Você está na página 1de 49

Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro

Regimento Interno - Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro

Atualizado em 22/09/2010

-1-
Título I - Da Competência. . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
Capítulo I - Do Tribunal Pleno e do Órgão Especial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
Capítulo II - Da Seção Cível ( extinta) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
Capítulo III - Dos Grupos de Câmaras Cíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
Capítulo IV - Das Câmaras Cíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
Capítulo V - Da Seção Criminal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
Capítulo VI - Das Câmaras Criminais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
Capítulo VII - Do Conselho da Magistratura. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
Título II - Do Funcionamento em Geral. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
Capítulo I - Das Eleições e Indicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
Capítulo II - Dos Assuntos Administrativos e de Ordem Interna....... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Capítulo III - Das Substituições. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Capítulo IV - Da Classificação e Registro dos Feitos.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
Capítulo V - Da Distribuição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Capítulo VI – Do Relatório e da Revisão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Capítulo VII - Das Sessões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Capítulo VIII - Da Pauta dos Julgamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Capítulo IX - Da Ordem dos Trabalhos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Capítulo X - Da Discussão e Votação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Capítulo XI - Da Apuração dos Votos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Capítulo XII - Dos Acórdãos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Título III - Dos Processos em Espécie. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Capítulo I - Da Exceção de Impedimento ou de Suspeição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Capítulo II Da Declaração Incidental de Inconstitucionalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ...... . . . . . 27
Capítulo III Da Representação de Inconstitucionalidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Capítulo IV Dos Pedidos de Intervenção. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Capítulo V Dos Conflitos de Atribuições, de Jurisdição e de Competência.......................... . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Capítulo VI Da Uniformização da Jurisprudência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Capítulo VII Da Súmula da Jurisprudência Predominante. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Capítulo VIII Do Mandado de Segurança. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Capítulo IX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Dos Embargos Infringentes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Seção I – Dos Embargos Infringentes em Matéria Criminal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Seção II . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Dos Embargos Infringentes em Matéria Cível. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Capítulo X Do Duplo Grau Obrigatório de Jurisdição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Capítulo XI Da Ação Rescisória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Capítulo XII Da Habilitação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Capítulo XIII Da Representação por Excesso de Prazo e . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Capítulo XIV Do Desaforamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Capítulo XV Da Restauração de Autos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Capítulo XVI Da Ação Penal Originária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Capítulo XVII Da Exceção da Verdade Remetida. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Capítulo XVIII Do Pedido de Explicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Capítulo XIX Do Recurso Hierárquico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Capítulo XX Do Agravo Regimental. . . . . . . . . . . . . . . .... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Capítulo XXI Dos Agravos Retidos e de Instrumento. .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Capítulo XXII Das Reclamações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Título IV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Capítulo único - Dos Projetos de Normas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Título V - Dos Fatos Funcionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Capítulo I - Do Compromisso, Posse, Exercício e Matrícula.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Capítulo II Das Licenças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Capítulo III Da Aplicação de Penalidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

Art 1º- Este Regimento Interno dispõe sobre a competência e o funcionamento dos Órgãos
do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro

Título I - Da Competência

Capítulo I - Do Tribunal Pleno e do Órgão Especial


Art.2º - Ao Tribunal Pleno, integrado por 180 (cento e oitenta) Desembargadores, compete:

I - eleger o Presidente, o Corregedor-Geral de Justiça, os 03 (três) Vice-Presidentes;

II - eleger o Diretor da Escola da Magistratura do Estado do Rio de janeiro;

III - escolher os candidatos ao Quinto Constitucional do Ministério Público e da Advocacia


que integrarão a lista tríplice;

-2-
IV - eleger 2 (dois) Desembargadores e 2 (dois) Juízes de Direito para integrarem o
Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e seus respectivos suplentes;

V - elaborar a lista tríplice de advogados para nomeação pelo Presidente da República


para comporem o Tribunal Regional Eleitoral.

Vide Resolução TJ/Tribunal Pleno Nº1, de 27/04/2009

Parágrafo único - Sendo ímpar o numero de vagas destinadas ao quinto constitucional,


uma delas será, alternada e sucessivamente, preenchida por Advogado e por membro do
Ministério Publico, de tal forma que, também sucessiva e alternadamente, os representantes de
uma dessas classes superem os de outra em uma unidade.

Art.3º - Compete ao Órgão Especial:

I - Processar e julgar, originariamente:

a) o Vice-Governador e os Deputados Estaduais, nos crimes comuns;

b) os Secretários de Estado, nos crimes comuns e nos de responsabilidade, estes


quando não conexos com os do Governador;

c) os Juizes Estaduais e os membros do Ministério Publico, os Procuradores Gerais do


Estado, da Assembléia Legislativa e da Defensoria Pública, nos crimes comuns e nos de
responsabilidade;

d) os habeas corpus, quando o coator for o Governador do Estado ou quando se tratar de


crime sujeito a competência originaria do Tribunal, desde que o coator não seja membro deste;

e) os mandados de segurança e habeas data, quando impetrados contra atos do


Governador, da Assembléia Legislativa, sua Mesa e seu Presidente, do próprio Tribunal ou de
seu Presidente e Vice-Presidentes, do Corregedor-Geral da Justiça, da Seção Criminal, do
Conselho da Magistratura, do Tribunal de Contas e do Conselho de Contas dos Municípios, e os
mandados de segurança contra os atos das Câmaras Cíveis, bem como dos respectivos
Presidentes ou Desembargadores.

Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

f) os conflitos de competência entre o Conselho da Magistratura e qualquer Órgão


Julgador do Tribunal; entre as Câmaras Cíveis; entre Juízos Cíveis e Criminais.

g) os conflitos de atribuições entre autoridades judiciárias e administrativas, quando


forem interessados o Tribunal de Justiça, o Governador ou Órgãos do Poder Legislativo;

h) as ações rescisórias de seus acórdãos, dos acórdãos das Câmaras Cíveis, os


recursos das decisões que as indeferirem in limine e as revisões criminais em benefício dos réus
que condenar;

i) os embargos aos seus acórdãos;

j) as habilitações e outros incidentes, nos processos de sua competência, bem como as


dúvidas não manifestadas em forma de conflito, sobre distribuição, competência e ordem de
serviço, em matéria das Câmaras Cíveis;

l) as reclamações quando o ato impugnado for pertinente a execução de acórdão seu;

m) as suspeições opostas a Desembargadores e ao Procurador-Geral de Justiça quando


não reconhecidas;

n) as representações contra os membros dos Tribunais de segundo grau, por excesso de


prazo previsto em lei;

o) as medidas judiciais que venham a ser requeridas em virtude de estado


de greve deflagrado por servidores estaduais e municipais.
Vide Resolução TJ/Órgão Especial Nº28, de 24/11/2008

-3-
II - julgar:

a)Revogado.

b) os agravos contra decisões do Presidente que, em mandado de segurança ordenarem


a suspensão da execução de medida liminar ou de sentença que o houver concedido;

c) os recursos contra decisões proferidas nos feitos de sua competência pelo Presidente,
por Vice-Presidentes ou pelo relator;

d) os recursos contra decisões que indeferirem pedido de inscrição no concurso para


ingresso na Magistratura de carreira;

e) os recursos contra decisões do Conselho da Magistratura nas hipóteses de que


conheça originariamente, ou em qualquer caso, quando aplique penalidades a magistrados;

f) o incidente de uniformização de jurisprudência, nos feitos de competência da Seção


Criminal e das Câmaras Cíveis;

g) a exceção da verdade, nos crimes de calúnia e difamação em que for querelante


qualquer das pessoas referidas nas letras "a", "b" e "c" do inciso I;

h) recurso, em razão de assunção de competência, para prevenir ou compor divergência


entre Câmaras Cíveis, acerca de relevante questão de direito, em caso de interesse público, nos
termos do art. 555 e seu § 1º, do Código de Processo Civil, podendo o relator do Órgão Especial
decidir sobre a relevância ou interesse público da questão suscitada;

III - executar os julgados nas causas de sua competência originaria facultada a delegação
da prática de atos não decisórios a Juízes de primeiro grau;

IV - declarar pelo voto da maioria absoluta de seus membros, a inconstitucionalidade de


lei ou ato do Poder Público, nos casos de sua competência e naqueles que, para esse fim, lhe
forem remetidos pelos demais Órgãos Julgadores do Tribunal;

V - elaborar o Regimento Interno, emendá-lo e resolver dúvidas relativas à sua


interpretação e execução, ressalvada a competência do Tribunal Pleno.
Vide Resolução TJ/Tribunal Pleno Nº1, de 04/12/2008

VI - deliberar sobre:

a) proposição de projetos de normas, ouvida a Comissão de Legislação e Normas;

b) permuta ou remoção voluntária dos Desembargadores, de uma para outra Câmara;

c) permuta ou remoção voluntária dos Juízes em exercício no primeiro grau de jurisdição;

d) concessão de licença aos Desembargadores;

e) assuntos de ordem interna, mediante convocação especial do Presidente, para esse


fim, por iniciativa própria ou a requerimento de um ou mais Desembargadores;

f) quaisquer propostas ou sugestões do Conselho da Magistratura, notadamente as


concernentes à organização de sua Secretaria e órgãos auxiliares;

g) realização de concurso para ingresso na Magistratura de carreira, e respectivo


regulamento, bem como homologação do resultado;

h) indicação, feita pelo Presidente, de servidor do Tribunal, bacharel em Direito, para


provimento de cargo em comissão de Secretário-Chefe da Secretaria Geral;

VII - propor à Assembléia Legislativa:

a) a alteração da organização e da divisão judiciária;

b) a alteração do número de membros do Tribunal de Justiça

-4-
c) a criação ou a extinção de cargos e a fixação dos respectivos vencimentos;

VIII - eleger:

a) os 05 (cinco) Desembargadores, estranhos ao Órgão Especial, que devam integrar o


Conselho da Magistratura;

b) Revogado.
Vide Resolução TJ/Tribunal Pleno Nº1, de 27/04/2009

c) os membros da Comissão de Regimento Interno, da Comissão de Legislação e


Normas e de outras que o Tribunal constituir;

IX – dar posse ao Presidente, ao Corregedor-Geral de Justiça, aos Vice-Presidentes e a


Desembargador;

X - organizar a Secretaria e os serviços auxiliares do Tribunal, do Conselho da


Magistratura e da Corregedoria Geral de Justiça, provendo-lhes os cargos por intermédio do
Presidente, na forma da lei;

XI - indicar ao Presidente da República os nomes de 06 (seis) cidadãos de notável saber


jurídico e idoneidade moral, para composição do Tribunal Regional Eleitoral e respectivos
suplentes;

XII - indicar ao Governador do Estado:

a) proposta de emenda à Constituição Estadual sobre matéria pertinente ao Poder


Judiciário;
b) em lista tríplice nomes de Advogados ou membros do Ministério Público, para
;
composição do quinto do Tribunal de Justiça

XIII - determinar a perda de cargo, a remoção ou a disponibilidade de Desembargadores


e Juízes, nos casos e pela forma previstos em lei;

XIV - promover a aposentadoria compulsória de Magistrados, por invalidez;


XV - aplicar outras sanções disciplinares às autoridades judiciárias, nos processos de sua
competência;

XVI - determinar, se conveniente, por maioria absoluta, o afastamento do cargo de


magistrado contra quem se haja recebido denúncia ou queixa, sem prejuízo dos vencimentos e
vantagens, até decisão final (art. 27, § 3º da LOMAN);

XVII - deliberar, após prévia audiência do Conselho da Magistratura, sobre a aquisição da


vitaliciedade ou a exoneração dos Juízes de primeiro grau ao fim do primeiro biênio de exercício.

Art.4º - A Secretaria do Órgão Especial também funcionará como Secretaria do


Tribunal Pleno, sempre que se reunir, em sessão ordinária ou extraordinária, cabendo-lhe adotar
as medidas para o seu regular funcionamento.
Vide Resolução TJ/Tribunal Pleno Nº1, de 04/12/2008

Art.5º - O Tribunal Pleno será convocado pelo Presidente do Tribunal ou mediante


autoconvocação para deliberação de assunto institucional do Poder Judiciário.
Vide Resolução TJ/Tribunal Pleno Nº1, de 04/12/2008

Capítulo II - Da Seção Cível ( extinta)


Art.4º - Revogado.

Capítulo III - Dos Grupos de Câmaras Cíveis


Art.5º - Revogado. Resolução nº 06/01do E. Órgão Especial

-5-
§1º - A autoconvocação deverá ser subscrita pela maioria absoluta dos integrantes
do Tribunal Pleno;
Vide Resolução TJ/Tribunal Pleno Nº1, de 04/12/2008

§ 2º - O Presidente do Tribunal terá até 30 dias para designar a data da reunião


plenária;
Vide Resolução TJ/Tribunal Pleno Nº1, de 04/12/2008

§ 3º - A pauta especificará a matéria a ser deliberada.


Vide Resolução TJ/Tribunal Pleno Nº1, de 04/12/2008

Art. 5º-A - As deliberações do Tribunal Pleno serão tomadas mediante quórum


qualificado, isto é, metade mais um do número de cargos de Desembargadores existentes.
Vide Resolução TJ/Tribunal Pleno Nº2, de 19/08/2008

Capítulo IV - Das Câmaras Cíveis


Art.6º - Compete às Câmaras Cíveis:

I - processar e julgar:

a) os mandados de segurança e o habeas data contra atos dos juízes e membros do


Ministério Público Estadual de primeira instância em matéria cível, salvo os dos Juízes dos
Juizados Especiais Cíveis ou de suas Turmas Recursais;

b) os mandados de segurança e habeas-data contra atos dos Secretários de Estado, dos


Prefeitos da Capital e dos Municípios com mais de 200.000 (duzentos mil) eleitores, do Tribunal
de Contas do Município do Rio de Janeiro, do Conselho Superior do Ministério Público, do
Conselho Superior da Defensoria Pública, dos Procuradores-Gerais de Justiça e do Estado;

c) as ações rescisórias de sentença dos Juízos cíveis, e os recursos das decisões que as
indeferirem in limine;

d) os embargos infringentes, e o recurso contra a decisão do Relator que não os admitir.


Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

e) as reclamações contra Juízes cíveis, quando não sejam da competência de outro


Órgão, e as reclamações contra atos pertinentes à execução de seus acórdãos;

f) os conflitos de competência entre Juízos cíveis;

g) as exceções de impedimento e de suspeição, opostas a Juízes cíveis, quando não


reconhecidas.
II - julgar:

a) os recursos contra decisões de Juízes do cível, inclusive contra sentenças que


homologarem ou não laudos arbitrais, e dos Juízes da Infância, da Juventude e do Idoso em
matéria cível, abrangendo as hipóteses previstas nos artigos 148, incisos III a VII, e parágrafo
único e 149, todos da Lei nº 8.069/90 (ECA).

b) em segunda instância, os processos obrigatoriamente sujeitos ao duplo grau de


jurisdição;

c) os recursos contra decisões proferidas nos feitos de sua competência, pelo Presidente
ou pelo relator;

d) os habeas corpus impetrados contra decisão que decretar a prisão civil do responsável
pelo inadimplemento de obrigação alimentícia, do depositário infiel e do falido prevista no artigo
35 da lei de falências.

III - executar os julgados nas causas de sua competência originária, facultada a


delegação da prática de atos não decisórios a Juízes de primeiro grau.

-6-
Capítulo V - Da Seção Criminal
Art.7º - Compete à Seção Criminal:

I - processar e julgar:

a) as ações penais instauradas contra os Prefeitos Municipais por crimes comuns;

b) as revisões criminais e os recursos dos despachos que as indeferirem in limine,


quanto às condenações por ela impostas e as proferidas pelas Câmaras Criminais e pelos
Juízes e Tribunais de primeira instância;

c) Revogado;

d) Revogado;

e) as reclamações contra atos pertinentes à execução de seus acórdãos e os conflitos de


jurisdição entre as Câmaras Criminais;

f) o incidente de uniformização da jurisprudência, nos feitos da competência das Câmaras


Criminais;

g) os mandados de segurança e os habeas data contra atos das Câmaras Criminais,


seus Presidentes e Relatores e, quando versando matéria criminal, dos Secretários de Estado,
Prefeitos, membros do Ministério Público de segunda instância, Procuradores Gerais de Justiça,
do Estado e da Defensoria Pública;

h) os habeas-corpus, quando o coator for qualquer das pessoas mencionadas no art. 3º,
I, alíneas “a” e “b”; Prefeitos, Procuradores Gerais de Justiça e do Estado.

II - julgar:

a) os recursos contra decisões proferidas nos feitos de sua competência, pelo Presidente
ou pelos relatores;

b) em instância única, nos termos da legislação militar, os processos de indignidade para


o oficialato ou da incompatibilidade com este, oriundos de Conselho de Justificação, e os de
perda de graduação dos praças, oriundos de Conselho de Disciplina;

III - executar, no que couber, suas decisões, facultada a delegação da prática de atos não
decisórios a Juízes de primeiro grau.

Capítulo VI - Das Câmaras Criminais


Art.8º - Compete às Câmaras Criminais:

I - processar e julgar:

a) os habeas corpus, quando o coator for Juiz ou Tribunal Criminal de Primeira Instância,
Turmas Recursais do Juizados Especiais Criminais ou membro do Ministério Público Estadual .

b) as reclamações contra Juízes e Tribunais criminais de primeira instância, quando não


sejam da competência de outro Órgão;

c) as exceções de suspeição opostas a Juízes criminais, quando não reconhecidas;

d) os desaforamentos de processos sujeitos aos tribunais do júri;

e) os conflitos de jurisdição entre Juízes criminais e entre estes e os Tribunais de primeira


instância;

f) os conflitos de competência entre a justiça comum e a militar estadual, entre os


Conselhos de Justiça e auditores entre si, ou entre estes e aqueles, bem como os de atribuições
entre autoridade administrativa e judiciária militar;

g) os embargos infringentes e de nulidade.

-7-
Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

h) os mandados de segurança e os habeas data contra atos dos Juízes e Tribunais


Criminais de primeira instância e, quando versando matéria criminal, dos membros do Ministério
Público Estadual, também de primeira instância, salvo os atos dos Juízes dos Juizados
Especiais Criminais ou de suas Turmas Recursais.

II - julgar:

a) os recursos contra decisões de Juízes e Tribunais de primeiro grau, inclusive os


Conselhos de Justiça Militares e dos Juízes da Infância e da Juventude sobre medidas de
proteção e sócio-educativas em decorrência de atos infracionais de crianças ou adolescentes
(arts. 101, 105 e 112 da Lei 8069/90);

b) os recursos contra decisões proferidas nos feitos de sua competência, pelo Presidente
ou pelo relator;

III - deliberar sobre deferimento ou indeferimento liminar do habeas corpus, no caso do


art. 663 do Código de Processo Penal, em causas de sua competência;

IV - executar, no que couber, suas decisões, facultada a delegação da prática de atos não
decisórios a Juízes de primeiro grau.

