Você está na página 1de 16

 

Formar com simplicidade sem renunciar à ciência e aplicar a técnica sem extinguir a unção.   2
☺☺☺☺☺☺☺☺ 

FORMAÇÃO DE PREGADORES E FORMADORES

ORATÓRIA SACRA

VERBALIZAÇÃO

 – O CARISMA DA PREGAÇÃO – 


CAPA:
Wildson Lopes de Avelar

ÍNDICE
TEMAS PÁGINAS
FUNDAMENTOS DA ORATÓRIA SACRA (primeira parte) 03
FUNDAMENTOS DA ORATÓRIA SACRA (segunda parte) 05
 A ELOQÜÊNCIA DO CORPO
CORPO 08
O MÉTODO DA PREGAÇÃO 10
 APLICAÇÃO DA ORATÓRIA
ORATÓRIA SACRA 12

"Quando Demóstenes fala, as pessoas dizem: "Co-


mo ele fala bem!", mas quando Péricles fala, as
pessoas exclamam: "Marchemos!
"Marchemos!""
recursos extralingüísticos, como gestos, expressões faciais, entonação, postu- 
ra, que facilitarão a transmissão de idéias, emoções e possibilitarão
possibilitarão o refaz i- 
mento da mensagem, caso esta não seja assimilada ou o u bem interpretada.

☺☺☺☺☺☺☺☺ 
A técnica atinge a perfeição quando é submissa à unção do Espírito Santo.
 

Formar com simplicidade sem renunciar à ciência e aplicar a técnica sem extinguir a unção.   3
☺☺☺☺☺☺☺☺ 

PRIMEIRO TEMA
TEMA (primei ra parte) 
(primeira
FUNDAMENTOS DA ORATÓRIA SACRA 
I  – INTRODUÇÃO 
(Pedir oração)
1. APRESENTAÇÃ
APRESENTAÇÃO O DO FORMADOR
- (nome), casado, Secretaria Pedro.
2. MOTIVAÇÃO
Um dono de um pequeno comércio, amigo do grande poeta Olavo Bilac, abordou-lhe na
rua:
 –  Senhor Bilac
Bilac,, estou pre
precisando
cisando ven
vender
der meu sítio, que o senhor tão b
bem
em conhece
conhece.. Po-
deria redigir um anúncio para mim?
Olavo Bilac apanhou um papel e escreveu:
 –  Vende-se e encantadora
ncantadora p propriedade,
ropriedade, onde cantam os pássaros ao amanhecer n no
o ex-
tenso arvoredo, cortada por cristalinas e marejantes águas de um ribeirão. A casa, ba-
nhada pelo sol nascente, oferece a sombra tranqüila das tardes na varanda.
Meses depois, topa o poeta com o homem e pergunta-lhe se havia vendido o sítio, mas,
surpreendentemente,
surpreendentem ente, o homem respondeu:
 –  Nem pense mais nisso!  – Disse o homem  – Quando li o anúncio é que percebi a ma-
ravilha que eu tinha.
 –  "Não basta ter o es espírito
pírito bom
bom,, o principal é aplicá-lo bem"1 
aplicá-lo
3. APRESENTAÇÃ
APRESENTAÇÃO O DO ENSINO
a) TEMA: FUNDAMENTOS DA ORATÓRIA SACRA (primeira parte)
b) Itens:
b.1) CONCEITO DE ORATÓRIA
b.2) PARTES DA ORATÓRIA
b.3) ELOQÜÊNCIA
b.4) ORATÓRIA: MÉTODO DA PREGAÇÃO
b.5) DECÁLOGO DO ORADOR SACRO
II  – DESENVOLVIMENTO
1. CONCEITO DE ORATÓRIA
- Oratóri
Oratória:
a: arte de falar em público.
- É uma parte da retórica
= Retórica: em estudo de linguagem significa o estudo do uso persuasivo da
linguagem, em especial para o treinamento de oradores.
= Tratado que encerra essas regras.
- Oratória Sacra
= Oratória Sacra é um método de pregação que, com docilidade ao Espírito
Santo e dependendo dele de sua unção, anuncia o Evangelho de nosso Se-
 
1
 René DESCARTES, Discurso do Método, p. 37.
☺☺☺☺☺☺☺☺ 
A técnica atinge a perfeição quando é submissa à unção do Espírito Santo.
 

