Você está na página 1de 4

ATIVIDADE DO FILME – UTOPIA E BARBÁRIE (Sílvio Tendler,

2010)

Data: 24.08.2021

Temas de História do Brasil Contemporâneo (THBC) – Aulas assíncronas

Profª: Célia Costa Cardoso

DATA DA ENTREGA: 30.08.2021

1- Selecionar e sintetizar de um a três acontecimentos relacionados à história global que


aparecem nesse filme, para debater em sala de aula.

R- A criação de Israel em 1948, deu um sinal de esperança para um povo que por
séculos não possuiu um ´´lar´´, este acontecimento se deu há menos de 5 anos do final
da segunda guerra mundial, que ficou marcada por várias atrocidades, incluindo o
genocídio contra os judeus, praticado pela Alemanha nazista, esta que, mesmo antes da
guerra mais mortal do século 20, praticou uma serie de discriminações e violência
contra o povo semita e outras minorias. Mas na ´´casa nova´´, os judeus também
conviveram e convivem com problemas de discriminação por motivos étnicos,
religiosos e que no final das contas, como várias guerras ´´religiosas´´ da Ásia, são
muito políticas. A diferença é que os papeis parecem invertidos, é muito comum ver
casos de discriminação originados de judeus contra palestinos, os antigos ´´inquilinos´´
do território onde se encontra Israel.

Nesta pandemia são denunciados casos de negação à vacinação de palestinos, enquanto


as manchetes mostram uma sociedade israelita sorrindo e quase livre do vírus, por causa
do sucesso no combate à covid, muitos muçulmanos dizem não ter acesso ao mesmo
privilégio. Uma sociedade ´´vitoriosa´´ em tempos de caos, enquanto certa parte dos
habitantes não são acolhidos da mesma forma, por causa de preconceitos religiosos e
conflitos históricos, muitos acusam de uma espécie de ´´apartheid´´, isso pode mostrar
um problema claro na sociedade judaica: falta de estudo sobre a história do próprio
povo? Falta de reflexão? Ou hipocrisia?

Generalizações podem ser perigosas neste sentido, falar que todos os judeus que
habitam Israel são complacentes com isso é tão preconceituoso como dizer que todos os
alemães que viviam na Alemanha nazista compactuavam com os crimes humanitários,
mas falando de forma superficial, em uma sociedade conturbada, há alguns tipos de
pessoas, as convictas, as indecisas, as ignorantes e as que fingem possuir ignorância
para maquiar os seus desejos mais criminosos.

2 – Como você usaria esse filme em sala de aula?


O filme é muito rico, pois viaja por vários acontecimentos do século 20, dá uma grande
abordagem sobre várias ditaduras latino-americanas, além de uma amostra de como os
contextos sociais podem influenciar as ações humanas, como a própria arte, além de
poder ser utilizado em uma aula de história, o documentário pode muito bem ser
abordado em outras disciplinas, como sociologia e artes.

Eu o usaria como apresentação de temas que seriam abordados durante a unidade, pois
ele retrata vários pontos essenciais de cada evento e que ajudaria a fazer com que os
alunos conseguissem sintetizar de forma mais clara o assunto no decorrer das aulas.

3- Refletir sobre os conceitos:

A -Utopia X Distopia –

A utopia seria um lugar perfeito, enquanto distopia seria o total contrário, mas é muito
claro, e o documentário esclarece mais ainda, que muitas promessas de utopias, podem,
na verdade, se aproximar mais das distopias, promessas de liberdade e paz, podem se
transformar em opressão e guerra, só que com algumas diferenças, incluindo o fato de
alguns, antes oprimidos, agora serem opressores, seria o ´´vamos fazer o que eles
fizeram para que eles não o façam mais´´. Claro, os cenários não necessariamente serão
todos negativos, a republica jacobina comete várias ações ditatoriais para impedir a
volta do absolutismo, mas a revolução francesa influência em grandes vitorias do povo
europeu durante o século 19, como aborda Eric Hobsbawm na sua trilogia de livros
sobre o século 19 (era das revoluções; do capital; dos impérios), na própria
independência do Brasil, ideias liberais influenciadas pela revolução na França ganham
corpo no país. Isso mostra que por mais que muitas utopias se aproximem, em vários
sentidos, de características de uma distopia, os ganhos podem ser sentidos, mas como
estes 2 termos antônimos fazem parte mais de um ideal do que da realidade, os cenários
podem ser amplamente ambíguos e controversos.