Capítulo VII - Do Conselho da Magistratura


Art.9º - Compete ao Conselho da Magistratura:

I - exercer superior inspeção e manter a disciplina na Magistratura, determinando


correições e sindicâncias;

II - velar pela conduta dos Magistrados, exigindo-lhes a observância das obrigações


estabelecidas em lei e dos deveres inerentes ao cargo;

III - promover as medidas de ordem administrativa necessárias à instalação condigna dos


serviços judiciários e seu funcionamento;

IV - determinar, mediante provimento geral ou especial, as medidas necessárias ao


funcionamento da Justiça, ao seu prestígio e à disciplina forense;

V - ordenar correição geral, permanente ou periódica, expedindo as instruções


necessárias para a execução pela Corregedoria Geral de Justiça;

VI - apresentar ao Órgão Especial projetos de lei de iniciativa do Poder Judiciário, salvo


quando de competência privativa de outro Órgão do mesmo Poder;

VII - elaborar e emendar o seu Regimento Interno;

VIII - organizar, anualmente, a lista de antigüidade dos Magistrados e decidir as


reclamações que forem apresentadas nos 15 (quinze) dias subseqüentes a sua publicação, com
recurso ao Órgão Especial, em igual prazo;

IX - manifestar-se nas promoções, remoções e permutas de Juízes;

X - aplicar aos Juízes sanções disciplinares de advertência e censura, com recurso, no


prazo de 05 (cinco) dias, para o Órgão Especial;

XI - propor ao Órgão Especial as alterações que entender necessárias à organização da


Secretaria e serviços auxiliares do Tribunal;

XII - apreciar e aprovar projetos de provimentos normativos para aplicação da legislação


vigente sobre administração de pessoal e administração financeira que lhe forem encaminhados
pelo Presidente;

XIII - aplicar medidas disciplinares aos funcionários de sua Secretaria;

XIV - regulamentar os concursos para provimento de cargos de sua Secretaria e das


Secretarias do Tribunal de Justiça e da Corregedoria, bem como de serventuários e funcionários
de cartório e ofícios de Justiça;
-8-
XV - conhecer de:

a) recurso contra ato praticado em processo administrativo pelo Presidente, por qualquer
dos Vice-Presidentes ou pelo Corregedor-Geral, de que não caiba recurso específico, ou contra
penalidade por algum deles imposta;

b) recurso de despacho de seus membros;

c) recurso contra ato normativo do Presidente do Tribunal na esfera de sua competência;

XVI - instaurar, de ofício ou mediante comunicação de órgãos de segunda instância (art.


38 do CODJERJ), processo disciplinar contra magistrados de primeiro grau;

XVII - julgar pedidos de reexame e, em geral, recursos contra decisões estritamente


administrativas de Juiz da Infância, da Juventude e do Idoso.

XVIII - processar e julgar as representações contra Juízes por excesso de prazo previsto
em lei (Código de Processo Civil, art.198), bem como as de que trata o art.39 do Código de
Organização e Divisão Judiciárias;

XIX - fiscalizar a execução da lei orçamentária na parte relativa ao Poder Judiciário;

XX - baixar os atos normativos de sua competência, fixando sistemas e critérios gerais


em matéria de administração de pessoal e de administração financeira;

XXI - conceder licença aos Juízes de primeiro grau;

XXII - tomar, com base nas estatísticas do movimento judiciário, a iniciativa de medidas
tendentes à correção de deficiências, apuração de responsabilidades e dinamização dos
serviços da Justiça;

XXIII - supervisionar e avaliar o primeiro biênio de exercício dos Juízes de primeiro grau,
opinando sobre a aquisição ou não da vitaliciedade, e propondo ao Órgão Especial, na segunda
hipótese, a instauração de processo para a exoneração de Magistrado.

Título II - Do Funcionamento em Geral

Capítulo I - Das Eleições e Indicações


Art.10- As eleições serão realizadas com a presença mínima de 2/3 (dois terços) dos
Desembargadores existentes, no caso do art.2º, e de 17 (dezessete) membros do Órgão
Especial nos demais casos.

§1º - Atendidas as disposições da Lei Orgânica da Magistratura sobre a matéria, as


eleições poderão ser realizadas através de processo eletrônico. Na hipótese de impossibilidade,
o Presidente determinará a distribuição de cédulas digitadas e uniformes, com os nomes dos que
podem ser votados. Não se apurarão os votos apresentados de outro modo, nem as cédulas que
contiverem dizeres ou sinais capazes de permitir a identificação dos votantes

§ 2º - Considerar-se-á eleito o concorrente que obtiver a maioria dos votos dos presentes,
salvo no caso do art. 2º, em que será necessário, para a eleição, o voto da maioria dos
Desembargadores existentes.

§ 3º - Se nenhum dos concorrentes obtiver o número de votos indicado no parágrafo 2º,


proceder-se-á a novo escrutínio, ao qual só concorrerão os dois mais votados, havendo-se por
eleito o que obtiver o voto de pelo menos metade dos votantes e, no caso de empate, o mais
antigo, ou, sendo igual à antigüidade, o mais idoso.

§ 4º - As disposições precedentes aplicam-se, no que couber, às indicações de juristas


para integrarem o Tribunal Regional Eleitoral, aferindo-se a antigüidade, para efeito de
desempate, pela data da inscrição na seção local da Ordem dos Advogados do Brasil.

§ 5º - Os nomes dos candidatos ao Quinto Constitucional serão submetidos a


escrutínio, sendo indicados para compor a Lista Tríplice, aqueles que obtiveram o maior número
de votos. Cada desembargador votará em três nomes.
Vide Resolução TJ/Tribunal Pleno Nº1, de 04/12/2008

-9-
§ 6º - Para Diretor da EMERJ será considerado eleito o candidato que obtiver
a maioria dos votos dos presentes.

Vide Resolução TJ/Tribunal Pleno Nº1, de 04/12/2008

Art. 11 – As eleições do Presidente, do Corregedor-Geral de Justiça, dos Vice-


Presidentes, dos Membros eletivos do Conselho da Magistratura e dos componentes da
Comissão de Regimento Interno e da Comissão de Legislação e Normas realizar-se-ão em
sessão especial convocada para a segunda quinzena do mês de dezembro do ano anterior ao
da sucessão.

§ 1º - Para a escolha dos membros do Conselho da Magistratura que não integrarem a


direção do Tribunal de Justiça far-se-á eleição conjunta, considerando-se eleitos os 05 (cinco)
Desembargadores mais votados que obtiverem a maioria dos votos dos presentes. Se, no
primeiro escrutínio, não se preencher o número total de vagas, proceder-se-á a novo escrutínio,
ao qual concorrerão os mais votados, em número igual ao dobro dos lugares a preencher, e
assim sucessivamente. Será preferido, no caso de empate, o mais antigo, ou, sendo igual à
antigüidade, o mais idoso.

§ 2º - Terão mandatos coincidentes os Desembargadores que compõem a direção do


Tribunal e os eleitos para integrar o Conselho da Magistratura.

§ 3º - Sendo ímpar a composição do Órgão Especial (25 - vinte cinco - membros) o


preenchimento de suas vagas, no tocante ao quinto constitucional, será alternado entre
membros do Ministério Público e Advogados.

§ 4º - Os concorrentes a uma vaga na parte eleita do Órgão Especial deverão


inscrever-se até a véspera da sessão do Tribunal Pleno convocada para esta
finalidade.
Resolução nº 01/2010 do E. Órgão Especial de 02/02/2010

Art.12 - Se, na eleição para o cargo de direção que haja vagado dentro do biênio, o eleito
for ocupante de outro cargo de direção, na mesma sessão proceder-se-á à eleição do respectivo
sucessor, observando-se as disposições do art. 11 e seus §§ 1º a 3º.

Capítulo II - Dos Assuntos Administrativos e de Ordem Interna


Art.13 - A presidência das Câmaras caberá ao Desembargador mais antigo e, em caso de
antigüidade igual, ao mais idoso.
Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

Parágrafo único - O Presidente, nos seus impedimentos ou faltas, será substituído por
outro Desembargador do mesmo Órgão, observada a ordem decrescente de antigüidade.

Art.14 - Além de outras atribuições previstas em lei e neste Regimento, compete aos
Presidentes da Seção Criminal, e das Câmaras:
Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

I - dirigir as atividades judiciárias e administrativas dos respectivos Órgãos;

II - expedir a correspondência, os atos e as ordens que tiverem por fim o cumprimento ou


a execução das decisões e deliberações dos Órgãos a que presidem, quando não competirem
diretamente ao relator.

Art.15 - O Presidente, o Corregedor-Geral de Justiça, os Vice-Presidentes, ao deixarem o


exercício dos respectivos cargos, passarão a integrar as Câmaras de onde provierem os seus
sucessores.
Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

Art.16 - Poderão os Desembargadores, mediante autorização do Órgão Especial,


permutar de Câmaras ou remover-se para outra em que haja vaga.

- 10 -
§ 1º - Solicitada a remoção por mais de 01 (um) Desembargador, decidirá o Tribunal,
prevalecendo, em caso de empate, a solicitação do mais antigo.

§ 2º - A remoção não se efetivará se, em razão dela, deixar de existir quorum ou persistir
a falta deste, caso em que ficará suspensa a autorização até que seja restabelecido o número
mínimo de membros em efetivo exercício que permita o funcionamento normal da Câmara.

Art.17 - Ao Tribunal de Justiça, ao Órgão Especial, à Seção Criminal, às Câmaras e ao


Conselho da Magistratura cabe o tratamento de "Egrégio", e aos seus membros o de
"Excelência".

Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

Parágrafo único - Os Desembargadores usarão, obrigatoriamente, nos atos e sessões


solenes, a toga e o barrete, e nas sessões de julgamento, apenas a capa, de acordo com os
modelos referidos no art. 6º, parágrafo único, da Resolução n.º 1, de 02 de dezembro de 1970,
do Tribunal de Justiça do antigo Estado da Guanabara.

Capítulo III - Das Substituições


Art.18 - Os membros do Órgão Especial serão substituídos, nos afastamentos e
impedimentos, por Desembargadores que não o integrem, observada a ordem decrescente de
antigüidade.

§ 1º - Se convocados 02 (dois) ou mais Desembargadores, permanecerá em exercício o


mais antigo dos substitutos, ainda que reassuma suas funções o Desembargador por ele
substituído, cessando a convocação do mais novo.

§ 2º - Na aplicação do caput e do § 1º deste artigo, preservar-se-á sempre a


representação do quinto, segundo o critério previsto no art.100, § 2º, da Lei Complementar n.º 35
(Lei Orgânica da Magistratura Nacional).

§ 3º - Fora das hipóteses deste artigo, não exercerá funções no Órgão Especial
Desembargador que não o integre.

Art.19 Em caso de vaga, afastamento ou eventual falta de “quorum” para julgamento nas
Câmaras ou na Sessão Criminal, o Presidente do Tribunal de Justiça designará, prioritariamente,
Desembargadores Itinerantes (não efetivos em órgãos julgadores) para as respectivas
substituições.
Resolução nº 25/2008 do E. Órgão Especial de 29/09/2008

§ 1º - Em situações excepcionais ou quando o número de afastamentos for superior ao de


Desembargadores Itinerantes, o Órgão Especial, por indicação do Presidente do Tribunal de
Justiça, por decisão da maioria absoluta de seus membros, poderá convocar Juízes Titulares da
Comarca da Capital para as funções de substituição ou de auxílio junto aos órgãos julgadores
fracionados do Tribunal de Justiça.
Resolução nº 25/2008 do E. Órgão Especial de 29/09/2008

§ 2º - Nas hipóteses do §1º somente poderão ser convocados Juízes Titulares da


Comarca da Capital que integrem a primeira quinta parte da lista de antiguidade da entrância
especial, observada, sempre que possível, a ordem de antiguidade, ou os que estejam
exercendo a função de juízes auxiliares da Presidência, da Corregedoria Geral da Justiça ou da
3ª Vice-Presidência.

Resolução nº 25/2008 do E. Órgão Especial de 29/09/2008

§ 3º - Não poderão ser convocados os juízes que tenham autos conclusos além do prazo
legal ou que respondam a processo administrativo-disciplinar.

Resolução nº 25/2008 do E. Órgão Especial de 29/09/2008

Art.20 - Revogado

Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

Art.21 - O Desembargador convocado poderá participar de outros julgamentos da mesma


sessão, em que também seja necessário completar o quorum.
- 11 -
Capítulo IV - Da Classificação e Registro dos Feitos
Art.22 - Os processos da competência dos Órgãos do Tribunal serão distribuídos por
classes e numerados em série distinta para cada classe, na ordem de apresentação à Secretaria
do Tribunal, observando-se na classificação, a seguinte nomenclatura:

I - no cível:

- ação popular;
- ação rescisória;
- agravo de instrumento;
- agravo regimental;
- apelação cível;
- argüição de inconstitucionalidade;
- conflito de atribuições;
- conflito de competência;
- duplo grau obrigatório de jurisdição;
- exceção de impedimento ou suspeição;
- mandado de injunção;
- mandado de segurança;
- medida cautelar;
- pedido de intervenção;
- reclamação;
- representação por inconstitucionalidade;
- representação;
- restauração de autos;

II - no crime:

- ação penal originária;


- agravo regimental;
- apelação criminal;
- carta testemunhável;
- conflito de atribuição;
- conflito de competência;
- desaforamento;
- duplo grau obrigatório;
- exceção de incompetência, impedimento ou suspeição;
- habeas corpus;
- habeas data;
- mandado de segurança;
- reclamação;
- recurso criminal ex officio;
- recurso em habeas corpus;
- recurso em sentido estrito;
- requerimento de justiça gratuita e outros;
- restauração de autos;
- revisão criminal;
- representação.

§ 1º - Decidindo o Órgão Julgador conhecer de um recurso por outro, far-se-á, no Serviço


de Autuação, em conformidade com o decidido, a anotação no registro existente e o novo
registro do processo, antes da remessa deste ao 1º ou ao 2º Vice-Presidente, para regularizar e
compensar a distribuição.

§ 2º - Quando o recurso ou incidente puder ser identificado com referência aos processos
originários ou aos recursos já interpostos, como no agravo regimental, na argüição de
inconstitucionalidade, na uniformização da jurisprudência e nos embargos infringentes,
permanecerá a numeração já existente, anotando-se a ocorrência na capa e no correspondente
registro.

§ 3º - Nas hipóteses de duplo grau obrigatório de jurisdição, o processo será classificado


e numerado como apelação, se esta houver sido interposta, anotando-se, na capa e no registro
correspondente, a referida circunstância.

Capítulo V - Da Distribuição
- 12 -
Art.23 - A distribuição será obrigatória, alternada e feita em audiência pública previamente
designada.

Parágrafo único - Os processos serão apresentados aos 1º Vice-Presidente, em matéria


cível, e 2º Vice- Presidente, em matéria criminal, para, mediante sorteio computadorizado,
distribuí-los diretamente aos relatores, e, na impossibilidade comprovada do uso do computador,
aos Órgãos Julgadores e, no Órgão Especial, aos relatores.

Art.24 - Na distribuição e competente distribuição serão observadas as seguintes regras,


além das contidas no art. 33, § 1º , do Código de Organização e Divisão Judiciárias:

I - os feitos da competência das Câmaras serão distribuídos proporcionalmente ao


número de Desembargadores em efetivo exercício nos respectivos Órgãos;

Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

II - o Desembargador em exercício no Órgão Especial terá na Câmara a distribuição


reduzida de metade, a título de compensação pela atividade administrativa e jurisdicional
realizada naquele, devendo os Vice-Presidentes, na impossibilidade comprovada do uso do
computador, comunicar ao Presidente do Órgão Julgador o número de feitos distribuídos aos
respectivos integrantes como membros do Órgão Especial;

Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

III - Revogado;

Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

IV - não será feita distribuição aos Desembargadores, em qualquer Órgão do Tribunal de


Justiça nos 60 (sessenta) dias anteriores à data prevista para a aposentadoria compulsória.

V- Os Desembargadores em exercício na Presidência da Mútua dos Magistrados do


Estado do Rio de Janeiro e na Comissão Especial para o Fundo Especial do Tribunal de Justiça
– FETJ receberão no órgão jurisdicional a mesma distribuição prevista no inciso II, cabendo à
Presidência do Tribunal de Justiça convocar Juízes de Entrância Especial sobre os quais recairá
o complemento da distribuição, a fim de evitar ônus aos demais Desembargadores.
Vide Resolução TJ/Órgão Especial Nº5, de 06/04/2009

§ 1º - A infração a quaisquer regras da distribuição poderá ser conhecida de oficio ou


mediante denúncia de qualquer das partes ou do Ministério Público.

§ 2º - Verificada a ocorrência de infração, o Relator ou o Órgão Julgador


independentemente de acórdão, determinará o retorno dos autos à 1ª Vice- Presidência, se for
matéria cível, ou à 2ª Vice-Presidência, se criminal, para redistribuição a outro Órgão Julgador,
com posterior compensação.

§ 3º - A distribuição irregular não produzirá qualquer efeito, cancelando-se todas as


anotações, inclusive eventual prevenção.

§ 4 º - As 1ª e 2ª Vice- Presidências realizarão a cada três meses, rastreamento no


sistema de distribuição, para identificar possíveis irregularidades.

Art.25 - A Secretaria certificará nos autos, antes da conclusão para a distribuição, os


nomes dos Juízes que tenham proferido ato decisório no processo, em primeiro grau de
jurisdição, bem como, sempre que lhe constar, o impedimento de qualquer membro do Tribunal,
ou a ocorrência de qualquer das hipóteses previstas no artigo antecedente, ou no art. 33, § 1º,
do Código de Organização e Divisão Judiciárias.

Art.26 - Distribuídos os processos aos Órgãos Julgadores, comprovada a impossibilidade


do uso do computador, os respectivos Presidentes procederão ao sorteio dos relatores (art. 23),
em audiência, que, salvo regra especial em contrário, será pública e realizar-se-á imediatamente
antes ou depois da primeira sessão de julgamento.

§ 1º - Não serão recebidos para distribuição quaisquer processos de competência


originária sem os comprovantes do pagamento da taxa judiciária e das custas, e sem o

- 13 -
instrumento procuratório conferido a advogado habilitado, salvo nas hipóteses previstas no art.
254 do Código de Processo Civil.

§ 2º - Existindo pedido de justiça gratuita, o processo será distribuído, independentemente


dos pagamentos mencionados neste artigo, para posterior apreciação do relator.

§ 3º - O programa de distribuição, que será periodicamente atualizado, conterá a relação


dos advogados impedidos ou suspensos do exercício da profissão, de forma a não permitir a
prática do ato na ocorrência da irregularidade.

§ 4º - O disposto neste artigo aplica-se, no que couber, aos casos previstos no parágrafo
único do art. 23.

Art.27 - A distribuição, exceto em habeas corpus, vinculará ao feito o relator sorteado ou


designado: o "visto" vinculará o revisor.

§ 1º - A remoção do Órgão Julgador ou o afastamento do relator a qualquer título não


acarretará a redistribuição automática dos feitos.

§ 2º - As partes interessadas poderão requerer a redistribuição dos feitos quando o


afastamento do relator for superior a sessenta (60) dias ou, em caso de urgência, nos termos do
artigo 116 da lei Orgânica da Magistratura Nacional - LOMAN (Lei Complementar nº 35, de 14
de março de 1979).

§ 3° - A Presidência do Tribunal de Justiça publicará aviso aos interessados quando do


afastamento de qualquer de seus membros por período superior a 60 (sessenta) dias, para os
efeitos do § 2º, relacionando os processos que se encontram com o Desembargador relator
afastado, observado o disposto no § 1º do art. 236 do Código de Processo Civil.

§ 4º - Ocorrendo redistribuição haverá oportuna compensação quando do retorno do


magistrado afastado.