Formar com simplicidade sem renunciar à ciência e aplicar a técnica sem extinguir a unção.   4
☺☺☺☺☺☺☺☺ 

nhor Jesus Cristo empregando as técnicas e os recursos de comunicação en-


sinados pela retórica e utilizados pela oratória.
= Sua raiz remota são as homilias feitas pelos primeiros cristãos
= Nasceu quando os pregadores cristãos perceberam que podiam usar a retó-
rica grega ou a oratória romana
= Seu objetivo é veicular uma mensagem religiosa
2. PARTES DA ORATÓRIA

a) Antiga
- Inventio (invenção): descoberta de argumentos
- Dispositi
Dispositioo (disposição)
(disposição):: arranjo das idéias
- Elocutio: descoberta da melhor forma para expor as idéias
= Emprego de figuras e tropos
tr opos
- Memória: memorização
- Pronuntiat
Pronuntiatioio (pronunciaçã o): apresentação oral
b) Moderna
- Invenção: planejamento estratégic (busca de idéias, provas, argumentos) .
= Acolhimento da revelação para a pregação e para o ensino.
- Disposição: o rganização da forma mais didática possível  
organização
- Elocução: exposição das idéias de forma estética e convincente 

3. ELOQÜÊNCIA
- "A eloqüência tem forças e belezas incomparáveis."2 
- Habilidade de fala
falarr e exprimir-se com facilidade. É a arte e o talento de pe
persuadir,
rsuadir,
convencer, deleitar ou comover por meio da palavra.
- Em estudos da linguagem é a arte de falar bem. 
4. ORATÓRIA: MÉTODO DA PREGAÇÃO
- Método é um processo ou técnica de ensino
- A ora
oratória
tória é a técnic
técnicaa na
natural
tural para o preg
pregador
ador evan
evangelizar,
gelizar, pelo
peloss segu
seguintes
intes m
motivos:
otivos:
= Uma das funções da oratória é apresentar uma tese, sustentá-la e deixar os ouvin-
tes em condições de decidir por ela.
= Cada tema de pregação assemelha-se a uma tese
5. DECÁLOGO DO OR ORADOR
ADOR SACRO
- Docilidade ao Espírito Santo
- Orar diariamente
- Zelar pela própria santidade
- Amar as pessoas
- Aprender com os bons pregadores
- Pregar o que se vive
- Simplicidade na exposição e profundidade nas idéias
- Escolher cuidadosamente o tema e as idéias principais p para
ara ccompor
ompor o roteiro
- Treinar exaustivamen
exaustivamente te
- Começar a p pregação
regação com serenidade (os arroubos são para depois)
III  – CONCLUSÃO

2
 René DESCARTES, Discurso do Método, p. 41nn.
☺☺☺☺☺☺☺☺ 
A técnica atinge a perfeição quando é submissa à unção do Espírito Santo.
 

Formar com simplicidade sem renunciar à ciência e aplicar a técnica sem extinguir a unção.   5
☺☺☺☺☺☺☺☺ 

1. RESUMO
a) Recapitulação (retomar iitens)
tens)
b) Avaliação (indagações, sa
sanar
nar dúvidas, complemen
complementar).
tar).
c) Fecho
2. CONVITE À AÇÃO 
3. ORAÇÃO FINAL (sobre a pregação proclamada).

 Amém!
 Am ém! De
Deus
us os ab
abenç oe!  
ençoe!

☺☺☺☺☺☺☺☺ 
A técnica atinge a perfeição quando é submissa à unção do Espírito Santo.
 

Formar com simplicidade sem renunciar à ciência e aplicar a técnica sem extinguir a unção.   6
☺☺☺☺☺☺☺☺ 

PRIMEIRO TEMA (segunda parte) 


FUNDAMENTOS DA ORATÓRIA SACRA 
I  – INTRODUÇÃO 
(Pedir oração)
1. APRESENTAÇÃ
APRESENTAÇÃOO DO FORMADOR

-  (nome), casado, Secretaria Pedro.


