Você está na página 1de 239

DIRETORIA DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO SAEB/ANA 2016 DA EDUCAÇÃO BÁSICA


PANORAMA DO BRASIL DAEB

E DOS ESTADOS
REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO | MEC

SECRETARIA EXECUTIVA DO MEC

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS


EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA | INEP

DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA | DAEB


RELATÓRIO
saeb/ana 2016
panorama DO Brasil
e dos Estados

Brasília-DF
AGOSTO/2018
Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep)
É permitida a reprodução total ou parcial desta publicação, desde que citada a fonte.

DiretorIa de Avaliação da Educação Básica (Daeb)

COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA NACIONAL


DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA (CGSNAEB)

COORDENAÇÃO-GERAL DE INSTRUMENTOS E MEDIDAS (CGIM)

DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS (Deed)

COORDENAÇÃO-GERAL DE CONTROLE DE QUALIDADE


E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO (CGCQTI)

Coordenação de Editoração e Publicações (CoeP)

Projeto Gráfico
Marcos Hartwich

capa
Raphael Freitas

Diagramação
José Miguel dos Santos

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

Relatório SAEB/ANA 2016: panorama do Brasil e dos estados. – Brasília : Instituto Nacional
de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2018.

235 p. : il.

ISBN 978-85-7863-060-7

1. Educação básica - Brasil. 2. Avaliação Nacional da Alfabetização. 3. Sistema de


Avaliação da Educação Básica. I. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais
Anísio Teixeira.
CDU 373.5(81)
Sumário

APRESENTAÇÃO........................................................................................................................... 9

PARTE 1 – INTRODUÇÃO............................................................................................................. 11
1.1 Sistema de Avaliação da Educação Básica – Edição 2016............................................... 13
1.2 Contextualização............................................................................................................ 14
1.3 Conceitos utilizados neste relatório................................................................................16

PARTE 2 – METODOLOGIA..........................................................................................................19
2.1 Conceitos Fundamentais: Alfabetização e Letramento.................................................21
2.2 Matrizes de Referência dos Testes................................................................................ 22
2.2.1 Matriz de Referência de Língua Portuguesa (Leitura e Escrita)......................... 22
2.2.2 Matriz de Referência de Matemática................................................................. 23
2.3 Instrumentos................................................................................................................. 24
2.3.1 Blocos e Cadernos de Testes................................................................................ 24
2.3.2 Questionários....................................................................................................... 26
2.4 Aplicação....................................................................................................................... 26
2.4.1 Aplicação aos alunos com deficiência................................................................. 27
2.5 Correção dos Testes......................................................................................................30
2.5.1 Itens de múltipla escolha....................................................................................30
2.5.2 Itens de resposta construída.................................................................................31
2.6 Escalas de Proficiência.................................................................................................. 32
2.6.1 Interpretação da Escala de Proficiência em Leitura............................................ 33
2.6.2 Interpretação das Escalas de Proficiência em Escrita..........................................41
2.6.3 Interpretação das Escalas de Proficiência em Matemática................................ 47

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados
PARTE 3 – PANORAMA DO BRASIL............................................................................................. 59
3.1 Indicadores do público-alvo.......................................................................................... 62
3.2 Público previsto............................................................................................................. 70
3.3 Resultados de proficiência............................................................................................ 72

PARTE 4 – PANORAMAS DOS ESTADOS......................................................................................81

Região Norte
Acre............................................................................................................................... 85
Amapá...........................................................................................................................89
Amazonas...................................................................................................................... 93
Pará................................................................................................................................ 97
Rondônia......................................................................................................................101
Roraima....................................................................................................................... 105
Tocantins..................................................................................................................... 109

Região Nordeste
Alagoas......................................................................................................................... 115
Bahia............................................................................................................................. 119
Ceará............................................................................................................................123
Maranhão.....................................................................................................................127
Paraíba.......................................................................................................................... 131
Pernambuco.................................................................................................................135
Piauí............................................................................................................................. 139
Rio Grande do Norte................................................................................................... 143
Sergipe..........................................................................................................................147

Região Sudeste
Espírito Santo...............................................................................................................153
Minas Gerais.................................................................................................................157
Rio de Janeiro............................................................................................................... 161
São Paulo..................................................................................................................... 165

Região Sul
Paraná........................................................................................................................... 171
Rio Grande do Sul.........................................................................................................175
Santa Catarina..............................................................................................................179

Região Centro-Oeste
Distrito Federal............................................................................................................ 185
Goiás............................................................................................................................ 189
Mato Grosso................................................................................................................ 193
Mato Grosso do Sul......................................................................................................197

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS............................................................................................... 201

ANEXOS....................................................................................................................................203

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados
LISTA DE
ilustrações

FIGURAS

Figura 1 – Distribuição das escolas entre as Regiões Geográficas...................................... 71

GRÁFICOS

Gráfico 1 – Percentual de docentes em cada grupo para o Brasil


e Regiões Geográficas......................................................................................... 63
Gráfico 2 – Percentual de escolas em cada nível de Complexidade da Gestão
para o Brasil e Regiões Geográficas.................................................................... 64
Gráfico 3 – Percentual de escolas com turmas com até 24 alunos para o Brasil
e Regiões Geográficas......................................................................................... 65
Gráfico 4 – Percentual de escolas que possuem dependência acessível ao público
e banheiros acessíveis para o Brasil e Regiões Geográficas............................... 65
Gráfico 5 – Percentual de escolas que possuem acesso à internet e computadores
destinados aos alunos para o Brasil e Regiões Geográficas............................... 66
Gráfico 6 – Percentual de escolas que possuem biblioteca e sala de leitura para
o Brasil e Regiões Geográficas............................................................................ 67
Gráfico 7 – Percentual de alunos em tempo integral para o Brasil
e Regiões Geográficas......................................................................................... 68
Gráfico 8 – Indicador de Nível Socioeconômico das Escolas público-alvo
do SAEB/ANA 2016 ............................................................................................ 69

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 5
Gráfico 9 – Percentual de estudantes do 3º ano do ensino fundamental em
Distorção idade-série para Brasil e Regiões Geográficas................................... 72
Gráfico 10 – Distribuição percentual dos estudantes nos níveis de proficiência
em Leitura, por região geográfica e UF.............................................................. 73
Gráfico 11 – Distribuição percentual dos estudantes nos níveis de proficiência
em Escrita, por região geográfica e UF.............................................................. 75
Gráfico 12 – Distribuição percentual dos estudantes nos níveis de proficiência em
Matemática, por região geográfica e UF............................................................ 76

Quadros

Quadro 1 – Definição dos conceitos utilizados neste relatório............................................ 16


Quadro 2 – Matriz de Referência de Língua Portuguesa...................................................... 23
Quadro 3 – Matriz de Referência de Matemática................................................................. 23
Quadro 4 – Rotação de blocos de Leitura e Matemática...................................................... 25
Quadro 5 – Rotação de blocos de Escrita.............................................................................. 26
Quadro 6 – Atendimento especializado aos alunos informados no
Censo Escolar...................................................................................................... 28
Quadro 7 – Materiais previstos nos kits de atendimento especializado.............................. 28
Quadro 8 – Atendimento especializado aos alunos não informados no
Censo Escolar...................................................................................................... 30
Quadro 9 – Interpretação pedagógica da escala de Leitura................................................. 33
Quadro 10 – Interpretação pedagógica da escala de Escrita.................................................. 41
Quadro 11 – Interpretação pedagógica da escala de Matemática......................................... 47
Quadro 12 – Categorização de problemas envolvendo as quatro
operações básicas............................................................................................... 50

TABELAS

Tabela 1 – Indicador de Nível Socioeconomico das Escolas Públicas Alvo


do Saeb/Ana 2016.............................................................................................. 69
Tabela 2 – Número de escolas previstas do SAEB/ANA 2016, por dependência
administrativa e localização................................................................................ 70
Tabela 3 – Número de estudantes previstos do SAEB/ANA 2016, por sexo, em 2016....... 71
Tabela 4 – Número de estudantes previstos do SAEB/ANA 2016, por raça/cor,
em 2016.............................................................................................................. 72
Tabela 5 – Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa,
localização e área................................................................................................ 72
Tabela 6 – Percentual de estudantes previstos presentes por área................................... 73

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


6 Panorama do Brasil e dos Estados
Tabela 7 – Proficiências médias nacionais comparadas por dependência
administrativa, localização e área...................................................................... 78
Tabela 8 – Proficiências médias regionais comparadas em Leitura por
dependência administrativa, localização, área e região geográfica.................. 78
Tabela 9 – Proficiências médias regionais comparadas em Escrita por
dependência administrativa, localização, área e região geográfica.................. 79
Tabela 10 – Proficiências médias regionais comparadas em Matemática por
dependência administrativa, localização, área e região geográfica.................. 79

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 7
APRESENTAÇÃO

O Relatório da Edição 2016 do Sistema de Avaliação da Educação Básica – Avaliação


Nacional de Alfabetização (SAEB/ANA), produzido pelo Instituto Nacional de Estudos e
Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), tem por objetivo apresentar os resultados dos
instrumentos de avaliação aplicados em novembro de 2016. O documento serve como subsídio
para compreensão e análise do cenário nacional e das 27 unidades da federação. A publicação
do Relatório, prevista na Portaria INEP nº 410, de 22 de julho de 2016, visa dar continuidade
ao processo de disseminação das informações da avaliação, já divulgadas nos Boletins das
Escolas, no Painel Educacional de Estados e Municípios e nos Microdados. O documento
elaborado tem a função de subsidiar gestores e demais profissionais da educação envolvidos
em atividades de planejamento, implementação e avaliação de políticas educacionais.
 Considerando a existência de documentos anteriores, já disponíveis no Portal do Inep,
que detalham a concepção e os pressupostos da avaliação – Documento Básico e Relatório
SAEB/ANA 2013-2014, a presente publicação concentra-se na apresentação dos resultados da
última edição. Sendo assim, o documento, organizado em quatro partes, descreve de maneira
breve os objetivos da avaliação e o público-alvo e, em seguida, os aspectos metodológicos dos
testes cognitivos aplicados, com descrição das matrizes de referência e escalas de interpretação
pedagógica utilizadas. Na terceira parte, apresenta-se um panorama de informações sobre
o Brasil, articulando os resultados de avaliação a informações importantes do Censo da
Educação Básica Escolar e a outros indicadores educacionais produzidos pelo Inep. Por fim,

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 9
há um panorama para cada um dos estados brasileiros, por meio dos quais as Secretarias
Estaduais e Municipais de Educação poderão consultar informações específicas e relevantes
de seu estado.
Espera-se que o Relatório seja um documento relevante para análise e reflexão sobre os
dados educacionais de alfabetização no Brasil e que as informações disponibilizadas possam
ser consideradas na elaboração de políticas educacionais.
 

Maria Inês Fini


Presidente do Inep
parte 1
introdução
1.1 Sistema de Avaliação da Educação Básica/Avaliação
Nacional da Alfabetização

A Avaliação Nacional da Alfabetização – ANA compõe o Sistema de Avaliação da Educação


Básica – SAEB e foi criada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio
Teixeira (Inep) em 2013 no âmbito das ações relacionadas ao Pacto Nacional pela Alfabetização
na Idade Certa – PNAIC. No Pacto, instituído pelo Ministério da Educação (MEC) por meio da
Portaria MEC nº 867, de 4 de julho de 2012, as secretarias estaduais, municipais e distrital de
educação reafirmaram e ampliaram compromissos anteriores de alfabetizar as crianças até os
oito anos de idade, ao final do 3º ano do Ensino Fundamental (Brasil, 2012a).
A instituição da ANA teve como objetivo avaliar os estudantes matriculados no Ciclo de
Alfabetização da rede pública de ensino, gerando informações sobre os níveis de alfabetização
e letramento em língua portuguesa e alfabetização matemática dos estudantes, além de
fornecer dados contextuais acerca das condições de oferta de ensino em cada unidade escolar.
O SAEB/ANA 2016 teve sua aplicação regulada pela Portaria MEC n° 410, de 22 de
julho de 2016, a partir da possibilidade de agregar valor e melhoria ao processo pedagógico,
oferecendo condições de transformação dos dados e resultados em instrumentos de gestão
para as redes, e atendendo a sua missão de relevância para a melhoria da educação básica do
país. Nesse sentido, a portaria estabeleceu como objetivos específicos da edição: I. Estimular a
melhoria dos padrões de qualidade e equidade da educação brasileira; II. Subsidiar a elaboração
de políticas educacionais para o ciclo de alfabetização; III. Aferir o nível de alfabetização e
letramento em língua portuguesa e alfabetização em matemática dos estudantes ao final

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 13
do 3º ano do ensino fundamental, por meio de testes de leitura, escrita e matemática; e IV.
Produzir indicadores sobre o contexto em que se realiza o trabalho escolar.

1.2 Contextualização

A Portaria Inep nº 410, de 22 de julho de 2016, determina a participação de


todas as escolas públicas urbanas e rurais que possuam pelo menos 10 (dez) estudantes
matriculados em turmas regulares do 3º ano do ensino fundamental organizado no regime
de nove anos. Foram excluídas as escolas que ensinam somente em língua indígena e não
foram consideradas turmas multisseriadas, de aceleração ou de correção de fluxo e seus
respectivos alunos.
O público a ser avaliado (escolas e estudantes) tomou por referência as informações
coletadas pelo Censo da Educação Básica 2016, até o dia 31 de agosto de 2016, em suas
versões preliminar e final. A versão preliminar fornece os dados para a constituição da primeira
base de aplicação, em atendimento às especificações constantes da portaria de avaliação.
Posteriormente, e para validar as informações coletadas, a base é atualizada com a versão
final do Censo, a fim de torná-la fidedigna.
Por sua vez, as escolas tiveram seus resultados divulgados nos casos em que alcançaram
taxa igual ou superior a 80% de participação dos estudantes e registraram, no mínimo, 10
(dez) estudantes presentes no momento da avaliação. Embora a ANA preveja uma aplicação
censitária, no decorrer do processo de aplicação da avaliação, há perdas em função de
ausências de alunos no dia da realização da avaliação e de provas que não são corrigidas
por terem menos de três marcações. A fim de que os resultados sejam representativos para
todo o público-alvo da avaliação, e não apenas aos alunos que efetivamente participaram da
aplicação, é realizada a expansão dos resultados, e a cada aluno válido atribui-se um peso que
será utilizado no cálculo dos resultados.
Relativamente à disponibilização dos resultados para as unidades da federação, é
necessário que a taxa de participação seja de, pelo menos, 50% (cinquenta por cento) dos
estudantes matriculados no 3º ano do ensino fundamental organizado no regime de nove anos.
O presente Relatório apresenta os resultados da edição de 2016. Cabe ressaltar que a
concepção da avaliação está amplamente detalhada no Documento Básico da Avaliação e no
Volume 1 do Relatório 2013-2014 e servirá, também, de embasamento e contextualização
para este Relatório.
Serão apresentados dados contextuais e de resultados incluídos no Panorama Brasil e
no Panorama dos Estados (por unidade da federação). Para obter a distribuição percentual dos

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


14 Panorama do Brasil e dos Estados
estudantes em cada um dos níveis da escala de proficiência, por área do conhecimento, para
escolas e municípios, é possível consultar os microdados da presente avaliação, bem como os
Painéis Educacionais dos Estados e dos Municípios e o Boletim Escolar no sítio do Inep.
Reforça-se que o teste tem por base uma matriz de referência correspondente a apenas
uma parte das competências e habilidades possíveis de serem aferidas por instrumento de
larga escala, e que, portanto, os resultados, expressos em níveis de alfabetização nas áreas
testadas, correspondem à proficiência relativa a um recorte previamente definido.
Ainda, o uso de técnicas de ponderação permite que se possa, sempre que necessário,
comparar os resultados em Leitura e Matemática de todas as edições da Ana. No entanto,
relativamente aos resultados em escrita, e devido às especificidades da metodologia de cálculo
empregada1, criou-se uma escala de proficiência própria para cada edição, configurando
escalas não comparáveis.

1.3 Conceitos utilizados neste relatório

A fim de subsidiar a leitura e interpretação dos dados deste Relatório, apresenta-se um


quadro dos principais conceitos registrados ao longo do documento.

Quadro 1 – Definição dos conceitos utilizados neste Relatório


(continua)

Conceito Definição

Localização da escola em município que corresponde à capital da


Área unidade federativa (UF) ou em município do interior, segundo dados
informados no Censo Escolar da Educação Básica.

Distinção da origem da escola, se mantida pelo município, estado


Dependência
ou União, segundo dados informados no Censo Escolar da Educação
Administrativa
Básica.

Cenário em que o estudante tem dois anos ou mais acima da idade


de referência para a etapa de ensino em análise. Para o 3º ano do
Distorção Idade-Série
ensino fundamental, apresentam distorção os estudantes com 10
anos ou mais.

Medida estatística associada à precisão do cálculo da estimativa da


Erro-padrão
média populacional.

A metodologia de cálculo empregada na análise dos itens de resposta construída está detalhada no Volume I do Relatório ANA
1

2013-2014.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 15
Quadro 1 – Definição dos conceitos utilizados neste Relatório
(continuação)

Conceito Definição

Total de escolas que na edição de 2016 apresentaram taxa igual ou


Escolas com resultados
superior a 80% de participação dos estudantes e registraram, no
divulgados
mínimo, 10 (dez) estudantes presentes no momento da avaliação.

Total de escolas públicas (urbanas e rurais) com pelo menos dez


estudantes matriculados no 3º ano do ensino fundamental, que
estejam organizadas no regime de nove anos, que poderiam ter
Escolas previstas participado da aplicação da ANA, segundo dados informados
no Censo Escolar da Educação Básica de 2016 em suas versões
preliminar e final. Não foram consideradas turmas multisseriadas e
de correção de fluxo.

Total de estudantes informado pela escola segundo dados do Censo


Estudantes matriculados Escolar da Educação Básica publicado no ano da respectiva edição
da ANA.

Estudantes presentes Total de estudantes1 presentes no dia de realização do teste.

Total de estudantes matriculados no 3º ano do ensino fundamental


em escola pública (urbana e rural) que esteja organizada no regime
de nove anos e tenha pelo menos dez estudantes, que poderiam
Estudantes previstos ter participado da aplicação da ANA, segundo dados informados
no Censo Escolar da Educação Básica de 2016 em suas versões
preliminar e final. Não foram considerados estudantes matriculados
em turmas multisseriadas e de correção de fluxo.

Total de estudantes declarados no EducaCenso 2016, presentes na


Estudantes válidos realização do teste e que responderam a três ou mais itens dos
testes objetivos.

Classificação do docente segundo a adequação de sua formação


inicial a cada disciplina que leciona na educação básica, levando-
Indicador de Adequação
se em conta as normatizações legais vigentes (nacionais), em
da Formação Docente
categorias de adequação da formação dos docentes em relação à
disciplina que leciona2.

Classificação das escolas em níveis de 1 a 6 de acordo com


sua complexidade de gestão; níveis elevados indicam maior
complexidade. Com base nos dados disponíveis do Censo da
Indicador de
Educação Básica, considerou-se que complexidade de gestão está
Complexidade de Gestão
relacionada às seguintes características: porte da escola, número
de turnos de funcionamento, quantidade e complexidade de
modalidades/etapas oferecidas.3

Indicador calculado a partir de informações sobre posse de bens


Indicador de Nível domésticos, renda e contratação de serviços pela família dos
Socioeconômico das estudantes e nível de escolaridade de seus responsáveis. A escala do
Escolas (INSE) Inse está descrita com base em sete níveis, que vão de muito baixo
até muito alto4, visando contextualizar as medidas de aprendizagem.

Localização da escola em área urbana ou em área rural, segundo


Localização
dados informados no Censo Escolar da Educação Básica.

Relação percentual entre estudantes ausentes e estudantes


Porcentagem de faltas
previstos.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


16 Panorama do Brasil e dos Estados
Quadro 1 – Definição dos conceitos utilizados neste Relatório
(conclusão)

Conceito Definição

Grupo de estudantes matriculados no 3º ano do ensino


fundamental, de turmas regulares de escolas públicas urbanas e
Público-alvo
rurais com, no mínimo, 10 estudantes matriculados e aos quais os
resultados da ANA se aplicam.

Relação percentual entre estudantes presentes e estudantes


Taxa de cobertura
previstos.

Matrículas de escolaridade acrescidas das atividades


Tempo Integral
complementares que obtiveram pelo menos 420 minutos (7 horas).
Notas: 1 Matriculados no 3º ano do ensino fundamental em escola pública que esteja organizada no regime de
nove anos e tenha pelo menos dez estudantes, segundo dados informados no Censo Escolar da Educação
Básica 2016.
Para mais informações sobre a interpretação do indicador, acesse o Portal do Inep:
2

<http://download.inep.gov.br/informacoes_estatisticas/indicadores_educacionais/2014/docente_for-
macao_legal/nota_tecnica_indicador_docente_formacao_legal.pdf>.
3
Para mais informações sobre a interpretação do indicador, acesse o Portal do Inep: <http://download.
inep.gov.br/informacoes_estatisticas/indicadores_educacionais/2014/escola_complexidade_gestao/
nota_tecnica_indicador_escola_complexidade_gestao.pdf>.
4
Para mais informações sobre a interpretação do indicador, acesse o Portal do Inep: <http://download.
inep.gov.br/mailing/2014/nota_tecnica_INSE.pdf>.

Ressalta-se que os dados de tabelas e gráficos deste relatório podem não totalizar 100%
devido ao critério de arredondamento utilizado.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 17
parte 2
METODOLOGIA
2.1 Conceitos Fundamentais: Alfabetização
e Letramento

Para cumprir o objetivo de realizar-se um diagnóstico ao final do Ciclo de Alfabetização,


foram definidos os conceitos de alfabetização e letramento em língua portuguesa e
alfabetização matemática.
Os conceitos de alfabetização e letramento permeiam as discussões acadêmicas dos
últimos anos, as quais consolidaram a articulação entre ambos, considerando que, embora
distintos, são complementares e interdependentes no processo de aquisição da língua escrita.
Resumidamente, alfabetização pode ser definida como a apropriação do sistema de
escrita, que pressupõe a compreensão do princípio alfabético, indispensável ao domínio da
leitura e da escrita. O letramento, por sua vez, é definido como prática e uso social da leitura e
da escrita em diferentes contextos.
A decodificação do alfabeto é uma aprendizagem fundamental, mas para que os
indivíduos possam ler e produzir textos com autonomia é necessário que eles consolidem as
correspondências grafofônicas ao mesmo tempo em que vivenciem diferentes situações de uso,
de aplicação da leitura e da produção de textos (BRASIL, 2012c). Desse modo, compreende-se
que o processo de apreensão do sistema alfabético deva ser associado à compreensão dos
significados e de seus usos sociais em diferentes contextos.
Dadas as limitações em medir o uso social da língua escrita por intermédio de
instrumentos de aplicação em larga escala, entende-se que a ANA afere alguns aspectos do
letramento relativos ao letramento escolar inicial, mas não todas as suas dimensões.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 21
Por sua vez, a alfabetização matemática pode ser conceituada como:

O processo de organização das vivências que a criança traz de suas atividades pré-escolares,
de forma a levá-la a construir um corpo de conhecimentos articulados que potencializem sua
atuação na vida cidadã (BRASIL, 2012c, p.23).

Portanto, com base nos documentos que servem de referencial para o processo ensino
e aprendizagem no país, é possível afirmar que um indivíduo alfabetizado não domina apenas
rudimentos da leitura e da escrita e/ou alguns significados numéricos, mas demonstra fazer
uso da língua escrita e dos conceitos matemáticos em diferentes contextos (BRASIL, 2012b).

2.2 Matrizes de Referência dos Testes

O desenvolvimento de uma avaliação em larga escala como a ANA tem como fundamento
suas Matrizes de Referência, pois são estes os documentos que orientam a elaboração dos itens,
a elaboração dos pré-testes e testes, o planejamento da aplicação, a interpretação pedagógica
das escalas de proficiência e a análise dos resultados. As Matrizes consistem em uma seleção
de habilidades que devem refletir o fenômeno a ser mensurado (denominado tecnicamente
de “construto”). No caso da ANA, as Matrizes especificam com clareza o que será medido em
relação à alfabetização e ao letramento em língua portuguesa e à alfabetização matemática
dos estudantes matriculados no 3º ano do ensino fundamental2.
As Matrizes de Referência de Língua Portuguesa (Leitura e Escrita) e Matemática
utilizadas na edição da ANA 2016 são as mesmas utilizadas nas edições de 2013 e 2014 e estão
apresentadas a seguir.

2.2.1 Matriz de Referência de Língua Portuguesa


(Leitura e Escrita)

A matriz de Língua Portuguesa está organizada em dois eixos estruturantes: o eixo da


Leitura, com 9 (nove) habilidades, e o eixo da Escrita, com 3 (três) habilidades, abrangendo
desde a avaliação da leitura e escrita de palavras até a avaliação da leitura e escrita de textos,
conforme pode ser observado no Quadro 2.

Informações mais detalhadas a respeito da concepção das Matrizes podem ser encontradas no Volume 1 do Relatório 2013-
2

2014.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


22 Panorama do Brasil e dos Estados
Quadro 2 – Matriz de Referência de Língua Portuguesa

Eixo Estruturante Habilidade


H1. Ler palavras com estrutura silábica canônica
H2. Ler palavras com estrutura silábica não canônica
H3. Reconhecer a finalidade do texto
H4. Localizar informações explícitas em textos
H5. Compreender os sentidos de palavras e expressões em textos
Leitura
H6. Realizar inferências a partir da leitura de textos verbais
H7. Realizar inferências a partir da leitura de textos que articulem a
linguagem verbal e não verbal
H8. Identificar o assunto de um texto
H9. Estabelecer relações entre partes de um texto marcadas por
elementos coesivos
H10. Grafar palavras com correspondências regulares diretas
H11. Grafar palavras com correspondências regulares contextuais
Escrita
entre letras ou grupos de letras e seu valor sonoro
H12. Produzir um texto a partir de uma situação dada
Fonte: Brasil, 2013 (Documento Básico).

2.2.2 Matriz de Referência de Matemática

A Matriz de Matemática está estruturada em quatro eixos que refletem as grandes


subáreas da Matemática: eixo Numérico e Algébrico; eixo de Geometria; eixo de Grandezas
e Medidas; e eixo de Tratamento da Informação. A partir desses eixos, foram definidas 18
(dezoito) habilidades necessárias à alfabetização em Matemática, esperada para a faixa etária
à qual o instrumento se destina.

Quadro 3 – Matriz de Referência de Matemática


(continua)
Eixo Estruturante Habilidade

H1. Associar a contagem de coleções de objetos à representação


numérica das suas respectivas quantidades
H2. Associar a denominação do número à sua respectiva
representação simbólica
H3. Comparar ou ordenar quantidades pela contagem para identificar
igualdade ou desigualdade numérica
Numérico e
Algébrico H4. Comparar ou ordenar números naturais
H5. Compor e decompor números naturais
H6. Resolver problemas que demandam as ações de juntar, separar,
acrescentar e retirar quantidades
H7. Resolver problemas que demandam as ações de comparar e
completar quantidades

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 23
Quadro 3 – Matriz de Referência de Matemática
(conclusão)
Eixo Estruturante Habilidade

H8. Cálculo de adições e subtrações


Numérico e
H9. Resolver problemas que envolvam ideias de multiplicação
Algébrico
H10. Resolver problemas que envolvam ideias de divisão
H11. Identificar figuras geométricas planas
Geometria
H12. Reconhecer as representações de figuras geométricas espaciais
H13. Comparar e ordenar comprimentos
H14. Identificar e relacionar cédulas e moedas
Grandezas e Medidas H15. Identificar, comparar, relacionar e ordenar tempo em diferentes
sistemas de medida
H16. Ler resultados de medições

Tratamento da H17. Identificar informações apresentadas em tabelas


Informação H18. Identificar informações apresentadas em gráficos
Fonte: Brasil, 2013 (Documento Básico).

2.3 Instrumentos

2.3.1 Blocos e Cadernos de Testes

A construção dos testes cognitivos que compuseram a ANA 2016 seguiu a mesma
metodologia da edição anterior de 20143. Com base nas orientações das Matrizes de
Referência, critérios pedagógicos que levam em consideração a habilidade a ser aferida, o
nível de dificuldade do item, os temas, o tamanho dos textos, o gabarito e adequação ao perfil
dos estudantes participantes da ANA e os itens provenientes de pré-testes, foram analisados
e selecionados 80 (oitenta) itens de múltipla escolha para a montagem dos blocos do teste
de Leitura, 80 (oitenta) itens de múltipla escolha para a composição dos blocos do teste de
Matemática, 8 (oito) itens de escrita de palavras e 1 (um) item de produção de texto para a
composição dos blocos do teste de Escrita.
Em seguida, para Leitura e Matemática, houve a distribuição desses itens em blocos
de 10 (dez) que, combinados dois a dois, compuserem 32 (trinta e dois) diferentes cadernos
regulares de teste com um total de 20 (vinte) itens de múltipla escolha em cada – acrescidos
de 3 itens de resposta construída, no caso dos cadernos de Língua Portuguesa. Essa técnica
de montagem é uma simplificação do que se denominam Blocos Incompletos Balanceados

Informações mais detalhadas a respeito da metodologia de montagem podem ser encontradas no Volume 1 do Relatório 2013-
3

2014.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


24 Panorama do Brasil e dos Estados
(BIB) (Montgomery, 1984) e permite a mensuração de uma mesma habilidade por mais
de um item, cada qual presente em diferentes posições do caderno de teste, para diferentes
respondentes de uma mesma turma ou escola, de modo a tornar a informação produzida mais
confiável. Outra vantagem dessa técnica é que, caso haja problema em algum item, outros
podem substituí-lo para medição da mesma habilidade, sem prejuízo para interpretação dos
resultados.
Por meio do uso da Teoria da Resposta ao Item (TRI), pode-se obter a comparação
entre as diferentes edições da avaliação, cujos resultados vão compor uma mesma escala de
medição4. Para permitir a aplicação da TRI, bem como a comparabilidade e a equalização dos
resultados em uma mesma escala, deve-se utilizar itens comuns entre testes de diferentes
edições. Dessa forma, 20% dos itens de uma edição devem ser itens que já tenham sido
aplicados anteriormente. Esses itens são denominados itens comuns.
O Quadro 4 demonstra a rotação dos blocos para a composição dos cadernos de Leitura
e Matemática, exemplificando o BIB.

Quadro 4 – Rotação de blocos de Leitura e Matemática


Caderno Bloco A Bloco B
1 1 2
2 2 3
3 3 4
4 4 5
5 5 6
6 6 7
7 7 8
8 8 1
9 1 4
10 2 5
11 3 6
12 4 7
13 5 8
14 6 1
15 7 2
16 8 3
Fonte: Daeb/Inep.

Para Escrita, houve a distribuição dos 9 (nove) itens em blocos de 3 (três), sendo dois
de escrita de palavras e um de escrita de texto, comum a todos os cadernos de teste. Cabe
ressaltar que os blocos de Leitura e Escrita formam um único caderno, o de Língua Portuguesa,
com os itens de escrita impressos na última página.

A respeito do uso da TRI na ANA, informações mais detalhadas podem ser encontradas no Volume 1 do Relatório 2013-2014.
4

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 25
Quadro 5 – Rotação de blocos de Escrita
Caderno Bloco A Bloco B Texto
1 1 2
2 3 4
3 5 6
4 7 8
5 1 2
6 3 4
7 5 6
8 7 8 Mesmo item
em todos os
9 1 2 cadernos.
10 3 4
11 5 6
12 7 8
13 1 2
14 3 4
15 5 6
16 7 8
Fonte: Daeb/Inep.

2.3.2 Questionários

Para as aplicações dos anos de 2013 e 2014 foram gerados dois questionários contextuais:
um destinado ao gestor da escola e outro destinado ao professor alfabetizador. Os questionários
foram disponibilizados, em caráter experimental, por um sistema informatizado (on-line),
chamado Fatores Associados da Educação Básica (Faeb)5. Após avaliação não satisfatória dos
resultados obtidos pelo sistema e considerando-se que a ANA é parte integrante do SAEB,
procurou-se utilizar os dados obtidos pela Aneb/Anresc. Para contextualizar os resultados da
avaliação foram também considerados indicadores das escolas produzidos a partir do Censo
Escolar.

2.4 Aplicação

Os testes da ANA foram aplicados no período de 16 a 25 de novembro de 2016. Como


na edição anterior, a aplicação foi realizada em dois dias, preferencialmente consecutivos, nos
quais os alunos do 3º ano do Ensino Fundamental das escolas públicas com pelo menos 10
alunos matriculados nesse ano de escolaridade responderam aos testes de Leitura, Escrita e
Matemática.

Os itens do questionário estão disponíveis no Anexo B, do Volume 1, do Relatório ANA 2013-2014.


5

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


26 Panorama do Brasil e dos Estados
Em um primeiro dia, foi aplicado o caderno de Língua Portuguesa, composto pelo
teste de Leitura, com 20 itens de múltipla escolha e duração total de 1 (uma) hora e, logo em
seguida, o teste de Escrita, impresso na última página do caderno, com 3 itens de resposta
construída e duração total de 30 (trinta) minutos.
Em um segundo dia, foi aplicado o caderno com o teste de Matemática, com 20 itens de
múltipla escolha e duração total de 1 (uma) hora.
Em todas as aplicações foi solicitada a presença do professor da turma na sala de
aplicação durante toda a realização dos testes, mediante o preenchimento e assinatura do
Termo de Sigilo, Compromisso e Confidencialidade.
A aplicação dos testes foi realizada em conjunto com um consórcio aplicador formado
por três instituições externas ao Inep: Fundação Cesgranrio, Centro de Políticas Públicas e
Avaliação da Educação (CAEd) e Fundação Getúlio Vargas (FGV). Além da aplicação, o consórcio
ficou responsável pela leitura óptica das folhas de resposta, consistência das bases de dados e
pelo processamento de todos os testes aplicados na avaliação. Todo material de aplicação foi
impresso em gráfica contratada para este fim e todo material foi distribuído pela Empresa de
Correios e Telégrafos (ECT).
Dispondo das informações extraídas de todas as folhas de respostas, a equipe técnica
do Inep gerou os resultados estatísticos, sendo estes replicados pelas equipes de análises
do consórcio aplicador, para posterior interpretação pela equipe pedagógica do Inep e seus
colaboradores.

2.4.1 Aplicação aos alunos com deficiência

Aos alunos com deficiência foi concedido o tempo adicional de 20 (vinte) minutos
para cada teste. Esses alunos puderam optar por fazer uso ou não do tempo adicional, com a
condição de que, para utilizá-lo, a aplicação deveria ser realizada em sala separada.
O atendimento a esses alunos foi realizado de acordo com as indicações do Censo Escolar e
as possibilidades das escolas. Aos alunos com cegueira, surdez e surdo-cegueira, cuja deficiência
tivesse sido indicada no Censo Escolar, foram disponibilizados cadernos de teste adaptados em
libras e braile, além de aplicadores especializados (ledor, intérprete de libras e guia-intérprete). Aos
alunos com baixa visão, foram disponibilizados cadernos de teste ampliados e superampliados,
e aplicador extra, pois esse recurso permitiu que o aluno respondesse ao teste com autonomia,
sem necessidade de aplicador especializado. A forma de atendimento especializado aos alunos
informados no Censo Escolar está detalhada no Quadro 6, apresentado a seguir.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 27
Quadro 6 – Atendimento especializado aos alunos informados no Censo Escolar
Deficiência/ Aplicador Aplicador
Ensalamento Recurso da Escola
Transtorno Especializado Extra
Sala extra
Reglete e punção
Ledor/ Soroban
Cegueira Não Individual
Transcritor Máquina de escrever em
braile
Reprodutor de CD de áudio
Intérprete de Sala extra
Surdez Não Individual
Libras Equipamento multimídia
Sala extra
Se utilizar caderno de teste
adaptado para surdo:
Equipamento multimídia
Se utilizar caderno de teste
Surdo-cegueira Guia-intérprete Não Individual adaptado para cego:
Reglete e punção
Soroban
Máquina de escrever em
braile
Equipamento multimídia
Grupos de até
Baixa Visão Nenhum Sim 10 alunos por Sala extra
turno
Altas
Habilidades ou Nenhum Não Sala da turma Nenhum
Superdotação
Outras Grupos de até
Deficiências/ Nenhum Sim 10 alunos por Sala extra
Transtornos turno*
* Caso o aluno tivesse condições de realizar o teste na sala da turma, não foi necessário encaminhá-lo à sala extra
e não foi fornecido tempo adicional.
Fonte: Brasil, 2016 (Manual do Aplicador).

O Quadro 7 apresenta os kits de atendimento especializado que foram oferecidos aos


alunos de acordo com a deficiência informada no Censo Escolar, por dia de aplicação.

Quadro 7 – Materiais previstos nos kits de atendimento especializado (continua)


Deficiência/
1º dia – Leitura e Escrita 2º dia – Matemática
Transtorno
Kit 1 Kit 8
• Caderno de teste em braile • Caderno de teste em braile
• CD com áudio do caderno de teste • CD com áudio do caderno de teste
Cegueira • Caderno de teste do ledor • Caderno de teste do ledor
• 3 folhas 120 g para responder ao • Ata de turma
teste de Escrita (1 para cada item)*
• Ata de turma
Kit 2 Kit 9
• Caderno de teste adaptado para • Caderno de teste adaptado para
Surdez surdez surdez
• Ata de turma • DVD com tradução do caderno de
teste para libras
• Ata de turma

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


28 Panorama do Brasil e dos Estados
Quadro 7 – Materiais previstos nos kits de atendimento especializado
(conclusão)
Deficiência/
1º dia – Leitura e Escrita 2º dia – Matemática
Transtorno
Kit 3** Kit 10**
• Caderno de teste em braile • Caderno de teste em braile
• CD com áudio do caderno de teste • CD com áudio do caderno de teste
Surdo- • Caderno de teste do ledor • Caderno de teste do ledor
cegueira • 3 folhas 120 g para responder ao • Caderno de teste adaptado para
teste de Escrita (1 para cada item)* surdez
• Caderno de teste adaptado para • DVD com tradução do caderno de
surdez teste para libras
• Ata de turma • Ata de turma
Kit 4 Kit 11
• Caderno de teste ampliado – fonte 18 • Caderno de teste ampliado – fonte 18
• Ata de turma • Ata de turma
Baixa Visão Kit 5 Kit 12
• Caderno de teste superampliado – • Caderno de teste superampliado –
fonte 24 fonte 24
• Ata de turma • Ata de turma
Kit 6 Kit 13
• Caderno de teste adaptado para • Caderno de teste adaptado para
surdez ampliado – fonte 18 surdez ampliado – fonte 18
• Ata de turma • DVD com tradução do caderno de
teste para libras
Surdez + • Ata de turma
Baixa Visão Kit 7 Kit 14
• Caderno de teste adaptado para • Caderno de teste adaptado para
surdez superampliado – fonte 24 surdez superampliado – fonte 24
• Ata de turma • DVD com tradução do caderno de
teste para libras
• Ata de turma

Outras Não houve Kit Não houve Kit


Deficiências/ • Caderno de teste regular • Caderno de teste regular
Transtornos • Ata de turma • Ata de turma
* Essas folhas foram personalizadas com os dados do aluno e tiveram espaço em branco para o registro em
braile da resposta de cada item.
** O aluno com surdo-cegueira optou pelo caderno de teste adaptado para cegueira ou pelo adaptado para
surdez, de acordo com suas necessidades.
Fonte: Brasil, 2016 (Manual do Aplicador).

Os alunos com deficiências ou transtornos indicados no Censo Escolar, sem previsão


de cadernos de teste adaptados, foram atendidos com cadernos regulares do envelope da
turma e profissionais de apoio da própria escola. Nos casos em que a escola, no momento
do agendamento, informou a necessidade de atendimento em sala separada da turma,
a aplicação foi feita por um aplicador extra. Esses mesmos procedimentos foram adotados
para os alunos com deficiência ou transtorno cujo atendimento não estava previsto no Censo
Escolar. O Quadro 8 apresenta os procedimentos para atendimento aos alunos não informados
no Censo Escolar.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 29
Quadro 8 – Atendimento especializado aos alunos não informados no Censo Escolar
Deficiência/ Aplicador
Ensalamento Recurso da Escola
Transtorno Extra
Sala extra
Cegueira Sim Individual Profissional de apoio (ledor/
transcritor)
Sala extra
Grupos de até 6 alunos
Surdez Sim Profissional de apoio
por turno
(intérprete de libras)
Sala extra
Surdo-cegueira Sim Individual Profissional de apoio
(guia-intérprete)
Grupos de até 10 alunos
Baixa visão Sim Sala extra
por turno
Outras Deficiências/ Grupos de até 10 alunos Sala extra
Sim
Transtornos por turno* Profissional de apoio
* Caso o aluno tivesse condições de realizar o teste na sala da turma, não foi necessário encaminhá-lo à sala
extra e não foi fornecido tempo adicional.
Fonte: Brasil, 2016. (Manual do Aplicador).