Art.28 - Compete ao 1º Vice-Presidente indeferir a distribuição de recursos, bem como das


ações e outras medidas de competência originária do Tribunal, quando manifestamente
inadmissíveis no que concerne à tempestividade, preparo e ausência de peças obrigatórias e,
ainda, declarar a deserção e homologar pedidos de desistência ou renúncia; e ao 2º Vice-
Presidente decidir sobre pedidos de desistência de recurso, antes da distribuição.
Vide Resolução TJ/Órgão Especial nº 20/2009 de 18/12/2009

Parágrafo único - Da decisão caberá agravo regimental, no prazo de 05 (cinco) dias, ao


órgão competente para julgamento do feito, procedendo-se, então, a distribuição.

Vide Resolução TJ/Órgão Especial nº 20/2009 de 18/12/2009

Capítulo VI – Do Relatório e da Revisão


Art.29 - O relator será escolhido mediante sorteio ou rodízio, na forma do arts. 23 e 24,
salvo;

I - no Órgão Especial:

a) nos processos por crimes comuns e funcionais, em que será designado pelo 2º Vice-
Presidente;
b) nas argüições de inconstitucionalidade, desde que integre o Órgão Especial o relator
do acórdão no Órgão suscitante, o qual permanecerá na função;

II - no incidente de uniformização e no incidente de divergência, permanecerá o do


acórdão em que foi suscitado, com a ressalva dos arts. 119, § 1º e 120, § 1º;

III - nos casos de conversão de um recurso em outro, em que permanecerá o mesmo do


recurso interposto;

IV - nos casos de conversão do julgamento em diligência, em que permanecerá o mesmo;

- 14 -
V - nos casos de volta do feito ao Órgão a que fora originariamente distribuído, por
julgamento de conflito ou outro motivo, em que permanecerá o mesmo;

VI - nas hipóteses de que trata o art. 33, § 1º, do Código de Organização e Divisão
Judiciárias, em que o relator será o mesmo do recurso ou do feito anterior.

§ 1º - Nos casos do n.º I, letra b, e dos n.ºs II a VI, se o relator primitivo houver deixado de
integrar o Tribunal, far-se-á a distribuição ao seu sucessor; na hipótese de afastamento por
período superior a 30 (trinta) dias , proceder-se-á de acordo com o art. 115 da Lei Complementar
n.º 35 (Lei Orgânica da Magistratura Nacional), sem prejuízo do disposto no art. 27, §§ 1º e 2º,
deste Regimento.

§ 2º - Nos embargos de declaração será Relator o mesmo do acórdão embargado, salvo


se estiver afastado do exercício no Tribunal, caso em que será redistribuído o recurso por
prevenção ao órgão julgador;

§ 3º - O novo Desembargador nomeado funcionará como relator nos feitos distribuídos


àquele a quem suceda, salvo disposição em contrário.

Art.30 - Não poderão servir como relator:

I - o Presidente, o Corregedor-Geral de Justiça, os Vice-Presidentes, salvo nos processos


em que já houverem lançado relatório e nos de competência do Conselho da Magistratura;

Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

II - nos recursos e nas ações rescisórias, salvo norma legal ou regimental em contrário,
Desembargador que tiver proferido a decisão recorrida ou rescindenda, ou dela participado.

Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

Art.31 - Compete ao relator, além do estabelecido na legislação processual e de


organização judiciária:

I - ordenar e dirigir o processo, determinando as providências relativas ao seu andamento


e instrução;

II - submeter ao Órgão Julgador ou ao seu Presidente, conforme a competência,


quaisquer questões de ordem relacionadas com o andamento do processo, apresentando-o em
mesa para esse fim, no primeiro caso;

III - decidir os incidentes que não dependerem de pronunciamento do Órgão Julgador,


bem como fazer executar as diligências necessárias ao julgamento;

IV - requisitar, se necessário, os autos originais dos processos que subirem ao Tribunal


em traslado ou certidão, ou ainda outros cujo exame lhe pareça indispensável, determinando, se
for o caso, a extração de cópias das peças relevantes e a restituição dos autos ao Órgão de
origem, dentro dos 05 (cinco) dias subseqüentes;

V - estudar os autos e elaborar o relatório, no prazo legal;

VI - lavrar o acórdão com a respectiva ementa, salvo o disposto no art. 89;

VII - expedir alvará de soltura nos casos determinados em lei e sempre que, por qualquer
motivo, cessar a causa determinante da prisão;

VIII - decidir sobre pedidos ou recursos que hajam perdido o objeto, ou negar seguimento
aos manifestamente intempestivos, incabíveis, improcedentes, prejudicados ou contrários a
súmulas do Tribunal ou dos Tribunais Superiores e apreciar as desistências de pedidos ou
recursos, cabendo de tais decisões agravo inominado para o Órgão Colegiado competente (art.
557, parágrafo único do Código de Processo Civil);

Parágrafo único - Poderá o relator proceder pessoalmente à instrução, presidir as


diligências que ele ou o Órgão Julgador determinar, bem como delegar competência a Juiz de
primeiro grau para colher ou dirigir provas, cabendo-lhe nomear o perito desde logo, se lhe
parecer necessário, ou submeter a indicação à aprovação do Órgão Julgador.

Art.32 - O relatório nos autos, conterá a exposição sucinta da matéria controvertida, com

- 15 -
todos os dados necessários à decisão, de modo a dispensar a leitura de peças dos autos, não se
entendendo como relatório a simples indicação das páginas dos atos processuais relevantes
para o julgamento.

§ 1º - Se outro não for estabelecido em lei ou neste Regimento, será de 90 (noventa) dias
o prazo para apresentação do relatório, a contar da conclusão dos autos ao relator, reduzindo-se
à metade nos casos em que a lei fixar prazo especial para o julgamento.

Resolução nº 23, do E. Órgão Especial de 20/09/2010

§ 2º - Se o relatório vier manuscrito, a Secretária o fará digitado dentro de 48h (quarenta e


oito) horas, e, obrigatoriamente, incluirá o processo em pauta numa das 02 (duas) sessões
seguintes à data do recebimento, salvo se houver revisão.

Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

Art.33 - Haverá revisão nas apelações, salvo nas execuções fiscais ou se a lei a
dispensar, nas ações rescisórias e nas revisões criminais. Tratando-se de decisão sujeita ao
duplo grau de jurisdição de que caiba apelação, e não interposta esta, haverá revisão quando a
lei não a dispensar na apelação ou se tratar de execução fiscal. Nos embargos infringentes
haverá revisão quando esta for exigida no julgamento de que resultar a decisão embargada.

Parágrafo único – Nos embargos infringentes cíveis ou criminais e nas ações rescisórias,
salvo norma legal ou regimental em contrário, não funcionará como revisor Desembargador que
tiver participado do julgamento da decisão recorrida ou rescindenda.

Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

Art.34 - Será revisor o Desembargador imediato ao relator na ordem decrescente de


antigüidade, seguindo-se ao mais novo o mais antigo.

§ 1º - O Presidente, o Corregedor-Geral de Justiça, e os Vice-Presidentes somente


funcionarão como revisores nos processos em que estiverem vinculados pelo "visto".

Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

§ 2º - O Presidente do Órgão Julgador, para efeito de revisão, distribuirá aos integrantes


do mesmo, por sorteio e proporcionalmente, os processos devolvidos com relatório por
Desembargador ou Juiz de Direito convocado para substituição quando já afastado por qualquer
motivo daquele órgão, distribuindo-se, da mesma forma, os devolvidos do Desembargador
integrante do Órgão Julgador, que tenha se afastado em razão de férias ou licença de qualquer
natureza.

§ 3º - Se outro não for estabelecido em lei ou neste Regimento, será de 20 (vinte) dias o
prazo para revisão, observado o disposto no art. 32, § 1°, parte final.

§ 4º - Recebidos os autos do revisor, com pedido de dia para julgamento, a Secretaria


incluirá, o processo em pauta, obrigatoriamente, numa das 02 (duas) sessões seguintes à data
do recebimento.

Art.35 - Antes de lançar o "visto", poderá o revisor alvitrar ao relator diligências que a este
competirem, bem como retificações ou aditamentos ao relatório.

Art.36 - Quaisquer dúvidas suscitadas quanto à designação e competência do relator e do


revisor serão resolvidas pelo órgão a que couber o julgamento do feito, como questões de ordem
e independentemente de acórdão.

Art.37 - Se no mesmo processo houver mais de um "visto" de Desembargadores


simultaneamente em exercício, prevalecerá o do mais antigo.

Parágrafo único - Se o "visto" que prevalecer for de relator, e não houver ainda sido feita
a revisão, passará o "visto" seguinte a considerar-se como de revisor.

Capítulo VII - Das Sessões


Art.38 - Serão solenes as sessões:

I - do Órgão Especial:

- 16 -
a) Para dar posse ao Presidente, ao Corregedor-Geral de Justiça e aos Vice-
Presidentes;

Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

b) para dar posse a Desembargador, desde que este o solicite;

II - do Tribunal Pleno, mediante requerimento de 2/3 (dois terços), no mínimo, dos


Desembargadores, para prestar homenagem a figura exponencial da magistratura ou das letras
jurídicas, ou celebrar acontecimento de excepcional relevância para o Poder Judiciário.

§ 1º - O cerimonial das sessões solenes será regulado por ato do Presidente, mediante
aprovação do Órgão Especial.

§ 2º - Nas sessões destinadas a posse da administração, somente terão a palavra, por


prazo não excedente de 15’ (quinze) minutos para cada um, o Desembargador designado pelo
Presidente do Tribunal, o empossado e, facultativamente, o Procurador-Geral de Justiça e o
representante da Seção local da Ordem dos Advogados do Brasil.

Resolução nº 24/10 do E. Órgão Especial de 20/09/2010

III – A posse de Desembargador seguirá a seguinte sequência:

Resolução nº 24/10 do E. Órgão Especial de 20/09/2010

a) na sessão destinada a posse de Desembargador haverá escolha, pelo empossado, dos


Desembargadores que o introduzirão no recinto e o conduzirão à mesa, à esquerda do Presidente,
que se levanta, seguido de todos os presentes, para recebê-lo, tomar seu compromisso e dar-lhe
posse;

b) prestação do compromisso e tomada de posse pelo novo Desembargador, leitura e


assinatura do respectivo termo, cumprimentos do Presidente ao empossado e convite para que
tome assento em sua cátedra;

c) execução do Hino Nacional;

d) encerramento da sessão, ao qual se seguem, no Salão Nobre os cumprimentos do


empossado.

Art.39 - As sessões do Plenário e do Órgão Especial serão presididas pelo Presidente do


Tribunal; as da Seção Criminal, pelo 2º Vice-Presidente; e as das Câmaras, pelo Desembargador
mais antigo no Tribunal em exercício no respectivo órgão julgador.

Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

Art.40 - O quorum para o funcionamento dos Órgãos do Tribunal, salvo disposição


especial em contrário, será o seguinte, nele incluído o Presidente:

I - Tribunal Pleno, 120 (cento e vinte) Desembargadores;

II - Órgão Especial, 13 (treze) Desembargadores;

III - Revogado;

IV - Seção Criminal, 09 (nove) Desembargadores;

Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

V - Revogado e;

Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

VI - Câmaras, 03 (três) Desembargadores, salvo a hipótese do § 1º do artigo 81.

Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001


- 17 -
§ 1º - Excluídas as hipóteses do artigo 19, se qualquer das Câmaras ficar sem o quorum
previsto neste artigo, seu Presidente, convocará para integrá-lo, enquanto perdurar essa
situação, Desembargador em exercício na Câmara subseqüente na numeração ordinal, a não
ser que esta, em virtude da convocação, fique também sem quorum. Considera-se a Câmara de
nº 1 subseqüente à de maior numeração.

Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

§ 2º - Excluir-se-ão do sorteio os Desembargadores em exercício na Presidência da


Câmara.

§ 3º - Revogado.

Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

§ 4º - No julgamento dos embargos infringentes cíveis e dos embargos infringentes e de


nulidade de natureza criminal, o quorum será o do pleno do Órgão Julgador.

Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

Art.41 - O Desembargador que, afastado por qualquer motivo, comparecer à sessão, dará
número para abri-la e para o julgamento dos processos a que estiver vinculado, devendo votar
no lugar que corresponder a sua antigüidade.

Art.42 - Reunir-se-ão o Tribunal Pleno, o Órgão Especial e a Seção Criminal mediante


convocação prévia de seus respectivos Presidentes, publicada, com 48h (quarenta e oito) horas
de antecedência, no órgão oficial.

§ 1º - A convocação especificará a matéria a ser apreciada e será comunicada por via


telegráfica aos Desembargadores que, apesar de afastados, ou estranhos ao órgão, houverem
de participar do julgamento.

§ 2º - Os assuntos de ordem administrativa ou interna, exceto os pedidos de licença,


somente serão tratados em sessão especial, salvo quando, pela sua natureza urgente,
reclamarem solução imediata. Neste caso, para apreciação de assuntos de ordem interna,
poderá o Presidente, se outra não estiver convocada, determinar, mediante comunicação
pessoal ou telefônica aos Desembargadores, a realização de sessão especial
independentemente das formalidades previstas no caput deste artigo.

Art.43 - Não serão permitidas manifestações de regozijo, de pesar e outras, estranhas


aos trabalhos normais do Órgão Julgador, salvo se referentes à Justiça ou a fatos relacionados
com a vida jurídica do país, mediante proposta escrita de 1/3 (um terço) dos membros presentes.

Art.44 - Revogado.

Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

Art.45 - Reunir-se-ão as Câmaras ordinariamente 01 (uma) ou 02 (duas) vezes por


semana, de acordo com as necessidades do serviço, observado o disposto no caput e no
parágrafo único do artigo antecedente.

Art.46 - As Câmaras reunir-se-ão extraordinariamente, sempre que necessário, mediante


convocação dos respectivos Presidentes, publicada com 48h (quarenta e oito) horas de
antecedência, no órgão oficial.
Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

§ 1º - Realizar-se-á obrigatoriamente sessão extraordinária para o julgamento de feitos


que hajam constado da pauta de 03 (três) sessões consecutivas.

§ 2º - As Câmaras poderão reunir-se, ordinária ou extraordinariamente, nos dias para os


quais for convocada sessão não solene do Órgão Especial, desde que, sem a presença dos
membros deste, haja quorum.

- 18 -
Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

§ 3º - No caso do § 2º, os Desembargadores que integrarem o Órgão Especial não


poderão participar das sessões dos outros Órgãos, salvo quando a sessão daquele, convocada
sem prejuízo do funcionamento destes, estiver encerrada.

Art.47 - O Presidente terá assento especial no topo da mesa. O Desembargador mais


antigo ocupará o primeiro assento à direita; seu imediato, o primeiro à esquerda, e assim
sucessivamente. Na hipótese do art. 20, aos Desembargadores seguir-se-ão os Juízes
convocados, que terão assento segundo o mesmo critério, também na ordem decrescente de
antigüidade na entrância. Na mesa, o Órgão do Ministério Público ocupará a direita, e o
Secretário a esquerda do Presidente.

Parágrafo único - Durante as sessões, os advogados ocuparão os lugares reservados


dentro dos cancelos; não os havendo, os primeiros assentos.

Art.48 - Não havendo designação em contrário, o início das sessões será às 13h (treze)
horas e o encerramento às 17h (dezessete) horas, salvo se já houverem sido julgados os feitos
em pauta, ou se ocorrer superveniência de falta de quorum, ultimação de julgamento iniciado, ou
outra exigência dos trabalhos, que poderão, em qualquer caso, ser prorrogados por deliberação
do Órgão Julgador.

Art.49 - As sessões e votações serão públicas, salvo quando a lei determinar o contrário
ou, permitindo-o, assim deliberar a maioria. Os resultados dos julgamentos, porém, serão em
qualquer caso publicamente anunciados pelo Presidente.

§ 1º - No julgamento das causas que correm em segredo de justiça, apenas poderão


permanecer no recinto os julgadores, o Órgão do Ministério Público, o Secretário, as partes e
seus advogados.

§ 2º - Quando houver assunto sigiloso e de economia interna a ser tratado, poderá o


Presidente, de ofício ou a requerimento de Desembargador, determinar que a sessão seja ou se
torne secreta, caso em que só permanecerão no recinto os integrantes do Órgão Julgador.

§ 3º - O registro das sessões secretas a que se refere o § 2º conterá somente a data e os


nomes dos presentes, salvo quando as deliberações tenham de ser publicadas.

Capítulo VIII - Da Pauta dos Julgamentos


Art.50 - A pauta dos julgamentos conterá a relação dos feitos que possam ser julgados na
sessão, bastando indicação genérica quanto aos que hajam tido adiado ou suspenso o
julgamento, em sessão anterior, salvo o disposto no art. 53.

§ 1º - Na organização das pautas, ressalvadas as preferências legais, observar-se-á,


tanto quanto possível, a igualdade numérica entre os processos em que o mesmo
Desembargador funcione como relator e como revisor.

Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

§ 2º - Independem de inclusão em pauta para ser julgados:

as reclamações;

b) os habeas corpus e seus recursos;

c) os requerimentos de suspensão condicional de execução de pena privativa de


liberdade e de extinção de punibilidade;

d) os embargos de declaração;

e) os agravos regimentais;

f) as desistências e transações;

g) as habilitações incidentes;

h) as exceções de impedimento ou de suspeição;

- 19 -
i) os conflitos de atribuições, de competência ou de jurisdição;

j) as representações por excesso de prazo;

l) as restaurações de autos;

m) os feitos que o relator puser em mesa, em razão da existência de questão relevante


que possa impedir o julgamento do mérito, por incompetência do Órgão Julgador ou manifesta
inadmissibilidade da ação ou do recurso;

n) as questões de ordem (art. 31, II);

o) os desaforamentos.

Art.51 - A pauta será afixada em lugar próprio, à entrada da sala em que se realizar a
sessão, e publicada, mediante edital, no órgão oficial, devendo mediar pelo menos 48h (quarenta
e oito) horas entre a publicação e a sessão de julgamento.

Parágrafo único - A ocorrência de defeito, omissão ou intempestividade na publicação da


pauta não obstará ao julgamento se, presentes os advogados de todas as partes, nenhum se
opuser por motivo justo à sua realização.

Art.52 - O feito incluído em pauta só poderá ter adiado o seu julgamento:

I - pelo esgotamento do horário normal de trabalho, salvo prorrogação;

II - em razão de impedimentos e suspeições, falta de quorum especial ou ausência do


relator, do revisor ou de Desembargadores que tenha pedido vista dos autos;

Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

III - uma única vez, por indicação do relator ou do revisor, ou a requerimento conjunto das
partes, ou de uma delas, deferido pelo relator.

Parágrafo único - Os julgamentos não realizados, por qualquer motivo, serão


automaticamente transferidos para a sessão seguinte.

Art.53 - Os feitos sem julgamento, pela superveniência de férias, ou nos 60 (sessenta)


dias subseqüentes à publicação da pauta, somente poderão ser julgados mediante novo edital,
salvo se presentes os advogados das partes.

Art.54 - O Presidente, de ofício ou a requerimento de Desembargador, do Órgão do


Ministério Público ou da parte, ordenará que se retire da pauta, por tempo determinado ou
indeterminado, o feito que, por qualquer motivo, não esteja em condições legais ou regimentais
de ser julgado.

Parágrafo único - Ordenando-se a retirada por tempo determinado, o feito será incluído na
pauta da primeira sessão que se seguir ao vencimento do prazo.