2. MOTIVAÇÃO
3. APRESENTAÇÃ
APRESENTAÇÃO O DO ENSINO
a) TEMA: FUNDAMENTOS DA ORATÓRIA SACRA (segunda parte)
b) Itens:
b.1) RUÍDOS DA COMUNICAÇÃO
b.2) QUALIDADES DA ORATÓRIA SACRA
b.3) VITÓRIA SOBRE O MEDO
b.4) UTILIZAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS COM SABEDORIA
II  – DESENVOLVIMENTO
1. RUÍDOS DA COMUNICAÇÃO
- Ruídos da com
comunicação
unicação são todas a
ass coi
coisas
sas q
que
ue dispe
dispersam
rsam a atenção d
das
as pes
pessoas
soas
- Espécies de ruídos mais comuns:
= Má articulação
= Ambigüidade
= Desconhecimento da norma gramatical
= Inadequação vocabular
= Inibição
= Nervosismo
= Insegurança
= Desconhecimento das leis da comunicação verbal coletiva
= Emprego inadequado da concisão (falta ou excesso de concisão)
= Prolixidade
= Discurso
= Exagero de expressões
decorado mecanizadae de palavras “difíceis” 
desconhecidas
de forma
= Usar a imaginação em desfavor de si mesmo
= Velocidade vocal inadequada
= Mau uso do aparelho fonador (má colocação da voz, exagero de articulação não
natural).
= Exagero de citações comentadas (bíblicas, doutrinárias)
= Exagero de citações sem comentários
= Exagero de ilustrações e exemplos
= Imitação inconsciente de outro pregador
= Excessos de cortesias (delicadezas artificiais, maneirismo)
= Exagero no uso das figuras de linguagem
= Excesso de movimento
= Imobilidade
= Expressão de abatimento e de inferioridade (cansaço, depressão)

☺☺☺☺☺☺☺☺ 
A técnica atinge a perfeição quando é submissa à unção do Espírito Santo.
 

Formar com simplicidade sem renunciar à ciência e aplicar a técnica sem extinguir a unção.   7
☺☺☺☺☺☺☺☺ 

= Expressão de superioridade (narcisismo, excesso de altivez, presunção, excesso de


autoconfiança).
= Repetição constante de um mesmo gesto
= Citar fontes sem variedade retórica
= Levar os ouvintes para trechos e não para a idéia principal
= Olhos voltados para dentro da pregação e não para dentro da realidade do ouvinte
= Inobservância de simples combinações
co mbinações de vestuário
= Falar de forma monótona
= Mau uso da aparelhagem de som (microfone,
( microfone, amplificador, etc.)
= Vulgaridade
= Negatividade
= Falsa humildade
= Belicosidade
= Prepotência
= Vaidade
= Competição
= Descrença
= Preconceito
= Visão limitada.
2. QUALIDADES DA ORATÓRIA SACRA
- Unção

- Eloqüência
Clareza
- Linguagem direta e atual (equilibrada n naa ba
balança
lança cu
cujos
jos pratos sã
são
o cultura e linguagem
coloquial)
- Mensagem coerente, bem fundamentada, concatenada, concisa, convincente, confiá-
vel, coloquial, comovente.
- Empatia (desenvolve empatia com os ouvintes)
- Tem um piloto: você (orador sacro, pregador).
- Circunstancial.
- Congratulação (ambiente de fraternidade).
- Sinal de contradição
- Comunicativa
- Adequada aos ouvintes
- Frutífera
- Conceitual (Cale o ou
u fale
fale,, mas se falar, diga uma pa
palavra
lavra que valha o silên
silêncio).
cio).
- Criativa
- Conveniente
- Geradora de ação
- Bilateral
- Liberal
- Lógica
- Amorosa.
3. VITÓRIA SOBRE O MEDO
- Reconhecer que todos os seres humanos normais têm medo
- Momentos do medo:
= Antes da pregação
= No início da pregação

☺☺☺☺☺☺☺☺ 
A técnica atinge a perfeição quando é submissa à unção do Espírito Santo.
 

Formar com simplicidade sem renunciar à ciência e aplicar a técnica sem extinguir a unção.   8
☺☺☺☺☺☺☺☺ 

= durante a pregação (não é normal, precisa de tratamento).


