Você está na página 1de 2

Segurança na Internet para crianças e adolescentes

Hoje em dia uma grande preocupação dos pais e educadores é o uso que o jovem faz da internet. Com o uso indiscriminado cada vez mais vemos jovens sendo envolvidos por pessoas que fazem abordagens maliciosas. Pessoas de má fé usam a internet para praticar atos ilícitos, atos que são considerados condenáveis pela moral e pela lei, exemplos claros de tais atos são as práticas dos pedófilos na rede mundial de computadores. Desta forma, resta-nos clara a necessidade de vigilância à esta navegação, liberar o uso indiscriminado, deixando que eles acessem qualquer site sem que adultos saibam o que estão acessando é no mínimo perigoso. Crianças e adolescentes são seres cuja personalidade ainda está em formação e em grande parte das vezes deixamse levar facilmente por qualquer conversa ardilosa, pois ainda não tem a experiência e a vivência de um adulto. Então proibir ou liberar? A reposta é: liberar, mas sob vigilância, tanto para as crianças como para os adolescentes. Veja, o verbo vigiar não tem um significado puramente ruim, como algumas pessoas hoje gostam de dizer. Às vezes é necessário sim, os filhos estarem sob nossa vigilância. Vigiar é estar atento e desta forma faz-se necessário aos pais que não gostam de computadores aprenderem a usar estes equipamentos para que possam seguir de pertos os caminhos pelos quais os filhos percorrem no mundo virtual. Vigiar significa agir preventivamente, para que não tenhamos que agir remediativamente, e aqui faço uso de um velho ditado popular: “Depois da porta arrombada, não adianta colocar tranca”. Ora, se com a segurança de nossa casa nós pensamos assim, colocamos alarmes, sensores, cerca eletrificada para que o meliante não adentre nossa propriedade, porque não agir da mesma forma com as crianças, prevenindo-nos antes que o pior aconteça? Hoje temos crianças com dez anos ou menos participando de sites de relacionamento, entrando em salas de chat (bate-papo) e os pais nem sequer sabem o que seus filhos estão fazendo, ou ainda sabem e não vêem mal nenhum nisto. Não raras vezes ouço pais dizendo que detestam computadores, não querem nem passar perto destes equipamentos e os filhos destes pais sabem usar computadores como ninguém. Ora, se você não quer nem passar perto, e seu filho usa e bem os computadores, você não terá a menor chance de saber por onde seu filho anda neste mundo virtual certo?

Então o que fazer? Começar do zero se for necessário e aprender como se opera um computador, aprender a examinar o histórico do equipamento para desta forma saber o que seu filho tem acessado e ainda adotar algumas medidas de segurança tais como:  Manter um diálogo aberto mostrando-lhes os perigos do mundo virtual;  Informar quais são os riscos de acessar qualquer site da internet sem saber seu conteúdo;  Manter combinados, deixando claro que ele não deve apagar o histórico para que você saiba o que está sendo acessando;  Proibir o acesso à salas de chat;  Combinar com ele que só adicione pessoas no Orkut, MSN e sites do tipo que façam parte de seu relacionamento pessoal no mundo real e lhe informar a cada adição quem é o novo ingressante em sua rede;  Saber sempre as senhas que ele usa para estes acessos;  Manter o computador que a criança ou adolescente usa em áreas comuns da casa;  Instruir a não revelar informações pessoais tais como, endereços, telefones;  Usar programas de computador que facilitem o controle através de suas funcionalidades, tais como Windows, McAfee e outros antivírus;  Alertar-lhes para que não cliquem em links desconhecidos. Tais medidas visam minimizar o risco de nossos jovens na internet. Vele lembrar que o fundamental é que esta vigilância seja contínua, pois quando menos esperamos podemos ser surpreendidos por algo desagradável.

Autora: Yara R. Gonçalves Dias Consultora em Segurança especialista em escolas e condomínios.Graduada em Direito e Pedagogia, cursando último semestre do MBA em Gestão Estratégica de Segurança Empresarial. Artigo publicado no jornal Diário da Manhã, Goiânia – GO - 27/10/2009 http://www.eagleseg.com.br/artigos.htm

e-mail: yara@eagleseg.com.br