Você está na página 1de 9

>>Atas

 CIAIQ2016                                                                                                                                      >>Investigação  Qualitativa  em  Saúde//Investigación  Cualitativa  en  Salud//Volume  2  


 
 
 
Estratégias  e  Desafios  dos  Enfermeiros  da  Atenção  Básica  para  o  
Tratamento  Simultâneo  da  Sífilis  

1 1 1
Maristela  Ines  Osawa  Vasconcelos ,  Raquel  Xavier  Guimarães ,  Ana  Hirley  Rodrigues  Magalhães ,  
1 1
Kilvia  Maria  Carneiro  de  Oliveira ,  Maria    Socorro  Carneiro  Linhares ,  Izabelle  Mont’Alverne  N.  
1 1 2  
Albuquerque ,  Cibelly  Aliny  Siqueira  L.  Freitas ,  Maria  Veraci  de  Oliveira  Queiroz
 
1
Universidade  Estadual  Vale  do  Acaraú-­‐UVA,  Sobral-­‐CE,  Brasil.  maristela.osawa@gmail.com,  
raquelguimaraesponte@hotmail.com  ,  ana_magalhaes@hotmail.com  ,  socorrocarneiro1@gmail.com,    
kilviacarneiro@hotmail.com  ,    izabellemontalverne@gmail.com,    cibellyaliny@gmail.com    
2
Universidade  Estadual  do  Ceará  –  UECE,  Fortaleza-­‐CE,  Brasil.  veracioq@hotmail.com  

Resumo.  Analisar  as  dificuldades  e  estratégias  dos  enfermeiros  da  Atenção  Básica  para  adesão  dos  parceiros  
sexuais  das  gestantes  com  diagnóstico  de  sífilis,  ao  tratamento  simultâneo  da  doença  foi  o  objetivo  deste  
estudo.   Trata-­‐se   de   uma   pesquisa   qualitativa   do   tipo   exploratório   descritiva,   desenvolvida   com   nove  
enfermeiras  da  estratégia  Saúde  da  Família  do  município  de  Sobral,  Ceará.  Para  coleta  de  dados,  utilizou-­‐se  
a   entrevista   e   os   resultados   foram   analisados   conforme   a   técnica   de   categorização   das   falas   das  
participantes  Por  meio  dos  dados  empíricos  foram  construídas  duas  categorias:  Estratégias  adotadas  pelas  
enfermeiras   para   adesão   ao   tratamento   dos   parceiros   de   gestantes   com   sífilis   e   Desafios   na   adesão   ao  
tratamento   dos   parceiros   de   gestantes   com   sífilis.   Evidenciou-­‐se   que   os   enfermeiros   possuem   percepção  
ampla   acerca   dos   aspectos   relativos   à   adesão   ao   tratamento,   mas   necessitam   de   melhor   embasamento  
científico  e  prático  para  realizar  as  atividades  de  maneira  eficaz  diante  do  manejo  dos  parceiros  sexuais  com  
sífilis.  
Palavras-­‐chave:   Sífilis;   Cuidado   Pré-­‐natal;   Promoção   da   Saúde;   Atenção   primária   à   saúde;   Doenças  
Sexualmente  Transmissíveis

Strategies  and  Challenges  of  Nurses  of  Primary  Care  for  Simultaneous  Treatment  of  Syphilis  
Abstract.   To   analyze   the   difficulties   and   strategies   of   attention   of   nurses   Basic   membership   to   the   sexual  
partners   of   pregnant   women   diagnosed   with   syphilis,   the   simultaneous   treatment   of   the   disease   was   the  
aim  of  this  study.  This  is  a  qualitative  study  of  descriptive  exploratory,  developed  with  nine  nurses  Health  
strategy  of  the  municipality  of  Sobral  Family,  Ceará.  To  collect  data,  we  used  the  interview  and  the  results  
were   analyzed   according   to   the   technique   of   categorization   of   the   speeches   of   the   participants   by   means   of  
empirical  data  were  constructed  two  categories:  adopted  strategies  by  nurses  for  adherence  to  treatment  
of  pregnant  partners  with  syphilis  and  Challenges  adherence  to  treatment  of  partners  of  pregnant  women  
with   syphilis.   It   was   evident   that   nurses   have   extensive   perception   of   aspects   of   adherence   to   treatment,  
but  need  better  scientific  and  practical  basis  to  perform  effectively  activities  on  the  management  of  sexual  
partners  with  syphilis.  
Keywords:  Syphilis;  Prenatal  Care;  Health  promotion;  Primary  health  care;  Sexually  Transmitted  Diseases    

1  Introdução  

A   Sífilis   Congênita   ainda   é   considerada   um   importante   problema   de   saúde   pública,   mesmo   sendo  
uma   doença   que   pode   ser   evitada   por   meio   da   assistência   pré-­‐natal   de   qualidade,   dos   recursos  
disponíveis  e  informações  adequadas.  Entretanto,  estudos  nacionais  e  internacionais  mostram  falhas  
durante   as   consultas   pré-­‐natais.   Do   total   de   casos   notificados   no   Brasil,   75,5%   das   gestantes,   em  
2009,   haviam   recebido   assistência   pré-­‐natal,   mas   apenas   55,4%   tiveram   o   diagnóstico   de   sífilis   ainda  
na  gestação  (Brasil,  2010).  

