Você está na página 1de 64

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA


DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL
CONCRETO ARMADO II

PROJETO DE ESCADAS

ADRIEL CARLOS BATISTA DOS SANTOS

Boa Vista – RR
2010

ADRIEL CARLOS BATISTA DOS SANTOS


PROJETO DE ESCADAS

Projeto de Escadas apresentado ao


Professor Dr. José Neres da Silva
Filho, da disciplina de Concreto
Armado II.

Boa Vista – RR
2010
SUMÁRIO

LISTA DE TABELAS .............................................................................................................. iv

LISTA DE FIGURAS ................................................................................................................ v

1. DIMENSIONAMENTO E DETALHAMENTO DA ESCADA DE UM EDIFÍCIO DE


ESCRITÓRIO ARMADA TRANSVERSALMENTE .............................................................. 1

1.1. Dados iniciais do projeto ............................................................................................. 1

1.2. Dimensões .................................................................................................................... 1

1.3. Ações ........................................................................................................................... 3

1.4. Reações de apoio nas vigas .......................................................................................... 4

1.5. Momento fletor máximo no vão livre .......................................................................... 4

1.6. Dimensionamento da armadura ................................................................................... 4

1.7. Detalhamento ............................................................................................................... 6

1.8. Vigas de apoio (V1 e V2) ............................................................................................ 8

2. DIMENSIONAMENTO E DETALHAMENTO DA ESCADA DE UM EDIFÍCIO DE


ESCRITÓRIO ARMADA LONGITUDINALMENTE ........................................................... 11

2.1. Dados iniciais do projeto ........................................................................................... 11

2.2. Dimensões .................................................................................................................. 11

2.3. Ações ......................................................................................................................... 13

2.4. Reações de apoio nas vigas ........................................................................................ 14

2.5. Momento fletor máximo no vão livre ........................................................................ 14

2.6. Dimensionamento da armadura ................................................................................. 14

2.7. Detalhamento ............................................................................................................. 16

3. AVALIAÇÃO CRÍTICA ENTRE A ESCADA ARMADA TRANSVERSALMENTE E


A ARMADA LONGITUDINALMENTE................................................................................ 19

i
4. DEMONSTRAÇÃO QUE O VALOR DO MOMENTO FLETOR MÁXIMO PARA
UMA SUPERFÍCIE INCLINADA É IGUAL AO MOMENTO FLETOR MÁXIMO
OBTIDO CONSIDERANDO A SUPERFÍCIE HORIZONTAL DE COMPRIMENTO ....... 20

4.1. Superfície horizontal ................................................................................................. 20

4.2. Superfície inclinada ................................................................................................... 20

5. PRINCIPAIS TIPOS DE ESCADAS ............................................................................... 22

6. FUNCIONAMENTO DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE UMA ESCADA


EM BALANÇO ENGASTADA EM UMA VIGA LATERAL .............................................. 23

7. EMPUXO NO VAZIO ..................................................................................................... 25

8. DIMENSIONAMENTO E DETALHAMENTO DA ESCADA DE UM EDIFÍCIO


RESIDENCIAL CONSIDERANDO A EXISTÊNCIA DE UM PARAPEITO DE
ALVENARIA DE TIJOLOS CERÂMICOS FURADOS (UTILIZAÇÃO DAS TABELAS
DE PINHEIRO, 2003) ............................................................................................................. 26

8.1. Dados iniciais do projeto ........................................................................................... 26

8.2. Dimensões do parapeito ............................................................................................ 26

8.3. Dimensões da escada ................................................................................................. 27

8.4. Ações ......................................................................................................................... 28

8.5. Reações de apoio nas vigas ....................................................................................... 29

8.6. Momento fletor máximo no vão livre........................................................................ 29

8.7. Dimensionamento das lajes L1 e L2 ......................................................................... 30

8.8. Detalhamento............................................................................................................. 32

9. DIMENSIONAMENTO E DETALHAMENTO DA ESCADA DE UM EDIFÍCIO


RESIDENCIAL CONSIDERANDO A EXISTÊNCIA DE UM PARAPEITO DE
ALVENARIA DE TIJOLOS CERÂMICOS FURADOS (UTILIZAÇÃO DOS
COMENTÁRIOS DO PROFESSOR AMÉRICO CAMPOS FILHO).................................... 34

9.1. Dados iniciais do projeto ........................................................................................... 34

9.2. Dimensões do parapeito ............................................................................................ 34

ii
9.3. Dimensões da escada ................................................................................................. 35

9.4. Ações ......................................................................................................................... 36

9.5. Reações ...................................................................................................................... 39

