Você está na página 1de 19

CAP.

6 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS
EM SITUAÇÃO DE RISCO

1. APRESENTAÇÃO
Neste capítulo serão abordados vários métodos que levam em conta o uso das
probabilidades na análise de investimentos. Estes métodos visam subsidiar as decisões
informando o valor esperado dos resultados econômicos e, também, o risco das alternativas de
investimentos, através da dispersão destes resultados. Outra informação de interesse é a
probabilidade de inviabilidade dos investimentos.

2. FLUXOS DE CAIXA INDEPENDENTES NO TEMPO


Esta hipótese, a mais simplificada, supõe que o valor e o sinal do fluxo de caixa no
período “k” são independentes do fluxo de caixa no período “k - 1”, ou seja, a variação do fluxo
das receitas (e/ou despesas) de um período nada tem a ver com a variação do fluxo das receitas
(e/ou despesas) do período anterior.

2.1 MÉDIA E VARIÂNCIA DO VPL DE UM FLUXO DE CAIXA


Considera-se que, em cada período, no lugar de um valor para o fluxo líquido, podem
ocorrer vários fluxos líquidos possíveis (Atk), cada um com sua respectiva probabilidade de
ocorrência (Ptk), conforme mostrado na figura 1.
Capítulo 6 - Análise de Investimentos em Situação de Risco 6. 2

P01 A01

0 P02
A02

P0k A0k

P11 A11
P12
1 A12

P1k A1k
F.C.
Pt1 At1

t Pt2
At2

Ptk Atk

Pn1 An1
Pn2
n An2

Pnk Ank

Figura 1 - Fluxo de Caixa

O valor médio de cada fluxo de caixa, em cada período t é:

k
At ? ? PtjA tj (1)
j? 1

e o desvio-padrão (raíz quadrada da variância) de cada fluxo de caixa, de cada período, é dado
por:

k
? (A t ) ? ? Ptj ( A tj ? A t )
2
(2)
j? 1
Capítulo 6 - Análise de Investimentos em Situação de Risco 6. 3

Com estes dois dados (média e desvio-padrão) do fluxo de cada período, pode-se,
então, calcular a média e variância da distribuição do valor presente.

A média desta distribuição de probabilidade nada mais é do que o somatório das médias
de cada período, descontadas à taxa de juros “ï”. Assim:

A1 At An
... ...

1 t n

A0

n
At
E(VPL) = ? (3)
t =0 (1 ? i ) t

? (A0) ? (A1) ? (At) ? (An)

... ...

0 1 t n
O desvio-padrão do valor presente líquido, ? (VPL), é calculado a partir da variância da
distribuição:

2
n
? ? (A t ) ? n
? 2 (A t )
? (VPL) ? ? ?
2
t ?
? ? (4)
t ? 0 ? (1 ? i ) ? t? 0 (1 ? i ) 2 t

2.1.1 Exemplo 1
Seja um investimento de valor inicial de $ 10.000.000, analisado por uma empresa cujo
custo de capital é de 5 % a. p.. Este investimento deve gerar fluxos de caixa positivos nos três
períodos posteriores. Os valores possíveis desses fluxos e suas respectivas probabilidades de
ocorrência foram estimados assim:
Capítulo 6 - Análise de Investimentos em Situação de Risco 6. 4

Período 1 Período 2 Período 3


Valor ($1000) Probabilidade Valor ($1000) Probabilidade Valor ($1000) Probabilidade
2.000 0,05 2.000 0,10 1.000 0,20
4.000 0,20 3.000 0,25 2.000 0,20
5.000 0,50 6.000 0,40 4.000 0,30
6.000 0,15 7.000 0,20 5.000 0,20
8.000 0,10 8.000 0,05 6.000 0,10

Se os fluxos são independentes, qual a probabilidade do investimento se tornar inviável ?

Solução:

a) Cálculo do Valor Esperado do Valor Presente Líquido E(VPL):

k
At ? ? PtjA tj
j? 1

A1 ?

A2 ?

