados dos equipamen-
1 — Sem prejuízo do cumprimento da legislação e re- tos fornecidos pelos fabricantes, importadores, fornece-
gulamentação aplicáveis, o produtor de electricidade a dores, seus representantes e entidades instaladoras, nos
partir de uma unidade de miniprodução está sujeito ao termos previstos no presente decreto-lei;
cumprimento das seguintes obrigações: h) Aprovar os formulários e instruções necessários ao
bom funcionamento do SRMini de acordo com as funções
a) Entregar à RESP, nos termos do disposto no n.º 2, a que lhe estão atribuídas pelo presente decreto-lei;
totalidade da energia activa produzida, líquida do consumo i) Fornecer aos interessados e divulgar no SRMini in-
dos serviços auxiliares; formação relativamente às diversas soluções de minipro-
b) Produzir electricidade apenas a partir da fonte de dução de electricidade, designadamente as suas vantagens
energia registada nos termos do presente decreto-lei; e inconvenientes.
c) Celebrar um contrato de compra e venda de electri-
cidade, nos termos do presente decreto-lei;
2 — O director-geral da DGEG pode designar, pelo
d) Prestar à Direcção-Geral de Geologia e Energia
prazo de quatro anos renováveis e mediante celebração
(DGEG), ou a entidade designada por esta, à direcção
de protocolo homologado pelo membro do Governo res-
regional de economia territorialmente competente (DRE),
ponsável pela área da energia:
ao comercializador com que se relaciona e ao operador da
rede de distribuição todas as informações que lhe sejam a) Uma entidade legalmente constituída e reconhecida
solicitadas; para aprovar projectos e inspeccionar instalações eléctri-
e) Permitir e facilitar o acesso do pessoal técnico das cas para exercer as competências da DGEG previstas nas
entidades referidas na alínea anterior para o exercício das alíneas a) a f) do número anterior;
respectivas atribuições e competências, nos termos do b) Um organismo de certificação acreditado no âm-
presente decreto-lei; bito do Sistema Português de Qualidade para proceder à
f) Suportar os custos da ligação à RESP, nos termos do certificação de equipamentos eléctricos de acordo com
Regulamento de Relações Comerciais, incluindo o respec- a Norma 45011, que exerce a competência prevista na
tivo contador de venda; alínea g) do número anterior.
g) No caso de instalações que utilizem a energia eólica,
ou que estejam localizadas em locais de livre acesso pú- 3 — Quando estejam em causa competências das di-
blico, ou possam representar perigo para o público, possuir recções regionais do ministério responsável pela área da
um seguro ou uma extensão de seguro de responsabilidade energia (DRE), designadamente no caso de unidades de
civil, nos termos a definir por portaria conjunta dos mem- miniprodução associadas a instalações ligadas à RESP
Diário da República, 1.ª série — N.º 47 — 8 de Março de 2011 1319

em média tensão e alta tensão, as competências previstas 5 — No caso de existirem no local da unidade de mini-
nos números anteriores são exercidas em conjunto com as produção instalações consumidoras intensivas de energia
referidas direcções regionais. sujeitas ao regime jurídico da gestão de consumos inten-
4 — O director-geral de Energia e Geologia aprova, sivos de energia ou ao regime jurídico de certificação
mediante despacho publicado no SRMini, guias técnico e energética de edifícios, o acesso ao regime bonificado
de qualidade para as instalações de miniprodução que se depende da comprovação, à data do pedido de registo,
justifiquem para o adequado funcionamento do sistema. do seguinte:

Artigo 8.º a) Acordo de racionalização do consumo de energia


ou equivalente no sector dos transportes, que esteja a ser
Entidades instaladoras da miniprodução cumprido; ou
1 — Designa-se «entidade instaladora de unidades de b) Certificado energético onde se demonstre que após
miniprodução» a entidade titular de alvará emitido pelo a implementação das medidas de melhoria do desempe-
Instituto da Construção e do Imobiliário, I. P. (InCI), para nho energético, incluindo a unidade de miniprodução, o
a execução de instalações de produção de electricidade. edifício alcança a classe B ou superior, para o caso de
2 — A entidade instaladora de unidades de miniprodu- edifícios novos, ou classe C ou superior, no caso de edi-
ção deve dispor de um técnico responsável pela execução fícios existentes.
de instalações eléctricas de serviço particular.
3 — A entidade instaladora deve assegurar que os equi- 6 — O incumprimento do disposto nos números ante-
pamentos de miniprodução a instalar estão certificados nos riores determina a aplicação transitória do regime geral
termos do presente decreto-lei. até ao cumprimento das mesmas, sem prejuízo de outras
4 — Todas as entidades instaladoras que pretendam sanções prevista na lei.
exercer a actividade de instalação de unidades de minipro- 7 — No âmbito do presente decreto-lei apenas é remu-
dução podem inscrever-se no SRMini para conhecimento nerada a energia activa entregue à RESP.
e divulgação públicos. 8 — O acesso ao regime bonificado por parte de enti-
dade não titular do contrato de fornecimento de electri-
cidade à instalação de utilização, a que se refere o n.º 3
CAPÍTULO II do artigo 3.º, está sujeito ao cumprimento das medidas
Remuneração e facturação específicas visando a melhoria da eficiência energética da
referida instalação previstas no presente artigo.
Artigo 9.º
Artigo 10.º
Regimes remuneratórios
Regime geral
1 — O produtor tem acesso a um dos seguintes regimes
remuneratórios: No regime geral, a venda da electricidade observa as
regras estabelecidas para a comercialização da produção
a) O regime geral, aplicável a todos os que tenham de electricidade ao abrigo do regime ordinário, ou seja,
acedido à actividade de miniprodução e não se enquadrem em condições de mercado.
no regime bonificado, nos termos do presente decreto-lei;
b) O regime bonificado. Artigo 11.º
2 — O regime previsto na alínea b) do número anterior Regime bonificado
é aplicável a produtores que, preenchendo os requisitos 1 — O produtor cuja unidade de miniprodução se insira
cumulativos a seguir indicados, solicitem o seu enquadra- no escalão I é remunerado com base na tarifa de referência
mento no regime bonificado quando do pedido de registo: que vigorar à data da emissão do certificado de exploração,
a) A potência de ligação da respectiva unidade de mini- nos termos do limite da quota de potência estabelecida na
produção seja superior ao limite legalmente estabelecido programação referida no n.º 2 do artigo 13.º
para o acesso ao regime bonificado no âmbito do regime 2 — O produtor cuja unidade de miniprodução se insira
jurídico da actividade de microprodução; nos escalões II e III é remunerado com base na tarifa mais
b) A unidade de miniprodução utilize uma das fontes de alta que resultar das maiores ofertas de desconto à tarifa de
energia renovável previstas no n.º 7 do artigo 11.º referência apuradas nos respectivos escalões, nos termos do
limite da quota de potência estabelecida na programação
3 — Excepto nos casos previstos no número seguinte, referida no n.º 2 do artigo 13.º
o acesso ao regime bonificado depende de prévia com- 3 — A tarifa aplicável é devida desde o início do for-
provação, à data do pedido de inspecção, da realização de necimento à rede.
auditoria energética que determine a implementação de 4 — A tarifa aplicável vigora durante um período de 15
medidas de eficiência energética, com o seguinte período anos contados desde o 1.º dia do mês seguinte ao do início
de retorno: do fornecimento.
5 — A aplicação do regime remuneratório bonificado
a) Escalão I — dois anos; caduca, ingressando o produtor no regime remuneratório
b) Escalão II — três anos; geral, nos seguintes casos:
c) Escalão III — quatro anos.
a) Quando o produtor comunique ao SRMini a renúncia
4 — O cumprimento das medidas identificadas na à sua aplicação;
auditoria a que se refere o número anterior é reportado b) No final do período de 15 anos referido no número
anualmente à DGEG até à sua total implementação. anterior;
1320 Diário da República, 1.ª série — N.º 47 — 8 de Março de 2011

