Você está na página 1de 24

TEORIA GERAL DO PROCESSO

DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS


ITE-BAURU

3 – PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO


PROCESSUAL

3.1 – CONCEITO

Princípios informativos do processo: normas ideais que representam


uma aspiração (desejo) de melhoria do sistema processual:
a) princípio lógico: seleção dos meios mais eficazes e rápidos de
procurar e descobrir a verdade e de evitar o erro;
b) princípio jurídico: igualdade no processo e justiça na decisão;
c) princípio político: o máximo de garantia social, com o mínimo de
sacrifício individual da liberdade;
d) princípio econômico: processo acessível a todos, com vista ao seu
custo e à sua duração.

Os princípios informativos, embora distintos dos princípios gerais,


influenciam os mesmos, extrapolando o campo da mera deontologia (valores
éticos), para agirem também na dogmática jurídica.

3.2 – PRINCÍPIO DA IMPARCIALIDADE DO JUIZ

O juiz se coloca entre as partes e acima delas.


Imparcialidade --- é pressuposto para que a relação processual se
instaure validamente --- órgão jurisdicional subjetivamente capaz.
Para asseguarar a imparcialidade do juiz a CF lhe confere garantias (art.
95), impõe vedações (art. 95, parág. Único) e proíbe juízos ou tribunais de
exceção (art. 5º, inc. XXXVII).

1
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU
Tribunais de exceções – são aqueles instituídos para contingências
particulares. Viola a garantia do juiz natural, previamente estabelecido pela
CF e pela lei.

Princípio do juiz natural:


a) só são órgãos jurisdicionais os instituídos pela Constituição;
b) ninguém pode ser julgado por órgão constituído após a ocorrência do
fato;
c) entre os juízes pré-constituídos vigora uma ordem taxativa de
competências que exclui qualquer alternativa deferida à
discricionariedade de quem quer que seja.
d) CF 88 – garantia do juiz competente – art. 5º, LIII.

A imparcialidade do juiz é uma garantia de justiça para as partes – dever


do Estado de garantir tratamento imparcial às partes no exercício da
jurisdição.

Grande importância – direito internacional garante o direito ao juiz


imparcial – Declaração Universal dos Direitos do Homem de 1948 estabelece:
“toda pessoa tem direito, em condições de igualdade, de ser ouvida
publicamente e com justiça, por um tribunal independente e imparcial, para
a determinação de seus direitos e obrigações ou para o exame de qualquer
acusação contra ela em matéria penal.”

3.3 – PRINCÍPIO DA IGUALDADE

Igualdade perante a lei é premissa para a igualdade perante o juiz: art. 5º,
caput, da CF --- brota a igualdade processual.

2
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU
As partes e procuradores ---- tratamento igualitário ---- mesmas
oportunidades para fazer valer em juízo suas pretensões.

Disposições no CPC:
1) Art. 125, I, CPC: compete ao juiz “assegurar às partes igualdade de
tratamento”.

2) art. 9º, CPC: nomeação de curador especial ao incapaz que não o


tenha (ou cujos interesses colidam com os do representante) e ao réu preso,
bem como revel citado por edital ou com hora-certa.

No processo penal: nomeação de defensor dativo.

Igualdade formal --- passagem para ---- IGUALDADE SUBSTANCIAL


---- iguais oportunidades a todos, a serem propiciadas pelo Estado.

Igualdade substancial ou material ---- aparente quebra da isonomia,


dentro e fora do processo, impõe tratamento desigual aos desiguais,
justamente para suprir as diferenças, atingindo, assim, a igualdade substancial.

No proc. Penal --- igualdade atenuada pelo favor rei que protege o
acusado. Exemplos:

a) improcedência por insuficiência de provas (art. 386, VI, CPP);

b) a existência de recursos privativos da defesa (arts. 607 – protesto


por novo júri - e 609, parágrafo único, - embargos infringentes
ou de nulidade – CPP);

c) revisão criminal somente em favor do réu (arts. 623 e 626,


parág. Único, CPP).