A3 ?

n
At
E(VPL) = ?
t =0 (1 ? i ) t

E(VPL) =

b) Cálculo do desvio-padrão do VPL “? (VPL)”:

k
? (A t ) ? ? Ptj ( A tj ? A t )
2

j? 1
Capítulo 6 - Análise de Investimentos em Situação de Risco 6. 5

? (A1) =

? (A2) =

? (A3) =

2
n
? ? (A t ) ? n
? 2 (A t )
? (VPL) ? ? ?
2
t ?
? ?
t ? 0 ? (1 ? i ) ? t? 0 (1 ? i ) 2 t

? 2(VPL) =

? ? ? ? (VPL) =

c) Cálculo da probabilidade do investimento se tornar inviável:

Trabalha-se com a distribuição normal padronizada “z”, onde:

VPL - E(VPL)
z = (5)
? (VPL)
Capítulo 6 - Análise de Investimentos em Situação de Risco 6. 6

2.2 USO DA DISTRIBUIÇÃO BETA


Uma forma bastante utilizada para se chegar aos parâmetros da distribuição do valor
presente líquido, em se tratando de fluxos de caixa independentes no tempo, é o método dos três
estimadores.

Esse método, que é bastante utilizado em pesquisa operacional e pert-cpm, aplica-se ao


caso em que não é possível estabelecer a distribuição de probabilidades para cada fluxo de
caixa. Neste caso, é comum estabelecer 3 estimativas para cada fluxo:

? Uma estimativa mais provável - m

? Uma estimativa alta possível, embora pouco provável - b

? Uma estimativa baixa possível, embora pouco provável - a

Neste caso, os valores estimados seguem uma distribuição estatística Beta (? ), cujos
parâmetros estatísticos são dados por:

b + 4m + a
? = (6)
6

b?
2

? 2 ? ??
a?
?? (7)
? 6

Desta forma, chega-se com certa facilidade aos valores de E(VPL) e ? 2(VPL).

A média e o desvio padrão do fluxo de caixa em um período t são:

b t + 4m t + a t
At = (8)
6

e
Capítulo 6 - Análise de Investimentos em Situação de Risco 6. 7

2
?b ? a t ?
? (A t ) ? ? t
2
? (9)
? 6 ?

Já a média e a variância da distribuição de probabilidades do valor presente líquido da


alternativa de investimento, da mesma forma que no item anterior, é dado por:

A1 At An
... ...

1 t n

A0

n
At
E(VPL) = ? (3)
t =0 (1 ? i ) t

? (A 0) ? (A1 ) ? (A t) ? (An)

... ...

0 1 t n

2
? ? (A t ) ?
n n
? 2 (A t )
? (VPL) ? ? ?
2
t ?
? ? (4)
t ? 0 ? (1 ? i ) ? t? 0 (1 ? i ) 2 t

2.2.1 Exemplo 2
Uma empresa pretende adquirir uma máquina que custa atualmente $ 300.000. De
acordo com um estudo criterioso, chegou-se às seguintes previsões de lucro para os próximos 3
períodos:

Lucro Período 1 Período 2 Período 3


Máximo 250.000 220.000 150.000
Capítulo 6 - Análise de Investimentos em Situação de Risco 6. 8

Mais provável 200.000 200.000 150.000


Mínimo 150.000 120.000 90.000

Se a TMA da empresa é de 10% a. p., qual o risco de inviabilidade que a empresa está
sujeita com a compra da máquina ?

Solução:

a) Cálculo de E(VPL):

b) Cálculo de ? (VPL):

c) Cálculo do risco do investimento se tornar inviável:


Capítulo 6 - Análise de Investimentos em Situação de Risco 6. 9

3. FLUXOS DE CAIXA DEPENDENTES NO TEMPO


Neste caso, ou seja, na hipótese da correlação perfeita entre os fluxos de caixa no
tempo, nada muda em relação ao cálculo do valor esperado do valor presente líquido. Será
alterado, no entanto, o valor da variância da distribuição, que será sempre maior do que quando
se considera independência entre os fluxos de caixa.

Na prática, entretanto, esta hipótese de correlação perfeita não ocorre, mas pode ser
utilizada como uma boa base para um estudo de análise de sensibilidade onde se testa o limite
máximo da variância de um investimento.

A vaiância da distribuição do valor presente líquido é igual a:

? 2 (A 0 ) ? 2 (A 1 ) ? 2 ( A n ) 2 cov( A 0 , A1 ) 2 cov( A 0 , A 2 )
? 2 (VPL) ? ? ? .. ..? ? ? ? ....
(1 ? i ) 2*0 (1 ? i ) 2*1 (1 ? i ) 2*n (1 ? i ) 0 (1 ? i ) 1 (1 ? i ) 0 (1 ? i ) 2

onde:

cov (Aj,Ak) = ? jk . ? (Aj).? (Ak)

? jk = 1 , hipótese de correlação perfeita

Fazendo o desenvolvimento da expressão, chega-se a:

2
? ? (A 0 ) ? (A 1 ) ? (A n ) ?
? (VPL) ? ?
2
? ? ....?
? (1 ? i )
0
(1 ? i ) 1
(1 ? i ) n ??
Capítulo 6 - Análise de Investimentos em Situação de Risco 6. 10

Assim, no caso de correlação perfeita, os estimadores da distribuição dos valores


presente são:

n
At
E(VPL) = ?
t =0 (1 ? i ) t

2
? n ? (A t ) ?
? 2 (VPL) ? ?? t ?
(10)
? t? 0 (1 ? i ) ?