Nos atendimentos aos alunos com deficiência ou transtorno que ocorreram em salas
separadas, também foi oferecida a possibilidade do acompanhamento da aplicação por um
professor da escola. Independentemente da função do profissional da escola (professor,
profissional de apoio/especializado), a presença somente poderia ser permitida pelo aplicador
responsável mediante o preenchimento e assinatura do Termo de Sigilo, Compromisso e
Confidencialidade.

2.5 Correção dos Testes

2.5.1 Itens de múltipla escolha

Todos os cadernos de teste aplicados na ANA 2016 foram recolhidos para posterior
controle de qualidade dos dados. As folhas de resposta dos alunos foram digitalizadas pelo
consórcio aplicador para o processamento, bem como os formulários preenchidos pelos
aplicadores, nos quais constam informações sobre alunos faltantes, ocorrências e dificuldades.
Após a leitura ótica das folhas de respostas do conjunto dos participantes, gerou-se
a base de dados para realização das análises estatísticas e dos cálculos da proficiência6 de
cada aluno.  Primeiramente, realizou-se uma análise de consistência das bases com os dados
do Censo Escolar desta edição da avaliação. Estudantes com informações consistentes e

Proficiência pode ser definida como o conjunto de habilidades latentes demonstradas efetivamente pelo desempenho dos
6

alunos, do tipo o que sabem, compreendem e são capazes de fazer.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


30 Panorama do Brasil e dos Estados
pertencentes ao público-alvo da ANA foram considerados nas etapas seguintes de análise
como “estudantes presentes”. Para cálculo da proficiência de cada estudante, por sua vez,
utilizou-se como critério mínimo que o estudante tivesse respondido a pelo menos 3 (três)
itens dos testes de múltipla escolha (estudante denominado como “participante”). As análises
consideraram todos os estudantes participantes e foram realizadas por meio da Teoria Clássica
dos Testes (TCT) (Pasquali, 2009) e da Teoria da Resposta ao Item (TRI) (Andrade; Tavares;
Valle, 2000).

2.5.2 Itens de resposta construída

Assim como as edições anteriores, o teste de Escrita da ANA 2016 contou com dois
diferentes tipos de itens de resposta construída: escrita de palavras e produção de texto. Os
itens de escrita de palavras aferiram se o aluno foi capaz de escrever corretamente palavras
com correspondências regulares diretas e com correspondências regulares contextuais, e o
item de produção de texto aferiu se os alunos foram capazes de escrever uma narrativa.
Assim como em anos anteriores, na edição de 2016, para a correção das palavras, as
respostas dos estudantes foram categorizadas em respostas de correção inviável e respostas
de correção viável. Foram consideradas como respostas inviáveis, para as quais não era possível
atribuir pontuação: escrita incompreensível (letras pouco ou nada relacionadas ao que foi
solicitado escrever, desenhos ou rabiscos); outra palavra, que guardava pouca ou nenhuma
relação com a que foi dada; e respostas em branco.
As respostas consideradas viáveis e que receberam pontuação foram classificadas em
três categorias: A, B e C. A categoria “A” refere-se à palavra escrita ortograficamente; “B”, à
palavra com desvios ortográficos; e “C”, à escrita de uma letra para cada sílaba ou que oscila
entre uma letra representando uma sílaba e sílabas representadas por mais de uma letra.
A correção da produção textual também foi subdividida em duas categorias: respostas
de correção inviável e respostas de correção viável. As respostas inviáveis englobavam: itens
em branco; textos incipientes (com apenas 1 linha); cópia da proposta de produção; escrita
incompreensível ou desenho sem texto; apresentação de palavras soltas, mesmo aquelas
vinculadas ao tema proposto; e também os textos que não tinham relação alguma com a
proposta.
Os textos narrativos com correção viável foram avaliados a partir de quatro aspectos:
sequência narrativa; elementos da narrativa; coesão e convenções da escrita, com três níveis
de pontuação para cada um desses aspectos.
Na ANA, os itens de resposta construída também são alocados em uma escala de
proficiência por meio do emprego da TRI. A particularidade do item de resposta construída
exige a utilização de um modelo estatístico de análise também específico, assim como uma

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 31
metodologia diferenciada para construção dessa escala. Do ponto de vista estatístico, o
desempenho em Escrita foi analisado a partir do modelo de resposta gradual com análise pela
TRI, conforme Samejima (1969).
Ressalta-se que devido às características da metodologia de cálculo empregada7,
criou-se uma escala de Escrita para cada uma das edições, e que estas não são comparáveis.
Para que a comparabilidade fosse possível, seria necessário contar com itens comuns entre
edições nos diferentes pontos da escala, o que demandaria uma maior quantidade de itens
a serem respondidos por cada estudante. Dada a faixa etária avaliada, ainda não foi possível
alcançar essas condições. Esforços estão sendo empreendidos para que a apresentação dos
resultados do teste de Escrita seja aprimorada, tomando como referência inclusive a Resolução
nº 2, de 22 de dezembro de 2017, do Conselho Nacional de Educação, que institui e orienta a
implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo
das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica.

2.6 Escalas de proficiência

Os resultados de desempenho nos testes que compõem a ANA são apresentados em


três escalas de proficiência: escala de proficiência em Leitura, escala de proficiência em Escrita
e escala de proficiência em Matemática. Durante as ações para o cálculo das proficiências
dos estudantes e dos parâmetros dos itens, convencionou-se que a média do desempenho
seria 500 e o desvio padrão, 100 — isso é estabelecido no momento em que o programa
computacional realiza as análises. É a partir dessa informação que o programa estima os
valores dos parâmetros e das proficiências. Por conta dessa convenção, os resultados da ANA
estão dispostos em três escalas (500,100)8.
Em cada uma dessas escalas os estudantes participantes do teste são distribuídos, de
acordo com seu desempenho, em níveis de proficiência. A escala é única para cada área, ou
seja, mesmo que as três escalas sejam representadas na escala (500,100), uma proficiência
em Leitura igual a, por exemplo, 250 é diferente de outra proficiência igual a 250 em
Matemática. Os números podem ser iguais, mas, pelo fato de estarem em escalas diferentes,
as proficiências não podem ser comparadas, e, portanto, não permitem conclusões de que
determinada proficiência em Leitura é maior, menor ou igual a outra, em Matemática, pois ela
terá sempre uma informação diferente. Da mesma forma, não é adequado calcular a média

7
A metodologia de cálculo empregada na análise dos itens de resposta construída está detalhada no Volume I do Relatório ANA
2013-2014.
8
Informações mais detalhadas a respeito do cálculo das proficiências podem ser encontradas no Volume 1 do Relatório 2013-
2014.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


32 Panorama do Brasil e dos Estados
entre determinada proficiência em Leitura e outra em Escrita e denominá-la como proficiência
em Língua Portuguesa.
A escala inicial, de 2013, foi elaborada com base nos itens daquele ano e a cada nova
edição da ANA os itens são agregados à escala, que é única, sendo ampliada a cada aplicação,
tal como ocorreu em 2014.

2.6.1 Interpretação da Escala de Proficiência em Leitura

A escala de proficiência em Leitura apresenta quatro níveis e sua interpretação


pedagógica está descrita a seguir, acrescida da descrição dos itens de 2016.

Quadro 9 – Interpretação pedagógica da escala de Leitura


(continua)
Interpretação da Escala de Proficiência em Leitura

Nível Descrição

NÍVEL 1 Neste nível, os estudantes provavelmente são capazes de:


(menor que √√ Ler palavras com estrutura silábica canônica, não canônica, ainda que
425 pontos) alternem sílabas canônicas e não canônicas.

Além das habilidades descritas no nível anterior, os estudantes provavelmente


são capazes de:
√√ Localizar informações explícitas em textos curtos, como piada, parlenda,
NÍVEL 2 poema, quadrinho, fragmentos de narrativas e de curiosidade científica,
(maior ou e em textos de maior extensão, quando a informação está localizada na
igual a 425 e primeira linha do texto;
menor que √√ Reconhecer a finalidade de texto como convite, campanha publicitária,
525 pontos) infográfico, receita, bilhete, anúncio, com ou sem apoio de imagem;
√√ Identificar assunto em textos como campanha publicitária, curiosidade
científica ou histórica, fragmento de reportagem e poema cujo assunto está
no título ou na primeira linha;
√√ Inferir relação de causa e consequência em tirinha.

Além das habilidades descritas nos níveis anteriores, os estudantes


provavelmente são capazes de:
√√ Localizar informação explícita em textos de maior extensão, como fragmento
de literatura infantil, curiosidade científica, sinopse, lenda, cantiga folclórica
NÍVEL 3 e poema, quando a informação está localizada no meio ou ao final do texto;
(maior ou √√ Identificar o referente de um pronome pessoal do caso reto em textos como
igual a 525 e tirinha e poema narrativo;
menor que √√ Inferir relação de causa e consequência em textos verbais, como piada,
625 pontos) fábula, fragmentos de textos de literatura infantil e texto de curiosidade
científica, com base na progressão textual; informação em textos como
história em quadrinhos, tirinha, piada, poema e cordel; assunto em textos
de divulgação científica e fragmento de literatura infantil; e sentido de
expressão de uso cotidiano em textos como poema narrativo, fragmentos de
literatura infantil, de curiosidade científica e tirinha.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 33
Quadro 9 – Interpretação pedagógica da escala de Leitura
(conclusão)
Interpretação da Escala de Proficiência em Leitura

Nível Descrição

Além das habilidades descritas nos níveis anteriores, os estudantes


provavelmente são capazes de:
√√ Identificar o referente de: pronome possessivo em poema e cantiga;
Nível 4 advérbio de lugar em reportagem; pronome demonstrativo em fragmento
(maior ou de texto de divulgação científica para o público infantil; pronome indefinido
igual a 625 em fragmento de narrativa infantil; e pronome pessoal oblíquo em
pontos) fragmento de narrativa infantil;
√√ Identificar relação de tempo entre ações em fábula e os interlocutores de
um diálogo em uma entrevista ficcional;
√√ Inferir sentido de expressão não usual em fragmento de texto de narrativa
infantil.

Fonte: Daeb/Inep.

No Nível 1 consta a leitura de palavras a partir de imagens e, portanto, os estudantes


situados nesse nível conseguem ler palavras, desde que relacionadas a uma imagem.
Itens que exigem a leitura integral ou parcial de textos estão distribuídos a partir do
Nível 2, cujos itens com assunto no título ou na frase inicial têm maior grau de acerto pelos
estudantes.
Já a habilidade de localização de informação explícita perpassa os Níveis 2 e 3 da escala,
reafirmando a ideia de que outros elementos, tais como o contexto em que essa habilidade é
exigida interfere na dificuldade do item. O nível de dificuldade da localização de informação
explícita em texto, nos itens alocados nos Níveis 2 e 3 dá-se pela localização da informação
(início, meio ou fim) e da forma como está disposta no texto, direta ou invertida. Outros fatores
podem explicar a dificuldade apresentada pelos estudantes na resolução de itens como textos
de maior extensão, composição vocabular do texto, e até a forma de apresentação.
O Nível 3 concentra as habilidades que requerem algum nível inferencial, tais como
inferir relação de causa e consequência, inferir sentido em textos verbais e não verbais, inferir
assunto e inferir sentido de expressão.
A identificação dos referentes pronominais surge no terceiro e quarto níveis da escala,
sendo que no terceiro aparecem apenas os pronomes pessoais do caso reto e no quarto,
pronomes possessivos e demonstrativos, indefinidos e pessoal oblíquo.
Apresentam-se a seguir itens representativos de cada nível da Escala de Proficiência em
Leitura.

Nível 1

Neste nível, a operação cognitiva mais presente é ler, o que significa que, embora,
eventualmente outras operações sejam mobilizadas, o conjunto dos alunos agrupados no

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


34 Panorama do Brasil e dos Estados
nível já realiza leitura. Não se trata, no entanto, da leitura de textos, haja vista que os objetos
de conhecimentos dizem respeito exclusivamente a palavras com diferentes quantidades
de sílabas e estruturas silábicas. No contexto dado aos itens, prevalece a apresentação de
imagem, que deve ser relacionada com a escrita correta da palavra que lhe nomeia.

Item 1
Veja a figura.

Qual é o nome da figura?


(A) Mamãe 

(B) Mamão

(C) Manhã

(D) Manga

O item afere a habilidade de ler palavra dissílaba, oxítona, formada por sílabas canônicas e
não canônicas com marca de nasalização na última sílaba (CVV) com apoio de imagem.

Item 2
Veja a figura.

Disponível em: http://colorirdesenhos.com. Acesso em: 1 set. 2014.

Qual é o nome da figura?


(A) Picolé

(B) Jacaré

(C) Rodapé

(D) Canapé

O item afere a habilidade de ler palavra trissílaba, oxítona, formada por sílabas canônicas
com apoio de imagem.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 35
Nível 2

Neste nível, as operações cognitivas mais frequentes foram localizar, identificar,


reconhecer e inferir, referindo-se aos objetos de conhecimento como assunto, finalidade do
texto, localização de informação explícita, relação de causa e consequência. Pode-se observar
forte presença de gêneros que circulam na escola, como bilhete, curiosidade científica ou
histórica, anúncios, reportagens, parlenda, poema, convite, cartaz, piada, receita, história em
quadrinhos e fragmentos de narrativas. Os itens abaixo ilustram os descritores relacionados.

Item 1
Leia o texto.

Fantasia
O gato achou um nariz de palhaço.
O pato achou um chapéu de palhaço.
O bode achou um paletó de palhaço.
O galo achou um sapato de palhaço.
O sapo achou uma calça de palhaço.
Veio o palhaço e falou:
— Onde está minha fantasia?
Vieram o sapo, o galo, o bode, o pato e o gato e falaram:
— Hoje, nós vamos fazer palhaçadas! Você só vai bater palmas.

FRANÇA, M.; FRANÇA, E. Fantasia! São Paulo: Ática, 2008.

Quem achou a calça do palhaço?


(A) O galo.

(B) O gato.

(C) O pato.

(D) O sapo.

O item afere a habilidade de localizar informação explícita no meio de poema narrativo


predominantemente denotativo.

Item 2
Leia o texto.

Chapeuzinho Verde
Era uma vez, numa pequena vila perto de uma verdejante floresta, uma menina de
olhos cor de esmeralda.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


36 Panorama do Brasil e dos Estados
Todos gostavam muito dela, e sua avó mais ainda, tanto que lhe deu de presente uma
capinha com capuz. A roupa era verde-dólar, quer dizer, verde-musgo, e a menina ia com ela
para tudo quanto é lugar. Por causa disso, as pessoas começaram a chamá-la de Chapeuzinho
Verde.
Tudo ia calmo e tranquilo até que um dia sua mãe disse:
— Chapeuzinho, leve essa torta de limão para a sua avó, que vive lá no meio da floresta.
Ela é muito avarenta para comprar um docinho e, se a gente não manda uma coisinha de vez
em quando, ela vai acabar magra feito um palito.

TORERO, J. R.; PIMENTA, M. A. Chapeuzinhos coloridos. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010.

O que Chapeuzinho Verde levou para sua avó?


(A) Uma esmeralda.

(B) Uma torta de limão.

(C) Uma roupa verde-dólar.

(D) Uma capinha com capuz.

O item afere a habilidade de localizar informação explícita em fragmento médio de narrativa


literária cuja informação se encontra no final do texto.

Item 3
Leia o texto.

Disponível em:
http://mundogloob.globo.com.
Acesso em: 10 jan. 2014.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 37
O cartaz serve para
(A) informar.

(B) divertir.

(C) convidar.

(D) ensinar receitas.

O item afere a habilidade de reconhecer finalidade de texto instrucional que articula


linguagem verbal e não verbal.

Nível 3

No nível três, prevalece a operação cognitiva de inferir, em diferentes objetos do


conhecimento, como assunto, sentido de texto, relação de causa e consequência. Além desta
operação, localizar e identificar compõe o conjunto, referindo-se a objetos do conhecimento
com maior grau de dificuldade que os do nível anterior, a exemplo de referente de pronome e
sentido de expressão de linguagem figurada. Observam-se aspectos como maior extensão dos
textos, articulação de elementos verbais/não verbais e a necessidade de uma compreensão
mais global do texto, uma vez que as informações estão localizadas no meio e no fim do texto.

Item 1
Leia o texto.

Copa América
O principal torneio de futebol dos países da América do Sul é a Copa América. Ele teve
início em 1916, ainda com o nome de Campeonato Sul-Americano. De lá pra cá, o Uruguai se
tornou o maior vencedor da competição, com 15 títulos.
Atualmente, a Copa América é disputada de quatro em quatro anos, contando com
a presença de países convidados como México, Costa Rica, Estados Unidos e Japão, que já
disputaram o torneio. A última edição da Copa América foi realizada no Chile em 2015.

ALMANAQUE ABRIL. São Paulo: Abril, 2014 (adaptado).

Qual país é o maior vencedor da Copa América?


(A) Chile.

(B) Japão.

(C) México.

(D) Uruguai.

O item afere a habilidade de localizar informação explícita após retomada de referente em


texto médio de curiosidade histórica.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


38 Panorama do Brasil e dos Estados
Item 2
Leia o texto.

Quando crescer, vou ser... petrólogo!


Você sabia que o nosso planeta surgiu há mais de quatro bilhões de anos? Mesmo que
muitas informações já tenham sido reveladas sobre fenômenos do passado,  a Terra ainda
tem muitas histórias para contar. Um dos cientistas que gostam de bancar o detetive e tentar
descobrir o que acontecia por aqui em tempos muito, muito antigos é o petrólogo! Assim
como o cardiologista é um médico especializado em cuidar do coração, o petrólogo é um
geólogo especializado em examinar as rochas que formam a Terra e tentar encontrar as pistas
sobre a história do planeta ‘escondidas’ em nossas formações geológicas.
CARVALHO, I. Ciência Hoje das Crianças, n. 256, maio 2014.

A expressão a Terra ainda tem muitas histórias para contar, destacada no texto, significa que
(A) é preciso investigar quantos anos a Terra tem.

(B) ainda tem muita coisa a se descobrir sobre a Terra.

(C) existem muitos contadores de história espalhados em toda Terra.

(D) são poucos os profissionais que examinam as rochas que formam a Terra.

O item afere a habilidade de inferir sentido de expressão em texto médio de divulgação


científica voltado para o público infantil.

Nível 4

No último nível da escala de Leitura são mais comuns as inferências e as identificações de


referentes de pronome possessivo, demonstrativo, indefinido, pessoal oblíquo e de advérbio.
Ademais, os itens apresentam predominantemente textos verbais que apresentam maior
complexidade vocabular e extensão.

Item 1
Leia o texto.

Se essa rua fosse minha


Se essa rua, se essa rua fosse minha
Eu mandava, eu mandava ladrilhar
com pedrinhas, com pedrinhas de brilhante
Só pra ver, só pra ver meu bem passar.
Nessa rua, nessa rua tem um bosque
que se chama, que se chama solidão

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 39
Dentro dele, dentro dele mora um anjo
que roubou, que roubou meu coração.

Cantiga popular. In: ALMEIDA, T. M. M. Quem canta seus males espanta. São Paulo: Caramelo, 1998 (fragmento).

A palavra dele, destacada no texto, refere-se a


(A) meu bem.

(B) coração.

(C) bosque.

(D) anjo.

O item afere a habilidade de identificar referente de pronome possessivo no final de texto


médio de cantiga popular.

Item 2
Leia o texto.

O descobridor
A professora pergunta para o Jorge:
— Onde fica a América?
E o Jorge responde apontando no mapa.
A professora então pergunta para o Pedrinho:
— Quem descobriu a América?
E Pedrinho responde:
— Foi o Jorge, professora.
Disponível em: www.marianacatalbiano.com.br. Acesso em: 28 ago. 2014.

Pedrinho considera que Jorge descobriu a América porque


(A) Pedrinho é um descobridor.

(B) Pedrinho inventou uma resposta.

(C) Jorge é inteligente e acerta tudo.

(D) Jorge acertou a localização no mapa.

O item afere a habilidade de inferir relação de causa e consequência a partir da articulação


dos elementos responsáveis pela progressão textual em piada (trocadilho).

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


40 Panorama do Brasil e dos Estados
2.6.2 Interpretação da Escala de Proficiência
em Escrita

A escala de proficiência em Escrita é composta por cinco níveis de desempenho que


pressupõem a progressão da aprendizagem de um nível para outro, muito embora se deva
salientar que a aquisição da escrita não ocorre em etapas marcadamente lineares. Sua
interpretação pedagógica está descrita a seguir, com a agregação dos itens de 2016.

Quadro 10 – Interpretação pedagógica da escala de Escrita

Interpretação da Escala de Proficiência em Escrita

NÍVEL DESCRIÇÃO

Em relação à escrita de palavras, os estudantes que se encontram neste


nível provavelmente não escrevem as palavras ou estabelecem algumas
NÍVEL 1
correspondências entre as letras grafadas e a pauta sonora, porém ainda
(menor que 350
não escrevem palavras alfabeticamente. Em relação à produção de
pontos)
textos, os estudantes provavelmente não escrevem o texto ou produzem
textos ilegíveis.

Em relação à escrita de palavras, os estudantes que se encontram


NÍVEL 2
neste nível provavelmente escrevem alfabeticamente palavras com
(maior ou igual a
trocas ou omissão de letras, alterações na ordem das letras e outros
350 e menor que
desvios ortográficos. Em relação à produção de textos, os estudantes
450 pontos)
provavelmente não escrevem o texto ou produzem textos ilegíveis.

Em relação à escrita de palavras, os estudantes que se encontram neste


nível provavelmente escrevem ortograficamente palavras com estrutura
silábica consoante-vogal, apresentando alguns desvios ortográficos
NÍVEL 3 em palavras com estruturas silábicas mais complexas. Em relação à
(maior ou igual a produção de textos, provavelmente escrevem de forma incipiente ou
450 e menor que inadequada ao que foi proposto, sem as partes da história a ser contada,
500 pontos) ou produzem fragmentos sem conectivos e/ou recursos de substituição
lexical e/ou pontuação para estabelecer articulações entre partes do
texto. Apresentam ainda grande quantidade de desvios ortográficos e de
segmentação ao longo do texto.

Em relação à escrita de palavras, os estudantes que se encontram neste


nível provavelmente escrevem ortograficamente palavras com diferentes
estruturas silábicas. Em relação à produção de textos, provavelmente
atendem à proposta de dar continuidade a uma narrativa, embora
NÍVEL 4 possam não contemplar todos os elementos da narrativa e/ou partes da
(maior ou igual a história a ser contada. Articulam as partes do texto com a utilização de
500 e menor que conectivos, recursos de substituição lexical e outros articuladores, mas
600 pontos) ainda cometem desvios que comprometem parcialmente o sentido da
narrativa, inclusive por não utilizar a pontuação ou utilizar os sinais de
modo inadequado. Além disso, o texto pode apresentar poucos desvios
de segmentação e alguns desvios ortográficos que não comprometem a
compreensão.

Em relação à escrita de palavras, os estudantes que se encontram neste


nível provavelmente escrevem ortograficamente palavras com diferentes
estruturas silábicas. Em relação à produção de textos, provavelmente
atendem à proposta de dar continuidade a uma narrativa, evidenciando
NÍVEL 5
uma situação inicial, central e final, com narrador, espaço, tempo e
(maior ou igual a
personagens. Articulam as partes do texto com conectivos, recursos
600 pontos)
de substituição lexical e outros articuladores textuais. Segmentam e
escrevem as palavras corretamente, embora o texto possa apresentar
poucos desvios ortográficos e de pontuação que não comprometem a
compreensão.
Fonte: Daeb/Inep.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 41
Apresentam-se abaixo produções escritas da edição 2014, representativas de cada nível
da Escala de Proficiência em Escrita. Esclarecemos, contudo, que as produções não dizem
respeito necessariamente ao conjunto das descrições de um dado nível, apenas parte dele.
Desse modo, os exemplos não devem ser lidos como se sozinhos representassem um nível,
antes devem ser compreendidos como produções possíveis de ali estarem alocados.

Nível 1

Nesse nível, parte dos estudantes ainda não escreve palavras. Os que as escrevem,
não demonstram compreensão do sistema de escrita alfabético, vez que, independente
da complexidade das palavras testadas, apresentaram escrita incompreensível, letras sem
relação com a pauta sonora ou algumas correspondências entre as letras grafadas e a pauta
sonora. Em relação à produção do texto, ainda não escrevem textos ou apresentam escrita
incompreensível.
Exemplos:

Produção escrita 1 Produção escrita 2

Produção escrita 3

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


42 Panorama do Brasil e dos Estados
Nível 2

Nesse nível, os estudantes demonstram compreender o sistema de escrita alfabético,


ainda que escrevam palavras com desvios ortográficos como transcrição da fala, substituição
de letras, inversão na ordem das letras ou omissão de letras, mesmo aquelas palavras que
apresentam estrutura silábica canônica (consoante-vogal). Em relação à produção do texto,
ainda não escrevem textos ou apresentam escrita incompreensível, palavras soltas, desenho
ou texto sem relação com o tema proposto.
Exemplos:

Produção escrita 1 Produção escrita 2

Produção escrita 3

Nível 3

Nesse nível, são observados avanços, particularmente, na escrita de palavras com


estrutura silábica canônica (consoante-vogal). Os estudantes escrevem essas palavras com raros
desvios ortográficos. Quando se trata de palavras com estruturas silábicas mais complexas, os
desvios são mais comuns. Verificam-se no nível os primeiros textos considerados de correção

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 43
viável, ou seja, textos legíveis que estabeleceram relação com o tema. Esses textos, contudo,
provavelmente foram apresentados em uma única linha ou foram inadequados à proposta
de escrever uma narrativa. Os estudantes podem ainda ter escrito fragmentos de narrativas
caracterizados pela escrita de frases soltas, ainda que vinculadas ao tema, com ausência dos
elementos da narrativa como narrador, enredo, espaço ou personagens executando ações.
Essas produções textuais se caracterizaram ainda pela ausência ou pela utilização mínima de
recursos coesivos e pela grande quantidade de desvios de segmentação, ortográficos e de
pontuação, comprometendo o sentido do texto.
Exemplos:

Produção escrita 1 Produção escrita 2

Produção escrita 3

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


44 Panorama do Brasil e dos Estados
Nível 4

Nesse nível, os estudantes possivelmente escrevem as palavras apresentadas em


acordo com a norma padrão, independente de sua complexidade. No que se refere à produção
de textos, atendem à proposta de construir uma narrativa, embora possam não contemplar
elementos como personagem, narrador, enredo ou espaço e os textos podem não apresentar a
situação central ou final. A primeira, caracterizada por um conjunto de ações interdependentes
narradas como sucessão de eventos que conduzem a um resultado, e a segunda, marcada por
um comentário, um resumo ou pelo uso de termos conclusivos como fim ou acabou. Além
disso, essas produções textuais caracterizaram-se em geral pela articulação entre as partes
do texto com a utilização de recursos coesivos como pronomes, conjunções, conectivos,
recursos de substituição lexical ou marcas linguísticas, embora ainda apresentem desvios no
seu uso que podem comprometer parcialmente o sentido da narrativa. Verifica-se ainda a não
utilização da pontuação ou o uso dos sinais de modo inadequado, além de apresentar alguns
desvios ortográficos e de segmentação.
Exemplos:

Produção escrita 1 Produção escrita 1


RELATÓRIO SAEB-ANA 2016
Panorama do Brasil e dos Estados 45
Produção escrita 3

Nível 5
Nesse nível, os estudantes possivelmente escrevem as palavras apresentadas em acordo
com a norma padrão, independente de sua complexidade. Em relação à produção de textos, os
estudantes têm grande probabilidade de atender à proposta de produção textual apresentada
no teste: construir uma narrativa, apresentando uma situação inicial, central e final. O texto
apresenta os elementos da narrativa como enredo, personagens, narrador, tempo e espaço,
com ideias articuladas por meio do uso de recursos coesivos como conectivos, substituições
lexicais ou marcas linguísticas que contribuem para a construção de sentido do texto.  No que
se refere às convenções da escrita e aos aspectos morfossintáticos, o texto pode apresentar
desvios de ortografia e pontuação que não comprometem a compreensão.
Exemplos:

Produção escrita 1 Produção escrita 2

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


46 Panorama do Brasil e dos Estados
Produção escrita 3

2.6.3 Interpretação das Escalas de Proficiência em


Matemática

A escala de proficiência em Matemática apresenta quatro níveis e sua interpretação


pedagógica está descrita a seguir, com a agregação dos itens de 2016.
(continua)
Quadro 11 – Interpretação pedagógica da escala de Matemática

Escala de Proficiência em Matemática

Nível Descrição

Neste nível, os estudantes provavelmente são capazes de:


√√ Ler horas e minutos em relógio digital; medida em instrumento (termômetro,
régua) com valor procurado explícito.

NÍVEL 1 √√ Associar figura geométrica espacial ou plana à imagem de um objeto;


(menor contagem de até 20 objetos dispostos em forma organizada ou desorganizada
que 425 à sua representação por algarismos.
pontos) √√ Reconhecer planificação de figura geométrica espacial (paralelepípedo).
√√ Identificar maior frequência em gráfico de colunas, com quatro categorias,
ordenadas da maior para a menor.
√√ Comparar espessura de imagens de objetos; quantidades pela contagem,
identificando a maior quantidade, em grupos de até 20 objetos organizados.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 47
Quadro 11 – Interpretação pedagógica da escala de Matemática
(continuação)
Escala de Proficiência em Matemática

Nível Descrição
Além das habilidades descritas no nível anterior, os estudantes provavelmente
são capazes de:
√√ Associar a escrita por extenso de números naturais com até 3 ordens à sua
representação por algarismos.
√√ Reconhecer figura geométrica plana (triângulo, retângulo, quadrado e círculo)
a partir de sua nomenclatura.
√√ Identificar o intervalo em que se encontra uma medida apresentada em um
instrumento (balança analógica); registro de tempo em calendário; frequência
associada a uma categoria em gráfico de colunas ou de barras, com quatro
categorias; informação ou frequência associada a uma categoria em tabela
simples ou de dupla entrada (com o máximo de 3 linhas e 4 colunas, ou 4
linhas e 3 colunas); a composição de um número natural de 2 algarismos, dada
NÍVEL 2 sua decomposição em ordens.
(maior ou √√ Comparar comprimento de imagens de objetos; quantidades pela
igual a 425
contagem, identificando a maior quantidade, em grupos de até 20 objetos
e menor
desorganizados; quantidades pela contagem, identificando quantidades iguais;
que 525
pontos) números naturais não ordenados com até 3 algarismos.
√√ Completar sequências numéricas crescentes de números naturais, de 2 em 2,
de 4 em 4, de 5 em 5 ou de 10 em 10.
√√ Calcular adição envolvendo dois números naturais de até 3 algarismos sem
reagrupamento; subtração envolvendo dois números naturais de até 2
algarismos sem reagrupamento.
√√ Determinar valor monetário de cédulas ou de agrupamento de cédulas e
moedas, sem envolver reagrupamento de centavos em reais.
√√ Resolver problema de adição ou subtração envolvendo números naturais
de até 2 algarismos, sem reagrupamento nos cálculos, com o significado de
acrescentar ou retirar e em que o estado final é desconhecido; problema de
multiplicação ou divisão envolvendo números naturais de até 2 algarismos,
sem reagrupamento nos cálculos, com o significado de metade e em que o
tamanho do grupo é desconhecido.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


48 Panorama do Brasil e dos Estados
Quadro 11 – Interpretação pedagógica da escala de Matemática
(conclusão)
Escala de Proficiência em Matemática

Nível Descrição

Além das habilidades descritas nos níveis anteriores, os estudantes


provavelmente são capazes de:
√√ Associar um agrupamento de cédulas e/ou moedas, com apoio de imagem ou
dado por meio de um texto, a outro com mesmo valor monetário.
√√ Identificar frequências iguais em gráfico de colunas, com quatro categorias;
NÍVEL 3 gráfico de colunas que representa um conjunto de informações dadas em um
(maior ou texto; frequência associada a uma categoria em tabela de dupla entrada (com
igual a 525 mais de 4 colunas, ou mais de 4 linhas).
e menor √√ Completar sequência numérica decrescente de números naturais não
que 575 consecutivos.
pontos)
√√ Calcular adição envolvendo dois números naturais de até 3 algarismos
e apenas um reagrupamento (na ordem das unidades ou das dezenas);
subtração envolvendo dois números naturais, em que pelo menos um deles
tem 3 algarismos, sem reagrupamento.
√√ Resolver problema de adição ou subtração envolvendo números naturais de 1
ou 2 algarismos, com ou sem reagrupamento nos cálculos, com o significado
de retirar e em que o estado inicial ou o estado final é desconhecido.

Além das habilidades descritas nos níveis anteriores, os estudantes


provavelmente são capazes de:
√√ Inferir medida em instrumento (termômetro) com valor procurado não
explícito.
√√ Ler horas e minutos em relógios analógicos, identificando marcações de 10, 30
e 45 minutos, além de horas exatas.
√√ Identificar composição ou decomposição aditiva de números naturais com até
3 algarismos, canônica (mais usual, ex.: 123 = 100 + 20 + 3) ou não canônica
(ex.: 123 = 100 + 23); composição de um número natural de 3 algarismos, dada
sua decomposição em ordens; uma categoria associada a uma frequência
específica em gráfico de barra, com quatro categorias.
√√ Calcular adição envolvendo dois números naturais de até 3 algarismos e mais
de um reagrupamento (na ordem das unidades e das dezenas); subtração
Nível 4 envolvendo dois números naturais com até 3 algarismos, com reagrupamento.
(maior ou √√ Resolver problema de adição ou subtração, envolvendo números naturais de
igual a 575 até 3 algarismos, com ou sem reagrupamento nos cálculos, com o significado
pontos) de comparar e em que a diferença, a menor ou a maior quantidade seja
desconhecida; problema de adição ou subtração, envolvendo números
naturais de até 3 algarismos, com reagrupamento nos cálculos, com o
significado de acrescentar e em que o estado inicial é desconhecido; problema
de multiplicação ou divisão envolvendo números naturais de até 2 algarismos,
com ou sem reagrupamento nos cálculos, com o significado de formação de
grupos iguais e em que o produto é desconhecido; problema de multiplicação
ou divisão envolvendo números naturais de até 2 algarismos, com apoio de
imagem ou não, com o significado de formação de grupos iguais e em que
o tamanho do grupo ou o número de grupos é desconhecido; problema de
multiplicação ou divisão envolvendo números naturais de até 2 algarismos,
sem reagrupamento nos cálculos, com o significado de comparar, incluindo
dobro ou triplo, em que a maior quantidade é desconhecida; problema de
multiplicação ou divisão envolvendo números naturais de 2 algarismos, com
o significado de comparar, incluindo terça ou quarta parte, em que a menor
quantidade é desconhecida.
Fonte: Daeb/Inep.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 49
O Quadro 12 a seguir explica as mudanças na redação das habilidades “resolver
problema de adição ou subtração” e “resolver problema de multiplicação ou divisão” para
a edição de 2016. O objetivo dessas mudanças na redação foi agregar novas informações às
sentenças descritoras para melhor compreensão das características específicas dos itens que
fizeram com que fossem alocados em níveis distintos da escala de proficiência de Matemática.

Quadro 12 – Categorização de problemas envolvendo as quatro operações básicas9

NOTA: Com base na Teoria dos Campos Conceituais de Gérard Vergnaud, pesquisadores usam
nomes diferentes para os tipos de problemas abordados a seguir, e algumas distinções mais
finas podem ser feitas dentro das categorias. No entanto, há um amplo consenso sobre os tipos
básicos de problemas, apesar do emprego de terminologia diferente.

(continua)
Problemas do Campo Aditivo
Estado Final Transformação Estado Inicial
Desconhecido Desconhecida Desconhecido
20 + 15 = ? 20 + ? = 35 ? + 15 = 35
Marina tinha 20 Marina tinha 20 Marina tinha algumas
ACRESCENTAR (ou
figurinhas e ganhou figurinhas. Ganhou figurinhas, ganhou
TRANSFORMAÇÃO
15 num jogo. Quantas algumas e ficou com 15 num jogo e ficou
POSITIVA DE UM
figurinhas ela tem 35. Quantas figurinhas com 35. Quantas
ESTADO INICIAL)
agora? ela ganhou? figurinhas ela tinha?
37 – 12 = ? 37 – ? = 25 ? – 12 = 25
Na semana passada,
Pedro tinha 37 Pedro tinha várias
RETIRAR (ou Pedro tinha 37
bolinhas. Ele perdeu bolinhas, perdeu
TRANSFORMAÇÃO bolinhas, mas perdeu
algumas. Hoje tem 25. 12 e agora tem 25.
NEGATIVA DE UM 12. Quantas bolinhas
Quantas bolinhas ele Quantas bolinhas ele
ESTADO INICIAL) ele tem agora?
perdeu no decorrer tinha antes?
da semana?
Total Uma das Partes Ambas as Partes
Desconhecido Desconhecida Desconhecidas
5=0+5;5=5+0;
3 + ? = 5;
3+2=? 5=1+4;5=4+1;
5–3=?
5=2+3;5=3+2
Ana tem 5 flores e
vai colocar essas
Cinco maçãs estão
Três maçãs vermelhas flores em dois vasos,
sobre uma mesa. Três
e duas maçãs verdes sendo um azul e outro
JUNTAR / SEPARAR1 são vermelhas e as
estão sobre uma amarelo. Quantas
(ou COMPOSIÇÃO) outras são verdes.
mesa. Quantas maçãs flores ela pode
Quantas maçãs são
estão sobre a mesa? colocar no vaso azul
verdes?
e quantas no vaso
amarelo?

Adaptado do Caderno 4 de Alfabetização Matemática – Operações na Resolução de Problemas – do Pacto Nacional pela
9

Alfabetização na Idade Certa (PNAIC/SEB/MEC) disponível em <http://pacto.mec.gov.br/images/pdf/cadernosmat/PNAIC_


MAT_Caderno%204_pg001-088.pdf> e de quadros do Glossário de Matemática do Common Core disponíveis em <http://
www.corestandards.org/Math/Content/mathematics-glossary/Table-1/> e <http://www.corestandards.org/Math/Content/
mathematics-glossary/Table-2/>.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


50 Panorama do Brasil e dos Estados
(continuação)
Diferença Quantidade maior Quantidade menor
Desconhecida Desconhecida Desconhecida
2 + ? = 5; 2 + 3 = ?; 5 – 3 = ?;
5–2=? 3+2=? ?+3=5
(versão “Quanto a (versão com “a (versão com “a
mais?”): mais”): mais”):
Lúcia tem 2 maçãs. João tem 3 maçãs a João tem 3 maçãs a
João tem 5 maçãs. mais do que Lúcia. mais do que Lúcia.
Quantas maçãs João Lúcia tem 2 maçãs. João tem 5 maçãs.
tem a mais do que Quantas maçãs tem Quantas maçãs tem
Lúcia? João? Lúcia?
COMPARAR
(versão “Quanto a (versão com “a (versão com “a
menos?”): menos”): menos”):
Lúcia tem 2 maçãs. Lúcia tem 3 maçãs a Lúcia tem 3 maçãs a
João tem 5 maçãs. menos do que João. menos do que João.
Quantas maçãs Lúcia Lúcia tem 2 maçãs. João tem 5 maçãs.
tem a menos do que Quantas maçãs tem Quantas maçãs tem
João? João? Lúcia?
Problemas do Campo Multiplicativo
Tamanho do Grupo
Número de Grupos
Produto Desconhecido
Desconhecido
Desconhecido (“Quantos em cada
(“Quantos Grupos?”)
Grupo?”)
3 x 6 = ?; ? ÷ 3 = 6; 3 x ? = 18; ? x 6 = 18;
?÷6=3 18 ÷ 3 = ? 18 ÷ 6 = ?
Em um armário, há Se 18 copos forem Se 18 copos forem
3 prateleiras com 6 organizados em organizados em
copos em cada uma. grupos iguais nas 3 grupos de 6 em cada
Quantos copos há ao prateleiras de um prateleira de um
todo?3 armário, quantos armário, quantas
copos ficarão em cada prateleiras serão
Exemplo de medida: prateleira? 4 utilizadas?5
Vítor precisa de
FORMAÇÃO DE
3 pedaços de fio, Exemplo de medida: Exemplo de medida:
GRUPOS IGUAIS2
cada um com 6 Vítor tem 18 Vítor tem 18
centímetros. Quantos centímetros de fio centímetros de
centímetros de fio ele e vai cortá-lo em 3 fio e vai cortá-lo
precisa ao todo? pedaços de mesmo em pedaços com
comprimento. Qual 6 centímetros de
será o comprimento comprimento.
de cada pedaço de Quantos pedaços ele
fio? terá?
Um salão tem 3 Se 18 cadeiras são Se 18 cadeiras são
fileiras com 6 cadeiras dispostas em 3 dispostas em fileiras
em cada uma. fileiras iguais, quantas iguais com 6 cadeiras
Quantas cadeiras há cadeiras terão em em cada uma,
ORGANIZAÇÃO nesse salão? cada fileira? quantas fileiras serão
RETANGULAR formadas?
(ou ORGANIZAÇÃO Exemplo de área: Exemplo de área:
MATRICIAL) Qual é a área de Um retângulo tem Exemplo de área:
ÁREA RETANGULAR um retângulo com 18 cm² de área. Se Um retângulo tem
dimensões 3 cm por sua base mede 3 cm, 18 cm² de área. Se
6 cm? quanto mede sua sua altura mede 6
altura? cm, quanto mede sua
base?