3
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU
No processo civil há normas cujo objetivo é reequilibrar as partes,
proporcionando a igualdade material, tendo em vista a existência de causas ou
circunstâncias fora do processo que ponha uma delas em situação de
superioridade ou inferioridade em face da outra.

Exemplos:

a) os prazos em quádruplo para contestar e em dobro para


recorrer em benefício da Fazenda Pública e do Ministério
Público (art. 188 do CPC);

b) o reexame obrigatório nos casos em que a fazenda pública


é vencida, remetendo, assim, os autos ao tribunal mesmo
que não haja recurso das partes (art. 475 do CPC);

c) Fazenda Pública, quando vencida, paga honorários


advocatícios em percentual inferior ao normas (art. 20,§ 4)

d) Dispensa de preparo e concessão de medida cautelar


independentemente de justificação e de caução para a
Fazenda Pública (arts. 27, 511 e 816, I, CPC);

e) Lei nº 10.173/01 – lei que determina que se conceda


prioridade, nos juízos inferiores e tribunais, às causas de
interesse de pessoas com 65 ou mais anos de idade.

3.4 – PRINCÍPIOS DO CONTRADITÓRIO E DA AMPLA DEFESA.

Princípio do contraditório – bilateralidade da audiência – audiatur et


altera pars – inerente à própria noção de processo.

4
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU
O juiz, imparcial, coloca-se entre as partes, de maneira eqüidistante:
ouvindo uma, deverá ouvir a outra.

Iguais oportunidades para ambas de:

a) expor suas razões;

b) apresentar provas;

c) influir sobre o convencimento do juiz.

Soma das parcialidades – tese (autor) + antítese (réu) = síntese (juiz) ---
processo dialético --- exercício da jurisdição. Frente ao juiz, as partes são
colaboradores necessários: cada parte age no processo visando seu próprio
interesse, mas da ação combinada dos dois a justiça se serve para conseguir
proceder a eliminação da justiça.

CF 88 --- foi expressa ao garantir o contraditório e a ampla defesa aos


litigantes, em qualquer processo, judicial ou administrativo, e aos acusados
em geral (art. 5º, LV).

No processo penal:

a) defesa técnica – através de advogado – é indisponível –


sempre necessária;

b) autodefesa – aquela exercida pelo próprio réu:


interrogatório do réu e sua presença aos atos instrutórios –
é disponível, até porque o réu pode optar pelo direito ao
silencia, sem qualquer prejuízo (art. 5º, LXIII, CF).

5
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU
Contraditório inclui necessidade de CIÊNCIA: cada litigante deverá ter
ciência, ser comunicado, dos atos praticados pelo juiz e pelo seu adversário.
Só conhecendo-os é que poderá exercer o contraditório.

Ciência dos atos processuais: 03 mecanismos:

1) CITAÇÃO --- é o ato pelo qual se dá ciência à alguém da


instauração de um processo, chamando-o a participar da relação
processual (art. 213, CPC);

2) INTIMAÇÃO --- é o ato pelo qual se dá ciência a alguém dos


atos do processo, contendo também, eventualmente, comando
de fazer ou deixar de fazer alguma coisa (art. 234, CPC);

3) NOTIFICAÇÃO --- tanto o CPC, quanto o CPP, não usa a


expressão notificação no sentido de comunicação de ato
processual. Já a CLT e a Lei do Mandado de Segurança usa a
expressão “notificação” com o significado de “citação”.

Direitos disponíveis (demanda entre maiores, capazes, sem relevância


para a ordem pública) --- há contraditório, mesmo que a contrariedade não se
efetive concretamente. Ex: revelia do réu (art. 319 , CPC).

Direitos indisponíveis ---- necessidade de contraditório efetivo e


equilibrado --- Ex:

a) nomeação de defensor para réu revel no proc. Penal (arts. 261 e


263, CPP);

b) se a defesa for abaixo do padrão mínimo tolerável, o réu será


considerado indefeso e o processo anulado;

6
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU
c) Lei nº 9.271/96: proc. Penal: réu revel, citado por edital, sem
advogado constituído: suspensão do processo, juntamente com
o prazo prescricional;

d) No processo civil, réu revel citado por edital ou com hora-certa


----nomeação de curador especial (art. 9º, CPC);

e) Incapaz assistido pelo Ministério Público (art. 82, I, CPC).