3.1.1 Exemplo 3

Resolver o exemplo 1, considerando correlação perfeita entre os fluxos de caixa.

Solução:

a) Cálculo do Valor Esperado do Valor Presente Líquido

E(VPL) = (igual ao do exemplo 1)

b) Cálculo do desvio-padrão do VPL:

2
? n ? (A t ) ?
? (VPL) ? ??
2
t ?
? t? 0 (1 ? i ) ?
Capítulo 6 - Análise de Investimentos em Situação de Risco 6. 11

c) Cálculo do risco do investimento se tornar inviável:

4. FLUXOS DE CAIXA COM DEPENDÊNCIA


MODERADA
Nos casos anteriores o coeficiente de correlação é igual a 0 (zero) ou 1 (um), ou seja,
ocorre independência ou dependência dos fluxos. Assim os cálculos são facilitados e não há a
necessidade de estimar a correlação entre os fluxos de caixa, o que nem sempre é possível. De
qualquer forma os resultados extremos auxiliam a análise. Mas para resolver o problema, pode-
se utilizar outro método de solução: A SIMULAÇÃO.

Será apresentado aqui um modelo de simulação bastante simples e conhecido, o


Método de Monte-Carlo, bem como a aplicação desse método na análise de investimentos,
desenvolvida por David B. Hertz.

4.1 MÉTODO DE SIMULAÇÃO DE MONTE-CARLO


O mátodo se divide em quatro fases:

Fase 1:

Para cada variável que influencia o diagrama de fluxos de caixa do investimento, estimar
o seu intervalo de variação possível. Estabelecer, então, uma distribuição de probabilidades
correspondente e transformá-la em uma distribuição de probabilidades acumulada.

Fase 2:

Selecionar, ao acaso, valores para cada variável, de acordo com as suas probabilidades
de ocorrência. Calcular o Valor Presente Líquido ou Taxa interna de Retorno ou qualqur outra
medida de de atratividade para o projeto, para cada combinação de valores obitida. Se houver
dependência entre variáveis, esse fato deve ser considerado de forma a existir correspondência
entre os valores selecionados.
Capítulo 6 - Análise de Investimentos em Situação de Risco 6. 12

Fase 3:

Efetuar esta operação repetidas vezes, até obter uma distribuição de probabilidades do
retorno do investimento.

Fase 4:

Acumular a distribuição de probabilidades do retorno, para se ter uma visãi melhor do


comportamento da curva. Em alguns casos pode ser interessante calcular a m’dia e o desvio-
padrão da distribuição, para auxiliar a comparação entre alternativas. Pode ser preferível
escolher uma alternativa de retorno inferior, porém de menor variabilidade.

4.2 EXEMPLO 4
Uma firma consultora, contratada para desenvolver um projeto de viabilidade, estimou os
seguintes valores prováveis para o empreendimento:

? Investimento necessário: $ 70.000

? Benefícios anuais esperados $ 14.000

? Valor residual $ 5.000

? Vida econômica 10 anos

Sendo a taxa mínima de atratividade igual a 10 % ao ano, determinar:

a) O valor presente líquido do projeto para suas estimativas mais prováveis.

b) Analisar o projeto, considerando que os valores envolvidos podem variar de acordo com as
distribuições de probabilidades apresentadas a seguir:

Investimento Benefícios anuais Valor Residual Vida Econômica


Valor Probabilid Valor Probabilid Valor Probabilid Valor Probabilid
Médio ($) ade (%) Médio ($) ade (%) Médio ($) ade (%) Médio ($) ade (%)
65.000 12 12.000 5 4.000 30 9 35
Capítulo 6 - Análise de Investimentos em Situação de Risco 6. 13

70.000 35 13.000 15 5.000 40 10 45


75.000 25 14.000 50 6.000 30 11 20
80.000 15 15.000 20
85.000 13 16.000 10

Solução:

a) Considerando valores mais prováveis:

b) Simulação:

As distribuições de probabilidades acumuladas são preparadas conforme a seguir:

INVESTIMENTO RECEITA VALOR RESID. VIDA Taxa


Valor Dist. acum. Valor Dist. acum. Valor Dist. acum. Anos Dist. acum.
65000 12 12000 5 4000 30 9 35 10%
70000 47 13000 20 5000 70 10 80
75000 72 14000 70 6000 100 11 100
80000 87 15000 90
85000 100 16000 100

Para ser obtida uma combinação de valores, seleciona-se números aleatórios entre 0 e
100 para cada variável, representando probabilidades. Os números aleatórios são usados como
entradas nas distribuições cumulativas, a fim de obterem-se os valores das variáveis.

A tabela a seguir apresenta 50 de 100 VPL’s simulados, a partir dos quais foi preparada
a distribuição de freqüência cumulativa, para o Valor Presente Líquido.
Capítulo 6 - Análise de Investimentos em Situação de Risco 6. 14

A título ilustrativo, a seleção dos valores da primeira linha desta tabela foi indicada com
traços de tonalidade forte na tabela de distribuição de probabilidades acumuladas. Para a
variável investimento, por exemplo, o número aleatório de 87 corresponde a um valor de
investimento de $ 80.000, para a receita, 68 representa R$ 14.000,00 e assim por diante. Cada
linha da tabela representa um diagrama de fluxos de caixa, cujo VPL é calculado na última
coluna.

VALOR
N INVEST RECEITA RESIDUAL VIDA V.Neg VPL
aleat Valor aleat Valor aleat Valor aleat Anos Valor Valor
1 73 80000 68 14000 52 5000 36 10 R$ 87.951,66 R$7.951,66
2 91 85000 40 14000 86 6000 80 11 R$ 93.033,82 R$8.033,82
3 5 65000 12 13000 23 4000 99 11 R$ 85.837,77 R$20.837,77
4 32 70000 61 14000 68 5000 98 11 R$ 92.683,32 R$22.683,32
5 91 85000 46 14000 81 6000 82 11 R$ 93.033,82 R$8.033,82
6 28 70000 57 14000 63 5000 10 9 R$ 82.746,82 R$12.746,82
7 48 75000 2 12000 7 4000 28 9 R$ 70.804,68 (R$4.195,32)
8 18 70000 94 16000 31 5000 36 10 R$ 100.240,79 R$30.240,79
9 51 75000 28 14000 69 5000 88 11 R$ 92.683,32 R$17.683,32
10 25 70000 11 13000 30 4000 96 11 R$ 85.837,77 R$15.837,77
11 58 75000 65 14000 73 6000 23 9 R$ 83.170,92 R$8.170,92
12 28 70000 91 16000 70 5000 57 10 R$ 100.240,79 R$30.240,79
13 87 85000 76 15000 54 5000 85 11 R$ 99.178,38 R$14.178,38
14 69 75000 71 15000 68 5000 60 10 R$ 94.096,22 R$19.096,22
15 56 75000 97 16000 48 5000 25 9 R$ 94.264,87 R$19.264,87
16 37 70000 79 15000 6 4000 3 9 R$ 88.081,75 R$18.081,75
17 10 65000 58 14000 80 6000 12 9 R$ 83.170,92 R$18.170,92
18 20 70000 22 14000 59 5000 72 10 R$ 87.951,66 R$17.951,66
19 92 85000 96 16000 70 5000 38 10 R$ 100.240,79 R$15.240,79
20 87 85000 9 13000 39 5000 59 10 R$ 81.807,09 (R$3.192,91)
21 75 80000 22 14000 76 6000 28 9 R$ 83.170,92 R$3.170,92
22 59 75000 24 14000 94 6000 97 11 R$ 93.033,82 R$18.033,82
23 21 70000 57 14000 48 5000 59 10 R$ 87.951,66 R$17.951,66
24 93 85000 86 15000 70 5000 5 9 R$ 88.505,85 R$3.505,85
25 24 70000 63 14000 71 6000 38 10 R$ 88.337,20 R$18.337,20
26 18 70000 18 13000 12 4000 48 10 R$ 81.421,55 R$11.421,55
Capítulo 6 - Análise de Investimentos em Situação de Risco 6. 15