 
1584  
>>Atas  CIAIQ2016                                                                                                                                      >>Investigação  Qualitativa  em  Saúde//Investigación  Cualitativa  en  Salud//Volume  2  
 
 
 
Nos  últimos  10  anos,  houve  um  progressivo  aumento  na  taxa  de  incidência  de  sífilis  congênita:  em  
2004  a  taxa  era  de  1,7  casos  para  cada  1.000  nascidos  vivos  e  em  2013  subiu  para  4,7  (Brasil,  2015).    
O  aumento  gradual  na  notificação  de  casos  na  rede  de  atenção  pré-­‐natal,  nos  últimos  anos,  deveu-­‐se  
provavelmente   ao   fortalecimento   dos   serviços   de   pré-­‐natal,   por   meio   da   Rede   Cegonha,   o   que  
propiciou  o  aumento  na  cobertura  de  testagem  das  gestantes  e  acompanhamento  dos  casos  (Brasil,  
2015).  
Apesar  da  ampliação  do  diagnóstico,  a  maioria  dos  casos  continua  sendo  detectado  tardiamente,  e  
pior,   o   número   de   notificações   de   crianças   com   sífilis   congênita   também   aumentou.   Em   2013,   um  
total   de   24,8%   dos   casos   do   Sistema   de   Informação   de   Agravos   de   Notificações-­‐   SINAN   foi   notificado  
no  primeiro  trimestre  de  gestação,  com  31,3%  no  segundo  trimestre  e  36,3%  no  terceiro.  Quanto  às  
regiões,   a   Norte   apresenta   o   maior   percentual   de   diagnósticos   no   terceiro   trimestre   de   gestação,  
com   50,9%   (29,0%   no   segundo   e   14,7%   no   primeiro)   e   a   Sudeste,   o   menor,   com   31,2%   (30,9%   no  
segundo   e   29,9%   no   primeiro).   A   região   Nordeste   aparece   em   segundo   lugar,   logo   após   o   Norte  
(Brasil,  2015).  
No   município   de   Sobral,   no   Estado   do   Ceará,   conforme   dados   do   Sistema   Nacional   de   Informação   de  
Agravos   de   Notificação   (SINAN),   fornecidos   pelo   serviço   de   Vigilância   Epidemiológica,   o   município  
registrou  42  casos  de  sífilis  em  gestante  durante  o  primeiro  semestre  de  2015.  No  ano  de  2014,  55  
casos   notificados   e   em   2013   foi   registrado   um   total   de   85   casos.   Este   último   foi   um   dos   maiores  
ocorridos  no  interior  do  estado  (Sobral,  2015).  
Com  relação  à  incidência  de  sífilis  congênita,  em  2013  observou-­‐se  uma  taxa  de  4,7  casos  por  1.000  
nascidos  vivos  no  Brasil,  sendo  que  a  Região  Nordeste  apresentou  a  maior  incidência  de  casos  (5,3),  
seguida  da  Sudeste  (5,1),  Sul  (4,1),  Norte  (3,5)  e  Centro-­‐Oeste  (3,3).  Portanto,  o  diagnóstico  durante  
o  pré-­‐natal  não  tem  garantido  tratamento  adequado  às  gestantes.  
Sobre  o  número  de  casos  notificados  de  sífilis  congênita,  cabe  esclarecer  que  o  Brasil  adotava,  até  o  
último   ano,   um   modelo   sensível.   O   critério   de   definição   de   casos   englobava   praticamente   todas   as  
crianças   que   nasciam   de   mães   que   houvessem   sido   diagnosticadas   com   a   doença,   mesmo   que   a  
gestante   tivesse   sido   tratada,   por   falta   de   informações   de   tratamento   de   seus   parceiros   (Brasil,  
2015).  
A   Estratégia   Saúde   da   Família   (ESF)   atua   na   promoção   de   ações   voltadas   aos   enfrentamentos   dos  
problemas   no   processo   saúde-­‐doença   da   população,   buscando   a   longitudinalidade   do   cuidado   dos  
indivíduos  e  a  prevenção  de  agravos  (Brasil,  2006).  Nessa  estratégia  se  insere  a  atenção  pré-­‐natal,  a  
qual  tem  em  seus  protocolos  triagem  da  sífilis  na  gestante  e  o  consequente  tratamento  da  mulher  e  
de  seu  parceiro,  quando  apresentam  testes  positivos.  
Assim,   torna-­‐se   um   espaço   ideal   para   o   controle   da   sífilis   congênita,   principalmente   no   que   se   refere  
ao   diagnóstico   precoce   e   tratamento   adequado   dos   casos   em   gestantes   com   VDRL   positivo,   bem  
como   de   seus   parceiros   sexuais,   que   devem   receber   cuidados   concomitantes   (Saraceni   &   Miranda,  
2012).  
Pode-­‐se   destacar   que   a   ocorrência   de   sífilis   congênita   expressa   uma   falha   da   atenção   pré-­‐natal  
realizada   na   Atenção   Básica   (AB),   pois   o   diagnóstico   precoce   e   tratamento   da   gestante   e   de   seu  
parceiro  são  medidas  bastante  eficazes  na  prevenção  desta  forma  de  doença,  sendo  imprescindível  a  
detecção   da   gestante   em   tempo   hábil,   ou   seja,   logo   no   primeiro   trimestre   para   realizar   os   exames  
necessários  e  fazer  a  busca  ativa  do  parceiro,  inserindo-­‐o  de  imediato  no  tratamento,  evitando  assim  
que  a  doença  progrida  e  a  gestante  volte  a  ficar  infectada.  
Com   o   tratamento   simultâneo   do   casal   durante   a   consulta   de   pré-­‐natal,   é   possível   aumentar   as  
chances  de  minimizar  a  sífilis  congênita.  Infelizmente,  percebe-­‐se  que  mesmo  com  a  alta  cobertura  
de  pré-­‐natal  às  gestantes,  com  média  de  seis  a  sete  consultas  durante  a  gestação,  com  a  oferta  de  
diagnósticos  realizados  por  meio  de  técnica  simples,  rápida  e  de  baixo  custo  e  a  disponibilidade  da  