Capítulo IX - Da Ordem dos Trabalhos


Art.55 - À hora marcada para a sessão, em seus lugares os Desembargadores, os Juízes
convocados, se houver (art. 20), o Secretário e os funcionários auxiliares, todos com as vestes
de uso obrigatório no ato, o Presidente, ou o seu substituto dentre os presentes, verificará se
existe o necessário quorum.

§ 1º - Não existindo quorum no momento, nem nos 15’ (quinze) minutos seguintes, o
Presidente declarará que não haverá sessão, mencionando no livro de atas a ocorrência, seus
motivos e circunstâncias.

§ 2º - Havendo quorum, o Presidente declarará aberta a sessão e observará nos trabalhos


a seguinte ordem:

I - leitura, discussão e votação da ata da sessão anterior;

II - despacho do expediente da sessão;

- 20 -
III - informação dos impedimentos e suspeições existentes, na conformidade do § 3º deste
artigo;

IV - conferência dos acórdãos apresentados pelos relatores;

V - anúncio dos feitos adiados, bem como das alterações na ordem do julgamento dos
demais feitos em pauta, pela preferência ressalvada no art. 60;

VI - prosseguimento dos julgamentos adiados ou suspensos, na respectiva ordem, e


relatório, discussão e julgamento dos demais feitos, na ordem das preferências e da antigüidade
na pauta, anunciando os Desembargadores que, em cada processo, participarão do julgamento.

§ 3º - Os relatores e revisores, sem prejuízo da informação do Secretário e da declaração


de impedimento ou de suspeição, que cabe ao impedido ou suspeito, indicarão ao Presidente, no
início da sessão e ao ser anunciado o julgamento, os Desembargadores que deste não poderão
participar.

§ 4º - Feito o anúncio a que se refere o § 2º, inciso V, os processos não mais serão
julgados na mesma sessão, salvo a requerimento conjunto dos advogados das partes.

Art.56 - Iniciada a sessão, nenhum Juiz ou qualquer pessoa que a ela comparecer
mediante convocação judicial, salvo advogados, poderá retirar-se do recinto sem vênia do
Presidente.

Art.57 - O julgamento, uma vez iniciado, não será interrompido pela hora regimental do
encerramento do expediente.

Art.58 - O Presidente da sessão manterá a disciplina no recinto, advertindo ou fazendo


retirar da sala quem perturbar os trabalhos, mandando prender e autuar, pela autoridade
competente, os que cometerem crime ou contravenção no local.

Art.59 - Os funcionários, partes e quaisquer outras pessoas estarão de pé enquanto


falarem, salvo autorização do Presidente para que falem sentados.

Parágrafo único - Aos Órgãos do Ministério Público e advogados é permitido falar


sentados.

Art.60 - Obedecer-se-á nos julgamentos à ordem da pauta, ressalvada a preferência


devida nos seguintes casos:

I - feitos originários ou recursos com julgamento iniciado em sessão anterior;

II - mandados de segurança e recursos de decisões neles proferidas;

III - recursos em processos de falência, concordata e outros em que houver preferência


imposta por lei;

IV - feitos em que a extinção do direito ou a prescrição forem iminentes;

V - recursos com prazo de julgamento fixado em lei;

VI - feitos adiados;

VII - quando o relator ou revisor tiver de afastar-se, proximamente, do Tribunal, ou houver


comparecido à sessão, para julgar, Desembargador de outro Órgão ou convocado por
vinculação ou "visto";
Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

VIII - quando, cabendo sustentação oral, estiverem presentes todos os advogados;

IX - a partir das 14h (quatorze) horas, quando estiver presente ao menos o advogado de
uma das partes;

X - processos que independerem de inclusão em pauta;

XI - matéria administrativa que, pela sua natureza urgente, não puder aguardar sessão
- 21 -
especial.

Parágrafo único - Quando couber sustentação oral, o Presidente anunciará aos


advogados as preferências concedidas.

Art.61 - Findos os trabalhos, o Presidente declarará encerrada a sessão.

Art.62 - Das sessões, logo a seguir, serão lavradas atas, que resumirão, com clareza, o
que nelas houver ocorrido, consignando:

I - o dia, mês e ano da sessão e a hora da sua abertura e encerramento;

II - o nome do Desembargador que a presidir;

Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

III - os nomes dos Desembargadores que participarem dos julgamentos, dos que faltarem,
do Órgão do Ministério Público e dos advogados que ocuparem a tribuna;

Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

IV - os processos julgados, o resultado das votações, os nomes dos Desembargadores


vencidos e dos vencedores que comunicarem pretender declarar os respectivos votos e a
designação dos relatores para os acórdãos;

Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

V - as questões de ordem decididas e o mais que fizer necessário.

Parágrafo único - Se algum dos Desembargadores comparecer depois de iniciado os


trabalhos, ou no curso deste se ausentar, a ata especificará os julgamentos de que, por tal
motivo, não haja ele participado.

Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

Art.63 - Deverão as atas ser, de preferência, datilografadas em folhas soltas, as quais,


completadas 200 (duzentas) páginas, serão reunidas em livro.

Art.64 - As atas, cujas folhas terão a rubrica do Presidente, serão por este assinadas e
conterão as observações ou retificações feitas e aprovadas na sessão em que forem discutidas.

Art.65 - Os Órgãos judicantes do Tribunal, nos autos e papéis sujeitos ao seu


conhecimento, farão anotar os erros e irregularidades que encontrarem e, se for o caso,
procederão contra quem puder ser responsabilizado perante:

a) o Conselho da Magistratura, quando se tratar de infração disciplinar de magistrado;

b) o Presidente do Tribunal, ou o Corregedor-Geral de Justiça, quando houver falta


disciplinar de funcionário ou de serventuário;

c) a Ordem dos Advogados do Brasil, nos casos de sua competência;

d) o Procurador-Geral de Justiça, quando a falta for do Órgão do Ministério Público, ou


possa haver crime de responsabilidade, ou comum de ação pública.

Capítulo X - Da Discussão e Votação


Art.66 - Anunciado o julgamento pelo Presidente o relator fará, em síntese, a exposição da
causa ou dos pontos a que se circunscrever o recurso, evitando, sempre que possível, a leitura
de peças dos autos.

Parágrafo único - O relator, em sua exposição, destacará as questões que, a seu ver,
devam constituir objeto de apreciação em separado. Caberá ao Presidente determinar a ordem
da votação, observado o disposto nos arts. 67 e 68.
- 22 -
Art.67 - Nos julgamentos dos recursos, as questões preliminares e prejudiciais -
obrigatoriamente denunciadas no relatório, ou pelo revisor, ao lançar o seu "visto" - obedecerão,
tanto quanto possível, à seguinte ordem:

I - competência do Tribunal;

II - cabimento do recurso;

III - tempestividade;

IV - legitimidade para recorrer;

V - interesse na interposição do recurso;

VI - insuficiência de instrução;

VII - nulidade;

VIII - coisa julgada;

IX - pressupostos processuais, na causa;

X - condições da ação, na causa;

XI - decadência ou prescrição;

XII - inconstitucionalidade de lei.

Parágrafo único - No caso de preliminar ou prejudicial manifestamente fundada ou


infundada, como tal declarada pelo relator, poderá o Presidente considerá-la acolhida ou
rejeitada, independentemente de votação nominal, se nenhum dos julgadores se opuser.

Art.68 - Nos feitos de competência originária, a ordem de julgamento de preliminares e


prejudiciais também obrigatoriamente denunciadas no relatório, ou pelo revisor - será a
estabelecida no artigo antecedente, no que couber, ou, supletivamente, na lei processual, para
os julgamentos de primeiro grau.

§ 1º - Nos mandados de segurança, a preliminar de decadência será apreciada tão logo o


Órgão Julgador se declare competente.

§ 2º - Aplica-se às hipóteses deste artigo o disposto no parágrafo único do artigo anterior.

Art.69 - Cabendo sustentação oral, e desejando os advogados usar da palavra, o


Presidente a dará, sucessivamente, ao de cada uma das partes, pelo prazo improrrogável de 15’
(quinze) minutos, salvo disposição em contrário.

§ 1º - Havendo litisconsortes, com procuradores diferentes, o prazo será duplicado e


dividido em partes iguais pelos advogados das partes coligadas, salvo se estes preferirem outra
divisão.

§ 2º - Se houver preliminares ou prejudiciais destacadas, poderão falar sobre cada uma,


de início, o advogado do autor ou do recorrente e depois o do réu ou do recorrido, salvo se este
for o suscitante, caso em que lhe será dada a palavra em primeiro lugar.

§ 3º - Na hipótese de passar-se ao exame do mérito, após a votação das preliminares ou


prejudiciais, o tempo utilizado em relação a estas, pelos advogados das partes, será descontado
do prazo a que se refere o caput deste artigo.

§ 4º - O Órgão do Ministério Público, quando este não seja parte, poderá intervir
oralmente após os advogados, ou, em sua falta, após o relatório, também pelo prazo de 15’
(quinze) minutos, salvo disposição em contrário.

Art.70 - O julgador vencido na preliminar ou prejudicial manifestar-se-á, obrigatoriamente,


- 23 -
sobre o mérito.

Art.71 - Em qualquer fase do julgamento, posterior ao relatório e à sustentação oral,


poderão os julgadores pedir esclarecimentos ao relator, ao revisor e aos advogados dos
litigantes, quando presentes, sobre fatos e circunstâncias pertinentes à matéria em debate.

§ 1º - Depois de haver votado, o julgador somente poderá voltar a falar a fim de


esclarecer, aditar ou modificar o seu voto, sempre, porém, mediante a concessão da palavra
pelo Presidente.

§ 2º - Nenhum julgador poderá interromper outro que estiver com a palavra, a não ser que
este o permita, devendo a interrupção ser breve.

Art.72 - Concluídos os debates, proferirão seus votos o relator, o revisor, se houver, e os


vogais que se seguirem àquele ou a este, na ordem decrescente de antigüidade, salvo o
disposto no art. 76, § 1º , e no art. 119, § 3º .

Parágrafo único - Os vogais que estiverem de acordo com o voto e a fundamentação do


relator , do revisor ou do primeiro voto vencido poderão se limitar a declarar a sua concordância,
a menos que regra especial lhes imponha fundamentar seus votos.

Art.73 - Após o voto do relator e, se houver, do revisor, poderá qualquer dos julgadores
pedir o exame do processo em conselho, caso em que a sessão se tornará secreta, para
discussão unicamente entre eles, podendo permanecer no recinto, entretanto, o Órgão do
Ministério Público, se não for parte no processo, e o Secretário.

Art.74 - Na sessão em que se iniciar o julgamento, qualquer dos julgadores poderá pedir
vista dos autos.

Parágrafo único - O pedido de vista suspenderá a conclusão do julgamento; não obstará,


porém, a que profira desde logo o seu voto qualquer julgador que se considere habilitado a fazê-
lo.

Art.75 - O julgador que houver pedido vista restituirá os autos dentro de 10 (dez) dias, a
contar da data do pedido. Esgotado o prazo sem restituição dos autos, caducará o pedido de
vista, devendo o julgamento prosseguir na primeira sessão subseqüente, inclusive se suspenso
o prazo pela superveniência de férias. Caso necessário, o Presidente requisitará os autos, por
ofício, a quem os detiver.

§ 1º - Se 02 (dois) ou mais julgadores pedirem vista dos autos, o prazo de que trata este
artigo ficará prorrogado, para cada pedido, por mais 05 (cinco) dias, findos os quais se procederá
na forma prevista no caput.

§ 2º - O Secretário providenciará a entrega dos autos a quem houver pedido vista, com a
urgência necessária para que não se prejudique a fluência dos prazos.

Art.76 - O julgamento suspenso em virtude do pedido de vista prosseguirá, sempre que


possível, no início da sessão subseqüente.

§ 1º - Na continuação do julgamento, votarão em primeiro lugar aqueles que houverem


pedido vista, na ordem dos pedidos; em seguida, os julgadores que a aguardavam, na ordem
decrescente de antigüidade.

§ 2º - O Desembargador que houver pedido vista votará, se comparecer à sessão em que


o julgamento prosseguir, mesmo que esteja afastado do exercício no Órgão Julgador ou tenha
deixado de integrá-lo.

Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

Art.77 - Ao Desembargador que houver pedido vista dos autos será lícito, na sessão em
que prosseguir o julgamento, requerer a conversão deste em diligência ou pedir a requisição de
outros autos.

Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

Parágrafo único - Aprovado o requerimento, o Desembargador restituirá definitivamente os


autos dentro de 10 (dez) dias após recebê-los, uma vez cumprida a diligência, aplicando-se, se
for o caso, o disposto no caput do art. 75, e voltando os autos, em seguida, ao relator e, se
- 24 -
houver, ao revisor.

Art.78 - No julgamento cuja conclusão tiver sido transferida, não tomará parte quem não
houver assistido ao relatório, salvo para completar o quorum, caso em que se fará um resumo do
relatório e se mencionará o estado da votação, facultando-se aos advogados, se admissível, a
sustentação oral.
Parágrafo único - Na conclusão da votação, observar-se-á o disposto no art. 115, §§ 1º e
2º, da Lei Complementar n.º 35 (Lei Orgânica da Magistratura Nacional), havendo-se por
definitivamente julgada a matéria vencida na sessão anterior.

Art.79 - O Órgão Julgador poderá, em qualquer caso, converter o julgamento em


diligência, para correção de vício sanável, suprimento de omissão ou melhor esclarecimento da
espécie (art. 88).

Parágrafo único - Se a diligência consistir em exame pericial, o Órgão Julgador, desde


logo, formulará quesitos e nomeará perito, na conformidade da lei processual, podendo conferir
essas atribuições ao relator.

Art.80 - Convertido em diligência ou suspenso, por qualquer motivo, o julgamento,


continuará vinculado ao processo o respectivo relator e, se houver, o revisor, salvo o disposto no
art. 29, § 1º.

Parágrafo único - A regra deste artigo também se aplica aos casos em que os autos,
voltarem ao Órgão Julgador por força de anulação da decisão em grau de recurso.

Capítulo XI - Da Apuração dos Votos


Art.81 - As decisões serão sempre tomadas pela maioria dos votantes, colhendo-se o voto
do Presidente apenas se for relator ou revisor, em caso de empate ou quando necessário para
completar o quorum.

§ 1º -Tomar-se-ão pelo voto de 09 (nove) Desembargadores, contados a partir do relator,


inclusive, as decisões da Seção Criminal; pelo de 05 (cinco), as das Câmaras nos embargos
infringentes cíveis e nos embargos infringentes e de nulidades de natureza criminal; e pelo de 03
(três), as das Câmaras, nas demais matérias, observada em qualquer caso a ordem prevista no
artigo 72, dispensada a manifestação dos Desembargadores que excederem o quorum.

Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

§ 2º - Nos incidentes de uniformização da jurisprudência e no caso do art. 122, § 1º, não


prevalecerá a limitação estabelecida para a Seção Criminal no § 1º deste artigo.

§ 3º - Se o Presidente tiver de votar, por estar vinculado ao processo, e em conseqüência


se tornar par o número de julgadores, deixará de votar o vogal de menor antigüidade.

§ 4º - Na Seção Criminal e nas Câmaras Criminais e Cíveis, salvo necessidade de


completar-se quorum mínimo para votação, destas não participará o Desembargador que tenha
participado que tenha participado da decisão impugnada.

Resolução nº 04/2003 do E. Órgão Especial de 06/05/2003

Art.82 - Computar-se-ão separadamente os votos com relação a cada uma das questões
preliminares ou prejudiciais, e, no mérito, quanto a cada parte do pedido e a cada causa de
pedir, se mais de uma houver.

Parágrafo único - Divergindo os julgadores no tocante às razões de decidir, sem que


ocorra qualquer das hipóteses previstas no caput, mas convergindo na conclusão, os votos
serão computados conjuntamente, assegurado aos diversos votantes o direito de declarar em
separado as razões do seu voto.

- 25 -
Art.83 - Se, em relação a uma única parte do pedido, não se puder formar a maioria, em
virtude de divergência quantitativa, o Presidente disporá os diversos votos, com as quantidades
que cada qual indicar, em ordem decrescente de grandeza, prevalecendo a quantidade que, com
as que lhe forem superiores ou iguais, reunir votos em número suficiente para constituir a
maioria.

Art.84 - Se a impossibilidade de apurar-se a maioria for devida a divergência qualitativa, o


Presidente porá em votação, primeiro, 02 (duas) quaisquer dentre as soluções sufragadas, sobre
as quais terão de manifestar-se obrigatoriamente todos os votantes, eliminando-se a que obtiver
menor número de votos; em seguida, serão submetidos a nova votação a solução remanescente
e outra das primitivamente sufragadas, procedendo-se de igual modo; e assim sucessivamente
até que todas se hajam submetido a votação. Será vencedora a solução que obtiver a
preferência na última votação.

Art.85 - Finda a apuração dos votos, o Presidente anunciará a decisão. Nenhum dos
votantes, depois do anúncio, poderá modificar seu voto, admitindo-se, porém, que use da
palavra pela ordem, a fim de retificar equívoco porventura ocorrido na apuração.

§ 1º - O Presidente redigirá a minuta de julgamento, nela mencionando a decisão


anunciada, o relator designado, se for o caso (art. 89), e os nomes dos votantes vencidos e
vencedores e, dentre eles os tiverem manifestado desejo de fazer declaração ou justificação de
voto.

§ 2º - Havendo divergência entre a minuta de julgamento e a decisão, o Órgão Julgador


esclarecerá, de ofício, o julgado, o que constará da ata.

Art.86 - De acordo com as notas constantes da minuta e a da ata da sessão, o Secretário


certificará nos autos o ocorrido ou a eles juntará cópia da parte da ata correspondente à decisão,
fazendo-os conclusos, logo a seguir, ao relator do acórdão, se este não tiver sido apresentado
na mesma sessão.

Capítulo XII - Dos Acórdãos


Art.87 - Os julgamentos do Tribunal serão redigidos em forma de acórdãos, salvo nas
questões de ordem e nos outros casos ressalvados neste Regimento (art.24, §§ 1º ao 4º, 88 e
100, parágrafo único), em que constarão exclusivamente da ata e de certidão do Secretário nos
autos.

§ 1º - Nas hipóteses do art. 50, § 2º , letra "m", se o Órgão se julgar incompetente ou


reconhecer a manifesta inadmissibilidade da ação ou do recurso, lavrar-se-á o acórdão. No caso
contrário, consignar-se-á em ata e certificar-se-á nos autos o que for decidido, para que conste
do acórdão a ser proferido no julgamento final.

§ 2º - A resolução de matéria administrativa ou de ordem interna executar-se-á diante do


que consignar a ata, independentemente de publicação.

Art.88 - Da decisão que converter o julgamento em diligência (art. 79) não haverá
acórdão. O Secretário, após transcrevê-la nos autos, os fará conclusos ao relator, que, por
despacho, nas 48h (quarenta e oito) horas seguintes, providenciará a diligência, concedendo
prazo razoável para ser efetuada.

§ 1º - A diligência poderá ser processada perante o relator ou, por determinação deste,
mediante baixa dos autos a juízo de primeiro grau, caso em que o relator, se a lei não o
estabelecer, marcará, para a restituição dos autos, prazo que será anotado pela Secretaria.
Esgotado o prazo, ou a prorrogação que houver deferido, o relator providenciará para que os
autos sejam restituídos com a maior urgência possível.

§ 2º - Cumprida a diligência, os autos serão conclusos ao relator e, em seguida, ao


revisor, se houver, reincluindo-se o feito em pauta, se disso depender o julgamento.