c) Quando, por facto superveniente, deixe de verificar-se Artigo 14.º


algum dos requisitos do acesso ao regime bonificado ou os Facturação, contabilidade e relacionamento comercial
previstos no n.º 1 do artigo 3.º para o acesso à actividade
de miniprodução. 1 — No âmbito do regime bonificado, só o comerciali-
zador que fornece electricidade para consumo da instalação
6 — A tarifa de referência é fixada em € 250/MWh, eléctrica de utilização do produtor pode e deve celebrar
sendo o valor da tarifa sucessivamente reduzido anual- contrato de compra e venda da electricidade resultante da
mente em 7 %. miniprodução e assegurar o seu pagamento, nos termos
7 — A tarifa a aplicar varia consoante o tipo de energia do presente decreto-lei.
primária utilizada, sendo determinada mediante a aplicação 2 — O pagamento referido no número anterior é feito
das seguintes percentagens à tarifa de referência: directamente ao produtor, mediante transferência bancária,
juntamente e com a periodicidade dos pagamentos relativos
a) Solar — 100 %; ao consumo facturado à instalação eléctrica de utilização,
b) Eólica — 80 %; sem prejuízo do disposto no número seguinte.
c) Hídrica — 50 %; 3 — A facturação relativa à electricidade resultante
d) Biogás — 60 %; da miniprodução é processada pelo comercializador nos
e) Biomassa — 60 %; termos do n.º 11 do artigo 36.º do Código do IVA, sem
f) Pilhas de combustível com base em hidrogénio prove- necessidade de acordo escrito do produtor.
niente de miniprodução renovável — percentagem prevista 4 — No caso de produtores que não se encontrem en-
nas alíneas anteriores aplicável ao tipo de energia renová- quadrados, para efeitos do IVA, no regime normal de tribu-
vel utilizado para a produção do hidrogénio. tação e relativamente às transmissões de bens que venham
a derivar exclusivamente da miniprodução de energia eléc-
8 — A electricidade vendida nos termos dos números trica, é aplicável, com as necessárias adaptações, o regime
anteriores é limitada a 2,6 MWh/ano, no caso das alíneas a) especial de entrega de imposto previsto no artigo 10.º do
e b) do número anterior, e a 5 MWh/ano, no caso das res- Decreto-Lei n.º 122/88, de 20 de Abril, devendo os co-
tantes alíneas do número anterior, por cada quilowatt de mercializadores, em sua substituição, dar cumprimento às
potência de ligação. obrigações de liquidação e entrega do imposto.
9 — A potência de ligação que, em cada ano civil, pode
ser objecto de atribuição para miniprodução, no âmbito do
regime bonificado, não pode ser superior à quota anual de CAPÍTULO III
50 MW, a alocar de acordo com a programação estabele- Registo e ligação à rede
cida nos termos do n.º 2 do artigo 13.º
10 — A quota de potência de ligação a alocar ao esca- Artigo 15.º
lão I não pode ser superior a 25 % da quota anual referida
no número anterior. Sistema de Registo da Miniprodução
1 — O acesso plataforma SRMini faz-se através do sítio
Artigo 12.º na Internet www.renovaveisnahora.pt, cujo endereço pode
Bolsa de registos de interesse público ser actualizado por portaria, e é acessível através do Portal
do Cidadão e do Portal da Empresa.
O membro do Governo responsável pela área da energia, 2 — O SRMini assegura, nomeadamente, as seguintes
mediante despacho a publicar no SRMini, pode reservar funções:
uma percentagem de até 10 % da quota de potência anual,
para atribuição nos termos do presente decreto-lei, a enti- a) A autenticação dos utilizadores através de códigos
dades que prestem serviços de carácter social, bem como na que permitam o acesso à informação acessível no SRMini;
área da defesa, da segurança e ambiental e outros serviços b) A indicação dos dados de identificação dos promo-
do Estado ou das autarquias locais. tores e produtores;
c) O preenchimento electrónico dos elementos necessá-
Artigo 13.º rios ao registo da miniprodução e à entrega dos elementos
necessários à sua apreciação;
Actualização da tarifa bonificada e quotas de potência d) O pagamento ou as instruções de pagamento das taxas
1 — O membro do Governo responsável pela área da previstas na portaria referida no n.º 3 do artigo 26.º;
energia, mediante portaria, pode proceder à actualização e) O preenchimento electrónico do pedido de inspecção
do valor da tarifa de referência ou da percentagem de re- ou reinspecção;
gressão e a ajustamentos às percentagens, limites e quota f) A recolha de informação que permita o contacto entre
definidos nos n.os 6, 7, 8 e 9 do artigo 11.º tendo em vista as- os serviços competentes e os promotores ou produtores e
segurar a boa adequação da actividade de miniprodução aos seus representantes constituídos;
objectivos da política energética, de outras políticas secto- g) A certificação da data e da hora em que os pedidos e
riais, à evolução dos mercados ou ao equilíbrio regional. outras declarações ou informações são apresentados, bem
2 — Mediante despacho publicado no SRMini, o direc- como as inscrições, registos, inspecções ou reinspecções
tor-geral da Energia e Geologia estabelece: e certificados de exploração e respectivos averbamentos
foram atribuídos, através do SRMini;
a) A programação da alocação ao longo do ano da quota h) A não validação ou não recepção dos pedidos que não
anual de potência; cumpram os requisitos de acesso ou o pagamento tempes-
b) A sua distribuição pelos escalões previstos na alí- tivo das taxas de que depende o seu seguimento;
nea a) do artigo 2.º; i) A consulta do estado do pedido, a todo o momento,
c) Eventuais saldos de potências não atribuídas. pelos requerentes inscritos ou registados;
Diário da República, 1.ª série — N.º 47 — 8 de Março de 2011 1321

j) A emissão de informação actualizada periodicamente mentação em vigor, nomeadamente se estão preenchidos


das inscrições concluídas, registos e certificados de ex- os requisitos previstos nos artigos 1.º e 3.º e nos n.os 2 a 6
ploração atribuídos, tipo de tecnologia de miniprodução, do artigo 9.º;
potência, concelho de localização e regime remuneratório b) Se o respectivo contador cumpre as especificações
aplicável, para conhecimento e divulgação pública. e está correctamente instalado e devidamente selado de
origem;
3 — As DRE, o operador da rede de distribuição e os c) Se estão realizados os ensaios necessários à verifica-
comercializadores de electricidade devem registar-se no ção do adequado funcionamento dos equipamentos, bem
SRMini e aderir ao sistema de comunicações electrónico. como a sua certificação.

