Você está na página 1de 29

Funções Executivas:

SUGESTÕES de estimulação na PrimeirÍssima Infância

Por Jennifer Freitas

@neuropp.jennifreitas
Funções Executivas:
SUGESTÕES de estimulação na PrimeirÍssima Infância

Editado no Brasil, 1ª edição, julho de 2021


Edição: Jennifer Freitas
Imagens: Google e Freepik

Todos os direitos reservados à:


JENNIFER SOARES DE SOUZA DE FREITAS
Pinhais, PR
Contato: profreitasjenni@gmail.com

Educa a criança no caminho em que deve andar; e até


quando envelhecer não se desviará dele.
Provérbios: 22:6
Sobre a autora:

Jennifer Freitas é
Pedagoga e Psicopedagoga Clínica e Institucional
Neuropsicopedagogia Clínica e Institucional e
Graduanda em Análise do Comportamento Aplicado
(ABA).
Filha de Deus, Esposa amada, Mãe de três lindos
filhos e apaixonada pela Aprendizagem.
O que são funções executivas?

Funções executivas (FEs) são um


conjunto de habilidades cognitivas
necessárias para realizar várias
atividades que exigem planejamento e
monitoramento de direcionamento de
objetivos.
Elas envolvem principalmente
habilidades de memória de trabalho,
flexibilidade cognitiva e controle
inibitório.
São muito importantes para o
desenvolvimento infantil, e não
precisam de muita coisa para estimar-
las.

Quanto mais as
habilidades executivas
forem desempenhadas no
dia a dia da criança,
melhor será o seu
desenvolvimento.

1
O que a Neurociência nos diz?

Muitos estudiosos no campo do


desenvolvimento do cérebro
demonstram que a primeira infância é
crucial para a construção de bases
sólidas, adaptáveis e positivas, o
sucesso na vida e na boa saúde, e como
as funções executivas exercem um papel
central nesses processos.
É um processo que exige tempo e isso
se explica, em parte, pela lentidão do
amadurecimento do córtex pré-frontal.
Além disso, é essencial entender que as
habilidades de funcionamento executivo
são adquiridas gradualmente ao longo
do tempo e que até mesmo uma criança
altamente motivada pode ter
dificuldades com instruções, tais como
não comer um biscoito antes do jantar,
ou manter a concentração durante um
período prolongado.
Uma lacuna central dos estudos sobre o
desenvolvimento das funções executivas
está relacionada com a questão de até
que ponto elas podem ser modificadas
pela experiência.

2
Porque "Primeirissíma Infancia"?

Quando eu digo primeiríssima infância


é aquela que compreende desde o
nascimento até os 3 anos de idade, e
primeira infância então que abrange
de 0 a 6 anos.
Quando falo dizemos que a
primeiríssima infância é muito
importante isso se dá, que após o
“Bum” da neurociência, estudar mais
profundamente a mente infantil não
temos mais aquela visão de
subestimar a capacidade dos bebes e
das crianças pequenas.
Existem janelas de oportunidade e
essa janelas abertas de 0 a 3 anos
são justamente que nos permite,
nessa faixa etária, quando a criança
tem grande assimilação do ambiente
externo nos temos capacidades de
recrutar e guardar informações que
potencialmente serão uteis a nós.

3
Porque "Primeirissíma Infancia"?

Assim os primeiros momentos da vida


de uma criança têm repercussões que
podem durar a vida toda.
Esse período de desenvolvimento
cumpre um papel decisivo na
capacidade da criança de aprender,
adaptar-se às mudanças e demonstrar
resistência em situações difíceis.

Testes que medem diferentes formas


de habilidades de funções executivas
indicam que elas começam a se
desenvolver logo após o nascimento;
as idades de 3 aos 5 anos fornecem
uma janela de oportunidade para um
incrível crescimento dessas
habilidades. O desenvolvimento
continua ao longo da adolescência e
início da idade adulta.

4
Quais são as principais Funções executivas?

Controle inibitório (autocontrole):


A capacidade de resistir à uma
tentação para poder fazer aquilo
que é certo. Essa capacidade
ajuda as crianças a prestar
atenção, agir menos
impulsivamente e a manter a
concentração numa tarefa.

