Você está na página 1de 1

Quadro do o papel do professor e do aluno, nas concepções

conservadoras (tradicional, escolanovista e tecnicista).


Papel do professor e do aluno

Tradicional A tendência tradicional foi a primeira que o contexto brasileiro instituiu. A sua filosofia
tem a máxima valorização do professor, que é a figura central, enquanto o aluno recebe o
conhecimento que é passado. Como dá pra ver, ele é um receptor passivo e o ensino está
relacionado com a memorização do conteúdo. Vale lembrar que a transmissão de
conteúdo nesse caso é feita por meio de padrões e modelos dominantes. Então, não existe
uma separação da realidade social de cada pessoa ali, nem mesmo a distinção por
capacidade cognitiva. O conhecimento do professor é a verdade absoluta, o que cria um
processo bem mecânico e repetitivo.

Escola-novista A Tendência Liberal Renovadora não-diretiva (Escola Nova) enfatiza a formação de


atitudes, o método é baseado na facilitação da aprendizagem, onde aprender é modificar
as percepções da realidade. O Professor é auxiliar das experiências.
é modeladora do comportamento humano através de técnicas específicas. Os
procedimentos e técnicas preparam para a transmissão e recepção de informações. A
aprendizagem é baseada no desempenho (aprender-fazendo). O Professor é o técnico e
responsável pela eficiência do ensino. A Tendência Progressista Libertadora dá ênfase ao
não-formal. É crítica, questiona as relações do homem no seu meio, visa levar professores
e alunos a atingirem um nível de consciência da realidade em que vivem na busca da
transformação social.
A Tendência Progressista Libertária visa à transformação da personalidade num sentido
libertário e autogestionário. A metodologia enfoca a livre-expressão, o contexto cultural, a
educação estética. Os conteúdos são disponibilizados para o aluno, mas não são exigidos.
Resultam das necessidades do grupo. O professor é conselheiro, monitor à disposição do
aluno.
Tecnicista É uma linha de ensino, adotada por volta de 1970, que privilegiava excessivamente a
tecnologia educacional e transformava professores e alunos em meros executores e
receptores de projetos elaborados de forma autoritária e sem qualquer vínculo com o
contexto social a que se destinavam.

Além de apresentar características autoritárias, a pedagogia tecnicista pode ser considerada


não-dialógica, ou seja, ao aluno cabe assimilar passivamente os conteúdos transmitidos
pelo professor. Essa pedagogia difere da progressista que privilegia a formação de cidadãos
participativos e conscientes da sociedade em que vivem.