Você está na página 1de 5

O Príncipe Nabo

APRESENTAÇÃO

A hesitação entre dois universos, representados quer pela presença de dois grupos distintos de personagens, quer pela referência
a dois espaços antagónicos - o dos «pobres» e o dos «ricos» - representa a linha temática orientadora desta obra. O texto, muito
rico e com várias mensagens importantes sobre relações humanas, foi publicado em 1962 mas continua atual. Aborda a vaidade
e a arrogância; são vários personagens, a brincar, que falam de coisas sérias.
O Príncipe Nabo conta a história de uma criada atarefada; de uma princesa vaidosa e arrogante que, depois de viver as dificuldades
da vida dos pobres, se modificou. De um Rei prepotente, de uma Mademoiselle vaidosa, trocista e convencida que esquece os
verdadeiros valores da educação e conduz a sua educanda, a princesa Beatriz, a um comportamento desastroso. Fala de bobos
que, a brincar a brincar, vão alertando para os defeitos e qualidades de cada um. Fala de um Príncipe sensato que dá uma lição
de vida a quem a merece.
Esta é uma peça interativa em que a autoaprendizagem surge ficcionalizada através dos três tipos de cómico (o de linguagem, o
de situação e o de caráter). Aspetos como o recurso a expressões de tonalidade francesa, os nomes dos pretendentes da princesa
pretendida e as sucessivas situações de pedido e recusa da sua mão, ou, ainda a presença do Bobo, cuja atuação encerra a peça,
contribuem para a construção humorística que caracteriza esta encenação.

Esta obra é recomendada pelo Plano Nacional de Leitura para o 5.º ano de escolaridade.

Sobre a Autora

Ilse Lieblich Losa foi uma escritora e tradutora portuguesa, que nasceu perto de Hanôver na Alemanha. Ameaçada pela
GESTAPO de ser enviada para um campo de concentração devido à sua origem judaica, abandonou o seu país natal em
1930 com a mãe e seus irmãos. Deslocou-se primeiro para Inglaterra onde teve os primeiros contactos com escolas
infantis e com os problemas das crianças. Chegou a Portugal em 1934, tendo-se fixado na cidade do Porto, onde casou
em 1935 e adquiriu a nacionalidade portuguesa.
Publicou o seu primeiro livro O mundo em que vivi, em 1949. Desde essa altura, dedicou a sua vida à tradução e à
literatura infantojuvenil, tendo sido galardoada em 1984 com o Grande Prémio Gulbenkian pelo conjunto da sua obra
dirigida às crianças.
O Príncipe Nabo

FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA

Esta peça conta-nos a história da princesa Beatriz, mimada e insolente, que humilha todos os príncipes pretendentes. Irrita de tal
forma o pai, o Rei do Castelo da Abundância, que este jura entregá-la ao primeiro que passar, seja príncipe, músico ou pobre de
pedir. E assim sucede logo em seguida: o músico António, que cantava de corte em corte, aparece no Castelo da Abundância e o
monarca cumpre o prometido: entrega-lhe a mão da sua filha, fazendo orelhas moucas aos protestos e à revolta da princesa.

Baseado no texto original de: Ilse Losa Encenação: AtrapalhArte


Interpretação: Cristóvão Carvalheiro, Eurico Santos, Jessica Duncalf e Tiago Santos
Cartaz: Ricardo Adrêgo Duração: 60 minutos Classificação: M3
REQUISITOS TÉCNICOS Espaço: 6,50 x 6,50 (3 metros de altura) Som: disponibilizado pela companhia
EQUIPA DE TRABALHO AtrapalhArte: 4 atores

NOTAS: NO FINAL DO ESPETÁCULO, HAVERÁ UMA SESSÃO DE ESCLARECIMENTO QUE PERMITIRÁ AOS MAIS NOVOS COLOCAR QUESTÕES E TIRAR DÚVIDAS ACERCA
DA OBRA E DA PEÇA. | O REGISTO FOTOGRÁFICO DAS TURMAS COM O CENÁRIO E ELENCO É POSSÍVEL NO FINAL DO ESPETÁCULO; CASO O PRETENDA, POR FAVOR
INFORME-NOS. | PARA ALÉM DO TEMPO DE DURAÇÃO DA PEÇA, POR FAVOR CONSIDERE O TEMPO DE MONTAGEM E DESMONTAGEM DOS CENÁRIOS (CERCA DE 30
MINUTOS), DURANTE O QUAL A SALA OU ESPAÇO ONDE DECORRERÁ O ESPETÁCULO DEVE ESTAR LIVRE.
SOBRE A COMPANHIA