Art.89 - O acórdão será lavrado pelo relator do feito; se vencido este em ponto principal
do mérito, o Presidente designará para lavrar o acórdão o julgador que houver proferido o
primeiro voto vencedor, devendo a designação constar da minuta de julgamento.

- 26 -
§ 1º - Não influi na designação a eventual adesão de Desembargador que, tendo votado
anteriormente, venha a reconsiderar o seu voto, a não ser que se trate do próprio relator.

Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

§ 2º - Quando a inconstitucionalidade não puder ser declarada por falta de quorum,


apesar de acolhida a argüição pela maioria dos votantes, o acórdão será lavrado pelo relator ou,
se este a houver acolhido, pelo prolator do primeiro voto no sentindo de rejeitá-la.

Art.90 - Se o acórdão não for apresentado na própria sessão de julgamento, deverá sê-lo
na seguinte ou havendo justo motivo declarado pelo relator, no prazo de 02 (duas) sessões.

Parágrafo único - Se o relator, entre a sessão de julgamento e a seguinte, deixar de


integrar o Tribunal, ou dele se afastar por mais de 30 (trinta) dias, sem que haja apresentado o
acórdão, o Presidente designará para lavrá-lo o primeiro julgador que tenha votado em igual
sentido, aplicando-se os prazos do caput.

Art. 91 - O acórdão será digitado, rubricando-o o relator nas folhas que não contiverem a
sua assinatura. (REVOGADO)

Resolução nº 11/2005 do E. Órgão Especial de 04/08/2005

Art. 92 - Constarão do acórdão a espécie e o número do processo, os nomes das partes,


a exposição dos fatos ou a remissão ao relatório em que forem expostos os fundamentos da
decisão, e as suas conclusões, discriminando-se, se for o caso, as questões preliminares ou
prejudiciais apreciadas no julgamento, e consignando-se a eventual existência dos votos
vencidos, com indicação sucinta da respectiva conclusão.

§ 1º - Constituirá parte integrante do acórdão a sua ementa, na qual o relator indicará o


princípio jurídico que houver orientado a decisão.

§ 2º - A fundamentação do acórdão será exclusivamente a vencedora, podendo o relator


aduzir, antes da assinatura digital do arquivo, como declaração de voto, os fundamentos não
acolhidos pela maioria.

§ 3º - Havendo voto vencido, quer em preliminar, quer no mérito, será lançado em


seguida ao acórdão, lavrando-o apenas o relator, se vencido, ou o julgador que houver prolatado
o primeiro voto divergente, salvo se ocorrer declaração ou justificação de voto, nos termos do §
2º.

§ 4º - Considerar-se-á fundamentado o acórdão que adotar, como razão de decidir,


elementos já constantes dos autos, desde que a eles se reporte de modo explícito, com
indicação expressa daqueles que o devam integrar.

Art.93 - Na declaração de voto vencedor e na justificação de voto vencido, os prolatores


evitarão, tanto quanto possível, críticas ou comentários ao acórdão.

§ 1º - A declaração e a justificação serão feitas no prazo de cinco dias para cada julgador,
contados do dia de recebimento dos autos.

§ 2º - Serão incluídas nos autos, primeiramente, as declarações de votos vencedores,


depois as justificações de votos vencidos, obedecida a ordem de votação.

§ 3º - O arquivo digital do inteiro teor, incluindo o acórdão e todas as declarações de votos


e justificações, será assinado digitalmente pelos desembargadores na própria sessão, caso
esteja disponível, ou na primeira sessão após a redação do último voto, caso esta ocorra após a
sessão de julgamento.

Art.94 - O acórdão terá a data em que for apresentado, indicando-se nele também a do
julgamento e será assinado pelo relator e pelos julgadores que tiverem votos a declarar ou
justificar, nos prazos e na ordem previstos nos §§ 1º e 2º do art. 93.

§ 1º - Revogado.

- 27 -
§ 2º - Se os que deverem assinar o acórdão, declarar ou justificar o voto, não o puderem
fazer por justo impedimento, o relator declarará a circunstância, mencionando, conforme o caso,
quem presidiu a sessão e quais os votos vencedores e vencidos.

§ 3º - Nas declarações de voto vencedor e nas justificações de voto vencido, os prolatores


mencionarão obrigatoriamente a data em que tiverem recebido os autos para esse fim e aquela
em que os devolverem.

Art.95 - Assinado o acórdão, o Secretário nas 48h (quarenta e oito horas) seguintes, dele
dará ciência ao Ministério Publico, se for o caso, e providenciará a publicação de suas
conclusões no órgão oficial.

Parágrafo único - Quaisquer questões posteriormente suscitadas, salvo por embargos de


declaração, serão resolvidas pelo Presidente do Órgão Julgador, ressalvadas, as hipóteses do
art. 136 e seus §§ 1º e 2º.

Art.96 – A Secretaria certificará nos autos a data da publicação do acórdão no órgão


oficial e antes da baixa dos processos à instância de origem, se for o caso, a não interposição de
recurso.

Parágrafo único - Antes da baixa dos processos à instância de origem, a Divisão de


Comunicações, se for o caso, certificará a não interposição de recurso.

Título III - Dos Processos em Espécie

Capítulo I - Da Exceção de Impedimento ou de Suspeição

Art.97 - Na exceção de impedimento ou de suspeição contra Juiz, o relator, recebidos os


autos, se houver testemunhas arroladas, designará dia e hora para a sua inquirição, ciente as
partes, abrindo vistas, a seguir, ao excipiente e ao exceto, para se pronunciarem sobre os
depoimentos, no prazo de 05 (cinco) dias para cada.

Parágrafo único - Se não houver testemunhas, ou, se as houver, decorrido o prazo


previsto neste artigo, abrir-se-á vista ao Ministério Público, pelo prazo de 05 (cinco) dias, e, a
seguir, o relator, em igual prazo, aporá o seu "visto", apresentando o processo em mesa para
julgamento.

Art.98 - Na exceção oposta contra Desembargador, o exceto, se reconhecer o


impedimento ou a suspeição, ordenará a remessa dos autos ao Presidente do Órgão Julgador,
para as devidas providências, se for relator ou revisor, ou se absterá de participar do julgamento,
se for vogal; em caso contrário, dará as suas razões, acompanhadas de documentos e de rol de
testemunhas, se houver, ordenando a remessa dos autos ao 1º Vice-Presidente, para a
distribuição a relator.

Parágrafo único - Recebidos os autos, o relator procederá na conformidade do art.97.

Capítulo II Da Declaração Incidental de Inconstitucionalidade


Art.99 - Se, perante qualquer dos Órgãos do Tribunal, for argüida, por Desembargador,
pelo Órgão do Ministério Público ou por alguma das partes, a inconstitucionalidade de lei ou ato
normativo do poder público, relevante para o julgamento do feito, proceder-se-á conforme o
disposto na lei processual civil. 18

Art.100 - Suscitada a argüição perante o Órgão Especial, este a julgará desde logo, se
houver quorum e parecer da Procuradoria Geral de Justiça sobre a matéria constitucional.

Parágrafo único - Se a inconstitucionalidade for argüida quando o Órgão Especial estiver,


administrativamente, praticando ato ou baixando resolução sobre matéria de economia interna
do Poder Judiciário, proceder-se-á à discussão e votação independentemente de parecer da
Procuradoria Geral de Justiça, consignando-se em ata o que for decidido e cumprindo-se a
- 28 -
decisão desde logo, sem necessidade de acórdão.

Art.101 - No Órgão Especial, o pronunciamento sobre a argüição, suscitada perante ele


ou remetida por outro Órgão, dependerá da presença de pelo menos 18 (dezoito)
Desembargadores, inclusive o Presidente.

Art.102 - Será declarada a inconstitucionalidade se nesse sentido votarem pelo menos 13


(treze) Desembargadores; não alcançando o quorum, considerar-se-á rejeitada a argüição
(art.89, § 2º).

§ 1º - Não atingida a maioria necessária à declaração de inconstitucionalidade, e ausentes


Desembargadores em número que possa influir no julgamento, este será suspenso, para
concluir-se na sessão seguinte, indicando-se na minuta os votos que ainda devam ser colhidos.
21

§ 2º - Declarada a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estadual ou municipal,


será enviada cópia do acórdão correspondente à Assembléia Legislativa para o fim previsto no
art. 99, XVI, da Constituição do Estado.

Art.103 - A decisão que declarar a inconstitucionalidade ou rejeitar a argüição, se for


proferida por 17 (dezessete) ou mais votos, ou reiterada em mais 02 (duas) sessões, será de
aplicação obrigatória para todos os Órgãos do Tribunal.

§ 1º - Nas hipóteses deste artigo, enviar-se-ão cópia dos acórdãos aos demais Órgãos
Julgadores, ao Conselho Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil e à Revista de
Jurisprudência do Tribunal.

§ 2º - Qualquer Órgão Julgador, por motivo relevante reconhecido pela maioria de seus
membros, poderá provocar novo pronunciamento do Órgão Especial, salvo se a Assembléia
Legislativa já houver suspendido a execução da lei ou ato normativo declarado inconstitucional.

§ 3º - Suscitada nova argüição, com igual objeto e fundamento, fora da hipótese do § 2º , o


relator indeferir-lhe-á o processamento e ordenará, se for o caso, a devolução dos autos ao
Órgão de origem. Do indeferimento caberá o agravo previsto no art. 226 do Código de
Organização e Divisão Judiciárias.

§ 4º - Cessará a obrigatoriedade a que se refere o caput deste artigo se sobrevier decisão,


em sentido contrário, do Supremo Tribunal Federal, tratando-se da Constituição da República, ou
do Órgão Especial, quando se tratar da Constituição do Estado.

Capítulo III Da Representação de Inconstitucionalidade

“Art. 104 – A petição inicial da representação de inconstitucionalidade de lei ou ato


normativo estadual ou municipal em face da Constituição do Estado do Rio de Janeiro,
acompanhada de procuração quando subscrita por advogado, será dirigida ao Presidente do
Tribunal em duas vias instruídas com cópias do ato impugnado e dos documentos necessários,
indicando:
I – o dispositivo da lei ou do ato normativo impugnado e os fundamentos jurídicos do
pedido em relação a cada uma das impugnações;
II - o pedido, com suas especificações.
§ 1º - Na representação de inconstitucionalidade não se admite intervenção de terceiro
nem desistência.
§ 2º - A Procuradoria-Geral do Estado ou do Município e a Procuradoria-Geral de Justiça
terão vista sucessiva dos autos para manifestação, depois de prestadas as informações.

Art. 105 – A medida cautelar na representação de inconstitucionalidade será concedida


por decisão da maioria absoluta dos membros do Órgão Especial, após audiência dos órgãos ou
autoridades dos quais emanou a lei ou ato normativo impugnado, que deverão pronunciar-se no
prazo de 5 (cinco) dias.
§ 1º - No julgamento do pedido de medida cautelar, será facultada sustentação oral aos
representantes judiciais do requerente e das autoridades ou órgãos responsáveis pela expedição
do ato, na forma estabelecida no art. 69 deste Regimento Interno.
§ 2º - Em caso de excepcional urgência, a medida cautelar poderá ser deferida pela
maioria absoluta do Órgão Especial sem a audiência dos órgãos ou das autoridades das quais
emanou a lei ou o ato normativo impugnado.
- 29 -
§ 3º - Concedida a medida cautelar, o Presidente do Tribunal de Justiça fará publicar em
seção especial do Diário Oficial a parte dispositiva da decisão, no prazo de 10 (dez) dias.
§ 4º - A medida cautelar, dotada de eficácia contra todos, será concedida com efeitos ex
nunc salvo se a maioria de 2/3 (dois terços) dos integrantes do Órgão Especial entender que
deva conceder-lhe eficácia retroativa.
§ 5º - A concessão da medida cautelar torna aplicável a legislação anterior acaso
existente, salvo expressa manifestação em sentido contrário.
§ 6º - Havendo pedido de medida cautelar, em face da relevância da matéria e de seu
especial significado para a ordem social e a segurança jurídica, poderá o relator, após a
prestação de informações, no prazo de 10 (dez) dias, e a manifestação do Procurador-Geral do
Estado ou do Município e do Procurador-Geral da Justiça, sucessivamente, no prazo de 05
(cinco) dias, submeter o processo diretamente ao Órgão Especial, que terá a faculdade de julgar
definitivamente a representação.

Art. 106 – Incumbe ao relator:


I – indeferir liminarmente a petição inicial inepta, não fundamentada ou manifestamente
improcedente;

II – pedir informações, a serem prestadas no prazo de 30 (trinta) dias, contado do


recebimento do pedido, aos órgãos ou às autoridades das quais emanou a lei ou o ato normativo
impugnado;
III – admitir, por despacho irrecorrível, a manifestação de outros órgãos ou entidades,
considerando a relevância da matéria e a representatividade dos postulantes;
IV – requisitar informações adicionais a quaisquer órgãos públicos e designar perito ou
comissão de peritos para que emita parecer sobre a questão ou fixar data para, em audiência
pública, ouvir depoimentos de pessoas com experiência e autoridade na matéria, em caso de
necessidade de esclarecimento da matéria ou circunstância de fato ou de notória insuficiência
de informações existentes nos autos;
V – ouvir, julgando indispensável, no prazo de 03 (três) dias, em havendo pedido cautelar,
o Procurador-Geral da Justiça e o Procurador Geral do Estado ou do Município, nos casos em
que este oficia como defensor da constitucionalidade do ato;

VI – lançar nos autos o relatório no prazo de 10 (dez) dias, do qual a Secretaria remeterá
cópias aos demais julgadores, incluindo-se desde logo em pauta;
VII – providenciar a citação do Procurador-Geral do Estado ou do Município, se não for o
postulante;
VIII- providenciar a intimação do Procurador-Geral de Justiça para oficiar em todos os
feitos de representação por inconstitucionalidade.
Parágrafo único – Caberá Agravo da decisão que indeferir a petição inicial.

Art. 107 – Efetuado o julgamento, proclamar-se-á a inconstitucionalidade da disposição ou


da norma impugnada neste sentido se tiver manifestado a maioria absoluta dos julgadores.
§ 1º - No julgamento, após o Relatório, facultar-se-á a cada parte a sustentação oral de
suas razões, durante 15’ (quinze minutos), seguindo-se a votação com observância, no que
couber, do disposto ao Capítulo II deste Título.
§ 2º - Se não for alcançada a maioria necessária à declaração de inconstitucionalidade,
estando ausentes Desembargadores em número que possa influir no julgamento, este será
suspenso a fim de aguardar-se o comparecimento dos ausentes, até que se atinja o número
necessário para prolação da decisão.

Art. 108 – Julgada a ação, far-se-á comunicação ao representante e à autoridade ou órgão


responsável pela expedição do ato.
§ 1º - A decisão que declara a inconstitucionalidade da lei ou do ato normativo na
representação de inconstitucionalidade, ressalvada a hipótese de embargos declaratórios, é
irrecorrível, não podendo ser objeto de ação rescisória.
§ 2º - Ao declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo, e tendo em vista razões
de segurança jurídica ou de excepcional interesse social, poderá o Órgão Especial, por maioria
de 2/3 (dois terços) de seus membros, restringir os efeitos daquela declaração ou decidir que ela
só tenha eficácia a partir de seu trânsito em julgado ou de outro momento que venha a ser
fixado.
§ 3º - Dentro do prazo de 10 (dez) dias após o trânsito em julgado da decisão, o
Presidente do Tribunal de Justiça fará publicar, em seção especial do Diário Oficial, a parte
dispositiva do acórdão com transcrição do texto impugnado ou da omissão reconhecida.

Art. 109 – O julgamento do pedido principal na representação de inconstitucionalidade,


- 30 -
inclusive a interpretação conforme a Constituição e a declaração parcial de inconstitucionalidade
sem redução de texto, têm eficácia contra todos e efeito vinculante em relação aos órgãos do
Poder Judiciário e à Administração Pública estadual e municipal.”

Capítulo IV Dos Pedidos de Intervenção


Art.110 – A proposta de intervenção federal poderá ser apresentada ao Tribunal de
Justiça nos seguintes casos:

I - quando objetivar assegurar garantias do Poder Judiciário ou seu livre exercício,


mediante Representação do Presidente do Tribunal de Justiça, de qualquer de seus membros ou
de juízes de primeiro grau;

II – quando objetivar cumprimento ou execução de ordem ou decisão judicial, mediante


Representação das autoridades referidas no inciso anterior ou, ainda, Requerimento do
Ministério Público ou da parte interessada.

Art.111 – Tratando-se de pedido de intervenção do Estado em Município, o processo de


Pedido de Intervenção, nas hipóteses previstas no art. 35, IV da Constituição Federal, será
instaurado mediante Representação feita pelo Procurador-Geral de Justiça, observadas a
legislação federal pertinente e o que dispõe o art. 104 deste Regimento.

Art.112 – Sendo autor da Representação o Presidente do Tribunal de Justiça, após


autuada, será apresentada e relatada pelo autor e submetida a decisão preliminar do Órgão
Especial para instauração do devido procedimento.

§ 1º - Sendo outro o autor, a proposta será encaminhada ao Presidente do Tribunal de


Justiça que, se manifesta sua improcedência, a mandará arquivar; ou mandará autuá-la e a
incluirá em pauta para que o Tribunal delibere a respeito da instauração do processo,
funcionando como relator, nesta fase , o seu autor se membro do Órgão Especial, ou o relator
designado, ambos sem direito a voto.

Art.113 – Deliberando o Tribunal pelo acolhimento da proposta, o Presidente do Tribunal:

I – notificará a autoridade apontada a prestar informações, no prazo de cinco dias;

II - diligenciará, no mesmo prazo, para remover a causa.

Art.114 – Se a causa não for removida, o processo será encaminhado à 1ª Vice-


Presidência para distribuição a relator, excluído desta função o autor da proposta, observando-
se, a seguir, o disposto nos arts. 106 a 108 deste Regimento.

Art.115 – Só pelo voto da maioria absoluta do Órgão Especial poderá o Tribunal admitir
ou julgar procedente o pedido de intervenção federal ou estadual.

Art.116 – Deferido o pedido de intervenção, o processo será encaminhado, no prazo de


cinco dias, ao Presidente do Supremo Tribunal Federal ou do Superior Tribunal de Justiça ou ao
Procurador Geral da República, conforme o caso; se o pedido se referir a intervenção em
Município, a decisão interventiva será imediatamente requisitada ao Governador do Estado.

Parágrafo único – Na mesma oportunidade, o Órgão Especial decidirá sobre a requisição


de inquérito ou encaminhamento de peças ao Ministério Público para eventual instauração de
ação penal, na forma do art. 40 do Código de Processo Penal, bem como ao Poder Legislativo
competente, em caso de eventual crime de responsabilidade.

Capítulo V - Dos Conflitos de Atribuições, de Jurisdição e de


Competência
Art.117 - Nos conflitos de atribuições entre autoridade judiciária e autoridade
- 31 -
administrativa, o relator, determinando ou não a suspensão do ato da autoridade judiciária:

I - ouvirá, no prazo de 05 (cinco) dias, as autoridades em conflito;

II - prestadas as informações, ou esgotado o prazo, abrirá vista dos autos,


sucessivamente, à Procuradoria Geral do Estado e à Procuradoria Geral de Justiça, cada uma
das quais disporá também de 05 (cinco) dias para pronunciar-se;

III - apresentará o feito em mesa, para julgamento, na primeira sessão subseqüente.