Artigo 16.º 3 — Na inspecção deve estar sempre presente o técnico


Procedimento de registo e certificado de exploração
responsável por instalações eléctricas de serviço particu-
lar ou seu substituto credenciado, ao serviço da entidade
1 — O registo e a emissão do certificado de exploração instaladora, ao qual compete esclarecer todas as dúvidas
da unidade de miniprodução são efectuados e processados que possam ser suscitadas no acto da inspecção.
no SRMini. 4 — Concluída a inspecção, o inspector entrega ao téc-
2 — O procedimento de registo inicia-se com a inscrição nico responsável cópia do relatório da inspecção e suas
do promotor. conclusões, registando-os no SRMini.
3 — O registo tem-se por concluído com a atribuição 5 — Se o relatório da inspecção concluir pela existência
de potência de ligação aos registos aceites. de não conformidades, o produtor deve sanar as deficiên-
4 — O registo da unidade de miniprodução torna-se cias indicadas, nos termos do artigo seguinte.
definitivo com a emissão do respectivo certificado de ex- 6 — Quando a inspecção não ocorra no prazo estabe-
ploração. lecido no n.º 1 para a sua realização, o SRMini emite de
5 — O certificado de exploração é emitido após insta- forma automática o certificado de exploração provisório.
lada a unidade de miniprodução pelo produtor e realizada 7 — No caso previsto no número anterior, o SRMini
inspecção que ateste a sua conformidade, sem prejuízo do emite uma ordem diariamente de pagamento da quantia
disposto no n.º 6 do artigo 18.º de € 50 a favor do requerente até que o certificado defi-
6 — A realização da inspecção da miniprodução é soli- nitivo seja emitido ou que se realize a inspecção prevista
citada, através do SRMini, no prazo máximo de: no n.º 1.
a) Seis meses para instalações em BT, contados da data 8 — O certificado provisório é automaticamente conver-
do registo, sob pena de caducidade deste; tido em definitivo se a inspecção não ocorrer nos 30 dias
b) Oito meses para as restantes instalações, contados da subsequentes ao termo do prazo previsto no n.º 1.
data do registo, sob pena de caducidade deste.
Artigo 18.º
7 — Nos casos em que o produtor estiver sujeito ao re-
gime jurídico da contratação pública, ou ao regime jurídico Reinspecção
de avaliação de impactes ou incidências ambientais, ou 1 — Sempre que na inspecção prevista no artigo anterior
quando se trate de mini-hídricas, o prazo de caducidade sejam detectadas deficiências que não permitam a emissão
previsto no número anterior é de 16 meses, ou 24 meses, de certificado de exploração, o produtor deve solicitar
no caso de mini-hídricas. reinspecção, no SRMini, até ao máximo de duas.
8 — Os prazos previstos no número anterior, mediante 2 — É aplicável à reinspecção, com as necessárias adap-
pedido do produtor, podem ser prorrogados, por despacho tações, o disposto no n.º 1 do artigo anterior.
do director-geral da DGEG, até ao máximo de 8 meses, ou 3 — O produtor dispõe do prazo de 30 dias, no caso
16 meses, quando se trate de mini-hídricas. de uma instalação em BT, e de 60 dias nos restantes ca-
9 — Considera-se que o pedido de inspecção inclui, para sos, contados da inspecção ou da última reinspecção para
todos os efeitos legais, o pedido de emissão de certificado proceder às correcções necessárias e solicitar nova reins-
de exploração. pecção, até ao limite máximo de reinspecções admitidas
10 — O membro do Governo responsável pela área da nos termos do n.º 1.
energia, mediante despacho a publicar no SRMini, define 4 — A ligação à RESP da unidade de miniprodução
o procedimento de registo, incluindo os elementos instru- não é autorizada enquanto se mantiverem deficiências
tórios do pedido, a marcha do procedimento, os termos que não permitam a emissão de certificado de explora-
das ofertas de desconto, e a sua extinção. ção, procedendo-se, após a 3.ª reinspecção de que não
resulte a emissão de parecer favorável para início da
Artigo 17.º exploração, ao cancelamento do registo da unidade de
Inspecção miniprodução.
5 — A não realização de reinspecção por motivo impu-
1 — A inspecção é efectuada nos 10 dias subsequentes tável ao produtor implica o cancelamento do registo.
ao pedido de inspecção, devendo o dia e a hora da sua rea- 6 — Quando a reinspecção não ocorra no prazo estabe-
lização ser comunicados ao produtor e técnico responsável lecido para a sua realização, o SRMini emite de forma auto-
através do SRMini.
mática o certificado de exploração, com carácter provisório.
2 — Na inspecção é verificada a conformidade da ins-
7 — O certificado provisório é automaticamente con-
talação quanto ao seguinte:
vertido em definitivo se a inspecção não ocorrer nos
a) Se a unidade de miniprodução está executada de 30 dias subsequentes ao termo do prazo previsto no n.º 1
acordo com o disposto no presente decreto-lei e regula- do artigo anterior.
1322 Diário da República, 1.ª série — N.º 47 — 8 de Março de 2011

Artigo 19.º Artigo 21.º


Contagem e disponibilização de dados Contrato de compra e venda de electricidade e ligação à rede

