Você está na página 1de 74

Relacionamento

Interpessoal
1. As Relações Humanas e sua Dinâmica na Sociedade 4
As Relações Humanas e sua Dinâmica na Sociedade 4
As Relações Humanas e as Épocas: Breve Relato
sobre as Eras Históricas 6
Relações Humanas: Conceitos e Teorias 10
Processos Obstrutivos das Relações Humanas:
O Conflito 16
Exercícios de Fixação 18

2. Relações Humanas e os Grupos 20


Relações Familiares 22
Relações de Trabalho 24
A Dinâmica de Viver em Equipe e Processos
Grupais Básicos: Percepção e Comunicação 28
Exercício de Fixação 33

3. Liderança e Relação Entre Líder e Liderados 35


Liderança e Relação entre Líder e Liderados 35
Motivação 38
A Ética nas Relações Humanas 41
Lideranças na Saúde Coletiva e Individual 44
Exercícios de Fixação 48

4. Análise de Situações Reais de Grupo por Meio das


Pesquisas, Jogos, Técnicas Grupos e Vivências 50
Conhecimento Pessoal: Gráfico da Vida 56
Desenvolvimento da Consciência Crítica e das
Habilidades Interpessoais Através das Atividades
Coletivas 58
Inteligência Emocional 60
Resiliência 64
Exercícios de Fixação 69

5. Referências Bibliográficas 71

02
03
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

1. As Relações Humanas e sua Dinâmica na


Sociedade

As Relações Humanas e Por relações humanas


sua Dinâmica na Socieda- compreendem-se, também, relações
de interpessoais, ou seja, relações que
se estabelecem entre as pessoas.
Há um olhar que sabe discernir Quando se refere às relações
o certo do errado e o errado do humanas e sua dinâmica na
certo. Há um olhar que enxerga
quando a obediência significa
sociedade, pode-se acrescentar que
desrespeito e desobediência acontecem de um modo especial,
representa respeito. Há um vivo, dinâmico, com movimento e
olhar que reconhece os curtos
caminhos longos e os longos fluidez, e inseparável do social e seu
caminhos curtos. Há um olhar contexto histórico.
que desnuda, que não hesita em O indivíduo é um ser social,
afirmar que existem fidelidades
perversas e traições de grande que, pela sua própria natureza
lealdade. Este olhar é o da alma. humana, é colocado em um contexto
relacional para que seu
Nilton Bonder desenvolvimento ocorra, garantindo
sua sobrevivência.

4
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

A palavra dinâmica, segundo um convite para a aproximação com


Ferreira (2005, p. 319), aponta para: o tema, devido à sua importância,
“[...] parte da mecânica que estuda pois se imagina que um profissional
os movimentos dos corpos, de saúde saiba cuidar de seus
relacionando-os as forças que os pacientes, assim como um professor
produzem”. saiba ensinar, mas para que isto
De acordo com esta definição ocorra, deve-se lembrar de que tais
do termo, pode-se pensar que ao tarefas também se desenvolvem
falar sobre relações humanas e sua dentro de um contexto relacional, e
dinâmica na sociedade, está se que se faz necessária uma
falando de um processo de mútua compreensão e capacidade para
relação, em movimento de lidar com o ser humano, percebê-lo,
constantes interações de forças que relacionar-se bem com o outro,
se afetam. assim como, ter capacidade
As relações humanas têm sido empática, e compreensão de suas
alvo de vários estudos do próprias emoções (MINICUCCI,
comportamento, vêm sendo 2012).
estudadas como uma ciência, a Os pacientes apresentam
ciência do comportamento humano melhoras, em seu quadro clínico, e
(MINICUCCI, 2012). atribuem algumas vezes, tal fato à
As relações humanas estão capacidade do profissional de saúde
presentes em diversos contextos e em acolhê-los na hora da dor.
épocas. Elas estão na base da As relações humanas exigem
constituição dos vínculos familiares, disponibilidade para o encontro
de trabalho, de lazer e outros. humano, nem sempre este processo
Dentro destes contextos se torna fácil, mas se pode
relacionais vários problemas podem minimamente considerar que é
surgir em decorrência da própria possível um preparo, na medida em
dinâmica estabelecida na relação que o ser possui uma abertura para
humana, a partir daí surgem os tal encontro.
conflitos, que podem acontecer nas É importante lembrar que
relações interpessoais (entre as todo desenvolvimento das
pessoas), entre os grupos (nações, sociedades humanas depende do
religiosos e outros) ou entre o ser desenvolvimento e amadurecimento
humano com ele mesmo (relação das relações humanas, assim como o
intrapessoal). futuro do planeta.
Os próximos capítulos serão

5
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

Figura 1. Relações humanas grupos, ou bandos com grande


número de integrantes, assim como
pela criação de armas para caça. A
criação de armas para caça marca o
início do poderio bélico como
vantagem para sobrevivência.

Figura 2. Homem em bando: marco


inicial das relações humanas

Fonte: https://www.pexels.com/

As Relações Humanas e as
Épocas: Breve Relato Sobre
as Eras Históricas

A dinâmica das relações


humanas vem mudando com o Fonte: Https://Alunosonline.Uol.Com.
tempo. Inicialmente, os seres Br/ Historia/Paleolitico.Html
humanos agrupavam-se e se
relacionavam em decorrência da Historicamente, os conflitos
própria sobrevivência. Desde o começam a surgir a partir deste
berço da humanidade, o homem momento, sejam eles pela
percebeu as vantagens para sua dominação, do mais forte do bando
sobrevivência ao permanecer no sobre os outros integrantes, ou entre
bando. os diferentes bandos.
A vivência em bando trouxe a O início do desenvolvimento
proteção da espécie, e, das relações humanas, na Pré-
consequentemente, as relações História, fica assim marcado, desde
começaram a ser estabelecidas, os primórdios da humanidade, pela
marcando o início do processo necessidade de sobrevivência, pelo
civilizatório. exercício da comunicação, pelo
A forma de comunicação conflito e pelo surgimento do líder,
utilizada, no período da Pré- sendo que este último nasce da
História, era basicamente manifesta dominação do mais forte sobre o
através de gestos e símbolos. Neste mais fraco, portanto, naturalmente,
período, o homem passa a se o líder era o mais forte do grupo
diferenciar dos animais por viver em fisicamente.

6
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

Na Idade Antiga, surge o início criatividade, área intermediária, na


da escrita e, com isso, o ser humano qual o subjetivo do ser manifesta-se
passa a comunicar-se de forma mais e encontra-se com a realidade
elaborada e sistematizada. Período externa (ABRAM, 2000). Este
que se inicia aproximadamente, por período, também é marcado pelo
volta do ano de 4000 a.C., neste desenvolvimento da filosofia grega,
momento o homem passa a criar leis e seus avanços teóricos.
e regras para garantir a organização Pode-se pensar em um avanço
e a vida das pessoas na sociedade. evolutivo do ser humano na
O papel do líder assume outra sociedade, a barbárie aos poucos vai
conotação neste período histórico, sendo abandonada como forma de
através da criação do Estado, de leis relação e o pensamento racional
e regras para serem aplicadas na começa a criar espaço na civilização
sociedade, com a ideia de oferecer (ARIÈS; DUBY, 1989). A Idade
organização e estabilidade para os Média, também conhecida como a
seres humanos, cabe ao mesmo Idade das Trevas, tem seu início no
governar o Estado e garantir que as século V, e dura por volta de mil
leis possam ser cumpridas. anos. Período em que o Império
Neste período da civilização, Romano tem sua ascensão e queda.
surgem também, as primeiras Como aponta Ariès e Duby (1989.
grandes religiões, o Judaísmo, o V.I p. 401) a seguir:
Cristianismo, o Islamismo e o
Budismo, marcando assim, grandes
grupos, onde os integrantes se
relacionavam entre si, através da Três séculos se passaram.
Clóvis foi batizado em 499 e
relação com o divino.
recebeu as insígnias de cônsul
O divino e as leis vão surgir de Roma (quer dizer, de
como Fenômenos Intermediários Bizâncio, capital do Império
Romano amputado em suas
das relações humanas. Os províncias ocidentais, que os
Fenômenos Intermediários, neste bárbaros ocuparam). Aboliuse
caso, são compreendidos à luz da o mundo grego - romano no
Ocidente, onde começam os
teoria Psicanalítica, expressa na nossos tempos [...]
figura de Winnicott. Tal conceito Barbarização do Ocidente,
traz em si a ideia de espaço porém menos sob os golpes dos
germanos, admiradores da
potencialmente criativo, lugar onde grandeza romana, que em
o interno do ser humano manifesta- consequência de sua tomada
se para o externo, local da cultura e do poder político; humilhada
por não mais deter o comando,

7
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

a velha aristocracia dos


notáveis, ao mesmo tempo pais
das cidades e nobreza
funcional no aparelho romano,
já não encontra sentido em
nada, cruza os braços e perde o
que fazia do mundo romano
uma sociedade “civilizada”:
uma vontade inconsciente de
autoestilização; apenas a
igreja, para seus próprios
objetivos, mantém um pouco
dessa vontade.
Fonte: https://www.todoestudo.com.
As relações humanas são br/historia/as-cruzadas
pautadas e manifestas pela
As relações familiares em sua
violência, medo e por movimentos
constituição eram inicialmente
repressores na política e na religião.
formadas por interesses econômicos
A Igreja Católica neste
e de conveniência, os casamentos
período, entre outros aspectos,
eram arranjados pelas famílias sem
destaca-se pela relação com seus
o consentimento dos filhos. Estas
fiéis, ou infiéis, e pela grande
relações humanas que se
Cruzada empreendida no Oriente
estabeleciam não tinham como
Médio para combater os
preceito para a união o sentimento
mulçumanos.
ou a paixão amorosa.
As relações neste período
Passamos agora para a Idade
também são marcadas pelo exercício
Moderna, historicamente, período
de poder absoluto de alguns sobre a
que se inicia no século XV, marcado
vida de outros. Sob
por profundas mudanças na vida e
o domínio do medo, os seres
nas concepções de mundo do
humanos que se encontravam em
Continente Europeu. As relações
uma posição inferior ao líder,
humanas passam por
vivenciavam submissão absoluta
transformações neste momento.
(ARIÈS; DUBY, 1989).
Este período também é
Figura 3. As Cruzadas
chamado de Renascimento, pois
neste momento ocorre a retomada
de alguns valores desenvolvidos
pelos antigos gregos na Idade
Antiga.
A Idade Moderna foi um

8
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

período marcado pelas grandes relações humanas dentro destes


navegações e pela tomada de grupos apresentam caráter
consciência de um mundo ainda por progressista (OSÓRIO, 2004).
ser descoberto e explorado pelo
homem, diferentemente do mundo Figura 4. Tempos modernos: a inven-
preconizado pela religião, ção da máquina a vapor
totalmente construído e terminado
por Deus. Inicia-se nova relação do
ser humano com o mundo.
O conhecimento científico
passa a ser uma meta em
progressão, em detrimento do
conhecimento religioso (ARIÈS;
DUBY, 1989). O conhecimento
passa a ser centrado no exercício da
Fonte: https://ensinarhistoriajoelza.
razão pura, ou seja, o que se inicia é com.br/tempos-modernos-ainda-
um período em que os sentimentos tao-atual/
ou os sentidos não devem ter
interferência em tal exercício. A Revolução Industrial, outro
Neste período, o Iluminismo marco importante, traz profundas
apresenta a Razão como meta a ser transformações nas relações
desenvolvida e alcançada no avanço familiares. A invenção da máquina a
das civilizações e do conhecimento, vapor iniciou uma revolução
tal movimento serve de apoio para a tecnológica e, como consequência,
Revolução Francesa. trouxe transformações nos hábitos,
Nasce a noção de progresso e valores humanos e costumes.
reivindicação de lugares melhores Com a possibilidade de
na sociedade, através do trabalho e ascensão financeira, as famílias
do conhecimento. passam a ser constituídas pelo amor,
Todo este movimento marca o embora na Idade Média as uniões
início de grupos que se estabeleciam pudessem se constituir através dos
e se relacionavam através das sentimentos amorosos, isto não era
reivindicações por direitos de uma considerado fator decisivo para que
parte da sociedade marginalizada e as pessoas se unissem através do
esquecida. casamento (FERRY, 2012).
Os grupos criam força para Pode-se pensar que, deste
que as mudanças sociais ocorram; as ponto de vista, ocorre um

9
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

enfraquecimento nas relações vem seguindo um caminho evolutivo


familiares no modelo antigo, que de mudança (FERRY, 2012).
consistia no matrimônio dos filhos Neste contexto, os próximos
decidido pelos pais. capítulos serão um convite para
Finalizando este breve relato, conhecermos alguns conceitos sobre
adentramos no contemporâneo, ou as dinâmicas das relações humanas
como alguns historiadores apontam, e liderança. Como nos aponta a
no período Pós-Moderno. história, tais conceitos seguem em
Neste período, o grande paralelo com a evolução do ser
avanço científico tem como base o humano no campo social e
amadurecimento do Iluminismo, individual.
surgem novos conhecimentos para a
compreensão do homem e sua Relações Humanas:
relação com o mundo (ARIÈS; Conceitos e Teorias
DUBY, 1989).
A Idade Contemporânea é O homem está em constante
marcada por grandes conflitos e atividade transformadora, em sua
eventos que abalaram o mundo, a relação pessoal, com o outro e com o
Primeira e a Segunda Guerra seu mundo, relações que têm seu
Mundial, por exemplo, mas também princípio na necessidade (RIVIÈRI,
a Guerra Fria e a criação da bomba 2000).
atômica. À luz da psicologia, ciência
Por outro lado, surgem que se propõe a estudar o
movimentos nos quais a comportamento das espécies,
solidariedade e o afeto são razões humana e animal; da psicanálise,
para as pessoas se agruparem. método psicodinâmico, de
A forte tendência, embora a observação e análise do
passos pequenos, do ser humano, de comportamento humano criado por
não mais morrer pela religião ou Freud; e da sociologia, que se
pela revolução, mas tentar preservar propõe a estudar as relações entre as
o planeta para as futuras gerações ou pessoas que vivem em um
escolher constituir uma família determinado grupo social ou as
através do amor, marcam uma nova relações existentes entre os distintos
forma do humano se relacionar grupos sociais, o conceito sobre
consigo e com o mundo. Ainda que relações humanas, vem sendo
desajeitadamente, como nos construído após a revolução
comprova a história, o ser humano industrial.

10
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

As Relações Humanas podem


ser: intrapessoais, ou seja, relação
de comunicação, consciente ou
inconsciente (Freud, 2000),
estabelecida por um indivíduo com
ele mesmo, ou interpessoal, que diz
respeito à relação humana
estabelecida entre as pessoas
Fonte. https://www.febrasgo.org.br/
(MINICUCCI, 2012). pt/noticias/item/740-semana-nacio-
A nomenclatura Relações nal-de-prevencao-da-gravidez-na-
Humanas pode ser entendida, adolescencia
usualmente, como relações
interpessoais, que ocorrem entre as O conceito, de Relações
pessoas, membros de um grupo e Humanas também pode ser
entre os grupos dentro de uma entendido, como a interação que
instituição, ou organização ocorre entre duas pessoas, no
(MINICUCCI, 2012). mínimo. Esta interação pode se
Podemos pensar também que manifestar através da forma física,
essas relações interpessoais podem mímica e verbal (SAMPAIO, 2000).
ter seu início desde a gestação de um As teorias sobre as Relações
bebê, na medida em que a mãe passa Humanas surgem de áreas
a imaginar como seria a criança, ou próximas, mas, não iguais, portanto,
ter respostas do seu bebê, ainda em cabem aqui algumas distinções.
sua barriga, quando esta o acaricia. A Teoria das Relações
Pesquisas sobre psiquismo do bebê, Humanas surgida no campo da
na vida intrauterina, têm apontado Sociologia das Organizações difere,
para respostas interessantes no por exemplo, das teorias que têm
sentido da constituição de uma em sua base os conceitos
relação humana já nos primórdios psicanalíticos, a primeira, vale à
da vida (SOUZADIAS, 1999). pena lembrar, trata do homem e
Portanto, as Relações Humanas suas relações com os grupos sociais,
podem ser estudas e observadas enquanto a segunda revela a relação
desde os primórdios da vida de um do homem com ele mesmo, seus
ser. aspetos subjetivos, e com o grupo,
mas podemos pensar que embora
Figura 5. Início das relações humanas tais teorias tenham visões sobre o
homem diferentes, ambas podem

11
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

auxiliar na compreensão desta reformulação em decorrência do


complexidade que é o ser humano. próprio desenvolvimento humano.
O movimento das Relações Neste sentido, surge a Teoria
Humanas surge como reação crítica, das Relações Humanas, pode-se
contra a Organização Científica do dizer que ela se dedica à
Trabalho. Esta última trata-se de compreensão e aos estudos das
uma teoria administrativa, que teve condições humanas do trabalho.
seu início por volta do ano de 1903, Tem como seu mentor o cientista
cujo mentor, foi o engenheiro social Elton Mayo (1880-1949),
americano Frederik W. Taylor. Com dentre os seus trabalhos o que mais
ênfase nas tarefas, nos métodos de se destaca é a Experiência de
trabalho e enfoque na racionalização Hawthorne.
no nível operacional para o alcance Psicólogo industrial
da eficiência, tal teoria trouxe a australiano que preconizava que a
tecnologia como fator de influência monotonia conduzia a fadiga e que
no pensamento da época, em os aborrecimentos levavam a
detrimento do ser humano pensamentos depressivos, assim
(CHIAVENATO, 2005). como acreditava que o conflito
A seguir será apresentado um era uma ferida social, e a cooperação
gráfico com as principais e a ajuda mútua trariam o
características do modelo da bem-estar social (DAVEL;
Organização científica do trabalho. VERGANA, 2012).