Parágrafo único - A decisão será imediatamente comunicada às autoridades em conflito,


às quais se enviará copia do acórdão, logo que publicado.

Art.118 - Os conflitos de jurisdição e de competência serão processados e julgados de


acordo com o disposto nas leis processuais; quando ocorrerem entre Órgãos do Tribunal ou
entre Desembargadores, observar-se-á o procedimento previsto no artigo anterior, suprimida a
vista à Procuradoria Geral do Estado.

Parágrafo único - Poderá o relator negar seguimento ao conflito suscitado por qualquer
das partes, quando manifestamente incabível. Do indeferimento caberá o agravo a que se refere
o art. 226 do Código de Organização e Divisão Judiciárias, em cujo julgamento o relator terá
direito a voto.

Capítulo VI - Da Uniformização da Jurisprudência


Art.119 - Admitindo, nos casos previstos em lei, o pronunciamento prévio do Órgão
Especial ou da Seção Criminal sobre a interpretação do direito, ser-lhe-ão remetidos os autos,
para o processamento do incidente, ficando sobrestado o julgamento.

§ 1º - Como relator do incidente funcionará o do acórdão em que for suscitado, salvo se


não integrar o Órgão Especial, em hipótese de competência deste, caso em que se procederá à
distribuição.

§ 2º - A Procuradoria Geral de Justiça terá vista dos autos por 10 (dez) dias, para emitir
parecer.

§ 3º - Na sessão de julgamento, admitida a sustentação oral pelas partes, terão


preferência na votação, após o relator, os Desembargadores que, integrando o Órgão Julgador,
houverem lavrado quaisquer dos acórdãos indicados como divergentes, na ordem das
respectivas datas.

§ 4º - A Secretaria extrairá cópias do acórdão, bem como as declarações de votos


vencedores e vencidos, para arquivamento, remetendo, aos integrantes do Órgão Julgador,
cópia da ementa e das conclusões do julgado.

§ 5º - Devolvidos os autos ao Órgão que tiver suscitado o incidente, independentemente


da publicação do acórdão, o feito será incluído na pauta da 1ª (primeira) sessão subseqüente e
julgado de acordo com a interpretação vencedora;

Art.120 - O Incidente de Divergência previsto no art. 555, § 1º do Código de Processo


Civil, suscitado pelos Desembargadores participantes do julgamento na Câmara, acarreta a
suspensão do julgamento do recurso com a remessa dos autos ao Órgão Especial mediante
regular distribuição;

§ 1º - No julgamento em que foi suscitado o Incidente de Divergência, a relevante questão


de direito necessariamente será referida na fundamentação do acórdão, com expressa menção
aos julgados conflitantes;

§ 2º - Como relator do Incidente funcionará o do acórdão em que foi suscitado,


salvo se não integrar o Órgão Especial, caso em que se procederá à distribuição;

§ 3º - A Procuradoria Geral de justiça terá vista dos autos por 10 (dez) dias, para
- 32 -
emitir parecer;

§ 4º - Verificando o relator a evidente falta de interesse público ou tratar-se de


reiteração do incidente, devolverá, por decisão monocrática, o julgamento do recurso ao
órgão fracionário;

§5º - Com o relatório, o incidente será incluído em pauta. Na sessão de julgamento,


admitida a sustentação oral pelas partes, terão preferência na votação, após o relator, os
divergentes, na ordem das respectivas datas;

§ 6º - Reconhecido o interesse público na assunção de competência e julgado, com


direito a sustentação oral pelas partes;

Capítulo VII - Da Súmula da Jurisprudência Predominante


Art.121 - Serão incluídas na Súmula de Jurisprudência Predominante do Tribunal, por
ordem cronológica, as ementas dos acórdãos que, nos incidentes de uniformização de
jurisprudência e de divergência, corresponderem a interpretações vencedoras pelo voto da
maioria absoluta dos integrantes do Órgão Especial;

Parágrafo único - O Presidente do Tribunal, de ofício ou, se for o caso, mediante


comunicação do Presidente da Seção Julgadora, mandará publicar no órgão oficial as
proposições incluídas na Súmula, com os respectivos números.

Art.122 - Poderá também ser incluída na Súmula, por iniciativa do Órgão Especial ou da
Seção Criminal, a tese uniformemente adotada, na interpretação de norma jurídica, por decisões
reiteradas de qualquer desses Órgãos;

§ 1º - O Desembargador que propuser a inclusão na Súmula justificá-la-á perante o órgão


competente, tomando-se o voto de todos os membros presentes, na ordem decrescente de
antigüidade, a partir do proponente.

§ 2º - Considerar-se-á aprovada a proposta que obtiver o voto da maioria absoluta dos


integrantes do Órgão, procedendo-se em seguida na forma do artigo 121, parágrafo único.

Art.123 - Ainda que reconhecida divergência, na interpretação do direito, entre Órgãos do


Tribunal, se a respeito já houver proposição incluída na Súmula, o incidente poderá ser rejeitado
de plano pelo Órgão perante o qual venha a ser suscitado.

Capítulo VIII - Do Mandado de Segurança


Art.124 - Nos mandados de segurança de competência originária dos Órgãos do Tribunal,
o processo será o previsto na legislação pertinente, competindo ao relator todas as providências
e decisões até o julgamento.

Parágrafo único - Do pronunciamento do relator que indeferir a petição inicial, conceder


ou denegar a liminar, caberá o agravo regimental previsto no art. 226 do C.O.D.J.E.R.J para o
órgão julgador competente.

Art.125 - Após o julgamento, incumbirá ao Presidente do Órgão tomar as providências


subseqüentes, bem como resolver os incidentes surgidos (art. 95, parágrafo único).

Capítulo IX - Dos Embargos Infringentes

Seção I – Dos Embargos Infringentes em Matéria Criminal

Art.126 - Os embargos infringentes e de nulidade a julgado criminal serão dirigidos ao


relator do acórdão embargado e protocolados no prazo legal.

Art.127 - A petição será enviada à Secretaria da Câmara e, ali, junta aos autos
independentemente de despacho, fazendo-se conclusão deles ao relator, nas 24h (vinte e
quatro) horas seguintes.

- 33 -
Art.128 - O relator indeferirá de plano o recurso, em caso de inadmissibilidade ou
deserção, ou o admitirá para processamento, caso em que os autos serão encaminhados para
distribuição de um novo relator entre os Desembargadores que não hajam participado do
julgamento da apelação.
Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

Parágrafo único - Do indeferimento caberá o agravo previsto no art. 226 do Código de


Organização e Divisão Judiciárias para a própria Câmara.
Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

Art.129 – Admitido o recurso pelo relator o Secretário da Câmara Criminal remeterá os


autos para o 2º Vice-Presidente para distribuição por sorteio do recurso a outro relator de outra
Câmara, o qual mandará abrir vista ao embargado para impugnação no prazo de 10 (dez) dias.
Havendo assistente, este poderá arrazoar em igual prazo após o embargado.
Resolução nº 04/2003 do E. Órgão Especial de 05/05/2003

§ 1º - Esgotado o prazo, ou sendo embargada a Justiça Pública, os autos serão


imediatamente encaminhados à Procuradoria Geral da Justiça, por 05 (cinco) dias, e em seguida
conclusos ao relator e ao revisor, por 10 (dez) dias para cada um.

Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

§ 2º - Só haverá revisão nos embargos quando a decisão embargada houver sido


proferida em grau de apelação, em processo por crime punido com reclusão.

Resolução nº 06/2001do E. Órgão Especial de 01/08/2001

§ 3º - Não poderá atuar como relator ou revisor dos embargos o Desembargador que
tenha votado na decisão embargada.

Seção II - Dos Embargos Infringentes em Matéria Cível

Art.130 – Interpostos os embargos, abrir-se-á vista ao recorrido para contra-razões, após


o que apreciará o relator do acórdão embargado, a admissibilidade do recurso.
Resolução nº 14/2003 do E. Órgão Especial de 05/12/2003

§ 1º - O relator indeferirá de plano o recurso em caso de inadmissibilidade ou deserção.


Resolução nº 14/2003do E. Órgão Especial de 05/12/2003

§ 2º - Do indeferimento caberá Agravo previsto no artigo 532 do Código de Processo Civil,


ao órgão competente para o julgamento dos embargos.

Resolução nº 14/2003 do E. Órgão Especial de 05/12/2003

§ 3º - Admitidos os embargos, o Secretário da Câmara remeterá os autos à 1ª Vice-


Presidência para distribuição por sorteio a outro relator de outra Câmara, observada a vedação
do § 3º do artigo 129.

Resolução nº 14/2003 do E. Órgão Especial de 05/12/2003

§ 4 º - Distribuídos os embargos, serão os autos conclusos ao relator e ao revisor, quando


houver, pelo prazo de 15 (quinze) dias cada um, seguindo-se o julgamento.

Resolução nº 14/2003 do E. Órgão Especial de 05/12/2003

Capítulo X - Do Duplo Grau Obrigatório de Jurisdição

- 34 -
Art.131 - Nos processos obrigatoriamente sujeitos ao duplo grau de jurisdição em que não
se haja interposto recurso, proceder-se-á como nas apelações, observando-se no julgamento os
arts.515 e 516 do Código de Processo Civil.

Parágrafo único - Nos recursos de ofício em processo penal, o procedimento será idêntico
ao do recurso voluntário cabível.

Art.132 - O Presidente do Tribunal, de ofício, ou a requerimento da parte ou do Ministério


Público, poderá avocar os autos do processo obrigatoriamente sujeito ao duplo grau de
jurisdição, se, não havendo recurso, o Juiz deixar de remetê-los nos 05 (cinco) dias
subseqüentes ao termo final do prazo de interposição.

Parágrafo único - Recebidos os autos, serão encaminhados ao 1º Vice-Presidente, para


distribuição.

Capítulo XI - Da Ação Rescisória


Art.133 - Distribuído o processo, o depósito de que trata o art.488, n.º II, do Código de
Processo Civil, será efetuado pelo autor, no prazo de 05 (cinco) dias, mediante guia expedida
pela Secretaria.

Art.134 - Nas 48h (quarenta e oito) horas seguintes ao esgotamento do prazo fixado no
artigo anterior, a Secretaria, juntando o comprovante do depósito, se apresentado pelo autor,
fará conclusos os autos ao relator, para despacho da petição inicial.

Parágrafo único - Do indeferimento da inicial caberá o agravo previsto no art.226 do


Código de Organização e Divisão Judiciárias.

Art.135 - Competem ao relator todas as providências e decisões interlocutórias até o


julgamento, facultada a delegação de competência a juízo de primeiro grau, para a prática de
atos de instrução, nos termos do art.492 do Código de Processo Civil.

Parágrafo único - Tratando-se de prova pericial, a delegação poderá abranger a


nomeação do perito.

Art.136 - O acórdão será executado perante o Órgão que o proferiu, inclusive em grau de
embargos infringentes, se for o caso, competindo ao respectivo relator dirigir a execução e
decidir-lhe os incidentes.

§ 1º - A liquidação, quando necessária, os embargos do devedor, a insolvência deste e


outras causas porventura oriundas ou acessórias da execução serão julgadas pelo Órgão que
proferiu o acórdão exeqüendo, depois de processadas pelo relator, facultando-se a delegação de
competência prevista no art.135.

§ 2º - Nos casos do § 1°, funcionará como revisor o Desembargador imediato ao relator,


na ordem decrescente de antigüidade, ou o mais antigo, se o relator for o mais novo, salvo na
liquidação por cálculos do contador, em que não haverá revisão.

Art.137 - Quando desnecessário processo de execução, o Presidente do Órgão


determinará ou requisitará, a quem os deva praticar, os atos indispensáveis ao cumprimento do
julgado.

Parágrafo único - Compete também ao Presidente, em qualquer caso, autorizar o


levantamento do depósito por quem de direito.

Art.138 - Em todas as hipóteses de julgamento colegiado será ouvida a Procuradoria


Geral de Justiça, à qual o relator abrirá vista dos autos por 10 (dez) dias, antes de fazer o
relatório.

Art.139 - Das decisões do relator caberá o agravo de que trata o art.226 do Código de
Organização e Divisão Judiciárias.

- 35 -
Capítulo XII - Da Habilitação
Art. 140 - A habilitação processar-se-á nos próprios autos da causa, perante o relator, que
sobre ela decidirá nos casos em que, segundo a lei processual, a habilitação em primeiro grau
de jurisdição independeria de sentença.

§ 1º - Nos demais casos, o relator mandará juntar a petição aos autos e procederá
conforme o disposto na lei processual.

§ 2º - Oferecida a contestação, ou esgotado o respectivo prazo, o relator abrirá vista dos


autos, por 10 (dez) dias, à Procuradoria Geral de Justiça, se obrigatória a intervenção do
Ministério Público, e em igual prazo apresentará o feito em mesa, para julgamento.

Art.141 - O processo não será interrompido pela habilitação, quando estiver com dia para
julgamento.

Capítulo XIII - Da Representação por Excesso de Prazo e


Da Reclamação Contra Membro do Tribunal

Art.142 - A representação por excesso injustificado de prazo legal ou regimental contra


membro do Tribunal poderá ser formulada por qualquer das partes, pelo Ministério Público ou
pelo Presidente do Tribunal, nos termos dos artigos 198 e 199 do Código de Processo Civil.

Art.143 - A reclamação contra membro do Tribunal poderá ser apresentada por qualquer
pessoa ou pelo Ministério Público e será cabível nos casos de :

a) exercício, ainda que em disponibilidade, de qualquer outro cargo ou função, salvo uma
de magistério (art. 95, parágrafo único, inciso I, da Constituição Federal);

b) recebimento, a qualquer título ou pretexto, de custas ou participação em processo (art.


95, parágrafo único, inciso II, da Constituição Federal);

c) exercício de atividade político-partidária (art.95, parágrafo único, inciso III, da


Constituição Federal);

d) manifesta negligência no cumprimento dos deveres do cargo (art. 56, inciso I, da


LOMAN);

e) procedimento incompatível com a dignidade, a honra e o decoro de suas funções (art.


56, inciso II, da LOMAN)

f) escassa ou insuficiente capacidade de trabalho ou proceder funcional incompatível com


o bom desempenho das atividades do Poder Judiciário (art. 56, inciso III, da LOMAN).

Art.144 - A representação ou a reclamação que correrá em segredo de Justiça nos termos


do art. 155, inciso I do CPC, será apresentada mediante petição em 02(duas) vias, instruídas
com os documentos necessários à comprovação das alegações, o rol de testemunhas e a
indicação de outros meios probatórios pertinentes.

§ 1º - A inicial será distribuída a um dos membros efetivos do Órgão Especial, o qual,


como relator, em 48 (quarenta e oito) horas:

a) a indeferirá de plano, se inepta, teratológica, absurda, infundada, suspeita,


manifestamente improcedente ou prejudicada;

b) ocorrendo irregularidade sanável ou instrução deficiente, determinará a sua


regularização no prazo de 10 (dez) dias, sob pena de indeferimento;

c) estando em ordem a inicial, enviará, mediante ofício pessoal, a segunda via


acompanhada de cópia da documentação ao representado, afim de que este, no prazo de 15
(quinze) dias, apresente defesa prévia, com indicação, desde logo, de todas as provas que
pretende reduzir e do rol de testemunhas.
- 36 -
§ 2º - Do indeferimento liminar caberá agravo regimental a ser interposto no prazo de 05
(cinco) dias.

§ 3º - Findo prazo de defesa, haja ou não sido apresentada, o relator pedirá dia para que,
em sessão secreta, com participação exclusiva de seus membros efetivos, o Órgão Especial, por
maioria absoluta de seus membros efetivos decida sobre a instauração do processo.

§ 4º - O Órgão Especial, por maioria absoluta de seus membros efetivos, na sessão em


que ordenar a instauração do processo ou no curso deste, poderá afastar o magistrado do
exercício de suas funções, sem prejuízo de seus vencimentos ou vantagens, até a decisão final.

§ 5º - Em se tratando de representação por excesso de prazo, o Órgão Especial, também


por maioria absoluta de seus membros efetivos, poderá determinar ao Vice-Presidente
competente a redistribuição do feito a um novo relator ou revisor, mediante compensação, ou,
ainda se o excesso ocorrer em caso de pedido de vista, determinar que se observe o disposto no
art. 75 deste Regimento.

Art.145 - Instaurado o processo, as provas requeridas e deferidas bem como as


determinadas de ofício pelo relator, serão produzidas em 20 (vinte) dias, cientificadas as partes e
o Ministério Público.

§ 1º - Os pedidos de informações e outras diligências determinadas pelo relator serão


atendidas prioritariamente pelos órgãos e funcionários que tiverem de cumpri-las.

§ 2º - O relator poderá avocar os autos em que houver ocorrido o alegado excesso de


prazo para instruir o processo.

§ 3º - Finda a instrução, o relator abrirá vista dos autos, por 10 (dez) dias, para
apresentação de razões, sucessivamente, pelo representante ou reclamante, pelo magistrado ou
pelo seu procurador ou pelo Ministério Público; a seguir, em igual prazo, solicitará a designação
de dia para julgamento.

Art. 146 - O julgamento será realizado pelos membros efetivos do Órgão Especial, com a
participação exclusiva dos interessados, seus advogados, se constituídos, e do Ministério
Público.

§ 1º - Após a apresentação do relatório será facultado a sustentação oral dos


interessados, seus advogado, se constituídos, e do Ministério Público.

§ 2° - A decisão será tomada pelo voto de dois terços dos membros efetivos do colegiado,
em escrutínio secreto (art. 27, § 6º da LOMAN).

§3º - Da decisão publicar-se-á apenas a conclusão, facultando-se o fornecimento de


certidões aos interessados (art. 131 da LOMAN).

Art.147 - Julgada procedente a representação ou a reclamação poderá o Órgão Especial


determinar a remoção compulsória, a aposentadoria proporcional ao tempo de serviço ou a
disponibilidade do magistrado.

Parágrafo único - Em caso de procedência da representação, além da sanção cabível,


será designado outro magistrado para atuar no processo.

Capítulo XIV - Do Desaforamento


Art.148 - O pedido de desaforamento será dirigido ao 2º Vice-Presidente do Tribunal de
Justiça, devidamente fundamentado e instruído.

§ 1º - Se o pedido for de Desembargador preparador do feito ou de Presidente do Tribunal


do Júri, será formulado mediante representação; se for de qualquer das partes, inclusive o
assistente, será deduzido em petição, indicadas as provas a serem produzidas.

Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

§ 2º - É indispensável, em qualquer caso, o oferecimento de cópia autêntica ou certidão


da pronúncia, transitada em julgado.

Art.149 - Protocolado o pedido, o 2° Vice-Presidente procederá à sua distribuição. Se não


- 37 -
o considerar em termos, fará, antes de distribuí-lo, as exigências necessárias, ou mandará
arquivá-lo.

Art.150 - O requerimento, ou representação, não tem efeito suspensivo; mas, quando


relevantes os seus motivos, ou havendo sério risco de conturbação da ordem pública, o relator
poderá ordenar fique sustado o julgamento, até final decisão.

Art.151 - Quando a iniciativa for de qualquer das partes, o relator determinará ao Juiz que
preste informações no prazo de 05 (cinco) dias, e se julgar conveniente, solicitará ainda
esclarecimentos às autoridades mais graduadas do Município.