9.6. Momento fletor máximo ............................................................................................ 39

9.7. Dimensionamento das lajes L1 e L2 .......................................................................... 40

9.8. Detalhamento ............................................................................................................. 42

10. DIMENSIONAMENTO DA ESCADA DE UM PRÉDIO RESIDENCIAL QUE


APRESENTA DOIS VÃOS PERPENDICULARES ENTRE SI ............................................ 44

10.1. Dados iniciais do projeto ........................................................................................ 44

10.2. Dimensões dos degraus .......................................................................................... 44

11. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .......................................................................... 56

ANEXOS ................................................................................... Erro! Indicador não definido.

iii
LISTA DE TABELAS

Tabela 1 - Comprimento das barras (item 1)......................................................................... 7

Tabela 2 - Quantidade e relação das barras (item 1) ............................................................. 7

Tabela 3 - Comprimento das barras (item 2)....................................................................... 17

Tabela 4 - Quantidade e relação das barras (item 2) ........................................................... 17

Tabela 5 - Comparação entre as escadas dos itens 1 e 2 ..................................................... 19

Tabela 6 - Comprimento das barras (item 8)....................................................................... 32

Tabela 7 - Quantidade e relação das barras (item 8) ........................................................... 32

Tabela 8 - Comprimento das barras (item 9)....................................................................... 42

Tabela 9 - Quantidade e relação das barras (item 9) ........................................................... 42

iv
LISTA DE FIGURAS

Figura 1 - Abertura da escada associada a uma laje maciça (dimensões em cm – item 1) ... 2

Figura 2 - Dimensões da escada (item 1) .............................................................................. 3

Figura 3 - Modelo de cálculo (dimensões em cm - item 1) ................................................... 4

Figura 4 - Detalhamento das barras N1 (item 1) ................................................................... 7

Figura 5 - Detalhamento das barras N2 (item 1) ................................................................... 8

Figura 6 - Detalhamento da viga de apoio (item 1) ............................................................. 10

Figura 7 - Abertura da escada associada a uma laje maciça (dimensões em cm – item 2) . 12

Figura 8 - Dimensões da escada (item 2) ............................................................................ 13

Figura 9 - Modelo de cálculo (dimensões em cm - item 2) ................................................. 14

Figura 10 - Detalhamento das barras N1 (item 2) ................................................................. 17

Figura 11 - Detalhamento das barras N2 (item 2) ................................................................. 18

Figura 12 - Superfície horizontal (item 4) ............................................................................. 20

Figura 13 - Superfície inclinada (item 4) .............................................................................. 21

Figura 14 - Detalhamento I (item 6) ...................................................................................... 23

Figura 15 - Detalhamento II (item 6) .................................................................................... 23

Figura 16 - Detalhamento III (item 6) ................................................................................... 24

Figura 17 - Ancoragem correta para o combate ao empuxo ao vazio (item 7) ..................... 25

Figura 18 - Planta de fôrmas da escada (item 8) ................................................................... 27

Figura 19 - Cortes A-A’ e B-B’ (item 8) ............................................................................... 27

Figura 20 - Modelo de cálculo (dimensões em cm - item 8) ................................................. 30

Figura 21 - Detalhamento do lance 1 (item 8)....................................................................... 33

Figura 22 - Detalhamento do lance 2 (item 8)....................................................................... 33

Figura 23 - Planta de fôrmas da escada (item 9) ................................................................... 35

v
Figura 24 - Cortes A-A’ e B-B’ (item 9) .............................................................................. 35

Carregamento atuante na laje (item 9) ........................................................... 38

Figura 26 - Diagrama de esforço cortante com reações (item 9) .......................................... 39

Figura 27 - Diagrama de momento fletor (item 9)................................................................ 39

Figura 28 - Modelo de cálculo (dimensões em cm - item 9) ................................................ 40

Figura 29 - Detalhamento do lance 1 (item 9) ...................................................................... 43

Figura 30 - Detalhamento do lance 2 (item 9) ...................................................................... 43

vi
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

1. DIMENSIONAMENTO E DETALHAMENTO
A DA ESCADA DE
UM EDIFÍCIO DE ESCRITÓRIO
A ARMADA
TRANSVERSALMENTE
A
1.1. Dados iniciais do projeto A
Aço CA-50 e CA-60; A

fck= 20 MPa;

CAA I (de acordo com a tabela 6.1 da NBR 6118:2003);

Cnom = 2,0 cm (de acordo com a tabela 7.2 da NBR 6118:2003);

Dmáx.agr = 19 mm;

Cimento CP-32 II;

Obs.: Calcular a armadura das vigas VE1 e VE2.