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 51
(conclusão)
Uma menina tem 3 Uma menina pode Uma menina pode
saias e 6 blusas de combinar suas saias e combinar suas saias e
cores diferentes. De blusas de 18 maneiras blusas de 18 maneiras
COMBINATÓRIA quantas maneiras diferentes. Sabendo diferentes. Sabendo
ela pode se arrumar que ela tem apenas 3 que ela tem apenas 6
combinando as saias saias, quantas blusas blusas, quantas saias
e as blusas? ela tem? ela tem?
Quantidade maior Quantidade menor Quantidade de vezes
Desconhecida Desconhecida Desconhecida
3 x 6 = ?; ? ÷ 3 = 6; 3 x ? = 18; ? x 6 = 18;
?÷6=3 18 ÷ 3 = ? 18 ÷ 6 = ?
Caio tem 6 figurinhas. Felipe tem 18 Felipe tem 18
Felipe tem 3 vezes figurinhas e essa figurinhas e Caio tem
mais figurinhas do quantidade é 3 6. Quantas vezes
que Caio. Quantas vezes maior do que a quantidade de
figurinhas tem Felipe? a quantidade de figurinhas de Felipe é
figurinhas de Caio. maior que a de Caio?
COMPARAR Exemplo de medida: Quantas figurinhas
(incluindo os Um elástico tem 6 tem Caio? Exemplo de medida:
significados de cm de comprimento. Um elástico tinha um
METADE/DOBRO, Qual será o Exemplo de medida: comprimento inicial
TERÇA PARTE/TRIPLO comprimento do Um elástico tem 18 de 6 cm. Agora ele
ETC.) elástico se ele for cm quando esticado está esticado e tem 18
esticado para ficar 3 e esse comprimento cm de comprimento.
vezes maior? é 3 vezes maior do Quantas vezes o
que seu comprimento comprimento do
inicial. Qual o elástico esticado é
comprimento inicial maior do que seu
do elástico? comprimento inicial?
Notas:
“Estas situações de “separar” podem ser usadas para mostrar todas as decomposições de um
1

determinado número. As equações associadas, que têm total à esquerda do sinal de igual, ajuda
as crianças a compreenderem que o sinal = nem sempre significa “resulta em”, mas também pode
significar “é o mesmo número que”. Isso ajuda com a Álgebra mais tarde.” (Box 2-4 of Mathematics
Learning in Early Childhood, National Research Council, 2009, p. 32).
2
Os primeiros exemplos em cada célula são exemplos de quantidades discretas, enquanto os demais
são exemplos de medidas (exceto para problemas de combinatória). Os primeiros exemplos em cada
célula são exemplos de quantidades discretas, enquanto os demais são exemplos de medidas (exceto
para problemas de combinatória).
3
Em uma distinção mais fina, há pesquisadores que classificam esse tipo de problema como ADIÇÃO DE
PARCELAS IGUAIS. Se a redação do problema evidenciar a razão (por exemplo, “Se em um armário há 6
copos por prateleira, quantos copos há em 3 prateleiras iguais a essa?”), o problema seria classificado
como COMPARAÇÃO ENTRE RAZÕES.
4
Em uma distinção mais fina, há pesquisadores que classificam esse tipo de problema como DISTRIBUIÇÃO
ou REPARTIÇÃO.
5
Em uma distinção mais fina, há pesquisadores que classificam esse tipo de problema como MEDIDA.
6
Segundo nota no quadro do Common Core, “Área envolve organização retangular de quadrados que
foram unidos para que não haja lacunas ou sobreposições. Então, problemas de organização retangular
incluem estas situações de medição especialmente importantes.”
Fonte: Brasil, 2014 (adaptado).

No primeiro nível da escala de Matemática, predominam habilidades geralmente


apreendidas pelos estudantes na sua convivência infantil, em práticas cotidianas que envolvem
brincadeiras e jogos, entre outras atividades. A proficiência em Leitura exigida nos itens do
Nível 1 é baixa, seus textos-base são simples com suporte predominantemente em imagem,
e seus enunciados são diretos/curtos e com forte presença de objetos de uso cotidiano.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


52 Panorama do Brasil e dos Estados
Por conseguinte, os conhecimentos matemáticos demonstrados nesse nível poderiam ser
classificados como pré-escolares.
A passagem do Nível 1 para o 2 justifica-se pela mudança na complexidade dos itens,
quando os estudantes demonstram habilidades que requerem a apropriação da língua escrita
e de conceitos ou procedimentos matemáticos mais adiantados, embora permaneçam textos-
base simples, suporte em imagem e enunciados diretos/curtos.
No eixo Numérico e Algébrico, por exemplo, enquanto no Nível 1 os estudantes
associam contagem de até 20 objetos dispostos em forma organizada ou desorganizada à sua
representação por algarismos, no Nível 2 passam a não somente associar a escrita por extenso
de números naturais com até três algarismos à sua representação por algarismos, como
também resolvem problemas envolvendo as operações aritméticas que se caracterizaram como
“diretas” (isto é, com estado final ou tamanho do grupo desconhecidos, conforme apresentado
no Quadro 12), com pequena magnitude dos números presentes e sem reagrupamentos nos
cálculos.
No eixo de Geometria, no Nível 1, por exemplo, os estudantes demonstram associar
representação de figura geométrica plana ou espacial a objetos, enquanto no Nível 2 eles
reconhecem a nomenclatura dessas figuras.
No eixo Grandezas e Medidas, por exemplo, os estudantes com proficiência no Nível 1
leem medida em instrumento (termômetro, régua) com valor procurado explícito, enquanto
aqueles com proficiência no Nível 2 identificam o intervalo em que se encontra uma medida
apresentada em um instrumento (balança analógica).
No eixo de Tratamento da Informação, os estudantes no Nível 1 reconhecem a maior
frequência em gráfico de colunas, enquanto no Nível 2 identificam uma frequência associada
a uma categoria.
Conforme aumenta o nível, as habilidades que demandam reconhecer ou identificar
alguma informação ou objeto matemático vão dando lugar a habilidades que demandam
relacionar informações ou aplicar procedimentos para chegar a resultados. Como exemplo
disso, no eixo Tratamento de Informação, nota-se que estudantes com proficiência no Nível
3 provavelmente compreendem a estrutura geral de um gráfico de colunas e conseguem
identificar aquele que representa um conjunto de informações, enquanto estudantes que
estejam no Nível 2 apenas localizam uma informação em um gráfico de colunas.
No eixo Numérico e Algébrico, o Nível 3 também se mostra mais complexo em razão
dos tipos de problema envolvendo as operações aritméticas, da magnitude do números e
reagrupamentos nessas operações.
No eixo de Grandezas e Medidas, por exemplo, no Nível 2 os estudantes determinam
valor monetário de cédulas ou de agrupamento de cédulas e moedas, sem envolver
reagrupamento de centavos em reais, enquanto no Nível 3 associam um agrupamento de

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 53
cédulas e/ou moedas, com apoio de imagem ou dado por meio de um texto, a outro com
mesmo valor monetário.
No Nível 4, há predomínio de itens sem suporte em imagens e do eixo Numérico e
Algébrico, principalmente resolução de problemas mais complexos envolvendo as operações
aritméticas, por exemplo, problemas de adição ou subtração com o significado de comparar
em que a diferença, a menor ou a maior quantidade seja desconhecida, e a maioria dos
problemas de multiplicação ou divisão.
No eixo Grandezas e Medidas, por exemplo, os estudantes do Nível 4 conseguem inferir
medida em instrumento (termômetro) com valor procurado não explícito, e leem horas e
minutos em relógios analógicos, identificando marcações de 10, 30 e 45 minutos, além de
horas exatas.
No eixo Tratamento da Informação, por exemplo, no Nível 4, os estudantes não somente
identificam a frequência associada a uma categoria em gráficos, como também o oposto, ou
seja, identificam uma categoria associada a uma frequência específica.
Apresentam-se adiante alguns itens que representam cada um dos níveis de proficiência
da escala.

Nível 1
Item 1
Veja os lápis de cor de Carmem.

Quantos lápis Carmem tem?


(A) 5

(B) 6

(C) 15

(D) 30

Esse item mede a habilidade de associar contagem de objetos à representação simbólica por
algarismos, a partir de imagens organizadas em grupos de 5 em 5, de até 30 objetos.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


54 Panorama do Brasil e dos Estados
Item 2
Veja as coleções de carrinhos de quatro meninos.

O menino que tem a coleção com o maior número de carrinhos é

(A)

(B)

(C)

(D)

O item afere a habilidade de comparar quantidades pela contagem, identificando a maior


quantidade, em grupos de até 20 objetos organizados.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 55
Nível 2

Item 1
Veja as árvores que ficam perto da cerca do parque.

Qual é a árvore mais baixa?


(A) Árvore 1.

(B) Árvore 2.

(C) Árvore 3.

(D) Árvore 4.

O item afere a habilidade de comparar comprimentos de objetos em um desenho,


selecionando o mais baixo.

Item 2
Observe a tabela.
Quantidade de brinquedos e livros de Maria e Pedro

Quantos brinquedos Pedro tem?


(A) 8

(B) 9

(C) 11

(D) 17

O item afere a habilidade de identificar frequência associada a uma categoria em tabela de


dupla entrada (com o máximo de 3 linhas e 4 colunas, ou 4 linhas e 3 colunas).

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


56 Panorama do Brasil e dos Estados
Nível 3
Item 1
Quatro amigas foram comprar
doces. Cada uma levou seu dinheiro.

Quais amigas levaram a mesma quantia em dinheiro?


(A) Ju e Rosi.

(B) Lara e Bia.

(C) Ju e Bia.

(D) Lara e Rosi.

O item afere a habilidade de associar um agrupamento de cédulas e/ou moedas a outro com
mesmo valor monetário.

Item 2
Depois de dar 12 jujubas para seu irmão, Camila ainda ficou com 30 jujubas.
Quantas jujubas Camila tinha antes?
(A) 42

(B) 30

(C) 18

(D) 12

O item afere a habilidade de resolver problema de adição ou subtração envolvendo números


naturais de até 2 algarismos, sem reagrupamento nos cálculos, com o significado de retirar
em que o estado inicial é desconhecido.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 57
Nível 4
Item 1
Juliana tem 26 gibis em sua coleção e Sara tem 12.
Quantos gibis Sara tem a menos que Juliana?
(A) 12

(B) 14

(C) 26

(D) 38

O item afere a habilidade de resolver problema de adição ou subtração, envolvendo a ideia


de comparar, com a diferença desconhecida (26 - 12 = x), números de 2 algarismos, sem
reagrupamento.

Item 2
O termômetro marca a temperatura em graus Celsius.
Veja:

Qual é a temperatura que esse termômetro está marcando?


(A) 20

(B) 25

(C) 30

(D) 35

O item afere a habilidade de inferir medida em instrumentos (termômetro graduado de 5


em 5 unidades — graus Celsius) com valor procurado não explícito (os valores são indicados
de 10 em 10).

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


58 Panorama do Brasil e dos Estados
parte 3
PANORAMA BRASIL
Apresentam-se a seguir os resultados do Panorama do Brasil na avaliação. Conforme
descrito anteriormente, o SAEB/ANA afere os níveis de alfabetização e letramento em língua
portuguesa (Leitura e Escrita) e Matemática dos estudantes do 3º ano do ensino fundamental.
Dentre os alunos matriculados nesta etapa, o Inep definiu como público-alvo da
avaliação os estudantes pertencentes a turmas regulares de escolas públicas localizadas em
áreas rurais e urbanas com, no mínimo, 10 alunos matriculados, com base na Portaria nº 410,
de 22 de julho de 2016.
Verifica-se a seguir a quantidade de escolas e matrículas de estudantes no 3º ano do
ensino fundamental, bem como em relação ao público-alvo do SAEB/ANA 2016. Observa-se
que mais de 68% das escolas que ofertam o 3º ano do Ensino Fundamental e cerca de 81% dos
estudantes matriculados nesta etapa fazem parte do público-alvo do SAEB/ANA.

3º ano do ensino fundamental


Público-alvo do SAEB/ANA 2016
em 2016

Escolas Estudantes Escolas Estudantes

72.096 3.069.905 49.023 2.500.485

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 61
3.1 Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016

As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-


alvo10 da avaliação. Informa-se que os dados apresentados são parte das informações coletadas
no Censo Escolar 2016 e visam caracterizar uma parte do cenário educacional brasileiro no 3º
ano do ensino fundamental. Ressalta-se que existem outras informações complementares a
este relatório que podem ser consultadas nas Sinopses Estatísticas do Censo Escolar 201611.

Indicador de Formação Docente

O Indicador de Adequação da Formação Docente foi criado pelo Inep para classificar os
docentes em exercício na educação básica, considerando a etapa da educação básica em que
lecionam e disciplina que ministram.

O indicador estabelece cinco perfis de regência de disciplina:

Grupos Descrição

Docentes com formação superior de licenciatura na mesma disciplina que lecionam, ou bacharelado
1
na mesma disciplina com curso de complementação pedagógica concluído.

Docentes com formação superior de bacharelado na disciplina correspondente, mas sem


2
licenciatura ou complementação pedagógica.

Docentes com licenciatura em área diferente daquela que leciona, ou com bacharelado nas
3 disciplinas da base curricular comum e complementação pedagógica concluída em área diferente
daquela em que leciona.

4 Docentes com outra formação superior não considerada nas categorias anteriores.

5 Docentes que não possuem curso superior completo.


Fonte: INEP/Nota Técnica n° 020/201412.

Os docentes classificados com formação considerada adequada são os pertencentes ao


Grupo 1. Nas regiões brasileiras o percentual mais alto é o do Centro-Oeste, com 81,5% dos
docentes; na sequência apresentam-se as regiões Sul (72,7%) e Sudeste (70,6%), seguidas das
regiões Norte (61,5%) e Nordeste (52,1). O gráfico a seguir mostra o percentual de docentes
em cada grupo e o total Brasil.

10
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente
relatório.
11
Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica.
12
Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/prova_brasil_saeb/resultados/2013/nota_tecnica_indicador_
de_adequacao_da_formacao_do_docente_da_educacao_basica.pdf.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


62 Panorama do Brasil e dos Estados
Norte 61,5% 0,3% 6,9% 4,5% 26,8%

Nordeste 52,1% 0,5% 10,8% 3,5% 33,2%

Sudeste 70,6% 0,6% 8,8% 4,2% 15,8%

Sul 72,7% 0,8% 10,6% 2,8% 13,1%

Centro-Oeste 81,5% 0,4% 1,9% 8,0%


8,2%

Brasil 65,4% 0,6% 9,4% 3,6% 21,0%

0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100%
Grupo 1 Grupo 2 Grupo 3 Grupo 4 Grupo 5

Gráfico 1 – Percentual de docentes em cada grupo para o Brasil e Regiões Geográficas


Fonte: Censo da Educação Básica 2016/Inep.

Indicador de Complexidade da Gestão


das Escolas

A partir de quatro características — (1) porte da escola; (2) número de turnos de


funcionamento; (3) complexidade das etapas ofertadas pela escola e (4) número de etapas/
modalidades oferecidas — foi elaborada uma classificação que reflete a complexidade de
gestão da instituição.
As categorias mais elevadas indicam maior complexidade de gestão. A seguir, tem-se a
descrição da classificação:

Nível Descrição
Porte inferior a 50 matrículas, operando em único turno e etapa e apresentando a Educação Infantil
1
ou Anos Iniciais como etapa mais elevada.
Porte entre 50 e 300 matrículas, operando em 2 turnos, com oferta de até 2 etapas e apresentando
2
a Educação Infantil ou Anos Iniciais como etapa mais elevada.
Porte entre 50 e 500 matrículas, operando em 2 turnos, com 2 ou 3 etapas e apresentando os Anos
3
Finais como etapa mais elevada.
Porte entre 150 e 1000 matrículas, operando em 2 ou 3 turnos, com 2 ou 3 etapas, apresentando
4
Ensino Médio/Profissional ou a EJA como etapa mais elevada.
Porte entre 150 e 1.000 matrículas, operando em 3 turnos, com 2 ou 3 etapas, apresentando a EJA
5
como etapa mais elevada.
Porte superior a 500 matrículas, operando em 3 turnos, com 4 ou mais etapas, apresentando a EJA
6
como etapa mais elevada.
Fonte: INEP/Nota Técnica n° 040/201413.

http://download.inep.gov.br/informacoes_estatisticas/indicadores_educacionais/2014/escola_complexidade_gestao/nota_
13

tecnica_indicador_escola_complexidade_gestao.pdf.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 63
Por meio do gráfico, verifica-se que a predominância dos níveis varia para cada região
geográfica. No Norte (34,2%), Nordeste (32,1%) e Sudeste (35,0%) há predomínio de escolas
do Nível 2, ou seja, escolas de pequeno porte, que operam em dois turnos, com oferta de até
duas etapas. Já no Sul (39,1%) e no Centro-Oeste (37,2%) a concentração maior de escolas é
no Nível 3, que se caracteriza por escolas com o porte entre 50 e 500 matrículas, operando em
dois turnos, com duas ou três etapas.

Centro-Oeste 6,1% 25,7% 37,2% 13,0% 9,2% 8,8%

Sul 6,3% 24,4% 39,1% 13,1% 9,4% 7,7%

Sudeste 6,7% 35,0% 29,8% 9,0% 11,7% 7,8%

Nordeste 5,3% 32,1% 25,2% 9,0% 21,3% 7,1%

Norte 2,9% 34,2% 29,5% 7,5% 17,9% 8,0%

Brasil 5,7 31,5% 30,2% 9,8% 15,2% 7,6%

0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100%
Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5 Nível 6Nível
Gráfico 2 – Percentual de escolas em cada nível de Complexidade da Gestão para o Brasil e Regiões
Geográficas
Fonte: Censo da Educação Básica 2016/Inep.

Tamanho das turmas

O Parecer nº 8/2010, do Conselho Nacional de Educação14, que indicou padrões mínimos


de qualidade de ensino para a educação básica pública, apontou o limite de 24 estudantes por
turma nas séries iniciais do ensino fundamental.
No Brasil, 55,2% das turmas das escolas do público-alvo da ANA possuem até 24
alunos. Entre as Regiões Geográficas, o maior percentual é do Sul (66,8%), próximo do
Nordeste (62,5%). As demais regiões, Centro-Oeste (53,2%), Norte (49,4%) e Sudeste (47,3%),
apresentam percentuais abaixo dos dados nacionais.

MEC/CNE Parecer CNE/CEB Nº 8/2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=


14

download&alias=5368-pceb008-10&category_slug=maio-2010-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 31jan. 2018.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


64 Panorama do Brasil e dos Estados
Centro-Oeste 53,2%

Sul 66,8%

Sudeste 47,3%

Nordeste 62,5%

Norte 49,4%

Brasil 55,2%
0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80%

Gráfico 3 – Percentual de escolas com turmas com até 24 alunos para o Brasil e Regiões
Geográficas
Fonte: Censo da Educação Básica 2016/Inep.

Acessibilidade

O Censo da Educação Básica de 2016 aponta que apenas 37,6% das instituições
escolares que participaram da aplicação do SAEB/ANA 2016 possuem dependências acessíveis
ao público com deficiência e 49,2% têm banheiros acessíveis.

52,1%
Centro-Oeste
69,1%

55,7%
Sul
61,3%

36,2%
Sudeste
50,8%

31,7%
Nordeste
41,5%

24,4%
Norte Dependências acessíveis
39,5%
Banheiro acessível

37,6%
Brasil
49,2%

0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80%

Gráfico 4 – Percentual de escolas que possuem dependência acessível ao público e banheiros


acessíveis para o Brasil e Regiões Geográficas
Fonte: Censo da Educação Básica 2016/Inep.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 65
Essa porcentagem diminui quando observarmos a região Norte, onde apenas 24,4%
das instituições escolares têm dependências acessíveis e 39,5% disponibilizam banheiros
acessíveis; assim como Nordeste, que possui 31,7% de dependências acessíveis e 41,5% de
banheiros acessíveis. A região Centro-Oeste se destaca pelo maior percentual de escolas que
possuem banheiros acessíveis (69,1%), seguida da região Sul (61,3%) e Sudeste (50,8%).

Acesso à internet e uso de computadores

Conforme dados coletados no Censo da Educação Básica, cerca de 81,5% das escolas
informam possuir acesso à internet e 75,4% informam possuir computadores para uso dos
alunos. Esses valores variam entre as regiões brasileiras.

94,5%
Centro-Oeste
86,8%

97,6%
Sul
90,3%

93,3%
Sudeste
86,2%

68,0%
Nordeste
62,1%

60,3%
Norte
59,3%

81,5%
Brasil
75,4%

0,0% 25,0% 50,0% 75,0% 100,0%


Acesso a Internet Computadores para uso dos alunos

Gráfico 5 – Percentual de escolas que possuem acesso à internet e computadores destinados aos
alunos para o Brasil e Regiões Geográficas
Fonte: Censo da Educação Básica 2016/Inep.

Em relação ao acesso à internet, a maior concentração está nas regiões Sul (97,6%),
Centro-Oeste (94,5%) e Sudeste (93,3%). No Nordeste, esse valor é de 68% e no Norte, de 60,3%.
Em relação à disponibilidade de computadores para uso dos alunos, o quadro é semelhante: Sul
(90,3%), Centro-Oeste (86,8%), Sudeste (86,2%), Nordeste (62,1%) e Norte (59,3%).
É preciso registrar que essas informações não consideram a quantidade de computadores
disponíveis em relação à quantidade de estudantes matriculados na escola. Além disso, o dado
não distingue o tipo de internet (discada ou banda larga) disponível em cada instituição.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


66 Panorama do Brasil e dos Estados
Biblioteca e Sala de Leitura

Garantir que cada instituição escolar ofereça aos seus estudantes dependências para
realização de atividades extraclasse é um dos dispositivos da Lei de Diretrizes e Bases da
Educação Nacional.
A biblioteca — conforme conceituação constante no caderno de instruções do Censo
da Educação Básica — é o local que dispõe de coleções de livros, materiais videográficos e
documentos registrados em qualquer suporte (papel, filme, CD, DVD, entre outras mídias)
destinados à consulta, pesquisa, estudo ou leitura. É um importante instrumento pedagógico,
assim como a sala de leitura, uma variante mais simples da biblioteca — espaço reservado aos
alunos para consultas, leituras e estudos. A sala de leitura não deve ser informada se estiver
localizada dentro da biblioteca.
O Censo de Educação Básica de 2016 indica que menos da metade (46,2%) das escolas
do público-alvo da ANA possuem biblioteca e menos de um terço (27,5%) têm sala de leitura.

25,9%
Centro-Oeste
51,4%

15,3%
Sul
77,3%

39,8%
Sudeste
50,2%

24,1%
Nordeste Sala de leitura
30,4%
Biblioteca
24,3%
Norte
36,2%

27,5%
Brasil
46,2%

0,0% 10,0% 20,0% 30,0% 40,0% 50,0% 60,0% 70,0% 80,0% 100,0%

Gráfico 6 – Percentual de escolas que possuem biblioteca e sala de leitura para o Brasil e Regiões
Geográficas
Fonte: Censo da Educação Básica 2016/Inep.

Nas regiões Norte e Nordeste, uma parcela menor das escolas declararou possuir
biblioteca (36,2% e 30,4%, respectivamente) e sala de leitura (24,3 e 24,1%, respectivamente).
Um pouco mais da metade das escolas das regiões Sudeste (50,2%) e Centro-Oeste
(51,4%) têm biblioteca. A região Sul destaca-se com 77,3% que declaram possuir biblioteca.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 67
Tempo Integral

Considera-se Tempo Integral a jornada escolar com duração igual ou superior a sete horas
diárias ou 35 horas semanais, durante todo o período letivo, compreendendo o tempo total
que o aluno permanece na escola ou em atividades escolares em outros espaços educacionais.

Centro-Oeste 10,3%

Sul 12,4%

Sudeste 13,4%

Nordeste 15,2%

Norte 10,9%

Brasil 13,2%

0,0% 2,0% 4,0% 4,0% 6,0% 8,0% 10,0% 12,0% 14,0% 16,0%
Percentual de alunos em tempo integral

Gráfico 7 – Percentual de alunos em Tempo Integral para o Brasil e Regiões Geográficas

Na etapa avaliada pelo SAEB/ANA 2016, o total de matrículas de Tempo Integral no


Brasil é de 13,2%. Esse quantitativo se distribui de forma semelhante entre as regiões brasileiras.
A de maior percentual é a região Nordeste, com 15,2% dos estudantes matriculados em Tempo
Integral, seguida das regiões Sudeste (13,4%), Sul (12,4%), Norte (10,9%) e, por fim, a Centro-
Oeste, com 10,3% dos estudantes nessa situação.

Indicador de Nível Socioeconômico

O Indicador de Nível Socioeconômico (Inse15) objetiva contextualizar os resultados


das avaliações e exames realizados pelo Inep. Ele é calculado a partir do nível de escolaridade
dos responsáveis, informações sobre posse de bens domésticos, renda e contratação de
serviços pela família dos estudantes matriculados nas escolas participantes das avaliações.

As fontes para a construção desse indicador foram os dados dos questionários contextuais dos estudantes do SAEB (ANEB/
15

ANRESC), bem como do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), referentes aos anos de 2011 e de 2013.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


68 Panorama do Brasil e dos Estados
Muito Baixo; 1,5%

Muito Alto; 0,1%


Baixo; 9,3% Médio Baixo; 20,5% Médio; 24,9% Médio Alto; 33,4% Alto; 10,3%

0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100%
Gráfico 8 – Indicador de Nível Socioeconômico das Escolas público-alvo do SAEB/ANA 2016

O gráfico 8 evidencia que grande parte dos estudantes das escolas público-alvo do
SAEB/ANA 2016 está nos níveis intermediários do Inse – 20,5% Médio Baixo, 24,9% Médio e
33,4% Médio Alto. Ressalta-se que os dados apresentados referem-se ao cálculo do indicador
realizado em 2013, conforme Nota Técnica do Inep16.

Tabela 1 – Índice de Nível Socioeconômico das Escolas público-alvo do SAEB/ANA 2016 por Região
Geográfica

Nível

Agregação
Muito Médio Médio Muito
Baixo Médio Alto
Baixo Baixo Alto Alto

Norte 5,7% 14,5% 32,8% 34,4% 11,3% 1,3% 0,0%

Nordeste 2,7% 23,2% 46,7% 25,2% 2,1% 0,1% 0,0%

Sudeste 0,0% 1,4% 5,4% 21,9% 57,0% 14,0% 0,1%

Sul 0,0% 0,1% 1,3% 15,3% 54,5% 28,2% 0,5%

Centro-Oeste 0,1% 0,6% 5,5% 45,1% 41,3% 7,2% 0,1%

A desagregação do Inse para Regiões Geográficas demonstra a variabilidade nos


resultados. Enquanto nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste as porcentagens maiores estão
acima do nível médio, nas regiões Norte e Nordeste as maiores frequências são nos níveis
médio baixo e baixo.
Por fim, para fins de referência em relação ao investimento médio mensal por estudante,
nos anos iniciais do ensino fundamental, informa-se que, em 2015, o setor público (União,
estados e municípios) investiu, em média, R$ 523,92 mensais por estudante da rede pública
do ensino fundamental nos anos iniciais. Este valor é calculado pela Diretoria de Estatísticas
Educacionais – DEED/INEP, utilizando a metodologia de tratamento e cálculo recomendada
pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OCDE e os dados

http://download.inep.gov.br/informacoes_estatisticas/indicadores_educacionais/2011_2013/nivel_socioeconomico/nota_
16

tecnica_indicador_nivel_socioeconomico.pdf

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 69
oficiais disponibilizados pela Secretaria do Tesouro Nacional – STN/MF (dados financeiros do
Governo Federal), pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação – FNDE/MEC (dados
financeiros dos governos estaduais e municipais) e pelo Inep (matrículas).

3.2 Público previsto do SAEB/ANA 2016

Escolas

A seguir apresenta-se a caracterização das escolas previstas do SAEB/ANA 2016.

Dependência Administrativa

Em 2016 havia 48.717 escolas previstas para participação no SAEB/ANA 2016. Desse
montante, 40.393 instituições escolares fazem parte da rede municipal (cerca de 82,9%) e
possuem 2.050.478 estudantes matriculados no 3° ano do ensino fundamental (82,3% dos
alunos).
Ressalta-se, ainda, que a maioria dessas escolas previstas para participação no SAEB/
ANA 2016 estão localizadas na zona urbana (72,2%).

Tabela 2 – Número de escolas previstas do SAEB/ANA 2016, por Dependência Administrativa e


Localização

48.717 sendo:

Federais Estaduais Municipais Urbanas Rurais

22 8.302 40.393 35.149 13.568

Fonte: Censo da Educação Básica 2016/Inep.

A predominância de escolas municipais ofertando o 3º ano do ensino fundamental


demonstra que as redes municipais estão assumindo protagonismo na oferta dos primeiros
anos de ensino, atendendo aos dispositivos legais.
A Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), de 20 de dezembro de 1996, ratifica os
ditames da Constituição Federal de 1988 ao determinar no inciso 5° do artigo 11 que:

Os municípios incumbir-se-ão de oferecer a educação infantil em creches e pré-escolas e, com


prioridade, o ensino fundamental, permitida a atuação em outros níveis de ensino somente
quando estiverem atendidas plenamente as necessidades de sua área de competência e
com recursos acima dos percentuais vinculados pela Constituição Federal à manutenção e
desenvolvimento do ensino.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


70 Panorama do Brasil e dos Estados
A imagem a seguir apresenta a distribuição de instituições de ensino previstas para
participação no SAEB/ANA 2016.

Figura 1 – Distribuição das escolas entre as Regiões Geográficas

Norte Nordeste
5.577 17.031
(3 Federais, (3 Federais,
957 Estaduais, 791 Estaduais,
4.617 Municipais) 16.237 Municipais)

centro-oeste
3.383
(1 Federal,
1.072 Estaduais,
2.310 Municipais)

sul sudeste
8.081 14.645
(2 Federais, (13 Federais,
2.140 Estaduais, 3.342 Estaduais,
5.939 Municipais) 11.290 Municipais)
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Estudantes

A seguir apresenta-se a caracterização dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016,


com base nos dados coletados pelo Censo da Educação Básica.

Sexo
Tabela 3 – Número de estudantes previstos do SAEB/ANA 2016 por sexo em 2016

2.492.601 estudantes
Meninos Meninas
1.324.548 1.168.053
Fonte: Censo da Educação Básica 2016/Inep.

Os dados do Censo da Educação Básica apontam que, por sexo, esses 2.492.601
estudantes estão divididos em 53,1% de meninos e 46,9% de meninas.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 71
Raça/Cor
Tabela 4 – Número de estudantes previstos do SAEB/ANA 2016 por raça/cor em 2016

2.492.601 estudantes
Não declaradas Branca Preta Parda Amarela Indígena
24,4% 31,1% 3,6% 40,1% 0,3% 0,6%
Fonte: Censo da Educação Básica 2016/Inep.

Esse público é formado majoritariamente pela cor/raça parda (40,1%), seguida da


branca (31,1%). Destaca-se a grande porcentagem de não declarados (24,4%).

Distorção entre Idade e Série


A Distorção Idade-Série refere-se aos estudantes que têm dois anos ou mais acima da idade
de referência para a etapa de ensino em análise. Para o cálculo da distorção idade-série para alunos
do 3º ano do ensino fundamental são contabilizados os estudantes que possuem 10 ou mais anos
de idade. Cerca de 14,9% dos estudantes do Brasil nessa etapa encontram-se em distorção idade-
série. Nas regiões Norte (20,2%) e Nordeste (21,4%) os valores são acima do percentual nacional.
21,4%
20,2%

14,9%
12,9%
10,4 11,0%

Brasil Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste


Gráfico 9 – Percentual de estudantes do 3º ano do ensino fundamental em Distorção Idade-Série
para Brasil e Regiões Geográficas
Fonte: Censo da Educação Básica 2016/Inep.

3.3 Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016

Dos 2.492.601 estudantes previstos, 2.160.601 realizaram os testes de leitura e escrita


e 2.206.625 o teste de matemática.

Tabela 5 – Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área

2.492.601 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016


Federais Estaduais  Municipais Urbanas Rurais Capital Interior
1.401 440.722 2.050.478 2.163.727 328.874 461.600 2.031.001
0,06% 17,7% 82,3% 86,8% 13,2% 18,5% 81,5%
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


72 Panorama do Brasil e dos Estados
Tabela 6 – Percentual de estudantes presentes por área
2.492.601 estudantes previstos, sendo que:
86,5% 88,4%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos.

Leitura

Apresenta-se a seguir a distribuição percentual dos estudantes nos níveis de


proficiência em Leitura na edição de 2016 da ANA, por região geográfica e UF.
Brasil 22% 33% 32% 13%

Norte 34% 36% 24% 6%


Acre 17% 38% 33% 12%
Amapá 45% 34% 17% 3%
Amazonas 31% 35% 26% 7%
Pará 40% 36% 20% 4%
Rondônia 22% 38% 31% 9%
Roraima 31% 40% 24% 5%
Tocanns 28% 37% 27% 8%

Nordeste 34% 35% 24% 7%


Alagoas 43% 34% 19% 4%
Bahia 36% 37% 22% 5%
Ceará 15% 31% 36% 19%
Maranhão 40% 37% 19% 4%
Paraíba 36% 36% 23% 6%
Pernambuco 36% 35% 23% 6%
Piauí 35% 36% 23% 7%
Rio Grande do Norte 33% 34% 25% 7%
Sergipe 45% 35% 17% 3%

Centro-Oeste 16% 35% 36% 13%


Distrito Federal 12% 33% 40% 16%
Goiás 16% 34% 37% 13%
Mato Grosso 18% 35% 35% 12%
Mato Grosso do Sul 17% 39% 34% 10%

Sudeste 14% 30% 38% 18%


Espírito Santo 15% 32% 37% 16%
Minas Gerais 10% 28% 39% 23%
Rio de Janeiro 23% 37% 31% 9%
São Paulo 13% 29% 40% 19%

Sul 12% 33% 40% 16%


Paraná 10% 35% 40% 15%
Rio Grande do Sul 16% 33% 37% 14%
Santa Catarina 10% 30% 41% 19%

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


Gráfico 10 – Distribuição percentual dos estudantes nos níveis de proficiência em Leitura, por região
geográfica e UF
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 73
Os resultados (Gráfico 10) mostram que a maior concentração de estudantes, no âmbito
nacional, se dá nos Níveis 2 e 3 da escala de Leitura (33% e 32%, respectivamente). No Nível
217, os itens passam a exigir compreensão de textos simples, considerando as características
do gênero, e o resgate de informações contidas nele, principalmente no título ou na frase
inicial. Já no Nível 3, além da compreensão geral de textos mais longos e complexos, constam
também habilidades que requerem relacionar várias informações contidas no texto em um
maior nível inferencial, tais como inferir sentido de expressão ou palavras e assunto em textos
verbais e não verbais.
O mesmo cenário é percebido na região Centro-Oeste, com concentração de 35% e
36%, respectivamente, nos Níveis 2 e 3. Já nas regiões Norte e Nordeste, preponderam os
Níveis 1 (34% em ambas) e 2 (36% no Norte e 35% no Nordeste). É importante considerar
que o Nível 1 é caracterizado pela leitura de palavras com diferentes quantidades de sílabas
e estruturas silábicas. No Sudeste e no Sul, a maior concentração de alunos se dá no Nível 3
(38% e 40%, respectivamente).
Dentro das regiões é possível perceber algumas diferenças entre as UF. No Nordeste, o
Ceará registra a maior concentração de alunos no Nível 3 (36%). Na região Sudeste, o Rio de
Janeiro tem como nível preponderante o Nível 2 (37%). No Norte, Centro-Oeste e Sul, todas as
UF mantêm, em certa medida, o padrão de distribuição regional.

Uma descrição mais completa dessas habilidades se encontra na interpretação pedagógica das escalas de proficiência.
17

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


74 Panorama do Brasil e dos Estados
Escrita
Brasil 14% 17% 2% 58% 8%

Norte 24% 25% 4% 44% 3%


Acre 11% 20% 6% 58% 4%
Amapá 32% 26% 2% 39% 2%
Amazonas 23% 26% 3% 43% 4%
Pará 29% 27% 4% 38% 2%
Rondônia 14% 20% 4% 57% 5%
Roraima 21% 28% 2% 45% 3%
Tocanns 20% 19% 4% 52% 5%

Nordeste 24% 23% 3% 46% 4%


Alagoas 31% 24% 2% 42% 2%
Bahia 24% 26% 4% 42% 3%
Ceará 11% 14% 4% 62% 9%
Maranhão 28% 28% 4% 38% 2%
Paraíba 27% 25% 4% 41% 3%
Pernambuco 27% 23% 2% 46% 2%
Piauí 25% 25% 4% 43% 4%
Rio Grande do Norte 20% 19% 2% 56% 3%
Sergipe 31% 23% 1% 42% 2%

Centro-Oeste 10% 17% 3% 62% 9%


Distrito Federal 7% 14% 3% 64% 12%
Goiás 11% 17% 3% 60% 9%
Mato Grosso 11% 15% 1% 65% 7%
Mato Grosso do Sul 9% 20% 4% 60% 6%

Sudeste 8% 12% 1% 66% 12%


Espírito Santo 10% 14% 1% 66% 8%
Minas Gerais 6% 13% 2% 63% 16%
Rio de Janeiro 14% 20% 1% 59% 6%
São Paulo 8% 9% 1% 71% 12%

Sul 6% 12% 1% 68% 12%


Paraná 4% 10% 1% 74% 11%
Rio Grande do Sul 9% 18% 2% 60% 11%
Santa Catarina 6% 9% 1% 71% 13%
Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5

Gráfico 11 – Distribuição percentual dos estudantes nos níveis de proficiência em Escrita, por região
geográfica e UF
Fonte: Microdados do SAEB/ANA 2016/Inep.

O Gráfico 11 mostra que a maior concentração de estudantes brasileiros está no Nível


4 da escala de Escrita (58%). Neste nível18, os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta
de construir uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem
parcialmente o sentido desta. Esse cenário é replicado em todas as regiões (44% no Norte;
46% no Nordeste; 62% no Centro-Oeste; 66% no Sudeste e 68% no Sul).
É preciso atenção ao fato de que, nas regiões Norte e Nordeste, apesar da maior
representatividade do Nível 4, 50% ou mais dos estudantes estão concentrados nos Níveis 1,

Uma descrição mais completa dessas habilidades se encontra na interpretação pedagógica das escalas de proficiência.
18

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 75
2 e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de
forma incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem
sua compreensão. Dentre as UF destas regiões, apenas Acre, Rondônia, Tocantins, Ceará e Rio
Grande Norte não replicam este cenário.