Memória de trabalho:
A capacidade de manter as
informações na mente, onde elas
podem ser manipuladas. Essa
habilidade é necessária para
realizar tarefas cognitivas, tais
como estabelecer uma relação
entre dois assuntos, fazer
cálculos apenas com a mente e
estabelecer uma ordem de
prioridade entre várias tarefas.

Flexibilidade cognitiva:
A capacidade de usar o
pensamento criativo e ajustes
flexíveis para se adaptar às
mudanças.

5
Memória de Trabalho

7 A 9 MESES
Desenvolve a capacidade
de lembrar que os
objetos invisíveis ainda
estão lá (brinquedo
escondido sob um pano);
aprende a colocar duas
ações juntas em uma
sequência (retirar o
pano, agarrar o
brinquedo)

9 A 10 MESES
Pode executar tarefas
simples “meio para um
fm” e planos de duas
etapas; também é apta a
integrar, procurando um
lugar e agindo (por
exemplo, chegando a) em
outro lugar)

3 ANOS
Pode manter em mente
duas
regras (por exemplo,
vermelho vai aqui, azul
vai lá) e agir com base
nas regras.

6
Controle inibitório
6 MESES
Inibição rudimentar de
resposta (apta a não
tocar em algo em que
foi instruída a não
tocar).

8 A 10 MESES
Começa a manter o
foco, apesar de
distrações com breves
atrasos em uma tarefa.

9 A 11 MESES
Está apta a inibir o
alcance direto de uma
recompensa visível mas
inacessível, como um
brinquedo do outro lado
de uma janela, e, em vez
disso, esperar um
momento para reconhecer
a barreira
e desviar-se dela.
7
Flexibilidade Cognitiva

9 A 11 MESES
Desenvolve
a capacidade de buscar
métodos alternativos para
recuperar objetos além de
alcançar diretamente aquele
que está na visão

2 A 5 ANOS
Consegue mudar
ações de acordo com a
mudança de regras (por
exemplo, tirar sapatos em
casa, mantê-los na escola,
colocar botas de chuva).

8
De O a 3 meses
Estimulando as habilidades precursoras das funções executivas

a) Sensação Auditiva:
• Falar com a criança, com o rosto de frente para
ela;
• Falar calmamente com a criança nos momentos de
desconforto, consolando-a;
• Cantar para a criança;
• Realizar sons de chocalho, sino, etc. b)

Sensação Visual:
• Apresentar o rosto para a criança numa
distância de aproximadamente 20 cm;
• Colocar brinquedos dentro do campo visual da
criança (50 cm de distância);
• Movimentar objetos coloridos e de formas
diferentes na frente da criança;
• Deixar objetos suspensos no berço. c)

Sensação Tátil:
• Aplicar creme carinhosamente por todo o corpo
da criança;
• Valorizar os momentos de higiene, como o banho;
• Permitir o contato com tecidos de várias
texturas;
• Evitar colocar luvas na criança.

d) Sucção: • Estimular os lábios com o bico ou com


o dedo.

Memória:
Evitar grandes variações quanto à pessoa que
cuida da criança;
• Executar atividades dentro de uma rotina
(alimentação, sono, higiene, etc).

8
De O a 3 meses
Estimulando as habilidades precursoras das funções executivas

f) Percepção Temporal:
• Conversar com a criança durante as
atividades (ex: agora é hora do banho);

g) Pensamento:
• Oferecer objetos que apareçam e
desapareçam do campo visual.

h) Percepção Espacial:
• Variar a posição do berço ou a posição da
criança na cama;
• Colocar a criança em lugares com alturas
diferentes (cama, chão, berço, etc).

i) Linguagem:
• Estimular a criança com contatos físicos
(primeiro ela se comunica pelo corpo);
• Falar com a criança num tom baixo e
tranquilizador, quando chorar.