27 72 75000 56 14000 56 5000 74 10 R$ 87.951,66 R$12.951,66


28 25 70000 15 13000 31 5000 38 10 R$ 81.807,09 R$11.807,09
29 47 70000 8 13000 80 6000 22 9 R$ 77.411,90 R$7.411,90
30 79 80000 25 14000 57 5000 46 10 R$ 87.951,66 R$7.951,66
31 22 70000 68 14000 44 5000 77 10 R$ 87.951,66 R$17.951,66
32 1 65000 20 13000 62 5000 75 10 R$ 81.807,09 R$16.807,09
33 81 80000 24 14000 71 6000 84 11 R$ 93.033,82 R$13.033,82
34 88 85000 60 14000 57 5000 100 11 R$ 92.683,32 R$7.683,32
35 51 75000 45 14000 7 4000 57 10 R$ 87.566,11 R$12.566,11
36 32 70000 50 14000 38 5000 56 10 R$ 87.951,66 R$17.951,66
37 45 70000 70 14000 63 5000 1 9 R$ 82.746,82 R$12.746,82
38 36 70000 48 14000 63 5000 39 10 R$ 87.951,66 R$17.951,66
39 36 70000 55 14000 40 5000 91 11 R$ 92.683,32 R$22.683,32
40 79 80000 50 14000 35 5000 70 10 R$ 87.951,66 R$7.951,66
41 70 75000 32 14000 16 4000 69 10 R$ 87.566,11 R$12.566,11
42 76 80000 53 14000 4 4000 28 9 R$ 82.322,72 R$2.322,72
43 40 70000 76 15000 22 4000 3 9 R$ 88.081,75 R$18.081,75
44 74 80000 28 14000 98 6000 41 10 R$ 88.337,20 R$8.337,20
45 91 85000 34 14000 87 6000 86 11 R$ 93.033,82 R$8.033,82
46 2 65000 32 14000 6 4000 87 11 R$ 92.332,83 R$27.332,83
47 15 70000 14 13000 15 4000 51 10 R$ 81.421,55 R$11.421,55
48 20 70000 30 14000 38 5000 9 9 R$ 82.746,82 R$12.746,82
49 13 70000 13 13000 90 6000 66 10 R$ 82.192,63 R$12.192,63
50 78 80000 2 12000 25 4000 18 9 R$ 70.804,68 (R$9.195,32)

Pode-se calcular agora a média dos VPL, ou seja, o E(VPL) -Valor Esperado dos VPL.
Calcula-se, também o risco do projeto através de seu desvio-padrão (DP(VPL)). O Valor
Esperado, para os 100 valores da amostra é de R$ 14.000, bem abaixo dos 17.952
encontrados anteriormente. O desvio-padrão, que é o risco do projeto, é de R$ 9.200.

A partir dos 100 resultados simulados gera-se as seguintes distribuição de freqüência dos
VPL’s:

De a Freqüência Freqüência Acumulada


-20000 -10000 0 0
-10000 0 6 6
0 10000 32 38
10000 20000 41 79
20000 30000 15 94
30000 40000 4 98
40000 50000 2 100
Capítulo 6 - Análise de Investimentos em Situação de Risco 6. 16

Estas freqüências oferecem uma aproximação da distribuição de probabilidades para o


valor presente líquido do projeto, grafada a seguir. Tal aproximação será tanto melhor quanto
maior for o número de dados simulados.

45
40
35
30
25
20
15
10
5
0
-10000 0 10000 20000 30000 40000 50000

Analisando a distribuição cumulativa de probabilidades, observa-se que a chance de falha


do projeto (probabilidade de VPL < 0) é baixa, situando-se ao redor dos 6 %.

120

100

80

60

40

20

0
-20000 -10000 0 10000 20000 30000 40000 50000 60000

Entretanto, existe 63 % de probabilidade de que o valor presente líquido do projeto seja


inferior ao valor de $ 17.952, calculado com base nas estimativas mais prováveis.

Esta informação é de extrema relevância para a decisão, principalmente quando se


comparam alternativas.
Capítulo 6 - Análise de Investimentos em Situação de Risco 6. 17

5. PROBLEMAS PROPOSTOS

5.1 P ROBLEMA 1
Uma empresa do setor de energia estuda um investimento em uma termelétrica a gás de 350
MW e levantou os seguintes dados:

Investimento $ 500.000,00 por MW instalado

Produção de energia 2.800.000 MWh por ano

Preço da energia elétrica produzida $30,00 por MWh

Custos de Operação e Manutenção $ 4,00 por MWh

Outros Custos (Transporte de energia, etc.) $ 1.000.000,00 por ano

Consumo de gás 500.000.000 m3 por ano

Custo do gás $ 0,06 por m3

O horizonte de planejamento é de 20 anos, após os quais a termelétrica será vendida por $35
milhões.