CONTRADITÓRIO: constituído por dois elementos:

1º) INFORMAÇÃO;

2º) REAÇÃO (essa meramente possibilitada na hipótese de


direitos

disponíveis).

CONTRADITÓRIO não admite exceções: nos casos de urgência:


liminar: “periculum in mora” e “fumus boni iuris” : juiz pode conceder
medidas urgentes, “inaudita altera parte” (art. 929, 932, 937, 813 ss, CPC),
mas não definitiva. A parte contrária toma ciência e se manifesta em momento
posterior: daí falar-se em CONTRADITÓRIO DIFERIDO.

INQUÉRITO POLICIAL – é mero procedimento administrativo que visa


à colheita de provas para informações sobre o fato violador da norma e sua
autoria. Embora sem acusação, há conflito de interesses, devendo ser
respeitados os direitos fundamentais do indiciado. Colheita de provas –
contraditório diferido.

3.5 – PRINCÍPIO DA AÇÃO – PROCESSOS INQUISITIVOS E


ACUSATÓRIO

7
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU

PRINCÍPIO DA AÇÃO (ou princípio da demanda) --- implica na


atribuição à parte da iniciativa de provocar o exercício da função
jurisdicional.

AÇÃO --- é o direito (poder) de ativar os órgãos jurisdicionais, visando


à satisfação de uma pretensão.

Jurisdição é INERTE, exige PROVOCAÇÃO do interessado: “nemo


iudex sine actore”.

Se o juiz instaura o processo, já estará propenso a julgar favoravelmente,


violando a necessária imparcialidade (é o chamado “processo inquisitivo”).

PROCESSO ACUSATÓRIO:

a) prevaleceu em Roma e Atenas;

b) é um processo penal de partes --- acusador e acusado em plena


igualdade;

c) é um processo de ação, com garantias da imparcialidade do juiz, do


contraditório e da publicidade.

O processo penal brasileiro adotou o sistema ACUSATÓRIO.

O Inquérito policial é mero procedimento administrativo, sem


acusado mas com litigantes (após o indiciamento), de modo que os elementos
probatórios nele contidos (salvos as provas antecipadas de caráter cautelar –
ex: exame de corpo de delito), servem apenas para a formação da
convicção do Ministério Público, mas não para embasar condenação.

8
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU
Ordenamento brasileiro : adota o princípio da AÇÃO:

a) na esfera penal (arts. 24, 28 e 30, do CPP);

b) na esfera cível (arts. 2º, 128 e 262 do CPC).

EXCEÇÕES:

1ª) na execução trabalhista: art. 878 da CLT : A execução poderá


ser promovida por qualquer interessado, ou ex officio pelo próprio Juiz
ou Presidente ou Tribunal competente, nos termos do artigo anterior.
(art. 877 – comp. do juiz que houver conciliado ou julgado o dissídio);

2ª) em matéria falimentar: art. 162 da Lei de Falências ---


possibilidade do juiz declarar a falência, mesmo sem pedido do devedor
ou credor, se comprovadas determinadas situações elencadas no referido
artigo, como descumprimento da concordata preventiva;

3ª) concessão de habeas corpus de ofício pelo juiz.

OBS: Na reconvenção (art. 315 do CPC), o réu move uma nova demanda
contra o autor, exercendo pretensão própria e autônoma, verdadeira ação,
embora dentro do mesmo processo. Também é manifestação do princípio da
ação.

Outra manifestação do princípio da ação: o JUIZ (que já não pode


instaurar o processo) NÃO PODE TOMAR PROVIDÊNCIAS QUE
SUPEREM OS LIMITES DO PEDIDO: “ne eat iudex petita partium”.