1.2. Dimensões
Para a obtenção de uma escada confortável, as seguintes considerações são válidas:

Adotando-se:

Verificação:

O desnível (lv) que a escada irá vencer é de 285 cm, assim, temos:
Número de Degraus:

Desenvolvimento horizontal:
1
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

A
Outras dimensões: A
Vão livre da escada:
Largura da viga: A
Vão efetivo da escada (eixo a eixo das vigas): A
Inclinação: A

Avaliação da espessura da laje:


350

120

Figura 1 - Abertura da escada associada a uma laje maciça (dimensões em cm – item 1)

Pela NBR 6118:1982:

Onde:
: altura útil da laje;
: menor vão
Aço CA50 

Adotar:

Cálculo da espessura média da laje:

2
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

Para a obtenção da espessura média (hm), antes precisamos


A de h1, assim:
Obs.: A

A
Verificação:
A

h m = 1 9 ,5 5 cm

h 1 = 1 0 ,0 5 cm
s= 2 6 cm
h = 8 cm

e = 1 9 cm

a = 3 7 ,2 °

Figura 2 - Dimensões da escada (item 1)

1.3. Ações
Peso próprio (Pp):

Revestimento (Prevest):

Carga de uso (q):


A escada tem acesso ao público, assim:

3
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

Carregamento total: A

1.4. Reações de apoio nas vigas


A

A
1.5. Momento fletor máximo no vão livre

1.6. Dimensionamento da armadura

lx

L1 120
ly

350

Figura 3 - Modelo de cálculo (dimensões em cm - item 1)

Altura útil:

Obtenção de Kc e Ks (Valores obtidos conforme tabela 1.1 de PINHEIRO, 2003):

Cálculo de as:

Armadura mínima:
Conforme a tabela 17.3 da NBR 6118:2003, para o concreto C20, tem-se:

4
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

Verificação:
A

Armadura de distribuição: A

Espaçamento máximo (item 20.1 da NBR 6118:2003):

Armadura principal:

Armadura secundária:

5
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

A
1.7. Detalhamento
Comprimento das barras

Nos apoios de extremidade, serão adotadas barras com ganchos de 90º, prolongados
até a face externa, respeitando-se o cobrimento.
Nos apoios internos com lajes adjacentes, serão adotadas barras sem ganchos,
prolongadas de pelo menos a partir da face do apoio.
Sendo:
: diâmetro da barra;
: vão livre;

e : acréscimos de comprimento à esquerda e à direita, de valor ou


;

é a largura do apoio;

é o cobrimento da armadura (c = 2,0 cm);

: valor adotado do trecho horizontal da barra, múltiplo de 5;

: acréscimo de comprimento de um ou de dois ganchos (tabela 1.7a, PINHEIRO,


1993);

 Comprimento total da barra.

6
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

Tabela 1 - Comprimento das barras


A (item 1)

A
Quantidade, relação das barras:
A

Tabela 2 - Quantidade e relação das barras (item 1)

Obs.: As barras N2 devem ser posicionadas acima das barras N1

N1 5.0 m m c/ 12,5 (145 cm )

Figura 4 - Detalhamento das barras N1 (item 1)

7
N1 5 .0 m m c/ 1 2 ,5 (1 4 5 cm )

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR


DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

A
N2 5 .0 m m c/ 2 0 (4 8 5 cm )
A

Figura 5 - Detalhamento das barras N2 (item 1)

1.8. Vigas de apoio (V1 e V2)


Estimativa da altura de cada viga:

A altura da viga deve ser aproximadamente 10% do vão.


O vão é de 350 cm, logo:

Carregamento em cada viga:

Adotando-se:

Dimensionamento da armadura longitudinal:

8
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

A
Armadura longitudinal mínima:

A
Massa:
A

Armadura auxiliar (porta estribo):

Adotando

Dimensionamento dos estribos:

Cálculo da força cortante última (Vdu):

Onde:

Cálculo de Vd,min:

Verificações:

Armadura transversal mínima:


9
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

Sendo n o número de ramos do estribo ( , temos:


A

Espaçamento máximo longitudinal:


A

Comprimento, quantidade e resumo dos estribos

Utilizando gancho tipo C, temos:

Comprimento:

Quantidade:

Massa:

Massa total
Já considerando as 2 vigas, temos:

N4

N5

N3
Figura 6 - Detalhamento da viga de apoio (item 1)

10
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

2. DIMENSIONAMENTO E DETALHAMENTO
A DA ESCADA DE
UM EDIFÍCIO DE ESCRITÓRIO
A ARMADA
LONGITUDINALMENTE
A
2.1. Dados iniciais do projeto A
Aço CA-50 e CA-60; A

fck= 20 MPa;