 
1585  
>>Atas  CIAIQ2016                                                                                                                                      >>Investigação  Qualitativa  em  Saúde//Investigación  Cualitativa  en  Salud//Volume  2  
 
 
 
penicilina   nas   farmácias   da   ESF,   ainda   não   são   consideradas   medidas   suficientes   para   promover   a  
eliminação  da  sífilis  congênita  (Hildebrand,  2010).  
Diante   disso,   o   objetivo   deste   estudo   foi   analisar   as   dificuldades   e   estratégias   dos   enfermeiros   da  
Atenção   Básica   para   adesão   dos   parceiros   das   gestantes   com   diagnóstico   de   sífilis,   ao   tratamento  
simultâneo  da  doença.  

2  Metodologia  

Trata-­‐se   de   uma   pesquisa   qualitativa   do   tipo   exploratória   descritiva.   Pesquisa   qualitativa,  


despontando  diante  da  impossibilidade  de  investigar  e  compreender  por  meio  de  estatísticas  alguns  
fenômenos  voltados  para  a  percepção,  à  intuição  e  à  subjetividade  (Minayo,  2010).  
Estudo  realizado  no  município  de  Sobral,  que  se  situa  no  norte  do  Estado  do  Ceará,  à  distância  de,  
aproximadamente,  280  km  da  capital,  Fortaleza.  Possui  população  de  214.206  habitantes,  34  equipes  
de  saúde  da  família,  com  100%  de  cobertura  de  saúde.  
Participaram  do  estudo  nove  enfermeiras  do  sexo  feminino  que  atenderam  aos  seguintes  critérios  de  
inclusão:   trabalhavam   na   Estratégia   Saúde   da   Família   no   município   de   Sobral,   CE   e   ter   realizado  
atendimento   e   notificação   de   casos   de   sífilis   na   gestação   no   primeiro   semestre   de   2015.   As  
enfermeiras  que  atenderam  aos  critérios  de  inclusão,  nenhuma  se  recusou  a  participar  da  pesquisa.  
Período   de   coleta   dos   dados   foi   de   novembro   a   dezembro   de   2015,   tempo   este   necessário   para  
realizar   as   entrevistas   e   obter   informações   sobre   dificuldades   e   estratégias   das   enfermeiras   para  
adesão  dos  parceiros  das  gestantes  com  diagnóstico  de  sífilis.  Após  a  identificação  das  enfermeiras,  
solicitava-­‐se  permissão  para  a  realização  da  pesquisa,  explicando-­‐se    o  objetivo  e  a  importância  do  
estudo   e   após   aceite   com   a   assinatura   do   termo   do   estudo   de   consentimento   livre   e   esclarecido,  
iniciava-­‐se     a   entrevista   sobre   o   qual   era   garantido,   sigilo   e   anonimato   de   acordo   com   a   resolução  
466/12   do   Conselho   Nacional   de   Saúde   com   aprovação   do   projeto   pelo   Comitê   de   Ética   em   Pesquisa    
da   Universidade   Estadual   Vale   do   Acaraú   que   emitiu   parecer   de   aprovado   sob   o   nº   1.346.521.   O  
nome   das   enfermeiras   foi   codificado   pelas   iniciais   Enf.,   referente   à   nomenclatura   enfermeiro,  
seguido  de  número  arábico  conforme  a  ordem  de  realização  das  entrevistas.  
Na  coleta  de  dados  foi  utilizada  a  entrevista,  o  instrumento  foi  dividido  em  duas  partes:  na  primeira  
identificaram-­‐se  informações  que  caracterizassem  o  perfil  das  participantes.  A  segunda  era  composta  
por   perguntas   norteadoras   do   estudo   de   forma   a   conhecer   a   abordagem   destes   profissionais   na  
realização   da   busca   ativa   de   parceiros   sexuais   de   gestantes   com   sífilis,   bem   como,   aspectos  
relacionas   à   conduta,   formulando-­‐se   as   seguintes   questões   norteadoras   do   estudo:   Quais   as  
estratégias   para   que   o   companheiro/parceiro   faça   junto   com   a   gestante   o   tratamento   da   sífilis?  
Quais  os  desafios  enfrentados  pelos  profissionais  enfermeiros  para  que  seja  feita  uma  boa  adesão  ao  
tratamento  da  sífilis  na  gestação?  
As  entrevistas  foram  realizadas  em  ambientes  dos  Centros  de  Saúde  da  Família  de  forma  reservada.  
O  registro  das  falas  ocorreu  através  do  uso  de  gravador,  sendo  previamente  solicitada  a  autorização  
para  o  seu  uso.  A  duração  média  das  entrevistas  foi  de  15  minutos.  
Para   organização   das   falas   das   entrevistas,   foram   realizadas   suas   transcrições   e   leituras   exaustivas.  
Em   seguida   realizado   recorte,   agrupamento   e   codificação   das   mesmas.   A   análise   dos   dados   foi  
efetuada  por  meio  da  Análise  Temática  (Minayo,  2010),  que  visou  descobrir  núcleos  de  sentido  das  
entrevistas.   Nessa,   o   pesquisador   agrupa   os   dados   por   temas   e   examina   todos   os   casos   do   estudo  
para  ter  certeza  de  que  as  manifestações  de  cada  tema  foram  incluídas  e  comparadas,  com  vistas  a  
identificar   relações   existentes   (Minayo,   2010,   Domingues,   Hartz,   Leal,   2012).   Por   meio   dos   dados  
empíricos  foram  construídas  duas  categorias:  Estratégias  adotadas  pelas  enfermeiras  para  adesão  ao  