Organograma 1. Organização cientí- Figura 6. Georges Elton Mayo – escola


fica do trabalho das relações humanas: experiência
A abordagem básica,
de Hawthorne
O modelo de homem é o
ligada à engenharia, A motivação para o
econômico-racional,
preconiza a adaptação do trabalho é financeira e
trabalha isolado, seu
homem à máquina, sua fadiga está ligada a
comportamento é visto
entende a organização do questões fisiológicas e
como algo a ser
trabalho como se fosse não psocológicas.
padronizado.
uma máquina.

Modelo baseado na
especialização e
A autoridade é competência técnica. A
centralizada, e ocorre figura do especialista
forte divisão nas tarefas. surge acentuando a
divisão de tarefas e o
trabalho isolado

Fonte. FONSECA, 2013.

Esta teoria trouxe à tona


conceitos rígidos e mecanicistas,
tratando o ser humano como uma Fonte. Https://Www.Library.Hbs.
máquina, sendo necessário a sua Edu/Hc/Haw-
thorne/Big/Wehe_026.Html/

12
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

histórico.
A experiência de Hawthorne A seguir será apresentado um
nasceu da necessidade de quadro com os principais tó-
humanizar e democratizar a gestão, picos da Teoria das Relações
estava sintonizada com os avanços Humanas.
da psicologia e da sociologia da
época, e acabou por demonstrar a Organograma 2. Teoria das Relações
inadequação dos princípios da Humanas
Teoria Clássica de gestão de pessoas. O modelo de homem é
emocional, motivado
pelos sentimentos. O
As diferenças individuais
são consideradas
A abordagem básica está importantes e o
Tal experiência trata-se de uma centrada nas ciências
sociais.
homem possui
necessidades emocionais,
como as de segurança,
comportamento é
entendido como algo que
não pode ser

pesquisa realizada entre 1927 e


afeto, aprovação,
padronizado.
reconhecimento e outras.

1932, sob a coordenação de Elton A unidade de análise está


centrada nas relações
A motivação para o

Mayo em indústrias americanas,


interpessoais e no grupo.
trabalho surge em função
Apresenta maior
da satisfação de
autonomia para o
necessidades
empregado, pois a
com grupos de trabalhadores psicológicas. A fadiga
também está relacionada
a fatores psicológicos.
autoridade é delegada,
ocorrendo uma maior
democratização nas

(DAVEL; VERGANA, 2012). relações.

Através de entrevistas e Fonte. FONSECA, 2013.


observações, tais estudos
evidenciaram a importância da Os sentimentos e afetos
coexistência de uma organização passam a ser considerados na
formal, dentro de uma lógica de constituição das relações humanas
custos e eficiência, com a no ambiente de trabalho.
informalidade da lógica de No item anterior deste
sentimentos e afetos. capítulo, foram levantadas as
A conduta dos trabalhadores, mudanças nas constituições das
não poderia ser compreendida, caso relações familiares, as quais,
fosse ignorado a constituição também, após a revolução
informal dos grupos, as industrial, passam a considerar os
relações humanas e os vínculos sentimentos na construção dos
existentes entre os participantes vínculos, lembrando que isto
do mesmo, assim como, as relações poderia acontecer, mas não era
dos grupos entre si e com a necessário.
empresa como um todo. Hoje podemos afirmar que
Dentro deste contexto podemos para a constituição das relações
observar novamente a evolução da humanas os sentimentos são
compreensão das Relações fundantes e necessários. No
Humanas em consonância próximo item serão levantados,
com o desenvolvimento sócio e alguns dos padrões de relação

13
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

comuns a toda a espécie humana. Por exemplo, temos a noção de


vínculo formulada por Riviere
Os Padrões de Relação (2000), que é compreendida como
uma organização, complexa, que
Ao falarmos sobre relações inclui dois seres humanos e sua
humanas, estamos nos mútua inter-relação com os
aproximando de algo que diz processos de comunicação e
respeito a todos enquanto espécie aprendizagem. Estas relações
humana, embora todos sejamos intersubjetivas acontecem em
portadores de singularidade, decorrência das necessidades, que
podemos também perceber aquilo podem ser primitivas, como as de
que nos torna próximos uns aos sobrevivência, mais amadurecidas
outros, criando, assim, uma como as de afetos, ou ainda, as de
identificação. ordem mais operacional, como as
De acordo com Ferreira (2005, relações que se estabelecem em
pp. 602-694), entendemos o sentido função de uma determinada tarefa, e
das palavras padrão e relação como: outras. Na prática, as necessidades
aqui descritas podem se misturarem
Padrão [...] 1. Modelo oficial de
pesos e medidas. 2 Aquilo que e se agregarem.
serve de base ou norma para Estas necessidades são a base
avaliação; medida. 3. Aquilo da motivação para que as relações
que serve de modelo à feitura de
outro. [...] 5. Modelo, exemplo, humanas aconteçam e os vínculos se
protótipo. constituam.
E quanto ao conceito de Dentro do processo de
relação: constituição vincular das relações do
sujeito estão presentes as fantasias
Relação [...] 1. Ato de relatar; inconscientes ou conscientes, as
relato. [...] 3. Vinculação,
ligação. 4. Comparação entre vivências infantis e adultas, sejam
duas quantidades mensuráveis. elas também conscientes ou
5. Ligação, contato; inconscientes. Os conteúdos
comunicação ou interação
entre pessoas, grupos ou países. inconscientes tratam de marcas
6. Relacionamento (3). [...] mnêmicas ou construções de
representações psíquicas, sejam elas
Alguns estudos apontam para de ideias ou afetos, subjacentes ao
padrões de que se estabelecem consciente, ou seja, uma parte da
dentro de um contexto relacional qual o sujeito não tem acesso
humano. consciente, a não ser através dos

14
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

conteúdos psíquicos manifestos que abandonar o bebê no hospital e


surgem dentro de um contexto desaparecer, ou ainda, a saúde do
relacional com outra pessoa, ou bebê ser afetada pela falta do
através dos sonhos, na relação do estabelecimento de vínculo com a
sujeito consigo mesmo. mãe.
Não podemos esquecer que, Toda a equipe já estava
em uma relação entre duas pessoas, preparada para tais fatos, inclusive
também está presente a relação do para uma possível adoção, caso
sujeito com ele próprio. Quanto ocorresse o abandono, por exemplo,
melhor a pessoa se conhecer, melhor pois, frente ao bebê e seu
será sua compreensão para com os desamparo, um dos padrões de
outros (MINICUCCI, 2012). comportamento que surge é o de
A seguir será descrito um cuidar, para que ele sobreviva. Vale
recorte clínico de um caso para lembrar que isto é verdade desde a
esclarecer e exemplificar alguns Pré-história, as pessoas se
padrões de relação que podem relacionavam e andavam em bandos
surgir em um contexto relacional, para sobreviver. O problema é que,
sobre a importância da comunicação hoje, um bebê necessita para
e da relação humana estabelecida sobreviver, além dos cuidados
entre uma equipe de saúde, para o físicos, de afeto, e isto só pode
auxílio da construção de uma ocorrer no processo do
relação humana, entre uma jovem estabelecimento de um vínculo, e
mãe e seu bebê. este, a princípio, poderia ser
O caso se passou em uma construído através da relação da
enfermaria dentro de um hospital mãe com o seu bebê.
geral, o psicólogo havia sido A mãe não conseguia
solicitado para fazer uma avaliação conversar com ninguém. Todos os
psicológica da mãe, que, apesar de membros da equipe suspeitavam
ter leite, se recusava a tirá-lo para que fosse de uma depressão pós-
alimentar seu bebê, assim como parto que estava guiando o
recusava tocá-lo. Por ser prematuro, comportamento da mesma, tal fato
o bebê havia ficado no hospital para não se confirmou através de uma
receber alguns cuidados, enquanto a avaliação psicológica realizada.
mãe já estava de alta. O medo de Com muito cuidado e
todos os integrantes de equipe, delicadeza, uma das enfermeiras
inclusive do psicólogo, era com conseguiu estabelecer um vínculo
respeito à possibilidade de a mãe com a mãe. Esta profissional abriu

15
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

mão de qualquer julgamento moral Através do acolhimento oferecido


e a acolheu, dando atenção para suas pela enfermeira, a mãe pôde
histórias. Aos poucos, a mãe foi perceber o medo fantasioso que a
relatando sobre sua história de estava paralisando. Neste sentido,
infância: havia sido abandonada em embora o tratamento psicológico
um hospital pela mãe biológica e possa ser uma ferramenta
adotada por uma enfermeira, que importante, o que se pode pensar,
falecera há pouco tempo. A mãe além disso, é que a própria relação
encontrava-se em plena vivência do humana pode ser altamente
luto pela perda da mãe adotiva. terapêutica, independentemente da
O medo desta mãe era o de se profissão exercida pelo membro de
vincular ao bebê e este morrer por uma equipe de saúde, o importante
ser prematuro. Novamente, é é a disponibilidade para o encontro
importante recordar que o medo da humano.
morte ou da perda é algo comum a A seguir, vamos observar no
todos os seres humanos. próximo item o que pode obstruir
Através deste relato, a mãe, este tão importante processo que é o
após chorar muito, se aproxima do estabelecimento das relações
bebê e consegue cuidar dele, até sua humanas.
alta.
Com relação à enfermeira,
esta, por possuir uma habilidade no
que diz respeito à empatia, Processos Obstrutivos das
conseguiu sensibilizar-se o Relações Humanas: O
suficiente para se aproximar da mãe Conflito
e relatar o ocorrido em reunião de
equipe, e esta por sua vez, ampliou o Neste processo em construção,
acolhimento para com a paciente. muitos desvios podem acontecer,
Todos os dias alguém da equipe se alguns podem surgir da própria
aproximava da mãe para escutá-la dificuldade de codificação da
sobre seus medos e perdas. mensagem, em decorrência de
A mãe, naturalmente, estava vivências subjetivas, ou seja, o
revivendo, através do nascimento de processo de comunicação pode
seu filho, suas próprias experiências falhar, seja do lado de quem
infantis. Não havia percebido o comunica ou do lado de quem recebe
quanto tal fato a estava afetando e a a mensagem. Muitos processos
impedindo de cuidar do seu bebê. obstrutivos podem surgir, gerando,

16
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

assim, conflitos dentro de um 2010).


contexto relacional. O medo da perda e o do
Por conflito, entendem-se, ataque, pertinentes ao ser humano
mecanismos em ação simultânea, de desde a sua origem, quando em
impulsos antagônicos, frente aos desequilíbrio, geram conflitos
quais o indivíduo necessita fazer intrapessoais e interpessoais. Estes
uma escolha, sendo que, sem a medos surgem frequentemente
possibilidade de fazer tal escolha, frente a situações novas e se
isto acarretará em frustração, manifestam, muitas vezes, através
(CABRAL; NICK, 1989). de comportamentos ansiosos ou
O conflito pode surgir na defensivos.
relação intrapessoal, ou seja, na No contexto das relações
relação do sujeito com ele mesmo, humanas não se pode esquecer que
nas relações interpessoais entre as todos os seres carregam uma
pessoas ou, ainda, nas relações entre história, que se inicia na gestação
os grupos. humana, mas também muito antes
Nas relações interpessoais, os dela, pois todos os seres fazem parte
conflitos podem surgir através da de um contexto relacional antes de
busca pelo poder, de personalidades nascerem, através da história de
que funcionam de modo primitivo, seus familiares.
aonde a solidariedade ainda não foi São histórias pessoais que
instalada como característica, e que estão no inconsciente, de geração
trazem em si o germe da opressão. em geração, desde os primórdios da
As situações novas, também, espécie, e, embora o ser tenha
entre outros fatores, podem gerar evoluído muito, com avanços das
conflitos entre as relações humanas. ciências de modo geral, a alma
O ser humano apresenta, humana ainda hoje tem muito a ser
naturalmente, tendência à desvendada, e muitos conflitos a
acomodação. Frente ao novo se serem compreendidos e resolvidos.
depara com a necessidade de uma Conflitos estes que obstruem o
adaptação, este movimento em si processo do desenvolvimento das
gera conflito interno, entre sua relações humanas e que podem estar
tendência a permanecer na vinculados a experiências
repetição e o desconforto do estresse traumáticas armazenadas no
gerado pelo novo que as situações inconsciente, que podem, também,
desconhecidas, por serem novas, estar sendo passadas de geração a
apresentam (ARANTES; VIEIRA, geração, assim como podem vir a se

17
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

manifestar nas relações _______________________________


intrapessoais e interpessoais _______________________________
_______________________________
(CORREA, O. B. R. (ORG.), 2001).

5. Qual a razão de os seres


Exercícios de Fixação
humanos se agruparem no
período da Pré-História?
1. Defina o que são relações
_______________________________
interpessoais. _______________________________
_______________________________ _______________________________
_______________________________ _______________________________
_______________________________ _______________________________
_______________________________ _______________________________
_______________________________
_______________________________

2. Como se desenvolvem as
relações interpessoais?
_______________________________
_______________________________
_______________________________
_______________________________
_______________________________

3. Diferencie o conceito de
relação interpessoal do
conceito de relação
intrapessoal.
_______________________________
_______________________________
_______________________________
_______________________________
_______________________________
_______________________________

4. Qual a base da constituição


dos grupos humanos?
_______________________________
_______________________________
_______________________________

18
1
9
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

2. Relações Humanas e os Grupos

Para falar sobre relações outros, os quais a criatividade


humanas e grupos, faz-se necessário humana pôde fazer emergir
lembrar que os grupos são espontaneamente.
constituídos por seres humanos que Pode-se concluir,
carregam consigo sua subjetividade naturalmente, que um grupo é
e trazem em si a singularidade constituído por seres humanos, que
própria de cada um. fazem parte dele e se afetam
Todos os seres humanos, mutuamente, a exemplo disto, pode
desde a Pré-História, vivenciaram a se pensar em uma orquestra, onde
experiência grupal, como exemplo todos os músicos, com seus
disso tem-se a experiência dentro instrumentos, estão interligados em
dos bandos para a sobrevivência da mútua afetação para produzir o som
espécie, além de outros grupos que de uma sinfonia.
foram surgindo com a evolução da Do que se trata um grupo,
espécie humana, como as famílias, afinal? Esta é uma excelente
os grupos escolares, os grupos de pergunta. Ao definir o que é um
trabalho, os grupos de recreação e grupo, tem-se que trazer à luz a

20
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

diferença de agrupamento de Ao esclarecer o conceito de


pessoas e grupo. agrupamento, vale à pena pensar em
Em um grupo, ou sistema uma fila de supermercado, na qual
humano, como alguns autores existe um grupo de seres reunidos
apontam (OSÓRIO, 2003), existe para pagar por suas compras, mas
uma ação interativa das quais seus eles não interagem e sua
integrantes, trazendo consigo sua singularidade não é reconhecida
potência, reconhecem sua própria pelos integrantes da fila. No
singularidade e objetivos máximo, haverá uma interação
compartilhados por todo o grupo. entre o membro da fila e o
Um bom exemplo disso é uma funcionário do caixa.
equipe de saúde, que tem como Os grupos podem ser naturais,
objetivo cuidar de uma enfermaria como a família, ou espontâneos,
neonatal, todos tem em comum a como os que se constituem em um
meta de dar assistência aos bebes, ambiente de trabalho. Todas as
mas este mesmo grupo tem também, vezes que estes grupos se
reunião clínica semanal e após ela comportarem, segundo a própria
tomam café juntos. definição de grupo e não
Durante todos estes agrupamento, pode-se dizer, por
encontros, uns acolhem os outros exemplo, que a família ou o grupo de
através das experiências trabalho realmente é um grupo ou
compartilhadas, tanto nas reuniões sistema humano, do qual o ser
clínicas como no café, tal atitude pertence.
permitiu que este grupo Fica impossível separar os
desenvolvesse uma relação afetiva e seres humanos dos grupos e da
afetuosa, facilitando, assim, a tão sociedade, os quais estão situados
difícil tarefa de trabalhar em uma dentro de um contexto sócio-
enfermaria pública com bebê de alto histórico de uma época, e isto se faz
risco. verdade desde sempre.
Para que um grupo seja Dentro do processo relacional
formado, vale lembrar, se faz que ocorre nos grupos, vários
necessária a interação entre os fenômenos podem ocorrer, nos
membros, e, naturalmente, os próximos itens desta unidade será
papéis passam a ser abordado, através da teoria e
desempenhados, surgem, assim, prática, alguns destes fenômenos
líderes ou liderados, pacificadores relacionais que ocorrem em alguns
ou agitadores. grupos os quais o ser faz parte, como