CAA I (de acordo com a tabela 6.1 da NBR 6118:2003);

Cnom = 2,0 cm (de acordo com a tabela 7.2 da NBR 6118:2003);

Dmáx.agr = 19 mm;

Cimento CP-32 II;

2.2. Dimensões
Para a obtenção de uma escada confortável, as seguintes considerações são válidas:

Adotando-se:

Verificação:

O desnível (lv) que a escada irá vencer é de 285 cm, assim, temos:
Número de Degraus:

Desenvolvimento horizontal:

11
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

Outras dimensões: A
Vão livre da escada: A
Largura da viga:
Vão efetivo da escada (eixo a eixo das vigas): A
Inclinação: A

A
Avaliação da espessura da laje:
350

100

Figura 7 - Abertura da escada associada a uma laje maciça (dimensões em cm – item 2)

Pela NBR 6118:1982:

Onde:
: altura útil da laje;
: menor vão
Aço CA50 

Adotar:

Cálculo da espessura média da laje:


Para a obtenção da espessura média (hm), antes precisamos de h1, assim:

12
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

Obs.: A

Verificação:
A

h m = 2 4 ,5 7 cm

h 1 = 1 5 ,0 7 cm
s = 2 6 cm
h = 1 2 cm

e = 1 9 cm

a = 3 7 ,2 °

Figura 8 - Dimensões da escada (item 2)

2.3. Ações
Peso próprio (Pp):

Revestimento (Prevest):

Carga de uso (q):


A escada tem acesso ao público, assim:

13
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

Carregamento total: A

2.4. Reações de apoio nas vigas


A

A
2.5. Momento fletor máximo no vão livre

2.6. Dimensionamento da armadura

lx

L1 100

ly

350

Figura 9 - Modelo de cálculo (dimensões em cm - item 2)

Altura útil:

Obtenção de Kc e Ks (Valores obtidos conforme tabela 1.1 de PINHEIRO, 2003):

Cálculo de as:

Armadura mínima:
Conforme a tabela 17.3 da NBR 6118:2003, para o concreto C20, tem-se:

14
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

A
Verificação:

Armadura de distribuição: A

Espaçamento máximo (item 20.1 da NBR 6118:2003):

Armadura principal:

Armadura secundária:

15
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

A
2.7. Detalhamento
A
Comprimento das barras
A

Nos apoios de extremidade, serão adotadas barras com ganchos de 180º, respeitando-
se o cobrimento.
Nos apoios internos com lajes adjacentes, serão adotadas barras sem ganchos,
prolongadas de pelo menos a partir da face do apoio.
Sendo:
: diâmetro da barra;
: vão livre;

e : acréscimos de comprimento à esquerda e à direita, de valor ou


;

é a largura do apoio;

é o cobrimento da armadura (c = 2,0 cm);

: valor adotado do trecho horizontal da barra, múltiplo de 5;

: acréscimo de comprimento de um ou de dois ganchos (tabela 1.7a, PINHEIRO,


1993)

 Comprimento total da barra.

16
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

Tabela 3 - Comprimento das barras


A (item 2)

A
Quantidade, relação das barras:

A
Tabela 4 - Quantidade e relação das barras (item 2)

Obs.: As barras N2 devem ser posicionadas acima das barras N1

N1 6.3 m m c / 25 cm (100 cm )

Figura 10 - Detalhamento das barras N1 (item 2)

17
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II N1 6 .3 m m c / 2 5 c m (1 0 0 c
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

A
5
A

A
6
47
A

N2 6 .3 m m c / 5 c m (4 8 6 cm )

Figura 11 - Detalhamento das barras N2 (item 2)

18
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

3. AVALIAÇÃO CRÍTICA ENTRE A


A ESCADA ARMADA
TRANSVERSALMENTE E A A ARMADA
LONGITUDINALMENTE
A

Tabela 5 - Comparação entre as escadas dos itens 1 e 2

A escada armada longitudinalmente apresentou um volume de concreto menor que a


escada armada transversalmente, isso ocorreu pela necessidade das vigas de apoio para a
escada armada transversalmente.
A escada armada longitudinalmente apresentou uma menor quantidade de armaduras
em peso, fator devido também à existência das vigas de apoio no caso da escada armada
transversalmente.
Levando-se em conta apenas o fator financeiro, a escada armada longitudinalmente é a
mais indicada.