- Batalhas contra o medo:
= Falar na sua língua (temos duas línguas: transmitida, pela família; adquirida, na es-
cola).
= Conhecer as regras, porém sem se escravizar.
= À medida que repetir a mesma pregação, buscar em Jesus coisas novas para ela.
= Preparar a pregação para você e preparar-se para ela.
= Começar a pregação de maneira serena
=
= Confessar o medo,
Conhecer suas criativa e
qualidades sabiamente, no início da pregação.
e limitações.
= Vencer a inibição (inibição sim, silêncio jamais: o pregador é aquele que fala).
= Não cair na tentação
t entação de combater os defeitos de comunicação enquanto prega
= Manter o bom humor
= Vencer o olhar da assembléia
= Deixar-se avaliar
= Pregar sob unção
= Entregar o medo a Jesus.
4. UTILIZAÇÃO DOS EQUIPA EQUIPAMENTOS
MENTOS COM SABEDORIA
- Aparelhagem de ssom om (o som dedeveve ser claro, iinteligível
nteligível e, principalmente, agradável
ao ouvinte)
- Microfone (como utilizá-lo).
- Documentos escritos (Sagrada Escritura (CV II, 192, Dei Verbum); documentos da
Igreja
= Livros espirituais; apostilas; roteiros
III  – CONCLUSÃO
1. RESUMO
a) Recapitulação (retomar iitens)
tens)
b) Avaliação (indagações, sa
sanar
nar dúvidas, complemen
complementar).
tar).
c) Fecho
2. CONVITE À AÇÃO 

3. ORAÇÃO FINAL (sobre a pregação proclamada).


 Amém!
 Am ém! Deu
Deuss os ab
abenç
ençoe!
oe!

☺☺☺☺☺☺☺☺ 
A técnica atinge a perfeição quando é submissa à unção do Espírito Santo.
 

Formar com simplicidade sem renunciar à ciência e aplicar a técnica sem extinguir a unção.   9
☺☺☺☺☺☺☺☺ 

SEGUNDO TEMA  
A ELOQÜÊNCIA DO CORPO  
I  – INTRODUÇÃO 
(Pedir oração)
1. APRESENTAÇÃ
APRESENTAÇÃO O DO FORMADOR
- (nome), casado, Secretaria Pedro.
2. MOTIVAÇÃO
3. APRESENTAÇÃ
APRESENTAÇÃO O DO ENSINO
a) TEMA: A ELOQÜÊNCIA DO CORPO
b) Itens:
b.1) A LINGUAGEM DO CORPO
b.2) PARTES DO CORPO IMPORTANTES NA ORATÓRIA SACRA
b.3) A LINGUAGEM DO CORPO CONVENCE
II  – DESENVOLVIMENTO
1. A LINGUAGEM DO CORPO
a) O corpo fala
- Várias partes do corpo expressam as emoções, pensamentos, intenções.
2. PARTES DO CORPO IMPORTAIMPORTANTES
NTES NA ORATÓRIA SACRA
a) Corpo
- Postura (cabeça, queixo, corpo).
b) Rosto 
- Expressa os pensamentos, as emoções e os sentimentos.
c) Olhos 
- Aproveitar o olhar para se comunicar (expressão dos olhos)
- Lc 22,61-62
d) Mãos 
- Gestos (seu significado, como e quando fazê-los, a emoção dirige os gestos do ora-
dor, a unção dirige os gestos do pregador; mãos no bolso: o que fazer quando se
surpreender com este gesto).
- Jo 13,24
- At 21,40
e) Pés 
- Abertura
- Jo 20,3-8
f) Vestuário e adereços 
- Roupas (calçados, roupas, enfeites masculinos – barba; e femininos)
3. A LINGUAGEM DO CORPO C CONVENCE
ONVENCE
☺☺☺☺☺☺☺☺ 
A técnica atinge a perfeição quando é submissa à unção do Espírito Santo.
 