21
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

a família e o trabalho. parte da primeira experiência de


relação humana, e que a partir
Figura 7. Grupos humanos – alta- destas relações familiares outras
mente conectados entre si construções vão acontecer durante o
desenvolvimento do ser, assim, mais
tarde, a criança passa a fazer parte
de outros grupos, desenvolvendo- se
em um contexto relacional desde
criança até a idade adulta.
Este desenvolvimento fica
marcado pela experiência do ser que
se manifesta dentro de um contexto
Fonte: http://h12sse.blogspot.com/
grupal, no qual os membros
2018/06/economia-gig-ou-
acelerando-na-direcao.html integrantes dos grupos trazem
consigo seus valores, suas
Relações Familiares experiências, memórias que podem
ser inconscientes ou conscientes,
O bebê, ao nascer, forma com interagindo em mútua relação uns
sua mãe, ou alguém similar (aquele com os outros.
que vai cuidar do bebê e constituir o Estas memórias ficam
vínculo humano), um primeiro armazenadas e, mais tarde, podem
grupo que vai ser fonte da primeira se tornar padrões de
experiência de relação humana e comportamento, que vão surgir
que acontece através desta através do comportamento do ser e
interação, a partir desta relação, ou a manifestação da sua subjetividade.
ao mesmo tempo, os outros Pode-se pensar que,
membros da família vão sendo atualmente, as famílias são
inseridos neste contexto interativo constituídas pelo afeto amoroso, e
com o bebê e vão desenvolvendo o que tudo tem um início, ou seja,
reconhecimento frente às antes do bebê vem o casal que o
singularidades do novo membro do gerou. Vale lembrar que cada
grupo, a saber, o bebê. integrante do casal carrega consigo
Assim, pode-se afirmar que a suas memórias inconscientes ou
família, independentemente do conscientes de padrões de
número de seres que façam parte comportamento. Apresentam
dela (mãe e pai; mãe e avó; pai e avó; diferenças com relação a aspectos
tia e mãe e outras formações), faz biológicos, psíquicos, sociais e

22
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

culturais, entre outros. Tais adiante, o bebê vai reconhecendo,


diferenças podem ser fonte de através dos vínculos constituídos,
conflitos. Os pontos mais marcantes quem desempenha o papel de mãe,
no desenvolvimento de um ser e dos pai e se reconhece no papel de filho.
grupos dizem respeito a estas Estes papéis podem sofrer
diferenças e de como elas podem ser inversões de acordo com a
manifestadas, vividas, mas também subjetividade de cada um, por
esclarecidas (RIVIÈRI, 2000). exemplo, pode ocorrer que o pai,
As diferenças surgem e pela própria imaturidade psíquica,
provocam mudanças no contexto permaneça no papel filial,
grupal familiar, por exemplo, o esperando receber cuidados
nascimento de um bebê em uma maternos da sua parceira, esta, por
família altera completamente os sua vez, pode também funcionar de
papéis desempenhados pelos modo regredido psiquicamente e
membros deste grupo. A mãe, que esperar do marido os mesmos
antes era somente esposa e filha, cuidados filiais, neste sentido, o caos
assume o papel de mãe devido à está instalado, pois o bebê não pode
própria singularidade do bebê, que ocupar o papel que, pela sua própria
convida para que alguém interaja condição, se faz necessário. Tal
com ele, ou ele pode adoecer. Esta dinâmica, muitas vezes, instaura-se
singularidade é biológica, mas no grupo familiar, trazendo conflitos
também psíquica, pois, como nos e prejuízos para o desenvolvimento
capítulos anteriores foi descrito, o de todos os membros.
bebê tem necessidade de A dinâmica familiar funcional
desenvolver um vínculo humano, é aquela que consegue reconhecer as
isto quer dizer que não são somente diferenças individuais dos membros
os cuidados físicos que garantem a e está intimamente ligada ao
sua saúde. desenvolvimento dos papéis de mãe,
O próprio bebê torna-se uma pai e filho, ou a possibilidade de que
influência para a mudança e o alguém exerça tais funções.
desenvolvimento de novos papéis na Os papéis familiares de mãe e
família. Dentro desta visão, pode-se pai, assim como o de filho, podem
pensar que o grupo familiar, quando ser ocupados por outros membros
está formado ou melhor do grupo, não necessariamente
estruturado, existe a influência entre pelos pais biológicos, por exemplo.
os membros e um reconhecimento A família também muda com a
das singularidades de cada um. Mais época, se por um lado, no

23
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

contemporâneo, as famílias são dentro da nossa cultura, manter um


constituídas pelo amor, também padrão de vida que propicie a
vale lembrar que o ser humano vai se satisfação material compatível com
atrapalhar um bocado até que tal as exigências de nossa sociedade.
sentimento seja levado a sério. Com relação às necessidades
Alguns grupos familiares ainda sociais, é importante lembrar que o
funcionam como simples homem é um ser social pela sua
agrupamentos humanos sem própria natureza humana e que,
interagir entre si e sem o quando ele se isola, pode ser indício
reconhecimento de suas de algum sofrimento relacionado a
singularidades. tal conduta, como acontece em
algumas patologias psíquicas que
Relações de Trabalho apresentam seus primeiros sinais
através do isolamento social, por
O homem, em sua condição exemplo, no caso das depressões. O
humana, apresenta várias ser humano, naturalmente,
necessidades, como já foram enquanto ser social, procura
mencionadas anteriormente, tais interagir com outros seres, ter
necessidades tornam-se fontes de reconhecimento de sua
motivação para as ações e vivências singularidade e fazer parte de algum
em grupo e com relação ao trabalho. grupo, sendo tal interação fonte de
O ser humano, frente ao alegria e satisfação, ou não, estas são
trabalho, segundo Minicucci (2012), as necessidades sociais. Embora as
apresenta necessidades egoísticas, necessidades do ser humano com
físicas e sociais. relação ao trabalho possam ser
Por necessidades egoísticas se descritas, elas não podem ser
entende as necessidades do homem limitadas a tais descrições, pois o ser
de ser útil, de ter autonomia para traz em si sua espontaneidade e
realizar tarefas que considera criatividade, tornado esse processo
importante, as quais têm valor para dinâmico, mutável e interligado.
ele e que trazem satisfação. Para finalizar, é importante ressaltar
As necessidades físicas ou de que as necessidades também podem
segurança existem desde a Pré- ser inconscientes e tão importantes
História, embora elas possam ter quanto àquelas que são perceptíveis
evoluído com o tempo, ainda dizem e conscientes ao trabalhador.
respeito à necessidade de moradia, Alguns tipos de organização de
comida, água e, mais recentemente trabalho trazem uma sobrecarga

24
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

psíquica para o trabalhador, em cuidar dos pacientes, para com


decorrência da própria insatisfação pensar sua ausência frente à própria
gerada pela organização do trabalho família. Caso fosse ignorada e não
associada ao estresse da tarefa. validada em sua percepção sobre a
Muitas vezes, essa insatisfação se dá mãe do bebê, ou até mesmo
no nível do inconsciente, mas os impedida de relatar sua observação,
efeitos são visíveis na saúde do por uma questão hierárquica, aonde
trabalhador, gerando doenças seu saber é desconsiderado frente o
físicas e emocionais. saber de outros membros da equipe
de saúde, qual seria o desfecho para
Figura 8. Quadro das necessidades a dupla mãe-bebê e qual seria o
com relação ao trabalho resultado final na enfermeira?
Como nos aponta Dejours
(1988), a relação entre o homem e o
trabalho é histórica e contínua, e
traz consequências tanto benéficas
quanto maléficas para a vida do ser
humano.
Como resultado de uma
organização do trabalho baseada no
modelo Taylorista (Organização
Cientifica do Trabalho, OCT), o
indivíduo tende a vivenciar o
trabalho como um causador de
sofrimento mental, podendo evoluir
Fonte. FONSECA, 2013.
para o adoecimento psíquico e físico.
Para exemplificar, pode-se O trabalho, neste sentido, não
voltar ao caso clínico anteriormente traz satisfação, tampouco espaço
descrito e imaginar que a para a sublimação das necessidades
enfermeira, a qual acolhera a mãe, criativas do homem, tornando-se
estivesse hipoteticamente em seu maçante e repetitivo, sem
segundo plantão sem folga, por possibilidade de crescimento.
conta da necessidade de sustentar Dentro dessa abordagem, o
sua família, mas, mesmo assim, trabalhador praticamente vê-se
estava motivada para acolher a mãe inutilizado em sua capacidade de
e o bebê. Tal motivação decorria de pensar, pois, somente sua atividade
sua necessidade inconsciente de corporal é solicitada. A atividade do

25
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

pensar fica privilegiada a apenas horizontalizada de saberes, sem a


algumas categorias, neste modelo a prevalência de um modelo teórico
hierarquia de cargos é fortemente sobre o outro.
marcada (DEJOURS, 1988). A divisão dos saberes, até
O modelo de Organização do então compartimentada através das
trabalho (OCT), ainda vigente em disciplinas, precisou ser revista
nossos dias apesar de todo avanço neste aspecto, para maior
humano, influencia diretamente o compreensão dos fenômenos
ser humano no que diz respeito a sua pesquisados (OSÓRIO, 2003).
relação com o trabalho e a felicidade. Por exemplo, como
Os estudos de Dejours (1994) restabelecer a saúde de um paciente
sobre a psicodinâmica do trabalho sem considerá-lo um ser
compreendem que o trabalhador biopsicossocial e espiritual? Para
não é uma máquina para ser responder tal questão, vale lembrar
padronizada ou ajustada, mas um o caso clínico apresentado
ser humano, singular, que traz sua anteriormente.
história e sua estrutura de A saúde do bebê estava ligada
personalidade. Tem suas próprias intimamente à relação com sua mãe,
necessidades psíquicas, no que diz sendo que a história infantil da
respeito ao trabalho e satisfação própria mãe a estava impedindo de
pessoal, e estas vivências se cuidar de seu bebê. Foi necessário
manifestarão na relação do homem considerar este aspecto humano do
com o seu trabalho. sofrimento da mãe para estabelecer
O ser humano passa uma boa o vínculo entre ambos, mas também
parte de seu tempo exercendo sua foi necessário ocorrer a troca de
atividade profissional e saberes entre os profissionais que
relacionando-se com outras pessoas compunham a equipe de saúde.
dentro deste contexto e, embora o Esta necessidade de inter-
trabalho seja ainda hoje fonte de relação entre os profissionais de
sofrimento para o homem, podem- várias disciplinas trouxe avanço
se observar também alternativas ao para diversas áreas e a necessidade
modelo de gestão baseado na do desenvolvimento de novas
Organização Científica do Trabalho práticas entre os grupos de trabalho,
que permitem uma relação saudável estabelecendo novas formas de
com o trabalho. Estes modelos relacionamento entre os
privilegiam as relações humanas, trabalhadores e o trabalho.
permitindo uma troca Estas novas formas de

26
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

organização do trabalho não haveria real interação entre os


invalidam a necessidade de trabalhadores. Então, surgiu uma
realização do ser no que diz respeito mudança no corpo teórico,
aos aspectos físicos, por exemplo, a combatendo, assim, uma prática
questão do salário, que também fragmentada resultante das
afeta as relações humanas dentro de especialidades.
um contexto profissional, muitas A interdisciplinaridade traz a
vezes, trazendo sentimento de possibilidade de interação real entre
injustiça e falta de motivação para a as disciplinas no sentido de uma
realização da tarefa. afetação da qual pode surgir trocas
Surgem conceitos de desierarquizadas, possibilitando,
multidisciplinaridade, através da aprendizagem e
interdisciplinaridade e feedbacks, mudanças em suas
transdisciplinaridade. conceituações teóricas (OSÓRIO,
Para a compreensão de tais 2000).
conceitos, vale à pena lembrar o Na transdisciplinaridade,
conceito de grupo, no qual ocorre conceito que complementa os
afetação entre os membros que anteriores, surge a possibilidade de
estão unidos por um propósito, algo muito novo, como algo que,
como vimos nas unidades através da inter-relação e da troca de
anteriores. saberes de uma equipe
Ao recordar; pode-se pensar multiprofissional, transcenda a
que para ocorrer uma troca humana epistemologia singular de cada
entre os saberes disciplina envolvida neste processo,
compartimentalizados surge o trazendo algo que possa ser
conceito de multidisciplinaridade, compartilhado por todas as
ou seja, a interação entre as disciplinas (OSÓRIO, 2000).
diferentes disciplinas, cada uma Ao apresentar as formas como
com sua contribuição, mas, ainda o ser humano se relaciona com o
neste conceito, não ocorrem trabalho, assim como as mudanças
mudanças no corpo teórico das ocorridas nas formas em que os
mesmas (GALHEIGO, 1999). grupos de trabalho vêm se
Na sequência de tal conceito organizando, se faz necessárias
nasce a interdisciplinaridade, algumas considerações sobre a
observando que apenas juntar dinâmica de equipe, este processo
profissionais de diferentes vivo e fluído do viver em grupo.
disciplinas não significaria que Tais considerações serão

27
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

apresentadas no próximo item desta A disponibilidade para o


unidade, assim como os processos encontro humano, a consideração
que ocorrem dentro delas, como a das singularidades de cada membro,
percepção e a comunicação. a atenção e cuidado com os
movimentos humanos psíquicos e
A Dinâmica de Viver em comportamentais que ocorrem
Equipe e Processos antes, durante e depois do processo
Grupais Básicos: de realização da tarefa são aspectos
Percepção e Comunicação importantes a serem considerados
na dinâmica de uma equipe
No contemporâneo como foi profissional.
exposto anteriormente frente aos Por movimentos psíquicos se
avanços, no que diz respeito à compreendem aqueles que são
organização do trabalho, o viver em perceptíveis e comunicáveis, mas
equipe merece atenção especial para também, os que não são perceptíveis
aprimoramento humano, e que são comunicados de alguma
profissional e exercício da forma.
solidariedade. Todos estes aspectos Uma boa percepção pessoal
podem ser oferecidos através de colabora na dinâmica da equipe, ou
uma experiência do viver em uma seja, quanto melhor o ser se
equipe salutar. conhecer, melhor também será sua
Por equipe pode-se entender percepção do outro, mas vale
um grupo de pessoas o qual lembrar que todos carregam
está reunido em torno de uma conteúdos e afetos inconscientes em
tarefa, em um esforço coletivo, suas mentes e que tal fato pode
dentro de um contexto interacional afetar nossa percepção com relação
que possibilita troca de vivências, a nós e os outros. A percepção,
compartilhamento de saberes, segundo o dicionário técnico de
amparo das experiências vividas e psicologia (CABRAL; NICK, 2005 p.
realização da tarefa. 269), diz respeito ao: “processo pelo
Para que uma equipe possa o qual o indivíduo se torna
funcionar de modo saudável, consciente dos objetos e relações no
dinâmico, e enriquecedor frente ao mundo circundante, na medida em
coletivo, faz-se necessário que essa consciência depende de
considerar alguns aspectos processos sensoriais”.
importantes que serão ressaltados Os processos sensoriais são
nesta sessão do livro. ativados frente aos estímulos e são

28
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

percebidos através da percepção 2012).


sensorial. Os encontros humanos A empatia denota uma
que acontecem dentro de uma sensibilidade social, tal fenômeno é
equipe são naturalmente fonte de muito importante para que uma
estímulos, sejam eles agradáveis ou equipe funcione de modo
não. harmônico, auxiliando, assim, no
A percepção sensorial aparece desenvolvimento da tarefa. Quanto
descrita no dicionário técnico de maior o número de pessoas
psicologia (CABRAL; NICK, 2005, empáticas, maior o exercício da
p. 269) como: “É o produto final de solidariedade e do amor. Para
uma série definida de eventos exemplificar, será relatado um caso
físicos, fisiológicos e psicológicos clínico que ocorreu em uma equipe
que se desenvolvem em sequência de saúde mental que atuava em um
imutável e que tem por polos um CAPS (Centro de Reabilitação
estímulo e uma reação (ou Psicossocial).
resposta)”. Dentre os vários pacientes que
Outra percepção importante a eram atendidos e permaneciam na
ser esclarecida é a percepção social, ambiência (conceito que diz respeito
a qual se trata, em linhas gerais, da ao espaço físico e humano no qual os
percepção de um ser com relação a usuários do serviço circulam), um
outros seres humanos, seus apresentou um episódio de crise
comportamentos, sentimentos, suas com comportamento violento, tal
ações e manifestações humanas conduta havia desestabilizado todo
(MINICUCCI, 2012). o ambiente e evocado vários
O viver em grupo, assim como sentimentos na equipe, inclusive os
o trabalho em equipe, traz a sentimentos de impotência e raiva,
necessidade de uma maior atenção à mas, dentro desta mesma equipe, o
percepção de si mesmo e do outro técnico de enfermagem percebeu
para que o ambiente interacional da que seus membros estavam
equipe possa ser harmonioso. ofendidos com o paciente, pois,
O uso da empatia, capacidade apesar de todos os esforços e
de compreender o que o outro sente, investimentos que foram realizados
de colocar-se no lugar do outro para sua melhora, não apresentava
enquanto vivência subjetiva, traz mudanças em seu quadro clínico e
maior flexibilidade de ação nas agredia a todos que se aproximavam
relações humanas, e amplia na dele.
percepção do outro (MINICUCCI, O técnico em uma atitude

