Você está na página 1de 36

Comparação de técnicas visuais e

acústicas na realização de censos


populacionais de cetáceos nos
Açores

Rute Isabel Cabecinhas


OBJECTIVOS
 Desenvolvimento e avaliação de técnicas

acústicas e visuais para censos populacionais

 Estimação de abundâncias relativas


 Comparação das duas técnicas aplicadas

CONSERVAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DAS


POPULAÇÕES DE CETÁCEOS
IMPORTÂNCIA
 Escassez de trabalhos executados

 Ecologia dos cetáceos pouco conhecida na


área de estudo
 Condicionalismos das técnicas visuais

 APLICAÇÃO DOS 2 MÉTODOS EM SIMULTÂNEO

EM CENSOS POPULACIONAIS DE CETÁCEOS


METODOLOGIA
Localização
Área de estudo

39º15’ N
Graciosa

Terceira

38º45’
Faial S. Jorge

B Pico

38º15’

29º00’ 28º30’ 28º00’ 27º30’ 27º00’


Transectos
39.30

• Julho - Setembro
1999

• Grupo Central 39.00


G

• Censos acústicos
N
e visuais SJ
F
38.30
P
• Embarcação à
vela Patoruzoo

• Velocidades entre 38.00

os 3 e os 6 nós 29.00 28.30


W
28.00 27.30
Censos populacionais
• Censos visuais
• Observadores
• Binóculos com
bússola

• Censos acústicos
• Estações de gravação
de 15 em 15 min (2 min)
• Cadeia de hidrofones
CADEIA DE HIDROFONES

• 2 hidrofones Benthos AQ4 ligados a um gravador DAT

• Frequências lineares: ± 1 dB 1 Hz - 15 kHz

± 3 dB 15 kHz - 30 kHz

80 m

Hidrofones

3,5 m
Parâmetros analisados
• INTENSIDADE DO VENTO Interpolação

• ESTADO DO MAR Visual

• ALTURA DA ONDULAÇÃO Visual

• HORA DO DIA GPS

• RUÍDO DA EMBARCAÇÃO Qualitativo

• RUÍDO AMBIENTAL Qualitativo

• VELOCIDADE DA EMBARCAÇÃO Velocímetro


Parâmetros analisados

• ESTADO DO MAR

• ALTURA DA ONDULAÇÃO

• INTENSIDADE DO VENTO

• ESTADO DO TEMPO

• ALBEDO (“GLARE”)
RESULTADOS
ESFORÇO DE OBSERVAÇÃO

• 12 dias

• 334 Mn em
transectos

G
• 103 h 39.00

observações
N
visuais SJ
F
38.50
38.30
P

• 337 estações
acústicas – 674
min 38.00
-29.00 -28.50 -28.00 -27.50
29.00 28.30 W 28.00 27.30
Avistamentos e identificação de espécies

 36 encontros (28 avist.+ 8 reavist.)


 5 espécies diferentes
 Espécies + frequentes: Golfinho-pintado
Golfinho-comum

D esig naçã o científica D esign ação c om um D esig naçã o açorea na N º a vistam entos
Sten ella frontalis G olfin h o-pin tado T on in h a-p in tada 10
Pequen os delfin íd eos n . Id . - - 5
P hy se ter m acroce phalus C ach a lote B aleia 3
D elphinus delphis G olfin h o-com um T on in h a-m an sa 2
G ra m pu s grise us G olfin h o-d e-R isso M oleiro 2
M esop lo don sp . B aleia -d e-bico 2
O don tocetes n . Id . - - 2
Tursiops trun catus G olfin h o-r oa z T on in h a-brava 1
N ão – id en tificado - - 1
T ota l 28
Detecções e contactos acústicos

 131 detecções acústicas


- 108 sinais contínuos
- 58 sinais pulsados

 33 contactos acústicos:
- 88% delfinídeos
- 12% grandes odontocetes
RESULTADOS

ÍNDICES DE ABUNDÂNCIA
RELATIVA
ÍNDICES DE ABUNDÂNCIA RELATIVA
ESTIMADOS POR ÁREAS

 IAR Ac + elevado: Graciosa


 IAR Vis + elevado: Terceira
χ2 = 2.59, g.l. = 3, p > 0.05
 Diferenças entre Áreas: não significativas
χ2 = 0.55, g.l. = 3, p > 0.05