j) Esquema Corporal:
• Massagear o corpo da criança durante as
rotinas de higiene;
• Deixar as mãos da criança soltas, para
que possa movimentá-las livremente;

k) Postura:
• Colocar de bruços e oferecer estímulos
visuais, para que levante a cabeça;
• Colocá-la de costas, para brincar com
objetos suspensos no berço

9
De O a 3 meses
Estimulando as habilidades precursoras das funções executivas

Coordenação:
• Permitir que a criança toque e explore o
rosto de quem lhe oferece os cuidados;
• Colocar objetos na palma da mão da criança.

m) Área Afetiva:
• Estar com a criança nos momentos de dor,
sem se desesperar junto com ela;
• Estabelecer contato físico de forma
afetuosa;
• Dar a mamadeira no colo;
• Enfeitar o ambiente com cores;
• Pegar a criança frequentemente no colo
(quanto mais nova, mais importante);
• Evitar que a criança sinta muito frio ou calor;
• Cuidar para que a criança durma em
ambientes calmos e com pouca luz.

n) Rotina:
• Alimentação: alimentar a criança no colo;
conversar e sorrir enquanto dá o alimento;
oferecer alimentos com pouca variação de
temperatura.
• Sono: respeitar o ritmo do sono da criança. •

Higiene: cuidar da criança carinhosamente;


vesti-la com roupas que permitam sua livre
movimentação; fazer massagens com creme;
fazer com que as rotinas de higiene sejam um
momento de troca afetiva com a criança.

10
De 3 a 6 meses
Estimulando as habilidades precursoras das funções executivas

a) Sensação Auditiva, Visual e Tátil:


• Falar cantar ou fazer ruídos para a criança;
• Oferecer à criança objetos coloridos e
sonoros;
• Estimular o corpo com esponjas e tecidos no
momento de higiene.

b) Memória:
• Tentar manter a mesma pessoa cuidando da
criança;
• Aproximar a criança do espelho para que veja
a própria imagem.

c) Percepção Temporal:
• Conversar com a criança antes, durante e
depois da atividade (dizer o que está fazendo);
• Avisar a criança antes da chegada de pessoas,
para antecipar a percepção. d)

Pensamento:
• Fazer com que a criança acompanhe objetos
em movimento;
• Colocar a criança em ambientes diferentes;
• Deixar objetos próximos para que a criança
possa vê-los;
• Brincar na frente da criança com objetos
inquebráveis, para que veja cair;
• Brincar de esconder objetos.

11
De 3 a 6 meses
Estimulando as habilidades precursoras das funções executivas

e) Percepção Espacial:
• Permitir que a criança leve objetos seguros e
grandes à boca;
• Movimentar objetos na frente da criança; •
Deixar que a criança explore manualmente os
objetos à sua volta;
• Permitir que explore o contorno do rosto da
pessoa que cuida.

f) Linguagem;
• Nomear para a criança os sentimentos dela;
• Conversar com a criança afetuosamente.

g) Manipulação e Exploração:
• Deixar a criança manusear objetos de formas e
texturas diferentes.

h) Esquema Corporal:
• Pegar as mãos da criança e colocá-las na
frente do rosto dela;
• Esfregar as mãos e os pés da criança, um no
outro, para que ela os perceba.

i) Postura:
• Colocar a criança sentada, sem deixar a
cabeça cair para trás.
• Colocar de bruços para que se apoie nos
cotovelos e levante a cabeça.
• Segurar a criança pelo tronco e colocá-la de
pé por alguns instantes.

12
De 3 a 6 meses
Estimulando as habilidades precursoras das funções executivas

j) Coordenação:
• Colocar a criança de bruços e estimular pernas e
braços (tentar engatinhar);
• Permitir que a criança pegue objetos de
tamanhos e texturas variados.

k) Área Afetiva:
• Deixar que explore manualmente o rosto da
pessoa que cuida;
• Conversar e sorrir para a criança;
• Conversar calmamente nos momentos de
desprazer, estimulando a tolerância.

l) Rotina:
• Conversar sempre com a criança sobre o que
está fazendo;
• Alimentação: continuar segurando a criança no
colo ao dar a mamadeira; dizer à criança qual o
alimento que está sendo dado a ela;
• Sono: cantar para a criança para que ela durma;
permitir que durma após a alimentação e a
higiene;
• Higiene: nomear para a criança o que está sendo
feito com ela; fazer com que o banho seja
agradável.