29
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

empática com a equipe e com o postura frente à dor do paciente.


paciente conseguiu relatar o que Por meio do comportamento
percebeu, sem julgar seus colegas, e violento, o paciente estava tentando
acrescentou que, possivelmente, o comunicar algo que, em decorrência
usuário do serviço também nutria da sua fragilidade mental, não
sentimento de impotência e raiva, conseguia verbalizar. A
pois recentemente sua referência comunicação, como aponta este
técnica (conceito que diz respeito ao exemplo, vai auxiliar no processo de
profissional que vai desenvolver inter-relação humana, que, quando
uma relação humana com o usuário, real, surge entre duas ou mais
construir seu projeto terapêutico pessoas através um contato
com sua família e se encarregar de psicológico (MINICUCCI, 2012).
ser o guardião e o elo de Nos estudos sobre psicologia
comunicação entre o usuário e o grupal, Osório (2003) ressalta as
serviço), havia saído do serviço, e observações de Lewin sobre a
esta era a única pessoa que comunicação. Lewin afirma que
conseguira estabelecer um vínculo quando um grupo fica
de confiança com o usuário. impossibilitado de evoluir, isto se
Este exemplo clínico, além de deve a bloqueios entre os
demonstrar o conceito de empatia integrantes em sua comunicação.
através da prática do viver em uma Comunicar, em sua essência,
equipe de saúde mental, também inclui o outro, seja outra pessoa do
aponta para outro conceito que diz lado de fora, ou guardado com
respeito ao fenômeno da vivência relacional entre ambos,
comunicação. dentro da memória de quem
Frente à comunicação da comunica, por exemplo, o usuário
percepção social do técnico de um do CAPS que, com a saída da técnica,
modo empático, a equipe conseguiu piora seu quadro clínico e que, pela
sensibilizar-se com o usuário e sair sua própria condição psíquica
da sensação de impotência e do fragilizada, ficou impossibilitado de
sentimento de raiva que o quadro estabelecer uma comunicação com o
evocava. Conseguiram perceber o que havia vivido no contexto
que o usuário estava vivendo a partir interacional entre a técnica e ele.
da perda do único vínculo humano Apesar disso, lhe possibilitou uma
que estabelecera dentro da experiência de relação humana
instituição, e, diante de tal nova, tranquila e sem agressões.
percepção, a equipe assumiu outra Esta memória relacional não pôde

30
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

ser resgatada pelo próprio paciente O processo de comunicação


no momento em que a técnica foi traz a possibilidade de
embora, e nem comunicada a ele. Da aprendizagem, tanto quanto as
experiência vivida restou somente a experiências emocionais novas. Nos
separação e o abandono, e frente a dois casos, pode ocorrer um efeito
estes eventos ele recorreu a suas reparador e, muitas vezes, salutar
relações anteriores e permeadas por para o ser através da vivência
vínculos humanos agressivos e emocional nova.
ambivalentes. Segundo Rivière (2012), as
O processo de comunicação dificuldades ou as resistências que
inclui, necessariamente, a noção de os pacientes apresentam para
vínculo, como nos mostra Rivière melhorar seu quadro clínico estão
(2012), é sempre um vínculo social, ligadas às perturbações frente ao
acontece dentro de um contexto processo de aprendizagem e
relacional, mesmo sendo com uma dificuldades com o novo. Diante do
única pessoa, através da relação medo do novo, podem surgir
pessoal se reproduz uma trajetória repetições de comportamentos
histórica de vínculos determinados e padronizados e estereotipados.
experienciados. Por esta razão, o O emissor de uma
vínculo se relaciona posteriormente comunicação espera ser
no decorrer do desenvolvimento compreendido e, no geral, toda
humano com a noção de papéis, de comunicação diz algo além do que é
status e de comunicação. O paciente, verbalizado, portanto, não é verbal,
neste caso, estava comunicando seus além de ser inédito. Para que uma
sentimentos e revivendo o papel que comunicação ocorra é necessário
provavelmente ocupava frente à sua que exista um emissor da mensagem
família, o de doente psiquiátrico e um receptor.
agressivo. Osório (2003) aponta que o
A aprendizagem de um novo psicólogo Lewin, considerado um
papel ainda não havia se dos pioneiros nas pesquisas sobre
consolidada, apesar do olhar novo dinâmica de grupo, denota que a
sobre ele oferecido por meio do integração de um grupo se dá
tratamento e de novas constituições através da autenticidade das
vinculares. Ele estava apenas comunicações e que tal
repetindo o que já conhecia, autenticidade pode ser aprendida
impossibilitando uma nova através do grupo.
aprendizagem. A comunicação, quando se

31
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

manifesta de forma autêntica e que é escutado, pode estar ligado


clara, sem ruídos e sem bloqueios, com determinantes não
permite maior sensibilização nas considerados. No mundo interno, ou
relações interpessoais e favorece o subjetivo, o ser humano pode filtrar
trabalho em equipe. e alterar as informações de acordo
O próprio Lewin, ainda com suas vivências passadas e seus
segundo Osório (2003), em seu estados da mente ou ainda de acordo
grupo de trabalho, observou que as com o contexto grupal o qual está
pesquisas não avançavam em inserido no momento da
decorrência de bloqueios que transmissão da comunicação.
existiam na comunicação entre sua A percepção da comunicação
equipe. pode acontecer de modos muito
A comunicação é um processo diferentes, dependendo de quem
dinâmico no qual as partes recebe a mensagem, não
interagem para um resultado final, correspondendo necessariamente
como mostra a figura do funil a ao que o emissor está transmitindo.
seguir: As percepções das mensagens
verbais, por exemplo, podem estar
Figura 9. Processo de comunicação ligadas ao sentido que o indivíduo
vai dar às palavras, pois, para cada
ser, as palavras têm um significado
específico ligado às próprias
experiências vivenciais com
palavras determinadas.
Pelo exemplo, é possível
pensar em um dos problemas que
podem distorcer a comunicação, a
saber, os problemas relacionados à
semântica, ou seja, o sentido que é
dado às palavras.
Fonte. FONSECA, 2013 Às vezes, os conflitos surgem
por diferentes interpretações das
É importante observar o que mesmas palavras, quando as
não é dito e o que não é escutado em pessoas que estão em interação,
uma comunicação, como aponta desconsideram as diferenças
Fernandes (2003), pois, individuais, ou agem através de seus
usualmente, o que não é dito, ou o preconceitos.

32
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

Para melhorar o processo da


comunicação, Minicucci (2012) 3. Qual é a primeira experiência
aponta para a possibilidade de de relação humana?
aprendizagem e aperfeiçoamento ____________________
sobre a transmissão da mensagem ____________________
que se envia para a outra pessoa,
assim como com relação à percepção ____________________
frente às mensagens que são ____________________
recebidas dentro de um processo da ____________________
comunicação humana.
A criatividade se faz
4. Quais são as necessidades que
importante ferramenta para este um ser humano apresenta
processo vivo e fluído que é a frente ao trabalho?
comunicação. ____________________
A seguir será abordado o ____________________
conceito de liderança, intimamente
ligado aos conceitos anteriores, e, ____________________
como já se apontou na primeira ____________________
unidade deste livro, inerente ao ____________________
desenvolvimento humano.

5. O que é empatia?
Exercício de Fixação ____________________

1. Cite alguns tipos de grupos. ____________________


____________________ ____________________
____________________ ____________________
____________________ ____________________
____________________
____________________

2. Defina o conceito de grupos.


____________________
____________________
____________________
____________________

33
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

3. Liderança e Relação Entre Líder e Liderados

Liderança e Relação entre uma maior reflexão e compreensão


Líder e Liderados sobre tais conceitos.
A liderança não é um
Atualmente, os conceitos fenômeno restrito a pessoas que
liderança, líder e liderados vêm ocupam um cargo de gestão ou
sendo muito ressaltados em poder, embora isso também ocorra,
decorrência da própria globalização. é uma oportunidade que todos os
As pessoas vêm atribuindo, seres podem ter de influenciar de
arbitrariamente, sentidos para a modo maduro e solidário outros
compreensão destas palavras seres humanos seguindo em
produzidos pelo senso comum. constante evolução.
Esta unidade pretende Segundo Minicucci (2012), o
ressaltar alguns autores que se conceito de liderança está
preocuparam em estudar os intimamente ligado ao de influência
conceitos descritos no parágrafo interpessoal, como já foi dito em
anterior, para possibilitar ao leitor unidades anteriores, interpessoal

35
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

diz respeito à relação entre as exercício da força sobre o grupo ou


pessoas, então, pode-se dizer que a uma pessoa. Segundo Cabral e Nick
liderança é um processo de (1989), o teórico Adler aponta que as
influência exercida em um contexto pessoas podem ser dominadas pelo
relacional entre as pessoas aonde complexo de poder, manifestação
ocorre uma afetação subjetiva. psicológica, que se trata de uma
A liderança é um processo necessidade imperiosa de ampliação
dinâmico que ocorre dentro de uma do eu ou ego, para que este último
equipe de trabalho ou de outras sinta-se estável e poderoso, através
formações grupais e pode-se alterar do domínio sobre outras pessoas ou
o papel do líder. do meio ambiente, mas também o
Nos dois exemplos clínicos meio intrapsíquico, ou seja, a pessoa
apontados neste material, a na relação com ela mesma. Este
liderança da equipe comportamento do homem adulto
multiprofissional frente à tarefa, trata-se de um reflexo dos
ficou localizada nas figuras da sentimentos de inferioridade do
enfermeira e do técnico de período infantil não superado,
enfermagem. Esses profissionais portanto, passível de tratamento ou
exerceram forte influência na equipe análise.
como um todo, através da O processo de liderança está
comunicação, todavia, este papel de intimamente ligado à relação
líder, poderia ser exercido por estabelecida entre os líderes, os
outros profissionais em outra liderados e a situação. Liderança
situação. pode ser considerada, o exercício da
É importante ressaltar a comunicação, através da qual,
diferença entre liderança e poder, ocorre o processo da influência
Minicucci (2012) aponta para tal interpessoal frente a uma situação e
aspecto ao demonstrar que o diante de um objetivo a ser atingido,
indivíduo pode ter poder, mas não segundo Minicucci (2012).
ser reconhecido por outras pessoas Frente às diferentes
como líder, exercendo pressão movimentações que ocorrem dentro
social, uso da força, coerção moral, de um grupo, seja ele de trabalho ou
entre outros, mas não ter nenhuma não, o líder tem necessidade de ser
influência interpessoal e sim poder flexível diante das mudanças, para
situacional. O poder pode ser poder se adaptar melhor à situação
entendido como o alcance dos e, assim, resolvê-las.
objetivos de um líder mediante o A comunicação faz parte dos

36
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

recursos utilizados por um líder para Ao retomar o estudioso da


exercer influência interpessoal, psicologia, Kurtin Lewin (in p. 25,
retomando a unidade anterior. A Osório, C. L. 2003), nota-se que
comunicação é um processo que através dos estudos de dinâmica de
inclui o outro e, quando eficaz, pode grupo e comunicação,
produzir um líder eficaz no que diz naturalmente, ele se aproximou do
respeito a exercer a influência e não fenômeno da liderança. Diante de
o poder. suas pesquisas, conclui-se que a
Ao exercer a influência frente à integração em um grupo se deve, em
determinada situação, o líder, partes, à possibilidade do exercício
naturalmente, atinge seu objetivo ou da autenticidade das comunicações
meta através da comunicação e não em um contexto interacional.
do exercício da força. Seguindo em seus avanços
científicos, também observa os
Figura 10. Processo de Liderança fenômenos da autoridade e dos
estilos de liderança que surgem em
seus grupos de estudo. O autor
citado descreve três estilos
prioritários de liderar, o líder
autocrático, o Laissez-faire e o
democrático.
A seguir, no quadro, veremos
os três estilos de liderança descritos
por Lewin:

Figura 11. Estilos de liderança


Fonte. FONSECA, 2013

Os conceitos demonstrados na
figura estão interligados e produzem
resultados frente às metas.
O desempenho eficaz de um
bom líder está relacionado à sua
sensibilidade e flexibilidade, assim
como um bom desempenho de Fonte. Adaptado de OSÓRIO, 2003
gestão situacional (MINICUCCI,
2012). Na teoria apresentada,

37
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

dependendo do estilo de liderança, comportamentos persistentes de


as relações entre líderes e liderados uma pessoa que aparecem em
adquirirão diferentes formatos e situações diversas e as suas
diferentes ênfases serão dadas aos características pessoais como, por
papéis assumidos pelas pessoas no exemplo, seus traços físicos e
contexto grupal. Vale a pena psicológicos.
lembrar que Chiavenato (2005), Na teoria situacional de
aponta para as diferentes ênfases liderança, diante das diferentes
que são dadas nos diferentes estilos situações, um líder pode alternar seu
de liderança. No estilo autocrático a estilo de liderança para melhor se
ênfase é dada ao papel do líder, no adaptar e realizar a tarefa, este
estilo democrático a ênfase é dada ao movimento vai depender das
papel do líder e aos liderados ou características de sua personalidade.
subordinados, já no estilo liberal a Vale à pena lembrar, como exemplo,
ênfase é dada totalmente ao papel do que quando o líder funciona
liderados ou subordinados. psiquicamente de acordo com o
Além da teoria sobre os estilos conceito de complexo de poder, suas
de liderança, existem, também, atitudes serão controladoras,
outras abordagens teóricas sobre o inflexíveis e autoritárias.
mesmo conceito, dentre elas As teorias sobre liderança
destacam-se as teorias de liderança situacional revelam que o líder e os
que dizem respeito aos traços de liderados possuem necessidades a
personalidade de um líder, ou seja, serem satisfeitas e que estas são
as características marcantes de sua importantes ingredientes no
personalidade e as teorias contexto interacional de um grupo
situacionais de liderança, que dizem (MARQUIS; HUSTON, 2005).
respeito às adequações dos As relações humanas
comportamentos de um líder frente estabelecidas entre líderes e
às diferentes circunstâncias das liderados influenciarão diretamente
situações e dos liderados as necessidades e motivações de um
(CHIAVENATO, 2005). grupo.
As teorias sobre os traços de
personalidade de um líder dizem Motivação
respeito a quem o líder é, enquanto
ser humano. A motivação é um fenômeno
Os traços de personalidade importante a ser considerado na
dizem respeito a certos padrões de dinâmica das relações humanas e da

38
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

liderança a seguir serão


apresentados alguns autores e suas
abordagens teóricas que apontam [...] atividade persistente do
organismo que planeja, por
considerações sobre o tema.
meio da aprendizagem e da
Por motivação se compreende comunicação, o
um conjunto de fatores complexos comportamento dirigido a
satisfazer suas necessidades.
inconscientes e conscientes que Certas formas de motivação
determinam um comportamento incluem também os estados
que pode ser pessoal ou social, internos que acompanham a
emoção. As tensões que surgem
contínuo, persistente e dirigido para da ira, do ódio e do medo levam
uma recompensa e com uma o indivíduo a protagonizar
finalidade ou objetivo (CABRAL e condutas que lhe produzirão
alivio. Os estados emocionais
NICK, 2005). agem de modo entrelaçado, em
Pode-se entender motivação conflitos ou sem eles, sendo que
como um aspecto originado de o resultado dessa inter-relação
dialética é uma gama de
dentro do ser humano, ou seja, um condutas significativas e
aspecto subjetivo, e que tem variáveis.
correspondência com suas
necessidades, sejam elas conscientes Partindo do ponto de vista de
ou inconscientes, e que levam o ser a Riviere (2000), as motivações
um comportamento ou ação. também estão ligadas aos
Segundo Rivière (2000), as sentimentos.
motivações são forças que dirigem o Pode-se pensar, então, a partir
ser humano para um dessa conceituação, em alguns
comportamento e, através da análise exemplos históricos de seres
das motivações, ocorre uma humanos altamente motivados pelo
compreensão maior e abertura para sentimento do amor e a grande
a possibilidade de intervenções e contribuição que trouxeram para a
ações sobre o indivíduo, ele ainda humanidade, como Madre Teresa de
ressalta que as necessidades Calcutá, Gandhi, Martin Luther
motivantes não se limitam às King e outros que simplesmente
básicas de subsistência e seus efeitos eram motivados pelo amor e suas
são variados. ações e estilos de liderança,
A motivação para Rivière tornaram-se provas vivas disto.
(2000, s/p.) é descrita como: Os comportamentos e ações
do homem são sempre frutos de
motivações e podem ser fontes de