Matemática
Brasil 23% 31% 18% 27%
Brasil 22% 33% 32% 13%
Norte 35% 35% 15% 15%
Acre
Norte 18% 34% 35% 36% 21% 24% 26% 6%
AmapáAcre 17% 46% 38% 35% 33% 12% 8%
11%
Amazonas
Amapá 32% 45% 36% 34% 16% 17% 16% 3%
Pará
Amazonas 31%41% 35% 35% 13%
26% 10%
7%
RondôniaPará 24% 40% 35% 36% 18% 20%23% 4%
Roraima
Rondônia 22%
31% 38% 40% 31%
16% 13%9%
Tocanns
Roraima 30%
31% 35%
40% 16% 24% 19% 5%
Tocanns 28% 37% 27% 8%
Nordeste 36% 34% 15% 16%
Nordeste
Alagoas 34%
44% 35%
32% 24%
12% 12%7%
Alagoas
Bahia 38% 43% 35% 34% 14% 19% 13% 4%
CearáBahia 17% 36% 31% 37%
20% 22%
31% 5%
MaranhãoCeará 15% 41% 31% 36% 36% 13% 19% 10%
Maranhão
Paraíba 37%40% 34% 37%
15% 19%
14% 4%
Paraíba
Pernambuco 36% 36% 23% 6%
36% 33% 15% 16%
Pernambuco
Piauí 36% 35% 23% 6%
37% 35% 15% 13%
Piauí 35% 36% 23% 7%
Rio Grande do Norte 35% 34% 15% 15%
Rio Grande do Norte 33% 34% 25% 7%
Sergipe 46% 33% 12% 9%
Sergipe 45% 35% 17% 3%

Centro-Oeste 18% 34% 21% 27%


Centro-Oeste 16% 35% 36% 13%
Distrito Federal 13% 31% 22% 35%
Distrito Federal 12% 33% 40% 16%
Goiás 18% 34% 21% 27%
Goiás 16% 34% 37% 13%
Mato Grosso 20% 33% 20% 26%
Mato Grosso 18% 35% 35% 12%
Mato Grosso
Mato do Sul
Grosso do Sul 19% 38% 20% 22% 10%
17% 39% 34%

Sudeste 15% 28% 21% 37%


Sudeste 14% 30% 38% 18%
Espírito Santo
Espírito Santo 15%15% 31%
32% 21% 37% 32% 16%
Minas Gerais
Minas Gerais 11%
10% 27%
28% 21% 39% 41% 23%
Rio Rio
de Janeiro
de Janeiro 25%
23% 35%
37% 19% 31% 21% 9%
São São
Paulo
Paulo 13%13% 26%29% 21% 40% 40% 19%

Sul Sul 13%


12% 31%
33% 21% 40% 35% 16%
Paraná
Paraná 11%
10% 33%35% 22% 40% 33% 15%
Rio Rio
Grande do Sul
Grande do Sul 16%
17% 32%
33% 19% 37% 32% 14%
SantaSanta Catarina
Catarina 11%
10% 27%
30% 21% 41% 41% 19%

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4

Gráfico 12 – Distribuição percentual dos estudantes nos níveis de proficiência em Matemática, por
região geográfica e UF
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


76 Panorama do Brasil e dos Estados
Os resultados dos testes de Matemática (Gráfico 12) mostram que a maior concentração
de estudantes, no âmbito nacional, se dá no Nível 2 da escala (31%). Neste nível, os estudantes
provavelmente são capazes de, por exemplo19, determinar valor monetário de cédulas ou
de agrupamento de cédulas e moedas, sem envolver reagrupamento de centavos em reais;
reconhecer figura geométrica plana (triângulo, retângulo, quadrado e círculo) a partir de
sua nomenclatura; identificar frequência associada a uma categoria em gráfico de colunas
ou de barras, com quatro categorias; resolver problema de adição ou subtração envolvendo
números naturais de até 2 algarismos, sem reagrupamento nos cálculos, com o significado de
acrescentar ou retirar e em que o estado final é desconhecido.
O mesmo cenário é percebido na região Centro-Oeste, com concentração de 34%
no Nível 2. A região Norte registra 35% dos estudantes no Nível 2 e outros 35% no Nível 1,
caracterizado por habilidades que podem ser consideradas elementares para o 3° ano do
ensino fundamental, por exemplo, ler medida em instrumento (termômetro, régua) com valor
procurado explícito; associar figura geométrica espacial ou plana à imagem de um objeto;
identificar maior frequência em gráfico de colunas, com quatro categorias, ordenadas da
maior para a menor; comparar quantidades pela contagem, identificando a maior quantidade,
em grupos de até 20 objetos organizados.
Já nas regiões Sudeste e Sul, prepondera o Nível 4, com concentração de 37% e 35%,
respectivamente. Nesse nível, os estudantes provavelmente são capazes de, por exemplo,
inferir medida em instrumento (termômetro) com valor procurado não explícito; identificar
uma categoria associada a uma frequência específica em gráfico de barra, com quatro
categorias; resolver problema de adição ou subtração, envolvendo números naturais de até
3 algarismos, com ou sem reagrupamento nos cálculos, com o significado de comparar e em
que a diferença, a menor ou a maior quantidade seja desconhecida. No Nordeste, a maior
concentração de estudantes está no Nível 1 da escala de Matemática.
Dentro das regiões, é possível perceber algumas diferenças entre as UF. No Nordeste,
a variação fica por conta do Ceará, onde o nível preponderante é o 4, que aloca 31% dos
estudantes, embora haja a mesma concentração (31%) no Nível 2. A predominância do Nível
4 também é percebida no Distrito Federal, no Centro-Oeste, que reúne 35% dos alunos nesse
nível. Nas regiões Sul e Sudeste, onde predomina o Nível 4, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro
apresentam, respectivamente, 32% e 35% dos estudantes no Nível 2. O Paraná apresenta
cenário semelhante ao do Ceará, com predominância dos Níveis 2 e 4 em igual medida (33%).
Na região Norte, todas as UF mantêm, em certa medida, o padrão de distribuição regional.

Uma descrição mais completa dessas habilidades se encontra na interpretação pedagógica das escalas de proficiência.
19

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 77
Tabela 7 – Proficiências médias nacionais comparadas por Dependência Administrativa,
Localização e Área

Leitura Escrita Matemática


Federal Federal Federal
588,45 570,69 587,89
Por dependência Estadual Estadual Estadual
administrativa 527,71 519,21 529,99
Municipal Municipal Municipal
503,21 495,84 503,34
Urbana Urbana Urbana
513,56 505,76 513,59
Por localização
Rural Rural Rural
468,29 462,18 471,92
Capital Capital Capital
509,97 501,94 508,58
Por área
Interior Interior Interior
507,03 499,56 507,98
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados demonstram a média de desempenho nas três áreas avaliadas conforme


a Dependência Administrativa, Localização e Área. No que diz respeito à dependência
administrativa, as escolas estaduais alcançaram médias pelo menos 23 pontos mais altas do
que aquelas registradas pelas escolas municipais. É importante ressaltar que a rede municipal
é a principal responsável pela oferta do 3° ano do ensino fundamental, atendendo 82,3% desse
público, enquanto a parcela de estudantes matriculados na rede estadual corresponde a 17,7%
do total. As escolas federais alcançaram médias superiores em relação àquelas estaduais e
municipais, no entanto, a participação destas escolas é residual, atendendo somente 0,06%
dos estudantes concluintes do ciclo de alfabetização.

Tabela 8 – Proficiências médias regionais comparadas em Leitura por Dependência Administrativa,


Localização, Área e Região Geográfica

Leitura
Brasil e Região Federal Estadual Municipal Urbana Rural Capital Interior
Brasil 588,45 527,71 503,21 513,56 468,29 509,97 507,03
Norte 573,68 494,63 463,60 478,74 435,24 486,98 463,26
Nordeste 582,74 465,52 471,17 475,51 457,91 484,95 468,85
Sudeste 595,46 543,36 532,24 535,64 519,26 525,97 537,16
Sul 577,52 528,99 533,48 533,20 524,07 510,82 534,97
Centro-Oeste 542,70 526,98 514,51 520,72 488,44 524,07 515,75
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


78 Panorama do Brasil e dos Estados
Tabela 9 – Proficiências médias regionais comparadas em Escrita por Dependência Administrativa,
Localização, Área e Região Geográfica

Escrita
Brasil e Região Federal Estadual Municipal Urbana Rural Capital Interior
Brasil 570,69 519,21 495,84 477,49 444,03 501,94 499,56
Norte 566,40 493,09 465,08 475,16 460,41 482,88 465,91
Nordeste 582,68 467,53 471,49 536,22 520,45 480,30 470,00
Sudeste 595,81 547,06 531,91 534,66 528,48 527,75 537,47
Sul 577,62 531,55 534,91 518,37 488,61 509,04 537,04
Centro-Oeste 543,55 527,25 511,27 518,37 488,61 520,89 514,06
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Tabela 10 – Proficiências médias regionais comparadas em Matemática por Dependência


Administrativa, Localização, Área e Região Geográfica

Matemática
Brasil e Região Federal Estadual Municipal Urbana Rural Capital Interior
Brasil 587,89 529,99 503,34 513,59 471,92 508,58 507,98
Norte 559,02 478,82 451,86 465,55 425,28 469,89 452,36
Nordeste 560,73 455,42 460,04 463,32 450,00 472,61 457,96
Sudeste 575,57 534,88 525,98 528,67 516,11 520,49 530,04
Sul 572,44 523,26 536,13 533,51 531,18 515,21 535,39
Centro-Oeste 535,50 522,48 507,79 514,14 489,21 518,67 509,41
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

As médias regionais (Tabelas 8, 9 e 10) por categoria administrativa seguem o mesmo


padrão: médias mais altas para as escolas da rede federal, seguidas pelas estaduais e, por fim,
as municipais. Apenas nas regiões Nordeste e Sul as médias das redes municipais superam as
estaduais.
A respeito da localização, percebe-se que as médias das escolas urbanas, no Brasil,
superam em pelo menos 33 pontos as médias das escolas rurais em Leitura, Escrita e
Matemática. Os estudantes de escolas urbanas correspondem a 86,8% do total de matriculados
no 3° ano do ensino fundamental, em âmbito nacional. Também regionalmente as médias de
proficiência das escolas urbanas são superiores às das escolas rurais.
Já as médias nacionais de proficiência por área revelam resultados similares para as
escolas das capitais e do interior. A maior diferença entre elas, na área de Leitura, não chega
a três pontos na média, com as escolas da capital sobressaindo. As regiões Sudeste e Sul, no
entanto, apresentam médias mais altas para as escolas do interior.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 79
parte 4
PANORAMAS DOS ESTADOS

A seguir, apresenta-se um panorama dos resultados


do SAEB/ANA para cada um dos estados brasileiros
contemplando: i) informações referentes às escolas,
docentes, turmas e estudantes público-alvo da avaliação;
ii) perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016;
iii) resultado de proficiência das escolas e estudantes
previstos no SAEB/ANA 2016 por Dependência
Administrativa, Localização e Área; e iv) proficiências
médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática,
por Dependência Administrativa, Localização e Área.

Espera-se que tais dados agregados colaborem para


que as Secretarias Estaduais e Municipais de Educação
conheçam especificidades relevantes de sua rede de
ensino.
REGIÃO
NORTE
ACRE
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 264 escolas, das quais 211 tiveram
seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 228 em Matemática.
Redes municipais – 100% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 153 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 302 escolas que atendem ao 3º ano do Ensino
Fundamental. Dessas, uma é federal, 125 são estaduais, 153 municipais e 23
privadas. Ao todo são 185 escolas urbanas e 117 rurais.
Estudantes – O estado possui 16.163 estudantes matriculados no 3º ano
do Ensino Fundamental. Desses, 30 estão matriculados em escolas federais,
7.287 em escolas estaduais, 7.969 em escolas municipais e 877 em escolas
privadas. Ao todo são 13.199 estudantes matriculados em escolas urbanas e
2.964 em escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo1 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas2

65,3% 39,5%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 300 matrículas, funcionam
considerada adequada em 2 turnos, com oferta de até
2 etapas de ensino

Tamanho das turmas Acessibilidade

41,9% 36,2%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma3 público com deficiência e 54,6%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à internet e uso de computadores Biblioteca e Sala de Leitura

75,3% 53,5%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 73,1% possuem e 23,2% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico4 Tempo Integral

40,7% 19,7%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO no Indicador de matriculados em tempo
Nível Socioeconômico integral

1
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
2
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
3
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 de junho de 2014).
4
O dado refere-se ao percentual de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 85
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

52,7% 47,3%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série

65,4% 19,4%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 9,7% brancos, ensino fundamental em distorção
1,4% indígenas, 1% pretos, 0,4% idade-série, ou seja, têm 10 ou
amarelos e 35,2% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:
264 escolas previstas

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


118 146 160 104 88 176

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

15.043 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


7.203 7.840 12.229 2.814 6.464 8.579

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

15.043 estudantes previstos, sendo que:

87,2% 89,8%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


86 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

37,8%
dos estudantes estão no Nível 2. No Nível 2, os itens passam a exigir compreensão de textos simples,
considerando as características do gênero, e o resgate de informações contidas nele, principalmente,
no título ou na frase inicial.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


16,7% 37,8% 33% 12,5%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Acre 514,46

Norte 469,34

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de Leitura.

Escrita

58,2%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 37,3% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


11,1% 20,3% 5,9% 58,2% 4,5%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Acre 494,54

Norte 470,26

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima da proficiência média regional e
abaixo da proficiência média nacional da avaliação de Escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 87
matemática

34,8%
dos estudantes desse estado estão no Nível 2 de Matemática. Nesse nível, os estudantes provavelmente
são capazes de, por exemplo, determinar valor monetário de cédulas ou de agrupamento de cédulas
e moedas, sem envolver reagrupamento de centavos em reais; reconhecer figura geométrica plana
(triângulo, retângulo, quadrado e círculo) a partir de sua nomenclatura; identificar frequência associada
a uma categoria em gráfico de colunas ou de barras, com quatro categorias; resolver problema de
adição ou subtração envolvendo números naturais de até 2 algarismos, sem reagrupamento nos
cálculos, com o significado de acrescentar ou retirar e em que o estado final é desconhecido.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


18,5% 34,8% 20,7% 26%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Acre 513,23

Norte 456,85

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de Matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


por dependência Estadual: 525,77 Estadual: 498,39 Estadual: 523,53
administrativa Municipal: 503,9 Municipal: 490,94 Municipal: 503,61
Urbana: 522,9 Urbana: 499,95 Urbana: 521,27
por localização
Rural: 477,92 Rural: 471,12 Rural: 478,42
Capital: 528,89 Capital: 500,84 Capital: 526,06
por área
Interior: 503,73 Interior: 489,85 Interior: 503,68
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede estadual. Referente à
localização, o resultado é superior nas escolas urbanas, e, por área, os resultados são maiores nas
escolas localizadas na capital.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


88 Panorama do Brasil e dos Estados
AMAPÁ
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 241 escolas, das quais 171 tiveram
seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 187 em Matemática.
Redes municipais – 100% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 157 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 360 escolas que atendem ao 3º ano do Ensino
Fundamental. Dessas, 164 são estaduais, 157 municipais e 39 privadas. Ao
todo são 169 escolas urbanas e 191 rurais.
Estudantes – O estado possui 16.352 estudantes matriculados no 3º ano
do Ensino Fundamental. Desses, 4.435 estão matriculados em escolas
estaduais, 10.479 em escolas municipais e 1.438 em escolas privadas. Ao
todo são 13.174 estudantes matriculados em escolas urbanas e 3.178 em
escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo5 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas6

36,4% 42,8%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 300 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de até 2
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

47,9% 23,5%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma7 público com deficiência e 39,9%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

46,5% 42,8%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 63,4% possuem e 42% possuem Sala de Leitura
computadores para uso dos
alunos

Nível Socioeconômico8 Tempo Integral

43,7% 31,7%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO no Indicador de matriculados em tempo
Nível Socioeconômico integral

5
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
6
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
7
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014).
8
O dado refere-se ao percentual de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 89
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

54% 46%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série

65,4% 23,4%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 10,1% brancos, ensino fundamental em distorção
2,6% pretos, 1,9% indígenas, 0,4% idade-série, ou seja, têm 10 ou
amarelos e 19,6% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:
241 escolas previstas

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


107 134 129 112 101 140

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

14.434 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


4.096 10.338 11.730 2.704 7.984 6.450

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

14.434 estudantes previstos, sendo que:

85,3% 86,7%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


90 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

45,1%
dos estudantes estão no Nível 1. No Nível 1 consta a leitura de palavras com diferentes quantidades
de sílabas e estruturas silábicas.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


45,1% 34,3% 17,4% 3,2%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Amapá 441,95

Norte 469,34

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de leitura.

Escrita

38,8%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 59,2% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


45,9% 34,6% 11,5% 8% 4,5%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Amapá 435,83

Norte 470,26

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 91
matemática

45,9%
dos estudantes desse estado estão no Nível 1 de Matemática. Nesse nível predominam habilidades que
podem ser consideradas elementares para o 3º ano do ensino fundamental, por exemplo, ler medida
em instrumento (termômetro, régua) com valor procurado explícito; associar figura geométrica espacial
ou plana a imagem de um objeto; identificar maior frequência em gráfico de colunas, com quatro
categorias, ordenadas da maior para a menor; comparar quantidades pela contagem, identificando a
maior quantidade, em grupos de até 20 objetos organizados.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


45,9% 34,6% 11,5% 8%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Amapá 444,23

Norte 456,85

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


por dependência Estadual: 525,77 Estadual: 498,39 Estadual: 523,53
administrativa Municipal: 503,9 Municipal: 490,94 Municipal: 503,61
Urbana: 522,9 Urbana: 499,95 Urbana: 521,27
por localização
Rural: 477,92 Rural: 471,12 Rural: 478,42
Capital: 528,89 Capital: 500,84 Capital: 526,06
por área
Interior: 503,73 Interior: 489,85 Interior: 503,68
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede estadual. Referente à
localização, o resultado é superior nas escolas urbanas, e, por área, os resultados são maiores nas
escolas localizadas na capital.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


92 Panorama do Brasil e dos Estados
AMAZONAS
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 1.073 escolas, das quais 706
tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 711 em Matemática.
Redes municipais – 98,4% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 857 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 1.321 escolas que atendem ao 3º ano do
Ensino Fundamental. Dessas, 264 são estaduais, 857 municipais e 200
privadas. Ao todo são 886 escolas urbanas e 435 rurais.
Estudantes – O estado possui 74.363 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 18.146 estão matriculados em escolas
estaduais, 49.297 em escolas municipais e 6.920 em escolas privadas. Ao
todo são 63.197 estudantes matriculados em escolas urbanas e 11.166 em
escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo9 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas10

75,8% 32,3%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 300 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de até 2
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

38,6% 10,5%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma11 público com deficiência e 27,7%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

57,7% 47%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 61,2% possuem e 10,5% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico12 Tempo Integral

38% 12,1%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO no Indicador de matriculados em tempo
Nível Socioeconômico integral

9
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
10
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
11
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014).
12
O dado refere-se ao percentual de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 93
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

52% 48%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série

73,1% 18,9%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 9% brancos, ensino fundamental em distorção
4,4% indígenas, 0,9% pretos, 0,2% idade-série, ou seja, têm 10 ou
amarelos e 12,4% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:
1.073 escolas previstas

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


255 818 687 386 361 712

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

67.030 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


18.063 48.967 56.297 10.733 31.583 35.447

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

67.030 estudantes previstos, sendo que:

82,8% 82,8%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


94 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

35,3%
dos estudantes estão no Nível 2. No Nível 2, os itens passam a exigir compreensão de textos simples,
considerando as características do gênero, e o resgate de informações contidas nele, principalmente,
no título ou na frase inicial.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


31% 35,3% 26,2% 7,5%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Amazonas 478,52

Norte 469,34

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima da proficiência média da região e
abaixo da proficiência média nacional da avaliação em leitura.

Escrita

43,5%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 52,5% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


23,2% 26,4% 2,9% 43,5% 4,1%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Amazonas 459,01

Norte 470,26

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 95
matemática

35,5%
dos estudantes desse estado estão no Nível 2 de Matemática. Nesse nível, os estudantes provavelmente
são capazes de, por exemplo, determinar valor monetário de cédulas ou de agrupamento de cédulas
e moedas, sem envolver reagrupamento de centavos em reais; reconhecer figura geométrica plana
(triângulo, retângulo, quadrado e círculo) a partir de sua nomenclatura; identificar frequência associada
a uma categoria em gráfico de colunas ou de barras, com quatro categorias; resolver problema de
adição ou subtração envolvendo números naturais de até 2 algarismos, sem reagrupamento nos
cálculos, com o significado de acrescentar ou retirar e em que o estado final é desconhecido.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


31,9% 35,5% 16,2% 16,4%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Amazonas 478,14

Norte 456,85

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima da proficiência média da região e
abaixo da proficiência média nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


por dependência Estadual: 512,11 Estadual: 495,65 Estadual: 507,2
administrativa Municipal: 466,14 Municipal: 445,5 Municipal: 467,43
Urbana: 487,8 Urbana: 468,42 Urbana: 485,05
por localização
Rural: 430,23 Rural: 410,02 Rural: 442,18
Capital: 498,57 Capital: 474,74 Capital: 491,1
por área
Interior: 460,72 Interior: 445,04 Interior: 466,63
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede estadual. Referente à
localização, o resultado é superior nas escolas urbanas, e, por área, os resultados são maiores nas
escolas localizadas na capital.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


96 Panorama do Brasil e dos Estados
PARÁ
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 2.860 escolas, das quais
1.894 tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 2.124 em
Matemática.
Redes municipais – 100% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 2.752 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 3.635 escolas que atendem ao 3º ano do
Ensino Fundamental. Dessas, duas são federais, 250 são estaduais, 2.752
municipais e 631 privadas. Ao todo são 2.077 escolas urbanas e 1.558 rurais.
Estudantes – O estado possui 157.101 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 129 estão matriculados em escolas
federais, 15.080, em escolas estaduais, 126.542 em escolas municipais e
15.350 em escolas privadas. Ao todo são 118.724 estudantes matriculados
em escolas urbanas e 38.377 em escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo13 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas14

50,3% 33,4%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 300 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de até 2
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

53,1% 23,9%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma15 público com deficiência e 37%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

52,8% 26,6%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 53,6% possuem e 30% possuem Sala de Leitura
computadores para uso dos
alunos

Nível Socioeconômico16 Tempo Integral

37,2% 6,6%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO BAIXO matriculados em tempo
no Indicador de Nível integral
Socioeconômico
13
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
14
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
15
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014).
16
O dado refere-se ao percentual de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 97
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

54,7% 45,3%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série

46,8% 24,5%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 6,8% brancos, ensino fundamental em distorção
0,6% indígenas, 1,6% pretos, 0,2% idade-série, ou seja, têm 10 ou
amarelos e 44% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:
2.860 escolas previstas

Federais Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


2 240 2.618 1.446 1.414 197 2.663

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

140.613 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016

Federais Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


129 15.015 125.469 103.544 37.069 16.201 124.412

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

140.613 estudantes previstos, sendo que:

82,4% 85,2%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


98 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

40,4%
dos estudantes estão no Nível 1. No Nível 1 consta a leitura de palavras com diferentes quantidades
de sílabas e estruturas silábicas.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


40,4% 36% 19,7% 4%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Pará 452,67

Norte 469,34

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de leitura.

Escrita

38,3%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 59,9% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


28,6% 27,4% 3,9% 38,3% 1,8%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Pará 440,93

Norte 470,26

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 99
matemática

41,5%
dos estudantes desse estado estão no Nível 1 de Matemática. Nesse nível predominam habilidades que
podem ser consideradas elementares para o 3º ano do ensino fundamental, por exemplo, ler medida
em instrumento (termômetro, régua) com valor procurado explícito; associar figura geométrica espacial
ou plana a imagem de um objeto; identificar maior frequência em gráfico de colunas, com quatro
categorias, ordenadas da maior para a menor; comparar quantidades pela contagem, identificando a
maior quantidade, em grupos de até 20 objetos organizados.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


41,5% 35,4% 12,8% 10,3%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Pará 454,62

Norte 456,85

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


Federal: 575,69 Federal: 566,44 Federal: 563,68
por dependência
Estadual: 454,23 Estadual: 436,4 Estadual: 453,45
administrativa
Municipal: 452,35 Municipal: 441,34 Municipal: 454,65
Urbana: 463,2 Urbana: 451,16 Urbana: 462,31
por localização
Rural: 423,39 Rural: 412,52 Rural: 433,25
Capital: 465,21 Capital: 455,85 Capital: 464,48
por área
Interior: 451,03 Interior: 438,99 Interior: 453,34
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede federal. Referente à
localização, o resultado é superior nas escolas urbanas, e, por área, os resultados são maiores nas
escolas localizadas na capital.
Cabe ressaltar que o dado de média de proficiência da rede federal reflete um menor quantitativo de
estudantes comparativamente às redes estadual e municipal.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


100 Panorama do Brasil e dos Estados
RONDÔNIA
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 542 escolas, das quais 430
tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 455 em Matemática.
Redes municipais – 100% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 417 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 652 escolas que atendem ao 3º ano do Ensino
Fundamental. Dessas, 156 são estaduais, 417 municipais e 79 privadas. Ao
todo são 390 escolas urbanas e 262 rurais.
Estudantes – O estado possui 40.501 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 8.936 estão matriculados em escolas
estaduais, 28.616 em escolas municipais e 2.949 em escolas privadas. Ao
todo são 31.718 estudantes matriculados em escolas urbanas e 8.783 em
escolas rurais.
Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo17 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas18

81,8% 42,8%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 500 matrículas, funcionam
considerada adequada em 2 turnos, com oferta de 2 ou
3 etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

50,6% 39,9%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma19 público com deficiência e 63,6%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

82,7% 46,1%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 69,5% possuem e 23,2% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico20 Tempo Integral

48,4% 7,7%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO no Indicador matriculados em tempo
de Nível Socioeconômico integral

17
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
18
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
19
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014).
20
O dado refere-se ao percentual de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 101
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

52,9% 47,1%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série

50,9% 11,5%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 20,7% brancos, ensino fundamental em distorção
2,1% pretos, 1,2% indígenas, 0,6% idade-série, ou seja, têm 10 ou
amarelos e 24,4% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:
542 escolas previstas

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


143 399 311 231 108 434

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

37.322 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


8.885 28.437 28.728 8.594 8.682 28.640

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

37.322 estudantes previstos, sendo que:

86,6% 89%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


102 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

37,6%
dos estudantes estão no Nível 2. No Nível 2, os itens passam a exigir compreensão de textos simples,
considerando as características do gênero, e o resgate de informações contidas nele, principalmente,
no título ou na frase inicial.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


22,4% 37,6% 31% 9%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Rondônia 497,99

Norte 469,34

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima da proficiência média da região e
abaixo da proficiência média nacional da avaliação de leitura.

Escrita

56,7%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 38,5% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


14,3% 20,2% 4% 56,7% 4,8%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Rondônia 491,29

Norte 470,26

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 103
matemática

34,9%
dos estudantes desse estado estão no Nível 2 de Matemática. Nesse nível, os estudantes provavelmente
são capazes de, por exemplo, determinar valor monetário de cédulas ou de agrupamento de cédulas
e moedas, sem envolver reagrupamento de centavos em reais; reconhecer figura geométrica plana
(triângulo, retângulo, quadrado e círculo) a partir de sua nomenclatura; identificar frequência associada
a uma categoria em gráfico de colunas ou de barras, com quatro categorias; resolver problema de
adição ou subtração envolvendo números naturais de até 2 algarismos, sem reagrupamento nos
cálculos, com o significado de acrescentar ou retirar e em que o estado final é desconhecido.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


24,4% 34,9% 18,2% 22,5%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Rondônia 499,02

Norte 456,85

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima da proficiência média da região e
abaixo da proficiência média nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


por dependência Estadual: 520,35 Estadual: 511,96 Estadual: 522,05
administrativa Municipal: 491,03 Municipal: 484,85 Municipal: 491,85
Urbana: 503,69 Urbana: 494,47 Urbana: 503,74
por localização
Rural: 478,76 Rural: 480,56 Rural: 483,07
Capital: 476,3 Capital: 468,62 Capital: 472,85
por área
Interior: 504,56 Interior: 498,16 Interior: 506,94
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede estadual. Referente à
localização, o resultado é superior nas escolas urbanas, e, por área, os resultados são maiores nas
escolas localizadas no interior.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


104 Panorama do Brasil e dos Estados
RORAIMA
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 141 escolas, das quais 66 tiveram
seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 78 em Matemática.
Redes municipais – 100% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 121 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 195 escolas que atendem ao 3º ano do Ensino
Fundamental. Dessas, uma é federal, 50 são estaduais, 121 municipais e 23
privadas. Ao todo são 83 escolas urbanas e 112 rurais.
Estudantes – O estado possui 8.161 estudantes matriculados no 3º ano
do Ensino Fundamental. Desses, 25 estão matriculados em escolas federais,
741 em escolas estaduais, 6.479 em escolas municipais e 916 em escolas
privadas. Ao todo são 6.212 estudantes matriculados em escolas urbanas e
1.949 em escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo21 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas22

60,6% 35,9%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 300 matrículas, funcionam
considerada adequada em 2 turnos, com oferta de até
2 etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

56,3% 24,6%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma23 público com deficiência e 37,3%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

52,1% 41,5%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 58,5% possuem e 27,5% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico24 Tempo Integral

45% 3,7%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO no Indicador matriculados em tempo
de Nível Socioeconômico integral

21
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
22
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
23
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014).
24
O dado refere-se ao percentual de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 105
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

54,1% 45,9%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


38,1% 15,5%
dos estudantes declarados dos estudantes do 3º ano do
pela escola são pardos, 9,3%
ensino fundamental em distorção
indígenas, 6,9% brancos, 1%
pretos, 0,2% amarelos e 44,4% idade-série, ou seja, têm 10 ou
não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:
141 escolas previstas

Federal Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


1 31 109 60 81 47 94

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

6.981 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016

Federais Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


25 540 6.416 5.296 1.685 3.748 3.233

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

6.981 estudantes previstos, sendo que:

74,9% 78,5%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


106 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

40,3%
dos estudantes estão no Nível 2. No Nível 2, os itens passam a exigir compreensão de textos simples,
considerando as características do gênero, e o resgate de informações contidas nele, principalmente,
no título ou na frase inicial.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


30,7% 40,3% 23,8% 5,2%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Roraima 472,12

Norte 469,34

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima da proficiência média da região e
abaixo da proficiência média nacional da avaliação de leitura.

Escrita

45,4%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 51,6% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


21,4% 28,2% 2% 45,4% 3%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Roraima 459,34

Norte 470,26

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 107
matemática

40,2%
dos estudantes desse estado estão no Nível 2 de Matemática. Nesse nível, os estudantes provavelmente
são capazes de, por exemplo, determinar valor monetário de cédulas ou de agrupamento de cédulas
e moedas, sem envolver reagrupamento de centavos em reais; reconhecer figura geométrica plana
(triângulo, retângulo, quadrado e círculo) a partir de sua nomenclatura; identificar frequência associada
a uma categoria em gráfico de colunas ou de barras, com quatro categorias; resolver problema de
adição ou subtração envolvendo números naturais de até 2 algarismos, sem reagrupamento nos
cálculos, com o significado de acrescentar ou retirar e em que o estado final é desconhecido.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


30,6% 40,2% 15,8% 13,4%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Roraima 474,66

Norte 456,85

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima da proficiência média da região e
abaixo da proficiência média nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


Federal: 563,33 Federal: 520,72 Federal: 580,44
por dependência
Estadual: 452,37 Estadual: 423,51 Estadual: 480,42
administrativa
Municipal: 472,12 Municipal: 459,72 Municipal: 474,17
Urbana: 477,38 Urbana: 462,09 Urbana: 478,53
por localização
Rural: 450,7 Rural: 448,15 Rural: 458,85
Capital: 484,04 Capital: 468,1 Capital: 485,73
por área
Interior: 458,36 Interior: 449,22 Interior: 461,86
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede federal. Referente à
localização, o resultado é superior nas escolas urbanas, e, por área, os resultados são maiores nas
escolas localizadas na capital.
Cabe ressaltar que o dado de média de proficiência da rede federal reflete um menor quantitativo de
estudantes comparativamente às redes estadual e municipal.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


108 Panorama do Brasil e dos Estados
TOCANTINS
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 456 escolas, das quais 363
tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 397 em Matemática.
Redes municipais – 98,6% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 427 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 596 escolas que atendem ao 3º ano do Ensino
Fundamental. Dessas, 73 são estaduais, 427 municipais e 96 privadas. Ao
todo são 434 escolas urbanas e 162 rurais.
Estudantes – O estado possui 25.277 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 2.140 estão matriculados em escolas
estaduais, 20.471 em escolas municipais e 2.666 em escolas privadas. Ao
todo são 22.545 estudantes matriculados em escolas urbanas e 2.732 em
escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo25 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas26

70% 39,2%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 300 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de até 2
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

56,7% 35,7%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma27 público com deficiência e 46,6%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

88,2% 43,6%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 68,8% possuem e 13,3% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico28 Tempo Integral

42,9% 23,2%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO BAIXO matriculados em tempo
no Indicador de Nível integral
Socioeconômico
25
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
26
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
27
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014).
28
O dado refere-se ao percentual de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 109
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

52,8% 47,2%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


63,1% 10,5%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 13,4% brancos, ensino fundamental em distorção
3,5% pretos, 1,2% indígenas, 0,9% idade-série, ou seja, têm 10 ou
amarelos e 17,9% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:
456 escolas previstas

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


63 393 337 119 35 421

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

22.291 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


2.068 20.223 19.947 2.344 3.269 19.022

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

22.291 estudantes previstos, sendo que:

87% 89,4%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


110 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

36,5%
dos estudantes estão no Nível 2. No Nível 2, os itens passam a exigir compreensão de textos simples,
considerando as características do gênero, e o resgate de informações contidas nele, principalmente,
no título ou na frase inicial.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


28,1% 36,5% 27% 8,4%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Tocanns 484,95

Norte 469,34

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima da proficiência média da região e
abaixo da proficiência média nacional da avaliação de leitura.

Escrita

52,1%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 42,4% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


19,6% 19,3% 3,5% 52,1% 5,5%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Tocanns 480,2

Norte 470,26

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima da proficiência média da região e
abaixo da proficiência média nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 111
matemática

35,1%
dos estudantes desse estado estão no Nível 2 de Matemática. Nesse nível, os estudantes provavelmente
são capazes de, por exemplo, determinar valor monetário de cédulas ou de agrupamento de cédulas
e moedas, sem envolver reagrupamento de centavos em reais; reconhecer figura geométrica plana
(triângulo, retângulo, quadrado e círculo) a partir de sua nomenclatura; identificar frequência associada
a uma categoria em gráfico de colunas ou de barras, com quatro categorias; resolver problema de
adição ou subtração envolvendo números naturais de até 2 algarismos, sem reagrupamento nos
cálculos, com o significado de acrescentar ou retirar e em que o estado final é desconhecido.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


30,4% 35,1% 16% 18,5%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Tocanns 483,2

Norte 456,85

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima da proficiência média da região e
abaixo da proficiência média nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


por dependência Estadual: 513,09 Estadual: 507,15 Estadual: 513,5
administrativa Municipal: 481,86 Municipal: 477,25 Municipal: 479,88
Urbana: 489,18 Urbana: 483,94 Urbana: 486,68
por localização
Rural: 445,65 Rural: 445,57 Rural: 450,94
Capital: 527,77 Capital: 507,64 Capital: 518,02
por área
Interior: 477,6 Interior: 475,5 Interior: 477,23
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede estadual. Referente à
localização, o resultado é superior nas escolas urbanas, e, por área, os resultados são maiores nas
escolas localizadas na capital.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


112 Panorama do Brasil e dos Estados
REGIÃO
NORDESTE

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 113
ALAGOAS
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 977 escolas, das quais 625
tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 740 em Matemática.
Redes municipais – 100% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 951 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 1.417 escolas que atendem ao 3º ano do
Ensino Fundamental. Dessas, 57 são estaduais, 951 municipais e 409
privadas. Ao todo são 913 escolas urbanas e 504 rurais.
Estudantes – O estado possui 59.936 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 2.290 estão matriculados em escolas
estaduais, 47.190 em escolas municipais e 10.456 em escolas privadas. Ao
todo são 45.047 estudantes matriculados em escolas urbanas e 14.889 em
escolas rurais.
Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo1 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas2

51,9% 33,7%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 150
possuem a formação e 1000 matrículas, funcionam
considerada adequada em 3 turnos, com oferta de 2 ou
3 etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

49,7% 32,9%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma3 público com deficiência e 45,7%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

67% 28,4%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 67,9% possuem e 32,2% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico4 Tempo Integral

50,5% 10,8%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO BAIXO matriculados em tempo
no Indicador de Nível integral
Socioeconômico
1
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
2
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
3
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014).
4
O dado refere-se ao nível de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 115
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

55,1% 44,9%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


55,7% 28,2%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 11,7% brancos, ensino fundamental em distorção
2,4% pretos, 0,3% amarelos, 0,4% idade-série, ou seja, têm 10 ou
indígenas e 29,4% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:
977 escolas previstas

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


52 925 501 476 123 854

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

49.051 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


2.224 46.827 34.513 14.538 8.709 40.342

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

49.051 estudantes previstos, sendo que:

81% 84,4%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


116 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

42,6%
dos estudantes estão no Nível 1.
No Nível 1 consta a leitura de palavras com diferentes quantidades de sílabas e estruturas silábicas.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


42,6% 33,6% 19,3% 4,5%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Alagoas 449,03

Nordeste 470,96

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de leitura.

Escrita

42%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 56,4% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


30,7% 24,1% 1,6% 42% 1,7%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Alagoas 439,94

Nordeste 471,34

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 117
matemática

43,6%
dos estudantes desse estado estão no Nível 1 de Matemática. Nesse nível predominam habilidades que
podem ser consideradas elementares para o 3º ano do ensino fundamental, por exemplo, ler medida
em instrumento (termômetro, régua) com valor procurado explícito; associar figura geométrica espacial
ou plana a imagem de um objeto; identificar maior frequência em gráfico de colunas, com quatro
categorias, ordenadas da maior para a menor; comparar quantidades pela contagem, identificando a
maior quantidade, em grupos de até 20 objetos organizados..

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


43,6% 32,3% 12,1% 11,9%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Alagoas 452,81

Nordeste 459,87

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


por dependência Estadual: 441,57 Estadual: 427,08 Estadual: 441,1
administrativa Municipal: 449,39 Municipal: 440,55 Municipal: 453,36
Urbana: 452,01 Urbana: 442,31 Urbana: 455
por localização
Rural: 441,96 Rural: 434,31 Rural: 447,59
Capital: 454,09 Capital: 440,75 Capital: 455,19
por área
Interior: 447,95 Interior: 439,77 Interior: 452,3
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede municipal. Referente à
localização, o resultado é superior nas escolas urbanas, e, por área, os resultados são maiores nas
escolas localizadas na capital.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


118 Panorama do Brasil e dos Estados
BAHIA
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 4.458 escolas, das quais
2.826 tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 3.277 em
Matemática.
Redes municipais – 100% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 4.781 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 6.704 escolas que atendem ao 3º ano do
Ensino Fundamental. Dessas, 40 são estaduais, 4.781 municipais e 1.883
privadas. Ao todo são 4.334 escolas urbanas e 2.370 rurais.
Estudantes – O estado possui 228.852 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 1.473 estão matriculados em escolas
estaduais, 185.719 em escolas municipais e 41.660 em escolas privadas. Ao
todo são 174.839 estudantes matriculados em escolas urbanas e 54.013 em
escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo5 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas6

51,3% 44,8%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 300 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de até 2
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

68,7% 27%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma7 público com deficiência e 36%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

67% 24,4%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 57,2% possuem e 19,3% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico8 Tempo Integral

44,2% 20,8%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO BAIXO matriculados em tempo
no Indicador de Nível integral
Socioeconômico
5
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
6
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
7
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014).
8
O dado refere-se ao nível de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 119
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

55,3% 44,7%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


49% 27,4%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 7,6% brancos, ensino fundamental em distorção
7,3% pretos, 0,4% amarelos, 0,5% idade-série, ou seja, têm 10 ou
indígenas e 35,1% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:
4.458 escolas previstas

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


30 4.428 2.439 2.019 322 4.136

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

183.701 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


1.374 182.327 132.869 50.832 19.296 164.405

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

183.701 estudantes previstos, sendo que:

80,7% 83,8%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


120 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

36,8%
dos estudantes estão no Nível 2. No Nível 2, os itens passam a exigir compreensão de textos simples,
considerando as características do gênero, e o resgate de informações contidas nele, principalmente,
no título ou na frase inicial.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


35,9% 36,8% 22,1% 5,3%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Bahia 463,31

Nordeste 470,96

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de leitura.