No processo civil: arts. 459 e 460 do CPC.

No processo penal: vinculação do juiz ao fato delituoso descrito da


denúncia, independentemente de sua qualificação jurídica.

9
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU
O juiz pode dar definição jurídica diversa daquela que consta na
denúncia, ainda que implique em sanção mais (arts. 383 e 384, caput, do
CPP). Não há, nesse caso, julgamento ULTRA PETITA, pois decorre da
máxima “jura novit curia”.

Quando se altera a configuração do fato delituoso (art. 384, par. ún. do


CPP), o Ministério Público deverá aditar a denúncia.

3.6 – PRINCÍPIOS DA DISPONIBILIDADE E DA


INDISPONIBILIDADE

Poder dispositivo --- é a liberdade que as pessoas têm de exercer ou não


direitos.

Princípio da disponibilidade processual --- é a possibilidade da


pesssoa apresentar ou não sua pretensão em juízo, bem como apresentá-la da
maneira que melhor lhe aprouver e renunciar a ela (desistir “da ação”) ou a
certas situações processuais.

No PROCESSO CIVIL: quase ABSOLUTO, tendo em vista o direito


material que se visa atuar. Exceção: quando o direito material é indisponível.

No PROCESSO PENAL: prevalece o princípio da


INDISPONIBILIDADE (ou da OBRIGATORIEDADE), pois o crime é uma
lesão irreparável ao interesse público.

Direito PENAL:

a) caráter público das normas penais;

b) necessidade de assegurar a convivência dos indivíduos na sociedade;

10
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU
c) Estado tem o direito e sobretudo o dever de punir ------ órgãos
incumbidos da persecução penal não são dotados do poder
discricionário para apreciarem a oportunidade ou conveniência da
instauração, quer do processo penal, quer do inquérito policial

Atenuação ao princípio da indisponibilidade da esfera penal:

1º) possibilidade de transação nos casos das denominadas infrações


penais de menor potencial ofensivo (art. 98, I, CF e Lei nº 9.099/95);

2º) arquivamento de inquérito policial nos casos de lesão corporal leve


entre cônjuges que voltam à convivência conjugal;

3º) os chamados delitos de bagatela: insignificantes. Ex: furto de uma


banana, um parafuso, etc.

CONSEQÜÊNCIAS DO PRINC. DA OBRIGATORIEDADE:

a) nos crimes de ação pública, a autoridade policial (delegado) é


obrigada a proceder as investigações preliminares (art. 5º, CPP);

b) o MP deve apresentar denúncia (salvo crimes de pequeno potencial


ofensivo) – art. 24 do CPP;

c) arquivamento do inquérito policial pelo MP deve ser motivado,


podendo o Juiz rechaçar, determinando a remessa dos autos ao
Procurador- Geral de Justiça (art. 28 do CPP);

OUTRAS LIMITAÇÕES AO PRINC. DA OBRIGATORIEDADE:

a) ação penal privada: cabe ao ofendido (ou seu representante legal)


decidir acerca do ajuizamento da ação;

11
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU
b) ação penal pública condicionada à representação: a atuação dos
órgãos públicos fica condicionada à manifestação de vontade da
vítima ou de seu representante legal;

c) ações condicionadas à requisição do Ministro da Justiça. Ex: crimes


contra a honra praticados contra o Presidente da República ou chefe
de governo estrangeiro (art. 145, par. ún., CP);

d) nas infrações penais de menor potencial ofensivo, da ação


condicionada à representação, a transação civil acarreta a extinção da
punibilidade penal;

e) o MP, ao invés de oferecer denúncia, pode propor a imediata


aplicação de pena alternativa (restritiva de direito ou multa) quando
não houve transação civil ou a ação for pública incondicionada;

f) nos crimes de média gravidade, o MP pode propor a suspensão


condicional do processo (art. 89 da Lei nº 9.099/95).