Art.152 - o relator, no despacho inicial, ordenará as diligências que entender convenientes


e decidirá a respeito das provas pelas quais o Suplicante houver protestado.

Art.153- Prestadas as informações, o relator, se entender necessário, determinará a


produção das demais provas, no prazo que fixar.

Art.154 - Ao requerente será facultado oferecer, de inicio ou em substituição à prova que


houver indicado, justificação realizada no juízo da Comarca de origem, cientificada a parte
contrária.

Art.155 - Finda a instrução e ouvido o órgão do Ministério Público, que se pronunciará no


prazo de 05 (cinco) dias, o relator, em igual prazo, examinará os autos e os colocará em mesa
para julgamento (art.50, § 2°, "o"), facultada às partes a sustentação oral por 10’ (dez) minutos.

Art.156 - A decisão concessiva do desaforamento abrangerá os co-réus e indicará o juízo


em que se fará o julgamento.

Art.157 - A concessão do desaforamento produz efeitos definitivos.

Capítulo XV - Da Restauração de Autos


Art.158 - O pedido de restauração de autos de processo civil será dirigido ao 1º Vice-
Presidente, que o distribuirá ao Órgão em que se processava o feito.

Parágrafo único - O relator será, sempre que possível, o mesmo do processo cujos autos
devam ser restaurados.

Art.159 - Observar-se-á o disposto na lei processual, cabendo ao relator, se for o caso,


determinar a baixa dos autos ao juízo de origem, para os fins do art.1068, § 1º, do Código de
Processo Civil, e fixar o prazo para a respectiva devolução.

Parágrafo único - Estando a restauração em condições de ser julgada, o relator abrirá


vista dos autos à Procuradoria Geral de Justiça, se obrigatória a intervenção do Ministério
Público, para emitir parecer em 10 (dez) dias; a seguir, em igual prazo, apresentará o processo
em mesa para julgamento na primeira sessão.

Art.160 - O disposto neste Capítulo aplica-se, no que couber, à restauração de autos de


processo penal da competência originária de qualquer dos Órgãos do Tribunal.

Capítulo XVI Da Ação Penal Originária


Art.161 - Apresentada peça de ação penal originária, inquérito policial ou qualquer outra
peça informativa indicativa da existência de infração penal da competência originária do Tribunal
de Justiça, o 2º Vice-Presidente a distribuirá entre os Desembargadores integrantes do Órgão
Especial para servir como relator;

Parágrafo único - Se o Tribunal estiver em recesso, as atribuições previstas nos arts.33, II


e 68 da Lei Complementar n.º 35/79 (Lei Orgânica da Magistratura Nacional), serão exercidas
pelo Presidente do Tribunal.

Art.162 - O Relator será o Desembargador da instrução do processo com as atribuições


que o Código de Processo Penal confere aos Juízes singulares, competindo-lhe ainda prover
sobre as medidas cautelares e propor a prevista no inciso XVI do art. 3º deste Regimento (art. 29

- 38 -
da Lei Complementar n.º 35, Lei Orgânica da Magistratura Nacional).

Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

§ 1º - Caberá agravo, sem efeito suspensivo, para o Órgão Julgador, no despacho ou


decisão que:

I - conceder, negar, arbitrar, cassar ou julgar inidônea ou quebrada a fiança, relaxar a


prisão em flagrante e conceder liberdade provisória, indeferir, decretar ou revogar a prisão
preventiva;

II - recusar a produção de qualquer prova ou a realização de qualquer diligência;

III - determinar o arquivamento do inquérito ou de peças informativas, ou decretar a


extinção da punibilidade.

§ 2º - O agravo terá o procedimento previsto no art. 226 do Código de Organização e


Divisão Judiciárias, facultada às partes a sustentação oral pelo prazo de 10 (dez) minutos, tendo
o relator o direito a voto no julgamento.

Art.163 - Nas infrações em que a ação penal é pública, o relator encaminhará os autos ao
Procurador-Geral de Justiça, que, se encontrar elementos suficientes, oferecerá a denuncia no
prazo de 15 (quinze) dias, se o indiciado estiver solto, e no de 05 (cinco) dias, se estiver preso,
ou requererá o arquivamento, que não poderá ser indeferido (art.28, in fine, do Código de
Processo Penal).

§ 1º - Salvo no caso previsto no parágrafo 3º deste artigo somente serão requeridas ao


relator, pelo Procurador-Geral de Justiça as diligências cuja realização depender de autorização
judicial, realizando-se quaisquer outras diretamente pelo Ministério Público, ou mediante
requisição deste, pela autoridade policial (arts.13, II e 47 do Código de Processo Penal).

§ 2º - As diligências complementares ao inquérito determinadas pelo Procurador-Geral de


Justiça ou requeridas por este ao relator serão realizadas com interrupção do prazo para
oferecimento da denúncia quando o indiciado estiver solto; estando preso o indiciado as
diligências complementares não interromperão o prazo, salvo se o relator ao deferi-las
determinar o relaxamento da prisão.

§ 3º - Se o indiciado for magistrado, as diligências do inquérito serão presididas pelo


Corregedor-Geral de Justiça, que poderá requisitar o auxílio de outras autoridades (parágrafo
único do art.33, da Lei Complementar n.º 35, Lei Orgânica da Magistratura Nacional).

Art.164 - Se o inquérito ou as peças de informação versarem a prática de crime de ação


privada, o relator aguardará a iniciativa do ofendido ou de quem por lei seja legitimado a oferecer
queixa.

Art.165 - A extinção da punibilidade será decretada em qualquer tempo pelo relator,


ouvido previamente o Procurador-Geral de Justiça no prazo de 05 (cinco) dias.

Art.166 - Compete ao relator determinar o arquivamento do inquérito ou das peças de


informação requerido pelo Procurador-Geral de Justiça.

Art.167 - Oferecida a denúncia ou a queixa, o acusado será notificado para oferecer


resposta escrita no prazo de 15 (quinze) dias (art.4º, da Lei n.º 8.038, de 28 de maio de 1990).

§ 1º - Com a notificação, serão entregues ao acusado cópia da denúncia ou da queixa, do


despacho do relator e dos documentos por este indicados.

§ 2º - Se desconhecido o paradeiro do acusado, ou se este criar dificuldades para que o


Oficial de Justiça realize a diligência, proceder-se-á à sua notificação por edital contendo o teor
resumido da acusação para que compareça em 05 (cinco) dias, ao Tribunal, onde terá vista dos
autos pelo prazo de 15 (quinze) dias, a fim de apresentar a resposta prevista neste artigo.

§ 3º - Se, com a resposta, forem apresentados novos documentos, será intimada a parte
- 39 -
contrária para sobre eles se manifestar no prazo de 05 (cinco) dias.

§ 4º - Na ação penal privada será ouvido, em igual prazo, o Procurador-Geral de Justiça.

Art.168 - A seguir, o relator pedirá dia para que o Tribunal delibere sobre o recebimento, a
rejeição da denúncia ou da queixa, ou a improcedência da acusação, se a decisão não depender
de outras provas.

§ 1º - No julgamento de que trata este artigo será facultada sustentação oral pelo prazo
de 15’ (quinze) minutos, primeiro à acusação, depois à defesa.

§ 2º - Encerrados os debates, o Tribunal passará a deliberar, podendo o Presidente limitar


a presença no recinto às partes e seus advogados ou somente a estes, se o interesse público o
exigir.

Art.169- Recebida pelo Tribunal a denúncia ou a queixa, o Relator designará dia e hora
para o interrogatório, mandando citar o acusado e intimar o Órgão do Ministério Público, bem
como o querelante ou o assistente, se for o caso, e podendo delegar a realização do
interrogatório a juiz ou membro de Tribunal com competência territorial no local de cumprimento
da carta de ordem.

Art.170 - Não comparecendo o acusado, ou não constituindo advogado, o relator nomeará


defensor dativo.

Art.171 - O prazo para a defesa prévia será de 05 (cinco) dias, contando-se do


interrogatório ou da intimação do defensor dativo.

Art.172 - A instrução obedecerá, no que couber, ao procedimento comum do Código de


Processo Penal, podendo o Relator delegar a realização de atos instrutórios na forma prevista no
art. 169, intimadas as partes.

§ 1º - Por expressa determinação do relator, as intimações poderão ser feitas por carta
registrada com aviso de recebimento.

§ 2º - Se oferecida exceção da verdade ou da notoriedade dos fatos imputados, o relator,


antes de iniciar a instrução do processo, determinará a intimação do querelante para contestar a
exceção no prazo de 48h (quarenta e oito) horas; se a ação penal tiver sido intentada pelo
Procurador-Geral de Justiça, a intimação será feita a este e ao exceto.

Art.173 - Concluída a inquirição das testemunhas, serão intimadas a acusação e a defesa


para requerimento de diligências no prazo de 05 (cinco) dias.

Art.174 - Realizadas as diligências deferidas pelo relator ou por ele determinadas, serão
intimadas a acusação e a defesa para, sucessivamente, apresentarem, no prazo de 15 (quinze)
dias, alegações escritas.

§ 1º - Será comum o prazo do acusador e do assistente, bem como dos co-réus.

§ 2º - Na ação penal privada, o Ministério Público terá vista, por igual prazo, após as
alegações das partes.

§ 3º - O relator poderá após as alegações escritas, determinar de ofício a realização de


provas reputadas imprescindíveis para o julgamento da causa, dando vista às partes sobre o
acrescido, no prazo comum de 03 (três) dias que correrá na Secretaria.

Art.175 - Finda a instrução, o relator fará o relatório escrito, no prazo de 20 (vinte) dias,
passando os autos em seguida por igual prazo ao revisor, que pedirá a designação de dia para o
julgamento.

Art.176 - Da designação serão intimados o Procurador-Geral de Justiça, o querelante, o


assistente, o réu, o defensor e as pessoas que devam comparecer para prestar depoimento ou
esclarecimento.

§ 1º - Aos julgadores será enviada cópia da peça acusatória, do acórdão que a receber,
depoimentos, laudos, alegações finais das partes e relatório.
- 40 -
§ 2º - Se, em razão do vulto do processo, for impraticável a distribuição de todas as peças
mencionadas no parágrafo anterior, poderá o Órgão Especial, por proposta do relator, limitá-la
ao relatório e às peças que o relator reputar indispensáveis, caso em que os autos originais
ficarão na Secretaria do Órgão Especial, durante os 20 (vinte) dias úteis anteriores à sessão, à
disposição dos julgadores que desejarem consultá-los.

Art.177 - No dia designado, aberta a sessão, apregoadas as partes e as testemunhas,


lançado o querelante que deixar de comparecer, salvo motivo justificado ( art. 60, III, Código de
Processo Penal), proceder-se-á às demais diligências preliminares.

Art.178 - A seguir o relator fará minucioso resumo das principais peças dos autos e da
prova produzida.

Art.179 - Findo o relatório, o relator tomará as declarações das pessoas mencionadas no


art. 176, in fine, caso não dispensadas pelo Tribunal, podendo reperguntá-las outros
Desembargadores, o Órgão do Ministério Público e as demais partes.

Parágrafo único - A dispensa das inquirições em plenário requeridas pelas partes será
decidida pelo relator, até 30 (trinta) dias antes do julgamento, cabendo, da decisão, agravo
regimental para o Órgão Especial.

Art.180 - Concluídas as inquirições e efetuadas as diligências que o Tribunal houver


determinado, o Presidente dará a palavra, sucessivamente, ao acusador e à defesa, pelo prazo
de 01 (uma) hora, para a sustentação oral, assegurado ao assistente 1/4 (um quarto) do tempo
da acusação.

Art.181 - Havendo mais de um defensor, combinarão entre si a distribuição do tempo, que,


na falta de entendimento, será marcado pelo Presidente, de forma que não sejam excedidos os
prazos fixados neste artigo.

Art.182 - Havendo mais de um réu, o tempo para acusação e para a defesa será, em
relação a ambos, acrescido de 01 (uma) hora, observado o disposto no parágrafo anterior quanto
à divisão do tempo.

Art.183 - Tratando-se de ação privada, o Procurador- Geral de Justiça falará por último
pelo prazo de 30’ (trinta) minutos.

Art.184 - Encerrados os debates, o Tribunal passará a deliberar, podendo o Presidente


proceder de acordo com o disposto no art. 168, § 2º. O resultado do julgamento será proclamado
pelo Presidente em sessão pública.

Art.185 - O acórdão será lavrado na forma do art. 89.

Art.186 - O julgamento poderá efetuar-se em uma ou mais sessões.

Capítulo XVII Da Exceção da Verdade Remetida


Art.187 - Presentes os autos de ação penal proposta na primeira instância, em que haja
sido oferecida exceção da verdade ou notoriedade dos fatos imputados a pessoa que goze da
prerrogativa de ser julgada pelo Tribunal de Justiça (art. 85, do Código de Processo Penal), o 2º
Vice-Presidente designará Desembargador integrante do Órgão Especial para servir como
relator.

Art.188 - O relator ordenará, em seguida, as diligências que entender necessárias para


suprir nulidades, ou falta que prejudique o esclarecimento da verdade. Concluídas tais
diligências, sobre elas ouvirá as partes, no prazo de 05 (cinco) dias para cada uma.

Art.189 - Nada havendo a sanar ou concluídas as diligências, o relator, no prazo de 20


(vinte) dias, lançará relatório escrito nos autos, passando-os, em seguida, ao revisor que, em
igual prazo, pedirá a designação de dia e hora para o julgamento.

Art.190 - Recebendo os autos, o presidente do Órgão Especial designará dia e hora para
o julgamento. Dessa designação serão intimadas as partes, os defensores e o Procurador-Geral
de Justiça.
- 41 -
Art.191 - No julgamento, observar-se-ão as mesmas regras previstas para a ação penal
originária, salvo quanto às provas, que somente serão produzidas por determinação do Órgão
Especial, e aos prazos para sustentação oral, que serão reduzidos da metade.

Art.192 - Julgada procedente a exceção, o Tribunal absolverá o querelado; dando pela


improcedência os autos tornarão ao juízo de primeiro grau para prosseguimento da ação penal.

Parágrafo único - Evidenciando-se existir causa de extinção da punibilidade, o Órgão


Especial desde logo a reconhecerá, dando fim ao processo principal.

Capítulo XVIII Do Pedido de Explicações


Art.193 - O pedido de explicações, como medida preparatória de ação penal da
competência originária do Tribunal de Justiça, terá como relator desembargador integrante do
Órgão Especial.

Art.194 - O relator, após verificar a presença de legítimo interesse, determinará a


notificação da pessoa apontada como devedora das explicações, para que as preste nos autos,
por escrito, pessoalmente ou por intermédio de procurador com poderes especiais, no prazo de
48h (quarenta e oito) horas.

Art.195 - Findo o prazo, ordenará o relator que, pagas as custas e decorridas 48h
(quarenta e oito) horas, sejam os autos entregues ao requerente, independentemente de
traslado.

Capítulo XIX Do Recurso Hierárquico


Art.196 - Das decisões do Conselho da Magistratura sobre punições de magistrados e
reclamações contra a lista de antigüidade, caberá recurso hierárquico, com efeitos devolutivo e
suspensivo, nos prazos estabelecidos no Regimento Interno do Conselho.

Art.197 - O recurso pode ser interposto pessoalmente ou por intermédio de advogado,


pela parte vencida, por terceiro prejudicado ou pelo Ministério Público, este com prazo em dobro.

§ 1º - Por força do efeito devolutivo e de sua posição hierárquica superior, o Órgão


Especial reexaminará, sem limite, toda a matéria questionada.

§ 2º - Quando se tratar de questão sobre matéria administrativa de caráter geral e de


efeito apenas na ordem interna da administração do Tribunal, o relator poderá atribuir-lhe apenas
efeito devolutivo.

§ 3º - O relator poderá negar seguimento a recurso manifestamente intempestivo,


inadmissível ou contrário a jurisprudência predominante do Órgão Especial ou dos Tribunais
Superiores sobre a matéria.

§ 4º - Das decisões do relator caberá agravo regimental no prazo de 05 (cinco) dias.

Art.198 – Distribuído e admitido o recurso, o relator mandará ouvir o Ministério Público em


10 (dez) dias.

§ 1º - Se o recorrente for o Ministério Público, o relator abrirá vista por 10 (dez) dias ao
recorrido.

§ 2º - Se o recurso disser respeito a lista de antigüidade de magistrados, o relator


mandará publicar notícia do mesmo aos interessados para manifestação em 10 (dez) dias.

Art.199 - Cumpridas as determinações dos artigos anteriores, o relator, no prazo de 20


(vinte) dias, pedirá dia para o julgamento, fazendo relatório oral.

Capítulo XX Do Agravo Regimental


Art.200 - A parte que, em processo judicial ou administrativo, se considerar agravada, por
decisão do Presidente ou dos Vice-Presidentes do Tribunal, Presidente da Seção Criminal, ou
- 42 -
das Câmaras, ou ainda do Relator, de que não caiba outro recurso, poderá, no prazo de 05
(cinco) dias, contados de sua intimação por publicação no órgão oficial, requerer a apresentação
do feito em mesa, a fim de que o Órgão julgador conheça da decisão, confirmando-a ou
reformando-a.

Resolução nº 06/2001 do E. Órgão Especial de 01/08/2001

§ 1º - Será competente para conhecer do agravo regimental, o Órgão Julgador que teria
competência para o julgamento do pedido ou do recurso ordinário.

§ 2º - Relatará o recurso regimental o prolator da decisão agravada, que participará do


julgamento e lavrará o acórdão. Em caso de provimento, a redação do acórdão caberá ao
Desembargador que primeiro houver votado no sentido vencedor ( art. 226 do CODJERJ).

Art.201 - O agravo regimental será apresentado por petição fundamentada, ao prolator da


decisão agravada que, no prazo de 48h (quarenta e oito) horas, poderá reconsiderá-la ou
submetê-la a apreciação do Órgão Julgador na primeira sessão seguinte à data de sua
interposição.

Art.202 - Salvo a hipótese prevista no § 2º do art. 162 deste Regimento, não caberá
sustentação oral no agravo regimental o qual também não se presta à complementação de
requisitos que deviam ter sido preenchidos antes da interposição do recurso.

Art.203 - Aplicam-se ao agravo regimental as regras do prazo em dobro previstas no art.


188, do Código de Processo Civil e § 5º, do art. 5º, da Lei n º 1.060/50.

Art.204 - O agravo regimental não tem efeito suspensivo.

Capítulo XXI
Dos Agravos Retido e de Instrumento
Art.205 - O agravo retido será julgado imediatamente antes da apelação, mas dele não se
conhecerá se, nas razões ou nas contra-razões do recurso de apelação, o recorrente não pedir
expressamente a sua apreciação pelo Tribunal.

§ 1º - Na hipótese de reexame obrigatório de duplo grau, o agravo retido será conhecido


independentemente de solicitação das partes.

§ 2º - Se não conhecer da apelação, o Tribunal julgará prejudicado o agravo.

Art.206 - Não se conhecerá do recurso de agravo de instrumento se este não estiver


devidamente instruído.

§ 1º - Não atendido, por parte do agravante, o disposto no art. 526, do Código de


Processo Civil, o relator o inadmitirá, cabendo de tal decisão agravo regimental.

§ 2º - Quando a parte agravada for o Ministério Público ou assistida pela Defensoria


Pública, as intimações para responder serão realizadas na pessoa dos respectivos
representantes dos órgãos de atuação em exercício no segundo grau de jurisdição.