39
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

motivação para outros. Os seres


humanos reagem aos estímulos, em As necessidades surgem a
consonância com sua constituição partir de estímulos que podem ser
biológica, suas emoções, com as suas intrínsecos ou extrínsecos ao ser,
condutas anteriores apreendidas e o estas vão gerar um nível de tensão
momento específico do aqui e agora que buscará o alívio, para que o
de seus processos psicológicos aparelho psíquico ou o corpo volte
internos, segundo Riviere (2000). ao seu estado de homeostase ou
Além das abordagens sobre equilíbrio anterior ao início da
motivação que levam em tensão.
consideração as emoções, existem Para que haja a satisfação das
outras que advêm em decorrência necessidades e consequente alívio
das teorias das Relações Humanas, das tensões originadas pelas
como sinaliza Chiavenato (2005), mesmas, o ser providenciará uma
ele ressalta, através destas teorias, a ação ou comportamento que trará o
existência de um ciclo motivacional equilíbrio do organismo até que
inter-relacionado com as ocorra novo estímulo ou incentivo.
necessidades. O problema nessa cadeia de
Na compreensão de ciclo motivacional surge quando o
Chiavenato (2005), as necessidades ser vivencia o impedimento do alívio
estão ligadas a um ciclo de etapas da tensão e, consequentemente, a
motivacional. vivencia de insatisfação frente às
necessidades.
Figura 12. Ciclo motivacional A frustração das necessidades
pode levar o homem a reações
generalizadas, tanto as
comportamentais como as
psicológicas e podem, também,
adoecer se a frustração tornar-se
prolongada e associada a
sentimentos de desesperança.
Outro importante conceito
associado às satisfações ou
insatisfações das necessidades é o de
moral.
A moral aqui é compreendida
Fonte. FONSECA, 2013 como um conjunto de atitudes

4
0
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

mentais ligadas ao grau de Ao falar sobre ética,


satisfação ou insatisfações das naturalmente, remete-se ao ser
necessidades individuais, trata-se de humano, suas relações com outros
um estado de espírito, um conceito seres humanos e com o meio o qual
abstrato, entretanto, perceptível. vive.
Os níveis de moral estão Através do exercício da ética,
intimamente associados às atitudes as relações humanas tornam-se
que o homem pode manifestar saudáveis, cria-se um ambiente
frente ao grupo e a ele próprio solidário, construtivo, rico em
(CHIAVENATO, 2005), por aprendizagem e crescimento para
exemplo, um membro da equipe de todos.
saúde pode ter seu nível de moral Esta temática é antiga, porém,
extremante afetado, caso seja extremamente contemporânea e
tratado com insistência frente às trata de um recurso indispensável
suas observações técnicas, com para a vida em sociedade.
descaso. Não tendo sua necessidade Tanto em um contexto
de reconhecimento atendida, tal familiar quanto de trabalho, a ética
situação pode levar a pessoa a ter permeia ou não as relações, não se
atitudes agressivas diante de todos pode pensar que há o exercício da
os outros membros da equipe, ética quando, por exemplo, na
demonstrando o nível de moral relação entre líder e liderados, existe
baixo, decorrente da insatisfação de assédio moral, ou quando em uma
suas necessidades sociais. família ocorre a desvalorização de
A seguir, no próximo item um dos membros através de
deste capitulo, outro importante escárnios ou gozações contínuas, ou,
conceito será abordado, conceito ainda, quando em uma equipe de
fundamental para se pensar sobre a saúde um de seus membros tem sua
posição que o ser humano ocupa subjetividade ignorada através do
frente aos outros seres humanos no não reconhecimento de suas
contemporâneo, este conceito, a percepções técnicas e humanas.
saber, é o da ética nas relações Para que o conceito seja
humanas. melhor compreendido e aplicado à
prática do dia a dia, se faz necessária
A Ética nas Relações uma busca histórica desde a origem
da palavra e seus sentidos até sua
Humanas atual compreensão nos dias de hoje.
Para esclarecer o significado da

41
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

palavra “ethos”, em grego, Boff necessidade de humanização do ser,


(1999, p. 195) apresenta no glossário está em ligação processual e
de sua obra o que veremos a seguir: dinâmica com a moral. Esta última
constrói-se também, assim como
Ethos: em grego significa a ethos, com o tempo, e suas
toca do animal ou a casa
características estão intimamente
humana; conjunto de
princípios que regem, ligadas à época de seu surgimento.
transculturalmente, o Assim, cada época tem seus
comportamento humano para
que seja realmente humano no
preceitos morais distintos e cabe à
sentido de ser consciente, livre ética poder exercer uma análise dos
e responsável; o ethos constrói mesmos.
pessoalesocialmente o habitat
humano; veja moral.
Ao recorrer ao dicionário de
Ferreira (2005, pp. 383-563),
No que se refere ao significado encontram-se os seguintes
do termo moral, que tem sua origem significados para as palavras ética e
no latim “mores”, Boff (1999, p. 197) moral: “Ética [...] 1. Estudo dos
mostra da seguinte forma: juízos de apreciação referentes à
conduta humana, do ponto de vista
Moral: formas concretas pelas do bem e do mal. 2. Conjunto de
quais o ethos se normas e princípios que norteiam a
historiza; as morais são
diferentes por causa das
boa conduta do ser humano”. E para
culturas e dos tempos o conceito de moral: “Moral [...] 1.
históricos diferentes. Mas todas Conjunto de regras ou hábitos
as morais remetem ao ethos do
humano fundamental que é um julgados váli dos, quer
só. universalmente, quer para um grupo
ou pessoa determinada. [....]”
Nesta apresentação de Boff Pode-se perceber, novamente,
(1999), a palavra ethos e a palavra o entrelaçamento dos conceitos de
moral apresentam-se em íntima ética e moral, desde sua origem
associação, um conceito contendo o etimológica até os significados
outro, embora suas origens sejam referentes às palavras nos dias
diferentes, elas se encontram em seu atuais. Também é importante
significado. ressaltar que estes conceitos são
Pode-se pensar que este construídos desde sempre a partir
conjunto de comportamento das relações humanas que surgem
humano, ethos, que basicamente diz em um coletivo em uma
respeito à consciência da determinada sociedade.

42
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

O termo moral e o termo ética, filosofia, ou da história da filosofia, é


assim como o ser humano, vêm também um ramo da antropologia e
sofrendo algumas mudanças no da sociologia, embora
sentido que lhes são dados de acordo o objeto de estudos da própria ética,
com a época histórica, portanto, o enquanto disciplina filosófica, sejam
sentido atribuído na Idade Antiga os sistemas morais, sua história
para os filósofos gregos era diferente praticamente se inicia com a história
do atribuído na Idade Média pela da filosofia grega, no que diz
filosofia cristã, por se tratarem de respeito ao Ocidente, não se pode
coletivos que se constituíram com dizer o mesmo para o Oriente
preceitos e valores distintos. (MORA, 2001).
A ética é um importante A ética traz, através do seu
instrumento de análise da moral. A exercício, problemas a serem
moral é entendida como um contemplados que também variam
conjunto de normas e valores de acordo com a época, mas se
produzidos e estabelecidos de assemelham no que diz respeito às
acordo com a época humana em questões levantadas a respeito dos
uma determinada sociedade. A valores e condutas morais vigentes e
moral sem ética pode se tornar uma o que o ser humano deve fazer frente
moral cuja opressão do ser humano a eles.
seja um exercício constante. Cabem Os problemas, os quais os
à ética a avaliação e o estudo crítico estudiosos da ética humana vêm se
da moral de uma determinada debruçando, dizem respeito às
sociedade para que o fator humano questões humanas, como as noções
possa ser essencialmente de felicidade, de caráter e de virtude.
contemplado. No contemporâneo alguns
A história da ética é filósofos, como Boff (1999), vêm
intimamente ligada à história da ressaltando a importância de uma
filosofia, ela é entendida como uma nova ética fundada sob a ótica do
disciplina filosófica, enquanto as cuidado, o qual diz respeito à
ideias morais da humanidade essência do ser humano que
podem ser estudadas em um necessita de atenção em tudo o que
contexto mais amplo. Desde a Pré- faz, pois se não houver, tudo pode se
História até os dias de hoje as perder. Isso diz respeito a várias
sociedades sempre tiveram normas dimensões, por exemplo, o cuidado
que regularam a conduta humana, com o planeta, com seu nicho
este estudo não advém somente da ecológico, a construção de uma

43
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

sociedade sustentável, cuidado com Lideranças na Saúde


o outro, com os pobres, oprimidos e Coletiva e Individual
excluídos, com o próprio corpo, na
saúde e na doença, cuidado com a A temática sobre a liderança
cura integral do ser humano, que diz vem sendo estudada em vários
respeito ao corpo, a alma e ao contextos na atualidade no que diz
espírito, incluindo o momento da respeito às organizações ou
morte. instituições privadas, sejam elas de
Enfim, colocar a ética do saúde ou não, por se tratar de um
cuidado em evidência remete ao conceito que evolui com as épocas,
ser vivo e suas relações pode-se considerar que, a partir do
interpessoais, ao meio em que advento do Sistema Único de Saúde
habita, aos grupos dos quais faz (SUS), em 1988, este conceito se
parte, enfim, tudo o que vive precisa mostra, também, presente como
de cuidado para continuar a existir. importante ferramenta no processo
de mudança nas organizações de
Figura 13. Relações interpessoais saúde pública e aponta para a
necessidade de ser estudado e
compreendida frente a esta
realidade (MACHADO; LIMA,
2010).
Neste item, o tema sobre a
liderança na saúde coletiva e
individual será abordado através das
práticas na saúde pública,
especificamente através de alguns
Fonte. https://www.pexels.com/
dos princípios do SUS.
No que diz respeito ao
A seguir será abordado o tema
conceito de liderança, como descrito
liderança na saúde coletiva e saúde
nas unidades anteriores, é
individual, sem perder o ponto de
importante recordar que ele está
vista da ética do cuidado, pois ao
relacionado inicialmente ao
falar sobre liderança e saúde,
contexto sócio-histórico, portanto,
naturalmente, se está falando de
sujeito a alterações de acordo com a
seres humanos que se relacionam
evolução humana.
entre si e necessitam de algum tipo
Este conceito diz também da
de atenção.
capacidade de influenciar outras

4
4
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

pessoas diante de uma determinada procedimentos voltados para tal


situação, assim, pode estar condição clínica e, naturalmente,
relacionado à figura de um gestor, restabelece o equilíbrio da sua saúde
mas isto não é uma regra. Outro individual, mas ao ampliar a escuta,
membro de uma equipe de trabalho o médico resolve perguntar para o
pode exercer maior influência sobre paciente se este relaciona sua
o grupo do que o gestor, e assumir o doença com alguma situação de sua
papel de liderança sem ocupar um vida, ao ser indagado, o mesmo
cargo de poder. É importante relata considerar o seu ambiente de
retomar, também, o conceito sobre trabalho estressante e agressivo, e
os estilos de lideranças que vão estar acrescenta que outros trabalhadores
altamente ligados à aceitação do estão sendo afetados e vêm
líder enquanto tal. Um gestor adoecendo constantemente. A partir
autoritário, por exemplo, pode não deste exemplo, o problema deixa de
conseguir influenciar um grupo ser individual e torna-se coletivo,
diante de uma determinada pois um mesmo ambiente de
situação, e, assim, não atingir suas trabalho vem afetando a saúde de
metas frente a uma determinada trabalhadores que o constituem.
tarefa, ele pode exercer poder, mas Na saúde coletiva o interesse é
não liderança real. pelo público, tem como
Por saúde coletiva, compreensão a noção de homem
compreende-se um campo de saber integrada, consideram-se as várias
e de práticas, ligadas à compreensão dimensões do ser, biopsicossocial,
da doença como um fenômeno ambiental e histórica. A meta é
social, que estão relacionadas com o atingir a saúde como um todo, e suas
coletivo e não somente com um intervenções buscam atender ao
indivíduo isolado, mas cabe coletivo, e não um indivíduo
ressaltar que os coletivos contêm o somente. Tem como campo de
individual. atuação a promoção, prevenção e
Por saúde individual pode-se tratamento das doenças (PAIVA,
pensar em procedimentos clínicos 2006).
voltados para o tratamento Com relação à saúde
especifico de um ser, mas que têm individual, Paiva (2006) aponta que
uma relação dialética com a saúde ela pode ser exercida tanto em
coletiva e vice-versa, por exemplo, instituições públicas quanto
um paciente que se encontra com privadas, trata-se de entender a
sintomas de asma recebe os doença como algo que surge,

45
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

individualmente, a parte do processo saúde-doença, considerar


contexto sócio-histórico, e da as diferenças de cada um, assim
própria história subjetiva do ser, a como os valores e as necessidades
busca é por uma medicalização que fazem parte de cada ser. Estas
curativa da vida sem a devida diferenças também dizem respeito
compreensão dos fatores citados. aos saberes de cada disciplina, os
Este é um modo de observar a saberes da prática, os saberes
saúde individual, mas como no humanos e as diferentes
exemplo, esta prática também pode subjetividades que também fazem
ser exercida com uma escuta parte deste processo.
ampliada, considerando a dimensão Os valores que estão
subjetiva do ser, rumo a uma prática subentendidos neste exercício de
integradora, e isto vai depender da liderança ou gestão traduzem se em
posição que o cuidador resolva exercícios de humanização.
assumir diante do ser que sofre. Segundo a Cartilha de Clínica
O Ministério de Saúde cria, Ampliada do Ministério da Saúde
através da política nacional de (2004), tais valores dizem respeito à
humanização (PNH), o Humaniza autonomia e ao protagonismo de
SUS. Tal programa naturalmente todos os envolvidos no processo
impõe mudanças humanas com saúde-doença, a corresponsabili-
respeito à gestão, e tais mudanças dade entre eles, o estabelecimento
trazem importantes considerações a de vínculos solidários, a
respeito do papel de liderança a ser participação coletiva no processo de
exercido frente ao SUS e seu alcance gestão por parte dos trabalhadores e
na saúde coletiva. usuários e a indissociabilidade entre
O Ministério da Saúde, através atenção e gestão.
deste programa, preconiza a Diante desta nova forma de
participação integrada dos gestores, gestão proposta, compete aos
trabalhadores e usuários na gestores um novo modo de
formação sólida do SUS, assim como desempenhar este papel frente a
os atendimentos com qualidade esta organização de trabalho, mas
(MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2004). também compete a trabalhadores e
A liderança na saúde coletiva usuários a participação ativa neste
que vem sendo exercida através da processo saúde-doença, e neste
saúde pública tem por orientações sentido o papel de liderança pode
centrar-se na valorização dos ser exercido por outros atores
sujeitos que estão ligados ao sociais e não somente pelo gestor.

46
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

Um dos princípios fundantes deparar com profissionais


do SUS diz respeito à desmotivados e sem muito incentivo
democratização e a descentralização para desenvolver vínculo humano
do poder para os municípios, e, para com os usuários, assim como pode
que isto pudesse ser efetivado, também favorecer o surgimento de
criaram-se os conselhos Nacionais queixas constantes dos usuários na
Estaduais, Municipais e as medida em que estes não se sentem
Conferências de Saúde, oferecendo a acolhidos diante das manifestações
possibilidade de maior participação de seus sofrimentos.
e controle popular para todos os Outro importante conceito
envolvidos, tanto trabalhadores para se pensar em liderança na
como usuários e gestores saúde, diz respeito à Gestão
(MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2004). Participativa, que inclui o processo
Neste sentido, pensar em de Cogestão. Por Cogestão, a
liderança na prática da saúde Cartilha do Ministério de Saúde
coletiva e individual, oferecida pela sobre Gestão Participativa e
saúde pública, inclui pensar em uma Cogestão (2004 p. 6), define:
liderança que busca uma prática
integrativa através do exercício de Cogestão é um modo de
administrar que inclui o pensar
uma clínica ampliada, pautada na
e o fazer coletivo, para que não
ética do cuidado e da humanização, haja excessos por parte dos
que possa ser solidária, diferentes corporativismos e
também como uma forma de
democrática, que possa oferecer controlar o estado e o governo.
para as pessoas que estão envolvidas É, por tanto, uma diretriz ética
no processo saúde-doença um e política que visa motivar e
educar trabalhadores.
tratamento digno, respeitoso, com
qualidade, com o exercício do
Este modelo proposto de
acolhimento e a construção de
gestão ressalta, especialmente, o
vínculos afetivos, e isto diz respeito
trabalho em equipe, através do
não só aos trabalhadores, mas
exercício de uma construção coletiva
também aos usuários. Para maior
em que todos participam como
compreensão destes conceitos,
atores sociais no planejamento, na
pode-se retornar aos capítulos
análise e execução de ações. Este
anteriores aonde a noção de vínculo
exercício é contemplado nos
humano foi explorada.
colegiados que têm como um de seus
Um gestor que não considera
objetivos garantir estas construções
estes fatores pode estar fadado a se
coletivas. Através deste modelo de

47
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

gestão, o papel de liderança pode ser ____________________


exercido de forma democrática por ____________________
todos os membros de uma equipe de ____________________
trabalho e não somente pelo gestor, ____________________
mas cabe a este último auxiliar o 3. O que é motivação?
grupo para que isto possa ocorrer. ____________________
Frente a estas estratégias que ____________________
fazem parte da política de ____________________
Humanização do SUS, percebe-se o ____________________
destaque dado para os aspectos ____________________
humanos deste coletivo que compõe
a saúde, do qual fazem parte as 4. Fale sobre o conceito de ética.
equipes de trabalho, os gestores, os ____________________
usuários etc. Naturalmente, estes ____________________
coletivos são compostos de seres ____________________
humanos com toda a sua ____________________
subjetividade inerente a eles, e que ____________________
estes conteúdos subjetivos vão se
manifestar em contextos grupais. 5. Fale sobre a ética do cuidado.
O próximo capítulo abordará ____________________
algumas estratégias que vão ____________________
possibilitar a análise destes ____________________
encontros intersubjetivos que ____________________
ocorrem dentro de um grupo ou de ____________________
atividades coletivas.