1 — O sistema de contagem de electricidade e os 1 — Emitido o certificado de exploração, ainda que


equipamentos que asseguram a protecção da interliga- provisório nos termos do n.º 6 do artigo 18.º, o produtor
ção devem ser colocados em local de acesso livre ao enquadrado no regime bonificado e o comercializador
comercializador e ao operador da rede de distribuição, identificado no registo da instalação de miniprodução são
bem como às entidades competentes para efeitos do pre- de imediato avisados, pelo SRMini, com vista à conclusão
sente decreto-lei, salvo situações especiais autorizadas do contrato de compra e venda da electricidade oriunda
pela DGEG. da miniprodução.
2 — A contagem da electricidade produzida é feita por 2 — Para efeitos do número anterior, o produtor adere
telecontagem, mediante contador bidireccional, ou con- ao contrato de compra e venda de electricidade, no prazo
tador que assegure a contagem líquida dos dois sentidos, máximo de cinco dias contados do aviso do SRMini.
3 — O comercializador dá conhecimento ao SRMini da
autónomo do contador da instalação de consumo.
conclusão do contrato de compra e venda de electricidade
3 — Para os consumidores de energia eléctrica alimen- com o produtor, no prazo de 10 dias após a adesão deste
tados em média tensão, com contagem de energia em baixa ao referido contrato.
tensão, a ligação da miniprodução pode ser feita em baixa 4 — Após a comunicação de celebração do contrato
tensão, a montante do contador de consumo. de compra e venda de electricidade, o SRMini avisa o
4 — Nas condições do número anterior deve ser cons- operador da rede de distribuição para proceder à ligação
truído um quadro de baixa tensão para ligação da mini- da unidade de miniprodução à RESP.
produção, que permita separar a instalação de produção 5 — O operador da RESP deve proceder à ligação da
da instalação de consumo. unidade de miniprodução no prazo máximo de 10 dias
5 — O contador de produção deve localizar-se junto ao após o aviso do SRMini.
contador de consumo. 6 — A data de ligação à RESP é registada no SRMini
6 — O fornecimento de energia reactiva pelo produ- pelo operador da rede de distribuição.
tor de electricidade a partir de unidade de miniprodução 7 — Para efeitos do presente artigo, os comercializadores
obedece às regras previstas no Regulamento da Rede de que contratem fornecimentos de electricidade a instalações de
Distribuição. consumo são obrigados a disponibilizar minuta de contrato
7 — Os comercializadores de electricidade e os opera- de compra e venda de electricidade oriunda da miniprodu-
dores de rede de distribuição devem disponibilizar à ERSE ção em permanência e nos respectivos sítios da Internet.
as informações necessárias para aferir sobre a correcta 8 — O contrato de compra e venda de electricidade
intervenção dos diferentes intervenientes. previsto no n.º 1 deve observar o modelo aprovado pela
DGEG, mediante proposta dos comercializadores.
9 — A ligação à rede da unidade de miniprodução en-
Artigo 20.º quadrada no regime remuneratório geral é efectuada após
Controlo de certificação de equipamentos a obtenção do certificado de exploração, ainda que provi-
sório, nos termos dos n.os 5 e 6.
1 — Os fabricantes, importadores e fornecedores, seus
representantes e entidades instaladoras devem comprovar Artigo 22.º
junto do SRMini que os equipamentos para miniprodução Alteração do registo da miniprodução
transaccionados estão certificados e a natureza da certifi-
cação, devendo esta informação ser a disponibilizada no 1 — A alteração do registo da instalação de miniprodu-
SRMini para conhecimento público. ção, quando substancial, carece de novo registo, aplicável
2 — A certificação dos equipamentos a que se refere à totalidade da instalação.
o número anterior deve estar feita por um organismo de 2 — Considera-se substancial a alteração do registo da
certificação, de acordo com o sistema n.º 5 da ISO/IEC. unidade de miniprodução que não se enquadre no disposto
3 — Os equipamentos certificados nos termos do nú- no artigo seguinte.
mero anterior devem satisfazer os requisitos definidos nas 3 — No caso previsto no n.º 1, o registo anterior caduca
normas europeias aplicáveis a cada tipo de equipamento, com a entrada em exploração da instalação de miniprodu-
publicadas pelo CEN/CENELEC. ção sujeita a novo registo.
4 — A alteração não substancial do registo da instalação
4 — Caso não tenham sido estabelecidas e publicadas
de miniprodução está sujeita a averbamento, nos termos
normas europeias, cada tipo de equipamento deve satis- do artigo seguinte.
fazer os requisitos das normas internacionais publicadas 5 — A alteração do registo da miniprodução nas situ-
pela ISO/IEC. ações previstas no n.º 3 do artigo 3.º é objecto da regula-
5 — Quando não existam as normas referidas nos mentação nele prevista.
n.os 3 e 4, os equipamentos devem conformar-se com as
seguintes normas e especificações técnicas: Artigo 23.º
a) As normas ou especificações portuguesas relativas ao Averbamento de alterações ao registo
equipamento em causa, que estejam indicadas pelo Instituto
Português da Qualidade, I. P. (IPQ, I. P.); 1 — Estão sujeitas a averbamento as seguintes altera-
b) As normas ou especificações em vigor no Estado de ções do registo:
origem, desde que o IPQ, I. P., reconheça que garantem a) A alteração da titularidade do contrato de forneci-
condições equivalentes às estabelecidas nos n.os 3 e 4. mento de electricidade à instalação de consumo onde está
Diário da República, 1.ª série — N.º 47 — 8 de Março de 2011 1323