 
1586  
>>Atas  CIAIQ2016                                                                                                                                      >>Investigação  Qualitativa  em  Saúde//Investigación  Cualitativa  en  Salud//Volume  2  
 
 
 
tratamento  dos  parceiros  de  gestantes  com  sífilis  e  Desafios  na  adesão  ao  tratamento  dos  parceiros  
de  gestantes  com  sífilis.  

3  Resultados    

Caracterização  das  participantes    


Participaram   do   estudo   nove   enfermeiros   que   prestaram   atendimento   a   casos   de   gestantes   com  
sífilis,  nas  Unidades  Básicas  de  Saúde  selecionadas  para  o  estudo.  As  participantes  do  estudo  eram  
do  sexo  feminino,  com  idade  entre  24  e  40  anos.    
Em  relação  ao  tempo  de  formada,  quatro  tinham  mais  de  dez  anos  da  conclusão  da  graduação,  sete  
possuíam  especialização,  principalmente,  em  Saúde  Pública  e  Saúde  da  Família,  e  uma  está  cursando.    
Análise   das   entrevistas   permitiu   elaboração   das   seguintes   categorias:   Estratégias   adotadas   pelas  
enfermeiras  para  a  adesão  ao  tratamento  dos  parceiros  de  gestantes  com  sífilis  e  Desafios  na  adesão  
ao  tratamento  dos  parceiros  de  gestantes  com  sífilis.    
Categoria  1  :  Estratégias  adotadas  pelas  enfermeiras  para  a  adesão  ao  tratamento  dos  parceiros  de  
gestantes  com  sífilis  
Observa-­‐se  que,  em  geral,  as  entrevistadas  consideram  a  construção  de  vínculo  uma  ação  que  amplia  
a  eficácia  do  tratamento,  favorecendo  a  participação  do  parceiro  nas  ações  desenvolvidas  por  meio  
de  uma  boa  acolhida,  uma  escuta  qualificada  e  corresponsabilização.    
“Sim.   Após   estabelecermos   o   vínculo   com   o   portador   da   patologia,   a   abordagem,   bem   como   a  
continuidade  do  tratamento  torna-­‐se  flexível  e  você  obtém  bons  resultados  na  adesão.”  (  Enf.  7)  
 “Sim,   pois   de   uma   forma   geral   conseguimos   realizar   uma   abordagem,   já   que   possuímos   um   bom  
vínculo.”  (Enf.1)  
“Estabelecer   empatia,   boa   comunicação   ao   esclarecer   benefícios   do   tratamento   tanto   para   o  
companheiro,  como  para  a  gestante  e  seu  futuro  filho.”  (  Enf.  4  )  
 
Outra   estratégia   considerada   importante   pelas   Enfermeiras   são   as   ações   de   educação   em   saúde  
utilizando   materiais   impressos   abordando   informações   sobre   a   doença   com   construção  
compartilhada  de  conhecimento  induzindo-­‐os  a  mudanças  de  comportamentos.    
 
“Oriento  riscos,    tratamento  e  riscos  ao  feto.”(Enf.  3)  
“Oriento  as  consequências  para  o  feto,  em  caso  de  não  adesão  ao    tratamento.  “  (  Enf.  1)  
“Conscientização,  sensibilização,  orientações  quanto  a  importância  do  tratamento  para  o  bem  estar  
da  gestação.”    (Enf.  9)  
“Apresentando   álbum   seriado   de   DST,   então   gera   impacto   no   paciente   e   possíveis   consequências  
futuras,  caso  não  venha  a  fazer  tratamento.”  (Enf.  4)  
“Primeiro  precisa-­‐se  esclarecer  o  caso  em  questão,  abordando  os  riscos  de  Sífilis  na  gestação.  Depois,  
abordando  o  que  é  a  doença,  sintomas  clínicos  e  riscos.  A  UBS  possui  álbum  seriado  para  este  fim.”  
(Enf.  5)  
[...]  fazemos  aquela  abordagem  bem  impactante  (Enf.  4)  
 
As   participantes   também   deram   ênfase   a   qualificação   profissional   como   estratégia   na   garantia   de  
adesão   ao   tratamento.   Suas   falas   evidenciaram   que   um   profissional   preparado   e   com   experiência  
apresenta  mais  competência  e  menor  dificuldade  na  abordagem  dos  homens  com  sífilis.  
“Sim,   o   município   em   questão   realizou   capacitações   nos   preparando   para   atuar   nos   casos   de  
gestantes   e   parceiros   com   sífilis   (Educação   Permanente)   descentralizada,   no   caso   COAS   para   este  
fim”.  (Enf.  5)  