19
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

4. DEMONSTRAÇÃO QUE O VALOR DO


A MOMENTO FLETOR

MÁXIMO PARA UMA SUPERFÍCIE INCLINADA


A É IGUAL AO
MOMENTO FLETOR MÁXIMO OBTIDO CONSIDERANDO A
A
SUPERFÍCIE HORIZONTAL DE COMPRIMENTO
A

4.1. Superfície horizontal A

Sendo “q” o carregamento distribuído ao longo da escada, e P a pontual equivalente a


este carregamento, temos:

q = P / l

Figura 12 - Superfície horizontal (item 4)

Assim,

4.2. Superfície inclinada


Sendo “q” o carregamento distribuído ao longo da escada, e P a pontual equivalente a
este carregamento, temos:

20
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

A
/l
i
Pi
q=

A
P i = P .c o s a
A
P
a
a
os
l.c
li =

Figura 13 - Superfície inclinada (item 4)

Mas,

Logo,

Assim:

Constatação:
De fato o momento fletor é o mesmo, independente da consideração da superfície
horizontal ou inclinada.

21
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

5. PRINCIPAIS TIPOS DE ESCADAS A

A
Escadas retangulares (armadas transversalmente, armadas longitudinalmente, armadas

em cruz, com patamar, com laje em balanço, em viga reta com degraus em balanço,
A
em “cascata”); A

Escadas com lajes ortogonais (em “L”, em ”U”, em A”O”);

Escada com lances adjacentes.

22
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

6. FUNCIONAMENTO DO COMPORTAMENTO
A ESTRUTURAL
DE UMA ESCADA EM BALANÇO ENGASTADA
A EM UMA
VIGA LATERAL
A
Neste tipo de escada, uma de suas extremidades éAengastada e a outra é livre. O
engastamento da escada se faz na viga lateral. A
O cálculo da laje é bastante simples, sendo armada em uma única direção, com barras
principais superiores (armadura negativa).
No dimensionamento da viga, deve-se considerar o cálculo à flexão e à torção. Este
último esforço deverá ser absorvido por pilares ou por vigas ortogonais.
Os espelhos dos degraus trabalham como vigas engastadas na viga lateral, recebendo
as ações verticais provenientes dos degraus, dadas por unidade de projeção horizontal. Já
os elementos horizontais (passos) são dimensionados como lajes, geralmente utilizando-se
uma armadura construtiva.

v ig a V

v is ta s u p e rio r

Figura 14 - Detalhamento I (item 6)

a rm a d u ra n e g a tiva

v ig a V
v ig a V

v is ta s u p e rio r
Figura 15 - Detalhamento II (item 6)

23
v is ta s u p e rio r

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR


DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

C o rrim ã o
A

A
P .P + R e v + C A

R e s u lta n te d a fo rça
h o rizoAn ta l n o co rrim ã o

A
Figura 16 - Detalhamento III (item 6)
A

24
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

7. EMPUXO NO VAZIO A

A
Empuxo no vazio é a retificação das barras dobradas quando submetidos à tração. O
empuxo ao vazio ocorre quando a camada de concreto (recobrimento) não é suficiente para
A
impedir este deslocamento. Para evitar este efeito, a ancoragem deve ser feita de acordo com
o desenho a seguir: A

A
D etalhe da arm adura para
com bate ao em puxo no vazio

Figura 17 - Ancoragem correta para o combate ao empuxo ao vazio (item 7)

25
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

8. DIMENSIONAMENTO E DETALHAMENTO
A DA ESCADA DE
UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL A CONSIDERANDO A
EXISTÊNCIA DE UM PARAPEITO DE ALVENARIA DE
A
TIJOLOS CERÂMICOS FURADOS (UTILIZAÇÃO DAS
A
TABELAS DE PINHEIRO, 2003)
A

8.1. Dados iniciais do projeto

Aço CA-50;

fck= 45 MPa;

CAA I (de acordo com a tabela 6.1 da NBR 6118:2003);

Cnom = 2,0 cm (de acordo com a tabela 7.2 da NBR 6118:2003);

Dmáx.agr = 19 mm;

Cimento CP-32 II.

8.2. Dimensões do parapeito

Altura: 1,30 m;

Espessura: 15 cm;

Carga acidental ao longo do parapeito: 4,5 kN/m.

26
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

8.3. Dimensões da escada A

Figura 18 - Planta de fôrmas da escada (item 8)

Figura 19 - Cortes A-A’ e B-B’ (item 8)

Pela planta de fôrmas e pelos cortes, temos:

27
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

Com estas dimensões, calcula-se: A

8.4. Ações
Peso próprio:

Onde:
: Área dos lances;
: Área do patamar;
: Área total do espaço a ser ocupado pela escada.