Exercícios de Fixação

1. O que é liderança?
____________________
____________________
____________________
____________________

2. Diferencie o conceito de poder


e liderança.

48
49
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

4. Análise de Situações Reais de Grupo por Meio das


Pesquisas, Jogos, Técnicas Grupos e Vivências

Hoje se vive em uma sociedade relacionar com o grupo, exercitando


em que muitas feridas na alma e no sua inteligência emocional, mas
corpo são abertas. também que possa se oferecer como
O que se tem de solução, tutor em seu processo de resiliência
embora o processo seja complexo, e de seus liderados.
encontra-se na própria capacidade Ao pensar nos profissionais de
de um ser humano se oferecer a saúde, os quais se deparam com o
outro como um tutor de resiliência. trágico todos os dias, torna-se
Um líder na atualidade precisa impossível não imaginar que, de
ter em mente que vai se deparar com algum modo, tais vivências não irão
pessoas as quais, naturalmente, vão afetá-los. Nesse sentido, o papel do
necessitar de um líder que possa se líder é extremamente importante

50
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

para o processo de superação de tais primeiras experiências grupais até


vivências. as adquiridas na idade adulta, o ser
As atividades coletivas está em constante processo de
auxiliam o desenvolvimento do ser construções vinculares e
humano em aspectos muito aprendizagem, portanto, é através
importantes, como será abordado destes encontros intersubjetivos
neste capítulo. entre os seres que estes fenômenos
Este capítulo pretende fazer acontecem (RIVIÈRE, 2012).
um recorte sobre algumas pesquisas Muitas vezes, estes encontros
e técnicas grupais que permitem intersubjetivos, que ocorrem nos
observar, analisar, compreender e grupos, podem ser salutares, outras
intervir em situações reais, nos vezes nem tanto, e apontam para
contextos grupais. Para tanto, torna- uma imprescindível intervenção,
se importante recordar que o ser neste caso, os estudos e pesquisas
humano é um ser social em sua sobre grupos tornam-se uma
essência, naturalmente, busca necessidade, assim como as
grupos dos quais possa fazer parte, estratégias e técnicas para melhor
pois nesses grupos outras pessoas análise e intervenções em situações
estarão presentes, com seus reais e humanas que acontecem nos
aspectos subjetivos. grupos.
Por aspectos subjetivos Os grupos que podem ser
compreende-se, segundo Cabral e auxiliados com tais técnicas são, por
Nick (1989 p. 370): exemplo, a família, os grupos de
trabalho dentro de uma instituição
SUBJETIVO – O que somente ou organização, grupos de usuários
existe em virtude de uma
dos serviços de saúde, os grupos
experiência psíquica ou mental
da pesssoa ou sujeito. O que é dentro de uma determinada
intrinsicamente inacessível à comunidade e outros. As técnicas
observação de mais de uma
pessoa e caracteriza, portanto, a
vão variar de acordo com o objetivo
experiência exclusiva de uma a que se propõe.
pessoa. Subjeitvo e sujeito são Os seres humanos estão em
antônimos de objetivos e
objeto.
constante processo mudança, apesar
das dificuldades que apresentam
As primeiras experiências frente ao novo. Estas mudanças que
subjetivas de um ser acontecem acontecem através do processo de
dentro do primeiro grupo que o ser aprendizagem sofrem interferência
faz parte, ou seja, a família. Desde as dos medos básicos, que se referem

51
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

ao medo da morte e do ataque, de desamparo e consequente


presentes desde a Pré-História, ora adoecimento do trabalhador.
manifestados de forma consciente, Outra importante área de
ora inconsciente. Ao se pensar em pesquisa a ser considerada para
análise de situações reais de grupos, analisar situações reais de grupos
não se pode esquecer esses padrões encontra-se no campo da saúde
de funcionamento psíquico, tão bem mental, através de levantamentos
descritos por Rivière (1998). sobre as doenças que mais
Com relação à análise de incapacitam no mundo, os estudos
situações reais de grupo por meio de apontam que, das dez mais
pesquisa, o campo é bem vasto nas incapacitantes, cinco se referem a
áreas da Política e do Marketing, que problemas da saúde mental, a
vêm usufruindo do método de depressão é responsável por 13%, o
pesquisa qualitativo para atingir alcoolismo por 7,1%, a esquizofrenia
seus eleitores e consumidores por 4%, o transtorno bipolar por
respectivamente. 3,3% e o transtorno obsessivo-
Felizmente, as pesquisas sobre compulsivo por 2,8%. Os
análise de situações reais de um transtornos mentais são
grupo não se limitam às áreas responsáveis por 12% das
citadas, mas aparecem no campo incapacitações por doença, em geral,
das pesquisas na saúde coletiva, e nos países desenvolvidos, este
saúde do trabalhador, saúde mental, número sobe para 23% (MURRAY,
epidemiologia e outros. LOPEZ, 1996).
Dentre as pesquisas que Como é possível observar, os
analisam as situações reais de um transtornos mentais atingem uma
grupo, está a da pesquisadora boa parcela da população, isto não é
Menezes (2012), que constatou, por coincidência, e sim um reflexo de
meio de um estudo de caso realizado uma série de eventos ligados a
com um grupo de trabalhadores em problemas individuais e coletivos.
uma fábrica de manequim, a estreita As doenças têm uma história e
relação entre a dinâmica psíquica cada época tem suas doenças. São
dos trabalhadores e a precarização vivenciadas de modos diferentes em
do trabalho. Aponta a precarização função da época em que ocorrem.
do trabalho que se manifesta através Existem diferenças entre os
de um contexto relacional de flagelos do passado (flagelos
servidão, como fonte de sofrimento coletivos) e as doenças (individuais)
psíquico, produção de sentimentos de hoje.

52
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

Existe uma ligação muito forte Quais os tipos de técnicas


entre o grau de desenvolvimento de grupais e vivenciais que
uma sociedade e o estado geral de contemplam a análise e intervenção
sua saúde. em situações reais de grupos?
Os estudos sobre saúde Sabe-se que as técnicas de
mental, em nosso momento grupo, neste momento da
contemporâneo, têm muito que humanidade, são extremamente
contar sobre os grupos humanos e as eficazes, não somente por atender
possibilidades de intervenções, pois um número maior de pessoas, mas
apesar de todo o avanço da medicina pela eficácia que a própria vivência
e o uso desenfreado de em grupo propicia, por meio do
medicamentos para curar a alma, ela exercício da solidariedade e
continua insistentemente a afetividade que, de um modo geral,
apresentar sua rebeldia, através de os grupos também podem oferecer
seu sofrimento, o qual, muitas vezes, para um sistema humano que tem
os remédios apresentam apenas adoecido por flagelos individuais,
uma eficácia simbólica e em um como as doenças psíquicas.
movimento refratário a alma é que As técnicas grupais e
insiste em não se render à vivenciais são utilizadas em uma
medicalização da vida. gama de situações que vão desde
As medicações com certeza instituições públicas até as privadas
têm sua eficácia e são necessárias na área da saúde, mas também na
para algumas situações, mas a educacional e empresarial.
questão aqui levantada diz respeito Para iniciar o assunto é
a seu uso exclusivo em detrimento necessário fazer alguns
das relações humanas, sendo que apontamentos, toda técnica grupal
estas últimas apresentam alta propicia uma vivência, então, neste
potência curativa através do próprio material, as técnicas grupais serão
encontro humano, como será compreendidas como vivências
levantado na próxima sessão desta grupais.
unidade. Podem-se dividir as técnicas
Ao pensar em grupos grupais da seguinte forma: a
humanos e análise de situações reais dinâmica de grupo, os grupos
através de técnicas grupais e operativos e os grupos terapêuticos.
vivenciais, após a explanação sobre A dinâmica de grupo é um
os transtornos mentais, algumas conjunto técnicas que dispõem de
perguntas podem surgir. recursos, que podem ser utilizados

53
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

em diferentes áreas e com respeito a situações que envolvem


finalidades diversas. Podem ser relações interpessoais,
utilizadas na área organizacional intrapessoais, afetivas e outras
com a finalidade de (FIGLIE; MELO; PAYA, 2004).
desenvolvimento pessoal, Por exemplo, um profissional
recrutamento e seleção, integração da psicologia que supervisionava
do grupo de trabalho, desligamento uma determinada equipe de saúde
de funcionário, e outros. Na do Programa de Saúde da Família
educação, pode ser utilizada como organizou alguns exercícios de
integração entre alunos e dinâmica de grupo que tinham como
professores, como grupos de objetivo melhorar as relações
prevenção a situações de risco e interpessoais dentro da equipe de
outros. Na área terapêutica pode ser profissionais do Programa de Saúde
utilizada como instrumento de da Família, isto foi feito por meio de
tratamento em abordagens dinâmicas que despertavam a
diferentes, mas, particularmente na solidariedade e o afeto entre os
abordagem psicodramática, é um mesmos. Naturalmente, o assunto
recurso fundamental através dos não fora tratado anteriormente de
jogos psicodramáticos (FIGLIE; forma direta, mas, através do
MELO; PAYA, 2004). exercício de dinâmica de grupo, tais
Este conjunto de técnicas, que sentimentos puderam se manifestar
dizem respeito às intervenções em e ser trabalhados para maior
dinâmica de grupo, é utilizado em integração do grupo.
diversos setores e sua flexibilidade Neste exemplo, as técnicas de
no uso, se deve em parte à sua dinâmica de grupo foram utilizadas
estratégia de criar situações focadas, por um profissional da psicologia,
por exemplo, brincadeiras, jogos, mas são técnicas que, por terem seus
exercícios, dramatizações e outros objetivos bem definidos e
com objetivos bem delineados a estratégias bem focadas, podem ser
serem atingidos. utilizadas por profissionais de
As dinâmicas de grupo, outras áreas. O mais importante a
embora tenham objetivos bem ser destacado a respeito dos
definidos, e estratégias focadas para exercícios de dinâmica de grupo não
a realização dos mesmos, são é quem vai aplicá-los, mas o seu
recursos que apresentam uma forma significado e sua finalidade, segundo
indireta de lidar com assuntos Fritzen (1989).
diversos e que, normalmente, dizem Portanto, existem exercícios

54
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

que despertam a solidariedade, Processo: A pessoa que vai aplicar


outros têm como objetivo despertar a dinâmica esclarece, que
o potencial humano adormecido, para haver maior esponteneidade
num grupo formado por
outros ainda se propõem a auxiliar pessoas que ainda não se conhecem
as pessoas a perceberem os existe uma oportunidade
movimentos do seu inconsciente, valiosa para se livrarem das
expectativas resultantes de suas
enfim, existe uma variedade grande identidades passadas, adotando
de técnicas para contemplar as novos nomes, concordando
relações humanas interpessoais e em não falar inicialmente, sobre
seus antecedentes, ocupa-
intrapessoais. ção, cidade onde nasceram, etc. Em
A seguir, dois quadros com alguns momentos, certas
profissões evocam certos
exemplos adaptados para este texto
comportamentos esteriotipados, os
de dinâmicas de grupo retiradas do quais despertam no grupo reações
livro de Fritzen (1989), que, segundo tambem esteriotipadas.
Ex: médico, enfermeiras, psicologo
o autor, têm como objetivo propiciar
e outros.
um maior conhecimento de si e dos
Processo: Os integrantes do grupo
outros, assim como, melhorar as antes de se conhecerem recebem no-
relações interpessoais, despertar os vos nomes, e vão ser conhecidos
sentimentos de solidariedade de apenas por este nome durante a di-
nâmica. A distribuição dos nomes
confiança e descobrimento entre as pode ser ao acaso, por escolha dos
pessoas integrantes de um grupo. integrantes do grupo em concordân-
cia com a pessoa que vai assumir o
Tabela 1. Modelo de Dinâmicas de nome, ou ainda, cada integrante es-
colhe o nome que for mais significa-
Grupo
tivo para ele. Pode acontecer de al-
Objetivo: diminuir o problema de guns participantes desejarem trocar
esteriótipos que sofrem as pessoas os nomes durante a dinâmica, assim
de um grupo e os preconceitos que como alguns desejarem retornar aos
por vezes estão associados a eles. seus próprios nomes revelando sua
Novos Nomes

identidade e querendo conhecer a


Tamanho do grupo: Qualquer de outro membro do grupo.
tamanho de grupo.
Fonte. Adaptação por Fonseca, 2013.
Material utilizado: Uma lista Modelo de dinâmica de grupo de Fri-
com nomes masculinos e femininos, ttzen, 1989.
se o grupo for misto.
Ambiente físico: Uma sala que
possa acomodar o grupo.

Tabela 2. Modelo de Dinâmica de

55
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

Grupo grupos que se propõem a


Objetivos: Oferecer a oportunidade intervenções em situações reais.
aos integrantes da dinâmica de fazer Os grupos operativos foram
um feedback da sua vida. Propiciar a descritos e criados por Pichon
expressão de vivências e sentimentos
ao grupo. Rivière (1998), e tem como
Tamanho do grupo: Oito a dez finalidade e objetivo a mobilização
Conhecimento Pessoal: Gráfico da vida

pessoas. Tempo: 35 minutos. de estruturas estereotipadas, nas


Material: Folhas de papel em branco,
caneta ou lápiz.
dificuldades de aprendizagem e
Ambiente: sala com carteira. comunicação, dificuldades ligadas
às ansiedades básicas que são
Processo: A pessoa que vai aplicar
a dinâmica incia com a explicação naturalmente despertadas frente às
dos objetivos da dinâmica, seguindo possibilidades de mudança,
com a distribuição do material. É expressas pelo medo da perda e do
solicitado para cada participante
traçar um linha com ângulos e ataque, que, em uma linguagem
curvas, os quais representem fatos psicanalítica, dizem respeito às
de sua vida, nos ultimos meses ou ansiedade depressiva e paranoide,
ano. O gráfico poderá expressar
sentimentos e vivências. respectivamente. Estas ansiedades
Após esta atividade cada membro do
emergem juntas e se alimentam
grupo irá fazer uma exposição do seu entre si, segundo o autor em um
gráfico para o grupo ressaltando os processo natural do ser humano,
aspéctos importantes. Ao terminar
esta troca, caminha-se para os
como reação ao novo, mas são
depoimentos e comentários entre os superadas através do processo
membros do grupo. aprendizagem que se faz pelo
Fonte. Modelo de dinâmica de grupo exercício da comunicação humana.
de Frittzen, 1989. Adaptação por Fon- Toda esta movimentação surge
seca, 2013.
frente a uma tarefa proposta pelo
grupo, que pode ser desde um grupo
Conhecimento Pessoal:
de aprendizagem até um grupo
Gráfico da Vida terapêutico, ambos se formam em
As dinâmicas de grupo podem torno de uma tarefa. No primeiro, a
também ser compreendidas como tarefa seria a aprendizagem em si,
grupos operativos como será no segundo, a tarefa proposta
apresentado a seguir. estaria ligada ao bem-estar dos
Os Grupos operativos têm integrantes, ou sua cura.
uma aplicação bem extensa, pode-se Os papéis, inicialmente, são
pensar que eles são uma espécie de fixos, mas mudam naturalmente
recipiente dos outros tipos de quando as lideranças funcionais