B- Civilização X barbárie- Civilização dá uma ideia de sociedade que se comporta de


maneira adequada, enquanto barbárie seria a maneira por qual uma sociedade age de
maneira desordeira e irresponsável, o problema está na questão da relatividade cultural,
costumes e práticas vivenciadas em uma cultura podem ser vistas com total estranheza e
espanto por outra sociedade. Enquanto muitas pessoas no Brasil ficam enojadas com o
fato de o cachorro ser consumido por humanos no Vietnã, a vaca, da qual se deriva a
carne de um prato tão consumido no Brasil, o churrasco, é sagrada na Índia, esta mesma
que vive em uma sociedade de castas, sociedade com restrita mobilidade social, algo
que no ´´país tropical´´, que vive uma sociedade de classes moveis, pode ser visto com
desgosto, se for ouvir um discurso moral entre os 3 países, provavelmente o ouvinte irá
sair com a noção de que os 3 não possuem muita civilidade. O ambiente ideal seria a
respeitabilidade, pelo menos no que não envolve uma quebra de direitos humanos, mas
historicamente é visto que países com tecnologias de opressão mais avançadas dominam
as outras e as incorporam a sua suposta ´´civilidade´´. Livros sobre os povos da
mesoamérica, como ´´História da América Latina, volume 1``, organizado por Leslie
Berthell, demonstram que muitos povos daquele lugar, como os Astecas, possuíam
sociedades altamente organizadas, mas por possuírem costumes e rituais diferentes dos
espanhóis, foram considerados inferiores, ou seja, bárbaros, o que acabou em genocídio
e etnocídio dos indígenas que habitavam aquelas terras.

C – História X Memória- Usualmente, se trata história como passado e historiografia


como o que se escreveu do passado, a memória pode interferir muito neste último
termo, pois a memória pode ser seletiva, e variar de acordo com o que o indivíduo quer
acreditar ou com o que os detentores dos meios de comunicação querem que as massas
acreditem, muitas vezes em momentos de crise, o passado tende a ser um ´´inferno mais
doce´´, porque o impacto da realidade presente faz com que a memória minimize os
problemas passados, por isso o ensino de história se torna tão importante, na Alemanha,
as escolas levam as crianças ao famoso campo de Auschwitz, onde milhares de judeus
foram mortos durante a segunda guerra mundial, aquele lugar é usado para ensinar sobre
os erros que foram cometidos e para que eles não o sejam mais feitos.

Outro problema da memória é o individualismo dela, muitas pessoas que viveram na


época da ditadura militar no Brasil, dizem que não houve opressão, pois elas não
sofreram nada, mas o questionamento é: este indivíduo questionava o regime? Ele tecia
críticas? Ele vivia nos centros de agitação política? O brasil é um país continental, quais
são as chances desta pessoa possuir um fraco contato com a realidade opressiva do país?

A memória pode ser muito importante para proteger costumes e rituais, além de
vivências, mas é muito importante consultar o máximo de fontes sobre períodos
passados, pois se nem em obras de grandes historiadores tudo pode ser contemplado, e
algumas vezes as narrativas são impostas, imagine basear um conhecimento sobre o
passado apenas na memória.

Apresentação da Adriana sobre o filme:

Filme foi feito durante 19 anos, percorrendo 15 países.

Você também pode gostar