Você está na página 1de 15

l

Clariant Oil
Services
CLARIANT OIL SERVICES

Relatório Técnico
Innovation Assured. Value Delivered.

Rua Bento Branco de Andrade Filho, nº


488

Santo Amaro, São Paulo


Brasil
COPYRIGHT ©
CLARIANT INTERNATIONAL LTD
2021

CORRTREAT AUTOR
Natália Almeida

17693
APROVADOR
Aline Kina

What is precious to you?


São Paulo, 12 de fevereiro de 2021.

PETROBRAS
PROCESSO Nº 7003334425
INIBIDOR DE CORROSÃO PARA MULTIFÁSICO - CVIT

1
SUMÁRIO
1.0 SUMÁRIO EXECUTIVO........................................................................................................... 3

2.0 EXPERIMENTAL .................................................................................................................... 4

2.1 CONDIÇÕES DE ENSAIOS..................................................................................................... 4

2.2 SOLUBILIDADE ..................................................................................................................... 4

2.3 ESPUMA ................................................................................................................................. 5

2.4 EMULSÃO ............................................................................................................................... 6

2.5 ESTABILIDADE TÉRMICA .................................................................................................... 7

2.6 PERFORMANCE ..................................................................................................................... 8

2.6.1 CORROSÃO TIPO “BUBBLE TEST” ....................................................................................... 8

3.0 RESULTADOS .......................................................................................................................... 8

3.1 SOLUBILIDADE ..................................................................................................................... 9

3.2 ESPUMA ............................................................................................................................... 10

3.3 EMULSÃO ............................................................................................................................. 10

3.4 ESTABILIDADE TÉRMICA .................................................................................................. 11

3.5 PERFORMANCE ................................................................................................................... 13

3.5.1 CORROSÃO TIPO “BUBBLE TEST” ..................................................................................... 13

4.0 CONCLUSÃO .......................................................................................................................... 14

2
1.0 SUMÁRIO EXECUTIVO

O seguinte documento detalha o desenvolvimento realizado pela divisão de integridade


da Clariant Oil Services para avaliar o produto CORRTREAT 17693 de acordo com a ET-
3010.00.1260-010.PNG-062 rev.K e ET-3010.80-1260-010-PBY-001 rev.A.
Primeiramente, foram realizados testes da metodologia de “bubble test” para avaliar a
eficiência do inibidor de corrosão e CORRTREAT 17693 apresentou uma eficiência superior
a 90% em 48h após a aplicação de 30 ppmv do inibidor na condição de salmoura poço A.
Os ensaios de compatibilidade do material quanto à formação de espuma, solubilidade
com heptano e salmoura poço A, estabilização de emulsão e estabilidade térmica, mostraram
que o CORRTREAT 17693 está apto a ser utilizado para cenário multifásico, segundo as
condições informadas pela Petrobras.

3
2.0 EXPERIMENTAL
2.1 CONDIÇÕES DE ENSAIOS

Tabela 1: condições de ensaio com o CORRTREAT 17693.

Composição
Temperatura de CO2 no BSW
Cenário
(ºC) gás (%)
(%)
Multifásico 70 1* 80
*Balanço em N2.

Tabela 2: composição da salmoura poço A.

Componente Poço A Unidade

Sódio (Na+) 51.400,00 mg/L


Potássio (K+) 614,00 mg/L

Magnésio (Mg2+) 1.080,00 mg/L

Cálcio (Ca2+) 6.740,00 mg/L

Bário (Ba2+) 178,00 mg/L

Estrôncio (Sr2+) 602,00 mg/L

Cloreto (Cl-) 100.087,00 mg/L

Sulfato (SO42+) 19,00 mg/L

Acetato (CH3CO2-) 433,00 mg/L

Alcalinidade (HCO3-) 555,00 mg/L

Salinidade 164.995,00 mg/L

pH @25ºC 6,0 mg/L

2.2 SOLUBILIDADE

Esse ensaio deve ser realizado com os solventes nas condições de testes. Para cada
solvente, adicionar 1mL de CORRTREAT 17693 em 10 frascos de vidro transparente, Figura
1.