Escrita

42%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 54,8% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


24,3% 26,1% 4,4% 42,4% 2,8%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Bahia 454,07

Nordeste 471,34

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 121
matemática

38%
dos estudantes desse estado estão no Nível 1 de Matemática. Nesse nível predominam habilidades que
podem ser consideradas elementares para o 3º ano do ensino fundamental, por exemplo, ler medida
em instrumento (termômetro, régua) com valor procurado explícito; associar figura geométrica espacial
ou plana a imagem de um objeto; identificar maior frequência em gráfico de colunas, com quatro
categorias, ordenadas da maior para a menor; comparar quantidades pela contagem, identificando a
maior quantidade, em grupos de até 20 objetos organizados.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


38% 34,8% 14,2% 13%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Bahia 462,94

Nordeste 459,87

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima da proficiência média da região e
abaixo da proficiência média nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


por dependência Estadual: 448,63 Estadual: 430,21 Estadual: 456,49
administrativa Municipal: 463,42 Municipal: 454,25 Municipal: 462,99
Urbana: 469,71 Urbana: 458,34 Urbana: 468,48
por localização
Rural: 446,91 Rural: 443,1 Rural: 448,71
Capital: 473,61 Capital: 456,51 Capital: 472,19
por área
Interior: 462,1 Interior: 453,78 Interior: 461,86
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede municipal. Referente à
localização, o resultado é superior nas escolas urbanas, e, por área, os resultados são maiores nas
escolas localizadas na capital.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


122 Panorama do Brasil e dos Estados
CEARÁ
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 2.581 escolas, das quais
2.487 tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 2.511 em
Matemática.
Redes municipais – 100% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 2.687 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 3.937 escolas que atendem ao 3º ano do
Ensino Fundamental. Dessas, 25 são estaduais, 2.687 municipais e 1.225
privadas. Ao todo são 2.598 escolas urbanas e 1.339 rurais.
Estudantes – O estado possui 133.843 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 614 estão matriculados em escolas
estaduais, 101.167 em escolas municipais e 32.062 em escolas privadas. Ao
todo são 107.278 estudantes matriculados em escolas urbanas e 26.565 em
escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo9 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas10

55% 43,8%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 500 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de 2 ou 3
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

62,1% 40,1%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma11 público com deficiência e 44,6%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

82,8% 42%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 80,3% possuem e 39,1% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico12 Tempo Integral

51,2% 13,6%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO BAIXO matriculados em tempo
no Indicador de Nível integral
Socioeconômico
9
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
10
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
11
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014).
12
O dado refere-se ao nível de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 123
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

52,1% 47,9%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


66,3% 8,8%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 13,9% brancos, ensino fundamental em distorção
1,2% pretos, 0,2% amarelos, 0,4% idade-série, ou seja, têm 10 ou
indígenas e 18% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:
2.581 escolas previstas

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


22 2.559 1.368 1.213 200 2.381

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

100.640 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


591 100.049 75.084 25.556 17.020 83.620

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

100.640 estudantes previstos, sendo que:

96,3% 96,6%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


124 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

35,5%
dos estudantes estão no Nível 3. O Nível 3, além da compreensão geral de textos mais longos e
complexos, concentra habilidades que requerem relacionar varias informações contidas no texto e
um maior nível inferencial, tais como inferir sentido de expressão ou palavras e assunto em textos
verbais e não verbais.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


14,7% 30,5% 35,5% 19,3%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Ceará 532,78

Nordeste 470,96

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de leitura.

Escrita

61,6%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 29,3% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


10,9% 14,2% 4,1% 61,6% 9,1%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Ceará 511,61

Nordeste 471,34

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 125
matemática

31,3%
dos estudantes desse estado estão no Nível 4 de Matemática. Nesse nível, os estudantes provavelmente
são capazes de, por exemplo , inferir medida em instrumento (termômetro) com valor procurado não
explícito; identificar uma categoria associada a uma frequência específica em gráfico de barra, com
quatro categorias; resolver problema de adição ou subtração, envolvendo números naturais de até
3 algarismos, com ou sem reagrupamento nos cálculos, com o significado de comparar e em que a
diferença, a menor ou a maior quantidade seja desconhecida.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


17,1% 31,2% 20,4% 31,3%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Ceará 524,28

Nordeste 459,87

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


por dependência Estadual: 526,28 Estadual: 509,41 Estadual: 523,76
administrativa Municipal: 532,82 Municipal: 511,63 Municipal: 524,28
Urbana: 533,7 Urbana: 512,2 Urbana: 524,29
por localização
Rural: 530,1 Rural: 509,9 Rural: 524,26
Capital: 535,25 Capital: 522,73 Capital: 520,51
por área
Interior: 532,28 Interior: 509,36 Interior: 525,04
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede municipal. Referente à
localização, o resultado é superior nas escolas urbanas, e, por área, os resultados são maiores nas
escolas localizadas na capital, com exceção da área de matemática em que o interior obteve maior
resultado.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


126 Panorama do Brasil e dos Estados
MARANHÃO
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 2.548 escolas, das quais
1.877 tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 2.055 em
Matemática.
Redes municipais – 100% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 2.755 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 3.391 escolas que atendem ao 3º ano do
Ensino Fundamental. Dessas, uma é federal, 36 são estaduais, 2.755
municipais e 599 privadas. Ao todo são 1.914 escolas urbanas e 1.477 rurais.
Estudantes – O estado possui 115.359 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 11 estão matriculados em escolas
federais, 877 em escolas estaduais, 98.189 em escolas municipais e 16.282
em escolas privadas. Ao todo são 83.821 estudantes matriculados em
escolas urbanas e 31.538 em escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo13 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas14

35,3% 30,7%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 500 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de 2 ou 3
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

58,8% 23,6%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma15 público com deficiência e 35,1%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

49,9% 19,6%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 48,5% possuem e 11,9% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico16 Tempo Integral

42,1% 14,6%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO BAIXO matriculados em tempo
no Indicador de Nível integral
Socioeconômico
13
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
14
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF
15
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014).
16
O dado refere-se ao nível de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 127
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

53,7% 46,3%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


66,4% 14,2%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 7,4% brancos, ensino fundamental em distorção
1,9% pretos, 0,7% indígenas, 0,2% idade-série, ou seja, têm 10 ou
amarelos, e 23,4% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:
2.548 escolas previstas

Federal Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


1 21 2.526 1.339 1.209 108 2.440

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

96.856 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016

Federal Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


11 770 96.075 68.103 28.753 9.074 87.782

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

96.856 estudantes previstos, sendo que:

85,3% 88,2%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


128 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

40,5%
dos estudantes estão no Nível 1. No Nível 1 consta a leitura de palavras com diferentes quantidades
de sílabas e estruturas silábicas.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


40,5% 36,8% 18,9% 3,8%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Maranhão 451,39

Nordeste 470,96

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de leitura.

Escrita

38%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 59,9% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


28,1% 28,2% 3,7% 38% 2,1%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Maranhão 441,19

Nordeste 471,34

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 129
matemática

41,2%
dos estudantes desse estado estão no Nível 1 de Matemática. Nesse nível predominam habilidades que
podem ser consideradas elementares para o 3º ano do ensino fundamental, por exemplo, ler medida
em instrumento (termômetro, régua) com valor procurado explícito; associar figura geométrica espacial
ou plana a imagem de um objeto; identificar maior frequência em gráfico de colunas, com quatro
categorias, ordenadas da maior para a menor; comparar quantidades pela contagem, identificando a
maior quantidade, em grupos de até 20 objetos organizados.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


41,2% 36,1% 12,8% 9,9%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Maranhão 453,4

Nordeste 459,87

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


Federal: 531,16 Federal:546,51 Federal: 531,88
por dependência
Estadual: 430,06 Estadual: 393,58 Estadual: 439,41
administrativa
Municipal: 451,54 Municipal: 441,53 Municipal: 453,49
Urbana: 458,28 Urbana: 447,14 Urbana: 459,26
por localização
Rural: 435,12 Rural: 427,13 Rural: 439,54
Capital: 466,33 Capital: 452,34 Capital: 460,9
por área
Interior: 449,86 Interior: 440,05 Interior: 452,63
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede federal. Referente à
localização, o resultado é superior nas escolas urbanas, e, por área, os resultados são maiores nas
escolas localizadas na capital.
Cabe ressaltar que o dado de média de proficiência da rede federal reflete um menor quantitativo de
estudantes comparativamente às redes estadual e municipal.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


130 Panorama do Brasil e dos Estados
PARAÍBA
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 1.292 escolas, das quais 883
tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 974 em Matemática.
Redes municipais – 100% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 1.202 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 2.079 escolas que atendem ao 3º ano do
Ensino Fundamental. Dessas, uma é federal, 234 são estaduais, 1.202
municipais e 642 privadas. Ao todo são 1.592 escolas urbanas e 487 rurais.
Estudantes – O estado possui 58.419 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 26 estão matriculados em escolas
federais, 7.560 em escolas estaduais, 36.669 em escolas municipais e 14.164
em escolas privadas. Ao todo são 50.524 estudantes matriculados em
escolas urbanas e 7.895 em escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo17 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas18

62% 29,2%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 150
possuem a formação e 1000 matrículas, funcionam
considerada adequada em 3 turnos, com oferta de 2 ou
3 etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

70,3% 38,2%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma19 público com deficiência e 49,8%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

70,2% 29,6%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 70% possuem e 30,3% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico20 Tempo Integral

53,6% 17,1%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO BAIXO matriculados em tempo
no Indicador de Nível integral
Socioeconômico
17
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
18
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
19
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014).
20
O dado refere-se ao nível de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 131
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

54,7% 45,3%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


55,9% 22,3%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 18,9% brancos, ensino fundamental em distorção
2,8% pretos, 0,5% indígenas, 0,5% idade-série, ou seja, têm 10 ou
amarelos, e 21,4% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:
1.292 escolas previstas

Federal Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


1 227 1.064 933 359 141 1.151

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

43.076 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016

Federal Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


26 7.514 35.536 36.106 6.970 6.472 36.604

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

43.076 estudantes previstos, sendo que:

83,8% 86,4%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


132 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

35,9%
dos estudantes estão no Nível 1. No Nível 1 consta a leitura de palavras com diferentes quantidades
de sílabas e estruturas silábicas.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


35,9% 35,6% 22,8% 5,6%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Paraíba 463,62

Nordeste 470,96

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de leitura.

Escrita

41,2%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 55,7% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


26,9% 24,7% 4% 41,2% 3,2%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Paraíba 450,35

Nordeste 471,34

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 133
matemática

37,2%
dos estudantes desse estado estão no Nível 1 de Matemática. Nesse nível predominam habilidades que
podem ser consideradas elementares para o 3º ano do ensino fundamental, por exemplo, ler medida
em instrumento (termômetro, régua) com valor procurado explícito; associar figura geométrica espacial
ou plana a imagem de um objeto; identificar maior frequência em gráfico de colunas, com quatro
categorias, ordenadas da maior para a menor; comparar quantidades pela contagem, identificando a
maior quantidade, em grupos de até 20 objetos organizados.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


37,2% 34,1% 14,5% 14,2%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Paraíba 466,37

Nordeste 459,87

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima da proficiência média da região e
abaixo da proficiência média nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


Federal: 580,08 Federal: 534,47 Federal: 594,28
por dependência
Estadual: 459,78 Estadual: 442,43 Estadual: 462,94
administrativa
Municipal: 464,35 Municipal: 451,96 Municipal: 467
Urbana: 467,42 Urbana: 452,24 Urbana: 469,64
por localização
Rural: 444,48 Rural: 440,83 Rural: 449,88
Capital: 469,95 Capital: 453,04 Capital: 470,66
por área
Interior: 462,52 Interior: 449,88 Interior: 465,62
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede federal. Referente à
localização, o resultado é superior nas escolas urbanas, e, por área, os resultados são maiores nas
escolas localizadas na capital.
Cabe ressaltar que o dado de média de proficiência da rede federal reflete um menor quantitativo de
estudantes comparativamente às redes estadual e municipal.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


134 Panorama do Brasil e dos Estados
PERNAMBUCO
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 2.189 escolas, das quais
1.460 tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 1.681 em
Matemática.
Redes municipais – 99,5% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 2.244 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 3.994 escolas que atendem ao 3º ano do
Ensino Fundamental. Dessas, 62 são estaduais, 2.244 municipais e 1.688
privadas. Ao todo são 3.008 escolas urbanas e 986 rurais.
Estudantes – O estado possui 150.618 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 1.496 estão matriculados em escolas
estaduais, 108.833 em escolas municipais e 40.289 em escolas privadas. Ao
todo são 125.136 estudantes matriculados em escolas urbanas e 25.482 em
escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo21 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas22

47,4% 29,9%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 300 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de até 2
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

52,3% 29,8%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma23 público com deficiência e 39,5%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

69,3% 42,8%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 59,7% possuem e 21,7% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico24 Tempo Integral

45,6% 11,5%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO BAIXO matriculados em tempo
no Indicador de Nível integral
Socioeconômico
21
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
22
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
23
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014).
24
O dado refere-se ao nível de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 135
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

55,9% 44,1%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


47,6% 26,1%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 16,4% brancos, ensino fundamental em distorção
2,4% pretos, 0,8% indígenas, 0,2% idade-série, ou seja, têm 10 ou
amarelos, e 32,6% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:

2.189 escolas previstas

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


53 2.136 1.336 853 203 1.986

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

109.217 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


1.430 107.787 84.940 24.277 11.200 98.017

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

109.217 estudantes previstos, sendo que:

82,3% 85,5%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


136 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

35,8%
dos estudantes estão no Nível 1. No Nível 1 consta a leitura de palavras com diferentes quantidades
de sílabas e estruturas silábicas.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


35,8% 34,8% 23,2% 6,2%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Pernambuco 466,12

Nordeste 470,96

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de leitura.

Escrita

45,9%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 51,8% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


26,9% 22,8% 2,1% 45,9% 2,3%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Pernambuco 453,12

Nordeste 471,34

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 137
matemática

35,7%
dos estudantes desse estado estão no Nível 1 de Matemática. Nesse nível predominam habilidades que
podem ser consideradas elementares para o 3º ano do ensino fundamental, por exemplo, ler medida
em instrumento (termômetro, régua) com valor procurado explícito; associar figura geométrica espacial
ou plana a imagem de um objeto; identificar maior frequência em gráfico de colunas, com quatro
categorias, ordenadas da maior para a menor; comparar quantidades pela contagem, identificando a
maior quantidade, em grupos de até 20 objetos organizados.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


35,7% 33,3% 14,9% 16,2%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Pernambuco 472,47

Nordeste 459,87

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima da proficiência média da região e
abaixo da proficiência média nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


por dependência Estadual: 481,82 Estadual: 448,26 Estadual: 499,12
administrativa Municipal: 465,95 Municipal: 453,17 Municipal: 472,17
Urbana: 466,54 Urbana: 453,54 Urbana: 472,24
por localização
Rural: 464,65 Rural: 451,66 Rural: 473,28
Capital: 466,03 Capital: 456,34 Capital: 467,46
por área
Interior: 466,14 Interior: 452,76 Interior: 473,04
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior em leitura e matemática nas escolas da rede
estadual e um maior desempenho em escrita na rede municipal. Referente à localização, o resultado
em leitura e escrita é superior nas escolas urbanas, e em matemática nas escolas rurais; e, por área,
os resultados de leitura são similares entre as escolas localizadas na capital e no interior, enquanto em
escrita os resultados são maiores nas escolas localizadas na capital e em matemática os resultados são
maiores nas escolas localizadas no interior.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


138 Panorama do Brasil e dos Estados
PIAUÍ
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 1.257 escolas, das quais
995 tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 1.053 em
Matemática.
Redes municipais – 100% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 1.534 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 1.868 escolas que atendem ao 3º ano do
Ensino Fundamental. Dessas, 13 são estaduais, 1.534 municipais e 321
privadas. Ao todo são 1.002 escolas urbanas e 866 rurais.
Estudantes – O estado possui 54.100 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 529 estão matriculados em escolas
estaduais, 45.867 em escolas municipais e 7.704 em escolas privadas. Ao
todo são 40.830 estudantes matriculados em escolas urbanas e 13.270 em
escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo25 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas26

53% 33,2%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 300 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de até 2
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

67,3% 28,3%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma27 público com deficiência e 37,7%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

61,2% 22,9%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 53,7% possuem e 16,5% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico28 Tempo Integral

45,3% 14,6%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO BAIXO matriculados em tempo
no Indicador de Nível integral
Socioeconômico
25
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
26
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
27
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014).
28
O dado refere-se ao nível de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 139
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

55,2% 44,8%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


65,1% 24,5%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 11,4% brancos, ensino fundamental em distorção
3,7% pretos, 0,7% amarelos, 0,1% idade-série, ou seja, têm 10 ou
indígenas e 19% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:

1.257 escolas previstas

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


13 1.244 668 589 129 1.128

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

44.387 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


529 43.858 32.847 11.540 7.877 36.510

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

44.387 estudantes previstos, sendo que:

87,6% 89,5%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


140 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

36,2%
dos estudantes estão no Nível 2. No Nível 2, os itens passam a exigir compreensão de textos simples,
considerando as características do gênero, e o resgate de informações contidas nele, principalmente,
no título ou na frase inicial.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


34,7% 36,2% 22,5% 6,6%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Piauí 467,22

Nordeste 470,96

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de leitura.

Escrita

42,6%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 53,9% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


24,9% 24,9% 4,1% 42,6% 3,5%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Piauí 455,07

Nordeste 471,34

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 141
matemática

36,6%
dos estudantes desse estado estão no Nível 1 de Matemática. Nesse nível predominam habilidades que
podem ser consideradas elementares para o 3º ano do ensino fundamental, por exemplo, ler medida
em instrumento (termômetro, régua) com valor procurado explícito; associar figura geométrica espacial
ou plana a imagem de um objeto; identificar maior frequência em gráfico de colunas, com quatro
categorias, ordenadas da maior para a menor; comparar quantidades pela contagem, identificando a
maior quantidade, em grupos de até 20 objetos organizados.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


36,6% 35,4% 14,7% 13,3%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Piauí 465,97

Nordeste 459,87

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima da proficiência média da região e
abaixo da proficiência média nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


por dependência Estadual: 505,71 Estadual: 489,27 Estadual: 500,33
administrativa Municipal: 466,76 Municipal: 454,66 Municipal: 465,56
Urbana: 475,49 Urbana: 462,95 Urbana: 473,33
por localização
Rural: 443,88 Rural: 432,81 Rural: 445,16
Capital: 520,13 Capital: 505,31 Capital: 507,92
por área
Interior: 455,93 Interior: 444,35 Interior: 457,01
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede estadual. Referente à
localização, o resultado é superior nas escolas urbanas, e, por área, os resultados são maiores nas
escolas localizadas na capital.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


142 Panorama do Brasil e dos Estados
RIO GRANDE DO NORTE
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 978 escolas, das quais 571
tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 700 em Matemática.
Redes municipais – 99,4% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 803 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 1.507 escolas que atendem ao 3º ano do
Ensino Fundamental. Dessas, uma é federal, 233 são estaduais, 803
municipais e 470 privadas. Ao todo são 1.155 escolas urbanas e 352 rurais.
Estudantes – O estado possui 45.510 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 42 estão matriculados em escolas
federais, 6.600 em escolas estaduais, 26.510 em escolas municipais e 12.358
em escolas privadas. Ao todo são 38.759 estudantes matriculados em
escolas urbanas e 6.751 em escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo29 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas30

79,3% 34,7%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 300 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de até 2
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

67% 45,2%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma31 público com deficiência e 58%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

82,5% 50,1%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 73,6% possuem e 36,7% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico32 Tempo Integral

45,6% 14,4%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO BAIXO matriculados em tempo
no Indicador de Nível integral
Socioeconômico
29
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
30
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
31
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014).
32
O dado refere-se ao nível de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 143
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

52,1% 47,9%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


40,5% 9,3%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 23,8% brancos, ensino fundamental em distorção
1,3% pretos, 0,3% amarelos, 0,2% idade-série, ou seja, têm 10 ou
indígenas e 33,9% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:

978 escolas previstas

Federal Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


1 218 759 677 301 111 867

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

32.669 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016

Federal Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


42 6.472 26.155 26.310 6.359 5.681 26.988

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

32.669 estudantes previstos, sendo que:

81,3% 85,2%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


144 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

34,2%
dos estudantes estão no Nível 2. No Nível 2, os itens passam a exigir compreensão de textos simples,
considerando as características do gênero, e o resgate de informações contidas nele, principalmente,
no título ou na frase inicial.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


33,5% 34,2% 25,4% 7%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Rio Grando 473,06


do Norte

Nordeste 470,96

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima da proficiência média da região e
abaixo da proficiência média nacional da avaliação de leitura.

Escrita

56%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 40,8% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


20,5% 18,7% 1,7% 56% 3,2%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Rio Grande 476,08


do Norte

Nordeste 471,34

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima da proficiência média regional e
abaixo da proficiência média nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 145
matemática

35,4%
dos estudantes desse estado estão no Nível 1 de Matemática. Nesse nível predominam habilidades que
podem ser consideradas elementares para o 3º ano do ensino fundamental, por exemplo, ler medida
em instrumento (termômetro, régua) com valor procurado explícito; associar figura geométrica espacial
ou plana a imagem de um objeto; identificar maior frequência em gráfico de colunas, com quatro
categorias, ordenadas da maior para a menor; comparar quantidades pela contagem, identificando a
maior quantidade, em grupos de até 20 objetos organizados.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


35,4% 34% 15,5% 15,2%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Rio Grande
470,9
do Norte

Nordeste 459,87

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima da proficiência média da região e
abaixo da proficiência média nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


Federal: 597,90 Federal: 580,75 Federal: 588,79
por dependência
Estadual: 486,19 Estadual: 485,29 Estadual: 485,43
administrativa
Municipal: 469,59 Municipal: 473,63 Municipal: 467,09
Urbana: 479,33 Urbana: 480,51 Urbana: 477,03
por localização
Rural: 447,11 Rural: 457,76 Rural: 445,5
Capital: 477,48 Capital: 478,09 Capital: 474,43
por área
Interior: 472,13 Interior: 475,66 Interior: 470,15
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede federal. Referente à
localização, o resultado é superior nas escolas urbanas, e, por área, os resultados são maiores nas
escolas localizadas na capital.
Cabe ressaltar que o dado de média de proficiência da rede federal reflete um menor quantitativo de
estudantes comparativamente às redes estadual e municipal.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


146 Panorama do Brasil e dos Estados
SERGIPE
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 751 escolas, das quais 466
tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 558 em Matemática.
Redes municipais – 100% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 632 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 1.117 escolas que atendem ao 3º ano do
Ensino Fundamental. Dessas, 166 são estaduais, 632 municipais e 319
privadas. Ao todo são 726 escolas urbanas e 391 rurais.
Estudantes – O estado possui 38.122 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 6.767 estão matriculados em escolas
estaduais, 22.245 em escolas municipais e 9.110 em escolas privadas. Ao
todo são 29.475 estudantes matriculados em escolas urbanas e 8.647 em
escolas rurais.
Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo33 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas34

73,2% 33,5%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 300 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de até 2
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

64,7% 39,9%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma35 público com deficiência e 55,3%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

71,7% 19,5%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 59,6% possuem e 24,8% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico36 Tempo Integral

49,2% 6,7%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO BAIXO matriculados em tempo
no Indicador de Nível integral
Socioeconômico
33
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
34
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
35
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014).
36
O dado refere-se ao nível de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 147
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

55,9% 44,1%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


58,1% 28,2%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 9,6% brancos, ensino fundamental em distorção
3,3% pretos, 0,3% amarelos, 0,2% idade-série, ou seja, têm 10 ou
indígenas e 28,6% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:

751 escolas previstas

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


155 596 409 342 82 669

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

28.611 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016


Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior
6.676 21.935 20.465 8.146 4.965 23.646

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

28.611 estudantes previstos, sendo que:

80,4% 84,7%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


148 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

45,3%
dos estudantes estão no Nível 1. No Nível 1 consta a leitura de palavras com diferentes quantidades
de sílabas e estruturas silábicas.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


45,3% 34,9% 16,8% 3%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Sergipe 440,2

Nordeste 470,96

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de leitura.

Escrita

42,2%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 56% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2 e
3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


31,4% 23,3% 1,2% 42,2% 1,8%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Sergipe 442,5

Nordeste 471,34

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 149
matemática

46,4%
dos estudantes desse estado estão no Nível 1 de Matemática. Nesse nível predominam habilidades que
podem ser consideradas elementares para o 3º ano do ensino fundamental, por exemplo, ler medida
em instrumento (termômetro, régua) com valor procurado explícito; associar figura geométrica espacial
ou plana a imagem de um objeto; identificar maior frequência em gráfico de colunas, com quatro
categorias, ordenadas da maior para a menor; comparar quantidades pela contagem, identificando a
maior quantidade, em grupos de até 20 objetos organizados.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


46,4% 33,1% 11,6% 8,9%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Sergipe 444,49

Nordeste 459,87

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


por dependência Estadual: 455,6 Estadual: 456,09 Estadual: 456,04
administrativa Municipal: 435,56 Municipal: 438,4 Municipal: 441
Urbana: 444,3 Urbana: 445,12 Urbana: 448,24
por localização
Rural: 430,03 Rural: 435,98 Rural: 435,14
Capital: 459,99 Capital: 460,9 Capital: 458,22
por área
Interior: 436,07 Interior: 438,66 Interior: 441,62
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede estadual. Referente à
localização, o resultado é superior nas escolas urbanas, e, por área, os resultados são maiores nas
escolas localizadas na capital.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


150 Panorama do Brasil e dos Estados
REGIÃO
SUDESTE
ESPÍRITO SANTO
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 920 escolas, das quais 736
tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 727 em Matemática.
Redes municipais – 100% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 785 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 1.156 escolas que atendem ao 3º ano do
Ensino Fundamental. Dessas, 185 são estaduais, 785 municipais e 186
privadas. Ao todo são 936 escolas urbanas e 220 rurais.
Estudantes – O estado possui 57.068 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 8.227 estão matriculados em escolas
estaduais, 41.722 em escolas municipais e 7.119 em escolas privadas. Ao
todo são 52.715 estudantes matriculados em escolas urbanas e 4.353 em
escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo1 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas2

84,8% 37%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 500 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de 2 ou 3
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

65,3% 51,2%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma3 público com deficiência e 65,7%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

96,4% 71,2%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 86,2% possuem e 18,9% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico4 Tempo Integral

47% 7,4%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO no Indicador de matriculados em tempo
Nível Socioeconômico integral

1
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
2
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
3
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014)..
4
O dado refere-se ao nível de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 153
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

53,7% 46,3%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


54,7% 17,1%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 27,8% brancos, ensino fundamental em distorção
4,7% pretos, 0,2% amarelos, 0,2% idade-série, ou seja, têm 10 ou
indígenas e 12,3% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:

920 escolas previstas

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


179 741 735 185 51 869

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

49.509 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016


Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior
8.084 41.425 45.387 4.122 3.263 46.246

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

49.509 estudantes previstos, sendo que:

86,5% 86,3%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


154 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

36,7%
dos estudantes estão no Nível 3. O Nível 3, além da compreensão geral de textos mais longos e
complexos, concentra habilidades que requerem relacionar varias informações contidas no texto e
um maior nível inferencial, tais como inferir sentido de expressão ou palavras e assunto em textos
verbais e não verbais.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


15,2% 32,2% 36,7% 15,9%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Espírito Santo 526,69

Sudeste 534,87

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo da proficiência média da região e
acima da proficiência médias nacional da avaliação de leitura.

Escrita

66,4%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 25,1% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


10,2% 14% 0,8% 66,4% 8,5%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Espírito Santo 516,79

Sudeste 535,48

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo da proficiência média da região e
acima da proficiência médias nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 155
matemática

32,3%
dos estudantes desse estado estão no Nível 4 de Matemática. Nesse nível, os estudantes provavelmente
são capazes de, por exemplo, inferir medida em instrumento (termômetro) com valor procurado não
explícito; identificar uma categoria associada a uma frequência específica em gráfico de barra, com
quatro categorias; resolver problema de adição ou subtração, envolvendo números naturais de até
3 algarismos, com ou sem reagrupamento nos cálculos, com o significado de comparar e em que a
diferença, a menor ou a maior quantidade seja desconhecida.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


15,5% 30,9% 21,3% 32,3%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Espírito Santo
527,79

Sudeste
528,08

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo da proficiência média da região e
acima da proficiência média nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


por dependência Estadual: 531,9 Estadual: 521,22 Estadual: 531,05
administrativa Municipal: 525,67 Municipal: 515,92 Municipal: 527,15
Urbana: 527,4 Urbana: 516,89 Urbana: 527,91
por localização
Rural: 518,95 Rural: 515,7 Rural: 526,49
Capital: 526,52 Capital: 513,47 Capital: 522,36
por área
Interior: 526,71 Interior: 517,03 Interior: 528,18
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede estadual. Referente à
localização, o resultado é superior nas escolas urbanas, e, por área, os resultados são maiores nas
escolas localizadas no interior.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


156 Panorama do Brasil e dos Estados
Minas Gerais
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 4.904 escolas, das quais
4.178 tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 4.359 em
Matemática.
Redes municipais – 97,2% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 3.607 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 6.777 escolas que atendem ao 3º ano do Ensino
Fundamental. Dessas, três são federais, 1.796 são estaduais, 3.607 municipais
e 1.371 privadas. Ao todo são 5.487 escolas urbanas e 1.290 rurais.
Estudantes – O estado possui 299.976 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 208 estão matriculados em escolas
federais, 84.654 em escolas estaduais, 180.248 em escolas municipais e
34.866 em escolas privadas. Ao todo são 279.809 estudantes matriculados
em escolas urbanas e 20.167 em escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo5 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas6

79,4% 30,1%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 500 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de 2 ou 3
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

63,1% 43%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma7 público com deficiência e 50,9%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

92,9% 82,4%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 84% possuem e 10,2% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico8 Tempo Integral

41,6% 17,1%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO ALTO no Indicador matriculados em tempo
de Nível Socioeconômico integral

5
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
6
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
7
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014).
8
O dado refere-se ao nível de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 157
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

51,6% 48,4%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


45,9% 4,9%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 34,1% brancos, ensino fundamental em distorção
5,4% pretos, 0,2% amarelos, 0,1% idade-série, ou seja, têm 10 ou
indígenas e 14,3% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:

4.904 escolas previstas

Federais Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


3 1.688 3.213 4.023 881 295 4.609

Fonte:Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

261.183 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016

Federais Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


208 83.628 177.347 243.920 17.263 25.757 235.426

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

261.183 estudantes previstos, sendo que:

90,5% 91,9%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


158 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

39,1%
dos estudantes estão no Nível 3. O Nível 3, além da compreensão geral de textos mais longos e
complexos, concentra habilidades que requerem relacionar varias informações contidas no texto e
um maior nível inferencial, tais como inferir sentido de expressão ou palavras e assunto em textos
verbais e não verbais.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


9,6% 28,1% 39,1% 23,3%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Minas Gerais 551,23

Sudeste 534,87

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de leitura.

Escrita

63,2%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 20,8% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


5,7% 12,8% 2,2% 63,2% 16,1%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Minas Gerais 536,46

Sudeste 535,48

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 159
matemática

40,7%
dos estudantes desse estado estão no Nível 4 de Matemática. Nesse nível, os estudantes provavelmente
são capazes de, por exemplo, inferir medida em instrumento (termômetro) com valor procurado não
explícito; identificar uma categoria associada a uma frequência específica em gráfico de barra, com
quatro categorias; resolver problema de adição ou subtração, envolvendo números naturais de até
3 algarismos, com ou sem reagrupamento nos cálculos, com o significado de comparar e em que a
diferença, a menor ou a maior quantidade seja desconhecida.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


10,9% 26,9% 21,5% 40,7%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Minas Gerais 547,67

Sudeste 528,08

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


Federal: 586,67 Federal: 572,37 Federal: 599,93
por dependência
Estadual: 557,58 Estadual: 539,29 Estadual: 551,57
administrativa
Municipal: 548,2 Municipal: 535,09 Municipal: 545,78
Urbana: 552,59 Urbana: 537,36 Urbana: 548,82
por localização
Rural: 531,95 Rural: 523,59 Rural: 531,24
Capital: 547,24 Capital: 537,7 Capital: 544,8
por área
Interior: 551,66 Interior: 536,32 Interior: 547,98
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede federal. Referente
à localização, o resultado é superior nas escolas urbanas, e, por área, os resultados em Leitura e
Matemática são maiores nas escolas localizadas no interior, enquanto em Escrita os resultados
maiores são encontrados nas escolas localizadas na capital.
Cabe ressaltar que o dado de média de proficiência da rede federal reflete um menor quantitativo de
estudantes comparativamente às redes estadual e municipal.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


160 Panorama do Brasil e dos Estados
Rio de Janeiro
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 2.661 escolas, das quais
1.784 tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 1.983 em
Matemática.
Redes municipais – 100% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 2.734 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 5.583 escolas que atendem ao 3º ano do
Ensino Fundamental. Dessas, nove são federais, 11 são estaduais, 2.734
municipais e 2.829 privadas. Ao todo são 5.031 escolas urbanas e 552 rurais.
Estudantes – O estado possui 230.227 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 759 estão matriculados em escolas
federais, 529 em escolas estaduais, 158.772 em escolas municipais e 70.167
em escolas privadas. Ao todo são 215.299 estudantes matriculados em
escolas urbanas e 14.928 em escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo9 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas10

36,4% 34%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 300 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de até 2
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

49,6% 47,9%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma11 público com deficiência e 53%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

89,4% 49,5%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 83,3% possuem e 64,6% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico12 Tempo Integral

69% 17,4%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO ALTO no Indicador matriculados em tempo
de Nível Socioeconômico integral

9
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
10
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
11
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014)..
12
O dado refere-se ao nível de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 161
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

54,2% 45,8%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


40,4% 28,6%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 28% brancos, ensino fundamental em distorção
9,3% pretos, 0,2% amarelos, 0,1% idade-série, ou seja, têm 10 ou
indígenas e 22% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:

2.661 escolas previstas

Federais Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


9 9 2.643 2.207 454 707 1.954

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

159.048 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016

Federais Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


759 525 157.764 145.281 13.767 52.343 106.705

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

159.048 estudantes previstos, sendo que:

79% 81,5%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


162 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

36,7%
dos estudantes estão no Nível 2. No Nível 2, os itens passam a exigir compreensão de textos simples,
considerando as características do gênero, e o resgate de informações contidas nele, principalmente,
no título ou na frase inicial.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


23,1% 36,7% 30,9% 9,4%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Rio de Janeiro 497,38

Sudeste 534,87

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de leitura.

Escrita

59%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 35,2% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


14,4% 19,7% 1,1% 59% 5,8%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Rio de Janeiro 494,63

Sudeste
535,48

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências média regional e
nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 163
matemática

35,5%
dos estudantes desse estado estão no Nível 2 de Matemática. Nesse nível, os estudantes provavelmente
são capazes de, por exemplo, determinar valor monetário de cédulas ou de agrupamento de cédulas
e moedas, sem envolver reagrupamento de centavos em reais; reconhecer figura geométrica plana
(triângulo, retângulo, quadrado e círculo) a partir de sua nomenclatura; identificar frequência associada
a uma categoria em gráfico de colunas ou de barras, com quatro categorias; resolver problema de
adição ou subtração envolvendo números naturais de até 2 algarismos, sem reagrupamento nos
cálculos, com o significado de acrescentar ou retirar e em que o estado final é desconhecido.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


25% 35,5% 18,7% 20,8%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Rio de Janeiro 495,37

Sudeste 528,08

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


Federal: 598,82 Federal: 578,81 Federal: 598,15
por dependência
Estadual: 527,78 Estadual: 536,47 Estadual: 534,93
administrativa
Municipal: 496,8 Municipal: 494,1 Municipal: 494,76
Urbana: 497,77 Urbana: 494,94 Urbana: 495,73
por localização
Rural: 493,2 Rural: 491,28 Rural: 491,58
Capital: 505,57 Capital: 501,77 Capital: 503,24
por área
Interior: 493,35 Interior: 491,12 Interior: 491,51
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede federal. Referente à
localização, o resultado é superior nas escolas urbanas e, por área, os resultados são maiores nas
escolas localizadas na capital.
Cabe ressaltar que o dado de média de proficiência da rede federal reflete um menor quantitativo de
estudantes comparativamente às redes estadual e municipal.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


164 Panorama do Brasil e dos Estados
São Paulo
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 6.160 escolas, das quais
5.615 tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 5.837 em
Matemática.
Redes municipais – 95,2% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 4.733 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 9.957 escolas que atendem ao 3º ano do
Ensino Fundamental. Dessas, uma é federal, 1.478 são estaduais, 4.733
municipais e 3.745 privadas. Ao todo são 9.529 escolas urbanas e 428 rurais.
Estudantes – O estado possui 619.243 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 44 estão matriculados em escolas
federais, 130.898 em escolas estaduais, 365.067 em escolas municipais e
123.234 em escolas privadas. Ao todo são 608.473 estudantes matriculados
em escolas urbanas e 10.770 em escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo13 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas14

75,4% 42%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 300 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de até 2
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

34,4% 23,4%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma15 público com deficiência e 47,6%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

94,9% 21,4%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 89,2% possuem e 56% possuem Sala de Leitura
computadores para uso dos
alunos

Nível Socioeconômico16 Tempo Integral

66,3% 10,9%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO ALTO no Indicador matriculados em tempo
de Nível Socioeconômico integral

13
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
14
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
15
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014).
16
O dado refere-se ao nível de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 165
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

51,9% 48,1%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


51,1% 6,8%
dos estudantes declarados dos estudantes do 3º ano do
pela escola são brancos, 23,1%
ensino fundamental em distorção
são pardos, 2,9% pretos, 0,3%
amarelos, 0,1% indígenas e 22,5% idade-série, ou seja, têm 10 ou
não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:

6.160 escolas previstas

Federal Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


1 1.466 4.693 5.774 386 1.148 5.012

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

495.430 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016

Federal Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


44 130.766 364.620 485.292 10.138 116.226 379.204

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

495.430 estudantes previstos, sendo que:

89,9% 91,3%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


166 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

39,6%
dos estudantes estão no Nível 3. O Nível 3, além da compreensão geral de textos mais longos e
complexos, concentra habilidades que requerem relacionar varias informações contidas no texto e
um maior nível inferencial, tais como inferir sentido de expressão ou palavras e assunto em textos
verbais e não verbais

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


12,6% 28,8% 39,6% 19,1%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

São Paulo 539,12

Sudeste 534,87

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de leitura.

Escrita

70%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 17,1% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


7,5% 8,8% 0,8% 70,7% 12,2%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

São Paulo 535,56

Sudeste 535,48

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 167
matemática

40%
dos estudantes desse estado estão no Nível 4 de Matemática. Nesse nível, os estudantes provavelmente
são capazes de, por exemplo, inferir medida em instrumento (termômetro) com valor procurado não
explícito; identificar uma categoria associada a uma frequência específica em gráfico de barra, com
quatro categorias; resolver problema de adição ou subtração, envolvendo números naturais de até
3 algarismos, com ou sem reagrupamento nos cálculos, com o significado de comparar e em que a
diferença, a menor ou a maior quantidade seja desconhecida.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


13,3% 25,9% 20,9% 40%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

São Paulo 542,72

Sudeste 528,08

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


Federal: 564,18 Federal: 529,34 Federal: 543,11
por dependência
Estadual: 535,01 Estadual: 532,89 Estadual: 545,21
administrativa
Municipal: 540,59 Municipal: 536,52 Municipal: 541,82
Urbana: 539,25 Urbana: 535,52 Urbana: 542,8
por localização
Rural: 533,12 Rural: 537,17 Rural: 538,75
Capital: 530,46 Capital: 525,33 Capital: 535,19
por área
Interior: 541,77 Interior: 538,69 Interior: 545,02
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior em Leitura nas escolas da rede federal. Já em
Escrita, a UF apresenta desempenho maior nas escolas da rede municipal. E, em matemática, o maior
desempenho ocorre nas escolas da rede estadual. Referente à localização, o resultado é superior em
Leitura e Matemática nas escolas urbanas, enquanto em Escrita o desempenho é maior nas escolas
rurais. Por área, os resultados são superiores nas escolas localizadas no interior.
Cabe ressaltar que o dado de média de proficiência da rede federal reflete um menor quantitativo de
estudantes comparativamente às redes estadual e municipal.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


168 Panorama do Brasil e dos Estados
REGIÃO
SUL
PARANÁ
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 2.551 escolas, das quais
2.315 tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 2.366 em
Matemática.
Redes municipais – 100% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 2.724 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 3.510 escolas que atendem ao 3º ano do
Ensino Fundamental. Dessas, 30 são estaduais, 2.724 municipais e 756
privadas. Ao todo são 2.968 escolas urbanas e 542 rurais.
Estudantes – O estado possui 161.759 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 653 estão matriculados em escolas
estaduais, 137.404 em escolas municipais e 23.702 em escolas privadas. Ao
todo são 151.554 estudantes matriculados em escolas urbanas e 10.205 em
escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo1 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas2

74,9% 41%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 300 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de até 2
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

59,2% 51%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma3 público com deficiência e 64,1%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

97,3% 66%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 84% possuem e 12,6% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico4 Tempo Integral

53,5% 15,6%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO ALTO no Indicador matriculados em tempo
de Nível Socioeconômico integral

1
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
2
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
3
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014).
4
O dado refere-se ao nível de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 171
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

52,4% 47,6%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


63,4% 8,7%
dos estudantes declarados dos estudantes do 3º ano do
pela escola são brancos, 18,8%
ensino fundamental em distorção
pardos, 1,2% pretos, 0,5%
amarelos, 0,2% indígenas e 15,9% idade-série, ou seja, têm 10 ou
não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:

2.551 escolas previstas

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


4 2.547 2.164 387 181 2.370

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

136.427 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016


Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior
233 136.194 127.527 8.900 17.736 118.691

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

136.427 estudantes previstos, sendo que:

91,5% 92,4%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


172 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

40,4%
dos estudantes estão no Nível 3. O Nível 3, além da compreensão geral de textos mais longos e
complexos, concentra habilidades que requerem relacionar varias informações contidas no texto e
um maior nível inferencial, tais como inferir sentido de expressão ou palavras e assunto em textos
verbais e não verbais.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


9,9% 34,8% 40,4% 14,9%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Paraná 534,71

Sul 532,51

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de leitura.