Piso e Revestimento (Prevest):

Mureta de meio tijolo furado:


A ação proveniente da mureta deverá ser considerada em dobro, uma vez que esta ação
está presente nos dois lances da escada.
Peso próprio das muretas (Ppm):

28
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

A
Onde:
Pm: Peso de parede de ½ tijolo furado;
A
Am: Área de mureta presente em um lance de escada;
A
At: Área total do espaço a ser ocupado pela escada.
A
Temos:
, valor consultado na tabela 1 de PINHEIRO, MELGES e GIONGO
(1997);
, onde é a altura da mureta e o comprimento;
, valor já previamente calculado.

Carga de uso (q):


A escada tem acesso ao público, assim:

Carregamento total:

8.5. Reações de apoio nas vigas

8.6. Momento fletor máximo no vão livre

29
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

8.7. Dimensionamento das lajes L1 e L2 A

3 4 5 ,5 A

A
lx
A

L1 A 129

ly

129
L2

Figura 20 - Modelo de cálculo (dimensões em cm - item 8)

Obs.: As lajes L1 e L2 são iguais


Utilizar:
, para armadura principal e secundária
Altura útil:

Obtenção de Kc e Ks (Valores obtidos conforme tabela 1.1 de PINHEIRO, 2003):

Cálculo de as:

Armadura mínima:
Conforme a tabela 17.3 da NBR 6118:2003, para o concreto C45, tem-se:

30
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

Verificação: A

Armadura de distribuição:
A

Espaçamento máximo (item 20.1 da NBR 6118:2003):

Armadura principal:

Armadura secundária:

31
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

8.8. Detalhamento
A
Na armadura principal será utilizado gancho de 180º (TIPO A); no patamar será
A
utilizado gancho de 90º (TIPO C), com valores extraídos da tabela 1.7a de PINHEIRO, de
A
acordo com os itens 9.4.2.3 e 9.4.6.1 da NBR6118: 2003.
Comprimento das barras:

Os valores de l0 para a direção “y” foram extraídos diretos do AutoCAD e os valores


na direção “x” são iguais ao vão subtraído pelo produto: .

Tabela 6 - Comprimento das barras (item 8)

Quantidade e relação das barras:

Tabela 7 - Quantidade e relação das barras (item 8)

32
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

8 A
7
6 A
5
4 N4 6 .3 m m c / 1 5 c m (2 5 4 cm )
3
2 A
1
N3 6 .3 m m c / 1 5 c m (1 2 5 cm )
A

6 ,3

N1 6 .3 m m c / 7 ,5 c m (3 0 6 ,3 cm )
N2 6 .3 m m c / 7 ,5 c m (1 3 1 ,3 cm )
5
6 ,3
295 120

5
Figura 21 - Detalhamento do lance 1 (item 8)

16
15
14
13
12
11
10
9
8
N3 6 .3 m m c / 1 5 c m (1 2 5 cm )

8 N4 6 .3 m m c / 1 5 c m (2 5 4 cm )

N5 6 .3 m m c / 7 ,5 c m (3 9 5 cm )

384
8

Figura 22 - Detalhamento do lance 2 (item 8)

33
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

9. DIMENSIONAMENTO E DETALHAMENTO
A DA ESCADA DE
UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL A CONSIDERANDO A
EXISTÊNCIA DE UM PARAPEITO DE ALVENARIA DE
A
TIJOLOS CERÂMICOS FURADOS (UTILIZAÇÃO DOS
A
COMENTÁRIOS DO PROFESSOR AMÉRICO CAMPOS FILHO)
A

9.1. Dados iniciais do projeto

Aço CA-50;

fck= 45 MPa;

CAA I (de acordo com a tabela 6.1 da NBR 6118:2003);

Cnom = 2,0 cm (de acordo com a tabela 7.2 da NBR 6118:2003);

Dmáx.agr = 19 mm;

Cimento CP-32 II.

9.2. Dimensões do parapeito

Altura: 1,30 m;

Espessura: 15 cm;

Carga acidental ao longo do parapeito: 4,5 kN/m.

34
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

9.3. Dimensões da escada A

Figura 23 - Planta de fôrmas da escada (item 9)

Figura 24 - Cortes A-A’ e B-B’ (item 9)

Pela planta de fôrmas e pelos cortes, temos:

35
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

Com estas dimensões, calcula-se: A

9.4. Ações

Carga nos lances:

Peso próprio(Pp):

Peso dos degraus:

Peso do revestimento cerâmico:

Peso do reboco:

Parapeito:

A ação proveniente da mureta deverá ser considerada em dobro, uma vez que esta ação
está presente nos dois lances da escada.
Peso próprio do parapeito (Ppm):

36
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

A
Onde:
Pm: Peso de parede de ½ tijolo furado;
A
Am: Área de mureta presente em um lance de escada;
A
At: Área total do espaço a ser ocupado pela escada.
A
Temos:
, valor consultado na tabela 1 de PINHEIRO, MELGES e GIONGO
(1997);
, onde é a altura da mureta e o comprimento;
, valor já previamente calculado.