13
De 6 a 8 meses
Estimulando as habilidades precursoras das funções executivas

a) Sensação Auditiva, Visual e Tátil:


• Falar com a criança fora do seu campo de visão,
para que ela vire a cabeça;
• Oferecer brinquedos coloridos e sonoros;
• Deixar que a criança explore objetos.

b) Sensação Olfativa:
• Estimular o olfato. Permitir que ela cheire o
sabonete, a loção, ...;
• Sugerir que perceba o cheiro da comida.

c) Memória:
• Dizer para a criança o nome das pessoas e dos
objetos que estão perto dela;
• Criar situações para que a criança se veja no
espelho.

d) Pensamento:
• Deixar cair objetos na frente da criança;
• Brincar de esconder objetos;

e) Percepção Espacial:
• Deixar que a criança participe na alimentação;
• Deixar que segure os alimentos com a mão; •
Oferecer objetos com orifícios.

15
De 6 a 8 meses
Estimulando as habilidades precursoras das funções executivas

e) Linguagem:
• Usar gestos e expressões faciais, ao falar com
a criança;
• Mostrar objetos e dizer o nome deles para a
criança.

f) Esquema Corporal:
• Deixar que a criança pegue o pé e leve-o à
boca;
• Deixar que se observe no espelho.

g) Postura:
• Deixar a criança sentada sem apoio;
• Deixar objetos perto dela para pegar e voltar,
estimulando o equilíbrio;
• Fazer barulho atrás da criança, quando
estiver sentada, para que ela vire o corpo; •
Segurar a criança pelo tronco para que se apoie
sobre os pés.

h) Coordenação:

• Deixar que a criança se arraste, na tentativa


de pegar objetos;
• Estimular a criança a ficar apoiada nas mãos e
no joelho.

16
De 6 a 8 meses
Estimulando as habilidades precursoras das funções executivas

i) Área Afetiva:
• Criar situações de saídas e chegadas da mãe
ou da educadora;
• Ao sair, dar tchau à criança e dizer que vai
voltar;
• Ao voltar, receber a criança afetuosamente;
• Brincar de esconde-esconde;
• Incentivar o vínculo afetivo com outras
pessoas;
• Transmitir segurança e calma nos momentos
de angústia;
• Deixar que a criança explore ambientes
desconhecidos na presença de alguém em quem
ela confia.

j) Rotina:
• Alimentação: Deixar a criança segurar a
mamadeira sozinha; permitir que pegue a comida
com as mãos; oferecer-lhe a colher, para que vá
descobrindo como usá-la: conversar e brincar
com a criança durante a alimentação; começar a
apresentar alimentos com variação de
temperatura e gosto;
• Sono: Permitir que a criança durma após a
alimentação e a higiene;
• Higiene: Massagear a criança e nomear para ela
as partes do corpo; colocar alguns brinquedos
na banheira para que brinque durante o banho.

17
De 8 a 18 meses
Inicio do desenvolvimento das Funções Executivas

– Jogos de esconder-e-achar exercitam a


memória de trabalho, porque eles desafiam
o bebê a se lembrar de quem está se
escondendo, e também praticam habilidades
básicas de auto-controle como, em algumas
variações, o bebê espera para o adulto
revelar a si próprio.