A taxa mínima de atratividade da empresa é de 15% ao ano após o imposto de renda.

Pede-se

1. Analise a viabilidade do investimento sem considerar risco

2. Qual a tarifa mínima de energia elétrica para o investimento ser viável?

3. Analise o investimento com risco considerando que as seguintes variáveis podem tomar os
valores abaixo:

Invest Prob Producao Prob Tarifa Prob Custos OM Prob Custo gas Prob
450000 10 2600000 30 25 30 3 8 0,05 5
500000 60 2800000 60 30 40 4 70 0,06 70
550000 30 3000000 10 35 30 5 22 0,07 25
Capítulo 6 - Análise de Investimentos em Situação de Risco 6. 18

Calcule o Valor esperado e o risco do VPL, a probabilidade de inviabilidade e faça o histograma


da distribuição dos VPL’s.

Calcule, também, o Valor Esperado e o Risco das TIR’s, além de sua probabilidade de
inviabilidade.

5.2 P ROBLEMA 2
A empresa de eletrônica SRS desenvolve um novo tipo de placa eletrônica em SMD e avalia a
possibilidade de iniciar sua produção. A nova forma de produção, com o uso de um robô, agiliza
e reduz o custo de produção. A intenção é instalar esta nova linha de produção em sua fábrica no
Sul de Minas. Os dados são os seguintes:

• Investimentos adicionais para instalar linha:


• Robô: 150.000,
• Máquina solda: 60.000,
• Computadores, Bancadas e outros: 60.000.
• Investimento em Capital de Giro: R$ 65.000,00
• Produção e venda das placas: 500 placas por dia em 360 dias no ano
• Preço da placa R$ 4,10
• Aluguel: R$ 60.000,00 por ano
• Mão-de-obra: R$ 100.000,00 por ano
• encargos: R$ 70.000,00 por ano
• Componentes: R$ 0,60 por placa
• Base: R$ 0,30 por placa
• Despesas administrativas: R$ 50.000,00 por ano
• Despesas de vendas: R$ 40.000,00 por ano
• ICMS, IPI, PIS, Cofins: 18%
• IRPJ + CSSL = 35%
• Taxa de depreciação sobre os equipamentos: 10% por ano

A Empresa tem garantias de compra das placas durante os próximos 10 anos, no final dos quais
os investimentos fixos terão um valor residual de venda de R$ 80.000,00. A taxa mínima de
atratividade da empresa é de 18% ao ano.

Elaborar a Projeção da demonstração de resultados e do fluxo de caixa, calcular o Valor do


Negócio, o VPL e a TIR com os dados acima. Realizar a análise de risco por Simulação de
Monte-Carlo, considerando as seguintes probabilidades:

Produção Prob Preço Prob cv comp Prob


450 15 3,9 25 0,8 30
Capítulo 6 - Análise de Investimentos em Situação de Risco 6. 19

500 75 4,1 60 0,6 50


550 10 4,3 15 0,5 20

5.3 P ROBLEMA 3
Seja o caso de uma empresa que fará investimentos para lançar um produto para a
próxima temporada de verão: um novo modelo de ventilador doméstico.

O investimento, em ajuste de equipamentos, treinamento de pessoal, pesquisa de


mercado e projeto do produto, monta a $ 3 milhões.

O estudo de mercado previu, para os meses de novembro, dezembro, janeiro, fevereiro


e março, as seguintes quantidades de unidades vendidas.

Quantidade Novembro Dezembro Janeiro Fevereiro Março


(unidades)
Máxima 1200 1600 2500 1800 1000
Mais provável 1000 1300 2000 1600 800
Mínima 500 1100 1700 1200 500

Estudos anteriores demonstraram que a venda de cada mês normalmente independem


das vendas dos meses anteriores. A dependência maior é das condições climáticas. O preço de
venda do produto é de $ 1.000. O custo variável unitério é de $ 200. O custo fixo total é de $
300 mil.

A empresa deseja conhecer o risco que correrá em não conseguir atingir sua TMA, que é
de 6% ao mês.

5.4 P ROBLEMA 4
Resolver o problema anterior, supondo que as parcelas sejam dependentes entre sí, ou
seja, que os erros de previsão aconteçam de forma uniforme para todos os meses.