Carga de uso (q):

A escada tem acesso ao público, assim:

Carregamento total:

Carga no patamar:

Peso próprio (Pp):

Peso do revestimento cerâmico:

37
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

A
Peso do reboco:

Carga de uso (q): A

A escada tem acesso ao público, assim:

Carregamento total:

Figura 25 - Carregamento atuante na laje (item 9)

38
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

9.5. Reações A

Figura 26 - Diagrama de esforço cortante com reações (item 9)

Reações:

9.6. Momento fletor máximo

Figura 27 - Diagrama de momentos fletores (item 9)

Momento fletor máximo:

39
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

9.7. Dimensionamento das lajes L1 e L2 A

3 4 5 ,5 A

A
lx
A

L1 A 129

ly

129
L2

Figura 28 - Modelo de cálculo (dimensões em cm - item 9)

Obs.: As lajes L1 e L2 são iguais.


Utilizar:
, para armadura principal e secundária.
Altura útil:

Obtenção de x:
Temos que:

Cálculo de as:

40
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

A
Armadura mínima:
Conforme a tabela 17.3 da NBR 6118:2003, para o concreto C45, tem-se:
A

Verificação:

Armadura de distribuição:

Espaçamento máximo (item 20.1 da NBR 6118:2003):

Armadura principal:

41
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

A
Armadura secundária: A

9.8. Detalhamento
Na armadura principal será utilizado gancho de 180º (TIPO A); no patamar será
utilizado gancho de 90º (TIPO C), com valores extraídos da tabela 1.7a de PINHEIRO, de
acordo com os itens 9.4.2.3 e 9.4.6.1 da NBR6118: 2003.
Comprimento das barras:

Os valores de l0 para a direção “y” foram extraídos diretos do AutoCAD e os valores


na direção “x” são iguais ao vão subtraído pelo produto: .

Tabela 8 - Comprimento das barras (item 9)

Quantidade e relação das barras:

Tabela 9 - Quantidade e relação das barras (item 9)

42
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

8 A
7
6 A
5
4 N4 5 .0 m m c / 1 2 ,5 c m (2 5 4 cm )
3
2 A
1
N3 5 .0 m m c / 1 2 ,5 c m (1 2 5 cm )
A

50

N1 1 0 .0 m m c / 1 0 c m (3 5 0 cm )
N2 1 0 .0 m m c / 1 0 c m (1 7 5 cm )
5
50
295 120

5
Figura 29 - Detalhamento do lance 1 (item 9)

16
15
14
13
0 m m c / 1 2 ,5 c m (2 5 4 cm ) 12
11
10
9
,5 c m (1 2 5 cm )
8
N3 5 .0 m m c / 1 2 ,5 c m (1 2 5 cm )

8 N4 5 .0 m m c / 1 2 ,5 c m (2 5 4 cm )

m m c / 1 0 c m (1 7 5 cm ) N5 1 0 .0 m m c / 1 0 c m (3 9 5 cm )
5
120
384
8

Figura 30 - Detalhamento do lance 2 (item 9)

43
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

10. DIMENSIONAMENTO DA ESCADA


A DE UM PRÉDIO
RESIDENCIAL QUE APRESENTA
A DOIS VÃOS
PERPENDICULARES ENTRE SI
A
10.1. Dados iniciais do projeto A

Aço CA-50; A

fck= 20 MPa;

CAA I (de acordo com a tabela 6.1 da NBR 6118:2003);

Cnom = 2,0 cm (de acordo com a tabela 7.2 da NBR 6118:2003);

Dmáx.agr = 19 mm;

Cimento CP-32 II;

Utilizar uma carga variável de 3,0 kN/m².

10.2. Dimensões dos degraus

Altura: 17 cm;

Largura: 27 cm;

44
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

10.3. Dimensões da escada A

Figura 31 - Planta de fôrmas da escada (item 10)

Com o espelho e os passos fornecidos, calcula-se:

Como e são menores que 3, a altura será de 10 cm, conforme


indicação de CAMPOS FILHO (2010).