 
1587  
>>Atas  CIAIQ2016                                                                                                                                      >>Investigação  Qualitativa  em  Saúde//Investigación  Cualitativa  en  Salud//Volume  2  
 
 
 
“Sim,  devido  as  informações  em  treinamentos”.  (Enf.  2)  
 “Sim,   devido   o   protocolo   de   sífilis,   pois   conduzimos   o   tratamento   e   a   abordagem  da  gestante  e  do  
parceiro.“  (Enf.  6)  
 
Categoria  2-­‐  Desafios  na  adesão  ao  tratamento  dos  parceiros  de  gestantes  com  sífilis  
No   que   diz   respeito   aos   desafios,   foi   notório   nas   falas   das   participantes   que   o   desconhecimento  
sobre  a  doença,  as  formas  de  prevenção  e  tratamento  são  uns  dos  fatores  que  dificultam  a  adesão  
do   casal.   Em   relação   ao   tratamento,   a   terapia   medicamentosa   intramuscular   contribui   para   a  
resistência   pela   dor   na   administração   e   a   quantidade   de   doses   necessárias   para   a   conclusão   do  
tratamento.    Esta  condição  foi  relatada  por  uma  enfermeira,  enquanto  outra  participante  considerou  
que   o   tratamento   é   bem   aceito,   porém,   o   que   dificulta   é   a   realização   do   exame   VDRL   mensal  
quantitativo  importante  para  o  seguimento.    
 
“   Paciente   leigo,   com   pouca   orientação   sobre   a   doença,   de   difícil   adesão,   sempre   dificulta   para   o  
tratamento.”  (  Enf.  6)  
“Gestante  e  parceiro  que  não  reconhecem  no  tratamento  uma  forma  de  evitar  a  disseminação  para  o  
feto”(Enf.  9)  
“  A  dor  da  injeção  Penicilina  Benzatina,  em  3  semanas  seguidas  dificulta  o  tratamento(Enf.  2  )  
“O  tratamento  em  si  é  de  boa  aceitação.  O  desafio  maior  é  realizar  o  acompanhamento  mensal  VDRL  
Quantitativo  para  gestante.”  (Enf.  5  )  
 
Os   depoimentos   permitem   dizer   que   a   baixa   condição   socioeconômica,   riscos   e   vulnerabilidades  
também  constitui  um  desafio  na  adesão  do  parceiro    ao  tratamento.    
 
 “Falta  de  apoio  do  parceiro  na  gestação.“  (Enf.  7  )  
“Desafio   social   (mãe   solteira   e   multiparceiros),   desconhecimento   da   DST.   Preconceito   social,  
Gestações  não  planejadas.  Sigilo  das  informações  dos  pacientes.”  (Enf.  3)  
“Uso  de  álcool  e  drogas,  Profissionais  do  sexo  com  companheiros  caminhoneiros”(Enf.  4)  

4  Discussões    

Para   uma   boa   adesão   dos   parceiros   ao   tratamento,   as   participantes   revelam   que   o   acolhimento,  
empatia,  comunicação  eficaz,  são  ações  essenciais  para  a  construção  do   vínculo   entre   profissionais  
da   Atenção   Básica   e   usuários.   O   vínculo   é   de   fundamental   importância   para   a   melhoria   do  
atendimento,   pois   é   a   partir   desse   componente   que   o   enfermeiro   estabelece   uma   relação   de  
confiança  com  o  usuário  no  cotidiano.    
Empatia   lembra   compreensão   com   o   semelhante,   pois   cuidar     requer   a   empatia,   ou   seja,  
desenvolvimento  de    ações,  colocar-­‐se  no  lugar  do  outro,  ouvindo  e  sentindo  as  suas  necessidades,  a  
fim  de  identificar  como  o  paciente  percebe  e  sente  a  sua    situação  (Veiga  &  Santos  ,  2010).  
Os   depoimentos   confirmam   o   mérito   do   vínculo   entre   comunidade   e   enfermeiro   ao   realizar   a  
assistência  pré-­‐natal.  Assim,  Figueiredo  &  Tonini,  2007  diz  que  é  necessário  desenvolver,  durante  um  
contato   mais   próximo   com   a   população,   o   que   lhe   proporciona   um   elo   maior,   fazendo   assim   o  
reforço  de  ações  de  prevenção  e    diagnóstico.  
De   acordo   com   a   Política   Nacional   de   Atenção   Básica   (PNAB),   o   vínculo   tem   a   finalidade   de  
estabelecer   relação   de   afetividade   entre   profissional   e   usuário,   família,   comunidade,   baseada   na  
ética,   na   corresponsabilidade,   no   respeito   e   na   confiança.   A   construção   do   vínculo   não   depende  
apenas   da   equipe   de   saúde,   mas   também   dos   usuários   além   de   carregar   em   si   um   potencial  

 
1588  
>>Atas  CIAIQ2016                                                                                                                                      >>Investigação  Qualitativa  em  Saúde//Investigación  Cualitativa  en  Salud//Volume  2  
 
