Você está na página 1de 3

Política

internacional

Professor António Manuel Lopes Tavares

1
O que é a política internacional?
Vimemos um tempo de novas alianças e de novos desafios, ou seja, estamos
num tempo de mudança. A seguir á seguida guerra mundial criou-se uma nova ordem
internacional. Esta nova ordem manteve-se estável entre 1945 e 1989, tínhamos uma
nova ordem internacional dividida em dois blocos, URSS e EUA. Mas já aqui começou a
emergir um bloco chamado dos não alineados que em 1955 a partir da conferencia de
Bangung na Indonésia. Estes não alineados eram a china, a Índia, o Egito – estados que
tem relevo na organização internacional. Vamos assistir aqui ao momento da
emancipação das colónias. A primeira colonia que se emancipou a seguir á segunda
guerra mundial foi a índia britânica que deu 2 países: a Índia e o Paquistão e depois o
Bangladesh que é uma sessão do Paquistão.
“A história repete-se sempre: primeiro como tragédia, depois como farsa” –
karl Marks. Isto significa que as pessoas não aprendem nada com a história, ou seja,
primeiro fazemos a tragédia com as guerras e depois repetimos essas guerras como
forma de diversão.
A a partir dos anos 60 encontramos os fim do domínio colonial, ou seja, o reino
unido e frança saem de africa e só la fica Portugal que foi fazer uma guerra que durou
13 anos e que acabou em 1974 na defesa de uma ideia de africa portuguesa. Neste
tempo os EUA e a URSS andaram a espalhar guerras pelo o mundo e por isso tínhamos
uma cortina de ferro que separava o dois blocos e que se simbolizava no murro de
Berlim. A cidade de Berlim na Alemanha foi ocupada pelas potencias vencedoras e foi
aqui que foi criada a ONU. Os membros permanentes da ONU têm o poder de veto.
Com a queda do muro de Berlim em novembro de 1989 abre-se a unificação da
Alemanha que trouxe um peso para a europa: a criação da moeda única, que levou ao
aprofundamento das relações políticas. O mundo que veio depois de 1989 é um
mundo onde vamos encontrar novos Países e muntos deles, saídos da URSS
caminharam para a europa.
A partir de 1989 com a guerra dos Balcãs passamos pela primeira vez a seguir á
guerra mundial a ter guerra na europa, que foi ultrapassada com a ajuda americana.
Deveremos começar a pensar num exército europeu porque, hoje em dia os
americanos têm sido desde primeira guerra mundial os grandes aliados da europa.
Monroe rompeu com a política de que os americanos tratam da América, mas quando
os americanos começam a ter grandes potencias começam a mandar os seus soldados
para outros sítios, o que leva a muitas mortes, fazendo com que a opinião publica
americana se sentisse revoltada.
Na ordem internacional deve ser mantido um equilíbrio do poder. Quem quer
a paz prepara a guerra. Se olharmos para hoje (2021) nem todos temos as mesmas
armas democráticas. Na china o presidente Chopin alterou a constituição como o
presidente Putin para se perpetuar no poder, mas numa democracia normal o
presidente apenas pode estar no poder pelo período de 2 mandatos (8 anos). A

2
rotatividade nos mandatos são mais acelerados do que por exemplo na China e na
Rússia. A perpetuação dos mandatos das presidências orientais fez com que se
acabasse a opinião publica, pois se o presidente tiver um adversário manda matá-lo, se
alguém o criticar manda prender, etc.
Em Portugal respeitamos a liberdade de expressão, mas será que isso é
vantajoso para a nossa sociedade? Isto é, quem nos virá defender se formos atacados?
Até que ponto estamos disponíveis para lutar pela nossa liberdade? Vamos ter que ter
um exercito europeu ou vamos deixar que a sociedade europeia mude as suas
cambiantes de referências?
A capacidade de procriação noutros Países é superior á europeia e á americana.
Por outro lado, na europa temos uma média de idade superior, mas isso significa mais
investimento na área da saúde, mais investimento na área social e mais apoio a idosos.
Quando olhamos para o mundo temos o problema nuclear. Numa altura em
que todos estão a falas nos problemas tecnológicos e nas alterações climáticas, temos
o problemas das armas nucleares.
As armas nucleares têm um equilíbrio muito precário e, quem tem sido o
arbitro nestas questões é os estados unidos. Os americanos decidiram vir embora do
Afeganistão porque a divida americana para financiar o esforço de guerra é gigantesca.
Na politica internacional temos algumas escolas de pensamento politico:
escolas liberais, escolas realistas e pessoas que pensaram nessas matérias.
Em 1973 houve um golpe militar no chile e o seu presidente foi afastado
porque Salvador Caliende estava a levar o chile para a esquerda e isso não era possível
porque já tínhamos tido a intervenção de Cuba em 1972, que motivou a maior guerra
depois da guerra fria.
A comunidade internacional reage segundo os interesses económicos.