Formar com simplicidade sem renunciar à ciência e aplicar a técnica sem extinguir a unção.   10
☺☺☺☺☺☺☺☺ 

 –   A corpo 
sinceridade do corpo
 –  O corpo desmascara a mentira dos lábios  
= Para não ser desmentido pela sinceridade do corpo, é bom pregar o que se vive. 
III  – CONCLUSÃO
1. RESUMO
a) Recapitulação (retomar iitens)
tens)
b) Avaliação (indagações, sasanar
nar dúvidas, complemen
complementar).
tar).
c) Fecho
 –  A eloqüê
eloqüência
ncia do corpo no
noss lembra a n
necessidade
ecessidade de praticarmos a Palavra de Deus,
com vistas à conversão do coração, isto é, objetivando a mudança da mentalidade que
se dá por meio da substituição da mentalidade mundana pela proposta de Nosso Senhor
Jesus Cristo. Para abreviar a conversão, podemos orar constantemente, estudar a Santa
Palavra e praticar a oração de cura interior, a fim de cultivarmos a pureza de coração
que nos ajudará a sermos mais santos e mais sinceros. Assim, quando pregarmos, não
correremos o risco de proclamar uma idéia com palavras e desmenti-la com o corpo.
Sendo puros e sinceros nosso corpo será nosso aliado na evangelização, pois confirma-
rá com sinais visíveis cada palavra que anunciarmos.
2. CONVITE À AÇÃO 
3. ORAÇÃO FINAL (sobre a pregação proclamada).
 Amém! Deus os abençoe!
abençoe!

☺☺☺☺☺☺☺☺ 
A técnica atinge a perfeição quando é submissa à unção do Espírito Santo.
 

Formar com simplicidade sem renunciar à ciência e aplicar a técnica sem extinguir a unção.   11
☺☺☺☺☺☺☺☺ 

TERCEIRO TEMA
O MÉTODO DA PREGAÇÃO
I - INTRODUÇÃO 
(Pedir oração)
1. APRESENTAÇÃ
APRESENTAÇÃOO DO FORMADOR

-  (nome), casado, Secretaria Pedro.


2. MOTIVAÇÃO
3. APRESENTAÇÃ
APRESENTAÇÃO O DO ENSINO
a) TEMA: O MÉTODO DA PREGAÇÃO
b) Itens:
b.1) CONCEITO
b.2) COMPOSIÇÃO DO MÉTODO
b.3) EMPREGO DE ROTEIROS
b.4) EMPREGO DA VOZ
b.5) EMPREGO DA DRAMATIZAÇÃO COMO RECURSO DE COMUNICAÇÃO
b.6) LINGUAGEM, VOZ, CONHECIMENTO E UNÇÃO: PARCERIA DA VITÓRIA 

II - DESENVOLVIMENTO 
1. CONCEITO
- Método ou té técnica
cnica de e
ensino.
nsino. Mo
Modo
do jeito de realizar algum trabalho.
2. COMPOSIÇÃO DO MÉTODO
- Oração, pesquisa, planejamento, organização do pensamento, treinamento, roteiriza-
ção, didática, emprego adequado da voz, emprego correto da linguagem.
3. EMPREGO DE ROTEIROS
a) É fundamental
b) Composição
- Introdução (saudação
(saudação,, atenção para uma frase marcante).
- Desenvolvimento.
- Peroração (novamente uma frase forte e agradecimento).
= Explicitar, demonstrando, uma peroração.
4. EMPREGO DA VOZ
- Tom
- Volume
- Dicção
- Respiração
- Impostação (colocação e projeção da voz  – NDALP - IMPOSTAÇÃO de voz é a sua
modificação deliberada com a finalidade de torná-la mais agradável, mais audível e melhor
entendida). 
- Entonação: modulação na voz de qu
quem
em fala. Variação de tom
tom.. Entoação. Ênfase (em
palavras, em frases).
- Treinamentos (observar bons modelos).
5. EMPREGO DA DRAMATIZAÇÃO COMO RECURSO RECURSO DE COMUNICA
COMUNICAÇÃO ÇÃO
- A oratória é uma arte
☺☺☺☺☺☺☺☺ 
A técnica atinge a perfeição quando é submissa à unção do Espírito Santo.
 