45
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

10.4. Dimensionamento da armadura dos lances


A

A
a) Lance Secundário:

Carga no lance secundário:


A

Peso próprio (Pp): A

Peso dos degraus:

Peso do revestimento cerâmico:

Peso do reboco:

Carga de uso (q):

A escada tem acesso ao público, assim:

Carregamento total:

46
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

Figura 32 - Carregamento no lance secundário (item 10)

Figura 33 - Diagrama de esforço cortante com reações

Reações:

Figura 34 - Diagrama de momentos fletores

Momento máximo:

47
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

A
Utilizar: A
, para armadura principal.
Altura útil: A

A
Obtenção de x: A
Temos que:

Cálculo de as:

Armadura mínima:
Conforme a tabela 17.3 da NBR 6118:2003, para o concreto C45, tem-se:

Verificação:

Armadura de distribuição:

48
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

Espaçamento máximo (item 20.1 da NBR 6118:2003):

Armadura principal:

Armadura de distribuição:

b) Lance Principal:
Carga no lance principal:
49
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

Peso próprio (Pp): A

Peso do revestimento cerâmico: A

Peso do reboco:

Reação do lance secundária:

Carga de uso (q):

A escada tem acesso ao público, assim:

Carregamento total:

50
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

Figura 35 - Carregamento no lance principal (item 10)

Figura 36 - Diagrama de esforço cortante com reações

Reações:

Figura 37 - Diagrama de momentos fletores

Momento máximo:

51
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

A
Utilizar:
, para armadura principal. A
Altura útil: A

A
Obtenção de x:
Temos que:

Cálculo de as:

Armadura mínima:
Conforme a tabela 17.3 da NBR 6118:2003, para o concreto C45, tem-se:

Verificação:

Armadura de distribuição:

52
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

Espaçamento máximo (item 20.1 da NBR 6118:2003):

Armadura principal:

Armadura de distribuição:

53
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

10.5. Detalhamento A

Na armadura principal será utilizado gancho de 180º


A (TIPO A); no patamar será

utilizado gancho de 90º (TIPO C), com valores extraídos da tabela 1.7a de PINHEIRO, de
acordo com os itens 9.4.2.3 e 9.4.6.1 da NBR 6118: 2003.A
Comprimento das barras: A

A
Os valores de l0 para a direção “y” foram extraídos diretos do AutoCAD e os valores
na direção “x” são iguais ao vão subtraído pelo produto: .

Tabela 10 - Comprimento das barras (item 10)

Quantidade e relação das barras:

Tabela 11 - Quantidade e relação das barras (item 10)

54
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

5 A
4
A
3
2
1
A

N4
A
5 .0 m m c / 1 5 c m (1 1 6 cm )
A

50

N2 1 0 .0 m m c / 1 2 ,5 c m (2 3 6 cm )

178 50
50
8

8 N5 1 0 .0 m m c / 1 2 ,5 c m (1 5 4 cm )

Figura 38 - Detalhamento do lance principal (item 10)

14
13
12
11
10
9
8
7
6
5

N3 6 .3 m m c / 1 2 ,5 cm (1 1 6 cm )

N1 1 0 .0 m m c / 1 0 cm (4 4 5 cm )

429
8
Figura 39 - Detalhamento do lance secundário (item 10)

55
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR
DISCIPLINA: CONCRETO ARMADO II
PROJETO DE ESCADAS
CALCULISTA: ADRIEL CARLOS BATISTA

11. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS A

ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS,


A NBR 6118 – Projeto
A
de Estruturas de Concreto - Procedimento, Rio de Janeiro: 2003.
A

ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, NBR 6120 – Cargas

para o Cálculo de Estruturas, Rio de Janeiro: 1980.

Notas de aula do professor Dr. José Neres da Silva Filho da disciplina Concreto Armado II.

CAMPOS FILHO, A. Projeto de Escadas de Concreto Armado. Universidade Federal do

Rio Grande do Sul (UFRGS). Escola de Engenharia. Departamento de Engenharia

Civil: 2010.

PINHEIRO, L. M.; MELGES, J. L.; GIONGO, J. S.. Concreto Armado: Escadas.

Universidade de São Paulo (USP). Escola de Engenharia de São Carlos. Departamento

de Engenharia de Estruturas: 1997.

PINHEIRO, L. M. Fundamentos do Concreto e Projeto de Edifícios. Universidade de São

Paulo (USP). Escola de Engenharia de São Carlos. Departamento de Engenharia de

Estruturas: 2007.

CARVALHO, R. S; FIGUEIREDO FILHO, J. R. Concreto Armado – Cálculo e

Detalhamento de estruturas usuais de Concreto Armado. EdFUSCar. 3ª edição. São

Carlos: 2007.

56