Princípio da Indisponibilidade na TRAMITAÇÃO do inquérito ou da


ação penal: regra da IRRETRATABILIDADE:

a) Art. 17 do CPP: proíbe a autoridade policial de abandorar o


inquérito ou arquivá-lo;

b) Art. 42 do CPP: o MP não pode desistir da ação penal;

c) Art. 576 do CPP: o MP não pode desistir do recurso interposto.

Obs: O MP pode pedir, ao final, a absolvição do réu, mas isso não equivale à
desistência da ação, até porque o Juiz pode, mesmo assim, condenar o réu (art.
385 do CPP).

EXCEÇÕES à regra da IRRETRATABILIDADE:

12
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU
a) crimes de ação penal privada: admite-se renúncia, perdão e
perempção (arts. 49, 51 e ss, e 60 CPP).

Obs: na ação penal pública condicionada à representação, tem-se que


após oferecida a denúncia, não é possível retratação da representação
(art. 25 do CPP).

Outra decorrência do princípio da indisponibilidade do processo penal:


REGRA DA OFICIALIDADE: os órgãos incumbidos da persecução penal
devem ser ESTATAIS.

Dispositivos legais:

a) à polícia judiciária compete a instauração do inquérito policial


(arts. 4º e 5º do CPP);

b) ao MP compete a promoção da ação penal.

EXCEÇÕES:

a) ação penal privada: titularidade cabe ao ofendido ou seu representante


legal;

b) ação penal popular: acusação formulada por qualquer do povo nos


casos de crimes de responsabilidade praticados pelo Procurador-Geral
da República e por Ministros do Supremo Tribunal Federal (Lei nº
1.079/50, arts. 41, 58, 65 e 66).

Desdobramentos da regra da OFICIALIDADE:

a) regra da autoridade --- é exercida por uma autoridade pública;

13
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU
b) regra da oficiosidade --- a autoridade deve exercer suas funções de
ofício, sem requerimentos ou condições. Exceção: ação penal privada
e ação penal pública condicionada à representação.

3.7 – PRINCÍPIO DISPOSITIVO E PRINCÍPIO DA LIVRE


INVESTIGAÇÃO DAS PROVAS – VERDADE FORMAL E VERDADE
REAL.

PRINCÍPIO DO DISPOSITIVO: consiste na regra de que o juiz


depende, na instrução da causa, da iniciativa das partes quanto às provas e às
alegações em que se fundamentará a decisão: iudex secundum allegata et
probata iudicare debet.
Não confundir princípio do dispositivo com disponibilidade.
Fundamento do princípio do dispositivo:
salvaguardar a IMPARCIALIDADE do juiz. Caso foi acrescido em demasia o
poder instrutório do juiz, ter-se-ia atenuação da distinção entre processo
dispositivo e processo inquisitivo.
Visão PUBLICISTA do processo ---- direito processual integrando o
ramo do direito público ---- juiz passa de mero expectador inerte para exercer
posição ATIVA ---- cabe-lhe então:
impulsionar o processo;
determinar provas;
conhecer ex officio de determinada circunstância que dependiam de alegações
das partes;
coibir condutas irregulares das partes.

VERDADE FORMAL ---- aquilo que resulta verdadeiro em face das provas
carreadas aos autos, podendo ou não coincidir efetivamente com a realidade
dos fatos.
VERDADE REAL ---- consiste na denominada “verdade material”, ou seja,
aquilo que concreta e efetivamente aconteceu na realidade fática.

PROCESSO CIVIL ---- embora o juiz tenha poderes instrutórios (arts. 130 ,
342, etc, do CPC) ---- em regra, direitos DISPONÍVEIS ---- juiz pode
satisfazer-se com a verdade FORMAL ---- limita-se a apreciar o que as partes
levaram ao processo, podendo rejeitar a demanda ou a defesa por falta de
provas.

14
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU

PROCESSO PENAL ---- direito INDISPONÍVEL ---- busca sempre a verdade


REAL ---- só excepcionalmente o juiz penal se satisfaz com a verdade formal,
ou seja, quando não dispõe de meios para obter a verdade real (art. 386, VI,
do CPP). Ex: absolvido o réu, por faltas de provas, não poderá ser novamente
processado pelo mesmo fato, ainda que surjam provas novas --- prevalência,
nesse caso, da verdade formal por razões políticas.