 
 
terapêutico.   A   base   do   vínculo   para   a   equipe   é   o   compromisso   com   a   saúde   daqueles   que   a  
procuram,  ou  são  por  ela  procurados  (Brasil,  2012).  
No   que   diz   respeito   à   abordagem   de   parceiros   sexuais   de   gestantes   com   sífilis,   neste   estudo,   os  
enfermeiros   desenvolvem   ações   proativas   de   educação   em   saúde,   que   contribuem  
significativamente   à   adesão   do   parceiro   ao   tratamento   da   sífilis   adquirida,   com   orientações   e  
sensibilizações   por   meio   de   materiais   impressos   sobre   a   importância   do   tratamento   simultâneo   do  
casal,  com  vistas  à  prevenção  da  transmissão  vertical  na  gestação  atual  e  futura.    
O  diálogo  e  a  utilização  de  imagens  e  textos  sobre  determinada  patologia,  despertam  nos  usuários  
um   olhar   diferente   sobre   a   doença,   que   dependo   do   estágio   é   assintomática,   mas   requer   cuidado.  
Segundo   Almeida   Filho,   Morais   &   Peres   (2009)   é   necessário   reinventar   a   prática   de   enfermagem  
utilizando  recursos  criativos  e  imaginativos.  
Dentre   os   recursos   de   educação   em   saúde,   destaca-­‐se   o   uso   de   materiais   impressos   cujo   conteúdo   é  
definido  em  função  do  que  se  quer  transmitir  e  do  receptor  que  se  busca  atingir          (Oliveira,  2007).  
Nesse   contexto,   educação   em   Saúde   é   um   processo   de   pensar   e   fazer   emancipatório   de   interesse   da  
pessoa  e  coletividade,  portanto,  instrumento  essencial  do  trabalho  de  cuidar  em  Enfermagem,  que  
deve   envolver   profissionais   comprometimentos   para   assegurar   prática   educativa   em   saúde   que  
envolva  a  família  e  a  comunidade  (Leite,  Machado,  Quirino  &  Machado,  2014).    
Considerando  a  complexidade  da  abordagem  aos  parceiros  de  gestantes  com  sífilis,  as  participantes  
consideraram   que   a   qualificação   profissional   é   um   fator   facilitador   para   a   melhoria   na   abordagem,  
sensibilização   e   tratamento   dos   parceiros.   Os   momentos   de   educação   permanente   e   capacitações  
desenvolvidas   pela   secretaria   de   saúde   de   Sobral   contribuem   para   a   adequada   condução   do  
tratamento  do  homem  portador  de  sífilis.    
A   educação   permanente,   parte   do   pressuposto   da   aprendizagem   significativa   (promove   e   produz  
sentidos)  e  propõe  que  a  transformação  das  práticas  profissionais  deva  basear-­‐se  na  reflexão  crítica  
sobre   as   ações   concretas   dos   profissionais   na   rede   de   serviços.   Propõe   que   os   processos   de  
capacitação  do  pessoal  da  saúde  sejam  estruturados,  a  partir  da  problematização  do  seu  processo  de  
trabalho   e   que   tenham   como   objetivo   a   transformação   das   práticas   profissionais   e   da   própria  
organização  do  trabalho  (Brasil,  2006).  
No   presente   estudo,   as   participantes   colocaram   em   destaque   alguns   desafios   para   a   adesão   ao  
tratamento   relacionado   aos   parceiros   de   gestantes,   como:   desconhecimento   da   doença,   baixa  
condição   socioeconômica,   riscos   e   vulnerabilidades,     terapia   medicamentosa   e   seguimento   do  
tratamento.  
 Por   uma   série   de   razões,   as   gestantes   e   parceiros   continuam   sem   saber   o   que   é   a   doença,   como  
ocorre  a  transmissão  da  sífilis  e  a  existência  de  prevenção  para  ela.  Como  a  sífilis  apresenta  sinais  e  
sintomas   que   passam   muitas   vezes   despercebidos,   ela   não   é   vista   como   uma   doença,   dificultando  
assim   o   tratamento   e   entendimento   sobre   sua   transmissão   (Cavalcante,   Silva,   Rodrigues,   Neto,  
Moreira  &  Goyanna,  2012).  
Brasil   (2015)   afirma   que   o   nível   de   instrução   dos   indivíduos   pode   ter   efeito   na   percepção   dos  
problemas  de  saúde  e  na  capacidade  de  entendimento  das  informações  nessa  área,  como  também  
no  consumo  e  na  utilização  dos  serviços  de  saúde  e  na  adesão  aos  procedimentos  terapêuticos.    
Dessa  forma,  percebemos  que  o  conhecimento  inadequado  das  gestantes  e  seus  parceiros  também  
podem   estar   associados   ao   seu   nível   de   escolaridade.   Outra   questão   é   que   o   pouco   conhecimento  
das   mulheres   quanto   à   sífilis   pode   ter   sido   adquirido   somente   após   a   confirmação   da   doença.   Isso  
nos  leva  a  acreditar  que  antes  do  diagnóstico  as  mulheres  não  possuíam  conhecimento  algum  acerca  
da  sífilis.  
É  importante  destacar  a  possibilidade  de  que  as   gestantes  e  parceiros  tenham  sido  informados  sobre  
a  doença  e  este  resultado  sugere  a  necessidade  de  reavaliar  as  estratégias  educativas  que,  ao  longo  
da  história,  vêm  sendo  reproduzidas  dentro  do  setor  saúde.  Também  é  de  se  esperar  que  populações  