56
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

surgem. Por lideranças funcionais o modelo do cone invertido, que diz


autor entende como operativas, que respeito aos movimentos grupais,
são altamente eficazes e se por exemplo, aos processos de
constroem no aqui e agora, de afiliação grupal, pertinência,
acordo com a necessidade do grupo, comunicação, cooperação,
ou seja, qualquer integrante do aprendizagem e o contexto
grupo pode assumir o papel de emocional do grupo; os conceitos de
liderança. verticalidade, que diz respeito à
Os grupos podem ser história de cada integrante do grupo
homogêneos, ou heterogêneos, contemplada, a ideia de
verticais ou horizontais, primários horizontalidade que se expressa
ou secundários, mas à medida que através do aqui e agora do grupo; o
aumenta a homogeneidade de conceito de pré-tarefa, que diz dos
tarefa, o grupo pode apresentar sua movimentos grupais que surgem
heterogeneidade adquirida através antes da realização da tarefa, e que
de uma diferenciação progressiva e podem impedir uma ação realmente
acolhida dentro do contexto grupal nova, expressa na própria realização
(RIVIÈRI, 1998). da tarefa; os conceitos de
Esta teoria sobre grupos depositário, depositante e
operativos apresenta alguns depositado das ansiedades básica,
conceitos interessantes já expressos: ou medos básicos (ZIMERMAN,
O conceito de vínculo que aponta 2000).
para os personagens parentais, que Estes conceitos podem ser
podem surgir de forma inconsciente observados em movimentos de
dentro de um contexto grupal, os diferentes grupos, inclusive nas
integrantes podem repetir padrões grupoterapias.
de relacionamento adquiridos em O coordenador de grupos
suas relações familiares sem operativos tem como objetivo
perceber que estão diante de centrar na tarefa proposta, seja ela
relações novas, que demandam um de aprendizagem ou terapêutica.
novo modo de se relacionarem; o Outro modelo de intervenção
conceito de formação de papéis, que em situações reais de grupo são os
diz respeito aos lugares ocupados grupos terapêuticos, que podem ser
pelos integrantes, por exemplo, o do divididos em dois tipos, como
bode expiatório, o porta-voz, o identifica Zimerman (2000), os de
sabotador, o líder, que pode variar autoajuda e os de psicoterapia.
em sua expressão; o conceito de Os grupos de autoajuda

57
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

comumente são grupos que se teóricos e práticos, se aproximarem


formam por pessoas que tem em da cura dos problemas
comum algum tipo de sofrimento apresentados, sendo que a definição
que é reconhecido por quem integra de cura também pode variar de
o grupo, ou melhor, por quem sofre acordo com a abordagem teórica.
pela mesma razão. Tem seu início O que todas estas abordagens
marcado em 1935, com a formação apresentam em comum é a
dos alcoólicos anônimos, e é possibilidades de analisar e intervir
considerado uma das formas de em situações reais de grupos, no
intervenções grupais mais antigas auxílio dos que sofrem.
para quem sofre de dependência de Essa possibilidade é o que
álcool (FIGLIE; MELO; PAYA, anima e mantém viva a chama da
2004). esperança que a solução para o
Nesses grupos alguns fatores sofrimento humano está no próprio
parecem contribuir para seu sucesso encontro humano, e, um dos lugares
evidente, os integrantes se privilegiados para que isto possa
reconhecem como alguém que sofre, ocorrer são os contextos grupais.
recorrem sempre ao amparo grupal
e iniciam através do grupo um Desenvolvimento da
processo interno de autocura. Consciência Crítica e das
Eles surgem, inicialmente, Habilidades Interpessoais
através dos alcoólicos anônimos, Através das Atividades
mas seu modelo de funcionamento
Coletivas
vem sendo estendido para outros
campos, por exemplo, grupos de Ao iniciar esta unidade sobre o
diabéticos, grupos dos que amam tema do desenvolvimento da
demais e outros. consciência crítica humana e das
E, por fim, os grupos habilidades interpessoais através
psicoterápicos, estes podem se das atividades coletivas,
diferenciar, de acordo com suas naturalmente, se remete a temática
abordagens teóricas. das relações do ser com ele mesmo e
As abordagens podem ser de com outros seres humanos ou com
orientação psicanalítica, mundo ao seu redor.
psicodramática, sistêmica, O próprio desenvolvimento da
cognitivo-comportamental e outras. consciência crítica é condicionado
De um modo geral, elas têm como na dialética que se dá entre a
objetivo, através de seus construtos reflexão do ser sobre ele mesmo, que

58
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

propicia uma consciência de si, e a mesmo e dos outros, considerando


reflexão e atenção ao mundo externo as possíveis diferenças e
e consciência do outro. Portanto, semelhanças, os limites e os valores
esta consciência se desenvolve de uma pessoa ou sociedade, através
dentro de um contexto de relação de uma postura reflexiva, que pode
intrapessoal e interpessoal situados facilitar a diferenciação do que é
no mundo. moral ou ético.
As atividades coletivas são Esta consciência crítica se
espaços privilegiados, para esta desenvolve acompanhando o
bonita valsa do encontro entre o ser desenvolvimento individual do ser e
e o outro, possibilitando da humanidade, pois acompanha os
conhecimento de si e do outro. constantes movimentos evolutivos
Para maior compreensão do ser e do mundo. À medida que o
sobre o conceito de consciência ser evolui, ela também e se altera. É
crítica se faz necessário um processo intimamente ligado ao
compreender primeiramente o que é desenvolvimento do ser e do mundo.
consciência. Normalmente, este A consciência de si
termo está associado à capacidade desenvolve-se através de um
do ser humano de apreender a processo de atenção, concentração e
realidade através da capacidade reflexão dos estados internos e de
intelectual, mas o ser humano é suas manifestações, sejam elas
capaz de apreender a realidade intencionais ou não. A consciência
através de outras capacidades, por do outro se desenvolve através do
exemplo, dos sentidos, percepções processo da concentração da
conscientes e inconscientes, assim consciência e atenção no exterior, no
como através das emoções. mundo externo e no outro
A consciência crítica, então, se (COTRIM, pp. 42-45, 2008).
desenvolve junto com o Ambas as consciências
desenvolvimento do ser em um desenvolvem-se também através das
constante processo de manifestações humanas, como no
aprendizagem que acontece por primeiro caso, o ato de falar,
meio de sua vivência interna e com posicionar-se frente a algo, criar,
outros seres. afirmar, sofrer, inovar, ser feliz etc.
Essa atividade psíquica No segundo, o processo se dá através
permite aos seres que estejam no do encontro humano, do escutar o
mundo com algum conhecimento. outro, assimilar o que vem de fora,
Permite também a análise de si renovar, ou abrir para o novo.

59
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

A consciência de si, também as profissionais até as de lazer, entre


ocorre frente ao encontro humano, outras.
um exemplo claro disso é o processo Para finalizar a temática sobre
de psicoterapia, no qual o ser, consciência crítica, é importante
através de suas manifestações ressaltar a necessidade de um
verbais ou não, acolhidas pelo equilíbrio entre a consciência de si e
analista, pode fazer uma a do outro, pois o indivíduo que se
interlocução entre questões pessoais centra somente na consciência
e ele mesmo. alheia pode agir sem reflexão sobre
Ainda no que diz respeito à a autoconsciência e desenvolver
consciência do outro, é importante comportamentos grupais contrários
ressaltar a dimensão da alteridade, às suas concepções, assim como o
que, enquanto processo, trata-se ser que fica preso somente à
desta percepção do que é o outro, e consciência de si pode desenvolver
surge através do contato com o comportamentos narcisistas,
outro. Na psicologia, o conceito de submetendo outras pessoas a seus
alteridade diz respeito à concepção desejos sem respeito às diferenças.
que o ser tem sobre a diferença entre Outro conceito importante
ele e o outro, entre o ego e o outro para ser descrito nesta unidade diz
(Dicionário de psicologia, 1973). respeito ao conceito de inteligência
O mesmo conceito, oferecido emocional, o qual desembocará no
pelo dicionário de filosofia conceito de inteligência relacional.
(ABBAGNANO, 1998, pp. 34-35),
apresenta-se como a eminência do Inteligência Emocional
ser em ser o outro, colocar-se no
lugar do outro, constituir-se como o Ao falar sobre relações
outro. humanas e liderança ocorre uma
Para finalizar, alteridade trata aproximação do conceito de
da assimilação e compreensão do inteligência emocional, pois os seres
outro em toda sua dimensão humanos, antes de tudo, são seres
humana incluindo suas diferenças. emocionais. No passado, o conceito
Quanto maior for a consideração a de inteligência foi muito estudado e
respeito da alteridade, menor a a inteligência, nestes estudos, era
possibilidade de conflitos entre os considerada como uma função
seres e os grupos, e este exercício mental, intimamente ligada a outras
humano é possível frente a funções, tais como a percepção, o
atividades coletivas, que vão desde pensamento, a memória e o

60
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

raciocínio lógico (OSÓRIO, 2003). aspectos que eram ressaltados nas


No dicionário de psicologia, avaliações de inteligência,
encontra-se a definição da seguinte basicamente diziam respeito às
forma (CABRAL; NICK, 1989 pg. funções mentais de precisão e
193): rapidez na realização de cálculos
numéricos, de fluência e
INTELIGÊNCIA - Segundo o compreensão verbal, de velocidade
ponto de vista
da percepção ou da habilidade em
básico adotado pelos vários
autores que o definiram, em rememorar e da capacidade de
termos psicológicos, o conceito raciocínio (OSÓRIO, 2003).
de inteligência pode abranger
diferentes significados. (1)
Aparentemente, estes aspectos
Binet: “Tendência para adotar e identificavam o grau de inteligência
manter uma direção definida; disponível na mente do ser.
capacidade de fazer adaptações
com o intuito de alcançar uma
A partir deste ponto, nesta
determinada meta; poder e pequena introdução sobre o
autocrítica.” (2) Craparèd: conceito de inteligência, se torna
“Nível mental, considerado
globalmente.” (3) Burt: “Fator
importante o início da ampliação do
inato da atividades cognitivas” mesmo.
(4) J. Chaplin: “Capacidade de Todas essas funções mentais
resolver problemas frente a
novas situações. Capacidade de descritas sempre estiveram
utilizar efetivamente conceitos intimamente relacionadas com as
abstratos.” Estas definições não emoções, basta retomar as unidades
devem ser consideradas
independentemente umas das anteriores desta obra, as quais
outras; elas apenas enfatizam apontam para o ser humano
diferentes aspectos do enquanto um ser essencialmente
processo.
emocional e relacional.
Como se pôde observar trata- É fácil observar, por exemplo,
se de um processo global, que inclui que quando as pessoas estão
várias funções psíquicas e não é deprimidas, uma das primeiras
somente uma questão de cognição funções psíquicas a serem afetadas é
ou memória ou rapidez, mas algo a memória, assim como as pessoas
que auxilia o ser frente a situações que estão vivendo em ambientes
novas, nem todas as pessoas que são com muitos conflitos interpessoais,
rápidas em raciocínio, por exemplo, muitas vezes, não conseguem ter
lidam bem frente a situações agilidade perceptiva sobre o que está
emocionais novas. acontecendo, sendo necessário
Por um longo tempo, os alguém de fora intervir, pois este

61
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

último avalia a situação melhor por automotivação. Essas habilidades


não estar envolvido dizem respeito à identificação das
emocionalmente na mesma. próprias emoções no momento em
Os fatores emocionais estão que surgem, o manejo adequado das
relacionados com os cognitivos mesmas e o uso das mesmas para
desde sempre, na área da psicologia situações determinadas, ou frente a
tem um ditado de autor objetivos ou ainda realizações
desconhecido, que diz que, “criança pessoais.
feliz naturalmente vai bem na As outras duas dimensões
escola”. também tratam de aspectos
Nessa relação de importantes ligados à relação com
interdependência entre os afetos e a os outros ou relações interpessoais.
cognição, existe mais um Estes outros domínios são o
ingrediente importante, que diz reconhecimento de emoções em
respeito à consideração a ser feita outras pessoas e as habilidades em
sobre o ser humano, por ser ele um relacionamento interpessoal. O
ser biopsicossocial se torna reconhecimento das emoções no
necessário ressaltar outros aspectos outro se trata do exercício da
envolvidos no desenvolvimento da empatia, da capacidade de
inteligência, não mais somente a reconhecer e compreender os
capacidade cognitiva, mas também a sentimentos dos outros. As
emocional e relacional (OSÓRIO, habilidades em relacionamento
2003). interpessoal dizem respeito à
O autor Goleman (1995), em interação com outros seres
seu livro sobre inteligência humanos, através do uso de
emocional, ressalta vários aspectos competências interpessoais, que
desta função psíquica a serem nascem de uma disponibilidade para
considerados em sua dimensão. o encontro humano, mas também de
Listou cinco principais domínios a um esforço prático e teórico
serem observados no que diz realizado a partir das vivências
respeito as capacidades da grupais.
inteligência emocional, sendo que,
três delas estão ligadas a relação do
indivíduo com ele mesmo, ou seja, o
seu relacionamento intrapessoal.
Elas são o autoconhecimento
emocional, o controle emocional e a

62
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

Figura 14. Inteligência emocional mesmo.


Através de pesquisas
realizadas sobre as interações
precoces, muito se descobriu a
respeito das disposições inatas do
recém-nascido. Sabe-se que o bebê
nasce com um equipamento de base,
ou melhor, certa organização
neurológica e fisiológica sofisticada
e com uma gama de funções
perceptivas, dentre elas a percepção
visual, a auditiva e a olfativa, que o
tornam um parceiro singular em
Fonte. https://megamaeempreende ação de iniciativa e pronto para
dora.com.br/blog/como-a- interagir com a mãe em um contexto
reengenharia-emocional-pode- interpessoal.
ajuda-la-a-ser-uma-mae-
empreendedora/ Esta organização sofisticada
trata-se de um modo individual e
Por que pensar em um esforço, particular de ritmos estabelecidos
prático e teórico para desenvolver a através do sono e de descargas
competência interpessoal? motoras em interação com o
Pelo simples fato de que não se ambiente.
desenvolve tal inteligência através Estes ritmos e descargas são
do isolamento social, há estudos que diferentes para cada bebê, apontam
podem ajudar a compreender para a originalidade de cada um, por
melhor o ser humano e que podem exemplo, a figura da mãe para um
ser levados para a prática através do determinado bebê pode funcionar
exercício da vida em grupos. como estímulo pacificador frente às
Os grandes teóricos da descargas motoras provenientes do
psicologia, da psicanálise e da próprio organismo. Em outro bebê,
filosofia iniciaram esta incrível o estado de alerta pode ser alterado
jornada sobre o conhecimento do quando se vê diante de estímulos
ser humano há muito tempo, e seus nocivos, ele pode adormecer aos
trabalhos estão disponíveis para poucos, revelando deste modo a
todos que se interessarem em, capacidade de subtrair-se do
também, iniciar esta jornada de estímulo nocivo, ocorrendo uma
encontro com o outro e consigo atividade dinâmica de paraexcitação

63
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

(BRAZELTON, 1987). em um primeiro momento, através


Este exemplo de uso do estado do outro, mas, em um segundo
de vigília demonstra uma complexa momento, este mesmo bebê já
capacidade de o bebê organizar-se crescido e adulto pode vir a ser um
diante de um estímulo, uma agente do despertar humano, para
capacidade de se tranquilizar. Pode pessoas que em decorrência dos
ocorrer também uma reação traumas da vida se veem
diferente desta citada, dependendo encapsuladas em sua dor e
da originalidade do mesmo, ele pode impedidos de reabilitar sua
se expor ainda mais ao estímulo, competência emocional e relacional.
permanecendo acordado, como no A próxima sessão desta
caso das insônias precoces. unidade vai tratar sobre o conceito
Com relação às funções de resiliência, já introduzido
perceptivas, sabe-se que o bebê levemente no parágrafo anterior.
nasce preparado para receber os
estímulos vindos do adulto, Resiliência
discriminá-los e a respondê-los de
modo que a comunicação entre O termo Resiliência tem sua
ambos se estabeleça. origem na disciplina da física, trata-
Deste modo, o bebê não é se de uma capacidade de um
somente um reflexo do ambiente, ele determinado material que, após
vai, também, através da interação sofrer tensão, retorna a seu estado
com sua mãe, provocá-la de modo original, exemplos destas matérias
ativo para o início de um processo de são os utilizados pelos dentistas na
comunicação e aprendizagem entre fabricação de aparelhos
ambos. ortodônticos. Estes materiais
Este recorte teórico feito sobre acumulam energia quando
o funcionamento psíquico dos bebês submetidos ao estresse sem se
aponta para uma potencialidade romperem, após o período de
praticamente inata da inteligência exposição à tensão.
emocional e relacional, Esta terminologia, embora
neurologicamente, o ser nasce originalmente surgida na área de
pronto para manifestar-se de modo física, vem sendo utilizado e
espontâneo e habilitado para o adaptado para outras áreas do
encontro humano, tais conhecimento, como na psicologia,
potencialidades embrionárias ficam tornando-se um conceito
aguardando para serem despertadas psicológico aplicado aos indivíduos,