Escondendo objetos
Uma brincadeira bem legal para fazer com bebês,
especialmente, a partir dos 6 meses é o jogo de
esconder objetos.
Podemos fazer o jogo em casa com coisinhas que
tenhamos. Pegue umas 3 ou 4 tampas pequenas e uma
grande. Coloque no chão as tampas pequenas
enquanto segura com a mão a tampa grande. Diante
da criança, cubra as tampinhas com a tampa grande e
pergunte: “Onde estão as tampinhas?”. Dê tempo ao
bebê. Espere que levante a tampa grande e, então,
diga: “Sim, estão aqui!” ou “Que bom, você as
encontrou!”.
Se não tem tampas, pode fazer a mesma brincadeira
usando pompons, botões grandes, bolinhas de papel
amassado… Enfim, qualquer coisa que tivermos em
casa. Repita a jogo uma e outra vez, em dias
distintos, com materiais diferentes!
Ao fazer o jogo de esconder tampas, o bebê adquire
habilidades preciosas para seu desenvolvimento:
trabalha a coordenação mão -olho.
trabalha a a coordenação motora fina.
trabalha a noção de permanência das coisas.
trabalha a linguagem, adquirindo novo vocabulário.
trabalha a noção de dentro-fora, grande-pequeno…
trabalha a percepção sensorial, conhecendo novas
texturas.
Tenha em conta que todos esses conceitos são
aprendidos ao longo do tempo, e vão sendo
integrados pelo bebê a partir do jogo.

Fonte: Criando com apego

18
De 8 a 18 meses
Inicio do desenvolvimento das Funções Executivas

– Jogos de Imitação: quando os bebês imitam


têm que manter o controle de suas ações,
se lembrar delas, esperar sua vez e, em
seguida demonstrar que você fez. Ao fazer
isso, eles praticam a atenção, memória de
trabalho, e auto-controle.

Pisca-pisca
Pisque seus olhos, fechando e
abrindo em velocidades
diferentes. Os bebês adoram
ficar observando os
movimentos e com o tempo Faça caretas,
tentarão imitar coloque a língua
para fora,
sorria, infle as
bochechas e
incentive a
criança a te
Mímica imitar
Fazer mímicas é outra forma
divertida de interação. O bebê
vai achar engraçado ver os
pais se movendo de forma
diferente.

19
De 8 a 18 meses
Inicio do desenvolvimento das Funções Executivas

– Cantigas de Roda: músicas ou cantos com


movimentos de mão simples são muitos
divertidos para as crianças, e desenvolvem
o auto-controle e a memória de trabalho,
bem como a linguagem. Os bebês podem
aprender a copiar os movimentos de uma
música e, com a prática, irão se lembrar da
sequência.

Sugestões para cada hora do dia

HORA DA
HORA DO BRINCADEIRA
ALMOÇO OU DO
LANCHE Passa passa três HORA DO BANHO
vezes.
Meu Lanchinho A folhinha do Ratinho Tomando
- Tidinha. coqueiro. Banho - Helio
Fome come - Carneirinho, Zinskind - Castelo
Palavra carneirão. Rá-Tim-Bum.
Cantada. Bambalalão O sapo não lava o
Pot Pourri de Serra, Serra, pé - Tião
Parlendas: Um serrador Camaleão.
Dois Feijão Os indiozinhos -
Com Arroz - Tião Camaleão.
Palavra Peixe Vivo -
Cantada HORA DE DORMIR Palavra Cantada.
A Canoa Virou -
Boi da cara Palavra Cantada.
HORA DO PASSEIO preta. O Pato - Vinícius
Tutu Maramba - de Moraes.
Havia um Bia Bedran.
pastorzinho. Dorme - Palavra
Fui passar na Cantada.
ponte. Dorme em paz -
Caranguejinho. Palavra Cantada.
Bambu tira bu.

20
De 18 a 36 meses
Inicio do desenvolvimento das Funções Executivas

– Jogos ativos: nessa idade, as crianças estão


desenvolvendo ativamente muitas habilidades
físicas importantes, e elas adoram desafios
físicos. As seguintes atividades exigem que as
crianças se concentrem e mantenham a sua
atenção em um objetivo, e fazem inibir ações
desnecessárias e ineficazes, tentar novas
maneiras se a primeira tentativa falha.
As atividades podem ser: jogar a pegar bolas,
caminhar sobre uma trave de equilíbrio, correr
para cima e descer um declive, saltar.