 
1589  
>>Atas  CIAIQ2016                                                                                                                                      >>Investigação  Qualitativa  em  Saúde//Investigación  Cualitativa  en  Salud//Volume  2  
 
 
 
pobres,  com  baixo  nível  de  escolaridade,  tenham  dificuldades  de  apreender  informações  (Silva,  Brito,  
Freire,  Pedrosa,  Sales  &  Lages,  2010).  
 Estudo   realizado   no   Rio   de   Janeiro   mostrou   que   os   parceiros   de   gestantes   com   relacionamento  
estável,   apresentam   24   vezes   maiores   chances   de   adesão   ao   tratamento   em   comparação   aos  
parceiros  de  relacionamentos  casuais  (Hildebrand,  2010).    
 O   desconforto   gerado   pela   aplicação   intramuscular   da   penicilina   benzatina   influencia   na   aderência  
ao  tratamento.  Deve  ser  tentado  alternativas  de  tratamento  com  outras  drogas  que,  de  preferência,  
deveria   ser   ministrado   em   dose   única,   visto   que   o   seu   objetivo   é   a   quebra   imediata   da   cadeia   de  
transmissão  (Brasil,  2006).    

5  Considerações  Finais    

Estudo  indicou  as  estratégias  das  Enfermeiras  da  atenção  básica  quanto  aos  fatores  que  interferem  
na   adesão   ao   tratamento   de   parceiros   sexuais   de   gestantes   com   sífilis.   Identificou-­‐se   que   para   as  
participantes,   a   qualificação   profissional   contínua   e   a   construção   do   vínculo   estabelecido   com   o  
usuário  facilita  o  acompanhamento,  a  adesão  ao  serviço  e  tratamento  adequado.    
As   gestantes   e   parceiros   vivenciam   dificuldades   associadas   a   contexto   sociais   no   qual   estão   inseridos  
como   baixa   condição   socioeconômica,   baixo  nível   de   escolaridade,   multiplicidade   de   parceiros,  uso  
de  substâncias  ilícitas  e  desconhecimento  acerca  da  doença.    
A   carência   de   informações   acerca   da   sífilis   foi   notória   nesse   estudo.   O   conhecimento   é   inerente   à  
prevenção  e  à  adesão  ao  tratamento  da  doença  e  o  seu  desconhecimento  torna  a  problemática  da  
sífilis   ainda   maior,   ocasionando   sentimentos   e   atitudes   que   dificultam   o   processo   de   cura   e  
prevenção  da  doença.    
Dessa   forma,   observamos   que   lidar   com   parceiros   sexuais   das   gestantes   com   sífilis   e   garantir   a  
realização   do   tratamento   tornaram-­‐se   grandes   desafios   para   atenção   básica.   Os   resultados  
apontaram   a   necessidade   de   promoção   de   ações     das   profissionais   de   saúde     direcionadas   a    
educação   em   saúde,   controle   da   doença,   incluindo   ações   de   notificação,   busca   ativa,   tratamento  
adequado   e   acompanhamento   sorológico   para   comprovação   da   cura,   a   fim   de   que   possam   ser  
propostas  mudanças  que  impliquem  em  um  melhor  enfrentamento  da  doença  e,  por  sua  vez,  numa  
melhor  qualidade  de  vida  às  gestantes  e  seus  parceiros  sexuais.  
A  partir  destas  considerações,  espera-­‐se  que  este  estudo  possa  contribuir  para  atuação  diferenciada  
do  enfermeiro  diante  da  problemática  da  sífilis  e  repensar  de  práticas  efetivas  para  superação  deste  
problema  de  saúde  pública.  

Referências  

Almeida     Filho,   A.   J,   Morais,   A.   E.   C,   Peres,   M.   A.   A,(2009)   Atuação   do   enfermeiro   nos   centros   de  


atenção   psicossocial:   implicações   históricas   da   enfermagem   psiquiátrica.   Rev.   Rene.   fortaleza,   v.  
10,   n.   2,   p.   158-­‐165,   abr./jun.2009.   Disponível   em:     <  
http://www.revistarene.ufc.br/vol10n2_pdf/a18v  10n2.pdf>.  Acesso  em  12  Nov  2015.  

 Brasil   (2006).   Ministério   da   Saúde.   Secretaria   de   Vigilância   em   Saúde.   Programa   Nacional   de   DST  
Aids.  Manual  de  Controle  de  Doenças  Sexualmente  Transmissíveis.  4a  ed.  Brasília  (DF).  

 
1590  
>>Atas  CIAIQ2016                                                                                                                                      >>Investigação  Qualitativa  em  Saúde//Investigación  Cualitativa  en  Salud//Volume  2  
 
 
 
Brasil  (2006).  Ministério  da  Saúde(MS),  Secretaria  de  Vigilância  em  Saúde.  Política  nacional  promoção  
da  saúde.  Brasília:  Ministério  da  Saúde.  

Brasil   (2006).   Ministério   da   Saúde.   Secretaria   de   Atenção   à   Saúde.   Departamento   de   Atenção   Básica.  
HIV/Aids,  hepatites  e  outras  DST  –  Brasília:  Ministério  da  Saúde.  