instalada a unidade de miniprodução e do contrato de é realizado de acordo com o estabelecido no artigo 55.º do
aquisição da electricidade produzida na unidade de mi- Decreto-Lei n.º 172/2006, de 23 de Agosto, alterado pelo
niprodução; Decreto-Lei n.º 264/2007, de 24 de Julho.
b) A mudança de comercializador, desde que se man- 3 — O reconhecimento para efeitos tarifários dos in-
tenham inalterados os demais elementos caracterizadores vestimentos e custos incorridos pelo comercializador de
da miniprodução; último recurso com a implementação ou alteração dos
c) A mudança de local da unidade de miniprodução, sistemas informáticos de facturação e outros, necessários
desde que se mantenha o mesmo produtor e os demais para a execução do presente decreto-lei, é realizado nos
elementos caracterizadores da unidade de miniprodução; termos previstos no artigo 62.º do Decreto-Lei n.º 29/2006,
d) A mudança da tecnologia de produção utilizada na de 15 de Fevereiro.
miniprodução, desde que se mantenha o mesmo produtor 4 — O Regulamento das Relações Comerciais deve ser
e demais elementos caracterizadores da unidade de mini- revisto, no prazo máximo de 45 dias a contar da data da
produção. publicação do presente decreto-lei, de forma a contemplar
as exigências previstas no presente artigo.
2 — Nos casos previstos na alínea a) do número ante-
rior, o novo titular do contrato de fornecimento de electri-
cidade solicita o averbamento da alteração, juntando prova
dos factos determinantes da alteração e demais elementos CAPÍTULO IV
relevantes para o registo. Fiscalização e taxas
3 — Nos casos previstos na alínea b) do n.º 1, o produtor
identifica o novo comercializador e demais elementos do Artigo 25.º
contrato com ele celebrado relevantes para o registo.
4 — Nos casos previstos na alínea c) do n.º 1, o produtor Fiscalização
identifica o novo local da instalação de miniprodução e os 1 — As unidades de miniprodução são sujeitas a fiscali-
elementos essenciais relativos à instalação de consumo e zação para verificar a sua conformidade com o disposto no
contrato de fornecimento alterados relevantes para o registo. presente decreto-lei e demais regulamentação aplicável e,
5 — Nos casos previstos na alínea d) do n.º 1, o produtor nomeadamente, para controlo das condições de protecção
identifica a alteração de tecnologia verificada, desde que da interligação com a RESP e das características da insta-
se mantenham os demais elementos caracterizadores da lação previstas no registo, sem prejuízo das competências
unidade de miniprodução e contrato de fornecimento da do operador da rede de distribuição neste domínio.
instalação de consumo. 2 — A competência para fiscalização da actividade de
6 — O averbamento das alterações previstas nos miniprodução cabe à DGEG e à DRE, de acordo com as
n.os 4 e 5 dependem de nova inspecção da unidade de respectivas competências, ou a entidade por estas desig-
miniprodução e consequente emissão de novo certificado nada, que podem solicitar o apoio de técnicos especiali-
de exploração. zados sempre que o considerem necessário.
7 — No caso previsto na alínea d) do n.º 1, a tarifa
3 — É objecto de acções de fiscalização anual, pelo
aplicada à miniprodução é alterada para a que lhe cor-
menos, 1 % do parque de instalações de miniprodução
responda em decorrência da mudança de tecnologia de
registadas.
produção mas pelo prazo remanescente de benefício do
regime bonificado. 4 — Para efeitos do número anterior, os produtores
8 — Em qualquer dos casos previstos no n.º 1, o con- devem facilitar o acesso às respectivas instalações de pro-
trato de venda da electricidade produzida na miniprodução dução às entidades referidas no n.º 2.
é alterado ou celebrado novo contrato com o comerciali- 5 — A entidade fiscalizadora elabora e divulga no
zador, pelo prazo remanescente de benefício do regime SRMini, bianualmente, o relatório das acções de fiscali-
bonificado. zação realizadas.
9 — O averbamento das alterações previstas na alínea c)
do n.º 1 pode ser recusado por razões de ordem técnica, Artigo 26.º
nomeadamente as previstas no n.º 2 do artigo 4.º
10 — No caso de unidades de miniprodução enquadra- Taxas
das no regime remuneratório geral, a aplicação da disci- 1 — Estão sujeitos ao pagamento de taxa:
plina prevista neste artigo deve ser feita com as necessárias
adaptações. a) O pedido de registo da unidade de miniprodução;
b) O pedido de reinspecção da unidade de miniprodução;
Artigo 24.º c) O pedido de averbamento de alterações ao registo
da miniprodução, com e sem emissão de novo certificado
Reconhecimento de investimentos e custos de exploração.
1 — O comercializador que celebre um contrato de
compra e venda de electricidade nos termos do artigo 21.º 2 — As taxas previstas no número anterior são liqui-
pode vender ao comercializador de último recurso a elec- dadas e cobradas pela DGEG, ou pela entidade por esta
tricidade adquirida ao produtor, nas mesmas condições e designada, ou pelas DRE, constituindo receita da que pro-
nos termos definidos no Regulamento de Relações Co- ceder à respectiva liquidação e cobrança.
merciais. 3 — Os montantes das taxas são definidos por portaria
2 — O reconhecimento dos custos de aquisição de ener- do membro do Governo responsável pela área da energia,
gia pelo comercializador de último recurso de acordo com que estabelece também a fase do procedimento em que
os regimes remuneratórios previstos no presente decreto-lei a mesma é devida e o prazo peremptório de pagamento.
1324 Diário da República, 1.ª série — N.º 47 — 8 de Março de 2011