Processo Civil ---- caminha para acentuar os poderes do juiz --- hoje, não mais
eminentemente dispositivo.
Processo Penal ---- caminhou do inquisitivo para o acusatório --- hoje, existe
dada parcela de dispositividade das provas.

CONCLUSÃO: tanto no campo do processo penal como do processo civil


impera o princípio da LIVRE INVESTIGAÇÃO DAS PROVAS, embora com
doses maiores de dispositividade no processo civil.

LIVRE INVESTIGAÇÃO DAS PROVAS PELO JUIZ:


no PROCESSO PENAL: é ABSOLUTO. Raríssimas exceções:
impossibilidade de novo processo após absolvição.
no PROCESSO CIVIL: juiz participa da colheita da prova, tendo poderes
instrutórios e diretivos (arts. 125, 130, 131, 330, 342 e 440). O sistema
consiste em uma conciliação do princípio do dispositivo com o da livre
investigação judicial;
no PROCESSO TRABALHISTA: os poderes do juiz na colheita das provas
são ambos (CLT, art. 765).

3.8 – PRINCÍPIO DO IMPULSO OFICIAL

Conceito: É o princípio pelo qual compete ao juiz, uma vez instaurada a


relação processual, mover o procedimento de fase em fase, até exaurir a
função jurisdicional.

3.9 – PRINCÍPIO DA PERSUASÃO RACIONAL DO JUIZ

15
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU
Tal princípio regula a apreciação e a avaliação das provas existentes nos
autos, indicando que o juiz deve formar livremente sua convicção. O sistema
brasileiro situa-se entre o sistema da prova legal e o do julgamento secundum
conscientiam.

Sistema da prova legal : significa atribuir aos elementos probatórios


valor inalterável e prefixado, que o juiz aplica mecanicamente. Ex: prova
invocação de deus – direito germânico antigo.

Sistema secundum conscientiam: juiz pode decidir segundo as provas


dos autos, mas também sem provas ou até contra estas. Ex: adotado, com certa
atenuação, pelos tribunais do júri, composto por juízes populares.

BRASIL: adota o PRINCÍPIO DA PERSUASÃO RACIONAL DO


JUIZ: o juiz NÃO é desvinculado das provas e dos elementos existentes nos
autos (quod non est in actis non est in mundo), mas a sua apreciação NÃO
depende de critérios legais determinados a priori.

O juiz só decide com base nos elementos existentes no processo, mas


os avalia segundo critérios críticos e racionais (arts. 131 e 436 CPC; arts.
157 e 182 do CPP).

Há liberdade de convicção e, não, arbitrariedade. Tem-se, portanto, que


O CONVENCIMENTO DEVE SER MOTIVADO (CF, art. 93, IX; CPP, art.
381, III; CPC, arts. 131, 165 e 458, II), não podendo desprezar as regras legais
porventura existentes (CPC, art. 334, IV; CPP, arts, 158 e 167) e as máximas
da experiência (CPC, art. 335).

3.10 – PRINCÍPIO DA MOTIVAÇÃO DAS DECISÕES JUDICIAIS

16
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU

Necessidade de motivação das decisões judiciais ---- funda-se em dois


aspectos cumulativos:

a) pensamento tradicional: motivação como garantia às partes,


possibilitando a impugnação de decisão para efeito de futura reforma
(CPP, art. 381; CPC, art. 165 c/c 458; CLT, art. 832);

b) pensamento moderno: motivação exercendo uma função política


para toda a sociedade, pois configura meio para aferir-se, em
concreto, a imparcialidade do juiz e a legalidade e justiça das
decisões (CF, art. 93, IX).

3.11 – PRINCÍPIO DA PUBLICIDADE

Publicidade do processo:

a) garantia do indivíduo no tocante ao exercício da jurisdição;

b) instrumento de controle popular da obra dos juízes, promotores de


justiça e advogados.

