Você está na página 1de 59

PRODUÇÃO DE

EMBALAGENS
RENATO MELO - 2015
• No início eram identificadas somente pela forma.
• Não existiam recursos para inclusão de rótulos e
imagens.
• Design estrutural (o que diferencia uma garrafa de
Coca-Cola e uma de Champagne).
• Design estrutural: formato da embalagem
Ex.: lata de atum e lata de sardinha
• Em 1830 os rótulo já eram utilizados, mas sem
impressão em cores.
CROMOLITOGRAFIA: técnica de impressão que
utilizava até 12 cores em um sistema de pontos
combinados com áreas de impressão chapadas.
Descobriu-se que: Quanto mais atraente a
embalagem = mais vendas
E as embalagens passaram a ser verdadeiras
estrelas das campanhas
LINHA DO TEMPO
Fim da Segunda
Guerra VMundial
Desenvolvimento
dos meios
V
de
comunicação e da
publicidade
Surgimento
V da
televisão
Criação
V dos
supermercados
Estabelecimento
dos padrões
visuais
V da
embalagem como
a conhecemos
hoje
Desenvolvimento
da fotografia
publicitária
V
e das técnicas de
reprodução
off-set
EMBALAGEM
Entende-se como embalagem os materiais que
envolvem um determinado produto, em porção
ou todo, identificando-o, assegurando,
protegendo e preservando, em condições
apropriadas, suas qualidades inerentes durante as
fases de transporte, armazenamento e consumo.
(ABNT)

Existem basicamente dois tipos de embalagem:


A de consumo e a de transporte
Funções da Embalagem:

Conter/Armazenar
Proteger
Transportar
Identificar
Expor
Comunicar
Vender
Advertências

• Caso o produto apresente


algum perigo ou nocividade ao
consumidor, a embalagem
deverá adverti-lo de forma
clara e precisa.

• A omissão de informações
essenciais ao produto é
considerada pelo Código de
Defesa do Consumidor como
publicidade enganosa ou
crime contra as relações de
consumo.
Advertências/
Punição
Ficando o fabricante ou
fornecedor do produto sujeito,
conforme o caso, às sanções
administrativas como multa,
apreensão do produto, a
proibição de sua fabricação ou
até detenção de 6 meses a 2
anos.
Ecoembalagem
• As normas, leis e critérios referentes à produção de embalagens
ecologicamente corretas ainda não seguem a um padrão único.
• Cada país tenta, da forma que lhes parece mais apropriada,
conter o fluxo de lixo doméstico e evitar danos à natureza devido às
embalagens.
Ecoembalagem
• Em alguns países a
regulamentação é preventiva,
visando inicialmente diminuir o
peso e o volume das embalagens,
a fim de reduzir a poluição do ar,
da água e do solo, freando a
proliferação de detritos, e poupar
energia e recursos que estão
tornando-se mais escassos a cada
ano que passa, pois o consumo de
materiais vem aumentando.

• Em outros, a preocupação é com o


destino das embalagens depois de
usadas.
Contaminação de
Produtos
• A contaminação de um produto
pode se dar não só devido à
fatores externos que se infiltram na
embalagem, mas também pela
própria embalagem.
• Em 2013, a Arcor retirou ovos de
Páscoa do supermercado porque
o plástico que guardava o
brinquedo contaminou o
chocolate.
TIPO DE MATERIAIS
Papel
• Largamente utilizadas desde alimentos à eletrônicos
• Embalagens de consumo e transporte
• Elevada resistência
• Excelentes características de impressão
• Satisfazem as necessidades de transporte e de mercado
Metálica
• Largamente utilizadas para produtos alimentícios.
• Características de impermeabilidade, baixo peso, hermeticidade,
facilidade de formação, entre outras.
• Novos designs de latas
• Preservação do meio ambiente (reciclável)
Plástica
• Embalagens de plásticos resistentes, de baixo custo e excelente
desempenho.
• Aparecimento do polímero barreira (maior frescor, mais segurança e
conveniência dos alimentos acondicionados).
Vidro
• Modernas linhas de produção de bebidas, alimentos, produtos
farmacêuticos e cosméticos, possuem elevado nível de automação.
• Possuem um apelo mercadológico bastante intenso em virtude de
sua transparência e conservação.
Vidro
• Resistentes a temperaturas elevadas.
• Podem ser reutilizadas e indefinidamente recicladas, sem que haja
qualquer comprometimento de suas características (auxiliando na
redução do impacto ambiental).
Marketing
A criação da embalagem envolve:
• Design
• Comunicação Visual
• O comportamento do
consumidor
• O conhecimento da indústria
• O conhecimento da distribuição
Para o consumidor a
embalagem é o
produto
• A embalagem passou a
funcionar como mídia dirigida aos
consumidores.
• A embalagem pode ser fator
decisivo no PDV.
E quando não há
publicidade...
• Pouquíssimos produtos expostos
em supermercados tem apoio de
propaganda.
• O restante vale-se exclusivamente
da embalagem para conquistar o
consumidor.
Checklist
• Chamar a atenção no ponto-de-
venda
• Transmitir a informação básica
para compreensão do que está
sendo oferecido
• Ressaltar os atributos
complementares do produto
• Agregar valor ao produto
tornando-o mais simpático e
desejável, de forma a oferecer
algo que o concorrente não está
oferecendo.
Conversando com o consumidor
• Agregar informações ao produto mostra que a empresa e o produto
têm o que dizer:
• receitas e dicas,
• informações úteis,
• prêmios recebidos,
• lançamento de novos produtos,
• apoio a entidades, etc.
Objeto de Desejo
A embalagem pode se constituir
num objeto de desejo, para serem
colecionadas, por exemplo.
• Copos de requeijão com motivos
decorativos
• Estojos de uísque
• Latas de camisetas
• Garrafas, entre tantas outras.
Além disso, não podemos esquecer das figurinhas,
miniaturas, brinquedos e utilidades que ficam
famosos por serem incluídos nas embalagens.
Embalagem
Promocional
Ocasiões que as empresas têm a
oportunidade de criar novidades
para aproveitar o clima de festas e o
impulso de compra criado pelo
ambiente.