A AtrapalhArte é uma companhia especializada em teatro pedagógico, baseando as peças em obras recomendadas pelo Plano
Nacional de Leitura e integrantes das metas curriculares dos diferentes graus de ensino básico e secundário. Levamos o teatro à
escola com o intuito de auxiliar professores e alunos na análise das obras, fomentando hábitos de leitura nos mais novos, e
permitindo o acesso ao Teatro a públicos que de outra forma não o teriam. Em simultâneo, colaboramos com câmaras de norte a
sul do país no desenvolvimento cultural e educativo dos municípios, numa tentativa também de descentralizar a cultura e o teatro
em Portugal.

Abordamos os textos assentando a dramaturgia na comédia, aliando o lúdico ao pedagógico, em espetáculos interativos que
apresentamos em escolas de primeiro, segundo e terceiro ciclos, bem como secundário. De norte a sul do país, chegamos a
milhares de alunos, professores e auxiliares educativos por ano letivo, distribuídos por centenas de escolas! A cada novo ano
cimentamo-nos mais no meio escolar, esforçando-nos para aumentar progressivamente a qualidade das nossas propostas para
estar à altura da exigência do nosso público.

A par de escolas, municípios e outras instituições em Portugal, também colaboramos com instituições dedicadas ao Ensino de
Português no Estrangeiro, apresentado as nossas peças de teatro a alunos e familiares em Espanha e Andorra, e na Suíça e
Liechtenstein, onde fazemos anualmente uma digressão em Setembro junto das comunidades portuguesas.

Para além dos espetáculos que criamos, apostamos também na formação de turmas júnior e sénior. Com as crianças,
desenvolvemos as capacidades de expressão e de relacionamento, a imaginação e a memorização, próprias do ser humano, para
além de as incentivarmos a algo tão importante como brincar. E junto da comunidade sénior, procuramos que se continue, ao longo
da vida, a manter uma atitude positiva, uma vida ativa e consequentemente, um envelhecimento mais saudável e feliz.

Podemos estar sempre a brincar, mas levamos o trabalho muito a sério!


PERCURSO

2012/13: As aventuras de Serafim e Malacueco a partir de António Torrado (Digressão nacional)


2012/13: Águas Passadas de Leonor Barata (Termas de São Pedro do Sul)
2013/14: O Príncipe Nabo a partir de Ilse Losa (Digressão Nacional e Internacional)
2014: Abril 2014 – 40 Anos de uma Revolução de Leonor Barata
(Coprodução Projeto D com participação dos alunos do Colégio de S. Teotónio)
2014/15: Robertices a partir de Luísa Dacosta (Digressão nacional)
2015/16: ESTENDAL DE CONTOS - A Princesa e a Ervilha (Digressão Nacional e Internacional)
2015/16: ESTENDAL DE CONTOS - Os Músicos de Bremen (Digressão Nacional e Internacional)
2015/16: Os Bichos a partir de Miguel Torga (Digressão Nacional e Internacional)
2015/16: Do Céu Caiu um Anjinho de Fernando Gomes (Digressão Nacional)
2016/17: As Aventuras do Pinóquio a partir de Carlo Collodi (Digressão Nacional)
2016/17: Ali Babá e os 40 Ladrões a partir d’O Livro das 100 Noites (Digressão Nacional)
2017/18: 3 Abóboras e 400 Camelos a partir de António Torrado e José Eduardo Agualusa (Digressão Nacional e Internacional)
2017/18: Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente (Digressão Nacional)
2017/18: Senha 44 de Suzanna Rodrigues (Digressão Nacional)
2018: Quando vieres, traz Pão! de Suzanna Rodrigues (Digressão Nacional)
2018: Estás aí, Pipoca? – Teatro para Bebés (Digressão Nacional)
2018/19: Senhor do seu Nariz a partir de Álvaro Magalhães (Digressão Nacional)
2018/19: t’Ulisses a partir de Homero e Maria Alberta Menéres (Digressão Nacional)

Contactos
www.atrapalharte.pt
[Produção] Susana Rodrigues www.facebook.com/atrapalharte
[Tlm] 912 097 195
www.instagram.com/atrapalharte
[Email] atrapalharte@atrapalharte.pt
www.youtube.com/atrapalharte

Você também pode gostar