Em regra:

a) presença do público às audiências realizadas;

b) possibilidade de exame dos autos por qualquer pessoa.

Revolução Francesa: insurgiu-se contra juízos secretos e de caráter


inquisitivo que existiam no período anterior.

17
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU
A publicidade confere TRANSPARÊNCIA aos trabalhos desenvolvidos
pelo Poder Judiciário: garantias da independência, imparcialidade, autoridade
e responsabilidade do juiz.

BRASIL: fundamento legal:

a) CF, art. 5º, LX, e art. 93, IX;

b) Legislação ordinária: CPC, art. 155; CPP, art. 792; CLT art. 770.

Dois sistemas:

1º) publicidade popular --- é a regra geral --- todos possuem acesso aos
atos processuais;

2º) publicidade restrita --- é a exceção --- só as partes e seus


procuradores têm acesso aos atos processuais, nos casos em que o decoro ou o
interesse social assim o exigirem. Fundamento legal: CPC, art. 155, I e II;
CPP, arts. 483 e 792, § 1º. Outros casos:

a) Lei n° 9.034/95: art. 3º --- sigilo do resultado


das investigações acerca de organizações
criminosas;

b) Lei nº 9.296/96: art. 8º --- sigilo do resultado


das interceptações telefônicas.

ATENÇÃO: A interpretação do princípio da publicidade deve ser


procedida com bom senso. Restrição aos meios de comunicações, audiências
televisionadas, etc. A publicidade, como garantia política – cuja finalidade é o
controle da opinião pública nos serviços da Justiça – não pode ser confundida

18
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU
com o sensacionalismo que afronta a dignidade humana. Deve ser buscado o
equilíbrio: Ex: inquérito policial é sigiloso (art. 20, do CPP), mas o advogado
tem acesso (art. 7º, do Estatuto da Advocacia – Lei nº 8.906/94).

3.12 – PRINCÍPIO DA LEALDADE PROCESSUAL

Considerando que o processo é essencialmente dialético, é


REPROVÁVEL que as partes se sirvam dele faltando com o dever de
verdade, agindo deslealmente e empregando artifícios fraudulentos.

Princ. da LEALDADE PROCESSUAL é aquele que impõe à todos


aqueles que participam do processo (partes, juízes, auxiliares da justiça,
advogados e membros do Ministério Público) os deveres de moralidade e
probidade.

Tal princípio visa conter os litigantes e lhes impor uma conduta que
possa levar o processo à consecução de seus objetivos.

DESRESPEITO AO PRINCÍPIO implica em ILÍCITO PROCESSUAL,


com aplicação de SANÇÕES (CPC, arts. 14, 15, 17, 18, 31, 133, 135, 144,
147, 153, 193 ss, 600 e 601).

A jurisprudência tem interpretado tais dispositivos com cautela, para que


não ocorra sérias lesões ao princípio do contraditório.

PROCESSO PENAL: não há especial atenção com a lealdade processual


(salvo, arts. 799 e 801). No entanto, CÓDIGO PENAL ---- pena de detenção

19
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU
no caso de fraude no processo civil ou procedimento administrativo, bem
como pena em dobro no caso em que a fraude ocorre no processo penal.

3.13 – PRINCÍPIO DA ECONOMIA E DA INSTRUMENTALIDADE


DAS FORMAS

PRINCÍPIO DA ECONOMIA: preconiza o máximo de resultado na


atuação do direito com o mínimo emprego possível de atividades processuais.
Ex: reunião dos processos em casos de conexidade ou continência (CPC, art.
105), a reconvenção, ação declaratória incidental, litisconsórcio etc.

Em muitos casos, tem-se economia e eliminação do risco de decisões


contraditórias.

Economia --- decorre: princípio do APROVEITAMENTO DOS ATOS


PROCESSUAIS (CPC, art. 250, de aplicação geral ao processo civil e penal).