Formar com simplicidade sem renunciar à ciência e aplicar a técnica sem extinguir a unção.   12
☺☺☺☺☺☺☺☺ 

- Interpretação (melhora a esestética,


tética, atrai a aten
atenção,
ção, m
melhora
elhora a comunicação, aumenta
a eficácia da pregação).
(atenção: Góis, Maurício. Curso Prático de Comunicação Verbal, p. 302. Bolsa Nacional
do Livro. Curitiba-PR: 1989.)
6. LINGUAGEM, VOZ, CON CONHECIMENTO
HECIMENTO E UNÇÃO, PA PARCERIA
RCERIA DA VITÓRIA
- Linguagem (comunicação - linguag
linguagem:
em: sim
simples,
ples, dire
direta,
ta, pre
precisa,
cisa, co
concisa
ncisa e clara; evitar
vícios, gagueira, pronúncias truncadas etc). 

= Ritmo
tura, da fala (Do
no cinema, etc.,grego rhytmós:ou
a disposição movimento regrado e harmonioso,
o desenvolvimento medido. Nas
harmonioso artes,
, no na litera-
espaço e/ou
no tempo, de elementos expressivos e estéticos, com alternância de valores de dife-
dif e-
rente intensidade).
= Cadência (compasso e harmonia na disposição da palavra).
= Velocidade da fala.
= Como obter uma boa linguagem?  
- Voz 
= Cartão de visitas do pregador
= Cuidados terapêuticos e sanitários
= Treinamentos para melhora-la (fisioterapias).
- Conhecimento. 
- Unção. 
III  – CONCLUSÃO
1. RESUMO
a) Recapitulação (retomar iitens)
tens)
b) Avaliação (indagações, sa
sanar
nar dúvidas, complementar).
complementar).
c) Fecho
 –  A Oratória Sa
Sacra
cra é um ser composto de ccorpo,
orpo, alma e espírito. O corpo é a voz, a
alma é o conhecimento e o espírito é a unção.

2. CONVITE À AÇÃO 
3. ORAÇÃO FINAL (sobre a pregação proclamada).
 Amém! Deus os abençoe!
abençoe!

☺☺☺☺☺☺☺☺ 
A técnica atinge a perfeição quando é submissa à unção do Espírito Santo.
 

Formar com simplicidade sem renunciar à ciência e aplicar a técnica sem extinguir a unção.   13
☺☺☺☺☺☺☺☺ 

QUARTO TEMA
APLICAÇÃO DA ORATÓRIA SACRA 
I - INTRODUÇÃO 
(Pedir oração)
1. APRESENTAÇÃ
APRESENTAÇÃOO DO FORMADOR

-  (nome), casado, Secretaria Pedro.


2. MOTIVAÇÃO
3. APRESENTAÇÃ
APRESENTAÇÃO O DO ENSINO
a) TEMA: APLICAÇÃO DA ORATÓRIA SACRA
b) Itens:
b.1) APLICAÇÃO DA ORATÓRIA SACRA
b.2) ESPÉCIES DE ELOCUÇÃO
b.3) REQUISITOS PARA A BOA APLICAÇÃO DA ORATÓRIA SACRA
b.4) RECURSOS PARA POTENCIALIZAR A ORATÓRIA SACRA
II - DESENVOLVIMENTO 
1. APLICAÇÃO DA ORATÓRIA SACRA (Finalidades da pregação - CV II, 534, 535 e
1.148; CL 33 e 51).  
a) Finalidades da Ora
Oratória
tória Sacra
- Imediata: EVANGELIZAÇÃO (Experiência de Deus). Encurtar o caminho entre o ho-
mem e Deus
- Mediata: conversão (entrega de si a Jesus Cristo) ensino/instrução, cura, libertação.
b) Aplicação 
 –  Nos ensinos

 –  Nas pregações, PRINCIPALMENTE.

2. ESPÉCIES DE ELOCUÇÃO 
- Conferência

-- Discurso
Discurso político
acadêmico
- Discurso forense
- Palestra
- Ensino (pregação + palestra: 2)
- Pregação (proclamação feita por arautos - grito).
3. REQUISI
REQUISITOSTOS PAPARARA A BOA APLICAÇÃO DA OR ORATÓRIA
ATÓRIA SACRA
- Amor (etapas do amor – CNBB, DOC. 54, 271).
- Oração.
- Ter a mente imbuída do assunto.
- Fidelidade ao tema.
- Praticar e treinar.
- Dar vida à pregação sabedoria no emprego da técnica

-- Dependênc
Obediênciaiaao(de
Dependência tempo.
(depender)
pender) do Espírito Santo e ser conduzido por Ele.