CAPÍTULO V c) A privação do direito a subsídios ou benefícios ou-


torgados por entidades ou serviços públicos;
Regime sancionatório d) O encerramento da miniprodução;
e) A suspensão do registo da miniprodução.
Artigo 27.º
Contra-ordenações 2 — As sanções previstas no número anterior, bem
1 — Constitui contra-ordenação punível com coima de como as previstas no artigo anterior, quando aplicadas
€ 250 a € 3740, no caso de pessoas singulares, e de € 500 a entidades instaladoras ou responsáveis técnicos, são
a € 44 800, no caso de pessoas colectivas: comunicadas ao InCI, I. P., e à respectiva ordem ou as-
sociação profissional, quando exista.
a) A violação do disposto nas alíneas c) e d) do n.º 1
do artigo 3.º;
b) A violação do disposto nas alíneas a) a d) e h) do
artigo 6.º; CAPÍTULO VI
c) A violação do disposto nos n.os 1 a 3 do artigo 8.º; Disposições finais
d) Vender electricidade através do regime bonificado
com inobservância dos requisitos estabelecidos nos n.os 2, Artigo 29.º
3 e 4 do artigo 9.º;
e) A violação do disposto no n.º 1 do artigo 14.º; Regiões Autónomas
f) A violação do disposto no n.º 3 do artigo 18.º; 1 — O presente decreto-lei aplica-se às Regiões Autó-
g) A ligação da unidade de miniprodução à RESP sem
nomas, sem prejuízo das adaptações decorrentes da apli-
certificado de exploração e contrato de compra e venda
cação do disposto no número seguinte, bem como das
de electricidade previstos no artigo 21.º;
h) A violação do disposto nos n.os 1 a 4 do artigo 22.º; especificidades do exercício das actividades de produção,
i) O exercício da actividade de miniprodução sem re- transporte, distribuição e comercialização de electricidade
gisto e certificado de exploração previstos nos n.os 3 do nas Regiões Autónomas.
artigo 3.º e 6 do artigo 18.º 2 — As competências cometidas pelo presente
decreto-lei à DGEG e a serviços ou outros organismos
2 — Constitui contra-ordenação punível com coima da administração central são exercidas pelos corres-
graduada de € 100 a € 3000, no caso de pessoas singula- pondentes serviços e organismos das administrações
res, e graduada de € 250 a € 34 800, no caso de pessoas regionais com idênticas atribuições e competências,
colectivas: ou pelas entidades designadas por estas, sem prejuízo
das competências de outras entidades de actuação com
a) A violação do disposto nas alíneas e), f) e g) do ar- âmbito nacional.
tigo 6.º;
b) A violação do disposto nos n.os 2, 3, 5, 6, 7 e 8 do
artigo 21.º; Artigo 30.º
c) Solicitar a inspecção da unidade de miniprodução Regime da gestão de capacidades de recepção nas redes
sem que a sua instalação esteja concluída.
Não é aplicável à miniprodução o regime do Decreto-
3 — A tentativa e a negligência são puníveis, sendo os -Lei n.º 312/2001, de 10 de Dezembro, com as sucessivas
limites mínimos e máximos das coimas aplicáveis redu- alterações.
zidos a metade.
4 — A competência para determinar a instauração dos Artigo 31.º
processos de contra-ordenação, para designar o instrutor e
Regime transitório
para aplicar as coimas pertence ao director-geral da DGEG,
podendo ser delegada. Os comercializadores de electricidade, no prazo de
5 — O produto resultante da aplicação das coimas re- 12 meses contados da data da entrada em vigor do pre-
verte em 60 % para o Estado e em 40 % para a DGEG, sente decreto-lei, devem assegurar a intercomunicabili-
inclusive quando cobradas em juízo. dade, na parte relevante, das respectivas bases de dados
de clientes com o SRMini com vista a assegurar o pré-
Artigo 28.º -preenchimento automático dos campos de preenchimento
obrigatório que lhes digam respeito.
Sanções acessórias
1 — As contra-ordenações previstas no artigo anterior
podem ainda determinar, quando a gravidade da infracção Artigo 32.º
e a culpa do agente o justifique, a aplicação juntamente
com coima das seguintes sanções acessórias: Norma revogatória

a) A apreensão dos objectos pertencentes ao agente 1 — É revogado o Decreto-Lei n.º 68/2002, de 25 de


que tenham sido utilizados como instrumento na prática Março.
da infracção; 2 — Sem prejuízo da revogação prevista no número
b) A interdição, até ao máximo de dois anos, do exer- anterior, as instalações de produção de electricidade licen-
cício da actividade ou profissão conexas com a infracção ciadas no âmbito do referido regime jurídico continuam a
praticada; reger-se pelo que nele se dispõe.
Diário da República, 1.ª série — N.º 47 — 8 de Março de 2011 1325