400 0.14
MILHAS PERCORRIDAS (Mn)

ÍNDICES DE ABUNDÂNCIA
350 0.12
300 0.1

RELATIVA
250
0.08
200
0.06
150
100 0.04

50 0.02
0 0
FP Gr Sj Te TOTAL M ilhas (M n)
ÁREAS IA R Vis
IA R A c
ÍNDICES DE ABUNDÂNCIA RELATIVA
ESTIMADOS POR HORA DO DIA

 IAR Ac + elevado: Manhã (10-12 h)

 IAR Vis + elevado: Final da tarde (16-18 h)


 ≠s entre
Períodos
MILHAS PERCORRIDAS (Mn)

80 0.16
Horários: não

ÍNDICES DE ABUNDÂNCIA
70 0.14
60 0.12 significativas

RELATIVA
50 0.1
40 0.08
χ2 = 3.06
30 0.06 g.l. = 5
20 0.04 p > 0.05
10 0.02
0 0 χ2 = 4.67
8h-10h 10h-12h 12h-14h 14h-16h 16h-18h 18h- g.l. = 5
p > 0.05
20:30 M ilhas (M n)
HORA DO DIA
IA R A c
IA R Vis
RESULTADOS

CAPACIDADE DE DETECÇÃO DE
CETÁCEOS
CAPACIDADE DE DETECÇÃO
ACÚSTICA
INFLUÊNCIA DA TAXA DE VOCALIZAÇÕES

 Maior actividade vocal: Manhã (10-12 h) e Final da tarde (18-20h30)

 Menor actividade vocal: Meio-dia (12-16 h)

 Padrão AMOSTRAGEM (Mn)


80 50
70
diurno 40
ESFORÇO DE

NÚMERO DE
DETECÇÕES
ACÚSTICAS
60
50 30
semelhante ao 40
20
30
20
IAR / Hora do 10
10

0 0
dia 8-10H 10-12H 12-14H 14-16H 16-18H 18-20:30H
HORA DO DIA
χ2 = 18.54
g.l. = 10 Milhas Detecções
p < 0.05
INFLUÊNCIA DO ESTADO DO MAR

 Taxa de Detecção Acústica: - Mar favorável (44%)


- Mar revolto (30%)

 Decréscimo significativo

100% 0.5

TAXA DE DETECÇÃO
AUSÊNCIAS NAS

80% 0.4
ESTAÇÕES (%)
PRESENÇAS E

ACÚSTICA
60% 0.3

40% 0.2

20% 0.1

0% 0
Mar Bom Mar Pobre
ESTADO DO MAR
χ2 = 7.22
g.l. = 1
p < 0.05 Estações Detecções Taxa
INTERFERÊNCIA DA VELOCIDADE DA
EMBARCAÇÃO

 Decréscimo significativo : 65% 20%

100% 0.8

TAXA DE DETECÇÃO
0.7
AUSÊNCIAS NAS

80%
ESTAÇÕES (%)

0.6
PRESENÇAS E

ACÚSTICA
60% 0.5
0.4
40% 0.3
20% 0.2
0.1
0% 0
Vel < 4 nós 4<=vel<=4.5 nós Vel > 4.5 nós
VELOCIDADE DA EMBARCAÇÃO

χ2 = 107.25
g.l. = 2
Estações Detecções Taxa
p < 0.05
INFLUÊNCIA DO RUÍDO
100% 1
AUSÊNCIAS NAS
ESTAÇÕES (%)
PRESENÇAS E

80% 0.8

DETECÇÃO
ACÚSTICA
TAXA DE
60% 0.6
40% 0.4
20% 0.2
0% 0  Decréscimo a partir
1 2 3 4
χ2 = 140.01 RUÍDO DA EMBARCAÇÃO
g.l. = 2
da categoria 2
p < 0.05 Estações Detecções Taxa