64
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

às famílias, às organizações e nas demandas que surgiram ligadas às


áreas sociais. mudanças socioculturais. Até então,
Por resiliência pode-se tais estudos eram ancorados na
entender que são processos de psicopatologia e se debruçavam nas
superação que os indivíduos questões referentes ao adoecimento
vivenciam após se depararem com do ser, havia pouco ou quase nada de
crises e adversidades (YUNES, material sobre aspectos ditos
2001). O conceito de resiliência saudáveis. O enfoque era o de
compreendido desta forma avaliação de riscos, centrado na
aproxima-se da compreensão que é doença e em fatores que poderiam
dada pelos pesquisados brasileiros e levar o ser humano a um prejuízo
de língua latina, portanto, um pouco social ou biológico.
diferente dos pesquisadores ingleses Nos estudos iniciais sobre
e americanos, como será apontado a resiliência, acreditava-se que certos
seguir. indivíduos eram invulneráveis às
Embora o termo resiliência situações traumáticas ou de risco.
fosse familiar nas disciplinas da Através de pesquisas com crianças
física e engenharia, o seu uso pelas foi observado que algumas delas,
ciências humanas é relativamente apesar de expostas a situações de
novo e adquire, com relação ao risco para o desenvolvimento
construto teórico sobre resiliência, normal, não adoeciam, eram
significados diferentes em praticamente invulneráveis aos
diferentes países nos quais vem riscos (BRANDÃO; MAHFOUD;
sendo pesquisado, variando de GIANORDOLI-NASCIMENTO,
acordo com a familiaridade com o 2011).
termo e o tempo. Tal distinção Estes estudos levaram à
torna-se importante na introdução observação de que certas crianças
desse tema para melhor possuíam algum grau de
compreensão. vulnerabilidade ou predisposição
Os estudos norte-americanos individual para não obterem sucesso
e ingleses sobre resiliência, ligados à no enfrentamento das situações de
área da psicologia, surgiram, risco, assim como uma disposição
inicialmente, no final da década de para o desenvolvimento de doenças
setenta e no início dos anos oitenta, psíquicas ou físicas frente aos
quando, neste período, ocorreram traumas, enquanto outras
mudanças de enfoque nas pesquisas apresentavam algumas
em psicologia, em consequência de características que as auxiliavam na

65
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

superação de situações de risco. Tais risco irão encontrar pessoas que não
estudos passaram a levantar quais estarão simplesmente paradas ou
seriam estas características. determinadas a danos permanentes,
Embora esses estudos iniciais mas vão reagir, superar e voltar a
praticamente descrevam viver, apesar do sofrer.
inicialmente crianças invencíveis, Outro pesquisador sobre
poucos pesquisadores fixaram resiliência, Sabbag (2012) aponta
somente nesta ideia, pois a ideia de que tal fenômeno humano diz
invencibilidade limitava as respeito a certa competência dos
pesquisas. seres ou de instituições que auxilia
No que diz respeito a um dos no enfrentamento das adversidades,
conceitos de resiliência atuais possibilitando inclusive, uma
utilizado na área da psicologia, a aprendizagem nova. Neste sentido,
American Psychological Association trata-se de um fenômeno humano
(APA, 2010) aponta a resiliência que pode ser desenvolvido e
como um processo no qual o ser melhorado, pois tal fenômeno se
consegue se adaptar a experiências apresenta como um processo de
muito complexas e difíceis com tomada de consciência das atitudes
eficácia, através do exercício de seus e habilidades ativadas no
recursos, como flexibilidade mental enfrentamento do sofrimento e uma
e emocional e manejo de demandas postura ativa frente à dor de
externas e psíquicas internas. resolutividade.
Neste conceito sobre Ainda nesta linha de
resiliência, observa-se que ocorre pensamento de Job (2003), através
uma mudança, o ser não é de seus estudos sobre resiliência em
exatamente invencível, mas é capaz instituições, conclui que tal
de processualmente acionar competência denota também, uma
recursos ou potências para superar postura ativa frente à situação
uma situação traumática. geradora de tensão ou sofrimento
A mudança de enfoque que em uma tentativa e desejo de
surge a partir destas décadas de resolver o problema.
pesquisas em resiliência, trata-se de Até este momento, as
uma mudança de paradigma que definições sobre o conceito de
levou os pesquisadores a mudarem resiliência baseiam-se nos estudos
do enfoque de riscos para o enfoque americanos e ingleses e dizem
de resiliência. O enfoque na respeito a competências que um
resiliência aponta que os fatores de indivíduo ou uma organização para

66
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

lidar com a adversidade. colaborativo entre si frente às


Estes estudos, embora alguns adversidades.
sejam atuais, seguem a linha de Os pesquisadores brasileiros e
raciocínio cujo conceito de de língua latina vão compreender o
resiliência diz respeito a uma conceito de resiliência de forma
capacidade de resistir aos problemas ampliada, para eles, resiliência
sem ser afetado, são pessoas que trata-se de uma possibilidade de
resistem ao estresse sem adoecerem recuperação, mas esta recuperação
e são auxiliados neste processo vai além de simplesmente
através de características recuperar-se de um dano, significa
individuais, tais como: uma superação do que se era. As
personalidades flexíveis, pesquisas que são realizadas a partir
sociabilidade, criatividade na desta concepção do conceito se
resolução dos problemas e senso de interessam por indivíduos
autonomia (YUNES, 2003). fragilizados frente às adversidades,
As pesquisas quantitativas tem como meta recuperá-los,
nesta abordagem do fenômeno fortalecê-los para que ocorra a
naturalizam a resiliência como uma superação do trauma (BRANDÃO;
capacidade humana e como um MAHFOUD; GIANORDOLI -
indicativo de vida saudável. NASCIMENTO, 2011).
Em seu artigo sobre Esses pesquisadores não
resiliência, Yunes (2003) aponta abandonaram completamente o
algumas características de famílias conceito de resiliência relacionado
resilientes, como as famílias que aos fenômenos de resistência ao
conseguem atribuir sentido às estresse, mas eles acrescentaram a
adversidades, olhando as este conceito a ideia de resiliência
positivamente, com certa como um processo de superação e
transcendência e espiritualidade. recuperação após situações
Apresentam também flexibilidade, traumáticas. Assim como muitas
coesão, recursos sociais e pesquisas americanas e inglesas,
econômicos com relação aos atualmente, se apoiam no conceito
padrões de organização. No que diz de resiliência tal como descrito.
respeito à comunicação nestas Pode-se pensar então que
famílias resilientes, ela é exercida resiliência são processos a serem
com clareza, e as emoções são cuidadosamente avaliados que
expressas abertamente, apresentam dizem respeito tanto a
também comportamento características individuais que uma

67
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

pessoa possa ter e que a auxiliem a este pesquisador inclui a fala, mas é
resistir as adversidades, ou ao necessária a espera do ser para que
estresse, quanto à condição ou ele consiga falar, pois, ao falar sobre
possibilidade de superação e o trauma, ele o revive e a ferida é
recuperação de pessoas que não sentida, mas, desta vez, para que ela
resistiram às adversidades e seja cicatrizada.
adoeceram. O resiliente tem guardado
Desta forma, o conceito torna- dentro de si vivências infantis
se mais realista e aplicável tanto em seguras que o auxiliam a receber a
indivíduos como em organizações, e mão estendida, mas Cyrulnik (2004)
a partir desta visão pode-se pensar afirma que mesmos os seres que
que todos, de alguma forma, podem foram privados de tais vivências
auxiliar no processo de resiliência de podem obtê-las mais tarde, porém,
pessoas que se encontram em lentamente, estas serão assimiladas.
adversidades através do simples Esta construção é possível, contanto
exercício da solidariedade. Pois, que o meio ofereça para os feridos
com a ampliação do conceito e das alguns tutores de resiliência.
pesquisas neste campo, outro termo Pessoas dispostas a escutar e acolher
importante surge que diz respeito o sofrimento do outro em um
aos tutores de resiliência. simples movimento de
O psicanalista Cyrulnik solidariedade.
(2004) trata do conceito como um Antes de finalizar esta obra,
processo, um conjunto de vale ressaltar que os feridos estão
fenômenos sincronizados que dizem em toda parte, nas famílias, nos
respeito à capacidade do ser de lutar grupos de trabalho, nas ruas e até
frente à adversidade, mas também mesmo nos grupos de lazer, assim
de uma abertura para receber uma como os tutores de resiliência em
mão estendida quando já se potencial, e, às vezes, como aponta
sucumbiu a dor, e esta pode vir do Cyrulnik (2004), uma simples
social através de uma professora, ou palavra ou expressão de um sorriso
um técnico de enfermagem em um serve de instrumento de resiliência
hospital, ou ainda através de um para quem foi ferido. Vale ressaltar
processo de psicoterapia, neste também que pensar em relações
sentido todos podem ser tutores da humanas e liderança também é
resiliência, da recuperação de lembrar que a solução para o ser
alguém que está em sofrimento. humano está no próprio humano e
O processo de resiliência para nesta incrível jornada que é este

68
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

encontro.

Figura 15. Resiliência 3. Como as técnicas grupais


podem ser divididas?
____________________
____________________
____________________
____________________
____________________

Fonte. http://ritmoexpansao.com. 4. O que é consciência crítica?


br/3-maneiras-de-desenvolver-resili-
encia/ ____________________
____________________
Exercícios de Fixação ____________________

1. O que são aspectos subjetivos? ____________________


____________________ ____________________
____________________
____________________ 5. Quais são as capacidades da
inteligência emocional?
____________________ ____________________
____________________ ____________________
____________________
2. Quais são os grupos que ____________________
podem se beneficiar com
estratégias grupais? ____________________
____________________
____________________
____________________
____________________
____________________

69
70
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

5. Referências Bibliográficas
ABBRAGNANO, N. Dicionário de dinâmica do bebe. Porto Alegre - RS:
filosofia. 3ª edição. São Paulo: Martins Editora Artes Médicas, 1987.
Fontes, 1998.
BONDER, N. A alma imoral. Rio de
ABRAM, J. A linguagem de Winnicott. Janeiro: Editora Rocco, 1998.
Dicionário das palavras e expressões
utilizadas por Donald W. Winnicott. Rio CABRAL, A.; NICK, E. Dicionário Técnico
de Janeiro. Editora Revinter, 2000. p. de Psicologia. São Paulo: Editora Pensa-
253-263. mento, 1989.

AMERICAN PSYCHOLOGICAL CAMPOS, G. W. Saúde pública e coletiva:


ASSOCIATION (APA). Dicionário de núcleo de saberes e práticas. Revista Soci-
Psicologia da APA. Porto Alegre: Editora edade e cultura, v.3, nº 1e2, jan/dez. 2000.
Artemed, 2010. p. 51-74.

ARANTES, M. A. A. C.; VIEIRA, M. J. F. CHIAVENATO, I. Introdução à teoria ge-


Estresse – Clínica Psicanalítica. 3ª edição. ral da administração. 6ª edição. Rio de
São Paulo: Editora Casa do Psicólogo, Janeiro: Editora Campus, 2000.
2010. (Coleção organizada por FERRAZ,
F. C.) CYRLNIK, B. Os patinhos feios. São Paulo:
Editora Martins Fontes, 2004.
ARIÈS, P.; DUBY G. História da vida
privada. Vol. I, II, III, IV, V. São Paulo: CORREA, B. R. C. (ORG.) Os avatares da
Editora Companhia das Letras, 2010. transmissão psíquica geracional. São
Paulo: Editora Escuta, 2000.
BARBOSA, L. R. Relação entre liderança,
motivação e qualidade da assistência de COTRIN, G. Fundamentos da filosofia -
enfermagem: uma revisão integrativa da História e grandes temas. 16ª edição. São
literatura. Paulo: Editora Saraiva, 2006.

Dissertação de mestrado. Universidade de DAVEL, E.; VERGANA, S. C. (ORGS.) Ges-


São Paulo. Ribeirão Preto (SP), 2007. tão com pessoas e subjetividade. 5ª edi-
ção. São Paulo: Editora Atlas, 2012.
BOFF, L. Saber cuidar: Ética do humano -
Compaixão pela terra. 16ª edição. DEJOURS, C. A loucura do trabalho. São
Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1999. Paulo: Editora Cortez, 1987.

BRANDÃO, J. M.; MAHFOUD, M.; A psicodinâmica do trabalho. São Paulo:


GIANORDOLI-NASCIMENTO, I.F. A Editora Atlas, 1994.
construção do conceito de resiliência em
psicologia: Discutindo as origens. Revista FERNANDES, W. J.; SVARTMAN, B.;
Padéia, vol. 21, nº49, maio – agosto, 2011. FERNANDES, B. S. & COL. Grupos e con-
Disponível em: www.scielo.br/padeia. figurações vinculares. Porto Alegre: Edi-
Acesso em 1 de setembro de 2013. tora Artmed, 2003.

BRAZELTON J. B.; CRAMER, B.; FERRY, L. A revolução do amor: por uma


KREISLER L.; SCHAPPI R.; SOULÉ M. A

71
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

espiritualidade laica. Rio de Janeiro: Edi- MINICUCCI, A. Relações Humanas: psi-


tora Objetiva, 2012. cologia das relações interpessoais. São
Paulo: Editora Atlas, 2012.
FERREIRA, A. B. H. Mini Aurélio – Dicio-
nário da língua portuguesa. Curitiba: 6ª MURRAY, C. L. & LOPEZ A. D. World
edição. Editora Positivo, 2005. p. 319; Health Organization. The Global Burden
250-602. of Disease. Ed. Geneva: Who, 1996.

FIGLE N. B.; MELO D. G.; PAYA R. Dinâ- MINISTÉRIO DA SÁUDE. Cartilha SUS –
micas de grupos aplicadas no tratamento Gestão Participativa e Co-Gestão. Brasília
da dependência química: manual teórico DF, 2004.
e prático. São Paulo: Editora Roca, 2004.
Cartilha SUS – Clinica Ampliada. Brasília
FRITIZEN S. J. Exercícios práticos de di- DF, 2004.
nâmica de grupo vol. I e II. Petrópolis, RJ:
12ª edição. Editora Vozes, 1989. MOURA, J. F. Dicionário de Filosofia. São
Paulo: Editora Martins Fontes, 2001.
GOLEMAN, D. Inteligência Emocional.
São Paulo: Editora Objetiva, 1995. OSÓRIO, L. C. Psicologia Grupal: Uma
nova disciplina para o advent de uma era.
GONÇALVES, C. C. Pequeno glossário de Porto Alegre: Editora Artemed, 2003.
termos das saúde pública. Disponível em:
http://www.mp.sc.gov.br/portal/web- PAIVA, S. M. A. Qualidade de assistência
forms/interna.aspx?se- hospitalar: avaliação da satisfação dos
cao_id=420&campo=4483. Último acesso usuários durante seu período de interna-
em 1 de setembro de ção. Tese de Doutorado. Universidade de
2013. São Paulo - Ribeirão Preto. 2006.

LAPLANCHE, J.; PONTALIS, J.-B. Voca- SABBAG, P. Y. Resiliência - Competência


bulário de psicanálise. São Paulo: Editora para enfrentar situações extraordinárias
Martins Fontes, 1988. na sua vida profissional. São Paulo: Edi-
tora Elsevies, 2012.
MACHADO, B. P.; LIMA, S.B.S. Liderança
de enfermeiros gerentes no contexto hos- SAMPAIO, G. P. As relações humanas a
pitalar: uma proposta de pesquisa quali- cada dia. São Paulo. Editora Nobel, 2000.
tativa. Biblioteca Lascasas, 2012; 8(2).
Disponível em http://www.index- Souza-Diaz, T. G. Considerações sobre o
f.com/lascasas/documentos/lc0645.php. psiquismo do feto. São Paulo. Editora Es-
cuta, 1999.
MARQUES, B. L.; HUSTON, C. J. Admi-
nistração e liderança na enfermagem: te- YUNES, M. A. A questão triplamente con-
oria e aplicação. 6ª ed. Porto Alegre: Edi- trovertida da resiliência em famílias de
tora Artmed, 2010. baixa renda. Tese de Doutorado. Pontifí-
cia Universidade Católica de São Paulo.
MENEZES, L. S. A. Psicanalise e saúde do São Paulo. 2001.
trabalhador: Nos rastros da precariza-
ção do trabalho. São Paulo: Editora Pri- Psicologia Positiva e Resiliência: O foco
mavera Editorial, 2012. no indivíduo e na família. Revista Psicolo-
gia em estudo, vol. 8, número especial, p.
75-84, 2003.

72
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

RIVIÈRE, E. P.; QUIROGA, A. P. Psicolo-


gia da vida cotidiana. São Paulo: Editora
Martins Fontes, 1998.

RIVIÈRE, E. P. O processo grupal. São


Paulo: Editora Martins Fontes, 1998.

Teoria do vínculo. 7ª ed. São Paulo: Edi-


tora Martins Fontes, 2007.

73
07
4