☺☺☺☺☺☺☺☺ 
A técnica atinge a perfeição quando é submissa à unção do Espírito Santo.
 

Formar com simplicidade sem renunciar à ciência e aplicar a técnica sem extinguir a unção.   14
☺☺☺☺☺☺☺☺ 

= Características do pregador conduzido pelo Espírito Santo: durante o planejamento


e durante a pregação propriamente dita, realiza suas atividades crendo em Deus,
amando-o, adorando-o, glorificando-o, evangelizando os irmãos e intercedendo por
eles - Catec. 2.145.
4. RECURSOS PARA POTENCIALIZAR A ORATÓRIA SACRA
a) Escolha do memelhor
lhor rrecurso
ecurso
- Para escolher os recursos, observar os seguintes fatoresÇ
= Tema dade
Espécie pregação
elocução (ensino, pregação)
= Natureza (querigma, catequese)
= Local (País, Estado, cidade, local aberto, local fechado, grande, pequeno).
= Espécie de encontro (aberto, retiro)
= Público (iniciantes, veteranos, quantidade).
= Instrumentos disponíveis (aparelhagem de som, objetos).
b) Espécies de recur
recursos
sos
- Oração (pessoal, diária e vida de oração).
- Zelar pela santidade pessoal.
- Testemunho (Puebla, 964ss; EN; SD; CV II:
= Testemunho de vida;
= Testemunho como técnica de evangelização.
- Parábolas (Sagrada Escritura) (O afilhado rico).
- Eloqüência.
- Dramatização (Mt 17,23-26).
- Repetição (Mr 4,26-32 => Reino de Deus).
- Indagação (Mr 4,21; Mat 6.25-31).
- Não dar todas as respostas (Jo 3.1-15).
- Aguçar a curiosidad
curiosidadee (susp
(suspense,
ense, anún
anúncios
cios esc
escatológicos
atológicos feitos po
porr Jesus, anúncios
sobre sua morte).
- Descrição (Mt 14,24; Jo 13,4-12).
- Narração
- Dissertação
- Movimentação do pregador.
- Anedotas (departamento de propaganda).
- Histórias (Lc 16,19-31 - os dois irmãos).
- Sinais e prodígios.
- Emprego dos dons carismáticos.
- Emprego de FiguFiguras
ras de linguagem (Figura de linguagem, no estudo de linguagem,
significa forma de expressão que foge à norma, apresentando alterações fonéticas,
morfológicas ou sintáticas. Cada uma das formas de elocução suscitadas pela imagi-
nação e pelos afetos, e que emprestam ao pensamento mais energia, mais vivacida-
de, e/ou conferem à frase mais beleza e graça. Exemplo: hipérboles: “o camelo no
fundo da agulha”).
- Emprego de tropos (Ex. metáfora)
- Quebra brusca do pensamento (deixando um mistério)
III  – CONCLUSÃO
1. RESUMO
a) Recapitulação (retomar iitens)
tens)
b) Avaliação (indagações, sa
sanar
nar dúvidas, complemen
complementar).
tar).
☺☺☺☺☺☺☺☺ 
A técnica atinge a perfeição quando é submissa à unção do Espírito Santo.
 

Formar com simplicidade sem renunciar à ciência e aplicar a técnica sem extinguir a unção.   15
☺☺☺☺☺☺☺☺ 

c) Fecho
2. CONVITE À AÇÃO 
3. ORAÇÃO FINAL (sobre a pregação proclamada).
 Amém! Deus os abençoe!
abençoe!

☺☺☺☺☺☺☺☺ 
A técnica atinge a perfeição quando é submissa à unção do Espírito Santo.
 

Formar com simplicidade sem renunciar à ciência e aplicar a técnica sem extinguir a unção.   16
☺☺☺☺☺☺☺☺ 

REFEÊNCIAS

DESCARTES, René. Discurso do Método . Porto Alegre, L&PM Pocket,


2005.

☺☺☺☺☺☺☺☺ 
A técnica atinge a perfeição quando é submissa à unção do Espírito Santo.