Artigo 33.º Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, no uso das


Entrada em vigor
competências delegadas pelo Ministro da Agricultura, do
Desenvolvimento Rural e das Pescas, através do despacho
O presente decreto-lei entra em vigor no prazo de 45 dias n.º 78/2010, de 5 de Janeiro, o seguinte:
após a sua publicação.
Visto e aprovado em Conselho de Ministros de 9 de Artigo único
Dezembro de 2010. — José Sócrates Carvalho Pinto de
Sousa — Emanuel Augusto dos Santos — Alberto de Sousa Alteração à Portaria n.º 178/2007, de 9 de Fevereiro
Martins — José António Fonseca Vieira da Silva — Dulce Os artigos 16.º e 17.º da Portaria n.º 178/2007, de 9 de
dos Prazeres Fidalgo Álvaro Pássaro. Fevereiro, com a redacção que lhe foi dada pela Portaria
Promulgado em 22 de Fevereiro de 2011. n.º 1004/2010, de 1 de Outubro, passam a ter a seguinte
redacção:
Publique-se.
O Presidente da República, ANÍBAL CAVACO SILVA. «Artigo 16.º
Referendado em 24 de Fevereiro de 2011. [...]

O Primeiro-Ministro, José Sócrates Carvalho Pinto 1— .....................................


de Sousa. 2— .....................................
3— .....................................
4— .....................................
5— .....................................
MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, 6— .....................................
DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS a) 40 % do valor do programa sanitário anual após
a sua aprovação;
Portaria n.º 96/2011 b) 25 % do valor do programa sanitário anual, desde
de 8 de Março que o cálculo do valor dos animais já controlados e
justificados à data seja igual ou superior ao valor acu-
A Portaria n.º 178/2007, de 9 de Fevereiro, alterada pela mulado das parcelas emitidas e a OPP faça prova que
Portaria n.º 1004/2010, de 1 de Outubro, regulamenta o executou pelo menos 60 % do programa sanitário em
exercício das competências ou atribuições das diferentes cada doença, até 30 de Novembro;
entidades que participam na execução das intervenções c) Acerto final, após a conclusão do programa sani-
sanitárias do Programa Nacional de Saúde Animal bem tário anual até 31 de Dezembro, tendo em consideração
como a modalidade de apoio do Estado às acções execu-
a taxa total de execução.
tadas pelas organizações de produtores pecuários (OPP) e
ainda o pagamento pelos criadores das acções executada 7— .....................................
pelos serviços oficiais. 8 — Quando a OPP não cumpra o previsto na alí-
Este Programa envolve os produtores na erradicação das nea b) do n.º 6, aplica-se apenas o disposto na alínea c)
doenças, nomeadamente através da realização de acções do mesmo número.
cuja execução depende da celebração de acordos de coo- 9 — A apresentação do último pedido de pagamento
peração entre a autoridade sanitária veterinária nacional referente ao acerto final referido na alínea c) do n.º 6
e as OPP. deverá ocorrer no prazo de 30 dias após a conclusão do
O regime instituído pela referida portaria prevê que
programa sanitário, não podendo ultrapassar o dia 31
as OPP assegurem a execução da totalidade das acções
de Janeiro do ano civil seguinte.
sanitárias obrigatórias previstas nos programas de erra-
dicação.
Os custos inerentes ao modelo de financiamento de Artigo 17.º
apoio às OPP pela execução das acções constantes dos
planos de erradicação, actualmente suportados pelo Estado [...]
e numa parcela menor pelos criadores, deverão no futuro 1— .....................................
ser tendencialmente assumidos pela produção, com uma 2— .....................................
crescente responsabilização técnica e financeira quer das 3 — O não cumprimento do prazo definido no n.º 9
OPP quer dos produtores associados. do artigo 16.º implica uma redução no pagamento do
Porém, a aplicação daqueles diplomas demonstrou que
acerto final, nos seguintes termos:
os prazos fixados ainda não são os adequados à atribuição
da subvenção, carecendo algumas normas de alteração a) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
de modo a adequar as mesmas às exigências de todos os b) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
intervenientes. c) 100 %, se o envio do último pedido de pagamento
Importa, por isso, alterar a Portaria n.º 178/2007, de 9 de ocorrer após o final de Fevereiro do ano civil seguinte
Fevereiro, na redacção dada pela Portaria n.º 1004/2010, à execução do programa sanitário.»
de 1 de Outubro:
Assim: O Secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento
Ao abrigo do artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 39 209, de Rural, Rui Pedro de Sousa Barreiro, em 23 de Fevereiro
14 de Maio de 1953, manda o Governo, pelo Secretário de de 2011.