Condições de teste
Tipo de solvente Heptano e salmoura poço A

Concentração
1:1, 1:2, 1:3, 1:4, 1:5, 1:6, 1:7, 1:8, 1:9, 1:10
IC:Solvente
“totalmente solúvel” (não há separação de fases), “parcialmente solúvel”
(há separação de fases, sem turvação ou formação de depósitos) ou
Avaliação
“insolúvel” (há separação de fases, com turvação e/ou formação de
depósitos)

4
produto deve ser totalmente solúvel ou em heptano ou em salmoura
poço A nas diluições testadas, com tolerância de turvação nas
proporções avaliadas, sem formação de precipitados ou separação de
Critérios de aprovação
fases.
Para as demais fases líquidas solicitadas heptano e salmoura poço
A.

Figura 1: esquema de ensaio de solubilidade.

2.3 ESPUMA
Colocar em uma proveta de 250 ml, 100 ml da salmoura poço A informada na Tabela
2, e 1.000ppm do CORRTREAT 17693. Em seguida, instalar um borbulhador de gás, no
centro da proveta e ficar imerso em uma profundidade de 50 mL a partir da interface da
salmoura com o ar. Borbulhar N2 na proveta controlando a vazão através de um rotâmetro em
100 L/h durante 2 minutos, Figura 2. O ensaio deverá ser reproduzido para o branco, ou seja,
sem dosagem de inibidor de corrosão

Condições de teste
Proveta – diâmetro externo de 45 mm e altura da parte graduada de 225
mm;
Especificação das
vidrarias
Borbulhador – tubo de vidro com um cilindro de vidro sinterizado de
porosidade média – P160.

Tempo de leitura 2 minutos.

Medir o volume de espuma que se forma e o tempo de quebra da mesma.


Fotografar o aspecto da solução antes do teste iniciar, após 1 min de
borbulhamento e depois do ensaio, e incluir as fotografias no relatório
Avaliação
de análises com comentários e observações ocorridas no ensaio
(tamanho de bolhas, características da espuma, formação de borra,
etc.).

O inibidor de corrosão será considerado aprovado no ensaio de


formação de espuma quando a altura máxima da espuma durante o
Critérios de aprovação borbulhamento não ultrapassar 50% do volume inicial, ou seja, altura
máxima total (líquido + espuma) de 150 ml. Após o borbulhamento, o
tempo de quebra da espuma deverá ser de até 2 minutos

5
Figura 2: esquema de ensaio de espuma.

2.4 EMULSÃO
Colocar em um béquer de 250 ml, conforme demostrado na Figura 3, 100 ml uma
salmoura poço A e 100 ml de uma fase orgânica. Em seguida, adicionar 1mL de inibidor de
corrosão e misturar por 30 segundos, na velocidade de 2400 RPM (o aumento da velocidade
deve ser gradual). Após a agitação, transferir para uma proveta e anotar as alturas das fases
água, óleo, em intervalos de tempo de 1min, 5min, 10min, 20min e 1 hora, observando se há a
formação de uma terceira fase que caracteriza uma emulsão estável entre as fases água e óleo,
ou se há turvação de alguma das fases e fotografar o aspecto da solução nos intervalos de tempo
citados.

Condições de teste
Especificação de
Agitador Mecânico: hélice de 2 pás (Φ = 40mm)
equipamento

Fase orgânica heptano ou querosene de aviação

Fase aquosa Salmoura poço A

Tempo de leitura 60 minutos.

Anotar as alturas das fases água, óleo, em intervalos de tempo de 1min,


5min, 10min, 20min e 1 hora, observando se há a formação de uma
Avaliação terceira fase que caracteriza uma emulsão estável entre as fases água e
óleo, ou se há turvação de alguma das fases. Além de, fotografar o
aspecto da solução nos intervalos de tempo citados

6
O inibidor de corrosão testado deve apresentar pelo menos 90% de
quebra de espuma em relação ao teste branco, avaliado após 5 minutos
depois de interrompido o borbulhamento, com aspecto visual límpido e
sem formação de emulsão estável.
Critérios de aprovação
Nota 1: a turvação de cada fase separadamente não deve ser
considerada formação de emulsão, devendo ser essa característica
atribuída à partição do produto.

Figura 3: esquema de ensaio de emulsão.