Sugestões de brincadeiras
1. Transformar livros em rampas para bolas e
carrinhos
2. Fazer o bebê engatinhar atrás das tampas das
panelinhas que viraram piões
3. Colocar objetos no sofá para ajudar o bebê a
ficar em pé
4. Colocar objetos distantes um do outro no sofá
para que o bebê precise andar para apanhar
5. Ensinar o bebê a chutar uma bola
6. Encaixar formas
7. Usar caixa de papelão e objetos para ensinar o
bebê a solucionar problemas
8. Fazer da forma de cupcake um brinquedo de
encaixar bolinhas
9. Colocar objetos em cadeiras distantes uma da
outra para incentivar o bebê a andar
10. Fazer do rolo de papel toalha um brinquedo para
jogar pompons ou bolas de algodão.

Fonte: Tempojunto
21
De 18 a 36 meses
Inicio do desenvolvimento das Funções Executivas

– Conversação e narração de histórias: contar


histórias sobre eventos compartilhados pode
ser uma ótima maneira de refletir sobre essas
experiências. A experiência deve ser mantida na
memória de trabalho enquanto a criança
considera a ordem em que as coisas
aconteceram.

1. Esteja em uma posição legal e confortável


para vocês. Aqui algumas sugestões:
– Deite-se com seu bebê e coloque o livro sobre
vocês;
– Sente-se e o coloque em seu colo com o livro
à frente;
– Com seu pequeno sentado, deixe que ele
mesmo segure o livro (quando já conseguir
fazer isso) e o ensine a virar as páginas;
– E quantas posições mais forem legais e
confortáveis para vocês! Tente sempre manter
uma proximidade com o olhar de seu bebê – vale
lembrar que a visão deles, nos primeiros meses,
ainda está em desenvolvimento, e o que
apresenta longe de seu campo de visão não é
visto com nitidez.
2. Faça diferentes entonações de voz de
acordo com cada situação ou personagem.
3. Invente mímicas, gesticule, use o corpo todo
para contar sua história. Isso prende a atenção
dos pequenos e torna a experiência ainda mais
divertida.
4. Quando forem ler, deixe que observe as
imagens, aponte as ilustrações com o dedo os
personagens e objetos, falando seus nomes,
reproduzindo seus sons;

22
De 18 a 36 meses
Inicio do desenvolvimento das Funções Executivas

5. Abuse das cantigas populares! Existem muitos


livros de canções ilustradas que podem ser
efetivos nesta faixa etária, devido ao grande
interesse dos pequenos. Leia cantando, ou
simplesmente cante o que souber, lembrando-se
de repetir as mesmas cantigas, de forma que seu
pequeno as memorize e absorva o conteúdo
apresentado.
6. Utilize objetos, bonecos ou outros recursos e dê
vida aos personagens, variando a maneira de contar
aquela história…
7. Repetição é muito importante! Os pequenos nesta
faixa etária precisam da repetição para absorver os
conteúdos apresentados. A cada leitura, um novo
elemento é compreendido e, por isso, a repetição é
tão prazerosa.
8. Os bebês compreendem melhor os sons quando
falamos devagar, portanto, ao ler, pronuncie as
palavras lentamente.
9. Estabeleça uma rotina de leitura. Ler sempre nos
mesmos momentos do dia (antes de dormir, por
exemplo) pode contribuir para compreensão da
rotina, melhora os vínculos entre vocês, além de
criar e estabelecer o hábito e o prazer pela leitura.
Fonte: Leiturinha

23
De 18 a 36 meses
Inicio do desenvolvimento das Funções Executivas

– Jogos de correspondência e classificação: as


crianças nessa idade são capazes de jogar jogos
simples de classificação e correspondência,
estes jogos exigem dela que compreendam a
regra que organiza a atividade (a classificação
por forma, cor, tamanho, etc.), manter a regra
em mente, e segui-la.

24
De 18 a 36 meses
Inicio do desenvolvimento das Funções Executivas

– Quebra- cabeça são muito importantes


também nessa fase assim como os jogos
imaginários: brincar de cozinha, por exemplo.

25
Para mais informações acesse:

Siga Inscreva-se

MUITO
OBRIGADA!

Você também pode gostar