Escrita

74,2%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 14,4% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


4,2% 9,6% 0,6% 74,2% 11,5%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Paraná 543,64

Sul 534,19

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 173
matemática

33,3%
dos estudantes desse estado estão no Nível 4 de Matemática. Nesse nível, os estudantes provavelmente
são capazes de, por exemplo, inferir medida em instrumento (termômetro) com valor procurado não
explícito; identificar uma categoria associada a uma frequência específica em gráfico de barra, com
quatro categorias; resolver problema de adição ou subtração, envolvendo números naturais de até
3 algarismos, com ou sem reagrupamento nos cálculos, com o significado de comparar e em que a
diferença, a menor ou a maior quantidade seja desconhecida.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


11,2% 33,3% 22,3% 33,3%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Paraná 535,29

Sul 533,34

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


por dependência Estadual: 515,33 Estadual: 493,29 Estadual: 534,09
administrativa Municipal: 534,74 Municipal: 543,73 Municipal: 535,3
Urbana: 535,86 Urbana: 544,06 Urbana: 536,33
por localização
Rural: 518,34 Rural: 537,62 Rural: 520,47
Capital: 522,64 Capital: 534,3 Capital: 521,06
por área
Interior: 536,51 Interior: 545,03 Interior: 537,42
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede municipal. Referente à
localização, o resultado é superior nas escolas urbanas, e, por área, os resultados são maiores nas
escolas localizadas no interior.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


174 Panorama do Brasil e dos Estados
RIO GRANDE DO SUL
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 3.536 escolas, das quais
2.752 tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 2.787 em
Matemática.
Redes municipais – 90,5% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 2.391 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 4.516 escolas que atendem ao 3º ano do
Ensino Fundamental. Dessas, uma é federal, 1.693 são estaduais, 2.391
municipais e 431 privadas. Ao todo são 3.585 escolas urbanas e 931 rurais.
Estudantes – O estado possui 144.970 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 21 estão matriculados em escolas
federais, 50.087 em escolas estaduais, 76.055 em escolas municipais e
18.807 em escolas privadas. Ao todo são 132.932 estudantes matriculados
em escolas urbanas e 12.038 em escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo6 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas7

63,4% 46,8%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 500 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de 2 ou 3
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

75,7% 54,3%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma8 público com deficiência e 64%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

97,3% 86,4%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 93,6% possuem e 19,2% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico9 Tempo Integral

55,3% 10,8%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO ALTO no Indicador matriculados em tempo
de Nível Socioeconômico integral

5
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
6
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
7
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014).
8
O dado refere-se ao nível de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 175
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

53,1% 46,9%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


60,1% 15,1%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são brancos, 7,8% pardos,
ensino fundamental em distorção
4,8% pretos, 0,3% indígenas,
0,2% amarelos e 26,9% não idade-série, ou seja, têm 10 ou
declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:

3.536 escolas previstas

Federal Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


1 1.517 2.018 3.007 529 253 3.283

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

122.479 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016

Federal Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


21 48.729 73.729 112.978 9.501 13.353 109.126

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

122.479 estudantes previstos, sendo que:

86,3% 86,9%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


176 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

37,4%
dos estudantes estão no Nível 3. O Nível 3, além da compreensão geral de textos mais longos e
complexos, concentra habilidades que requerem relacionar varias informações contidas no texto e
um maior nível inferencial, tais como inferir sentido de expressão ou palavras e assunto em textos
verbais e não verbais.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


16% 33% 37,4% 13,7%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Rio Grande
521,5
do Sul

Sul 532,51

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo da proficiência média da região e
acima da proficiência média nacional da avaliação de leitura.

Escrita

60%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 29% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2 e
3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


9,2% 17,5% 2,3% 60% 11,1%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Rio Grande
516,55
do Sul

Sul 534,19

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo da proficiência média da região e
acima da proficiência média nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 177
matemática

31,9%
dos estudantes desse estado estão no Nível 2 de Matemática. Nesse nível, os estudantes provavelmente
são capazes de, por exemplo, determinar valor monetário de cédulas ou de agrupamento de cédulas
e moedas, sem envolver reagrupamento de centavos em reais; reconhecer figura geométrica plana
(triângulo, retângulo, quadrado e círculo) a partir de sua nomenclatura; identificar frequência associada
a uma categoria em gráfico de colunas ou de barras, com quatro categorias; resolver problema de
adição ou subtração envolvendo números naturais de até 2 algarismos, sem reagrupamento nos
cálculos, com o significado de acrescentar ou retirar e em que o estado final é desconhecido.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


16,9% 31,9% 19,4% 31,9%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Rio Grande 523,56


do Sul

Sul 533,34

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo da proficiência média da região e
acima da proficiência média nacional.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


Federal: 549,12 Federal: 546,11 Federal: 554,17
por dependência
Estadual: 525,05 Estadual: 517,82 Estadual: 527,24
administrativa
Municipal: 519,15 Municipal: 515,71 Municipal: 521,11
Urbana: 521,84 Urbana: 516,34 Urbana: 523,44
por localização
Rural: 517,45 Rural: 519,09 Rural: 524,9
Capital: 492,19 Capital: 490,42 Capital: 488,95
por área
Interior: 525,11 Interior: 519,77 Interior: 527,82
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede federal. Referente à
localização, possui um desempenho maior em leitura nas escolas urbanas e, em escrita e matemática,
nas escolas rurais. Por área, os resultados são maiores nas escolas localizadas no interior.
Cabe ressaltar que o dado de média de proficiência da rede federal reflete um menor quantitativo de
estudantes comparativamente às redes estadual e municipal.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


178 Panorama do Brasil e dos Estados
SANTA CATARINA
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 1.994 escolas, das quais
1.789 tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 1.809 em
Matemática.
Redes municipais – 98% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 1.514 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 2.509 escolas que atendem ao 3º ano do
Ensino Fundamental. Dessas, uma é federal, 643 são estaduais, 1.514
municipais e 351 privadas. Ao todo são 2.012 escolas urbanas e 497 rurais.
Estudantes – O estado possui 94.858 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 75 estão matriculados em escolas
federais, 25.410 em escolas estaduais, 57.265 em escolas municipais e
12.108 em escolas privadas. Ao todo são 86.553 estudantes matriculados
em escolas urbanas e 8.305 em escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo9 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas10

82,8% 43,3%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 500 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de 2 ou 3
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

64,5% 64,3%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma11 público com deficiência e 52,8%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

98,4% 75,7%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 92,4% possuem e 12% possuem Sala de Leitura
computadores para uso dos
alunos

Nível Socioeconômico12 Tempo Integral

54,4% 9,4%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO ALTO no Indicador matriculados em tempo
de Nível Socioeconômico integral

9
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
10
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
11
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014).
12
O dado refere-se ao nível de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 179
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

51,8% 48,2%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


67% 8,4%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são brancos, 7,9% pardos, ensino fundamental em distorção
1,9% pretos, 0,2% indígenas, 0,1% idade-série, ou seja, têm 10 ou
amarelos e 22,8% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:

1.994 escolas previstas

Federal Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


1 619 1.374 1.638 356 65 1.929

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

81.540 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016

Federais Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


75 25.198 56.267 74.155 7.385 3.520 78.020

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

81.540 estudantes previstos, sendo que:

91,6% 92,1%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


180 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

41,5%
dos estudantes estão no Nível 3. O Nível 3, além da compreensão geral de textos mais longos e
complexos, concentra habilidades que requerem relacionar varias informações contidas no texto e
um maior nível inferencial, tais como inferir sentido de expressão ou palavras e assunto em textos
verbais e não verbais.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


9,6% 29,6% 41,5% 19,4%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Santa Catarina
545,37

Sul 532,51

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de leitura.

Escrita

71,4%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 15,2% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


5,7% 8,9% 0,6% 71,4% 13,5%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Santa Catarina 541,33

Sul 534,19

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 181
matemática

40,8%
dos estudantes desse estado estão no Nível 4 de Matemática. Nesse nível, os estudantes provavelmente
são capazes de, por exemplo, inferir medida em instrumento (termômetro) com valor procurado não
explícito; identificar uma categoria associada a uma frequência específica em gráfico de barra, com
quatro categorias; resolver problema de adição ou subtração, envolvendo números naturais de até
3 algarismos, com ou sem reagrupamento nos cálculos, com o significado de comparar e em que a
diferença, a menor ou a maior quantidade seja desconhecida.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


10,5% 27,3% 21,4% 40,8%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Santa Catarina 548,31

Sul 533,34

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


Federal: 585,48 Federal: 579,82 Federal: 584,18
por dependência
Estadual: 536,78 Estadual: 534,1 Estadual: 539,9
administrativa
Municipal: 549,14 Municipal: 544,49 Municipal: 552
Urbana: 545,95 Urbana: 541,56 Urbana: 548,85
por localização
Rural: 539,53 Rural: 538,94 Rural: 542,78
Capital: 522,54 Capital: 513,78 Capital: 525,28
por área
Interior: 546,39 Interior: 542,57 Interior: 549,34
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede federal. Referente à
localização, o resultado é superior nas escolas urbanas, e, por área, os resultados são maiores nas
escolas localizadas no interior.
Cabe ressaltar que o dado de média de proficiência da rede federal reflete um menor quantitativo de
estudantes comparativamente às redes estadual e municipal.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


182 Panorama do Brasil e dos Estados
REGIÃO
CENTRO-OESTE
DISTRITO FEDERAL
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 358 escolas, das quais 303
tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 316 em Matemática.

Escolas – O Distrito Federal possui 634 escolas que atendem ao 3º ano


do Ensino Fundamental. Dessas, 362 são distritais e 272 privadas. Ao todo
são 567 escolas urbanas e 67 rurais.

Estudantes – O DF possui 44.640 estudantes matriculados no 3º ano do


Ensino Fundamental. Desses, 33.253 estão matriculados em escolas distritais
e 11.387 em escolas privadas. Ao todo são 42.389 estudantes matriculados
em escolas urbanas e 2.251 em escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo1 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas2

82,4% 48,3%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 500 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de 2 ou 3
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

67,3% 58,9%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma3 público com deficiência e 77,4%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

96,4% 22,9%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 84,6% possuem e 79,6% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico4 Tempo Integral

55,8% 8,8%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO ALTO no Indicador matriculados em tempo
de Nível Socioeconômico integral

1
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
2
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
3
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014).
4
O dado refere-se ao nível de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 185
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

54,1% 45,9%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


44,6% 17,1%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 20,9% brancos, ensino fundamental em distorção
3,1% pretos, 0,3% amarelos, 0,1% idade-série, ou seja, têm 10 ou
indígenas e 31,1% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:

358 escolas previstas

Distritais Urbanas Rurais


358 294 64

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

33.239 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016


Distritais Urbanas Rurais
33.239 31.012 2.227

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

33.239 estudantes previstos, sendo que:

87,6% 89,7%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


186 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

39,9%
dos estudantes estão no Nível 3. O Nível 3, além da compreensão geral de textos mais longos e
complexos, concentra habilidades que requerem relacionar varias informações contidas no texto e
um maior nível inferencial, tais como inferir sentido de expressão ou palavras e assunto em textos
verbais e não verbais.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


11,7% 32,8% 39,9% 15,6%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Distrito Federal 533,4

Centro-Oeste 518,36

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média da unidade da federação encontra-se acima das proficiências
médias regional e nacional da avaliação de leitura.

Escrita

64,4%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 23,6% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


7% 13,6% 2,9% 64,4% 12,1%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Distrito Federal 528,32

Centro-Oeste 516,2

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média da unidade da federação encontra-se acima das proficiências
médias regional e nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 187
matemática

35%
dos estudantes desse estado estão no Nível 4 de Matemática. Nesse nível, os estudantes provavelmente
são capazes de, por exemplo, inferir medida em instrumento (termômetro) com valor procurado não
explícito; identificar uma categoria associada a uma frequência específica em gráfico de barra, com
quatro categorias; resolver problema de adição ou subtração, envolvendo números naturais de até
3 algarismos, com ou sem reagrupamento nos cálculos, com o significado de comparar e em que a
diferença, a menor ou a maior quantidade seja desconhecida.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


12,7% 30,6% 21,7% 35%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Distrito Federal 535,09

Centro-Oeste 512,31

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média da unidade da federação encontra-se acima das proficiências
médias regional e nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


por dependência
Estadual: 533,4 Estadual: 528,32 Estadual: 535,09
administrativa
Urbana: 534,34 Urbana: 528,83 Urbana: 536,21
por localização
Rural: 520,33 Rural: 521,24 Rural: 519,49

por área Capital: 533,4 Capital: 528,32 Capital: 535,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Devido a características territoriais, o Distrito Federal apresenta proficiências médias para apenas
uma dependência administrativa (Distrital/Estadual) e uma área (Capital).
Quanto à localização, os resultados das áreas avaliadas são superiores nas escolas urbanas.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


188 Panorama do Brasil e dos Estados
GOIÁS
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 1.414 escolas, das quais
1.093 tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 1.215 em
Matemática.
redes municipais – 96,3% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 1.352 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 2.246 escolas que atendem ao 3º ano do
Ensino Fundamental. Dessas, uma é federal, 172 são estaduais, 1.352
municipais e 721 privadas. Ao todo são 2.016 escolas urbanas e 230 rurais.
Estudantes – O estado possui 96.847 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 61 estão matriculados em escolas
federais, 4.682 em escolas estaduais, 72.844 em escolas municipais e 19.260
em escolas privadas. Ao todo são 93.165 estudantes matriculados em
escolas urbanas e 3.682 em escolas rurais.

Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016


As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo5 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas6

76,7% 34,7%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 300 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de até 2
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

44,5% 53,1%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma7 público com deficiência e 65,9%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

94,4% 54,6%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 82,5% possuem e 23,1% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico8 Tempo Integral

48,4% 13,3%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO no Indicador de matriculados em tempo
Nível Socioeconômico integral

5
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
6
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
7
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014)
8
O dado refere-se ao nível de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 189
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

52,5% 47,5%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


49,4% 10,7%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 22,3% brancos, ensino fundamental em distorção
2,8% pretos, 0,6% amarelos, 0,1% idade-série, ou seja, têm 10 ou
indígenas e 24,9% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:

1.414 escolas previstas

Federal Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


1 160 1.253 1.275 139 179 1.235

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

76.806 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016


Federal Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior
61 4.595 72.150 73.706 3.100 9.779 67.027

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

76.806 estudantes previstos, sendo que:

86,6% 89,7%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


190 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

36,5%
dos estudantes estão no Nível 3. O Nível 3, além da compreensão geral de textos mais longos e
complexos, concentra habilidades que requerem relacionar varias informações contidas no texto e
um maior nível inferencial, tais como inferir sentido de expressão ou palavras e assunto em textos
verbais e não verbais.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


15,9% 34,3% 36,5% 13,2%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Goiás 519,94

Centro-Oeste 518,36 518,36

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de leitura.

Escrita

60%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 30,9% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


10,9% 16,9% 3,1% 60% 9,2%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Goiás 510,3

Centro-Oeste 516,2

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo da média da região e acima da
proficiência média nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 191
matemática

33,8%
dos estudantes desse estado estão no Nível 2 de Matemática. Nesse nível, os estudantes provavelmente
são capazes de, por exemplo, determinar valor monetário de cédulas ou de agrupamento de cédulas
e moedas, sem envolver reagrupamento de centavos em reais; reconhecer figura geométrica plana
(triângulo, retângulo, quadrado e círculo) a partir de sua nomenclatura; identificar frequência associada
a uma categoria em gráfico de colunas ou de barras, com quatro categorias; resolver problema de
adição ou subtração envolvendo números naturais de até 2 algarismos, sem reagrupamento nos
cálculos, com o significado de acrescentar ou retirar e em que o estado final é desconhecido.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


17,7% 33,8% 21,1% 27,5%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Goiás 516,75

Centro-Oeste 512,31 512,31

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se acima das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


Federal: 542,70 Federal: 535,50 Federal: 543,55
por dependência
Estadual: 537,02 Estadual: 527,75 Estadual: 532,79
administrativa
Municipal: 518,83 Municipal: 509,17 Municipal: 515,7
Urbana: 521,01 Urbana: 511,08 Urbana: 517,65
por localização
Rural: 494,61 Rural: 491,84 Rural: 495,32
Capital: 521,52 Capital: 518,01 Capital: 510,84
por área
Interior: 519,71 Interior: 509,17 Interior: 517,61
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede federal de ensino. Referente
à localização, o resultado é superior nas escolas urbanas. E, por área, os resultados de leitura e escrita
são superiores nas escolas da capital e os de matemática são superiores nas escolas do interior.
Cabe ressaltar que o dado de média de proficiência da rede federal reflete um menor quantitativo de
estudantes comparativamente às redes estadual e municipal.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


192 Panorama do Brasil e dos Estados
MATO GROSSO
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 921 escolas, das quais 716
tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 747 em Matemática.
redes municipais – 95% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 632 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 1.235 escolas que atendem ao 3º ano do
Ensino Fundamental. Dessas, 369 são estaduais, 632 municipais e 234
privadas. Ao todo são 931 escolas urbanas e 304 rurais.
Estudantes – O estado possui 50.072 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 12.818 estão matriculados em escolas
estaduais, 31.077 em escolas municipais e 6.177 em escolas privadas. Ao
todo são 44.884 estudantes matriculados em escolas urbanas e 5.188 em
escolas rurais.
Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo9 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas10

87,5% 46,3%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 500 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de 2 ou 3
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

65,3% 43,3%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma11 público com deficiência e 64,1%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

92,5% 57,3%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 89% possuem e 11,7% possuem Sala de Leitura
computadores para uso dos
alunos

Nível Socioeconômico12 Tempo Integral

55,2% 8,7%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO no Indicador de matriculados em tempo
Nível Socioeconômico integral

9
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
10
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
11
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014)
12
O dado refere-se ao nível de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 193
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

51,3% 48,7%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


24,1% 5,3%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 12,4% brancos, ensino fundamental em distorção
1,5% pretos, 1,1% indígenas, 0,2% idade-série, ou seja, têm 10 ou
amarelos e 60,7% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:

921 escolas previstas

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


335 586 691 230 94 827

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

43.281 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016


Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior
12.557 30.724 38.654 4.627 6.722 36.559

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

43.281 estudantes previstos, sendo que:

87,7% 89,3%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep..

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


194 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

35,1%
dos estudantes estão no Nível 2. No Nível 2, os itens passam a exigir compreensão de textos simples,
considerando as características do gênero, e o resgate de informações contidas nele, principalmente,
no título ou na frase inicial.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


18,2% 35,1% 35,1% 11,6%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Mato Grosso 512,35

Centro-Oeste 518,36 518,36 518,36

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo da proficiência média da região e
acima da proficiência média nacional da avaliação de leitura.

Escrita

65,1%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 28% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2 e
3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


11,1% 15,5% 1,4% 65,1% 6,9%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Mato Grosso 510,63

Centro-Oeste 516,2

Brasil 500

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo da proficiência média da região e
acima da proficiência média nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 195
matemática

33,3%
dos estudantes desse estado estão no nível 2 de Matemática. Nesse nível, os estudantes provavelmente
são capazes de, por exemplo, determinar valor monetário de cédulas ou de agrupamento de cédulas
e moedas, sem envolver reagrupamento de centavos em reais; reconhecer figura geométrica plana
(triângulo, retângulo, quadrado e círculo) a partir de sua nomenclatura; identificar frequência associada
a uma categoria em gráfico de colunas ou de barras, com quatro categorias; resolver problema de
adição ou subtração envolvendo números naturais de até 2 algarismos, sem reagrupamento nos
cálculos, com o significado de acrescentar ou retirar e em que o estado final é desconhecido.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


20,4% 33,3% 19,9% 26,4%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Mato Grosso 510,87

Centro-Oeste 512,31 512,31 512,31 512,31

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo da proficiência média da região e
acima da proficiência média nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


por dependência Estadual: 512,26 Estadual: 513,11 Estadual: 512,98
administrativa Municipal: 512,38 Municipal: 509,63 Municipal: 510
Urbana: 514,51 Urbana: 512,25 Urbana: 512,52
por localização
Rural: 493,39 Rural: 496,47 Rural: 496,37
Capital: 500,86 Capital: 495,95 Capital: 496,64
por área
Interior: 514,46 Interior: 513,33 Interior: 513,48
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

A UF possui um desempenho em leitura similar nas escolas estaduais e municipais. Em escrita e


matemática, a rede estadual apresenta resultados superiores à da rede municipal.
Referente à localização, o resultado é superior nas escolas urbanas, e, por área, os resultados são
maiores nas escolas localizadas no interior.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


196 Panorama do Brasil e dos Estados
MATO GROSSO DO SUL
Na edição do SAEB/ANA 2016, participaram 690 escolas, das quais 560
tiveram seus resultados divulgados em Leitura e Escrita e 603 em Matemática.
redes municipais – 100% dos municípios do estado possuem rede
municipal que ofertam turmas no 3º ano do Ensino Fundamental. Essa
cobertura é distribuída em 490 escolas municipais no estado.
Escolas – O estado possui 898 escolas que atendem ao 3º ano do Ensino
Fundamental. Dessas, 222 são estaduais, 490 municipais e 186 privadas. Ao
todo são 729 escolas urbanas e 169 rurais.
Estudantes – O estado possui 47.568 estudantes matriculados no 3º
ano do Ensino Fundamental. Desses, 9.790 estão matriculados em escolas
estaduais, 32.409 em escolas municipais e 5.369 em escolas privadas. Ao
todo são 42.250 estudantes matriculados em escolas urbanas e 5.318 em
escolas rurais.
Indicadores do público-alvo do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a escolas, docentes, turmas e estudantes do público-alvo13 da avaliação.

Formação Docente Complexidade da Gestão das Escolas14

83% 28,7%
dos docentes do estado das escolas têm porte entre 50
possuem a formação e 500 matrículas, funcionam em
considerada adequada 2 turnos, com oferta de 2 ou 3
etapas de ensino

Tamanho das Turmas Acessibilidade

42,1% 58,5%
das turmas possuem das escolas possuem
até 24 alunos por dependências acessíveis ao
turma15 público com deficiência e 78,2%
possuem banheiros acessíveis

Acesso à Internet e uso de Computadores Biblioteca e Sala de Leitura

96,4% 51,5%
das escolas possuem acesso das escolas possuem Biblioteca
à Internet e 93,8% possuem e 22,5% possuem Sala de
computadores para uso dos Leitura
alunos

Nível Socioeconômico16 Tempo Integral

44,5% 7,8%
das escolas são classificadas dos estudantes estão
como MÉDIO no Indicador de matriculados em tempo
Nível Socioeconômico integral

13
As definições de público-alvo, estudantes matriculados e estudantes previstos constam no Quadro de Conceitos do presente relatório.
14
O dado refere-se ao nível de complexidade de gestão predominante nesta UF.
15
O limite de 24 alunos por turma nas séries iniciais do Ensino Fundamental é uma condição para a garantia dos padrões mínimos de qualidade de
ensino para a Educação Básica pública considerada no cálculo do Custo Aluno – Qualidade Inicial (CAQi), cuja implantação foi endossada pelo Plano
Nacional de Educação – PNE 2014 – 2024 (Meta 20 da Lei 13.005, de 25 junho de 2014)
16
O dado refere-se ao nível de predominância nesta UF.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 197
Perfil dos estudantes previstos do SAEB/ANA 2016
As informações a seguir referem-se a estudantes previstos do SAEB/ANA 2016:

Meninos Meninas

53% 47%
dos estudantes são do sexo dos estudantes são do sexo
masculino feminino

Cor/Raça Distorção Idade-série


44,4% 21,7%
dos estudantes declarados pela dos estudantes do 3º ano do
escola são pardos, 41,1% brancos, ensino fundamental em distorção
6,3% indígenas, 1,7% pretos, 0,2% idade-série, ou seja, têm 10 ou
amarelos e 6,4% não declarados mais anos de idade nessa etapa

Resultados de proficiência no SAEB/ANA 2016


Quantidade de escolas previstas por dependência administrativa, localização e área:

690 escolas previstas

Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior


219 471 541 149 127 563

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Quantidade de estudantes previstos por dependência administrativa, localização e área:

41.737 estudantes previstos para realização do SAEB/ANA 2016


Estaduais Municipais Urbanas Rurais Capital Interior
9.718 32.019 36.807 4.930 11.437 30.300

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

41.737 estudantes previstos, sendo que:

86,1% 88,2%
dos estudantes previstos estavam presentes dos estudantes previstos estavam presentes
nos testes de Leitura e Escrita no teste de Matemática

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Os dados de resultado apresentados a seguir foram obtidos a partir das respostas dos estudantes
presentes e se referem a todo o universo de estudantes previstos. Os dados destacam primeiramente
o Nível de proficiência com maior concentração de estudantes no estado. Em seguida, apresenta-se a
distribuição dos estudantes por nível na escala de proficiência em Leitura, Escrita e Matemática e, por
fim, a média do Estado comparada com a média regional e nacional.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


198 Panorama do Brasil e dos Estados
Leitura

39,5%
dos estudantes estão no Nível 2. No Nível 2, os itens passam a exigir compreensão de textos simples,
considerando as características do gênero, e o resgate de informações contidas nele, principalmente,
no título ou na frase inicial.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


16,7% 39,5% 34,2% 9,7%

Proficiência média dos estudantes em Leitura, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Leitura

Mato Grosso 509,78


do Sul

Centro-Oeste 518,36 518,36 518,36

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo da proficiência média da região e
acima da proficiência média nacional da avaliação de leitura.

Escrita

60,4%
dos estudantes estão no Nível 4. No Nível 4 os estudantes provavelmente escrevem as palavras
apresentadas corretamente, independente de sua complexidade, e atendem à proposta de construir
uma narrativa, embora ainda possam incorrer em desvios que comprometem parcialmente o sentido
desta. É preciso atenção ao fato de que 33,4% dos estudantes estão concentrados nos níveis 1, 2
e 3, que compreendem desde aqueles que ainda não escrevem palavras ou as escrevem de forma
incompreensível até os estudantes que produzem textos com desvios que comprometem sua
compreensão.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5


9,1% 20,4% 3,8% 60,4% 6,3%

Proficiência média dos estudantes em Escrita, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Escrita

Mato Grosso 509,78


do Sul

Centro-Oeste 518,36 518,36 518,36

Brasil 507,58

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo da proficiência média da região e
acima da proficiência média nacional da avaliação de escrita.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 199
matemática

38,2%
dos estudantes desse estado estão no Nível 2 de Matemática. Nesse nível, os estudantes provavelmente
são capazes de, por exemplo, determinar valor monetário de cédulas ou de agrupamento de cédulas
e moedas, sem envolver reagrupamento de centavos em reais; reconhecer figura geométrica plana
(triângulo, retângulo, quadrado e círculo) a partir de sua nomenclatura; identificar frequência associada
a uma categoria em gráfico de colunas ou de barras, com quatro categorias; resolver problema de
adição ou subtração envolvendo números naturais de até 2 algarismos, sem reagrupamento nos
cálculos, com o significado de acrescentar ou retirar e em que o estado final é desconhecido.

Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4


19,5% 38,2% 20,1% 22,2%

Proficiência média dos estudantes em Matemática, segundo região geográfica e Unidade da Federação:
Proficiência Média em Matemática

Mato Grosso 505,77


do Sul

Centro-Oeste 512,31 512,31 512,31

Brasil 508,09

Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

Verifica-se que a proficiência média do estado encontra-se abaixo das proficiências médias regional e
nacional da avaliação de matemática.

Proficiências médias comparadas em Leitura, Escrita e Matemática, por


dependência administrativa, localização e área

Leitura Escrita Matemática


por dependência Estadual: 519,36 Estadual: 512,15 Estadual: 516,33
administrativa Municipal: 506,88 Municipal: 502,94 Municipal: 502,56
Urbana: 515,33 Urbana: 509,96 Urbana: 511,13
por localização
Rural: 463,45 Rural: 464,31 Rural: 460,94
Capital: 512,87 Capital: 504,65 Capital: 502,63
por área
Interior: 508,62 Interior: 505,24 Interior: 506,94
Fonte: Microdados do Saeb/ANA 2016/Inep.

De maneira geral, a UF possui um desempenho maior nas escolas da rede estadual de ensino. Referente
à localização, o resultado é superior nas escolas urbanas. E, por área, os resultados de leitura são
superiores nas escolas da capital e os de escrita e matemática são superiores nas escolas do interior.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


200 Panorama do Brasil e dos Estados
REFERÊNCIAS
BIBLIOGRÁFICAS

ANDRADE, D.; TAVARES, H. R.; VALLE, R. C. Teoria da resposta ao item: conceitos e aplicações.
São Paulo: ABE, 2000.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação


nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação (CNE). Câmara de Educação Básica (CEB). Resolução
nº 7, de 14 de dezembro de 2010. Fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino
Fundamental de 9 (nove) anos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 15 dez. 2010.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Portaria nº 867, de 4 de julho de 2012. Institui o Pacto
Nacional pela Alfabetização na Idade Certa e as ações do Pacto e define suas diretrizes gerais.
Diário Oficial da União, Brasília, DF, 7 jul. 2012a.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Pacto nacional pela alfabetização na idade certa:
operações na resolução de problemas. Brasília: MEC, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Conselho Nacional de Educação (CNE). Conselho Pleno
(CP). Resolução CNE/CP nº 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da
Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e
respectivas modalidades e no âmbito da Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília nº
245, Seção 1, p. 41.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 201
BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Guia de
correção e interpretação dos resultados Provinha Brasil: leitura. Brasília, DF: Inep, 2012a.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).


Provinha Brasil: guia de elaboração de itens. Brasília, DF: Inep, 2012b.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Avaliação
Nacional da Alfabetização (ANA): documento básico. Brasília, 2013.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Avaliação
Nacional da Alfabetização (ANA) 2016: manual dos aplicadores. Brasília, 2016.

MONTGOMERY, D. C. Design and analysis of experiments. New York: Wiley, 1984.

PASQUALI, L. Psicometria: teoria dos testes na psicologia e na educação. Petrópolis: Vozes,


2009.

SAMEJIMA, F. Graded response model. In: VAN DER LINDEN, W. J.; HAMBLETON, R. K. (Eds.)
Handbook of modern item response theory. New York: Springer, 1997.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


202 Panorama do Brasil e dos Estados
ANEXOS
Tabela 1 - Matrículas no 3º ano do EF e suas Escolas por Dependência Administrativa e Localização (Brasil, estados e regiões)
(continua)

Dependência Administrativa Localização


TOTAL
Agregação Federal Estadual Municipal Privada Urbana Rural
Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes
Brasil 72.096 3.069.905 23 1.431 8.909 445.972 43.435 2.075.105 19.729 547.397 55.257 2.714.501 16.839 355.404
Norte 7.061 337.918 4 184 1.082 56.765 4.884 249.853 1.091 31.116 4.224 268.769 2.837 69.149
Nordeste 26.014 884.759 3 79 866 28.206 17.589 672.389 7.556 184.085 17.242 695.709 8.772 189.050
Sudeste 23.473 1.206.514 13 1.011 3.470 224.308 11.859 745.809 8.131 235.386 20.983 1.156.296 2.490 50.218
Sul 10.535 401.587 2 96 2.366 76.150 6.629 270.724 1.538 54.617 8.565 371.039 1.970 30.548
Centro-Oeste 5.013 239.127 1 61 1.125 60.543 2.474 136.330 1.413 42.193 4.243 222.688 770 16.439

Acre 302 16.163 1 30 125 7.287 153 7.969 23 877 185 13.199 117 2.964
Amapá 360 16.352 0 0 164 4.435 157 10.479 39 1.438 169 13.174 191 3.178
Amazonas 1.321 74.363 0 0 264 18.146 857 49.297 200 6.920 886 63.197 435 11.166
Pará 3.635 157.101 2 129 250 15.080 2.752 126.542 631 15.350 2.077 118.724 1.558 38.377
Rondônia 652 40.501 0 0 156 8.936 417 28.616 79 2.949 390 31.718 262 8.783
Roraima 195 8.161 1 25 50 741 121 6.479 23 916 83 6.212 112 1.949
Tocantins 596 25.277 0 0 73 2.140 427 20.471 96 2.666 434 22.545 162 2.732

Alagoas 1.417 59.936 0 0 57 2.290 951 47.190 409 10.456 913 45.047 504 14.889
Bahia 6.704 228.852 0 0 40 1.473 4.781 185.719 1.883 41.660 4.334 174.839 2.370 54.013
Ceará 3.937 133.843 0 0 25 614 2.687 101.167 1.225 32.062 2.598 107.278 1.339 26.565
Maranhão 3.391 115.359 1 11 36 877 2.755 98.189 599 16.282 1.914 83.821 1.477 31.538
Paraíba 2.079 58.419 1 26 234 7.560 1.202 36.669 642 14.164 1.592 50.524 487 7.895
Pernambuco 3.994 150.618 0 0 62 1.496 2.244 108.833 1.688 40.289 3.008 125.136 986 25.482
Piauí 1.868 54.100 0 0 13 529 1.534 45.867 321 7.704 1.002 40.830 866 13.270
Rio Grande do Norte 1.507 45.510 1 42 233 6.600 803 26.510 470 12.358 1.155 38.759 352 6.751
Sergipe 1.117 38.122 0 0 166 6.767 632 22.245 319 9.110 726 29.475 391 8.647

Panorama do Brasil e dos Estados


RELATÓRIO SAEB-ANA 2016
205
206
Tabela 1 - Matrículas no 3º ano do EF e suas Escolas por Dependência Administrativa e Localização (Brasil, estados e regiões)
(conclusão)

Dependência Administrativa Localização


TOTAL
Agregação Federal Estadual Municipal Privada Urbana Rural
Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes
Espírito Santo 1.156 57.068 0 0 185 8.227 785 41.722 186 7.119 936 52.715 220 4.353
Minas Gerais 6.777 299.976 3 208 1.796 84.654 3.607 180.248 1.371 34.866 5.487 279.809 1.290 20.167

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Rio de Janeiro 5.583 230.227 9 759 11 529 2.734 158.772 2.829 70.167 5.031 215.299 552 14.928

Panorama do Brasil e dos Estados


São Paulo 9.957 619.243 1 44 1.478 130.898 4.733 365.067 3.745 123.234 9.529 608.473 428 10.770

Paraná 3.510 161.759 0 0 30 653 2.724 137.404 756 23.702 2.968 151.554 542 10.205
Rio Grande do Sul 4.516 144.970 1 21 1.693 50.087 2.391 76.055 431 18.807 3.585 132.932 931 12.038
Santa Catarina 2.509 94.858 1 75 643 25.410 1.514 57.265 351 12.108 2.012 86.553 497 8.305

Distrito Federal 634 44.640 0 0 362 33.253 0 0 272 11.387 567 42.389 67 2.251
Goiás 2.246 96.847 1 61 172 4.682 1.352 72.844 721 19.260 2.016 93.165 230 3.682
Mato Grosso 1.235 50.072 0 0 369 12.818 632 31.077 234 6.177 931 44.884 304 5.188
Mato Grosso do Sul 898 47.568 0 0 222 9.790 490 32.409 186 5.369 729 42.250 169 5.318
Fonte: Censo da Educação Básica 2016/INEP.
1) Foram consideradas todas as escolas que oferecem turmas regulares do 3º ano do Ensino Fundamental de 9 anos e seus respectivos alunos.
2) Inclui escolas que ensinam somente em língua indígena.
3) Não são consideradas turmas multisseriadas, de aceleração ou correção de fluxo e seus respectivos alunos.
4) Incluir rede pública e privada de ensino.
Tabela 2 – Universo considerado para o cálculo dos indicadores da ANA no Censo Escolar 2016

Total da ANA
Ano Código Agregação
Matrícula Turma Escola
2016 0 Brasil 2.500.485 106.951 49.023
2016 11 Rondônia 37.402 1.551 544
2016 12 Acre 15.227 596 271
2016 13 Amazonas 67.146 2.573 1.079
2016 14 Roraima 6.992 309 142
2016 15 Pará 140.825 5.954 2.868
2016 16 Amapá 14.454 614 243
2016 17 Tocantins 22.337 953 459
2016 21 Maranhão 97.591 4.274 2.579
2016 22 Piauí 44.870 2.075 1.282
2016 23 Ceará 100.893 4.495 2.589
2016 24 Rio Grande do Norte 32.763 1.507 982
2016 25 Paraíba 43.473 2.067 1.312
2016 26 Pernambuco 109.789 4.589 2.208
2016 27 Alagoas 49.298 2.015 985
2016 28 Sergipe 28.754 1.285 759
2016 29 Bahia 185.225 8.610 4.512
2016 31 Minas Gerais 261.989 11.772 4.938
2016 32 Espírito Santo 49.692 2.220 928
2016 33 Rio de Janeiro 159.553 6.610 2.672
2016 35 São Paulo 495.662 18.849 6.166
2016 41 Paraná 136.468 5.947 2.555
2016 42 Santa Catarina 81.757 3.715 2.003
2016 43 Rio Grande do Sul 122.723 6.027 3.547
2016 50 Mato Grosso do Sul 42.034 1.690 697
2016 51 Mato Grosso 43.417 1.984 928
2016 52 Goiás 76.912 3.104 1.417
2016 53 Distrito Federal 33.239 1.566 358
Fonte: Censo da Educação Básica 2016/INEP.
1) Foram consideradas apenas as turmas do 3º ano do Ensino Fundamental das escolas pública, com pelo menos 10 alunos por
escola.
2) Não inclui escola que ensinam somente em língua indígena.
3) Não consideradas turmas multisseriadas, de aceleração ou correção de fluxo e seus respectivos alunos.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 207
Tabela 3 – Percentual de docentes por grupo do Indicador de Adequação da Formação do Docente
das escolas público-alvo da ANA - Brasil - 2016

3º ano do Ensino Fundamental


Ano Código Agregação
Grupo 1 Grupo 2 Grupo 3 Grupo 4 Grupo 5
2016 0 Brasil 65,4 0,6 9,4 3,6 21,0
2016 1 Norte 61,5 0,3 6,9 4,5 26,8
2016 2 Nordeste 52,1 0,5 10,8 3,5 33,2
2016 3 Sudeste 70,6 0,6 8,8 4,2 15,8
2016 4 Sul 72,7 0,8 10,6 2,8 13,1
2016 5 Centro-Oeste 81,5 0,4 8,2 1,9 8,0
2016 11 Rondônia 81,8 0,6 4,5 1,4 11,7
2016 12 Acre 65,3 0,3 11,7 2,3 20,3
2016 13 Amazonas 75,8 0,3 6,0 2,9 14,9
2016 14 Roraima 60,6 0,3 5,9 3,2 29,9
2016 15 Pará 50,3 0,3 7,4 6,1 35,9
2016 16 Amapá 36,4 10,6 2,7 50,3
2016 17 Tocantins 70,0 0,1 4,8 7,4 17,7
2016 21 Maranhão 35,3 0,4 13,8 1,7 48,9
2016 22 Piauí 53,0 0,3 14,4 2,4 30,0
2016 23 Ceará 55,0 0,4 16,0 10,2 18,5
2016 24 Rio Grande do Norte 79,3 0,2 2,6 0,6 17,2
2016 25 Paraíba 62,0 0,7 8,9 2,5 25,9
2016 26 Pernambuco 47,4 0,5 13,0 2,3 36,9
2016 27 Alagoas 51,9 0,9 8,2 1,5 37,5
2016 28 Sergipe 73,2 2,1 6,9 1,0 16,9
2016 29 Bahia 51,3 0,3 7,3 2,9 38,2
2016 31 Minas Gerais 79,4 1,0 8,0 3,3 8,3
2016 32 Espírito Santo 84,8 0,6 5,6 4,0 5,0
2016 33 Rio de Janeiro 36,4 0,7 14,6 5,4 42,9
2016 35 São Paulo 75,4 0,4 7,6 4,3 12,3
2016 41 Paraná 74,9 0,2 12,7 4,9 7,3
2016 42 Santa Catarina 82,8 2,6 1,4 0,8 12,4
2016 43 Rio Grande do Sul 63,4 0,3 14,4 1,9 20,0
2016 50 Mato Grosso do Sul 83,0 0,5 7,4 2,0 7,1
2016 51 Mato Grosso 87,5 0,3 3,1 2,5 6,6
2016 52 Goiás 76,7 0,3 10,6 1,7 10,6
2016 53 Distrito Federal 82,4 0,5 10,5 1,5 5,1
Fonte: Censo da Educação Básica 2016/INEP.
Notas: 1) O docente é contabilizado em cada turma e disciplina que leciona.
2) Inclui os professores responsáveis pela regência de classe e os professores responsáveis pela regência de módulo ou disciplina de turma
desenvolvida em curso de modalidade de educação a distância.
3) O indicador classifica o docente segundo a adequação de sua formação inicial a cada disciplina que leciona na educação básica, levando-se
em conta as normatizações legais vigentes (nacionais). A tabela apresenta o percentual de docências na respectiva unidade da agregação
classificadas em cada uma das categorias do indicador.
4) Categorias de adequação da formação dos docentes em relação à disciplina que leciona:
Grupo 1 - Docentes com formação superior de licenciatura (ou bacharelado com complementação pedagógica) na mesma área da
disciplina que leciona.
Grupo 2 - Docentes com formação superior de bacharelado (sem complementação pedagógica) na mesma área da disciplina que leciona.
Grupo 3 - Docentes com formação superior de licenciatura (ou bacharelado com complementação pedagógica) em área diferente
daquela que leciona.
Grupo 4 - Docentes com formação superior não considerada nas categorias anteriores.
Grupo 5 - Docentes sem formação superior.
5) Foram consideradas apenas as turmas do 3º ano do Ensino Fundamental das escolas públicas, com pelo menos 10 alunos por escola.
6) Foram considerados apenas os professores que lecionam língua portuguesa ou matemática.
7) Não inclui escolas que ensinam somente em língua indígena.
8) Não consideradas turmas multisseriadas, de aceleração ou correção de fluxo e seus respectivos alunos.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