2.5 ESTABILIDADE TÉRMICA


Preparar uma salmoura poço A e dosar 1.000 ppm de CORRTREAT 17693.
Colocar 100mL desta solução em um recipiente conectado a um condensador vertical. Purgar
a solução continuamente com CO2 a uma taxa de aproximadamente 100mL/min. Aquecer o
recipiente, a 120°C por 5 dias, mantendo o borbulhamento. Terminado esse período, diluir a
solução com a salmoura até que a concentração do inibidor seja de 100mg/L e realizar o teste
de formação de espuma (conforme item 2.2), aplicando os mesmos critérios para aprovação
do produto. Além disso, não pode haver formação de borras ou resíduos, a Figura 4 demonstra
o esquema de ensaio para o teste.

Figura 4: esquema de ensaio de estabilidade térmica.

7
2.6 PERFORMANCE

2.6.1 CORROSÃO TIPO “CARROSSEL ROTATÓRIO”


Esse teste deve ser feito para cenários de escoamento multifásico de óleo, gás e água
produzida. A eficiência do CORRTREAT 17693 deve ser avaliada em ensaio do tipo
“carrossel rotatório”, conforme descrito na norma ASTM G 184 7, onde vários corpos-de-prova
retangulares são fixos em um suporte giratório, que roda com velocidade controlada, a Figura
5 apresenta o esquema de ensaio.
A taxa de corrosão do aço carbono baixa liga deve ser avaliada pela técnica de perda de
massa, determinada conforme a norma ASTM G31-4. O ensaio deve ser realizado na condição
indicada na Tabela 1, com borbulhamento contínuo do gás de teste, que deve ter CO2. O gás
deve ser purgado continuamente, evitando a contaminação do sistema com oxigênio.
Nesse ensaio, todos os corpos-de-prova devem ser montados na autoclave vazia, que
deve ser desaerada e purgada com o gás a ser utilizado no ensaio, antes de preenchê-la com o
líquido.
A fase líquida do ensaio deve ser composta de uma salmoura cloretos e de uma fase
orgânica (por exemplo: heptano, querosene de aviação, etc.), na proporção entre as fases
aquosa e orgânica (BSW) indicada na Tabela 1. Essas soluções devem ser misturadas e
desaeradas com a mistura gasosa de teste em um recipiente, na pressão atmosférica e
temperatura ambiente. Após saturação, dosar o CORRTREAT 17693 na célula e transferir
para a autoclave, acondicionando-a na temperatura de teste. O teste deve ter duração e 48h.

Figura 5: esquema de ensaio de corrosão tipo “carrossel rotatório”.

8
Especificações do corrossel

Distância: 0,050m

Distância entre os corpos de prova: 3,30 ± 0,01 cm

Velocidade de rotação: 1400 rpm

3.0 RESULTADOS
3.1 SOLUBILIDADE

Para o teste de solubilidade com o CORRTREAT 17693 foi necessário realizá-


lo com os solventes salmoura poço A e heptano. As figuras 6 e 7 detalham o
comportamento visual com cada solvente.

Figura 6: solubilidade do CORRTREAT 17693 com heptano.

O CORRTREAT 17693 quando em contato com o heptano nas proporções de


1 a 10mL, respectivamente, foram parcialmente solúveis.

Figura 7: solubilidade do CORRTREAT 17693 com salmoura poço A.

9
O CORRTREAT 17693 quando em contato com heptano nas proporções de 1
a 10mL, apresentou separação de fases e leve turvação, mas com a salmoura poço A,
apenas turvação nas proporções de 1 a 10mL.

3.2 ESPUMA
A Tabela 3 apresenta os resultados obtidos no teste de espuma e a figura 8 o aspecto
visual. Pode ser observado que com a adição do CORRTREAT 17693 na concentração de
1.000ppm não promoveu o aumento da tendência a formação de espuma em salmoura poço
A, atendendo todos critérios solicitados.
Tabela 3: resultado do teste de espuma com o CORRTREAT 17693.

Figura 8: resultado visual do ensaio de espuma com 1000ppm de CORRTREAT 17693.

3.3 EMULSÃO

A tabela 4 descreve as alturas observadas de cada fase nos tempos 1, 5, 10, 20 e 60min
no teste de emulsão do n-heptano com salmoura e 0,1mL de CORRTREAT 17693. Pode ser
observado que, houve uma formação de emulsão entre as fases aquosa e orgânica após 30s de
agitação intensa a 2400rpm. Segundo os dados no tempo de 5min já foi possível obter a
porcentagem de quebra superior a 90%.