100% 0.6

TAXA DE DETECÇÃO
AUSÊNCIAS NAS
ESTAÇÕES (%) 80% 0.5
PRESENÇAS E

ACÚSTICA
0.4
60%
0.3
40%
0.2
20% 0.1
0% 0
1 2 3 4

RUÍDO AMBIENTAL χ2 = 20.86


 Categoria 4 – Taxa nula g.l. = 4
p < 0.05
Estações Detecções Taxa
CAPACIDADE DE DETECÇÃO
VISUAL
INFLUÊNCIA DOS FACTORES AMBIENTAIS

 ESTADO DO TEMPO ( χ2 = 3.09, g.l. = 7, p > 0.05 )


 GLARE ( χ2 = 3.26, g.l. = 3, p > 0.05 )
 INTENSIDADE DO VENTO ( χ2 = 3.58, g.l. = 6, p > 0.05 )
 ESTADO DO MAR ( χ2 = 3.58, g.l. = 6, p > 0.05 )
 ALTURA DA ONDULAÇÃO ( χ2 = 3.58, g.l. = 6, p > 0.05 )

 Diferenças Não Significativas


EFICÁCIA DAS DUAS TÉCNICAS

AVISTAMENTOS E
PERCORRIDAS
200 20

CONTACTOS
NÚMERO DE
MILHAS

150 15
(Mn)

100 10

50 5

0
0 1 2 3
0
☛ Em condições
TEMPO
Milhas (mn) Avist Contac
extremas de

AVISTAMENTOS E
DE CONTACTOS
PERCORRIDAS

NÚMERO DE
200 30

visibilidade
MILHAS

150
20
(Mn)

100
10
50

↳ Maior eficácia
0 0
< 1m >= 1m

ALTURA DA ONDULAÇÃO
Milhas (mn) Avist Contac
das tecn. acústicas
MILHAS PERCORRIDAS

120 14
AVISTAMENTOS E

100 12
CONTACTOS
NÚMERO DE

10
80
(Mn)

8
60
6
40
4
20 2
0 0
0 1 2 3

GLARE
Milhas (mn) Avist Contac
DISCUSSÃO
AVISTAMENTOS E DETECÇÕES

 Espécies avistadas: + frequentes no


verão na área de estudo

 A % de delfinídeos detectados
acusticamente está de acordo com as
observações visuais
ECOLOGIA E DISTRIBUIÇÃO

 Duas técnicas: IAR’s semelhantes

 Inexistência de zonas de > concentração de


cetáceos

 Espécies distribuem-se na área de modo


homogéneo
CAPACIDADE DE DETECÇÃO DE CETÁCEOS

ACÚSTICA VISUAL

 Estado do mar  Estado do mar


 Ruído ambiental  Albedo (“glare”)
 Ruído da embarcação  Intensidade do vento
 Velocidade da embarcação  Estado do tempo
 Padrão diurno de
 Altura da ondulação
vocalizações
 Intensidade do vento
 Altura da ondulação
CONSIDERAÇÕES FINAIS
OBSERVAÇÕES VISUAIS

 VANTAGENS :

 Baixos custos
 Outros estudos complementares

 DESVANTAGENS :
 Confinados a uma área
 Condições atmosféricas e de luminosidade
 Condições oceanográficas
 Comportamento dos indivíduos
 Limitação da distância
OBSERVAÇÕES ACÚSTICAS

 VANTAGENS :
 Maior alcance – extensão da área
 Menor impacto das cond. meteorológicas
 Menor impacto das cond. oceanográficas
 Independente das cond. visibilidade

 DESVANTAGENS :
 Elevado custo
 Dependentes do comportamento vocal dos
indivíduos
RECOMENDAÇÕES:

 Utilização de material adequado

 Monitorização contínua

 2 métodos em simultâneo: suplemento/”teste”

 Protocolos dos censos revistos


Agradecimentos

 DOP/UA.
 Dr. Junio Fabrizio Borsani
 Equipa de trabalho