Brasil   (2008).   Ministério   da   Saúde.   As   causas   sociais   das   iniquidades   em   Saúde   no   Brasil.   Relatório  
Final   da   Comissão   Nacional   sobre   Determinantes   Sociais   da   Saúde.   1-­‐216.   Brasília:   Ministério   da  
Saúde,  2008  

Brasil   (2010).   Ministério   da   Saúde.   Coordenação   de   Doenças   Sexualmente   Transmissíveis   e   Aids.  


Sífilis:  Estratégias  para  Diagnóstico  no  Brasil.  Brasília,  DF,  Virtual  Editora.  

Brasil   (2010).   Ministério   da   Saúde   (MS).   Boletim   Epidemiológico   Aids-­‐DST   2010,   7(1):45   [Disponível  
em  http://www.aids.gov.br/publicacao/boletim-­‐epidemiologico.  

Brasil   (2012).   Ministério   da   Saúde.   Coordenação   de   Vigilância,   Informação   e   Pesquisa.   Boletim  


epidemiológico  Sífilis.  Brasília,  DF,  Ministério  da  Saúde.  

Brasil   (2015).   Ministério   da   Saúde   -­‐   Secretaria   de   Vigilância   em   Saúde  -­‐   Departamento   de   DST,   Aids   e  
Hepatites   Virais.   Boletim   Epidemiológico   –   Sífilis   2015.   Ano   IV-­‐   nº   1.   Brasília.  
http://www.aids.gov.br/sites/.  Acesso  em  11/11/2015.  

Cavalcante,   A.E.S.   ,   Silva,   M.A.M.,   Rodrigues,   A.R.M.,   José   Jeová   Mourão   Netto,   J.J.M.,     Moreira,  
A.C.A.,   Goyanna,   N.F.,   (2012).   Diagnóstico   e   Tratamento   da   Sífilis:   uma   Investigação   com   Mulheres  
Assistidas   na   Atenção   Básica   em   Sobral,   Ceará   DST   -­‐   J   bras   Doenças   Sex   Transm   ,24(4):239-­‐245   -­‐  
ISSN:  0103-­‐4065  -­‐  ISSN  on-­‐line:  2177-­‐8264  

Feliciano   Veiga   &   Elisabete   Santos,   (2010).   Uma   Escala   de   Avaliação   da   Empatia:   Adaptação  
Portugesa  do  Questionnaire  to  Assess  Affective  and  Cognitive  Empathy.  Instituto  de  Educação  da  
Universidade  de  Lisboa.  

FIGUEIREDO,   N.M.A.,   TONINI,   T.   (2007).SUS   e   PSF   para   enfermagem:   práticas   para   o   cuidado   em  
saúde   coletiva.   São   Caetano   do   Sul,   SP:   Yends   Editora.  
Leia   mais   em:  http://www.webartigos.com/artigos/acoes-­‐de-­‐enfermagem-­‐na-­‐educacao-­‐e-­‐
prevencao-­‐de-­‐gravidez-­‐na-­‐adolescencia/58570/#ixzz43T1Mj5ux  

Hildebrand,   V.   L.   P.   C.(2010).   Sífilis   congênita:   fatores   associados   ao   tratamento   das   gestantes   e   seus  
parceiros.  Rio  de  Janeiro,  2010.  74  f.  Dissertação  (Mestrado)  da  Escola  Nacional  de  Saúde  Pública  
Sérgio  Arouca,  Rio  de  Janeiro.  

Leite,   C.T.,   Vieira,   R.P.,   Machado,   C.A.,   Quirino   GS,   Machado,   M.F.A.S.,(2014).   Prática   de   educação  
em  saúde  percebida  por  escolares.  Cogitare  Enferm,  19(1):13-­‐26.  

Minayo,   M.C.S.,   (2010).   O   desafio   do   conhecimento:   pesquisa   qualitativa   em   saúde.   12ª   ed.   São  
Paulo:  Hucitec.  

 
1591  
>>Atas  CIAIQ2016                                                                                                                                      >>Investigação  Qualitativa  em  Saúde//Investigación  Cualitativa  en  Salud//Volume  2  
 
 
 
OLIVEIRA,   Vânia   Lúcia   Bezerra,   (2014).   Modelo   explicativo   popular   e   profissional   das   mensagens   de  
cartazes   utilizados   nas   campanhas   de   saúde.   Texto   Contexto   -­‐   Enferm.,   Florianópolis,   v.   16,   n.   2,  
June  2007  .  

Organização   Mundial   de   Saúde,   OMS,(2008).   Eliminação   mundial   da   sífilis   congênita:   fundamento  


lógico  e  estratégia  para  ação.  Washington.  

Saraceni,   Valéria,   &   Miranda,   Angélica   Espinosa.   (2012).   Relação   entre   a   cobertura   da   Estratégia  
Saúde   da   Família   e   o   diagnóstico   de   sífilis   na   gestação   e   sífilis   congênita.  Cadernos   de   Saúde  
Pública,  28(3),  490-­‐496.https://dx.doi.org/10.1590/S0102-­‐311X2012000300009  

 Silva   MRF,   Brito   ESV,   Freire   LCG,   Pedrosa   MM,   Sales   VMB,   Lages   I.   (2010).   Percepção   de   mulheres  
com  relação  à  ocorrência  de  sífilis  congênita  em  seus  conceptos.  Rev  APS.  13(3):301-­‐309.    

 
 

 
1592  

Você também pode gostar