Você está na página 1de 9

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO DE BRASÍLIA

Disciplina: Fisiologia do Exercício – SDE3864 Docente: Silvia Neri Semestre: 2º/ 2020

Discentes:
1- Adriano Saldanha Kempner - Matrícula 201702483691
2-
3-
4-
5-

Estudo de Caso: Fisiologia da fadiga

Leia os artigos e a monografia, indicados abaixo, e responda ao que se pede. Esse estudo de caso é composto por 6
questões, pode ser realizado em grupo de até cinco pessoas, e tem valor de 5,0 pontos (50% da nota da AV1). Ele
deve ser postado por um dos membros da equipe no Portal do Aluno da Estácio até o dia 05/10/20.

Lima FR, Brietzke C, Franco-Alvarenga PE, Asano RY, Viana BF, Santos TM & Pires FO (2018). Modelos tradicionais
de fadiga e desempenho físico. Journal of Physical Education, 29(e2915).

Ribeiro MF & Souza GB (2019). Avaliação de fadiga em adultos com esclerose múltipla. Revista Brasileira de Pesquisa
em Saúde, 21(4):118-126.

Sousa MJ (2018). Exercício físico durante o tratamento do câncer de mama: uma revisão bibliográfica. Monografia
apresentada ao Curso de Especialização em Preparação Física e Esportiva da Escola de Educação Física, Fisioterapia e
Terapia Ocupacional da Universidade Federal de Minas Gerais.

Questão 1- A etiologia da fadiga tem sido objeto de estudo em pesquisas relacionadas ao desempenho físico em função da
necessidade de esclarecer os mecanismos que reduzem a capacidade de manutenção do desempenho em intensidades
elevadas de esforço. A concepção tradicional de fadiga assume que os mecanismos possam ser desencadeados em sítios de
ação central ou periférica. Nesse sentido, defina a fadiga central e cite os seus potenciais mecanismos.
R-A
f
a
d
i
ga
c
e
ntr
a

d
e
f
i
nida
c
omo
a
“diminuição
d
a
a
t
i
v
a
ç
ã
o
mu
s
c
ular ou
da
fo
r
ç
a
de
c
ontr
a
ç
ã
o
volun
t
á
ria má
x
i
m
a
ca
us
a
da
p
e
lo
e
x
e
r
c
ício”
4
. Esta
d
e
fini
çã
o
i
m
pl
i
c
a
e
m
ace
i
t
a
r
a
existência
de
diminuição na ativação volunt
á
ria desempenhada por regiões corticais
Lima et al.
J. Phys. Educ
.
v. 29, e29
15
, 2018
.
Página
2
de 13
envolv
i
d
a
s
no
r
e
c
rut
a
mento
de músculos
e
squ
e
léticos. Entr
e
tanto,
a
l
t
e
r
a
ç
õ
e
so
c
o
r
r
idas n
ã
o
a
p
e
n
a
s
e
m
re
g
i
õ
e
s
do
c
órt
e
x
mo
t
or, mas tamb
é
m
e
m re
g
i
õ
e
s supr
a
espin
h
ais e
e
spinh
a
is
têm
p
a
p
e
l
i
m
port
a
nte na f
a
d
i
ga
ce
ntr
a
l
2,4,5
.
N
e
ste
ca
so,
ad
e
s
a
t
i
v
açã
o
d
e
stas
re
g

e
s tem sido
a
ssoci
a
d
a
à
:
1) qu
e
da do
flu
x
o
s
a
n
g
uíneo
cerebral
6
;
2)
e
lev
a
ç
ã
o
na temp
e
r
a
tura hipo
t
a
lâmica
7
;
3)
a
l
t
e
r
a
çã
o
n
ar
a
z
ã
o met
a
ból
i
c
aO
2
/
g
l
i
c
ose
8
;
4)
a
l
t
e
ra
çã
o
n
o
met
a
bol
i
smo
de
n
e
urot
ra
nsm
i
ssor
e
s.
Questão 2- Agora, defina a fadiga periférica e cite os seus potenciais mecanismos.
R-

Questão 3- A concepção tradicional de fadiga possui algumas limitações e, portanto, a comunidade científica tem feito,
recentemente, um movimento em direção à incorporação de um modelo integrado de fadiga, o qual contemple os
mecanismos centrais e periféricos dentro de uma dinâmica complexa e integrada. Cite 3 limitações da concepção
tradicional e explique a perspectiva do modelo integrado.
R-

Questão 4- A fadiga é um sintoma comum em diversas patologias, dentre elas a esclerose múltipla. Nesse contexto,
explique os aspectos fisiopatológicos relacionados à fadiga e aponte as consequências dessa condição na vida de pessoas
com esclerose múltipla.
R-

Questão 5- Em relação ao artigo de Ribeiro & Souza (2019), indique qual foi o objetivo do estudo, o tipo de estudo
conduzido, a amostra (tamanho amostral, forma/ local de recrutamento e critérios de inclusão) e os instrumentos utilizados
para mensurar a fadiga.
R-

Questão 6- A fadiga também é um sintoma comum relacionado ao câncer, e o exercício físico pode ajudar a reduzir essa
condição. Sendo assim, indique quais são as diretrizes para a prática de exercícios no tratamento oncológico, segundo o
American College of Sports Medicine (ACSM).
R-

Você também pode gostar