Tabela 4: resultado do teste de emulsão com o CORRTREAT 17693.

Tempo (min)
Amostra Fase
1 5 10 20 60

10
Orgânica 100 100 100 100 100

Branco Emulsão 0 0 0 0 0

Aquosa 100 100 100 100 100

Orgânica 110 100 100 100 100

CORRTREAT
Emulsão 0 0 0 0 0
17693

Aquosa 90 100 100 100 100

Figura 9: resultado visual do ensaio de emulsão.

3.4 ESTABILIDADE TÉRMICA

Após o ensaio os 5 dias de borbulhamento em aquecimento a 120ºC para estabilidade


térmica do CORRTREAT 17693, o meio foi diluído até que fosse obtido 100mg/L de inibidor
de corrosão para em seguida realizar o ensaio de espuma. A tabela 5 apresenta os resultados
obtidos. Em nenhum momento foi observado formação de borras ou resíduos.

Tabela 5: resultado do teste de espuma com o CORRTREAT 17693.

11
Durante o
Após o borbulhamento
borbulhamento Tempo de
Dosagem
Meio quebra total Volume Volume Volume
(mg/L) Volume (mL)
(seg) (mL) (mL) (mL)
1 min
1 min 2 min 5 min
Salmoura
100 10 1 0 0 0
Poço A

Figura 10: resultado visual do ensaio de espuma com 100 mg/L de CORRTREAT 17693.

3.5 PERFORMANCE

3.5.1 CORROSÃO TIPO “CARROSSEL ROTATÓRIO”

12
A tabela 6 descreve os resultados obtidos por perda de massa em carrossel rotário,
pode-se observar que o CORRTREAT 17693, na concentração de 30ppmv
apresentou eficiência acima de 90%.

Tabela 6: resultado de eficiência com o CORRTREAT 17693.

Perda de massa (mm/ano)


Corpo de Eficiência
Meio
prova %
Corrtreat 17693
Branco
@30 ppmv
Poço A 1 1,832 0,182 90,04
Poço A 2 1,756 0,105 90,12
Poço A 3 1,816 0,157 90,55

Figura 11: foto da superfície de corpo de prova com aumento de 50x.

4.0 CONCLUSÃO

Os ensaios realizados para avaliar o inibidor de corrosão CORRTREAT 17693


permite chegar às seguintes conclusões:

13
1- Na concentração de 30 ppmv o CORRTREAT 17693 obteve, em 48h de atuação,
uma eficiência maior que 90%. O que indica que nesta concentração o produto
pode ser aplicado e atuará de forma eficiente.
2- O CORRTREAT 17693 foi totalmente solúvel em salmoura poço A nas
proporções de 1:1 a 1:10 produto/solvente.
3- O CORRTREAT 17693 obteve resultado positivo no que diz respeito ao teste de
espuma, visto que o produto em salmoura, não promoveu a formação de espuma.
4- O teste de emulsão com o CORRTREAT 17693 apresentou uma porcentagem de
quebra >90% em 5 minutos, atendendo ao critério especificado.
Desta forma, o CORRTREAT 17693 pode ser considerado apto para aplicação no
multifásico de CVIT, atendendo as especificações técnicas ET-3010.00.1260-010-
PNG-062 rev.K e ET-3010.80-1260-010-PBY-001 rev.A.

14
Rua Jose de Figueiredo, nº 320
Clariant S.A.
Barra da Tijuca - RJ
Functional Chemicals Division
Clariant Oil Services CEP 22793-170
Fone: 21 3311 7716
FAX: 21 3311 7710

Informação Confidencial

Esta informação é baseada em nosso atual estado de conhecimento e sua finalidade é informar sobre nossos produtos e
seus usos. As informações aqui contidas não devem ser entendidas como garantias de propriedades específicas ou seu
uso para uma aplicação em particular. Quaisquer direitos de propriedade industrial devem ser observados. A qualidade de
nossos produtos é garantida sob nossas condições gerais de vendas.

® Product marks are protected by Clariant Ltd. in numerous countries.

© 2006 by Clariant International Ltd.

15