Você está na página 1de 8

Caros colegas da publicidade de Mato Grosso, quero aqui salientar nosso desejo

por justiça e imparcialidade no processo da concorrência pública 001/2021 da


Prefeitura de Rondonópolis-MT que cometeu equivocada falhas no processo,
principalmente na formação da sua subcomissão técnica que julgou as peças e
campanhas das agências de publicidade.
Vejamos dos 3 nomes sorteados da subcomissão técnica estão:
Sorteados com vínculo com a Prefeitura. Jéssica Estellen de Souza
Hemerson Rodrigues Silva
Sorteado que não tem vínculo com a Prefeitura.
Willian da Silva de Oliveira

Conforme a Lei 12.232


§ 1o As propostas técnicas serão analisadas e julgadas por subcomissão
técnica, constituída por, pelo menos, 3 (três) membros que sejam formados em
comunicação, publicidade ou marketing ou que atuem em uma dessas áreas,
sendo que, pelo menos, 1/3 (um terço) deles não poderão manter nenhum
vínculo funcional ou contratual, direto ou indireto, com o órgão ou a entidade
responsável pela licitação.
A jurada Jéssica Estellen de Souza, tem formação em Jornalismo
O jurado Hemerson Rodrigues Silva, não tem formação acadêmica na área de
comunicação apenas atua como assessor técnico no gabinete de comunicação
da Prefeitura de Rondonópolis.
E por fim o jurado Willian da Silva de Oliveira atua na área de comunicação
trabalhando como Filmmaker na produtora de vídeo Rock Filmes

Lembramos a todos que o governo do Estado anunciou a anulação da licitação que


estava em andamento para a contratação de agências de publicidade. O motivo foi
um "vício insanável". Por meio de nota o governo anunciou que irá "corrigir uma
falha". Uma das empresas apresentou peças que foram produzidas há alguns anos
por um dos membros da Comissão de Licitação, quando ele atuava no mercado
publicitário tornando o mesmo suspeito para julgar.

Pois bem companheiros o mesmo vício acontece na Prefeitura de Rondonópolis


no Julgamento das propostas técnicas como um dos jurados é o mesmo que
presta serviço para uma das licitantes classificado nas primeiras colocações a
(DMD ASSOCIADOS ASSESSORIA E PROPAGANDA LTDA) como podemos
ver abaixo:
Vejamos o Sr. Willian da Silva de Oliveira faz parte da equipe de produção da
produtora Rock Filmes, de propriedade do Sr. Clayton Esteriz Resende Borges
e o mesmo também estava na lista da comissão técnica para ser sorteado e
entrou um profissional de sua equipe, a mesma produtora que presta serviços
para a Licitante DMD Associados como podemos mostrar através de VT e Notas
Fiscal que comprova o vinculo da empresa e do jurado:
VT Produzido por essa equipe para a licitante DMD ASSOCIADOS.
É a mesma empresa e mesmo CNPJ
Nota Fiscal Emitido pela DMD ASSOCIADOS para o pagamento da produção
desse VT.
Outras Notas que comprova que essa produtora a muito tempo tem vínculos e
proximidades com a licitante DMD ASSOCIADOS.
Nesse sentido, dadas as considerações preliminares, entende-se que impõe a
obrigação da anulação do certame licitatório, como aconteceu no governo do
estado sob examine, para resguardar-se quanto a possibilidade do
cometimentos de ilegalidades. A lei 8666/93, prevê em seu artigo 49 as situação
de revogação ou anulação dos procedimentos licitatórios:

Art. 49. A autoridade competente para a aprovação do procedimento


somente poderá revogar a licitação por razões de interesse público decorrente
de fato superveniente devidamente comprovado, pertinente e suficiente para
justificar tal conduta, devendo anulá-la por ilegalidade, de ofício ou por
provocação de terceiros, mediante parecer escrito e devidamente
fundamentado.

§ 1o A anulação do procedimento licitatório por motivo de ilegalidade não


gera obrigação de indenizar, ressalvado o disposto no parágrafo único do art. 59
desta Lei.

§ 2o A nulidade do procedimento licitatório induz à do contrato, ressalvado


o disposto no parágrafo único do art. 59 desta Lei.

§ 3o No caso de desfazimento do processo licitatório, fica assegurado o


contraditório e a ampla defesa.

§ 4o O disposto neste artigo e seus parágrafos aplica-se aos atos do


procedimento de dispensa e de inexigibilidade de licitação.

Caros colegas, diante das provas de suspeita de direcionamento para


favorecimento de determinado licitante com jurados suspeito para julgar, vamos
todos pedir a REVOGAÇÃO OU ANULAÇÃO da concorrência pública 001/2021
da Prefeitura de Rondonópolis, para que seja feito novamente dentro da
legalidade da Lei, vamos entrar com o recurso administrativo, se não acatado
Mandado de Segurança e o envio dessas provas ao Ministério Público do Estado
de Mato Grosso para demais providencias cabíveis.