Exemplos:

a) indiferença na escolha do interdito possessório adequado (art. 950);

b) nulidade processual: não declaração quando o ato tiver alcançado sua


finalidade e não prejudicar a defesa (arts. 154, 244, 248).

3.14 – PRINCÍPIO DO DUPLO GRAU DE JURISDIÇÃO

20
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU
Tal princípio indica a possibilidade de revisão, por via de recurso, das
causas já julgadas pelo juiz de primeiro grau (ou primeira instância), que
corresponde à denominada jurisdição inferior.

Garante, assim, um novo julgamento, por parte dos órgãos da jurisdição


superior, ou de segundo grau (também denominada de segunda instância).

JUIZ – julga segundo direito e sua própria consciência, analisando


racionalmente os elementos presentes nos autos.

A existência do duplo grau de jurisdição, ou seja, da superior instância,


não interfere nem reduz as garantias de independência dos juízes.

Fundamentos:

a) possibilidade da decisão de primeiro grau ser injusta ou errada;

b) conveniência de dar ao vencido mais uma oportunidade para o


reexame de decisão com a qual não se conformou;

c) o tribunal de segundo grau é formado por juízes mais experientes,


constituindo-se em órgãos colegiados, o que implica no oferecimento
de maior segurança;

d) o juiz de primeiro grau decide com maior cuidado quando sabe que
sua decisão poderá ser revista por órgão superior.

FUNDAMENTO MAIOR: natureza política: NENHUM ATO


ESTATAL PODE FICAR IMUNE AOS NECESSÁRIOS
CONTROLES.

21
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU
O princípio do duplo grau de jurisdição implica no controle interno,
realizado pelo próprio Poder Judiciário, da legalidade e justiça das decisões
judiciárias.

Não há adoção expressa do princípio, mas é evidente sua adoção, na


medida em que a própria Constituição Federal regula a competência recursal
de vários órgãos jurisdicionais (art. 102, II, art. 105, II, art. 108, II), além de
prever, sob denominação de tribunais, órgão de segundo grau (art. 93, III).

Ademais, o CPC, CPP, CLT, leis extravagantes e leis de organização


judiciária prevêem e disciplinam o duplo grau de jurisdição.

Exceções: hipóteses previstas pela própria Constituição Federal: casos


de competência originária do STF (art. 102, I).

STF – órgão de cúpula – pode funcionar como de 4º ou 3º grau

STJ, TSE e TST – podem funcionar como de 3º grau.

REGRA: Duplo grau -- efetividade: mediante recurso voluntário da


parte.

Exceção: interesses públicos relevantes: jurisdição superior entra em


cena sem necessidade de atuação da parte (CPC, art. 475; CPP, art. 574, I-II
c/c 401, e art. 746). É a chamada DEVOLUÇÃO OFICIAL ou REMESSA
NECESSÁRIA (ou recurso de-ofício – expressão não apropriada).

Admissibilidade de efetivação do duplo grau:

22
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU
- REGRA: não há discriminação. Mesmos causas de pequeno
valor são passíveis de reexame pelo órgão superior;

- EXCEÇÃO: CLT : considera irrecorríveis as sentenças


proferidas em causas de pequeno valor, salvo se versarem
acerca de matéria constitucional (art. 893, §4°).

Obs: Lei de Execução Fiscal (Lei n° 6.830/80 – art. 34):


embargos infringentes nas hipóteses de causas de pequeno
valor: o mesmo juiz que reapreciará a matéria. Questão de
controvertida constitucionalidade.

Lei dos Juizados Especiais – Lei n° 9.099/95 – duplo grau: colégio


recursal --- órgão colegiado composto por juízes de primeiro grau --- bom
resultados na prática, pois não sobrecarrega os tribunais.

----------------x--------------x--------------x---------------x------------x-----------------

Bibliografia extra recomendada:

- NERY JÚNIOR, Nelson. Princípios do processo civil na constituição


federal.
5ª ed. rev. e ampl. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 1999.

23
TEORIA GERAL DO PROCESSO
DR. MARIO RAMOS DOS SANTOS
ITE-BAURU

24