208 Panorama do Brasil e dos Estados
Tabela 4 – Percentual das escolas do público-alvo da ANA por nível do Indicador de Complexidade
de Gestão da Escola - Brasil - 2016
Percentual de escolas segundo nível do indicador complexi-
Ano Código Agregação dade de gestão
Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5 Nível 6
2016 0 Brasil 5,7 31,5 30,2 9,8 15,2 7,6
2016 1 Norte 2,9 34,2 29,5 7,5 17,9 8
2016 2 Nordeste 5,3 32,1 25,2 9 21,3 7,1
2016 3 Sudeste 6,7 35 29,8 9 11,7 7,8
2016 4 Sul 6,3 24,4 39,1 13,1 9,4 7,7
2016 5 Centro-Oeste 6,1 25,7 37,2 13 9,2 8,8
2016 11 Rondônia 3,9 30,9 42,8 6,4 9,2 6,8
2016 12 Acre 3,7 39,5 17,7 10,7 24,4 4,1
2016 13 Amazonas 2,2 32,3 25,6 8,7 22 9,2
2016 14 Roraima 7 35,9 27,5 13,4 14,1 2,1
2016 15 Pará 2 33,4 30,5 6,2 18,3 9,6
2016 16 Amapá 5,8 42,8 17,7 8,2 21 4,5
2016 17 Tocantins 5,9 39,2 30,7 9,6 11,5 3,1
2016 21 Maranhão 3,2 26,6 30,7 8,2 25,1 6,2
2016 22 Piauí 6,5 33,2 28,3 8,3 19,9 3,8
2016 23 Ceará 2,4 20 43,8 7,6 18,8 7,4
2016 24 Rio Grande do Norte 5,2 34,7 23,6 11,2 21,1 4,2
2016 25 Paraíba 6,5 26,3 13 14 29,2 11
2016 26 Pernambuco 6,8 29,9 21,1 8,4 21,1 12,7
2016 27 Alagoas 2,9 27,9 12,1 12,3 33,7 11,1
2016 28 Sergipe 6,3 33,5 21,7 10,3 19,1 9,1
2016 29 Bahia 7 44,8 19,7 8 16,4 4
2016 31 Minas Gerais 7,7 27,4 30,1 12 11,5 11,2
2016 32 Espírito Santo 3,4 31,8 37 6,5 13,4 8
2016 33 Rio de Janeiro 5,5 34 32,7 11,4 8,3 8,1
2016 35 São Paulo 7 42 27,1 6 13,1 4,9
2016 41 Paraná 15,3 41 25 4,1 10,6 4
2016 42 Santa Catarina 2,6 24,8 43,3 22,6 5,1 1,5
2016 43 Rio Grande do Sul 1,9 12,2 46,8 14,3 10,9 13,9
2016 50 Mato Grosso do Sul 1,7 12,8 28,7 26,4 12,1 18,4
2016 51 Mato Grosso 3,1 17,7 46,3 13,7 8,7 10,5
2016 52 Goiás 10,5 34,7 32,7 8,3 9,8 4
2016 53 Distrito Federal 4,5 36 48,3 3,9 2,2 5
Fonte: Censo da Educação Básica 2016/INEP.
Notas: 1) O indicador classifica as escolas em níveis de 1 a 6 de acordo com sua complexidade de gestão, níveis elevados indicam maior comple-
xidade. Com base nos dados disponíveis do Censo da Educação Básica, considerou-se que complexidade de gestão está relacionada às
seguintes características: porte da escola, número de turnos de funcionamento, quantidade e complexidade de modalidades/etapas
oferecidas. A tabela apresenta o percentual de escolas da respectiva agregação em cada um dos níveis da escala do indicador.
2) Como o horário de início das turmas com mediação didático-pedagógica semipresencial ou a distância (EAD) não é coletado no Censo
Escolar, as escolas que ofertam uma ou mais turmas nessas mediações têm o número de turnos de funcionamento (definido pelo
horário de início das turmas) tratado como ausente.
3) Os níveis de complexidade de gestão são descritos abaixo de acordo com as características predominantes das escolas pertencentes
a cada um deles:
Nível 1 - Escolas que, em geral, possuem porte inferior a 50 matrículas, funcionam em único turno, ofertam uma única etapa de ensino
e apresentam a Educação Infantil ou os Anos Iniciais como etapa mais elevada*.
Nível 2 - Escolas que, em geral, possuem porte entre 50 e 300 matrículas, funcionam em 2 turnos, com oferta de até 2 etapas de ensino
e apresentam a Educação Infantil ou os Anos Iniciais como etapa mais elevada*.
Nível 3 - Escolas que, em geral, possuem porte entre 50 e 500 matrículas, funcionam em 2 turnos, com oferta de 2 ou 3 etapas de
ensino e apresentam os Anos Finais como etapa mais elevada*.
Nível 4 - Escolas que, em geral, possuem porte entre 150 e 1000 matrículas, funcionam em 2 ou 3 turnos, com oferta de 2 ou 3 etapas
de ensino e apresentam o Ensino Médio, a Educação Profissional ou a EJA como etapa mais elevada*.
Nível 5 - Escolas que, em geral, possuem porte entre 150 e 1000 matrículas, funcionam em 3 turnos, com oferta de 2 ou 3 etapas de
ensino e apresentam a EJA como etapa mais elevada*.
Nível 6 - Escolas que, em geral, possuem porte superior a 500 matrículas, funcionam em 3 turnos, com oferta de 4 ou mais etapas de
ensino e apresentam a EJA como etapa mais elevada*.
4) Foram consideradas apenas as turmas do 3º ano do Ensino Fundamental das escolas públicas, com pelo menos 10 alunos por
escola.
5) Não inclui escolas que ensinam somente em língua indígena.
6) Não consideradas turmas multisseriadas, de aceleração ou correção de fluxo e seus respectivos alunos.
*Considerou-se como a etapa mais elevada ofertada pela escola aquela que atenderia, teoricamente, alunos com idade mais elevada.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 209
210
Tabela 5 – Percentual de itens de infraestrutura de escolas público-alvo da ANA, segundo o Censo Escolar - Brasil - 2016
(continua)

Acessibilidade
Biblioteca ou Sala de Ambiente Pedagógico
Infraestrutura Básica ao público com Acesso a computador e internet
leitura Extraclasse
necessidade

Ano Código Agregação

trativo
Ciências

(esgoto)
Banheiro

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


na escola
Auditório

Computa-
Biblioteca

Hidráulica
Instalação
dores para

uso adminis

Dependências
Sala de leitura
Laboratório de

Computadores
uso dos alunos
Acesso a Internet

Computadores de

Instalação Elétrica

Panorama do Brasil e dos Estados


Saneamento Básico
Quadra de esportes

2016 0 Brasil 98,2 98,7 99,7 49,2 37,6 95,2 88,1 75,4 81,5 46,2 27,5 49,5 8,0 9,9
2016 1 Norte 96,9 95,2 97,4 39,5 24,4 89,3 80,8 59,3 60,3 36,2 24,3 34,7 3,2 10,1
2016 2 Nordeste 96,2 98,3 99,9 41,5 31,7 90,9 77,8 62,1 68,0 30,4 24,1 23,5 1,9 6,1
2016 3 Sudeste 99,9 99,6 100,0 50,8 36,2 98,9 95,7 86,2 93,3 50,2 39,8 69,3 10,4 12,4
2016 4 Sul 99,7 99,7 100,0 61,3 55,7 99,7 98,0 90,3 97,6 77,3 15,3 73,8 20,2 15,5
2016 5 Centro-Oeste 99,6 99,4 99,9 69,1 52,1 99,6 94,9 86,8 94,5 51,4 25,9 62,4 6,8 4,7
2016 11 Rondônia 98,5 99,4 99,4 63,6 39,9 98,3 93,4 69,5 82,7 46,1 23,2 52,0 4,4 8,5
2016 12 Acre 92,6 93,7 97,8 54,6 36,2 95,2 87,5 73,1 75,3 53,5 23,2 17,7 0,7 4,8
2016 13 Amazonas 97,4 93,9 97,6 27,7 10,5 88,0 79,4 61,2 57,7 47,0 10,5 25,9 8,3 9,7
2016 14 Roraima 99,3 94,4 97,2 37,3 24,6 85,2 75,4 58,5 52,1 41,5 27,5 39,4 1,4 0,7
2016 15 Pará 96,1 94,6 96,4 37,0 23,9 86,3 77,2 53,6 52,8 26,6 30,0 37,0 1,8 12,4
2016 16 Amapá 97,5 93,4 98,8 39,9 23,5 90,5 78,6 63,4 46,5 42,8 42,0 21,0 1,6 3,7
2016 17 Tocantins 100,0 99,6 100,0 46,6 35,7 97,4 90,2 68,8 88,2 43,6 13,3 36,4 2,0 8,1
2016 21 Maranhão 94,9 96,0 100,0 35,1 23,6 82,4 67,0 48,5 49,9 19,6 11,9 14,0 1,4 5,7
2016 22 Piauí 94,4 94,1 99,8 37,7 28,3 88,9 73,8 53,7 61,2 22,9 16,5 24,3 1,6 4,4
2016 23 Ceará 94,6 99,1 100,0 44,6 40,1 97,5 89,5 80,3 82,8 42,0 39,1 40,9 2,1 7,6
2016 24 Rio G. do Norte 99,4 99,7 100,0 58,0 45,2 96,2 82,9 73,6 82,5 50,1 36,7 22,4 3,1 6,6
2016 25 Paraíba 95,6 99,7 100,0 49,8 38,2 93,3 75,8 70,0 70,2 29,6 30,3 24,5 4,3 10,4
2016 26 Pernambuco 96,2 99,3 100,0 39,5 29,8 92,6 77,9 59,7 69,3 42,8 21,7 21,3 2,4 6,7
Tabela 5 – Percentual de itens de infraestrutura de escolas público-alvo da ANA, segundo o Censo Escolar - Brasil - 2016
(conclusão)
Acessibilidade
Biblioteca ou Sala de Ambiente Pedagógico
Infraestrutura Básica ao público com Acesso a computador e internet
leitura Extraclasse
necessidade

Ano Código Agregação

trativo
Ciências

(esgoto)
Banheiro
na escola
Auditório

Computa-
Biblioteca

Hidráulica
Instalação
dores para

uso adminis

Dependências
Sala de leitura
Laboratório de

Computadores
uso dos alunos
Acesso a Internet

Computadores de

Instalação Elétrica

Saneamento Básico
Quadra de esportes

2016 27 Alagoas 98,9 99,6 100,0 45,7 32,9 91,1 74,7 67,9 67,0 28,4 32,2 20,7 2,5 4,6
2016 28 Sergipe 98,8 99,5 100,0 55,3 39,9 89,7 73,3 59,6 71,7 19,5 24,8 22,8 1,6 3,0
2016 29 Bahia 96,7 98,8 99,9 36,0 27,0 90,1 79,5 57,2 67,0 24,4 19,3 20,6 0,9 5,1
2016 31 Minas Gerais 99,9 99,2 100,0 50,9 43,0 98,3 92,3 84,0 92,9 82,4 10,2 67,3 12,2 12,2
2016 32 Espírito Santo 99,4 99,5 100,0 65,7 51,2 99,2 96,9 86,2 96,4 71,2 18,9 61,0 15,7 22,2
2016 33 Rio de Janeiro 99,7 99,8 100,0 53,0 47,9 99,0 94,5 83,3 89,4 49,5 64,6 52,1 9,1 23,9
2016 35 São Paulo 100,0 99,9 100,0 47,6 23,4 99,3 98,8 89,2 94,9 21,4 56,0 79,5 8,7 6,0
2016 41 Paraná 99,7 99,8 100,0 64,1 51,0 99,5 98,6 84,0 97,3 66,0 12,6 72,3 3,8 6,5
2016 42 Santa Catarina 100,0 99,8 100,0 52,8 64,3 99,7 97,7 92,4 98,4 75,7 12,0 66,9 13,4 18,2
2016 43 Rio Grande do Sul 99,6 99,7 100,0 64,0 54,3 99,8 97,7 93,6 97,3 86,4 19,2 78,7 35,9 20,4
2016 50 Mato G. do Sul 99,7 99,9 100,0 78,2 58,5 99,7 96,0 93,8 96,4 51,5 22,5 85,9 14,1 5,2
2016 51 Mato Grosso 98,7 98,4 99,8 64,1 43,3 99,0 96,7 89,0 92,5 57,3 11,7 63,5 5,2 4,8
2016 52 Goiás 99,9 99,7 100,0 65,9 53,1 99,7 94,4 82,5 94,4 54,6 23,1 51,2 4,0 4,7
2016 53 Distrito Federal 100,0 100,0 100,0 77,4 58,9 100,0 90,2 84,6 96,4 22,9 79,6 58,1 8,1 3,4
Fonte: Censo da Educação Básica 2016/INEP.
Notas: 1) Foram consideradas apenas as turmas do 3º ano do Ensino Fundamental das escolas públicas, com pelo menos 10 alunos por escola.
2) As colunas nomeadas “Total” informam se a escola possuía uma ou outra das estruturas agrupadas naquela aba.
3) Não inclui escolas que ensinam somente em língua indígena.
4) Não consideradas turmas multisseriadas, de aceleração ou correção de fluxo e seus respectivos alunos.

Panorama do Brasil e dos Estados


RELATÓRIO SAEB-ANA 2016
211
Tabela 6 – Percentual de Indicador de Nível Socioeconômico por Escola por nível das escolas
público-alvo da ANA- Brasil - 2011/2013

Nível
Ano Código Agregação Muito Médio Médio Muito
Baixo Médio Alto
Baixo Baixo Alto Alto
2016 0 Brasil 1,5 9,3 20,5 24,9 33,4 10,3 0,1
2016 1 Norte 5,7 14,5 32,8 34,4 11,3 1,3 0,0
2016 2 Nordeste 2,7 23,2 46,7 25,2 2,1 0,1 -
2016 3 Sudeste 0,0 1,4 5,4 21,9 57,0 14,0 0,1
2016 4 Sul - 0,1 1,3 15,3 54,5 28,2 0,5
2016 5 Centro-Oeste 0,1 0,6 5,5 45,1 41,3 7,2 0,1
2016 11 Rondônia 0,7 1,8 29,9 48,4 17,1 2,1 -
2016 12 Acre 1,9 8,4 31,8 40,7 13,6 3,7 -
2016 13 Amazonas 4,4 9,9 22,0 38,0 23,7 2,1 -
2016 14 Roraima 6,3 11,3 17,5 45,0 12,5 7,5 -
2016 15 Pará 8,6 20,9 37,2 28,2 4,9 0,1 0,0
2016 16 Amapá 0,6 7,8 26,3 43,7 18,0 3,6 -
2016 17 Tocantins 2,4 9,7 42,9 35,0 8,2 1,8 -
2016 21 Maranhão 6,9 35,8 42,1 13,8 1,3 0,1 -
2016 22 Piauí 5,3 31,9 45,3 16,5 1,1 - -
2016 23 Ceará 2,2 29,0 51,2 17,1 0,3 0,1 -
2016 24 Rio Grande do Norte - 5,2 45,6 42,2 6,8 0,2 -
2016 25 Paraíba 0,8 18,2 53,6 24,8 2,4 0,1 -
2016 26 Pernambuco 0,2 11,5 45,6 39,5 3,1 0,1 -
2016 27 Alagoas 1,5 24,6 50,5 22,6 0,7 - -
2016 28 Sergipe 0,4 17,4 49,2 30,2 2,7 0,2 -
2016 29 Bahia 3,0 22,5 44,2 27,6 2,6 0,1 -
2016 31 Minas Gerais 0,1 4,2 13,2 32,0 41,6 8,7 0,1
2016 32 Espírito Santo - 0,3 10,4 47,0 37,4 4,9 -
2016 33 Rio de Janeiro - - 0,6 21,3 69,0 8,7 0,4
2016 35 São Paulo - 0,0 0,9 11,4 66,3 21,2 0,1
2016 41 Paraná - 0,2 3,3 21,0 53,5 21,7 0,2
2016 42 Santa Catarina - 0,1 0,5 8,5 54,4 35,7 0,8
2016 43 Rio Grande do Sul - 0,0 0,3 14,9 55,3 28,9 0,5
2016 50 Mato Grosso do Sul 0,5 0,8 5,0 44,5 41,6 7,6 -
2016 51 Mato Grosso - 1,3 11,3 55,2 29,1 3,1 -
2016 52 Goiás 0,1 0,3 3,8 48,4 44,6 2,8 -
2016 53 Distrito Federal - - - 11,3 55,8 32,2 0,6
Fonte: Inep.
Notas: 1) Foram consideradas apenas as turmas do 3º ano do Ensino Fundamental das escolas públicas, com pelo menos 10 alunos por escola.
2) As escolas que não possuiam INSE não foram consideradas neste cálculo.
3) Não inclui escolas que ensinam somente em língua indígena.
4) Não consideradas turmas multisseriadas, de aceleração ou correção de fluxo e seus respectivos alunos.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


212 Panorama do Brasil e dos Estados
Tabela 7 – Percentual de turmas das escolas público-alvo da ANA com até 24 alunos - Brasil - 2016

Ano Código Agregação Percentual de turmas com até 24 alunos


2016 0 Brasil 55,2
2016 1 Norte 49,4
2016 2 Nordeste 62,5
2016 3 Sudeste 47,3
2016 4 Sul 66,8
2016 5 Centro-Oeste 53,2
2016 11 Rondônia 50,6
2016 12 Acre 41,9
2016 13 Amazonas 38,6
2016 14 Roraima 56,3
2016 15 Pará 53,1
2016 16 Amapá 47,9
2016 17 Tocantins 56,7
2016 21 Maranhão 58,8
2016 22 Piauí 67,3
2016 23 Ceará 62,1
2016 24 Rio Grande do Norte 67,0
2016 25 Paraíba 70,3
2016 26 Pernambuco 52,3
2016 27 Alagoas 49,7
2016 28 Sergipe 64,7
2016 29 Bahia 68,7
2016 31 Minas Gerais 63,1
2016 32 Espírito Santo 65,3
2016 33 Rio de Janeiro 49,6
2016 35 São Paulo 34,4
2016 41 Paraná 59,2
2016 42 Santa Catarina 64,5
2016 43 Rio Grande do Sul 75,7
2016 50 Mato Grosso do Sul 42,1
2016 51 Mato Grosso 65,3
2016 52 Goiás 44,5
2016 53 Distrito Federal 67,3
Fonte: Censo da Educação Básica 2016/INEP.
Notas: 1) Foram consideradas apenas as turmas do 3º ano do Ensino Fundamental das escolas públicas, com pelo menos 10 alunos por escola.
2) A unidade de contagem são as turmas.
3) Não inclui escolas que ensinam somente em língua indígena.
4) Não consideradas turmas multisseriadas, de aceleração ou correção de fluxo e seus respectivos alunos.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 213
Tabela 8 – Taxa de Distorção Idade-Série dos alunos público-alvo da ANA - Brasil - 2016

Ano Código Agregação 3º ano do Ensino Fundamental


2016 0 Brasil 14,9
2016 1 Norte 20,2
2016 2 Nordeste 21,4
2016 3 Sudeste 10,4
2016 4 Sul 11
2016 5 Centro-Oeste 12,9
2016 11 Rondônia 11,4
2016 12 Acre 19,5
2016 13 Amazonas 19
2016 14 Roraima 15,5
2016 15 Pará 24,5
2016 16 Amapá 23,5
2016 17 Tocantins 10,6
2016 21 Maranhão 14,3
2016 22 Piauí 24,5
2016 23 Ceará 8,8
2016 24 Rio Grande do Norte 9,3
2016 25 Paraíba 22,4
2016 26 Pernambuco 26,1
2016 27 Alagoas 28,2
2016 28 Sergipe 28,2
2016 29 Bahia 27,4
2016 31 Minas Gerais 4,9
2016 32 Espírito Santo 17,1
2016 33 Rio de Janeiro 28,6
2016 35 São Paulo 6,8
2016 41 Paraná 8,7
2016 42 Santa Catarina 8,4
2016 43 Rio Grande do Sul 15,1
2016 50 Mato Grosso do Sul 21,7
2016 51 Mato Grosso 5,3
2016 52 Goiás 10,6
2016 53 Distrito Federal 17,1
Fonte: Censo da Educação Básica 2016/INEP.
Notas: 1) Foram consideradas apenas as turmas do 3º ano do Ensino Fundamental das escolas públicas, com pelo menos 10 alunos por escola.
2) Foram considerados como distorcidos os alunos com 10 anos ou mais.
3) Considerou-se a idade que o aluno completou em 2016.
4) Não inclui escolas que ensinam somente em língua indígena.
5) Não consideradas turmas multisseriadas, de aceleração ou correção de fluxo e seus respectivos alunos.
6) Os dados da tabela 8 e da tabela 11(%) podem diferir, em até uma casa decimal, na coluna “Idade - 10 anos ou mais”, devido a critério
de
arredondamento adotado em cada tabela.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


214 Panorama do Brasil e dos Estados
Tabela 9 – Percentual de alunos das escolas público-alvo da ANA que permanecem 7 horas ou
mais em atividades escolares - Brasil - 2016

Ano Código Agregação Percentual de alunos em tempo integral


2016 0 Brasil 13,2
2016 1 Norte 10,9
2016 2 Nordeste 15,2
2016 3 Sudeste 13,4
2016 4 Sul 12,4
2016 5 Centro-Oeste 10,3
2016 11 Rondônia 7,7
2016 12 Acre 19,7
2016 13 Amazonas 12,1
2016 14 Roraima 3,7
2016 15 Pará 6,6
2016 16 Amapá 31,7
2016 17 Tocantins 23,2
2016 21 Maranhão 14,6
2016 22 Piauí 14,6
2016 23 Ceará 13,6
2016 24 Rio Grande do Norte 14,4
2016 25 Paraíba 17,1
2016 26 Pernambuco 11,5
2016 27 Alagoas 10,8
2016 28 Sergipe 6,7
2016 29 Bahia 20,8
2016 31 Minas Gerais 17,1
2016 32 Espírito Santo 7,4
2016 33 Rio de Janeiro 17,4
2016 35 São Paulo 10,9
2016 41 Paraná 15,6
2016 42 Santa Catarina 9,4
2016 43 Rio Grande do Sul 10,8
2016 50 Mato Grosso do Sul 7,8
2016 51 Mato Grosso 8,7
2016 52 Goiás 13,3
2016 53 Distrito Federal 8,8
Fonte: Censo da Educação Básica 2016/INEP.
Notas: 1) Foram consideradas apenas as turmas do 3º ano do Ensino Fundamental das escolas públicas, com pelo menos 10 alunos por escola.
2) Foram consideradas como Tempo Integral as matrículas de escolaridade acrescidas das atividades complementares que obtiveram pelo
menos 420 minutos (7 horas).
3) Não inclui escolas que ensinam somente em língua indígena.
4) Não consideradas turmas multisseriadas, de aceleração ou correção de fluxo e seus respectivos alunos.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 215
216
Tabela 10 – Total de escolas e estudantes previstos por categoria administrativa, área e localização das escolas, por Região Geográfica e Unidade da Federação
(continua)
Dependência Administrativa Localização Área
TOTAL
Agregação Federal Estadual Municipal Urbana Rural Capital Interior
Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes
Brasil 48.717 2.492.601 22 1.401 8.302 440.722 40.393 2.050.478 35.149 2.163.727 13.568 328.874 5.814 461.600 42.903 2.031.001
Norte 5.577 303.714 3 154 957 55.870 4.617 247.690 3.130 237.771 2.447 65.943 937 77.931 4.640 225.783
Nordeste 17.031 688.208 3 79 791 27.580 16.237 660.549 9.670 511.237 7.361 176.971 1.419 90.294 15.612 597.914

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Sudeste 14.645 965.170 13 1.011 3.342 223.003 11.290 741.156 12.739 919.880 1.906 45.290 2.201 197.589 12.444 767.581

Panorama do Brasil e dos Estados


Sul 8.081 340.446 2 96 2.140 74.160 5.939 266.190 6.809 314.660 1.272 25.786 499 34.609 7.582 305.837
Centro-Oeste 3.383 195.063 1 61 1.072 60.109 2.310 134.893 2.801 180.179 582 14.884 758 61.177 2.625 133.886
Acre 264 15.043 0 0 118 7.203 146 7.840 160 12.229 104 2.814 88 6.464 176 8.579
Amapá 241 14.434 0 0 107 4.096 134 10.338 129 11.730 112 2.704 101 7.984 140 6.450
Amazonas 1.073 67.030 0 0 255 18.063 818 48.967 687 56.297 386 10.733 361 31.583 712 35.447
Pará 2.860 140.613 2 129 240 15.015 2.618 125.469 1.446 103.544 1.414 37.069 197 16.201 2.663 124.412
Rondônia 542 37.322 0 0 143 8.885 399 28.437 311 28.728 231 8.594 108 8.682 434 28.640
Roraima 141 6.981 1 25 31 540 109 6.416 60 5.296 81 1.685 47 3.748 94 3.233
Tocantins 456 22.291 0 0 63 2.068 393 20.223 337 19.947 119 2.344 35 3.269 421 19.022
Alagoas 977 49.051 0 0 52 2.224 925 46.827 501 34.513 476 14.538 123 8.709 854 40.342
Bahia 4.458 183.701 0 0 30 1.374 4.428 182.327 2.439 132.869 2.019 50.832 322 19.296 4.136 164.405
Ceará 2.581 100.640 0 0 22 591 2.559 100.049 1.368 75.084 1.213 25.556 200 17.020 2.381 83.620
Maranhão 2.548 96.856 1 11 21 770 2.526 96.075 1.339 68.103 1.209 28.753 108 9.074 2.440 87.782
Paraíba 1.292 43.076 1 26 227 7.514 1.064 35.536 933 36.106 359 6.970 141 6.472 1.151 36.604
Pernambuco 2.189 109.217 0 0 53 1.430 2.136 107.787 1.336 84.940 853 24.277 203 11.200 1.986 98.017
Piauí 1.257 44.387 0 0 13 529 1.244 43.858 668 32.847 589 11.540 129 7.877 1.128 36.510
Tabela 10 – Total de escolas e estudantes previstos por categoria administrativa, área e localização das escolas, por Região Geográfica e Unidade da Federação
(conclusão)
Dependência Administrativa Localização Área
TOTAL
Agregação Federal Estadual Municipal Urbana Rural Capital Interior
Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes
Rio Grande do
978 32.669 1 42 218 6.472 759 26.155 677 26.310 301 6.359 111 5.681 867 26.988
Norte
Sergipe 751 28.611 0 0 155 6.676 596 21.935 409 20.465 342 8.146 82 4.965 669 23.646
Espírito Santo 920 49.509 0 0 179 8.084 741 41.425 735 45.387 185 4.122 51 3.263 869 46.246
Minas Gerais 4.904 261.183 3 208 1.688 83.628 3.213 177.347 4.023 243.920 881 17.263 295 25.757 4.609 235.426
Rio de Janeiro 2.661 159.048 9 759 9 525 2.643 157.764 2.207 145.281 454 13.767 707 52.343 1.954 106.705
São Paulo 6.160 495.430 1 44 1.466 130.766 4.693 364.620 5.774 485.292 386 10.138 1.148 116.226 5.012 379.204
Paraná 2.551 136.427 0 0 4 233 2.547 136.194 2.164 127.527 387 8.900 181 17.736 2.370 118.691
Rio Grande do
3.536 122.479 1 21 1.517 48.729 2.018 73.729 3.007 112.978 529 9.501 253 13.353 3.283 109.126
Sul
Santa Catarina 1.994 81.540 1 75 619 25.198 1.374 56.267 1.638 74.155 356 7.385 65 3.520 1.929 78.020
Distrito Federal 358 33.239 0 0 358 33.239 . . 294 31.012 64 2.227 358 33.239 0 0
Goiás 1.414 76.806 1 61 160 4.595 1.253 72.150 1.275 73.706 139 3.100 179 9.779 1.235 67.027
Mato Grosso 921 43.281 0 0 335 12.557 586 30.724 691 38.654 230 4.627 94 6.722 827 36.559
Mato Grosso
690 41.737 0 0 219 9.718 471 32.019 541 36.807 149 4.930 127 11.437 563 30.300
do Sul
Fonte: Censo da Educação Básica 2016/INEP.
1) Foram consideradas apenas as escolas que oferecem turmas regulares do 3º ano do Ensino Fundamental de 9 anos das escolas públicas, com pelo menos 10 alunos por escola e seus respectivos alunos.
2) Não foram consideradas turmas multisseriadas, de aceleração ou correção de fluxo e seus respectivos alunos.
3) Não inclui escolas que ensinam somente em língua indígena.
4) Não contém turmas que não tiveram aplicação por não atenderem aos critérios da portaria, como, por exemplo, o não preenchimento o Censo Escolar na data prevista. Ou seja, as escolas que estavam na base planejada e continuaram atendendo aos
critérios da portaria após o fechamento do Censo Escolas permaneceram nos dados da ANA.

Panorama do Brasil e dos Estados


RELATÓRIO SAEB-ANA 2016
217
218
Tabela 10 (%) – Distribuição de escolas e estudantes previstos por categoria administrativa, área e localização das escolas, por Região Geográfica e Unidade da Federação
(continua)
Dependência Administrativa Localização Área
TOTAL
Agregação Federal Estadual Municipal Urbana Rural Capital Interior
Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes
Brasil 100,00 100,00 0,05 0,06 17,04 17,68 82,91 82,26 72,15 86,81 27,85 13,19 11,93 18,52 88,07 81,48

Norte 100,00 100,00 0,05 0,05 17,16 18,40 82,79 81,55 56,12 78,29 43,88 21,71 16,80 25,66 83,20 74,34

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Nordeste 100,00 100,00 0,02 0,01 4,64 4,01 95,34 95,98 56,78 74,29 43,22 25,71 8,33 13,12 91,67 86,88

Panorama do Brasil e dos Estados


Sudeste 100,00 100,00 0,09 0,10 22,82 23,11 77,09 76,79 86,99 95,31 13,01 4,69 15,03 20,47 84,97 79,53

Sul 100,00 100,00 0,02 0,03 26,48 21,78 73,49 78,19 84,26 92,43 15,74 7,57 6,17 10,17 93,83 89,83

Centro-Oeste 100,00 100,00 0,03 0,03 31,69 30,82 68,28 69,15 82,80 92,37 17,20 7,63 22,41 31,36 77,59 68,64

Acre 100,00 100,00 0,00 0,00 44,70 47,88 55,30 52,12 60,61 81,29 39,39 18,71 33,33 42,97 66,67 57,03

Amapá 100,00 100,00 0,00 0,00 44,40 28,38 55,60 71,62 53,53 81,27 46,47 18,73 41,91 55,31 58,09 44,69

Amazonas 100,00 100,00 0,00 0,00 23,77 26,95 76,23 73,05 64,03 83,99 35,97 16,01 33,64 47,12 66,36 52,88

Pará 100,00 100,00 0,07 0,09 8,39 10,68 91,54 89,23 50,56 73,64 49,44 26,36 6,89 11,52 93,11 88,48

Rondônia 100,00 100,00 0,00 0,00 26,38 23,81 73,62 76,19 57,38 76,97 42,62 23,03 19,93 23,26 80,07 76,74

Roraima 100,00 100,00 0,71 0,36 21,99 7,74 77,30 91,91 42,55 75,86 57,45 24,14 33,33 53,69 66,67 46,31

Tocantins 100,00 100,00 0,00 0,00 13,82 9,28 86,18 90,72 73,90 89,48 26,10 10,52 7,68 14,67 92,32 85,33

Alagoas 100,00 100,00 0,00 0,00 5,32 4,53 94,68 95,47 51,28 70,36 48,72 29,64 12,59 17,75 87,41 82,25

Bahia 100,00 100,00 0,00 0,00 0,67 0,75 99,33 99,25 54,71 72,33 45,29 27,67 7,22 10,50 92,78 89,50

Ceará 100,00 100,00 0,00 0,00 0,85 0,59 99,15 99,41 53,00 74,61 47,00 25,39 7,75 16,91 92,25 83,09

Maranhão 100,00 100,00 0,04 0,01 0,82 0,79 99,14 99,19 52,55 70,31 47,45 29,69 4,24 9,37 95,76 90,63
Tabela 10 (%) – Distribuição de escolas e estudantes previstos por categoria administrativa, área e localização das escolas, por Região Geográfica e Unidade da Federação
(conclusão)
Dependência Administrativa Localização Área
TOTAL
Agregação Federal Estadual Municipal Urbana Rural Capital Interior
Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes Escolas Estudantes
Paraíba 100,00 100,00 0,08 0,06 17,57 17,44 82,35 82,50 72,21 83,82 27,79 16,18 10,91 15,02 89,09 84,98

Pernambuco 100,00 100,00 0,00 0,00 2,42 1,31 97,58 98,69 61,03 77,77 38,97 22,23 9,27 10,25 90,73 89,75

Piauí 100,00 100,00 0,00 0,00 1,03 1,19 98,97 98,81 53,14 74,00 46,86 26,00 10,26 17,75 89,74 82,25
Rio Grande do
100,00 100,00 0,10 0,13 22,29 19,81 77,61 80,06 69,22 80,54 30,78 19,46 11,35 17,39 88,65 82,61
Norte
Sergipe 100,00 100,00 0,00 0,00 20,64 23,33 79,36 76,67 54,46 71,53 45,54 28,47 10,92 17,35 89,08 82,65

Espírito Santo 100,00 100,00 0,00 0,00 19,46 16,33 80,54 83,67 79,89 91,67 20,11 8,33 5,54 6,59 94,46 93,41

Minas Gerais 100,00 100,00 0,06 0,08 34,42 32,02 65,52 67,90 82,04 93,39 17,96 6,61 6,02 9,86 93,98 90,14

Rio de Janeiro 100,00 100,00 0,34 0,48 0,34 0,33 99,32 99,19 82,94 91,34 17,06 8,66 26,57 32,91 73,43 67,09

São Paulo 100,00 100,00 0,02 0,01 23,80 26,39 76,19 73,60 93,73 97,95 6,27 2,05 18,64 23,46 81,36 76,54

Paraná 100,00 100,00 0,00 0,00 0,16 0,17 99,84 99,83 84,83 93,48 15,17 6,52 7,10 13,00 92,90 87,00
Rio Grande
100,00 100,00 0,03 0,02 42,90 39,79 57,07 60,20 85,04 92,24 14,96 7,76 7,15 10,90 92,85 89,10
do Sul
Santa Catarina 100,00 100,00 0,05 0,09 31,04 30,90 68,91 69,01 82,15 90,94 17,85 9,06 3,26 4,32 96,74 95,68
Distrito
100,00 100,00 0,00 0,00 100,00 100,00 0,00 0,00 82,12 93,30 17,88 6,70 100,00 100,00 0,00 0,00
Federal
Goiás 100,00 100,00 0,07 0,08 11,32 5,98 88,61 93,94 90,17 95,96 9,83 4,04 12,66 12,73 87,34 87,27

Mato Grosso 100,00 100,00 0,00 0,00 36,37 29,01 63,63 70,99 75,03 89,31 24,97 10,69 10,21 15,53 89,79 84,47
Mato Grosso
100,00 100,00 0,00 0,00 31,74 23,28 68,26 76,72 78,41 88,19 21,59 11,81 18,41 27,40 81,59 72,60
do Sul

Panorama do Brasil e dos Estados


RELATÓRIO SAEB-ANA 2016
219
220
Tabela 11 – Total de estudantes previstos segundo Sexo, Cor/Raça e Idade, por Região Geográfica e Unidade da Federação
(continua)
Sexo Cor/Raça Idade

Agregação TOTAL Menor ou


Não 10 anos
Masculino Feminino Branca Preta Parda Amarela Indígena igual a 6 7 anos 8 anos 9 anos
declarada ou mais
anos
Brasil 2.492.601 1.324.548 1.168.053 608.041 774.369 88.676 1.000.273 7.186 14.056 375 2.701 751.384 1.367.127 371.014

Norte 303.714 163.078 140.636 94.436 29.735 5.120 167.894 887 5.642 47 540 79.226 162.698 61.203

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Nordeste 688.208 375.177 313.031 192.236 82.493 24.569 383.286 2.269 3.355 241 1.525 174.508 365.009 146.925

Panorama do Brasil e dos Estados


Sudeste 965.170 504.948 460.222 189.745 400.752 45.516 325.724 2.348 1.085 62 328 298.405 565.986 100.389

Sul 340.446 178.761 161.685 73.254 214.790 8.969 41.674 954 805 18 169 136.180 166.784 37.295

Centro-Oeste 195.063 102.584 92.479 58.370 46.599 4.502 81.695 728 3.169 7 139 63.065 106.650 25.202

Acre 15.043 7.934 7.109 5.295 1.463 150 7.867 53 215 0 24 4.638 7.467 2.914

Amapá 14.434 7.789 6.645 2.827 1.464 380 9.438 52 273 2 21 3.109 7.918 3.384

Amazonas 67.030 35.172 31.858 8.304 6.020 632 48.988 104 2.982 5 116 14.912 39.314 12.683

Pará 140.613 76.887 63.726 61.804 9.590 2.314 65.865 243 797 26 258 29.337 76.474 34.518

Rondônia 37.322 19.742 17.580 9.113 7.729 794 19.014 216 456 4 53 16.560 16.429 4.276

Roraima 6.981 3.779 3.202 3.101 485 71 2.660 13 651 0 14 2.742 3.144 1.081

Tocantins 22.291 11.775 10.516 3.992 2.984 779 14.062 206 268 10 54 7.928 11.952 2.347

Alagoas 49.051 27.051 22.000 14.435 5.719 1.196 27.337 159 205 7 52 10.121 25.033 13.838

Bahia 183.701 101.501 82.200 64.481 14.015 13.492 90.083 715 915 65 311 39.079 93.904 50.342

Ceará 100.640 52.478 48.162 18.122 13.976 1.195 66.742 240 365 2 96 34.659 56.994 8.889

Maranhão 96.856 51.985 44.871 22.670 7.162 1.820 64.347 202 655 92 443 26.357 56.199 13.765

Paraíba 43.076 23.574 19.502 9.222 8.137 1.221 24.063 197 236 12 193 12.542 20.712 9.617
Tabela 11 – Total de estudantes previstos segundo Sexo, Cor/Raça e Idade, por Região Geográfica e Unidade da Federação
(conclusão)
Sexo Cor/Raça Idade

Agregação TOTAL Menor ou


Não 10 anos
Masculino Feminino Branca Preta Parda Amarela Indígena igual a 6 7 anos 8 anos 9 anos
declarada ou mais
anos
Pernambuco 109.217 61.065 48.152 35.627 17.894 2.645 51.973 249 829 29 203 27.100 53.382 28.503

Piauí 44.387 24.489 19.898 8.437 5.066 1.647 28.899 307 31 20 109 9.207 24.189 10.862

Rio Grande do Norte 32.669 17.034 15.635 11.073 7.775 423 13.221 104 73 14 64 8.313 21.239 3.039

Sergipe 28.611 16.000 12.611 8.169 2.749 930 16.621 96 46 0 54 7.130 13.357 8.070

Espírito Santo 49.509 26.598 22.911 6.108 13.784 2.334 27.078 104 101 14 112 10.728 30.193 8.462

Minas Gerais 261.183 134.814 126.369 37.237 89.139 14.046 119.832 638 291 38 109 98.243 150.110 12.683

Rio de Janeiro 159.048 86.228 72.820 34.969 44.556 14.838 64.213 338 134 8 96 31.731 81.778 45.435

São Paulo 495.430 257.308 238.122 111.431 253.273 14.298 114.601 1.268 559 2 11 157.703 303.905 33.809

Paraná 136.427 71.493 64.934 21.744 86.561 1.591 25.623 646 262 4 47 81.893 42.581 11.902

Rio Grande do Sul 122.479 65.011 57.468 32.905 73.577 5.852 9.583 197 365 9 55 29.538 74.368 18.509

Santa Catarina 81.540 42.257 39.283 18.605 54.652 1.526 6.468 111 178 5 67 24.749 49.835 6.884

Distrito Federal 33.239 17.985 15.254 10.321 6.935 1.025 14.814 108 36 2 15 7.604 19.933 5.685

Goiás 76.806 40.301 36.505 19.121 17.156 2.126 37.905 445 53 2 64 25.106 43.451 8.183

Mato Grosso 43.281 22.188 21.093 26.255 5.372 652 10.452 88 462 1 22 14.113 26.848 2.297

Mato Grosso do Sul 41.737 22.110 19.627 2.673 17.136 699 18.524 87 2.618 2 38 16.242 16.418 9.037
Fonte: Censo da Educação Básica 2016/INEP.
1) Foram consideradas apenas as escolas que oferecem turmas regulares do 3º ano do Ensino Fundamental de 9 anos das escolas públicas, com pelo menos 10 alunos por escola e seus respectivos alunos.
2) Não foram consideradas turmas multisseriadas, de aceleração ou correção de fluxo e seus respectivos alunos.
3) Não inclui escolas que ensinam somente em língua indígena.
4) Não contém turmas que não tiveram aplicação por não atenderem aos critérios da portaria, como, por exemplo, o não preenchimento o Censo Escolar na data prevista. Ou seja, as escolas que estavam na base planejada e continuaram atendendo aos
critérios da portaria após o fechamento do Censo Escolas permaneceram nos dados da ANA.