Art.207 - No prazo máximo de 30 (trinta) dias, contados da intimação do agravado, o


relator pedirá a inclusão do recurso em pauta para julgamento. O agravo será tido como
prejudicado, se houver, por parte do Juiz da causa, a completa reforma da decisão.

Art.208 - Não haverá sustentação oral no julgamento dos agravos (art. 554, Código de
Processo Civil), à exceção do que determina o art. 207, § 1º da Lei de Falências (Dec. Lei nº
7.661/45).

Art.209 - Julgado o agravo de instrumento, a Secretaria do Órgão Julgador adotará as


seguintes providências:

I - Não havendo interposição de recurso a Tribunal Superior, promoverá, conforme o caso,


pelo prazo de 90 dias, a extração dos originais da decisão monocrática do relator, acórdãos,
embargos de declaração, voto vencido, guia de recolhimento de receita judiciária e certidão de
não interposição de recurso, enviando-os, mediante ofício, para a Vara de origem, após o que
- 43 -
promoverá o descarte das demais peças dos respectivos autos;

II - Havendo interposição de recursos especial e/ou extraordinário, encaminhará os autos


do agravo de instrumento para a 3ª Vice-Presidência e esta, após o processamento e o
julgamento pelos Tribunais Superiores, conforme o resultado apurado, remeterá os autos ao juiz
da causa ou ao Órgão Julgado competente.

§ 1º - Do inciso I, excetuam-se os casos de tutela antecipada recursal, por decisão


monocrática do Desembargador Relator ou do Colegiado, com o cumprimento da medida sem a
citação e ciência do agravado, situação em que o descarte somente ocorrerá em cento e oitenta
dias, ou a partir do efetivo término do prazo de recurso, o que pressupõe a inequívoca ciência da
parte agravada, aferida mediante consulta na intranet e devidamente certificada pela secretaria
da Câmara, sem prejuízo da imediata comunicação das decisões ao Juízo agravado.

§ 2º - No caso do inciso II, baixados os autos à Vara de Origem, promoverá o Juiz a


extração das peças indicadas no inciso I, processadas em ambas as Instâncias, após o que
autorizará o imediato descarte das restantes.
Resolução do E. Órgão Especial nº 17/2009 de 18/12/2009

Capítulo XXII Das Reclamações


Art.210 - São suscetíveis de correição, mediante reclamação da parte ou do Órgão do
Ministério Público, as omissões dos Juízes e os despachos irrecorríveis por eles proferidos que
importem em inversão da ordem legal do processo ou resultem de erro de ofício ou abuso de
poder (CODJERJ, art. 219).

Art.211 - A reclamação será manifestada perante o Vice-Presidente do Tribunal, no prazo


de 05 (cinco) dias, contados da data da publicação do despacho que indeferir o pedido de
reconsideração da decisão reclamada.

Parágrafo único - É, também, de 05 (cinco) dias, contados da publicação do despacho ou


da ciência, o prazo para o pedido de reconsideração, que deve, obrigatoriamente, anteceder a
reclamação.

Art.212 - A petição de reclamação será instruída com certidão do inteiro teor da decisão
reclamada e da que houver indeferido o pedido de reconsideração, das datas das respectivas
publicações, do instrumento do mandato conferido ao advogado, e das demais peças, indicadas
pelo reclamante, nas quais se apoiar a decisão reclamada.

Art.213 - O Vice-Presidente distribuirá a reclamação ao relator ou órgão competente,


observadas as regras pertinentes.

Parágrafo único - Quando o ato reclamado pertencer a processo em que o Juiz esteja
executando decisão sua ou de juízo de segundo grau, a reclamação será processada e julgada,
no primeiro caso, por Câmara, feita a distribuição nos termos da lei, e, no segundo caso, pelo
órgão do Tribunal que houver proferido o acórdão exeqüendo.

Art.214 - O relator da reclamação, quando indispensável para a salvaguarda dos direitos


do reclamante, poderá ordenar que seja suspensa, por 30 (trinta) dias improrrogáveis, a
execução do despacho reclamado.

Parágrafo único - O relator poderá indeferir a reclamação manifestamente intempestiva ou


incabível, com recurso de agravo para órgão competente para seu julgamento.

Art.215 - Solicitadas as informações, que o Juiz reclamado prestará em 05 (cinco) dias, e


ouvido o Ministério Público, o relator aporá o seu "visto" e colocará o processo em mesa para
julgamento na primeira sessão.

Parágrafo único - O resultado do julgamento será imediatamente comunicado a autoridade


reclamada.

Título IV

Capítulo único - Dos Projetos de Normas


- 44 -
Art.216 - Os projetos de normas serão apresentados ao Presidente do Tribunal, que os
colocará em mesa, no Órgão Especial, simultaneamente com a distribuição de cópias aos
respectivos membros, designando o Órgão Especial, desde logo, comissão para o estudo do
projeto e das emendas, que poderão ser oferecidas no prazo de 10 (dez) dias.

§ 1º - A comissão terá 10 (dez) dias para apresentar seu parecer, com novas emendas ou
substitutivo ao projeto, salvo se, em razão da urgência da matéria, o Órgão Especial fixar prazo
menor.

§ 2º - Tratando-se de leis orgânicas ou de códigos, bem como de textos longos, com


alterações múltiplas de diplomas legais, o Órgão Especial poderá fixar prazo maior.

§ 3º - O projeto será incluído na pauta da primeira sessão administrativa subseqüente,


distribuindo-se antes aos membros do Órgão Especial cópias do pronunciamento da comissão.

Art.217 - Submetido à discussão e deliberação, os Desembargadores rejeitarão ou


aprovarão globalmente o projeto e, neste último caso, pronunciar-se-ão sobre as emendas que
tiverem parecer contrário da citada comissão, desde que tenha havido requerimento de destaque
formulado no início da discussão.

Art.218 - As emendas supressivas serão discutidas e votadas com preferência sobre as


aditivas e estas sobre as modificativas, considerando-se prejudicadas as redigidas no mesmo
sentido.

Art.219 - Na discussão, o Desembargador que houver apresentado a emenda poderá


justificá-la, no prazo de 05’ (cinco) minutos, e os que tiverem observações a fazer poderão
manifestar-se por igual tempo, não se admitindo, no debate, intervenções de outra natureza.

Art.220 - Encerrada a discussão, proceder-se-á à votação, sem justificação, que será


simbólica, se o Presidente não determinar ou nenhum Desembargador requerer que seja
nominal. Nessa última hipótese, observar-se-á, na tomada de votos, a ordem decrescente de
antigüidade dos membros do Órgão Especial.

Art.221 - Aprovada a emenda, não se reabrirá a votação, salvo para dirimir dúvida.

Art.222 - A redação final dos projetos não poderá alterar a substância do texto aprovado.

Art.223 - A ata mencionará apenas a rejeição ou a aprovação dos projetos ou do


substitutivo e as emendas rejeitadas.

Título V - Dos Fatos Funcionais

Capítulo I - Do Compromisso, Posse, Exercício e Matrícula


Art.224 - Na posse do Presidente, Corregedor-Geral de Justiça e Vice-Presidentes, cada
um dos eleitos será acompanhado à mesa por uma comissão de 03 (três) de seus pares,
nomeada pelo Presidente da sessão, e prestará, em voz alta, o seguinte compromisso:

“Prometo desempenhar bem e fielmente os deveres de meu cargo, cumprindo e fazendo


cumprir a Constituição da República, as leis e as decisões da Justiça”.

Resolução nº 06/2004 do E. Órgão Especial de 29/04/2004

Parágrafo único - O Presidente assinará, em livro especial, o termo da posse do seu


sucessor, e este o dos Vice-Presidentes e do Corregedor-Geral de Justiça, seguindo-se a
assinatura dos empossados, depois de lido pelo Secretário.

Art.225 - Os Desembargadores tomarão posse perante o Órgão Especial e, se o


desejarem, em sessão solene. Ingressando no recinto, acompanhados por 02 (dois)
Desembargadores, previamente escolhidos, prestarão, em voz alta, o seguinte compromisso:

“Prometo desempenhar bem e fielmente os deveres do meu cargo, cumprindo e fazendo

- 45 -
cumprir a Constituição e as leis, distribuindo Justiça e pugnando sempre pelo seu prestígio e
autoridade”.

§ 1º - Do compromisso lavrar-se-á, em livro especial, termo que será assinado pelo


Presidente e por quem tomar posse, depois de lido pelo secretário.

§ 2º - O Desembargador empossado terá exercício na Câmara em que houver vaga na


data de sua posse.

Art.226 - A matrícula a que se refere o art. 175, do Código de Organização e Divisão


Judiciárias far-se-á em livro próprio e em referência a cada classe, à vista dos elementos de que
dispuser a Secretaria e dos que lhe forem fornecidos pelos interessados.

Parágrafo único - Mencionará a matrícula:

I - a naturalidade, data do nascimento, filiação e estado civil do magistrado; nome e data


do nascimento do cônjuge e dos filhos;

II - a data da nomeação, posse, exercício e quaisquer interrupções deste e suas causas,


bem como transferências e permutas;

III - o tempo de exercício em outras funções públicas antes do ingresso na Justiça,


inclusive o da advocacia, computável nos termos da lei;

IV - o desempenho de quaisquer outras funções não vedadas na Constituição e nas leis,


como o exercício em cargo de administração do Tribunal, de membro do Conselho da
Magistratura e da Justiça Eleitoral, o magistério superior, a participação em congressos,
comissões examinadoras, de regimento interno, de elaboração de projetos e outros;

V - as distinções científicas e honoríficas;

VI - as penalidades e faltas funcionais.

Capítulo II
Das Licenças
Art.227 - Distribuído o pedido de licença, o seu relator o submeterá à apreciação do
Tribunal, em breve relatório, independentemente de inclusão em pauta.

Parágrafo único - A resolução do Tribunal será consignada em ata e entrará em vigor


independentemente de publicação.

Art.228 - Salvo a hipótese do art. 71, § 2º, da Lei Complementar n.º 35, Lei Orgânica da
Magistratura Nacional, o Desembargador afastado só poderá reassumir, antes do termo normal
do afastamento, o exercício do cargo, 05 (cinco) dias depois de comunicar a intenção de fazê-lo,
entendendo-se que desistiu do restante do prazo.

§ 1º - Se tratar da licença especial a que se refere o art. 200 do Código de Organização e


Divisão Judiciárias, o Desembargador conservará o direito de gozar o restante do prazo, junto
com outro período de licença especial ou de férias a que faça jus, respeitado o disposto no § 2º.

§ 2º - O Desembargador que reassumir o exercício do cargo, nas condições previstas


neste artigo, não poderá entrar novamente em gozo de licença especial ou férias antes de 30
(trinta) dias, a contar da data da reassunção.

Capítulo III
Da Aplicação de Penalidades
Art.229 - O procedimento para decretação da perda do cargo de magistrado, da remoção
ou da disponibilidade compulsória será o previsto no art. 27, da Lei Complementar n.º 35 (Lei
Orgânica da Magistratura Nacional).

Art.230 - A penalidade de advertência poderá ser imposta pelo Presidente do Tribunal,


- 46 -
pelo Corregedor-Geral de Justiça, pelo Conselho da Magistratura ou por qualquer dos Órgãos
Julgadores, quando verificarem, no exercício de suas atribuições, a ocorrência da hipótese
prevista no art. 43, da Lei Complementar n.º 35 (Lei Orgânica Nacional).

Parágrafo único - Antes de decidir sobre a aplicação da penalidade, poderá o Presidente


do Tribunal, o Corregedor-Geral de Justiça, o Conselho da Magistratura ou o Órgão Julgador, se
entender necessário, ouvir reservadamente o Juiz, em prazo que lhe será fixado, bem como
determinar quaisquer diligências para o esclarecimento dos fatos, tudo, sempre que possível,
sem prejuízo do andamento do processo judicial com que porventura se relacione a infração a
ser apurada.

Art.231 - Compete exclusivamente ao Conselho da Magistratura, de ofício ou mediante


provocação de outro órgão do Tribunal, do Ministério Público ou de qualquer interessado, a
imposição da penalidade de censura, nos casos do art. 44, da Lei Complementar n.º 35 (Lei
Orgânica da Magistratura Nacional).

§ 1º - Será obrigatória a audiência prévia do Juiz, a quem se concederá prazo não inferior
a 05 (cinco) dias para oferecer defesa.

§ 2º - O Regimento Interno do Conselho da Magistratura poderá estabelecer disposições


complementares sobre o procedimento a ser observado.

Art.232 - As penalidades de advertência e de censura serão aplicadas reservadamente,


por decisão motivada, e comunicadas por escrito ao Juiz, correndo a partir da ciência o prazo
para interposição do recurso a que se refere o art. 212, § 5º, do Código de Organização e
Divisão Judiciárias.

Título VI - Disposições Finais e Transitórias


Art.233 - Este Regimento poderá ser emendado por iniciativa de qualquer Desembargador
ou Órgão do Tribunal.

§ 1º - A emenda, acompanhada de justificação, será apresentada ao Presidente do


Tribunal, que a encaminhará à Comissão de Regimento Interno, para emitir parecer em 10 (dez)
dias, salvo se a emenda for por ela proposta. A Comissão poderá oferecer subemendas aditivas,
supressivas ou substitutivas.

§ 2º - A Secretaria fará distribuir a todos os Desembargadores, nos 05 (cinco) dias


seguintes, cópia da emenda, com sua justificação e do parecer. Os Desembargadores terão
igual prazo para oferecer subemendas, sobre as quais se pronunciará em 10 (dez) dias a
Comissão. Em seguida, a matéria será incluída em pauta, para discussão e votação, não se
admitindo outras emendas.

§ 3º - Os membros da Comissão de Regimento Interno que não integrarem o Órgão


Especial poderão participar da sessão, para prestar esclarecimentos, sem direito a voto.

§ 4º - A emenda que obtiver o voto da maioria absoluta dos Desembargadores integrantes


do Órgão Especial considerar-se-á aprovada e será publicada, com o respectivo número, no
Diário Oficial, entrando em vigor na data da publicação, salvo disposição em contrário.

Art.234 - Durante as férias coletivas do Tribunal de Justiça, funcionarão, mediante rodízio,


a cada período, como Órgãos Julgadores:

I – 06 (seis) Câmaras Cíveis,

II - 02 (duas) Câmaras Criminais.

§ 1º - As Câmaras Cíveis e os Grupos de Câmaras Cíveis designados para exercício nas


férias, receberão em distribuição, na proporção apurada no semestre imediatamente anterior, os
processos que se encontrarem na 1ª Vice-Presidência, acrescida dos feitos que exijam
apreciação urgente e imediata, procedendo o órgão distribuidor, quanto a estes últimos, nos
meses subseqüentes a devida compensação. Nos casos de prevenção, os processos tidos por
urgentes serão redistribuídos, ao fim das férias, ao Órgão Julgador prevento, mediante
compensação.

- 47 -
§ 2º - As Câmaras Criminais designadas para o plantão, receberão os habeas corpus de
competência originária de quaisquer dos Órgãos Julgadores do Tribunal, bem como as
reclamações e mandados de segurança impetrados contra Juízes criminais; os conflitos
previstos nas letras; ”e” e “f” do art. 8º deste Regimento e os desaforamentos.

§ 3º - Os Desembargadores integrantes dos Órgãos Julgadores em exercício na forma do


caput deste artigo, gozarão, de férias individuais de 30 (trinta) dias por semestre e não poderão,
no período, afastarem-se dos respectivos Órgãos para gozo de licença especial.

§ 4º - Após a última sessão anterior aos períodos de férias coletivas, os Presidentes dos
Órgãos Julgadores Criminais, encaminharão às Câmaras Criminais designadas para o plantão,
os autos dos processos aludidos no § 2º deste artigo que ainda pendam de julgamento,
remetendo a correspondente relação ao Serviço de Distribuição para as devidas anotações.

§ 5º - Findos os períodos de férias coletivas, as Câmaras Criminais que funcionaram no


plantão, devolverão aos Órgãos de origem os feitos recebidos por força do parágrafo anterior
cujos julgamentos não tenham podido iniciar. Os processos a elas encaminhados e que não
forem de sua competência originária e cujos julgamentos também não forem iniciados serão
encaminhados à 2ª Vice-Presidência para normal distribuição.

§ 6º - Durante as férias coletivas competirá ao Presidente das Câmaras Criminais de


plantão substituir os relatores dos recursos e exceções distribuídos às demais Câmaras
Criminais, tão somente no que concerne aos atos previstos nos itens I, III e VII do art. 31.

§ 7º - No período em que funcionarem em regime de plantão, as Câmaras Criminais


poderão julgar os demais feitos que lhe tenham sido regularmente distribuídos antes ou durante
o plantão, o mesmo ocorrendo com as Câmaras Cíveis.

§ 8º - Os recursos e as ações originárias de competência do Órgão Especial, só


merecerão das Câmaras Cíveis em exercício nas férias, apreciação de liminares.

Art.235 - Os dados estatísticos mencionados no art. 37 da Lei Complementar n.º 35(Lei


Orgânica da Magistratura Nacional), serão publicados no órgão oficial nos 10 (dez) primeiros
dias do mês subseqüente àqueles a que se referem; nos 15 (quinze) primeiros dias do mês de
janeiro publicar-se-ão os dados estatísticos relativos a todo o ano anterior.

§ 1º - A relação dos feitos conclusos aos Desembargadores especificará sempre, além da


data de conclusão a respectiva finalidade.

§ 2º - Da publicação constará também a relação dos autos encaminhados ao Órgão do


Ministério Público e ainda não devolvidos, com a data e a finalidade do encaminhamento.

Art.236 - As Secretarias do Órgão Especial e das Câmaras Cíveis manterão serviço de


classificação dos feitos julgados, em razão da matéria.

§ 1º - Os feitos serão classificados em 05 (cinco) categorias, de acordo com a matéria


predominante, adotada a seguinte numeração: 1 - civil; 2 - comercial; 3 - administrativa; 4 -
tributária; 5 - outras. Incluir-se-ão sob o número 5 os processos e recursos em que se verse
matéria puramente processual.

§ 2º - Para orientação da Secretaria, o relator, ao apresentar o relatório, ou ao pôr o feito


em mesa, lançará nos autos o número que caiba.

§ 3º - Nos 15 (quinze) primeiros dias dos meses de janeiro e de julho publicar-se-ão as


estatísticas resultantes, com o número total de feitos julgados, as parcelas correspondentes a
cada categoria e os respectivos percentuais.

Art.237 - Os recursos sem denominação legal específica, a que se refere este Regimento,
terão o título de agravo regimental.

Art.238 - No prazo de 15 (quinze) dias após a entrada em vigor deste Regimento, o


Presidente do Tribunal fará publicar no órgão oficial a Súmula da Jurisprudência Predominante,
com relação completa, numerada em ordem cronológica, das proposições já aprovadas pelo voto
- 48 -
da maioria absoluta dos Órgãos competentes para a uniformização da jurisprudência.

Art.239 - Este Regimento entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as


disposições em contrário, e ressalvadas as normas especiais para a discussão e votação do
Regimento Interno, aplicáveis às emendas.

§ 1º - As normas deste Regimento aplicam-se desde logo aos processos em curso,


respeitados os atos que já se tiverem praticado e os efeitos por eles já produzidos.

§ 2º - Nos casos de modificação da competência, se o julgamento ainda não se houver


iniciado, caberá ao Órgão competente a que pertença o relator, procedendo-se às
compensações necessárias.

- 49 -