Exemplos: Dia das Mães, Dia dos


Pais, Páscoa, Carnaval, Olimpíadas,
Copa do Mundo, etc.
Além de aumentar a venda do produto, a embalagem
promocional funciona como ação refrescante e revitalizante
da imagem do produto, que por um período, assume nova
roupagem, mostrando ao consumidor que está vivo e
atuante.
A empresa também mostra a
seu público uma imagem
simpática que acompanha os
momentos especiais de sua
vida.
CRIANDO E
PRODUZINDO
1) Conhecer o produto
As características, a composição do produto, seus diferenciais de
qualidade e principais atributos, incluindo seu processo de fabricação
precisam ser compreendidos.
2) Conhecer o consumidor
Saber quem compra e utiliza o produto é fundamental para estabelecer um
processo de comunicação efetiva através da embalagem.
3) Conhecer o mercado
• É um cenário concreto que precisa ser conhecido, estudado e analisado
para que o design da embalagem não seja um salto no escuro.

• O fabricante do produto deve fornecer as informações que dispuser


sobre o mercado ou buscá-la nas fontes de pesquisa para subsidiar o
projeto de design.
4) Conhecer a concorrência
• Conhecer "in loco", o local e as condições em que se dará a competição
é fundamental para o design de embalagem.

• Estudar o ponto de venda, cada um dos concorrentes, analisar a


linguagem visual da categoria e compreendê-la é uma das chaves para a
realização de projetos de sucesso.
5) Conhecer tecnicamente a embalagem a ser
desenhada
A linha de produção e de embalamento, a estrutura dos materiais
utilizados, as técnicas de impressão e decoração, o fechamento e a
abertura, os desenhos ou plantas técnicas da embalagem a ser
desenhada, precisam ser conhecidos meticulosamente.
6) Conhecer os objetivos mercadológicos
Os objetivos de marketing, a participação de mercado, o papel da
embalagem no mix de comunicação e as diretrizes comerciais do
projeto, precisam ser conhecidas para estabelecer os parâmetros que
nortearão o projeto.
7) Ter uma estratégia para o design
• Todos os itens anteriores, uma vez compreendidos precisam ser
organizados e transformados numa diretriz de design com uma estratégia
clara e consciente.

• Antes de desenhar é preciso pensar!


8) Desenhar de forma consciente
• A criatividade é necessária e desejável, mas precisa ser exercida em favor
dos objetivos estratégicos do projeto.
9) Trabalhar integrado com a indústria
• Conhecer a indústria que vai produzir a embalagem é uma das premissas
básicas para o sucesso do projeto.

• É a possibilidade de se encontrar melhores soluções.


10) Fazer a revisão final do projeto
Quando a embalagem final chega ao mercado, o designer e o cliente devem
fazer uma visita a campo para avaliar o resultado final e propor eventuais
melhorias ou ajustes que possam ser incorporados às novas produções e
reimpressões.
DESENVOLVIMENTO
bit.ly/gruporenato
slideshare.net/renatomelo1

Você também pode gostar