Panorama do Brasil e dos Estados


RELATÓRIO SAEB-ANA 2016
221
222
Tabela 11 (%) – Distribuição de estudantes previstos segundo Sexo, Cor/Raça e Idade, por Região Geográfica e Unidade da Federação
(continua)
Sexo Cor/Raça Idade

Agregação TOTAL Menor ou


Não 10 anos
Masculino Feminino Branca Preta Parda Amarela Indígena igual a 6 7 anos 8 anos 9 anos
declarada ou mais
anos
Brasil 100,00 53,14 46,86 24,39 31,07 3,56 40,13 0,29 0,56 0,02 0,11 30,14 54,85 14,88

Norte 100,00 53,69 46,31 31,09 9,79 1,69 55,28 0,29 1,86 0,02 0,18 26,09 53,57 20,15

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Nordeste 100,00 54,52 45,48 27,93 11,99 3,57 55,69 0,33 0,49 0,04 0,22 25,36 53,04 21,35

Panorama do Brasil e dos Estados


Sudeste 100,00 52,32 47,68 19,66 41,52 4,72 33,75 0,24 0,11 0,01 0,03 30,92 58,64 10,40

Sul 100,00 52,51 47,49 21,52 63,09 2,63 12,24 0,28 0,24 0,01 0,05 40,00 48,99 10,95

Centro-Oeste 100,00 52,59 47,41 29,92 23,89 2,31 41,88 0,37 1,62 0,00 0,07 32,33 54,67 12,92

Acre 100,00 52,74 47,26 35,20 9,73 1,00 52,30 0,35 1,43 0,00 0,16 30,83 49,64 19,37

Amapá 100,00 53,96 46,04 19,59 10,14 2,63 65,39 0,36 1,89 0,01 0,15 21,54 54,86 23,44

Amazonas 100,00 52,47 47,53 12,39 8,98 0,94 73,08 0,16 4,45 0,01 0,17 22,25 58,65 18,92

Pará 100,00 54,68 45,32 43,95 6,82 1,65 46,84 0,17 0,57 0,02 0,18 20,86 54,39 24,55

Rondônia 100,00 52,90 47,10 24,42 20,71 2,13 50,95 0,58 1,22 0,01 0,14 44,37 44,02 11,46

Roraima 100,00 54,13 45,87 44,42 6,95 1,02 38,10 0,19 9,33 0,00 0,20 39,28 45,04 15,48

Tocantins 100,00 52,82 47,18 17,91 13,39 3,49 63,08 0,92 1,20 0,04 0,24 35,57 53,62 10,53

Alagoas 100,00 55,15 44,85 29,43 11,66 2,44 55,73 0,32 0,42 0,01 0,11 20,63 51,03 28,21

Bahia 100,00 55,25 44,75 35,10 7,63 7,34 49,04 0,39 0,50 0,04 0,17 21,27 51,12 27,40

Ceará 100,00 52,14 47,86 18,01 13,89 1,19 66,32 0,24 0,36 0,00 0,10 34,44 56,63 8,83

Maranhão 100,00 53,67 46,33 23,41 7,39 1,88 66,44 0,21 0,68 0,09 0,46 27,21 58,02 14,21

Paraíba 100,00 54,73 45,27 21,41 18,89 2,83 55,86 0,46 0,55 0,03 0,45 29,12 48,08 22,33
Tabela 11 (%) – Distribuição de estudantes previstos segundo Sexo, Cor/Raça e Idade, por Região Geográfica e Unidade da Federação
(conclusão)
Sexo Cor/Raça Idade

Agregação TOTAL Menor ou


Não 10 anos
Masculino Feminino Branca Preta Parda Amarela Indígena igual a 6 7 anos 8 anos 9 anos
declarada ou mais
anos
Pernambuco 100,00 55,91 44,09 32,62 16,38 2,42 47,59 0,23 0,76 0,03 0,19 24,81 48,88 26,10

Piauí 100,00 55,17 44,83 19,01 11,41 3,71 65,11 0,69 0,07 0,05 0,25 20,74 54,50 24,47

Rio Grande do Norte 100,00 52,14 47,86 33,89 23,80 1,29 40,47 0,32 0,22 0,04 0,20 25,45 65,01 9,30

Sergipe 100,00 55,92 44,08 28,55 9,61 3,25 58,09 0,34 0,16 0,00 0,19 24,92 46,68 28,21

Espírito Santo 100,00 53,72 46,28 12,34 27,84 4,71 54,69 0,21 0,20 0,03 0,23 21,67 60,98 17,09

Minas Gerais 100,00 51,62 48,38 14,26 34,13 5,38 45,88 0,24 0,11 0,01 0,04 37,61 57,47 4,86

Rio de Janeiro 100,00 54,22 45,78 21,99 28,01 9,33 40,37 0,21 0,08 0,01 0,06 19,95 51,42 28,57

São Paulo 100,00 51,94 48,06 22,49 51,12 2,89 23,13 0,26 0,11 0,00 0,00 31,83 61,34 6,82

Paraná 100,00 52,40 47,60 15,94 63,45 1,17 18,78 0,47 0,19 0,00 0,03 60,03 31,21 8,72

Rio Grande do Sul 100,00 53,08 46,92 26,87 60,07 4,78 7,82 0,16 0,30 0,01 0,04 24,12 60,72 15,11

Santa Catarina 100,00 51,82 48,18 22,82 67,02 1,87 7,93 0,14 0,22 0,01 0,08 30,35 61,12 8,44

Distrito Federal 100,00 54,11 45,89 31,05 20,86 3,08 44,57 0,32 0,11 0,01 0,05 22,88 59,97 17,10

Goiás 100,00 52,47 47,53 24,90 22,34 2,77 49,35 0,58 0,07 0,00 0,08 32,69 56,57 10,65

Mato Grosso 100,00 51,26 48,74 60,66 12,41 1,51 24,15 0,20 1,07 0,00 0,05 32,61 62,03 5,31

Mato Grosso do Sul 100,00 52,97 47,03 6,40 41,06 1,67 44,38 0,21 6,27 0,00 0,09 38,92 39,34 21,65

Panorama do Brasil e dos Estados


RELATÓRIO SAEB-ANA 2016
223
224
Tabela 12 – Total de escolas com resultado divulgado e total de estudantes por situação nos testes de Leitura e Escrita, por Região Geográfica
e Unidade da Federação (continua)

Escolas Estudantes
Agregação Com resultados de Com resultados de Válidos para Válidos para Percentual de Taxa de
Previstas Previstos Presentes
Leitura divulgados Escrita divulgados Leitura Escrita Faltas Cobertura
Norte 5.577 3.841 3.841 303.714 253.691 250201 253691 16,47 83,53

Rondônia 542 430 430 37.322 32.336 31891 32336 13,36 86,64

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Acre 264 211 211 15.043 13.124 13000 13124 12,76 87,24

Panorama do Brasil e dos Estados


Amazonas 1.073 706 706 67.030 55.508 54781 55508 17,19 82,81

Roraima 141 66 66 6.981 5.232 5191 5232 25,05 74,95

Pará 2.860 1.894 1.894 140.613 115.801 113991 115801 17,65 82,35

Amapá 241 171 171 14.434 12.307 12110 12307 14,74 85,26

Tocantins 456 363 363 22.291 19.383 19237 19383 13,05 86,95

Nordeste 17.031 12.190 12.191 688.208 582.012 574453 582012 15,43 84,57

Maranhão 2.548 1.877 1.877 96.856 82.656 80797 82656 14,66 85,34

Piauí 1.257 995 995 44.387 38.899 38248 38899 12,36 87,64

Ceará 2.581 2.487 2.487 100.640 96.866 96326 96866 3,75 96,25

Rio Grande do Norte 978 571 571 32.669 26.547 26294 26547 18,74 81,26

Paraíba 1.292 883 883 43.076 36.119 35748 36119 16,15 83,85

Pernambuco 2.189 1.460 1.460 109.217 89.877 89309 89877 17,71 82,29

Alagoas 977 625 625 49.051 39.731 39375 39731 19 81

Sergipe 751 466 466 28.611 22.991 22795 22991 19,64 80,36

Bahia 4.458 2.826 2.827 183.701 148.326 145561 148326 19,26 80,74
Tabela 12 – Total de escolas com resultado divulgado e total de estudantes por situação nos testes de Leitura e Escrita, por Região Geográfica
e Unidade da Federação (conclusão)

Escolas Estudantes
Agregação Com resultados de Com resultados de Válidos para Válidos para Percentual de Taxa de
Previstas Previstos Presentes
Leitura divulgados Escrita divulgados Leitura Escrita Faltas Cobertura
Sudeste 14.645 12.313 12.313 965.170 850.218 846373 850218 11,91 88,09

Minas Gerais 4.904 4.178 4.178 261.183 236.321 234927 236321 9,52 90,48

Espírito Santo 920 736 736 49.509 42.830 42622 42830 13,49 86,51

Rio de Janeiro 2.661 1.784 1.784 159.048 125.671 124979 125671 20,99 79,01

São Paulo 6.160 5.615 5.615 495.430 445.396 443845 445396 10,1 89,9

Sul 8.081 6.856 6.856 340.446 305.122 302660 305122 10,38 89,62

Paraná 2.551 2.315 2.315 136.427 124.781 124450 124781 8,54 91,46

Santa Catarina 1.994 1.789 1.789 81.540 74.667 74383 74667 8,43 91,57

Rio Grande do Sul 3.536 2.752 2.752 122.479 105.674 103827 105674 13,72 86,28

Centro-Oeste 3.383 2.672 2.672 195.063 169.558 168081 169558 13,08 86,92

Mato Grosso do Sul 690 560 560 41.737 35.935 35608 35935 13,9 86,1

Mato Grosso 921 716 716 43.281 37.960 37748 37960 12,29 87,71

Goiás 1.414 1.093 1.093 76.806 66.538 65894 66538 13,37 86,63

Distrito Federal 358 303 303 33.239 29.125 28831 29125 12,38 87,62
Fonte: Inep/Daeb.

Panorama do Brasil e dos Estados


RELATÓRIO SAEB-ANA 2016
225
Tabela 13 – Total de escolas com resultado divulgado e total de estudantes por situação nos testes
de Matemática, por Região Geográfica e Unidade da Federação

Escolas Estudantes
Com resultados Percentual Taxa de
Previstas Previstos Presentes Válidos
divulgados de Faltas Cobertura
Norte 5.577 4.180 303.714 259.940 257.765 14,41 85,59
Rondônia 542 455 37.322 33.215 32.896 11 89
Acre 264 228 15.043 13.502 13.414 10,24 89,76
Amazonas 1.073 711 67.030 55.511 55.116 17,18 82,82
Roraima 141 78 6.981 5.481 5.464 21,49 78,51
Pará 2.860 2.124 140.613 119.796 118.606 14,8 85,2
Amapá 241 187 14.434 12.509 12.430 13,34 86,66
Tocantins 456 397 22.291 19.926 19.839 10,61 89,39
Nordeste 17.031 13.549 688.208 600.423 595.444 12,76 87,24
Maranhão 2.548 2.055 96.856 85.401 84.370 11,83 88,17
Piauí 1.257 1.053 44.387 39.719 39.223 10,52 89,48
Ceará 2.581 2.511 100.640 97.248 96.816 3,37 96,63
Rio Grande do Norte 978 700 32.669 27.844 27.687 14,77 85,23
Paraíba 1.292 974 43.076 37.213 36.955 13,61 86,39
Pernambuco 2.189 1.681 109.217 93.403 93.070 14,48 85,52
Alagoas 977 740 49.051 41.393 41.216 15,61 84,39
Sergipe 751 558 28.611 24.226 24.086 15,33 84,67
Bahia 4.458 3.277 183.701 153.976 152.021 16,18 83,82
Sudeste 14.645 12.906 965.170 864.527 861.809 10,43 89,57
Minas Gerais 4.904 4.359 261.183 240.095 238.961 8,07 91,93
Espírito Santo 920 727 49.509 42.743 42.615 13,67 86,33
Rio de Janeiro 2.661 1.983 159.048 129.587 129.164 18,52 81,48
São Paulo 6.160 5.837 495.430 452.102 451.069 8,75 91,25
Sul 8.081 6.962 340.446 307.533 305.855 9,67 90,33
Paraná 2.551 2.366 136.427 126.095 125.909 7,57 92,43
Santa Catarina 1.994 1.809 81.540 75.063 74.862 7,94 92,06
Rio Grande do Sul 3.536 2.787 122.479 106.375 105.084 13,15 86,85
Centro-Oeste 3.383 2.881 195.063 174.202 173.143 10,69 89,31
Mato Grosso do Sul 690 603 41.737 36.831 36.577 11,75 88,25
Mato Grosso 921 747 43.281 38.654 38.537 10,69 89,31
Goiás 1.414 1.215 76.806 68.911 68.431 10,28 89,72
Distrito Federal 358 316 33.239 29.806 29.598 10,33 89,67
Fonte: Inep/Daeb.

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


226 Panorama do Brasil e dos Estados
Tabela 14 – Desempenho médio em Leitura, Escrita e Matemática, segundo a Área de suas escolas
- Brasil, Região Geográfica e Unidade da Federação
(continua)
LEITURA
Agregação Capital Interior Total
Média Erro-Padrão Média Erro-Padrão Média Erro-Padrão
Brasil 509,97 0,452 507,03 0,205 507,58 0,187
Norte 486,98 1,276 463,26 0,639 469,34 0,577
Nordeste 484,95 0,949 468,85 0,341 470,96 0,321
Sudeste 525,97 0,658 537,16 0,315 534,87 0,286
Sul 510,82 1,374 534,97 0,399 532,51 0,387
Centro-Oeste 524,07 1,125 515,75 0,632 518,36 0,554
Acre 528,89 3,756 503,73 3,199 514,46 2,271
Alagoas 454,09 2,774 447,95 1,443 449,03 1,285
Amapá 447,59 3,201 434,97 3,112 441,95 2,164
Amazonas 498,57 2,013 460,72 1,525 478,52 1,344
Bahia 473,61 1,629 462,10 0,634 463,31 0,592
Ceará 535,25 1,945 532,28 0,878 532,78 0,800
Distrito Federal 533,40 1,554 - - 533,40 1,554
Espírito Santo 526,52 5,236 526,71 1,211 526,69 1,182
Goiás 521,52 1,959 519,71 0,911 519,94 0,833
Maranhão 466,33 3,205 449,86 0,773 451,39 0,763
Mato Grosso 500,86 3,563 514,46 1,159 512,35 1,136
Mato Grosso do Sul 512,87 2,855 508,62 1,324 509,78 1,230
Minas Gerais 547,24 1,945 551,66 0,536 551,23 0,519
Pará 465,21 2,081 451,03 0,871 452,67 0,805
Paraíba 469,95 3,254 462,52 1,217 463,62 1,143
Paraná 522,64 1,830 536,51 0,596 534,71 0,572
Pernambuco 466,03 2,237 466,14 0,830 466,12 0,780
Piauí 520,13 2,772 455,93 1,178 467,22 1,197
Rio de Janeiro 505,57 1,358 493,35 0,863 497,38 0,721
Rio Grande do Norte 477,48 3,032 472,13 1,199 473,06 1,118
Rio Grande do Sul 492,19 2,268 525,11 0,719 521,50 0,692
Rondônia 476,30 4,256 504,56 1,570 497,99 1,591
Roraima 484,04 5,004 458,36 2,950 472,12 2,826
Santa Catarina 522,54 3,555 546,39 0,732 545,37 0,721
São Paulo 530,46 0,708 541,77 0,415 539,12 0,360
Sergipe 459,99 3,553 436,07 1,272 440,20 1,227
Tocantis 527,77 6,048 477,60 1,701 484,95 1,676

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 227
Tabela 14 – Desempenho médio em Leitura, Escrita e Matemática, segundo a Área de suas escolas
- Brasil, Região Geográfica e Unidade da Federação
(continuação)

ESCRITA
Agregação Capital Interior Total
Média Erro-Padrão Média Erro-Padrão Média Erro-Padrão
Brasil 501,94 0,462 499,56 0,199 500,00 0,183
Norte 482,88 1,293 465,91 0,710 470,26 0,621
Nordeste 480,30 1,017 470,00 0,343 471,34 0,327
Sudeste 527,75 0,634 537,47 0,271 535,48 0,253
Sul 509,04 1,302 537,04 0,365 534,19 0,355
Centro-Oeste 520,89 1,085 514,06 0,615 516,20 0,538
Acre 500,84 3,637 489,85 2,675 494,54 2,117
Alagoas 440,75 3,546 439,77 1,462 439,94 1,357
Amapá 440,91 3,570 429,55 3,477 435,83 2,431
Amazonas 474,74 2,078 445,04 1,662 459,01 1,376
Bahia 456,51 2,034 453,78 0,682 454,07 0,646
Ceará 522,73 1,717 509,36 0,730 511,61 0,675
Distrito Federal 528,32 1,329 - - 528,32 1,329
Espírito Santo 513,47 4,891 517,03 1,110 516,79 1,086
Goiás 518,01 1,980 509,17 0,914 510,30 0,836
Maranhão 452,34 3,351 440,05 0,860 441,19 0,841
Mato Grosso 495,95 3,672 513,33 1,038 510,63 1,053
Mato Grosso do Sul 504,65 3,140 505,24 1,293 505,08 1,274
Minas Gerais 537,70 1,551 536,32 0,424 536,46 0,412
Pará 455,85 2,510 438,99 1,036 440,93 0,959
Paraíba 453,04 3,405 449,88 1,279 450,35 1,201
Paraná 534,30 1,616 545,03 0,513 543,64 0,495
Pernambuco 456,34 2,441 452,76 0,844 453,12 0,797
Piauí 505,31 2,635 444,35 1,242 455,07 1,234
Rio de Janeiro 501,77 1,480 491,12 0,974 494,63 0,808
Rio Grande do Norte 478,09 3,289 475,66 1,240 476,08 1,173
Rio Grande do Sul 490,42 2,309 519,77 0,698 516,55 0,671
Rondônia 468,62 4,341 498,16 1,507 491,29 1,577
Roraima 468,10 5,641 449,22 3,797 459,34 3,305
Santa Catarina 513,78 3,152 542,57 0,608 541,33 0,606
São Paulo 525,33 0,668 538,69 0,334 535,56 0,302
Sergipe 460,90 4,054 438,66 1,433 442,50 1,377
Tocantins 507,64 5,094 475,50 1,623 480,20 1,547

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


228 Panorama do Brasil e dos Estados
Tabela 14 – Desempenho médio em Leitura, Escrita e Matemática, segundo a Área de suas escolas
– Brasil, Região Geográfica e Unidade da Federação
(conclusão)

MATEMÁTICA
Agregação Capital Interior Total
Média Erro-Padrão Média Erro-Padrão Média Erro-Padrão
Brasil 508,58 0,449 507,98 0,202 508,09 0,184
Norte 469,89 1,157 452,36 0,609 456,85 0,541
Nordeste 472,61 0,863 457,96 0,323 459,87 0,302
Sudeste 520,49 0,675 530,04 0,313 528,08 0,286
Sul 515,21 1,409 535,39 0,421 533,34 0,407
Centro-Oeste 518,67 1,174 509,41 0,642 512,31 0,570
Acre 526,06 3,450 503,68 3,113 513,23 2,162
Alagoas 455,19 2,506 452,30 1,332 452,81 1,183
Amapá 447,89 2,559 439,70 3,207 444,23 1,971
Amazonas 491,10 1,893 466,63 1,590 478,14 1,282
Bahia 472,19 1,564 461,86 0,604 462,94 0,564
Ceará 520,51 1,888 525,04 0,870 524,28 0,790
Distrito Federal 535,09 1,612 - - 535,09 1,612
Espírito Santo 522,36 5,070 528,18 1,192 527,79 1,163
Goiás 510,84 1,863 517,61 0,923 516,75 0,841
Maranhão 460,90 2,801 452,63 0,744 453,40 0,722
Mato Grosso 496,64 3,531 513,48 1,157 510,87 1,131
Mato Grosso do Sul 502,63 2,977 506,94 1,366 505,77 1,294
Minas Gerais 544,80 1,931 547,98 0,527 547,67 0,511
Pará 464,48 2,012 453,34 0,789 454,62 0,734
Paraíba 470,66 3,202 465,62 1,117 466,37 1,064
Paraná 521,06 1,958 537,42 0,644 535,29 0,618
Pernambuco 467,46 2,043 473,04 0,836 472,47 0,781
Piauí 507,92 2,800 457,01 1,069 465,97 1,085
Rio de Janeiro 503,24 1,404 491,51 0,853 495,37 0,726
Rio Grande do Norte 474,43 2,717 470,15 1,136 470,90 1,049
Rio Grande do Sul 488,95 2,202 527,82 0,743 523,56 0,712
Rondônia 472,85 3,745 506,94 1,587 499,02 1,535
Roraima 485,73 4,334 461,86 1,876 474,66 2,329
Santa Catarina 525,28 3,484 549,34 0,772 548,31 0,758
São Paulo 535,19 0,727 545,02 0,421 542,72 0,366
Sergipe 458,22 2,906 441,62 1,174 444,49 1,097
Tocantins 518,02 6,269 477,23 1,658 483,20 1,640

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 229
Tabela 15 – Desempenho médio em Leitura, Escrita e Matemática, segundo Dependência
Administrativa de suas escolas – Brasil, Região Geográfica e Unidade da Federação
(continua)

LEITURA
Federal Estadual Municipal Total
Agregação
Erro- Erro- Erro- Erro-
Média Média Média Média
Padrão Padrão Padrão Padrão
Brasil 588,45 3,878 527,71 0,445 503,21 0,201 507,58 0,187
Norte 573,68 2,442 494,63 1,506 463,60 0,598 469,34 0,577
Nordeste 582,74 0,000 465,52 1,756 471,17 0,327 470,96 0,321
Sudeste 595,46 5,562 543,36 0,613 532,24 0,319 534,87 0,286
Sul 577,52 0,000 528,99 0,853 533,48 0,435 532,51 0,387
Centro-Oeste 542,70 0,000 526,98 0,989 514,51 0,670 518,36 0,554
Acre - - 525,77 3,934 503,90 2,621 514,46 2,271
Alagoas - - 441,57 5,214 449,39 1,322 449,03 1,285
Amapá - - 445,18 3,768 440,67 2,606 441,95 2,164
Amazonas - - 512,11 2,748 466,14 1,306 478,52 1,344
Bahia - - 448,63 11,890 463,42 0,591 463,31 0,592
Ceará - - 526,28 27,395 532,82 0,790 532,78 0,800
Distrito Federal - - 533,40 1,554 - - 533,40 1,554
Espírito Santo - - 531,90 2,126 525,67 1,347 526,69 1,182
Goiás 542,70 0,000 537,02 2,058 518,83 0,874 519,94 0,833
Maranhão 531,16 0,000 430,06 9,163 451,54 0,764 451,39 0,763
Mato Grosso - - 512,26 2,057 512,38 1,361 512,35 1,136
Mato Grosso do Sul - - 519,36 1,768 506,88 1,496 509,78 1,230
Minas Gerais 586,67 0,000 557,58 1,019 548,20 0,577 551,23 0,519
Pará 575,69 2,434 454,23 2,503 452,35 0,850 452,67 0,805
Paraíba 580,08 0,000 459,78 3,317 464,35 1,206 463,62 1,143
Paraná - - 515,33 0,000 534,74 0,573 534,71 0,572
Pernambuco - - 481,82 9,932 465,95 0,780 466,12 0,780
Piauí - - 505,71 11,583 466,76 1,203 467,22 1,197
Rio de Janeiro 598,82 6,914 527,78 0,140 496,80 0,725 497,38 0,721
Rio Grande do Norte 597,90 0,000 486,19 2,445 469,59 1,248 473,06 1,118
Rio Grande do Sul 549,12 0,000 525,05 1,064 519,15 0,903 521,50 0,692
Rondônia - - 520,35 3,150 491,03 1,742 497,99 1,591
Roraima 563,33 0,000 452,37 0,000 472,12 2,883 472,12 2,826
Santa Catarina 585,48 0,000 536,78 1,402 549,14 0,837 545,37 0,721
São Paulo 564,18 0,000 535,01 0,726 540,59 0,415 539,12 0,360
Sergipe - - 455,60 2,725 435,56 1,388 440,20 1,227
Tocantins - - 513,09 6,024 481,86 1,736 484,95 1,676

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


230 Panorama do Brasil e dos Estados
Tabela 15 – Desempenho médio em Leitura, Escrita e Matemática, segundo Dependência
Administrativa de suas escolas – Brasil, Região Geográfica e Unidade da Federação
(continuacão)

ESCRITA
Federal Estadual Municipal Total
Agregação
Erro- Erro- Erro- Erro-
Média Média Média Média
Padrão Padrão Padrão Padrão
Brasil 570,69 2,361 519,21 0,389 495,84 0,203 500,00 0,183
Norte 566,40 2,260 493,09 1,424 465,08 0,677 470,26 0,621
Nordeste 582,68 0,000 467,53 1,716 471,49 0,333 471,34 0,327
Sudeste 595,81 3,250 547,06 0,480 531,91 0,293 535,48 0,253
Sul 577,62 0,000 531,55 0,797 534,91 0,396 534,19 0,355
Centro-Oeste 543,55 0,000 527,25 0,879 511,27 0,668 516,20 0,538
Acre - - 498,39 3,626 490,94 2,383 494,54 2,117
Alagoas - - 427,08 6,295 440,55 1,388 439,94 1,357
Amapá - - 439,41 4,418 434,41 2,896 435,83 2,431
Amazonas - - 495,65 2,447 445,50 1,451 459,01 1,376
Bahia - - 430,21 10,857 454,25 0,647 454,07 0,646
Ceará - - 509,41 20,203 511,63 0,669 511,61 0,675
Distrito Federal - - 528,32 1,329 - - 528,32 1,329
Espírito Santo - - 521,22 1,921 515,92 1,240 516,79 1,086
Goiás 535,50 0,000 527,75 1,946 509,17 0,879 510,30 0,836
Maranhão 546,51 0,000 393,58 11,867 441,53 0,837 441,19 0,841
Mato Grosso - - 513,11 1,913 509,63 1,261 510,63 1,053
Mato Grosso do Sul - - 512,15 1,786 502,94 1,558 505,08 1,274
Minas Gerais 572,37 0,000 539,29 0,759 535,09 0,484 536,46 0,412
Pará 566,44 0,915 436,40 2,722 441,34 1,024 440,93 0,959
Paraíba 534,47 0,000 442,43 3,467 451,96 1,280 450,35 1,201
Paraná - - 493,29 0,000 543,73 0,496 543,64 0,495
Pernambuco - - 448,26 9,207 453,17 0,800 453,12 0,797
Piauí - - 489,27 11,396 454,66 1,241 455,07 1,234
Rio de Janeiro 578,81 3,946 536,47 11,316 494,10 0,812 494,63 0,808
Rio Grande do Norte 580,75 0,000 485,29 2,248 473,63 1,353 476,08 1,173
Rio Grande do Sul 546,11 0,000 517,82 1,029 515,71 0,881 516,55 0,671
Rondônia - - 511,96 2,726 484,85 1,809 491,29 1,577
Roraima 520,72 0,000 423,51 0,000 459,72 3,378 459,34 3,305
Santa Catarina 579,82 0,000 534,10 1,202 544,49 0,696 541,33 0,606
São Paulo 529,34 0,000 532,89 0,630 536,52 0,343 535,56 0,302
Sergipe - - 456,09 2,895 438,40 1,592 442,50 1,377
Tocantins - - 507,15 5,354 477,25 1,617 480,20 1,547

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 231
Tabela 15 – Desempenho médio em Leitura, Escrita e Matemática, segundo Dependência
Administrativa de suas escolas – Brasil, Região Geográfica e Unidade da Federação
(conclusão)

MATEMÁTICA
Federal Estadual Municipal Total
Agregação
Erro- Erro- Erro- Erro-
Média Média Média Média
Padrão Padrão Padrão Padrão
Brasil 587,89 4,285 529,99 0,434 503,34 0,199 508,09 0,184
Norte 559,02 1,917 478,82 1,424 451,86 0,560 456,85 0,541
Nordeste 560,73 0,000 455,42 1,609 460,04 0,308 459,87 0,302
Sudeste 575,57 5,590 534,88 0,578 525,98 0,323 528,08 0,286
Sul 572,44 0,000 523,26 0,891 536,13 0,458 533,34 0,407
Centro-Oeste 535,50 0,000 522,48 1,015 507,79 0,686 512,31 0,570
Acre - - 523,53 3,664 503,61 2,587 513,23 2,162
Alagoas - - 441,10 4,701 453,36 1,218 452,81 1,183
Amapá - - 448,17 3,433 442,66 2,373 444,23 1,971
Amazonas - - 507,20 2,671 467,43 1,266 478,14 1,282
Bahia - - 456,49 10,749 462,99 0,562 462,94 0,564
Ceará - - 523,76 26,131 524,28 0,780 524,28 0,790
Distrito Federal - - 535,09 1,612 - - 535,09 1,612
Espírito Santo - - 531,05 2,235 527,15 1,318 527,79 1,163
Goiás 543,55 0,000 532,79 2,132 515,70 0,883 516,75 0,841
Maranhão 531,88 0,000 439,41 7,854 453,49 0,725 453,40 0,722
Mato Grosso - - 512,98 2,008 510,00 1,366 510,87 1,131
Mato Grosso do Sul - - 516,33 1,853 502,56 1,567 505,77 1,294
Minas Gerais 599,93 0,000 551,57 0,979 545,78 0,585 547,67 0,511
Pará 563,68 2,943 453,45 2,265 454,65 0,777 454,62 0,734
Paraíba 594,28 0,000 462,94 2,906 467,00 1,142 466,37 1,064
Paraná - - 534,09 0,000 535,30 0,619 535,29 0,618
Pernambuco - - 499,12 10,148 472,17 0,780 472,47 0,781
Piauí - - 500,33 10,458 465,56 1,091 465,97 1,085
Rio de Janeiro 598,15 6,725 534,93 2,274 494,76 0,728 495,37 0,726
Rio Grande do Norte 588,79 0,000 485,43 2,223 467,09 1,179 470,90 1,049
Rio Grande do Sul 554,17 0,000 527,24 1,109 521,11 0,922 523,56 0,712
Rondônia - - 522,05 3,045 491,85 1,681 499,02 1,535
Roraima 580,44 0,000 480,42 0,000 474,17 2,368 474,66 2,329
Santa Catarina 584,18 0,000 539,90 1,468 552,00 0,883 548,31 0,758
São Paulo 543,11 0,000 545,21 0,728 541,82 0,422 542,72 0,366
Sergipe - - 456,04 2,467 441,00 1,227 444,49 1,097
Tocantins - - 513,50 6,402 479,88 1,685 483,20 1,640

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


232 Panorama do Brasil e dos Estados
Tabela 16 – Desempenho médio em Leitura, Escrita e Matemática, segundo a Localização
de suas escolas – Brasil, Região Geográfica e Unidade da Federação
(continua)
LEITURA
Rural Urbana Total
Agregação
Erro- Erro- Erro-
Média Média Média
Padrão Padrão Padrão
Brasil 468,29 0,392 513,56 0,202 507,58 0,187
Norte 435,24 0,938 478,74 0,674 469,34 0,577
Nordeste 457,91 0,520 475,51 0,389 470,96 0,321
Sudeste 519,26 0,825 535,64 0,297 534,87 0,286
Sul 524,07 0,903 533,20 0,412 532,51 0,387
Centro-Oeste 488,44 1,817 520,72 0,573 518,36 0,554
Acre 477,92 3,487 522,90 2,652 514,46 2,271
Alagoas 441,96 1,869 452,01 1,625 449,03 1,285
Amapá 420,01 3,961 447,05 2,582 441,95 2,164
Amazonas 430,23 2,655 487,80 1,460 478,52 1,344
Bahia 446,91 0,964 469,71 0,723 463,31 0,592
Ceará 530,10 1,218 533,70 0,990 532,78 0,800
Distrito Federal 520,33 3,655 534,34 1,651 533,40 1,554
Espírito Santo 518,95 2,330 527,40 1,274 526,69 1,182
Goiás 494,61 3,721 521,01 0,845 519,94 0,833
Maranhão 435,12 1,173 458,28 0,955 451,39 0,763
Mato Grosso 493,39 1,937 514,51 1,235 512,35 1,136
Mato Grosso do Sul 463,45 3,599 515,33 1,251 509,78 1,230
Minas Gerais 531,95 1,176 552,59 0,545 551,23 0,519
Pará 423,39 1,201 463,20 0,984 452,67 0,805
Paraíba 444,48 2,416 467,42 1,253 463,62 1,143
Paraná 518,34 1,551 535,86 0,600 534,71 0,572
Pernambuco 464,65 1,523 466,54 0,903 466,12 0,780
Piauí 443,88 1,740 475,49 1,442 467,22 1,197
Rio de Janeiro 493,20 1,581 497,77 0,775 497,38 0,721
Rio Grande do Norte 447,11 1,982 479,33 1,271 473,06 1,118
Rio Grande do Sul 517,45 1,474 521,84 0,739 521,50 0,692
Rondônia 478,76 2,487 503,69 1,849 497,99 1,591
Roraima 450,70 6,366 477,38 3,220 472,12 2,826
Santa Catarina 539,53 1,504 545,95 0,777 545,37 0,721
São Paulo 533,12 1,556 539,25 0,366 539,12 0,360
Sergipe 430,03 1,950 444,30 1,534 440,20 1,227
Tocantins 445,65 3,735 489,18 1,797 484,95 1,676

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 233
Tabela 16 – Desempenho médio em Leitura, Escrita e Matemática, segundo a Localização
de suas escolas – Brasil, Região Geográfica e Unidade da Federação
(continuação)
ESCRITA
Rural Urbana Total
Agregação
Erro- Erro- Erro-
Média Média Média
Padrão Padrão Padrão
Brasil 462,18 0,419 505,76 0,197 500,00 0,183
Norte 444,03 1,024 477,49 0,726 470,26 0,621
Nordeste 460,41 0,546 475,16 0,394 471,34 0,327
Sudeste 520,45 0,888 536,22 0,262 535,48 0,253
Sul 528,48 0,814 534,66 0,378 534,19 0,355
Centro-Oeste 488,61 1,855 518,37 0,557 516,20 0,538
Acre 471,12 4,507 499,95 2,410 494,54 2,117
Alagoas 434,31 2,101 442,31 1,701 439,94 1,357
Amapá 411,49 4,202 441,49 2,892 435,83 2,431
Amazonas 410,02 2,819 468,42 1,491 459,01 1,376
Bahia 443,10 1,074 458,34 0,788 454,07 0,646
Ceará 509,90 0,978 512,20 0,842 511,61 0,675
Distrito Federal 521,24 4,186 528,83 1,396 528,32 1,329
Espírito Santo 515,70 2,284 516,89 1,166 516,79 1,086
Goiás 491,84 4,030 511,08 0,848 510,30 0,836
Maranhão 427,13 1,364 447,14 1,043 441,19 0,841
Mato Grosso 496,47 2,494 512,25 1,131 510,63 1,053
Mato Grosso do Sul 464,31 3,131 509,96 1,342 505,08 1,274
Minas Gerais 523,59 1,197 537,36 0,430 536,46 0,412
Pará 412,52 1,286 451,16 1,193 440,93 0,959
Paraíba 440,83 2,652 452,24 1,326 450,35 1,201
Paraná 537,62 1,259 544,06 0,522 543,64 0,495
Pernambuco 451,66 1,530 453,54 0,927 453,12 0,797
Piauí 432,81 1,834 462,95 1,483 455,07 1,234
Rio de Janeiro 491,28 1,984 494,94 0,865 494,63 0,808
Rio Grande do Norte 457,76 2,480 480,51 1,305 476,08 1,173
Rio Grande do Sul 519,09 1,408 516,34 0,718 516,55 0,671
Rondônia 480,56 2,693 494,47 1,845 491,29 1,577
Roraima 448,15 7,701 462,09 3,710 459,34 3,305
Santa Catarina 538,94 1,468 541,56 0,651 541,33 0,606
São Paulo 537,17 1,275 535,52 0,307 535,56 0,302
Sergipe 435,98 2,303 445,12 1,696 442,50 1,377
Tocantins 445,57 3,610 483,94 1,648 480,20 1,547

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


234 Panorama do Brasil e dos Estados
Tabela 16 – Desempenho médio em Leitura, Escrita e Matemática, segundo a Localização
de suas escolas – Brasil, Região Geográfica e Unidade da Federação
(conclusão)
MATEMÁTICA
Rural Urbana Total
Agregação
Erro- Erro- Erro-
Média Média Média
Padrão Padrão Padrão
Brasil 471,92 0,388 513,59 0,200 508,09 0,184
Norte 425,28 0,911 465,55 0,630 456,85 0,541
Nordeste 450,00 0,507 463,32 0,364 459,87 0,302
Sudeste 516,11 0,864 528,67 0,297 528,08 0,286
Sul 531,18 1,012 533,51 0,432 533,34 0,407
Centro-Oeste 489,21 1,874 514,14 0,591 512,31 0,570
Acre 478,42 3,821 521,27 2,479 513,23 2,162
Alagoas 447,59 1,853 455,00 1,475 452,81 1,183
Amapá 427,34 3,812 448,15 2,311 444,23 1,971
Amazonas 442,18 2,539 485,05 1,410 478,14 1,282
Bahia 448,71 0,924 468,48 0,688 462,94 0,564
Ceará 524,26 1,237 524,29 0,973 524,28 0,790
Distrito Federal 519,49 3,589 536,21 1,715 535,09 1,612
Espírito Santo 526,49 2,357 527,91 1,251 527,79 1,163
Goiás 495,32 3,732 517,65 0,857 516,75 0,841
Maranhão 439,54 1,124 459,26 0,905 453,40 0,722
Mato Grosso 496,37 2,183 512,52 1,228 510,87 1,131
Mato Grosso do Sul 460,94 3,619 511,13 1,337 505,77 1,294
Minas Gerais 531,24 1,225 548,82 0,536 547,67 0,511
Pará 433,25 1,166 462,31 0,888 454,62 0,734
Paraíba 449,88 2,225 469,64 1,173 466,37 1,064
Paraná 520,47 1,789 536,33 0,647 535,29 0,618
Pernambuco 473,28 1,574 472,24 0,897 472,47 0,781
Piauí 445,16 1,645 473,33 1,301 465,97 1,085
Rio de Janeiro 491,58 1,650 495,73 0,780 495,37 0,726
Rio Grande do Norte 445,50 1,853 477,03 1,193 470,90 1,049
Rio Grande do Sul 524,90 1,644 523,44 0,759 523,56 0,712
Rondônia 483,07 2,504 503,74 1,780 499,02 1,535
Roraima 458,85 5,000 478,53 2,683 474,66 2,329
Santa Catarina 542,78 1,628 548,85 0,817 548,31 0,758
São Paulo 538,75 1,641 542,80 0,372 542,72 0,366
Sergipe 435,14 1,773 448,24 1,366 444,49 1,097
Tocantins 450,94 3,643 486,68 1,769 483,20 1,640

RELATÓRIO SAEB-ANA 2016


Panorama do Brasil e dos Estados 235
VENDA PROIBIDA

Você também pode gostar